Resposta Imune

Análise em larga escala da expressão diferencial de Corynebacterium pseudotuberculosis em resposta a estresses abióticos

... proteção cruzada e ser abundante na célula. Além disso, deve estar localizada extracelularmente para ser acessível aos anticorpos, deve ser reconhecida pelo sistema imune e deve induzir uma resposta imune apropriada (Adamczyk-Poplawska et al., 2011). Como a regulação de genes relacionados a patogenicidade, ocorre grande parte por influência do ambiente, faz-se ... para os reguladores de resposta. Alguns exemplos de sistemas de dois componentes envolvidos na resposta ao estresse osmótico são: o sistema KdpDE de E.coli envolvido na aquisição de K+ e o sistema EnvZ-OmpR que regula a expressão das porinas OmpC e OmpF em E. coli, que por sua vez, facilitam a difusão de moléculas hidrofílicas. Em resposta a um aumento ... Pinto ANÁLISE EM LARGA ESCALA DA EXPRESSÃO DIFERENCIAL DE Corynebacterium pseudotuberculosis EM RESPOSTA A ESTRESSES ABIÓTICOS Belo Horizonte 2011 Anne Cybelle Pinto ANÁLISE EM LARGA ESCALA DA EXPRESSÃO DIFERENCIAL DE Corynebacterium pseudotuberculosis EM RESPOSTA A ESTRESSES ABIÓTICOS Tese apresentada no Programa de Pósgraduação do Departamento
 0  3  220

Avaliação da resposta humoral a antígenos de Lacazia loboi utilizando sorosde pacientes com lacaziose

... baseada no tipo de resposta imune predominante, Th1 ou Th2, do hospedeiro frente ao P. brasiliensis. Deste modo, animais resistentes (A/SN) mostraram padrão de resposta do tipo Th1 com hipersensibilidade tardia, ativação macrofágica e baixos níveis de anticorpos específicos; enquanto animais suscetíveis (B10.A) desenvolveram padrão de resposta predominante ... intradérmicos, inclusive à paracoccidioidina. Em 1988, novo estudo da resposta imune celular foi feito com 12 pacientes, dos quais grande parte não reagiu aos testes realizados, exceto ao PPD, que foi positivo em todos. Este estudo sugeriu que os pacientes com lacaziose sofriam de uma deficiência imune celular parcial (PECHER & FUCHS, 1988). Em 2002, trabalho ... Roberta Leste Motta AVALIAÇÃO DA RESPOSTA HUMORAL A ANTÍGENOS DE LACAZIA LOBOI UTILIZANDO SOROS DE PACIENTES COM LACAZIOSE Belo Horizonte Minas Gerais - Brasil 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE Roberta Leste Motta AVALIAÇÃO DA RESPOSTA HUMORAL A ANTÍGENOS DE LACAZIA
 0  3  86

Avaliação da resposta humoral e celular de camundongos BALB/C imunizados com a proteína rMSP1a obtida do isolado UFMG2 de Anaplasma marginale

... SWNT – nanotubos de carbono de parede simples Tampão MES - Ácido 2-morfolinoetanosulfónico monohidratado TEMED – N, N, N’, N’-tetrametiletilenodiamina Th1 – resposta imune do tipo 1 Th2 – resposta imune do tipo 2 TMB – 3,3’,5,5’-tetrametilbenzidina Tris-HCL – tris hidrocloreto UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais UFMG2 – isolado de A. marginale ... eliminadas. A utilização de carreadores constitui uma alternativa para aumentar a eficiência da distribuição e a apresentação do antígeno ao sistema imune. O objetivo deste trabalho foi avaliar a resposta imune humoral e celular de camundongos Balb/c imunizados com o fragmento recombinante da proteína MSP1a, do isolado UFMG2 de A. marginale em diferentes ... - Avaliação da resposta humoral............................................................. 75 5.4 Padronização do teste de ELISA .............................................................................. 75 5. 5 Avaliação da resposta humoral através do ELISA .................................................. 76 5.6 Avaliação da resposta humoral
 0  7  116

Avaliação do perfil da resposta imune Th1, TH2 e Th17 em mulheres com cancer epitelial dos ovários

... do câncer epitelial de ovário. Tese Eduardo B Candido.indb 21 15/09/2012 08:31:09 1.2 Resposta imune 1 – introdução 22 A resposta imune pode ser dividida em inata ou adaptativa. A imunidade inata está associada às fases iniciais da resposta imune e atua contra o agente agressor de maneira inespecífica, não se alterando com a repetida ... desviar a resposta imune do perfil Th1 (IFN-γ, TNF-α) para resposta Th2 (IL4, IL-6) (Giuntoli, Webb et al., 2009). A respota Th1 atua pelo estímulo da imunidade celular por ativação de macrófagos e células dendríticas e no recrutamento de células T CD8+ citotóxicas e células NK. A resposta Th2 inibe a imunidade mediada por células e favorece a resposta imune ... células Th17 representa portanto, um mecanismo de evasão tumoral à resposta imune (Kryczek, Banerjee et al., 2009). A citocina IL-4 é peça fundamental no desenvolvimento da resposta imune Th2 e está envolvida na mediação de inúmeras atividades imunomoduladoras como a sobreposição da resposta Th2 e inibição da atividade Th1, a produção de anticorpos
 0  2  98

Cálculo das proficiências dos alunos de MG na prova de matemática do ENEM de 2011 através de um modelo da Teoria de Resposta ao Item

... habilidade do indivíduo examinado e a probabilidade de uma resposta correta considerando três parâmetros: dificuldade, discriminação e casualidade. Ele é frequentemente usado para analisar dados de testes de múltipla escolha onde os indivíduos tentam escolher a resposta correta de uma lista de possíveis respostas. O modelo 3-PL é similar 17 ao modelo ... através de um modelo da Teoria de Resposta ao Item Autor: Fabrícia Gomes Moreira Orientador(a): Dr. Ricardo Tavares RESUMO O presente trabalho na área de avaliação educacional aborda o cálculo das proficiências dos alunos de Minas Gerais que fizeram a prova de Matemática do ENEM/2011 usando um modelo de Teoria de Resposta ao Item (TRI). A TRI é um ... logístico com 3 parâmetros que descreve a relação entre a habilidade do indivíduo examinado e a probabilidade de uma resposta correta com três parâmetros: dificuldade, discriminação e casualidade. Esta monografia apresenta um estudo da Teoria de Resposta ao Item aplicada aos microdados dos 438.974 alunos que fizeram a inscrição nos 853 municípios de Minas Gerais.
 0  2  82

Correlação entre as lesões cardíacas e a resposta imune em cães da raça Beagle infectados experimentalmente com diferentes cepas do Trypanosoma cruzi.

... Foram analisadas características biológicas inerentes as cepas do parasito (polimorfismo de formas tripomastigotas, infectividade in vitro, curva de parasitemia) e aspectos da resposta imune do hospedeiro (cinética de produção de imunoglobulinas IgA, IgM, IgG, IgG1 e IgG2; produção de anticorpos líticos; proliferação de células mononucleares do sangue periférico/CMSP; ... variabilidade entre as cepas, a virulência, a antigenicidade, o tropismo e o tamanho do inóculo. Em relação ao hospedeiro vertebrado, fatores como idade, sexo e o perfil da resposta imune parecem modular diferenças nas manifestações clínicas (Dias, 2000). Nesta fase, a maior parte dos pacientes chagásicos permanece assintomática por um longo período, ... 1993). 34< . : != A infecção pelo T. cruzi expõe o sistema imunológico do hospedeiro vertebrado a uma complexa mistura de antígenos do parasito que estimulam a resposta imune celular e humoral do hospedeiro. A presença de linfócitos e macrófagos nos infiltrados inflamatórios pode estar 4 Introdução e Revisão Bibliográfica diretamente
 0  3  125

ESTUDO DOS PONTOS CRÍTICOS DE UMA SUPERFÍCIE DE RESPOSTA

... 00134X22 (19) As Figuras 2 e 3 representam a superf´ıcie de resposta e o gr´afico de contorno, respectivamente, para a resposta (produ¸ca˜o) em fun¸ca˜o da temperatura e do tempo. Percebe-se por estas figuras que a resposta (produ¸ca˜o) tem valor de ma´ximo. Figura 2: Superf´ıcie de resposta do modelo de segunda ordem 14 Figura 3: Gra´fico ... problemas nos quais a vari´avel de resposta de interesse ´e influenciada por diversas varia´veis independentes ou fatores e cujo objetivo ´e otimizar a varia´vel resposta (Montgomery, 2013). De modo geral tem-se interesse em avaliar as rela¸co˜es existentes entre os principais fatores que compo˜em um processo e uma vari´avel resposta de interesse. Nestas ... processo que levara´ `a obten¸c˜ao de um valor o´timo para a varia´vel resposta. A ana´lise da superf´ıcie de resposta ´e feita de forma sequencial.Primeiramente tenta-se ajustar uma func¸˜ao de baixa ordem para modelar os dados, se esta for uma boa aproxima¸c˜ao dos fatores para a vari´avel resposta, ent˜ao tem-se uma fun¸ca˜o linear. Por outro lado, quando
 0  2  16

UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM EM UM SIMULADO DE MATEMÁTICA NO MODELO ENEM

... Frederico Carvalho Uma Aplicação da Teoria de Resposta ao Item em um Simulado de Matemática no Modelo ENEM / Frederico Carvalho Torres; orientador Mauro Luiz Rabelo. -Brasília, 2015. 101 p. Dissertação (Mestrado - Mestrado Profissional em Matemática) -- Universidade de Brasília, 2015. 1. Teoria de Resposta ao Item. 2. Avaliação. 3. ENEM. I. Rabelo, ... de técnicas mais robustas de avaliação. Baseando-se na análise dos itens, e não dos testes, surge a Teoria de Resposta ao Item (TRI). Tal metodologia sugere “formas de representar a relação entre a probabilidade de um indivíduo dar uma certa resposta a um item e as suas proficiências ou habilidades na área de conhecimento avaliada” (ANDRADE; TAVARES; ... Analisar pedagogicamente cada item e suas opções de resposta, propondo soluções para a melhoria de acordo com a engenharia de construção dos itens; • Dar feedback aos professores da escola que elaboraram os itens acerca do comportamento de cada item e das possibilidades de melhoria futura. 2 A Teoria de Resposta ao Item 2.1 Contextualização Suponha
 0  5  116

Efeitos dos programas de luz sobre o desempenho, rendimentos de abate, aspectos econômicos e resposta imunologica em frangos de corte.

... Consumo – Efeito da luz – Teses. 2. Frango de corte – Carcaça – Teses. 3. Frango de corte – Desempenho produtivo – Teses. 4. Frango de corte – Aspectos econômicos – Teses. 5. Resposta imune – Teses. I. Baião, Nelson Carneiro. II Losada y González, Manuel. III. Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Veterinária. IV. Título. CDD 0 636.508 5 2 Dissertação ... Horizonte – MG UFMG-EV 2006 1 M827e Moraes, Douglas Teixeira Moraes, 1978- Efeitos dos programas de luz sobre o desempenho, rendimentos de abate, aspectos econômicos e resposta imunológica em frangos de corte / Douglas Teixeira Moraes. – 2006 51p.: il. Orientador: Nelson Carneiro Baião Co-orientador: Manuel Losada Y Gonzalez Dissertação ... DOUGLAS TEIXEIRA MORAES EFEITOS DOS PROGRAMAS DE LUZ SOBRE O DESEMPENHO, RENDIMENTOS DE ABATE, ASPECTOS ECONÔMICOS E RESPOSTA IMUNOLÓGICA EM FRANGOS DE CORTE Dissertação apresentada à Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais como requisito parcial para a obtenção do Grau
 0  2  51

Estudo do papel das espécies reativas de oxigênio (ROS) na resposta inflamatória induzida pelo exercício físico em camundongos

... induzir aumento na produção e ativação de células do sistema imune na circulação. Estas células estimuladas podem infiltrar o tecido muscular e induzir uma resposta inflamatória local. No processo inflamatório há aumento na produção de espécies reativas de oxigênio (ROS), porém, o papel da ROS na resposta inflamatória induzida pelo exercício físico ainda ... em Biologia Celular Estudo do papel das espécies reativas de oxigênio (ROS) na resposta inflamatória induzida pelo exercício físico em camundongos Belo Horizonte Janeiro 2014 2 Albená Nunes da Silva Estudo do papel das espécies reativas de oxigênio (ROS) na resposta inflamatória induzida pelo exercício físico em camundongos. Tese apresentada ... tecido) e na produção de citocinas e anticorpos (HICKEY e KUBES, 2009). Tem ficado cada vez mais claro na literatura que esta resposta do hospedeiro é essencial à sobrevivência do organismo. Quando ocorre um processo inflamatório em resposta a uma infecção ou agressão/dano ao organismo, os leucócitos podem sair da corrente sanguínea e entrar no tecido lesado,
 0  3  141

Investigação da resposta de malhas de aterramentos frente a correntes de descargas atmosféricas

... investigação da resposta de aterramentos elétricos submetidos a correntes de descargas atmosféricas consiste em pesquisa complexa, que envolve diferentes abordagens, notadamente a simulação analítica ou computacional e a simulação experimental. Nas últimas décadas, houve significativo avanço dos modelos computacionais para simulação da resposta transitória ... consideráveis neste campo, seja pela proposição de um modelo eletromagnético original próprio para cálculo da resposta transitória de aterramentos elétricos, ou pelas referências experimentais que desenvolveu, notadamente aquelas pertinentes à resposta de eletrodos horizontais e verticais enterrados no solo e dispostos em arranjos simples. Ademais, a ... referências experimentais confiáveis relativas à resposta experimental de malhas de aterramentos. A metodologia adotada baseou-se na implementação de duas malhas idênticas, de dimensões consideráveis, instaladas em dois solos distintos, um de resistividade elevada e outro de baixa, e na realização de medições relativas à resposta desses arranjos frente a correntes
 0  2  73

Marcadores inflamatórios solúveis como preditores de alteraçõeshistologicas hepáticas e resposta terapêutica na infecção crônica pelovírus da hepatite C

... dando início à resposta imune adquirida (KAêTO; HAYASHI, 2006). Como parte da resposta adquirida, linfócitos T ativados específicos para o HCV migram para o fígado e anticorpos contra o HCV passam a ser detectados no soro (KAêTO; HAYASHI, 2006). As citocinas desempenham importante papel importante na modulação da resposta imune, direcionando ... intracelulares importantes para a regulação da resposta imune ao HCV (JACOBSOê BROWê; êEUMAê, 2001; MAHER, 1999). êa resposta inata ao HCV, a expressão de IFê α e de genes induzidos pelo IFê está elevada e ocorre secreção de IFê γ por células (êK) ativadas (KAêTO; HAYASHI, 2006). Ainda nessa fase de resposta, células dendríticas hepáticas processam ... proporcionados e que fazem minha vida valer a pena. RESUMO A progressão da doença hepática e a resposta terapêutica de pacientes cronicamente infectados pelo vírus da hepatite C (HCV) parecem ter relação com a resposta imune do hospedeiro. A ativação do sistema imune envolve a liberação de citocinas e de seus receptores, que podem ser dosados em amostras
 0  3  131

Modelo bayesiano da teoria de resposta ao item: uma abordagem generalizada para o traço latente via misturas

... Dias MODELO BAYESIANO DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM: UMA ABORDAGEM GENERALIZADA PARA O TRAC¸ O LATENTE VIA MISTURAS Belo Horizonte 2015 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE ESTAT´ISTICA PROGRAMA DE PO´ S-GRADUAC¸ AO EM ESTAT´ISTICA B´arbara da Costa Campos Dias MODELO BAYESIANO DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM: UMA ABORDAGEM GENERALIZADA ... Tufi Soares, pela grande experiencia compartilhada e pelo incentivo na finaliza¸c˜ao deste trabalho. Resumo A Teoria da Resposta ao Item ´e uma teoria psicom´etrica que visa construir escalas e estimar tra¸cos latentes baseada em respostas dadas a itens que s˜ao diretamente influenciadas por estes tra¸cos. Uma suposic¸a˜o usual dos modelos da TRI ´e ... . . . . . . . . . . 58 13 Cap´ıtulo 1 Introdu¸c˜ao 1.1 Introdu¸c˜ao A Teoria de Resposta ao Item (TRI) foi formalizada por Lord em 1952 e por Rasch em 1960. A TRI ´e uma teoria psicom´etrica que visa construir escalas e estimar tra¸cos latentes baseada em respostas dadas a itens que s˜ao diretamente influenciadas por estes trac¸os. A varia´vel
 0  5  76

Modelos de Infecção localizada em camundongos utilizando o Vaccinia virus:: implicações para estudos de resposta imune do hospedeiro, terapêutica e variabilidade fenotípica destes vírus

... Bruno Eduardo Fernandes Mota Modelos de infecção localizada em camundongos utilizando o Vaccinia virus: implicações para estudos de resposta imune do hospedeiro, terapêutica e variabilidade fenotípica destes vírus. Tese apresentada ao Programa de PósGraduação em Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas ... Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Microbiologia Modelos de infecção localizada em camundongos utilizando o Vaccinia virus: implicações para estudos de resposta imune do hospedeiro, terapêutica e variabilidade fenotípica destes vírus. Tese apresentada ao Programa de PósGraduação em Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas ... vírus-hospedeiro..................................................Error! Bookmark not defined. 3.4.1 –Patogênese...................................................................Error! Bookmark not defined. 3.4.2 -Resposta imune do hospedeiro ....................................Error! Bookmark not defined. 3.4.3 -A arte da guerra (virocamuflagem, viromimetismo e virotransdução) ...............Error!
 0  4  14

Resposta osteogênica sistêmica no estímulo medular ósseo.

... Artigo originAl resPostA osteoGênICA sIstêmICA no estímuLo meduLAr Ósseo OSTEOGENIC SYSTEMIC RESPONSE AT BONE MARROW STIMULATION Fabiano Rebouças RibeiRo, FeRnando goMes taVaRes, CaRla koMon de souza, MaRCello MaRtins de souza, Jaques waisbeRg resumo Objetivo: Avaliar a influência da resposta osteogênica sistêmica, causada ... estímulo da medula óssea à distância por sua ablação, para avaliar a resposta osteogênica sistêmica após processo de regeneração medular intenso; grupo B, submetido à ostectomia e ao estímulo da medula óssea à distância pela colocação de um fio de Kirschner intramedular, para avaliar a resposta osteogênica sistêmica após processo de regeneração medular ... [serial on the Internet]. 2009;17(2):29-34. Available from URL: http://www.scielo.br/aob. Introdução O processo de reparação da fratura envolve fatores locais e sistêmicos.1-3 A resposta osteogênica sistêmica foi observada após estímulos distantes do foco de fratura, como na lesão da medula óssea4-8 e/ou na perda sanguínea9,10. Tavares et al.4 descreveram
 0  3  6

Classificação de populações de milho quanto à eficiência e resposta ao uso de fósforo.

... Fageria e Kluthcouski (1980), que sugerem a classificação das cultivares quanto à eficiência no uso e resposta à aplicação do fósforo (eficiência e resposta - ER). A utilização do nutriente foi definida pela média de produtividade de grãos em baixo nível. A resposta à utilização do nutriente é obtida pela diferença entre a produtividade de grãos nos dois ... crescimento e desenvolvimento das plantas em condições de baixo nível do nutriente, verificando se a resposta se deve ao mecanismo de absorção e/ou de utilização do nutriente para produção de matéria seca (FLEMING, 1983 apud FURLANI et al., 1985). Esta resposta, no entanto, não é aplicável ao melhoramento de plantas. No melhoramento de plantas para a ... Para identificar os cultivares adequados aos ambientes, utilizou-se metodologia que sugerem a classificação das cultivares quanto à eficiência no uso e resposta a aplicação do fósforo (eficiência e resposta) . Concluiu-se que os genótipos eficientes na absorção e utilização de fósforo e responsivos ao incremento de P foram UFVM77-0331, UFVM77-0307, UFVM77-0333,
 0  3  6

Avaliação da aprotinina na redução da resposta inflamatória sistêmica em crianças operadas com circulação extracorpórea.

... Aprotinina em altas doses hemostáticas não minimizou as manifestações clínicas e os marcadores séricos de resposta inflamatória sistêmica. Descritores: Procedimentos cirúrgicos cardiovasculares. Circulação extracorpórea com oxigenador de membrana. Síndrome de resposta inflamatória sistêmica. Síndrome de vazamento capilar. Aprotinina. 1. Doutor; Médico Assistente ... utilizou-se o efeito aleatório (assumindo que a amostra é da população, no caso deste estudo, de crianças operadas em nosso hospital) e a resposta de cada indivíduo (que é particular). O modelo trabalhou simultaneamente cada resposta em cada tempo. Como o pressuposto resíduo zero e variância constante foram testados e satisfeitos, os dados puderam ser ... da mesma não ser numerosa. Os neonatos foram excluídos, devido à sua maior propensão às complicações da CEC [15] secundárias à intensa resposta neuroendócrina à lesão tecidual, à grande liberação de citocinas e à menor resposta neutrofílica [17], comparadas às crianças com mais de 1 mês de vida. Não obstante a estimativa de mortalidade intrahospitalar
 0  4  14

Análise do tempo de resposta reflexa dos músculos estabilizadores patelares em indivíduos com síndrome da dor patelofemural.

... B 2,0 A 0,0 -2,0 -4,0 0,01 0,02 0,03 0,04 0,05 Tempo de resposta (segundos) 0,06 0,07 Figura 2. Sinal eletromiográfico obtido a partir da percussão do tendão patelar. Início da resposta e período de latência (A), tempo de subida da onda (rise time, B) e pico da resposta reflexa (C). Resultados Os resultados revelaram, para o Grupo ... tempo zero ao pico da resposta elétrica dos músculos VMO, VLO e VLL em segundos, dada pelo programa Myosystem-Br1 versão 2.9 b (Uberlândia, Minas Gerais, Brasil), conforme a Figura 2. Devido à análise ser em relação ao TRR, não foi aplicado o filtro passa-faixa, pois esse, em especial o passa-alta, poderia alterar o tempo inicial da resposta reflexa. Análise ... CIENTÍFICO Análise do tempo de resposta reflexa dos músculos estabilizadores patelares em indivíduos com síndrome da dor patelofemural Analysis of the reflex response time of the patellar stabilizer muscles in individuals with patellofemoral pain syndrome Bevilaqua-Grossi D1, Felicio LR2, Leocádio LP3 Resumo Objetivo: Avaliar o tempo de resposta reflexa (TRR)
 0  3  5

Influência da resposta individual ao estresse e das comorbidades psiquiátricas na síndrome do intestino irritável.

... (paroxetina) em pacientes com SII Investigar se depressão e/ou ansiedade está associada à resposta ao tratamento com paroxetina entre pacientes com SII 20 pacientes (13 ♀ e 7 ♂) receberam 20 mg/ dia de paroxetina pela manhã por 12 semanas. Para aqueles com resposta parcial às 20 mg/dia, aumentou-se a dosagem para 40 mg/dia após 4 semanas. Pacientes ... fatores fisiológicos, afetivos, cognitivos e comportamentais na etiologia da SII. Embora todos os fatores estejam interconectados, o autor enfatiza a importância de cada um deles na resposta individual para o desenvolvimento da SII. Nessa descrição multifatorial, os mecanismos cognitivos estão relacionados ao estilo de vida adotado e às crenças sobre a doença ... humor, em especial a ansiedade generalizada e a depressão grave; e os fatores fisiológicos estão relacionados a modulação da dor, regulação autonômica da motilidade intestinal e resposta neuroendócrina. Em pacientes com SII, frequentemente são percebidas comorbidades intestinais e extraintestinais (palpitações cardíacas, distúrbios do sono e fadiga crônica)
 0  3  7

Redução da resposta superovulatória de fêmeas bovinas superestimuladas com FSH em doses split.

... http://dx.doi.org/10.1590/1678-7329 Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.66, n.6, p.1631-1637, 2014 Redução da resposta superovulatória de fêmeas bovinas superestimuladas com FSH em doses split [Reduced superovulatory response of bovine females overstimulated with FSH in split doses] A.C.N. ... grupos receberam 50μg de análogo de GnRH no D8 pela manhã e foram inseminadas 12 e 24 horas após. No D15 realizou-se a colheita dos embriões em ambos os tratamentos. Avaliou-se a resposta superovulatória pela contagem do número de folículos e CLs de cada ovário, com auxílio de ultrassom. Todas as variáveis foram submetidas ao teste T de Student para amostras ... (6,69±3,05 e 3,37±2,50) e de embriões viáveis (5,25±2,29 e 2,37±1,78) nas vacas do grupo convencional em relação às do split, respectivamente. Conclui-se que o protocolo split tem pior resposta superovulatória e de produção in vivo de embriões, em vacas zebuínas, quando comparado ao protocolo convencional. Palavras-chave: superovulação, dose de FSH, CL ABSTRACT The
 0  5  7

Morfometria do aparelho genital e resposta superovulatória de coelhas suplementadas com geleia real.

... coelhas. Para resposta superovulatória, não foi encontrada diferença significativa (P>0,05) entre os grupos, por meio das avaliações do número de folículos dos ovários direito e esquerdo, do número de corpos lúteos dos ovários direito e esquerdo, do número total de corpos lúteos e das estruturas totais recuperadas (Tab. 5). Tabela 5. Resposta superovulatória ... Araújo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – Cruz das Almas, BA  RESUMO Avaliou-se o efeito da suplementação com geleia real sobre a morfometria do aparelho genital, resposta superovulatória e qualidade embrionária de coelhas. Trinta e seis fêmeas foram distribuídas em quatro grupos (G), sendo: G1 (n=9) formado por animais não suplementados ... ou com problemas de reprodução em cativeiro. Dessa forma, objetivou-se avaliar o efeito da suplementação com geleia real in natura sobre a morfometria do aparelho genital, a resposta superovulatória e a qualidade embrionária de coelhas adultas. MATERIAL E MÉTODOS Foram utilizadas 36 coelhas das raças Califórnia e Nova Zelândia, selecionadas após
 0  3  6

"Hiper-resposta" avaliada pelo eco 3D após terapia de ressincronização cardíaca.

... significativa (avaliada ao Eco 3D) podem estar associadas a essa resposta expressiva após a TRC. e121 Arq Bras Cardiol 2011; 96(6):e119-e122 Hotta e cols. “Hiper -resposta? ?? avaliada pelo eco 3D após TRC Relato de Caso De qualquer forma, à luz dos conhecimentos atuais, os fatores preditores de boa resposta à TRC ainda estão em discussão, e o Eco 3D surge ... volumes ventriculares e da FEVE, essa taxa aumenta, podendo chegar a até 50%. Tem havido muita discussão a respeito das causas para a “não resposta? ?? desses pacientes, porém pouco se comenta sobre os pacientes com “hiper -resposta? ??, ou seja, pacientes que apresentam praticamente normalização da FEVE após TRC. Em estudo recente para a avaliação da prevalência ... pelo Questionário de Qualidade de Vida de Minnesota), e o eletrocardiograma (ECG) da paciente (fig. 1B) evidenciou redução da duração do QRS em e119 Hotta e cols. “Hiper -resposta? ?? avaliada pelo eco 3D após TRC Relato de Caso relação ao traçado pré-operatório. O Eco 3D mostrou redução significativa dos volumes diastólico e sistólico do ventrículo
 0  2  4

Neuropatia óptica auto-imune: relato de caso.

... neuropatia óptica auto -imune e a importância da instituição precoce da terapêutica adequada, com imunossupressores de manutenção, diferentemente da abordagem da neurite óptica idiopática ou desmielinizante habitual. A neuropatia óptica auto -imune é responsiva a corti- Arq Bras Oftalmol. 2006;69(4):593-5 Neuropatia óptica auto -imune: relato de caso 595 cóide ... um mecanismo auto -imune, na maioria destes casos não existe evidência clara de um distúrbio imunológico sistêmico. Dutton et al.(16), Kupersmith et al.(17), e Riedel et al.(18), no entanto, descreveram uma condição na qual o acometimento do nervo óptico se mostra associado a alterações laboratoriais indicativas de um distúrbio auto -imune. Esta entidade ... distúrbio auto -imune. Esta entidade foi denominada de neuropatia óptica auto -imune e apresenta características clínicas que a diferenciam da neurite óptica idiopática ou desmielinizante(17-18). O objetivo deste trabalho é o de documentar uma criança com neuropatia óptica auto -imune, discutir seu diagnóstico diferencial e chamar a atenção para a gravidade
 0  3  3

Resposta humoral de bovinos vacinados contra as toxinas botulínicas tipos C e D em diferentes faixas etárias.

... Resposta humoral de bovinos vacinados contra as toxinas botulínicas tipos C e D em diferentes faixas etárias. COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA RESPOSTA HUMORAL DE BOVINOS VACINADOS CONTRA AS TOXINAS BOTULÍNICAS TIPOS C E D EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS V.C.M. ... anticorpos (p < 0,05) em relação aos demais grupos. Entre o G1 e G2 não houve diferença significativa na resposta humoral contra a toxina C, no entanto, contra a toxina D, os animais do G1 apresentaram maior produção de anticorpos. Todos os grupos produziram uma resposta significativa de anticorpos contra as toxinas botulínicas após a 2ª dose da vacina bivalente comercial, ... de animais vacinados, não houve diferenças significativas na resposta contra a toxina C, enquanto para o tipo D, os animais do G1 apresentaram maior produção de anticorpos em relação ao G2. Além disso, foi possível observar no presente estudo que todos os grupos apresentaram uma magnitude na resposta humoral contra a toxina tipo D em relação à apresentada
 0  18  4

Resposta magnética de supercondutores estruturados: dependência com a granulometria

... (b) resposta da região intragranular (c) resposta combinada. ............................. 26  Figura 16. Magnetização de supercondutor granular em um processo FCC. O aprisionamento de fluxo pode ser tão efetivo a ponto da resposta da região intergranular ser positiva. (a) repostas da região intergranular (b) resposta da região intragranular (c) resposta combinada................................................................................................................................. ... Campoi Trípodi 19 Capítulo 2 Resposta Magnética de Supercondutores 2.1 Magnetização e Suscetibilidade - AC Com o estudo da resposta magnética de uma amostra é possível investigar características básicas, sejam elas intrínsecas ou decorrentes de defeitos devidos à maneira pela qual a amostra foi produzida. Caracterizar a resposta magnética de um material ... sendo supercondutora é possível obter uma Dissertação de Mestrado Alonso Campoi Trípodi 5 resposta supercondutora dessa região, em decorrência do tunelamento de correntes de transporte entre grãos vizinhos. Neste trabalho apresentamos um estudo sistemático da resposta magnética intergranular, bem como da densidade de corrente crítica, que uma amostra
 0  2  78

Documento similar


Feedback