O Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente

Livre

0
0
8
11 months ago
Preview
Full text

  Educação e ciência

  

M A N U A L D E O R I E N TA Ç Ã O O Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente

  Entender como as coisas funcionam é um impulso natural para nós, humanos. Esse estímulo nos acompanha desde o nosso nascimento como indivíduos, na condição de uma espécie capaz de pensar, criar e produzir.

  A curiosidade é apenas o primeiro degrau de uma longa escada rumo à inovação, ao desenvolvimento e à sustentabilidade. A busca por so- luções para os desafios do dia a dia também requer imaginação, ex- perimentação e raciocínio, princípios que sintetizam o pensamento científico.

  A ArcelorMittal acredita que esse é um fator decisivo para o desenvol- vimento sustentável e considera fundamental estimular a ciência ainda na infância. Atualmente, esse é o fio condutor do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente, iniciativa da Fundação ArcelorMittal voltada para a conscientização ambiental de estudantes do Ensino Fundamental e de filhos de empregados.

  Esse formato estimula a realização de atividades investigativas, visan- do à formação de cidadãos mais críticos, questionadores e aptos a buscar respostas e soluções. Integra-se a um movimento global de fomento à ciência, tecnologia, engenharia e matemática — STEM, na sigla em inglês —, o qual também orienta a estratégia de investimento social da ArcelorMittal em âmbito mundial.

  A proposta valoriza e dá mais autonomia e responsabilidades ao edu- cador. É dele o papel de protagonista e incentivador da ciência entre os alunos. Em vez de avaliar trabalhos individualmente, serão premiadas iniciativas coletivas que tragam saídas viáveis para problemas ambien- tais, a partir de um tema anual. Ao estimular a prática científica entre crianças e adolescentes, o Prê- mio ArcelorMittal de Meio Ambiente busca contribuir para a formação de uma sociedade que compreende o mundo que a circunda e interage com ele, aliando educação e sustentabilidade.

  “A formulação de um problema é muitas vezes mais importante do que a sua solução (...). Levantar novas questões e novas possibilidades, considerar antigos problemas por um novo

  ângulo requer imaginação criativa e marca o avanço real na ciência.” (1) Albert Einstein e Leopold Infred . Como funciona o Prêmio

  O Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente in- centiva a realização de projetos desenvolvidos por equipes de professores e alunos formadas nas es- colas. A partir de um tema definido a cada ano, a comunidade escolar é convidada a desenvolver trabalhos colaborativos e multidisciplinares, que concorrerão a prêmios.

  ››

  O regulamento completo do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente está disponível no site

  c) Na 3ª Etapa, a Fundação ArcelorMittal premiará os professores vencedores de cada categoria e concederá uma premiação coletiva aos respec- tivos alunos.

  Belgo Bekaert premiará os professores vence- dores de cada categoria e presenteará os res- pectivos alunos com uma lembrança pela par- ticipação, conforme critério estabelecido por cada unidade;

  a) Na 1ª etapa, é opcional à escola premiar os me- lhores projetos; b) Na 2ª Etapa, a unidade local da ArcelorMittal /

  6. Premiação

  FUTURO DO PROJETO O projeto apresenta planos de continuidade e desenvolvimento futuro? A metodologia utili- zada pode ser replicada por outros professores?

  ››

  CLAREZA NA APRESENTAđấO A questão identificada para trabalhar com os alunos, o objetivo do projeto e as etapas reali- zadas foram claramente explicitados? O forma- to de apresentação do projeto possibilita com- preender seus resultados?

  ››

  RESULTADOS Quais foram os resultados do projeto e seus im- pactos na escola, nos alunos e na comunidade? Os resultados alcançados estão coerentes com o objetivo proposto pelo projeto?

  ››

  CRIATIVIDADE O projeto apresenta elementos inovadores nos materiais utilizados, na metodologia empregada ou na maneira de apresentá-lo?

  ADEQUAđấO AO TEMA O projeto trata de um assunto alinhado ao tema do ano? As questões ambientais e relacionadas com a sustentabilidade foram contempladas no projeto?

  1. Objetivo

  5. Critérios de avaliação ››

  f) A escola deve preencher um relatório de par- ticipação, de acordo com modelo disponibiliza- do pela ArcelorMittal. Deve ser enviado para a unidade local da ArcelorMittal / Belgo Bekaert junto com os projetos selecionados pela escola para participação na 2ª Etapa.

  d) O projeto deve estar embasado no tema do ano e ser executado durante o período de de- senvolvimento do tema na escola; e) O projeto deve ser preenchido em um formu- lário padrão, fornecido pela ArcelorMittal, e enviado para a unidade local da ArcelorMittal / Belgo Bekaert por meio eletrônico ou físico;

  c) O projeto deve ser uma iniciativa idealizada por um ou mais professores e executada com os alunos, podendo envolver turmas completas ou apenas parte dos alunos;

  b) A escola pode encaminhar para a Etapa Local até quatro projetos para representá-la, sendo um de cada categoria;

  a) Cada projeto pode ter até quatro professo- res participantes, que devem optar por uma das categorias para submeter seu projeto ao concurso, de acordo com a idade dos alunos envolvidos;

  4. Critérios para participação

  b) 2ª: Etapa Local; c) 3ª: Etapa Nacional.

  a) 1ª: Etapa Escola;

  3. Etapas

  a) CIENTISTA MIRIM: professores e alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. A categoria é subdividida em Cientista Mirim I (1º ao 3º ano) e Cientista Mirim II (4º e 5º anos); b) CIENTISTA JOVEM: professores e alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental. A categoria é subdividida em Cientista Jovem I (6º e 7º anos) e Cientista Jovem II (8º e 9º anos).

  2. Público-alvo e categorias

  Promover a conscientização ambiental dos estudantes das comunidades de atuação da ArcelorMittal / Belgo Bekaert e filhos de empre- gados das empresas, de forma a contribuir para a valorização e preservação do meio ambiente.

  www.arcelormittalciencias.net

  = diga onde encontrou a ideia original (atribua

  A elaboração e o desenvolvimento de proje- tos constituem uma trilha instigante que envolve a proposta de investigações, as quais vão construir uma história com começo, meio e fim. Existe a pos- sibilidade de propormos vários formatos de proje- tos, que vão contar histórias diferentes sobre um mesmo tema geral.

  Sabemos que muitas escolas já trabalham com projetos e possuem sua maneira de registrar suas histórias. Assim, este material tem o objetivo de ni- velar o conhecimento sobre as principais etapas de um projeto entre todas as escolas participantes do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente.

  Como primeiro passo na definição do projeto a ser desenvolvido com os estudantes, é preciso es- colher um tema e selecionar um formato para con- tar a história da melhor maneira possível.

  Andréa Horta Machado Professores do Colégio T écnico da UFMG, com experiência na formação de professor es, na elaboração de material didátic o e em divulgação científic a

  Por Alfredo Luis Mateus e

  Aprender com projetos de trabalho

  A proposta é mostrar que a inovação é um pro- cesso incremental, que se desenvolve colaborati- vamente, aos poucos e com base no trabalho de outros.

  explique como a ideia funciona e que vantagens e dificuldades apresenta.

  =

  conte como modificou a ideia e tornou-a sua;

  =

  crédito às suas fontes);

TEMA FORMATO PROJETO

  • =

  Por fim, apresentamos sugestões de páginas na internet, artigos e livros interessantes sobre o trabalho com projetos e formas de socialização de- les, como nas feiras de ciências, mostras culturais, mostra do conhecimento etc.

  Existem muitas possibilidades de formatos que podem ser usados para os projetos, e alguns deles podem ser mais apropriados para turmas de idades diferentes.

  Para alunos do 1º ao 3º ano do Ensino Funda- mental, a construção de colagens ou a decoração de uma sala ambiente com o tema pode ser uma alternativa interessante.

  {

  Já alunos do 4º e 5º anos podem desenvolver um projeto que envolva um experimento ou ma- quete que utilize materiais simples e acessíveis.

  Há várias maneiras de se utilizar projetos na escola. Em qualquer caso, o importante é que

  Para muitos autores, a palavra projeto vem do latim projectus e significa algo lançado para a frente. Ter uma ideia, lançá-la e construir o cami- nho para que ela se concretize e uma história seja contada.

  Você já pensou na palavra PROJETO?

  =

  aplicar uma ideia interessante no seu ambiente O projeto não precisa ser 100% inédito. O im- portante é que o aluno:

  As turmas do 6º ao 9º ano podem trabalhar com o tema na perspectiva da inovação. Os alunos podem ser convidados a desenvolver um projeto usando materiais facilmente acessíveis, no qual irão:

  = demonstrar um princípio científico (um experi-

  mento);

  = construir algo que apresente vantagens em ter-

  mos ambientais (um protótipo de algo usando materiais reciclados);

  = resolver um problema de maneira diferente do

  que já existe (protótipo);

  Neste texto, você encontrará questões relevan- tes para ajudar a pensar na construção de um am- biente escolar que favoreça a construção de uma mostra de projetos. Discutiremos o que é um pro- jeto, destacando aspectos a serem considerados para a sua elaboração, com foco na compreensão, e o que podemos aprender com eles. A seguir, lista- mos etapas importantes desde a concepção de um bom projeto até a sua exposição em uma mostra. aprendizagem de conceitos, o desenvolvimento de habilidades e ampliar a formação dos sujeitos en- volvidos. Vários autores vêm pesquisando a apren- dizagem baseada em projetos.

  Em seu livro Transgressão e Mudança na Edu-

  Que etapas são importantes para conceber e desenvolver um bom PROJETO?

  { {

  Pode-se elaborar algumas questões sobre o tema, com perguntas a serem respondidas pelo estudante no diálogo com os pais e outros adul- tos, como profissionais de áreas relacionadas com

  Nesta etapa, o professor contribuirá na defi- nição do tema, principalmente se os alunos forem menores. Também pode propor que eles conver- sem com outras pessoas para que possam, em outro momento, identificar possibilidades de ques- tões que podem ser transformadas em projetos.

  Depois de mobilizados para o tema do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente e para a proposta de pensar em um projeto, os alunos podem ter um tempo para conversar sobre questões a serem es- tudadas pela turma.

  2. Sobre o que será o projeto?

  https://www.youtube.com/watch?v=KdVLrbisAkI

  Nesse momento inicial, é importante abordar a diversidade de tipos de projetos, apresentando al- guns exemplos. O vídeo a seguir mostra o registro de vários trabalhos desenvolvidos por estudantes e apresentados em uma feira de ciências.

  Para dar início à elaboração dos projetos, pode- mos dar uma parada para conversar com os alunos de forma a sensibilizá-los para o tema a ser traba- lhado em cada ano e a forma de abordar este tema. Sugerimos projetos práticos e vinculados ao coti- diano dos estudantes.

  1. Motivação inicial

  Para que o processo de compreensão seja fa- vorecido, é importante que os alunos desenvolvam um projeto sobre algo que tenha relação com a vida deles, algo que lhes interessa. É fundamental que tenham acesso a novas possibilidades de falar so- bre um assunto.

  cação, o Professor Fernando Hernández defende o

  Em todos os projetos, o principal ingrediente é o foco na compreensão. Se não compreendemos o que estamos aprendendo ao fazê-lo, então ele não é bom.

  A receita de um bom projeto inclui muitos ingre- dientes. Podemos compartilhar um pouco de nossa experiência como professores, mas cada um no seu lugar é que vai escolher aqueles que mais dão liga que será desenvolvido. É um processo que vai se construindo no fazer.

  O que é importante para um bom PROJETO?

  Todos aprenderão ao trabalhar JUNTOS, de- senvolvendo um trabalho colaborativo. Outra dimensão importante é a aprendizagem que vem da interação da escola com a comunida- de. Nesse tipo de trabalho, são criadas situações nas quais as pessoas da comunidade podem co- laborar com a elaboração dos projetos e interagir durante sua apresentação.

  Os professores, ao interagirem com as ques- tões trazidas pelos alunos, deslocam-se para um lugar novo. Saem um pouco do papel de transmis- sores de informações e criam oportunidades para mediar as interações dos alunos com os caminhos necessários para a execução do projeto.

  Ao fazer um projeto, toda a comunidade esco- lar é envolvida no aprendizado. Os alunos podem aprender no processo de ter uma ideia, pensar em uma pergunta, identificar um problema, pesquisar, produzir textos, levantar dúvidas, elaborar rela- ções que incentivam novas buscas, descobertas, compreensões e reconstruções do conhecimento.

  O que podemos aprender fazendo projetos?

  Nesse sentido, os projetos de trabalho incluem o conhecimento e problemas que, em geral, estão fora da sala de aula tradicional e vão além do que se aborda no currículo escolar.

  uso do termo “PROJETO DE TRABALHO” para co- nectar a questão de dar forma a uma ideia com a questão da aprendizagem. Assim, no trabalho com projetos, pretende-se que os estudantes estejam envolvidos com aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a ser e aprender a compreender.

  {

3. Como levantar informações

  sobre o tema?

  áreas que possam contribuir com o projeto. Nesta etapa, o professor pode reservar um tempo em sala de aula para acompanhar o desenvolvimento das ações planejadas e sugerir caminhos.

  Identificada a questão a se trabalhar nos proje- tos, é chegada a hora de discutir os caminhos que serão utilizados para levantar dados sobre ela. Que informações são importantes? Como obter essas informações?

UM PROJETO, MUITOS FORMATOS

  Essas e outras perguntas são cruciais para que as informações sejam obtidas. Assim, o processo de compreensão vai sendo elaborado na interação com diversas formas de olhar para uma questão.

  4. Como apresentar as informações obtidas?

  Para que os estudantes possam contar a histó- ria do que foi feito ao longo do desenvolvimento do projeto, é importante que as ideias sejam orga- nizadas de forma a ter começo, meio e fim. O que cada turma vai utilizar para apresentar a história que será contada poderá variar.

  Vamos supor que alguns alunos tenham pes- quisado as informações sobre o tema escolhido. Pode ser que decidam fazer uma oficina durante a mostra de projetos, para que as pessoas aprendam sobre isso. Se fizeram um experimento, podem apresentá-lo de forma interativa. Podem pensar em fazer um vídeo, um cartaz, um painel, que se- rão apresentados durante a mostra. Podem fazer uma palestra ou criar uma sala ambiente. Podem fazer uma peça de teatro ou criar uma coreogra- fia. Todas essas formas de apresentação são pos- síveis, mas, para decidir qual será a mais adequada, é preciso levar em conta os recursos disponíveis do recursos humanos, como professores de outras

  A essas questões, acrescentamos: que teorias científicas nos ajudam a compreender o fenôme- no? Que explicações podemos ter?

  Como se produziu este fenômeno? Sempre foi assim? Como o percebiam as pessoas de outras épocas e lugares? Consideravam-no tal como nós? Como se explicam essas mudanças? Por que se considera uma determinada visão como natural? Por que se excluem outras interpreta- ções? Como este fenômeno afeta nossas vidas e de outras pessoas? (Hernández, 1998, p.28)

  5. É possível que a avaliação seja parte do processo de desenvolvimento de projetos?

  A avaliação é parte integrante do processo da escola. O desenvolvimento de projetos para o Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente pode ser incluído no processo de avaliação. Mas como po- demos avaliar o desenvolvimento de um projeto?

  Talvez seja um bom momento para experimen- tar alguma forma nova. Quem sabe a elaboração de um portfólio, no qual o grupo vá registrando todas as etapas envolvidas no desenvolvimento do trabalho.

  Em um portfólio, informações, ideias, caminhos e inspirações podem ser incluídos sob forma de fotos, imagens, desenhos, textos e rascunhos, de

  OFICINA EXPERIMENTO VÍDEO CARTAZ

  PAINEL PALESTRA SALA AMBIENTE TEATRO COREOGRAFIA ?

  OFICINA EXPERIMENTO VÍDEO CARTAZ

  PAINEL PALESTRA SALA AMBIENTE TEATRO COREOGRAFIA ?

  Nesta etapa, as perguntas são muito importan- tes. O professor Hernándes nos ajuda a pensar al- gumas questões:

  Pode-se também organizar um tempo para que os alunos apresentem para a própria turma o que fizeram e, juntos, pensem formas de organização dos dados para apresentação à comunidade esco- lar. Neste momento, pode-se conversar sobre es- tratégias que seriam interessantes para a apresen- tação ao público na mostra de projetos. consiga perceber o que foi mais significativo para a turma ao longo do projeto.

  Os portfólios podem ser feitos de papel ou po- de-se utilizar as ferramentas disponíveis para se fazer um portfólio virtual. Exemplos dessas ferra- mentas são os blogs e wikis, muitos deles voltados para a educação e totalmente gratuitos. Na seção sobre livros e artigos interessantes, indicamos um livro que apresenta várias dessas ferramentas.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

  6. Sobre a organização da mostra de projetos

  Sobre uso de portfólios www.portfoliodeaprendizagem.blogspot.com.br Blog escrito pela professora Márcia Ambró- sio, no qual compartilha experiências vividas em sua docência na UFMG e na UFOP/CEAD. Você vai encontrar muito material e referên- cias sobre o uso dos portfólios.

  Library of modern science: the evolution of physics: the growth of ideas from the early concepts to relativity and quanta. Londres:

  (1) EINSTEIN, A.; INFELD, L. The Cambridge

  O artigo aborda a questão dos projetos con- siderando três revoluções recentes: da inte- ratividade, da cognição e da gestão de redes. Essas revoluções facilitariam o desenvolvi- mento de uma cultura do aprender alicerça- da em uma pedagogia de projetos.

  41, jan./jun. 2002. Disp. em: <http://www. redepoc.com/jovensinovadores/ArtigoPaulo- Ventura.pdf>. Acesso em 22 out. 2015

  dagogia de projetos: uma síntese introdutória Educ. Tecnol. Belo Horizonte, v.7, n.1, p.36-

  VENTURA, Paulo Cezar Santos. Por uma pe-

  Alegre: Artes Médicas, 1998.

  zação do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. Porto

  zes, 2015. HERNÁNDEZ, F. e VENTURA, M. A organi-

  colares: ressignificando os espaços educati- vos no ciclo das juventudes. Petrópolis: Vo-

  AMBRÓSIO, M. A avaliação, os registros es-

  ARTIGOS E LIVROS INTERESSANTES

  PÁGINAS NA INTERNET Sobre feiras de ciências www.feiradeciencias.com.br/sala01/01_02.asp Blog escrito por Luiz Ferraz Netto, que foi juiz em dezenas de feiras de ciências. Você vai encontrar dicas de experimentos e orien- tações sobre feiras de ciências.

  A proposta do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente é fomentar a produção e apresentação de trabalhos desenvolvidos por estudantes sob forma de projetos. A organização do espaço para a mostra é uma tarefa que mobilizará a escola, de acordo com sua experiência na organização de eventos e atividades que envolvem a comu- nidade.

  Assim, é possível avaliar o processo, e não ape- nas o produto final. Os portfólios produzidos po- dem ser parte integrante da mostra de projetos.

  e mudança na educação: os projetos de trabalho; trad. Jussara Haubert Rodrigues.

  HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão

  desenvolvimento futuro?

  ›› Quais foram os resultados alcançados? ›› Faça a sua avaliação do processo. ›› O projeto apresenta planos de continuidade e

  projeto.

  ›› Qual foi a questão identificada com a turma? ›› Descreva as etapas realizadas na execução do

  Para concorrer à premiação, você deverá res- ponder às seguintes questões no formulário dispo- nibilizado pela ArcelorMittal:

  É importante que os projetos sejam docu- mentados de maneira clara e resumida, para que o formulário de inscrição ao Prêmio possa ser preenchido.

  7. Como documentar o projeto para fazer a inscrição no Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente?

  www.arcelormittalciencias.net .

  Algumas instituições realizam a mostra den- tro das próprias salas de aula dos alunos, onde eles apresentam aos familiares e à comunidade os resultados do que desenvolveram nos projetos. Mais ideias e detalhamento sobre mostras e fei- ras de ciências podem ser encontrados no site

  Porto Alegre: ArtMed,1998.

SO EM 2016

  IMPRES www.arcelormittalciencias.net

  Realização e coordenação: Fundação ArcelorMittal ›› Pesquisa e desenvolvimento: Alfredo Luis Mateus e Andréa Horta Machado ›› Design gráfico: Mondana:IB ›› Revisão: Fátima Teixeira e Liza Ayub

  www.fundacaoarcelormittal.org.br

Novo documento

Tags

Documento similar

IMPLANTAÇÃO DE UM BAR MULTI-TEMÁTICO NA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS, NA RODOVIA SC-401, BAIRRO SACO GRANDE Trabalho de
0
0
100
ANALISE DO PROCESSO ESTRATÉGICO EM UMA EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES: Um estudo de caso na EMPRESA X
0
0
80
AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS: Um estudo de caso do projeto social "Samba se aprende na escola" da Sociedade Rosas de Ouro
0
0
97
Doutor At011gil .0011 IF unes, Doutor FILIPE BROERING RAMPINELLI ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS NO VAREJO: UM ESTUDO DE CASO Este Trabalho de Conclusão de Estágio foi julgado adequadoe aprovado em sua
0
2
77
PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE CHEQUES DA EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOSE TELEGRAFOSSC Trabalho de
0
0
82
Plano de Marketing parao Departamento de Serviços da ThyssenKrupp Elevadores SA — Unidade Santa Catarina
0
0
135
O ORÇAMENTO DE CAIXA APLICADO PELO MÉTODO DE RECEBIMENTOS E DESEMBOLSOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PRIVADO
0
0
85
Análise Comparativa entre os indices de Negociabilidade das Ações da Bovespa e os
0
0
74
O relógio como exemplo
0
0
5
O gigantesco e promissor mundo do muito pequeno
0
0
8
O desenvolvimento da nanotecnologia: cenário mundial e nacional de investimentos
0
1
7
D O METRO AO NANOMETRO: UM SALTO PARA O ÁTOMO
0
0
10
ABORDAGENS EM NANOCIÊNCIA E NANOTECNOLOGIA PARA O ENSINO MÉDIO
0
0
9
EDUCAÇÃO INCLUSIVA E O ENSINO DE CIÊNCIAS
0
1
15
VIVER SEM LIMITE DF Plano Distrital de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência
1
0
45
Show more