THIAGO ALVES ANTUNES MODELAGEM HIDROLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO CANOAS ATRAVÉS DO MODELO SWAT

0
0
130
2 months ago
Preview
Full text

THIAGO ALVES ANTUNES

  SÁ (2014) utilizou osperíodos de 01 de Janeiro de 1996 a 31 de Dezembro de 1997 para a calibração e de 01 de Janeiro de 1998 a 31 de Dezembro de 1999 para avalidação do modelo TOPMODEL. No presente estudo, com o modeloSWAT, utilizou-se dos períodos de 01 de Janeiro de 1996 a 31 deDezembro de 1997 para a calibração e 01 de Janeiro de 1998 a 31 deDezembro de 2001 para a validação.

GW_REVAP.gw = 0,1799: há pouco movimento da água da zona do aquífero para a zona de raízes em relação a

  ALPHA_BNK.rte = 0,4709 dias: o fator de fluxo de armazenamento apresentou um valor intermediário, pois valorespróximos a um dia indicam que a bacia produz uma curva de recessão de vazão gradualmente achatada, ou seja, uma maior armazenar cerca de 6% (0,05 mmH 2 O mm solo + 17,89%) de seu volume em água. É oportuno salientar que a redução na taxa de precipitação através da calibração semi-automática em ambas escalas, ficou entre 17e 18%, visando um melhor ajuste entre as vazões simuladas e observadas, podendo isto significar que o armazenamento de água nosolo da bacia talvez seja maior que o calculado pelo modelo através dos dados de entrada.

A análise de sensibilidade dos parâmetros na escala diária indicou que a bacia é sensível a fatores relacionados aos canais

  As vazões básicas na escala diária foram obtidas pela aplicação do Filtro de Chapman, na qual se considerou a constante de recessão (k)igual a 14, calculado a partir de um período de recessão hídrica entre os meses de maio e junho de 1998. Apesar do bom ajuste do modelo, através da análise das curvas de permanência observada e simulada constatou-se que o modelo pode A curva de permanência estimada pelo modelo na escala diária não demonstrou ser um instrumento de análise sensível às mudançasdrásticas no uso do solo para na escala mensal.

Maceió – AL, Brasil, 2011, 15 p

  A utilização da interface SWAT produção de sedimentos e do volume de escoamento superficial com simulação de cenários alternativos. Razão de perdas de solo e fator C para milho e aveia em rotação com outras culturas em trêssistemas de preparo do solo.

RECENT ACTIVITIES

Tags

Documento similar

RESPOSTA HIDROLÓGICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA URBANA À IMPLANTAÇÃO DE TÉCNICAS COMPENSATÓRIAS DE DRENAGEM URBANA - BACIA DO CÓRREGO DO LEITÃO, BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS
0
0
220
CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA, HIDROLÓGICA E DE TRANSPORTE SÓLIDO DO EVENTO DE 20 DE FEVEREIRO DE 2010 NA BACIA HIDROGRÁFICA DA RIBEIRA DE SANTA LUZIA – ILHA DA MADEIRA
0
0
242
O PLANO DIRETOR DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO RIO GRANDE MG: UMA ANALISE DO RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO
0
0
120
CONTRIBUIÇÕES PARA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MANHUAÇU
0
0
122
INDICADORES SOCIOECONÔMICOS E A DESERTIFICAÇÃO NO ALTO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA
0
0
22
LUCAS PAIVA CRUZ “ AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIRACICABAMG”
0
0
139
MODELAGEM HIDROLÓGICA APLICADA AO ESTUDO DA VAZÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ARAGUARI - MG, A PARTIR DAS MUDANÇAS DO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NATIVA
0
0
196
ANÁLISE DA PAISAGEM NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MOCAJUBA, NORDESTE PARAENSE, A PARTIR DO MODELO TEÓRICO GTP
0
0
156
AVALIAÇÃO HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA – MG
0
0
85
MODELO DE IDENTIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO PROCEDIMENTAL DE ALTO DESEMPENHO PARA ATIVIDADE DE MODELAGEM DIGITAL 3D
0
0
162
MODELAGEM DE SISTEMAS AMBIENTAIS APLICADAS À EROSÃO LAMINAR EM BACIA HIDROGRÁFICA
0
0
21
MODELAGEM E CONTROLE DA SOLDAGEM ORBITAL ATRAVÉS DO PROCESSO GMAW-S
0
0
149
USO DO MODELO SWAT NA ESTIMATIVA DA VAZÃO E DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS EM BACIA AGRÍCOLA DO CERRADO BRASILEIRO
0
0
152
A QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS NO ALTO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CAMPO ALEGRE - GOIÁS JÉSSICA DE SÁ GUIMARÃES PEIXOTO
0
0
123
OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO
0
0
144
Show more