UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS INTERDISCIPLINARES MULHERES, GÊNERO E FEMINISMO ANA ELIZABETH SOUZA SILVEIRA DE SIQUEIRA

Livre

0
8
250
1 year ago
Preview
Full text

  

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

PROGRAMA DE PốS-GRADUAđấO EM ESTUDOS

  

INTERDISCIPLINARES MULHERES, GÊNERO E FEMINISMO

ANA ELIZABETH SOUZA SILVEIRA DE SIQUEIRA

  

POSSIBILIDADES E LIMITES DE UM PROJETO

DE DESENVOLVIMENTO RURAL NO SEMIÁRIDO BAIANO

  SALVADOR 2014 ANA ELIZABETH SOUZA SILVEIRA DE SIQUEIRA

  EMPODERAMENTO DE MULHERES AGRICULTORAS: POSSIBILIDADES E LIMITES DE UM PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL NO SEMIÁRIDO BAIANO

  Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo do Núcleo de

  • – Estudo Interdisciplinar sobre a Mulher Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, como requisito para a obtenção do grau de Mestre em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo Orientadora: Profa. Dra. Cecília Maria Bacellar Sardenberg SALVADOR

  2014 Revisão de texto: Romulo José Ribeiro Costa Revisão final e Formatação: Vanda Bastos

  ______________________________________________________________________

  Siqueira, Ana Elizabeth Souza Silveira de S619 Empoderamento de mulheres agricultoras: possibilidades e limites de um projeto de desenvolvimento rural no semiárido baiano / Ana Elizabeth Souza Silveira de Siqueira.

  • – Salvador, 2014. 250 f. Orientadora: Profª Drª Cecília Maria Bacellar Sardenberg. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, 2014.

  1. Mulheres na agricultura - Bahia. 2. Liderança em mulheres.

  3. Trabalhadoras rurais - Bahia. 4. Gênero. 5. Poder - Relações.

I. Sardenberg, Cecília Maria Bacellar. II. Título.

  CDD – 305.4 __________________________________________________________________________

  ANA ELIZABETH SOUZA SILVEIRA DE SIQUEIRA

EMPODERAMENTO DE MULHERES AGRICULTORAS:

  

POSSIBILIDADES E LIMITES DE UM PROJETO

DE DESENVOLVIMENTO RURAL NO SEMIÁRIDO BAIANO

  Dissertação aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestra em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo, da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia.

  

Salvador, 25 de agosto de 2014

Banca Examinadora

  Cecília Maria Bacellar Sardenberg (Orientadora) ___________________________________ Doutora em Antropologia Social Boston University. EUA Universidade Federal da Bahia.

  Ana Alice Alcântara Costa _____________________________________________________

  de México

  Doutora em Sociologia Política pela Universidad Nacional Autonoma Universidade Federal da Bahia.

  Tatiana Ribeiro Velloso _______________________________________________________ Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

  A Maria Valderez, mãe amada,

por ser a primeira “Maria” em minha vida.

E por me ensinar a ser feminista.

  

AGRADECIMENTOS

  Estou muito feliz por finalmente estar escrevendo os agradecimentos de minha dissertação, porque isto significa que estou na reta final deste longo e rico processo de aprendizado... Foi um trabalho solitário, às vezes angustiante, impossível, porém, sem a colaboração e o carinho de tantos.

  Agradeço, primeiramente, a Deus que, através de Nossa Senhora da Conceição, está sempre presente em minha vida, enchendo-me de fé e força para trilhar a caminhada difícil e prazerosa da vida. Algumas pessoas foram fundamentais nesta conquista. Pelo começo, agradeço a minha amiga Lúcia Calil, por ter me estimulado a fazer o Mestrado, enviando o edital de seleção, e pelas longas e boas conversas sobre como trabalhar gênero no Projeto Gente de Valor.

  Agradeço ao meu companheiro, Ruben Siqueira, pela presença em todas as horas, por ter me ouvido nas dúvidas e ajudado a pensar o trabalho, por me orientar, estimular, criticar e fazer correções. Sou grata aos meus “filhotes” Naiara, Cainan e Uirá: esta minha “tribo” sempre me apoiou, tolerou ausências e angústias e torceu por mim. Aos meus pais, Marcos (Quito) e Maria Valderez, que, mesmo sem entender muito bem o que significa um estudo de Gênero, sempre me motivaram a estudar e a lutar pelos meus sonhos. Aos meus irmãos, Marcos, Marconi, Murilo e Marcílio, a minhas cunhadas-irmãs, Adália, Jaqueline, Fabíola, e a Priscilla, minha sobrinha, por estarem sempre a perguntar, apoiar e a torcer por mim. Ao meu sobrinho, Marcos Júnior, por iniciar as transcrições das fitas e a minha cunhada, Darlene, pelo apoio nas traduções. A Lourdinha, pelo seu carinho e cuidado comigo.

  Institucionalmente, quero agradecer o apoio recebido do pessoal da CAR e do Projeto Gente de Valor, muito especialmente ao coordenador do PGV, César Maynart, por ter aceitado a flexibilização dos meus horários de trabalho de forma que eu pudesse cursar as disciplinas do mestrado, realizar a pesquisa de campo e elaborar parte da dissertação durante parte do expediente. Agradeço aos colegas de trabalho nas pessoas de Carlos Henrique, Samuel, Heide, Maria do Amparo (Lia), Sérgio Amin, Élcio, Daniel e Geraldo Brito, que sempre perguntaram, apoiaram, socializaram textos, conversaram sobre o tema, trocaram informações. Ainda, aos amigos, Celso Celes e Carla Ferreira, pelo companheirismo, solidariedade e por me ajudarem na pesquisa de campo, facilitando o grupo focal, fornecendo sempre informações sobre o Projeto, contribuindo com o que eu precisava. Meu carinhoso agradecimento a Rosi e a Samira, colegas de trabalho e amigas, que dialogaram e refletiram experiência, pela parceria em texto, pelo comprometimento com a luta das mulheres agricultoras, pela contribuição com questionamentos técnicos, metodológicos e políticos da pesquisa, e, principalmente, pela amizade construída a partir da nossa intervenção prática no campo.

  Muito es pecialmente, agradeço a todas as “Marias”, mulheres agricultoras que participaram da pesquisa, contaram suas histórias de vida, compartilharam comigo suas trajetórias e experiências no espaço doméstico e no público. Sou-lhes muitíssimo grata pela acolhida, confiança e pela amizade que se concretizou neste processo e por me ajudarem a refletir as potencialidades e limites do Projeto Gente de Valor. Meus sinceros agradecimentos à Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça e à Associação Comunitária e Cultural do Bariri, Rio Seco, Alto e Rio Quente de Cima, por aceitarem participar dos grupos focais, possibilitando-me ouvir os homens e ter a visão das organizações sobre a intervenção do PGV.

  Agradeço, profundamente, aos amigos, chefes de escritórios regionais do PGV, Geraldo Varjão, Adailton e Rejane, por participarem da pesquisa com toda a boa vontade, por me acompanharem nas idas às comunidades para as entrevistas com as mulheres, por me contarem suas trajetórias e experiências pessoais e compartilharem suas críticas e questionamentos ao trabalho desenvolvido pela assessoria de gênero do PGV.

  Agradeço a minha orientadora Cecília Sardenberg

  • – ou seria “desorientadora”, como ela mesma diz?
  • –, pelo apoio, estímulo e parceria em todas as etapas do trabalho. E por deixar-me à vontade para buscar meus próprios caminhos. Agradeço, também, às duas professoras da Banca de Qualificação, Ana Alice Costa (NEIM/UFBA) e Tatiana Velloso (CETENS/UFRB), por suas contribuições extremamente relevantes para que eu pudesse seguir adiante e concluir o processo de elaboração.

  Por fim, agradeço de coração às colegas e companheiras de turma do Mestrado e do Doutorado Juliana, Jacqueline, Regis Glauciane, Sabrina e Dina, pela amizade, carinho, apoio, troca de materiais e de experiências de vida. Um agradecimento especial às amigas Mara Antonia e Vanderlay, pela força e presença carinhosa, principalmente, na etapa final, ajudando-me a crer que tudo ia dar certo.

  Educar um homem é educar um indivíduo,

mas educar uma mulher é educar uma sociedade.

  Rose Marie Muraro

  

RESUMO

  Esta dissertação se volta para a investigação e análise da participação de mulheres agricultoras no associativismo comunitário e na produção agrícola/agroecológica. Tem por objetivo identificar de que forma e em que medida o exercício de cargos e funções de direção, administração e gestão de recursos como executoras de projetos governamentais de desenvolvimento rural propicia processos de empoderamento destas mulheres no espaço público e no âmbito doméstico-familiar. Para tanto, foram registradas e analisadas as trajetórias e experiências de mulheres agricultoras familiares que participaram das ações desenvolvidas pelo Projeto Gente de Valor, da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional, empresa pública do Estado da Bahia, em parceria com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola, em 34 municípios da região semiárida, entre 2007 e 2012. Os dados foram obtidos a partir de uma abordagem qualitativa, baseada em observações de campo, na realização de dois grupos focais e no registro de histórias de vida de 10 mulheres que estão à frente das associações comunitárias locais ou que participam ativamente dos grupos produtivos. Abordamos, também, as concepções e práticas no âmbito do Projeto Gente de Valor, relativas ao trabalho com enfoque de gênero e como este é compreendido pelos agentes técnicos e técnicas e pelas próprias mulheres. Os resultados obtidos são indicativos de que as mulheres agricultoras se empoderaram, principalmente no nível do empoderamento individual, mas, também, no nível organizacional. À luz da teoria feminista, concluímos que esses importantes avanços são maiores na perspectiva desenvolvimentista a que se limita o Estado, influenciado por organismos multilaterais financeiros. Porém, isto não impediu que algumas mulheres, com seu engajamento social e político e articulação em redes com pessoas e organizações, potencializados pelo Projeto Gente de Valor, tenham se empoderado, também, na perspectiva feminista.

  Palavras-chave: Empoderamento. Mulheres agricultoras. Relações de gênero. Relações de poder. Bahia.

  

ABSTRACT

  This dissertation refers to the participation of women agriculturalists in production and in community associations. The main purpose of this paper is to identify in what form and to what extent the practice of administering position where agriculturists women occupy decision making positions and administering resources in governmental projects contributes to their growth, and, as such, to their empowerment in public spaces and domestic environment. The research data were collected in the course of the experiences of women small farmers participating in the activities and workshops promoted by “Gente de Valor” Project developed by the Company for Development and Regional Action, a public agency of the State of Bahia in partnership with the Agriculture Development International Fund , in 34 counties of the semi-arid region between 2007 and 2012. The data were obtained from a qualitative approach, based on systematic field observation of two focal groups and the testimony of 10 women agriculturist’s life histories, ahead of the associations or of those who actively participate in agriculture productive communities. We also reflected u pon “Gente de

  Valor” Project conceptions and practices related to work with gender focus and how this process is understood (or not) by agency personnel and the women themselves. The results indicate that the women farmers were empowered not only at the organizational perspective, but mostly at the individual level. In the light of the feminist theory, we conclude that these significant improvements are most likely to increase from a developmental perspective thus considered by the State, under the influence of multilateral financial institutions. However, this does not detract the fact that some women, with social commitment and political articulation in networks with people and organizations, su pported by the “Gente de Valor” Project were also empowered from a feminist perspective.

  Key-words: Empowerment. Women farmers. Gender relations. Power relations. Bahia.

  

LISTA DE ILUSTRAđỏES

  Figura 1 Localização dos municípios pertencentes às Regiões Nordeste e Sudoeste selecionados para o Projeto Gente de Valor, 2010 .............................................. 82 Gráfico 1 Distribuição percentual da população segundo a escolaridade, Projeto Gente de

  Valor, 2009 .......................................................................................................... 94 Gráfico 2 Distribuição percentual dos responsáveis pelo domicílio segundo o gênero, por especificidade sociocultural, Projeto Gente de Valor, 2009 ................................ 102 Gráfico 3 Distribuição etária dos moradores segundo a especificidade sociocultural e sexo, Projeto Gente de Valor, 2009 ..................................................................... 103

  

LISTA DE QUADROS

  Quadro 1 Níveis e indicadores do processo de empoderamento ......................................... 61 Quadro 2 Informações gerais sobre as mulheres entrevistadas ........................................... 101 Quadro 3 Perfil dos técnicos e da técnica do Projeto Gente de Valor a Região Nordeste da Bahia ............................................................................................................... 133

  

LISTA DE TABELAS

  Tabela 1 População beneficiada dos municípios integrantes do Projeto Gente de Valor selecionados para a pesquisa ˗˗ Estado da Bahia, 2009 ....................................... 91 Tabela 2 Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) dos municípios integrantes do Projeto Gente de Valor selecionados para a pesq uisa ˗˗ Bahia, 2010 ..................................................................................................................... 93

  Tabela 3 Taxa de analfabetismo ampla da população com mais de 14 anos, por município integrante do Projeto Gent e de Valor selecionado para a pesquisa ˗˗

  Bahia, 2009 .......................................................................................................... 94 Tabela 4 Consolidado de capacitações, Projeto Gente de Valor, 2007-2013 ..................... 105

  LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

  ADS Agente de Desenvolvimento Subterritorial ANA Articulação Nacional de Agroecologia ANMTR Articulação Nacional de Mulheres Trabalhadoras Rurais ARCAS Associação Regional de Convivência Apropriada ao Semiárido ATER Assistência Técnica e Extensão Rural BB Banco do Brasil BIRD Banco Mundial CAR Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional CDST Conselhos de Desenvolvimento Subterritorial CEBs Comunidades Eclesiais de Base CEDAW Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher CEDITER Comissão Evangélica dos Direitos da Terra CEPAL Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe CMDCA Conselho Municipal da Criança e do Adolescente CME Conselho Municipal de Educação CONTAG Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura COOPERACAJU Cooperativa da Cajucultura do Nordeste da Bahia CNPM Conferência Nacional de Políticas CPF Cadastro de Pessoa Física CPT Comissão Pastoral da Terra DPMR Diretoria de Políticas para as Mulheres Rurais DRP Diagnóstico Rural Participativo EAD Educação a Distância EBDA Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola ECA Estatuto da Criança e do Adolescente EFA Escola Família Agrícola FAO Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura FETAGs Federações de Trabalhadores na Agricultura FIDA Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola FNDE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação GAD

  Gender and Development

  GED Gênero e Desenvolvimento

  GEMAA Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa GPP-GER Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça

  IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  IDH Índice de Desenvolvimento Humano

  IDHM Índice de Desenvolvimento Humano Municipal

  IDS Institute of Development Studies

  INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

  IRPAA Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada MAB Movimento dos Atingidos pelas Barragens MAPA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MDA Ministério de Desenvolvimento Agrário MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MI Ministério de Integração Social MMC Movimento de Mulheres Camponesas MMM Marcha Mundial das Mulheres MMTR-NE Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste MOP Manual de Operação do Projeto MPA Movimento dos Pequenos Agricultores MST Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra MSTTR Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais NEIM Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher OIT Organização Internacional do Trabalho ONG Organização Não Governamental ONU Organização das Nações Unidas PAA Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar PAE Programa de Alimentção Escolar PAG Plano de Ação em Gênero PAGE Programa de Assessoria de Gênero OSC Organização da Sociedade Civil PEA População Economicamente Ativa PEC Proposta de Emenda Constitucional PGV Projeto Gente de Valor PIB Produto Interno Bruto PJR Pastoral da Juventude Rural PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar

  Carentes do Estado da Bahia PRONAF Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PROGAVIÃO Projeto de Desenvolvimento Comunitário da Região do Rio Gavião PRONAT Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Territórios Rurais PRONATER Programa Nacional de ATER PT Partido dos Trabalhadores REDOR Rede Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisas sobre Mulher e Relações de

  PNATER Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural PNDTR Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural PNHR Programa Nacional de Habitação Rural PNPM Plano Nacional de Políticas para Mulheres PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento POPMR Programa de Organização Produtiva de Mulheres Rurais PPA Plano Plurianual PRODECAR Projeto de Desenvolvimento Comunitário para as Áreas Rurais mais

  Gênero SEAGRI Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e

  Aquicultura SEBRAE Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEDIR Secretaria do Desenvolvimento e Integração Regional SEPLAN Secretaria de Planejamento do Estado da Bahia SETRE Secretaria do Trabalho Emprego Renda e Esporte SPM Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres STTRs Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais UFBA Universidade Federal da Bahia UFRPE Universidade Federal Rural de Pernambuco UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura UNIFEM Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher WID Women in Development

  • – Mulher no Desenvolvimento

  

SUMÁRIO

  

INTRODUđấO .................................................................................................................. 19

FUNDAMENTOS EPISTEMOLÓGICOS E PROCEDIMENTOS

  METODOLÓGICOS ....................................................................................................... 26

  1 TEORIZANDO SOBRE O PROCESSO DE EMPODERAMENTO DE MULHERES .................................................................................................................. 35

  1.1 CONCEITUANDO EMPODERAMENTO ................................................................. 36

  

1.1.1 Na perspectiva de desenvolvimento ........................................................................ 36

  

1.1.2 Na perspectiva feminista ......................................................................................... 39

  1.2 DIMENSÕES HISTÓRICAS ....................................................................................... 43

  1.3 DIMENSÕES DO PROCESSO DE EMPODERAMENTO ........................................ 51

  1.4 NÍVEIS OU SUJEITOS DE EMPODERAMENTO .................................................... 52

  1.5 OPERACIONALIZAđấO DO EMPODERAMENTO NO PROJETO GENTE DE

  VALOR ......................................................................................................................... 57

  1.6 COMO ESTUDAR O EMPODERAMENTO DAS MULHERES .............................. 59

  2 CONTEXTUALIZANDO A BUSCA DO EMPODERAMENTO DE MULHERES AGRICULTORAS ................................................................................. 63

  2.1 CONTEXTO HISTÓRICO E POLÍTICO .................................................................... 63

  

2.1.1 Breve histórico da luta recente das mulheres ........................................................ 63

  

2.1.2 A luta dos movimentos de mulheres rurais no Brasil ........................................... 64

  2.2 CONTEXTO POLÍTICO BRASILEIRO ..................................................................... 69

  

2.2.1 Conceitos relevantes ................................................................................................ 71

  2.3 GÊNERO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL E NO PROJETO GENTE DE

  VALOR ......................................................................................................................... 77

  2.4 BREVE HISTÓRICO DO PROJETO GENTE DE VALOR ....................................... 78

  

2.4.1 Estratégias de gênero do Projeto Gente de Valor ................................................. 85

  3 MULHERES AGRICULTORAS FAMILIARES NO PROJETO GENTE DE VALOR .................................................................................................................... 89

  3.1 CONTEXTUALIZAđỏES DA ÁREA ESTUDADA/PESQUISA ............................. 89

  3.2 CARACTERIZAđấO DAS MULHERES PESQUISADAS ...................................... 95

  3.3 DADOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS ..................................................... 102

  

3.3.1 Participação e apropriação/construção de conhecimentos .................................. 107

  

3.3.2 O olhar das mulheres pesquisadas e as dificuldades em participar .................... 111

  4 O OLHAR DE OUTROS ATORES SOBRE O ENTRELAÇAR DO PROCESSO DE EMPODERAMENTO ............................................................................................ 116

  4.1 GRUPOS FOCAIS: O QUE PENSAM OS HOMENS SOBRE AS MULHERES? ... 116

  

4.1.1 Sinais de mudanças nas relações de gênero ........................................................... 123

  4.2 OUVINDO OS FACILITADORES NO PROCESSO DE EMPODERAMENTO ...... 129

  

5 TRAJETÓRIAS E EXPERIÊNCIAS DAS MULHERES AGRICULTORAS ....... 146

  5.1 GÊNERO E A INTERSECCIONALIDADE COM OUTRAS CATEGORIAS .......... 146

  5.2 AS MULHERES AGRICULTORAS: HISTÓRIAS DE VIDA E EMPODERAMENTO .................................................................................................. 152

  

5.2.1 Infância ..................................................................................................................... 152

  

5.2.2 Adolescência e juventude ........................................................................................ 165

  

5.2.3 O trabalho como empregada doméstica ................................................................ 170

  

5.2.4 O despertar da sexualidade, namoro e casamento ................................................ 174

  6 PROJETO GENTE DE VALOR: EMPODERAMENTO E/OU DESEMPODERAMENTO DAS MULHERES AGRICULTORAS? ...................... 180

  6.1 EMPODERAMENTO PSICOLÓGICO OU INDIVIDUAL ....................................... 180

  

7 O CURSO DO EMPODERAMENTO ORGANIZACIONAL .................................. 210

  7.1 O EMPODERAMENTO NO NÍVEL DE COMUNIDADE ........................................ 220

  

CONSIDERAđỏES FINAIS ............................................................................................. 230

REFERÊNCIAS ................................................................................................................. 239

  INTRODUđấO

  Este estudo tem como tema a participação de mulheres agricultoras familiares na produção agrícola/agroecológica e no associativismo comunitário no qual passam a exercer cargos e funções de direção, administração e gestão de recursos como executoras de projetos governamentais de desenvolvimento rural. Pretende-se demonstrar que esta inserção nos espaços organizativos e produtivos contribuiu para o crescimento pessoal, social e político dessas mulheres, levando-as a se empoderar no espaço público.

  Reflito, a partir de uma perspectiva feminista, sobre como se dá esta inserção das mulheres agricultoras familiares, ao ousarem exercer, em suas comunidades rurais, atividades tidas como incomuns para mulheres. Elas protagonizam um processo de construção individual e coletiva de um possível empoderamento com significativas repercussões sociais.

  O estudo foi construído a partir de uma pesquisa em torno da intervenção do Estado por meio do Projeto Gente de Valor (PGV), da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), vinculada à Secretaria do Desenvolvimento e Integração Regional (SEDIR) do Governo da Bahia. O Projeto Gente de Valor começou a ser implementado no início de 2007 pela CAR, com prazo de execução de seis anos e encerramento previsto para dezembro de 2012. É um Projeto do Governo do Estado da Bahia em parceria com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), órgão das Nações Unidas (ONU). Sua área de abrangência compreende 34 municípios da região semiárida, todos com baixo Índice

  1

  de Desenvolvimento Humano (IDH), sendo 26 municípios na região Nordeste do Estado e

  2 oito na região Sudoeste .

  A CAR é uma empresa pública que atua, desde 1983, nos 417 municípios do Estado da Bahia. Coordena programas de combate à pobreza rural, realiza vários investimentos expressivos em infraestrutura física e em capital humano, social e produtivo nas ações de desenvolvimento rural na Bahia e executa vários programas e projetos de desenvolvimento, dentre eles, o Projeto Gente de Valor.

1 Abaré, Adustina, Antas, Banzaê, Cansanção, Canudos, Chorrochó, Cícero Dantas, Coronel João Sá,

  Euclides da Cunha, Fátima, Glória, Heliópolis, Itapicuru, Jeremoabo, Macururé, Monte Santo, Nordestina, Novo Triunfo, Paripiranga, Pedro Alexandre, Quijingue, Ribeira do Amparo, Rodelas, Santa Brígida e Sítio do Quinto.

  2

  O Projeto Gente de Valor visa o desenvolvimento rural realizado na região semiárida do Estado

  3

  , adotando uma perspectiva territorial que prevê o desenvolvimento econômico, social, cultural e ambiental de forma integrada. Foi pensado e implementado conforme os ditames do modelo neoliberal

  4

  , segundo as orientações do governo federal referenciadas nos “Objetivos do Milênio da ONU” (UNESCO–Brasil, 2005) que visam reduzir, significativamente, os níveis de pobreza e a pobreza extrema das comunidades rurais do semiárido brasileiro. Para tal, o projeto tem o objetivo de melhorar as condições socioeconômicas das comunidades rurais pobres através de um desenvolvimento social e econômico ambientalmente sustentável com equidade de gênero, tendo como diretrizes estratégicas o empoderamento e a participação das comunidades rurais nos processos de desenvolvimento local e o desenvolvimento produtivo e de mercado, com enfoque na cadeia produtiva e no uso sustentável dos recursos naturais do semiárido.

  Especificamente, no desenvolvimento da pesquisa, busquei descrever e analisar as estratégias desenvolvidas na prática pelo PGV na perspectiva de gênero, tida como um dos temas transversais do projeto.

  O interesse pelo tema vem de minha experiência como engenheira agrônoma, mulher, militante da agroecologia em entidades não governamentais e, atualmente, Assessora de Gênero do Projeto Gente de Valor. Pessoalmente identificada com o feminismo e com a luta das mulheres, venho acompanhando, com particular interesse, a trajetória destas agricultoras familiares. Tendo observado, ao longo desta trajetória de muitos anos assessorando movimentos sociais no campo assim como participando diretamente da

  3 Entre 2009 e 2012, o PGV atuou em 34 municípios do Semiárido da Bahia, 26, na região nordeste e 8, na região sudoeste, a saber: Nordeste ˗˗ Abaré, Adustina, Antas, Banzaê, Cansanção, Canudos, Chorrochó, Cícero Dantas, Coronel João Sá, Euclides da Cunha, Fátima, Glória, Heliópolis, Itapicuru, Jeremoabo, Macururé, Monte Santo, Nordestina, Novo Triunfo, Paripiranga, Pedro Alexandre, Q uijingue, Ribeira do Amparo, Rodelas, Santa Brígida e Sítio do Quinto; Sudoeste ˗˗ Aracatu, Boa Nova, Bom Jesus da Serra, Caetanos, Manoel Vitorino, Mirante, Planalto e Poções. Foram atendidas 282 comunidades rurais, constituídas por agricultores e agricultoras familiares ou quilombolas ou indígenas; criadas (34) e regularizadas (77), um total de 111 associações comunitárias e apoiadas e fortalecidas 14 cooperativas. Participaram 18.820 mulheres e 17.652 homens durante o período de desenvolvimento do projet o (2007 a 2012). Dados do “Relatório de

Acompanhamento FIDA – Sistema de Resultados de Primeiro e Segundo Nível” (RIMS, 2012).

  4 Estes ditames passam a empreender um processo de transformação produtiva e tecnológica, caracterizado pela emergência de um novo padrão de organização da produção, que envolve um aumento da concentração do capital e a criação de empresas gigantescas e poderosas operando em escala mundial e a intensificação com as relações financeiras internacionais, sob os pressupostos neoliberais da abertura comercial, da liberalização dos mercados financeiros, da desregulamentação do mercado do trabalho, das privatizações e da redução do papel do Estado. Disponível em: <http://www.simposioestadopoliticas.ufu.br/imagens/anais/pdf/AC04.pdf>. Acesso em: 28 ago. implementação de políticas públicas voltadas para a agricultura familiar, que, apesar da participação crescente das mulheres agricultoras nas atividades produtivas e organizativas, elas continuam a enfrentar barreiras para se inserirem no espaço público. Entre os desafios, têm que disputar poder nas relações de gênero em casa e na comunidade, desde o cotidiano até os espaços próprios da política a elas vedados ou apenas parcialmente permitidos ou conquistados.

  Pensando nessa realidade, o que se segue é um esforço de situar as pessoas e grupos que são objeto do estudo em seu contexto social, enquanto mulheres agricultoras familiares da região nordeste da Bahia, semiárida. Busco integrar a riqueza do olhar antropológico com as limitações do pensamento objetivista de uma pesquisadora com formação na engenharia agronômica. Meu primeiro encontro com a antropologia se deu na convivência acadêmica, em 1991, quando fiz a disciplina Antropologia Cultural, no Curso de Especialização em Associativismo, na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

  E, mais recentemente, no diálogo em sala de aula no Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM), da Universidade Federal da Bahia (UFBA), durante as aulas da disciplina Dinâmica das Relações de Gênero e de Classe com uma antropóloga, minha professora e orientadora, Cecília Sardenberg, que me encantou com o rico e crítico debate sobre a teoria feminista.

  Percebo que é necessária ao exercício do estudo a reconstrução analítica do campo, que demanda um grande esforço, enquanto uma pesquisadora ainda em processo de aprendizado nesta difícil tarefa de pesquisa de campo e escrita. Para tanto, estudo as diferentes trilhas percorridas nesse processo vivenciado pelas mulheres agricultoras familiares nos espaços privado e público, os percalços por elas enfrentados para participarem destes espaços, a sobrecarga de trabalho, a dominação sexista e as responsabilidades produtivas e reprodutivas. No espaço público, observo o desempenho das mulheres participantes do PGV na gestão das associações, espaço de poder político mais próximo e acessível a estas comunidades rurais. Interessa-me melhor conhecer como vem se dando a participação das mulheres agricultoras à frente de associações comunitárias, assumindo cargos diretivos e exercendo poder de decisão: será que isto tem franqueado a elas o poder de agenda nos temas que afetam suas vidas, nos programas e nas políticas especiais para as mulheres?

  A relevância deste estudo vem do fato de levantar e debater as diferentes perspectivas do empoderamento das mulheres agricultoras familiares a partir das lógicas que as constituem e do ponto de vista delas e dos demais atores envolvidos. Pergunto pelos função da sua participação nas associações produtivas comunitárias, impactos sobre as relações de gênero tradicionais na família e na comunidade. Existem poucos estudos abordando esta temática à luz das teorias feministas bem como carência de informações sobre como diferentes mulheres vivenciam o processo de empoderamento.

  As contribuições deste estudo dizem respeito, primeiro, em uma perspectiva de empoderamento emancipatório, ao crescimento pessoal e como sujeitos políticos das próprias mulheres enquanto gestoras de suas organizações e demandantes e coexecutoras de políticas públicas de desenvolvimento em suas comunidades; que elas possam ter voz, visibilidade, influência e capacidade de ação e decisão nos espaços doméstico e público. Em segundo lugar, acredito ser sumamente necessário estudar as estratégias de intervenção de um projeto governamental na perspectiva de gênero, com o objetivo de fomentar a equidade e o empoderamento, suas ações, as ferramentas utilizadas e os resultados alcançados. Creio ser importante analisar suas dificuldades e avanços ao executar suas propostas, observar o entendimento e a prática sobre as questões de gênero pelos técnicos e técnicas do Estado. Aqui, a contribuição visa a construção de conhecimento institucional que possa favorecer o interesse e a incorporação efetiva da perspectiva de gênero nos demais projetos da CAR e mesmo de outros setores governamentais, organizações da sociedade civil e agências de desenvolvimento, como um componente essencial ao desenvolvimento rural na perspectiva sustentável.

  O objeto deste estudo é, portanto, o processo de empoderamento das mulheres agricultoras familiares que participaram do Projeto Gente de Valor, a maneira como elas vêm se constituindo como sujeitos políticos, no semiárido baiano. São mulheres que se mobilizam e se articulam através de grupos de interesses e de associações, organizam experiências produtivas e de comercialização em busca de melhores condições de vida.

  Investigo de que forma, e em que medida, vem se processando o empoderamento das mulheres agricultoras familiares na participação que tiveram no Projeto Gente de Valor. Proponho-me a identificar e analisar, em especial, até que ponto as estratégias de intervenção com perspectiva de gênero, através de um processo participativo de capacitação e sensibilização em gênero, contribuíram para desconstruir responsabilidades de gênero pré- estabelecidas e reestruturar relações de poder na perspectiva de um novo modelo de desenvolvimento rural nas comunidades, como se propunha o PGV.

  São objetivos específicos deste estudo: (i) investigar e analisar o processo de empoderamento das mulheres agricultoras familiares que participaram do PGV, inseridas nas como vem se dando o empoderamento dessas mulheres nos espaços domésticos e públicos; (iii) analisar de que forma e em que medida a estratégia de gênero do Estado, empregada no Projeto Gente de Valor, tem proporcionado às mulheres agricultoras familiares o deslanchar de processos de empoderamento pessoal, social e político; e (iv) analisar como e em que medida o processo de formação na área produtiva (agroecológica) e organizativa (associativismo), desenvolvido pelo PGV, contribuiu para a autonomia e empoderamento das mulheres agricultoras nas associações e nas comunidades.

  Interessa, também, examinar as tensões, dificuldades, limites e avanços na igualdade de oportunidades que se pode observar nas relações de gênero, no âmbito familiar e na comunidade, estabelecidas pela participação das mulheres agricultoras, principalmente no associativismo comunitário, exercendo cargos de direção, administrando e gerindo recursos como executoras de projetos governamentais. Se há empoderamento das mulheres agricultoras a partir da intervenção estatal, onde, quando se pode observá-lo, como ele se expressa, que consequências tem para o conjunto das relações sociais?

  Em um plano mais amplo, esta dissertação se insere na perspectiva dos chamados Estudos Feministas, um campo multidisciplinar de conhecimentos que se desenvolveu nas ciências humanas e sociais a partir da década de 1970. É um estudo engajado, no sentido de que sua proposta é contribuir para dar visibilidade às mulheres agricultoras familiares e suas organizações.

  Ao estudar as trajetórias de vida dessas mulheres agricultoras familiares que participam das atividades do Projeto Gente de Valor, tento compreendê-las à luz das contribuições de diversos autores e autoras que estudam gênero como uma categoria de análise e que nos ajudam a entender as questões desta temática e sua pertinência como explicação e/ou questionamento das situações empíricas. Sobre a proposta de intervenção do Projeto Gente de Valor na perspectiva de gênero, que vem sendo desenvolvida desde 2007, busco construir um olhar crítico a partir das teorias feministas, levantando argumentos para debater estereótipos e preconceitos de gênero, raça, classe e geração.

  Esta pesquisa pretende, no confronto entre a teoria e a experiência concreta, enriquecer o debate sobre como a questão de gênero interfere na organização social do espaço público e privado e leva a pensar nos valores e contravalores que estão associados a cada uma das designações atribuídas a homens e a mulheres na sociedade contemporânea. A discussão teórica se faz em torno das responsabilidades produtivas e reprodutivas assumidas por mulheres nos espaços doméstico/privado e público, com o objetivo de iluminar os conceitos, fundamentos teóricos e metodológicos da crítica feminista à teoria social. As principais categorias que nos ajudam na compreensão do problema e suas implicações são: empoderamento, relações de poder, patriarcado, gênero, mulher, raça/etnia, geração, trajetória, experiência, diferença e interseccionalidade.

  Observo que, enquanto empoderamento feminino, este processo cobra um preço na vida pessoal e pública destas mulheres, pois tensões têm sido geradas nas famílias e nas comunidades, com dificuldades nas relações entre cônjuges, entre parentes e entre vizinhos. Neste contexto, estou dialogando com o conceito de empoderamento de mulheres a partir de uma perspectiva feminista, ou seja, como um processo da conquista de autonomia, de autodeterminação, implicando, portanto, na libertação das mulheres das amarras da opressão de gênero, da opressão patriarcal construída historicamente. Neste sentido, diálogo com o pensamento da feminista Srilatha Batliwala (1994) quando afirma que o empoderamento é um processo individual e coletivo de questionar as ideologias e as bases das relações de poder patriarcais em vigor. Percebo, com Magdalena de León (2001), que o processo de empoderamento começa, no caso dos indivíduos, quando eles/as, além de reconhecerem as forças que os oprimem, se mobilizam através de ações coletivas dentro de um processo político para mudar esta realidade e as relações de poder existentes.

  As mulheres agricultoras familiares do semiárido do nordeste, em geral, vivem, cotidianamente, o peso da cultura machista, sexista e patriarcal. A formação doméstica reafirma o poder legitimado do homem sobre as mulheres, mantendo-as oprimidas na família, assumidamente figuras subalternas (SAFFIOTI, 1992). Esta dominação se materializa e se corporifica por intermédio da cultura, das tradições e da divisão sexual do trabalho, que impõ e, desde muito cedo, sobre quem tem o sexo “fêmea”, o desempenho de determinadas tarefas ditas femininas. Nas relações familiares e comunitárias destas mulheres, observamos como a ordem de gênero patriarcal ainda impera e é mantida cotidianamente por homens e mulheres as quais, por outro lado, reproduzem o patriarcado e se tornam peças importantes na sua reprodução e continuidade, por meio, sobretudo, da educação dos filhos e filhas.

  Heleieth Saffioti (2004) ajuda a compreender o patriarcado, ao considerar que ele é um caso específico de relações de gênero, pois, dentro do binômio dominação

  • –exploração da mulher, os dois polos da relação possuem poder. Porém, defende Saffioti que este poder é experimentado de maneira desigual, já que as relações entre homens e mulheres são desiguais e hierárquicas. Segundo esta autora, ao sexo feminino cabe uma pequena parcela de poder dentro de uma relação de subordinação. Esta parcela de poder mesmo pequena permite que as
Joan Scott nos ajuda a compreender a categoria gênero e a defini-la. Segundo ela: “O gênero é um elemento constitutivo de relações sociais baseado nas diferenças percebidas entre os sexos, e o gênero é uma forma prim eira de significar as relações de poder” (1995, p. 86). Acreditando que o propósito de Scott foi tornar bem visível e especificar como se deve pensar o efeito do gênero nas relações sociais e institucionais, adoto aqui esta definição de gênero, considerando-a uma categoria de análise relacional que possibilitará perceber a dinâmica das relações sociais de gênero vividas pelas mulheres agricultoras aqui pesquisadas.

  Na interpretação de Scott (1995), o gênero deve ser compreendido como uma manifestação de relações de poder porque estabelece, entre homens e mulheres, entre as próprias mulheres e também entre os homens, um acesso diferenciado aos recursos simbólicos e aos recursos materiais da sociedade. O poder é entendido na perspectiva foucaultiana como relacional, como algo que circula, se pratica e se exerce. Para Michel Foucault (1985), o poder não é algo que se detém como uma coisa, não é apropriado como bem. O que existe são práticas ou relações de poder nas quais, a depender da relação, podemos ora ocupar o lugar do dominante ora ser o dominado. Estas relações se apresentam entre pessoas de classes sociais diferentes, raças e etnias diferentes, pessoas de mesmo sexo ou de sexo diferente.

  O gênero precisa ser pensado dentro de uma lógica de relações de forma interconectada com sexo, classe, raça, idade, geração etc. A partir da orientação de Kimberlé Crenshaw sobre o conceito de interseccionalidade, entende-se que estas relações plurais levam a pensar a subordinação a começar desta imbricação entre os sexos, entre as classes e entre as gerações, a pensar em sexo e gênero não como conceitos intercambiáveis, pois um não substitui o outro, um não desaparece no outro; na realidade, eles operam e se imbricam. Percebo como o gênero se intersecta com outras identidades e como estas intersecções contribuem para a vulnerabilidade alimentar, trabalhista, educacional, habitacional e da vida privada das mulheres e de seus grupos familiares. Podemos dizer, ainda com a autora, ser

  “a discriminação interseccional difícil de ser identificada em contextos onde forças econômicas, culturais e sociais moldam o pano de fundo de forma a colocar as mulheres em uma posição onde acabam sendo afetadas por outros sistemas de subordinação” (2002, p. 176). As mulheres foram e continuam sendo vítimas de uma sociedade desigual; não só por serem mulheres, também por serem pobres, são colocadas em um lugar de inferioridade social no qual são mantidas como se sua condição e posição fossem o resultado imutável ou natural da vida e não houvesse por trás todo um aparato social hegemônico e opressor, muitas vezes invisível.

  É o caso das mulheres agricultoras familiares investigadas que, ao assumirem um cargo na associação, mulheres antes confinadas à esfera doméstica

  • – onde o modo de organização da família implica uma rígida hierarquia moral que estabelece posições sociais,
  • – deveres e obrigações próprias a cada um, conforme a inserção de gênero e de geração precisam tentar equilibrar as posições pelo exercício de sua autonomia como ser humano igual aos homens, como cidadãs com os mesmos direitos sociais que seus companheiros ou irmãos. Ao ocuparem este espaço, as mulheres têm acesso à espécie de autoridade, prestígio e valores culturais tidos como prerrogativas exclusivas do homem.

  Ao reconhecer as relações de gênero estabelecidas, precisamos superar as desigualdades que se materializam no cotidiano destas relações. A equidade de gênero e o acesso, através do associativismo, ao exercício de cidadania buscam possibilitar o acesso às políticas públicas. As capacitações previstas contribuem, principalmente, para a qualificação das mulheres, fortalecendo suas capacidades para um bom desempenho em cargos diretivos e nas suas organizações. Observo que, através de um trabalho específico com as mulheres, preparando-as e capacitando-as, pode-se conseguir que participem dos processos e espaços representativos com uma maior consciência de suas responsabilidades e que ocupem cargos de poder com autonomia. Para tanto, cabe trabalhar na perspectiva do seu empoderamento e de suas lideranças, estimulando a autoestima, na expectativa de mudanças reais de mentalidade e de atitude que deem substância à sustentabilidade desejada para o desenvolvimento rural.

  FUNDAMENTOS EPISTEMOLÓGICOS E PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Neste estudo, tentei manter todo o tempo o diálogo entre prática e teoria feminista,

  5

  adotando uma perspectiva interdisciplinar e baseando-me nas Standpoint Theories. Trabalhei com estas teorias por proporcionarem uma perspectiva da visão de mundo feminista com a qual me identifico a partir da minha própria experiência profissional. É este o lugar de onde falo e faço minhas escolhas metodológicas. Sei das possibilidades de conexões e aberturas inesperadas que o conhecimento situado oferece. Na verdade, o modo de encontrar, nesta

5 As teorias de perspectiva são desenvolvidas pelo feminismo, a partir da afirmação de que o lugar

  de onde se vê (e se fala)

  • – a perspectiva – determina nossa visão (e nossa fala) do mundo. Tais teorias tendem a sugerir que a perspectiva dos subjugados representa uma visão privilegiada da realidade. (Segundo nota de Sandra Azeredo, em artigo de Donna Haraway: Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, n. 5, p.
pesquisa, uma visão mais ampla desses saberes localizados da pesquisadora

  • – meu, enquanto assessora de gênero em um projeto de desenvolvimento rural
  • – e dos atores – mulheres e homens agricultores, técnicos e técnicas que participaram do pro
  • – é, em particular, de onde se vê e se fala a partir da construção de um conhecimento situado e corporificado.

  Neste sentido, durante a pesquisa, apoiada na minha história profissional prática, trabalhei com uma epistemologia como reflexão ligada à própria produção do conhecimento científico e com uma vigilância interna crítica sobre os procedimentos e os resultados. Acredito que a epistemologia escolhida leva à reflexão de seus fundamentos e reflete sobre a pertinência dos conceitos, das teorias e dos métodos utilizados.

  Trabalhei em uma perspectiva de ciência libertadora, mesmo sabendo que a ciência é androcêntrica, se tornou hegemônica, não é pura nem neutra, tem uma ideologia e está a serviço de um determinado interesse e de uma visão de mundo. Trabalho com uma perspectiva feminista da ciência por acreditar que, a partir da análise feminista, podemos questionar a filosofia androcêntrica e contribuir para o diálogo e o embate entre a ciência e a sociedade. O desafio é tentar compreender a ambivalência e a complexidade intrínsecas da ciência que, mesmo sendo libertadora, traz possibilidades de subjugação. Para compreender este problema tenho que desconstruir a ideia da ciência “boa”, que só traz benefícios, e da ciência “má”, que só traz prejuízos. Sei que o processo de crescimento e de extensão do saber do conhecimento científico é também de transformações e de rupturas com uma teoria. Reconheço que a metodologia feminista é o caminho que melhor dialoga com a pesquisa aqui proposta, pois adoto as lentes feministas durante a investigação. Concordo com Cristina Bruschini (1992) quando afirma que, independente do método adotado durante a pesquisa, devemos ficar atentas às questões de gênero, que devem estar presentes em todas as etapas.

  Problematizo a construção da trajetória desse tema na vida dessas mulheres a partir do olhar de gênero na perspectiva da crítica feminista, fazendo a interseção entre gênero, classe, raça e geração. Sem nenhuma pretensão de esgotar o assunto, busco uma profunda identidade do método com a teoria.

  A pesquisa tem como seu universo as mulheres agricultoras familiares das comunidades rurais da região Nordeste do Estado da Bahia, que participaram do Projeto de desenvolvimento rural, “Gente de Valor”, que é um dos projetos executados pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR). Das duas áreas de atuação do PGV no Semiárido da Bahia, Nordeste e Sudoeste, escolhi a região Nordeste por ter área de abrangência maior e também por ser considerada uma das mais pobres do Estado. A nossa

  Trabalho com pesquisa participante, por entender que é um caminho que possibilita uma construção de relações mais democráticas entre as pessoas envolvidas e uma melhor interação entre os atores, atrizes, técnicos, técnicas e a pesquisadora. E, também, por acreditar que a pesquisa participante facilita obter as informações e observar em campo o empoderamento ou não destas mulheres agricultoras. Para tal, investigo as mulheres agricultoras que participaram do grupo de experiência produtiva (quintal produtivo, corte e costura, artesanato de fiapo e bordado) mesmo sendo grupos de trabalho tradicionalmente femininos, mas por serem estes os espaços onde as mulheres demonstraram maior domínio, conhecimento e visibilidade. Em especial, volto-me para aquelas que assumem cargos de direção das associações comunitárias de produtores rurais conveniadas com o Projeto Gente de Valor, dando um recorte no período de maior intensidade na execução, entre 2009 e 2012.

  Participam dessas associações 89 mulheres. Tendo por base suas histórias de vida, escolhi aprofundar a trajetória de 10 delas, duas das quais são presidentes, uma vice- presidente; três são tesoureiras, uma assume o cargo de coordenadora de gênero na associação e as outras são associadas ou apenas participam das reuniões e atividades promovidas pela associação. As associações de que elas participam são: Associação dos Moradores da Comunidade Beleza (município de Santa Brígida); Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça (Novo Triunfo); Associação Comunitária Bananeirinha e Adriana (Jeremoabo); Associação Comunitária Cultural do Bariri, Rio Seco, Alto e Rio Quente (Ribeira do Amparo); Associação Comunitária dos Agricultores Familiares de Raso Pintado e Lage da Boa Vista e Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Fazenda Pedrinhas (ambas do município de Fátima); e Associação das Famílias Agricultoras Remanescente do Quilombo da Maria Preta (Banzaê).

  Conforme Vincent de Gaulejac (2005 apud BARROS et al., 2007, p. 31), acredito que, “por meio da história de vida contada da maneira que é própria do sujeito, tentamos compreender o universo do qual ele faz parte”. Nesta perspectiva, a história de vida se mostrou um instrumento analítico fundamental para visibilizarmos as experiências concretas dessas mulheres e, a partir delas, tentar mostrar a relação do universo subjetivo com os fatos sociais. Os nomes das mulheres agricultoras familiares entrevistadas foram aqui modificados: para não identificá- las, nomeamos a todas como “Marias” e com um segundo nome para diferenciá-las entre si. Conforme combinado com elas, durante a negociação da pesquisa, isto lhes garantiria o direito de anonimato. O critério para a troca de cada um dos nomes foi completamente aleatório. Também os nomes de companheiros, namorados, maridos, filhos e outras pessoas referidas nas histórias de vida e nas entrevistas foram modificados, dentro do mesmo propósito, também de forma aleatória.

  As narrativas orais e histórias de vida, as entrevistas semiestruturadas e os grupos focais foram realizados no período entre outubro e novembro de 2013. Com as narrativas e histórias de vida, busco reconstruir as trajetórias de vida dessas mulheres, em especial, quando e enquanto parceiras e executoras do PGV, como esta experiência é apreendida por elas e a visão que têm agora sobre suas próprias ações.

6 A escolha das dez mulheres e também dos dois grupos focais se deu a partir da

  minha própria experiência e trajetória dentro do Projeto, ao observar e facilitar os encontros de mulheres, o que me permitiu ter um maior conhecimento da realidade vivida por elas e me possibilitou construir o olhar de pesquisadora sobre a realidade delas, do que enfrentavam no dia-a-dia de discriminação, preconceitos, violência doméstica, resistências e esforços pela superação disso tudo e ao coordenar o processo de sistematização de experiências de alguns desses grupos de mulheres que acompanhei durante as quatro etapas da sistematização.

  No processo de escolha dessas mulheres, também dialoguei com os/as chefes dos escritórios locais de Ribeira do Pombal, Cícero Dantas e Jeremoabo, já que eles/as acompanharam diretamente as mulheres e os grupos a que pertencem. Solicitei que cada chefe indicasse quatro mulheres para a entrevista semiestruturada, perfazendo um total de 12 mulheres, ou melhor, 12 histórias de vida. Duas tiveram que ser excluídas, uma por motivo de viagem a São Paulo no período da coleta de campo e a outra por ser indígena, o que demandaria mais tempo para aprofundar esta especificidade cultural.

  Foram os seguintes os critérios para a escolha das mulheres agricultoras: a) participar do Projeto, de preferência desde o início; b) assumir algum cargo na associação ou nos empreendimentos produtivos; e c) considerar que, no decorrer do Projeto, elas apresentaram mudanças positivas como uma maior consciência crítica nas suas falas e na qualidade de sua participação, levando-as a mudanças em suas atitudes tanto na vida pessoal como na relação com o grupo e com a comunidade. Duas dentre estas dez mulheres assumiam cargos de presidentes de associações, uma na Associação dos Moradores de Beleza, subterritório Os Batalhadores, no município de Santa Brígida, e a outra da Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça, subterritório Serra Redonda, município

6 O perfil das entrevistadas segue estas características: ocupam cargos diretivos nas associações

  (presidente, vice-presidente, tesoureira, secretária ou conselho fiscal); têm idades entre 20 e 60 anos; com ou sem escolaridade (analfabetas, semianalfabetas, com primário/completo ou incompleto, com ensino fundamental, com ensino médio e com curso superior completo ou de Novo Triunfo, quando participaram do processo de Sistematização de Experiências das Mulheres, em 2011, coordenado pela assessoria de gênero do PGV. Por este motivo, fizemos questão de envolvê-las na pesquisa com o objetivo de poder comparar o nível de empoderamento delas. Durante as entrevistas no campo, constatei o desempoderamento de uma delas, fato que tratarei no terceiro capítulo.

  7 Os dados de campo foram coletados a partir da observação participante , entre

  2008 e 2013. Entrevistei as dez mulheres agricultoras familiares, entre os dias 07 e 09 de outubro de 2013, conforme um roteiro semiestruturado sendo a conversa gravada. Seus relatos sobre as próprias vidas trazem elementos relevantes para a discussão das dinâmicas das relações de gênero, classe, raça e geração: a relação com os pais e as avós, a infância na área rural, a dificuldade para estudar, a condição econômica e social, a participação em grupos, o exercício da sexualidade, a oportunidade de trabalho, a discriminação racial, etc.

  Maria Lúcia Servo e Priscila Araújo (2012, p. 8) dizem que: “o interesse por entrevistas em grupo pauta-se na facilidade de se obter dados com certo nível de profundidade, em um período curto de tempo”. Com este entendimento, utilizei a técnica de grupo focal por entendê-lo como um grupo de reflexão informal, com número reduzido de participantes e que tem como objetivo obter dados, informações qualitativas em profundidade e, principalmente, revelar as percepções dos participantes sobre os temas discutidos.

  Na perspectiva de observar como o empoderamento dessas mulheres se expressa e que consequências isto tem para elas mesmas e para o conjunto das relações sociais vividas na associação e no grupo produtivo, trabalho com dois grupos focais: um na Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça e o outro com o grupo de artesanato do fiapo, constituídos por sócios e sócias, homens e mulheres artesãos.

  Para a concretização das entrevistas com os dois grupos focais, ao final de dezembro de 2013, contei com a colaboração da equipe técnica de monitoria do PGV, mais

  8

  especificamente um técnico e uma técnica . Experientes nesta técnica de pesquisa, envolvidos e comprometidos com o enfoque de gênero, ajudaram-me a planejar, elaborar o roteiro de discussão e mediar o trabalho com os grupos focais. O primeiro grupo focal foi realizado no município de Novo Triunfo, com a Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça, com a presença de 12 pessoas (cinco homens e sete mulheres). No segundo, no

7 Entende-se observação participante como uma das técnicas de pesquisa adotada pela abordagem

  qualitativa que consiste na inserção do pesquisador no interior do grupo observado, tornando-se parte dele, interagindo por longos períodos com os sujeitos, buscando partilhar o seu cotidiano para sentir o que significa estar naquela situação. (QUEIROZ ET AL., 2007, p. 278).

  8 município de Ribeira do Amparo, na comunidade de Bariri, com o grupo de artesanato do

  9

  fiapo , estiveram presentes sete pessoas (três homens e quatro mulheres). O roteiro de discussão estava estruturado em três blocos, com várias perguntas cada tendo como objetivo perceber os níveis de empoderamento: psicológico ou individual, organizacional e o de comunidade. Isto nos possibilitou ouvir a comunidade em conjunto, em especial, os homens, que também participam das associações de produção.

  Ao planejar a pesquisa, percebi a importância do papel dos técnicos e técnicas como mediadores e facilitadores do processo de empoderamento das mulheres rurais. Com o objetivo de refletir sobre as concepções e práticas no âmbito do PGV no esforço pelo empoderamento das mulheres agricultoras e na perspectiva de averiguar como este é compreendido ou não pelos chefes e agentes técnicos/as, realizei três entrevistas semiestruturadas, em outubro de 2013, uma com cada chefe do escritório local (de Ribeira do Pombal, Jeremoabo e Cícero Dantas), sobre a temática das relações de gênero. As entrevistas com os dois técnicos e com a técnica chefes dos escritórios locais foram realizadas em dois momentos. Aproveitei o fato de que os técnicos estavam me acompanhando nas entrevistas com as mulheres agricultoras nas áreas de seus respectivos escritórios e fiz, no final de cada dia, a entrevista com os técnicos homens chefes dos escritórios de Jeremoabo e Cícero Dantas. Entrevistei a técnica chefe do escritório de Ribeira do Pombal em dezembro do mesmo ano, um dia depois da realização dos grupos focais.

  Em relação à metodologia adotada, a opção por uma abordagem qualitativa pareceu ser menos uma escolha e mais uma imposição, diante do processo de construção do objeto e do delineamento dos objetivos da investigação. O método biográfico é, justamente, aquele que fornece indicações válidas para a proposta de reconstrução das trajetórias e experiências das mulheres agricultoras em uma perspectiva articuladora das práticas e representações e se mostrou como uma via privilegiada para que os sujeitos da pesquisa pudessem ser estudados.

  Além do material da revisão bibliográfica sobre o tema e dos dados (do diário) de campo organizados conforme o recorte teórico, tomo, também, como fonte de pesquisa, os

  10 documentos de registro de monitoria do Projeto Gente de Valor .

  9 Artesanato feito com cordão de algodão ou fibra de sisal sendo confeccionadas várias peças como almofadas, tapetes, redes, estantes, porta revistas e outros.

  10 Relatório da Sistematização de Experiências ˗˗ O que falam as mulheres; histórias de mulheres: organização e autonomia, 2012; e Estudos de Base para o Projeto de Desenvolvimento Comunitário das Áreas Rurais mais carentes do Estado da Bahia

  • – PRODECAR/ Projeto Gente de Valor,
Para melhor apresentar os resultados e reflexões deste estudo, o primeiro capítulo discorre sobre a caracterização do objeto e a sua abordagem, a discussão teórica do conceito de empoderamento, os níveis individuais e de grupo e como estudá-los. No segundo capítulo, tratamos de apresentar o contexto histórico e político, apresentando o Projeto Gente de Valor, fazendo um recorte no período de 2009 a 2012, descrevendo a área visitada e os grupos a serem pesquisados. A ideia desenvolvida neste capítulo é mostrar a ideologia que está na elaboração de um projeto de desenvolvimento rural, inserido no combate à pobreza. Neste contexto o Projeto Gente de Valor segue as orientações do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e do Governo Federal. Inclusive no discurso da agroecologia, incorporada como um dos princípios norteadores do PGV, que no período de 2003 a 2009 estava em evidência e teve sua consagração como enfoque a ser adotado pela política de extensão rural. É importante frisar que nesse período havia um rico debate entre o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA) com a Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), ONGs que atuavam na agroecologia, e os movimentos sociais rurais organizados, que pressionavam o Governo Federal para que a agroecologia fosse incorporada na Política Nacional de Assistência Técnica de Extensão Rural (PNATER).

  Contextualizar o processo de exclusão das mulheres agricultoras nos projetos de desenvolvimento rural, e apresentar as principais teorias que legitimaram esta exclusão, mostrando o discurso do desenvolvimento rural androcêntrico e ideologicamente comprometido com um modelo de desenvolvimento excludente, concentrador e capitalista, que ao longo da história privilegia os grandes proprietários e empresas de capital estrangeiro.

  Analisar se a estratégia de gênero do Estado, empregada no Projeto Gente de Valor, que adota a perspectiva territorial, prevendo o desenvolvimento

  • – produtivo (agroecológico), social, cultural e ambiental de forma integrada foi realizada e se deu certo. Nessa perspectiva de gênero, foi vista a transversalidade do tema, que tem como objetivo fomentar a equidade e o empoderamento (pessoal, social e político) das mulheres que participaram das ações produtivas e organizativas promovidas ao longo dos anos de execução do Projeto (2007 a 2012).

  O terceiro capítulo traz as experiências das mulheres agricultoras familiares que participaram das ações desenvolvidas pelo Projeto Gente de Valor (PGV), os dados quantitativos, os sócios biográficos e os cruzamentos destes dados. Verificar como as representações de gênero estavam articuladas com as de raça, etnia, classe, região e geração, trançando um perfil das primeiras mulheres que participaram de organizações associativas de

  A ideia a ser desenvolvida neste capítulo é que as mulheres agricultoras têm dificuldades e estão geralmente, desempoderadas ou em desvantagem e muitas vezes são excluídas de participar de projetos de desenvolvimento rural, das atividades de produção agrícola e das associações. Para tal, necessitam de intervenções externas de indivíduos ou organizações, ou mesmo de projetos, que possibilitem a inclusão, a promoção de direitos, de cidadania e de oportunidades para transformar as relações desiguais de poder. As mulheres agricultoras continuam confinadas na esfera doméstica/privada sem acesso aos espaços de domínio masculino de autoridade e poder.

  Como pano de fundo, a luta pelo acesso aos direitos para as mulheres, desenvolvida pelo movimento de mulheres rurais, uma breve retrospectiva histórica, e as conquistas de políticas voltadas para as mulheres rurais. A trajetória de luta feminina no movimento agroecológico e de suas organizações por dentro das associações rurais para conquistar direitos de participar e acessar programas e projetos governamentais. Refletir o papel dos homens e das mulheres nas atividades produtivas, já que a grande maioria nos grupos de interesse é composta de mulheres. Identificar o empoderamento das mulheres agricultoras inseridas nas atividades de produção agrícola e não agrícola e nas organizações comunitárias; e analisar se o processo de formação na área produtiva (agroecológica) e organizativa (associativismo) desenvolvido pelo PGV contribuiu para a autonomia e empoderamento das mulheres agricultoras nas associações e nas comunidades.

  No quarto, quinto e sexto capítulos, apresentamos as trajetórias das mulheres entrevistadas, seu perfil, e os processos de empoderamento e desempoderamento vividos por elas nos espaços domésticos e públicos. As ideias desenvolvidas nos capítulos finais buscam: relatar as diferentes trilhas percorridas nesse processo vivenciado pelas mulheres agricultoras nos espaços privado e público, os percalços por elas enfrentados para participarem desses espaços, a sobrecarga de trabalho, a dominação sexista, as responsabilidades produtivas e reprodutivas; analisar as narrativas de histórias de vida das mulheres agricultoras pesquisadas, as influências nas relações sociais de gênero na vida delas na família, na comunidade e na associação; investigar as histórias de empoderamento dessas mulheres para entender como se dá esse processo e como diferentes mulheres vivenciam o processo de empoderamento; observar, no espaço público, o desempenho das mulheres participantes do PGV na gestão das associações, espaço de poder político mais próximo e acessível a estas comunidades rurais; e analisar, também, o entendimento e a prática sobre as questões de gênero pelos técnicos e técnicas do Estado.

  Na conclusão, procuro mostrar a relevância da pesquisa realizada tanto em termos teóricos como metodológicos. Apresento considerações sobre o conceito de empoderamento

  

de mulheres a partir de uma perspectiva feminista e como entendo esse conceito. Combinando

  a análise das narrativas de histórias de vida das mulheres agricultoras pesquisadas com as trajetórias dos coletivos em que elas estavam inseridas, tendo como pano de fundo as ações e atividades desenvolvidas pelo Projeto Gente de Valor, evidenciando elementos fundamentais para entender como vêm se dando a construção desses sujeitos políticos.

  

1 TEORIZANDO SOBRE O PROCESSO DE EMPODERAMENTO DE

MULHERES

  Nas últimas três décadas, cresceu, no mundo todo, a necessidade de medidas para aumentar a equidade social, econômica e política, na perspectiva do empoderamento de mulheres. Pesa o predomínio de mulheres entre os pobres e o fato de que isto é consequência do desigual acesso feminino às oportunidades econômicas e sociais. Na América Latina, no Brasil e na Bahia, constata-se o aumento da exclusão social e da pobreza absoluta. No espaço governamental de políticas públicas, no Brasil, a abordagem de empoderamento de mulheres baseada em direitos sociais está mais presente nos debates sobre desenvolvimento e combate à pobreza. E não é diferente no semiárido baiano, especificamente na Região Nordeste, área- foco desta pesquisa.

  Neste contexto, o Projeto Gente de Valor (PGV) tinha como orientação do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e do Governo Federal seguir como referência os “Objetivos do Milênio da ONU” (UNESCO – Brasil, 2005), dentre os quais consta o de “promover a igualdade de gênero e a autonomia das mulheres”. As estratégias de intervenção do PGV adotam as seguintes perspectivas: a territorial, prevendo o desenvolvimento produtivo, social, cultural e ambiental das comunidades; e a de gênero, em que a transversalidade do tema buscou como objetivo fomentar a equidade e o empoderamento das mulheres que participam das ações produtivas e organizativas, promovidas ao longo de seis (06) anos de execução do Projeto (2007 a 2012).

  Nessas ações, os relatos das mulheres revelavam que elas enfrentam preconceito, discriminação e uma série de barreiras, desde os próprios medos e inseguranças em sair da área doméstica, dos arredores da casa, do espaço privado de seu total conhecimento, para se arriscar em atividades de gestão administrativa e financeira, antes reduto exclusivo dos homens, mesmo tendo que “desobedecer” a seus maridos para participarem de capacitações e reuniões. Este é um grande desafio para estas mulheres agricultoras, nordestinas, de baixa renda, de pouca escolaridade, formadas culturalmente para serem do lar, subordinadas aos seus pais e maridos.

  As experiências das mulheres agricultoras familiares que participaram das ações desenvolvidas pelo PGV, estudo em que é medida a inserção e a participação das mulheres agricultoras nos espaços organizativos e produtivos, têm gerado tensões, dificuldades, limites e avanços no que diz respeito à igualdade nas relações de gênero no âmbito familiar e na agricultoras que participaram das ações do PGV; onde e quando se pode observá-lo e como ele se expressa, que consequências têm para o conjunto das relações sociais? Essa inserção nos espaços organizativos e produtivos pode de fato contribuir para que elas se empoderem no espaço público?

  Essas questões terminaram por orientar a minha busca por um referencial teórico metodológico/epistemológico que me permitisse entender as trajetórias e experiências dos sujeitos de minha investigação. Busco conhecer em termos mais qualitativos, como a situação de empoderamento vem sendo vivenciada por mulheres rurais o que significa compreender, entre outros aspectos, a diversidade de trajetórias que terminam por levá-las à condição de empoderadas ou não e, a partir daí, a forma como essa experiência influencia suas relações objetivas e subjetivas com o grupo produtivo, a organização familiar e com a comunidade.

  A intenção deste estudo, portanto, é buscar desvendar como se dá o entrelace de uma série de desigualdades e discriminações nas experiências dessas mulheres agricultoras e de que maneira são conformadas suas opções e alternativas de vida, sem, no entanto, cair em uma perspectiva de vitimização dos sujeitos inseridos neste contexto.

  Este capítulo irá discutir o conceito de empoderamento e terminará mostrando como ele vai iluminar os capítulos seguintes, ou seja, as demonstrações (empíricas e teóricas) de como as mulheres, a partir do PGV, se empoderam ou não. Daí surge a preocupação teórica deste trabalho, o de buscar maior compreensão sobre o processo de empoderamento e desempoderamento das mulheres, apresentando-o como elemento relevante para a compreensão de possibilidades e limites na promoção da participação social e política. O próximo passo é, pois, esclarecer d e qual “empoderamento” estou falando.

  1.1 CONCEITUANDO EMPODERAMENTO Como, sob o termo empoderamento, se escondem vários conceitos bastante diferentes cujos significados variam muito de acordo com a perspectiva que se adote, faz-se necessário apresentar um olhar sobre o termo empoderamento na perspectiva do desenvolvimento e na perspectiva feminista, abordagens fundamentais a esta pesquisa.

1.1.1 Na perspectiva de desenvolvimento

  Segundo Jorge Romano (2002), nos últimos anos, no debate ideológico em torno

  11

  social , participação e direitos, presentes em discursos críticos ao desenvolvimento vigente que têm, de um lado, defensores de uma globalização regida pelo neoliberalismo e, de outro, grupos que argumentam que “a construção de um outro mundo é possível”.

  Alerta Romano (2000) que a apropriação do tema “empoderamento” no discurso de órgãos governamentais, de organizações da sociedade civil, pelas agências de cooperação e

  12

  organizações financeiras multilaterais, por exemplo, o Banco Mundial e o FIDA , tem levado a um processo de despolitização do conceito, pois estes atores enfatizaram sua dimensão instrumental e metodológica, afastando a conotação mais radical e política pensada pelos movimentos feminista e negro. Nos últimos anos, as próprias agências de cooperação e organizações financeiras multilaterais, a partir das experiências práticas das instituições da sociedade civil, vêm adotando, progressivamente, na formulação de suas políticas e estratégias, a abordagem que se apoia na promoção de direitos humanos (civis, políticos, econômicos e culturais). Tanto no caso de empoderamento, como no campo de desenvolvimento, a noção de direitos passa a ser motivo de debate e disputa. Mas é importante ressaltar que as discussões sobre o enfoque do empoderamento no sentido de direitos humanos estão principalmente relacionadas às propostas de agências de cooperação. Este é o caso da proposta de intervenção do Projeto Gente de Valor na perspectiva de gênero.

  Passaram-se mais de 50 anos da Declaração sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher das Nações Unidas (1967), mas muitos dos seus princípios ainda não se cumprem na sua totalidade. E, apesar dos progressos realizados em matéria de igualdade de direitos entre homens e mulheres, continua existindo considerável discriminação contra a mulher, o que impede sua participação ativa na vida política, social, econômica e cultural e constitui um obstáculo ao desenvolvimento completo das potencialidades da mulher, pois existe uma série de problemas comuns, econômicos e culturais que se traduzem em diferentes formas de discriminação, subordinação e opressão. A dificuldade de inserção da mulher em lugares específicos da sociedade civil, sobretudo no mundo do emprego, na atividade produtiva

  • – em nosso caso específico, na área rural –, é um problema de natureza cultural, educativa e política. Exige-se o redobramento de esforços no sentido de superar preconceitos,

  11 Capital Social uma das categorias utilizadas no Projeto Gente de Valor – um dos seus componentes é chamado Capital Humano e Social. “O capital social é constituído pelo conjunto de recursos atuais ou potenciais que estão ligados à posse de uma rede durável de relações mais ou menos institucionalizadas de conhecimento e reconhecimento” (Ver: BOURDIEU, Pierre, Le capital social: notes provisoires. Actes de la recherche en sciences sociales, Paris, n. 31, jan. 1980, p. 2).

  Entendendo, assim como Bourdieu, para além do econômico, aplicando-o também a dimensões não materiais e simbólicas.

  12 Este último, o FIDA, é o parceiro internacional (co-financiador) do Projeto Gente de Valor, através abolir práticas tradicionalistas e eliminar restrições ligadas aos aspectos culturais ancestrais, difíceis de mudar. Neste contexto, a mulher sempre foi e continua a ser um pilar importante do desenvolvimento, embora, muitas vezes, de forma invisível.

  Na década de 1980, têm início os estudos sobre as relações de gênero, com papéis específicos que envolvem não só as mulheres, mas, também, os homens. A mulher passa a ser promotora de mudanças e de luta, agente ativa de desenvolvimento do modelo de modernização conservadora. Só nos meados daquela década, começa-se a considerar a mulher como um pilar do desenvolvimento econômico pelos defensores das políticas neoliberais, mas de uma forma utilitarista, ao usarem os argumentos, antes apresentados como de exploração da mulher pobre, tais como trabalham mais, são mais confiáveis de investir e mais fáceis de mobilizar, então, como prova de eficiência; na medida em que as mulheres eram bem- sucedidas na administração e gestão dos recursos econômicos, passaram a ser consideradas como melhor investimento tanto econômico quanto político (BATLIWALA, 2013).

  No paradigma do desenvolvimento humano, o princípio de empoderamento é o que o diferencia dos outros tipos de desenvolvimento, já que os homens e as mulheres estão em posição de exercer sua capacidade de escolher de acordo com suas ideias, seus desejos e de decidir sobre suas vidas. Contudo, para muitas agências e órgãos governamentais, o empoderamento das mulheres é visto como instrumento para o desenvolvimento, para erradicar a pobreza, para inseri-las nos espaços produtivos, para levá-las a participar de diferentes atividades de interesse coletivo, para a democracia etc. Nesta perspectiva, o processo de empoderamento é visto como estreitamente relacionado ao de participação, um elemento constitutivo das metodologias e estratégias que possibilitam processos de empoderamento. Mas, tendo as mulheres agricultoras a oportunidade de participar, de estarem presentes em todos os fatores promotores do desenvolvimento e de mudança social, saindo finalmente do reduto doméstico isto faz com que se materialize em seu cotidiano a igualdade de gênero. Isto implica dedicar uma atenção explícita às necessidades, interesses e perspectivas das mulheres trabalhadoras.

  Apesar desse discurso na perspectiva de desenvolvimento ser participativo e de inclusão das mulheres, ele apresenta contradições fundamentais no uso do conceito de empoderamento, pois coloca ênfase nos aspectos individuais.

  Uma das contradições fundamentais do uso do termo ‘empoderamento’ se expressa no debate entre o empoderamento individual e o coletivo. Para aqueles que o usam a partir da área do indivíduo, com ênfase nos processos cognitivos, o empoderamento se circunscreve ao sentido que os indivíduos se autoconferem. Tomo um sentido de domínio e controle individual, de controle pessoal. E ‘fazer as coisas por si mesmo’, e ‘ter êxito sem a ajuda dos outros’. Esta é uma visão individualista, que chega a assinalar como prioritários os sujeitos independentes e autônomos com um sentido de domínio próprio, e desconhece as relações entre as estruturas de poder e as práticas da vida cotidiana de indivíduos e grupos, além de desconectar as pessoas do amplo contexto sócio-político, histórico, do solidário, do que representa a cooperação e o que significa preocupar-se com o outro (LEÓN,

  13 2001, p. 96).

  Segundo aponta León (2001), o processo de empoderamento deve estar atrelado ao gradual reconhecimento, por parte das mulheres, das estruturas de poder que estão presentes na vida dos indivíduos (na própria vida delas) e dos grupos (a que elas pertencem). Este reconhecimento motiva as mulheres e demais grupos excluídos a se mobilizarem para, juntos, alterarem as estruturas sociais existentes, isto é, para reconhecerem o imperativo da mudança e, quem sabe, abalar e, enfim, destruir a ordem patriarcal vigente nas sociedades contemporâneas.

  Concordo com León (2001) quando afirma que o empoderamento inclui tanto a mudança individual como a ação coletiva, esta última, quase sempre, deixada em segundo plano na perspectiva de desenvolvimento, pois, embora seja importante reconhecer as percepções individuais, o empoderamento não pode se reduzir apenas ao individual de maneira que ignore o histórico e o político. Ela alerta que este empoderamento pode ser uma simples e mera ilusão se não estiver conectado com o contexto e não se relacionar com ações coletivas dentro de um processo político.

1.1.2 Na perspectiva feminista

  A construção feita sobre o conceito de empoderamento apresentado está baseada nos debates e análises feitas pelas feministas do Terceiro Mundo. Segundo Batliwala (apud SARDENBERG, 2009), as origens do conceito de empoderamento estão em uma articulação das propostas feministas com as reflexões de Paulo Freire sobre os princípios da educação

  14

  15

  popular

  e, também, em uma linha inspirada nos trabalhos de Gramsci . Para as feministas, o empoderamento implica na alteração radical dos processos e das estruturas que reproduzem a

  13 Tradução nossa do original em espanhol.

  14 Presentes em Pedagogia do oprimido (FREIRE, 1987) e nas pedagogias libertadoras, de um modo em geral.

  15 Essa linha de pensamento se refere à necessidade de criar mecanismos participativos com o

  16

  da mulher como submissa. Este conceito está diretamente relacionado à noção de “posição” interesses estratégicos de gênero e implica na mudança da posição das mulheres na sociedade.

  Para tal, o processo de empoderamento das mulheres deverá levar à igualdade entre homens e mulheres e a mudanças nas relações patriarcais, em especial, na família para que as mulheres empoderadas, de fato, mudem a dominação tradicional dos homens sobre as mulheres, de modo que elas tenham autonomia de poder decidir sobre suas vidas, se sentirem e serem donas delas mesmas.

  Na perspectiva feminista aqui adotada, o empoderamento de mulheres é, pois, entendido como o processo da conquista da autonomia, da autodeterminação, implicando, portanto, na libertação das mulheres das amarras da opressão de gênero, da opressão patriarcal. Neste sentido, o objetivo maior de ações voltadas para o empoderamento das mulheres é propiciar as condições para que elas possam questionar, desestabilizar e se organizar com vistas à erradicação da ordem patriarcal vigente (SARDENBERG, 2009).

  Segundo aponta a feminista indiana Batliwala (1994), a característica mais conspícua do termo empoderamento está na palavra “poder“, vez que, para ela,

  “empoderamento” é o processo de questionar as ideologias e relações de poder patriarcais vigentes:

  O termo empoderamento se refere a uma gama de atividades, da assertividade individual até à resistência, protesto e mobilização coletivas, que questionam as bases das relações de poder. No caso de indivíduos e grupos cujo acesso aos recursos e poder são determinados por classe, casta, etnicidade e gênero, o empoderamento começa quando eles não apenas reconhecem as forças sistêmicas que os oprimem, como também atuam no sentido de mudar as relações de poder existentes. Portanto, o empoderamento é um processo dirigido para a transformação da natureza e direção das forças sistêmicas que marginalizam as mulheres e outros setores

  17 excluídos em determinados contextos. (BATLIWALA, 1994, p. 130) .

  O empoderamento é um processo que precisa ser desencadeado por fatores ou forças externas, podendo ser uma pessoa, um grupo, um projeto ou uma instituição, de forma que, com este apoio, as mulheres possam reconhecer as estruturas que as oprimem e desenvolver uma consciência crítica. No caso das mulheres agricultoras familiares, o desafio maior é desnaturalizar e quebrar a dominação masculina. Nesta difícil caminhada, o primeiro

16 Segundo Ana Alice Costa, no texto “Gênero, poder e empoderamento das mulheres” (2004, p. 6),

  posição , aqui, “é o status econômico, social e político das mulheres comparado com o dos homens, isto é, a forma como as mulheres têm acesso aos recursos e ao poder comparado aos homens”.

  17 .

  Tradução do original em inglês feita por Cecília M. B. Sardenberg no texto “Conceituando passo deve ser o despertar da consciência em relação à discriminação de gênero, à existência da desigualdade entre homens e mulheres. O importante é, ao reconhecer a existência desta desigualdade no seu cotidiano, ficar incomodada e indignada com esta situação e querer mudá-la na sua vida e na das outras mulheres.

  Michel Foucault (1984), em Microfísica do poder, chega à conclusão de que a instauração da sociedade moderna supôs uma transformação na consagração de novos instrumentos pelos quais se pode canalizar o poder. Segundo ele, o poder não existe. O poder “não é algo que se detém como uma coisa”, não é apropriado como um bem. O poder é entendido como “algo que circula”, se pratica e se exerce. Para ele, o que existe são práticas ou relações de poder. O poder deve se materializar por meio de diferentes formas, sendo necessário que passe a integrar parte do ser de cada indivíduo. Nesta perspectiva, a dominação só é possível quando o próprio ser dominado considera “natural” ser subjugado. Por outro lado, todo poder pressupõe resistência. No caso em estudo, as mulheres agricultoras dominadas acham que o espaço doméstico é responsabilidade só delas e muitas não conseguem perceber este espaço e suas práticas como relações de poder instaladas no cotidiano.

  Foucault chama a atenção para a ação do feminismo, ao afirmar que os problemas domésticos, o poder nas relações cotidianas devem ser denunciados como questões de domínio público ao politizar a entrada das mulheres na esfera pública tanto quanto na esfera privada. De fato, “o poder não opera em um só lugar, mas em lugares múltiplos: a família, a vida sexual, a maneira pela qual tratamos os loucos, a exclusão dos homossexuais, as relações entre os homens e as mulheres [...] todas essas são relações políticas” (FOUCAULT, 1994b, p. 473). Para as mulheres agricultoras que há muito tempo estão excluídas dos espaços públicos como cidadãs e confinadas ao mundo doméstico, politizar o privado é um grande desafio, implica em olhar para o espaço doméstico não só como um lugar de reprodução, como mães que nutrem e cuidam dos filhos e filhas, mas percebê-lo como um espaço de poderes e saberes, de luta, de resistência e de reivindicações por direitos, enfim, um espaço de disputa de poder. Mas, será que só ressignificar este espaço doméstico não seria querer travar a real disputa pelo espaço público ainda restrito aos homens?

  Para que essas mulheres possam resignificar o espaço doméstico, precisamos, primeiro, desconstruir nelas próprias as imagens construídas de si mesmas que lhes foram impostas pelo conjunto da sociedade e por elas assimiladas e reproduzidas e, então, buscar a libertação das formas de sujeição pelo contrato sexual e pela cultura. Romper no dia-a-dia e passiva e, muitas vezes, assexuada é um grande desafio, pois é uma luta contra essas identidades prontas e impostas, apresentadas, ao longo da história, como naturais.

  Nos espaços trabalhados nos projetos de desenvolvimento rural, as relações de poder estão diretamente ligadas às relações de gênero, do que resulta a diferença de inserção das mulheres nos espaços produtivos e organizativos, espaços de poder que têm uma forte implicação de gênero, requerendo uma transformação no acesso da mulher tanto aos bens econômicos quanto ao poder, transformação esta que depende de um processo de empoderamento da mulher. Joan Scott (1999) diz que experiência é aquilo que queremos explicar e não a origem de nossa explicação. Afirma, ainda, que esta abordagem questiona os processos pelos quais os sujeitos são criados, favorecendo novos caminhos e mudanças. A experiência de poder tende a resgatar a autoestima das mulheres como sujeitos, mudanças de mentalidade e atitude, de modo a dar visibilidade a sua importante contribuição nos processos familiares, comunitários, organizativos, ambientais, produtivos e de comercialização, que deem substância à sustentabilidade desejada para o desenvolvimento rural. Mas trata-se de um processo de mão dupla, pois, como bem atenta León (2001, p. 97)

  , “o empoderamento como autoconfiança e autoestima deve integrar-se em um sentido de processo com a comunidade, a cooperação e a solidariedade”.

  O empoderamento é uma categoria complexa que vem se transformando em categoria analítica e empírica em diversas disciplinas e envolve uma multiplicidade de métodos e indicadores os quais dificilmente podem ser universalizados, como se pode ver na experiência de empoderamento das mulheres agricultoras familiares, um processo que tem aspectos tanto coletivos como individuais.

  Empoderamento é o mecanismo pelo qual as pessoas, as organizações, as comunidades tomam controle de seus próprios assuntos, de sua própria vida, de seu destino, tomam consciência da sua habilidade e competência para produzir e criar e gerir. (COSTA, 2004, p. 7).

  As participações em diversas atividades e as capacitações em várias temáticas organizativas e produtivas constituem ferramentas necessárias para o empoderamento destas mulheres agricultoras. O Projeto Gente de Valor implementa estas ações, mas, muitas vezes, longe de uma perspectiva feminista, ou seja, de uma perspectiva que privilegie a conquista pelas mulheres da autonomia sobre seus corpos, suas vidas e seus destinos.

  1.2 DIMENSÕES HISTÓRICAS A bibliografia sobre empoderamento revela como esse tema vem sendo discutido

  18 e utilizado em vários âmbitos, dentre eles o rural, na perspectiva do desenvolvimento local .

  São tantas concepções e interpretações que elevam o grau de dificuldade em defini-las.

  A palavra “empoderamento” não existe no nosso dicionário da língua portuguesa. Sua formulação inicial

  • empowerment – vem de países de língua inglesa, sobretudo dos EUA, sendo várias as versões sobre suas origens. Em termos históricos, segundo Vathsala Aithal (1999), o conceito de empoderamento migrou da “práxis” para a “teoria”, sobretudo através dos movimentos de base nas lutas pelos direitos civis, encabeçados, principalmente, por ativistas feministas e negros/as.

  O termo “empoderamento” foi usado, pela primeira vez, no contexto de mobilização política, na década de 1960, por militantes do Movimento Panteras Negras, nos EUA. Desde então, este termo passou a fazer parte de campos do conhecimento os mais diversos. Alguns autores alertam para a polissemia do conceito de empoderamento (ROMANO, 2002; ANTUNES, 2002; GOHN, 2004), que pode ser utilizado para ações distintas e de modo indiscriminado por todos, independentemente da posição no espectro político-ideológico. Porém, é importante ressaltar que há duas posições radicalmente distintas quanto ao conceito e à abordagem sobre empoderamento no campo ideológico de desenvolvimento. A disputa se dá entre os defensores do desenvolvimento vigente regido pelo neoliberalismo e os críticos deste desenvolvimento dominante que defendem a construção de um outro mundo (ROMANO, 2002).

  Segundo Peter Oakley e Andrew Clayton (2003), a construção do conceito de empoderamento se deu na década de 1970, a partir do conceito de desenvolvimento então baseado na teoria da “modernização” e na teoria da “dependência” como explicativas do subdesenvolvimento. Na América Latina, a teoria da modernização se baseou na perspectiva desenvolvimentista impulsionada pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), que defendia a industrialização como paradigma do crescimento econômico, negava a importância do comércio internacional e se opunha fortemente às expectativas da economia neoclássica. Portanto, a teoria de modernização tentou dar uma explicação às desigualdades entre as economias nacionais, incorporando à discussão fatores de cunho institucional e estrutural situados para além do mercado (GALLICHIO, 2002).

18 Desenvolvimento local entendido como uma estratégia para criar e favorecer as condições para que

  as pessoas e as comunidades melhorem sua qualidade de vida com seus próprios recursos e

  No Brasil, de meados da década de 1970 a meados da de 1980, observa-se a “modernização conservadora” em que o Estado atuava de forma autoritária e centralizada, tinha uma forte penetração de caráter produtivista e tipicamente capitalista voltada para a agricultura de exportação e para as grandes propriedades de exploração agropecuária nacional, ressalto que em prejuízo de uma agricultura de base familiar. A extensão rural difusionista do Estado implantada nesta época tinha o consentimento das classes detentoras do poder do setor agrícola interessadas em retirar maiores lucros da produção, não sendo, portanto, fruto de luta e reivindicações dos agricultores e agricultoras. Com o início da crise da teoria da modernização, este modelo desenvolvimentista começou a ser questionado,

  19

  devido à incapacidade do capitalismo de reproduzir, nos países periféricos , experiências bem sucedidas de desenvolvimento, surgindo daí a teoria da dependência que, embasada na economia política marxista não dogmática dos processos de reprodução do subdesenvolvimento na periferia do capitalismo mundial, enfatizava a dependência externa e a análise dos padrões estruturais que vinculam as economias centrais às periféricas.

  A ideia central dessa teoria era que o desenvolvimento desses países estaria submetido ao desenvolvimento de outros países, à superação do subdesenvolvimento passando pela ruptura com a dependência (subordinação) e não pela modernização e industrialização da economia. Com a teoria da dependência, introduziu-se o conceito de dominação, uma dominação entre classes e não entre nações, destacando que um desenvolvimento autônomo não seria possível, criticando, assim, a possibilidade de um desenvolvimento nacional e o socialismo como única saída (GALLICHIO, 2002).

  Continuou, nesse período, um intenso debate entre as escolas fundamentadas em um discurso que colocava em dúvida todas as explicações anteriores baseadas no modelo neoclássico de desenvolvimento econômico, focado no aumento da produtividade econômica e na exclusão social, contra o discurso do “desenvolvimento alternativo”, que trazia uma nova perspectiva centrada nas relações entre pessoas e em harmonia com o meio ambiente. Os autores do desenvolvimento alternativo defendem os direitos humanos universais e os direitos particulares dos cidadãos na perspectiva de proteger os interesses das pessoas, especialmente das pobres sem poder. Apoiado em seus princípios de sustentabilidade, equidade, produtividade e empoderamento, o desenvolvimento alternativo traz um discurso de transformação que tem como ponto central a relação entre “poder” e “pobreza”. No decorrer das décadas de 1980 e 1990, há um refinam ento dos paradigmas “alternativos” sobre

19 São aqueles países onde os fluxos, o desenvolvimento da ciência, da técnica e da informação

  desenvolvimento. Por volta de 1990, em um período de tempo muito curto, o termo empoderamento se tornou comum e central no discurso e na prática dos grupos da corrente do desenvolvimento alternativo, aparentemente adequando-se bem às perspectivas de desenvolvimento e às estratégias de diversos atores, desde as Organizações Comunitárias de Base, ONGs nacionais e internacionais, até instituições como o Banco Mundial e as maiores agências bilaterais e multilaterais. Também nos últimos anos, o termo empoderamento vem sendo apropriado pelo discurso dos órgãos governamentais.

  No entanto, há críticas profundas à maneira como têm sido re-apropriadas e re- significadas a abordagem e o conceito de empoderamento nos discursos e nas práticas dominantes do mainstream, tal qual expressos pelas ações dos bancos e das agências de desenvolvimento bilaterais e multilaterais, dos governos e de diversas organizações da sociedade civil. Tal abordagem é vista como despolitizando o processo de empoderamento, ao tirar a questão essencial e central o “poder” da sua equação (ROMANO, 2002). O poder, ou melhor, as mudanças nas relações de poder existentes no processo de empoderamento se tornaram uma questão diluída, perdendo seu papel central entre os elementos que compõem o empoderamento. De fato, trata-se agora de uma estratégia para continuarem fazendo o que sempre fizeram, só que agora de forma “disfarçada”, apropriando-se de uma proposta inovadora para usar como um instrumento de legitimação de práticas muito diversas e não necessariamente empoderadoras. Segundo Romano (2002, p. 10), apropriar-se e desvirtuar o novo com o objetivo de garantir a continuidade das práticas dominantes é uma situação típica de transformismo (“gattopardismo”).

  É preciso ressaltar que o conceito de empoderamento, ao ser apropriado nos discursos por outras áreas de debate sobre “desenvolvimento”, durante este processo, foi perdendo suas conotações mais radicais presentes na sua origem feminista. A noção de empoderamento que tem sido propagada por agências de desenvolvimento dominantes, governos e organizações difere, consideravelmente, do significado original do pensamento feminista. Por exemplo, no caso do Banco Mundial, o empoderamento é visto como a última etapa nos processos de “participação” e a prática promovida pela instituição vê o empoderamento das mulheres como um instrumento para o desenvolvimento, para a democracia e para a erradicação da pobreza. Este significado é bastante diferente daquele

  • – dado ao empoderamento pelo feminismo, principalmente pelas feministas latino-americanas às quais me filio
  • –, entendido como significado central nas relações de poder e o empoderamento das mulheres como um processo que as leva a questionar, desestabilizar,
Sardenberg (2009, p. 2), as divergências entre a perspectiva das agências de cooperação internacionais e a dos movimentos feministas não são apenas teórico-metodológicas, mas, principalmente, de ordem política.

  Na academia, esse conceito ganha espaço nas perspectivas feministas sobre “poder”. Segundo Sarah Mosedale (2005), a questão de poder é central à noção de empoderamento e sobre esta afirmação há concordância no pensamento feminista. As feministas, porém, preferem usar o termo empoderamento, ao invés de “poder”. Sardenberg (2009), baseada em Mosedale (2005, p. 249), apresenta as formas distintas pelas quais o “poder” pode ser pensado: “poder sobre” – de controle sobre o outro; “poder para” – construção de capacidades para fazer algo; “poder de dentro” – autoestima, autoconfiança; e o “poder com” – ação coletiva. Segundo Sardenberg (2009) e Shirin Rai (2002, p. 134), a preferência das feministas pelo uso do conceito de empoderamento se dá, não apenas em função do seu maior enfoque nos oprimidos, mas, sobretudo, pela ênfase na noção de “poder para”, pois pode ser visto como um poder que afirma, uma fonte de emancipação, uma forma de resistência.

  No contexto do discurso sobre gênero e desenvolvimento, o conceito de empoderamento vem ganhando força tanto teórica quanto instrumental a partir de sua utilização vinculada à questão de gênero. As pesquisas baseadas neste conceito demonstram que o desenvolvimento e a mudança social incidem de maneira diferente nos homens e nas mulheres. Nos primeiros anos da década de 1970, as pesquisadoras começaram a centrar-se na divisão do trabalho baseada no sexo e no impacto das estratégias de desenvolvimento e modernização sobre as mulheres. A motivação primária consistia na superação da pobreza, uma vez que mulheres pobres são excluídas dos direitos mínimos. Durante este período, foi introduzido o conceito de participação das mulheres no processo de desenvolvimento Women

  in Development

  , expressando a preocupação pela (WID) ˗˗ Mulher no Desenvolvimento desigualdade ou posição desvantajosa das mulheres e o desejo de superar a discriminação de que elas são alvo.

  No início da década de 1980, segundo Cecília Iorio (2002), o enfoque WID começa a ser questionado nos seus fundamentos, devido ao escasso impacto direto sobre o desenvolvimento. Um dos principais questionamentos e críticas feitos às teóricas feministas que defendiam este enfoque foi o fato de apresentar uma noção de empoderamento fortemente vincu lada à noção de “poder sobre”, de controle sobre os outros e sobre recursos. Isto significa que, para que houvesse um empoderamento seria necessário inverter a situação de parece um pouco equivocada, pois poder implica relações, logo, não necessariamente, precisamos perder poder para mudar as relações de desigualdade, pensando poder com base em Mosedale e na proposta original feminista de empoderamento que foca no

  “poder para”, na perspectiva da construção de capacidades dos oprimidos para a sua resistência e emancipação.

  Teóricas feministas sofreram muitas críticas por não proporem mudanças estruturais nas relações de poder dentro de uma sociedade em que alguns o detêm e outros não. De fato, suas estratégias estavam ancoradas na perspectiva de empoderamento baseada no conceito de “poder sobre”, havendo apenas uma reversão da relação de poder pela qual as mulheres deveriam conquistar espaços nas estruturas econômicas e políticas da sociedade, ocupando posições de poder que antes eram dos homens, porém, não se questionava a forma como o poder é distribuído na sociedade. É evidente que esta noção de poder provocou forte resistência por parte daqueles que detinham o poder e se sentiam ameaçados de serem destituídos desta posição, que passaria a ser ocupada pelas pessoas empoderadas, neste caso, as mulheres. É necessário compreender como se estrutura a nossa sociedade e como as diferenças de gênero, de classes, de etnia, de geração, de regionalidade e de políticas comportam desigualdades a serem superadas. A perspectiva do WID foi amplamente criticada por seus fundamentos neoliberais que não levavam em consideração o peso das estruturas dominantes na subordinação das mulheres na sociedade (SARDENBERG, 2009).

  Como uma perspectiva alternativa ao enfoque do WID, surge, em 1980, o enfoque Gênero e Desenvolvimento (GED)

  • Gender and Development (GAD) –, que se concentra no problema da desigualdade das relações entre homens e mulheres buscando promover a participação ativa da mulher no desenvolvimento. Na realidade, mais do que integrar as mulheres em um determinado processo de desenvolvimento, trata-se de construir um modelo novo que modifique aquelas relações de poder baseadas na subordinação das mulheres e que perpetuam a opressão e a exploração, sobretudo, das mulheres pobres. Nesta perspectiva, o enfoque Gênero e Desenvolvimento pode promover uma mudança nessas relações sociais através do fortalecimento da posição social, econômica e política das mulheres, desde que as estratégias de desenvolvimento ataquem os fatores estruturais das desigualdades de gênero, consequentemente, facilitando o desenvolvimento das mulheres, o que hoje vem sendo chamado de “empoderamento” da mulher.

  É com essa concepção que a comunidade internacional vai assumindo a importância de incorporar a perspectiva de gênero nas suas ações de desenvolvimento. O grande desafio, para todas as instituições que trabalham com este enfoque, é sair do discurso para a prática, incorporando a perspectiva de gênero para transformar as relações de poder entre os sexos, enfrentando, no cotidiano da intervenção, as estruturas que mantêm as mulheres na subordinação, desconstruindo, a cada dia, os valores culturais que reforçam e as mantêm neste lugar. Porém, críticas e diferentes contestações estão sendo feitas à abordagem GED, a como “gênero” tem sido entendido e vem sendo trabalhado por instituições de desenvolvimento.

  Ao analisar o que se tornou gênero em desenvolvimento, em relação aos

  20

  essencialismos e generalizações nas abordagens de várias instituições, e suas implicações para a implementação das políticas públicas, programas e projetos, Cecília Sardenberg alerta que o termo “gênero” vem sendo empregado em vários contextos disciplinares, em diferentes usos e conotações, tornando-se um conceito genérico. Afirma, ainda, que este problema se deve ao processo de massificação do termo a partir da apropriação por representantes de diferentes e divergentes correntes de pensamento, em particular, por agências internacionais de cooperação e organizações voltadas para o desenvolvimento (2014, p. 20). Assim, o termo gênero é visto, pelos tecnocratas e governantes, como uma forma de abordagem técnica, uma ferramenta estratégica, um mecanismo ou uma estrutura para o desenvolvimento predominantemente economicista. Desta forma, gênero, como esses instrumentos metodológicos, se torna destituído de intenção política e objetivo e resultado a serem alcançados pela intervenção das instituições de desenvolvimento (CORNWALL, 2013, p. 10). Assim, para os órgãos institucionais do poder público governamental, a incorporação da perspectiva de gênero é, na prática, uma mera adição no vocabulário técnico de planejamento.

  Cecília Sardenberg, em seu depoimento, em 2003, ao participar do workshop no Instituto de Estudos de Desenvolvimento (Institute of Development Studies

  • – IDS), levanta um

  questionamento sobre “como ‘fazer gênero’ se transformou em algo diferente de ‘fazer feminismo’”. Ela reflete sobre as maneiras pelas quais um projeto político de gênero, à medida que vai sendo implementado na prática, acaba sendo reduzido a apenas um “kit” técnico, focado apenas nas “necessidades práticas” das mulheres, ou melhor, em ações de capacitação para atividades produtivas geradoras de renda ou em atividades organizativas nas

20 Aqui entendido a partir do ponto de vista filosófico, como a crença na existência das coisas em si

  mesmas, não existindo qualquer atenção ao contexto em que existem. Disponível em:

quais se discute direitos constitucionais e autoestima, mas se deixa a discussão das relações de poder de lado. Em alguns casos, como no Projeto Gente de Valor realizado pela CAR, o tema gênero é trabalhado em função de cumprir um requisito do FIDA e tem ocorrido a profissionalização em gênero e desenvolvimento como se a incorporação da perspectiva de gênero em sua intervenção fosse puramente teórica e técnica, uma ferramenta a ser aplicada e com uma relação cada vez mais descolada, desconectada do feminismo. Sardenberg afirma que, em muitos casos, “fazer gênero” veio para apresentar algo seguro, desvinculado da política e, consequentemente, do feminismo (CORNWALL, 2013a, p. 19).

  As agências financiadoras do enfoque de Gênero e Desenvolvimento também recebem críticas, por levarem para seus parceiros uma abordagem hierárquica e por também trazerem suas demandas institucionais, muitas vezes impondo aos parceiros a incorporação do enfoque de gênero em todos os níveis, no âmbito institucional, sem que esta abordagem fosse incorporada na missão e na prática institucional das organizações. As entidades parceiras correm um risco ao transversalizar gênero, ao incluí-lo em tudo, pois o enfoque de gênero pode acabar ficando diluído, como mais um, como algo secundário, desnaturado e

  21

  despolitizado. Por certo, a transversalização de gênero é uma estratégia fundamental para a construção e incorporação sistemática de uma perspectiva de gênero em todas as ações institucionais, seja nas atividades e estruturas internas de uma organização

  • – suas políticas, sua estrutura, seus sistemas e procedimentos
  • – e, também, quanto ao operacional, referindo-se às ações e programas externos que a organização desenvolve ou nas quais está envolvida (SARDENBERG, 2010). No entanto, é importante ressaltar que as instituições de desenvolvimento precisam incorporar as estratégias de transversalização do enfoque de gênero não só como procedimentos técnicos, mas, também, como uma estratégia política, caso contrário, como observam muitas feministas que trabalham com GED, “quanto mais o gênero é transversalizado, menos encontramos políticas efetivas de equidade de gênero, nos espaços e documentos principais de formulação de políticas” (SARDENBERG apud CORNWALL, 2013a, p. 3).

  Um fator positivo do GED é que seu campo de abordagem facilita a captação de recursos e proporciona a criação de um corpo significativo de profissionais de diversas áreas de formação e de organizações governamentais e não governamentais que trabalham em sua intervenção com as temáticas de gênero transversalmente. No entanto, observa-se que uma

21 Aqui entendido com seu duplo significado, estando relacionado às estratégias de formulação de

  políticas específicas versus a de “integração de gênero em todas as políticas” (SARDENBERG, parte significativa destes profissionais, homens e mulheres, não têm compromisso nem experiência provenientes de movimentos feministas e nunca estiveram engajados com políticas referentes a estas questões. Nestes casos, mesmo quando os profissionais têm uma formação teórica e metodológica para o trato da categoria, falta-lhes o comprometimento político e o entendimento analítico de que a perspectiva de gênero foi originalmente uma construção e demanda do feminismo.

  Algumas feministas que trabalham com GED reconhecem que tiveram limitados ganhos, porém importantes, na abordagem de gênero em desenvolvimento, mas existe um enorme abismo entre as aspirações feministas por efetivas mudanças sociais e o que se realizou no desenvolvimento deste enfoque, já que as desigualdades de gênero têm se mostrado muito mais profundas e a resistência das burocracias muito mais forte do que se esperava (CORNWALL, 2013b). Para Sardenberg (2014), a situação atual daquilo que se tornou gênero em desenvolvimento, no Brasil, tem a ver com a combinação dos processos de globalização, com o avanço do neoliberalismo e com a reestruturação produtiva. O resultado desta combinação tem ampliado ainda mais as desigualdades econômicas e sociais entre homens e mulheres assim como entre raças, classes e gerações.

  Apesar do cenário global e de todas as críticas, até mesmo da concordância com algumas delas, e do reconhecimento de algumas frustrações ao enfrentarem barreiras para efetivar uma prática transformadora de gênero, as feministas engajadas no desenvolvimento, e aqui me incluo, acreditam que esta abordagem contribuiu para dar um sentido de direção ao trabalho desde que focado na transformação das estruturas sociais. Ao revisitar as agendas feministas a partir de uma visão mais ampla do contexto nacional, percebe-se que as discussões em torno do que significam gênero e desenvolvimento permanecem disputadas e se tornam objeto particular de contestação quando é aplicado e defendido dentro de burocracias. A necessidade de intercambiar as conquistas e limitações com outras feministas, nos âmbitos local, nacional e internacional, se torna extremamente necessária e vitalmente importante para fortalecer o engajamento feminista dentro e fora das instituições de desenvolvimento. Portanto, é preciso continuar aprofundando o debate de forma a reposicionarmos nossas estratégias e direcionamentos na perspectiva de repolitizar o projeto feminista com o desenvolvimento e, assim, trabalhar, de fato, no sentido do empoderamento das mulheres.

  1.3 DIMENSÕES DO PROCESSO DE EMPODERAMENTO O empoderamento apresenta múltiplas dimensões, assume diversos aspectos particulares e estágios sucessivos de uma progressão. Para Sardenberg (2009), o processo de empoderamento é uma espiral, não é linear; não existe um estágio de empoderamento absoluto, pois as pessoas são empoderadas ou desempoderadas, sempre em relação a outros ou a si próprias, em momentos anteriores. Enquanto categoria analítica, empoderamento é um processo, não um simples produto.

  Busco compreender como o processo de empoderamento se concretiza nas diferentes dimensões da vida social das mulheres agricultoras familiares aqui pesquisadas. A partir da literatura consultada, trabalho com as quatro dimensões no processo de empoderamento conforme Nelly Stromquist:

  O empoderamento consiste de quatro dimensões, cada uma igualmente importante, mas não suficiente por si própria para levar as mulheres para atuarem em seu próprio benefício. São elas a dimensão cognitiva (visão crítica da realidade), psicológica (sentimento de auto-estima), política (consciência das desigualdades de poder e a capacidade de se organizar e se mobilizar) e a econômica (capacidade de gerar renda independente). (2002,

  22 1995, p. 232) .

  Para Ana Alice Costa (2004), a “dimensão cognitiva” do empoderamento se refere à compreensão que as mulheres têm da sua subordinação e das causas desta em níveis micro e macro da sociedade. Já a “dimensão psicológica” diz respeito ao desenvolvimento de sentimentos como autoconfiança e autoestima que as mulheres podem pôr em prática em nível pessoal e social para melhorar sua condição. A “dimensão política” supõe a capacidade das mulheres para analisar o meio em seu redor, em termos sociais e políticos, e também de se organizar e se mobilizar para transformar as estruturas sociais visando à redistribuição de poder. A quarta e última dimensão, a “econômica”, está relacionada à independência econômica das mulheres.

  Maria Elisabeth Kleba (2009) afirma que, nas dimensões psicológica e política, os processos do empoderamento são interdependentes e se concretizam no cotidiano dos indivíduos quando estes desenvolvem suas competências e a capacidade de enfrentar as

22 Tradução do original em inglês feita por Cecília Sardenberg, em 2009, no texto: Conceituando

  “empoderamento” na perspectiva feminista. Disponível em:

<https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/6848/1/Conceituando%20Empoderamento%20na%20Per dificuldades, o que ocorre nos espaços da micropolítica cotidiana. Ao experienciá-las, despertam e viabilizam o crescimento de habilidades individuais e coletivas de enfrentar situações difíceis. É neste processo que isto é fortalecido no espaço da política macro, à medida que as pessoas se apropriam de habilidades de participação democrática e do poder político de decisão.

  Outros autores, como John Friedmann (1996) e Carmen Silva e María Martínez (2004) consideram três dimensões de análise do processo de empoderamento: a psicológica, a grupal ou das organizações sociais e a política. Para Kleba, no processo de empoderamento, a dimensão psicológica “refere-se ao desenvolvimento de um determinado modelo de autorreconhecimento, através do qual as pessoas adquirem ou fortalecem seu sentimento de poder, de competência, de autovalorização e autoestima”. Já o empoderamento político “implica na transformação das estruturas sociais visando à redistribuição de poder, produzindo mudanças das est ruturas de oportunidades da sociedade” (2009, p. 738). Para

  Friedmann (1996, p. 125), as três dimensões do processo do empoderamento estão interligadas, centradas no sujeito e na unidade doméstica e estas, por sua vez, se relacionam a outras unidades, formando uma rede social que se ajuda e se reforça mutuamente.

  1.4 NÍVEIS OU SUJEITOS DE EMPODERAMENTO Silva e Martinez propõem três níveis de análise do processo de empoderamento, entendendo “por nível uma unidade de análise do agregado social que tem suas metas, recursos, processos, interações e um contexto em que está imerso, podendo ser indivíduos, organizações ou uma comunidade geográfica” (2004, p. 7).

  Para efeito da nossa pesquisa, dialogo com o referencial de análise exposto por Rodrigo Horochovski (2006) sobre os níveis ou sujeitos do empoderamento, identificando elementos que caracterizam o processo de empoderamento em três níveis: indivíduos, grupos ou organizações e comunidades (estrutural ou político). É importante ressaltar que em cada um destes níveis experimenta-se processos de empoderamento em um ou vários contextos, que lhes oferecem maiores ou menores oportunidades de desenvolvimento.

  O empoderamento individual ocorre mediante a participação dos indivíduos nos mais variados espaços de sociabilidade

  • – no nosso caso específico, nos quintais produtivos, na apicultura, no beneficiamento de frutas, no artesanato, no corte e costura e na associação, espaços nos quais os indivíduos “são/se auto-percebem como detentores de recursos e de
afetam” (HOROCHOVSKI, 2006, p. 16). As pessoas percebem seus ambientes, sentem uma competência pessoal, provavelmente em decorrência da sua participação no processo de tomada de decisão, tomam consciência de sua própria capacidade de lutar pelos seus interesses e de influenciar outras pessoas. Ao tomar parte deste processo enquanto exercício de tomada de decisão, com uma participação ativa, o indivíduo passa a ter confiança em si mesmo para agir diante das adversidades e sentir que sua presença tem importância e, consequentemente, neste processo, ocorre algum grau de empoderamento pessoal.

  Para Kleba (2009), no nível pessoal ou psicológico, um dos aspectos centrais é a percepção do sujeito de suas próprias forças e esta consciência leva à mudança de mentalidade resultando em um comportamento de autoconfiança. Seria importante, também, a percepção das próprias limitações, além das próprias forças. Ela alerta ainda para o emprego do conceito de empoderamento psicológico, por considerar que este revela uma perspectiva filosófica individualista no momento em que ignora e desconecta o indivíduo de seu contexto de inserção sociopolítica. Quanto ao empoderamento psicológico, este ocorre quando o indivíduo vivencia seu poder através de experiências vividas no seu cotidiano, em situações de carência ou de ruptura, quando reconhece seus recursos e possibilidades pessoais ou coletivas e também sua capacidade de enfrentar e sair , em seu cotidiano, de uma situação de impotência e ameaça.

  Ressalte-se que esse processo de empoderamento individual pode ser ativado por animadores externos, como agentes sociais, ONGs, órgãos do Estado, empresas, que atuam como mediadores, tendo a função de facilitar o processo, provendo oportunidades para as pessoas exercerem o controle sobre suas vidas, propiciando que estas formem novos grupos empoderadores, em um processo solidário e continuado de formação cidadã.

  Em nível individual, os processos de empoderamento das mulheres agricultoras familiares podem ser alcançados através da participação em organizações ou atividades comunitárias, ao integrar grupos de interesses (quintais produtivos, corte e costura, beneficiamento de frutas e artesanato), do aprendizado de novos conhecimentos e do desenvolvimento de novos potenciais e novas tarefas. O exercício de trabalhar em grupo com outras mulheres e homens, com objetivos comuns a serem atingidos e metas a serem cumpridas em um determinado espaço de tempo, já pode ter um potencial empoderador, na medida em que estas “desobedecem” seus pais ou maridos, rompem com a dominação para participarem das atividades do Projeto, e se cria uma disciplina e uma dinâmica de grupo que as levam a experimentar a divisão de tarefas e de responsabilidades construindo laços de negativas) do contexto social, uma vez que o empoderamento não é fruto do consenso, mas sim resultante de tensões e conflitos.

  Um exemplo disso é o conflito gerado quando as mulheres teimam em querer participar das atividades organizativas e produtivas. Neste momento, começam a questionar as relações patriarcais existentes, principalmente na família, desencadeando uma verdadeira disputa de poder porque o seu empoderamento significa uma perda de poder dos homens, ou seja, a perda da posição privilegiada concedida, histórica e culturalmente, aos homens pelo patriarcado. Representa a perda desse poder dominante, desse poder sobre (que controla, de forma negativa), desse poder subordinador. Poder que controla a capacidade de se mover, a participação no mundo público, o acesso aos bens materiais, o direito a seus corpos e à sexualidade dessa. Poder que se reflete, muitas vezes, no abuso físico, em violação impune, em abandono e sem decisões consensuais afetando a família (LEÓN, 2001).

  Para Batliwala (1994), nesse processo de empoderamento das mulheres, em meio às disputas de poder, os homens também são libertados, libertados do seu papel de opressores e exploradores. Olhando por outro lado, significa que os homens também se empoderam, do poder de forma positiva, do poder da solidariedade, quando começam a vivenciar as relações de gênero de outra forma, quando começam a desconstruir, no cotidiano, os estereótipos de gênero aprendidos com os ancestrais, tão difíceis de remover, quando tiram o duro fardo que a sociedade lhes deu de únicos provedores, de serem os únicos que têm a obrigação de sustentar a família.

  O empoderamento organizacional, para Rodrigo Horochovski (2006), dialoga com o que descreve Perkins e Zimmerman (1995), sobre a organização como unidade de análise identificando seus objetivos e processos como um sistema organizacional. Para Horochovski é

  o processo pelo qual as organizações formais – agências governamentais, empresas, organizações da sociedade civil

  • – constituem mecanismos de compartilhamento do poder decisório e da liderança, de modo que as decisões sejam mais coletivas e horizontais. (HOROCHOVSKI, 2006, p. 17).

  O nível empoderamento grupal ou organizacional, segundo Silva e Martínez

  23

  (2004) , diz respeito ao processo de fortalecimento das organizações sociais (comunitária, grupos de interesses, associações) que oferecem oportunidades de formação dos seus

  23 membros, geram processos de liderança compartilhada, processos de tomada de decisões para atingir os objetivos e metas da organização como um sistema ou unidade, além de apoiar e desenvolver um sistema de comunicação eficaz entre seus membros, criando ambientes de troca de informações e recursos, a distribuição de papéis e responsabilidades de acordo com a capacidade de cada um, um modelo ou estilo de gestão adequada dependendo do crescimento e desenvolvimento organizacional. Todo esse processo gera uma dinâmica associativa entre os membros da organização construindo um sentido de confiança e de comunidade.

  Tratar do nível organizacional do empoderamento implica em um processo de fortalecimento da organização (do grupo de interesse dos quintais produtivos ao grupo das associações comunitárias). Para tal, todos que participam têm de se sentir parte do grupo; de fato, é muito importante, para legitimar e fortalecer o grupo, esta noção de pertencimento, para o que contribuem as estruturas participativas de decisão compartilhadas. É necessário colocar em prática esses processos de liderança compartilhada, de capacitação de membros em função dos objetivos da organização, de tomada de decisões, a partir de sistemas de distribuição de funções e responsabilidades conforme a capacidade de cada um/a e a criação de mecanismos de intercâmbio de informações e recursos, ou seja, um modelo ou estilo de gestão adequada em função do crescimento e desenvolvimento da organização. Para que o grupo atinja seus objetivos comuns enquanto grupo, todos devem respeitar uns aos outros, ter confiança, tolerância e ser solidários uns com os outros. Desta forma, reduzindo o conflito de papéis, o sentido de comunidade é experimentado e a vida comunitária se torna melhor. Aqui o empoderamento das mulheres deve favorecer (e não dificultar) o empoderamento coletivo, comunitário (KLEBA, 2009).

  Segundo Silva e Martínez (2004), alguns autores diferenciam as organizações em empoderadoras (empowering) e empoderadas (empowered). As organizações empoderadoras favorecem e apoiam seus membros no processo de empoderamento individual e coletivo, enquanto as instituições empoderadas são aquelas que trabalham em redes, influenciam políticas, alcançam suas metas, desenvolvem formas para aumentar sua efetividade, enfim desenvolvem um processo de empoderamento organizacional que se concretiza em sua capacidade de se envolver em interesses sociais e políticos.

  O empoderamento comunitário ocorre quando Indivíduos e grupos de uma comunidade coletivamente formulam estratégias e ações para potencializar e obter recursos – sejam esses oriundos da própria comunidade ou oriundos de instituições públicas ou privadas

  • – que lhe
permitam influenciar nas decisões que são de seu interesse. (HOROCHOVSKI, 2006, p. 17).

  Para Kleba (2009), o empoderamento comunitário apresenta alguns fatores que se relacionam com o nível de empoderamento estrutural ou político. No empoderamento individual, estão presentes a autoconfiança e a autoestima; na mesoesfera social, estruturas de mediação nas quais os membros compartilham conhecimentos e ampliam a sua consciência crítica; por fim, no nível macro, há estruturas sociais como o estado e a macroeconomia. Então, ambos

  • – o empoderamento comunitário e o estrutural – favorecem e viabilizam o engajamento, a corresponsabilização e a participação social na perspectiva da cidadania.

  O nível comunitário do empoderamento é um nível mais complexo, pois resulta dos níveis individual e organizacional. Neste nível se reconhece a possibilidade de indivíduos coletivos desenvolverem competências para atuarem, no início, na comunidade (no local), desde as unidades domésticas, discutindo sobre questões de seu interesse, sem desconsiderar as lutas globais (nível macro). Durante este processo, a capacidade de analisar criticamente o meio social e político vai sendo adquirida e qualifica a ação política do grupo. Neste processo de conscientização política e cidadã, as pessoas, as organizações e as comunidades são empoderadas

  • – isto significa que temos indivíduos empoderados e organizações voltadas para o empoderamento. Em outras palavras, são comunidades que participam igualitariamente, sem exclusões, defendem os seus direitos e os dos outros, interessam-se pelo bem coletivo, solidarizam-se com o semelhante, lutam pela inclusão social de modo a empoderar outros grupos, têm visão crítica sobre as injustiças sociais e econômicas, em nível local e mundial, e que respeitam o meio ambiente.

  Ressalto que o empoderamento comunitário (estrutural) implica em promover a interação e o mútuo apoio entre os indivíduos e organizações, entre organizações governamentais e não governamentais e instituições da comunidade local. Esta cooperação mediante a troca de informação e experiência deve levar em conta todos os agentes envolvidos, na perspectiva do desenvolvimento de redes intersetoriais de organizações de modo a influenciar políticas.

  Segundo Kleba (2009), os níveis de empoderamento são interdependentes, ou seja, na vida prática, não existe separação em níveis, na medida em que os indivíduos influenciam e sofrem influência de seu meio e que, para agir, reagir e interagir dependem de condições objetivas e subjetivas. De fato, a separação em níveis é apenas um recurso didático e avaliativo. O empoderamento é um processo, não existindo um estágio de empoderamento absoluto já que é simultaneamente o processo e o resultado deste processo, o que dificulta a separação entre eles. Daí o desafio em levantar e discutir as diferentes perspectivas do empoderamento das mulheres agricultoras familiares a partir das lógicas que as constituem e do ponto de vista de seus atores e os impactos nas atividades sociais, políticas e econômicas das mulheres agricultoras, em função da participação delas nas associações produtivas comunitárias, sobre as relações de gênero tradicionais na família e na comunidade.

  1.5 OPERACIONALIZAđấO DO EMPODERAMENTO NO PROJETO GENTE DE VALOR A intervenção do Projeto Gente de Valor, um projeto de desenvolvimento rural com perspectiva participativa, que traz como estratégia promover a equidade de gênero, estimulou a participação de homens e de mulheres agricultoras lançando mão de técnicas de

24 Diagnóstico Rural Participativo (DRP) . Essa opção metodológica se deu por intermédio da

  orientação da nova Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (PNATER) que enfatizava que a prática extensionista fosse baseada em metodologia que favorecesse a participação dos beneficiários em toda a etapa de sua intervenção. O PGV utilizou várias ferramentas do DRP para levantar as demandas iniciais das comunidades rurais que seriam beneficiadas com suas ações. Estas ferramentas pedagógicas facilitaram o processo de reflexão coletiva e o levantamento de informações sobre a realidade da comunidade.

  O DRP foi um instrumento essencial para envolver as pessoas da comunidade na elaboração do plano de desenvolvimento de cada subterritório. A metodologia participativa utilizada no DRP conseguiu envolver as mulheres agricultoras familiares em todas as etapas do processo do diagnóstico. No PGV, o empoderamento estava sendo visto como um resultado do processo de participação das mulheres agricultoras familiares, em todas as atividades desenvolvidas. Neste sentido, tinha sido orientado pela coordenação do Projeto que, em todas as ações e atividades, houvesse a participação de 50% de mulheres.

  Essa orientação possibilitou que as mulheres, ao participarem mais que os homens, assumissem os grupos produtivos (quintais, artesanato e beneficiamento de frutas) e as associações comunitárias. Desta forma, ficar à frente destes grupos como lideranças

24 DRP é um instrumento de investigação que utiliza técnicas participativas para coletar informações acerca de uma dada realidade, sem que estejamos atrelados ao uso de técnicas tradicionais.

  Segundo Miguel Expósito Verdejo: “é um conjunto de técnicas e ferramentas que permite que as comunidades reflitam sobre a sua realidade e a partir daí comecem a autogerenciar o seu possibilitou às mulheres exercitarem o poder e a autoridade, o que, consequentemente, gerou conflitos e disputas. Essas disputas se iniciaram, em casa e no grupo, entre o sexo masculino e o feminino; nestas disputas, as mulheres sentiram a forte estrutura do poder patriarcal, através da opressão dos homens (brancos ou negros), por meio dos privilégios a eles concedidos. É importante ressaltar que, nessas disputas, as mulheres reconhecem a diferença racial e tentam enfrentar os diversos problemas decorrentes destas diferenças. Elas sentem a estrutura do poder patriarcal racista por meio dos privilégios, alternativas e recompensas que as mulheres de pele branca têm, por se identificarem com o poder patriarcal. As mulheres brancas são mais propensas que as mulheres negras a serem enganadas e tendem a se unir ao opressor com a suposição de compartilhar o poder (CARNEIRO, 1995).

  A abordagem do empoderamento das mulheres se apresenta, na intervenção do PGV, na perspectiva de desenvolvimento, como fundamental para fazer acontecer a autonomia econômica das mulheres agricultoras e se limita a criar condições de produção e renda para que esta contribua com a renda familiar. (SCHEFLER, 2013). Um dos desafios é quebrar o preconceito e as limitações das mulheres agricultoras familiares com relação à participação delas nos espaços públicos, nas atividades produtivas e organizativas, não por causa das exigências da vida e das atividades domésticas, mas por serem espaços de poder.

  Em se tratando da agricultura familiar, para a mulher realizar o trabalho de produção na roça, ter presença em reuniões de entidades comunitárias e, ao mesmo tempo, dar conta das tarefas domésticas, precisa ter uma dupla, tripla ou contínua jornada de trabalho.

  O PGV, como objetivo estratégico, focou o empoderamento como desenvolvimento da capacidade de mulheres e homens, em particular quanto ao empoderamento de grupos e organizações locais, promovendo processos de capacitação e de aprendizagem a partir de um discurso dialético da importância crítica da reflexão e, fundamentalmente, da noção de “inclusão das mulheres” e “autonomia” na ação. Nessa

  25

  das corrente, é típico o compromisso com o fortalecimento do “capital humano e social” instituições da sociedade civil parceiras na execução, como associações, cooperativas, escolas família agrícola, sindicatos rurais, pastorais rurais e ONGs que atuam na área de intervenção do Projeto.

  A iluminação de Michel Foucault (1979) sobre o poder não serve apenas para a situação das mulheres no exercício do poder

  • – nas associações, quintais produtivos etc. –,

25 Entendendo por capital humano e social o conjunto de investimentos e ações destinados à formação

  educacional e profissional de determinada população na perspectiva de formação de sujeitos individuais e coletivos capazes de interpretar e agir criticamente no conjunto de relações que os mas, também, cotidianamente. As relações de poder em torno dos papéis produtivos e reprodutivos assumidos pelas mulheres agricultoras familiares nos espaços doméstico/privado e público são relações cotidianas mais estreitas entre a teoria e a prática nas quais elas usam as formas de resistência por meio de micropoderes contra as diferentes formas de poder. Em ambas as situações, resistem, como é da natureza do poder, segundo Foucault (1979). Assim, ao pensar as relações de poder através do antagonismo, das estratégias empregadas por estas mulheres na perspectiva de visibilizar um contradiscurso expresso nas alternativas e nas inovações que usaram a partir do que lhes ofereceu o PGV, tomo as resistências das mulheres como ponto de partida visto que as exceções não têm que estar na periferia do discurso, para falar dos que estão tentando inovar, ter autonomia nas suas escolhas, decisões, inclusive, sobre seu próprio corpo. E, a partir do modo pelo qual as mulheres agricultoras familiares assumiram os cargos de diretoria nas associações comunitárias, ao exercerem o poder, tornando-se um sujeito social e político.

  É importante relembrar, com a contribuição de Batliwala (2002; 2013), que dar às mulheres pobres acesso aos recursos econômicos é uma conquista que surgiu da luta bem- sucedida das mulheres feministas em ganhar reconhecimento para o papel desenvolvido pelas mulheres na economia familiar e em apoiar lideranças femininas no desenvolvimento local. As teóricas feministas entendiam que o poder econômico e o acesso aos recursos produtivos enfraqueceriam as relações e os papéis de gênero tradicionais, logo, acreditavam no empoderamento das mulheres pobres para que demandassem mais mudanças.

  1.6 COMO ESTUDAR O EMPODERAMENTO DAS MULHERES Os níveis de empoderamento e indicadores qualitativos que nos ajudam a medir se houve ou não empoderamento das mulheres estão conectados e dialogam com o referencial apresentado.

  Enquanto feminista, entendo o empoderamento das mulheres como um processo de mudança individual conectado com o contexto social e que se relaciona com ações coletivas dentro de um processo político. Ao mesmo tempo, é um instrumento/meio de enfrentar a opressão de gênero e um fim em si mesmo, quando resulta na libertação das mulheres das amarras da opressão de gênero e da opressão patriarcal vigente nas sociedades contemporâneas.

  Assim como Batliwala (1994) e Magdalena de León (2001), entende-se que o da autonomia, da autoconfiança, da autodeterminação, e coletivo, quando esta participa ativamente no grupo produtivo e/ou organizativo, na comunidade, experimentando a cooperação e a solidariedade entre elas e a comunidade. Um empoderamento que reconheça e não ignore o histórico e o político. O empoderamento das mulheres implica desestabilizar, alterar e destruir as estruturas sociais existentes com o objetivo de acabar com a ordem patriarcal que sustenta a opressão de gênero.

  Por meio da pesquisa participante e da observação, investigo histórias de empoderamento, ao analisar as “histórias de vida” de 10 (dez) mulheres agricultoras para entender como se dá esse processo na trajetória de participação e a inserção nos espaços organizativos e produtivos promovidos pelo PGV. Observo e analiso como projetos e políticas públicas têm contribuído, criando condições para o desencadeamento de processos de crescimento pessoal (autoestima/autoconfiança/voz), social (poder de decisão, autonomia, decisões mais coletivas/compartilhadas e horizontais) e político (articulação em redes, papel mediador entre os grupos excluídos

  • – as mulheres – e o governo e outras instância de poder – participação em conselhos municipais); e, principalmente, nas relações associativas comunitárias, exercendo cargos de direção, administrando e gerindo recursos como executoras de projetos governamentais.

  Partindo do entendimento de que o empoderamento depende dos sujeitos e que ninguém se empodera sozinho, realizamos dois grupos focais com os grupos mistos (homens e mulheres) da Associação Comunitária e Cultural do Bariri, Rio Seco, Alto e Rio Quente de Cima (município de Ribeira do Amparo) e da Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça (município de Novo Triunfo), com o objetivo de ouvir o que pensam os homens sobre o empoderamento das mulheres e observar se, durante este processo, os homens também se empoderaram. Neste espaço grupal, procurei registrar indícios do empoderamento das mulheres no espaço público, ciente dos limites, das dificuldades, das tensões e conflitos gerados no âmbito familiar e na comunidade, procurando identificar avanços na igualdade de oportunidades que se pode observar nas relações de gênero.

  Busco com o Quadro 1, formular uma matriz de indicadores para melhor pesquisar e analisar o processo de empoderamento das mulheres agricultoras familiares nos seus diferentes níveis (psicológico ou individual, grupal ou organizacional e de comunidade), procurando explicitar como os níveis de empoderamento se relacionam com os indicadores trabalhados nos próximos capítulos. É necessário esclarecer que, por falta de dados suficientes para analisar a renda, não me deterei na dimensão econômica das mulheres pesquisadas. Quadro 1

  • – Níveis e indicadores do processo de empoderamento

  OBJETIVOS NÍVEIS DE EMPODERAMENTO

  INDICADORES PARA MEDIR O PROCESSO DE EMPODERAMENTO (Qualitativos)

  • Identificar processo de empoderamento das mulheres agricultoras inseridas nos espaços produtivos e organizativos.

  Psicológico ou Individual

  • Participação e apropriação de conhecimentos;
  • Mudança na autoestima das mulheres/ sentimento de autovalorização;
  • Integração na comunidade e reconhecimento junto ao grupo;
  • Redefinição de normas e regras de gênero (mudanças no exercício dos papéis tradicionais).
  • Examinar como se dá o empoderamento das mulheres agricultoras familiares nos espaços domésticos e públicos.
  • Analisar de que forma e em que medida o processo de formação na área produtiva (agroecológica) e organizativa desenvolvido pelo PGV contribuiu para a autonomia e empoderamento das mulheres agricultoras nas associações e nas comunidades.

  Nível Organizacional (MICRO) - Habilidade para discutir e analisar;

  • Estrutura interna e elementos de autogestão (Habilidades de gestão administrativo-financeira);
  • Atividades coletivas e sentido de Solidariedade (práticas solidárias);
  • Ações por seus direitos;
  • Satisfação entre os membros do grupo ou organização (crer em seus membros).
  • Analisar de que forma e em que medida as estratégias de gênero do Estado empregada no Projeto Gente de Valor propiciam o processo de empoderamento pessoal, social e político das mulheres agricultoras.

  Nível Comunidade/ estrutural (MACRO)

  • Consciência de pertencimento da comunidade;
  • Participação em instituições locais e ou regionais;
  • Representação em conselhos municipais (saúde, educação, territorial e outros)
  • Sensibilização a buscar recursos existentes (elaboração de projetos)
  • Acesso a políticas públicas e a programas governamentais;
  • - Articulação em redes com outras pessoas,

  organizações e movimentos sociais;

  • Obtenção de segurança econômica (renda) Fonte: Elaborado pela autora como parte dos estudos desta dissertação

  A partir do Quadro 1, observa-se, por um período (2009-2012), a participação das mulheres nas atividades (quais e quantas) e nos grupos (quintais, artesanato e associação); o grau de apropriação de novos conhecimentos; o desenvolvimento da consciência crítica, de novos potenciais, o exercício de novas tarefas, se elas se mobilizam para a ação; o exercício de cargos na associação ou no empreendimento produtivo; se participam de espaços de poder e de decisão sobre o grupo e sobre suas próprias vidas; e se estão em espaços de representações políticas; em que medida essas mulheres agricultoras rompem com a dominação (dos pais e maridos) para participarem das atividades do Projeto e se, no grupo, experimentaram a divisão de tarefas e de responsabilidades construindo novas relações entre as pessoas.

  Além desses indicadores, surge a necessidade de observar outros aspectos no segmento social em questão, tomando-se assim algumas variáveis de ordem bioculturais pertencimento a diferentes grupos étnicos/raciais e etários e variação no tamanho da prole

  • –, e outras mais estritamente sociais, tais como profissão/ocupação, escolaridade, religião, orientação sexual, fase do ciclo de vida e situação conjugal.

  No próximo capítulo, delineio o contexto social e político e faço um breve esboço de quem são as mulheres agricultoras pesquisadas e de como esse sujeito político, através da participação social e da capacidade das mulheres em se organizar e se mobilizar, pode transformar as estruturas sociais visando à redistribuição de poder.

  

2 CONTEXTUALIZANDO A BUSCA DO EMPODERAMENTO DE

MULHERES AGRICULTORAS

  Este capítulo, que está voltado para a temática do empoderamento das mulheres agricultoras no âmbito do Projeto Gente de Valor, se divide em duas partes: a primeira contextualiza esta temática e a segunda traz os dados de nossa pesquisa para fundamentar a nossa análise.

  2.1 CONTEXTO HISTÓRICO E POLÍTICO

2.1.1 Breve histórico da luta recente das mulheres

  Nas últimas três décadas do século XX, cresceu, em nível mundial, a necessidade de medidas para aumentar a equidade social, econômica e política na perspectiva do empoderamento de mulheres. A incorporação de um enfoque de gênero nas políticas públicas é um processo relativamente recente e ainda não totalmente consolidado.

  O marco inicial pode ser localizado na I Conferência Mundial do Ano Internacional da Mulher, que aglutinou mulheres de todo o mundo, em 1975, no México. Aí foi declarado, pela ONU, o período entre 1975 e 1985 com o a “Década da Mulher”. Em 1979, como resultado de uma intensa mobilização internacional, foi proposto o primeiro tratado internacional sobre os direitos humanos das mulheres

  • – “Convenção sobre a Eliminação de

  26 Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher” (CEDAW) – que contemplava direitos

  civis, sociais, educacionais, econômicos e políticos. O Brasil ratificou sua assinatura deste tratado em 1984, porém, com algumas reservas. Tais reservas só foram suspensas em 1994 quando, finalmente, o país pode endossar o documento total, que foi ratificado sem reservas.

  Em 1985, em Nairóbi (Quênia), foi realizada a III Conferência Mundial Sobre a Mulher, quando foram aprovadas estratégias de ação voltadas para o progresso da mulher. Criou-se também o Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (UNIFEM). Porém, segundo Ana Alice Costa (2002, p. 132), foi na IV Conferência Mundial das

  27 Mulheres, realizada em Beijing/Pequim (China), em 1995, que os organismos internacionais

  26 Disponível em: <http://www.observatoriodegenero.gov.br/eixo/internacional/documentos- internacionais>. Acesso em: 13 maio 2014.

  27 Exemplos: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Banco Mundial (BIRD), Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização Mundial de Saúde (OMS), reconheceram a legitimidade do enfoque de gênero e passaram a incorporá-lo em suas políticas, inclusive como requisito para aplicações de recursos. A conferência instaura uma nova agenda de reivindicações: além dos direitos, as mulheres reclamam a efetivação dos compromissos políticos assumidos pelos governos em conferências internacionais através do estabelecimento de políticas públicas. Ana Alice Costa (2002) ressalta que o movimento feminista lutou, ao longo destes trinta anos, para interagir com o Estado nas definições das políticas públicas. Todo este processo de articulação política é resultado da atuação dos movimentos sociais de mulheres na esfera pública, enquanto sujeitos políticos e coletivos.

  Em 2001, aconteceu a III Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Intolerâncias Correlatas, realizada em Durban, África do Sul. Esta conferência teve maior visibilidade mundial, pois foi um grande marco na luta do movimento global de combate ao racismo, ao sexismo e à xenofobia e outras discriminações.

  Durante esta conferência, o grupo de discussão das mulheres desempenhou um papel significativo, ao apontar os modos pelos quais o racismo se intersecta com a pobreza, a homofobia, a discriminação de gênero de fundo étnico-racial, como acontece com mulheres negras e indígenas.

  Para Ana Alice Costa (2002), as Conferências de Beijing (1995) e Durban (2001) fortaleceram a inclusão das políticas públicas de gênero e raça nas agendas nacionais. A Plataforma de Ação adotada em Beijing, assinada por 184 países, reafirmou ser preciso que os governos nacionais passassem a integrar perspectivas de gênero na legislação, nas políticas públicas, nos programas e projetos nacionais, com o objetivo de garantir o acesso feminino aos benefícios gerados pelo desenvolvimento.

2.1.2 A luta dos movimentos de mulheres rurais no Brasil

  Na década de 1980, a mobilização das mulheres por sua valorização e reconhecimento como trabalhadoras rurais foi intensificada. Este período de redemocratização é visto como sendo o momento em que foram criadas as condições para o aparecimento dos movimentos específicos das mulheres rurais (DEERE, 2004) os quais foram provenientes do resultado do trabalho de organização delas, impulsionado por setores da Igreja Católica progressista

  • – pastorais sociais que organizavam as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) –, assim como da consolidação do movimento feminista e de mulheres no Brasil. No final dessa década, ganha força a luta das mulheres rurais pela ampliação da cidadania, como sujeitos
participação no movimento sindical (sindicalização das mulheres e a disputa nos espaços de direção dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais) e como produtoras, no interior da família. Na luta por reforma agrária, as reivindicações eram em torno dos direitos igualitários à terra e à titulação conjunta da propriedade da terra.

  Na Região Nordeste do Brasil, em 1986, é constituído, a partir das reflexões das feministas rurais e do intercâmbio de trabalhadoras rurais dos estados de Pernambuco e

  28 Paraíba, o Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTR-NE) , que seria o

  responsável pelo encaminhamento da proposta de sindicalização das mulheres trabalhadoras

  29 rurais à CONTAG .

  No Brasil, a Constituição Federal de 1988 ampliou a participação das mulheres, de um modo geral, incluindo o estabelecimento de direitos iguais para homens e mulheres rurais e urbanos em relação à legislação do trabalho e aos benefícios de seguridade social (DEERE, 2004). No âmbito do sindicalismo rural, representado até então, praticamente com exclusividade, pela CONTAG, realizou-se, em 1988, a primeira Plenária Nacional de Mulheres Trabalhadoras Rurais, com o objetivo de fazer pressão junto ao Congresso Nacional para garantir que as conquistas da Constituinte não fossem diluídas no processo de votação das legislações complementares.

  Já na década de 1990, os diferentes movimentos de mulheres rurais (organizações autônomas ou sindicais) sentiram a necessidade de articulação com as mulheres organizadas nos demais movimentos mistos do campo, para lutar por políticas agrárias e agrícolas e reivindicar o acesso aos direitos sociais e econômicos. Este processo de articulação foi marcado pela criação da Articulação Nacional de Mulheres Trabalhadoras Rurais

  28 Em 1984, criou-se o Movimento das Mulheres Trabalhadoras Rurais no Sertão Central de Pernambuco. O MMTR-NE, atualmente, em sua intervenção, trabalha com a perspectiva da educação popular iniciada por Paulo Freire e com a abordagem de gênero em uma perspectiva feminista. A instituição, através de seus programas e projetos, capacita mulheres trabalhadoras rurais na perspectiva de aumentar a autonomia das mulheres, transformar a mentalidade de submissão e combater todo tipo de discriminação e preconceito. Disponível em: <http://www.mmtrne.org.br/quemsomos.html>. Acesso em: 27 jul. 2014.

  29 A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura é um movimento sindical de trabalhadores e trabalhadoras rurais que completou 50 anos de fundação em 2013. Ao longo de todos esses anos luta pelos direitos dos homens e das mulheres do campo e da floresta que são agricultores familiares, acampados e assentados da reforma agrária, assalariados rurais, meeiros, comodatários, extrativistas, quilombolas, pescadores artesanais e ribeirinhos. Atualmente tem, como filiados 27 Federações de Trabalhadores na Agricultura (FETAGs) e mais de 4.000 Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTRs). Tem como principais bandeiras de luta: reforma agrária, agricultura familiar, direitos dos assalariados, políticas sociais para o campo, novas relações de gênero e geração, agroecologia e reforma política. Disponível em: <http://www.contag.org.br/index.php?modulo=portal&acao=interna&codpag=215&nw=1>.

  30 (ANMTR) , em 1995, em um encontro nacional com representações de dezessete estados.

  Entretanto, foi em 1997 que a ANMTR lançou a Campanha “Nenhuma Trabalhadora Rural sem

  Documentos”, fazendo com que este problema ganhasse dimensão nacional. Esta campanha serviu para conscientizar que ter documentos é um direito e para denunciar a situação das mulheres rurais que não tinham documentos civis básicos, como carteira de identidade, o Cadastro de Pessoa Física (CPF), a carteira de trabalho, dentre outros.

  Na luta dos movimentos rurais, a priorização do acesso à documentação continuou na pauta em agosto de 2000 quando foi realizada, em Brasília, a maior manifestação nacional

  31

  de mulheres rurais já feita na época, a primeira Marcha das Margaridas que teve como principais reivindicações o título de propriedade de terra conjunta para casais e o acesso à documentação, seguidas das outras políticas de reforma agrária. A Marcha das Margaridas foi coordenada pela Comissão de Mulheres da CONTAG em parceria com uma das organizações regionais de mulheres rurais autônomas, o MMTR-NE, contando ainda com outros grupos (DEERE, 2002).

  Na área agrícola, exigiram acesso a crédito específico para as mulheres, assistência técnica e programas de cooperativismo e comercialização. Segundo Andrea Butto e Renata Leite (2010, p. 3), as mulheres rurais encamparam, além da luta pelas políticas agrárias e agrícolas, outras lutas sociais pelos direitos das trabalhadoras rurais à previdência social (aposentadoria, licença-saúde, licença-maternidade) na condição de seguradas especiais e o acesso aos serviços públicos como saúde e educação, que são deveres do Estado.

  Toda essa bagagem trazida pelos movimentos autônomos de mulheres associados aos demais movimentos sociais e sindicais reafirmou a luta das mulheres em dois eixos: gênero e classe. Traziam, ainda, como bandeiras de luta, a continuidade e ampliação dos direitos previdenciários, a saúde pública, novo projeto popular de agricultura, reforma agrária, campanha de documentação e outras.

  30 A ANMTR reúne as mulheres dos seguintes movimentos: Movimentos Autônomos, Comissão Pastoral da Terra (CPT), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Pastoral da Juventude Rural (PJR), Movimento dos Atingidos pelas Barragens (MAB), alguns Sindicatos de Trabalhadores Rurais e, no último período, o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA).

  31 A Marcha das Margaridas é uma ação estratégica das mulheres do campo e da floresta que integra a agenda permanente do Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) e de movimentos feministas e de mulheres. Tornou-se amplamente reconhecida como a maior e mais efetiva ação das mulheres da América Latina. As três primeiras marchas, realizadas em 2000, 2003 e 2007, focaram na plataforma política e na pauta de reivindicações “Contra a fome, a pobreza e a violência sexista”. Em 2011, o lema foi “Desenvolvimento Sustentável com Justiça, Autonomia, Igualdade e Liberdade”. “Margaridas” faz referência à líder sindical de Alagoa Grande (PB), Margarida Maria Alves, pioneira destemida na luta pelos direitos trabalhistas rurais, assassinada em

  No cenário atual, desde 2005, contamos com a presença de outro forte movimento de mulheres rurais: o Movimento de Mulheres Camponesas, que nasceu em Santa Catarina, mas vem crescendo em nível nacional, por sua prática de luta e por encampar um Projeto Popular que se opõe ao agronegócio e busca o fortalecimento da agricultura familiar. Este movimento tem um forte compromisso com as mulheres camponesas de articular a transformação das relações sociais de classe com a mudança nas relações com a natureza e a construção de novas relações sociais de gênero.

  Butto e Leite (2010) afirmam que as grandes mobilizações nacionais, como a Marcha das Margaridas, liderada pela CONTAG, começam a dar frutos e têm um maior reconhecimento social com suas pautas de reivindicações, construindo assim, condições favoráveis para a formulação e implementação de políticas públicas e para a afirmação de uma agenda feminista no desenvolvimento rural. Ao longo dos últimos anos, os conteúdos das reivindicações se transformaram para enfrentar e superar as desigualdades de gênero ainda presentes no meio rural. Em busca de maiores conquistas, a Marcha passa a reivindicar, com maior ênfase e objetividade, a inserção das mulheres nas atividades produtivas bem como a

  32

  exigir linhas de crédito especiais para as mulheres rurais (Pronaf Mulher), políticas de comercialização e assistências técnicas especializadas. A agenda se ampliou para outras demandas, como o aumento do salário mínimo, o combate à violência contra a mulher que está presente e é naturalizada no meio rural.

  Apesar da agenda política própria das mulheres no campo ter constituído demandas legítimas de interlocução com o Estado e de organização dos movimentos sociais, outras demandas internas ao segmento representado por estas mulheres ainda necessitam de avanços muito maiores. É o caso das mulheres quilombolas e indígenas (povos tradicionais): quando comparadas às trabalhadoras rurais, as proposições, o reconhecimento e a garantia dos seus direitos estão muito distantes do êxito.

  Atualmente, esses movimentos sociais, para fortalecer a luta contra o neoliberalismo com a proposição de um modelo global alternativo de agricultura e de

  33

  desenvolvimento passaram a se articular em redes internacionais tais como a Via Campesina

  32 O Programa de Fortalecimento Nacional da Agricultura Familiar (PRONAF) foi criado em 1996, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. É uma política pública de crédito voltado para os agricultores e agricultoras familiares e assentados e assentadas da reforma agrária.

  33 A Via Campesina é um movimento internacional de camponeses e camponesas, pequenos e médios produtores, mulheres rurais, sem-terra, indígenas, juventude rural e trabalhadores agrícolas. As 148 organizações que formam a Via Campesina são de 69 países da Ásia, África, Europa e das

  34

  e a Marcha Mundial das Mulheres . A Via Campesina reúne organizações de 56 países da Ásia, África, América e Europa. É uma articulação internacional popular, que surgiu e se desenvolveu em contraponto ao avanço das formas de produção capitalista para a agricultura, em nível mundial, nas últimas décadas. As organizações membro da Via Campesina se unem nas lutas antiglobalização e nas questões específicas da agricultura e enfrentam os organismos internacionais defendendo um projeto alternativo que se materializa na proposta da soberania alimentar (VIEIRA, 2008).

  Outro movimento internacional que está inserido nas lutas contra o sistema capitalista é a Marcha Mundial das Mulheres (MMM). Este movimento feminista surgiu em 2000, como uma grande mobilização, reunindo milhares de mulheres do mundo todo em uma campanha chamada

  “2000 razões para marchar contra a pobreza e a violência sexista”. A Marcha Mundial das Mulheres foi inspirada em uma manifestação ocorrida em 1995, na cidade de Quebec, no Canadá, onde 850 mulheres marcharam 200 quilômetros pedindo, de

  35

  forma . Porém, esta ação marcava o retorno das mulheres nas ruas simbólica, “Pão e Rosas” para protestar contra o sistema capitalista. Como resultado desta mobilização, as mulheres lograram diversas conquistas, a saber: o aumento do salário mínimo, mais direitos para as mulheres imigrantes e apoio à economia solidária.

  Percebe-se, ainda, uma ação dos movimentos de mulheres e de algumas ONGs voltadas a dar visibilidade ao trabalho das mulheres na melhoria da segurança alimentar e nutricional da família. Outro ponto importante e bastante atual é a relação entre gênero e agroecologia, já que as mulheres no campo desempenham um importante papel no manejo sustentável e na conservação da biodiversidade.

  No Brasil, nas últimas décadas, cresceu significativamente a participação das mulheres agricultoras nas lutas sociais rurais e, também, nas experiências produtivas vinculadas à agricultura familiar e ao movimento agroecológico. Os movimentos de mulheres rurais vêm acumulando, ao longo de sua caminhada de luta, algumas conquistas, na sua extensa pauta de reivindicações, principalmente a partir de 2003 quando novas estruturas

  

No Brasil, o Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Movimento de Mulheres

Camponesas (MMC), o Movimento de Atingidos por Barragens (MAB) e o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) integram a Via Campesina. Disponível em: <http://www.social.org.br/cartilhas/cartilha003/cartilha012.htm>. Acesso em: 28 jul. 2014.

  34 A Marcha Mundial das Mulheres (MMM) é um movimento feminista internacional iniciado em 2000 com a finalidade de realizar uma campanha mundial contra a pobreza e a violência contra as mulheres. Disponível em: <http://www.sof.org.br/em-movimento/marcha-mundial-das-mulheres>.

  Acesso em: 28 jul. 2014.

  35 Essa é uma citação aos movimentos grevistas de tecelãs em Lowell, Massachusetts, Estados institucionais governamentais possibilitaram o ambiente de diálogo e algumas políticas do Governo Federal foram direcionadas para as mulheres rurais, na perspectiva da superação das desigualdades, da promoção da autonomia econômica e da igualdade de gênero, orientadas

  36 para a inclusão das mulheres rurais no desenvolvimento sustentável .

  2.2 CONTEXTO POLÍTICO BRASILEIRO O Brasil, no final dos anos 1990, no segundo mandato do presidente Fernando

  Henrique Cardoso (FHC), enfrentava uma grave crise econômica que resultou em queda na taxa de crescimento, desemprego e aumento da dívida pública, criando um clima de desconfiança e incerteza para possíveis investimentos no país. Este panorama antecedeu as eleições de 2002, quando o Partido dos Trabalhadores (PT) lançou, pela quarta vez, Luiz Inácio Lula da Silva à presidência. Ao contrário das outras três eleições frustradas, o PT se coligou com partidos mais conservadores e obteve apoio de grupos ligados a estes partidos. A estratégia da candidatura de Lula foi definida na “Carta ao Povo Brasileiro” na qual assumia o compromisso de cumprir contratos firmados durante o governo anterior de FHC. O governo Lula tomaria medidas aliando interesses conservadores e progressistas, o que decepcionou setores da esquerda brasileira. Entretanto, apesar desta conjuntura, o cenário político era de muita esperança, no que diz respeito a mudanças sociais e políticas, com as eleições presidenciais de 2002, que conduziram ao governo federal, com uma votação expressiva, um projeto oriundo no campo democrático e popular. Devido à história e trajetória sindical de Lula, esperava-se atividades e medidas mais fortes em defesa do trabalho e de mudanças estruturais. Assim, em 2003, ocorre a posse presidencial com a maior festa popular da história deste país.

  A partir das suas propostas programáticas, o governo liderado pelo Partido dos Trabalhadores busca reposicionar o Estado brasileiro, abrindo caminho para a participação e o controle social sobre as políticas públicas, de modo que se estabeleçam possibilidades concretas para que o aparato estatal e os serviços públicos em geral fiquem à disposição da população, particularmente daqueles segmentos até então mais alijados do processo de

  36

É o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender às necessidades das futuras gerações. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro. Definição da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas. Disponível em:

<http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/questoes_ambientais/desenvolvimento_sustentavel/>. desenvolvimento, em nosso caso, as mulheres, especialmente as do campo e da região semiárida.

  Foi um marco do Governo Lula, desde seu primeiro mandato, criar espaços de participação. Com o discurso de democracia participativa, ampliou as formas de interação com a sociedade civil organizada através do estímulo à participação social em conselhos e conferências nacionais, estaduais e municipais.

  Fato relevante foi a entrada no governo de muitas pessoas que militavam em organizações e movimentos da sociedade civil, ascendendo a postos e cargos administrativos de políticas e programas sociais e de desenvolvimento, não só em âmbito federal, mas também estadual e municipal. Um dos órgãos em que mais isto ocorreu foi o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), que tinha sido criado em 1999, no governo de Fernando Henrique, e que, naquela época, como até hoje, não se realizou nenhum concurso público para o preenchimento dos cargos. Os cargos de direção e equipes técnicas passaram a ser assumidos por profissionais saídos de instituições sociais ligadas às lutas agrárias e agrícolas, agroecológicas e também feministas.

  Por outro lado, como consequência da estratégia política do governo Lula, aliando interesses conservadores e progressistas e tentando gerir conflitos de interesses, houve uma duplicação de instâncias de governo. Podemos observar essa condução ao verificarmos que, em uma mesma estrutura federal, há dois ministérios para tratar do mundo rural, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), responsáveis por trabalhar com a agricultura no Brasil, um para a agricultura familiar e o outro para o agronegócio, respectivamente.

  A estrutura do MDA, órgão federal, tem por competências a reforma agrária, o reordenamento agrário, a regularização fundiária na Amazônia Legal, a promoção do desenvolvimento sustentável da agricultura familiar e das regiões rurais e a identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas pelos remanescentes das comunidades dos quilombos. Nos últimos dez anos, a destinação de recursos federais para a agricultura familiar cresceu 15 vezes.

  O MDA, a partir de 2003, passa a ter a atribuição da assistência técnica e extensão rural. Neste momento e a partir de um intenso debate entre o Ministério, os movimentos sociais rurais e as ONGs, constituiu a Política e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural, com muita pressão e propostas que exigiam a adoção de processos mais participativos e a incorporação da agroecologia. Como resultado da luta e pressão dos assentamentos de reforma agrária existentes, visando não mais a simples transmissão de tecnologias, mas a promoção de processos sustentáveis de desenvolvimento, que buscam ampliar a cidadania no campo. Observa-se uma forte preocupação com o meio ambiente, que se expressa na ênfase dada à agroecologia. Algumas medidas foram incluídas, como a incorporação da dimensão de gênero com uma orientação de cunho feminista, passando por uma mudança na ótica de trabalho: indicação de conteúdos, critérios de seleção de projetos a serem financiados e orientações metodológicas deviam ser considerados para atender às necessidades das trabalhadoras rurais e, também, promover a igualdade de gênero (BUTTO; LEITE, 2010).

  A partir de 2003, o governo buscou institucionalizar políticas públicas de igualdade de gênero por meio de um organismo governamental específico, a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), vinculada diretamente à Presidência da República com status de ministério que tem como atribuições coordenar as políticas dos diferentes ministérios e demais órgãos federais, garantir a transversalidade de gênero nos programas e a participação e controle social por parte da sociedade civil. Outra ação política importante foi a realização da I Conferência Nacional de Políticas (I CNPM) para as Mulheres, em 2004, que resultou na elaboração do Plano Nacional de Políticas para Mulheres (PNPM). Temos, também, a ampliação de diversas políticas, como a inclusão da transversalidade de gênero no Plano Plurianual (PPA) 2004/2007 do Governo Federal e a criação de uma linha de crédito especial para as mulheres rurais, Pronaf Mulher. Seguiram-se a II CNPM, realizada em 2007, e a III CNPM, em 2010, ambas buscando o aprimoramento do

37 PNPM .

  Vivia-se, neste período, um momento ímpar na história do Brasil, e foi justamente nesta época que se deu a elaboração e execução do Projeto Gente de Valor. Portanto, os objetivos do Projeto e algumas de suas ações dialogaram diretamente com os conceitos e propostas que eram debatidos e aprofundados, como, por exemplo, agroecologia, gênero e povos tradicionais (quilombola, indígenas, fundo de pasto e pescadores).

2.2.1 Conceitos relevantes

  Para assegurar coerência entre a reflexão e a proposta da pesquisa, é necessário retomar alguns aspectos relevantes. Em primeiro lugar, impõe-se uma retomada das raízes

  37 epistemológicas de conceitos como extensão rural, agricultura familiar, agroecologia, desenvolvimento rural e mulher.

  O desenvolvimento rural, em uma perspectiva sustentável, se apresenta como uma alternativa crítica ao modelo de desenvolvimento econômico capitalista hegemônico. Ressaltamos que a crise deste modelo resultou em críticas, inclusive, ao modelo “tutorial” de extensão rural no qual “a ação do agente externo é orientada no sentido de introduzir ideias previamente estabelecidas sem a par ticipação da população alvo de sua ação” (ALENCAR, 1990, p. 25). Dentro da CAR e, consequentemente, dentro do PGV, coexistiram e coexistem a extensão tutorial e a extensão participativa, apesar de a coordenação do PGV ter promovido momentos de debates para repensar o papel da extensão rural pública, isto foi insuficiente para avaliar e rediscutir a prática extensionista realizada pelo Estado, na perspectiva de desconstruir práticas e vícios autoritários dos técnicos e técnicas e efetivar mudanças.

  Para que ocorram reais mudanças dentro do PGV e dentro da CAR, é preciso um longo tempo, para atingir uma extensão rural pública democrática e criativa em sintonia com o Plano Nacional de Extensão Rural do Governo Federal no qual a inclusão do caráter participativo foi como um pré-requisito para garantir a efetividade e a legitimidade das políticas públicas para a agricultura familiar. É necessário ressaltar que a categoria “agricultura familiar” é uma nova concepção teórica utilizada para caracterizar as unidades de produção, substituindo as categorias de análise utilizadas anteriormente como campesinato, pequena produção, agricultura de subsistência, entre outras que, segundo Rosangela Hespanhol (2000), perderam seu poder explicativo. Entende- se por “agricultura familiar” o conceito estabelecido na Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006, considerando-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades no meio rural, atendendo, simultaneamente, aos seguintes requisitos:

  I – não detenha, a qualquer título, área maior do que 4 (quatro) módulos fiscais; II

  • – utilize predominantemente mão-de-obra da própria família nas
  • – atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento; III tenha percentual mínimo da renda familiar originada de atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento, na forma definida pelo Poder Executivo; IV
  • – dirija seu estabelecimento ou empreendimento com sua família. (Art. 3º, 2006).

  Então, agricultura familiar, a partir da década de 1990, como uma categoria de análise ainda é utilizada para:

  [...] designar genericamente as unidades produtivas, nas quais a terra, os meios de produção e o trabalho encontram-se estreitamente vinculados ao grupo familiar, deve ser aprendida como um reflexo das alterações recentes ocorridas na agricultura brasileira e que, em última análise, levaram a valorização do segmento familiar. (HESPANHOL, 2000, p. 2).

  Porém, é na última década do século XX, que o emprego do conceito “camponês” é substituído, sem maiores reflex

  ões, pelo conceito de “agricultura familiar”. Esta substituição de conceitos é aceita pela academia, pelo Estado e, também, pelos agricultores e seus sindicatos e movimentos sociais.

  Mudanças foram possibilitadas pela crise do modelo de desenvolvimento econômico capitalista, produtivista, autoritário e fomentador da crescente desigualdade econômica e social, da concentração fundiária, do êxodo rural, da degradação ecológica, da contaminação por agrotóxicos e da insegurança alimentar nutricional, que se observa nas cidades e no campo; mudanças na visão de desenvolvimento que, por sua vez, alcançaram a extensão rural.

  Ressalto que alguns técnicos e técnicas do Projeto trouxeram, em sua prática profissional no campo, no trabalho de extensão rural nos movimentos sociais e ONGs a perspectiva de Paulo Freire (1977), que se requer como “prática educativo-participativa” e não mais como transferência de conhecimentos. O diálogo é o ponto de partida para a partilha do conhecimento e a troca de saberes e experiências entre técnicos/técnicas e agricultores/

  • – agricultoras, se torna uma prática fundamental na intervenção. A participação ativa de todos homens e mulheres
  • – enriquece o processo de aprendizagem e contribui para o reconhecimento do indivíduo enquanto ser coletivo, capaz de escolher e decidir sua própria vida para, neste processo, se perceber verdadeiramente cidadão ou cidadã.

  Outro conceito fundamental para um bom entendimento da concepção que norteou a intervenção do PGV no campo, para além de um modismo atual, é a agroecologia. Ela pretende apoiar a superação dos atuais modelos de agricultura e de desenvolvimento rural, que se baseiam no modelo da Revolução Verde os quais visam o aumento da produtividade agrícola e da lucratividade do agronegócio, pelo uso intensivo de fertilizantes químicos, agrotóxicos, máquinas e implementos agrícolas e pela especialização da produção vegetal e animal, modelo que, do ponto de vista socioambiental, já se mostrou insustentável, em particular, nos países considerados pobres. Em contraposição a este modelo da Revolução Verde, a agroecologia vem, a cada ano, se constituindo como uma alternativa para os agricultores e agricultoras familiares. A agroecologia tem sua base tecnológica na preservação autonomia das famílias e no respeito ao meio ambiente; valoriza o saber do agricultor e da agricultora, respeita sua cultura e suas experiências; supõe o diálogo e a interação entre eles e elas e os técnicos e técnicas. Nas palavras de Susanna Hecht, “é uma abordagem agrícola que incorpora cuidados especiais relativos ao ambiente, assim como aos problemas sociais, enfocando não somente a produção, mas também a sustentabilidade ecológica do sistema de produção” (2002, p. 26).

  A agroecologia se propõe a ser um enfoque científico e, também, uma prática da agricultura que atua sobre os agroecossistemas com critérios de sustentabilidade. Segundo Hecht:

  A agroecologia apenas recuperou uma herança agrícola que havia sido destruída pela agricultura moderna e, particularmente, pelas ciências agronômicas, que imbuídas, em muitos casos, de preconceitos de classe, etnia, cultura e gênero, haviam desprezado esse conjunto de conhecimentos e as pessoas que os produziam e repassavam. (HECHT, 2002, p. 22).

  A implantação da chamada “agricultura moderna” veio com a estratégia de desqualificar os conhecimentos, os saberes e as formas tradicionais de agricultura praticadas, há séculos, pelos agricultores e agricultoras, nas diversas regiões do país. Esta estratégia, que ignora a cultura local e reforça os preconceitos de classe, étnico-culturais e de gênero, ameaça os agricultores e as agricultoras familiares e, sobretudo, desvaloriza o trabalho das mulheres agricultoras, colocando em risco as bases de vida, a saúde e a segurança alimentar de toda a família.

  A agroecologia, ao contrário, trouxe em sua proposta a afirmação do protagonismo dos agricultores e agricultoras em sua diversidade

  • – camponeses, quilombolas, outros povos e comunidades tradicionais do campo, inclusive indígenas
  • – como elemento central na construção de um novo desenvolvimento rural e contribuiu para evidenciar o importante papel desempenhado pelas mulheres na sustentabilidade da agricultura. No entanto, ainda é preciso incorporar transversalmente à agroecologia a perspectiva de gênero, pois permanece o desafio de reconstruir a relação das mulheres do campo com os espaços produtivos e com os mercados locais. Isto implica em inclui-las na produção e na comercialização dos produtos com a perspectiva de um envolvimento consciente na gestão dos recursos, inclusive financeiros.

  O Projeto Gente de Valor, por ser um projeto governamental, usa em sua abordagem o termo “agricultoras” e não “camponesas”. Há uma importante discussão em pesquisa, usarei “agricultora” por estar analisando o empoderamento de mulheres a partir da intervenção de um projeto de governo que utiliza esta concepção.

  A palavra “mulher” existe carregada de contexto histórico, marcada pelo

  38

  machismo impregnado pela sociedade, tanto nos homens quanto nas mulheres. A mulher agricultora enfrenta, cotidianamente, o peso da diferença de gênero cruzada pelas diferenças de classe social, raça, etnia, geração, regionalidade entre outras, geradas pela associação de sistemas múltiplos de subordinação que estruturam os terrenos sociais, econômicos e políticos (CRENSHAW, 2002), tornando resistência e luta o ato de se organizar contra o sistema opressor e discriminatório que cria desigualdades pelas formas como se exercem e se combinam o racismo, o patriarcalismo e o capitalismo.

  Embora todas sejam “mulheres” e possam participar de um “grupo de mulheres”, o PGV as trata como se todas fossem iguais, mesmo sabendo que são mulheres de raças, etnias e gerações diferentes. As ações desenvolvidas, as atividades produtivas estimuladas e a

  • – forma de trabalhar não tinham especificidade para contemplar esta diversidade de mulheres índias, negras e brancas
  • – muito menos para as jovens ou idosas. Elas são diferentes entre si, porém, todas sofrem preconceito por serem da roça e discriminação por serem mulheres, não sendo tratadas igualmente como os outros indivíduos.

  Scott diz que “os indivíduos não serão tratados com justiça (na lei e na sociedade) até que os grupos com os quais eles são identificados sejam igualmente valorizados” (2005, p.

  13). A experiência do PGV leva a concordar com ela e a reconhecer que existem tensões, mas, também, pontos de interconexões entre igualdade e diferença, entre direitos individuais e identidades grupais. A luta das mulheres tem que ser coletiva, se pretende superar o preconceito e a discriminação, pois se estes permanecerem em nossa sociedade é porque se continua a utilizar critérios diferentes para avaliar os indivíduos, dando mais atenção aos

  

status econômico, político e social dos grupos, ignorando outras identidades tão importantes

quanto estas.

  O Projeto Gente de Valor por não dialogar com o acúmulo das teorias feministas ainda trabalha com uma proposta geral do enfoque de gênero, ao tentar ignorar a força política da categoria “mulher” e não reconhecê-la como uma identidade de estratégia política de sobrevivência pessoal e coletiva. Claudia de Lima Costa argumenta que, apesar das críticas à

  39

  , o feminismo política de identidade e das questões relativas ao “essencialismo estratégico”

38 Segundo o Dicionário Aurélio, o machismo é a atitude ou comportamento de quem não aceita a igualdade de direitos para o homem e a mulher.

  39 atual, com toda a sua diversidade de discursos, reconhece a “mulher” como uma categoria histórica e heterogeneamente construída e fundamenta sua análise nas práticas cotidianas das mulheres e nas resistências destas em relação às especificidades histórico-discursivas. A categoria “mulheres”, apesar de ser volátil e dependente do contexto conjuntural, é utilizada para articular as mulheres politicamente (2002, p. 67).

  Vivemos em uma sociedade baseada nas relações de poder. A realidade na sociedade rural se baseia em valores patriarcalistas e o princípio masculino ainda é tomado como parâmetro universalizante. As mulheres, com o papel de reprodução, se tornam submissas e responsáveis pela esfera doméstica. Hoje, porém, já é possível identificar na sociedade rural que este processo de naturalização vem se desconstruindo: já não é tão forte como no passado.

  Nos últimos anos, observa-se que o empoderamento da mulher na sociedade rural tem tomado a atenção de grande parte da esfera pública, tanto que, para celebrar o Dia Internacional da Mulher, em 2012, dada a importância do papel das mulheres rurais em todos os países, a ONU Mulheres, entidade específica das Nações Unidas, escolheu o tema “Empoderamento das mulheres rurais – Acabar com a fome e a pobreza”.

  O Projeto Gente de Valor se insere nesta concepção e, em suas ações, parte do reconhecimento do papel desenvolvido pelas mulheres agricultoras, da importância do seu trabalho na economia rural local, concentrado nas atividades voltadas ao autoconsumo familiar, nas tarefas domésticas, no cuidado com os filhos, na criação de pequenos animais, na horticultura, no cultivo e resgate das plantas medicinais, no zelo pelo jardim, no manejo da caatinga e na produção da lavoura. Por outro lado, percebe-se que as mulheres agricultoras na Bahia ainda são discriminadas e oprimidas e têm dificuldades ou são excluídas de participar ativamente de projetos de desenvolvimento rural com a perspectiva sustentável. O PGV, em sua proposta de intervenção, incorpora a participação das populações excluídas do desenvolvimento, participação que se dá na formulação e condução das políticas públicas voltadas para o campo. Deste modo, possibilitou a inclusão das mulheres agricultoras nas atividades de produção agrícola e nas associações comunitárias previstas no Projeto.

  É o que se pretende verificar através da análise dos dados sobre a participação das mulheres no Projeto, como se deu a promoção e a efetivação de direitos, de cidadania, de oportunidades para transformar as relações desiguais de poder presentes no meio rural.

  2.3 GÊNERO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL E NO PROJETO GENTE DE

  VALOR Após a criação da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, da realização das conferências e da elaboração do Plano Nacional de Políticas para Mulheres, o governo mostra que começou a cumprir com suas promessas de campanha, no caso das mulheres, ao promover e desenvolver estas ações de inclusão social e de combate às desigualdades sociais, no sentido de incorporar a perspectiva de gênero e igualdade racial em todas as políticas, programas e projetos, nas diferentes áreas governamentais. Para materializar a implementação das políticas de inclusão das mulheres, também criou, em diferentes ministérios e organismos federais, alguns departamentos, coordenadorias e/ou setores especializados para trabalharem em articulação com a SPM a proposta de incorporação das questões de gênero (COSTA, SARDENBERG, 2008). No caso das mulheres rurais, a transversalidade das políticas nos programas governamentais se deu através da integração das secretarias do Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA) com a então criada Diretoria de Políticas para as Mulheres Rurais (DPMR) e superintendências regionais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), no II Plano Nacional de Reforma Agrária; no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), no Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Territórios Rurais (PRONAT) e no Programa Nacional de ATER (PRONATER). Entre as ações desenvolvidas com recursos do Orçamento Geral da União e de órgãos federais, estaduais e locais, com o objetivo de promoção de igualdade estão o Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural (PNDTR) e o Programa de Organização Produtiva de Mulheres Rurais (POPMR).

  Essas ações de apoio às mulheres rurais fazem parte do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, reconhecendo os direitos das mulheres no meio rural, incluindo-as nas políticas públicas como beneficiárias diretas com acesso à documentação, apoio à produção e comercialização e direitos igualitários à terra integrando-as, desta forma, na promoção de um projeto de desenvolvimento rural na perspectiva sustentável com igualdade de gênero e possibilitando a afirmação de seu protagonismo e autonomia econômica.

  Como foi dito no capítulo anterior, a princípio, o que tinha sido pensado para o Projeto Gente de Valor, à época de sua elaboração, entre os anos de 2005 e 2006, tinha como orientação as concepções do FIDA e do Governo Federal. Então, ainda não estavam bem entendidas, pela equipe técnica, a concepção e as ações que deveriam ser desenvolvidas para percepções predominantes sobre a relação das mulheres com o desenvolvimento estavam diretamente relacionadas à pobreza e fortemente associadas à inclusão na área econômica e, por isto, dissociadas da noção de políticas que integram, para além de uma atuação econômica, também as dimensões social, cultural e ambiental. A concepção de inclusão das mulheres pela superação da pobreza, que predominava mundialmente, foi incorporada na proposta do Projeto Gente de Valor, apesar do discurso de gênero e desenvolvimento. O ponto de partida foi a constatação de que as mulheres, principalmente as pobres, rurais, idosas, negras e indígenas, são um segmento mais pobre entre os pobres, um dos grupos sociais mais vulneráveis.

  A proposta do Componente de Desenvolvimento Produtivo e de Mercado do PGV tinha como um dos elementos centrais de suas estratégias para a diminuição da pobreza a melhoria das oportunidades para gerar maior receita, o que deveria, ao final, fazer com que as pessoas se empoderassem, através da melhoria das condições econômicas e, para tal, apoiar os pobres para que tivessem acesso a recursos econômicos tangíveis ou ao desenvolvimento de atividades produtivas, de microempreendimentos e de cooperativas de produção. É, porém, importante chamar a atenção que a maior participação, democratização e desenvolvimento da capacidade significam pouco, se os pobres (principalmente as mulheres) não conquistarem maior inclusão e controle.

  O que parece ser menos evidente é a noção do empoderamento como controle econômico e de poder, embora seja interessante observar que o “empoderamento das mulheres” frequentemente se expressa em relação ao seu acesso a recursos econômicos, principalmente quando elas estão à frente de atividades produtivas que geram renda, tais como quintais produtivos (hortaliças, plantas medicinais, frutas), beneficiamento de frutas e de mandioca e artesanato. Também é preciso romper com a ideia de que os “quintais” são espaços somente de mulher, que elas produzem para o consumo familiar, visto que, não entrando nos cálculos econômicos como renda monetária, é pouco valorizado, mesmo enquanto produção e preservação da biodiversidade. Não se pode também negar a importância que o quintal da casa tem dentro do sistema agro ecológico.

  2.4 BREVE HISTÓRICO DO PROJETO GENTE DE VALOR Faz-se necessário contextualizar a instituição que executa o PGV, a Companhia de

  Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública de direito privado, criada por Lei

40 Estadual, em 3 de março de 1983 , fundada no fim de um período ditatorial, em um contexto

  político e social de movimentação para as eleições diretas e a volta dos movimentos sociais às

  41

  ruas e a realização da Assembleia Geral Constituinte. Carlos Henrique Ramos (2013, p. 1), segundo quem “os seus trabalhadores pioneiros trouxeram consigo essa matriz de sociedade expressa na forma de pensar, agir e se posicionar, expondo muitas vezes contradições e diferenças” afirma que, nos primeiros anos de sua criação, investia na formação de seus profissionais proporcionando cursos de pós-graduação, diversos treinamentos, discussões internas e seus técnicos tinham o privilégio de estudar Marx, Lenin, Paulo Freire, Chico de Oliveira, Gramsci e Celso Furtado. Porém, ao longo dos 31 anos de existência, a CAR esteve sob o domínio de vários grupos políticos diferentes, a serviço de ideologias conservadoras, com práticas clientelistas e como instrumento de uma extensão rural difusionista, caracterizada pelas instituições da época, norteadas por um modelo de desenvolvimento concentrador e hierárquico. Apesar das mudanças ocorridas no país ao longo destes anos, após a redemocratização, a CAR continua com a estrutura verticalizada e burocratizada de gestão pública. Nas palavras de Ramos:

  Decorridos trinta anos, nos encontramos mergulhados numa crise civilizatória de caráter multidimensional com reflexos na qualidade do meio ambiente, nas relações sociais, econômicas, tecnológicas e políticas, o que requer, portanto, uma abordagem inter e multidisciplinar no que se refere às teorias do desenvolvimento, desprezando àquelas acometidas de um desleixo quanto aos aspectos sociais e ambientais e de estratégias clientelistas. Por outro lado, mesmo as novidades instituídas pela Constituição de 1988 não conseguiram substituir a estrutura verticalizada e burocratizada de gestão pública, da mesma forma que os movimentos sociais têm encontrado dificuldades para a superação do caráter reivindicatório das suas lutas além de se depararem com o avanço do agronegócio em áreas tradicionalmente ocupadas pela agricultura familiar. (2013, p. 1).

  Atualmente, a CAR tem como missão “promover o desenvolvimento regional por meio da inclusão socioprodutiva, contribuindo para o combate à pobr eza”. Para cumprir sua missão, realiza parcerias com o Governo Federal, através de contratos de repasse, celebra convênios e termos de cooperação técnica com secretarias estaduais, firma contratos com organismos financeiros internacionais, como o Banco Mundial e o FIDA, além de executar emendas parlamentares. Desta forma, desenvolve seus programas e projetos próprios, tais como: Produzir, Gente de Valor, Mata Branca e Quilombolas, por meio de financiamento ou

  40 Disponível em: <http://www.car.ba.gov.br/institucional/a-car/>.

  41 Técnico em Desenvolvimento Regional da CAR, subcoordenador do Projeto Gente de Valor. Texto

  • – PRODECAR” (APPRAISAL). Esta missão para a sua elaboração contou com uma equipe de especialistas

  contratados pelo FIDA, com a CAR e os técnicos do Pró-Gavião

  44 A “Revolução Verde” reforçou a “modernização conservadora” da agricultura brasileira nos anos 1960. Ao introduzir, em nome do aumento da produtividade e do combate à fome, tecnologias dependentes de insumos industriais, como equipamentos e maquinário, adubos e agrotóxicos, concentrou a produção em grandes propriedades monocultoras, sem cuidados sociais, como a queda do emprego agrícola, o êxodo rural e a violência no campo, e ambientais, como a degradação de solos e águas. Aos pequenos e médios produtores, cabia a marginalização ou a integração ao sistema, induzidos pelos pacotes tecnológicos financiados pelos bancos. Foi uma modernização conservadora porque manteve as estruturas de propriedade e as relações de poder sob o controle das classes dirigentes que já as controlava.

  Esse programa apoia um conjunto de atividades, destacando-se os arranjos produtivos urbanos de alimentação, costura, ambulantes, agricultura urbana e resíduos sólidos.

  43

É um Programa do Governo do Estado da Bahia de inclusão produtiva, com atuação em área

urbana, que atua no fomento a empreendimentos individuais e familiares da economia informal.

  42

É um Programa promovido pelo Governo Federal, através do Ministério de Integração Social (MI)

e se integra no Plano Brasil Sem Miséria. O programa tem o objetivo de universalizar o acesso e o uso de água para populações carentes, em situação de extrema pobreza, seja para o consumo próprio ou para a produção de alimentos e a criação de animais, possibilitando a geração de excedentes comercializáveis para a ampliação da renda familiar dos produtores rurais.

  , que estava

  46

  45

  doações de organismos internacionais e de recursos do Governo do Estado. Também realiza ações dos programas Água para Todos

  “Projeto de Desenvolvimento Comunitário para as Áreas Rurais mais Carentes do Estado da Bahia

  Apesar dessa realidade institucional, o desenho do Projeto Gente de Valor começou a ser elaborado no final de 2005, em uma Missão do FIDA que tinha o propósito de preparar a formulação do Projeto, a Missão de Avaliação Ex Ante do

  44 .

  , ambos do Governo da Bahia. A CAR operacionaliza suas ações firmando convênios e contratos com associações comunitárias e cooperativas de todo o Estado da Bahia. Também executa a supervisão, junto às associações e cooperativas, da aplicação dos recursos e capacita as diretorias das organizações para a gestão e administração dos empreendimentos. Porém, a prática de extensão rural desenvolvida pela empresa ainda está baseada no modelo de desenvolvimento conservador, a assistência técnica é feita em uma lógica de segmentação na qual a parte produtiva é trabalhada pelos homens, geralmente agrônomos, e as questões sociais são desenvolvidas pelas mulheres que, geralmente, são assistentes sociais, economistas domésticas etc. Continua usando e tratando as associações comunitárias como uma forma de controle social do Estado sobre a classe trabalhadora para manter e difundir o modelo difusionista do pacote da chamada “Revolução Verde”

  43

  e Vida Melhor

  42

  45 Missão constituída por: Dr. Benjamin Quijandria, Agrônomo, Ph.D. Especialista em Desenvolvimento Rural e Chefe da Missão; Dra. Pilar Campaña, Antropóloga, Ph.D., Especialista em Organização Camponesa, Capacitação e Gênero; Dr. Pedro de Hegedus, Agrônomo, Ph.D., Especialista em Acompanhamento e Avaliação de Projetos; Engenheiro Agrônomo Bernardo Lima, em processo de fechamento das suas atividades. Nesta época da elaboração, a CAR ainda estava vinculada à Secretaria de Planejamento do Estado da Bahia (SEPLAN).

  Em 2007, o Governo do Estado da Bahia cria a Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional (SEDIR) e, neste mesmo ano, o Projeto recebeu o seu primeiro nome fantasia: “Projeto Terra de Valor”. Em 2008, este nome foi mudado para “Projeto Gente de Valor”. O motivo da mudança se deu pelo fato de o governador ter gostado do nome e ter resolvido colocá-lo em um programa do Governo do Estado. Com prazo de execução contratual com o FIDA de seis anos, começou a ser implementado, no início de 2007, com encerramento previsto para dezembro de 2012. Porém, o Projeto continua com algumas ações, por mais alguns anos, com o objetivo de acompanhar a consolidação dos grupos produtivos e de seus empreendimentos.

  47 Executado pela CAR é um projeto com recursos do Governo do Estado da Bahia

  em parceria com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) órgão das

  o

  Nações Unidas (ONU), através do Contrato de Empréstimo n 696-BR-FIDA. O Projeto se insere entre as políticas de desenvolvimento agrícola e rural, de ações sociais e de redução da pobreza do Governo da Bahia. Como já foi dito anteriormente, a meta proposta para o Projeto estava de acordo com as Metas de Desenvolvimento do Milênio nas quais consta a redução significativa dos níveis de pobreza e da pobreza extrema das comunidades rurais semiáridas do estado do Bahia. Seu objetivo geral era “melhorar as condições sociais e econômicas das comunidades rurais pobres através de um desenvolvimento social e econômico ambientalmente sustentável com equidade de gênero” (APPRAISAL, 2005, p. 2).

  A estrutura organizacional do Projeto Gente de Valor é composta por um Coordenador Estadual, dois Subcoordenadores

  • – um do Componente de Desenvolvimento do Capital Humano e Social e outro do Componente de Desenvolvimento Produtivo e dos Mercados – e por cinco Assessorias: Administrativa e Financeira, de Monitoramento e

  Avaliação, de Gênero, de Conservação e de Manejo Ambiental e da Infraestrutura, que formam a coordenação do PGV. Sua unidade de gestão compreende a Coordenação em

  Financeiro; Engenheiro Raoul Simonini, Especialista em Mercados e Empresas Rurais; e Economista Maria Sisto, M.Sc., Especialista em Desenvolvimento Produtivo e de Mercados. A Missão esteve acompanhada pelo Sr. Jean Jaques Gariglio, Gerente de Operações do FIDA para o Brasil. Ajuda Memória da Missão de Avaliação Ex Ante realizada em Salvador, em 2005.

  46 Projeto de Desenvolvimento Comunitário da Região do Rio Gavião que ainda estava em processo de fechamento de suas atividades. O Pró-Gavião serviu como referência para a elaboração do novo Projeto. E nas ações em gênero do PGV ele serviu como referência, pois o Pró-Gavião tinha um subprojeto especial, o Programa de Assessoria de Gênero (PAGE).

  47 O valor do projeto é de US$ 60 milhões, sendo US$ 30 milhões de empréstimo do FIDA e 30

  Salvador, as Gerências Regionais e os Escritórios Locais, que exercem as funções de planejamento, supervisão e avaliação das ações do Projeto.

  Na Figura 1 é apresentada a localização das duas regiões no estado da Bahia contempladas pelo Projeto.

  

Figura 1 ˗˗ Localização dos municípios pertencentes às Regiões Nordeste e Sudoeste selecionados para

o Projeto Gente de Valor, 2010 Fonte: Relatório Estudos de Base (PRAXIS, 2009, p. 14)

  • – IBGE (mapa básico) e CAR (municípios selecionados).

  Segundo o “Manual de Operações”, o Projeto Gente de Valor teve como objetivo geral:

  Melhorar as condições socioeconômicas das comunidades rurais pobres, através de um desenvolvimento social e econômico, ambientalmente sustentável com equidade de gênero, tendo por marco, a referência às Metas do Milênio que visam reduzir, significativamente, os níveis de pobreza e a

  48 pobreza extrema das comunidades rurais do semiárido.

  48

  Em outras palavras, o PGV se propunha a desencadear o desenvolvimento rural através da construção de alternativas agroecológicas, de convivência com o semiárido, com promoção da segurança alimentar e nutricional e equidade de gênero, para melhorar a qualidade de vida de 282 comunidades rurais constituídas por agricultores e agricultoras familiares ou quilombolas ou indígenas. Participaram 18.820 mulheres e 17.652 homens. A estratégia operacional do projeto se baseou em três pilares: na consonância com prioridades do Governo Federal e do Governo do Estado para a redução da pobreza e o desenvolvimento rural; na participação dos beneficiários e de suas organizações desde o planejamento até a sua

  49

  implementação e gestão; e na perspectiva do desenvolvimento territorial , que prevê o desenvolvimento

  • – social, cultural, ambiental e produtivo – de forma integrada. Para a sua operacionalização, o PGV seguiu, basicamente, a mesma estrutura do

  Projeto de Desenvolvimento Comunitário da Região do Rio Gavião (Pró-Gavião), estruturado em três componentes: Desenvolvimento Produtivo e de Mercado; Desenvolvimento de Capital Humano e Social e o da Administração do Projeto. Na execução do projeto, o componente Desenvolvimento Produtivo e de Mercado teve como objetivo desenvolver e potencializar sistemas de produção, beneficiamento e comercialização. O Componente de Capital Humano e Social buscou, em sua abordagem, estreitar as interações das forças sociais com os processos de desenvolvimento. Este componente teve como objetivo contribuir com o processo de autogestão e fortalecimento das pessoas, das comunidades rurais e de suas organizações e, para tal, incentivou nas comunidades, como forma de organização, a criação de Conselhos de Desenvolvimento Subterritorial (CDST) que contavam com a participação equilibrada de homens e mulheres, com representações das comunidades e de diversos segmentos da sociedade civil. Nestes conselhos, foram debatidos os principais problemas das comunidades, as soluções, a gestão dos recursos e dos equipamentos, definidos encaminhamentos operacionais e financeiros, além de discutidos alguns temas do Projeto (segurança alimentar, agroecologia, associativismo, relações de gênero, cidadania e o plano de desenvolvimento subterritorial).

  É importante lembrar que foi o projeto anterior ao PGV, também apoiado pelo FIDA, conhecido como Pró-Gavião, executado durante o período de 1998 a 2005, o primeiro

49 O modelo de Desenvolvimento Territorial aqui entendido como o que é desenvolvido pelo

  Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e pelo MDA que concilia combate à pobreza, segurança alimentar e nutricional, proteção ambiental e geração de renda e, no qual o território se torna um novo espaço de construção de projeto e articulação de políticas públicas em parceria com estados, municípios e sociedade civil. Disponível em: projeto, dentro da CAR, a trazer em sua estratégia de intervenção o enfoque de gênero, em relação aos demais projetos desenvolvidos pela empresa naquele período. Ressalto que, na concepção original do Pró-

  Gavião e em seu documento “Appraisal Report”, elaborado em 1995, não existia uma linha de ação prevista em relação à perspectiva de gênero, apenas indicações de atividades específicas para o público feminino. No início da execução do projeto, em 1998, devido à falta de uma proposta definida de estratégias para a inclusão das mulheres no processo de desenvolvimento rural, foi elaborada a Proposta de Apoio à Mulher Rural na Região do Rio Gavião. Para viabilizar a proposta, foi realizado um convênio de parceria com a Rede Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisas sobre Mulher e Relações de Gênero (REDOR) no qual se estabeleceu que o Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM), órgão suplementar da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e filiado à REDOR, seria a entidade responsável pela formulação do Programa de Assessoria de Gênero (PAGE) do Pró-Gavião e implementação das ações com enfoque de gênero. No Pró-Gavião, a estratégia de operacionalização do enfoque de gênero era garantir a participação ativa das mulheres e homens no processo de desenvolvimento rural, de forma sustentável, através da incorporação da perspectiva de gênero por todos os componentes e ações do Projeto (COSTA;

50 SARDENBERG; PASSOS, 1998) .

  É necessário mencionar que a incorporação do enfoque de gênero nos Projetos executado pela CAR, tanto no Pró-Gavião como também no Projeto Gente de Valor, se deu por imposição do FIDA, já que, desde os anos 1990, as questões de gênero foram incorporadas na formulação de seus desenhos e estratégias de ação. Logo, seus parceiros devem incorporar a perspectiva de gênero nos projetos de desenvolvimento rural sustentável, por ele financiados. Precisamos, porém, ressaltar que mesmo a incorporação teórica da perspectiva de gênero na formulação desses dois Projetos encontrou barreiras, quanto mais a sua adoção na prática e a efetiva aplicabilidade nas ações desenvolvidas pelo Pró-Gavião e

  51 pelo Gente de Valor.

  50

É o núcleo de estudos feministas mais antigo do Brasil, criado em maio de 1983 na Universidade

Federal da Bahia (UFBA). O NEIM está vinculado ao Mestrado em Ciências Sociais da UFBA,

  Disponível em: <http://www.neim.ufba.br/wp/apresentacao/>. Acesso em: 21 maio 2014.

51 Cito os trabalhos nos quais essas barreiras foram refletidas e analisadas: SARDENBERG, Cecilia.

  Migrações perigosas: as (des)aventuras semânticas do conceito de gênero nos projetos e políticas para mulheres no Brasil. In: GONÇALVES, E. et al. (Org.). Iguais? gênero, trabalho e lutas sociais , Goiânia: PUC Goiás, p. 19-48, 2014; Da transversalidade à transversalização de gênero. In: ALVES, I. et al. (Org.). Travessias de gênero na perspectiva feminista. Salvador: NEIM/EDUFBA, 2010, p. 37-73; Liberal vs liberating empowerment: a Latin American perspective. Pathways Working Paper 7

  , Pathways of Women’s Empowerment, Brighton, UK: IDS- Institute of

2.4.1 Estratégias de gênero do Projeto Gente de Valor

  É necessário salientar que a intervenção em gênero por dentro da proposta geral do Projeto Gente de Valor adotou a mesma proposta construída durante a execução do Pró- Gavião, seguindo as duas estratégias centrais que nortearam todas as ações desde o início do projeto. A primeira foi a transversalidade do tema de gênero, por dentro de todas as ações dos Componentes Produtivo e de Mercado e do Capital Humano e Social previstas nos projetos de desenvolvimento subterritorial. A segunda estratégia foi a construção de um processo de formação específica com enfoque de gênero, voltado, principalmente, para as mulheres e suas organizações

52 No início da intervenção do PGV, para o avanço da proposta de equidade de

  gênero e empoderamento das mulheres envolvidas, foi fundamental a decisão, pela coordenação do Projeto, depois de fortes argumentos e da orientação do consultor do FIDA na época, de promover a igualdade de oportunidades para mulheres e homens por meio das ações afirmativas

  53

  , entendendo essas ações afirmativas como medidas e orientações do governo, ou melhor, do Projeto, para que os grupos de pessoas tenham seus direitos respeitados, já que na ausência destas medidas, permaneceriam excluídos. Estas medidas tinham o objetivo de retificar desigualdades sociais com base no gênero, para possibilitar o acesso das mulheres a processos de formação e a empregos, antes a elas negados. Propunham-se, também, a garantir a cota de 50% de mulheres e 50% de homens e de 30% de jovens (homens e mulheres) em todas as ações promovidas pelo Projeto, o que foi determinante para a inclusão das mulheres

  perspective on conceptualising women’s empowerment. IDS Bulletin, v. 39, p. 18-27, 2008; Introducing gender sensitizing to elementary school teachers in rural Bahia, Brazil. In: THEHERANI-KRÖNER, P.; SCHMITT, M.; HOFFMANN-ALTMANN, U. (Ed.). Knowledge, education and extension for women in rural areas . Berlin: Humboldt-Universität zu Berlin, 2000. p. 46-54; e SARDENBERG, Cecilia; COSTA, Ana Alice; PASSOS, Elizete. Rural development in Brazil: are we practising feminism or gender? Gender and Development, v. 7, n. 3, p. 28-38, 1999; Análise crítica do Pró-Gavião na perspectiva de gênero . BAHIA, CAR/SEPLANTEC, 1998, documento interno.

  52 SIQUEIRA, Ana Elizabeth S.S. Plano de Ação em Gênero: Projeto Gente de Valor, 2010, p. 8.

  53 Entendidas como uma política focal do governo que aloca recursos em benefício de pessoas pertencentes a grupos discriminados (mulheres, negros/as, homossexuais, etc.) e vitimados pela exclusão socioeconômica no passado ou no presente. “Trata-se de medidas que têm como objetivo combater discriminações étnicas, raciais, religiosas, de gênero ou de casta, aumentando a participação de minorias no processo político, no acesso à educação, saúde, emprego, bens materiais, redes de proteção social e/ou no reconhecimento cultural”. GRUPO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES DA AđấO AFIRMATIVA (GEMAA). Ações afirmativas, 2011.

  Disponível em:

<http://gemaa.iesp.uerj.br/index.php?option=com_k2&view=item&layout=item&id=1&Itemid=21 agricultoras. Na contratação da equipe técnica, o desafio foi assegurar o acesso de 50% de mulheres técnicas agrícolas às vagas, na perspectiva de abrir fendas em uma área de quase total domínio masculino.

  Para enfrentar o desafio de promover a equidade de gênero em todas as ações desenvolvidas no projeto, a estratégia metodológica foi trabalhá-la de forma transversal. A transversalidade do tema de gênero é vista de forma inovadora, inclusiva, ao adotar a viabilização da inclusão social, a equalização das oportunidades e garantir que o recorte transversal de gênero esteja presente por dentro da estrutura de execução do projeto e de todas as ações dos Componentes Produtivo e de Mercado e do Capital Humano e Social, conforme o modo como se organiza o Projeto. Reforçando o que já foi dito no primeiro capítulo, entendo a transversalização do enfoque de gênero como uma estratégia política e não só um procedimento técnico para desencadear um processo de discussão interna no PGV sobre as questões de gênero. Esta estratégia “obrigou” que o enfoque de gênero estivesse presente em todas as ações, apesar das dificuldades da coordenação, dos técnicos e técnicas em entender a importância e necessidade de trabalhar o enfoque de gênero, partindo do reconhecimento da existência de relações hierárquicas de gênero transformadas em práticas sociais de desigualdades entre homens e mulheres dentro da própria estrutura do PGV.

  O grande desafio da estratégia da transversalização é incorporar, sistematicamente, a temática de gênero por dentro das atividades produtivas, organizativas, políticas, culturais e ambientais, construindo um novo olhar para o campo das relações humanas como estratégia fundamental para a promoção do desenvolvimento rural e não deixar que o enfoque de gênero fique invisível ou não aconteça no interior das ações dos componentes. Para não incorrer neste risco, a assessoria de gênero, instância responsável na estrutura do PGV para elaborar e coordenar as ações com o enfoque de gênero, promoveu várias reuniões de sensibilização das equipes de técnicos e técnicas sobre a temática de gênero. Nessas reuniões, discutia-se como, no cotidiano das ações a serem desenvolvidas seja dos Componentes de Desenvolvimento de Capital Humano e Social ou do Desenvolvimento Produtivo e do Mercado, a transversalidade de gênero deveria estar sendo trabalhada pelos técnicos e técnicas. Estes momentos de sensibilização foram insuficientes para cumprir com seu objetivo, principalmente porque a equipe técnica não tinha interesse sobre as questões de gênero.

  Nas reuniões com a equipe técnica de cada escritório, refletiu-se como seria a execução dos projetos com o enfoque de gênero de forma transversal, por dentro das metas individual e coletivo. Estas reuniões forçaram os técnicos e técnicas a pensar em como se dão as relações de gênero em suas vidas e no dia a dia do trabalho na área rural. Como resultado deste processo de reflexão, cada equipe dos sete escritórios, a partir da sua realidade, elaborou seu Plano Operativo com o enfoque de gênero. Esta estratégia impôs aos técnicos e técnicas o exercício de elaborar ações e atividades com esta perspectiva. A ideia era favorecer a atuação do Projeto em situação de desigualdade entre homens e mulheres que, antes deste processo, era invisível aos olhos da equipe técnica, através de atividades como: reuniões dos conselhos e comitês, participação na associação comunitária, quintais produtivos, roças comunitárias etc., dando visibilidade às mulheres e projeção para o reconhecimento e fortalecimento de suas capacidades.

  Em 2010, foi elaborado, pela assessoria de gênero, o Plano de Ação em Gênero do Projeto Gente de Valor, a partir dos Planos Operativos de cada escritório, que serviu para orientar a maneira pela qual o trabalho com o enfoque de gênero do PGV deveria possibilitar a equidade entre homens e mulheres e o empoderamento das mulheres e jovens. Para o avanço do enfoque de gênero por dentro da estrutura do Projeto, foi necessário e essencial desenvolver primeiro com os técnicos e técnicas o processo de sensibilização e capacitação sobre as questões de gênero. Porém não houve uma formação teórica específica, focada só em gênero para aprofundar este assunto de forma sistemática. A formação em gênero sempre foi realizada com interfaces com outras temáticas desenvolvidas pelos componentes produtivo e social, por exemplo: gênero e segurança alimentar, gênero e agroecologia, gênero e quintais produtivos, gênero e associativismo.

  A equipe técnica, formada por assistente social e pedagoga, do Componente de Desenvolvimento de Capital Humano e Social, foi a que ficou responsável por trabalhar nas comunidades com as famílias, com os homens e as mulheres a equidade de gênero e o empoderamento das mulheres. O processo de sensibilização teve início com os encontros de

  54

  mulheres, que aconteceram nos subterritórios , refletindo e visibilizando as contribuições das mulheres agricultoras. Através do trabalho específico com as mulheres, estas se prepararam e se capacitaram para a participação nos processos e espaços sociais representativos com uma maior consciência de si e de seu papel, ocupando cargos de poder com autonomia.

  Como estratégia metodológica, buscou-se assegurar a realização das “Cirandas das Crianças”: espaço educativo e recreativo para as crianças, paralelo às atividades de suas

  54 mães, uma ação afirmativa para oportunizar a participação das mulheres de forma integral, o quanto possível, despreocupadas com seus filhos e filhas.

  Essas ações estratégicas foram importantes para ir rompendo com os estereótipos de gênero, mostrar as mulheres como profissionais e possibilitar o acesso das mulheres técnicas e agricultoras às atividades produtivas e organizativas, consideradas na zona rural reduto de quase exclusivo domínio masculino.

3 MULHERES AGRICULTORAS FAMILIARES NO PROJETO GENTE DE

  VALOR

  3.1 CONTEXTUALIZAđỏES DA ÁREA ESTUDADA/PESQUISA Durante a execução do Projeto Gente de Valor, enquanto assessora de gênero, ficava a me questionar, a partir das observações in loco e dos relatos das mulheres agricultoras familiares que participaram dos encontros de mulheres, das “rodas de conversas” e da sistematização de experiências

  • – realizada entre outubro de 2011 a março de 2012 – se as mulheres agricultoras que estavam participando da maioria das atividades desenvolvidas
  • – de formação, capacitações específicas na área produtiva ou social (pedreiras, gestão de convênio, associativismo e out
  • – e, ao mesmo tempo, assumindo cargos à frente das associações ou dos empreendimentos comunitários estavam, de fato, empoderadas e como experimentavam o processo de empoderamento pessoal, social e político. E, ainda, se o preconceito enfrentado no cotidiano das relações de gênero, na sociedade, na família, no trabalho, as levou a perceber que o pessoal é político. Foram estes questionamentos que acabaram me levando ao Mestrado no NEIM. Busco responder a estas dúvidas por meio deste estudo com autobiografias e narrativas de vida, respaldado por reflexões no campo da antropologia.

  Entendo História de Vida como um método, dentro da metodologia qualitativa biográfica, que visa apreender as articulações entre a história individual e a história coletiva. A escolha desses dois instrumentos

  • – história de vida e grupo focal – tem relação com a prática pedagógica da pesquisadora, antes educadora popular, e por acreditar na importância e necessidade de proporcionar espaços alternativos para ouvir a voz dessas mulheres rurais que, no seu cotidiano, são tão oprimidas e desprestigiadas. Estes instrumentos nos proporcionaram conhecer a versão delas sobre os grandes e pequenos acontecimentos de suas vidas.

  O primeiro passo foi definir a área da pesquisa, já que o PGV abrangeu duas regiões

  • – a Nordeste e a Sudoeste da Bahia. A área de maior abrangência, porém, foi na região Nordeste, com aproximadamente 77% da área total do projeto. Este foi o motivo para delimitar a pesquisa nesta região. Dentre os 26 municípios integrantes da Região Nordeste, todos os seis municípios escolhidos (Novo Triunfo, Fátima, Banzaê, Ribeira do Amparo, Jeremoabo e Santa Brígida) fazem parte do Programa do Governo Federal Território da

55 Cidadania Semiárido Nordeste II . Os cinco escritórios do PGV cobrem esta região Nordeste, com sede em Abaré, Euclides da Cunha, Ribeira do Pombal, Cícero Dantas e Jeremoabo.

  No Nordeste da Bahia, predomina o bioma caatinga, região chamada de “sertão”. O clima é tropical semiárido, que alterna um período seco (abril/maio a setembro/outubro) e outro chuvoso (outubro/novembro a março/abril) e se caracteriza por grande irregularidade do período chuvoso e por secas que podem ser rigorosas. O sistema de cultivo agrícola predominante é o de subsistência. As atividades agrícolas são desenvolvidas, predominantemente, em regime de chuvas e são voltadas, principalmente, para lavouras alimentares como mandioca, milho e feijão, com comercialização apenas da produção excedente, muitas vezes incerta. É importante, também, a pecuária extensiva, de bovinos, mas sobretudo de caprinos e/ou ovinos (10 a 40 cabeças por família), para o consumo da casa e reserva para eventualidades, em pequenas propriedades de até 100 ha em área de caatinga.

  A área da pesquisa faz parte do Território Semiárido Nordeste II

  • – BA, composto

  56

  por 18 municípios , em uma área total de 16.056,70 km². A população do território é de 407.964 habitantes dos quais 224.676 vivem na área rural, o que corresponde a 55,07% do total. O território possui 55.761 agricultores familiares, 668 famílias assentadas da Reforma

  57 Agrária, três comunidades quilombolas e três terras indígenas .

  Dentre os 18 municípios que formam o Território Semiárido Nordeste II, estamos focando nossa pesquisa em seis municípios que, juntos, apresentam uma área total de

  58

  7.019,925 km². Segundo o IBGE (2013) , as populações estimadas, para cada um destes municípios são: Santa Brígida

  • – 15.381 habitantes; Jeremoabo – 40.587 habitantes; Novo Triunfo – 15.943 habitantes; Fátima – 18.524 habitantes; Banzaê – 12.534 habitantes e

  Ribeira do Amparo – 15.186 habitantes.

  55 São 120 os Territórios da Cidadania, um Programa do Governo Federal lançado em 2008, que tem como objetivos promover o desenvolvimento econômico e universalizar programas básicos de cidadania por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável. Disponível em: <http://www.territoriosdacidadania.gov.br/dotlrn/clubs/territriosrurais/xowiki/oprograma>. Acesso em: 30 jan. 2014.

  56 Santa Brígida, Jeremoabo, Pedro Alexandre, Coronel João Sá, Sítio do Quinto, Euclides da Cunha, Novo Triunfo, Antas, Adustina, Paripiranga, Cícero Dantas, Fátima, Banzaê, Ribeira do Pombal, Heliópolis, Ribeira do Amparo, Cipó e Nova Soure.

  57 Fonte: Sistema de Informações Territoriais (HTTP://sit.mda.gov.br). Portal da cidadania. Governo Federal. Disponível em: <http://www.territoriosdacidadania.gov.br/dotlrn/clubs/territriosrurais/ semiaridonordesteiiba/one-community?page_num=0>. Acesso em: 11 jan. 2014.

  58 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ˗˗ IBGE. Estimativas populacionais para os municípios brasileiros em 01.07.2013 . Disponível em:

  Segundo os dados do Estudo de Base realizado pelo PGV (PRAXIS, 2009), o universo populacional do projeto está concentrado na região Nordeste, com 26 municípios e 28.204 moradores, dos quais 14.468 homens (51,3% da população) e 13.569 mulheres (48,1%), representando 78,1% do total pesquisado. O Projeto atendeu um total de 282 comunidades, das quais 240 da região Nordeste. Nos municípios selecionados para a pesquisa, foram beneficiadas 9 comunidades em Banzaê, 8 em Fátima, 12 em Jeremoabo, 7 em Novo Triunfo, 11 em Ribeira do Amparo e 10 em Santa Brígida.

  As comunidades desses municípios apresentam especificidades socioculturais que

  59

  as caracterizam como tradicionais e negras ou quilombolas. As comunidades tradicionais de agricultura familiar visitadas foram Baixa do Mocó e Canabrava, no município de Santa Brígida; comunidade de Bananeirinha, no município de Jeremoabo; Comunidade Baixa da Roça, em Novo Triunfo; Pedrinha e Raso Pintado, no município de Fátima; e a comunidade Bariri, em Ribeira do Amparo. A única comunidade quilombola visitada foi Maria Preta, localizada no município de Banzaê.

  O tamanho médio da população por município beneficiada pelo Projeto Gente de Valor era de 1.062 pessoas. A maioria dos municípios apresenta predominância do contingente masculino, que supera em 6,2% o feminino, situação que se repete na Região Nordeste. Podemos comprovar esta predominância ao analisarmos os dados dos municípios na Tabela 1.

  • Tabela 1 População beneficiada dos municípios integrantes do Projeto Gente de Valor

  selecionados para a pesquisa ˗˗ Estado da Bahia, 2009

  População Homens Homens Mulheres Mulheres Município o o o Beneficiada (n ) (n ) (%) (n ) (%) Banzaê 1.073 543 50,6 527 49,1 Fátima 1.204 631 52,4 564 46,8 Jeremoabo 1.541 808 52,4 728 47,2 Novo Triunfo 564 292 51,8 266 47,2 Ribeira do Amparo 1.099 593 54,0 502 45,7 Santa Brígida 1.036 557 53,8 475 45,8

  Fonte: CAR/ASVG, Cadastro de Domicílio, 2009 (PRAXIS, 2009)

  • – Estudo de Base

59 O PGV decidiu utilizar a expressão “comunidades tradicionais” para aquelas comunidades de

  agricultores e agricultoras familiares do semiárido, definidas por uma caracterização preliminar dos aspectos socioeconômicos, do uso e posse da terra e da infraestrutura básica. E utilizou outras especificidades culturais para definir as comunidades: negras ou quilombolas, fundo de pasto,

  O município de Jeremoabo apresenta o maior número de pessoas beneficiadas: 1.541 pessoas. Já o município de Novo Triunfo com 564 pessoas beneficiadas, das quais 292 homens (51,8%) e 266 mulheres (47,2%) é a menor expressão numérica de habitantes encontrada entre os municípios selecionados.

  Os indicadores sociais sintéticos permitem ter informações da situação dos

  

60

  municípios selecionados com relação ao IDH . O IDH médio do Território é de 0,58 e o dos seis municípios pesquisados varia entre 0,579 e 0,512, considerado segundo as classificações oficiais, um IDH médio. O município de Banzaê apresenta o IDH mais alto (0,579) entre esses municípios, enquanto o município de Ribeira do Amparo apresenta o mais baixo (0,512), seguido logo após pelo município de Santa Brígida com IDH de 0,546.

  Ao analisar as diferenças de desenvolvimento humano entre os municípios selecionados na pesquisa, observo que a esperança de vida é maior (0,769) em dois municípios, Banzaê e Novo Triunfo, seguidos, logo atrás, por Santa Brígida (0,710), o que significa que, nestes municípios, as pessoas têm uma expectativa de vida mais longa e saudável do que no município de Fátima, que apresenta o índice mais baixo (0,686). O município de Jeremoabo tem a maior renda (0,561) e Ribeira do Amparo, a menor (0,503), quando comparados aos outros municípios.

60 O IDH é constituído por três pilares (saúde, educação e renda), indicando um valor quantitativo

  para a renda Produto Interno Bruto (PIB) per capita, longevidade (expectativa de vida ao nascer) e educação, referente a cada município. O índice varia de zero (nenhum desenvolvimento humano) a um (desenvolvimento humano total), portanto, quanto mais próximo de um (1) ele é mais alto. Para a avaliação da dimensão longevidade, o IDH municipal considera a esperança de vida ao nascer, mostra o número médio de anos que uma pessoa nascida naquela localidade no ano de referência (no caso, 2000) deve viver. O cálculo do IDH municipal para a dimensão educação considera dois indicadores com pesos diferentes: a taxa de alfabetização de pessoas acima de 15 anos de idade tem peso dois e a taxa bruta de frequência à escola peso um. O primeiro indicador é o percentual de pessoas com mais de 15 anos capaz de ler e escrever um bilhete simples, considerados adultos alfabetizados, por este motivo a medição do analfabetismo se dá a partir dos 15 anos. O segundo indicador é o somatório de pessoas (independentemente da idade) que frequentam os cursos fundamental, secundário e superior e, também, os alunos de cursos supletivos de primeiro e de segundo graus, de classes de aceleração e de pós-graduação universitária; é dividido pela população na faixa etária de 7 a 22 anos do município. No critério usado para a avaliação da dimensão renda municipal per capita, ou seja, a renda média de cada residente no município, soma-se a renda de todos os residentes e divide-se o resultado pelo número de pessoas que moram no município (inclusive crianças ou pessoas com renda igual a zero). Porém, o IDH apresenta imperfeições e limitações, sendo criticado em alguns pontos em seu processo de construção pela natureza distinta de suas variáveis; sua fórmula de cálculo apresenta limites quanto a agregabilidade e desagregabilidade de informações; e à falta de um modelo teórico explícito de causa e efeito que justifique a aglutinação de variáveis de naturezas distintas em um indicador único. (MOURA, SAUER, 2009, p. 115). Disponível em: <http://www.frigoletto.com.br/GeoEcon/idhmcalc.htm>.

  Na Tabela 2, apresento o índice de desenvolvimento humano dos municípios onde moram as mulheres pesquisadas.

  • Tabela 2 Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) dos municípios integrantes

  do Projeto Gente de Valor selecionados para a pesquisa ˗˗ Estado da Bahia, 2010

  IDHM

  IDHM

  IDHM Município

  IDHM Renda Longevidade Educação Banzaê 0,579 0,539 0,769 0,468 Fátima 0,559 0,554 0,686 0,459 Jeremoabo 0,547 0,561 0,689 0,424 Novo Triunfo 0,554 0,513 0,769 0,430 Ribeira do Amparo 0,512 0,503 0,694 0,384 Santa Brígida 0,546 0,533 0,710 0,431

  Nota: Dados dos censos 1991, 2000 e 2010 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano Brasil 2013. Disponível em: <http://www.pnud.org.br/atlas/ranking/Ranking-IDHM-Municipios-2010.aspx>. Acesso em: 11 jan. 2014.

  Na perspectiva de auferir o avanço na qualidade de vida das pessoas desses municípios, é preciso considerar outras características sociais, culturais e políticas que influenciam a qualidade da vida humana, além da renda, que é um indicador importante, porém como um dos meios do desenvolvimento e não como seu fim. Já o acesso à educação, ao conhecimento, nos leva a olhar diretamente para as pessoas (homens e mulheres), suas oportunidades e capacidades. Diante do IDHM Educação desses municípios, observo que o acesso à educação é maior em Banzaê (0,468) e menor em Ribeira do Amparo (0,378), quando comparados com os outros municípios. Porém, a diferença numérica do IDH-E entre os seis municípios é muito pequena.

  Segundo os dados do Estudo de Base do Projeto Gente de Valor (PRAXIS, 2009), sobre o nível de escolaridade para o conjunto da população beneficiada, 43,8% dos moradores não têm como acessar os canais de informação que lhe permitam maior inclusão social. Dos 9.962 analfabetos recenseados pela pesquisa, na faixa com idade superior a 25 anos, encontra- se a maioria do grupo em questão, totalizando 6.422 pessoas e 64,5% do total. A proporção de analfabetos é elevada, alcançando 27,6% da população (a média brasileira, em 2000, era igual a 16,7%). A este grupo em situação mais precária, seguem os 16,2% que declararam apenas saber ler e escrever, excluídos do grupo seguinte, daqueles que completaram desde a primeira série até a quinta série do Ensino Fundamental. Outro dado importante é que, das pessoas que apenas sabem ler e escrever

  • – um total de 5.843 – a grande maioria (77%) está na faixa de idade superior a 25 anos, representada por 4.500 adultos. Portanto, a concentração neste
Gráfico 1

  • – Distribuição percentual da população segundo a escolaridade, PGV, 2009

  Fonte: CAR/ASVG, Cadastro de Domicílio, 2009 (PRAXIS, 2009)

  • – Estudo de Base

  No Gráfico 1, considerando os moradores que declararam algum nível de escolaridade: 35,1% do universo populacional possuem de 1ª a 5ª série; 10,4% estão na faixa de 6ª a 9ª série; no nível médio são 7,2%, completo ou incompleto; e 0,7%, no nível superior completo ou incompleto. Estes dois grupos com escolaridade mais elevada totalizam apenas 2.874 pessoas em todo o universo populacional. Ao se focar o subgrupo com maior escolaridade (médio e superior, completo ou incompleto), vê-se que essa população reside predominantemente nas comunidades tradicionais (2.027 pessoas) e negras/quilombolas (602 pessoas), representando 91,5% do contingente desta categoria. As comunidades tradicionais e negras/quilombolas acompanham o desempenho regional, devido ao seu elevado peso no universo populacional.

  A Região Nordeste do PGV totaliza 5.608 pessoas analfabetas que correspondem a 50,39% do total e apresenta um total de 3.880 pessoas com mais de 14 anos que sabem ler e escrever.

  • Tabela 3 Taxa de analfabetismo ampla da população com mais de 14 anos, por município

  integrante do Projeto Gente de Valor selecio nado para a pesquisa ˗˗ Bahia, 2009

  Sabem ler e Taxa de Região/Município Analfabetos Subtotal escrever analfabetismo (%) Banzaê 153 180 333 51,23 Fátima 229 219 448 53,46 Jeremoabo 319 246 565 53,15 Novo Triunfo 152

  76 228 64,41 Ribeira do Amparo 200 76 276 40,71 Santa Brígida 208 114 322 45,8

  Fonte: CAR/ASVG, Cadastro de Domicílio, 2009

  • – Estudo de Base
Na Tabela 3, podemos observar que Novo Triunfo (64,41%) é o município que apresenta taxa mais elevada do que a média regional. Ainda com relação à escolaridade, quase todos os municípios apresentam, pelo menos, 200 pessoas nesta situação de analfabetismo amplo (analfabetismo e apenas saber ler e escrever), merecendo destaque em termos absolutos, Fátima (448) e Jeremoabo (565).

  3.2 CARACTERIZAđấO DAS MULHERES PESQUISADAS Realizada uma breve caracterização do campo e apontadas algumas características em torno do empoderamento das mulheres, o próximo passo é responder quem são essas mulheres, quais suas principais características e como vivem. Para adentrar o universo das entrevistadas, retomo aqui anotações e observações realizadas quando das primeiras experiências de contato com as mulheres no campo. Com relação à cor da pele/raça, as próprias entrevistadas se autodeclararam.

  1. Maria dos Anjos, 24 anos, nasceu no dia 4 de maio de 1989, no município de Santa Brígida. Mora na comunidade de Canabrava, no Subterritório Sertão de Valor. É solteira, vive uma união consensual há cinco anos e tem uma filha de quatro anos de idade.

  Como profissão, é agricultora, mas a sua ocupação é artesã. Tem oito irmãos adotivos, pois foi criada por um tio e sua esposa, que trabalham como vaqueiro e lavadeira, respectivamente. Ela concluiu o ensino médio, não participa da associação, somente do grupo de artesanato.

  2. Maria Alice, 26 anos, nasceu no dia 11 de janeiro de 1988, no município de Ribeira do Amparo. Morou, por 16 anos, em São Paulo e, atualmente, na comunidade Bariri, no Subterritório Unidos do Brar. É solteira e vive uma união consensual há 10 anos. Não tem filhos. Como profissão, é agricultora e sua ocupação é artesã do fiapo. Tem cinco irmãos e seus pais são separados. Sua mãe é doméstica, seu pai pedreiro e ambos moram em São Paulo.

  Ela concluiu o ensino médio e exerce o cargo de secretaria na Associação Comunitária e Cultural do Bariri, Rio Seco, Alto e Rio Quente de Cima.

  3. Maria Esperança, 29 anos de idade, nasceu no dia 17 de janeiro de 1985, no município de Jeremoabo. Mora na comunidade Bananeirinha, no Subterritório Ribeirinhos. É casada e tem dois filhos: um menino e uma menina. É agricultora e apicultora, mas, atualmente, também é estudante do curso técnico em agropecuária. Ela já tem o ensino médio completo. Tem cinco irmãos e seus pais são agricultores. Ela exerce o cargo de vice- presidente na Associação Comunitária Bananeirinha e Adriana.

  4. Maria das Dores, 31 anos, nasceu no dia 28 de junho de 1982, no município de Banzaê. Mora na comunidade quilombola Maria Preta, Subterritório Juntos Venceremos. Seu estado civil é solteira, mas está recém-separada de uma união consensual que durou doze anos. Desta união, tem um filho de nove anos. De profissão, é agricultora e também artesã, e concluiu o magistério. Tem quatro irmãos e mãe e pai agricultores. Na Associação das Famílias Agricultoras Remanescente do Quilombo de Maria Preta, exerce o cargo de “coordenadora de gênero”.

  5. Maria da Paz, 32 anos, nasceu no dia 2 de junho de 1981, no município de Fátima. Mora na comunidade Fazenda Pedrinhas, Subterritório Nossa Senhora do Bom Passo. Seu estado civil é solteira e tem um filho de quatro anos de idade. De profissão é agricultora, mas às vezes, quando tem encomenda, assume a ocupação de costureira na comunidade. Tem o Ensino Fundamental II incompleto, tendo estudado até a 7ª série. Têm três irmãos, todos morando em São Paulo. Seu pai é agricultor e sua mãe é falecida. Exerce o cargo de tesoureira na Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Fazenda Pedrinhas.

  6. Maria dos Prazeres, 32 anos, nasceu no dia 1 de junho de 1981, no município de Novo Triunfo. Mora na comunidade Baixa da Roça, Subterritório Serra Redonda. Seu estado civil é solteira, mas vive uma união consensual há 12 anos, da qual tem duas filhas. É agricultora de profissão mesmo tendo concluído o curso de pedagogia do ensino superior. Tem seis irmãs e seus pais são agricultores. Na Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça assume o cargo de presidente.

  7. Maria do Sossego, 38 anos, nasceu no dia 15 de novembro de 1975, no município de Santa Brígida. Mora na comunidade de Canabrava, Subterritório Sertão de Valor. É solteira e convive com o marido há 20 anos. Desta união, tem dois filhos: um menino e uma menina. É agricultora, e a sua ocupação é de merendeira na escola da comunidade; é também artesã. Tem o Ensino Fundamental II incompleto, pois estudou só até a 5ª série. Tem seis irmãos e seus pais são agricultores. Exerce, de fato, o cargo de tesoureira na Associação Comunitária dos Produtores e Produtoras Rurais Unidos por Canabrava, mesmo seu nome não constando oficialmente neste cargo. Também é a tesoureira do grupo do artesanato.

  8. Maria de Lourdes, 42 anos, nasceu no dia 25 de dezembro de 1972, no município de Ribeira do Amparo. Mora na comunidade de Bariri, Subterritório Unidos do Brar. É solteira, porém, vive sua terceira união consensual, esta há oito anos. Seu marido atual mora em São Paulo e vem duas vezes ao ano. Tem um total de seis filhos, uma filha da primeira união, dois da segunda união e três da atual. É agricultora de profissão e tem também Tem sete irmãos e a mãe é agricultora. Seu pai é falecido, morreu em consequência do alcoolismo. É sócia da Associação Comunitária e Cultural do Bariri, Rio Seco, Alto e Rio Quente de Cima.

9. Maria Amélia, 50 anos, nasceu em 20 de junho de 1963, no município de

  Fátima. Mora na comunidade Raso Pintado, Subterritório Boa Esperança. Seu estado civil é casada, porém está separada há alguns anos por não aguentar a violência do ex-marido alcoólatra. Tem oito filhos, cinco homens e três mulheres. É agricultora de profissão, mas tem como ocupação cuidar da casa e ser costureira. Tem o Ensino Fundamental I completo, fez até a 4ª série. Seu pai morreu quando ela era ainda pequena; sua mãe, que era agricultora, casou- se novamente e teve oito filhos. Ela afirma que foi ela quem criou os irmãos para que a mãe pudesse trabalhar na roça ou como doméstica. Na Associação Comunitária dos Agricultores Familiares de Raso Pintado e Lage da Boa Vista ela assume o cargo de tesoureira.

  10. Maria José 50 anos, nasceu no dia 8 de abril de 1963, no Estado de Alagoas. Mora na comunidade Baixa do Mocó, Subterritório Os Batalhadores. É casada há 29 anos. Têm sete filhas, cinco moram em São Paulo, uma em Pernambuco e apenas a mais nova mora com ela. É agricultora de profissão e de coração, diz. Concluiu o Ensino Fundamental I, fez até a 4ª série. Seus pais são agricultores e, atualmente, estão separados. Sua mãe teve quinze filhos, dos quais vivos são sete homens e três mulheres. No período de nossa pesquisa (2009 a 2012), exercia o cargo de presidente na Associação dos Moradores da Comunidade Beleza; atualmente, é apenas sócia.

  Dentre as dez mulheres entrevistadas, duas têm o ensino médio completo e afirmam ser de origem urbana, uma da cidade de Santa Brígida e a outra de São Paulo, ambas vindas na adolescência para a comunidade rural onde moram. As outras oito entrevistadas afirmam ser de origem rural: sete nasceram nas comunidades onde moram ou em comunidades vizinhas e uma, no estado de Alagoas.

  As duas entrevistadas mais jovens são Maria Alice, 25 anos, e Maria dos Anjos, 24 anos. A primeira de cor parda, é solteira, vive há dez anos em união consensual, sem filhos e mora na comunidade de Bariri, município de Ribeira do Amparo. Maria Alice é alegre e muito inteligente. Artesã, trabalha com fiapo de pano fazendo almofadas, redes, tapetes e diz que, através do grupo do artesanato, a comunidade ficou mais unida. Ela assume o cargo de secretária, na Associação Comunitária e Cultural do Bariri, Rio Seco, Alto e Rio Quente de Cima. Durante a entrevista, lembrou-se da infância em São Paulo, do vício de jogar bingo de sua mãe e da vida dura que o pai levava para cuidar da casa e dos filhos. É a filha mais velha e trabalhar como pedreiro. Já Maria dos Anjos nasceu na cidade de Santa Brígida, tem cor parda, é solteira e vive há cinco anos uma união consensual da qual tem um filho. Maria dos Anjos tem cabelos pretos e lisos, fala baixo, é tímida, mas participa do grupo do bordado porque queria aprender a fazer crochê. Mora na comunidade de Canabrava e participa da Associação Comunitária dos Produtores e Produtoras Rurais Unidos por Canabrava.

  Maria do Sossego é da mesma associação que Maria dos Anjos, da qual é uma

  das fundadoras, e também do mesmo grupo do bordado. Enquanto conversávamos, ela fazia crochê na barra de um pano de prato do qual não levantava a cabeça enquanto respondia a minhas perguntas. Tem 38 anos, é parda, tem dois filhos (um menino e uma menina), é solteira, mas vive uma união consensual há 20 anos; estudou até a 5ª série. Ela assume a responsabilidade de tesoureira no grupo do bordado. Afirma que começou a trabalhar na roça, desde criança, para ajudar o pai e a mãe e que não sabe viver sem trabalhar.

  A idade das mulheres entrevistadas varia entre 24 e 50 anos. Duas têm 50 anos,

  

Maria Amélia e Maria José. As duas estudaram até a 4ª série primária; mesmo assim,

  assumiram cargos em sua comunidade. Maria Amélia é tesoureira da Associação Comunitária dos Agricultores Familiares de Raso Pintado e Lage da Boa Vista, município de Fátima. Maria José é da comunidade Baixa do Mocó, presidente da Associação dos Moradores da Comunidade Beleza, município de Santa Brígida. Maria Amélia, que se diz ruiva, é uma mulher sofrida, têm oito filhos, o marido era alcoólatra, sofreu violência doméstica até que, finalmente, separou-se dele. Já Maria José, que afirma ser morena clara, é uma mulher fisicamente forte, de mãos grossas, casada, teve sete filhas mulheres, trabalha na roça com hortaliça no quintal produtivo e tem orgulho de ser agricultora.

  Das dez mulheres entrevistadas, nove são identificadas, pelo projeto, com a mesma especificidade de comunidade tradicional de agricultura familiar. Apenas uma pertence a uma comunidade que se identifica como negra/quilombola, a comunidade Maria Preta, no município Banzaê. Há quase vinte anos atrás, este município era terra indígena da etnia Kiriri. A comunidade Maria Preta é de difícil acesso, escondida em um relevo de baixada e esquecida do poder público, apesar da presença de alguns órgãos executantes de projetos específicos.

  Nossa entrevistada nesta comunidade é Maria das Dores, uma mulher jovem, de 31 anos de idade, que estudou, fez o magistério, é mãe de um filho e recém-separada. Na ocasião da entrevista, como era a primeira vez em que eu estava naquela comunidade, ainda não conhecia Maria das Dores. Depois de descermos uma pequena ladeira, chegamos à casa onde a família e os vizinhos costumam se reunir para conversar. O pai dela estava deitado em uma rede e, ao lado, três cadeiras à nossa espera, eu e a técnica que trabalhava com a comunidade. Logo, a mãe dela apareceu e iniciamos a conversa explicando do que se tratava e como seria a entrevista. Perguntei a Maria das Dores se a entrevista seria ali com todos juntos ou se preferia estar sozinha; neste exato momento percebi em seu rosto o alívio e ela me chamou para irmos até a sua pequena casa, apenas as duas. Maria das Dores é uma mulher envergonhada que está vivendo uma fase de dor e tristeza pelo fim do seu casamento. Durante a entrevista, falava da luta da Associação das Famílias Agricultoras Remanescentes do Quilombo de Maria Preta, onde ela assume a coordenação de gênero e da necessidade de continuar a organização para melhorar a vida na comunidade.

  Com relação à cor da pele, apenas duas delas responderam com firmeza e com orgulho serem negras; seis delas se definiram como pardas, apesar de ter percebido a dúvida nesta afirmação; algumas, no início da entrevista, se disseram morenas. Apenas uma disse ser branca e uma outra afirmou (perguntando-me, porém) ser ruiva.

  Maria Esperança é uma das que afirmou ser negra. Ela é uma jovem de 28 anos,

  tem dois filhos (um menino e uma menina), é casada, tem o ensino médio completo e está fazendo o 3º ano do curso técnico em agropecuária. Além de agricultora, trabalha com apicultura e foi Agente de Desenvolvimento Subterritorial (ADS) na comunidade Bananeirinha, no município de Jeremoabo, pelo Projeto Gente de Valor. É católica e mora ao lado da igreja, que ela varre e cuida para as missas e reuniões; sua entrevista foi realizada dentro da igreja. Ela é falante, responsável e muito compromissada com as atividades da comunidade.

  A única entrevistada que afirmou ser branca foi Maria de Lourdes, 41 anos, que estudou só a primeira série primária, é solteira, vive uma união consensual de oito anos, tem seis filhos (cinco meninos e uma menina) e é artesã de fiapo de pano. Ela conta que participar do grupo do artesanato era difícil, pois não tinha com quem deixar as crianças, o que se resolveu com a creche do povoado. Relata, ainda, que passou fome e sofreu violência doméstica e hoje enfrenta sozinha a dificuldade de criar os filhos. O marido trabalha em São Paulo e vem duas vezes ao ano, segundo ela, fato muito comum na comunidade de Bariri, município de Ribeira do Amparo, já que não há emprego na região.

  Maria da Paz é solteira, parda, tem 32 anos e um filho, sua mãe morreu de câncer e ela cuida do seu pai. É uma mulher forte, fisicamente, de olhos verdes e um sorriso bonito.

  Gosta do trabalho de tesoureira, função que desenvolve na comunidade pela Associação dos

  Pequenos Produtores Rurais da Fazenda Pedrinhas e de participar de alguns conselhos no município de Fátima.

  Quando perguntei qual a profissão dos pais às entrevistadas, oito delas disseram que o pai e a mãe eram agricultores; uma respondeu que sua mãe já é falecida. As duas de origem urbana afirmaram, uma, que o pai é pedreiro e a mãe, doméstica, e a outra, o pai é vaqueiro e a mãe, lavadeira.

  Ao perguntar sobre a profissão delas, percebo dúvidas nas respostas, apesar de todas elas desenvolverem atividades agrícolas e morarem na zona rural. Dez são mulheres rurais, mas apenas quatro afirmam ser agricultoras e demonstram prazer em sê-lo. No caso das mulheres por mim entrevistadas, tanto agricultoras como não agricultoras, o ser mulher e ser do ambiente rural são importantes fontes de significado da identidade. Porém, quando perguntamos qual a atual ocupação, para a minha surpresa, apenas duas afirmam ter como ocupação a agricultura. As outras informaram o seguinte: quatro são artesãs; duas são professoras; uma é estudante; e a última declarou-se do lar.

  A escolaridade é importante para analisar o processo de empoderamento dessas mulheres. Duas não completaram o Ensino Fundamental I e duas conseguiram concluí-lo. Outras duas não concluíram o Ensino Fundamental II, quatro concluíram o ensino médio e uma o ensino superior. Esta última, Maria dos Prazeres, é uma mulher batalhadora, que passou fome, lutou muito, fez sacrifício para cursar e concluir a faculdade de Pedagogia, do que se orgulha muito. Ela é uma mulher alta, de cabelos longos e lisos, mãos grandes grossas e fortes, que fala alto e firme quando está presidindo as reuniões da Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça, no município de Novo Triunfo. Maria dos Prazeres tem 32 anos, é parda, tem duas filhas, é solteira, em união consensual há 13 anos com o pai das meninas, e é católica. O diferencial é que ela participou das Comunidades Eclesiais de

61 Base ,junto com algumas companheiras que mantêm o trabalho de organização comunitária na comunidade Baixa da Roça.

  O Quadro 2 traz informações sobre as mulheres agricultoras entrevistadas em 2013.

61 São grupos de cristãos leigos, geralmente pobres, que se reúnem, regularmente, nas casas de

  famílias ou em centros comunitários, a fim de ouvir e aprofundar a Palavra de Deus, alimentar a comunhão fraterna e assumir o compromisso cristão no mundo. Nasceram na década de 1960, ligados principalmente à Igreja Católica, foram incentivados pela Teologia da Libertação após o Concílio Vaticano II e se espalharam principalmente nos anos 1970 e 80 no Brasil e na América Latina. Disponível em: <http://comunidade-cebs.blogspot.com.br/p/blog-page_9263.htmlonível>; Quadro 2

  • – Informações gerais sobre as mulheres entrevistadas
  • – Técnico Agropecuário Jeremoabo Maria dos Anjos

  Fonte: Pesquisa direta da autora realizada entre outubro e dezembro de 2013, como parte desta dissertação NOME (fictício)

  IDA D E ( em ano s) Estado Civil N o de Filhos Estado Conjugal Cor Orientação Sexual Profissão/ Ocupação Escolaridade Município Solt. Cas. SIM NÃO

  FI FII M S Maria Alice 25 união consensual Parda heterossexual agricultora/artesã C Ribeira do Amparo Maria dos Prazeres 32

  2 união consensual Parda heterossexual agricultora/ professora Novo Triunfo

  Maria da Paz

  32 1 solteira Parda heterossexual agricultora

  I Fátima Maria Amélia 50 8 separada Ruiva heterossexual agricultora/do lar Fátima Maria de Lourdes 41 6 união consensual Branca heterossexual agricultora/artesã I Ribeira do Amparo Maria das Dores 31 1 separada Preta heterossexual agricultora/ professora Magistério Banzaê

  Maria José

  50 7 casada Parda heterossexual agricultora Santa Brígida Maria Esperança 28 2 casada Preta heterossexual agricultora/ estudante C

  24 1 união consensual Parda heterossexual agricultora/artesã C Santa Brígida Maria do Sossego 38 2 união consensual Parda heterossexual agricultora/artesã

  I Santa Brígida

  3.3 DADOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS Foi beneficiada pelo PGV, uma população de 17.416 mulheres, nas regiões

  Nordeste e Sudoeste da Bahia, em um percentual de 48,2% do total atendido. Na região Nordeste, área da nossa investigação, 13.569 mulheres foram beneficiadas, atendendo a um percentual de 48,1% do total de mulheres.

  Segundo os dados do Estudo de Base realizado em 2009, quanto ao responsável pelo domicílio, tem-se uma maior participação do gênero masculino, sendo 4.912 homens (56,4%) e 3.800 mulheres (43,6%). Na área do projeto, de um modo geral, os homens assumem, em maior proporção, a responsabilidade pela família. Porém, vale ressaltar a elevada participação de mulheres que se declararam na condição de responsáveis pela família, o que é característico das camadas mais pobres da população e/ou de comunidades onde está presente o trabalho sazonal dos homens em outras regiões. O Gráfico 2 apresenta os dados de responsáveis pelo domicílio segundo o gênero cruzados com a especificidade sociocultural o que nos permite observar que os domicílios que são localizados nas comunidades Indígenas (51,1%) e Negras/Quilombolas (48,7%) são os que apresentam maior número de mulheres responsáveis pelo domicílio.

  

Gráfico 2 ˗˗ Distribuição percentual dos responsáveis pelo domicílio segundo o gênero,

por especificidade sociocultural

  • – Projeto Gente de Valor, 2009

  Fonte: CAR/ASVG, Cadastro de Domicílio, 2009. Relatório do Estudo de Base

  Na região total do projeto, há predominância do contingente masculino, que supera em 6,2% o feminino. Na consideração da distribuição etária, de acordo com as especificidades socioculturais e sexo, apresentadas no Gráfico 3, quando comparado ao masculino, verifica-se uma predominância do contingente feminino acima de 25 anos, em três

  62

  delas: fundo de pasto (56,5%); tradicional (54,0%) e negra/quilombola (44,2%). A consideração adicional do gênero em relação à distribuição etária, apresentada no Gráfico 2, permite destacar dois pontos principais, ambos na categoria ribeirinhos que, em primeiro lugar, apresenta uma ausência de mulheres nas faixas de 0 a 7 anos e de 14 a 18 anos, em relação às demais especificidades socioculturais, padrão que, de modo geral, sugere uma possível maior emigração de mulheres jovens em direção a áreas urbanas, na faixa de 14 a 18 anos. Em segundo, esta especificidade sociocultural apresenta 40% de mulheres, uma predominância do contingente feminino na faixa acima de 18 a 25 anos, em relação às demais categorias.

  Gráfico 3

  • – Distribuição etária dos moradores segundo a especificidade sociocultural e sexo, Projeto Gente de Valor, 2009

  

Homens

Mulheres

Fonte: CAR/ASVG, Cadastro de Domicílio, 2009. Relatório do Estudo de Base.

  62 “Constitui um sistema de ocupação coletiva de terras por comunidades, em geral com certo grau de parentesco. Esta ocupação dá-se na forma de sistema Agrosilvopastoril ”. COMISSÃO PASTORAL DA TERRA et al. O Fundo de Pasto que queremos; política fundiária, agrícola e ambiental para os

  Conforme os dados do Estudo de Base, na região de atuação do PGV há uma participação da mão de obra familiar de 56,3%. Mostra uma elevada expressão relativa da força de trabalho familiar em todas as especificidades socioculturais. O mesmo padrão de quase equivalência entre os gêneros com relação à mão de obra familiar se repete em todos os municípios integrantes do projeto, sendo sempre o número de mulheres apenas ligeiramente inferior ao dos homens. Verifica-se, também, um equilíbrio por gênero, neste indicador, uma vez que as mulheres se aproximam bastante dos homens em números absolutos em todos os contextos analisados. Este comportamento se amolda ao que seria esperado em comunidades rurais mais pobres com base econômica na produção familiar (PRAXIS, 2009, p. 47).

  Segundo o documento Resumo das Principais Realizações do Projeto Gente de Valor (2013), várias ações foram realizadas no período de 2007 a 2012, beneficiando um total de 12.397 famílias. O projeto realizou várias capacitações, consolidadas em três temáticas

  63

  64

  65 Desenvolvimento Social e Organização , Inclusão Produtiva e Recursos Hídricos que,

  , por sua vez agrupam várias temáticas de capacitações realizadas pelos Componentes de Capital Humano e Social e pelo Componente Produtivo e de Mercado. Segundo os dados do Projeto, podemos afirmar que a inclusão das mulheres se deu pelas capacitações, ao observar que, em um total de 55.827 pessoas que participaram das capacitações ao longo destes anos de intervenção do projeto, 31.345 foram mulheres (56,1%). E podemos notar que um maior número de mulheres participou, principalmente, das capacitações voltadas para as questões sociais e organizacionais, nas quais 19.562 mulheres estiveram presentes. Nas capacitações com a temática inclusão produtiva, as mulheres, mesmo com uma diferença pequena em relação aos homens, foram as que mais participaram. É o que se observa na Tabela 4.

  63 As temáticas Desenvolvimento Social e Organização agrupam 10 temas de capacitações: Curso de aproveitamento integral dos alimentos; Curso de associativismo e cooperativismo; Encontro de sensibilização das comunidades quilombolas; Encontro para sistematização de experiências; Encontro sobre gestão de equipamentos comunitários; Encontro sobre relações de gênero; Encontro subterritorial de cultura; Intercâmbio sociocultural; Oficina de organização e mobilização social; e Seminário de políticas públicas e programas governamentais.

  64 A temática Inclusão Produtiva agrupa 11 temas de capacitações: Curso de corte e costura; Curso de fruticultura; Curso de horticultura; Curso de manejo alimentar animal; Curso de manejo sanitário animal; Curso sobre agroecologia; Curso sobre apicultura; Intercâmbio produtivo; Oficina de beneficiamento de frutas; Oficina de construção de viveiro de produção de mudas; Oficina de plantio de mudas e espécies frutíferas; e Oficina sobre artesanato.

  65 A temática Recursos Hídricos agrupa 2 temas: Curso para confecção de bombas hidráulicas e

  Tabela 4

  • – Consolidado de capacitações, Projeto Gente de Valor, 2007-2013

  TEMAS Homens Mulheres Total

  Desenvolvimento Social e Organização 12.925 19.562 32.487

  Inclusão Produtiva 7.642 7 .923 15.565

  Recursos Hídricos 3 .915 3 .860 7.775 Total

  24.482 31.345 55.827 Fonte: Resumo das Principais Realizações 2007

  • –2013 (PGV, 2013)

  Os cursos de capacitação promovidos pelo Projeto estavam voltados para técnicas de produção, melhoria da qualidade de vida da população local, para a administração dos recursos e organização da comunidade e dos trabalhos coletivos e, por fim, para a cultura ou a inclusão de mulheres e jovens nas questões comunitárias.

  Para responder à per gunta a participação das mulheres nas capacitações promovidas pelo projeto inicia o processo de empoderamento? partimos da afirmação de Teresa Kleba Lisboa (2008, p. 5) de que “a participação é um elemento constitutivo das estratégias de empoderamento”. Ao analisar a intervenção do Projeto Gente de Valor na perspectiva de gênero, constatamos que se executa uma política de desenvolvimento local na qual a inclusão das mulheres e de suas organizações acontece através da participação equitativa nas atividades produtivas tradicionalmente de mulheres e não nas atividades de domínio masculino como, por exemplo, apicultura e ovinocaprinocultura, ou seja, elas ficaram centradas em atividades de menor valor econômico e sem reconhecimento político. Isto pode ser observado, por exemplo, nos quintais produtivos voltados, quase que exclusivamente, para a segurança alimentar da família: quando as mulheres estão diretamente envolvidas, não há visibilidade; só sendo visto como uma atividade promissora quando os homens, geralmente os maridos, estavam à frente direcionando a produção para o mercado local. Outro exemplo são as atividades de artesanato (incluindo crochê e pintura em tecido), vistas como “coisa de mulher”, ou mesmo como lazer, poucas vezes como uma possibilidade produtiva, geradora de renda para a mulher e sua família. Contudo, acredito que a participação destas mulheres contribuiu para o processo de empoderamento pessoal e coletivo de algumas delas, independentemente da atividade da qual participou.

  Para Lisboa (2008, p. 5), “o empoderamento é indicado como passo inicial de um processo mais amplo de conquista da cidadania, que deve ser facilitado através da participação em projetos com vistas a propor demandas de políticas públicas”. Neste sentido, o PGV promoveu e implementou processos participativos, desde o início de sua intervenção, comunidades pobres em instâncias de reflexão, definição de demandas e elaboração de planos de ação. Na medida em que esta ação foi sendo realizada, este processo foi despertando nas mulheres condições de mudança em sua consciência e em relação aos seus direitos e às suas capacidades.

  66 Segundo o documento Avaliação de Impactos do Projeto Gente de Valor, de

  uma maneira geral, logo no início de sua intervenção, as atividades desenvolvidas pelo Projeto começaram quando foram desenvolvidos os Diagnósticos Rurais Participativos (DRPs) nos quais as comunidades selecionadas foram convidadas a participar de reuniões de sensibilização para a proposta do Projeto em que foram feitos mapeamentos da situação das comunidades e apresentadas as primeiras noções de planejamento, associativismo e outros conceitos importantes para o seu desenvolvimento. É o que comprovamos com o depoimento de um dos entrevistados do processo de Avaliação de Impacto, realizado em 2012, sobre as capacitações:

  A mais proveitosa mesmo foi essa que eu falei no início, o DRP, porque foi uma coisa nova, a gente nunca tinha recebido um projeto assim na nossa associação e quando às vezes recebia alguma coisa, já vinha pronto. E esse foi um momento de tá descobrindo [...] a nossa história e construir também um mapa, visões do que a gente pretendia realizar durante esse processo. E aí as pessoas nesse tempo ficavam até meio desacreditadas porque era uma coisa muito nova e, com o passar do tempo, a gente pode perceber que isso que a gente planejou lá no futuro talvez não fosse bem da forma que a gente tinha pensado, mas aconteceu de alguma forma, foi realizado, mas colocando as visões técnicas, alguns ensinamentos a mais. Mas foi realizado. Então, pra quem participou como eu, acho que foi pra maioria das pessoas das comunidades, essa foi uma das mais interessantes.

  (PRAXIS, 2012, p. 25; Poções – Subterritório Sol Nascente).

  A chegada do projeto nas comunidades se deu através de uma metodologia participativa, ouvindo a comunidade, suas demandas e reivindicações para, juntos, construir um planejamento, um plano de desenvolvimento, partindo do comunitário para uma abordagem subterritorial, para, assim, intervir, de uma maneira mais embasada, na realidade local. Estimulou-se a criação de 282 Comitês de Desenvolvimento Comunitário nos quais eram discutidos os problemas e suas possíveis soluções. Ao juntar as comunidades com características semelhantes para discutir e refletir sobre suas demandas, exercitou-se a abordagem territorial criando 104 Conselhos de Desenvolvimento Subterritoriais que envolviam representantes de 3 ou 4 comunidades. É importante ressaltar que tanto os comitês

66 Análise dos Resultados das Pesquisas Qualitativas para Avaliação dos Impactos do Projeto Gente

  como os conselhos criados, tinham, em seus regimentos internos, exigências da presença de 50% de homens e 50% de mulheres em seus cargos. Esta exigência teve que ser cumprida pelos técnicos e técnicas do Projeto, mesmo alguns não concordando com esta orientação.

  Esta opção estratégica e metodológica possibilitou um maior envolvimento das mulheres nos diversos cursos, oficinas, seminários, intercâmbios e encontros promovidos pelo PGV. Um depoimento colhido durante a Avaliação de Impactos do PGV, em 2012, mostra um amplo conhecimento das oportunidades oferecidas para capacitação:

  Foi dado o curso de informática, teve curso de manejo alimentar, curso de apicultura, são alguns, são vários, a gente passou por vários cursos, mas a gente não lembra tudo agora. O aproveitamento da mandioca também, foi bem detalhado esse assunto aí. Então, foi muito proveitoso por parte desse projeto. E eu acho que as pessoas, 26 têm um certo conhecimento agora, depois desses intercâmbios que a gente foi, e espero que tenha muita coisa gravada na cabeça de muitos. (PRAXIS, 2012, p. 25-26; Itapicuru – Subterritório Buscando Desenvolvimento).

  Outro depoimento confirma como as várias capacitações foram importantes e contribuíram para o aprendizado das pessoas:

  Tiveram várias outras [capacitações] pras pessoas das comunidades, como a capacitação pra construção de canteiros, a capacitação de construção de cisterna, porque os próprios pedreiros foram selecionados de dentro da comunidade. Eu acho que isso foi prática interessante que ficou aqui a renda deles e além do mais a experiência também. Alem disso também tiveram várias outras como combate a pragas ensinando a fazer os defensivos naturais, isso também foi interessante . (PRAXIS, 2012, p. 28-29, Poções – Subterritório Sol Nascente).

  Segundo a Avaliação de Impacto, a participação das mulheres aumentou com a intervenção do Projeto, com elas adquirindo mais conhecimentos e experiência. Com o aprendizado, veio a vontade de participar: tornaram-se mais dinâmicas nas atividades e esta dinâmica participativa uniu mais as mulheres e, consequentemente, os grupos. (PRAXIS, 2012, p. 38).

3.3.1 Participação e apropriação/construção de conhecimentos

  A participação no processo de formação, através dos diversos cursos, oficinas, eventos, encontros e nos trabalhos desenvolvidos pelo Projeto, possibilitaram às mulheres a diversificação de atividades para além dos afazeres usuais e a diversificação dos ambientes de

  trabalho e convívio. Esta estratégia favorece o processo de empoderamento, pois diversos conhecimentos foram por elas apropriados, atividades e técnicas produtivas foram assimiladas de modo a ampliar sua atuação e qualificar sua participação nas atividades comunitárias.

  Os relatos colhidos durante a Avaliação de Impacto evidenciam uma mudança de postura das mulheres acerca de seu papel na vida comunitária

  Mudou 100% [...] Porque antes do projeto aqui, se formasse uma reunião aqui só ia os homens, as mulheres diziam 'ah não vou não, porque você já vai, não precisa eu ir, pra que nós dois? Eu fico fazendo o serviço de casa e você vai'. Às vezes o pai ia, outra hora o filho ia e a mulher ficava em casa. Hoje não, a mulher quer participar da reunião porque ela tá interessada em fazer parte daquele processo [...] através de reunião e palestra, curso. Teve aquele encontro das mulheres aqui, [...] foi uma coisa muito importante. Só foram as mulheres, os homens não iam lá, só eram as mulheres. Aquilo foi uma coisa muito importante pras mulheres, é por isso que incentivou muito as mulheres na comunidade. Porque antes não tinha esse negócio.

  (PRAXIS, 2012, p. 39; Manoel Vitorino – Subterritório Nova Esperança).

  Outro depoimento, de uma mulher entrevistada, referindo-se às capacitações, confirma esta avaliação:

  Olhe, acho que todos foram proveitosos, não teve um mais, outro menos. Eu acredito assim, desde o início, tudo que a gente fez foi em grupo, e foi tudo importante. Não tenho questão de dizer um foi mais, outro menos. É claro que a questão, acho que, se a gente fosse citar, por eu ser mulher, por essa questão de mulheres, o que elas mais gostaram foi essa questão de trabalhar o gênero, que até então não era discutido [...] Agora essa questão foi importante. Essa questão de trabalhar os alimentos é interessante, essa questão de trabalhar pra fazer oficina de cisterna foi importante, porque várias pessoas aprenderam [...] Então, é uma coisa que vai servir pro resto da vida, vai servir pra que eles possam ganhar o pão, então tudo isso foi proveitoso. A gestão de convênios também foi importante, principalmente pro grupo da diretoria, que aprendeu a trabalhar com a questão do dinheiro. (PRAXIS, 2012, p. 26; Euclides da Cunha

  • – Subterritório Asa Branca).

  O relatório da Avaliação de Impacto do Projeto mostrou que a atividade mais citada durante as entrevistas realizadas em 2012 foram os Encontros de Mulheres, também chamado “Encontro de Gênero”. Estes encontros tinham como características marcantes o entusiasmo, a alegria e a descontração das mulheres. Vejamos alguns depoimentos:

  O encontro de mulher foi um movimento muito bom que até hoje elas pedem outro e que teve assim uma participação. Elas começaram no começo assim, elas estavam assim meio tímidas, mas depois todo mundo começou a falar, e

  participar mais aí, depois desse encontro. (PRAXIS, 2012, p. 33; Jeremoabo – Subterritório Ribeirinhos). E também o encontro de relações de gênero foi essa questão de divisão de tarefas, qual é a tarefa do homem e a da mulher. As pessoas entenderam que não existe essa divisão de tarefas, qualquer um pode fazer o serviço numa boa. Não é porque é um serviço mais apropriado pra mulher que o homem não pode fazer. Tem que um ajudar o outro porque melhora até a

  • – (PRAXIS, 2012, p. 33; Poções convivência das pessoas no dia a dia. Subterritório de Nova Esperança).

  A intervenção na perspectiva de gênero demandou várias ações afirmativas e o processo de sensibilização e capacitação sobre as questões de gênero foi uma das estratégias mais importantes. Através do trabalho específico com as mulheres, estas se prepararam e se capacitaram para a participação nos processos e espaços sociais representativos com uma maior consciência de si, de seu papel, ocupando cargos com autonomia. O processo de sensibilização teve início com os 100 encontros de mulheres, que aconteceram nos subterritórios e envolveram 4.120 mulheres, e foram momentos-chave para refletir e dar visibilidade às contribuições das mulheres agricultoras. A metodologia utilizada nos encontros foi participativa, de modo a proporcionar a interação do grupo, através de relatos de experiências, com discussões que enfatizaram a importância delas para si mesmas e para a comunidade como um todo. Como eixo central da proposta de conteúdo dos encontros de

  67

  mulheres, trabalhou- , com a finalidade de se com a dinâmica “Eu, minha Mãe e minha Avó” estimular o olhar crítico sobre a vida cotidiana das mulheres agricultoras, levá-las a refletir sobre as semelhanças e diferenças entre as gerações, se e quais mudanças houve do tempo das avós até hoje.

  A proposta de realizar encontros específicos com as mulheres foi uma estratégia necessária e uma metodologia acertada, porém, não se podia esperar que um encontro apenas por subterritório fosse suficiente para desencadear mudanças efetivas nas relações sociais de gênero na vida cotidiana dessas mulheres, pois isto seria ignorar as raízes profundas da cultura local e a estrutura dominante patriarcal, que está tão presente no meio rural.

  A transversalidade do enfoque de gênero é uma estratégia fundamental para garantir a discussão sobre as relações de gênero no dia a dia do desenvolvimento das ações de um projeto como o Gente de Valor, na perspectiva de abrir brechas para a entrada das mulheres agricultoras no espaço público e ir tentando desconstruir a cultura machista, sexista

67 Essa dinâmica consiste em resgatar como era a vida das antepassadas das agricultoras confrontando

  com a realidade atual. Perguntamos a elas quais as atitudes que eram feitas por nossas avós e mães e patriarcal, que coloca a mulher no espaço doméstico, mantendo-as oprimidas na família, como figuras assumidamente subalternas (SAFFIOTI, 1992). No discurso do Projeto e em algumas ações, tentou-se questionar e desconstruir o poder legitimado do homem sobre as mulheres.

  Determinadas funções e tarefas antes consideradas de responsabilidade exclusiva feminina passaram a ser divididas com os homens. As mulheres se viram capazes de aprender e se aprimorar no desempenho de novos trabalhos e funções, tais como o trabalho em empreendimentos produtivos e a organização coletiva em associações. Os conhecimentos e experiências nos encontros lhes deram mais segurança e confiança e despertaram nelas maior interesse pela participação na associação, ao mesmo tempo em que lhes proporcionaram a valorização. Vejamos o que dizem depoentes da Avaliação de Impacto 2012:

  Mas o mais importante que eu achei, que mais modificou mesmo a comunidade e as pessoas, foi o de associativismo [...] Porque dali pra cá, as comunidades viram a necessidade de fazer parte de um grupo de associações, não só de cooperativas e outras entidades. (PRAXIS, 2012, p.

  29, Itapicuru – Subterritório Buscando Desenvolvimento).

  • Com certeza isso aí foi mais uma valorização que a gente teve durante

  todo o processo do projeto [que] vinha colocando a questão da valorização da mulher, não apenas ser vista como dona de casa e mãe de seus filhos, mas tem um papel também social. [...] então eu acho que isso aí, é como eu tinha dito, é uma questão mesmo que eles chegaram com o projeto e começaram a valorizar, porque a mulher se sentia menosprezada, então às vezes ficava até receosa de dar suas opiniões em um ambiente que a maioria era homens e apenas eles debatiam. E com a valorização a gente pode perceber que o nosso papel não é esse de ficar só observando, mas também de agir.

  (PRAXIS, 2012, p. 40; Poções – Subterritório Sol Nascente).

  Com a participação, vieram a responsabilidade e o compromisso com o grupo e a comunidade. Com o aumento de capacidades adquiridas ao longo destes anos, em um processo participativo, resolveram entrar nas associações e assumir cargos nas organizações locais. Entre as 104 associações conveniadas com o Projeto, no período de 2009 a 2012, 89 mulheres assumiram cargos diretivos

  68

  . Apenas uma entre as dez mulheres que entrevistei não participa da associação, uma é sócia e as outras oito assumem cargos na diretoria: duas são presidentes, uma vice-presidente, uma secretaria, três tesoureiras e uma assume outro cargo na associação quilombola como “coordenadora de gênero”.

  68

3.3.2 O olhar das mulheres pesquisadas e as dificuldades em participar

  Existe grande interesse das mulheres em se envolver com as questões comunitárias, participar de todas as atividades e aprender o máximo possível. A iniciativa e o desejo de crescer e se aprimorar foram reforçados com as ações do Projeto, em especial, com as viagens de intercâmbio de experiências e cursos em outras cidades e regiões. A maioria das mulheres agricultoras familiares tem dificuldade de se deslocar para fora do seu ambiente costumeiro, por causa dos afazeres junto aos maridos e aos filhos pequenos. É o que constatamos no depoimento de Maria de Lourdes:

  • – Minha única dificuldade era quando eu não tinha com quem deixar meus filhos

    pra ir, porque mãe não fica com meus filhos pra nada. [...] se eu não tiver com quem deixar,

    aí eu deixo com minha sogra o de quatro anos e o de dois anos fica na creche o dia todo. [...]

    A minha participação no início era mais difícil por causa das crianças .

  Este depoimento nos convida a pensar gênero nas formas pelas quais ele penetra na vida e na experiência social das pessoas como produto de relações sociais. Nas relações familiares destas mulheres, observa-se como a ordem de gênero patriarcal ainda impera e é mantida cotidianamente por homens e mulheres (SAFFIOTI, 1992). A dominação masculina é uma destas formas que atualmente não assumem uma forma universal, mas que, na área rural ainda é forte, e é onde se encontram muitas mulheres coagidas por homens e por suas responsabilidades de manutenção doméstica e de reprodução (gestar, parir e criar os filhos e filhas). Por sua vez, a reprodução humana

  • – que ocorre no corpo da mulher – exerce considerável influência na divisão sexual do trabalho e na estruturação dos lugares sociais ocupados por homens e mulheres. Os homens se voltam tradicionalmente para o provimento da casa, ou seja, para a mediação entre o mundo privado e o público. As mulheres reproduzem o patriarcado e se tornam peças importantes na sua replicação e continuidade, por meio, sobretudo, da educação dos filhos e filhas. A promoção da equidade entre homens e mulheres, como estratégia para se contrapor à dominação masculina, ainda presente na estrutura do Projeto e na sua área de abrangência, tenta desconstruir estereótipos e representações e oportunizar uma maior participação das mulheres, sejam técnicas ou camponesas, através da inserção delas em espaços públicos, profissionais e produtivos.

  Segundo Maria dos Prazeres, os filhos pequenos atrapalham a participação das mulheres e arranjos familiares precisam ser feitos para driblar esta dificuldade:

  • – As que têm filhos pequenos, só atrapalha à noite, porque se você for fazer uma

  

não têm filho pequeno. E de dia, não atrapalha não, por enquanto, o trabalho aqui que elas

faz não atrapalha, porque têm a família, têm a mãe, têm as irmãs, então, ajuda bastante .

  Neste depoimento, percebe-se a divisão sexual do trabalho nos moldes tradicionais e como a coincidência entre os ciclos de vida reprodutivo e produtivo sempre cria problemas para a mulher trabalhadora. Independentemente de ser rural ou urbana, sempre o desafio é como conciliar responsabilidades domésticas, principalmente o cuidar dos filhos, com o trabalho fora de casa. Sardenberg (1998), em seu estudo sobre as antigas operárias baianas, trouxe à luz a intensa rede de ajuda mútua entre mulheres, principalmente entre mães e filhas. Assim como as operárias, as agricultoras do nosso estudo também tecem uma rede de ajuda mútua com suas mães, irmãs, sogras, enfim, entre mulheres, que são acionadas para cuidar das crianças possibilitando às mulheres camponesas conciliar com as atividades domésticas a participação nos cursos, em eventos, o trabalho nos grupos produtivos e até viagens, e assim garantir a participação delas nestes diversos espaços públicos.

  Para superar a dificuldade dessas mulheres, que são encarregadas do cuidado com as crianças e de todos os afazeres domésticos, um papel para o qual começam a ser treinadas desde cedo, ajudando suas mães com os irmãos menores, a estratégia metodológica buscou assegurar a realização das “Cirandas das Crianças”. Já que, na zona rural, é muito difícil ter creche, a alternativa foi oportunizar a participação das mulheres de forma integral, tendo uma pessoa da comunidade que assumia o papel de “cuidadora” das crianças durante os encontros de mulheres. Apesar da necessidade desta ação afirmativa, percebe-se que a própria instituição executora aportou poucos recursos, por não achar ser esta uma ação relevante e necessária, já que é uma necessidade das mulheres.

  Ficou evidente que a falta de entendimento dos técnicos e técnicas fez com que algumas dessas cirandas não funcionassem como o previsto. Alguns alegavam que, na zona rural, as mulheres não precisavam desta ação, pois tinham as famílias ou alguém com quem deixar seus filhos e filhas. Mas este alguém é outra mulher! já que na vida das mulheres camponesas, desde pequenas, lhes é ensinado que cuidar de crianças é tarefa e obrigação exclusiva da mulher. Assim aprendem e assim reproduzem a ideologia de que há uma essência masculina e outra feminina, passando-lhes padrões de comportamento de menina e de menino, de modo a instituir uma subordinação enquanto gênero feminino, algo que se construiu ao longo de suas vidas. Entendendo que a identidade de gênero é uma variável cultural, socialmente construída, ela pode, então, ser transformada. Quero acreditar que nos projetos de desenvolvimento possamos, através de processos educativos e de algumas ações específicas, voltadas principalmente para os estratos masculinos, desencadear processos de mudanças com vista a uma transformação de sua identidade de gênero.

  Assim como Maria de Lourdes, outras mulheres tinham dificuldades de participar das atividades promovidas pelo Projeto. Foi o que disse Maria dos Prazeres em seu depoimento: tal é a responsabilidade das mulheres na reprodução que ainda continua operando em suas vidas, de forma universal, mesmo não sendo esta a única opção para elas, a de assumirem responsabilidades maternais ou domésticas. Fica evidente que a estrutura e a ação do pensamento patriarcal e conservador discrimina, dificulta e inviabiliza as lutas e conquistas profissionais das mulheres. Com o processo de participação, já houve algumas mudanças nas atitudes das mulheres em relação a sua família e, no grupo, mudaram e se sentem mais fortalecidas. É o que afirma Maria dos Prazeres:

  • Ave Maria! Acho muito fortalecida porque é assim, de primeiro, elas tinha

  

medo, tinha medo até dos maridos, muitas ainda de nós têm, mas hoje elas já dão o seu grito

“eu vou” e vai. Tem feira, eu já tiro o cavalo da chuva, eu não vou e elas já vão. Se tem um

encontro, quem vai? De dia, eu vou, de noite, não. Então, umas ainda vai de dia, outras fica

até à noite também, mas elas cresceram muito .

  Observa-se nos depoimentos mulheres que falam que seus maridos não as deixavam nem sair de casa e, hoje, quando elas dizem que vão participar, vão mesmo. Sob a luz da ideia de empoderamento como “libertação do oprimido”, desenvolvida por Paulo Freire (1992), é visível aí o movimento que está acontecendo no interior destas mulheres e do próprio grupo, um movimento pela conquista da liberdade delas que estão há muito tempo subordinadas a uma posição de dependência econômica, física e psicológica.

  Participar das capacitações contribuiu para o processo de empoderamento individual das mulheres nos vários espaços de sociabilidade. Elas estavam em desvantagem em relação aos homens frente às iniciativas de desenvolvimento local, à troca de conhecimento e às inovações tecnológicas. O fato de oportunizar a participação das mulheres nas diversas capacitações (cursos de quintais, horticultura, apicultura, associativismo e outros) e o de fazer parte de grupos de interesses produtivos e/ou organizativos levaram-nas à apropriação de conhecimentos diversos, consequentemente, à construção de capacidades individuais para melhorar a gestão de suas atividades produtivas, econômicas, possibilitando uma maior consciência de sua capacidade de influenciar outras pessoas e de tomar decisões sobre o empreendimento, a administração da associação e sobre sua própria vida.

  Desencadear processos de trocas de experiências e aprendizagem em diversas a se sentirem mais seguras e com um maior domínio sobre as atividades de que estavam participando, consequentemente, colaborando com o processo de empoderamento pessoal e organizacional destas mulheres. O empoderamento se relaciona com o poder, mudando as relações de poder em favor daqueles que anteriormente tinham pouca autoridade, no caso das mulheres do Projeto, sobre suas próprias vidas. Redefinir as normas e as regras de gênero na família, não é fácil, pois gera conflitos e tensões, porém, já se percebem sinais de mudanças nas relações de gênero e no exercício dos papéis tradicionais de mulheres envolvidas no PGV, quando elas superam o medo e falam para os maridos que vão participar de um encontro, de uma feira, ou quando se sentem capazes de sair sozinhas de casa e viajar ou quando vendem os doces que produzem e conseguem seus próprios recursos financeiros, como observamos no depoimento de Maria dos Prazeres:

  • – Mudou tanto, até no relacionamento da família, marido e mulher, que eles eram

    pessoa que não deixava nem sair. Hoje, ela diz “hoje é dia de fazer o doce”; ele, não tem

    negócio de dizer “e a comida?” e não sei o quê... Então, elas se sentem muito poderosa, até

    em viagem, pra viajar ela diz “eu vou, [ele responde] “não, quem vai sou eu”. Antigamente,

    não tinha isso, porque nem elas tinham aquele incentivo das pessoas chamar elas “vamos,

    vamos lá, vamos fazer isso, é bom pra você, pra comunidade, você vai ganhar o seu pão de

    cada dia”... elas sentia muito medo, medo das pessoas. Hoje não. Eu sinto nelas que elas não

    têm medo, não. Se quiser fazer, faz, só é querer, ela faz e não faz uma só não, o grupo chama

    todo mundo e vamos fazer assim. Se uma disser “não dá certo, não vamos fazer assim”, que

    dê certo [ou] que não dê, a gente vai fazer, assim a gente vai e faz, e dá certo.

  Nessa fala, percebe-se as relações em que prevalecem o domínio dos homens (maridos) sobre as mulheres, um “poder sobre”, que controla, que proíbe, que oprime e que dá medo. Enquanto isto, contrapondo-se a este poder, percebe-se o poder de soma positiva que Maria dos Prazeres exerce, enquanto liderança, o “poder de dentro”; com sua consciência individual e autoconfiança, com seu exemplo e com sua capacidade, enquanto presidente da associação: o “poder para”. Já o “poder com” (LEÓN, 2001, p. 102) se materializa quando reivindica em nome do grupo e quando luta junto com as outras mulheres do grupo produtivo dos doces e da cooperativa do caju, quando aí, juntas, elas se apoiam mutuamente e tecem uma “rede de relações de empowering” (LISBOA, 2007, p. 642), insistindo no sonho de alcançar mudanças sociais.

  Para Paulo Freire (1992), pessoa, grupo ou instituição empoderada é aquela que realiza, por si mesma, as mudanças e as ações que a levam a evoluir e se fortalecer. Não se relacionadas à escola formal. A educação pelo empoderamento tem seu foco na transformação cultural e por dar mais ênfase aos grupos do que aos indivíduos. Já Léon (2001) afirma que a mudança individual nos leva à ação coletiva, o que nos faz crer que o processo pedagógico de empoderamento trabalha as duas dimensões

  • – individual e coletiva. Outro aspecto importante do empoderamento se dá nas relações de poder nas unidades domésticas. As mulheres empoderadas ou em processo de empoderamento crescem em autoestima, buscam informações, apreendem conhecimento e técnica, acumulam capacidades e sentem vontade de participar de organizações sociais, como associações ou grupos produtivos. Isto significa que elas estão, em um processo mútuo, exercitando um poder social e descentralizando o poder na unidade familiar.

  

4 O OLHAR DE OUTROS ATORES SOBRE O ENTRELAÇAR DO

PROCESSO DE EMPODERAMENTO

  4.1 GRUPOS FOCAIS: O QUE PENSAM OS HOMENS SOBRE AS MULHERES? A metodologia adotada utilizou um instrumento usual da análise das informações qualitativas, aprofundando as questões de interesse de forma mais dialética, através da discussão com grupos focais. As discussões nos grupos focais foram gravadas e transcritas, lidas e organizadas para fundamentar os resultados da atuação do Projeto Gente de Valor segundo o ponto de vista das comunidades beneficiadas. As informações coletadas nas discussões com grupos focais nos possibilitaram fundamentar uma análise qualitativa dos resultados mais relevantes do processo de empoderamento das mulheres que participaram, especificamente da região Nordeste da Bahia, do Projeto Gente de Valor.

  O primeiro grupo focal foi realizado no município de Novo Triunfo, com a Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça, com a presença de 12 pessoas (cinco homens e sete mulheres). Alguns dos homens ressaltaram a importância das mulheres e de duas das lideranças, a presidente Maria dos Prazeres e da tesoureira Gildete (nome fictício) para o avanço do trabalho na associação e na comunidade. A organização social das comunidades foi o tema selecionado para iniciar as discussões nos dois grupos focais. O propósito era identificar como o modelo de atuação adotado pelo Projeto Gente de Valor contribuiu para que as mulheres e os homens avançassem na organização e no trabalho coletivo. Eles argumentam que as mudanças ocorridas na comunidade são resultados alcançados a partir do projeto.

  O segundo grupo focal foi realizado no município de Ribeira do Amparo, na comunidade de Bariri, com o grupo de artesanato do fiapo, pertencente à Associação Comunitária e Cultural do Bariri, Rio Seco, Alto e Rio Quente de Cima, presentes sete pessoas (três homens e quatro mulheres). Um dos três homens presentes foi o presidente da associação; os outros dois eram artesãos do grupo do fiapo. As presenças dos homens deixaram as mulheres mais intimidadas em falar. Percebi que todos, em geral, não tinham a mesma percepção do outro grupo focal realizado na comunidade Baixa da Roça sobre a trajetória e avanço das mulheres no processo organizativo e produtivo, em cargos e funções de direção, administração e gestão de recursos, como executoras de projetos governamentais. Por outro lado, com relação à organização comunitária, conforme manifestado por alguns, entende-se que existia união entre eles, porém, a perspectiva de uma organização mais estruturada surge ou se consolida com o trabalho desenvolvido pelo Projeto Gente de Valor.

  Com o instrumento metodológico Grupo Focal, foram percebidos alguns elementos dos três níveis do processo de empoderamento, o individual, o organizacional e o comunitário, vividos pelas mulheres e seus grupos. Estes níveis não acontecem em separado, pois o empoderamento é uma composição simultânea dos três níveis, portanto, eles merecem igual atenção, diz Horochovski (2007) que afirma, ainda, que, no nível de empoderamento

  

individual , é evidente a participação das mulheres nas organizações da comunidade. Já no

  nível organizacional, o empoderamento é gerado na e pela organização e resta claro, neste nível, o compartilhamento das decisões coletivas e da liderança. No nível comunitário do processo de empoderamento, a dinâmica organizativa possibilita ações coletivas com o objetivo de acessar recursos comunitários e governamentais.

  No grupo focal da comunidade Baixa da Roça, o depoimento de um senhor expressa o reconhecimento do grupo da associação pelo trabalho desenvolvido e pela participação ativa no processo de organização da comunidade das duas mulheres na liderança. Apesar da fala do depoente atribuir as conquistas da associação como resultado só da luta das lideranças, é evidente o empoderamento organizacional deste grupo e como a dinâmica organizativa tem possibilitado ao coletivo o acesso a vários recursos governamentais.

  • – Antes só tinha a escola, o colégio. Hoje temos água, temos luz, casa de farinha,

    cisterna, quintal, fogão, até casa tem, forrageira. A maioria, conseguimos com o Projeto

    Gente de Valor, foi o primeiro que chegou, se não fosse, não existia nada. E tudo isso foi

    arranjado por mais essa aqui, de Mara [referindo-se a Maria dos Prazeres]. Foi ela que

    arranjou tudo pra todo mundo, se não fosse ela ninguém tinha nada. Primeiro lugar, Mara e

    Val, que levantou essa comunidade e depois dessa associação, graças a Deus, já temos água,

    luz, cisterna, forrageira e mais técnico que tá aí que, de vez em quando vai na roça de um e

    de outro, que comparece pra ensinar como faz uma coisa um serviço. Então, eu gostei da

    comunidade, eu assisto e, por sinal, dou valor. (José, Grupo Focal da Comunidade Baixa da

    Roça, 2013).

  No Grupo Focal que foi realizado com alguns representantes na comunidade Baixa da Roça, na unidade ou minifábrica da Associação Comunitária dos Produtores Rurais, percebe-se, nas falas, que houve uma valorização da mulher e um reconhecimento de sua importância na sociedade, tanto na visão dos homens quanto por parte das próprias mulheres. Disse um dos homens do Grupo Focal sobre o que achava das mulheres da associação:

  • – As mulheres tão lutando, trabalhando para desenvolver cada vez mais, com

    força e vontade. Na minha opinião, cada dia que se passa, eu acredito que a comunidade vai

    crescer e as mulheres vão chegar lá, porque, pelo jeito que eu estou vendo, é uma força de

    vontade de trabalhar e botar as coisas pra frente! Se Deus quiser, vai pra frente mesmo.

    Porque elas trabalham, faz doce, puxa as pessoas de fora pra vim trabalhar aqui também, na

    mini-fábrica, aqui da castanha, e faz geladinho, as garrafinhas... A Deus querer, o trabalho

    tá bem desenvolvido, há visto o que era. Antes não tinha nada. E hoje, elas estão lutando

    para conseguir ganhar [ter renda]. (José, Grupo Focal da Comunidade Baixa da Roça, 2013)

  Já outro homem de certa idade falou:

  • Eu acredito nas mulheres, porque eu sempre ando aqui e elas estão ali

  

trabalhando. Aí, eu gosto de participar, aí sento ali com elas, porque até eu não tenho medo

de mulher [risos], eu fui batizado três vezes, eu tenho respeito. Ali, tenho uma fazendo doce,

outra tá fazendo um tira gosto do doce. No final, eu trouxe um monte de goiaba que estava

perdendo. Entã o, eu dou valor às mulheres. Eu escuto no espaço de homem: “esse negócio

dessa associação será que você não está bestando?”. Eu tô numa expectativa, no caso de

amanhã e depois, melhorar mais. (Manoel, Grupo Focal da Comunidade Baixa da Roça,

2013).

  Depois dos Grupos Focais, tal como León (2001, p. 104), ficou o questionamento: “Que significa o empoderamento das mulheres para os homens?” Segundo a própria León, o empoderamento das mulheres significaria o desempoderamento dos homens, pois estes perderiam a posição privilegiada que o patriarcado lhes concedeu. Porém, os homens agricultores que estavam participando dos dois Grupos Focais não demonstravam exercer o “poder sobre” as mulheres, o poder subordinador que controla a participação das mulheres no mundo público. Estes homens demonstravam, apesar da força física, timidez, fragilidade, insegurança e desinformação com relação à própria associação de que fazem parte e à cooperativa, à dinâmica organizativa vivida por estas mulheres. Daí que, por outro lado, a própria León (2001, p. 105) indica, que, de fato, “o empoderamento das mulheres significa o empoderamento dos homens”.

  Durante a conversa no grupo, percebe-se nas mulheres, com o seu acúmulo de conhecimento ali socializado, demonstrando domínio dos conteúdos por elas aprendidos durante o processo de capacitação, a consciência coletiva do grupo de mulheres dos doces quando questionadas sobre as conquistas e os desafios que ainda têm pela frente, a integração entre elas e também com a comunidade e, principalmente, o reconhecimento do trabalho da intimidade de suas casas, isto aparece, de forma sutil, através da aceitação e não mais da proibição da participação da mulher nas atividades do grupo. Duas delas falaram que seus maridos mudaram seus procedimentos em casa e que, agora, eles já ajudam nas tarefas domésticas e conversam mais com elas, pois, antes do Projeto, eles eram tímidos.

  Concordo com Lisboa (2007, p. 651), quando afirma que “o empoderamento das mulheres libera e empodera também aos homens no sentido material e psicológico, já que a mulher passa a ter acesso aos recursos materiais em benefício da família e da comunidade e a compartilhar responsabilidades”. Portanto, na medida em que as mulheres se relacionam, trocando ideias e experiências entre si, vão ocorrendo mudanças internas individuais e em suas atitudes enquanto grupo. As mudanças que ocorrem na vida dessas mulheres, no processo de empoderamento, “contagiam” também suas relações mais próximas, com seus pais, seus maridos, seus filhos e filhas e todas as pessoas com quem elas interagem, além de reverter os resultados do seu acesso aos recursos materiais e financeiros para o benefício de sua família e da comunidade.

  Neste sentido, no Grupo Focal realizado na comunidade Bariri, percebe-se como a dinâmica da vivência organizativa uniu as pessoas e criou laços entre aquelas envolvidas na associação e também no grupo do artesanato do fiapo. Há um sentimento de pertencimento. O grupo demonstra crer em suas lideranças e percebe-se a satisfação entre os membros em fazer parte deste processo. É o que se evidencia no depoimento de um dos homens participantes que demonstra, também, a habilidade que o grupo já tem em discutir e analisar os processos organizativos experimentados e como esta experiência grupal tem sido disseminada na vizinhança, favorecendo o sentimento de pertença à comunidade, além das famílias isoladas, como percebemos na fala de Carla:

  • – Antes, no subterritório do Brar, a gente era muito individual, mas hoje, depois

    que a gente passou por esse processo de organização, a gente vê que não mudou cem por

    cento, mas mudou uma boa parte. É uma comunidade machista, ainda não mudou cem por

    cento, para acabar com o machismo, mas está em evolução. E hoje eu vejo assim, aqui no

    Bariri, muitas pessoas que estavam no grupo do artesanato e saíram, hoje tão vendo que está

    dando certo. A gente percebe, vem nas casas como mutirões, um estilo que acontece aqui na

    unidade de beneficiamento, pessoas de 3, 4 famílias, uma ajuda a outra a produzir a rede.

    Um exemplo: hoje ajuda na minha casa, amanhã na outra casa. A gente vê que é um processo

    que está dando certo. Que tá saindo da unidade e migrando para outras casas. De forma que

    amanhã e depois, pode está chegando algum. Então, o processo de organização que a gente

  

artesanato e para as comunidades vizinhas. É um projeto que está fluindo para as

vizinhanças. Então eu vejo como positivo esse processo de organização. (Grupo Focal da

  Comunidade Bariri, 2013).

  Para Horochovski (2007, p. 496), “o empoderamento comunitário é o processo pelo qual os sujeitos

  • – individuais e coletivos – de uma comunidade, por meio de processos participativos, constroem estratégias e ações para atingir seus objetivos coletivos e consensualmente traçados”. A este respeito, apesar das estratégias e iniciativas dos dois grupos
  • – de mulheres, dos doces e do artesanato do fiapo –, de criar ações alternativas de comercialização dos seus produtos, percebe-se, ainda, pouco acúmulo reflexivo dos dois grupos sobre como acessar o mercado de forma mais estruturada e com uma frequência sistemática de venda.

  Ao analisar os depoimentos dos dois Grupos Focais com relação à obtenção de segurança econômica

  • – “geração de renda” através da venda de produtos –, percebe-se grande satisfação das mulheres em estar, com suas habilidades e seus próprios esforços, gerindo o empreendimento e gerando renda, mesmo que uma quantia ainda considerada insuficiente, e a esperança de melhorar ainda mais o retorno econômico desta atividade para elas e suas famílias. Nos depoimentos seguintes, percebe-se qual a estratégia de venda e quanto elas conseguem obter no mês com a venda destes produtos, além do reconhecimento da comunid>– Dependo do que a pessoa produzir no mês, no caso das redes, que é mais

    difícil, vende a unidade, a gente vende em quantidade, a gente faz aquele total, aí vai ser

    dividido quando vender o total todo. Quando faz coisa individual, a gente vai recebendo o

    dinheiro, tira a percentagem do grupo e divide. É por produção, geralmente quem tem

    dificuldade de fazer almofada... só que é a que mais dá dinheiro. Neném teve mês de receber

    quase R$ 500, 00 de almofadas; o Mauá comprou, então, dividiu. Na rede, quando vende

    aqui, é uma, porque vocês não vão comprar 100 redes. Então, a rede é melhor vender em

    quantidade. Quando vende individual, a gente sabe de quem é a peça, de quem, porque a

    gente anota as peças aí; no sábado, a gente faz o pagamento. (Grupo Focal da Comunidade

    Bariri, 2013).
  • – A gente vende nos eventos que a gente participa: seminários, encontros, reuniões
  • todos. As vendas ajudam, vamos dizer, não está 100%, porque não tem lugar

  

certo, né, pra gente entregar, entrega 100 ali, 50 ali... dividir a renda com todas, um

pouquinho, 50 pra um, 50 pra outra, já ajuda muito, 50 pra família. Se tiver reunião no

  (Rose, Grupo sindicato de dois dias, a gente vende mais. Fica R$ 80,00 reais para cada uma. Focal Baixa da Roça, 2013).

  As mulheres vendem os produtos na própria unidade de beneficiamento, nas feiras e na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Novo Triunfo, durante as reuniões e encontros, ficando, permanentemente, expostos na sede, que fica aberta durante

  69

  toda a semana. E também no Instituto de Artesanato Visconde de Mauá . Elas também oferecem os doces e as castanhas nos mercadinhos locais, nas lanchonetes e na porta do Banco do Brasil, em Cícero Dantas. Diz um dos homens do Grupo Focal de Baixa da Roça: Tô achando que deve ir pra frente que antigamente não tinha nada e hoje tem muita coisa, a

  gente tá vendo

  ”; e outro: “Vamos dar valor a ela porque ela foi vender na porta do banco no

  sol quente, chega tava vermeia. Eu dou valor a ela mulher do comércio

  ” (José, Grupo Focal de Baixa da Roça, 2013). Também é visível o reconhecimento e a valorização dessas mulheres e de seus grupos pelas pessoas da associação e da comunidade, pelos resultados alcançados ao desenvolverem essas atividades produtivas. É o que diz o depoimento de um homem da comunidade Bariri sobre a renda, a valorização do grupo e o sucesso da organização:

  • – O grupo do artesanato do Brar é formado por agricultores e agricultoras

    familiares que viviam basicamente do Bolsa Família, de uma aposentadoria, viam o

    artesanato como um complemento de renda e hoje já vê como renda mesmo, geração de

    renda. E a gente vê que está melhorando a qualidade de vida dos artesãos. E hoje, a gente,

    graças a Deus, nós somos um grupo de 11 pessoas, que hoje, você chega na região, é visto

    como referência em organização, em qualidade de produtos, que antes do Projeto, se

    produzir uma rede era refém dos atravessadores. E hoje, através dos cursos e das oficinas, a

    gente conseguiu diversificar nossos produtos, saímos da rede e estamos produzindo

    almofadas, estantes, cortinas, porta-revistas. As almofadas hoje é referência, todo mundo que

    vê, se apaixona pelas almofadas. E nós devemos isso a quem? À força de vontade dos

    participantes do grupo e do Projeto, que deu essa oportunidade da gente trabalhar. Eu digo

    ao pessoal não parar por aí, procurar sempre estar modificando, porque hoje a almofada é

    referência, mas amanhã ou depois, um dia ela vai estar ultrapassada. Então, isso nós

    devemos basicamente à organização. Porque o segredo do sucesso não [é] o financiamento

  69

É uma autarquia da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (SETRE) do Governo do

Estado da Bahia. Foi fundado em 1939 para estimular a produção artesanal. Tem a função de ministrar o ensino do trabalho artesanal em todo o estado, através dos cursos de capacitação e núcleos de produção em Salvador e cidades do interior, assegurando a manutenção da produção

  

do dinheiro e, sim, o preparo na organização. Que eu acho um sucesso é a organização.

  (Pedro, Grupo Focal da Comunidade Bariri, 2013).

  A organização dessas mulheres e a interação com outras pessoas, grupos, comunidades e organizações na busca por canais de comercialização dos produtos têm sido vistas como uma experiência rica e frutífera. No caso do grupo das mulheres dos doces, o apoio e a mediação do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Novo Triunfo promoveram o contato entre o grupo delas com o de outra comunidade e a Prefeitura Municipal, possibilitando o acesso a uma política pública federal voltada para a agricultura familiar. Elas conseguiram, junto com a outra comunidade, vender os doces para a Prefeitura,

  70

  71

  através do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) , devido à Lei nº 11.947 promulgada desde 2009, que determina que, pelo menos, 30% dos recursos deste programa sejam gastos com a compra de alimentos da agricultura familiar. O depoimento abaixo relata esta experiência e a esperança de continuar acessando a comercialização institucional:

  • – Já vendemos para a merenda escolar 600 kg junto com outra comunidade, 300

    kg para cada uma. Se a prefeitura de Novo Triunfo e [a de] Cícero Dantas comprasse, tudo

    ajudasse, era bom demais, a gente partia uma parte pra uma e outra pra outra. (Rose, Grupo

    Focal da Comunidade Baixa da Roça, 2013).
  • – A prefeitura também não tá comprando ainda os produtos da agricultura

    familiar. Só que a gente já foi lá com o comitê gestor e a gente junta, da região toda, duas

    pessoas de cada região e associação, por causa desse problema da prefeitura não comprar

    os produtos. E se eles não comprar das famílias que precisam, tem muita luta em 2014, mas

    nós vamos conseguir, com fé em Deus e nossa, com a mulher pra trabalhar, a gente vai

    ganhando o pãozinho de cada dia, o pouco que ganha, serve. (Marisa, Grupo Focal da

    Comunidade Baixa da Roça, 2013).

  As mulheres desse grupo, ao desenvolverem essas atividades coletivas, vão construindo laços entre si que lhes despertam a consciência de que, enquanto indivíduos, são partes de um grupo e de uma comunidade. No depoimento, há o reconhecimento de que as práticas solidárias entre as mulheres e as pessoas da comunidade podem beneficiar tanto a

  70 Faz-se a distinção entre PNAE (que trata da Lei de 2009 da obrigatoriedade dos 30%) e PAE (Programa de Alimentação Escolar), o primeiro se refere ao Programa no seu âmbito nacional com suas normas e regulamentos gerais, e o segundo à sua construção ou adaptação nos diversos locais

(gerenciado pela instância municipal, estadual ou escolar). Ver: TRICHES; SCHNEIDER, 2012.

  71 Lei nº 11.947/2009. Art. 14. Do total dos recursos financeiros repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), no âmbito do PNAE, no mínimo 30% (trinta por cento) deverão ser utilizados na aquisição de gêneros alimentícios diretamente da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural ou de suas organizações, priorizando-se os assentamentos da reforma elas como à comunidade e, a partir de interesses comuns, outras comunidades, que podem se juntar para acessar projetos, programas ou recursos existentes, como afirmação de solidariedade entre as comunidades, na perspectiva de alcançar objetivos individuais e coletivos.

4.1.1 Sinais de mudanças nas relações de gênero

  Os projetos orientados para a equidade de gênero demonstram que a mudança na autoestima dos participantes, homens e mulheres, é o resultado mais destacado, porém outras mudanças importantes têm desencadeado transformações positivas nas relações de gênero, familiares e comunitárias. O empoderamento das mulheres permite novas experiências emocionais para os homens, quando lhes possibilita se libertarem de estereótipos de gênero, segundo Léon (2001). Conforme um integrante das reuniões de Grupo Focal, houve algum reconhecimento de que os “direitos são iguais” entre homens e mulheres. Constatou-se, também, que a conduta dos homens em relação às mulheres vem em um processo de mudança, que eles estão mais conscientes e apoiam ou cooperam mais com suas companheiras, porém não todos e nem sempre. Vários trabalhos e atividades passaram a ser compartilhados e realizados conjuntamente, tanto por homens quanto por mulheres. Podemos observar isto no depoimento dos dois únicos homens do grupo do artesanato do fiapo, quando perguntei se eles sofrem discriminação e como se sentem ao fazer parte de um grupo de artesanato composto, em sua maioria, por mulheres:

  • – Aqui na comunidade, os homens sempre fizeram a rede, mas não rasgava o

    fiapo, que é coisa de mulher. Hoje, você já vê o homem numa ponta e a mulher na outra

    rasgando o fiapo. Agora quem dava o acabamento, o punho, era a mulher o homem só fazia o

    corpo da rede. O homem é trabalho pesado e o levezinho era coisa de mulher. Eles iam pra

    roça trabalhar e a mulher ficava rasgando o fiapo, não é coisa muito fácil, não é coisa de

    homem, mas hoje já é tudo igual. (Carla, Grupo Focal da Comunidade Bariri, 2013).
  • – Eu não ligo pra isso, cada qual leva sua vida como quer, eu não sou contra,

    não, quem é do outro lado, jamais eu vou ser [homossexual]. Eu espero que as pessoas abra

    a mente, às vezes, as pessoas que nunca saíram pra ver o mundo, pra ver as coisas com outra

    visão, aí fala que isso aqui, “eu não vou fazer porque é de mulher fazer”. Antigamente, você

    não via uma mulher mandando no país, hoje estamos vendo [presidenta Dilma Roussef],

    então, o cara tem que acordar; você não via uma mulher ganhar mais que um homem, hoje

  

que ele ganhava. A gente tem que acompanhar os ritmos, nem todos os ritmos... A gente tem

que dividir as tarefas, vamos dizer que 78%, em casa, mas mulher manda demais. (Pedro,

  Grupo Focal da Comunidade Bariri, 2013).

  As mulheres do grupo do artesanato do fiapo também falam das relações de gênero no grupo e em casa:

  • – Hoje, antes de começar a trabalhar, eles se combinam o que primeiro vai fazer,

    se vai limpar o galpão. Homens e mulheres no grupo trabalham igual. Apesar de ter nove

    mulheres e dois homens, na hora de varrer, passar pano, não tem isso aqui não, homem tem

    que fazer, é pra trabalhar todo mundo. (Regina, Grupo Focal da Comunidade Bariri, 2013).

  A outra mulher diz que, em casa, na divisão do trabalho doméstico, as coisas não mudaram:

  • Eu tenho que acordar e deixar tudo prontinho, porque se não, eu chego meio

  

dia e não tem. Tenho que deixar pronto. É difícil ele fazer, só assim, ele não critica não, eu

vi

m. Ele me incentiva até eu vim, mas eu tenho que fazer tudo antes. “Você não sabia que ia

sair porque você não fez? Faça antes, porque você sabia que ia sair”. (Penha, Grupo Focal

  da Comunidade Bariri, 2013).

  Também no Grupo Focal da Comunidade Baixa da Roça, as mulheres e os homens falam das divisões de tarefas e não parece ter havido mudanças:

  • Eu trabalho mais no doce e ele nas coisas mais pesadas do quintal, mas eu

  

ajudo a ele. No início, ele não acreditava, a gente só levava pra vender 10 olhos de coentro;

aí, ele foi vendo e foi gostando e foi crescendo mais. A gente não cresceu mais por causa da

  [falta de] água. (Clara, Grupo Focal da Comunidade Baixa da Roça, 2013).

  • – Quem ajeita os quintais e as galinhas sou eu, a mulher não tem jeito. Ela já tem

    as tarefas dela, não é por ruindade, não. Cuida dos meninos e da casa. Eu já cuido da roça,

  (Marcos, do quintal e das galinhas também. Ela participa do grupo e faz o doce também. Grupo Focal da Comunidade Baixa da Roça, 2013).

  São evidentes as desvantagens de gênero vivenciadas por essas mulheres, como também por outras mulheres em todo o mundo, ao considerarmos gênero como uma categoria na análise de uma série de desigualdades que atravessam a vida de homens e mulheres, enquanto relações de poder, principalmente quando se cruzam simultaneamente dimensões como classe, raça/etnia, idade/geração e regionalidade, entendendo-as como eixos fundantes da vida dos sujeitos sociais, e estas dimensões vão ganhar maior ou menor relevância a depender das formações histórico-culturais da comunidade em que os sujeitos se inserem. A reconhecimento de que a identidade de gênero é uma variável cultural e socialmente construída sobre os papéis próprios aos homens e às mulheres (SCOTT, 1995).

  Apesar de pequenos, já percebemos alguns sinais de desconstrução dos padrões de comportamentos de menina e de menino estabelecidos ao longo de suas vidas, ao tentar desconstruir esta relação de dominação masculina que reside dentro da unidade doméstica, mas, também, em lugares de elaboração e de imposição de princípios de dominação, como a Escola, o Estado ou a Religião, principalmente ao se conscientizarem que podem transformar o estado atual da relação de forças material e simbólica entre os sexos. E as crianças e os jovens (homens e mulheres), na zona rural, são a esperança para a desconstrução dos padrões, pois o acesso à escola, a algumas tecnologias, à mídia e às informações propicia questionamentos e esperança de que realmente já há e haverá mudanças, desconstruções e reconstruções de relações de gênero igualitárias.

  Um projeto de desenvolvimento rural como o PGV deve ter o compromisso de promover ainda mais atividades e ações que discutam as desigualdades, as causas e as consequências que atingem as crianças pobres da zona rural e, principalmente, as mulheres, especificamente as negras, índias, pobres e jovens da área rural. No depoimento de Maria das Dores, percebe-se que participar do Projeto contribuiu para as efetivas mudanças nas relações de gênero na sua vida e de seu filho:

  • – Contribuiu, mas eu acredito que a mulher, pra ela conseguir ser casada, ter

    filho e estudar, porque eu estudava casada, eu estudava, porque eu queria mesmo. Eu ia

  [como uma teima]. Eu sempre respeito; a gente conversava quando eu

  estudar, e ia estudar

tava casada, a gente conversava, se tivesse reclamação eu batia de frente, eu antenava e até

hoje é o que eu digo: a mulher, a gente é mulher, tem que respeitar sim, mas tem que ter o

respeito da outra parte. Se tem que estudar, o mundo que a gente está hoje, tem que fazer é

ficar mais informada e, hoje, eu ainda quero estudar, quero fazer faculdade ainda. Eu sinto

que o meu filho também me respeita por essa questão: quando eu pego um livro, ele pega

outro, quando eu tô escrevendo, ele quer ler o que eu estou escrevendo, quando eu pego

qualquer coisa, se for um caderno novo ele sempre quer escrever, pega meu caderno, pega

tudo, eu acho que por eu ter estudado e passar pra ele a importância do estudo, eu acredito

que ele vai continuar estudando, que ele sabe que eu gosto de estudar, e pra ele se preparar

  (Maria das Dores, pro mundo, eu acho que eu contribuo muito pra isso, dando a minha força. 31 anos).

  Em sua luta diária para estudar e aprender, Maria das Dores busca cunhar seu está submetida. Ela vem escrevendo sua história pessoal com muita dificuldade, vem lutando contra este poder hegemônico da ordem de gênero patriarcal. Sua luta pessoal fortalece sua participação política e estimula o desafio da luta coletiva na perspectiva de mudanças nas relações de gênero, raça e de classe, na sua vida e na das mulheres que ainda se encontram em condições de vulnerabilidade, para que não permaneçam nesta condição como um destino social natural.

  As associações e grupos buscam, com dificuldade, articular ações coletivas, internamente, na própria organização, e também têm tentado acessar recursos governamentais e na própria comunidade. Ressalta-se que, neste nível de empoderamento comunitário, estes sujeitos individuais e coletivos, apesar de demonstrarem relações mais horizontais e de união entre eles, vivem também disputas de interesses, discussões, tensões e conflitos por causa de recursos. É o que se observa na fala de Maria Amélia, quando pergunto se mudou algo na vida das mulheres que participaram das atividades do Projeto.

  • Mulher, começaram a costura, mas eu mesma só fui dois dias, além da

  

distância, não tinha onde colocar as máquinas direito. Aí ficava um pouquinho aqui [na

  comunidade] outro pouquinho acolá [na outra comunidade], e para formar um grupo tem que

  

ser tudo num lugar só. Também, teve umas demandas de umas pessoas e eu me afastei. [...]

as máquinas vieram todas, tem até a máquina de estampa, estão todas aí. Tenho certeza que

ia à frente, é que o caso, é que o grupo se desuniram. [...] a gente está no grupo, uma quer de

um jeito outras querem de outro, não tem aquele acordo. Se nunca tiver um acordo nunca vai

pra frente. [...] Atrapalho foi das pessoas mesmas, que não se entenderam. Falta de

entendimento das pessoas. Ou alguém querendo passar a perna um no outro. É porque

sempre tem um que quer ser mais do que os outros, coisas que quando a gente está num

(Maria Amélia, 50 anos). grupo não pode ser.

  Maria Amélia continua falando das dificuldades e mostrando a disputa entre as mulheres do grupo de corte e costura das comunidades de Raso Pintado e Fazenda Pedrinhas, pela posse dos equipamentos e onde iriam ficar:

  • Eu percebi, além da dificuldade de ir também, outra coisa também, porque

  

ficaram tudo lá na outra comunidade, nada nessa daqui. Apesar que a gente foi quem

primeiro iniciou a formar a associação, mas ficou tudo prá lá. E a gente dizia: “Gente, pelo

amor de Deus, divide alguma coisa pra cá, porque fica só lá?”. Quando a gente queria trazer

alguma coisa pra cá, os de lá diziam: “Se for lá, eu não vou, se for pra lá, eu não vou”. “Aí a

gente é obrigado a sair de lá e vim pra cá, e vocês não podem ir para lá também, por quê?”.

  

Aí a gente já foi desgostando por causa disso, também. Falta de conscientização das pessoas.

  (Maria Amélia, 50 anos).

  Vejamos o que diz Maria da Paz, que faz parte do grupo da comunidade Fazenda Pedrinhas, sobre o grupo de corte e costura:

  • As outras, ficou naquela coisa “Eu já aprendi, não quero mais participar do

  

grupo, não”, algumas falaram por fora. É tanto que, aqui, o aluguel, eu acabei falando um

dia numa palestra que teve aqui ao CRAS se responsabilizou de pagar o aluguel, R$ 40,00

reais o aluguel dessa casa. Só que o cartão de energia, eu acabei brigando com o menino,

brigando é maneira de falar, pagando a energia. E fica tudo aqui e cuida tudo aqui, nada

disso me pertence, isso aqui pertence à associação, eu até falo para o pessoal, nada disso

aqui é da gente, a gente sabe disso, mas se a gente também abandonar a associação, pode

vim uma atuante [e] pode levar para onde quiserem se a gente correu atrás de tudo isso, a

gente tem que trabalhar por isso. (Maria da Paz, 32 anos).

  Nos depoimentos a seguir, verificamos as estratégias e ações coletivas de poder envolvendo os grupos e as associações através da articulação em rede com outras pessoas, organizações e movimentos sociais; na participação em instituições locais e ou regionais; e também na representação em conselhos municipais:

  • A associação percebeu que o grupo precisa de capital de giro. Eles produziram

  

50 almofadas no mês, para não ficar esse estoque aí sem movimento, a associação compra, aí

paga o artesão e depois a associação vai vender para tirar o capital. Porque têm vezes que

esse produto fica muito tempo estocado e eles ficam sem circular o dinheiro. Mas a almofada

não, o que fizer vende. Então, eles precisam do capital, a associação e o grupo precisa

organizar os dois para fazer parceria e ter tipo o capital de giro. Como se fosse uma

cooperativa. (Carla, Grupo Focal da Comunidade Bariri, 2013).

  • – A nossa cozinha é provisória, é uma área de reunião, aí a gente se reuniu para

    fechar o quarto que serve para reunião da Pastoral da Criança, da associação, vamos fazer?

    Com que dinheiro? Então, fiz um orçamento com as meninas: quanto custa, custa tanto, e

    para cada associado é x, tirando o telhado e as paredes do lado, tudo foi os associados.

    Essas outras coisas, fogão, o que tem na cozinha, foi os associados. (Clara, Grupo Focal da

    Comunidade Baixa da Roça, 2013).
  • – Eu, como sou diretora [a presidente Maria dos Prazeres], eu participo duas

    vezes no mês na sede com a diretoria executiva. A participação na Cooperacaju, eu vou pra

    reunião de um ou dois dias em Ribeira de Pombal e aqui na comunidade é uma vez por mês

  reuniões e encontros e se reúnem com outros municípios

  • Cícero Dantas, Banzaê e Novo

  Triunfo

  • e aproveitamos para vender doce lá. Eu participo do Conselho de Saúde de Novo

    Triunfo. E, o ano passado, do Conselho de Ação Social. E participamos da Igreja Católica.

  

Vendemos doces no tríduo. O padre apoia, compra doces e montou barraquinha para nós

vender na festa da igreja. Também participo do Conselho da igreja todo mês. (Maria dos

  Prazeres, Grupo Focal da Comunidade Baixa da Roça, 2013).

  Os grupos constroem seus caminhos independentes do Projeto Gente de Valor. Tecem parcerias dentro da comunidade e tentam construir outras na região. O grupo das mulheres dos doces, que fazem parte da Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça, constrói redes e parcerias com Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Novo Triunfo e de Cícero Dantas e tem conseguido acessar programas governamentais e projetos, como é o caso do Gente de Valor e da Fundação Banco do Brasil, que financiou a minifábrica de beneficiamento de castanha de caju. O grupo de mulheres dos doces elaborou um projeto para concorrer ao edital lançado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura (SEAGRI) em parceria com a Superintendência de Políticas para as Mulheres (SPM) e a Secretaria do Trabalho Emprego Renda e Esporte (SETRE). O projeto foi contemplado, conforme publicado no Diário Oficial do Estado, porém, até a data da realização do Grupo Focal, os recursos ainda não tinham sido depositados na conta da associação. Esse projeto visa a compra de rótulos, saquinhos plásticos e embalagens para os doces. Apesar de os recursos não terem chegado, as mulheres não ficaram esperando, pois não podiam perder a safra das frutas, continuaram o trabalho de beneficiamento e fabricação dos doces e conseguiram comprar os rótulos e as embalagens com o apoio do Projeto Gente de Valor, que contribuiu com uma parte destes recursos, mas a maior parte foi proveniente da solidariedade, mobilização e articulação delas com a associação e a comunidade. Nos depoimentos abaixo, observamos a construção da teia de articulações e parcerias:

  • Tivemos projetos da Fundação Banco do Brasil, Gente de Valor e agora

  

estamos aguardando o da SPM. O povo já tava querendo desistir dessa associação porque

não saía nem projeto. Aí foi que chegou o Gente de Valor com gosto de gás pra trabalhar

com as famílias, aí é que nós juntemos e conseguimos o que queremos. E ainda tem mais, não

para aqui, não. E com esse projeto das mulheres do beneficiamento dos doces estamos

esperando também recurso da Seagri que não saiu ainda. O pessoal da agricultura vem

fazendo reunião. Na comunidade, não existe um transporte para carregar as pessoas. A

  

trazer a jegue, a cavalo, então, nós tamos vendo isso aí. Até um trator para carregar e fazer

algumas atividades que ele possa fazer sem prejudicar o solo. Porque aqui, nós tamos na

areia e qualquer carro fica atolado e o trator não fica. Estamos lutando pra ver se a gente

consegue, estamos lutando porque não é assim, não. Não é fácil conseguir, estamos lutando

pra vê se consegue. (Maria dos Prazeres, Grupo Focal da Comunidade Baixa da Roça).

  • Com a Fundação Banco do Brasil, conseguimos a unidade, que não sabia para

  

onde ela ia [não tinham definido onde colocar a unidade] e, junto com o sindicato,

conseguimos trazer para a comunidade. E agora, tamos aí. Funcionamos ainda pouco porque

as famílias precisam ainda de um estudo. Porque eles têm o conhecimento de associativismo

e não cooperativismo. É um pouquinho diferente, é quase igual, mas não é igual, tem uma

coisa diferente. Então, eles não tão ainda aprendendo o que é esse negócio de

cooperativismo, mas nós tamos conseguindo com a Fundação e o SEBRAE, que vai fazer um

trabalho, que não fez ainda por estar fazendo por unidade, primeiro em Banzaê, este ano, e

em 2014, aqui. Também se o SEBRAE não ajudar, que ele tem muito conhecimento, se ele

não ajudar sobre cooperativismo, a gente vai ficar assim... a gente trabalha uma semana por

mês, aí é pouco. (Maria dos Prazeres, Grupo Focal da Comunidade Baixa da Roça).

  4.2 OUVINDO OS FACILITADORES NO PROCESSO DE EMPODERAMENTO Diferentemente das depoentes agricultoras, no caso dos técnicos, foi acordado com eles manter os seus próprios nomes. É muito importante, em projetos de desenvolvimento rural sustentável que incorporam o enfoque de gênero, a participação de profissionais, como agentes públicos, com sensibilidade para a temática das relações de gênero. Na perspectiva de poder reconstruir o olhar dos técnicos e da técnica do PGV, em relação à intervenção de gênero, fui ouvi-los através de entrevistas semiestruturadas.

  O primeiro, Geraldo Gomes Varjão, é engenheiro agrônomo, 48 anos, heterossexual, casado, duas filhas, se autodeclara negro, é natural do município de Macururé (BA) e assume o cargo de chefe do escritório de Cícero Dantas. O segundo técnico, Adailton Conceição Carneiro, é formado em pedagogia, 40 anos, heterossexual, casado, dois filhos (um menino e uma menina), se autodeclara de descendência indígena, natural do município de Ichu (BA) e assume o cargo de chefe do escritório de Jeremoabo. A única técnica entrevistada, Rejane Magalhães Borges Maia, 41 anos, heterossexual, casada, duas filhas e três enteados, se autodeclara como negra, apesar de, na certidão de nascimento, constar cor parda e as pessoas falarem que ela é de ascendência indígena; nasceu no município de Cruz das Almas (BA); assume a chefia do escritório de Ribeira do Pombal.

  Dentre as mudanças observadas na vida das mulheres agricultoras, confirmadas pelos grupos focais e pelos técnicos e técnica, destacam-se o aumento dos níveis de escolarização e a participação nas atividades produtivas geradoras de renda. Nas últimas décadas, observam-se mudanças mais amplas, como a diminuição do número de filhos, transformações de ordem demográfica e em aspectos relacionados à subjetividade das mulheres bem traduzidos pelo ideário em torno da “emancipação feminina”. Por outro lado, persiste uma divisão tradicional do trabalho doméstico que perpetua a sobrecarga das mulheres agricultoras, particularmente, em um momento em que cresce bastante a participação delas na produção agrícola como trabalhadoras remuneradas e, consequentemente, como provedoras das famílias.

  Vale lembrar que feministas no mundo inteiro passaram a lançar um olhar crítico sobre esta forma de inclusão das mulheres nos projetos de desenvolvimento e a apresentar a noção pela qual o desenvolvimento só garante democracia de gênero se houver uma inclusão das mulheres como protagonistas destes projetos além de uma decisão conscientemente tomada de transformar as desigualdades existentes no acesso aos recursos, à tomada de decisão e ao controle sobre os resultados das ações previstas nos projetos de desenvolvimento com mecanismos claros para atingir este objetivo.

  Mesmo em um universo relativamente pequeno de entrevistadas, há muitas histórias, diferentes trajetórias e possibilidades de viver a experiência de ser mulher, agricultora, mãe, artesã, professora, gestora, nos tempos de hoje. Este é um grande desafio para essas mulheres agricultoras, nordestinas, de baixa renda, de pouca escolaridade, formadas culturalmente para serem do lar, subordinadas aos seus pais e maridos.

  A proposta de intervenção do Projeto Gente de Valor era uma proposta de desenvolvimento rural que incluía um conjunto de melhorias econômicas, culturais, ambientais, sociais e políticas, para o campo, das quais as populações envolvidas seriam protagonistas e teriam o apoio dos agentes de Extensão Rural (técnicos e técnicas). O enfoque de gênero está no objetivo geral: “melhorar as condições sociais e econômicas das comunidades rurais pobres, através do desenvolvimento social e econômico, ambientalmente

  72

  , 2008, p. 1 sustentável, com equidade de gênero” (MOP 7). O “ambientalmente sustentável” estava diretamente relacionado a promover a construção do desenvolvimento rural com base

  72 nos princípios da Agroecologia. Esta escolha demandava um maior conhecimento teórico sobre vários conceitos e práticas metodológicas diferentes das realizadas na Extensão Rural

  73

  tradicional (difusionista) , que cumpria o papel de difundir tecnologias intensivas e preconizava uma agricultura baseada na monocultura, na exportação e no consumo de “pacotes” da Revolução Verde que vinha sendo executada pelo Estado.

  Portanto, executar essa proposta dentro da estrutura do Estado era e é um grande desafio, por exigir mudanças, também, nas ações de Assistência Técnica e Extensão Rural, por seu caráter social com forte conteúdo de mobilização e organização, por usar metodologias participativas, valorizar os saberes dos agricultores e agricultoras, trabalhar com enfoque de gênero, respeitar as diferenças culturais, buscar a inclusão das mulheres e o fortalecimento da agricultura familiar.

  A dimensão social que foi trabalhada no Projeto abrange as dimensões produtiva e econômica e a forma como se organiza esta produção. Entendo, como Emma Siliprandi, que os processos de organização social são fundamentais para a extensão rural agroecológica no seu fazer produtivo, que valoriza a forma como se organizam os grupos sociais e a sua vida comunitária, e no qual

  [...] o social não se restringe ao ‘assistencial’; aquele outro ‘social’ (saúde, educação, lazer, cultura etc.), que de certa forma sempre foi enfocado nas ações concretas da extensão, se for colocado em uma perspectiva estratégica de construção de sujeitos sociais autônomos, e livre do difusionismo em todos os seus matizes, passa a ser uma dimensão fundamental para uma proposta de Extensão Rural Agroecológica (2002, p. 40).

  Essa proposta de Extensão Rural Agroecológica exigia dos profissionais de campo não só concordância com o discurso do Projeto, mas o rompimento com uma antiga prática e postura, uma vez que estes trazem consigo valores e visões de mundo marcadas pela ideia do difusionismo e da transmissão unilateral de conhecimentos, o que demanda dos profissionais contratados maior conhecimento, qualificação e compromisso para desenvolver o Projeto no campo.

  Vejamos, agora, alguns depoimentos de técnicos sobre a questão da proposta de extensão rural agroecológica:

  • – [...] eu sinto que foi uma limitação minha e o projeto acaba tendo essa

    limitação por estar com profissionais que não tinham tanta qualificação nessa formação. [...]

73 O modelo de extensão rural oficial no Brasil cumpriu com o propósito de difundir tecnologias

  intensivas em capital e constituir-se em importante aporte a um modelo de desenvolvimento

  

Então, eu acho, para estar no Projeto Gente de Valor, um projeto com esse perfil, a gente

precisa ter experiências em todas essas temáticas que o projeto traz inclusive o da

agroecologia, que eu acho fundamental porque a gente está acompanhando todos os grupos

(Adailton, Jeremoabo, 2013). de produção.

  • – [...] eu vim do MPA [Movimento dos Pequenos Agricultores] e dentro a gente

    tinha o plano camponês, que o MPA, a linha dele é dentro dessa questão da agroecologia e

    não somente do adubo, do veneno, não, tudo que envolve aquele mundo ali dos agricultores e

    das agricultoras nas comunidades. E quando eu entrei no MPA, também, a formação de

    agrônomo lá em Cruz das Almas não te dá essa visão; pra mim foi importante a ida pro

    MPA, por isso abriu minha mente para um outro lado, para um lado crítico do sistema que a

    gente aprende dentro da faculdade. Eu lembro que, no MPA, a gente teve oportunidade de

    estar conhecendo e fazendo algumas práticas também na linha agroecológica, de trabalhar

    essas questões de gênero, do uso da não agressão à natureza, enfim, tudo que é relações

    homem – plantamulher, tudo. (Geraldo, Cícero Dantas, 2013).

  Essa proposta exige a mudança do modelo em que esses profissionais foram formados, de agentes de uma concepção desenvolvimentista que quer impor à repetição, aos agricultores e agricultoras, um conhecimento e uma técnica prontos e tidos como únicos e melhores, para um novo modelo, o de “agente de desenvolvimento”, que deve passar a ser o facilitador de um processo de organização centrado na autonomia das comunidades.

  Antes de expor outros depoimentos dos técnicos e da técnica, torna-se necessário apresentar um perfil destes profissionais, assim, para um maior conhecimento dos agentes facilitadores entrevistados, o Quadro 3 apresenta algumas informações gerais sobre essa equipe.

  Os técnicos e a técnica do Projeto Gente de Valor têm um papel importante no processo de empoderamento, em especial, aqueles que vieram de uma militância dentro das organizações da sociedade civil. Enquanto agentes externos, funcionam como simples catalisadores iniciais no processo, já que a responsabilidade maior cabe aos sujeitos (as próprias mulheres). Sobre isto, afirma Romano:

  Não é algo que pode ser feito a alguém por uma outra pessoa. Os agentes de mudança externos podem ser necessários como catalizadores iniciais, mas o impulso do processo se explica pela extensão e a rapidez com que as pessoas e suas organizações se mudam a si mesmas. (2002, p. 6). Quadro 3

  • – Perfil dos técnicos e da técnica do Projeto Gente de Valor da Região Nordeste da Bahia Fonte: Pesquisa de campo – outubro a dezembro de 2013.

  NOME (fictício) Sexo Idade ( anos ) Cor Orientação Sexual Estado Civil N o Filhos Origem/ Município Religião Profissão Cargo no PGV/Responsável Escolaridade Adailton Conceição Carneiro M 40 Branco Heterossexual casado

  2 Rural Católico Pedagogo Chefe do Escritório de Jeremoabo Técnico do Componente Capital Humano e Social Superior

  Geraldo Gomes Vargão M 48 Negro Heterossexual casado

  2 Rural / Macururé Católico Engenheiro Agrônomo

  Chefe do Escritório de Cícero Dantas Técnico do Componente Produtivo e de Mercado Superior

  Rejane Magalhães Borges Maia F 41 Negra Heterossexual casada

  2 Urbana / Cruz das Almas Espírita Engenheira

  Agrônoma Chefe do Escritório de Ribeira do Pombal Técnica do Componente Produtivo e de Mercado Mestra Água e

  Solos (UFBA) Os profissionais com formação interdisciplinar devem atuar como catalisadores, facilitadores do processo de empoderamento das mulheres camponesas, incentivando sua participação em atividades que lhes proporcionam condições de mudanças em relação a sua consciência individual e coletiva e a conhecer seus direitos e capacidades. Desta forma, as pessoas e suas organizações podem construir sua própria autonomia e sua inclusão nas políticas sociais, tornando-se parte decisiva deste processo. Para os técnicos e a técnica assumirem este papel, era preciso entender a proposta de intervenção com enfoque de gênero do Projeto Gente de Valor. Na contratação dos profissionais que iriam trabalhar no projeto, havia como recomendação conhecer e já ter trabalhado com gênero. À pergunta se já haviam trabalhado antes com o enfoque de gênero, os dois técnicos e a técnica entrevistados, assim responderam:

  • No MPA, essa questão de gênero, também, eu acho que é muito parecido com o

  

projeto, você via muito falar disso, gênero, você tem que ter homens e mulheres. As próprias

pessoas dentro do movimento também não tinham essa discussão, não sabiam. Ah, tem um

projeto do MDA, e tem que vê essa questão de homem, mas era quantidade, eu via muito

quantidade. Tanto é que a equipe tinha que ter a mulher, ah, tem que ter, mas não é coisas

profundas. Como até hoje eu acho que também não é dentro do projeto [o PGV]. Tem muito

além disso aí, mas assim mesmo, você, como era também da equipe técnica e tinha aquele

item ali gênero, aí você despertava para entender e ler. (Geraldo, Cícero Dantas, 2013).

  • – Nunca trabalhei com gênero. Na verdade, eu nem sabia o que era gênero. Eu vim para esse projeto e quando eu entrei aqui eu via muito falar “precisamos falar nas

    relações de gênero”... Meu Deus, o que é isso? Gênero, a gente aprendia homem, mulher, na

    escola
  • meu Deus – homem, mulher, tá. Eu entrei no projeto sem entender nada, não tinha

  

ouvido falar de gênero, eu, na verdade, eu era uma mulher que reproduzia os papéis,

reproduzia essa questão muito forte do que é ser homem e o que é ser mulher, o que é pra

homem fazer, o que é pra mulher fazer. Eu tinha isso muito concreto na minha cabeça de

como era e, pra mim, para eu chegar aqui, foi um processo para eu desconstruir e entender

que eu também, enquanto mulher, eu podia. Eu cheguei aqui, eu era técnica também do

projeto e eu ficava, e tive muito conflito aqui no projeto, eu tive muita vontade de ir embora

várias vezes. Eu não entendia, eu não fui uma pessoa que veio de movimentos, de militância,

então, não tinha essa compreensão, eu não tinha essa visão crítica muito do mundo, eu vivia

muito no meu “mundo de Alice” e naquela vida que não era tão tranquila, mas que eu já

tinha aceitado que era pra mim, que era aquilo ali mesmo, que eu tinha que viver daquele

  

jeito mesmo e eu não tinha nenhuma visão do que era gênero quando eu cheguei aqui no

projeto, nenhuma. (Rejane, Ribeira do Pombal, 2013).

  • – Com a minha experiência posso dizer que não; eu tinha uma reflexão muito

    superficial, muito vaga. Acho que aprendi um pouco, queria que tivesse espaço para

    aprofundar mais. Acho, assim, o pouco que dialoguei contigo, em algumas atividades e

    materiais que foram socializados, acho que isso me ajudou, porque tento assim entender um

    pouco mais. Não estou dizendo que hoje eu tenho uma formação à altura que o projeto

    esperava em relação ao enfoque de gênero, acho que preciso muito, porque não tive uma

    formação específica. Eu ganhei muito com o projeto, até dialogando contigo pessoalmente,

    você contribuiu muito comigo até no nosso bate-papo, nas conversas de bastidores com

    outras pessoas também... detalhes que está tão impregnado que a gente já traz desde a nossa

    infância, da nossa criação. (Adailton, Jeremoabo, 2013).

  Pelos relatos, pode se perceber que um dos primeiros desafios para concretizar a proposta de equidade de gênero do Projeto é ter profissionais com sensibilidade, conhecimento e compreensão sobre o que é gênero e como trabalhar este enfoque no universo de desenvolvimento rural. Nos depoimentos, observa-se, depois desses anos da execução do projeto, o que eles entendem por gênero:

  • Eu entendo que gênero, acima de tudo, além de ser essa igualdade de

  

oportunidades pra ambos os sexos, eu entendo que, além disso, já fundamentado em alguns

matérias que eu cheguei a ler, eu entendo que é a capacidade, principalmente das mulheres,

de questionar o modelo que está aí, fazer as intervenções na sua estrutura, nos espaços

sociais, políticos, questionar esse modelo dentro do próprio espaço doméstico, debater mais,

dialogar [sobre] a relação com o esposo, com os filhos. Acho que, hoje, essa questão do

  • preconceito, a questão do machismo, a gente percebe que não é um, a questão só do homem entendeu?
  • , a gente sabe que a mulher sempre foi vítima do processo, mas tá muito forte a

  

mulher com essa carga e formação que ela recebe e acaba disseminando, eu diria, essa

formação machista nas meninas e nos meninos, a gente já cresce com essa cultura enraizada

  (Adailton, Jeremoabo, 2013).

  do machismo, isso é muito forte.

  • – Hoje eu tenho uma visão de gênero muito baseada pelo o que eu li, mais no

74 NEIM , que também me ajudou muito; na verdade, eu já fazia o trabalho, mas, na verdade,

  

eu ainda não tinha trazido pra dentro de mim, não percebia, como hoje eu percebo, quanto

74 O NEIM tem realizado, na modalidade de educação a distancia (EAD) cursos para o público

  externo à UFBA, dentre estes, o curso de Especialização em Gestão de Políticas Públicas em

  

que as mulheres sempre foram massacradas e fragilizadas; hoje eu percebo, muito

claramente, hoje eu tenho uma visão muito crítica. [...] Então, hoje, a gente está num país

que a gente tem uma mulher presidenta, mas, assim eu tenho o cuidado do olhar de gênero

sem ser muito feminista , porque também ela é uma mulher que está ali no poder, ela vai ser

criticada, ela é a melhor... não é isso, hoje eu entendo sobre gênero e relações, são

oportunidades iguais para homens e mulheres, sem limitações. [...] Eu ainda tenho, eu

trabalho muito em não colocar muito o feminismo, porque às vezes eu acho que fica muito

forte, eu não tenho nada contra as feministas, não, mas eu tenho muito esse cuidado de

não ficar no extremo. [...] Eu vivenciei essa coisa, eu aprendi como a sociedade prega, e

para eu desconstruir me deu um trabalho, imagina essas mulheres que ficaram anos naquele

massacre, pra você tentar desconstruir é problemático, mas hoje, as relações de gênero, eu

vejo muito assim gênero em relações de oportunidades pra homens e mulheres. Quando eu

cheguei no projeto, eu via muita oportunidade de acesso, de ter que ter uma mulher ali

dentro, hoje eu já tenho outro olhar, de ter uma mulher, mas que ela também tenha poderes,

que ela saiba tomar decisões, que ela tenha aquele olhar que ela também pode e também

percebo muito ainda, muitas limitações, maridos que se acham donos das mulheres, vejo

muitas coisas ainda que eu fico às vezes triste, poxa como é difícil desconstruir e como vai

ser difícil fazer com que essas mulheres, as filhas, não reproduzam os mesmos papéis, está

muito na reprodução... Então, eu acho que tem que trabalhar muito com a juventude, muito

com a educação, pra ir tentando desconstruir, porque, pra mim foi a educação que veio me

trazendo essa desconstrução, essa leitura, essa oportunidade de aprendizado, foi quem me

trouxe esse olhar de tentar desconstruir . (Rejane, Ribeira do Pombal, 2013).

  • – Gênero, pra definir assim em palavras eu não sei se conseguiria. Eu vou dar

    um exemplo que eu tento construir com minha companheira também, de um respeito mesmo,

    de uma relação entre seres, não de homem e de mulher e definir porque de homem e de

    mulher, mas de seres que tem que se respeitar o outro, assim em termo de vontade do que

    quer fazer, de não passar por cima do outro, de diálogo mesmo, de conversar, assim, como

    eu tento também fazer... Eu tenho duas filhas também, eu fico preocupado também com vai

    ser elas numa sociedade que eu conheci e que não mudou. Como será tentar que elas tenham

    uma mentalidade futura, quando tiver um companheiro, um homem ou uma mulher, que seja

    o que elas escolherem como companheiro? Que tenham isso, que procure o respeito de

    dialogar, que tenha o direito de pensar, de discutir com o outro, de não necessariamente ser

    uma imposição. Sem você impor o que você pensa sobre o outro, entendeu, você definir assim

  

pra mim, se resume nisso, no respeito, na questão de você não querer se impor sobre o outro.

  (Geraldo, Cícero Dantas, 2013).

  Os depoimentos mostram que as perspectivas de gênero e seus atores se entrecruzam. Percebe-se como é difícil para esses técnicos e técnica trabalhar a questão de gênero no cotidiano, sem primeiro desconstruir dentro de cada um deles e dela as questões culturais, familiares, religiosas e outras aprendidas ao longo de suas vidas. A equipe não conseguia pensar gênero dentro de uma lógica de relações em que tudo vai acontecendo de forma interconectada entre sexo, classe, raça, etnia, idade, geração, origem e orientação sexual. Esses agentes não conseguiam compreender a interseccionalidade dessas relações plurais e como sexo e gênero operam na realidade e aí se imbricam.

  Percebe-se, materializado nas palavras de Rejane, a técnica, um conceito de gênero na perspectiva de desenvolvimento puramente analítico, dissociado da política do feminismo. Por isto, apesar de Rejane estar em um processo de desconstrução de seus valores e crenças culturais, a sua abordagem de gênero, na prática, ainda enfatiza as divisões sexuais e a imposição de papéis masculinos e femininos e não desafia e questiona as relações de poder entre os sexos nem os modelos dominantes de desenvolvimento que fortalecem os privilégios masculinos e mantêm o surgimento dest es papéis. Acredito que o “medo” que esta técnica e outros técnicos têm do “feminismo” é, justamente, por este colocar em debate a separação entre o público e o privado, afirmando, ao longo de sua trajetória de luta, que “o pessoal é político” e, principalmente, pelo fato de contestar, social e politicamente, aspectos considerados incontestáveis: a sexualidade, a família, a divisão sexual do trabalho doméstico, entre outros (BUARQUE, 2003).

  Apesar das dificuldades enfrentadas por esses agentes públicos para desenvolver o Projeto, eles afirmam ser importante trabalhar a perspectiva de gênero em um projeto de desenvolvimento rural sustentável:

  • – Sem dúvida, mais do que importante é fundamental. Eu acho que o Gente de

    Valor serve, não é um modelo perfeito, mas serve como uma referência para um outro

    pro jeto. Eu fico pensando: “rapaz, que maravilha foi o Projeto Gente de Valor, no meio

    desse sertão nosso, nessa região semiárida, tão forte essa cultura machista, a concentração

    de poder, de poderes autoritários na própria comunidade, na associação, enfim no espaço

    familiar!”. Eu estava observando a oportunidade que o Gente de Valor deu, esse critério de

    equidade na participação. (Adailton, Jeremoabo, 2013).
  • Olha, antes, quando eu entrei, eu não tinha nenhuma visão dessa aí. Hoje, meu

  

trouxe mudanças significativas para minha vida enquanto mulher, trouxe mudanças assim

fantásticas tanto na minha mente, quanto no meu comportamento e, assim, chegou muito no

final, foi que eu vim mais compreender isso aí, e hoje esse projeto, eu nunca vi um projeto

com uma roupagem dessa, eu acho que até o Gavião que falam, eu acho que ele não trouxe,

ele quis trabalhar, mas não fez muita coisa o Gavião... O Gente de Valor, ele já trouxe essa

visão e tentou fazer essa desconstrução, mas ainda não foi total, ela ainda não conseguiu, é

preciso ainda muitos anos, muito tempo, aquela coisa muito da mulher. Tive também com

comunidades quilombolas e as comunidades normais de agricultoras familiares, eu tive muita

dificuldade, porque eu não entendia o que era pra eu fazer, então, a gente se limitou muito

naquele início [a] colocar só a participação, tem que ter mulher aqui, se a gente formasse um

conselho, tem que ter mulher, não trazia aquele olhar por que tinha que ter uma mulher ali.

Eu mesma, nos que a gente participou, aqui, que no início tinha a chefe de escritório, e eu a

equipe, era duas mulheres, eu não trouxe esse elemento porque que era a mulher, eu vim

  (Rejane, entender já muito quase já no final, e agora que vim trazer esse olhar de gênero. Ribeira do Pombal, 2013).

  • – Se for pra discutir, só pra colocar “tem que ter gênero”, como eu vinha falando

    antes, eu acho que é até melhor você não mexer, pra ser sincero. Porque, primeiro, eu não

    acho pra tratar dessa questão de gênero, ainda mais numa região semiárida como é a gente,

    com essa criação das questões dos coronéis, os papéis definidos muito mais das mulheres pra

    dentro de casa, você só chegar a gênero e você reunir o grupo de mulheres ali e não sair

    mais nada do que aquilo, dar umas máquinas de costura e dizer que está fazendo gênero, uns

    kits beneficiamento de frutas, “ah, tem gênero”, porque nós estamos atendendo às mulheres –

    entendeu
  • , convidar para umas reuniões e chega lá você nem considera também a opinião

    da mulher, mas a mulher está lá, então, é importante, porque estamos fazendo gênero...

  

Então, nesse termo aí, tinha que ser revisto, porque, outra crítica também, que eu tenho, não

deveria ser esse tal do transversal, teria que ser uma coisa obrigatório, ter pessoas ali

capacitadas mesmo para estar trabalhando de uma forma mais centrada, mais focada, um

momento ali, outro aqui, pra isso pra quilo ali... Se tiver que fazer, fazer mesmo, porque, pra

mim, isso é uma questão de justiça com as mulheres, pela história delas e, pra mim, é uma

questão de política pública do país. (Geraldo, Cícero Dantas, 2013).

  Os depoimentos desses profissionais mostram que, no início, o entendimento deles sobre “equidade de gênero” era apenas aumentar o número de mulheres que participavam das atividades. Depois, passou a ser importante que os grupos de mulheres se de frutas na busca de uma complementação da renda familiar. Os relatos mostram que, especificamente com relação à forma de tratar homens e mulheres, ainda se carrega uma tradição de trabalho no campo em que há uma segmentação baseada na divisão sexual do trabalho dominante, produtivo que, geralmente, está ligado aos homens e o reprodutivo às mulheres.

  Dentro do Projeto, as principais transformações que se verificaram nesse modelo foram, por um lado, uma preocupação em inserir as mulheres em todas as atividades produtivas e organizativas, porém, ainda reforçando a presença das mulheres nas atividades consideradas femininas como quintais, artesanato, beneficiamento de mandioca (beiju e biscoitos) e de frutas. Tradicionalmente, nas comunidades rurais, essas atividades ou tarefas ainda estão muito centradas no espaço doméstico e familiar, facilitando, assim, a participação das mulheres e se constituindo em uma atividade geradora de renda para elas. As mulheres não conseguiram ser maioria em atividades consideradas masculinas, como criação de caprino, ovino e de abelhas que, no semiárido, são consideradas atividades rentáveis, sendo um dos motivos principais para a concentração de homens nesta atividade.

  Segundo Lisboa (2007, p. 647), “o papel do educador [...] deve ser o de desvelar a realidade, juntamente com os sujeitos sociais, despertando a consciência e estimulando o desenvolvimento de lideranças muitas vezes ocultas”. Os entrevistados, em seus depoimentos, enquanto agentes facilitadores no processo de empoderamento, cumprem este papel quando falam das mulheres enquanto sujeitos sociais ao participarem das capacitações e de diversas atividades, trocarem informações, experimentarem sair do universo doméstico e conhecer outras dinâmicas de organização com contato com outras mulheres e homens e se perceberem como lideranças, levando-as a mudar, a querer continuar crescendo em conhecimentos e experiências. Assim, comentam sobre as mudanças:

  • – Percebo, acho que ainda falta muito porque desconstruir não é fácil, mas eu

    percebo muitas mudanças em mulheres que tomaram decisões. Eu tive ADS [Agente de

  Desenvolvimento Subterritorial] que deixou a família e foi embora porque vivia na violência,

  

marido batia nela e ela teve coragem de deixar tudo, ela já era uma menina meio militante,

mas o projeto deu muita força a ela, porque veio toda essa questão quando a gente ia pra o

  75

  76 IRPAA num encontro... Eu , que tinha aquela formação que trazia o “Vida Maria”

participei de alguns, eu não era do social, a gente tinha o social ainda nessa época e aquilo

75 Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada.

  76

É um filme de animação do diretor Márcio Ramos. O filme retrata a realidade da personagem

Maria José, da infância até a idade adulta, no sertão nordestino, uma repetição do passado da vida

  

ali traz muita coisa forte que mexe, e assim eu acho que os resultados vêm quando você pega

aquilo ali, traz pra você não só assistir

  • – e eu tive mulheres dentro de grupos que trabalham

    que mudaram, tiveram coragem de dar uma guinada porque a coragem não é pra todas, não.

    Não é todas que têm coragem, o agricultor me falou “todas são dependentes do marido”, e a

    gente trazer essa autonomia, trazer essa questão: “você deve estar aqui dentro do

    empreendimento também”. Hoje eu tenho empreendimento de mulheres indígenas que elas é

    que lideram e elas que vão tomar conta, não são homens, vão ser elas que vão administrar

    aquilo ali, é um desafio muito grande pra elas, que só ficava ali dentro de casa. Eu sinto

    nelas ainda um receio, querer se apegar no marido
  • – “como é aqui, a gente precisa!” [...] E a

    nossa resposta: “não, vocês podem, vai tomar a decisão no lugar deles!”. E é difícil pra

    elas tomarem a decisão, elas romperem os padrões culturais, também da indígena. Eu vejo

    avanços não é, não vou dizer que todas estão libertadas, que hoje está tudo maravilha, que

    hoje já se divide tarefas em casa, até porque eu mesma ainda não consegui trazer isso pra

    mim, divisão de tarefas, na minha casa, eu chego, eu é que lavo os pratos, eu é que vou pra

    cozinha, meu marido, ele acha que trabalhou lá no comércio, que ele saiu 5 horas da manhã,

    que ele está cansado; ele chega, e tem que deitar, e eu venho tentando desconstruir isso com

    ele “meu filho, venha me ajudar, me ajuda fazer isso aqui”; ele já está indo fazer uma

    coisinha, ele pelo menos já vai, porque não ia. (Rejane, Ribeira do Pombal, 2013).
  • – Na própria fala de homens e de mulheres eu já sinto, assim, que as coisas já

    começam a mudar, as pessoas já não são as mesmas, que mudou qualquer coisa ali, no

    comportamento, na visão; aqui, acolá, eu percebo numa reflexão. Já fico pensando que é

    efeito do processo, não do meu trabalho em si, mas do nosso trabalho enquanto equipe. E

    como educador que eu sou, também, eu percebo que o que a gente está fazendo é algo que

    fica e os frutos... é como árvores que a gente planta e ela germina, tem todo um processo até

    que ela possa dar frutos, então, assim, eu acho que a gente tem algumas plantas que estão

    germinando e algumas precisam desse cuidado para que esse processo não se atrofie
  • – temo

    muito por isso. Um projeto como esse é uma passagem na vida dessas pessoas, então, essa

    formação não garante que ela seja continuada, esse processo que se iniciou, então, as

    comunidades vão continuar fazendo seus processos, suas dinâmicas de organização de

    movimento, então, eu não tenho dúvidas que a gente vai colher muitos frutos do trabalho que

    nós temos feito, eu não digo só o que a gente trabalhou... Mas a gente percebe alguns sinais,

    por exemplo, eu fico muito feliz em ver alguém chegar e dizer que conseguiu sensibilizar um

    pai para algumas práticas [agroecológica] lá no campo, alguém trazer exemplo da relação

  

sinto que já é efeito do que nós fizemos e trabalhamos na comunidade, quando eu percebo

que as mulheres estão se encorajando e indo nos eventos fora, eu percebo que uma diretora

da associação em geral... há muita timidez, mas não é só da mulher, o homem também...

Aqui, hoje, tem uma predominância muito grande de homens, mas quando você vai para

tesouraria tem uma predominância enorme das mulheres, elas geralmente são as secretárias,

as tesoureiras e uma boa parte delas presidente também. Não há uma politização ainda,

aquela coisa de entender que ali é um espaço de poder, não há disputa ainda nas

comunidades [só com relação aos cargos de diretoria na associação], não tem bate chapa é

uma coisa muito assim de disponibilidade. Agora, no geral, a mulher sempre teve dificuldade

em sair, sempre foi mais reprimida, então, elas ainda assumem menos os cargos

considerados maior, mas eu percebo que os homens têm uma grande necessidade de contar

com a presença da mulher. (Adailton, Jeremoabo, 2013).

  • – Sem dúvida, todas, não, algumas, a gente vê muito isso, também a ter mais

    iniciativa em resolver as coisas, de ficar mais à frente, de opinar na hora da reunião, de

    confrontar a gente do escritório, elas confrontam também, de não concordar, mas sempre

    geralmente uma, mas muitas mais em volta, mas você já sente que aquela que está ali pelo

    menos ela tem um poder ali, e como na maioria era elas também, elas enxergaram isso e se

    apoderaram também. Eu não sei como seria se a gente tivesse a participação balanceada

    com homens e mulheres. Se a gente tinha conseguido que essa mulher se sobressaísse como

    algumas por aí. Por isso que eu digo, se tivesse mais mesclado homens e mulheres, tivesse

    realmente, e comparar, se a gente for analisar, a gente conseguiu: a maioria é mulher, mas

    foi mais pelas atividades que as mulheres chegaram mais, e como era mais e tinha homem

    ali, mas lógico que elas conseguiram o domínio. Pra mim não é um domínio completo, é

    meio, não existia os confrontos mesmo, eu queria ver se elas teriam coragem de confrontar o

    homem que estava ali, dizer se tivesse um número maior. Eu acho que foi mais por isso, pelas

    atividades, então, os homens se afastaram um pouco, as mulheres vinham mais. (Geraldo,

    Cícero Dantas, 2013).

  Nos três depoimentos, pode-se perceber a concordância em relação às mudanças internas ocorridas com as mulheres, algumas já se expressam falando no grupo sobre suas opiniões e já demonstram capacidade de fazer suas próprias escolhas. Também concordam que não são todas as mulheres que estão nesse processo de mudanças, porém, a questão trazida no depoimento do Geraldo aborda, a partir da experiência do seu contexto de atuação, o fato de que as mulheres tiveram um maior domínio dentro das atividades do Projeto. atividades propostas pelo Projeto. Realmente, o escritório de Cícero Dantas desenvolveu atividades como quintais e beneficiamento de frutas, atividades de interesse e de presença maior de mulheres. Estas atividades possibilitaram às mulheres a vivência do processo de empoderamento intrapessoal na medida em que elas se sentiram valorizadas e perceberam que tinham mais oportunidades e recursos para agir sem ter constrangimentos e limitações. Acredito que a participação dos homens, na área de atuação do escritório de Cícero Dantas, fosse maior se o Projeto tivesse aportado recursos para atividades de criação de animais (gado, ovelha, cabra) e também apicultura, aí sim, teria mais conflitos e disputas entre os homens e também entre as mulheres e os homens, pelos recursos e pela condução das atividades, já que são atividades mais rentáveis. Porém, não se pode afirmar que as mulheres se empoderariam mais ou menos, se houvesse um número maior de homens, dentro do grupo ou da associação, disputando pelo poder decisório, já que o empoderamento intrapessoal é uma variável dependente de fatores externos e do comportamento individual. Talvez alguma mulher tenha deixado de participar, diante das dificuldades, por estar ainda em um grau de empoderamento pessoal menor que outras e por não ter consciência de sua própria habilidade e quais seus reais interesses dentro do grupo.

  No PGV, em alguns momentos do processo, os agentes públicos (os técnicos e a técnica) agiram para o desempoderamento das mulheres agricultoras, mesmo que inconscientemente, quando não ouviram suas demandas e suas reais preocupações, ou quando as incentivaram a participar de atividades e processos de “fachada”, apenas para constar a presença das mulheres (ex.: curso de pedreiras, atividades de ovinocaprinocultura, de apicultura), nos quais as definições e decisões já estavam previamente tomadas e as ações efetivas das mulheres não iriam mudá-las nem influenciá-las.

  Horochovski (2006, p. 8) afirma que “os agentes públicos jogam um papel no processo, agindo mesmo que inconscientemente, para o desempoderamento, quando não dão créditos às preocupações dos cidadãos [...]”. Alguns dos profissionais do Projeto, agentes públicos, agiram, alguns conscientemente e outros inconscientemente, para o desempoderamento das mulheres e de suas organizações, uns por falta de competência ou por não acreditarem na proposta do Projeto ou por questões ideológicas. Os agentes que assumiram seu papel com compromisso e consciência perceberam sementes de empoderamento porque, apesar dos problemas, as mulheres estão dando respostas, estão se unindo nos grupos e construindo estratégias de ação coletiva na perspectiva de continuidade. Nos depoimentos, pode-se constatar que esse processo de empoderamento é dialético,

  empreendimentos e pensar pela sua própria cabeça. Vejamos o que dizem os agentes facilitadores, quando questionados se as mulheres estariam preparadas para exercer sua capacidade de escolha com seu próprio pensar:

  • – Ainda não é tanto, não, porque quando chegam em casa têm as questões dos

    companheiros que trava ainda, que bloqueia... Eu já percebo que elas têm vontade, eu já

    percebo nelas muita vontade de ir, mas têm as pedrinhas [que] estão lá, que elas ainda não

    conseguem tirar e não conseguem trabalhar a pedra
  • – “eu não consigo tirar as pedras que eu

    tenho, mas eu estou tentando intemperisar”. Isso precisa de anos, que talvez eu nem consiga

    nessa encarnação. Eu não vejo elas assim totalmente, mas eu vejo algumas, empoderadas,

    que eu sei que se entende enquanto mulher, essas últimas aí dos focos... Mesmo que eu fique

  (Rejane, Ribeira mais, eu já estava entendendo mais o processo, eu mexo mais um pouquinho. do Pombal, 2013).

  • – Sim, em alguns casos, sim. [...] Percebo habilidades para determinadas funções

    na comunidade Canabrava. Por exemplo, eu admiro muito a tesoureira, lá, uma pessoa ativa,

    sempre ali presente, sabe, ela consegue dar conta do recado como tesoureira da associação.

    Hoje ela consegue desenvolver a função dela, hoje, com uma certa desenvoltura que eu

    percebo, que isso, o projeto contribuiu muito nesse processo aí de formação. [...] Eu acho

    que ainda, o processo é muito lento, eu já espero alguma coisa delas e percebo também

    agora, acho ainda muito pouco tempo pra elas chegar neste ponto de só tomar grandes

    decisões. Por exemplo: esses dias, em uma visita que fiz a um subterritório, aí, as mulheres

    levantaram uma demanda que a gente já vê, mas por conta da estiagem tem que dar um

    tempo, foi a questão da negociação aqui das mulheres de Jeremoabo, aqui, dos quintais

    produtivos e que fazem parte das comissões gestoras dos kits feiras das barracas. Então, as

    mulheres de Ribeirinhos levantaram, e a gente mobilizou também outros subterritórios e elas

    vieram pra cá fizeram uma reunião entre elas para definir a demanda, e já tiveram uma nova

    audiência com a prefeitura, eu só acompanhei, elas que deram o recado delas e negociaram

    os espaços para guarda dos equipamentos aqui na cidade. Elas falaram para a prefeitura que

    não tinham condições de todo dia trazer e voltar para a comunidade, ficava muito caro,

    muito trabalhoso, e conseguiram, tem um lugar aí provisório que está aí guardando, começou

    a semana passada, sábado passado. E conseguiram um local, um espaço na feira, só

    padronizada e financiadas pelo Gente de Valor, para atender todas as nossas comunidades.

    [...] É muito tímida ainda, falar em empoderamento, eu acho ainda muito tímido, apesar que

    eu percebo avanços do tempo que eu estou aqui. Já percebo algumas mulheres que, a partir

  

despertando mais para essa questão de seu valor próprio enquanto mulher e enquanto

comunidade. Eu já percebo mulheres se levantando mais, usando mais a voz, argumentando

mais, eu já percebo isso. E eu acho as mulheres mais danadas, eu acho que elas participam

mais, estão mais presentes, elas correspondem mais, e acho que quando a gente sensibiliza,

qualquer processo de sensibilização, elas respondem. (Adailton, Jeremoabo, 2013).

  • – A desvantagem que eu te falei de não ter tanto homem presente nos grupos de

    interesse, agora, pra mim, é a grande vantagem, porque elas, de alguma forma, se

    empoderaram, em alguns casos, não digo todas, elas não vão deixar de perder esse

    empoderamento que elas tiveram e, pelo o que a gente vê aí, alguns grupos, não todos, se a

    gente enquanto equipe incentiva elas [a] procurarem outras alternativas, elas se

    identificaram, elas têm expectativas, não em termo financeiro, de mudar tanto, mas elas

    estavam lá no corte e costura, no beneficiamento de frutas, porque, antes, elas ficavam em

    casa, então, e hoje, eu estou aqui, eu converso com minhas colegas, a gente está produzindo,

    a gente está tentando vender. A gente já sente esse lado social que tirou a mulher daquele

    esquema de dentro de casa para um espaço onde discute as coisas. Eu estava observando

    aquele grupo que você foi visitar e elas estavam lá, que elas pegaram a encomenda de um

    suco e eu fiquei um pouco mais e vi que quando elas estavam trabalhando, elas estavam lá

    discutindo, até que surgiu aquele problema da condução escolar e elas estavam discutindo

    isso da forma delas, mesmo sem saber o como fazer, com os medos. Uma senhora estava com

    medo da reação do marido se soubesse do problema que estava ocorrendo lá. A outra, cuidar

    da filha pra filha não dar um sorriso para uma determinada pessoa que estava causando um

    problema, mas ainda não tinha essa iniciativa de ir lá e resolver, mas, estavam discutindo

    trabalhando numa atividade e, ao mesmo tempo, discutindo uma coisa delas e discutindo e

    (Geraldo, Cícero Dantas, 2013).

  tentando da forma delas resolverem seus problemas.

  Por tudo que foi discutido, percebe-se que o processo de empoderamento das mulheres agricultoras e também dos homens agricultores é uma semente plantada. E, diante das conquistas obtidas por algumas destas mulheres, sente-se que esta semente germinou e vem crescendo, através da busca por seus direitos, com consciência de seu pertencimento ao grupo e à comunidade, com uma representação ativa e qualificada de algumas destas mulheres nos conselhos municipais, mesmo não tendo passado por nenhum processo de preparação ou capacitação. Percebo este crescimento quando conseguem elaborar projetos em busca de recursos governamentais existentes para viabilizar seus empreendimentos produtivos, quando conseguem se articular em redes com outras comunidades, organizações e movimentos

  Pretende-se, nos próximos capítulos, dar voz a algumas destas mulheres, ouvir suas histórias de vida e, a partir de suas trajetórias e experiências, perceber com mais detalhes, em uma perspectiva do sujeito, o processo de empoderamento, observar os níveis de empoderamento individual, organizacional e de comunidade e perceber a sua articulação enquanto uma variável dependente das singularidades de cada contexto.

5 TRAJETÓRIAS E EXPERIÊNCIAS DAS MULHERES AGRICULTORAS

  Antes da discussão sobre as trajetórias e experiências das dez mulheres agricultoras entrevistadas, do Projeto Gente de Valor, faz-se necessário retomar algumas categorias de análise, que considero importantes e mesmo fundamentais para um melhor entendimento da reflexão que pretendo desenvolver neste capítulo.

  A categoria “gênero” é uma delas, importante para entender as relações sociais, de modo geral e, em especial, as relações de poder entre os homens e mulheres, entre homens e homens e entre mulheres e mulheres. Assim como gênero, reconheço “classe social”, “raça/etnia” e “idade/geração” como categorias relacionais de análises que contribuem para a compreensão das questões atinentes a esta temática e a sua interseccionalidade com gênero e outras categorias. Geração e idade são dimensões fundantes da vida social, além de gênero, classe, e raça/etnia, o que implica em reconhecer a necessidade de pensar estas dimensões de forma articulada e relacional nas trajetórias e experiências dos sujeitos, individual e coletivamente, estudados.

  Pretende-se dar voz às mulheres, apresentar suas histórias de vida e, a partir de suas trajetórias da vida cotidiana e das experiências por elas vividas ao exercerem as atividades domésticas, organizativas e produtivas em suas comunidades, perceber como se deu ou não o processo de empoderamento. No confronto de elementos teóricos com a experiência concreta dessas mulheres agricultoras, pretende-se enriquecer o debate sobre como a questão de gênero interfere na organização social dos espaços público e privado e levar a pensar nos valores e contravalores que estão associados a cada uma das designações atribuídas aos homens e às mulheres na sociedade contemporânea.

  5.1 GÊNERO E A INTERSECCIONALIDADE COM OUTRAS CATEGORIAS Os relatos das mulheres entrevistadas trazem elementos relevantes para a discussão das dinâmicas das relações de gênero, classe, raça e geração: a infância na zona rural, a dificuldade para iniciar os estudos, a condição econômica e social, a discriminação racial, a relação com os pais e maridos, a participação em grupos produtivos e na associação. As histórias de vida são ricas de intersecções destas categorias que permitem analisar uma infinidade de intercruzamentos e esta articulação e sua dinâmica nos possibilitam compreender a vida social dessas mulheres agricultoras, permitem a identificação das relações opressões de raça, classe e gênero, mas, inicialmente, precisam ser analisadas no seu entrelace e na sua potencialidade de se interceptarem, como expressa Crenshaw em sua discussão sobre o conceito de interseccionalidade:

  A interseccionalidade é uma conceituação do problema que busca capturar as conseqüências estruturais e dinâmicas da interação entre dois ou mais eixos da subordinação. Ela trata especificamente da forma pela qual o racismo, o patriarcalismo, a opressão de classe e outros sistemas discriminatórios criam desigualdades básicas que estruturam as posições relativas de mulheres, raças, etnias, classes e outras. Além disso, a interseccionalidade trata da forma como ações e políticas específicas geram opressões que fluem ao longo de tais eixos, constituindo aspectos dinâmicos ou ativos do desempoderamento. (2002, p. 177).

  Esse conceito é importante como uma ferramenta analítica para nos ajudar a compreender as formas de interação dessas múltiplas discriminações que marcaram as trajetórias e as experiências de vida das mulheres agricultoras pesquisadas. A noção de interseccionalidade possibilita entender como estas opressões operam e se estruturam dentro de uma “matriz de dominação”, na medida em que esclarece as maneiras como estas opressões interseccionais de gênero, classe, raça, etnias, geração, regionalidade e outras, ocorrem nas instituições sociais, como, por exemplo, na família e na associação comunitária, pensando no caso das mulheres agricultoras.

  Scott (1995) define gênero como categoria analítica usada para designar as relações sociais entre os sexos e identificar as igualdades, as desigualdades e as diferenças existentes entre eles, o que nos ajuda no conhecimento das dimensões plurais e fundamentais da vida das mulheres agricultoras pesquisadas. O estudo de gênero possibilita uma releitura das explicações correntes, que atribuem a homens e mulheres lugares diferenciados no mundo, diferenças estas atravessadas e constituídas por relações de poder que irão conferir, historicamente, uma posição dominante ao homem. Também nos possibilita observar as mudanças na organização nas relações sociais ocorridas entre os homens e as mulheres, nas famílias e nas associações parceiras do PGV. Baseando-se nas diferenças percebidas entre os sexos, mostra como os sujeitos sociais estão sendo constituídos, cotidianamente, por um conjunto de significados impregnados de símbolos culturais, conceitos normativos, institucionalidades e a identidade subjetiva (SCOTT, 1995, p. 86).

  A despeito da importância da categoria ontológica gênero para o entendimento da realidade desses grupos e contextos sociais, como é o das mulheres agricultoras, outras categorias relacionais, além de gênero, têm igual importância e, entre estas, destaca-se a de classe social, como uma categoria sobre-determinante. Analiticamente, a dimensão de classe é valiosa para entender o funcionamento de uma sociedade capitalista como a nossa e imprescindível para que possamos entender como a vida dos sujeitos é marcada pela sua relação objetiva com o mundo da produção. Pensar na desigualdade de classe implica em pensar na desigualdade de gênero, uma vez que ambas se imbricam.

  A exploração das mulheres, na atualidade, se dá dentro de uma estrutura de classe marcada por severas desigualdades entre as mulheres, entre os homens e entre mulheres e homens. Além de gênero e classe social, outra categoria relacional importante para nossa análise, na trajetória de algumas destas mulheres agricultoras, é raça/etnia, importante para entender a interação entre desigualdades raciais, econômicas, sociais e as relacionadas a gênero. São dimensões fundamentais para evidenciar a importância do reconhecimento das diversidades de raça que diferenciam as mulheres e se intersectam com outras identidades e como essas intersecções contribuem para a vulnerabilidade alimentar, trabalhista, educacional, habitacional e da vida privada das mulheres agricultoras e de seu grupo familiar.

  Este contexto nos reporta à discussão levantada por Crenshaw (2002, p. 176) sobre “a discriminação interseccional difícil de ser identificada em contextos onde forças econômicas, culturais e sociais moldam o pano de fundo de forma a colocar as mulheres em uma posição onde acabam sendo afetadas por outros sistemas de s ubordinação”. As mulheres agricultoras foram e continuam sendo vítimas de uma sociedade desigual, não só por serem mulheres. Também por serem, em muitos casos, pobres, negras, rurais são colocadas em um lugar de inferioridade social no qual são mantidas, como se sua condição e posição fossem o resultado imutável ou natural da vida e não tivesse por detrás todo um aparato social hegemônico e opressor, muitas vezes invisível. É evidente que as características de raça e sexo das nossas entrevistadas trazem consigo sua origem, modos de agir, pensar e sentir específicos, que se manifestam em traços físicos marcantes de seu grupo racial e indicativos de seu lugar social.

  Na trajetória das mulheres entrevistadas apresentadas a seguir, fica evidente que a estrutura e a ação do pensamento patriarcal e conservador, discrimina, dificulta e inviabiliza as lutas e conquistas profissionais das mulheres. Muitas como elas também enfrentam o racismo imbricado com o sexismo. Colette Guillaumin (1994) diz que o reconhecido parentesco entre racismo e sexismo repousa, em primeira análise, em analogias evidentes entre eles. O desprezo com que são considerados as raças não brancas e o sexo fêmea,

  • – a inferioridade social em que uma e outro são mantidos pela divisão social do trabalho vigente,
vida das mulheres agricultoras e também das mulheres de suas famílias. Luiza Bairros sinaliza que apesar de as mulheres passarem pela mesma opressão sexista, racista e de classe, elas experimentam e vivenciam a opressão de maneira diferente, dependendo da posição que elas ocupam na matriz de dominação:

  A experiência de opressão sexista é dada pela posição que ocupamos numa matriz de dominação onde raça, gênero e classe social interceptam-se em diferentes pontos. Assim, uma mulher negra trabalhadora não é triplamente oprimida ou mais oprimida que uma mulher branca na mesma classe social, mas experimenta a opressão a partir de um lugar, que proporciona um ponto de vista diferente sobre o que é ser mulher numa sociedade desigual, racista e sexista (1995, p. 459).

  Essa reflexão nos leva a entender que os pertencimentos dos sujeitos podem ser reconfigurados a depender da combinação de gênero, classe, raça, de idade e geração ou de outros diferentes sistemas de opressão.

  Como as outras categorias sociais referidas acima, a categoria idade/geração também se expressa no marco das relações de poder. Em articulação intricada com gênero, raça, classe e outras dimensões fundantes de relações sociais, percebe-se que a categoria idade/geração tem uma grande complexidade analítica e se projeta, ao mesmo tempo, natural e socialmente. As idades constituem importante fator de análise da vida social, já que as ações do Estado definem a inclusão e exclusão do indivíduo segundo sua condição etária, através do aparato jurídico e das políticas sociais. Portanto, as idades são institucionalizadas, política e juridicamente, e usadas como mecanismo de classificação e separação dos indivíduos, como podemos observar nos dados apresentados na pesquisa. Idade e geração são, pois, importantes fatores de organização social com posições e situações definidas.

  O sentido de geração empregado por Alda Britto da Motta e por outros

  77

  pesquisadores se baseia nas teorias de Karl Mannheim : que “designa um coletivo de indivíduos que vivem em determinada época ou tempo social, têm aproximadamente a mesma idade e compartilha alguma forma de experiência ou vivência” (2004, p. 350). Nos relatos das histórias de vida, as mulheres agricultoras revelaram uma ampla gama de experiências e vivências geracionais, quando foram entrevistadas e estimuladas a fazer um exercício de memória, lembrar fatos de sua vida e de suas experiências individuais geracionais, compartilhando um momento histórico de suas vidas ou de suas antepassadas.

77 Karl Mannheim, filosófo e sociólogo judeu nascido na Hungria (Budapeste) apresentou e

  desenvolveu a “sociologia do conhecimento” como uma disciplina acadêmica, através da crítica do

  Ao compreender as gerações como “coletivos de indivíduos” que, inicialmente, pensam sua experiência na sociedade de forma individualizada, percebo que este processo se materializou nos encontros realizados com elas e nos grupos focais. O pertencimento geracional é um processo que se revela construído dentro do grupo, na medida em que as mulheres foram “puxando pela memória” considerando a transmissão geracional de valores, as etapas do ciclo de vida reprodutivo e produtivo. A princípio, cada uma trazia as suas lembranças do passado as quais foram se constituindo, no progredir dos relatos, não mais como de indivíduos, mas de um coletivo. Elas foram se percebendo naquela geração retratada não só por terem idades aproximadas, mas, também, por terem vivido fatos semelhantes ou por estarem sendo identificadas no discurso, nos eventos lembrados pelo grupo ou, ainda, por outro fato que elas testemunharam ou de que participaram pessoalmente acerca de algumas temáticas em que mulheres e homens estão envolvidos, e isto favorece o entendimento de uma série de mudanças e permanências em suas vidas ao longo de suas trajetórias.

  A noção de “trajetória” é entendida por Pierre Bourdieu (1996, p. 292) como “uma série de posições sucessivamente ocupadas por um mesmo agente ou mesmo grupo de agentes, em espaços sucessivos”. Esta abordagem nos permite, a partir do sujeito, situar acontecimentos biográficos individuais e coletivos e seus deslocamentos no espaço social. Trabalhar trajetória de vida traz a possibilidade concreta de reconstrução do passado (a infância, a adolescência, a migração, por exemplo, para São Paulo, o emprego de doméstica e a experiência das mulheres no PGV), das fases da vida a partir dos relatos das mulheres, levando em consideração a descontinuidade e as rupturas ocorridas tanto na vida individual como coletiva. Através do trabalho sobre estas trajetórias e suas vivências, pretendo analisar a mobilidade social, os processos de empoderamento das mulheres agricultoras; observar os níveis de empoderamento individual, organizacional e de comunidade e perceber se e como eles se articulam, focando nas situações familiar, escolar e profissional (no grupo produtivo e na associação) e se se identificam a um grupo social do qual são elementos constitutivos; resgatar o caminho e o percurso da vida dessas mulheres antes e durante o Projeto Gente de Valor; e, também analisar as mudanças sociais, de situação econômica, nas atividades profissionais por elas desenvolvidas, nas relações de gênero, de classe, de raça e de geração, pois remetem sempre a uma relação mais coletiva em torno de pertencimentos sociais partilhados por vias institucionalizadas, na associação ou na família.

  Ao reconstruir, na investigação, as trajetórias individuais das dez mulheres agricultoras, trabalho com a ideia de “curso de vida” (life course), pois, segundo Elizabete pela interseção das trajetórias individuais”. Procura-se, assim, entender, através dos relatos biográficos (mais subjetivos), os comportamentos individuais para compreender os períodos da vida dos sujeitos, em uma visão mais complexa e elaborada, articulados à reconstrução dos percursos mais institucionais (estruturas objetivas), assim como na dinâmica e interação familiar. Ao refletir sobre as relações sociais que se materializam no cotidiano e na história de vida dessas mulheres, no âmbito do Projeto Gente de Valor, identifico matizes de gênero, classe social, raça e geração na constituição de identidades e sociabilidades. Observa-se que gênero, raça, geração e classe social, como categorias relacionais ou da experiência concretamente vivida, contribuem para explicar melhor as diversas trajetórias de vida percorridas socialmente por diferentes homens e mulheres.

  Como são relações de poder, este aspecto não pode escapar à análise. Mulheres agricultoras com experiências e trajetórias diversas tiveram de se organizar e se articular para lutar pelos seus direitos e interesses comuns, pelo reconhecimento de seu trabalho e pela afirmação de sua identidade de mulheres e de mulheres agricultoras. Este foi, e continua sendo, o modo que encontraram para superar as dominações de toda ordem e viverem com maior plenitude a vida. O “paradigma do curso da vida” (SIMÕES, 2004, p. 1) precisa ser analisado sob uma perspectiva dinâmica, pois existe uma fluidez entre as fases que nos ajuda a entender as inter-relações entre a trajetória pessoal e a estruturação histórica e cultural experimentada por essas mulheres no passado, no presente e nas suas expectativas futuras.

  Por fim, a noção de “experiência”, que é fundamental na investigação do processo de empoderamento das mulheres agricultoras entrevistadas. Na pesquisa, utilizei a definição desenvolvida por Joan Scott (1999, p. 28), segundo quem “não são os indivíduos que têm experiência, mas os sujeitos é que são constituídos através da experiência”. O conceito ajuda a pensar as semelhanças e diferenças de vivências das mulheres agricultoras no interior das categorias sociais como gênero, classe, raça, geração e outras. Seguindo este caminho, percebe-se que o conceito articula a vida social dos sujeitos (individual e coletivo), a experiência vivida e sentida por elas com o conjunto de práticas e representações simbólicas em torno do “mundo real” em determinadas circunstâncias históricas. Portanto, é fundamental historicizar as experiências das mulheres agricultoras, observar os níveis de empoderamento individual, organizacional e de comunidade, dando mais atenção aos acontecimentos que se cruzam e se repetem, perceber se e como eles se articulam no processo de empoderamento destas mulheres, dependendo das singularidades de cada contexto.

  5.2 AS MULHERES AGRICULTORAS: HISTÓRIAS DE

  VIDA E EMPODERAMENTO Apresenta-se um olhar situado sobre as trajetórias individuais e as experiências vividas pelas mulheres agricultoras investigadas. Toma-se como eixos de análise quatro aspectos fundamentais nas histórias de vida, em suas trajetórias e experiências pessoais passadas e presentes: 1) infância: o processo de socialização/família de origem; 2) adolescência e juventude: a trajetória afetivo-sexual e reprodutiva/experiência de conjugalidade; e 3) a vida adulta: a inserção no Projeto Gente de Valor. Observa-se em seus relatos os aspectos estruturais como as condições de vida do grupo familiar de origem (pai/mãe), escolarização, o nível socioeconômico, a experiência de trabalho na infância e na juventude e a situação conjugal ao participarem desse projeto de desenvolvimento rural.

  Na construção do perfil, a atenção se volta para as determinações sociais, principalmente as que decorrem de gênero, classe, raça/etnia e idade/geração, como também observa-se se essas mulheres mudaram a si mesmas e às suas vidas.

  Instigam-nos as continuidades e descontinuidades nas representações de gênero em diferentes gerações de famílias das mulheres agricultoras investigadas. Ao comparar as suas trajetórias, independentemente de suas idades e gerações, observo como se assemelham em várias temáticas das quais abordarei aquelas relacionadas aos papéis produtivos e reprodutivos, à divisão sexual do trabalho, educação, violência e sexualidade, partindo sempre de seus relatos.

5.2.1 Infância

  De um modo geral, a infância das mulheres agricultoras entrevistadas apresenta mais semelhanças do que diferenças, independentemente de sua idade e geração. Todas as dez mulheres falam, em seus relatos, das dificuldades enfrentadas por suas famílias quando ainda eram crianças, do sofrimento causado pela pobreza, da fome, do relacionamento com os pais, das obrigações de cuidar dos irmãos e das irmãs e ainda da casa, do trabalho na roça e da migração.

  Apresenta-se uma breve descrição da trajetória particular da infância de cada uma delas: Maria José (parda, 50 anos, casada); Maria Amélia (branca, 50 anos, separada); Maria de Lourdes (branca, 41 anos, em união consensual); Maria do Sossego (parda, 38 anos, em

  (parda, 32 anos, solteira); Maria das Dores (preta, 31 anos, separada); Maria Esperança (preta, 28 anos, casada); Maria Alice (parda, 25 anos, em união consensual); e de Maria dos Anjos (parda, 24 anos, em união consensual). Trata-se, portanto, de encontrar possíveis convergências e divergências nas histórias de vida dos sujeitos, resgatar como suas vidas, quando crianças foram construídas e modeladas dentro de padrões culturais e sociais, impondo-lhes formas de agir e pensar. Este resgate nos ajuda a analisar as circunstâncias sociais e as oportunidades determinadas pelo contexto social e também por escolhas e decisões possíveis neste contexto.

  Maria José é filha de agricultores alagoanos, que vieram em 1983 para o interior

  da Bahia, onde compraram um pedaço de terra na comunidade Baixa do Mocó, município de Santa Brígida. Seu pai morou em um rancho de palha, por muitos anos, e só conseguiu construir uma casa de taipa, um pouco antes de Maria José se casar. A família era muito pobre e sua mãe teve 15 filhos, dos quais sobreviveram dez: sete homens e três mulheres. Seu pai trabalhava como vaqueiro nas fazendas de gado e, com sete anos de idade, ela e seus irmãos e irmãs também foram cuidar de gado. Lembra-se que seu pai não os deixava estudar: era tanto trabalho que não tinham tempo de estudar. Mesmo assim, teimava em ir para a escola e conseguiu concluir a 4ª série primária (hoje, Ensino Fundamental I), mas seus irmãos e irmãs são analfabetos. A situação econômica dos seus pais era muito difícil, pois, o que ganhavam no gado e na roça mal dava para sobreviver. Conta ainda que saía para a roça com apenas um cafezinho e, por vezes, desmaiava de fome, pois o que ganhavam no trabalho dava apenas para comer, ao meio dia, “um feijão puro com farinha”.

  Maria Amélia conta que, desde criança foi muito sofredora e passou muitas

  necessidades. Nasceu na comunidade Raso Pintado, município de Fátima, na Bahia. Quando pequena, foi criada pela avó, pois sua mãe era muito jovem quando ela nasceu e seu pai não assumiu as responsabilidades de marido e pai. Sua avó era analfabeta e sua mãe sabe apenas assinar o próprio nome. Assim como suas ancestrais, ela teve dificuldades para estudar quando criança, porque sua família não tinha condições econômicas para pagar a escola e comprar os materiais escolares. Conseguiu concluir a 4ª série primária (Ensino Fundamental I) estudando com os livros emprestados de uma colega. Sua família era pobre, não tinha acesso a terra e, durante toda a sua infância, sua mãe trabalhava no serviço que aparecesse: como doméstica, lavadeira e vendendo dia de trabalho na roça de outras pessoas. Sua mãe arrumou um marido e teve oito filhos desta relação e foi então que ela passou a morar com a mãe. Maria Amélia diz que, antes de completar dez anos de idade, já cuidava dos irmãos e cuidar deles como mãe. Ela lembra que brincava de roda com os irmãos e irmãs na casa de farinha...

  A infância de Maria de Lourdes foi triste e também muito sofrida: fome e violência doméstica estiveram presentes nesta fase de sua vida. Seus pais eram muito pobres, não tinham terra para trabalhar. Seu pai bebia muita cachaça, ficava violento com sua mãe e ameaçava matá-la com uma arma. Muitas vezes tiveram que fugir do pai alcoolizado, à noite, com a mãe, e dormir debaixo de uma árvore na roça dos vizinhos. Ela, os irmãos e as irmãs nasceram e se criaram na comunidade de Bariri, no município de Ribeira do Amparo, na Bahia, sempre com o pai bebendo: a morte dele, há cerca de quatro anos, foi consequência do excesso de bebida alcoólica. Seus pais não tinham terra para plantar, só tinham o lugar da casa onde moravam. Quando seu pai não estava bêbado, trabalhava na olaria batendo tijolo, porém, na maioria das vezes, colocava os filhos mais velhos, com idades entre nove e dez anos, para trabalhar no lugar dele. Sua mãe era quem trabalhava e tinha que tecer cinco redes de fiapo por semana para vender na feira e desta forma ganhava um dinheiro para comprar comida e sustentar seus oito filhos. Ela conta que passou fome e que tinham que procurar na caatinga

  78

  para comer. Quando a mãe ganhava algum dinheiro, ela comprava “olho de macambira” cabeça de gado ou de porco para cozinhar e passar a semana, mas, geralmente, só tinham para comer feijão e farinha. Maria de Lourdes estudou só a 1ª série primária (Ensino Fundamental I) e, na infância, brincava de casinha feita com pauzinhos e com bonequinhas de barro junto com os irmãos, irmãs e os primos e primas.

  Maria do Sossego conta que seus avôs e avós vieram do Estado de Alagoas, mas

  seus pais, assim como ela, já nasceram na comunidade Tanque de Cima, município de Santa Brígida, na Bahia. Diz que seus pais sempre trabalharam na roça como agricultores e que eles têm um pequeno pedaço de terra onde plantam feijão e milho para subsistência da família.

  Maria do Sossego lembra que sua mãe teve sete filhos, dois homens e cinco mulheres dos quais seis nasceram em casa, com parteira, e apenas sua irmã caçula nasceu no hospital. Sua mãe fala que ela é tão “avexada” e “agoniada” que quando a parteira chegou, ela já tinha nascido... Desde quando eram bem pequenos e ainda não sabiam nem pegar na enxada, sua mãe ensinou a ela e a seus irmãos e irmãs a trabalhar na roça ajudando seu pai, pois eram muito pobres. As meninas com seis, sete anos de idade já estavam acostumadas a fazer todas as tarefas domésticas da casa, além de ter que ir para a roça com a mãe. Reclama que não teve

78 Macambira (Bromelia Laciniosa), planta da família das Bromeliáceas, é uma vegetação espinhosa,

  típica da Caatinga do Nordeste brasileiro, muito resistente à seca, cujo rizoma serve de alimento, muito tempo para estudar, fez até a 5ª série (hoje 1ª do Ensino Fundamental II). Maria do Sossego fala que foi bom ter sido acostumada a trabalhar desde criança, pois estava tão acostumada que nem achou ruim quando, aos nove anos de idade, teve que ir morar com a irmã em Salvador para cuidar dos dois sobrinhos e das tarefas domésticas. Ela conta que, quando criança, além de trabalhar também brincava “de roda”, “esconde e esconde” e de “chicotinho queimado”. Lembra que brincava de boneca de pano que sua mãe mesmo fazia, porém seu pai, não permitia que ela e suas irmãs brincassem “de bola” com os irmãos, por achar que era brincadeira de homem e não de mulher.

  Maria dos Prazeres nasceu na comunidade de Baixa do Mocó, município de

  Novo Triunfo, na Bahia, e enfrentou, desde criança, muitas dificuldades junto com sua família. Seu pai não tinha terra, trabalhava na roça de outras pessoas e só quando ela já tinha

  79

  dez para onze anos de idade ele conseguiu comprar 50 tarefas de terra. A família passou muita necessidade financeira, pois seu pai já tinha outra família quando foi morar com sua mãe e, por este motivo, sua mãe viveu muitos conflitos com os filhos do primeiro casamento do seu pai. Ela contava que abortara o primeiro filho, o único filho homem que teria durante a vida, depois de uma briga com o filho mais velho do marido. Sua mãe teve sete filhas mulheres e todas começaram a ir para a roça com sete anos de idade, pois seu pai tinha uma enxadinha com cabo curto para elas começarem a limpar mandioca, feijão, capim e plantar

  80

  . As sete irmãs fumo. Para sobreviverem, às vezes, toda a família ia trabalhar “de empreita” pegavam na enxada, enxadeco, foice e machado. A situação era de muita pobreza, tinha dias que só comiam metade de um ovo e iam trabalhar e, quando voltavam da roça, sua mãe colocava todas as filhas para irem à escola. Muitas vezes elas não queriam ir para a escola, porque a fome era grande e não conseguiam acompanhar e aprender o que era ensinado na escola. Seu pai e sua mãe não estudaram, são analfabetos.

  Maria dos Prazeres lembra que seu pai não era carinhoso com as filhas, era um homem muito bruto e ruim que brigava muito com sua mãe e não queria deixar suas filhas estudarem. Dizia ele que estudo era para filho de rico, filho de pobre não é para estudar é para trabalhar na enxada; aí, a briga com sua mãe começava e ela sempre dizia: “pobre também é gente”. Segundo ela, seu pai não acreditava em nada, o negócio dele era a roça: acordava duas

79 Uma tarefa baiana corresponde a 4.356m², 50 tarefas a 217.800m² e correspondem a 21,78 hectares.

  80 “Empreita”, o mesmo que “empreitada”: “(1) obra por conta de outrem, mediante retribuição estipulada antecipadamente; tarefa; (2) trabalho ajustado para pagamento global, e não parc elado”

  81

  horas da manhã para catar facheiro , que vendia e com este dinheiro comprava comida e, uma vez no ano, uma roupa, uma sandália. No tempo da safra do caju, as sete irmãs passavam três meses catando castanha para a vizinha, que era sua tia. O pagamento pelo serviço era feito como um “agrado”: caderno, lápis, sandália e, às vezes, até um corte de tecido para fazer roupas. Lembra que brincava com as irmãs e os primos e primas só no final de semana, de “pular corda”, de “cai no poço”, de “esconde-esconde” e de montar em jegue. Ela fala com orgulho e com muita gratidão de sua mãe e irmã, por ter conseguido, com a ajuda delas, concluir o Ensino Superior e estar fazendo uma pós-graduação.

  Maria da Paz nasceu e se criou na roça, na comunidade Fazenda Pedrinhas, no

  município de Fátima, na Bahia. É filha de pai agricultor e sua mãe, já falecida, também era agricultora. Conta que, durante a infância, sempre viveu na roça e em casa e nunca saía para lugar nenhum. Apesar de seus pais não terem terra, possuem só um pequeno terreno onde está construída a casa e, atualmente, as cisternas e os dois canteiros da horta, ela não falou em ter passado fome na infância, só dificuldades. É a única filha e a mais velha do casal, que teve um total de quatro filhos, três homens e ela. Sua mãe era analfabeta e seu pai não teve oportunidade de estudar muito: sabe escrever seu nome, faz algumas contas e consegue ler com dificuldade. Ela acha que o problema do seu pai é não ter estimulado nem colocado ela e seus irmãos na escola. Lembra que foi à escola pela primeira vez, aos 11 anos, com os irmãos, por conta própria. Eles correram atrás da professora quando ela passava na frente da casa deles e pediram para estudar e foi assim que começaram. Lembra que iam para a escola e também para o campo de futebol jogar bola. Conta que ficaram alegres quando, na 4ª série primária (Ensino Fundamental I), foram estudar na sede do município de Fátima. Lá estudou até a 7ª série do Ensino Fundamental II, quando parou os estudos para trabalhar como doméstica. Lembra que seu pai nunca bateu nela e em nenhum dos filhos, porém, não os deixava sair para brincar, então, ela brincava em casa com os irmãos.

  

Maria das Dores lembra que, quando criança, conheceu seus ancestrais

  • – bisavôs e bisavós, avôs e avós
  • –, que foi a primeira família a morar no quilombo. Seus avôs eram cortadores de cana de açúcar na região do município de Cipó, na Bahia. Sua mãe e suas tias nasceram e se criaram, assim como ela, na comunidade Maria Preta, no município de Banzaê, também na Bahia. Sua infância foi difícil, pois começou a trabalhar com seis anos de idade, na roça e em casa ajudando sua mãe: pegava água na fonte, lenha na roça, lavava os pratos e varria a casa. Desde nova, trabalhando na roça, não tinha tempo nem liberdade para brincar

81 Facheiro (Pilosocereus pachycladus) é uma planta da família das cactáceas, endêmica da Caatinga

  quando era criança nem tinha roupa para passear e nem mesmo para onde ir. Seu pai e sua mãe sempre trabalharam na roça plantando culturas de subsistência como feijão, milho, mandioca, andu, e também cuidavam das fruteiras do quintal da casa. Sua mãe teve cinco filhos, três mulheres e dois homens. Seus pais não eram de bater nem de castigar os filhos e filhas, como “o povo de antigamente”, mas, quando na infância faziam alguma coisa errada, seu pai só precisava passar os olhos meio atravessados que eles paravam imediatamente o que estavam fazendo, pois tinham muito respeito pelo pai. Seus antepassados mais velhos não tiveram condição de estudar, pois, antigamente a escola era particular e eles não tinham como pagar, assim, a maioria é analfabeta. A sua mãe conseguiu romper com esta série ininterrupta de analfabetos, apesar de não ter tido oportunidade de estudar muito, mas aprendeu a ler e escrever um pouco. Maria das Dores fala com orgulho do fato de ter estudado, concluído o Ensino Médio e, principalmente, por ser o Curso de Magistério, pois sonha em ser professora na comunidade. Segundo ela, durante sua infância, as brincadeiras foram poucas: recorda que fazia sua boneca de milho e enrolava em um paninho. Quando já estava um pouco maior, brincava de “cai no poço” para dar um beijo no namoradinho. Na brincadeira de roda costu mavam cantar: “O pião entrou na roda ou pião, bombeia ou pião bombeia ou pião”.

  Maria Esperança conta que seus pais sempre trabalharam na roça e que, desde os

  sete anos de idade, colhia tomate com seus pais e irmãos e irmã, para ajudar na renda da família. Seu pai e sua mãe, agricultores, assim como ela, nasceram na comunidade Canabrava, no município de Jeremoabo, na Bahia; só depois do casamento vieram morar na comunidade vizinha, Bananeirinha, onde nasceram Maria Esperança e seus cinco irmãos, uma mulher e quatro homens. Ela fala que seus pais não conseguiram estudar, pois sua mãe, quando criança, tinha que ajudar a criar os irmãos mais novos para sua avó trabalhar na roça. Só depois de adulta, aos 50 anos de idade, sua mãe foi estudar, cursando até a 2ª série primária (Ensino Fundamental I), quando aprendeu a assinar o nome e ler com dificuldade. Maria Esperança é o orgulho da família, por ser a que mais estudou, concluindo o Ensino Médio.

  Ela recorda, ainda, da dificuldade de estudar quando era criança, pois não tinha escola na comunidade e tinha que andar muito para outra comunidade, então, sua mãe, preocupada com esta situação, resolveu ceder o espaço do bar que ela tinha para servir de escola. Lembra que as pessoas da comunidade providenciaram as cadeiras e sua mãe fazia merenda escolar no fogão a lenha, pelo que “não ganhava nenhuma paga”: o pagamento era ver as crianças da comunidade estudando ali mesmo. Só depois de muitos anos, a prefeitura construiu uma escola na comunidade de Bananeirinha, mas o ensino era fraco, segundo infância é de as famílias se juntarem para fazer piquenique na beira do rio, pescar e nadar, momentos raros de lazer. Antigamente, não existia energia elétrica na comunidade e seus pais tinham uma televisão a bateria, que era a única na comunidade, então, as pessoas iam assistir as novelas e, enquanto isso, as crianças se juntavam para brincar de “bandeira” e de “pé de mela”.

  Maria Alice teve uma infância diferente das outras mulheres entrevistadas. Ela é

  de origem urbana, morou na cidade de São Paulo até os 16 anos de idade. Nascida na comunidade de Bariri, município de Ribeira do Amparo, na Bahia, com apenas dois meses de vida foi com sua mãe que voltava para São Paulo onde morava. Ela lembra que passou dificuldades, mas não do tipo que sua bisavó baiana contava, que, nos tempos dela, as pessoas não tinham o que comer, passavam fome, a situação era tão ruim que comiam até “sopa de pedra”...

  A mãe de Maria Alice ainda sofreu com esses tempos difíceis de pobreza, tanto que, quando casou, foi morar em São Paulo na perspectiva de ter uma vida melhor. Lá, seu pai, que saiu de sua terra natal, no estado de Pernambuco, com 18 anos de idade e, assim como sua mãe, não teve condição de estudar, trabalha como pedreiro. Nossa entrevistada estudou em São Paulo até o segundo ano do Ensino Médio e, na Bahia, conseguiu concluí-lo. Ela conta que não conhece a família de seu pai em Pernambuco, pois ele nunca mais voltou para visitar seus parentes. A sua mãe teve seis filhos, quatro com o pai dela, sendo ela a mais velha; os dois irmãos mais velhos por parte de mãe são do primeiro casamento e quem cria é a avó materna. Ela fala com tristeza e mágoa de sua mãe, por ter sido viciada em jogo de bingo, quando Maria Alice era criança, culpando o vício da mãe pelo fato de o pai não ter tido dinheiro para visitar a família dele em Pernambuco, pelas dificuldades econômicas enfrentadas por seu pai para criar os filhos, pela sobrecarga de tarefas e responsabilidades assumidas por ela dos 7 aos 14 anos de idade e, por fim, pela separação do casal.

  Para ela, seu pai é o melhor homem do mundo, um herói, porque, além de trabalhar para sustentar a família, cuidava da filha e dos filhos enquanto sua mãe saía para jogar bingo e só voltava depois de um ou dois dias. Ele costumava dividir com Maria Alice as tarefas domésticas de lavar pratos, cozinhar, lavar roupas, dar banho nos meninos e se preocupava quando tinha que ir trabalhar deixando sob a responsabilidade dela o cuidado com os irmãos menores. Ela recorda, ainda, que brincava de jogar bola, empinar pipa e de ABC, com seus irmãos e suas colegas em São Paulo, e que, no final de cada ano, vinha com sua mãe e irmãos para a casa da avó, na Bahia, onde brincavam de pedrinha, porém, o que mais

  Maria dos Anjos também tem origem urbana, nasceu na cidade de Santa Brígida,

  na Bahia, e sua infância teve muitos momentos difíceis e tristes, principalmente por não ter sido criada nem por seu pai nem por sua mãe. Por outro lado, ela coloca que sua infância foi boa, pois seu tio materno junto com sua esposa teve a iniciativa de acolhê-la e criá-la, mesmo sendo pobres e tendo oito filhos para sustentar. Eles eram muito pobres, havia dias que não tinham o que comer. Eram também muito trabalhadores: ele cuidava de animais nas fazendas da região e ela era lavadeira, lavava muita roupa para que todos os filhos e filhas pudessem estudar. As filhas maiores tinham de ajudar nas tarefas domésticas e no cuidado com os irmãos menores. Maria dos Anjos afirma que deve muito ao tio, que a ensinou a perseverar e sempre ir em frente, e à esposa dele, a pessoa que ela é hoje e por ter estudado e conseguido concluir o ensino médio. Ela fala com alegria e com orgulho que seu tio e sua tia, apesar de não terem tido a oportunidade de estudar, se sacrificaram para que todos os filhos e filhas e a sobrinha estudassem e concluíssem o Ensino Médio.

  Nos relatos das 10 mulheres, quando perguntadas sobre as lembranças que tinham da infância, aparece, inicialmente, a pobreza, sendo a fome abordada por oito delas, de maneira muito forte e dolorosa por algumas. Ao abordar a pobreza a partir de uma perspectiva de gênero e como um fenômeno multidimensional, entende-se pobreza como Angelita Toledo e Teresa Lisboa (2011, p. 2), como algo que “não se restringe unicamente à esfera material e/ou econômica (salário, alimentação), mas extrapola para as dimensões subjetivas que vêm ao encontro das necessidades básicas das pessoas, tais como carências de proteção, de segurança, de lazer entre outras”. As entrevistadas, primeiro, falam da fome de alimentos e da carência do recurso econômico, porém, no desenrolar dos depoimentos, vamos observando as dimensões subjetivas desta fome, que se materializa ao longo da trajetória de vida delas. Os depoimentos de Maria de Lourdes, de Maria José e o de Maria dos Prazeres evidenciam a marca da pobreza vivida por essas mulheres:

  • A minha infância sofrida, lembro que minha mãe se acabava de trabalhar, tecer

  

rede para dar de comer à gente, que meu pai só bebia. Ela fazia cinco redes na semana, rede

batida, tudo pra dar de comer à gente. Ela sai pra feira [às] 03 h da manhã com a rede na

cabeça pra vender, não tinha o que comer, a gente ia caçar olho de macambira pra comer,

era, fomos criada desse jeito. Hoje em dia tem mordomia, nosso tempo não tinha mordomia,

nós não sabia o que era comer um quilo de carne, que a mãe não podia. Ela comprava

cabeça de porco, cabeça de gado para gente passar a semana e era só o feijão e a farinha.

  (Maria de Lourdes, branca, 41 anos).

  • Porque no tempo de eu pequena nós não mora que nem hoje em dia. Era um

  

tempo difícil. Meu pai, coitado, trabalhava lá no gado pra criar a gente. Depois de 7 anos

pra frente nós trabalhava no gado direto mais ele. Nós não tinha tempo nem de estudar. Eu

estudei até a quarta série porque eu teimava de ir e ia pra escola. Mas se não fosse isso eu

não tinha aprendido nada. Essa dali não aprendeu assinar o nome, os meninos também

nunca aprenderam. Meu pai trabalhava lá no gado e nós também pra sobreviver. E não era

pra ser bem, minha filha. Tem hora que eu digo a essas meninas: hoje em dia agradeço a

Deus, que eu me sinto uma pessoa rica. Porque antigamente nós não tinha [...] as casinhas

eram de taipa, cada buraco desse tamanho [risos]. Nós não tinha boa vida. Hoje em dia a

gente cria os filhos, eu criei seis filhos, graças a Deus nenhuma nunca foi pra roça.

Amanhece o dia pra tomar café, cafezinho com pão e ainda acha ruim se for pão [...] ainda

acha ruim se for cuscuz com leite, não quer, se for não sei o quê não quer e antigamente nós

amanhecia o dia e tomava um cafezinho, ia pra roça pra voltar meio dia. Tinha vezes que até

desmaiar na roça a gente desmaiava de fome, por que nós não tinha condições. Meu pai era

pobrezinho. O que nós trabalhava só dava pra comer de meio dia. E não tinha esse negócio

de comer feijãozinho com arroz, carne, macarrão, tinha não essas coisas, não. Era o

feijãozinho puro com farinha, às vezes nem carne tinha. Aí eu digo: hoje em dia o tempo tá

bom demais. Todo mundo tá rico, graças a Deus. Eu agradeço a Deus né. (Maria José, parda,

  50 anos).

  Nos depoimentos de Maria de Lourdes e Maria José, ficam evidentes que suas famílias eram muito pobres e não tiveram acesso aos meios para melhorar as suas condições de vida e de seus irmãos e irmãs. John Friedmann (1996, p. 50) diz que “não são os indivíduos, mas as unidades domésticas que são ‘pobres’, a própria pobreza deve ser redefinida como um estado de desempoderamento”. Os estudos da ONU afirmam que 70% dos pobres do mundo são mulheres e que um grande número delas mora no meio rural.

  Reconhecendo que a pobreza afeta, de maneira diferente, homens e mulheres, concordo com Friedmann quando afirma que a pobreza constitui um desempoderamento das mulheres agricultoras pelas desigualdades de oportunidades entre homens e mulheres.

  Seguindo essa mesma visão, Marcela Lagarde fala da “pobreza de gênero” e afirma que ela é produto da dominação e opressão de gênero:

  O gênero feminino é aquele que mais trabalha; recebe menor retribuição pessoal por seu trabalho; enfrenta mais impedimentos e limitações para alcançar riqueza social; possui mais carências, enfrenta mais privações e satisfaz em menor medida suas necessidades vitais. (1996, p. 170). As carências e necessidades não afetam indistintamente as pessoas. Se existem fatores de discriminação entre as pessoas, conforme a sua condição de gênero, de classe, de raça, etnia e origem, então o fato de serem pobres, mulheres, negras, em sua maioria, e moradoras do campo faz com que estas mulheres agricultoras estejam mais propensas do que outras a figurar entre os pobres. E, portanto, enfrentam mais limitações e impedimentos, têm mais chances de sofrer a condição de pobreza que é uma das principais causas da dificuldade de acesso aos alimentos

  • – embora não seja a única. O predomínio de mulheres entre os pobres é consequência do desigual acesso feminino às oportunidades econômicas e sociais. Esta condição de pobreza está relacionada com o acesso ao trabalho, à renda, à propriedade e à escolaridade. É o que se observa no depoimento de Maria dos Praze
  • – A minha infância foi difícil, porque antigamente não tinha a oportunidade que

    hoje tem de Bolsa Família, esse negócio aí não tinha, então nós trabalhava as sete irmãs na

    roça [de] enxada, enxadeco, machado, foice, pra sobreviver. Tinha dia de comer a banda de

    um ovo, então a minha mãe botava a gente pra trabalhar, porque tal hora vocês vão pra

    escola, meio período. A gente trabalhava meio período, a gente estudava, tinha vezes que a

    gente dizia: “Mãe, não adianta a gente ir pra escola que a gente não tá aprendendo”. Aí

    Deus ajudou que veio uma tia da gente morar aqui na comunidade, e no dia de sábado e

    domingo ela dizia: “Comadre, manda as meninas pra casa”. Aí nós ia, uma rama braba de

    menino. Ela também tinha um filho, aí ajudou bastante. Minha irmã mais velha já estava

    mais crescida um pouquinho, aprendeu mais rápido, aí foi que ajudou nós a ler, porque

    quando você não sabe ler, não sabe nada. Você sabendo ler um pouquinho desenvolve mais.

    Foi difícil a infância, era difícil. (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  Todas as dez mulheres pesquisadas falam que começaram a trabalhar ainda crianças, entre seis e sete anos de idade. É necessário dizer que, embora o trabalho no campo seja pesado, a ocorrência da “ajuda” infantil continua presente na estrutura de trabalho da agricultura familiar, também como um processo de aprendizagem, assumindo um papel de socialização e identidade. Nos relatos, é visível a dificuldade das mulheres quando crianças, estudarem e a quase ausência de outras atividades na vida delas, como brincadeiras e lazer. Entre as entrevistadas, apenas uma mulher jovem, Maria Esperança, fala em seu depoimento dos momentos de lazer na beira do rio com a família, como lembrança da infância:

  • – De piquenique, as pessoas fazia muito piquenique, juntava as famílias, levava

    as crianças pro rio, pescando, fazia pirão, só vinha embora de noite. Isso é assim uma grande

    lembrança que ficou em minha memória, era um momento de lazer muito bom pra gente,

  Apesar de as crianças na zona rural executarem várias tarefas e atividades, elas são consideradas sem experiência, são controladas pelos pais e, muitas vezes, pelos irmãos mais velhos, e assim aprendem e, consequentemente, reproduzem, principalmente as meninas, desde a infância o cuidado com os irmãos e irmãs. Deste modo, aprendem desde muito cedo como cuidar dos seus futuros filhos e filhas, netos e netas. Este aprendizado se dá através de mecanismos racionais, emocionais e da linguagem, que favorecem a identificação da criança com o outro, a percepção e a assimilação de papéis e atitudes de outros (mãe e avós) como seus. É importante compreender que a socialização das normas e valores não transcorre de forma linear, que o processo de internalização ocorre no curso de vida (SIQUEIRA, SARDENBERG, 2014, p. 37). As meninas começam ajudando nos afazeres domésticos, cuidando dos irmãos e irmãs menores e trabalhando na roça com os pais: foi o que disseram Maria das Dores e Maria do Sossego:

  • A minha infância não foi fácil, né. Eu nasci aqui, me criei aqui, e com as

  

dificuldades, que desde nova que a gente já trabalha na roça, a gente não tem uma liberdade

de brincar, mas é na roça, ajudando mãe em casa e às vezes nem no final de semana. A gente

na minha infância não tinha assim pra onde ir, os outros povoados, a gente às vezes não

tinha nem a roupa pra ir passear. No trabalho, nuns seis anos acho que foi por aí, lavando os

pratos, varrer casa, ir pra fonte na Barroca, pegar lenha da roça mesmo. (Maria das Dores,

preta, 31 anos).

  • – Olhe minha mãe sempre dizia, sempre falava isso, e eu fui vendo que o que ela

    falava com nós antigamente não foi ruim, porque quando eu fui cuidar desses dois sobrinhos

    e da casa eu não estranhei, nós já trabalhava, nós trabalhava de roça, nós pequenininho na

    roça da minha mãe mesmo. Antes de saber pegar na enxada todo mundo ia para roça

    trabalhar. Agora uns trabalhava satisfeito, outro trabalhava brigando, que sempre existe

    isso, mas ia, pessoa fraco tinha que trabalhar. (Maria do Sossego, parda, 38 anos).

  A identidade de gênero na vida dessas mulheres agricultoras foi sendo construída desde a infância, no seio de suas famílias. Por serem meninas pobres, sentiram na pele como a divisão sexual do trabalho marca a classe social e tiveram que assumir os trabalhos domésticos e as tarefas ditas femininas ainda bem crianças, assim como sua mãe e suas avós. Isto se evidencia como um processo que foi sendo produzido e reproduzido por força da ideologia de gênero, que confere ao homem a responsabilidade pelas atividades ditas “produtivas”, geradoras de renda monetária, e, às mulheres, as tarefas ditas “domésticas”, reforçando deste modo a constituição da identidade de gênero. Esta identidade, masculina ou aspectos normativos, e se institucionaliza na família, na educação, na religião, na vida doméstica, na associação comunitária, nas relações políticas assim como nas demais relações sociais que interagem no cotidiano da vida destas mulheres agricultoras.

  Para essas mulheres quando crianças, estudar foi um grande desafio, tinham muitas dificuldades no aprendizado, por assumirem uma sobrecarga de tarefas domésticas e também produtivas, no nível de exigência de sua execução e na responsabilidade no desempenho de cumprir com as obrigações por elas assumidas. Maria Alice, apesar de ser uma das mais jovens e de origem urbana diz:

  Lembro assim da minha infância, brincando com minhas colegas e cuidando dos meus irmãos, tinha uns 07 até os 14 anos (Maria Alice, parda, 25 anos). Já o depoimento de Maria do Sossego nos revela que ela, além de assumir obrigações com os sobrinhos, ela migra para a cidade de Salvador para também cuidar de tarefas domésticas, com apenas nove anos de idade.

  • Na verdade eu saí daqui com 12 anos, não, 09 anos, eu fui cuidar do meu

  

sobrinho em Salvador. Eu tenho duas irmãs que moram em Salvador. Eu fui cuidar desses

dois sobrinhos, e cuidava da casa e ainda estudava. Eu tinha obrigações. (Maria do Sossego,

  parda, 38 anos).

  Ela também nos conta que ensina a filha, dezessete anos de idade, a fazer as tarefas domésticas, reforçando a ideologia de uma essência feminina, ensinando para a filha padrões de comportamento de menina que aprendeu com sua mãe e com sua avó. Maria do Sossego e as outras mulheres entrevistadas ainda não percebem que, ao reproduzirem e naturalizarem as diferenças nas relações de gênero entre homens e mulheres por intermédio da cultura, das tradições, da divisão sexual do trabalho doméstico, continuam a instituir sua subordinação enquanto gênero feminino. Ela diz:

  • – Eu tenho uma menina que tem 7 anos, ela varre a casa, ela passa pano: “Clara,

    eu estou aperreada, vem lavar aqui esses pratos”. Ela lava do jeito dela, nem que eu tenha,

    depois, quando ela sai, dou uma saidinha vou e lavo direito, mas eu deixo ela fazer, porque

    eu acho assim que a pessoa não pode explorar os filhos, mas tem que ensinar, fazer alguma

    coisa pra quando chegar ao ponto que eu cheguei a trabalhar, o que for, não ignora, não

    sofre. Porque ali já tem costume, a minha mãe acostuma de cedo fazer . (Maria do Sossego,

    parda, 38 anos).

  Nas relações familiares destas mulheres, observo como a ordem de gênero patriarcal ainda impera e é mantida cotidianamente por homens e mulheres, porém percebo patriarcado, por meio, sobretudo, da educação dos filhos e filhas. A família é uma instituição que desempenha um papel muito importante no processo de socialização dos indivíduos e na transmissão da herança simbólica cuja hierarquia de lugares sociais, aliada à autoridade da experiência e dos saberes das gerações mais velhas, se constitui como referência para a função socializadora.

  Neste contexto, a família assume seu papel mediador entre o indivíduo, a sociedade e o Estado permeando as fronteiras entre as esferas pública e privada. É necessário tentar visibilizar a relação entre a família e a sociedade, suas mútuas influências e entender a complexidade desta relação que se expressa em descontinuidades e permanências.

  [A família] é uma trama de relações sociais as mais básicas, corporificadas em indivíduos que constroem sua identidade de gênero como homens ou como mulheres, de variados grupos de idade que se constituem (ou podem ser vistos) como gerações, e se identificam como crianças, jovens, adultos plenos ou velhos. (BRITTO DA MOTTA, 1998, p. 69).

  Nos depoimentos das mulheres a seguir, percebo a trama de relações sociais vividas por elas, na família, independentemente de sua idade e geração. O relacionamento familiar com os pais, com as avós, com os irmãos e irmãs e com os maridos nos mostra a família como lugar social do amparo, dos afetos, dos desafetos, dos sentimentos, dos amores, e também como espaço de conflito, às vezes de violência, de embates entre os sexos/gêneros e gerações. É necessário dizer que a família é espaço hierárquico e de disputa de poder. As relações de gerações e de gênero, ou melhor, de poder vividas no entrelace entre as gerações contíguas (pais e filhos e filhas; avós e filhos e filhas) e intrageracionais (os irmãos e as irmãs) nos mostram que o conflito é maior nas gerações que estão mais próximas da geração em que se está vivendo. Vejamos o que falam as mulheres pesquisadas Maria dos Anjos, Maria Amélia, Maria da Paz e Maria Alice sobre a relação familiar na infância:

  • A minha infância, certo momento, foi boa, em outro não, porque eu não convivi

  

nem com pai nem com mãe na infância, mas fui criada pelo tio e a esposa dele, e nesse meio,

nessa parte, prá mim foi bom. Porque foi uma pessoa que me acolheu, já tinha oito filhos,

comigo mais, nove, e soube me criar. O que eu hoje sou eu devo muito a ele, esse tio. ( Maria

dos Anjos, parda, 24 anos).

  • – Não são muito boas não. Porque a minha infância, para te dizer a verdade, fui

    criada com a avó, gostei muito dela, foi minha segunda mãe. Fui muito sofredora na vida,

    passei muitas necessidades. Depois a minha mãe arrumou um marido e então produziu mais

  

e foi mais oito filhos para criar. Com 26 anos de casada, separei, acabei de criar meus filhos

só mais Deus. (Maria Amélia, branca, 50 anos).

  • – Minha infância é assim a gente nasceu e viveu sempre na roça. Não saía para

    lugar nenhum, era sempre em casa. Eu fui estudar, tinha 11 anos, quando eu fui à escola a

    primeira vez. Eu mesma, a professora foi passando na estrada, eu pedi à professora que eu

    queria estudar. Aí não era muito atuante, não, a escola. A gente ia para a escola e ia para o

    campo de futebol . (Maria da Paz, parda, 32 anos).
  • Eu morava em São Paulo, minha mãe tinha seis filhos. Só que do meu pai, são

  

quatro, eu sou a mais velha. Meu pai ficava com a gente e ela ia pro bingo, eu tinha raiva,

minha mãe era viciada em bingo. [...] Minha mãe separou do meu pai. Veio para cá e eu vim

  (Maria Alice, parda, 25 anos).

  com ela.

5.2.2 Adolescência e juventude

  82 As mulheres e os homens na fase da adolescência estão, biologicamente, em um

  estado de transformação química e, sociologicamente, entrando em um mundo em que os hábitos, os costumes e os valores ainda estão sendo formados e adquiridos. Para Mannheim (1961), a mocidade tem a qualidade de ser um agente revitalizante, um recurso que permanece escondido e que, se mobilizado e integrado, contribui com a sociedade na construção de novas saídas, principalmente na adolescência, por, nesta fase de desenvolvimento humano, o indivíduo não estar ainda emaranhado no status quo, na ordem social vigente e, também, por ainda não possuir interesses adquiridos seja de ordem econômica ou espiritual. Nesta fase, começam a cortar a dependência em relação aos seus familiares de quando eram crianças, experimentando o desprender-se do seio da família, interagindo com a vizinhança, com a comunidade e com certo setor da vida pública (MANNHEIM, 1961). Foi esta a experiência dessas mulheres agricultoras que, quando jovens, começaram a sair para outros lugares para trabalhar, viver o despertar da sexualidade, namorar, casar, ter filhos e filhas, em suas buscas por qualquer oportunidade que aparecesse para conseguir um trabalho que gerasse renda para ela e sua família.

  A adolescência e juventude de Maria José, assim como sua infância, foram marcadas por muitas dificuldades sociais e econômicas. O trabalho na roça era uma constante

82 Aqui considero como referência o período da adolescência estabelecido no Estatuto da Criança e do

  Adolescente (ECA) que compreende a faixa de 12 a 18 anos incompletos, e juventude, o período estabelecido de acordo com a Proposta de Emenda à Constituição 138/03, chamada PEC da em sua vida desde criança. Na adolescência não foi diferente, só aumentou o volume de trab alho. Segundo ela, “nós era o barro da roça”, e isto quer dizer que ela e seus irmãos e irmãs tinham que fazer de tudo no trabalho agrícola, desde arrancar mato com enxadeco, plantar, até bater de cacete o feijão colhido. Lembra que, naquela época, o povo da região também sofria com a escassez de água e, assim, quando chegava da roça ainda tinha que buscar água longe, a mais ou menos uma légua, e carregar o pote d’água na cabeça. Hoje, aos 50 anos, ela reclama de dores na coluna como consequência do trabalho pesado e de tanto carregar sacos de feijão. Ela conta que teve que sair do convívio da família para ir trabalhar como empregada doméstica, quando tinha 13 anos de idade, para ajudar na renda familiar, e que sofreu muito com a saudade que sentia de sua mãe. Recorda que, desde criança, teve dificuldade em estudar e que na adolescência ainda foi pior, porque seu pai não queria que ela e suas irmãs estudassem e, rindo, diz “para não namorar e emprenhar”. Ainda rindo, conta que começou a namorar escondido, com 13 anos de idade, mas afirma que antigamente o namoro era “besta, só conversa”. Diz que começou a fazer sexo com 18 anos, conheceu seu marido aos 20 e com 22 anos se casou. Casou pensando em sair do domínio do seu pai e que não precisaria mais trabalhar tanto, porém, depois que casou, foi trabalhar ainda mais. Ela afirma que a mulher tem que casar mesmo, então, foi bom ter casado porque ficou amparada e o marido nunca a tratou mal, porém, o casamento é para trabalhar. Por outro lado, diz que hoje pensa que devia ter ficado solteira trabalhando sossegada.

  Maria Amélia conta que, durante sua adolescência e juventude, sua mãe foi

  muito rígida na sua criação e não a deixava sair de casa para lugar nenhum e que piorou muito quando, aos 13 anos de idade, menstruou pela primeira vez: seu sofrimento continuava, sempre assumindo a responsabilidade de cuidar dos irmãos. Sentia-se uma prisioneira, por não poder sair de casa, mas que sua mãe permitia ter algumas amigas apesar de não poder sair. Acredita que o fato de te r suportado ser “prisioneira” durante sua juventude fez com que ela aprendesse a ser a mulher que ela é hoje. Maria Amélia diz que namorou muito pouco, começou sua vida sexual aos 18 anos de idade e logo com o segundo namorado, aos 19 anos, se casou. Diz que no início do casamento foi bom, porém, não era apaixonada pelo marido, tinha pena dele. Lembra que, com o passar dos anos, a relação foi ficando ruim. Ele bebia todos os dias, ficava violento e ela e os oito filhos tinham que correr para não morrer. Cuidou dele por 26 anos até que se separou.

  Maria de Lourdes relata que, em sua adolescência, continuou sofrendo violência

  doméstica de seu pai alcoólatra e bastante violento. Ela e seus irmãos tiveram que sair de como doméstica. Conta que fez sexo pela primeira vez aos 15 anos de idade e não gostou. Diz que fez besteira, referindo-se ao ato sexual, por causa da forma que seus pais a tratavam e aos seus irmãos, sempre com a gressividade e com palavrões. Como ela era “muito desaforada”, depois de a mãe tê- la xingado de algo que ela não era, disse para a mãe: “já que a senhora me chamou disso, a pois, eu vou dar é hoje”. Diz que “fez sexo” com o primeiro rapaz que apareceu e ficou namorando com ele por um tempo e que, no início da relação, até gostava dele, mas, depois, ele começou a beber como o pai dela, então, resolveu deixá-lo e foi embora para Salvador. Foi quando conheceu o pai da sua filha mais velha, que está com19 anos, já é casada e tem um filho. Não tem nenhum contato com o pai da sua filha, desde quando esta tinha uns cinco anos de idade. Maria de Lourdes tem, no total, seis filhos, de quatro pais diferentes. Os filhos homens mais velhos, de 16 e 14 anos de idade, têm o pai morando na comunidade e contam com a atenção dele e uma contribuição financeira mensal. O quarto filho tem nove anos, o pai foi para São Paulo e não contribui com nada para mantê-lo. Com o atual marido, ela tem dois filhos pequenos, de 4 e de 2 anos de idade, porém, ele passa o ano todo trabalhando em São Paulo e manda mensalmente uma quantia para ajudar no sustento da família.

  A juventude de Maria do Sossego foi como sua infância, de muito trabalho e responsabilidade. Recorda que, com 17 anos de idade, voltou da casa de sua irmã em Salvador, onde trabalhava fazendo o serviço doméstico e cuidando dos sobrinhos, para morar com os pais no interior do município de Santa Brígida. Ela diz que nunca teve oportunidade de namorar e acha que foi por isto que se empolgou com o primeiro rapaz que conheceu. Segundo ela, isto acontece com quem é criada presa, sem oportunidade de sair, de se divertir, de curtir a vida. Conta que a irmã, em Salvador, não gostava e nem deixava que ela fosse a festas. E complementa que jamais deixaria as obrigações e responsabilidades para ir a uma festa. Então, quando voltou para sua comunidade, logo conheceu, se apaixonou e começou a namorar o pai dos seus filhos, com quem foi morar aos 18 anos e com quem vive até hoje. Com vergonha e timidez, diz que foi quando começou sua vida sexual. Teve seu primeiro filho aos 19 anos de idade.

  Maria dos Prazeres lembra que, na juventude, a situação da família melhorou um

  pouco, pois ela e as irmãs começaram a ganhar uma pequena remuneração trabalhando na cata de castanha de caju e na colheita de fumo e que, quando jovem, costumava guardar um pouco daquele dinheirinho para quando fosse casar, pois já pensava em se casar. Segundo ela, seu pai não deixava que ela e as irmãs fossem a festas nem ao campo de futebol, nem à feira elas para assistir televisão. Elas se divertiam brincando entre si mesmas e com os primos e primas. Sua juventude foi de muito trabalho na roça e com o machado cortando lenha e ao chegar em casa ainda ter que dividir as tarefas domésticas com as irmãs: varrer casa e terreiro e buscar água nos tanques. Amigas, só tinha as da escola, porque seu pai não a deixava ir para a casa dos vizinhos. Ela lembra que sofreu discriminação por ser tão pobre que não tinha dinheiro para comprar merenda na escola e ainda não existia a obrigatoriedade de dar merenda na escola pública. Maria dos Prazeres conta que demorou a menstruar, tinha 15 anos, e que, por causa disto, sofreu muita gozação das primas que diziam que ela era macho-fêmea. Com risos soltos, ela recorda que, com 15 anos, começou a namorar; uns seis meses, apenas de olhar, de conversar e que uma única vez eles se abraçaram, porque ele ia embora para São Paulo. Ele era um menino bom e trabalhador, mas seu pai era racista e não aceitava o namoro deles por ele ser da cor preta. Já o segundo namorado foi com 17 anos e ela se casou com ele, porque além de trabalhador havia dito que a deixaria continuar estudando; com 21 anos teve sua primeira filha.

  Maria da Paz trabalhou como empregada doméstica quando era adolescente e só

  parou de trabalhar em casa de família aos 20 anos de idade, porque estava grávida e sua mãe estava doente, lutando contra um câncer. Ela afirma ser uma pessoa tímida e que, desde sua adolescência, nunca gostou de festa e de sair de casa e que nunca foi namoradeira. Com vergonha, fala que era adolescente com 13 anos de idade, quando menstruou pela primeira vez, e que só começou a namorar de 17 para 18 anos de idade e sua primeira experiência sexual foi com seu namorado com quem se relacionou por pouco tempo. Diz, rindo, que “não é vassoura para ficar varrendo por aí”, por isto, se orgulha de só ter dito relação sexual com dois homens, por não gostar de ficar mudando muito de namorado. Com 20 anos de idade, teve seu filho, conviveu com o pai dele por alguns anos, porém, por ser “uma pessoa difícil de aceitar certas coisas”, acabou se separando. Diz que, para ela, “palavra dói mais do que tapa, então a palavra mal dita já magoa, é melhor você dá um tapa de que certas palavras”, por isto, cada um seguiu seu caminho: ela foi para um lado e o namorado para outro.

  Maria das Dores é uma mulher adulta, que se orgulha da sua cor e de ser uma

  negra que nasceu na comunidade Maria Preta. Fala que, antigamente, quando ela era adolescente, passou por muita discriminação e preconceito por ser pobre, pelo lugar de origem e pela cor de sua pele. Conta que, quando adolescente, foi para São Paulo trabalhar como empregada doméstica: tinha apenas 12 anos de idade. Voltou para a comunidade Maria Preta com 15 anos de idade e logo começou a namorar iniciando sua vida sexual com 16 anos. Diz foi bom, pois acha que se deve pensar mais antes de ter uma relação sexual, porque o casal precisa ter uma conversa sobre como vai ser o respeito de um com o outro depois de ter feito sexo. Ela conta que se casou aos 18 anos de idade e que, durante o tempo que ficou casada, a relação teve muitos altos e baixos: lembra que só fazia sexo quando seu marido queria, porque não havia mais carinho e respeito entre eles. Aos 23 anos de idade, teve o prazer de ser mãe.

  Maria Esperança é uma jovem negra de 28 anos, que começou a namorar na

  adolescência, com 13 anos, e relata que, nesta época, namorou alguns garotos de sua comunidade Bananeirinha e da comunidade vizinha. Casou, a primeira vez, aos 18 anos, e não engravidou no início da sua relação conjugal, primeiro, porque tomava anticoncepcional e segundo, por sofrer violência doméstica. Seu marido era um homem jovem de 24 anos, muito agressivo, mulherengo e dependente do álcool. Ela conta, com tristeza, que sua primeira gravidez foi muito complicada, pois vivia um relacionamento muito tumultuado e bastante violento com seu marido e que foi depois de uma briga em que ele a empurrou e ela, grávida, caiu por cima da barriga, que resolveu deixá-lo, ao perceber que estava prejudicando não somente a ela, mas também ao seu filho que nem havia nascido. Foi morar na casa dos seus pais e lá teve seu filho, que nasceu com alguns problemas de saúde. Lembra que, quando ficou grávida, estava com 20 anos de idade e cursando o segundo ano do Ensino Médio, apesar de todo o conflito vivido com seu marido para que ela não estudasse. Recorda que sua mãe foi determinante, quando ameaçou ir para a justiça caso ele não permitisse que ela continuasse estudando. Terminou o Ensino Médio graças ao apoio de sua mãe, que ficava com seu filho para que estudasse. Com um sorriso envergonhado, conta que casou a segunda vez aos 21 anos de idade, quando seu filho estava com quatro meses de vida, pois sua mãe disse que para namorar conversando podia ser na casa dela, mas depois de ter relação sexual não a queria mais em sua casa. Com muita alegria e gratidão, Maria da Esperança fala que seu segundo marido é um homem bom, que registrou seu filho e o trata com o mesmo carinho e consideração com que trata a filha que tem com ela. Segundo disse, o único problema é o fato de ele trabalhar em outro estado, Pernambuco, só vindo uma vez por mês em casa.

  Assim como a infância, a adolescência de Maria Alice foi marcada por problemas decorrentes do vício da mãe em jogo de bingo. Recorda que, nessa época, ficava com raiva do seu pai por não deixá-la sair com as amigas, para que tomasse conta de seus irmãos menores, por causa da mãe ausente. Hoje, ela entende que ele precisava trabalhar. Conta que sofreu na adolescência com a separação de seus pais, mas o seu maior sofrimento foi quando tinha 15 anos de idade e se apaixonou, durante as férias na casa de sua avó na Bahia, e não quis mais por ela ter ficado na Bahia e por ter começado a namorar. Ele costumava falar “não suje meu nome”, porque as duas coisas mais importantes que as pessoas pobres têm são o estudo e o nome. Maria Alice começa a rir envergonhada, quando fala que, nesta época, começou a ter relações sexuais com um amigo que se tornou sua grande paixão até hoje. Nesse período, estava cursando o segundo ano do Ensino Médio, em uma escola pública, e suas colegas contavam que, mesmo sendo virgens, namoravam deitadas. Ela diz que quando se deitou pela primeira vez com seu namorado se sentiu estranha, mas continuou até o fim. Já tem dez anos de casada e toma anticoncepcional para evitar filhos, e diz que, às vezes, pensa em tê-los, mas não ainda.

  Maria dos Anjos conta que sua infância e juventude foram marcadas pela

  rejeição e pelo abandono de seus pais biológicos. O fato de nunca ter convivido com seu pai e ter passado pouco tempo com sua mãe marcou sua vida. Quando criança, foi morar com sua avó materna que queria cuidar dela, contudo, sua avó morreu, e ela foi criada pelo tio, filho desta avó. Conta que, na adolescência, seu tio não a deixava sair para as festas com os amigos e amigas da escola, mas que, mesmo assim, começou a namorar aos 16 anos de idade. Como a situação financeira era muito difícil e para ajudar seu irmão mais velho, foi trabalhar na casa dele como empregada doméstica, aos 17 anos de idade. Antes de começar a namorar com seu marido, foi amiga dele e, só depois, quando estava com 18 anos, começaram a namorar e resolveram se juntar e morar na comunidade de Canabrava, interior de Santa Brígida. Aos 20 anos, engravidou, por opção, de sua única filha, hoje com quatro anos de idade.

5.2.3 O trabalho como empregada doméstica

  Das dez mulheres agricultoras entrevistadas, sete vivenciaram a experiência de trabalhar como empregada doméstica, algumas iniciando ainda quando criança e continuando quando jovens. Três delas

  • – Maria dos Anjos, Maria do Sossego e Maria das Dores – realizaram este trabalho em Santa Brígida, em Salvador e em São Paulo, respectivamente. Em termos de relações de trabalho, cada uma delas prestou serviço para pessoas das suas famílias, da mesma classe social, pois foram trabalhar em casas de parentes
  • – irmão, irmã e tio. Dentro da família, constata-se que o trabalho doméstico está quase exclusivamente vinculado ao sexo feminino, a crianças e adolescentes que são responsáveis pelo preparo de alimentos, pela limpeza da casa e pelo cuidado com as crianças menores. Todas trabalharam como doméstica para “ajudar” a família. Maria do Sossego, com apenas 9 anos de idade, foi cuidar dos

  primas menores. Maria dos Anjos, com 17 anos, trabalhou como doméstica na casa de seu irmão mais velho. A realização deste trabalho em âmbito privado se dava de modo gratuito ˗˗ recebendo “agrados”, roupas, cadernos, sandálias, alimentação etc. ˗˗ ou mal remunerado.

  Observa-se, pelos seus depoimentos que elas não recebiam salário e que Maria das Dores ,quando trabalhava na casa dos parentes em São Paulo, não estudava:

  • Assim, com 12 anos, eu fui pra São Paulo cuidar de minhas primas lá, com

  

quinze, voltei. Aí, dos seis aos doze foi aqui ajudando mãe; fui pra lá, não fui ganhar nada em

São Paulo, voltei, quando chegou aqui comecei namorar, casei. [...] eu só ganhava roupa. Eu

morava na casa do meu tio. Só era roupa e comida, lá mesmo era só isso. [...] fiquei três anos

sem estudar lá. (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  • [...] nove anos eu fui cuidar do meu sobrinho em Salvador. Eu tenho duas irmãs

  

que moram em Salvador, eu fui cuidar desses dois sobrinhos, e cuidava da casa e ainda

estudava . [...] ganhava, ela, assim, me dava roupa, essas coisas, ela me dava tudo que

precisava e ainda me dava dinheiro [agrado] por fora. Eu não comprava o que eu imaginava,

na verdade nem tudo a pessoa faz o que a pessoa quer, ou come o que quer. (Maria do

  Sossego, parda, 38 anos).

  Em termos de relações de trabalho, quatro delas prestaram serviços a terceiros, fora do grupo doméstico, para indivíduos de classes sociais diferentes da sua, em uma relação de patrões e empregadas domésticas e seus serviços eram pagos sob a forma de moeda, insumos e bens de uso. Uma delas é Maria José:

  ˗˗ Eu trabalhava direto. Às vezes, quando era moça, trabalhava de empregada

doméstica pra poder ganhar um dinheirinho pra poder comprar uma roupinha pra gente.

  Roupa boa ninguém usava, calçado bom ninguém usava .

  Ela conta que começou a trabalhar na cidade de Maceió, no estado de Alagoas, em casa de família, ainda adolescente, quando tinha 13 anos de idade, para ganhar dinheiro e contribuir com a renda da família. Afirma que nunca ganhou salário e que ganhava tão pouco que nem sabe quanto era:

  • Menina! Oxê! Era um pouquinho e ainda dava um pouquinho pra mãe, pra

  

ajudar, que tinha quinze filhos, coitada. [...] depois que a gente começou trabalhar assim de

empregada doméstica, a gente ganhava um dinheirinho, dava para comprar uma roupinha,

um perfumezinho, ajudava minha mãe, coitadinha, era pior do que eu. (Maria José, parda, 50

anos).

  Já Maria dos Anjos se lembra do valor que recebia pelos seus serviços domésticos e que ganhou seu primeiro dinheiro aos 17 anos de idade, para ajudar na renda de sua família que era muito pobre:

  • Nossa, eu trabalhava e nessa época era R$ 80,00 reais por mês, era pouco, mas

  

assim, o que você pensa primeiro é ajudar em casa no que puder, como a gente era muito

necessitado. Hoje em dia todo mundo trabalha, tem o seu, mas era uma parte necessitada.

Então, eu procurava ajudar aos irmãos que eu tinha, comprar alguma coisa. Em pouco

tempo eles também começaram a trabalhar, aí foi quando foi melhorando a vida. (Maria dos

  Anjos, parda, 24 anos).

  Maria José, no relato a seguir, faz um discurso ambíguo quando diz não ter sofrido discriminação nem violência quando trabalhava como empregada doméstica, mesmo passando por uma série de inseguranças: alimentar, habitacional e de renda. Em suas palavras:

  • – Graças a Deus, nas casas que eu trabalhei, a primeira vez que eu fui trabalhar

    com 13 anos, era uma casa de uma senhora e um senhor de idade. A segunda vez, eu fui

    trabalhar também na casa de umas senhoras, mas essas senhoras eram muito ruins. Era

    fome, eu quase que morri de fome, passei três dias... eu digo “eu vou embora na quarta”,

    quando foi no sábado... mas não davam comida a eu... era duas, eu passava uma fome tão

    grande... “eu vou embora”... antes d’eu ir tinha uma mulher, [...] que o nome dela era

    Magareth, ela era professora, aí antes d’eu ir embora, tinha uma menina que disse que tinha

    uma mulher que queria uma menina para trabalhar, essa era beleza comigo. Depois eu fui

    trabalhar em Maceió também, eu trabalhei na casa de outra mulher que trabalhava na Caixa

    Econômica. Ali era boa também, era melhor que minha mãe. Ela me dava de tudo, ela me

    pagava e me dava de um tudo, roupa, calçado, de tudo, ela me dava. (Maria José, parda, 50

    anos).

  No depoimento, fica evidente a vulnerabilidade de Maria José, seu sofrimento físico por passar fome, e psicológico, por sentir insegurança, dependência, medo, sobretudo do controle das patroas sobre ela, sobre sua vida. É evidente a presença do patriarcalismo materializado em toda forma de opressão a ela e às outras mulheres, independentemente da sua idade, geração e raça. Neste contexto do emprego doméstico, a subordinação feminina fica visível, embora com nuances menos ou mais incisivas, menos ou mais declaradas.

  As práticas que se constituíram em torno do trabalho doméstico expressam a dominação e subordinação na relação patroa-empregada, sendo o espaço doméstico o cenário da intensa e viva dinâmica das relações sociais de gênero como relações de poder. Portanto,

  obrigação que representam formas de subordinação e opressão destas mulheres. Mesmo no caso do trabalho na casa de alguém da família suavizar com o discurso da obrigação de ser uma ajuda, um prazer em servir, ocorrem conflitos desta natureza (BRITTO DA MOTTA, 1992, p. 2).

  Tradicionalmente, na Região Nordeste do Brasil, a migração para outras regiões e estados do país, de homens e de mulheres pobres e de pouca escolaridade, decorre da necessidade de se inserir no mercado de trabalho para obter renda, da perspectiva de exercer alguma atividade remunerada. Em grande parte, os homens nordestinos migram para o corte da cana-de-açúcar e para as grandes cidades, para exercer atividades na construção civil como pedreiros ou serventes, mas, também, atividades como as de garçon e cobrador de ônibus; as mulheres nordestinas migram para executar o serviço doméstico. Esta ocupação é a que contribui com maior peso na composição da população feminina considerada economicamente ativa (PEA). Nas falas das mulheres agricultoras que migraram para cidades vizinhas e/ou capitais para trabalhar em casa de família, estão presentes, de forma mais ou menos sutil, os conflitos. É o caso de Maria da Paz:

  • [...] depois que eu estava na 7ª série acabei saindo para trabalhar fora,

  

trabalhar como doméstica, fui para Ribeira do Pombal. Depois, peguei a transferência para

estudar lá. Quando eu levei a transferência, mudei pra Salvador. Aí, fiquei indo e voltando.

Aí, depois de Salvador, passei um tempinho em Aracaju, voltei para Cícero Dantas, aí voltei

pra cá. Aí, foi quando veio esses projetos aí, eu não quero trabalhar de doméstica mais não.

Resolvi ficar aqui. Às vezes, eu penso em sair, mas não tem muito “regue” [reggae], não, pra

sair pra fora. (Maria da Paz, parda, 32 anos).

  Também é o caso de Maria de Lourdes que, quando jovem, para fugir da violência que sofria em casa, resolveu sair, como seus irmãos, para outros lugares:

  • Depois a maioria viajou pra fora, eu morei uns tempos em Salvador, depois eu

  

vim embora, arrumei o pai do meu filho mais velho. Fui pra São Paulo, morei três anos, não

deu certo, eu vim embora de vez. Trabalhava de doméstica, sofri também nas casas dos

outros. Porque, naquele tempo, a gente não sabia fazer quase nada e para aprender sofremos

até quando aprendemos. (Maria de Lourdes, branca, 41 anos).

  Essa mudança constante de lugar em função de questões pessoais dos patrões e de seus interesses, inviabilizando a continuidade dos estudos e também (na fala de Maria de Lourdes) o sofrimento para aprender a trabalhar como doméstica e se enquadrar dentro dos padrões estabelecidos de subordinação e obediência, característicos desta função, reforçam privado ou doméstico, se exerce a dominação masculina, a relação de forças materiais e simbólicas entre os sexos. É principalmente neste lugar privado que vai sendo construída, aprendida e perpetuada a lógica da dominação que se expressa nos valores, nas opiniões, nas crenças e se reforçam na maneira de pensar, agir e falar, tanto pelo dominante quanto pelo dominado. Bourdieu (2007) chama de violência simbólica esta dominação e a forma como é imposta e vivenciada, invisível às suas próprias vítimas.

5.2.4 O despertar da sexualidade, namoro e casamento

  Na trajetória das dez mulheres pesquisadas, ao pensar as relações entre as gerações de mulheres agricultoras e suas representações sobre a sexualidade, usei o marcador social “geração” como categoria analítica nos dois sentidos em que Andréa Alves emprega o termo. O primeiro sentido é “como posição no interior da estrutura de parentesco, alinhada à organização social do ciclo de vida” (2009, p. 15). Usei-o na perspectiva de tornar mais explicita a conexão entre sexualidade e reprodução, através das relações de parentesco destas mulheres agricultoras e de seus lugares na organização social dos ciclos de suas vidas. O modelo que predomina na sociedade em que estas mulheres agricultoras estão inseridas é o modelo normativo, dominante, de família patriarcal, heterossexual, de casamento monogâmico, com padrões de divisão de gênero e de idade. São padrões construídos socialmente que relacionam linearmente sexualidade, geração e reprodução.

  Observa-se que a sexualidade é um tema difícil entre as gerações de mulheres da zona rural, a maioria começando a ter uma vida sexual ativa na adolescência atrelada a um compromisso de casamento. As dez mulheres pesquisadas iniciaram sua vida sexual entre os 15 e os 18 anos de idade, e sete delas afirmam só ter feito sexo com um único homem, seu marido. Destas, as três adultas mais velhas

  • – Maria José (50 anos), Maria Amélia (50 anos) e Maria de Lourdes (41 anos)
  • – têm o maior número de filhos – sete, oito e seis, respectivamente. Elas fazem parte de uma geração que ainda tinha dificuldade de acesso à informação, além da resistência em utilizar os métodos contraceptivos. Já a geração das quatro adultas mais n>– Maria do Sossego (38 anos), Maria dos Prazeres (32 anos), Maria das Dores (31 anos) e Maria da Paz (32 anos)
  • –, e as jovens – Maria Esperança (28 anos) e Maria dos Anjos (24 a
  • –, disseram fazer uso do método anticoncepcional para evitar ter muitos filhos, por este motivo, elas têm entre um e dois filhos. Maria Alice (25 anos) não tem filho por opção.

  Maria de Lourdes (41 anos), dentre as mulheres agricultoras pesquisadas, é a exceção de sua geração. Apesar de pertencer a uma geração muito conservadora e castradora da sexualidade feminina, já teve quatro relacionamentos conjugais. Com seu traço individual,

  83

  de gênero de toda seu comportamento e sua prática cotidiana, “quebra” ou resiste ao habitus uma história coletiva da sua família e das mulheres agricultoras aqui pesquisadas. Com relação às outras mulheres da pesquisa, tem-se a percepção que há uma reprodução de vida cotidiana trazida pelas avós e mães, nem sempre percebida, principalmente em relação ao fato de as mulheres assumirem os filhos, a casa e o trabalho na roça. O mesmo se pode dizer da ausência de diálogo entre mães e filhas sobre assuntos como orientação sexual e sobre o corpo. Maria José fala do comportamento e das tradições de “antigamente” com relação à sexualidade feminina e ao namoro impostos pelos seus pais:

  • – Era assim, os velhos de antigamente. Hoje em dia não é assim, não. E

    antigamente, era assim: se, Deus o livre, a gente desse um erro dentro de casa, os pais não

  [Namorava] escondido com 13 anos [risos], namorar, não, conversar,

  queria a gente. [...]

porque antigamente a gente não namorava feito hoje em dia. Antigamente tinha que levar a

namorada em casa. Nós namorava escondidinho pra papai nem saber. Depois de 22 anos em

diante, assim de 20 anos, esse mesmo foi o único namorado que eu levei em casa e ainda

assim foi em casa pra pedir pra casar, que foi Manoel. Por que a gente tinha o maior medo

de papai... Ave Maria! Quem quisesse que fosse. Ele dizia

  : “se namorarem e engravidarem a gente vai ver!”. (Maria José, parda, 50 anos).

  Pode-se observar também no depoimento de Maria dos Prazeres como a identidade de gênero vai sendo construída socialmente através da cultura, do comportamento dito de mulheres, dos símbolos que se materializam e são alimentados pela heteronormatividade e se institucionalizam e interagem entre si na família, no parentesco, no meio doméstico, no Estado, na educação e na religião. Maria dos Prazeres afirma que fez sexo só depois que casou, quando tinha 17 anos de idade, e conta um fato que elucida como se reproduz e reforça a identidade feminina tradicional:

  • – [...] Com 15 anos eu menstruei, nasceu um caroço em mim, aí meus irmãos da

    outra família me levou pra Salvador. Aí fez uma cirurgia [...] eu cheguei num dia me internei

    pra fazer a cirurgia no outro dia. [...] Quando foi de noite a enfermeira, chegou
  • ainda hoje

  83 Compreendendo o conceito de habitus como: “[...] um sistema de disposições duráveis e transponíveis que, integrando todas as experiências passadas, funciona a cada momento como uma matriz de percepções, de apreciações e de ações – e torna possível a realização de tarefas infinitamente diferenciadas, graças às transferências analógicas de esquemas [...]” (BOURDIEU,

  

manga de mim: “Ei dona, você tem que tirar [depilar]”, eu fiz uma briga com ela, que não

deixava, eu era moça. [Ela:] “o que é que tem a ver com moça? Nada, não”. [Respondi:]

“Não deixo, não, que pai disse que para tirar esse negócio só era mulher casada, eu não sou

casada”, fiz uma confusão, minha fia, ela botou no prontuário. Aí o médico chegou, no outro

dia, ficou conversando de onde eu era, ficou perguntando coisa e deu risada, mas ela botou

no prontuário que se acontecesse qualquer coisa, era minha responsabilidade. Ah, quem

disse que eu ia deixar raspar, se meu pai dizia: “moça não se raspa, quem se raspar é puta

ou mulher casada. Tinha esse negócio, puta ou mulher casada, hoje a gente não usa isso,

cada qual faz a sua vida, cada qual faz o que quer, mas foi difícil, me casei, tô aqui [risos].

  (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  No depoimento de Maria José e de Maria dos Prazeres fica evidente como elas se enquadravam, acatavam e respeitavam as regras e as determinações de seus pais. Diferente de Maria de Lourdes, uma jovem tentando se contrapor às normas e regras estabelecidas para as relações de gênero na sua época de adolescente no meio rural. O confronto desta jovem “rebelde” é com sua mãe, com a forma como ela a tratava ao exigir comportamentos adequados para uma moça, exigindo sempre cuidados para não perder a virgindade, porém, de uma forma sempre agressiva, levando Maria de Lourdes a romper com os padrões:

  • [A primeira relação sexual] acho que eu tinha uns quinze pra dezesseis. Não

    gostei muito, não. Quer dizer que, naquele tempo, a gente fez mais besteira por causa dos

    nossos pais que xingava muito a gente com aqueles palavrões feios. Xingava o que a gente

    não era. Aí como eu sempre fui desaforada, que até hoje só, eu disse à mãe: [...] “Já que a

    senhora me chamou disso, a pois, eu vou dar é hoje, ainda fui de saia branca pra ter prova.

    Eu disse: “eu posso apanhar mas eu vou dar é hoje” (Maria de Lourdes, branca, 41 anos).

  Já Maria do Sossego conta que, aos 18 anos de idade, iniciou sua vida sexual com seu primeiro namorado e foi morar com ele desde esta época, há 20 anos atrás. Ela fala com timidez sobre seu sentimento de prazer com relação ao ato sexual: “Foi assim, foi e tá sendo,

  na verdade, ninguém pode negar

  ”. Para Maria das Dores, que, atualmente, está separada há apenas dois meses depois de 12 anos de convivência com seu único parceiro, a experiência sexual na adolescência, aos 16 anos de idade, aconteceu sem refletir, sem pensar nas consequências desta atitude, e agora, na idade adulta, com a experiência acumulada com este parceiro, pensaria mais nas questões desencadeadas após o ato sexual:

  • – [A primeira relação sexual] acho que foi com uns 16 anos. Não sei por que, eu

  

acho que a gente quando não tem assim uma experiência, a gente vai assim, no ato, não é

  

antes de fazer o sexo, tem que ter uma conversa de relação, como vai ser, porque tem que ter

o respeito. E não é assim quando a gente começa, quando é jovem a gente não vai pensando

no respeito, como vai ser depois da relação. Vai namorar, tem a relação de namorar, e

  (Maria depois quer continuar naquela vida, só tendo relação sem respeito. Não foi bom, não. das Dores, 31 anos).

  Maria das Dores continua falando sobre sua relação conjugal e como a dominação masculina oprime os desejos e os quereres das mulheres agricultoras que, em suas relações de gênero no cotidiano, ainda não conseguem confrontar a ordem de gênero patriarcal, então, aceitam e assumem o lugar de mulher dominada. Fala que só tinha relações sexuais quando o marido queria e sem o carinho de antes:

  • Só quando ele queria porque depois que a vida da gente fica mais ou menos

  

descontrolada, não tem aquela conversa mais, não tem aquele carinho, faltando carinho,

faltando o respeito, aí vai levando. (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  A sexualidade dessas mulheres está diretamente relacionada ao casamento e à reprodução. O casamento no meio rural ainda se apresenta como uma imposição, um preceito na vida destas mulheres agricultoras heterossexuais e, segundo elas, a falta de oportunidade era, e ainda é, o grande vilão para um casamento tão precoce. Na fala de Maria José, o casamento era a única alternativa para sair do domínio do pai, da situação de pobreza e da exploração do trabalho familiar. Não passava por sua cabeça não cumprir com esta obrigação moral imposta pela família e pela sociedade e por ela naturalizada e incorporada. Maria dos Prazeres também via o casamento como um preceito: na adolescência, sonhava e juntava dinheiro para um possível casamento, que iria acontecer um dia. Quando seu pretendente apareceu, ela tinha uma condição para aceitar o casamento e poder continuar estudando. Esta condição não era nem cogitada na geração de Maria José. É o que elas dizem sobre o casamento:

  • Tem hora que eu digo, assim, que acharia, porque é assim, às vezes a gente diz

  

vamos casar, se a gente mora de baixo dos pais, para sair de trabalho. E quando casei fui

trabalhar mais ainda, então, achei bom que casei, me amparei, graças a Deus, ele nunca me

tratou mal, mas é pra trabalhar. Eu devia ter ficado solteira mesmo, trabalhando sossegada,

mas é coisa da vida. A gente tem que casar mesmo, não pode ficar. (Maria José, parda, 50

  anos).

  • – E a gente foi e ficou assim, namoremos e se casemos. Esse já foi namoro mesmo

  [risos]. [...] Foi, graças a Deus. No início foi ruim, mas depois a gente vai vivendo a vida, vai

  

se me deixasse estudar. Ele disse que podia estudar, podia ir pra onde quisesse, então é com

esse que eu vou me casar [risos altos] : “Mãe, eu vou me casar”; [a mãe:] “Menina!”. Logo

eu ajudava demais em casa. Eu acordava era quatro e meia da manhã junto com pai, ia tirar

  (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  o leite, eu ia também.

  As mulheres agricultoras são alfabetizadas, porém, as adultas mais velhas, nascidas nas décadas de 1960 e meados da década de 1970, mal terminaram a 4ª série primária, hoje Ensino Fundamental I. Apesar de as mais jovens terem mais escolaridade, chegando a concluir o Ensino Médio, elas continuam vendo o casamento como a única alternativa na vida delas, diferentemente dos homens, que priorizam o trabalho rural ou migram para São Paulo em busca de trabalho. Diz a jovem Maria Alice, referindo-se aos homens jovens da comunidade Bariri, do município Ribeira do Amparo:

  ˗˗ Como os jovens de hoje pensam, 90 % dos jovens daqui da comunidade acha

que o futuro é esse e nem faz nada aqui, não completa 18 anos e quer ir para São Paulo, não

  .

  faz nada aqui, não quer saber do estudo porque diz que o estudo aqui não é igual ao de lá

  Os jovens, filhos de agricultores, deixam a escola muito cedo, querem começar a trabalhar, porque isto significa entrar no mundo dos adultos; ter ido a São Paulo, ter dinheiro, é muito importante para se afirmar em relação aos colegas e em r elação às meninas. “Ser reconhecido e se reconhecer como homem”, diria Bourdieu (1983, p. 115).

  Ainda hoje, na região semiárida, observa-se pouca perspectiva quanto à geração de renda para as mulheres agricultoras, mesmo quando elas concluem o ensino médio. Elas sofrem do que Crenshaw (2002) chama “discriminação interseccional”: estão em uma posição social, econômica e cultural que contribui para a sua vulnerabilidade a outros sistemas de subordinação, colocando as mulheres rurais, pobres e, principalmente as negras, mais vulneráveis, quando eles se intersectam. É o caso, por exemplo, de Maria das Dores, negra, recém-separada, um filho, formada em Magistério, que não consegue exercer este ofício no município de Banzaê nem na sua própria comunidade, tendo que fazer várias atividades para se manter e ao filho:

  • Na verdade eu me mantenho hoje, estando separada, é como eu me mantinha

  

junto, com Bolsa Família, trabalhando, trabalho no artesanato quando vende é uma rendinha

a mais e às vezes eu trabalho em Banzaê, ganho por dia [faz faxina]. Eu me mantenho assim.

  (Maria Não tenho vontade também de ir pra São Paulo, que sei que lá a realidade não é fácil. das Dores, preta, 31 anos).

  Maria das Dores enfrenta a discriminação de gênero, de classe social, de sua e as pessoas da comunidade Maria Preta. No seu depoimento, percebo que não é mais oprimida que as outras mulheres da pesquisa, que são da mesma classe social, sejam elas brancas, pardas, ou mesmo a outra mulher negra, mas ela experimenta as múltiplas opressões a partir de seu lugar, de sua trajetória de vida e de sua vivência de mulher camponesa negra e pobre, o que traz marcas profundas e um sentimento de revolta e tristeza, além de um ponto de vista sobre a opressão racial presente na sociedade racista e sexista, de quem vivencia a discriminação e o preconceito racial fora e dentro da própria comunidade:

  • Aqui, fora, assim quando a gente chega num lugar, as pessoas não veem a

  

gente, é como se não tivesse chegado ninguém, aí a gente já sente aquela coisa por dentro,

por ser da Maria Preta, por não ter um cabelo liso, por não gostar muito de falar, por não

gostar de se mostrar, a pessoa não liga pra gente, não tem aquela atenção que a gente vê que

têm com outras pessoas das outras comunidades. (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  Em outro depoimento, ela afirma que o estudo ajuda a enfrentar a discriminação racial, apesar das questões políticas:

  • Ajuda, não é muito, porque a escola aqui, eu fiz o Magistério, tenho

  

autorização de estar em sala de aula, mas como tem a questão política e tem a questão que é

Maria Preta... o professor da comunidade, mas sempre que precisa de uma mobilização na

escola. Ela já sabe que eu tenho estudo, já me procura. No início do ano letivo a diretora já

vem, faz reunião com as mães e aí já diz qual o professor que vai ser, logo esclarece que

havendo falha do professor a gente tem direito de reclamar, e eu, Maria das Dores, que tem o

  [que o

  Magistério, que tá por dentro mais da escola, também ajuda. Aí eu acho que sim estudo ajuda]. (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  O estudo não só ajuda a enfrentar o racismo, como se apresenta como um elemento fundamental para o empoderamento das mulheres agricultoras. Dentre as mulheres pesquisadas, Maria dos Prazeres é uma exceção, pois conseguiu concluir o ensino superior e está cursando uma pós-graduação, com muito sacrifício e colaboração de sua família, principalmente de sua mãe e de sua irmã, que ajudaram a pagar as mensalidades da faculdade e assumem os cuidados com suas duas filhas, para que ela possa continuar estudando.

6 PROJETO GENTE DE

VALOR: EMPODERAMENTO E/OU

  A perspectiva, ao investigar a trajetória de inserção das dez mulheres agricultoras pesquisadas nos espaços organizativos e produtivos, nas diversas ações desenvolvidas pelo Projeto Gente de Valor, no período de 2009 a 2012, foi de aferir se elas obtêm crescimento pessoal, social e político, de analisar se se empoderaram no espaço público e no espaço privado.

  Na história de vida de cada uma dessas mulheres, observo as formas como se inseriram no Projeto, nos grupos produtivos e nos grupos organizativos e identifico os obstáculos por elas enfrentados, de forma a visibilizar nos depoimentos se e como o processo de empoderamento se concretizou, nos diferentes níveis, seja individual, organizacional e comunitário. É importante ressaltar que se, na trajetória e experiência vivida por essas mulheres no PGV, conforme os relatos, estes níveis se misturam, aqui se buscou separá-los para uma melhor visualização dos seus indicadores.

  6.1 EMPODERAMENTO PSICOLÓGICO OU INDIVIDUAL Participar do Projeto Gente de Valor não foi o primeiro desafio enfrentado pelas mulheres agricultoras. Para participar das atividades promovidas pelo PGV, elas tiveram que enfrentar as situações de dominação, submissão e violência sofridas na família, principalmente por parte dos pais ou maridos. No início, elas conseguiram participar apenas com a presença silenciosa. Depois, com o passar do tempo, esta presença ganhou voz e ação. Durante o processo de encontros, reuniões, cursos, intercâmbios, as mulheres foram se abrindo, trocando, com as outras mulheres, informações, expectativas, sonhos e desejos, construindo laços de amizade e confiança mútua entre elas. Com o crescimento enquanto lideranças, passaram a respeitar mais os outros e adquiriram o respeito deles. Permanecem os desafios de aceitar críticas e de enfrentar os conflitos na família e no grupo. Um resultado neste processo de empoderamento é a autoaceitação e o sentimento de autovalorização dessas mulheres.

  No relato de Maria de Lourdes, percebe-se os obstáculos que teve que superar desde o início dentro de sua própria famíl ia para conseguir participar. “Eu estou desde o

  início, até a minha mãe, ela dizia:

  “Besta, já vão pensar que vão arrumar alguma coisa”, Ao insistir, no início, em participar das atividades, apesar da falta de apoio de sua mãe, que não ficava com suas crianças pequenas, ela diz:

  “Minha única dificuldade era quando eu não

tinha com quem deixar meus filhos pra ir, porque mãe não fica com meus filhos pra nada”.

  Maria de Lourdes teve que buscar alternativas para não desistir: “Se eu não tiver com quem

  

deixar, aí eu deixo com minha sogra o de quatro anos e o de dois anos fica na creche o dia

todo [...] A minha participação no início era mais difícil por causa das crianç as”. Superada

  esta dificuldade e com uma maior presença e dedicação nas reuniões e nas oficinas de formação, percebo mudança na autoestima de Maria de Lourdes e também uma maior integração na comunidade.

  Ela ainda busca o reconhecimento junto à sua mãe, quando diz

  : “Hoje em dia não

comenta mais, não. Eu digo: tá vendo aí, mãe, que a gente conseguiu o que a gente queria,

apois, mais besta foi a senhora que saiu”. E continua buscando também o reconhecimento

  junto à comunidade, uma vez que o grupo de artesanato do fiapo já construiu uma dinâmica de trabalho coletivo e de cooperação entre seus membros. Ela afirma que houve mudança na comunidade com o trabalho desenvolvido pelo grupo de artesanato do fiapo: “Mudou, porque

  

antigamente cada um trabalhava em suas casas, cada quem por si, e hoje em dia tem o dia da

gente se reunir, fazer o grupo para trabalhar. Aí eu acho que mudou muita coisa e quem não

se interessou, hoje em dia está arrependido”.

  Para Maria Alice, que assume a liderança do grupo de artesanato do fiapo e também é secretária da Associação Comunitária e Cultural do Bariri, Rio Seco, Alto e Rio Quente de Cima, a dificuldade, dela e de outras mulheres, de participar, no início da implantação do PGV, diferentemente de Maria de Lourdes, não tinha relação com a família, marido ou filhos, e sim porque não existia relação entre as pessoas vizinhas que moravam naquele lugar, muito menos integração. Segundo ela, tinham dificuldade em participar das reuniões, mas acabaram superando: – [...] não só eu, como todas aqui, era uma comunidade que ninguém se reunia.

  

Eu passava por minha vizinha, nem se cumprimentava, era assim. A comunidade era

desunida. O Projeto uniu a gente, hoje, se mexer com um coitado, mexeu com a comunidade

toda. Hoje, a gente está bem unida, principalmente o grupo que mantém, é como se fosse a

mesma família, e é uma família. É como eu falo, é um casamento, tem briga tem tudo, igual

  (Maria Alice, parda, 25 anos).

  um casamento.

  Maria Alice conta que começou a participar desde o início e que era de seu conhecimento que outros projetos semelhantes já tinham existido e desaparecido em

  • – Do Projeto, desde o começo, desde a primeira reunião eu já estava. Foi assim, eu trabalhava na prefeitura, eu peguei uns papéis para ler e tinha lá “Terra de Valor”, e

    tinha o nome da nossa comunidade, ninguém sabia ainda, e eu cheguei em casa falando: “Eu

    vi um projeto que vai ter aí eu vi o nome das comunidades, aqui tudo”. Então falou: “Traga o

    papel para a gente vê”. Só que a gente não imaginava que ia ser tudo isso porque já tinha o

    Projeto Tucano, tinha feito um arrasto por aí e sumido. Não na nossa comunidade, mas nas

    comunidades vizinhas, já tinha experiência, não muito boa, com projetos. Até a nossa, depois,

    nós participamos de dois projetos juntos [Ater e o Gente de Valor], mas o que venceu, o que

    mudou, foi o Gente de Valor, eu acho, porque, desde o começo, eu participava. Quando

    perguntava qual são os anseios de vocês? O que vocês querem para a comunidade? Desde

    (Maria Alice, parda, 25 anos).

  desse tempo, a gente participava.

  Maria Alice, em relação a Maria de Lourdes, é mais jovem, mais escolarizada, viveu, até os 16 anos, na cidade de São Paulo e não tem filho por “decisão” sua de não engravidar. Ela se encontra em um grau de empoderamento maior tanto individual como organizacional, pois sua participação é qualificada através da apropriação de conhecimentos sobre a estrutura interna e gestão da associação e do grupo de artesanato, por conseguir discutir e analisar criticamente a intervenção desenvolvida pelo PGV. No depoimento, fala do grupo produtivo de artesanato e, de forma sutil, dá sua opinião sobre a condução dada no PGV:

  • – A gente utiliza algumas coisas do regimento, porque nem sempre o regimento

    tem como ser atendido. A gente se organiza assim, a gente trabalha todo sábado, aí faz sua

    peça, a gente anota, vende, tira o do grupo e dá o da pessoa, e está dando certo. A gente fala

    e o pessoal não acredita, mas a gente não está dando conta, dia de sábado só, não dá mais.

    Porque esse mês a gente vendeu mais de 100 almofadas, já esse mês, dia de sábado só, não

    dá tempo e a gente não faz só almofada, tem outras coisas que a gente faz. Eu agora também

    vou falar uma coisa que eu sempre falo, eu acho, assim, que essa questão do artesanato foi

    visto pelo Projeto tarde demais. Eu sempre falo isso porque nosso foco mesmo é o artesanato,

    mas o Projeto... sempre as outras coisas serviram, viveiro, os quintais produtivos... pra mim,

    o que mais serviram foram os quintais produtivos, acredito, para as mulheres. As

    capacitações, também, que os encontros de mulheres foi muito bom, abriu muita coisas para

    as mulheres, e dos maridos, que a gente ia enjoar eles de noite contando as coisas... E os

    quintais produtivos e o artesanato, que é onde mais a mulher fica. Aí eu sempre falava pra

    Rejane [a técnica], eu acho que foi visto tarde demais, deixou a gente na mão, porque eu acho

  [produtivo] (Maria

  que dava para ajudar bastante, mas como a gente não estava como foco Alice, parda, 25 anos).

  Maria do Sossego começou a ensinar as mulheres vizinhas a fazer crochê, antes

  do PGV iniciar a sua intervenção na comunidade. Participou das reuniões do Projeto desde o início. É fundadora e tesoureira do grupo de artesanato do bordado (costura, pintura e crochê) da comunidade de Canabrava, formado por 30 mulheres. Ela diz perceber diferença nela mesma:

  • Na verdade, chega pelo conhecimento das máquinas, que fala nos nomes das

  

máquinas, nós pensava que era uma coisa de sete cabeça as máquinas. Na verdade, hoje em

dia, a gente sabe manusear as máquinas, pra mim eu acho que já foi um conhecimento bom.

Que nós não tinha nem o conhecimento de máquina galoneira

  • “Que máquina galoneira é

  essa?

  • , overloque não tinha bem conhecimento... Hoje em dia, eu já sinto outra pessoa, é

  mot ivo de muita emoção” (Maria do Sossego, parda, 38 anos).

  Já para Maria dos Anjos, que também participa do grupo de artesanato do bordado da comunidade de Canabrava, o que a levou a participar do grupo foi seu interesse em aprender a fazer crochê, mas que foi além:

  ˗˗ Eu acredito que eu aprendi muito. Eu aprendi de início a lidar com muita

  

gente, a me misturar com muita gente. Aí eu fui aprendendo, muitas vezes não é só o crochê,

é a conversa o que há de bom no meio do grupo.

  Ela fala sobre a vivência com as colegas e sobre o que conversam ˗˗ “A gente

  

divide problemas, têm as pessoas que desabafa em certos momentos. Quando a gente chega

com um problema, a gente gosta de desabafar, é até muitas vezes uma forma de aprender a

lidar umas com as outras, assim, a se conhec er” ˗˗ e do objetivo de aprender a fazer crochê ˗˗

  “Era pra ter renda, para ocupar o tempo. Porque, na verdade, eu não trabalho, só quem

  

trabalha é meu esposo. Ocupar o tempo e ter uma rendinha. Ganhar alguma coisa”. Merece

  aqui ser observado que ela não c onsidera “trabalho” aquele que não obtém renda, como é o caso do trabalho de dona de casa.

  Maria José foi presidente da Associação dos Moradores da Comunidade de

  Beleza até o final do ano de 2012, término da intervenção do Projeto Gente de Valor. Ela relembra que começou a participar no início do Projeto quando quase ninguém queria participar, pois as pessoas tinham medo. O pessoal só acreditou no Projeto depois, quando começou a implementação, as primeiras ações, as cisternas de produção e os quintais produtivos:

  [aí é] Que foram atrás do CNPJ da associação, aqui [comunidade Baixa do momento, não tinha experiência de participar de grupos ou de associação, mas queria participar: “Aí quando chegamos lá foi preciso a gente se associar, foi tempo que o presidente

  

de lá venceu os tempos dele, também não tinha quem quisesse, então colocaram eu como

presidente, passemos lá dois anos nessa presidência lá”.

  Ela conta que, por ter assumido esse cargo que ninguém queria, teve que ouvir críticas de algumas pessoas “dizendo que a gente queria tomar a associação deles”, e enfrentar conflitos dentro da associação: “Que nós quando pegava as coisas, só vinha pra

  gente, e não vinha pr a eles”. [Eu respondi:] “Não, mulher, a gente não tomou suas coisas, a

gente não vai tomar sua associação, nós estamos aqui porque vocês não quiseram ser

presidente da associação”.

  Esse problema surgiu porque o PGV, em sua metodologia de intervenção, estimulou a formação do subterritório, juntando três a quatro comunidades próximas que tivessem características e identidades culturais semelhantes. Porém, para a operacionalização dos recursos vindos do Projeto, não se criou nenhuma organização que envolvesse todas as comunidades. Para acelerar o processo, foram utilizadas as associações comunitárias que já estavam formadas e legalmente registradas nas comunidades que faziam parte do subterritório.

  Algumas dessas associações, muitas vezes, tinham documentação e registro, porém não tinham uma dinâmica associativa latente, pois foram criadas por cabos eleitorais de determinado grupo político ligado a um vereador. Foi o caso da Associação de Beleza; como não existia uma vivência associativa dos sócios, as pessoas que moravam na comunidade não quiseram assumir os cargos da diretoria da associação e, como as mulheres da comunidade vizinha, Baixa do Mocó, queriam os benefícios do Projeto, mesmo sem experiência na gestão de uma associação, resolveram enfrentar as dificuldades e assumiram a diretoria. Maria José lembra que as brigas internas na associação atrapalharam:

  “[...] as

pessoas são desunidas, as pessoas não querem, né. Eu acharia assim, se as pessoas fossem

tudo organizadinho, unidozinho, eu acho que a gente ia buscar mais coisas”. Recorda e

  lamenta que pelas outras atividades oferecidas pelo Projeto, como artesanato e corte e costura, as mulheres não se interessaram: “Hoje em dia a gente tem que trabalhar em alguma coisa

  

a gente vai viver só no cabo da enxada todo dia? Não, é ruim! Se a gente tivesse mais uma

rendinha, uma coisa mais fácil, não, era melhor, mas ninguém quis; fazer o que?”. Mas

  afirma que gostou de ter participado:

  • Eu achei bom demais, homem [risos]. Aí tem hora, que eu digo às meninas:

  

se divertia, era bom demais!”. Naqueles tempos eu não ficava estressada, [porque] a gente

conversa, conversa com uma pessoa, conversa com outra, naquele tempo eu achava bom

demais, eu comecei sem querer, mas depois eu acostumei, minha filha, pense que eu achava

[risos] (Maria José, parda, 50 anos). bom! Tem reunião eu estou lá.

  Dentre os cursos de capacitação promovidos pelo PGV, o que ela mais gostou entre todos dos q uais participou, foi: “As plantas! Meu quintalzinho, eu gostei”. Ela se refere aos quintais produtivos e com alegria e orgulho de ter uma boa produção, apesar do período de estiagem, de não ter usado veneno nas plantas e, principalmente, de ter aprendido os ensinamentos agroecológicos: “Eu aprendi [risos]. Ainda hoje, eu planto, eu gosto de plantar,

  

se eu tivesse água, eu plantaria direto, porque eu gosto. Não tem muito, porque o sol está

muito quente e a água é pouca”. Com muita alegria, ela afirma: “Tenho coentro, pimentão,

pimentinha, cebola, tenho tudo ali. [risos]. Tudo agro ecológico, tomate, graças a Deus, tanto

comi quanto dei pro povo aos montes. Eu não uso veneno, até hoje, graças a Deus, nunca

usei”. Maria José fala com prazer desta prática e afirma que continua plantando verduras e

  hortaliças sem usar veneno: “Aprendi com o Projeto. Foi, porque a gente come tudo com veneno, já não é muito sadia, e tudo que for comer, com veneno, aí o bicho pega, não é?”.

  Ela revela ter um maior domínio do manejo agroecológico e ter incorporado essa prática independentemente da presença do Projeto. Ainda falta, porém, em seu discurso, maior conscientização política sobre o que representa esta proposta em relação ao modelo tradicional da agricultura. Apesar de ter deixado a Associação de Beleza e não mais assumir cargo de diretoria na outra associação da qual hoje é sócia, Maria José diz que valeu a pena ter participado da associação e aponta os benefícios alcançados:

  “Valeu demais. Porque veio as

coisas pra gente, veio esses quintais produtivos, veio máquina forrageira, cisternas, prá mim,

não, que eu já tinha, mas veio para as outras pessoas e foi bom demais. Aí depois veio essa

rede de água, graças a Deus”. Ela continua falando porque valeu: “Essa outra [água] é pra

gente gastar, pra gente não estar todo dia pedindo numa prefeitura ou então ir para longe

buscar”.

  As mulheres agricultoras que participam efetivamente das dinâmicas organizativas e de atividades produtivas, de capacitações temáticas, das associações comunitárias, exercendo um cargo de direção, como presidente, tesoureira, secretária ou mesmo como sócias ativas de sua organização, essas mulheres experimentam o poder. Já Maria José experimentou o poder enquanto presidente da associação, no período em que estava vivenciando a dinâmica organizativa participativa e um intenso processo de das mulheres era visto dentro do Projeto como um instrumento para o desenvolvimento e com bate à pobreza, suas ações estavam focadas nas “necessidades práticas de gênero”, através das tecnologias produtivas e geradoras de alimento e renda monetária.

  O Projeto criou as condições para que as mulheres participassem das associações, porém, o controle sobre os recursos e informações continuou sob a tutoria dos técnicos, não possibilitando a construção do exercício pleno da autonomia das mulheres diretoras da associação. Todavia, estas ações não levaram Maria José nem as outras mulheres desta associação a refletir sobre suas situações de subordinadas aos homens e a questionar a ideologia patriarcal nem a desvelar as desigualdades sociais e a discriminação de gênero, por elas sofridas e naturalizadas.

  Como o empoderamento é um processo e este processo não é linear, parece-me que Maria José não se empoderou, de fato, ou o grau de seu empoderamento foi baixo, já que o ambiente que a circunda não lhe proporcionou um entendimento crítico sobre a sua realidade, ter autonomia e capacidade de fazer suas próprias escolhas. Ao comparar a Maria José, presidente da Associação em 2011, com ela mesma, em final de 2013, relembro que era atuante na comunidade e fazia as tarefas relativas ao seu cargo, porém com a ajuda dos outros e sob o comando dos técnicos e não por si mesma. Maria José, em 2011, estava em um processo de empoderamento individual construindo capacidades em manejo agroecológico e na prática cotidiana do associativismo comunitário, contudo, em 2013, saiu da vivência associativa e voltou ao seu universo doméstico e agrícola: desempoderou-se. Não foi convencida nem se convenceu da importância de estar à frente da associação como presidente, um direito seu e das outras mulheres, como estratégia para lutar por seus interesses enquanto grupo e servir como referência para as outras mulheres da comunidade, uma vez que era a primeira mulher, agricultora, com pouca escolaridade assumindo a execução de um Projeto enquanto presidente da Associação Comunitária de Beleza.

  Maria Esperança, assim como Maria José, participou ativamente do grupo de

  quintais e incorporou a prática e a proposta agroecológica, também acompanhada pelos técnicos do escritório de Jeremoabo. Ela assumiu como vice-presidente da Associação Comunitária Bananeirinha e Adriana, no município de Jeremoabo, e foi Agente de Desenvolvimento Subterritorial (ADS) do PGV e, por este motivo, passou por um processo de formação sistemático e mais aprofundado. É importante frisar que se trata de uma jovem de 28 anos, que tem o Ensino Médio completo e que estava cursando o penúltimo ano do Curso de Técnica Agrícola. Para ela, participar trouxe o compromisso de compartilhar com os outros seu sentimento de pertencimento. Em suas palavras: “Participar é tá presente, é ouvir e falar

  

e depois não ficar pra gente o conhecimento, passar para as pessoas que não puderam está lá

presente, passar para as pessoas do subterritório, não só da comunidade”. Ela continua

  falando sobre seu senti mento: “Porque quando eu ia para uma reunião eu me sentia da

  

Bananeirinha, eu falava sempre: Meu território é Ribeirinhos e eu estou aqui para

representar as três comunidades. Se for pra vim três coisa, uma em cada comunidade”. Ela

  afirma que representar as comunidades

  : “[...] minha opinião é essa, não só ficar pra mim,

participar de uma reunião e ficar com o conhecimento pra gente, tem que expandir para que

as pessoas possam ter conhecimento”.

  No discurso e nas ações de Maria Esperança, percebe-se que o seu empoderamento não é ilusório, como o de Maria José, porque ela tem consciência do seu compromisso com a comunidade, põe o conhecimento aprendido a serviço do grupo e experimenta o “poder com” ao expandir e compartilhar, com as pessoas da associação e da comunidade, seu aprendizado e questionamentos, motivando-os a refletir sobre as estruturas do modelo de desenvolvimento tradicional da agricultura que domina sua região e que coloca a mulher agricultora num lugar secundário, subordinada ao domínio masculino. Ela fala sobre sua participação no Projeto dizendo: “Hoje, sendo coisa honesta, eu topo qualquer parada,

  

em questão de trabalho, em questão de viajar, em questão de estudar”. Relembra que, no

  início do Projeto, tinha dificuldade de falar em reunião: “Antigamente, eu participava de uma

  

reunião, meu Deus do céu, eu jamais, eu falaria, mas hoje, não, se é uma coisa que está me

incomodando, que vai é prejudicar alguém, eu não fico calada, não”. Ao dar a sua opinião,

  ela inicia dizendo que as pessoas precisam estar sempre atuando para ter condições, conhecimentos e ficar sempre informadas e que, para isto, precisam participar das reuniões para poderem ouvir e serem ouvidas. Maria Esperança diz que percebeu mudanças em outras mulheres que antes não tinham coragem de falar:

  • – Eu percebo tanto aqui na comunidade Bananeirinha, no subterritório em geral,

    as pessoas que mal falavam o nome, que hoje já está participando de reunião, se

    comunicando, não tem mais aquela vergonha de antes e, como ADS, eu percebi que tinha

    pessoas que até para falar o nome tremia e, no decorrer do projeto, parecia, não, é outra

    pessoa, que perguntava, que se comunicava, que questionava... Meu Deus, vai ser mesmo pro

    resto da vida, o que a gente aprendeu foi um presente de Deus. A gente não tinha esse direito

    de participar de reunião, quando eles queriam, traziam os projetos feito, quando chegava na

    comunidade, e esse não, a gente teve o direito de dizer o que precisava e de participar de

  Maria Esperança nos leva a refletir que um projeto de desenvolvimento rural que tem como estratégia de intervenção a equidade de gênero e o empoderamento de mulheres deve ter como “obrigação” metodológica a participação equitativa de homens e de mulheres desde o início, no diagnóstico rural participativo (DRP), para que todas as pessoas possam colocar suas demandas individuais e coletivas, influenciando e contribuindo para a construção da proposta do projeto a ser executado.

  Maria Amélia participou do PGV desde o início de sua intervenção no campo,

  quando os técnicos estavam aplicando o DRP na sua comunidade, Raso Pintado, município de Fátima e se tornou liderança importante do processo. Ela conta:

  • – [Participo] da organização da comunidade já vem uns 20 anos, eu sempre

  Depois, a partir desses projetos do Gente de Valor, que a

  organizava a comunidade. [...]

gente começou a fazer as coisas mais diferentes, vê as coisas do outro mundo. [...] Aí foi

quando a gente formou a associação, fizemos a comissão, aí fiquei sendo a tesoureira, até

hoje continuo, não sei até quando” (Maria Amélia, branca, 50 anos).

  Maria Amélia se refere às tecnologias que foram implantadas na comunidade durante a realização das atividades produtivas do Projet o: “Fui contemplada com cisternas,

  

banheiro, cisterna de pote”. Isto significa que ela participava do grupo dos quintais

  produtivos:

  • – Para te dizer a verdade, eu não plantei no meu quintal ainda. Porque, às vezes,

    de vez plantar no quintal, eu preferi plantar mais por fora, que eu achava que era mais

    rápido. Porque o quintal tem mais, assim, coisa para planejar. Eu mesma já acostumada já

    na lavoura, eu achei melhor plantar fora do canteiro. Eu plantei como a gente plantava as

    verduras
  • couve, tomate, um bocado de coisa, cenoura... a gente já plantou tudo, isso assim dá, na terra da gente. (Maria Amélia, parda, 50 anos).

  Maria Amélia confessa não ter seguido as orientações da técnica para fazer os dois canteiros econômicos com lona plástica e com o cano que ficariam enterrados nos canteiros, e que teriam que receber adubação orgânica. Resolveu continuar fazendo do seu jeito, com as leiras e o plantio direto no solo. Quando se pergunta se ela plantou fora do canteiro, ela diz:

  • – Isso, porque aquele precisava de muito adubo e eu não tinha como botar. Aí

    tinha que ser, e precisava daquela lajezinha que eles fazem com o plástico. Assim eu pelejei,

    sabe, de uma... acho que, assim é melhor, a gente aguar melhor, não é que conserve, porque

    o plástico ajuda mais a conservar a molha, mas eu sei, é o costume da gente. E do meu jeito

    deu, com certeza. (Maria Amélia, branca, 50 anos).

  Demonstra ter conhecimento sobre a proposta e realmente ter participado das oficinas de capacitação dos quintais produtivos, porém teve resistência a incorporar a forma que estava sendo experimentada pelo grupo. Ela afirma que não achou erro na proposta dos técnicos: “Não, não foi erro não. Foi coisa da minha cabeça mesmo. Todo mundo plantou e

  todo mundo se deu bem. Agora eu é que plantei po r fora”. Atitude de independência, com

  certeza, mas precisaria conferir qual método deu mais certo e qual a reação do grupo à sua atitude ou a repercussão no processo do grupo.

  Maria Amélia conta que não participa ativamente do cotidiano do processo associativo e que não assume como deveria as funções de tesoureira; apenas assina os cheques que o presidente da associação já preencheu e traz para ela assinar. Ela diz:

  • Mulher, pra ser tesoureira da associação eu posso dizer assim, que eu não sinto

  

peso de nada pra fazer, porque o presidente resolve tudo, apenas ele chega aqui, que é uma

coisa que eu acho que seja errado, apenas ele chega aqui com o cheque já assinado [por ele],

aí manda que eu assine. Até eu já reclamei isso pra ele, meu serviço não era só chegar e

assinar e deixar ele resolver o restante, mas depois eu vou deixando pela vontade... (Maria

  Amélia, branca, 50 anos).

  Sabe-se que esse procedimento na associação não é correto e que as atribuições da tesoureira exigem dela uma maior presença, um controle administrativo-financeiro da conta bancária da associação, responsabilidade sua diante dos associados e da comunidade. Ela afirma saber que é perigoso, mas que confia no presidente: “Ele chega: “Assine aqui!”; eu

  . Ele é uma pessoa que pode até errar, mas até o momento

  assino, apesar que eu confio nele

eu dou esse voto de confiança nele”. Maria Amélia não assume que esta situação é cômoda

  para ela e que deixa, sobre as costas do presidente e dos outros sócios, as responsabilidades, que, a princípio, seriam do cargo de tesoureira que, legalmente, ela representa.

  Quando pergunto se ele apresenta as contas nas reuniões da associação, ela diz assim: “Ele [o presidente] apresenta as contas, quanto entrou, quanto saiu, tudo ele explica.

  

Só que a gente também, não vou dizer que ele faz tudo certo e direito, porque a gente também

não dá muita importância pra ajudar ele fazer as coisas”. Ela afirma não acompanhar nem se

  envolver na prestação de contas da associação: “Não, eu não vejo, não, falar verdade, eu não

  vejo, não

  ”. Ela não parece ter um entendimento crítico sobre sua postura dentro deste processo organizativo e o que isto significa para os outros associados. Ao perguntar sobre os grupos dos quintais produtivos, se esta atividade lhe trouxe algum benefício e para as outras mulheres, ela responde: “Eu acho, minha filha, quase ninguém, os quintais foi pouca foram construídas, como ela afirma, qual foi o problema? Ela resp onde: “Agora eu não sei,

  

isso foi coisa de cada um”. E se refere às barracas que seriam para o grupo comercializar as

  hortaliças agroecológicas na feira da comunidade e na sede do município: “Nas reuniões,

  

quando veio as barracas, era pra gente juntar de três quatro pessoas para vender as coisas

do plantio mesmo da horta. [...] Depois não carregava as barracas, era um descontrole: tá

bom, eu tô caindo fora”.

  Maria Amélia tem dificuldade de viver as relações de grupo, os conflitos, o jogo de interesses pessoais que, muitas vezes, se sobrepõe ao interesse coletivo. Observo que ela tem dificuldade de viver essa dinâmica organizativa comunitária que exige o compartilhamento das tarefas, das responsabilidades e do poder decisório da liderança. Ela não acredita no grupo e a disputa entre familiares é grande nesta associação. No final da conversa, pergunto o que achou do PGV e Maria Amélia comenta:

  • Pra dizer a verdade, desse projeto nada foi pra frente, de produção, não.

  

Porque a única produção era os quintais, doce e a costura, nenhum desses foram pra frente.

Ninguém assumiu. Espero em Deus agora, depois que a gente conversemos mais o Antônio [o

  presidente da associação], se depois que arrumar a sede e colocar as coisas lá dentro, vamos

  

vê se a gente vai fazer alguma coisa pra vê se vai à frente. Vê se a gente dá continuidade, se

arruma um grupo que tenha consciência do que está fazendo. (Maria Amélia, 50 anos).

  Ela não faz uma crítica à intervenção do Projeto ou à sua proposta, contudo, ao longo de sua fala, vai deixando evidente que a comunidade recebeu as benfeitorias para a implantação dos quintais produtivos, os equipamentos para o beneficiamento de frutas, as máquinas de costuras, mas os grupos não assumiram as atividades propostas e a associação vem tentando continuar a condução deste processo. Ao dialogar com Foucault (1984, p. 277) me pergunto se esta atitude de Maria Amélia é uma forma de resistência ao saber técnico dominante que, geralmente, vem sendo imposto de cima para baixo, que se impõe como um saber mais competente e qualificado e que, usualmente, não valoriza a cultura e os costumes dos agricultores e agricultoras aprendidos com seus ancestrais nem valoriza a prática cotidiana, o saber da experiência da agricultora, que vive e tira seu sustento da terra durante toda sua trajetória de vida. Ela demonstra ter conhecimento sobre a proposta e que realmente participou das oficinas de capacitação dos quintais produtivos, no entanto, não quis incorporar esta técnica que estava sendo experimentada pelo grupo nem esta forma de fazer os canteiros. Ela não confia no que aprendeu.

  Maria Amélia demonstrou ter autonomia ao decidir não fazer do modelo e do jeito mesmo contra a vontade e orientação dos técnicos e técnicas. Por outro lado, não participou, de fato, do cotidiano da associação, ficou na superfície do processo, não mergulhou nas capacitações nem se apropriou dos seus conteúdos, não assumiu, com consciência de si e de seu papel, a liderança na comunidade. Ela não tinha controle sobre as situações específicas que narrou em seu depoimento sobre os problemas enfrentados no cotidiano da associação nem demonstrou habilidades para envolver e animar as outras mulheres a continuarem mobilizadas nos grupos produtivos, levando-as, com o seu exemplo desmotivado e de total desconfiança, a desistir das atividades. Fica a questão de como esperar um maior envolvimento das pessoas da comunidade se uma das lideranças não assume seu papel enquanto tesoureira ou como animadora das atividades organizativas e produtivas.

  A quilombola Maria das Dores conta que começou a participar do PGV logo no início, que era uma participação tímida, calada, que só ouvia os assuntos tratados nas reuniões, mas, com o passar do tempo, foi aprendendo, crescendo e se desenvolvendo no processo participativo. Ela relembra:

  • Antes de 2009, eu participava mais ou menos; eu era secretaria da associação e

  

fiquei dois anos. Aí, em 2009, foi quando o Projeto Gente de Valor chegou, aí, eu não parei

mais, participava das reuniões, não era muito de participar falando, porque eu sempre fui

assim quieta, mas aí, com o passar do tempo, eu fui me desenvolvendo mais nas reuniões e eu

acho bom e foi com o Projeto, através das reuniões, das oficinas, encontros, que eu fui

pegando o gosto mesmo de participar, de tá em grupo, e hoje não consigo sair até agora.

  (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  Ela relata que participou de vários cursos e encontros, que foi gostando de trabalhar em grupo e que, dentre todas as oficinas de que teve a oportunidade de participar a que mais gostou foi a de Sensibilização para o Reconhecimento Quilombola. Assim, diz:

  • – O que mais me motivou foi quando teve as oficinas que falava sobre a nossa

    raça, isso foi o que mais pegou. No início, teve a pergunta, bem no início do Projeto: vocês se

    identificam como quilombola? Nós dissemos que não. Aí, com o decorrer, com as

    explicações, aí veio as oficinas mesmo falando sobre a questão quilombola que, aí, pra mim,

    foi muito importante, porque eu aprendi e hoje eu passo nas reuniões, eu faço leitura do livro

    que a gente tem explicando o que é ser quilombola, a importância da gente, pra gente

    valorizar nossa raça e como se comportar diante das pessoas que nos discrimina. Porque é

    muita discriminação e a gente já estando preparado, é menos, se sente menos desvalorizado.

  (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  Maria das Dores lembra que não assumia sua identidade negra nem que era de uma comunidade quilombola e, na medida em que as oficinas de sensibilização foram sendo realizadas, as pessoas da comunidade foram se apercebendo e descobrindo a importância de assumir e valorizar sua origem. Percebe-se que houve aumento da autoestima, da autoconfiança, do sentimento de pertença e do autorreconhecimento de um ponto de vista ético-cultural. Ao relembrar as ações do Projeto, cita, no seu entender, a mais importante, que ficou marcada na sua vida:

  • Foi na questão da organização, porque o projeto trabalhou na questão de

  

organização, da valorização da mulher, que algumas das atitudes da minha vida eu tomei por

conta dos esclarecimentos que eu ouvi e sobre a gente ter em mente o que é se valorizar, já

  (Maria das Dores, preta, 31 muda muita coisa na vida da gente e da comunidade também. anos).

  Foi durante o processo organizativo da comunidade que ela começou a entender sua realidade social enquanto negra, mulher e pobre, a conhecer o contexto sociopolítico e ter um olhar crítico sobre ele. Diz ela:

  • [...] o Projeto focar mais na questão da organização, da importância do povo

  

está unido, tá buscando. Porque, numa comunidade dessa como Maria Preta, se não for o

povo unido como o Projeto sempre falava, se o povo não for unido, não chegava a canto

nenhum. Porque a gente luta tudo por um objetivo, a questão da saúde, da educação, então,

tem que ser o povo junto. Eles participam por isso eles vão pra reunião, dão sugestões,

sugere que a gente vá buscar quando falta água... a questão da água aqui é muito grande, a

falta, e aí, quando está faltando água, vamos lá, manda ofício, quando demora vim, conserta

a bomba, vamos lá que é pro carro vim trazer água. E antigamente não, nós ficava três

meses, quatro meses com sede só pegando água no barreiro, e hoje o povo, não, que nem fica

três dias, demorou três dias, é hora, o povo já vem. Eu mesmo já fico mais relaxada, eu vou

esperar pra vê se alguém diz, e aí a diferença é essa, o povo já sabe cobrar, já quer ajuda,

procura o presidente, me procura, procura até a secretaria também e aí já querem de

. (Maria das Dores, preta, 31 anos). imediato

  Maria das Dores fala da sua vivência associativa com orgulho, com satisfação entre seus membros, com consciência de pertencimento da comunidade; tem confiança e crença nas pessoas da associação. No depoimento acima, comenta sobre a união do grupo e a luta coletiva na busca de efetivar ações por direitos antes negados como o acesso à água. Ressalta a participação dos membros da associação nas reuniões, sugerindo, dando opinião e experimentando um processo de decisões mais compartilhado, de forma mais coletiva e horizontal.

  Maria das Dores é uma mulher que tem consciência das mudanças que ocorreram em si mesma, durante a sua participação na comunidade e na associação. Percebe, ainda, que houve mudança na sua autoestima. Sua vivência fez com que tivesse outra visão de mundo e se sente outra pessoa depois desta experiência organizativa. A sua forte integração na comunidade é revelada através do seu reconhecimento junto ao grupo do qual participa na associação. Ela diz como vê a sua caminhada: “A minha mente hoje é outra, as pessoas me

  

veem diferente, não com uma pessoa diferente, mas o que eu faço de diferente que eles

procuram minha ajuda, eu ajudo e aí eles me ajudam e aí a gente vai andando junto”.

  Maria dos Prazeres, diferentemente das outras mulheres pesquisadas, desde que

  começou a participar da dinâmica da comunidade Baixa da Roça, ainda garota de 12 para 13 anos de idade, cantando na celebração da missa, relata que “foi através de Deus

  

primeiramente e o pessoal da igreja que me fortaleceu, me jogou assim em viver em

comunidade, em associação, em cooperativa”. Ela se refere à Igreja Católica, pois participou

  das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e conta que nesta igreja não ia só rezar:

  “Não rezava, ia pros en contros, fazia negócio de catequese, chamava os jovens pra participar”.

  Conta, ainda, que começou a participar do Sindicato dos Trabalhadores Rurais: “Foi através

  

da igreja, o pessoal da igreja vieram pra escola e aí mãe disse: ‘Tem um negócio na escola

ho je’, disse que era pra ir, aí nós ia, uma ruma braba de menino”. Diz também que “quando

chegou lá cantava musiquinha, a gente achava bonito, cantava... Aí o pessoal da igreja foi

vindo mais vezes, e trouxe já o sindicato. O sindicato foi vindo e aí foi assim que eu comecei a

caminhar”.

  No início, para participar das reuniões e para viajar com o sindicato, contava com o apoio de sua mãe que, muitas vezes, teve que mentir para que o pai de Maria dos Prazeres não ficasse sabendo que ela estava participando do sindicato, pois ele não a queria envolvida com o pessoal do sindicato. Já seu marido a conheceu participando do movimento sindical. Ela fala: “Quando eu me casei já vivia assim em movimento do sindicato, eles me levavam

  dois, três dias, ia para Paulo Afon so, Cícero Dantas, não sei pra onde”. Conta, ainda, que “o

pessoal do sindicato dos trabalhadores rural me chamava: “[Fulana], vamos”; pai era bruto

demais, mãe tinha que mentir. Dizia que tava fazendo alguma coisa, dizia que foi mais vó, tá

na casa de vó.

  Mas não tava; tava com o povo do sindicato”.

  Maria dos Prazeres, em seu depoimento, lembra como foi o processo da associação. No relato, fica evidente que a associação foi fortalecida com o aporte de recursos vindos do PGV para que as atividades planejadas nos planos de desenvolvimento fossem executadas pelas associações parceiras. Ela diz:

  • – Aí veio o Projeto, aí aprontou o projeto. Aí, graças a Deus em primeiro lugar, o

    Projeto ajudou demais, demais, a associação. Porque tinha a associação e tinha pessoas que

    já estava desacreditando, não vinha projeto nenhum e não tinha nada, aí o Gente de Valor

    chegou na hora certa. Tem a sua hora, aí foi chegando o Gente de Valor e foi trazendo os

    projetos, conseguimos kit de informática, conseguimos pessoal, sete pessoas pra fazer o

    curso, já foi pra desenvolver, fazer uma ata digitada, um recibo, um negócio pra ajudar a

    associação mesmo já e eles aprender. E aí foi chegando o kit forrageira, foi chegando a

    cisterna, e aí foi chegando cisterna de quintal, que é essa das hortas, e tudo, e viveiro e mais

    coisa, e aí foi que chegou também o incentivo das mulher, porque elas, tadinha, trabalhava,

    trabalhava, reunião, reunião e nada de ganhar o pão. Aí veio um curso, a primeira vez, seu

    Florisvaldo já trabalhava, aí disse assim: “Vamos fazer um curso do aproveitamento do

    caju”. No início, nós dizia: “Oxe, oxe, oxe, Valei-me, Nossa Senhora, aproveitar o caju

    agora!”. Já aproveitava a castanha, e a castanha era dos atravessador, vendia pro Ceará,

    pra Aracaju, aí conseguiu essa unidade na luta da associação com a comunidade. (Maria dos

    Prazeres, parda, 32 anos).

  Ela se sente preparada para desempenhar sua função como presidente e coordenar a minifábrica e afirma ter confiança na força da comunidade e do apoio que ela tem da associação:

  • Em primeiro lugar, Deus dá capacidade à gente, a gente pega essa capacidade

  

com força e confiança das pessoas da comunidade que confia, que dá todo apoio. E se tiver

qualquer coisa a gente já grita a eles: “Olha, pessoal, tem isso, como vamos fazer?”.

  [Alguém responde:]

  “Vamos, você faz isso, você entre dentro, você vá buscar, você corra

atrás, você e outras, não sou eu, então vamos fazer!”. Primeiro lugar, a confiança do pessoal

da comunidade. Então, eu me sinto capaz. (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  Com autoconfiança e se sentindo capaz para desenvolver seu trabalho na comunidade, Maria dos Prazeres diz que só não se sente preparada para entrar na política partidária, porque não acredita nela, acha que faz mais estando na comunidade:

  • Só não da questão política, porque o político não faz nada, eles diz que faz e

  

não faz. E se, pra mim entrar na política, eu ter o poder de tá lá, ver a comunidade sofrendo,

precisando e não fazer nada, é melhor não entrar. Nem entre na política porque não cumpre

  

político. Muito mais coisas, muito mais coisas nós conseguimos, do que o prefeito que passou

seis anos no município, não fez nada, nem uma estrada passou, nem uma máquina passou na

estrada. Nós conseguimos muito mais. (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  Maria dos Prazeres fala com orgulho das conquistas dela e da comunidade e conta como vem se sentindo empoderada: “Eu me sinto uma mulher poderosa e eu acho que as

  

meninas que ficam com a gente da associação, têm muitas, poucas, que ainda não se sente,

mas 80% delas já são ‘empoderosas’ já, se dá um grito de luta, tá na luta”. Compara-se à

  Presidente Dilma Rousseff:

  • Eu sinto hoje, não assim como só, não sei, não, Deus que sabe. Não sei dizer

  

com palavras bonitas, mas sei dizer assim: a gente se considera assim, eu, nós, a gente, as

  [presidenta do Brasil], porque Dilma tem dinheiro, mas nós temos muito mais

  meninas, Dilma

poder do que ela, muito mais vontade, o que nós qué fazer, nós consegue, e às vezes Dilma

diz uns negócios lá na televisão bonitinho, tá, tá, tá, só no papel [risos fortes e altos]. (Maria

dos Prazeres, 32 anos).

  Ela tem outro diferencial, em relação às outras pesquisadas, que possibilita seu maior empoderamento: além de ter começado, ainda adolescente, a militância em movimentos de igreja e logo depois no movimento sindical, também conseguiu estudar e concluir o ensino superior. Para tal, contou com o apoio de sua mãe e irmã para pagar a faculdade em Cícero Dantas e cursar Pedagogia. Em suas palavras:

  • Eita, que do Estado é difícil. A faculdade a gente precisava e aí, de vez em

  [Eu:] quando, o pessoal me chamava, uma, duas, três semanas...

  “vá ficar no meu lugar”. Aí

eles pagavam, aí eu disse: “Eu vou estudar mais”. Aí o marido disse: “Eu não posso, não,

mas eu ajudo”. Aí ajudou. Minha mãe já era aposentada, minha irmã é professora, aí [ela]

disse: “Você vai estudar comigo”. Aí eu disse: “Eu não vou, não, porque eu não tenho

condições”. Aí ela disse: “Vai”. Na verdade foi minha mãe e minha irmã que me ajudou eu

concluir, porque, tinha vez que eu chorava e dizia: “Não vou mais, perdi todo meu dinheiro e

eu não tenho mai s dinheiro pra pagar”. Aí elas iam e pagava, mãe dividia a metade e as duas

  [até Cícero Dantas]. Ela

  pagavam. [...] Pra ir não tinha dinheiro pra pagar passagem

comprou uma motinha [motocicleta], tirou a carteira e foi nós duas, ia e vinha nós duas.

Agora os trabalhos, eu fazia e dava pronto no papel, e aí nós, aí foi quando Deus ajudou e

  [da associação], aí digitava. [...] Já tava participando da associação. A

  chegou o computador

gente foi e estudou, mas foi ajuda de Deus e de minha família, minha mãe e minha irmã,

porque senão eu não tinha estudado, não. (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  Maria dos Prazeres sabe que o conhecimento lhe dá poder e que, em sua trajetória de vida, sempre teve muita luta, trabalho e sacrifício. Ela continua estudando e está fazendo uma pós-graduação na área de educação, porém, não deixa suas origens de agricultora e continua plantando “Na roça, trabalhava meio período como antes, teve muita ajuda, porque

  eu já plantava mandioca, feijão

  ”. Ela conta que a terra não é sua nem do seu marido, mas do sogro.

  Maria da Paz comenta que começou a participar das reuniões do PGV logo no

  começo, contudo, teve dificuldade em continuar:

  “No começo das reuniões, minha mãe

estava doente, ela tinha câncer, eu estava grávida. Aí eu acabei desistindo, depois eu voltei

tudo de novo, quando a criança nasceu, minha mãe tinha falecido e tô até aqui. E não

pretendo desistir, não”. Ela é a tesoureira da Associação dos Pequenos Produtores Rurais da

  84 Fazenda Pedrinhas. Depois que voltou a participar do Projeto, logo entrou no comitê e

  85

  conselho formados na comunidade. Tem um forte engajamento na organização da comunidade, sempre está à frente das atividades desenvolvidas e, por seu compromisso com as questões da associação, recebe o apoio das pessoas da comunidade. Em suas palavras:

  • – No começo, eu não participava da associação, não. Essa associação, é desde

    2000 que ela é atuante, só que a gente aqui não era sócio da associação. A gente veio atuar

    mais agora depois do projeto. Só que, quando começou vim o primeiro pessoal, aí foi

    formado os conselhos e comitê, aí já me botaram já lá direto no conselho, no começo. Aí já

    fui atuando, isso foi em 2009, 2010, quando começou as primeiras visitas, por aí... Aí acabou,

    veio a eleição, o pessoal não queria se candidatar [...] aí queriam me botar como presidente;

    eu não sabia nada de associação, aí eu não vou não, ainda vou como tesoureira [risos], que

    também não era boa função, né. Mas eu já tô aí, é bom que eu também vejo o que está

    acontecendo, o que não está acontecendo, o que a gente está comprando e o que não está

    comprando. A gente tem a fiscalização, que fiscaliza a gente, pelo menos, eu sou tesoureira,

    mas eu tô me fiscalizando, e fiscalizando para onde está saindo o cheque, eu mesmo assino,

    assim, eu sei para onde vai cada cheque pago. (Maria da Paz parda, 32 anos).

  Ela relata que, dentre as muitas capacitações promovidas pelo Projeto, a que mais gostou foi a primeira, sobre Gestão de Convênio, na qual aprendeu a fazer prestação de contas, preencher um cheque, calcular e preencher guia de imposto, fazer cotação de preço e até licitação. Segundo ela, quando foram preencher as primeiras guias de imposto, não se

  84 Era como a comunidade se organizava para debater os problemas e soluções referentes ao PGV.

  85 Os conselhos subterritoriais eram formados com os representantes dos comitês de cada comunidade sentiam seguras e nem confiavam se realmente tinham aprendido certo:

  [No começo:] Olha,

ajuda aqui, que a gente está meio com medo de fazer [...] Mas hoje a gente já não tem mais

medo de preencher, mas as primeiras a gente tinha”. Ela garante ter aprendido e diz: “A

gente nunca aprende tudo num dia, dois dias, mas uma experiência fica e se a gente atua,

a

caba aprendendo o restante”. É visível que tem habilidade e domínio na gestão

  administrativa e financeira da associação. No entanto, ela conta que, geralmente, não é ela que preenche o cheque, mas a presidente. Quando lhe perguntei se já assinou algum cheque em branco, ela me respondeu um pouco brava: “Não, não. É porque eu fazia as cotações, era

  

tudo eu, então, eu ia lá e fazia as cotações, chegava lá, dizia o menor preço é esse aqui, a loja

é essa aqui, você vai preencher com esse aqui. Aí, ela preenchia e eu assinava

  ”. Ela fala que a responsabilidade é grande, então, eu lhe perguntei se deu medo assumir o cargo de tesoureira, ao que responde: “No começo você fica sozinha, como é que eu faço isso? Mas

  

você acaba se juntando com o pessoal. Eu nunca fazia nada sozinha quando queria fazer

  (chefe do escritório de Cícero Dantas) mesmo, coitado, eu acabava

  alguma coisa, Geraldo

ligando, nunca assinava nada”. Ela continua contando que perguntava: “Como é que faz isso

aqui?, pra não dá muita coisa errada. Mas a nota fiscal mesmo, a gente nunca teve problema

com nota fiscal”. A autoestima e o sentimento de autovalorização estão presentes na fala e na

  postura de Maria da Paz quando trata da sua participação e o quanto se sente capaz com o conhecimento aprendido para exercer seu cargo na associação:

  • – Me sinto [capaz], porque antes eu não sabia nada, se alguém me mandasse

    fazer qualquer coisa dessa, eu não sabia nada, fazer uma cotação. As questões das cotações

    servem até para minha vida pessoal, que tudo que eu vou fazer, eu faço cotações. Eu já sei

    qual a loja que custa mais barato, pelo menos, dentro da minha cidade, eu já sei. Por mais

    que eu já sei que não seja tão barato, mas eu já sei que custa menos que as outras, aí eu já

    vou direto pra ela. Serviu pra vida pessoal, além do serviço. E eu me sinto bem fazendo

    alguma coisa útil, mesmo sem ganhar dinheiro, mas para mim é a melhor coisa que eu faço

    (Maria da Paz, parda, 32 anos).

  O reconhecimento das pessoas e do grupo faz com que Maria da Paz se sinta valorizada e útil: “Me sinto, graças a Deus, isso faz com que eu me sinta melhor ainda, mais

  

valorizada, porque antes eu não tinha muito o que fazer, era em casa, chegava o inverno, ia

arrancar um feijãozinho, era o trabalho que o pessoal tinha”. Maria da Paz gosta do trabalho

  na comunidade, sente- se mais sociável e percebe mudança nela mesma: “Ah, eu sinto isso,

  

porque, antes, pra falar, abrir a boca, era difícil, pra falar palavra, hoje eu já consigo falar, outras pessoas foi grande e recorda que, no início, era insegura, tinha vergonha de ligar e pedir ajuda que até quando o celular tocava, ficava assustada:

  “O celular tocou: ‘É João?’. A

gente já ficava assustada. Hoje, não, a gente já está tudo calmo, já sabe por onde a gente

começa, por onde vai terminar. Antes, a gente não sabia ligar para o pessoal ajudar no que a

gente está precisando

  ”. Maria da Paz demonstra que se sente bem em participar e atuar na comunidade. E sente orgulho do que vem fazendo na associação e por ser valorizada pelas instituições, que sempre a convidam para participar das reuniões. Ela fala como vê sua atuação:

  • Eu me acho até um pouquinho importante, porque o pessoal me conta, me liga:

  

“Tem uma reunião aqui, quero que você participe”. Vai ter alguma coisa [dizem:] “Eu quero

que você participe”. Tudo que vai acontecer... O sindicato me liga, a secretaria me liga, o

Departamento de Agricultura me liga, a Secretaria de Educação me liga. Que antes eu não

tinha nenhum contato com esse pessoal, o pessoal do CRAS me liga, eu não tinha nenhum

contato antigamente com esse pessoal. Aí faz a pessoa se sentir um pouco melhor dentro de

uma comunidade, [você] só conhece o pessoal da comunidade e depois você está sendo

procurada por todas essas pessoas, para participar de reuniões e capacitações. (Maria da

Paz, parda, 32 anos).

  Quando ela começa a falar das ações que o PGV desenvolveu em sua comunidade, recorda a atividade que achou mais importante e aproveita para fazer um alerta ou uma crítica, de forma sutil, sobre a compra das máquinas de costura:

  • É o corte e costura, eu ter aprendido a costura. Foi, mas a questão é que as

  

máquinas tão dando um pouco de trabalho e eu planejo comprar uma. Porque, na questão

das máquinas, tá aí, quando tiverem em outro projeto, vão vê a qualidade das máquinas... As

que a gente tem, a qualidade não é boa. Você troca de tecido, o ponto folga, aí a gente tem

tudo com o ponto folgado. Aí eu estou vendo o rapaz, para poder vim aqui, para está

ajeitando os pontos delas. (Maria da Paz, parda, 32 anos).

  São perceptíveis o empoderamento individual de Maria da Paz, seu crescimento pessoal e social e o reconhecimento do seu trabalho, sempre à frente das ações coletivas na comunidade, e de sua participação ativa em vários conselhos municipais. Mas, enquanto liderança, assume ou centraliza nela todas as ações, não conseguindo tecer com outras pessoas uma estrutura organizativa que crie uma dinâmica interna na associação, que leve a um processo organizativo mais estruturado, com compartilhamento de tarefas e de poder de decisão, mais comprometido não só com as questões individuais, mas, também, com as fortes de confiança, credibilidade e de continuidade das atividades e ações desenvolvidas na comunidade. Nos conselhos municipais, há o risco de ela ser cooptada pela prefeitura, através de seus agentes públicos, já que a associação que representa não tem internamente uma dinâmica constante de reuniões, de debates, de reflexões coletivas. Ela representa a associação “sozinha”, sem ter com quem refletir sobre os diversos assuntos e informações que são discutidos nestes conselhos; a organização não contribui efetivamente dando-lhe o respaldo para estar neste lugar e exercer com segurança e mais domínio sua participação cidadã representativa. Infelizmente, a organização ainda não está empoderada para perceber a importância estratégica de estar neste espaço, tendo sua representante com a oportunidade de tomar decisões políticas.

  Em alguns dos depoimentos de Maria de Lourdes, apesar de ela experimentar a vivência organizativa e produtiva no grupo de artesanato do fiapo e na comunidade, que lhe possibilitou ter esta experiência no espaço público e ter uma nova oportunidade de gerar renda que ajuda no sustento dos seus filhos, percebo que esta não foi suficiente para romper e redefinir as normas e as regras de gênero apreendidas e vividas por ela nas relações familiares. É o que fica evidente em seu relato sobre o que faz com o dinheiro que recebe do seu trabalho com artesanato:

  • – O que eu faço com dinheiro [é] comprar comida pra meus filhos, pra melhorar

    de vida um pouquinho, às vezes tem que comprar coisas pra ir pro colégio, tem que pagar

    alguma coisa, aí já dá uma ajuda que antigamente a gente não tinha, aí, sofria. Ah, pra mim

    é mais difícil quando eu penso em comprar uma sandália, aí um diz: “Mãe, minha sandália

    quebrou”. Em primeiro lugar, meus filhos, depois é eu. Pra minha casa, eu comprei um fogão

    e um DVD. Era meu sonho ter um DVD. É meu, foi com meu suor, é meu, aí eu posso falar

    assim: “Aqui só mexe se eu quiser, porque é meu, comprei com meu dinheiro”. A gente vai

    juntando, aí quando chega aquele total de comprar a coisa, a gente compra . (Maria de

    Lourdes, branca, 41 anos).

  Ela está em um processo de desconstrução das normas de gênero, quando já começa a se permitir gastar seu dinheiro não só com os filhos e a casa, mas, também, para realizar seu sonho de ter um DVD, ou quando começa a questionar e a querer trocar de lugar com o marido, que mora em São Paulo durante todo o ano e só vem nas férias, deixando para ela todo o trabalho e as responsabilidades com os filhos, mesmo afirmando que já se acostumou com esta situação:

  “Eu já me acostumei, brigo até por telefone. Eu digo que:

“Sabe de uma, vamos trocar, eu viajo e você fica com os meninos e todo mês eu mando Maria de Lourdes também afirma que o marido, quando está em casa, a apoia, casa. assumindo os cuidados com os filhos e algumas tarefas da casa, para que ela possa participar do grupo:

  • [...] quando ele tá aqui, quando eu venho trabalhar ele fica com os meninos. E

  

ele, tando dentro de casa, ele me ajuda bastante, só não faz lavar roupa, ele cozinha, lava

louça, limpa a casa melhor do que eu. Todo mundo pode vê, ele não tem vergonha do que ele

faz. Roupa ele não lava, que é trabalho de mulher, ele não lava, de jeito nenhum. Agora,

coisa de casa ele faz tudo. Quando eu vou pra feira, quando ele tá em casa, eu já demoro pra

achar tudo limpo, quando eu chego tá tudo limpinho. (Maria de Lourdes, branca, 41 anos).

  Maria de Lourdes, dentre as pesquisadas, é a que teve mais relacionamentos conjugais (quatro), mas esta aparente liberação sexual não lhe impede de continuar reforçando relações de gênero patriarcais. Mesmo tendo autonomia de fazer suas escolhas com relação à sua participação no Projeto e na sua vida pessoal, de estar participando ativamente do grupo de artesanato do fiapo na busca da sua independência econômica, mesmo questionando a divisão sexual do trabalho em seu espaço doméstico, ainda não tomou consciência das injustiças que padece por ser pobre, mulher e agricultora ao ponto de romper e mudar as normas e regras de gênero.

  Maria do Sossego e Maria dos Anjos afirmam que os maridos não as proíbem

  nem interferem nas suas participações, todavia, fica evidente em seus depoimentos, que o espaço doméstico continua sendo obrigação exclusiva delas e para que participem das atividades do grupo de bordado, precisam deixar tudo pronto em casa. Observemos o relato de Maria do Sossego:

  • [O marido] não fala, não. Não, ele não reclama, não. Onde, até mesmo, assim,

    eu sou uma pessoa que não deixo minha obrigação de casa, sempre eu cuido em fazer, não é

    tudo, não é que eu vou dizer que eu faço tudo direitinho, eu estou [estaria] mentindo. Trabalho

    aqui, saiu daqui, uma hora, aí quando eu chego em casa, tenho a unidade [galpão multiuso].

    Lá, eu acordo cedinho, muitas vezes. Apois, até mesmo... eu saio daqui uma hora e quando eu

    chego lá, as meninas
  • está de doze, onze horasjá estão no salão. Aí, o que é que eu faço?

  

Acordo cedo, cuido, faço o café, já faço almoço, deixo pronto, quando chegar lá, almoço e

vou para a unidade. E quando eu venho da unidade, dependendo o serviço, é quatro horas,

quatro e meia. Aí, eu vou cuidar da janta e vou adiantar o almoço para o outro dia. É assim,

eu nunca gasto, e, muitas vezes, encho meus potes de noite com a lanterna. Eu sei que nesses

dias que a gente está fazendo fardamento, eu encho meus potes de noite com a lanterna, o

  

minhas obrigações de casa por eu estar no artesanato; eu sempre tento fazer o básico. Na

verdade, eu não vou dizer que eu faço de um tudo, se for assim, eu tô mentindo. (Maria do

  Sossego, parda, 38 anos).

  Maria do Sossego e Maria dos Anjos integrantes do grupo do artesanato do bordado, em relação a Maria Alice, estariam desempoderadas. Apesar de todas terem participado de reuniões, dos processos de formação e das capacitações específicas de corte e costura, pintura e outras, estas não foram suficientes nem tinham o objetivo de criar condições para desencadear um processo de conscientização autorreflexivo que levasse estas mulheres a se empoderarem e a quererem mudanças no exercício dos papéis tradicionais impostos ao sexo feminino no espaço doméstico. Realmente, o empoderamento não é uma técnica que se aprende em um curso, mas o conhecimento vivencial aprendido, a troca de experiência entre as mulheres criando laços de amizade e uma dinâmica organizacional é que podem impulsionar um processo de empoderamento das pessoas envolvidas e do próprio grupo levando-as a que mudem a si mesmas. O que diferencia Maria Alice das demais, levando-a ao empoderamento é a sua vivência de grupo, no artesanato do fiapo e na associação, e porque seu marido também está diretamente envolvido, é uma das lideranças, além da sua personalidade e trajetória próprias.

  Maria Esperança, uma jovem que foi ADS do Projeto Gente de Valor, apresenta

  outra dificuldade que enfrentou, enquanto mulher e mãe, para participar dos encontros de formação promovidos pelo Projeto. Diz ela: “Quando foi pra ir pra Salvador, meu Deus,

  

deixar meu filho e ter que passar uma semana sem ver meu filho... Eu não vou conseguir,

não, e foi assim, um evento muito bom em Salvador. Eu senti muito em Salvador, mas valeu a

pena”. O processo de empoderamento traz sofrimento, mexe profundamente nas pessoas, em

  seus valores, conceitos, cultura, hábitos, regras e normas de gênero. Na medida em que este processo vai avançando, a pessoa sente que está crescendo, que sua presença é relevante e se conscientiza das oportunidades que tem e dos recursos e instrumentos adquiridos durante o processo. Ela fala: “Porque eu tive coragem de começar a viajar e deixar meu filho, eu

  

pensava: ‘meu Deus, eu não estou deixando meu filho para fazer coisa errada, eu tô deixando

meu filho a trabalho, e esse trabalho vai me ajuda no meu crescimento e no crescimento dele

também’”. Em seu processo, estava sempre buscando argumentos para se convencer da sua

  decisão e de que o caminho escolhido lhe trouxe mais oportunidades e recursos:

  • Tanto na parte de aprendizagem de vários cursos, porque, assim, nós ADS

  

passamos por cursos que jamais teria condição de pagar, as semanas que a gente passou em

  [sobre] como trabalhar, como incentivar as pessoas no campo, meu

  Juazeiro, de preparação Deus, foi coisa, foi muito bom, muito importante . (Maria Esperança, preta, 28 anos).

  Observa-se que a capacitação de ADS foi determinante para desencadear seus questionamentos e aprendizados, contribuindo para prepará-la enquanto liderança comunitária. A grande dificuldade encontrada foi ter que viajar para passar dias fora de casa, longe dos filhos, além de ter que convencer o marido e o pai:

  • Até no meu casamento mudou tudo pra meu marido ter que aceitar eu passar

  

uma semana fora, três dias, tá viajando, às vezes chegava o pessoal do projeto, de carro,

homens que não conhecia: “Você é que é a ADS?”. [Eu:] “Sou”. [Eles:] “Você pode me levar

na comunidade?” [Eu:] “Posso”. Então teve aquela dificuldade, mas, graças a Deus, isso foi

superado. Teve crítica: “Como é que uma mulher casada passa três dias fora de casa, deixa

o filho com a mãe, o marido viajando, isso é um absurdo.” Eu disse: “Olhe, o que eu faço

quando você não tá, eu faço quando você tá, isso você pode ter certeza; se você chegar em

Salvador sem eu saber, porque minha proposta é participar da reunião, é aprender para

minha vida e para as pessoas que eu tô representando”. Então, o que o projeto mudou na

minha vida vai ser pro resto da minha vida. (Maria Esperança, preta, 28 anos).

  No depoimento de Maria Esperança, fica muito evidente que um processo de empoderamento teve origem dentro dela, levando-a a refletir sobre suas relações de gênero e sobre a sua situação cotidiana vivida dentro da relação familiar. O PGV, através de seus técnicos e técnica, serviu como catalisador inicial, mas a extensão e o ritmo do processo de empoderamento dependem exclusivamente das pessoas e suas organizações, se elas mudam a si mesmas (ROMANO, 2002, p. 6). Assim, ela mostra a capacidade de discutir e analisar sobre sua participação no Projeto e as mudanças ocorridas consigo mesma:

  • – A Maria Esperança de 2009, quando iniciou o projeto, e a Maria Esperança de

    2013, eu acho que ela só tem de Maria Esperança só o nome, porque mudou muito, porque

    antes eu tinha trabalhado, mas, assim, ensinando a jovem e adulto na própria comunidade e

    era fácil, saía de casa e tava em casa pertinho. Mas a maior dificuldade foi pra sair de casa e

    a gente, depois que é mãe, tem que aprender uma coisa, que o melhor pra vida da gente e

    pros filhos, tem que está apta para sair de casa e passar a semana fora, porque a gente sabe

    que está fazendo o melhor pra gente e pros filhos também. E assim, hoje, eu não gostava de

    reunião, chega me dava dor de cabeça quando falava de reunião. E hoje meu marido diz que

    eu já me pareço com uma reunião, só falo em reunião. Meu filho, cada reunião que eu

    aprendo um pouquinho e quando ajunta aquele pouquinho, se torna uma grande coisa.

  Além de participar da associação e dos quintais produtivos ela faz parte do grupo de apicultura cuja maioria é de homens. Ela conta que, antes do Projeto, achava que tinha atividades só para homens, só que não pensa mais assim. Quando pergunto se apicultura é uma atividade só para homens, ela responde:

  • – Não. Eu acho que a atividade de apicultura é uma coisa pra todos os gêneros,

    mulher e homem. Mas, antes do projeto, eu via algumas atividades só pra homem, mas,

    depois do projeto, com a orientação sua, Beth... O projeto sempre tava nas reuniões

    incentivando, falando que as pessoas tinham que aprender, que antigamente mulher, homem

    trabalhava e mulher ajudava... Depois do projeto eu sentei pra pensar: “Meu Deus, tanto que

    mulher trabalha. Homem trabalha e mulher ajudaisso é um absurdo, pelo amor de Deus”.

  Eu comecei a conversar com meu marido: “Você trabalha, eu também trabalho, meu filho.

Eu tô estudando, eu tô trabalhando, quando a gente chegar em casa você vai ter que me

ajudar, porque você tá trabalhando lá, você faz uma coisa só na roça, eu tô trabalhando em

  chorando, querendo minha atenção,

  três comunidades, aí eu chego em casa, tem menino

querendo comida, querendo que eu fique com ele no braço, tem janta pra fazer pra você e

você fica assistindo televisão, não dá, não.” Aí, nós começamos a conversar e mudamos

nossa visão. E, assim, depois das reuniões que as mulheres participaram com você, Beth, e

Carla e outras pessoas que vieram do projeto, mudou uns 80% nas mulheres, porque elas

começam a participar das reuniões, porque antigamente ia poucas mulheres, ia mais homens.

  

E, na apicultura, quando começou, só era eu de mulher. E depois eu fui conversando com as

  (Maria meninas, incentivando e já têm umas mulheres no grupo, estão bem animadas. Esperança, preta, 28 anos).

  Maria Esperança não só levou a discussão da divisão sexual do trabalho para dentro da sua relação conjugal como também começou a influenciar outras mulheres a participarem junto com ela de uma atividade de grande interesse dos homens da comunidade

  • – a apicultura –, por ser rentável e, por este motivo, quase de total domínio masculino. Ela começa a perceber o que tem por trás desta construção: manter as mulheres subordinadas aos homens e delimitadas ao espaço doméstico, longe de atividades que lhes proporcionem maior retorno econômico e as leve para o espaço público seja como cooperada ou integrada na comercialização do produto. Ela se sente comprometida não só em integrar as mulheres nas atividades produtivas rentáveis, mas também quer mudanças sociais que não incidam de maneira diferente em homens e em mulheres reiterando assimetrias e dominações.

  Neste sentido, Maria Esperança sinaliza na direção de um modelo novo de baseadas na subordinação das mulheres e que perpetuam a opressão e a exploração principalmente das mulheres pobres e negras como ela. É o que se pode presumir do seu relato no qual afirma a transição para uma agricultura orgânica, que pode ser passo de uma transição agroecológica, algo que reflete o aprendizado no curso técnico que está fazendo e que busca socializar com as pessoas da comunidade:

  • Na questão do meu curso que eu estou fazendoTécnico em Agropecuária,

  

eu agradeço ao projeto, eu era, não, eu sou agricultora e sempre fui, só que eu não tinha,

assim, essa vontade de tá no campo, de poder ensinar tecnologia, de poder mostrar pra eles

que coisas orgânicas, coisas simples com adubo de gado, podem fazer a diferença. Eu não

tinha essa vontade porque eu não tinha esse conhecimento e depois de várias coisas que eu

participei, elas mostraram que tinha, sim, como ter a nossa alimentação orgânica. Mudou

meu modo de pensar, meu modo de vida. Eu incentivo, já ajudei algumas pessoas. (Maria

  Esperança, preta, 28 anos).

  Apesar de a intervenção estar voltada para as questões técnicas, a condução feita por alguns técnicos e técnicas conseguiu despertar algumas pessoas para a construção de uma consciência crítica sobre a ideologia que mantém a dominação masculina, que discrimina a mulher e a mantém na posição de subordinação em relação aos homens. Maria Esperança comenta que algumas ações e atividades desenvolvidas pelo PGV a ajudaram a desconstruir os papéis tradicionais de gênero:

  • Ajudam e muito a se sentir útil cada vez mais, porque na minha mente,

  

antigamente, apicultura, meu Deus, era coisa só de homem, mas hoje não. Hoje mesmo,

quando meu marido não está em casa, eu vou lá no apiário, coloco meu API

  • – EPI

  [equipamento de proteção individual] direitinho, vou ver como é que está, o que está

  

precisando. Ajeito minhas abelhas, meu pai vai me ajudar quando eu preciso, e pra mim,

hoje, não existe essa de trabalho de homem, existe trabalho de mulher e de homem,

independente do que ele seja. Todo trabalho não é que é pesado, é mais pra homem, faz

devagarzinho, mas consegue. A maior dificuldade que eu sinto é a questão dos ninhos da

  (Maria Esperança, preta, abelha que é pesado, mas só que a gente consegue com paciência. 28 anos).

  Maria Esperança, em seu processo de empoderamento, vem percebendo que é preciso mudar a posição das mulheres na sociedade e que, para tal, é necessário tentar mudar as relações patriarcais presentes e reproduzidas no interior de sua família. Um passo importante é se sentir dona do próprio corpo, no caso, a decisão de engravidar ou não, ter ou

  

filho, não só pela questão da alimentação e educação, porque a gente dá uma educação em

casa e o mundo dá outra”. No contexto social, as dificuldades para educar os filhos nesta

  sociedade são motivos para ela não mais ter filhos. Apesar de o corpo ser dela e de conseguir convencer o marido sobre isto, ela reconhece a desigualdade existente na sua relação conjugal, pois o marido deixa sob sua responsabilidade o controle para evitar uma possível gravidez. Ela conta dos embates com o marido quanto aos métodos para não engravidar:

  • Sim, quando minha filha nasceu, como foi um parto cesário, era pra mim ter

  

ligado, mas eu não estava preparada para fazer uma ligação e não aceitei. Aí, então, durante

um ano, eu usei o preservativo, que é a camisinha, só que depois meu marido não quer mais

usar o preservativo, mesmo sendo o melhor método de se evitar uma gravidez e vários

problemas como doenças sexualmente transmitidas e até de outras formas também, mas, para

evitar problema, eu tô usando um anticoncepcional. (Maria Esperança, preta, 28 anos).

  Nessa disputa, nessa relação de poder cotidiana, ela ainda se encontra em desvantagem, pois, mesmo não concordando em ter que tomar anticoncepcional e preferindo usar camisinha, continua fazendo as vontades do marido. Não acha justo ter que tomar remédio já que ele fica em casa poucos dias:

  • Eu acho desumano, converso com ele que não é justo ter que tomar remédio

  [em Recife/PE,

  durante um mês pra ele ficar em casa, quando ele passa três mês

  trabalhando]. Ele tem direito de 15 dias, passa 15 dias em casa ou não, quando ele passa 15

dias, ele tem direito durante um mês, se ele quiser vim em casa, ele pode, por conta própria.

  

Eu tenho que tomar remédio durante um mês pra ele passar dois dias em casa, eu não acho

justo. (Maria Esperança, preta, 28 anos).

  Maria Esperança vive um rico processo de empoderamento individual e um dinâmico e comprometido processo organizacional, mas ainda continua travando batalhas para ser ouvida, para que sua vontade seja respeitada por seu marido.

  Maria das Dores também relata as relações de gênero dentro da família e nos

  conta que um dos motivos da sua separação do marido e de sua emancipação, foi o envolvimento dela no trabalho da comunidade:

  • Foi um dos motivos, mas não atrapalhou. Foi um dos motivos, assim, na

  

questão da valorização que eu não tinha em casa, eu mulher, porque assim, tem coisas que a

gente ouve do marido e a gente fica louquinha dentro de casa, e era do jeito que eu estava

ficando, o meu psicológico tava zero. Eu pensava assim: “Eu estudei, eu preciso trabalhar,

eu preciso criar meu filho e do jeito que tá não dá”. E eu acho, com a minha participação

  

aberta, não ficar assim nesse mundinho só, na Maria Preta só, sem conhecer um computador,

sem conhecer livros, sem conhecer lugares, só pra isso, mas na questão do relacionamento

não atrapalhou, não, só me ajudou. (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  Maria das Dores viveu doze anos casada sob o domínio e controle de seu marido, e agora, que está separada, começa a experimentar o poder de decidir sobre sua própria vida:

  • É diferente. Assim, que tá recente, eu ainda me sinto um pouquinho presa, pra

  

mim ir a algum lugar, eu tinha que pedir e agora não, eu tenho que pensar, se tiver, por

exemplo, uma reunião ou ir à igreja, eu vou levar meu filho, só eu e ele agora, então eu vou,

eu me arrumo, arrumo meu filho e a gente chega e pronto. A gente chega, se deita, não tem

discussão, não vou ouvir o que eu ouvi antes, e pra mim tá muito bom, não sei daqui pra

  (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  frente como é que vai ser.

  Ela continua falando sobre seus sentimentos, que agora é dona de si e por isto tem esse sentimento de liberdade:

  • – É uma liberdade bem diferente, porque assim, eu sempre fui uma pessoa que

    tinha dono, quando eu estava em casa era: “Pai!”... pedia mil e uma vez pra ir num lugar e

    depois ele não deixava. Depois saí de casa e fui direto pro marido. Ele sempre, pra onde eu

    saía, pra igreja ou pra reunião, e agora não, eu posso ir pra onde eu quiser. Sendo que pra

    onde eu quiser eu posso levar o meu filho, ou se for importante, eu deixo mais mãe, é só essa

    questão, mas a minha liberdade de ir ou de tá agora, pra mim tá muito bom. (Maria das

    Dores, preta, 31 anos).

  Maria das Dores está experimentando mudar as relações de gênero dentro da família, ao deixar de ser subjugada pela dominação masculina, exercida, primeiro, pelo pai e, depois, pelo marido. Para isto, ela aproveitou a oportunidade de participar na organização comunitária, exercer cargos dentro da associação, sentir o privilégio do reconhecimento junto à comunidade pelo seu compromisso e desempenho no desenvolvimento das suas atribuições. Começou a sentir que, ao participar da vida da comunidade e das capacitações, não só aprendia os conteúdos específicos, mas tomava consciência da sua realidade de mulher negra e pobre subordinada ao marido e da sua situação de desigualdade de poder na relação conjugal. Ao entender o que lhe oprimia, mesmo com medo e insegurança, resolveu experimentar o poder de decidir ela mesma sobre sua vida.

  O trabalho que ela vem desenvolvendo na associação e no grupo de artesanato do bordado tem contribuído para uma maior integração na comunidade e para o seu reconhecimento junto aos membros do grupo: “Eu participo da reunião com eles, quando

  comun idade. [...] Aí o povo todo se junta, eu acho que é por isso”. Ela demonstra ter um forte

  sentimento de identidade e de pertencimento à comunidade.

  Em seu depoimento, ressalta, ainda, a preocupação em melhorar a situação social e econômica dela e da comunidade e acredita que esse processo de organização vivido na comunidade com o Projeto e, agora, com o reconhecimento da comunidade como quilombola, traga melhorias para a comunidade:

  “[...] o que a gente espera de ter esse reconhecimento

como quilombola, a gente espera muita mudança, que tenha uma educação melhor, que

chegue algum projeto que gere renda pra gente, pra gente trabalhar”. Maria das Dores está

  lutando, junto com a associação e com a comunidade, por seus direitos e acredita que o reconhecimento da comunidade como quilombola possibilite o acesso a outras políticas públicas: “Acesso a algumas políticas, sim, pelo que eu leio, pelo que eu ouço, pelas reuniões

  

que eu participo, [...] mas se a gente buscar também, porque se ficar aqui esperando nada

ac ontece”.

  Maria das Dores tem habilidade de discutir e de avaliar a intervenção do PGV, demonstra crer nos membros da associação e da comunidade e, quando pergunto se com o término do Projeto a comunidade não vai mais lutar, ela responde com muita segurança e firmeza:

  • – Vai, vai mesmo, o Projeto acabando, porque a mente das pessoas ficou bem

    trabalhada. A participação do povo nas reuniões agora aumentou e pelo que a gente ouve

    nas reuniões, nos encontros, não só nas reuniões, ter a gente morando junto, aqui sempre se

    encontra, nas conversas o povo diz o que tá precisando, o que deve buscar. Eu acho, assim, o

    projeto trabalhou bem as mentes das pessoas. Precisa de uma estrada, o professor está

    faltando: “Vamos lá, o que nós vamos fazer, o que aqui nós faz?” Aí, a gente conversa. Aí, eu

    acho, como o projeto tá encerrando, assim, a liderança, que não é só eu que tô assim na

    frente, com a liderança, tando com a mente bem focada no que a comunidade precisa, não é

    só o que eu preciso, é o que a comunidade precisa, aí eu acho que dá pra levar adiante e tá

    buscando . (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  Para ela, os agentes públicos cumpriram seu papel de facilitadores do processo de empoderamento das pessoas, das mulheres, quando possibilitaram um espaço de discussão e reflexão coletiva em sua comunidade sobre a realidade histórica vivida pelo povo negro na sociedade. Porém, para os técnicos e técnicas do Projeto, o objetivo maior é o desenvolvimento rural, é erradicar a pobreza e, para tal, o caminho é inserir as mulheres nos espaços organizativos e, principalmente, nos produtivos seja no beneficiamento de frutas, nos

  Durante essa dinâmica de participação em diferentes atividades produtivas e organizativas de interesse coletivo surgem outros elementos que fogem ao controle ou às previsões dos planejamentos técnicos, construídos através da interação entre as mulheres, entre os grupos, entre os técnicos, as técnicas e as mulheres. Todas essas vivências e experiências possibilitam a algumas mulheres o processo de empoderamento, visto que estão exercitando sua capacidade de escolher com suas próprias ideias, com suas vontades, seus desejos e, finalmente, decidindo sobre suas vidas.

  Maria dos Prazeres fala sobre as mudanças internas ocorridas na sua vida e das companheiras do grupo de beneficiamento de frutas e de castanha de caju. Estas mulheres são pobres, na maioria, pardas, com pouca escolaridade e com seu universo mais restrito à família e ao espaço doméstico. O fato de terem a oportunidade de participar da associação comunitária, das capacitações, do grupo de produção de doces lhes possibilitou uma vivência associativa, a troca de experiências dentro e fora do grupo, a construção de capacidades para produção, gestão administrativa e comercialização levando-as a experimentar e sentir o poder de dentro, este poder que levanta a autoestima, que constrói autoconfiança. Porém, este processo de empoderamento pessoal mexe com os valores culturais, com costumes aprendidos e reproduzidos na família. Maria dos Prazeres conta o que mudou:

  • – Mudou tanto, até no relacionamento da família, marido e mulher, que eles eram

    pessoa que não deixava nem sair, hoje ela diz: “Hoje é dia de fazer o doce”. Ele não tem

    negócio de dizer: “E a comida e o não sei o que?”. Eles faz, então, elas se sentem muito

    poderosa. Até em viagem, pra viajar, ela diz: “Eu vou”. “Não, quem vai sou eu.”

    Antigamente não tinha isso porque nem elas tinham aquele incentivo das pessoas chamar

    elas: “Vamos, vamos lá, vamos fazer isso, é bom pra você, pra comunidade, você vai ganhar

    o seu pão de cada dia”. Elas sentia muito medo, medo das pessoas, hoje não. Eu sinto nelas

    que elas não têm medo não. Se quiser fazer faz, só é querer, ela faz e não faz uma só não, o

    grupo chama todo mundo

  e: “Vamos fazer assim”. Se uma disser: “Não dá certo, não vamos

fazer assim”, que dê certo, que não dê, a gente vai fazer assim, a gente vai e faz e dá certo.

  (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  Observa-se que algo começou a mudar nessas mulheres, reconhecendo seu próprio valor, perdendo o medo de pensar suas próprias ideias, criando uma identidade de grupo, decidindo juntas sobre as atividades, sobre o empreendimento e sobre suas relações familiares. Um sinal desta mudança se materializa nas viagens, ao saírem de casa para passar dias fora, em encontros e feiras, independentemente de os maridos permitirem ou não. Elas ao tentarem mudar a posição que têm em suas famílias. Acredito que este processo é resultado da ação coletiva deste grupo de mulheres, deste suporte emocional, pois, juntas, estão diminuindo o sentimento de impotência, de dependência e, muitas vezes, até de solidão.

  Conclui-se que todas as mulheres investigadas se empoderaram, no nível psicológico ou individual, em graus diferentes. Elas se empoderaram ao participar das atividades produtivas e organizativas, contribuindo para as discussões, apropriando-se dos conhecimentos, tecnologias e processos organizativos.

  Nesse processo, conquistaram autoestima, autoconfiança, autovalorização e o reconhecimento das pessoas das comunidades. No caso específico das mulheres agricultoras aqui estudadas, estas experimentaram muitos sentimentos diferentes no percurso, desde insegurança, incertezas, o prazer de estar com as outras mulheres, conflitos e disputas em casa e na associação. Conclui-se, também, que, apesar da integração na comunidade e do reconhecimento junto ao grupo, a maioria destas mulheres ainda não se empoderou ao ponto de redefinirem as normas e as regras de gênero, principalmente no âmbito doméstico-familiar.

7 O CURSO DO EMPODERAMENTO ORGANIZACIONAL

  Este processo se refere ao fortalecimento das organizações sociais (comunitária, grupo de interesses, associações) como um todo. Nele, desencadeia-se, entre os membros do grupo, respeito recíproco, apoio mútuo, ambientes de troca de informações e recursos, distribuições de papéis e responsabilidades de acordo com a capacidade que geram processos de liderança compartilhada e tomada de decisões. Todo este processo estabelece uma dinâmica associativa entre os membros da organização construindo um sentimento de pertencimento, de confiança e de comunidade.

  O Projeto Gente de Valor enquanto um projeto de desenvolvimento rural em uma perspectiva sustentável dialoga com essa ideia de empoderamento, na medida em que elabora a sua intervenção com enfoque de gênero, estimulando a participação de mulheres agricultoras na produção agrícola e no associativismo comunitário onde passam a exercer cargos e funções de direção, administração e gestão de recursos como executoras de projetos governamentais.

  Maria de Lourdes reconhece que participar do grupo de artesanato do fiapo

  desde o início, apesar das dificuldades, tem sido bom para ela que está aprendendo a se organizar, a produzir, a gerar renda e a dividir o dinheiro, além de deixar uma quantia administrativa para o grupo: “Pra mim tá sendo ótimo, graças a Deus, nós faz nossas

  

coisinhas, nós vende, ai dá um pouco de lucro, a gente divide pra deixar no caixa pra

comprar material e outro a gente fica pra gente”. Ela tem esperanças: “Eu não vejo a hora

de meu marido um dia se interessar de ficar aqui também. Porque o quintal dele é São Paulo

viajando, minha filha, é nesse batido dos homens daqui, é irmão, é cunhado, é tudo pelo

mundo, é sobrinho...”. Há aí esperança, talvez exagerada, de que o grupo de artesanato possa

  ser uma atividade produtiva organizada e bem estruturada que possa gerar ganhos econômicos para o grupo e ainda crescer para envolver outras pessoas e familiares, para que não precisem sair da comunidade, deslocar-se para as grandes cidades em busca de trabalho.

  Para Maria Alice, as mulheres conseguiram muitas coisas com o PGV, como trabalhar em grupo, ter práticas solidárias entre elas, ter satisfação por estar fazendo parte deste grupo de artesanato e por lutar por seus direitos e não só por estrutura física:

  • – Eu acredito que o Projeto mudou muito o pensamento das mulheres, que

    realmente as mulheres daqui é todo ano um filho... Tanto que tem uma [Maria de Lourdes],

    [...] a vida dela era todo um ano um filho, o marido passava um ano em São Paulo e quando

  

porque ela sabia que valia a pena. Tanto que ela era muito criticada, que a família dela

falava que ela estava subindo e descendo e não vai arrumar nada. A gente escutava muito

isso quando a gente passava o grupo, ia andando. As outras famílias que faziam parte

também fic avam trabalhando em suas casas. A gente falava: “A gente também tem o que

fazer em casa, mas a gente vai buscar melhoria pra gente”, a gente não pode ficar parada em

casa só naquilo. Hoje, eles querem voltar, mas a gente também vamos pensar direitinho como

que é que eles vão voltar [...]. Aí, eu acredito que ajudou muito nessa questão, sabe, de

melhorar assim, mulher não só pensar em parir todo ano, ficar em casa lavando, cozinhando

para o marido quando o marido tá aí. E quando ele não está, é como se ele estivesse, a

mulher não pode sair ali no portão porque o marido não deixa ou que ela não pode sair pro

povo não falar, mudou muito o Projeto. Hoje nós mulheres já sabemos cobrar nossos

direitos, o Projeto ajudou muito a gente nisso. (Maria Alice, parda, 25 anos).

  O grupo de artesanato do fiapo é composto de 15 pessoas, dois homens e 13 mulheres, que já têm uma dinâmica organizativa interna em que refletem, planejam e decidem em conjunto. Maria Alice é uma das lideranças do grupo e, na conversa com ela, e, depois, ao analisar seu depoimento comparando com os dos homens e das outras mulheres artesãs do grupo, percebo seu maior grau de apropriação de novos conhecimentos, seu maior envolvimento com as tarefas e a mobilização do grupo e também o desenvolvimento da consciência crítica. Ela fala como se sente, ao assumir seu cargo de secretária na associação:

  • – Eu me sinto mais responsável, né. Assim não é fácil, trabalhar com gente não é

    fácil, imagina aí os meus vizinhos. Mas eu gosto, é o que me anima, é o artesanato e

    trabalhar, eu adoro reunião, porque eu gosto de falar, viu. É o que me anima, fazer parte,

    sempre, quando tem uma reunião, se eu não falar, eu, prá mim, eu não ]tive na reunião. Às

    vezes, eu não gosto de falar muito porque pensam que é assim que só eu quero falar. [Aí

    dizem:] ”Deixa Maria Alice falar”. Mas eu quero escutar eles também, o projeto ajudou

    nisso, teve gente até hoje é difícil de falar, mas já melhorou. Nas reuniões do projeto vinham

    e ficavam tudo quieto, hoje não, tem que falar o que a gente quer, o que a gente sente, desde

    o começo eu ensinava. (Maria Alice, parda, 25 anos).

  É evidente o processo de empoderamento que vem sendo vivido por Maria Alice, levando-a a reconhecer estruturas de poder presentes em sua vida e, também, na vida das pessoas do grupo, porém, ainda é bem pequena a mobilização para, juntas, alterarem as estruturas sociais existentes na família e no próprio grupo. No entanto, reconheço a importância do empoderamento individual de Maria Alice para o processo de mudança do também o empoderamento dos homens (LEÓN, 2001). No caso de Maria Alice, esta afirmação tem mão dupla: é um empoderamento de soma positiva, tanto do lado dela como do lado de Antônio, o presidente da associação. Ela explica que seu marido também mudou e ela não sabe se foi por causa do Projeto:

  • – Não, eu não sei se foi por causa do Projeto, porque ele mudou demais depois do

    Projeto, ele não abria a boca, não. Ele era tímido demais, hoje eu tenho até medo que ele fala

    tanto. Eu acho que era melhor ele quietinho na dele... Com certeza, ajudou. Assim, tanto que

    o Projeto ajudou, que ele trabalhou como ADS no Projeto, durante quatro anos ele

    trabalhou, que tem cinco do Projeto. Quem sabe, se não fosse o Projeto, porque os amigos,

    porque aqui só eu das mulheres casadas pode dizer que o marido não está viajando, porque

    aqui as outras passam o ano todo sozinha e o marido em São Paulo. E, quando eles chegam,

    falam: “Vamos, vamos pra lá; o que estão fazendo aqui?”. Vai, se ele não estivesse no

    Projeto, ele teria ido. Era pouco, mas ajudava muito, durante os quatro anos foi nossa renda .

  (Maria Alice, parda, 25 anos).

  Situações criadas pelo Projeto também serviram para revelar mulheres desempoderadas, como Maria do Sossego e Maria dos Anjos que, mesmo tendo participado de várias atividades de capacitação, de demonstrarem apropriação de conhecimento específico (crochê e pintura), de ter assumido o cargo de tesoureira, de grande responsabilidade, no caso de Maria do Sossego, seus depoimentos revelam fragilidade organizativa, pouca habilidade de gestão administrativa e financeira, dificuldade de articular com outras pessoas e organizações na perspectiva de buscar parcerias para comercializar os produtos do grupo e fornecer o serviço de costura. Maria dos Anjos fala que acredita que o processo organizativo pode ajudar: “Primeiro, é mais reuniões, mais entendimento porque, muitas coisas veio e a gente

  

não tinha entendimento, na verdade, do que era que estava vindo para gente, então, eu acho

que faltou mais entendimento do grupo para poder comercializar lá fora”. (Maria dos Anjos,

  24 anos).

  Maria Esperança, por sua vez, sabe que assumir um cargo de diretoria na

  associação exige dela maior dedicação, compromisso, responsabilidade e capacidade para fazer algo em prol da comunidade. Tem boa integração na associação e também conta com o reconhecimento e o apoio da comunidade:

  • Da associação, antes eu era só sócia, depois do projeto, eu passei a ser vice-

  

presidente e continuo sendo vice-presidente só; eu não quis assumir a presidência, porque eu

estou estudando e, para ser presidente, exige muito, têm várias reuniões que a gente precisa

  

a comunidade, por não estar participando diariamente. Passa três dias de reunião, quando a

gente perde uma reunião dessa, prejudica a comunidade, não é isso que eu quero, quero que

a comunidade cresça, que a comunidade se desenvolva e jamais que prejudique. (Maria

Esperança, 28 anos).

  Afirma gostar de fazer parte da diretoria da associação:

  “Eu gosto porque é muito

importante a gente estar ajudando a comunidade”. Na comunidade, existem pessoas que

  criticam e as que apoiam e precisam da associação. Maria Esperança exerce um poder que afirma seu compromisso com as pessoas mais pobres e oprimidas da comunidade, um “poder para” que a capacita, fortalece e a motiva para o trabalho na perspectiva de um “poder com” como fonte de luta e conquistas coletivas em prol da comunidade. É evidente, em sua conversa, o sentimento de solidariedade e o prazer que tem em participar das atividades coletivas, momentos em que ela pode compartilhar com as outras pessoas o seu conhecimento acumulado. Alegra-se em lembrar que, com o PGV, veio a tecnologia dos quintais produtivos que proporcionou às pessoas da comunidade a oportunidade de terem uma renda a mais:

  • Como a questão do Projeto Gente de Valor, trouxe esses quintais produtivos

  

pra o subterritório, aí foi nove, foi dividido nas três comunidades. Por eles não terem

conhecimento direito como ia ser, eles ficaram com medo e também porque eles não

acreditava muito, porque já tinha vindo muitas pessoas falando, só que nunca acontecia. O

que me deixou mais feliz nos quintais produtivos foi uma família, uma mulher jovem que tinha

seis filhos, não tinha renda nenhuma, a única renda que ela tinha era do Bolsa Família, e

quando o esposo trabalhava, quando ela começou a plantar as hortinhas dela, ela gostou

tan to que ela começou a plantar mais e vender. Quando eu chegava lá, ela falava: “Maria

Esperança, eu fiz vinte reais, deu pra comprar um negócio pra Isa, uma sandália”. E eu via a

(Maria Esperança, 28 anos). felicidade dessa pessoa: me deixou muito feliz.

  Maria Esperança, que também participa do grupo de apicultura, fala sobre a construção de parceria com a Cooperativa de Apicultores de Jeremoabo que está em construção com a colaboração do Projeto. O grupo de apicultura está articulado com a Associação Regional de Convivência Apropriada ao Semiárido (ARCAS), uma Organização

  86 Não Governamental que atua na região e que está executando o ATER , no município de

  86

É um serviço público de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) que a ARCAS, por meio de

chamada pública está executando. Faz parte do Plano Brasil Sem Miséria, que tem como uma das metas o incentivo de assistência técnica continuada e individualizada aos agricultores, direcionado a famílias em situação de vulnerabilidade social, como famílias do semiárido, povos e comunidades tradicionais, como quilombolas, indígenas e ribeirinhos, entre outros, em conformidade com a

  Jeremoabo, onde vem prestando o serviço de assessoria e apoio técnico ao grupo e à comunidade de Bananeirinha:

  • – No momento nós ainda tamos tendo o técnico aqui, ainda tá tendo reuniões

    sobre apicultura. E o grupo permanece unido, algumas reuniões faltam algumas pessoas,

    mas cada um tem seu motivo, só [que], como o projeto formou uma parceria com a

    cooperativa que tem em Jeremoabo, foi comprado alguns materiais e foi colocado lá e as

    pessoas pensam em se cooperar e continuar um grupo formado, um grupo unido, e também

    nós tamos tendo um técnico da ARCAS, que vai ser renovado o ATER. Esse técnico ajuda a

    gente e muito com qualquer coisa que a gente precisar. Esse projeto tem agrônomo,

    veterinário e um técnico agrícola. Já ajudou muito nas coisas que já existia, vai incentivando

    e fazendo visita nas comunidades. Ele trouxe projeto de criação de cabras, que tá pra

    acontecer, de casa popular para as pessoas que não têm e a associação, depois do incentivo

    do projeto na comunidade, tá sempre em reunião . (Maria Esperança, preta, 28 anos).

  Essa articulação da Associação Comunitária de Bananeirinha e Adriana com a ARCAS fez com que essas comunidades fossem incluídas como público beneficiário de outros projetos (criação de cabras) e do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) que faz parte do Programa Minha Casa Minha Vida do Governo Federal executados pela ARCAS.

  Maria das Dores traz a Igreja Católica como parceira da Associação, que conta

  com o apoio do padre cuja participação nas reuniões na comunidade e no município, quando solicitado, é importante, assim como quando ele cede o espaço da igreja para que os grupos possam se reunir, realizar encontros e cursos:

  • O padre, desde o início que ele simpatizou pela Maria Preta. Aqui nem tinha

  

igreja e foi o padre que ajudou a construir, e aí a gente tem o apoio dele. Quando a gente

precisa que ele esteja participando da reunião, ele participa, ele vem. Ele vai, se a gente

marcar uma reunião em Banzaê e a gente pedir que ele participe também. Só da gente ter a

presença dele dando força é importante . (Maria das Dores, preta, 31 anos).

  Para uma comunidade discriminada como a Maria Preta ter o apoio e a simpatia de uma instituição como a Igreja Católica, na pessoa do padre, é estratégico já que a igreja é uma instituição de um forte poder local, sendo fundamental o seu apoio político para o avanço da luta da comunidade quilombola.

  Maria das Dores fala que a associação pensa em buscar parcerias para realizar cursos profissionalizantes para os jovens, na comunidade, para não precisarem sair ou para se

  Agrária (PNATER), uma parceria do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome capacitarem para sair com mais chances de trabalho e cita alguns exemplos de cursos que poderiam ser realizados em Maria Preta para as mulheres jovens:

  • – Curso de computação, curso de pintura, curso de manicure, eu acho que curso

    de cabeleireira, porque a vaidade hoje, né, esse tipo de curso. Eu acho que esses cursos

    prepara elas, os jovens, para o mundo, porque hoje as pessoas não querem sair mais da

    comunidade pra ir trabalhar em casa de família, então, elas tendo curso, já se preparando

    aqui para elas saírem, até pra trabalhar aqui mesmo, já ajudaria, principalmente se for pro

    mercado fora, com a quantidade de curso que elas tivessem aqui, apresentar nas cidades

    locais aqui mesmo
  • Banzaê, Ribeira do Pombalporque aqui a maioria das jovens não

  

fizeram nenhum tipo de curso. É por questão de dinheiro, que não tem recurso pra fazer

nenhum curso em Banzaê, em Pombal, só na cidade. E através... se a associação puder trazer

esse tipo de curso pra comunidade seria mais fácil pra elas . (Maria das Dores, preta, 31

anos).

  Ao assumir, na Associação, o cargo de coordenadora de gênero, Maria das Dores vem tentando desenvolver, entre as mulheres jovens, um sentimento de confiança entre elas e de valorização da cultura local, através do resgate do samba de roda e da capoeira, criando laços de pertencimento e de identidade racial. Uma preocupação dela e dos membros da Associação é evitar a migração destas jovens para trabalhar como domésticas nas grandes cidades. A Associação está buscando alternativas e parcerias com o município de Banzaê para promover alguns cursos profissionalizantes para qualificar estas jovens. A ideia é criar possibilidade na comunidade e na região, desestimulando, assim, o fluxo para São Paulo. A estratégia por eles pensada é acessar políticas, programas e projetos específicos para comunidades quilombolas na perspectiva de melhorar a vida na comunidade Maria Preta.

  Foi difícil para Maria dos Prazeres participar e chegar a ser a presidente da Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Baixa da Roça, mesmo com o apoio de pessoas que queriam que ela assumisse a presidência. Conta que a Associação era dominada por homens que a usavam para fins eleitoreiros e não cumpriam com sua função, não tinham reuniões ordinárias, não faziam a prestação de contas e ainda mentiam para os associados:

  • Primeiro foi constituída, eu fui a presidente que o pessoal quiseram, foi difícil

  

entrar como presidente. A associação era de homem, os homens ficavam aí, não fazia a coisa

certa, fazia reunião em ano em ano, pegava o dinheiro do povo todo mês, embolsava, mentia,

dizia que vinha trator sem vim, eles comendo dinheiro... Aí o povo foi se revoltando, e eu já

estava estudando e tinha a agente de saúde que era Marilda. Aí ela disse: “Mulher, vamos

  

formar uma associação”. [Eu:] “Deus me livre, quero nada, ôxe, quero não, é muita coisa, o

povo chama a ge nte de ladrão”. (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  Maria dos Prazeres tinha consciência do desafio de assumir uma associação em que os diretores anteriores não eram honestos porque ela não queria ser comparada a essas pessoas. Mesmo assim, foi convencida pela agente de saúde da comunidade a, junto com ela, formar a chapa para concorrer à eleição:

  • Aí ela disse: “Mulher, se a gente não se organizar vai ser pior prá nós”. [Eu:]

  

“Então vamos, sozinha eu não consigo, não, porque eu não tenho experiência tanta assim,

não sei como é as coisas. Ela dizia: “Eu ajudo.” Aí nós foi, chamemos a comunidade, onde

todos queriam, aí eu fui presidente e ela como tesoureira. Foi difícil reunir, porque era muito

sócio, mas como veio o presidente que era enrolado na conversa, não fazia nada pra

comunidade, não era da comunidade, era de outra comunidade e só queria ganhar interesse,

aí nós lutemos, umas pessoas desistiram, porque quando a gente foi ser presidente, ele dizia

que ia denunciar de nós que invadiu a associação dele, que não sei o que, essa coisa toda.

Não, nós não invadimos, o povo quis e nós construímos a nossa. E, desde quando começou, é

mais mulher do que homem. Depois que eles viram que tava vindo as coisas, e que nós lutava

e fazia as coisas certinha, reunião todo mês, mensalidade eles pagavam, a gente dava o

papelzinho pra eles como eles estavam pagando a mensalidade, e eles viam as coisas

diferente. Via a prestação de 3 em 3 mês, de 6 em 6 mês, fazendo a prestação do que gastou,

de viagem que foi, de imposto que você sabe que tem que por, e eles vendo isso, gostaram, a

  (Maria dos Prazeres, maioria é mulher e já temos homens na diretoria, mas o início foi difícil. parda, 32 anos).

  Maria dos Prazeres e as outras mulheres que assumiram cargos na associação, após terem passado as eleições e a perseguição do presidente anterior, mostraram que exerciam o poder na associação de outra forma: realizando as reuniões sistemáticas, com transparência na prestação de contas, socializando as informações para todos os membros e cumprindo as exigências legais determinadas pelos órgãos responsáveis para a formação e operação de uma associação comunitária de produtores rurais. Apesar de a diretoria estar desenvolvendo um trabalho sério na Associação, alguns associados ainda desconfiavam dela enquanto presidente. A todo momento, tinha de estar provando sua honestidade, e quando a Associação foi administrar o recurso do Projeto Gente de Valor, novas desconfianças surgiram, mas a eficiência e, sobretudo, a transparência da gestão levou a que ela fosse reconduzida várias vezes à presidência:

  • – Aí, teve um momento que um chegou e disse que eu tava roubando, que eu era

    isso. Aí eu disse: “Roubando o que? Agora você tem que ter prova”. Foi logo no início do

    Projeto Gente de Valor, quando o Projeto Gente de Valor chegou, aí ele disse que a gente

    estava roubando, aí a gente chamou ele pra fazer a prestação de contas, mostremos: “Qual é

    o roubo? Onde tá o roubo?”. Aí, ele ficou com conversa besteira, aí saiu da associação, os

    outros que tavam ficou e, graças a Deus, eu era presidente. Aí com dois anos, eles quiseram

    de novo eu, aí, fiquei mais dois anos. Aí eu saí e ficou outra, a minha vizinha, eles quiseram,

    aí, era um pouco parada, tava ficando assim que nem o outro presidente anterior. Só que a

    gente ajudando demais, fazendo prestação de conta, viajando, pras viajem ela não tava

    querendo ir, aí, com dois anos, eles tiraram ela de novo. Colocaram eu de novo, aí, fiquei por

    mais dois anos, aí reelegeu de novo, ficou Marilda, que eles aceitaram, a comunidade

    aceitou, aí, depois, volta pra mim de novo, aonde em 2014 é que vai ter a eleição, é de dois

    em dois anos que vai ter eleição. (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  Maria dos Prazeres tem uma longa trajetória à frente da associação, já é a quinta vez que ela assume a presidência por mais dois anos. Ela reclama que as pessoas não querem assumir a diretoria, principalmente os homens, o que se torna a maior dificuldade por ela enfrentada: “É os homens querer tá junto com as mulher, de fazer, de ajudar. Muitos homens

  

não querem se envolver, eles não querem ser presidente, eles não querem ser tesoureiro, eles

só querem ser fiscal

  ”. Ela continua explicando porque os homens não querem estar à frente da associação: “Eu acho que eles não querem, além de ser um pouco preguiçoso, que não

  

querem trabalhar pra todo mundo, também não tem dinheiro. Então eles se recusam, então

deixa as mulher, porque acha que a mulher não tem o que fazer”.

  Apesar de as mulheres assumirem nas comunidades responsabilidades ditas “produtivas” e “reprodutivas”, dando uma contribuição muito importante e participando ativamente no processo de desenvolvimento, geralmente não têm o reconhecimento e a valorização de seu papel no desenvolvimento econômico, social e ambiental. E esta é uma área prioritária para promover a equidade nas relações de gênero nestas comunidades o que se relaciona diretamente com a divisão do trabalho e a distribuição do poder. Os homens desta associação não têm interesse de assumir a diretoria porque não querem assumir responsabilidades por atividades e projetos que não são de interesse deles, já que as atividades produtivas desenvolvidas são consideradas de interesse e domínio das mulheres, além de não serem, na visão deles, atividades tão rentáveis. Os quintais e o beneficiamento de frutas são atividades vistas como extensão do espaço doméstico, assim, mesmo as mulheres estando no demonstram um certo mau humor porque as mulheres estão exercendo o poder e por acharem que o PGV priorizou as mulheres, ao aportar recursos econômicos em suas demandas específicas. As propostas apresentadas pelo PGV não agradaram aos homens por não aportar recursos econômicos em compra de trator, animais (gado, cabra e ovelha) nem em grandes empreendimentos e muito menos em equipamentos e implementos agrícolas.

  Maria dos Prazeres tem enfrentado, desde criança, muito preconceito, no cotidiano das suas relações de gênero, na sua família, no trabalho da Associação e da cooperativa, no sindicato e na sociedade de um modo geral e tem percebido, ao longo desta trajetória e experiência, que o pessoal é político. Tem questionado e lutado, agora com mais consciência, para mudar essas relações desiguais de poder nestes espaços privados e públicos. Neste sentido, as ações do PGV propiciaram as condições para que ela e as outras mulheres do grupo se empoderassem durante o processo o que foi sendo percebido, na medida em que ela, na organização comunitária e no exercício do poder na associação, começou a desestabilizar a ordem patriarcal vigente. Ela conseguiu tirar as mulheres do confinamento do espaço doméstico e envolvê-las em uma atividade coletiva na unidade de beneficiamento, levando-as a se sentirem incluídas no espaço público como cidadãs, a terem demandas atendidas e seus sonhos realizados através de um projeto elaborado pelas mulheres.

  Os homens ainda não perceberam o potencial da minifábrica

  • – unidade de beneficiamento de frutas e de castanha do caju
  • – como um empreendimento que pode gerar renda para toda a família, como um lugar de poderes, de saberes, de luta, de resistência e de conquista de direitos, enfim, eles não despertaram o seu olhar para este espaço público, razão pela qual ainda não houve disputa de poder entre mulheres e homens. Maria dos Prazeres fala que os homens só querem trabalhar na unidade de beneficiamento se pagar salário e que as pessoas que não participam da associação estão vendo o trabalho delas na unid
  • – Uns já estão vindo pra unidade, já estão vindo, já estão fazendo corte. As

    dificuldades deles, eles diz assim não ganha um salário [...]. Dentro da cooperativa, ainda

    não tem como pagar salário, não é empresa, não é governo federal, não é prefeitura. Tem

    que ter produção, ou até diária, tem que ter um regimento porque se não, não tem como.

    Muitos dizem, e outros, que é muita melança, se mela demais, se queimo todo no azeite da

    castanha. Ele diz que se queima demais, que se mela demais, que as unhas fica cheia de

  [homem], Deus o livre desse um adoecer, a gente fica

  ferida e os outros... Nós só temos um

sem nada. Os outros é merreca, vem, corta um, dois quilo, vai embora. (Maria dos Prazeres,

  parda, 32 anos,).

  A associação está articulada em rede com a Cooperativa da Cajucultura do Nordeste da Bahia (COOPERACAJU) e a unidade de beneficiamento de amêndoas de castanha de caju, chamada de minifábrica, faz parte do patrimônio da cooperativa. Maria dos Prazeres é cooperada e coordena as atividades na minifábrica de Cícero Dantas, que fica localizada na comunidade Baixa da Roça, sob a responsabilidade da Associação Comunitária dos Produtores de Baixa da Roça. Ela fala que a unidade de beneficiamento já está tendo algum rendimento:

  • – Ainda não sai muito porque não vendemos ainda pra mercado, que eles acham

    que é caro. Esse ano foi um período de seca, as coisas foi muito difícil, então a gente vende

    no mercado, na feira, na comunidade tem pessoas que chegam: “Tem castanha?”.

    [Responde- se:] “Tem?”. Aí a dificuldade é essa, mas porque também nós não temos ajuda de

    prefeitura. Se a prefeitura comprasse para merenda escolar, aí era mais fácil. Aí os homens

    agora ia chegar. (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos,).

  Maria dos Prazeres tem esperança de fazer parceria com a Prefeitura de Cícero Dantas e fornecer para a alimentação escolar, através do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), o que atrairia os homens. A associação também elaborou um projeto para a Fundação Banco do Brasil para a compra de uma máquina: “Aprovando nossos projetos, as

  

coisas vai melhorar, temos um projeto pedido pela Fundação (BB) para comprar uma

máquina que ela corte sozinha, é agora ou nunca, você vai vê, mulher bandida é agora

  ”. A máquina vem do Rio Grande do Norte e custa cerca de R$ 40 mil reais. Maria dos Prazeres fala com entusiasmo da possibilidade de não mais precisarem da força física dos homens da comunidade para o trabalho de corte da amêndoa da castanha de caju:

  • – Porque nós não vamos gritar: “Chegue homem!”. Se quiser vim, venha, se não

    quiser, não venha. Porque não vai precisar, vai precisar de um homem só para botar na

    máquina, ela corta, ela faz tudo, ela estufa e as mulheres se viram aí pra fazer película pra

    fritar e empacotar. (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  A associação continua contando com a parceria do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Cícero Dantas que cede um espaço para expor os produtos para serem comercializados: “A gente bota a castanha lá, leva amêndoa, e o pessoal vem e

  

compra”. A associação ainda não construiu uma estratégia de comercialização, ainda não

  levantou nem estruturou os possíveis canais de comercialização na região e no Estado da Bahia. O grupo ainda está vendendo de maneira informal e por um valor baixo em real: “Um

  quilo, é de 28, natural, de frita, é 30. Te m de meio quilo, de 250 e aí vai, de 50...”. As alto “Compram, muitão assim, não. Tem semana que vende 2, 3 quilos, outra semana não

  vende

  ”. Com o doce, é diferente: “As meninas do doce, faz doce, agora o doce já vende

  

bastante, a gente já conseguiu vender pra a merenda escolar de Cícero Dantas 300 quilos, as

feiras também a gente acompanha

  ”. Com a venda para a merenda escolar, cada uma das mulheres doceiras recebeu R$ 180,00.

  7.1 O EMPODERAMENTO NO NÍVEL DE COMUNIDADE Este é um nível mais complexo, pois resulta dos níveis individual e organizacional. Neste nível, reconhece-se a possibilidade de indivíduos coletivos desenvolverem competências para atuar, na comunidade, desde as unidades domésticas, discutindo sobre questões de seu interesse, considerando as lutas globais (nível macro). No empoderamento comunitário, estão presentes estruturas de mediação em que os membros compartilham conhecimentos e ampliam a sua consciência crítica e, por fim, a participação social na perspectiva da cidadania.

  No Projeto Gente de Valor, o governo do estado da Bahia é ator essencial, assim como os governos locais e o nacional, para a geração de estruturas favoráveis e para o desenvolvimento de estratégias de empoderamento, na medida em que aportam recursos e serviços para as comunidades que estão dentro de sua área de responsabilidade pública. São recursos que apoiaram, no início da intervenção do PGV, a criação de conselhos subterritoriais formados com a participação equitativa de 50% de homens e 50% de mulheres, com o objetivo de promover a organização das comunidades através de reuniões sistemáticas onde eram discutidos os problemas das comunidades e planejadas as estratégias para enfrentá- los e solucioná-los. Elaborou-se um plano de desenvolvimento subterritorial em que constam questões sociais, culturais, econômicas, políticas e ambientais. A partir daí, cada

  87

  subterritório elaborou seu projeto de desenvolvimento que envolvia três ou quatro comunidades que apresentavam características semelhantes e com uma forte identidade entre elas.

87 Baseado no conceito de territorialidade, envolve três a quatro comunidades da área rural com

  características e identidades semelhantes. Para o governo, o território representaria a descentralização e a desconcentração das políticas públicas. O Desenvolvimento Territorial

  • – concebido desde a perspectiva do reconhecimento e valorização dos espaços construídos territórios como construção social
  • –, resultaria numa conformação que traz para o primeiro plano
Neste nível de empoderamento, percebo dificuldade em separar os três níveis, pois eles se misturam e se somam para os objetivos serem atingidos. Porém, quando observo o sentimento de autovalorização de Maria de Lourdes, ao tecer uma peça de artesanato de fiapo, transformando-a em almofadas, redes, tapetes e outros ou mesmo nas atividades coletivas do grupo, ao produzirem juntas, todos os sábados, as peças para vender nas feiras ou para as entregas de encomendas, vejo, como Maria de Lourdes e Maria Alice, a atividade como uma alternativa produtiva que valoriza a cultura, que fortalece os laços entre as pessoas envolvidas, possibilita a geração de mais uma renda, além da agrícola, e amplia os sonhos destas mulheres, não só de um bem material, como o DVD, mas de ter nesta atividade a possibilidade de um empreendimento que envolva toda a família, na perspectiva de obtenção segura da renda familiar. Para Maria de Lourdes, é grande o prazer de fazer seu artesanato e com ele ganhar o seu dinheiro:

  • Alegria maior que a gente sente é quando termina de fazer e vem um pessoal

  

comprar o que a gente manda pra fora. E não é o que, pelo que eu já passei na vida, é

maravilhoso. Foi uma benção de Deus, nós ter conseguido. Fico muito satisfeita. E a gente

pretende andar mais pra frente pra conseguir mais coisas. Se a gente conseguisse exportar

peças para fora do Brasil e ganhar mais ainda... Daqui uns dois, três anos, pros maridos não

querer viajar, pra ficar aqui e aprender fazer também. O meu marido sabe fazer rede, só que

ele tem preguiça. Eu ensinei, ele sabe, só que ele tem preguiça. Ele diz que rede é trabalho de

mulher. (Maria de Lourdes, branca, 41 anos).

  O desafio de Maria de Lourdes e do grupo do artesanato é desconstruir e efetivar mudanças no exercício dos papéis tradicionais de gênero, ainda muito presentes na cultura a que pertencem. Já Maria Alice, em seu depoimento a seguir, fala como os homens e, em especial, o seu marido veem o avanço delas no grupo produtivo e sinaliza pequenas iniciativas nessas desconstruções de papéis.

  • Então, eu acho que eles veem a nossa mudança. A gente esperava pelo dinheiro

  

deles, antes, agora a gente tem o nosso, a gente pode fazer o que quiser com nosso dinheiro,

comprar as nossas coisinhas. Até ajudar dentro de casa. Até uma roupa, um calçado, era

dependente dele, do homem. Hoje, se a gente quiser botar comida dentro de casa, a gente

coloca. Demais. Que nem eu falo para as mulheres, a gente não depende de homem pra viver,

não. Porque a gente pensava se separar do marido: “Não tenho o que fazer aqui, o que nós

vai fazer aqui vai morrer de fome, tem que ter o marido pra dar comida”. Hoje não, se a

gente se separar, não vai fazer falta, nessa parte, né. Hoje, a gente se sustenta sossegado com

  [referindo-se ao artesanato de fiapo]. (Maria Alice, parda, 25

  o quintalzinho, aqui fazendo, né anos).

  Maria Alice fala que, na região, não tem a matéria prima:

  “Vem de fora, é uma linha de alg odão. Vem de fora, a gente compra em outro município”. Diz que, para o grupo

  do artesanato diminuir os custos de produção e aumentar o lucro, estão tentando se articular em redes com outros grupos, associações e com a cooperativa do município de Cipó: “Aí,

  

junto com essa cooperativa em Cipó tem outras associações, a gente estava pensando, vamos

ver, vai dar certo. Agora, através da cooperativa, o caminhão ir buscar em São Paulo, que

vem de São Paulo e vem de Pernambuco”. Neste mesmo sentido, o grupo do artesanato deu

  os primeiros passos na busca de parcerias com as instituições locais e regionais na perspectiva de estruturar a atividade de produção artesanal do fiapo e construir os canais de comercialização dos produtos através do Instituto Mauá (Salvador), das Prefeituras de Ribeira do Amparo e Cipó e, também, através da formação de uma Cooperativa. Para Maria Alice, o apoio e as orientações da técnica ajudaram o grupo nesse processo.

  • – Ela [Rejane, técnica do PGV] ajudou muito a gente a cobrar, ensinou a gente ir

    lá buscar. Hoje a gente sabe ir sozinha, sabemos, já fomos atrás de muita coisa, atrás de

    parcerias. A gente tem parceria com o Instituto Mauá, a gente está com parceria com o

    município Cipó, que está querendo fundar uma cooperativa que a gente vai fazer parte, tudo

    através do Projeto. Tudo através dos ensinamentos. A gente está atrás de prefeitura de tudo,

    vamos cobrar, ave, é muita coisa. É porque antes a gente tinha parado, porque vinha um

    vereador e “é nam”, “nam” assim. (Maria Alice, parda, 25 anos).

  Depois dessa experiência vivida, as coisas começaram a mudar, pois o processo de formação contribuiu para o acúmulo de conhecimento individual e coletivo, para despertar a consciência de pertencimento da comunidade e facilitou a construção das relações tecidas durante o processo de organização da associação e da comunidade. Quanto ao nível de empoderamento do grupo, a comunidade deixa de só esperar dos vereadores politiqueiros as resoluções de seus problemas e formula estratégias e ações e se mobiliza para influenciar nas decisões que são de seu interesse. As capacitações promovidas pelo Projeto ajudaram o grupo a lutar por seus direitos, conforme Maria Alice:

  • – [...] Umas vezes a gente foi daqui para a Câmara Municipal e paramos a

    sessão. Só dava a gente, os vereadores se olhando e a gente cobrando nossas reivindicações.

    Vamos ajudar e olhar nossa comunidade, Bariri está sem água. E aí, graças a Deus, fomos

    atendidos. Muitas cobranças a gente fizemos lá, na Câmara. A gente já sabia, vamos lá falar

  

“Tá bom!”. Aí, esquece. Hoje, a gente sabe que tem que chegar lá e protocolar um ofício, a

gente teve capacitação. As capacitações do projeto ajudaram muito a gente. Nos encontros de

mulheres, nossa, todos, pra mim mesmo, eu não perdi nenhum, participei de todos. Pra me

(Maria Alice, parda, 25 anos). ajudar, todos, eu saí com uma nova experiência.

  Para Maria Esperança, a ação do Projeto ajudou a mudar algumas coisas na realidade da comunidade. As pessoas que dele participaram se apropriaram de informações e acumularam conhecimentos gerais e específicos. Através dos técnicos do PGV, foi iniciada uma articulação com a Secretaria da Agricultura do município de Jeremoabo para que os associados possam vender e fornecer para a alimentação escolar.

  • – Mudou muito, antes, a gente não tinha conhecimento de nada, de reunião que

    tinha na Secretaria da Agricultura, nós não sabia nada do que estava acontecendo em

    Jeremoabo e, hoje, por causa do Projeto Gente de Valor, que o chefe de escritório tem, assim,

    ajudado muito, incentivado e falado muito sobre as comunidades. Gente de Valor, que tem

    ainda essa Secretaria, tem sempre procurado a associação para participar das reuniões que

    falam sobre a agricultura, sobre a apicultura, sobre tudo e depois também do Projeto tá

    previsto para a associação comprar alimentos na comunidade para distribuir nas

    comunidades carentes [PAA

  ˗˗ Programa de Aquisição de Alimentos] que não têm e também

  

para vender pra merenda escolar [PAE]. Então, isso tudo foi um grande avanço para nossa

comunidade, que não tem praticamente renda nenhuma ou, de ano a ano, quando chovia, o

feijão e o milho, e vive de horta. Outra alternativa não tinha. E esse ano foi assim, depois que

choveu, quase todos os apicultores tiraram mel e estão muito feliz. Disse que jamais

pensaram em ter uma renda a mais e a tendência é aumentar cada vez mais a apicultura. Eu

já tirei o consumo e estou incentivando meus filhos e minha família a consumir também, que

era uma coisa assim que a gente não dava importância para o mel e hoje, não, depois do

conhecimento que a gente tem da importância do mel na alimentação da família, todo mundo

consome o mel. E também já me ajudou, já vendi mel esse ano. (Maria Esperança, preta, 28

anos).

  Percebe-se que essa articulação e as parcerias estão ainda em um processo inicial, mas o caminho está sendo construído, com a participação mais ou menos direta dos membros da Associação, nas decisões estratégicas e na operacionalização desta proposta. Esta articulação, mesmo que ainda frágil para acessar políticas públicas e recursos governamentais,

  88

  através do Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA) e do

  89 Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) , fornecendo mel e hortaliças para

  comunidades carentes ou para a merenda escolar do município de Jeremoabo, leva a organização e a comunidade a se empoderar.

  Maria da Paz fala com orgulho de representar a associação nos Conselhos

  Municipais de Educação (CME) e da Criança e do Adolescente (CMDCA). Na realidade, ela está aprendendo a participar destes espaços de representação política, destas instâncias públicas e coletivas e, pelos muitos convites que tem recebido, deve estar se saindo bem em seus posicionamentos nestes conselhos. Sobre isto, diz:

  • O pessoal já aprenderam a me achar, já me botaram em conselho da merenda

  

escolar, já parei por lá. Da criança e do adolescente, já parei neste conselho, da divisão da

semente do governo. Todo mundo tem uma reunião, vamos ligar para Maria da Paz, é

atuante. Aí, acabam me ligando, aí, até eu disse pra eles: “Ninguém me ligue mais, não, que

eu não quero participar de conselho nenhum mais, não, porque você não ganha, mas todo

mês você tem aquela responsabilidade de estar todo mês na reunião. Teve a reunião você tem

que se responsabilizar de estar lá”. (Maria da Paz, parda, 32 anos).

  Maria da Paz sabe que participar desses conselhos lhe dá credibilidade dentro da comunidade e a torna conhecida entre os órgãos públicos e organizações da sociedade civil (OSC) que participam também do conselho. Também acumula conhecimento e tem acesso a informações sobre projetos, programas e políticas públicas desenvolvidas pelo município de Fátima. Ela fala o que acha de participar desses conselhos:

  • Eu ganho a experiência, eu vou ganhando a confiança de cada um. Na merenda

    escola, eu estou lá, quem vai vender para merenda escolar não pode participar de conselho.

  

Eu falei pra a moça lá, que é responsável, e agora que a gente tem um equipamento

  [beneficiamento de frutas]

  para trabalhar para vender para merenda escolar: “Se vocês me botaram no conselho como vendo para merenda escolar?” (Maria da Paz, parda, 32 anos).

  88 Foi instituído pela Lei 10.696, de 2 de julho de 2003, como uma ação estrutural do Programa Fome Zero. Seu principal objetivo é garantir a comercialização dos produtos da agricultura familiar, através do estabelecimento de preços mínimos a serem praticados com a garantia de compra, ao mesmo tempo em que articula esta produção com os mercados institucionais ou para formação de estoques, atendendo aos princípios da segurança alimentar. (MÜLLER, SILVA, SCHNEIDER, 2012).

  89 Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) tem como objetivo ofertar uma alimentação adequada e saudável a fim de fornecer segurança alimentar e nutricional. Também tem o objetivo de fortalecimento da agricultura familiar, pois eles são considerados os fornecedores organizados

  Ter as informações antes das outras pessoas e das outras organizações dá a Maria da Paz e à associação que ela representa no Conselho vantagens e poder de se articular e se preparar antes das outras associações. Ela se preocupou, ao ficar sabendo que as pessoas que participam do Conselho da Merenda Escolar, não vão poder vender seus produtos. Tranquilizou-se, quando foi informada que a Associação de que é tesoureira pode participar:

  • Exatamente, foi o que ela me respondeu, que pode vender no nome de outra

  

pessoa. Porque, no dia da reunião, foi chamada a sociedade civil, no caso são a gente, aí,

acabaram votando. Eu tava brigando com o menino da outra associação, eu não queria ser

titular, ele também não, a gente decidiu que ele é titular e eu sou suplente. Quando chegou no

outro dia lá, a coisa foi diferente, aí mudou tudo, tem votação. Aí o pessoal já me conhecia

começou a votar: ”Não vote nele, que ela é atuante”. Aí acabei ficando como titular. Aí eu

acabei dizendo, eu quero trabalhar com a merenda escolar, mas aí ela passou pra gente que

poderia vender para outra pessoa. Pelo menos eu já vou tendo conhecimento, o pessoal vai

me conhecendo e quando a gente precisar ir atrás deles, eles já vai conhecer e saber que a

gente tá lá trabalhando e fazendo alguma coisa . (Maria da Paz, parda, 32 anos).

  A presença nos conselhos já trouxe para a comunidade o “Projeto Minha Sopa” cujo recurso vem da Prefeitura de Fátima e a sopa é feita por Maria da Paz e outras mulheres na casa da Associação. Diz:

  • Aqui a gente distribui a sopa, o projeto “minha sopa”. Eles deram o aluguel,

  

mas depois, eles disseram: vamos procurar Maria da Paz, lá tem a casa da associação, ela

pode ceder, aí, segunda e sexta, a gente cozinha a sopa e distribui para a comunidade aqui.

Aí, eu estou na fre nte de tudo: “ligue para Maria da Paz, fale com Maria da Paz” (Maria da

  Paz, parda, 32 anos).

  Maria dos Prazeres, assim como Maria da Paz, ressalta que, dentre as

  capacitações que o PGV realizou com aquelas que exerciam cargos de direção na Associação, a mais importante foi o curso de gestão de convênio, que possibilitou a apropriação de conhecimentos técnicos e práticos de gestão administrativo-financeira levando-as a se sentirem mais seguras e com um domínio maior para gerir o convênio do projeto.

  • Nós era da associação, mas tinha que aprender muita coisa. Então, o curso de

  

gestão, faltava uma perninha, com o curso de gestão ele me ajudou bastante. Precisou mais

assim no Projeto a gente aprender mais de como fazer um projeto. Se a gente for fazer, hoje a

gente faz. Conseguimos fazer o projeto das mulher com ajuda de uma técnica que é mulher

também, mas quem escreveu foi nós da comunidade. Então, ela só foi que ela é técnica, nós

  

então, a gente enviou, colocou os dados dela também. Tinha que ter um técnico lá, viu que

essa menina trabalhou aqui também, aí foi. Foi o curso de gestão, como fazer um cheque, via

o povo fazendo cheque, e eu sabia lá como preenchia um cheque? Eu sabia lá que o cheque

tinha que ter fundo, que tinha que ter não sei o que, se era cruzado, se era sem cruzar? Todos

foi importante, pra minha pessoa, foi o curso de gestão. (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  Essa experiência mudou a vida de Maria dos Prazeres na medida em que promoveu e concretizou seu empoderamento, ela não só aprendeu a assinar cheque e a realizar processos administrativos e de gestão, mas, principalmente, a pensar, refletir e decidir com o grupo de beneficiamento e com a associação o que eles querem, como e com quem. Ela e o grupo estavam se sentindo preparados, após terem gerido o convênio com o PGV, a buscar novos recursos, sensibilizados a elaborar projetos para dar continuidade ao trabalho, principalmente com as mulheres do beneficiamento de frutas. Ela conta que isto mudou a sua vida:

  • – Mudou, vige Maria! Mudou tudo, porque se nós quiser preencher um cheque

    hoje, nós preenche, pra que, o que vai fazer com esse cheque, o que vai comprar, nós já

    sabemos. E mudou tudo na nossa v ida. Fazer um projeto... “Vamos fazer um projeto?”.

  

“Vamos!” “Vamos sentar a comunidade, primeiro sentar a comissão, eu presidente,

tesoureira, secretaria, algumas pessoas assim...”. Hoje, eu não tenho medo, não mais, porque

é assim, de primeiro a gente tinha, de vim pessoas diferentes e querer invadir, hoje não, se

você veio diferente, a gente não gostou da sua fala, a gente não vai aceitar o que você quer,

nós vamos aceitar o que nós precisa, o que necessita; hoje, eu não tenho medo. Minha mãe

diz assim:

  “Menina intromedida, tu não se intromete em tanta coisa!”. A gente está vendo

que precisa na comunidade, se o povo quer, então vamos correr atrás . (Maria dos Prazeres,

  parda, 32 anos).

  Maria dos Prazeres adquiriu compromisso e responsabilidade com a organização e com a comunidade. Apesar de já ser uma liderança há muito tempo e sempre estar à frente das ações, ela exerce uma liderança compartilhada, escuta as opiniões das outras pessoas, informa e esclarece as dúvidas e os procedimentos para que, na hora de definir e tomar a decisão, seja com a participação consciente de todos os membros da Associação. Segundo Maria dos Prazeres, a Associação conta com 70% de mulheres e este foi um dos motivos pelos quais elaboraram um projeto das mulheres do beneficiamento de frutas para a Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura (SEAGRI) do Governo do Estado:

  • Um projeto de mulher. Você mesmo chegou aqui na comunidade pra mostrar o

  

trabalho que tinha feito com a gente com a sistematização, aí foi e disse... como a gente tem a

dificuldade, que a gente não tem internet, mora na roça, não tem internet, ainda aí tem essa

dificuldade muito, muito... Você chegou mandada de Deus e disse: ”Meninas tem um edital lá

de projeto de Seagri, vã o lá tem até tanto x de valor”. Disseram: “A Beth disse que tem

aquele projeto, vamos vê o que é. Você vá vê e passa pra nós!” Aí eu fui lá vi [que] é um

projeto bom, não devolve o dinheiro, expliquei tudo direitinho: “Agora precisa isso, precisa

aquilo, t al, nós consegue aí, todas consegue, vamos fazer!”. Nós nos sentemos uma semana,

isso tinha poucos dias de prazo... Eita, meu Jesus, e agora? E liguei pra Josefa, que

trabalhava com assistência técnica da EFA (Escola Família Agrícola), aí eu disse: “Josefa,

nós precisa de ajuda”. Ela disse: “Pois não, venha pra cá e traga toda papelada da

associação”. Eu já tinha feito num papel, no caderno, o que tinha e a relação que tinha de

pedido. Aí eu já tinha feito algumas coisas, aí passemos lá sentemos um dia de manhã e

enviemos o projeto. E logo foi aprovado, a ainda hoje eu lembro desse dia, foi maravilhoso

em cima do mundo conquistado por nós mulher e não precisou de tanta pessoa de botar gosto

ruim. Teve algum gosto ruim... (Maria dos Prazeres, parda, 32 anos).

  Conta que também compartilhou a informação para as mulheres do Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Cícero Dantas, para que também elaborassem um projeto: “Eu chamei o sindicato: ‘Meninas vamos fazer um projeto, mulher, vocês tem o corte

  e

costura, vamos fazer!’. [Responderam:] ‘Ah, o tempo é pouco’. Botou dificuldade”. Diz que

  as dificuldades colocadas pelas mulheres do sindicato a estimularam ainda mais a continuar com o projeto delas. Ela continua contando que, após terem elaborado o projeto, tiveram que correr para providenciar a documentação da Associação exigida no edital e postar no correio. Foi uma verdadeira saga conseguirem, pela primeira vez, vencer, em tempo exíguo, todos os obstáculos burocráticos que existem para uma associação se tornar apta a pleitear financiamento público. Nisto, contaram com ajuda do pessoal técnico da CAR, do PGV. Lideradas por Maria dos Prazeres, as mulheres da Associação demonstraram maturidade, objetividade e determinação ao buscarem recursos para potencializar e continuar o trabalho das doceiras. Maria dos Prazeres não desistiu, mesmo diante de tanta correria e imprevistos para aprontar todas as documentações e conseguir enviar o projeto dentro do prazo. Depois desta maratona, tiveram a recompensa de ter o projeto aprovado para a unidade de beneficiamento de frutas, no valor de R$ 30 mil.

  O grupo de mulheres ainda continua aguardando ansioso o recurso ser depositado sentindo-se independentes dos agentes públicos tradicionais e dos políticos locais. Anteriormente, em 2005, elas e o Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Cícero Dantas já lutavam, junto à Prefeitura de Cícero Dantas, para que fosse construída na comunidade uma unidade de beneficiamento da castanha de caju. Em 2011, a unidade foi entregue à Associação e, nesta época, o PGV já estava sendo executado na comunidade, propiciando os intercâmbios e os cursos de capacitação para o trabalho na unidade de beneficiamento.

  Apesar de o PGV ter planejado e realizado um segundo momento do curso de aproveitamento do caju, Maria dos Prazeres percebeu que não tinha sido suficiente para que as mulheres aprendessem e, por conta da Associação, foi providenciar fazer novamente o curso de aproveitamento do caju:

  “Seu Florisvaldo, a gente precisa de um curso desse”.

[Ele:] ‘Maria dos Prazeres, você quer fazer, então vamos fazer’”. Maria dos Prazeres ficou

  muito estimulada porque neste curso participaram muitas mulheres da Associação, que aprenderam a utilizar o caju em uma grande diversidade de doces e formas diferentes: “Ah,

  

minha fia, aprendemos a fazer o doce alisado, o doce de barra, o doce de comer de colher, a

geleia, o negócio do quibe, o negócio de fazer com arroz o caju, carne de caju, de tudo do

caju”. Maria dos Prazeres conta que as mulheres gostaram de tudo que aprenderam, que

  fizeram durante o curso e que continuam fazendo. Afirma que, agora, as mulheres realmente aprenderam a fazer o aproveitamento do caju: “Tanto aprenderam que estão fazendo, tão

  

vendendo”, e já estão criando outros produtos com o caju: “Elas já estão criando até com o

doce que elas têm, até fazendo docinho de festa de aniversário, fizeram pra vê como era”.

  Maria dos Prazeres, em nome da Associação, busca acessar todos os projetos que vêm para a região. Ultimamente, está em uma correria grande, fazendo o levantamento das famílias da sua comunidade que não têm casa para serem contempladas com o projeto Minha Casa Minha Vida.

  O empoderameno de Maria dos Prazeres não é uma ilusão, pois ela não ignora o histórico e o político, está conectada com o contexto local e se relaciona com as lutas e as ações coletivas da comunidade, do sindicato, da cooperativa e da região, dentro de um processo político. Reconhece as estruturas de poder e a existência desta desigualdade no seu cotidiano, presente em sua própria vida e no grupo de mulheres, e isto a incomoda e a impulsiona e, também, ao grupo, a querer mudar as estruturas sociais existentes na própria vida e na das outras mulheres. Só assim, Maria dos Prazeres e suas companheiras vão se empoderar, de fato, quando, juntas, conseguirem mudar e acabar com a dominação dos suas vidas. Não basta só ter mulher presente, participando: ela tem que ser ouvida e ter ações direcionadas para elas que possibilitem o seu processo de empoderamento.

  A dinâmica organizativa vivida por essas mulheres, ao assumirem alguma responsabilidade na associação comunitária, tendo ou não cargo na diretoria, viabilizou um rico processo de vivência, uma troca de conhecimentos e de experiências de vida que favoreceu o crescimento individual e coletivo destas mulheres agricultoras. Nos casos investigados, constatamos ambiguidades nos depoimentos das mulheres, ora demonstrando empoderamento, ora desempoderamento. Todas as mulheres investigadas se empoderaram, em graus diferentes, principalmente, no nível psicológico ou individual.

  Quatro mulheres não se empoderaram no nível organizacional, ou melhor, o grau de seu empoderamento foi baixo em relação às outras e ao que poderia ser. E seis dessas mulheres demonstraram empoderamento organizacional, no grupo produtivo e na Associação, revelaram ter sentimento de pertencimento ao grupo, realizar práticas solidárias entre elas, mostraram respeito recíproco e apoio mútuo entre os membros do grupo. Porém, dentre as dez mulheres agricultoras estudadas, apenas uma, Maria dos Prazeres, demonstra estar no nível de empoderamento comunitário. Todas essas vivências e experiências possibilitaram a algumas mulheres um processo de empoderamento efetivo.

  CONSIDERAđỏES FINAIS

  Uma preocupação pessoal, enquanto feminista e militante de movimentos sociais que ora cumpre função de assessora de gênero em projeto público, inspirou-me a esta pesquisa: o que se pode fazer dentro de uma estrutura do Estado, como a CAR, que seja coerente com uma trajetória como a minha, que é a de muitos que foram parar no interior do Estado?

  No passado, fui muito crítica dessa intervenção do Estado junto às comunidades rurais, associações e cooperativas, em região próxima e muito semelhante a esta, do Nordeste do Estado da Bahia, na qual se desenvolveu o Projeto Gente de Valor. Historicamente, esta empresa pública, criada em 1983, se tornou instrumento de difusão do pacote tecnológico da chamada “Revolução Verde”, no contexto da modernização conservadora. Sem romper com a tradição clientelista, focava, principalmente, em infraestrutura (barragens, poços tubulares, unidades de beneficiamentos, banheiros e, mais recentemente, cisternas de água de chuva para consumo humano e produção) e distribuição de tratores e implementos agrícolas. As ações passaram a ser direcionadas não mais a indivíduos, mas a coletividades, através de convênios com as associações comunitárias de produtores rurais, quase sempre criadas para esta finalidade, sem existir, de fato, uma dinâmica organizativa na comunidade com práticas associativas enraizadas. Associações meramente cartoriais e sob o domínio de um cabo eleitoral.

  A CAR é de grande interesse político e, para controlá-la, há disputas, conflitos e relações de força dentro do governo estadual nas sucessivas gestões. Este tipo de intervenção ia de encontro às minhas concepções e práticas profissionais, enquanto extensionista e agroecologista. Com as mudanças na conjuntura política do Brasil e o advento de coalizões entre o Governo Federal e o Estadual, controlada por partidos de “esquerda” ˗˗ o Partido dos Trabalhadores à frente, partido pelo qual militei, pois julguei, assim como outros profissionais, encontrar espaço mais favorável dentro do Estado para colaborar no avanço das causas pelas quais tenho lutado ˗˗, acabei aceitando a função de Assessora de Gênero do Projeto Gente de Valor, no âmbito da CAR.

  Propunha-se operacionalizar, dentro da estrutura do Estado, especificamente no PGV, as estratégias de incorporação do enfoque de gênero que foram aprovadas na Quarta Conferência Internacional da Mulher, em 1995, em Beijing, na China. Assinando a Plataforma de Ação desta conferência, o Brasil assumiu a responsabilidade de integrar as uma recomendação do FIDA para o PGV. Um desafio para todos do projeto e um compromisso pessoal meu.

  Nesse contexto, apresenta-se a presente dissertação com o seguinte percurso: a caracterização do objeto e a sua abordagem; a discussão teórica do conceito de empoderamento; e os níveis individuais e grupais de empoderamento.

  O desafio foi dobrado, não só pelo envolvimento pessoal, mas, também, por discutir um tema bastante contemporâneo e pouco estudado em uma perspectiva feminista: o processo de empoderamento de mulheres agricultoras em projetos de desenvolvimento rural patrocinados pelo Estado, no caso, o Projeto Gente de Valor, implementado pela CAR.

  Esse Projeto tinha em seu desenho, conforme os ditames atuais hegemônicos, a meta de reduzir, significativamente, os níveis de pobreza e a pobreza extrema das comunidades rurais do semiárido baiano. Para tanto, visava melhorar as condições socioeconômicas das comunidades rurais pobres, por meio de um desenvolvimento social e econômico, ambientalmente sustentável, com equidade de gênero.

  Nesta perspectiva, sua proposta de intervenção incorporava discursos e conceitos em evidência, como agroecologia, convivência com o semiárido, segurança alimentar e enfoque de gênero. A CAR, porém, ou melhor, o Projeto Gente de Valor, com sua equipe técnica, não estava suficientemente preparada para atuar com todas essas diversidades de temáticas e suas respectivas concepções e implicações. Na realidade, a instituição continuava a mesma e seu quadro de técnicos e técnicas também, apesar da incorporação teórica destas temáticas em seus projetos. A entrada, no corpo técnico da CAR, de pessoas com trajetórias de “esquerda”, comprometidos com as lutas por direitos sociais, com alguma experiência nestes temas, não significou mudanças, de fato, em sua estrutura interna e na ação externa, capazes de facilitar a operacionalização plena da proposta originária nos marcos desenvolvimentistas. As atitudes de desqualificar os projetos voltados para o empoderamento de mulheres continuaram presentes, tal como manifestadas no Projeto Pró-Gavião (1998), ainda que de forma velada.

  Em 2008, quando entrei no PGV como assessora de gênero, tinha a ilusão da possibilidade de uma real incorporação da perspectiva de gênero nas ações governamentais, pelo cenário político favorável e pela presença, na diretoria da instituição, de profissionais oriundos dos movimentos sociais. Aparentemente, conseguiríamos fazer algo diferente, no intuito de garantir a inclusão da perspectiva de gênero no Projeto. Porém, o cenário criado pela inserção destes profissionais estabeleceu internamente a convivência, nem sempre instituição incorporava, de forma verticalizada, a transversalidade da perspectiva de gênero, para só assim garanti-la nos dois componentes do PGV (o de Desenvolvimento Produtivo e de Mercado e de Desenvolvimento do Capital Humano e Social), mas o gênero é visto como algo secundário e complementar, não valorizado, efetivamente, pelo executor, apenas mais um tema transversal aceito, em função das diretrizes do FIDA e das políticas sociais do Governo Federal.

  Dessa forma, a inclusão das mulheres agricultoras no Projeto se deu de cima para baixo, com uma visão de desenvolvimento rural ainda pautada em valores de uma ordem patriarcal vigente, em uma perspectiva assistencialista que, facilmente, tendia a aprofundar desigualdades sociais entre homens e mulheres. Na CAR e, consequentemente, no PGV, no que concerne ao enfoque de gênero, a sua incorporação nos discursos e ações ainda não possibilitou a desconstrução da percepção das identidades feminina e masculina de forma determinista˗˗essencialista e do masculino como referência.

  Na prática de intervenção do Projeto, as desigualdades de gênero não são entendidas como um problema que existe e que precisa ser mudado. Estas desigualdades são, em geral, produzidas e reproduzidas durante a implementação das ações do PGV nas comunidades, nas decisões da coordenação e nos escritórios, pelos agentes técnicos e técnicas. Isto ocorre, por identificarem as mulheres agricultoras apenas com a reprodução e por não reconhecerem o papel decisivo realizado pelas mulheres no âmbito da produção.

  O Projeto Gente de Valor estimulou a participação das mulheres agricultoras nas atividades que promovia, mais preocupado com a quantidade, como se bastasse ter mulheres presentes nas atividades para a incorporação da perspectiva de gênero e para efetivar a equidade de gênero. Acreditava-se, assim, estar, no desenvolvimento do Projeto, dando oportunidades para as mulheres. No entanto, não conseguiu ir além e criar condições para que as mulheres adentrassem áreas de domínio masculino como a caprinocultura, a ovinocultura, a apicultura, que continuaram com pouca presença das mulheres. A promoção dessas mulheres agricultoras a agentes ativas de um processo de desenvolvimento centrado na sua integração social, nas estratégias do desenvolvimento convencional, permitiu, minimamente, a aceitação das estruturas sociais existentes que perpetuam as desigualdades de gênero. Tal integração, na prática de campo, é promovida sem questionamento no que diz respeito à divisão de gênero dominante e às suas implicações para o modelo de desenvolvimento.

  O Projeto tende a se centrar nos aspectos produtivos do trabalho das mulheres, ignorando o peso das suas funções sociais e reprodutivas que, no cotidiano, interferem diretamente no seu desempenho no trabalho produtivo. O Projeto criou as condições para que as mulheres participassem das associações, porém, o controle sobre os recursos e informações continuou sob a tutoria dos técnicos e técnicas e, em algumas comunidades, não possibilitou o exercício pleno da autonomia das mulheres, enquanto diretoras das associações. Não havia o interesse de refletir sobre a situação subordinada das mulheres e de questionar a ideologia patriarcal, nem de desvelar as desigualdades sociais e a discriminação de gênero por elas sofridas e naturalizadas.

  Batliwala (1994) afirma, acertadamente, que o empoderamento é um processo e, com certeza, este processo não é linear. Pode-se constatar que o processo de empoderamento tende a ser espiral. Algumas das mulheres não se empoderaram, de fato, ou melhor, o grau de seu empoderamento foi baixo em relação a outras e ao que poderia ser. Em alguns casos, isto se deveu à pouca escolaridade, à idade e ao ambiente que as circunda. Os agentes facilitadores, em geral, não favoreceram o entendimento crítico destas mulheres sobre sua realidade, autonomia e capacidade de fazerem suas próprias escolhas.

  No entanto, durante a dinâmica de participação criada pelo PGV, em diferentes atividades produtivas e organizativas de interesse coletivo, surgiram outros elementos subjetivos à margem do controle ou das previsões dos planejamentos técnicos, construídos através da interação entre as mulheres, entre os grupos, entre os técnicos, as técnicas e as mulheres. Todas essas vivências e experiências possibilitaram a algumas mulheres um processo de real empoderamento, pois propiciaram a sua conscientização e a possibilidade de exercitar sua capacidade de fazer escolhas as quais, muitas vezes, passam pela decisão de romper relações conjugais, de permanecer sozinhas com os filhos, de não querer ter filhos ou não querer ter mais filhos. Ter a liberdade de pensar com as próprias ideias, com suas vontades, seus desejos e, finalmente, decidir sobre suas vidas.

  Este estudo levou à conclusão de que há empoderamento das agricultoras na perspectiva do desenvolvimento, a partir da intervenção do Estado. O PGV foi veículo para o empoderamento das mulheres agricultoras, apesar da sua abordagem ter sido oriunda da mesma matriz das agências de cooperação internacionais e organizações financeiras multilaterais, que enfatizam sua dimensão instrumental e metodológica e não sua dimensão política. Mesmo assim, o Estado, através do PGV, foi um facilitador do empoderamento, ainda que dentro de uma perspectiva de desenvolvimento regida pelos marcos do Como instrumento para o desenvolvimento e combate à pobreza, suas ações estavam focadas nas “necessidades práticas de gênero”, tais como saúde da mulher, direitos à documentação e às tecnologias produtivas e geradoras de alimento e renda.

  Na prática, as mulheres agricultoras passaram a demonstrar que era seguro investir nos seus empreendimentos e em suas capacidades de lideranças enquanto mulheres pobres, que são vistas como aquelas que mais trabalham, que são mais fáceis de mobilizar, que representam menor risco para o crédito e que são mais preocupadas e comprometidas com a família e com a comunidade. Estes argumentos, que antes eram vias para a exploração das mulheres, passam a ser comprovações de eficiência no discurso das políticas neoliberais, tirando proveito das qualidades das mulheres que lutam pela sobrevivência econômica, cultural e política, ao revés de um comprometimento com a continuidade da luta no sentido do seu empoderamento. (BATLIWALA, 2013).

  Nos casos investigados, constata-se ambiguidades nos depoimentos das mulheres agricultoras, ora demonstrando empoderamento, ora desempoderamento. No entanto, afirmo que todas as mulheres investigadas se empoderaram, em graus diferentes, principalmente no nível psicológico ou individual. Empoderaram-se, ao participar das atividades produtivas e organizativas, contribuindo com as discussões, apropriando-se dos conhecimentos, tecnologias e processos organizativos. É notório o aumento da autonomia, da autoestima, da autoconfiança e o sentimento de autovalorização destas mulheres. Duas delas afirmam que foi durante o processo organizativo da comunidade que começaram a entender sua realidade social enquanto mulher, negra e pobre, a conhecer o contexto sociopolítico no qual vivem e a ter um olhar crítico sobre o mesmo. Foi na vivência do Projeto que descobriram o sentimento de pertença e autorreconhecimento étnico-cultural.

  Conclui-se, também, que, apesar da integração na comunidade e do reconhecimento junto ao grupo, a maioria dessas mulheres ainda não se empoderou ao ponto de redefinir as normas e as regras de gênero, principalmente no espaço doméstico. Já no nível organizacional, seis delas demonstram empoderamento, no grupo produtivo e na associação, revelando a existência de respeito recíproco e apoio mútuo entre os membros do grupo. Constatei o sentimento de pertencimento ao grupo e a existência de práticas solidárias entre elas. No grupo, elas demonstram ter habilidades para discutir e analisar os problemas e as soluções, através da organização e da ação coletiva, conhecimento da gestão administrativo- financeira da organização e compreendem a importância do trabalho em grupo, seja na associação e/ou no grupo produtivo, para lutar coletivamente por direitos. Contudo, no caso fato de assumirem estes cargos de diretoria na Associação isto não lhes dá autoridade, de fato, não significa que tenham poder efetivo. O associativismo, não obstante, pode ser um dos caminhos do processo de empoderamento das mulheres, apesar de historicamente cooptado como estrutura de controle social.

  Ainda assim, a dinâmica organizativa vivida por essas mulheres, ao assumirem alguma responsabilidade na associação comunitária, tendo ou não cargo na diretoria, viabilizou um rico processo de vivência e troca de experiências de vida, que favoreceu o crescimento individual e coletivo destas pessoas, independentemente do sexo. No caso específico das mulheres agricultoras estudadas, experimentaram muitos sentimentos diferentes no trajeto, desde insegurança, incertezas, conflitos e disputas em casa e na associação, até o prazer de estar com as outras mulheres, dos laços de amizade construídos e de estar neste espaço público que demandava delas muito mais que domínio sobre administração e gestão. Neste processo, conquistaram autoestima, autovalorização e o reconhecimento das pessoas das comunidades. Enquanto indivíduos, portanto, elas se empoderaram como consequência do envolvimento no local, na comunidade, nas diversas atividades (produtivas, organizativas e culturais), nos processos de formação (reuniões, encontros, cursos, intercâmbios) e no exercício cidadão dentro da associação, sindicato, grupos de mulheres e conselhos.

  Entre as dez mulheres agricultoras estudadas, apenas uma, Maria dos Prazeres, demonstra estar no nível de empoderamento comunitário. Ressalto que ela já tinha uma trajetória de inserção social e política, em vários espaços e movimentos sociais, antes do PGV. Então, seu engajamento, sua participação social no Fórum do Território (da Cidadania), em instituições locais e regionais, como o sindicato e a cooperativa, já vinha de longa data. A participação no Conselho Municipal de Educação, sua luta para elaborar projetos, na busca de recursos para viabilizar o trabalho do grupo de mulheres doceiras, na perspectiva de obtenção de segurança econômica, teve o estímulo e acolaboração dos técnicos e técnicas do PGV e de outras organizações. A frequente articulação em redes com outras pessoas, organizações e movimentos sociais, como a Associação Regional de Convivência ao Semiárido (ARCAS), Pastoral Rural, Escola Família de Cícero Dantas etc., vem acontecendo há muitos anos em sua trajetória.

  Em um contexto político mais amplo, ou melhor, no nível comunitário, o empoderamento, como democratização, ocorreu quando as reivindicações das mulheres agricultoras e as exigências de apoio a suas demandas e necessidades, enquanto organizações um projeto governamental e no acesso a projetos, programas e políticas públicas direcionadas para mulheres rurais. Como exemplo deste nível comunitário, relembro a experiência de Maria dos Prazeres e das mulheres da Associação de Novo Triunfo ao reivindicar a minifábrica de processamento da castanha de caju junto à Fundação Banco do Brasil, através

  90

  da Cooperacaju , e com o apoio do Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Novo Triunfo e, também ao elaborar e acessar um projeto governamental direcionado para mulheres rurais, viabilizando os equipamentos e recursos para o grupo de beneficiamento de frutas.

  Os limites desse empoderamento, na perspectiva de desenvolvimento, é que podem ser ilusórios, pela ênfase no empoderamento individual sem se relacionar com ações coletivas (LEÓN, 2001), por não ser um processo social e político de maior amplitude e impacto. Outro limite é que o empoderamento depende dos sujeitos: se não quiserem aceitar as iniciativas dos agentes externos, dificilmente ocorrerá o empoderamento, pois, raramente, se empoderam espontaneamente (HOROCHOVSKI, 2007).

  Tendo analisado a efetivação das estratégias de gênero do Estado empregada no Projeto Gente de Valor, conclui-se que estas propiciam às mulheres agricultoras empoderamento pessoal e social, mas não político. No sentido político, elas não se empoderaram, porque não era esta a perspectiva do PGV cuja proposta, fincada em uma perspectiva de “empoderamento liberal”, ao invés de “empoderamento para a libertação” (SARDENBERG, 2009), focou no empoderamento individual das mulheres, com ênfase nos aspectos cognitivos. Pouca ênfase foi dada às ações coletivas.

  Surpreendente foi constatar que os agentes técnicos e técnicas, mesmo não tendo uma formação específica nem estarem a priori sensíveis ao enfoque de gênero e apesar de as mulheres agricultoras não terem uma formação específica e sistemática em gênero, “um encontro de mulheres” conseguiu “mexer” com algumas delas a ponto de externarem o sonho de mudarem as suas realidades e das outras também. Apesar de o empoderamento proposto no

90 Cooperativa da Cajucultura Familiar do Nordeste da Bahia, que atua nos municípios: Água Fria,

  Antas, Banzaê, Biritinga, Cícero Dantas, Cipó, Euclides da Cunha, Fátima, Heliópolis, Itapicuru, Jeremoabo, Lamarão, Nova Soure, Novo Triunfo, Olindina, Quijingue, Ribeira do Amparo, Ribeira do Pombal, Sátiro Dias, Sítio do Quinto e Tucano. Tem uma central de comercialização localizada em Ribeira do Pombal e sete unidades de beneficiamento, destas, cinco construídas em Banzaê, Novo Triunfo, Cícero Dantas, Olindina e Ribeira do Amparo. E duas unidades ainda em projeto, a serem construídas em Lamarão e Tucano. A COOPERACAJU tem parceria com a Fundação Banco do Brasil, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), Pastoral Rural, Escola Família Agrícola (EFA) e Comissão Evangélica dos Direitos da Terra (CEDITER). Disponível em: <http://www.cooperacaju.com.br/>. PGV, como resultado de capacitação ou instrumento teórico-metodológico, ter sido apreendido pelas mulheres, algumas delas ainda desencadearam internamente um processo de empoderamento efetivo.

  Isto se evidenciou no despertar das suas consciências, quando começaram a questionar suas realidades em casa, discutir a divisão sexual do trabalho, suas relações de dependência e de subordinação aos maridos e começaram a querer mudar e acabar com a opressão patriarcal. Desencadeou-se, assim, o empoderamento destas mulheres, em uma perspectiva feminista, que não era esperado nem previsto pelo PGV.

  Com base na surpresa destas constatações, defendo, então, a adoção da perspectiva feminista em um projeto de desenvolvimento rural do Estado. Creio que já é possível e viável assumir, nestes projetos como o PGV, o enfoque de gênero não só teoricamente e com conotações dúbias, mas implementar as políticas de equidade de gênero como uma conquista social, com uma redistribuição de privilégios, tidos não mais como tais, incluídas as mulheres, com condições reais para uma efetiva igualdade de gênero. Mais difícil, porém, urgente

  • – em vista também das violências que ocorrem –, será promover mudanças nas relações de gênero no meio rural e no espaço doméstico, envolvendo também os homens nos cursos e encontros de formação específicos sobre o enfoque de gênero, com a perspectiva de interconectar as relações entre as estruturas de poder e as práticas da vida cotidiana de indivíduos e grupos. Como afirma León (2001), o empoderamento das mulheres significa um empoderamento também dos homens.

  No dizer de Rose Marie Muraro (2001, p.

  1), “educar um homem é educar um indivíduo, mas educar uma mulher é educar uma sociedade”. O desafio está posto. E o desafio é urgente, pois:

  As mulheres entram nos sistemas simbólicos masculinos no momento em que esses estão se mostrando implacavelmente destrutivos em relação à vida. [...] E [entram] não só nas instituições convencionais (empresas, partidos etc.), mas também em outras, muitas vezes na contramão da história (nas lutas populares, ecológicas, pela paz etc., onde são a grande maioria). Elas estão construindo uma nova ordem simbólica, na qual o "grande outro" é a vida (viver e deixar viver), e ajudando a desconstruir a atual ordem universal de poder. (MURARO, 2001, p. 1).

  Nesta perspectiva, o PGV, com todos os seus limites, significou também possibilidade de avanço para as mulheres agricultoras rurais. Avanço que poderia e pode ser maior na reedição prevista do projeto em outra região do semiárido baiano, porém, com a perspectiva evoluindo em direção à feminista, ou seja, no sentido de um para a libertação ”, visto que, assim, mais mulheres se conscientizariam da sua força, do seu poder, dos seus direitos sociais e políticos e se fariam articuladas e mobilizadas coletivamente para conquistá-los.

  REFERÊNCIAS AITHAL, Vathsala. Empowerment and global action for women: theory and practice.

  , Kvinnforsk, University of Tromso, 1999. Disponível em:

  Working Papers <http://pdfind.com/empowerment-and-global-action-of-women/>. Acesso em: 15 jan. 2014.

  ALENCAR, Edgard. Intervenção tutorial e participativa: dois enfoques da extensão rural.

  Cad. Adm. Rural , Lavras, UFLA, v. 2, n. 1, p. 23-43, jan./jun. 1990.

  ALVES, Andréa Moraes. Fronteiras da relação: gênero, geração e a construção de relações afetivas e sexuais. Sexualidad, Salud y Sociedad

  • – Revista Latino americana, n. 3, p. 10-32, 2009.

  ANTUNES, Marta. O caminho do empoderamento: articulando as noções de desenvolvimento, pobreza e empoderamento. In: ROMANO, Jorge O.; ANTUNES, Marta.

  

Empoderamento e direitos no combate à pobreza . Rio de Janeiro: ActionAid Brasil, 2002. p.

  91-114. BAIRROS, Luiza. Mulher negra: o reforço da subordinação. In: LOVEL, Peggy.

  Desigualdade racial no Brasil contemporâneo . Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, 1991, p. 177-193.

  BAIRROS, Luiza. Nossos feminismos revisitados. Estudos Feministas, Rio de Janeiro,

  IFCS/UFRJ – PPCIS/UERJ, p. 458-463, 1995. BALEM, Tatiana Aparecida et al. Da extensão rural difusionista à construtivista agroecológica: condicionantes para a transição. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA XIV, Rio de Janeiro, 28-31 jul. 2009. Anais... Rio de Janeiro, 2009. BANDEIRA, Lourdes; VASCONCELOS, Marcia. Equidade de gênero e políticas públicas: reflexões iniciais. Brasília: AGENDE, 2002. v. 3, p. 72.

  BAQUERO, Rute Vivian A. Empoderamento: instrumento de emancipação social? uma discussão conceitual. Revista Debates, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 173-187, jan./abr. 2012. BARROS, Vanessa Andrade de et al. “Conte-me sua história”: reflexões sobre o método de História de Vida. Mosaico: estudos em psicologia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 25- 35, 2007. BARROS, Vanessa A. de; SILVA, Lílian R. da. A pesquisa em história de vida. In: GOULART, Iris B. (Org.). Psicologia Organizacional e do Trabalho: teoria, pesquisa e temas correlatos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p. 134-158. BATLIWALA, Srilatha. El significado del empoderamiento de las mujeres: nuevos conceptos desde la acción. In: LEÓN, M. Poder y empoderamiento de las mujeres. Santa Fé de Bogotá/Colombia: TM, 1997.

  BATLIWALA, Srilatha. Grassroots movements as transnational actors: implications for global civil society. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit

  Organizations , v. 13, n. 4, p. 393-410, 2002.

  BATLIWALA, Srilatha. Os mitos de gênero que instrumentalizam as mulheres: uma visão da “linha de frente” indiana. Revista Feminismos, v. 1, n. 1, jan./abr. 2013. Disponível em: WWW.feminismos.neim.ufba.br. Acesso em: 10 jan. 2014.

  BATLIWALA, Srilatha. The meaning of women’s empowerment: new concepts from action. In: SEN, Gita; GERMAIN, Adrienne; CHEN, Lincoln C. (Ed.). Population policies reconsidered : health, empowerment and rights. Boston: Harvard University Press, 1994. p.

  127-138. BILAC, Elizabete Dória. Convergência e divergências nas estruturas familiares no Brasil. In: ASSOCIAđấO NACIONAL DE PốS-GRADUAđấO E PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS – ANPOCS. Ciências Sociais Hoje 1991. São Paulo: ANPOCS, 1991. BONI, Valdete. Conceito de campesinato no Movimento de Mulheres Camponesas – MMC. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, XV, Universidade Federal de Santa Catarina, Curitiba, 26-29 jul. 2011. Anais... Curitiba, 2011.

  BOURDIEU, Pierre. Le sens pratique. Paris: Les Éditions de Minuit, 1980. BOURDIEU, Pierre. A “juventude” é apenas uma palavra. In: ______. Questões de . Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983. p. 112-121.

  sociologia BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria da prática. In: ORTIZ, Renato. Pierre Bourdieu.

  São Paulo: Ática, 1994. p. 46-81. (Coleção Grandes Cientistas Sociais). BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: ______. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução Mariza Corrêa.Campinas: Papirus, 1996a. BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Morais; AMADO, Janaína (Org.). Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996b. p. 183-191. Disponível em: <http://arpa.ucv.cl/articulos/ailusaobiografica.pdf>. Acesso em: 3 mar. 2014. BOURDIEU, Pierre. A construção do objeto. In: ______ et al. A profissão de sociólogo. Petropólis, RJ: Vozes, 1999. BOURDIEU, Pierre. Introdução a uma sociologia reflexiva. In: ______. O poder simbólico. 11 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kuhner. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

  BRITTO DA MOTTA, Alda. Emprego doméstico: revendo o novo. Caderno CRH, n. 16, p. 31-49, jan./jun. 1992. www.cadernocrh.ufba.br/include/getdoc.php?id=1330&article...

  BRITTO DA MOTTA, Alda. Reinventando fases: a família do idoso. Cadernos CRH, Salvador, n. 29, p. 69-87, jul./dez. 1998. (Dossiê Gênero e Família). Disponível em: <http://www.cadernocrh.ufba.br/viewarticle.php?id=223&layout=abstract>. Acesso em: 3 jan. 2013.

  BRITTO DA MOTTA, A. Sociabilidades possíveis: idosos e tempo geracional. In: PEIXOTO, C.E. (Org.). Família e envelhecimento. Rio de Janeiro: FGV, 2004. p. 109-144. BRITTO DA MOTTA, Alda. As dimensões de gênero e classe social na análise do envelhecimento. Cadernos Pagu, Unicamp, Campinas, n. 13, p. 191-221, 1999. (Dossiê Gênero e Gerações). BRUERA, Silvana; GONZÁLEZ, Mariana. Las mujeres y el poder: aprendiendo de las prácticas políticas de las mujeres. Montevideo: REPEM, 2006. Disponível em: <http://www.repem.org.uy/?q=node/235> Acesso em: 12 jan. 2014. BRUSCHINI, Cristina. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992. BRUYNE, Paul de; SCHOUTHEETE, Marc de. O pólo técnico. In: BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Marc de. Dinâmica da Pesquisa Social em Ciências Sociais . Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977a. Cap. 7, p. 219-159. BRUYNE, Paul de; SCHOUTHEETE, Marc de. O pólo teórico. In: BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Marc de. Dinâmica da Pesquisa Social em Ciências . Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977b. Cap. 2, p. 99-130.

  Sociais

  BRUYNE, Paul de; SCHOUTHEETE, Marc de. O pólo morfológico. In: BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Marc de. Dinâmica da Pesquisa Social em Ciências Sociais . Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977c. Cap. 4, p. 159-171.

  BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Marc de. O pólo epistemológico. In: ______. Dinâmica da Pesquisa Social em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977. Cap. 1, p. 39-61.

  BUARQUE, Cristina. A dimensão de gênero no mundo rural brasileiro contemporâneo. In: MIRANDA, Carlos; COSTA, Cristina (Org.). Desenvolvimento sustentável e perspectiva de gênero . Brasília: IICA, 2005. p. 71-90.

  BUTTO, Andrea; LEITE, Renata. Políticas para as mulheres rurais no Brasil: avanços recentes e desafios. In: CONGRESO LATINOAMERICANO DE SOCIOLOGÍA RURAL,

  VIII. Ponencias Grupo de Trabalho 9. Porto de Galinhas, PE, 2010. CAPORAL, Francisco Roberto. La extensión agraria del sector público ante los desafios del

  desarollo sustenible : el caso de Rio Grande do Sul, Brasil. 1998. Tese (Doutorado em

  Agroecologia Campesinado e Historia)

  • – ISEC-ETSIAN, Universidad de Córdoba, Espanha, 1998. CAPORAL, Francisco Roberto; COSTABEBER, José Antonio. Agroecologia: alguns conceitos e princípios. Brasília: MDA/SAF/DATER-IICA, 2004.
CARNEIRO, Sueli. Gênero, raça e ascensão social. Revista Estudos Feministas, v. 3, n. 2, 2. sem. 1995.

  CORNWALL, Andrea. Apresentação: Trilhas do Empoderamento de Mulheres. Revista Feminismos, v. 1, n. 2, maio/ago. 2013. Disponível em: <www.feminismos.neim.ufba.br>. Acesso em: 10 jan. 2014. CORNWALL, Andrea; HARRISON, Elizabeth; WHITEHEAD, Ann. Introdução: reposicionando feminismos em gênero e desenvolvimento. Revista Feminismos, v. 1, n. 1, abr. 2013a. Disponível em: <http://www.feminismos.neim.ufba.br/index.php/revista/article/viewFile/1/41>. Acesso em: 10 jan. 2014.

  CORNWALL, Andrea; SARDENBERG, Cecilia. Participatory pathways: Researching women's empowerment in Salvador, Brazil. Women's Studies International Forum , v. 45, p. 72-80, 2014. COSTA, Ana Alice. A. Gênero, poder e empoderamento das mulheres. Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher. NEIM/UFBA, 2004.

  COSTA, Ana Alice. O gênero da administração participativa: Camaragib e ˗˗ PE. In: CAMAROTTI, Ilka; SPINK, Peter (Org.). Governo local e desigualdades de gênero. São Paulo: Annablume, 2003. p. 89-108.

  COSTA, Ana Alice; SARDENBERG, Cecilia Maria B. A transversalidade de gênero e raça no Plano Nacional de Qualificação: análise crítica e diretrizes. SER Social, Brasília, v. 10, n. 23, p. 101-138, jul./dez. 2008. COSTA, Claudia de Lima. O tráfico do gênero. Cadernos Pagu, n. 11, p. 127-140, 1998. COSTA, Claudia de Lima. O sujeito no feminismo: revisitando os debates. Cadernos Pagu, Unicamp, n. 19, p. 59-90, 2002.

  CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Centro de Comunicação e Expressão, Florianópolis, Santa Catarina, v. 7, n. 12, p. 171-188, 2002. DEERE, Carmen Diana. Diferenças regionais na reforma agrária brasileira: gênero, direitos à terra e movimentos sociais rurais. Estudos Sociedade e Agricultura, n. 18, p. 112-146, abr. 2002. DEERE, Carmen Diana. Os direitos da mulher à terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária brasileira. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, jan./abr. 2004.

  DEERE, Carmen Diana; LEÓN LEAL, Magdalena. O empoderamento da mulher: direitos à terra e direitos de propriedade na América Latina. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2002. EISENLOHR, Zenio Ferreira; COUTO, Álvaro da Silva. Extensão rural e participação: uma prática-educativa. In: ENCONTRO DA REDE DE ESTUDOS RURAIS, 2, 11-14 set. 2007,

  FELÍCIO, Munir Jorge. Os camponeses, os agricultores familiares: paradigmas em questão.

  

Geografia , Universidade Estadual de Londrina, Departamento de Geociências, v. 15, n. 1, p.

  205-219, jan./jun. 2006. FOUCAULT, Michel. Genealogia e poder. In: ______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979. p. 167-177.

  FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução Roberto Machado. 4. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

  FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1985. v.

  1. FOUCAULT, Michel. Dits et écrits II: 1970-1975. Paris: Gallimard, 1994.

  FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: RABINOW, Paul; DREYFUS, Hubert. Michel

  Foucault, uma trajetória filosófica : para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense, 1995. p. 231-249.

  FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

  FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. FRIEDMANN, John. Empowerment: uma política de desenvolvimento alternativo. Oeiras: Celta, 1996.

  GALLICCHIO, Enrique. La experiencia del Centro Latinoamericano de Economía Humana (CLAEH) en la construcción de alianzas para el desarrollo local. Analisis de tres experiencias.

  Conferencia en Asamblea General de ALOP.

   Antigua Guatemala, Guatemala. 9 mayo 2002.

  GAULEJAC, Vincent de. La societé malade de la gestion: idéologie gestionnaire, pouvoir managérial e harcèlement social. Paris: Seuil, 2005. GOHN, Maria da Glória. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais.

  Saúde e Sociedade , v. 13, n. 2, p. 20-31, maio/ago. 2004.

  GOHN, Maria da Glória. Teorias sobre os movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 1997. GONÇALVES, Rita C.; LISBOA, Teresa K. Trajetórias de vida: visibilizando e reconstruindo a história das mulheres. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO 7.

  Anais..., 2006, Florianópolis, UFSC, 2006. v. 1, p. 18-24. Disponível em:

  <http://www.fazendogenero7.ufsc.br/artigos/G/Goncalves-Lisboa_42_10.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2014. GRAMSCI, Antonio. Selections from the Prison Notebooks. New York: International Publishers, 1971.

  GUILLAUMIN, Colette. Enquanto tivermos mulheres para nos darem filhos: a respeito da raça e do sexo. Revista Estudos Feministas, ano 2, n. esp, p. 228-233, 2. sem. 1994. HARAWAY, Donna. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cad. Pagu [online], n. 22, p. 201-246, 2004.

  HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, São Paulo, n. 5, p. 7-41, 1995. HARDING, Sandra. Existe um método feminista? In: BARTRA, Eli (Org.). Debates em torno a uma metodologia feminista . México, D.F.: UNAM, 1998. p. 9-34. HECHT, Susanna. A evolução do pensamento agroecológico. In: ALTIERI, Miguel.

  Agroecologia : bases científicas para uma agricultura sustentável. São Paulo: Expressão Popular, 2002. p. 21-52.

  HESPANHOL, Rosangela A. de M. Produção familiar: perspectivas de análise e inserção na microrregião geográfica de Presidente Prudente. Tese (Doutorado em Geografia)

  • – Instituto de Geociências e Ciências Exatas/UNESP, Campus de Rio Claro. Rio Claro, 2000. HOROCHOVSKI, Rodrigo R. Empoderamento: definições e aplicações. In: ASSOCIAđấO NACIONAL DE PốS-GRADUAđấO E PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS – ANPOCS.

  Encontro Anual da ANPOCS, 30. 24-28 out. 2006, Florianópolis, 2006. p. 1-29.

  HOROCHOVSKI, Rodrigo R.; MEIRELLES, Giselle. Problematizando o conceito de empoderamento. In: SEMINÁRIO NACIONAL MOVIMENTOS SOCIAIS, PARTICIPAđấO E DEMOCRACIA, 2. 25-27 abr. 2007, Núcleo de Pesquisa em Movimentos Sociais - NPMS/UFSC. Anais... Florianópolis, 2007. p. 485-506.

  INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ˗˗IBGE. Estimativas

  populacionais para os municípios brasileiros em 01.07.2013 . Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2013/estimativa_dou.shtm>.

  Acesso em: 15 jan. 2014.

  IORIO, Cecília. Algumas considerações sobre estratégias de empoderamento e de direitos. In: ROMANO, Jorge; ANTUNES, Marta (Org.). Empoderamento e direitos no combate à pobreza. Rio de Janeiro: ActionAid Brasil, 2002. p. 21-44.

  JAGGAR, Alison M. Amor e conhecimento: a emoção na epistemologia feminista. In: ______; BORDO, Susan R. (Org.). Gênero, corpo, conhecimento. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1997. p. 157-185.

  KABEER, Naila. Desde as contribuições feministas, para um quadro analítico: as desigualdades de gênero em uma perspectiva institucional. Tradução Cecília M. Sardenberg.

  , Salvador, NEIM/UFBA, v. 1, n. 1, jan./abr. 2013. Disponível em:

  Revista Feminismos

  <http://www.feminismos.neim.ufba.br/index.php/revista/article/viewFile/10/34>. Acesso em: jul. 2013.

  KLEBA, Maria Elisabeth. Empoderamento: processo de fortalecimento dos sujeitos nos espaços de participação social e democratização política. Saúde Soc., São Paulo, v. 18, n. 4, p. 733-743, 2009. LAGARDE, Marcela. Gênero y feminismo: desarrolho humano y democracia. Madrid, Horas & Horas, 1996.

  LEÓN, Magdalena de. El empoderamiento de las mujeres: encuentro del primery tercer mundos en los estudios de género. La Ventana, n. 13, p. 94-106, 2001. LEÓN, Magdalena de. Poder y empoderamiento de las mujeres. Bogotá: Tercer Mundo Editores; Fondo de Documentación Mujer Y Genero de La Universidad Nacional de Colombia, 1997. LISBOA, Teresa Kleba. Empoderamento de mulheres e participação na gestão de políticas públicas . Florianópolis: Editora da UFSC; Argos, 2007. p. 640-652. LISBOA, Teresa Kleba. O empoderamento como estratégia de inclusão das mulheres nas políticas sociais . Florianópolis, pp. 1-6, 2008. LISBOA, Teresa Kleba. Cidadania e equidade de gênero: políticas públicas para mulheres excluídas dos direitos mínimos. Katálysis, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 67-77, jan./jun. 2005. LUBISCO, Nídia M. L.; VIEIRA Sônia Chagas; SANTANA, Isnaia Veiga. Manual de estilo : monografias, dissertações e teses. 4. ed. rev. e ampl. Salvador: EDUFBA, 2008.

  acadêmico

  MACÊDO, Márcia dos Santos. Na trama das interseccionalidades: mulheres chefes de família em Salvador. 2008, 247 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas)

  • – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008. MACHADO NETO, Zahidé. As meninas: sobre o trabalho da criança e da adolescente na família proletária. In: AGUIAR, Neuma (Coord.). Mulheres na força de trabalho na América Latina : análises qualitativas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1984. p. 220-246. MANNHEIM, Karl. O problema da juventude na sociedade moderna. In:___. Diagnóstico do nosso tempo . Rio de Janeiro: Zahar, 1961. p. 36- 64. MARQUES, Marta Inez M. A atualidade do uso do conceito de camponês. Revista NERA, Presidente Prudente, ano 11, n. 12, p. 57-67, jan./jun. 2008. MARTINS, José de Souza. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1981. MIES, M. Investigación sobre las mujeres o investigación feminista? In: BARTRA, E. El

  . México (D.F): Universidade

  debate en torno a la ciencia y la metodología feminista Autônoma Metropolitana, 1998.

  MIRANDA, Carlos; TIBURCIO, Breno (Org.). Reflexões sobre políticas de desenvolvimento territorial . Brasília: IICA, 2010. (Série Desenvolvimento Rural Sustentável; v. 11).

  MOLYNEUX, Maxine. Change and continuity in social protection in Latin America: mothersatthe service of the state? Gender and Development Paper n. 1. Geneva: UNRISD, 2007. MOSEDALE, Sarah. Towards a framework for assessing empowerment. Paper prepared for the international conference, New Directions in Impact Assessment for Development: Methodsand Practice, Manchester UK, 24-25 nov. 2003. MOSEDALE, Sarah. Policy arena. Assessing women’s empowerment: towards a conceptual framework. Journal of International Development, n. 17, p. 243-257, 2005.

  MOTA, Nilton Luiz Cosson et al. Da extensão rural difusionista aos sistemas agroflorestais: uma breve discussão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAđấO, XXIX. Anais... 4-9 set. 2006. MOURA, Fernando A.; SAUER, Leandro. Reflexões sobre ametodologia de construção do IDHe suas implicações quantitativas.

   Desafio: R. Econ. e Adm. Campo Grande, MS, v. 10, n.

  20, p. 114-128, jan./abr. 2009. MÜLLER, Ana Luiza; SILVA, Marcelo K.; SCHNEIDER, Sergio. A construção de políticas públicas para a agricultura familiar no Brasil: o Programa de Aquisição de Alimentos. Revista

  Estudos Sociedade e Agricultura , UFRJ, Rio de Janeiro, ano 20, v. 1, p. 106-138, 2012.

  MURARO, Rose Marie. Por uma nova ordem simbólica. Folha de São Paulo, 8 mar. 2001. Tendência e Debates. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2014.

  NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas, v. 8, n. 2, p. 9-41, 2000. OAKLEY, Peter; CLAYTON, Andrew. Monitoramento e avaliação do empoderamento (“empowerment”). Tradução Zuleika Arashiro e Ricardo Dias Sameshima. São Paulo: Instituto Polis, 2003. OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Os mitos sobre o agronegócio no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DO MST, XII, 2004, São Miguel do Iguaçu (PR). Anais... São Miguel do Iguaçu: MST, 2004. Disponível em: <www.mst.org.br>. Acesso em: fev. 2014. OLIVEIRA, Zuleica L. C. de. Gênero e mudança: o foco dos indicadores sociais. Cooperação Técnica Alemã (GTZ), 2006. PERKINS, Douglas D.; ZIMMERMAN, Marc A. Empowerment theory, research, and application. American Journal of Community Psychology, v. 23, n. 5, oct. 1995. QUEIROZ, Danielle Teixeira et al. Observação participante na pesquisa qualitativa: conceitos e aplicações na área da saúde. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 276-283, 2007.

  RAGO, Margareth. Foucault, a subjetividade e as heterotopias feministas. In: SCAVONE, Lucila; ALVAREZ, Marcos César; MISKOLCI, Richard (Org.). O legado de Foucault. São Paulo: Editora da UNESP, 2006. p. 101-117.

  RAI, Shirin M. Gender and the political economy of development: from nationalism to globalization. Canadian Journal of Sociology Online, nov./dec. 2002. ROMANO, Jorge O. Empoderamento: enfrentemos primeiro a questão do poder para combater juntos a pobreza. In: INTERNATIONAL WORKSHOP EMPOWERMENT AND RIGHT BASED APPROACH IN FIGHTING POVERTY TOGETHER. Documento de apoio. Rio de Janeiro, 2002. ROSALDO, Michelle. O uso e o abuso da antropologia: reflexões sobre feminismo e entendimento intercultural. Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, UFRGS, n. 1, p. 11-36, 1995. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/>. Acesso em: jul. 2013. RUBIN, Gayle. The traffic in women: notes on the ‘political economy’ of sex. In: REITER, R. (Ed.). Toward an anthropology of women. New York: Monthly Review Press, 1975. p. 157-210. [Traduzido para o português e publicado por SOS Corpo e Cidadania]. SAFFIOTI, Heleieth. A ontogênese do gênero. In: STEVENS, Cristina Maria Teixeira; SWAIN, Tânia Navarro. A construção dos corpos: perspectivas feministas. Florianópolis: Mulheres, 2008. SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004. SAFFIOTI, Heleieth. Ontogênese e filogênese do gênero: ordem patriarcal de gênero e a violência masculina contra mulheres. FLACSO-Brasil. Série Estudos e Ensaios; Ciências Sociais, jun. 2009. SAFFIOTI, Heleieth. Posfácio: conceituando gênero. In: SAFFIOTI, H.; MUÑOZ-VARGAS, Monica. (Org.). Mulher brasileira é assim. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; Brasília: UNICEF, 1994. p. 271-283. SAFFIOTI, Heleieth. Rearticulando gênero e classe social. In: COSTA, Albertina; BRUSCHINNI, Cristina (Org.). Uma questão de gênero. São Paulo: Rosa dos Tempos; Fundação Carlos Chagas, 1992. p. 183-215. SALVARO, Giovana Ilka J.; LAGO, Mara C. S.; WOLFF, Cristina S. “Mulheres agricultoras” e “mulheres camponesas”: lutas de gênero, identidades políticas e subjetividades. Psicologia & Sociedade, v. 25, n. 1, p. 79-89, 2013. SARDENBERG, Cecilia M. B.

  Conceituando “empoderamento” na perspectiva feminista.

  Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/6848/1/Conceituando%20Empoderamento%20na% 20Perspectiva%20Feminista.pdf>. Acesso em: 14 jan. 2014.

  SARDENBERG, Cecília M. B. Da crítica feminista à ciência a uma ciência feminista? In: COSTA, Ana Alice; SARDENBERG, Cecilia Maria. (Org.). Feminismo, ciência e tecnologia. Salvador: REDOR/NEIM/UFBA, 2002. p. 89-120. SARDENBERG, Cecilia M. B. Liberal vs liberating empowerment: a Latin American feminist perspective. Pathways Working Paper 7

  , Pathways of Women’s Empowerment, Brighton, UK; IDS – Institute of Development Studies, 2009.

  SARDENBERG, Cecilia M. B. Liberal vs liberating empowerment: a latin american feminist perspective on conceptualising women’s empowerment. IDS Bulletin, v. 39, p. 18-27, 2008. SARDENBERG, Cecília M. B. Mães e filhas: etapas do ciclo de vida, trabalho e família entre o antigo operariado baiano. Caderno CRH, Salvador, n. 29, p. 21-47, jul./dez. 1998. SARDENBERG, Cecília M. B. Migrações perigosas: as (des)aventuras semânticas do conceito de gênero nos projetos e políticas para mulheres no Brasil. In: GONÇALVES, E. et al. (Org.). Iguais? gênero, trabalho e lutas sociais, Goiânia: PUC Goiás, 2014. p. 19-48. SARDENBERG, Cecília M. B. Da transversalidade à transversalização de gênero In: ALVES, Ivia et al. (Org.). Travessias de gênero na perspectiva feminista. Salvador: NEIM/EDUFBA, p. 37-73, 2010. SARDENBERG, Cecília M. B. Introducing gender sensitizing to elementary school teachers in rural Bahia, Brazil. In: THEHERANI-KRÖNER, P.; SCHMITT, M.; HOFFMANN- ALTMANN, U. (Ed.). Knowledge, education and extension for women in rural areas. Berlin: Humboldt-Universität zu Berlin, 2000. SCAVONE, Lucila. Estudos de gênero: uma sociologia feminista? Estudos Feministas [online], Florianópolis, v. 16, n. 1, p. 173-186, jan./abr. 2008. SCHEFLER, Maria de Lourdes N. Gênero, autonomia econômica e empoderamento; o real e o aparente: sistematização de processos de investigação-ação e/ou de intervenção social.

  Revista Feminismos , v. 1, n. 3, set./dez. 2013. Disponível em:

  <http://www.feminismos.neim.ufba.br/index.php/revista/article/viewFile/75/73>. Acesso em: 16 jul. 2014. SCOTT, Joan W. A invisibilidade da experiência. Tradução Lúcia Haddad. Proj. História, São Paulo, n. 16, fev. 1998. Disponível em: <revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/download/11183/8194>. Acesso em: set. 2013. SCOTT, Joan W. Experiência. In: RAMOS, Tânia Regina Oliveira et al. Falas de gênero. Florianópolis: Mulheres, 1999. SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p.71-99, jul/dez. 1995. p. 297-325. SCOTT, Joan W. Millenium fantasies: the future of “gender” in the 21st Century. In: HONEGGER, C.; ANI C. (Hg.). Gender: die Tuchken einer Kategorie, Zurich: Chronos, 2000/2001. p. 19-37.

  SCOTT, Joan W. O enigma da igualdade. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 11-30, jan./abr. 2005.

  SERVO, Maria Lúcia Silva; ARAÚJO, Priscila Oliveira. Grupo Focal em Pesquisas Sociais.

  , ano XII, n. 137, p. 7-15, out. 2012.

  Revista Espaço Acadêmico

  SETTON, Maria da Graça J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, ANPED, n. 20, p.60-70, maio/ago. 2002. Disponível em: <http://www.anped.org.br/rbe/rbedigital /RBDE20 / RBDE20_06_MARIA_DA_GRACA_JACINTHO_SETTON.pdf>. Acesso em: 11 mar. 2014.

  SHANIN, Teodor. Campesinos y sociedades campesinas. México: Fondo de Cultura Económica, 1979. SHUMAHER, Maria Aparecida; VARGAS, Elisabeth. Lugar no governo: álibi ou conquista? Estudos Feministas , v. 1, n. 2, 2 sem. 1993. SILIPRANDI, Emma. Mulheres e agroecologia: a construção de novos sujeitos políticos na agricultura familiar. 2009, 291f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável)

  • – Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2009. SILIPRANDI, Emma. Desafios para a extensão rural: o social na transição agroecológica.

  

Agroecologia e desenvolvimento rural sustentável. Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 38-48, jul./set.

  2002. SILIPRANDI, Emma. Ecofeminismo: contribuições e limites para a abordagem de políticas ambientais. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 61-71, jan./mar. 2000a. SILIPRANDI, Emma. Mulheres rurais e políticas de desenvolvimento. In: CONGRESSO MUNDIAL DE SOCIOLOGIA RURAL, 10; CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 38, Sustentabilidade e democratização das sociedades rurais da América Latina , 2000, Rio de Janeiro, SOBER, 2000b. 1 CD-ROM.

  SILVA, Carmen; MARTINEZ, María Loreto. Empoderamiento: proceso, nivel y contexto.

  Psykhe , Santiago/Chile, v. 13, n. 1, p. 29-39, nov. 2004. Disponível em:

  <http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0718- 22282004000200003&lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 22 abr. 2014. SILVA, Sheila B. C.; MENDONÇA, Marcelo R. Campesinato, agricultura familiar e agronegócio: disputas e conflitos. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, XXI

  • – Territórios em disputas: os desafios da Geografia Agrária nas contradições do desenvolvimento brasileiro. Anais... Uberlândia-MG, 15-19 out. 2012. SIQUEIRA, Ana Elizabeth S. S. de; SARDENBERG, Cecilia Maria B. Mulheres agricultoras: um olhar feminista e geracional. Agroecologia e Desenv. Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 34- 42, jan./abr. 2014.
SIQUEIRA, Ana Elizabeth S. S. de; SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Mulheres agricultoras: experiências de empoderamento. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero

  10. Anais Eletrônicos. Florianópolis, 2012. Disponível em: <http://www.fazendogenero.ufsc.br/10/resources/anais/20/1384792453_ARQUIVO_AnaEliz abethS.S.deSiqueira.pdf>. Acesso em: 22 jun. 2104.

  SIMÕES, J. A. Homossexualidade masculina e curso da vida: pensando idades e identidades sexuais. In: PISCITELLI, Adriana et al. (Org.). Sexualidades e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. SOUZA-LOBO, Elizabeth. A classe operária tem dois sexos. São Paulo: Brasiliense, 1991. STROMQUIST, Nelly P. La búsqueda del empoderamiento: en qué puede contribuir el campo de la educación. In. LEÓN, Magdalena. Poder y empoderamiento de las mujeres. Santafé de Bogotá: Tercer Mundo y UN Facultad de Ciencias Humanas, 1997. STROMQUIST, Nelly P. Education as a means for empowering women. In: PARPART, Jane; RAI, Shirin; STAUDT, Katlheen. (Ed.). Rethinking empowerment: gender and development in a global/local world. London: Routledge, 2002. p. 22-38.

  TOLEDO, Angelita A. de; LISBOA, Teresa K. O sexo da pobreza brasileira. In: SIMPÓSIO GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS, II. Anais... Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 18-19 ago. 2011. http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/Angelita%20e%20cia.pdf.

  THOMPSON, E. P. A formação da classe operária na Inglaterra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. p. 9-11. TRICHES, R. M; SCHNEIDER, S. Desestruturar para construir: interfaces para agricultura familiar acessar o Programa de Alimentação Escolar. Revista Estudos Sociedade e

  Agricultura , UFRJ, Rio de Janeiro, v. 1, p. 66-106, 2012.

  VERDEJO, M. E. Diagnóstico Rural Participativo. Brasília: MDA/Secretaria da Agricultura Familiar, 2006.

  VIEIRA, Flávia B. Via Campesina: um projeto contra-hegemônico? In: SIMPÓSIO DE LUTAS SOCIAIS NA AMÉRICA LATINA III

  • – “Trabalhadore(a)s em movimento: constituição de um novo proletariado?”. Anais... Londrina, 24-26 set. 2008, v. 1. http://www.uel.br/grupo-pesquisa/gepal/terceirosimposio/flaviabraga.pdf. ZIMMERMAN, Marc A. Psychological empowerment: issues and illustrations. American Journal of Community Psychology , v. 23, n. 5, p. 581-599, out. 1995.

Novo documento

Tags

Documento similar

ENTRE O BEM E O MAL: REPRESENTAÇÕES DO MST SOBRE OS PRESIDENTES FHC E LULA (1995-2010)
0
4
440
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE MARIA DE LOURDES VICENTE DA SILVA GRITOS, SILÊNCIOS E SEMENTES:
0
0
364
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA SOCIAL MESTRADO EM POLÍTICA SOCIAL
0
0
140
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Conhecimento e Inclusão Social em Educação
0
0
243
TERRITÓRIOS EM CONFLITO NO ALTO SERTÃO SERGIPANO
0
13
582
PEDRO HENRIQUE BARBOSA DE ABREU
0
1
205
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CÂMPUS DE TRÊS LAGOAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM GEOGRAFIA
0
4
225
A PARTICIPAÇÃO DAS MULHERES NOS MOVIMENTOS AGROECOLÓGICO E FEMINISTA E A CONTRIBUIÇÃO DO JORNAL BRASIL DE FATO
0
0
125
INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DE CIÊNCIAS SOCIAIS EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE TESE DE DOUTORADO
0
2
227
PARADIGMAS EM DISPUTA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO
0
1
809
Universidade Federal de São Carlos Centro de Educação e Ciências Humanas Programa de Pós- Graduação em Sociologia ENCONTROS E DESENCONTROS NOS ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA: ESTUDO SOCIOLÓGICO SOBRE GERAÇÕES E IDENTIDADES
0
1
169
UNIVERSIDAD INTERNACIONAL DE ANDALUCÍA INSTITUTO DE SOCIOLOGÍA Y ESTUDIOS CAMPESINOS – ISEC PROGRAMA OFICIAL DE POSTGRADO AGROECOLOGÍA: UN ENFOQUE SUSTENTABLE DE LA AGRICULTURA ECOLÓGICA Sílvio Isoppo Porto
0
0
134
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO
0
0
173
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FAE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO
0
0
231
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO GEOGRAFIA E GESTÃO DO TERRITÓRIO WESLEY ALVES VIEIRA
0
8
232
Show more