UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DOUTORADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MURILO OLIVEIRA LEME

0
0
187
2 months ago
Preview
Full text

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PốS-GRADUAđấO EM ENGENHARIA DE PRODUđấO

  Consequentemente, isso gera oportunidade para incremento da lucratividade para as empresas e do reconhecimento da manutenção como impulsionadora de efeitos Associado a isso, existe uma crescente demanda por produtividade e qualidade, o que requer máquinas com altos níveis de confiabilidade e disponibilidadepara a produção e, para isso, torna-se essencial desenvolver programas adequados de manutenção. Desta forma, há a necessidade de que empresas busquem novas tecnologias que aumentem a eficiência de seus processos através de redes de supervisão econtrole, baseadas em diferentes protocolos de comunicação digital nas mais variadas plantas industriais, muitas vezes resultando em semelhanças com as redesconvencionais de computadores, exceto pela diferente necessidade da aplicação(GALLOWAY; HANCKE, 2013).

FÍSICAS E ANÁLISE MULTICRITÉRIO

  Consequentemente, isso gera oportunidade para incremento da lucratividade para as empresas e do reconhecimento da manutenção como impulsionadora de efeitos Associado a isso, existe uma crescente demanda por produtividade e qualidade, o que requer máquinas com altos níveis de confiabilidade e disponibilidadepara a produção e, para isso, torna-se essencial desenvolver programas adequados de manutenção. Desta forma, há a necessidade de que empresas busquem novas tecnologias que aumentem a eficiência de seus processos através de redes de supervisão econtrole, baseadas em diferentes protocolos de comunicação digital nas mais variadas plantas industriais, muitas vezes resultando em semelhanças com as redesconvencionais de computadores, exceto pela diferente necessidade da aplicação(GALLOWAY; HANCKE, 2013).

Uma segunda pesquisa foi realizada nestas mesmas bases com as palavras- chave: “predictive maintenance + electric motors” em artigos publicados de 2012 em

  2.1 A GESTấO DA MANUTENđấOQualquer processo produtivo na indústria possui um elevado número de máquinas com a finalidade de auxiliar na produção de bens, entretanto, no ambienteglobalizado, onde alta qualidade e atendimento a prazos significam aumento de parcela de mercado (competitividade), a manutenção possui um papel essencial paragarantir a continuidade e a eficiência da produção. Atrelado a isso, a manutenção Taylor, com o estudo do tempo e divisão do trabalho, e ainda Frank e LillianGilbreths, com uma técnica moderna de estudo dos movimentos foram considerados como a base para a gestão da organização até a metade do século XX, quando amanutenção era tratada de forma reativa e não planejada.

No ano 2000, surgiu o termo “e-maintenance”, que se referia à manutenção

  Enquanto aTerceira revolução estava focada na automação de máquinas e processos únicos, a“Indústria 4.0” se concentra na digitalização de ponta a ponta de todos os recursos físicos e na integração em ecossistemas digitais com parceiros de cadeia de valor. Para melhor interpretar e identificar a finalidade de utilização desses motores, a mesma pesquisa apresenta o consumo de energia destes motores pela suaaplicação na indústria, conforme o Gráfico 2 (PROCEL, 2008): Gráfico 2 – Distribuição do consumo de energia de motores na indústria de alta tensão no Brasil.

Várias técnicas de mo nitoramento “off-line” são utilizadas pela indústria, mas

  Uma regra prática útil é a de que a cada 10ºC de elevação acima da temperatura nominal de trabalho de um motor elétrico, a sua curva de vida é reduzidapela metade, mesmo com as construções de motores já tendo uma margem entre a temperatura nominal de trabalho e a temperatura máxima suportada (LOISELLE; XU; VOLOH, 2015; TOLIYAT; KLIMAN , 2004). A Figura 13 apresenta uma estrutura hierárquica das redes industriais convencionais, bem como o nível de atuação de cada uma delas, onde se caracterizauma maior quantidade de dispositivos no campo ou chão de fábrica, transmitindo dados de pequenos tamanhos, enquanto no nível de fábrica, onde estão as gerências,a quantidade de dispositivos é menor, mas o tamanho dos dados trafegados é maior.

Problemática de descrição δ (Pδ): tem como objetivo descrever ou detalhar ao decisor, as alternativas para facilitar seu processo de decisão

  Além disso, para alguns contextos de decisão, três passos podem ser realizados de forma sequencial, sem repetições ou retornos, considerando a naturezado processo de modelagem de preferências, analisando a matriz de decisão quanto à compensação entre critérios, para a escolha do método, conforme a Figura 19(ALMEIDA et al., 2016). Etapa 4: Com os perfis escolhidos no final da Etapa 3, a fim de definir a localização de cada alternativa dentro de uma referida classe, é realizada acomparação par a par dos critérios (c j ) para obtenção dos pesos (w j ) de cada critério e é realizada de forma idêntica ao AHP tradicional: A .

Estes métodos são frequentemente chamados de “escola europeia de decisão multicritério” em contraste com a “escola americana” que está muito mais ligada a

  Os pesos devem ser entendidos como uma medida da importância que o decisor atribui aos critérios, e isto se aplica a todos os métodos ELECTRE, que nãosão tão compensadores quanto o método de ponderação padrão; no entanto, o uso de "pesos" para calcular os coeficientes de concordância e discordância envolvecompensação entre critérios. Para a geração da “Matriz de Concordância” ocorre uma comparação de cada alternativa com as demais, onde são estabelecidas as soluções mais atrativas e aescolha da solução que atende ao conjunto de objetivos sob a determinação dos critérios da análise na matriz de avaliação.

Para o estabelecimento da “Matriz de Discordância” no ELECTRE II é definida, inicialmente, uma escala comum a todos os critérios, onde cada critério deve ter um

  3.1 DEFINIđấO DOS DADOS PARA A ESTRUTURAđấO DA METODOLOGIAPara a construção da metodologia de manutenção preditiva de motores elétricos, a primeira etapa foi a de definição de quais condições inadequadas defuncionamento de um motor elétrico, que podem levar a uma falha incipiente e quais as formas mais adequadas de se fazer a aquisição destas informações. Definidos os motores e as falhas que seriam inseridas, bem como o intervalo de duração de cada uma delas, com o ScadaBR configurado para a aquisição dosdados, o teste foi realizado, com uma duração de mais de 3 horas de amostragem, conforme ilustra a Figura 42.

No ensaio de falhas programadas, o motor 2 apresentou um maior número de ocorrências de situações em “Falha incipiente” e, portanto, num planejamento de

  Assim, para o ensaio de falhas programadas realizado, o “Motor 2” foi o que mais vezes esteve em condição de “Falha incipiente” e o mapa de anormalidades indica que a “Temperatura” foi a variável que mais esteve fora das condições normais,indicando aos responsáveis pela manutenção qual a principal causa e que deve ser verificada no planejamento da manutenção. As anormalidades no período indicam a Com o Mapa de anormalidades e a classificação do período de análise, é possível obter um resultado final com o motor em prioridade de manutenção, bemcomo as variáveis que estiveram em condição de anormalidade, quando o motor foi classificado em “Falha incipiente”.

Novo documento

RECENT ACTIVITIES

Tags

Documento similar

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
98
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
146
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
176
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
207
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
194
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LUIZ FABIANO DE OLIVEIRA MUNIZ
0
0
155
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANDRÉIA DE ABREU
0
0
267
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
138
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
151
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
151
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PROGRAMA DE PÓS-GRAD EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NAIJELA JANAINA DA COSTA
0
0
179
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
138
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL UFSCARUEPA
0
0
179
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
184
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PONTA GROSSA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PPGEP
0
0
111
Show more