IMPACTOS AMBIENTAIS DO USO DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS

50 

Full text

(1)

IMPACTOS AMBIENTAIS DO

IMPACTOS AMBIENTAIS DO

USO DE COMBUSTÍVEIS

USO DE COMBUSTÍVEIS

FÓSSEIS

(2)

• Alteração nas características do solo em

Alteração nas características do solo em

função da abertura de minas;

função da abertura de minas;

• Construção de plataformas para poços de

Construção de plataformas para poços de

petróleo e gás, tubulações, depósitos e

petróleo e gás, tubulações, depósitos e

tanques de armazenagem;

tanques de armazenagem;

• Infra-estrutura para transporte e

Infra-estrutura para transporte e

beneficiamento;

beneficiamento;

• Poluição de águas superficiais;

Poluição de águas superficiais;

• Poluição atmosférica;

Poluição atmosférica;

(3)

Chuva ácida

Mudança global do clima

efeito estufa e

(4)

CONSEQUÊNCIAS

DO

(5)

CONSEQUÊNCIAS DO

CONSEQUÊNCIAS DO

AQUECIMENTO GLOBAL

AQUECIMENTO GLOBAL

Degelo nas montanhas

Aumento no nível dos oceanos

Alterações no regime de chuvas

secas

(6)
(7)

Poluição das águas do mar

Poluição das águas do mar

– derrames de

– derrames de

crude que têm origem em acidentes com

crude que têm origem em acidentes com

petroleiros , fugas de crude ou combustível ,

petroleiros , fugas de crude ou combustível ,

lavagens ilegais de tanques , provocam as marés

lavagens ilegais de tanques , provocam as marés

negras que afectam diferentes ecossistemas

negras que afectam diferentes ecossistemas

marítimos.

marítimos.

Poluição atmosférica

Poluição atmosférica

– emissão de gases , como

– emissão de gases , como

o dióxido de carbono ou óxido de enxofre e azoto,

o dióxido de carbono ou óxido de enxofre e azoto,

devido á queima dos diferentes combustíveis,

devido á queima dos diferentes combustíveis,

provenientes do crude, do carvão ou do gás natural.

provenientes do crude, do carvão ou do gás natural.

Este tipo de poluição provoca acidificação das

(8)

O limite dos recursos naturais, que permitem a

O limite dos recursos naturais, que permitem a

extração de petróleo e outros combustíveis,

extração de petróleo e outros combustíveis,

está a suscitar preocupação a nível mundial,

está a suscitar preocupação a nível mundial,

devido:

devido:

- à diminuição drástica das reservas conhecidas;

- à diminuição drástica das reservas conhecidas;

- à instabilidade política em diversas regiões

- à instabilidade política em diversas regiões

produtoras de petróleo.

produtoras de petróleo.

- à elevada dependência relativamente aos

- à elevada dependência relativamente aos

combustíveis fósseis, em particular ao petróleo;

combustíveis fósseis, em particular ao petróleo;

- ao aumento das necessidades energéticas;

(9)

Os empreendimentos das atividades

marítimas

de

petróleo

e

gás

e seus impactos

Exploração:

– Pesquisa Sísmica – método geofísico para a

descoberta de novos reservatórios;

– Perfuração – perfura para verificar a existência de

hidrocarbonetos, dimensionar o reservatório ou já para produzir.

Produção e Escoamento:

(10)

10

O petróleo é considerado o principal poluente do

ambiente marinho.

Vazamentos em poços petrolíferos marítimos, em

terminais portuários, em navios petroleiros e a

limpeza de seus tanques são responsáveis pelo

despejo anual de 1 milhão de toneladas de óleo

nos oceanos.

O óleo espalha-se pela superfície e forma uma

camada compacta que demora anos para ser

absorvida.

Isso impede a oxigenação da água, mata a fauna

(11)
(12)
(13)

Problema...

Problema...

• A exploração e a queima desse recurso

não-renovável reduzem a biodiversidade, degradam os ecossistemas e comprometem os recursos hídricos, destruindo também o potencial turístico de áreas

inteiras. A região de Criciúma (SC) é hoje uma das mais poluídas do País.

• A Bacia do rio Araranguá foi irremediavelmente

comprometida pelos resíduos do carvão mineral. Para piorar a situação, os trabalhadores das minas de carvão são obrigados a aposentar-se muito

(14)

14

14

Impactos Ambientais- Produção de

Impactos Ambientais- Produção de

Eletricidade

Eletricidade

Cerca de 1/3 do consumo de energia primária tem como finalidade a produção de eletricidade

Aproximadamente 2 bilhões de pessoas não tem acesso à eletricidade

Emissões de Óxidos de Enxofre/GW de eletricidade

Em is s ão de Óxidos de Enxofre

0 20 40 60 80 Carvão Gás natural

Petróleo Madeira Nuclear

(15)

Óxidos de Nitrogênio 0 10 20 30 Carvão Gás natural

Petróleo Madeira Nuclear

M il t o n e la d a s p o r a n o

Impactos Ambientais- Produção de

Eletricidade

(16)

16

16

Dióxido de Carbono

0 500 1000 1500 2000 C a rv ã o G á s n a tu ra l P e tr ó le o M a d e ir a N u c le a r M il t o n e la d a s p o r a n o

Impactos Ambientais- Produção de

Eletricidade

(17)

Metano 0 20 40 60 80 Carvão Gás natural

Petróleo Madeira Nuclear

T o n e la d a s p o r a n o

Impactos Ambientais- Produção

de Eletricidade

(18)

18

18

Monóxido de Carbono

0 500 1000 1500 2000 2500 3000 Carvão Gás natural

Petróleo Madeira Nuclear

T o n e la d a s p o r a n o

Impactos Ambientais- Produção de

Eletricidade

Emissões de monóxido de carbono/GW de eletricidade

(19)

Os Potenciais Poluentes da Geração Termelétrica

Os Potenciais Poluentes da Geração Termelétrica

Tecnologia/ Combustível Insumos Potenciais Emissões

atmosféricas

Convencional/ Carvão Carvão, água desmineralizada, combustíveis auxiliares (óleo

combustível, gás natural, briquetes), lubrificantes, desengorduradores, substancias de tratamento químico da água

NOx, CO, SOx, CO2, particulados (incluindo PM10), emissões

fugitivas, orgânicos voláteis e traços de metal

Convencional/ Gás Natural Gás natural, combustíveis auxiliares (óleo combustível, destilados), água desmineralizada,

desengorduradores, lubrificantes substancias de tratamento químico da água

NOx, CO, CO2, SOx, particulados (incluindo PM10, orgânicos voláteis, traços de metal)

Convencional/ Oleo Óleo Combustível, combustíveis auxiliares (gás natural, destilados, água desmineralizada, lubrificantes, desengorduradores

NOx, CO, CO2, SOx, particulados (incluindo PM10), orgânicos voláteis, cloro e traços de metal

(20)

As mares negras

A poluição dos mares e das zonas costeiras originada por acidentes com o transporte marítimo de mercadorias, em particular o petróleo bruto, contribui, anualmente, em 10% para a poluição global dos oceanos.

Todos os anos 600.000 toneladas de petróleo bruto são derramadas em acidentes ou descargas ilegais, com graves

conseqüências econômicas e ambientais. Dos acidentes com

petroleiros, que infelizmente não são raros, os mesmos derramam, quase sempre, enormes quantidades de petróleo que, flutuando e

alastrando-se progressivamente, forma extensas manchas negras. São as chamadas marés negras, de efeitos altamente destruidores,

provocando uma enorme agressão irreversível na fauna e flora.

Quando as marés negras atingem as zonas costeiras, os seus efeitos tornam-se ainda mais nefastos. Além de destruírem a fauna e a flora com elas em contato, provocam enormes prejuízos à atividade pesqueira e têm um forte impacto negativo na atividade turística, já que os resíduos petrolíferos, de remoção difícil, impedem durante muito tempo a utilização das praias.

(21)

As primeiras marés negras

7 de Junho 1975

O petroleiro japonês "Showa Maru" (com 237 mil toneladas de petróleo nos porões) naufraga no estreito de Malaca, no oceano Índico.

19 de Dezembro 1972

O petroleiro "Sea Star" afunda-se no golfo de Omã e liberta 115 mil toneladas de petróleo.

21 de Agosto 1972

O choque de dois petroleiros liberianos — "Texanita" e "Oswego Guardian" — lança cem mil toneladas de petróleo ao largo da África do Sul.

18 de Março de 1967

(22)

Algumas das maiores marés negras no ultimos anos

Novembro de 2002

O petroleiro "Prestige", seguindo da Letónia para Gibraltar, começa a derramar fuel-óleo ao largo da costa da Galiza. Na manhã do dia 19 afunda-se a cerca de 200 quilómetros de Espanha. 295 quilómetros de praias galegas são contaminadas por quatro mil toneladas de

combustível e a pesca é proibida ao longo de cem quilómetros.

16 de Janeiro de 2001

O petroleiro equatoriano "Jessica" encalha na baía dos Naufrágios da ilha de San cristóbal, nas Galápagos, derramando a maior parte da sua carga de 900 mil litros de combustível.

12 de Dezembro de 1999

(23)

12 de Janeiro de 1998

40 mil barris de petróleo foram derramados de uma ruptura nas condutas de uma unidade da Mobil, na Nigéria. Apesar da maioria do petróleo ter evaporado ou dispersado em dez dias, algumas comunidades queixaram-se de que o peixe havia sido contaminado pelo derrame.

15 de Fevereiro de 1996

O petroleiro de bandeira liberiana "Sea Empress" ancalha na costa do País de Gales, derramando 70 mil toneladas de crude. Mais de 25 mil aves marinhas morreram no acidente.

5 de Janeiro de 1993

O petroleiro "Braer" encalha nas rochas da região costeira das ilhas Shetland, na Grã-Bretanha, devido às más condições climatéricas. A embarcação derramou 84.500 toneladas de petróleo, estendendo-se a mancha negra ao longo de 40 quilómetros de costa.

3 de Dezembro de 1992

(24)

Aspecto Impacto Tipo Categoria

Emissão de dióxido de

enxofre (SO2)

Chuva ácida Negativo Regional

Emissão de monóxido de carbono (CO)

Intoxicação Negativo Local

Emissão de dióxido de

carbono (CO2)

Efeito estufa Negativo Global

Emissão de óxidos de

nitrogênio (NOx)

Chuva ácida, formação de ozônio de baixa

altitude (O3)

Negativo Regional e global

Emissão de material particulado

Não identificado -

-Emissão de

hidrocarbonetos

Formação de ozônio de

baixa altitude (O3)

Negativo Global

Formação de ozônio de

baixa altitude (O3)

Problemas no desenvolvimento de plantas, efeito estufa

Negativo Regional e global

Emissão de aldeídos Cancerígeno para

animais

(25)

Tabela 2

Ação dos Resíduos de Combustível Fósseis sobre a Saúde

Substância Efeitos sobre a Saúde

NOx Irritação dos olhos e aparelho respiratório, efeito potencial no desenvolvimento de enfisema

SO2 Problemas respiratórios, aumento da incidência de rinite, faringite e bronquite

CO Fatal em altas doses. Afeta sistemas nervoso, cardiovascular e respiratório. Dificulta o

transporte de oxigênio no sangue, diminui os reflexos, gera sonolência

O3 Irritações na garganta, olhos e nariz, aumento da incidência de tosse e asma.

Hidrocarbonetos Sonolência, irritação nos olhos, tosse

Aldeídos Irrita olhos, nariz e garganta. Provoca náuseas e dificuldade respiratória.

Material particulado (da queima de carvão)

(26)
(27)
(28)

Mineração de Carvão

A.

Saúde dos trabalhadores nas minas

(pulmões, ruídos)

B.

Risco de Acidentes: Incêndios, explosões,

C.

Erosão e Acidificação do Solo – Necessidade

de recomposição

D.

Drenagem Ácida – Eliminação/Redução da

vida nos recursos hídricos – Necessidade de

selar minas abandonadas, tratamento

químico, controle

(29)

Lavagem do carvão

1)

Contaminação do ar (NO x SO x Material

particulado)

2)

Contaminação da Água (Finos de carvão em

suspensão) se não houver reciclagem

3)

Inutilização de grandes áreas para depósitos

de rejeitos

(30)

Exploração de Produção de Petróleo e

Gás Natural

A.

Risco de incêndios, explosões e vazamento

---- Danos aos trabalhadores e ao meio

ambiente.

(31)

Transporte de Petróleo

A.

Forte expansão do comércio internacional ---

Aumento da probabilidade e das

conseqüências de um acidente.

B.

Pequenos Vazamentos+ 35% do total –

Impactos localizados

C.

Risco de Vazamentos, explosões e incêndios

em oleodutos, gasodutos e tanques de

(32)

Refinarias de Petróleo

A.

Emissões de SO

X

, NO

X

, CO

X

, material

particulado e compostos orgânicos na

atmosfera

(33)

A. Efluentes líquidos tóxicos, com óleo, fenóis, amônia,

graxa e sólidos em suspensão ou dissolvidos – podem

ser reduzidos com processamento adequado

A. Risco de incêndios e explosões

Impactos de refinarias: importantes e em geral perto

(34)

PRODUÇÃO DE ÓLEO DE XISTO

A.

Impactos análogos aos da mineração de

carvão, porém em maior escala.

B.

Rejeitos necessita de grandes áreas e

acumula substâncias tóxicas na vegetação

C.

Importante consumo de água no processo

D.

Possível contaminação dos recursos hídricos

(lençóis freáticos e cursos d’água)

PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE AREIAS

ASFÁLTICAS

A.

Impactos análogos aos da mineração, porém

não é possível reutilizar o solo para fins

(35)

COMBUSTÃO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO,

CARVÃO E GÁS

A. Emissão de poluentes na atmosfera: CO2, SOx, NOx,

CO, material particulado, compostos orgânicos, traços de metais e radionuclídeos

B. Emissões do gás menores que as do petróleo

Emissões do petróleo menores que as do carvão

Três conseqüências importantes:

1. Chuvas ácidas: SO2 --- SO3 --- H2O --- H2SO4

(36)

Homem: responsável por 40% do enxofre da

atmosfera, dos quais 75% a 85% vêm da

queima dos combustíveis fósseis.

Impactos:

A.

Danos ao solo e à vegetação (raízes e folhas

das plantas)

(37)

C) Corrosão de edificações, estruturas metálicas, tubulações, veículos

1. Contaminação do Ar das Cidades

A. Problemas de Saúde (Pulmões) para a população urbana.

B. Medidas de controle: limites para as emissões, proibição

do uso do Enxofre nas cidades, chaminés mais altas

C. Em geral: Custo das medidas de controle menor que os

custos dos danos causados pela poluição, com a possível exceção do CO2

D. Perigo: Apenas transferir a poluição – Por exemplo,

(38)

1. Efeito Estufa: Aumento da concentração de CO2, principalmente na atmosfera – 280 PPM antes da

revolução Industrial --- 340 PPM em 1980 --- 560 PPM em 2030.

 O Desmatamento também contribui, em menor escala,

para elevar a concentração de CO2 e outros gases

também contribuem para intensificar o efeito estufa

 Planeta de 1,5 a 4,5 ºC, em média, com maior

aquecimento nas regiões polares --- Derretimento do Gelo --- Elevação do nível dos oceanos em 25 a 140cm --- Impactos sobre as cidades costeiras e as áreas

agrícolas baixas; E as mudanças climáticas alterarão o regime de chuvas com graves conseqüências

(39)

Incerteza atual é muito elevada; Porém não se

pode esperar pelos estudos, até que seja tarde

demais, para adotar medidas de controle:

A.

Substituir carvão e petróleo por gás natural, que

produz menos CO

2

por unidade de energia

B.

Maior utilização das fontes energéticas

renováveis, em substituição aos combustíveis

fósseis

C.

Promoção de uma ampla política de conservação

de energia

D.

Assinatura de um acordo internacional

estabelecendo o estudo e monitoramento do

efeito estufa, e adotando uma política comum de

redução da emissões dos gases que o

(40)

Alterações no ciclo do nitrogênio

Abrangência da poluição para além das

Abrangência da poluição para além das

fronteiras que a originaram

fronteiras que a originaram

• Efeitos da precipitação de compostos de nitrogênio:

• No solo: contribui para reduzir o nível de

nutrientes no solo (cálcio, magnésio, potássio) limitando o crescimento das plantas.

(41)

Mudanca climática e aquecimento global

Metano

Metano

• Efeito Estufa

• Dióxido de carbono (Co2) representa o mais importante gás causador do efeito estufa.

• Dióxido de carbono é em grande parte gerado pela queima de combustíveis fósseis e no Brasil, pelo desmatamento de florestas.

• Liberado pelo uso de gás natural, e é um gas estufa muito mais potente do que o dióxido de carbono, entretanto

permanece menos tempo na atmosfera

(42)

 Impactos na fauna

Metano

Metano

• Liberado pelo uso de gás natural, e é um gás estufa muito mais potente do que o dióxido de carbono, entretanto permanece menos tempo na atmosfera

• Também é liberado pela decomposição de biomassa submersa em reservatórios de hidroelétricas.

• Alterações no ecossistema causadas pela poluição do ar e da água.

• A operação de hidroelétricas causa

danos a fauna, especialmente no caso dos peixes.

(43)

Em termos de poluição atmosférica, o carvão é a grande fonte de óxidos de enxofre e nitrogênio. Essas emissões são responsáveis pelo ‘smog industrial’ e pela ocorrência das chuvas ácidas.

Além disso, o carvão produz grande quantidade de CO2 por unidade de energia, quando comparado com outras fontes.

(44)

A queima do carvão mineral para gerar energia lança no ar partículas sólidas e gases poluentes. Estes gases atuam no processo do efeito estufa e do aquecimento global e podendo também provocar chuva ácida. Portanto, o carvão mineral não é uma fonte de energia limpa e deveria ser evitada pelo ser humano.

A presença de elevados teores de enxofre, como no caso dos carvões

A presença de elevados teores de enxofre, como no caso dos carvões

brasileiros, pode até impedir sua utilização na forma como extraído,

brasileiros, pode até impedir sua utilização na forma como extraído,

obrigando a um refino do mesmo.

obrigando a um refino do mesmo.

O enxofre apresenta-se, geralmente, como piritas de ferro (FeS

O enxofre apresenta-se, geralmente, como piritas de ferro (FeS22), o ), o que pode acarretar uma diminuição do ponto de fusão das cinzas, com

que pode acarretar uma diminuição do ponto de fusão das cinzas, com

a possibilidade de formação de um aglomerado vítreo que impede a

a possibilidade de formação de um aglomerado vítreo que impede a

combustão do carvão.

combustão do carvão.

O refino do carvão após sua extração consiste na colocação do

O refino do carvão após sua extração consiste na colocação do

carvão britado em grandes quantidades de água, para que pedaços de

carvão britado em grandes quantidades de água, para que pedaços de

matéria mineral e de pirita se separem por densidade.

(45)

A queima de carvão para obtenção de energia produz efluentes altamente

tóxicos como por exemplo o mercúrio e outros metais pesados como

vanádio, cádmio, arsênio e chumbo. Além disso, a libertação de

dióxido de carbono causa poluição na atmosfera, agravando o

(46)

Os maiores impactos socioambientais do carvão decorrem de sua mineração, que afeta

principalmente os recursos hídricos, o solo e o relevo das áreas circunvizinhas.

A abertura dos poços de acesso aos trabalhos de lavra, feita no próprio corpo do minério provoca a emissão de óxido de enxofre, óxido de nitrogênio, monóxido de carbono e outros poluentes da

atmosfera.

Durante a drenagem das minas, feita por meio de bombas, as águas sulfurosas são lançadas no ambiente externo, provocando a elevação das

(47)

O beneficiamento do carvão gera rejeitos sólidos, que são depositados no local das atividades, criando

extensas áreas cobertas de material que é lançado em barragens de rejeito ou diretamente em cursos de água. Grande parte das águas de bacias

hidrográficas circunvizinhas é afetada pelo acúmulo de materiais poluentes (pirita, siltito e folhelhos).

As pilhas de rejeito são percoladas pelas águas

pluviais, ocasionando a lixiviação de substâncias tóxicas, que contaminam os lençóis freáticos. A posterior separação de carvão coqueificável de outras frações de menor qualidade forma novos depósitos, que cobrem muitos hectares de solos cultiváveis.

Impactos socioambientais

(48)

Impactos socioambientais

Impactos socioambientais

Além dos impactos da mineração, a queima de carvão em indústrias e termelétricas causa graves impactos socioambientais, em face da emissão de material

particulado e de gases poluentes, dentre os quais se

destacam o dióxido de enxofre (SO2) e os óxidos de

nitrogênio(NOx).

Além de prejudiciais à saúde humana, esses gases são os principais responsáveis pela formação da

chamada chuva ácida, que provoca a acidificação do solo e da água e, conseqüentemente, alterações na biodiversidade, entre outros impactos negativos,

(49)

O uso do carvão como fonte de energia traz

uma série de problemas ambientais, tais

como:

A extração em minas colocam em risco a

(50)

Minas subterrâneas podem desestabilizar

o terreno, causando tremores de terra;

A queima do carvão em termelétricas é

uma

das principais fontes emissoras de CO

2

Figure

Updating...

Download now (50 pages)