Fabricio Tironi Cassol SÃO MARTINHO: DA DESESTRUTURAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO AOS REFLEXOS ECONÔMICOS NA REGIÃO

Livre

0
0
37
1 year ago
Preview
Full text

  SấO MARTINHO: DA DESESTRUTURAđấO POLễTICO-ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO AOS REFLEXOS ECONÔMICOS NA REGIÃO

  FABRICIO TIRONI CASSOL SANTA MARIA

  

Fabricio Tironi Cassol

SấO MARTINHO: DA DESESTRUTURAđấO POLễTICO-ADMINISTRATIVA DO

MUNICÍPIO AOS REFLEXOS ECONÔMICOS NA REGIÃO

  Trabalho final de graduação apresentado ao Curso de História, Área de Ciências Humanas, do Centro Universitário Franciscano, como requisito parcial para obtenção do grau de Licenciado em História.

  Orientadora: Nikelen Acosta Witter SANTA MARIA

  2012 Fabricio Tironi Cassol

  

SấO MARTINHO: DA DESESTRUTURAđấO POLễTICO-ADMINISTRATIVA DO

MUNICÍPIO AOS REFLEXOS ECONÔMICOS NA REGIÃO

  Trabalho Final de Graduação apresentado ao Curso de História

  • – Área de Ciências Humanas, do Centro Universitário Franciscano, como requisito parcial para obtenção do grau de Licenciado em História.

  _____________________________________________ Prof. Dr. Nikelen Acosta Witter

  • – Orientadora (Unifra) _____________________________________________

  Prof. Dr. Carlos Roberto da Rosa Rangel (Unifra) _____________________________________________

  Prof. Ms. Paula Simone Bolzan (Unifra) Aprovado em 13 de julho de 2012

  DEDICATÓRIA Dedico este trabalho as pessoas que sempre estiveram ao meu lado, mesmo em momentos de incerteza, transmitindo segurança.

  

AGRADECIMENTO

  Primeiramente aos meus pais, por serem meus guias em dias difíceis, pelo incentivo incondicional, e por sempre acreditarem que sou capaz. A minha orientadora professora Nikelen Acosta Witter, pela sua disponibilidade, colaboração, interesse e ajuda que sempre me foi dada. Também agradeço aos professores do curso de História do Centro Universitário Franciscano, que, direta ou indiretamente, contribuíram para conclusão desta etapa acadêmica.

  Resumo

  Este trabalho busca compreender as transformações da cidade de São Martinho, vivenciadas pela sua população, partindo da análise de sua estrutura socioeconômica, entre o fim do século XIX e início do séc. XX. O município, que atualmente se chama São Martinho da

  

Serra , esta localizado na região central do estado do Rio Grande do Sul e tem como acesso

  principal, a cidade de Santa Maria, dista a 17 quilômetros de “estrada de chão”. Na busca de respostas para sua decadência, a realização de um levantamento de suas origens históricas se fez necessária, pois revelam as disputas territoriais pela fronteira e apresentam os principais interesses dos indivíduos que pertenciam a aquele contexto. Por ser um município basicamente agrícola, buscou-se nas informações econômicas a identificação dos fatores de seu declínio. Utilizou-se, para isso mapas cartográficos de sua localização em diversos períodos da história, representações gráficas que destacam seu contingente habitacional e uma tabela indicando a principais atividades desenvolvidas das produções no campo em sua localidade. Entretanto, não foi deixado de considerar a conjuntura política vivida no período e as transformações ocorridas com a Proclamação da República no Brasil, refletidos na região.

  Palavras-chave: São Martinho. Socioeconômica. Decadência.

  Abstract

  This paper seeks to understand the transformations of the city of São Martinho, experienced by the population, based on an analysis of their socio-economic structure, between the late

  XIX century and beginning of the XX century. The council, which is presently called São Martinho da Serra, is located in the central reg ion of Rio Grande do Sul and it‟s main entrance, the city of Santa Maria, which is 17 miles away by "dirt road". In seeking answers to their decadence

  , conducting a survey of it‟s historical origins was needed, because they reveal the territorial disputes over the border and have the best interests of the individuals belonging to that context. Being a primarily agricultural county, the information sought to identify the economic factors of it‟s decline. Was used for this, cartographic maps of their location in different periods of history, graphical re presentations that highlight it‟s contingent housing and a chart showing the main activities in the field of production in their locality. However, it was left to consider the political situation experienced in the period and the changes occurring with the Proclamation of the Republic in Brazil, as reflected in the region.

  Key words: São Martinho. Socio-economic. Decadence.

  

SUMÁRIO

  

1 INTRODUđấO ...................................................................................................................... 9

  

2 ORIGEM E EVOLUđấO HISTốRICA DO MUNễCIPIO ............................................. 12

2.1 JURISDIđỏES, CAPELA CURATA E FREGUESIA . ...................................................

  17 3 A REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL E A FERROVIA NA REGIÃO ...............

  21

  

4 A DESESTRUTURAđấO DO MUNễCIPIO ..................................................................... 25

  

5 CONSIDERAđỏES FINAIS ............................................................................................... 32

ANEXOS .................................................................................................................................. 34

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................................................. 36

LISTA DE IMAGENS

  IMAGEM Nº1 Foto do trecho da estrada entre Santa Maria e São Martinho da Serra

  IMAGEM Nº2

  • Foto do trecho da estrada entre Santa Maria e São Martinho da Serra

  IMAGEM Nº3

  • Folder da 12ª Cavalgada de Integração de dos Distritos de Santa Maria LISTA DE MAPAS MAPA 1: Planta do Continente do Rio Grande.

    MAPA 2: Reconstituição do mapa histórico-cartográfico da Capitania do Rio Grande de S.

  Pedro do Sul de 1822.

  MAPA 3: Mapa da Região Missioneira. MAPA 4: Mapa das Linhas de Viação Férrea Sul-rio-grandense em 1898.

  LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1: Decréscimo populacional GRÁFICO 2: Casamentos, Nascimentos e Óbitos

1 INTRODUđấO

  1 A população de São Martinho da

  , algo que Serra é, em sua maioria, de “pêlo-duro” reflete a continuidade das povoações que ali estiveram no início de século XX. O gosto pelas canchas retas, o jogo de bocha, o jogo do osso e os bailes

  “a gaúcho” ressaltam a nostalgia em um tempo presente que não deseja se desassociar do passado.

2 As atuais reivindicações para o asfaltamento do trecho de 17 quilômetros da ERS-

  516, que se estende entre Santa Maria e São Martinho da Serra, traduzem um nítido sentimento desta população: descaso. Os problemas que envolvem as estradas do Rio Grande do Sul são assunto bastante revisado pela mídia, que o mantém em destaque há, pelo menos, duas décadas. No entanto, no caso dos martinhenses, quem faz uso dessa via de acesso, que liga às duas cidades, verá que não se trata de exagero: o trecho não possui vestígio algum de pavimentação. Quando não é a poeira que levanta com os carros em dias secos, é o barro que deixa a estrada sem condição de trafegabilidade para motoristas e pedestres nos dias de chuva. Além disso, a situação coloca em risco a saúde e a segurança dos moradores. O problema, que se arrasta há mais de 20 anos, também dificulta o escoamento da safra e o deslocamento de qualquer produção do pequeno município (ver imagens nº 1 e 2, p. 34).

  Ao que tudo indica, tais transtornos podem estar próximos do fim. O Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (DAER) aguarda que a licença ambiental viabilize a assinatura do contrato para a construção da obra de pavimentação. Ela faz parte do Programa de Acessos Municipais e sua obra custará aproximadamente R$ 13 milhões ao governo do

  3 estado, prevista para iniciar em 2013 .

  Descrevendo, em poucas palavras, o que representa São Martinho da Serra na atualidade, podemos dizer que é um município essencialmente agrícola. É baseado nas produções de produtos de origem camponesa. Exemplo semelhante ao de vários outros pequenos municípios rio-grandenses. Possui muitas riquezas naturais, como cascatas e rios (Ibicui, Toropi, Iguaçupi). Atualmente, o município também incentiva a 1 exploração de para

  

Conforme Veneza Mayora Ronsini , s eu significado é uma expressão regional tipicamente rio-grandense, onde,

traduzido pelo dialeto crioulo, remete ao gaúcho sul riograndense descendente de indígenas, portugueses, espa- 2 nhóis e africanos, que não possui estirpe ou ascendência (2004, p. 125).

  

Registro realizado pelos jornais A razão, no dia 26 de outubro de 2010; e Diário de Santa Maria, no dia 24 de novembro de 2010, de Santa Maria . produção de está dentro de uma área de 11 hectares.

  No entanto, ao se fazer um levantamento histórico de São Martinho da Serra, se entenderá que houve, em certo momento, intenções de exploração geopolíticas diferentes das atuais. Pelo que consta em menções do Álbum Ilustrado Comemorativo do Primeiro

  Centenário da Emancipação Política do Município de Santa Maria (RS)

  • – 17 de maio de 1858
  • – 17 de maio de 1958, a situação econômica martinhense possuía relevância no Rio

  Grande do Sul, ao menos, até meados do século XX. A princípio, os campos de criação de rebanhos bovinos eram numerosos. Eles abasteciam as charqueadas de Cachoeira, São Jerônimo, Barra e Pelotas (GÜNDEL e FREITAS, 1993). O cultivo do arroz, do trigo e do milho dava representatividade agrária à região, por toda a segunda metade do século XIX. O crescimento na área rural atraiu fazendeiros, que logo iniciaram a construir casas no povoado, fator que veio a desenvolver a sociedade, e, por consequência, fazer prosperar o comércio. Por volta de 1858, os produtos comerciais vendidos pelas quatro casas de negócios de São Martinho da Serra eram, em sua maioria, fazendas, miudezas, ferragens, drogaria, secos e molhado (IBIDEM, 1993). Os pagamentos eram feitos com dinheiro ou troca de couros.

  A economia da região, embora limitada, acabou não conseguindo prosseguir seu desenvolvimento ao longo do século seguinte. São Martinho da Serra possuía sede municipal com prefeito e vereadores, deputado estadual, juiz de comarca, com um corpo político soberano. Dois jornais, o Liberdade e o Martinhense (este último era órgão do Partido Republicano Riograndense), importante paróquia, hotéis, área de lazer, praça, firmas comerciais e casas de moradia. Antes mesmo de Santa Maria, São Martinho (nome anterior a sua re-municipalização) fundava seu Clube Republicano (PRR), no ano de 1882, com intuito de atender e pregar seus ideais durante o período imperial.

  O município sofreu, ao longo do século XX, uma série de modificações, que afetaram o desenvolvimento econômico e social de seus habitantes. Neste sentido, este trabalho busca entender as ocasiões que desencadearam o processo de declínio de sua economia, como também destacar as camadas sociais com maior número de representantes na região e assim identificar os principais sistemas produtivos que eram realizados naquele período.

  Para responder estas questões, o trabalho se divide em quatro partes. Com a introdução inicial é feita uma apresentação do panorama geral das condições de infraestrutura da cidade de São Martinho da Serra. No próximo item, a origem e a evolução histórica da cidade são traçadas, destacando a sua participação em um contexto de disputa e delimitação de fronteira, que “flutuava” entre o Império Espanhol e o Império Português, a partir da metade do século

  XVII e XVIII. Na sequência, passa-se a tratar dos primeiros passos do povoado, das devidas menções de seu pertencimento as Missões Orientais, das batalhas travadas em seu território e da sua representatividade dentro da província do Rio Grande do São Pedro do Sul, ao longo do século XIX.

  No 2º capítulo, os reflexos do fim do Império e a introdução da República no estado são rapidamente descritos, como também a política de Júlio de Castilhos e as suas consequências na região. Nesta parte, observa-se a implantação da malha ferroviária no Brasil, sua área de abrangência no Rio Grande do Sul daquele período. A partir daqui, uma nova dinâmica se evidência na região de São Martinho, onde o declínio populacional se acentua, o município se torna distrito e sua economia se desestrutura, servindo de tema para última parte deste trabalho.

2 ORIGEM E EVOLUđấO HISTốRICA DE SấO MARTINHO DA SERRA

   Os registros do nascimento de São Martinho da Serra são um tanto quanto nebulosos

  para a historiografia vigente. As pesquisas atuais não nos dão indícios precisos do início do povoamento e formação do município. Inete de Andrade Paim

  • – em sua monografia São

  Martinho: ascensão e queda de um município (1980)

  • – destaca que a primeira descrição de presença populacional na localidade

  “remontam a mais ou menos ao ano de 1605, quando jesuítas espanhóis vieram até estas paragens” (1980, p. 6). Mais tarde, conforme apontam

  4

  estudos arqueológicos, como por exemplo de Saul Eduardo Seiguer Milder , o local passou a abrigar uma aldeia e uma guarda para opor-se aos portugueses.

  O fato é que a região acabou por se encontrar no centro das disputas dos dois impérios europeus que ocupavam a América do Sul. E, da mesma forma, viu-se envolvida nos conflitos a população que aí habitava. O povo Guarani, que na região vivia já há alguns séculos, marcou presença, com os seus costumes e tradições, desde o princípio da ocupação europeia até nossos dias. Este grupo que, após uma gradual migração vinda da região amazônica, fez frente às demais etnias do cenário pré-histórico rio-grandense, pois se destacava pela elevada complexidade de sua organização religiosa, familiar, artística e tecnológica. Acredita-se que os Guaranis foram responsáveis pela introdução de elementos como: a língua tupi-guarani que, mais tarde, se mesclou às línguas latinas da América do Sul; as práticas agrícolas, como o cultivo da mandioca, do tabaco, da erva mate, do milho, entre outros; e, também, pela descoberta das propriedades medicinais de várias plantas nativas.

  De uma forma geral, a formação histórica da região missioneira do Rio Grande do Sul, tripartiu-se entre a chegada dos europeus nos séculos XVI e XVII, a transição do período de domínio guarani para o de um colonizador e a inclusão da cultura espanhola e portuguesa na sociedade daquela região. Aponta-se o ano de 1632 como o período em que tiveram início às chamadas reduções jesuíticas. Estas faziam parte das estratégias espanholas para a ocupação da região. Não demorou para que uma nova disputa surgisse entre as coroas ibéricas, fator que alteraria a fisionomia do espaço onde hoje é o Rio Grande do Sul. A fundação de reduções nas zonas intermediárias entre os territórios coloniais espanhol e português possuía o sentido de guarnecimento das fronteiras. Destas novas disputas iniciariam questões que remontavam à 4 assinatura do Tratado de Tordesilhas:

  

Uma das contribuições dos trabalhos arqueológicos de MILDER, relacionados à região, estão presentes no

  Assim, durante todo o século XVI e parte do XVII, os espaços americanos, situados entre os dois impérios ibéricos, foram inicialmente “confins”, limites vagos de territórios sub povoados, mas onde as frentes de expansão, gradualmente, tendiam a se tocar, principalmente nos vales do rio Paraná e Uruguai, ultrapassando, algumas vezes o incerto meridiano de Tordesilhas. [...] se a geografia é condição básica para a fronteira, não constitui o seu essencial. A fronteira é mais do que um fato físico, ou natural. Ela o é também político, ou mesmo psicológico, ou cultural. E se desloca ao sabor dos processos históricos da colonização. [...] no vale do Rio Uruguai, a fronteira deslocou-se por diferentes paisagens geográficas, ao sabor das oposições de interesses representados pelos bandeirantes e jesuítas, sempre antagônicos. (KERN, 1982, p. 157)

  As reduções, também chamadas missões jesuíticas, tiveram duas fases bastante distintas de ocupação do território. Uma primeira, entre 1626 a 1637, sobre o qual restam poucos registros circunstanciais, em que se estabeleceram povoados incipientes até a expulsão dos jesuítas pelos bandeirantes, causando a emigração daqueles para a outra margem do Uruguai. E uma segunda fase, compreendida entre os anos de 1682 a 1767, que foi caracterizada pelo desenvolvimento de um projeto civilizacional e econômico, que acabou por despertar o interesse espanhol e português.

  Por volta de 1740, a população missioneira vivia um significativo desenvolvimento, crescendo numericamente, desenvolvendo suas indústrias (na criação de gado, na produção de lã e no cultivo da erva-mate, principalmente) e disseminando sua cultura. A organização político-administrativa das reduções mesclou elementos espanhóis adaptados aos costumes indígenas. Essa sociedade possuía regras, objetivos e ideias que a tornaram uma experiência única, levando-se em conta os modelos de sociedade da época.

  Ao passo que floresciam os Sete Povos das Missões pelo oeste, o litoral do Rio Grande do Sul começava a ser ocupado pelos portugueses. Portugal e Espanha tinham divergências

  5

  quanto às demarcações da Colônia de Sacramento , causando constantes atritos entre lusos e espanhóis. Acrescentando a isso, a existência dos Sete Povos deu-se em meio a desconfianças com relação às intenções dos jesuítas. Eles foram acusados por muitos de promover o desenvolvimento de uma sociedade teocrática independente, quando se sabe que na verdade as reduções estavam intensamente ligadas ao rei da Espanha e contribuíram para o desenvolvimento colonial na América do Sul, conforme salienta Antonio Dari Ramos, em seu 5 artigo A formação histórica dos municípios da região das missões do Brasil (2004).

  

A partir do momento que a Colônia do Sacramento foi fundada, começaram os debates a respeito do seu

direito. Eduardo Santos Neumann cita no artigo A fronteira tripartida: a formação do continente do Rio

Grande – Século XVIII, que “Essa praça lusitana, instalada na margem esquerda do rio da Prata, foi palco de

muitas disputas entre as monarquias Ibéricas. As autoridades enviadas para garantir os interesses lusitanos na

região afirmavam que a „[...] Coroa de Portugal tem direito irrefragável ao domínio dessas terras, pela antiga

  A localização em uma zona de contestação entre Espanha e Portugal foi um dos principais motivos da decadência dos Sete Povos. Os confrontos começaram a se tornar constantes e desembocaram na chamada Guerra Guaranítica (1750 a 1756), um violento conflito travado entre os índios guaranis e as tropas espanholas e portuguesas após a assinatura doTal guerra foi gerada pela resistência dos indígenas habitantes das Missões Jesuíticas, que perderam suas terras e tudo que haviam construído. Os dois exércitos europeus (espanhol e português) se uniram contra aqueles e os jesuítas que os lideravam, lutando em pequenas guerrilhas até 1756. A expulsão dos jesuítas das América, por volta de 1759, pela coroa espanhola, fez com que a Espanha passasse a administrar diretamente toda a zona ocupada pelas missões chamadas Orientais (RAMOS, 2004, p 17).

  É importante ressaltar que o Tratado de Madri não usava as linhas até então convencionais de demarcações cartográficas, mas outro conceito de fronteiras. Esta convenção foi introduzida no qual a região era definida pela posse

  

  efetiva da terra ou , também balizada pelos acidentes geográficos, como os limites naturais . O Tratado de Madri deu respaldo às ações de movimento populacionais mais importantes do século XVIII, vindo a reafirmar a mobilidade da fronteira portuguesa que se estendia sobre territórios que, a princípio, pertenceriam à Espanha. Após este, seguiu-se o Tratado de Santo Idelfonso (1777), que tinha objetivo de reafirmar o tratado anterior e encerrar a disputa entrelocalizada às margens do Rio da Prata. Com ele, os espanhóis mantiveram a colônia e voltaram a ter domínio sobre a região dos Sete Povos das Missões.

  Os conflitos entre os dois impérios não acabaram com a assinatura deste tratado. Escrevendo sobre a região de Santa Maria

  • – vizinha à São Martinho – José Iran Ribeiro, no artigo Tão longe, tão perto: o povo de Santa Maria e as situações de guerra na primeira

  metade do século XIX (2010), corrobora com o aspecto de fronteira que tinha a região: Santa Maria surge neste processo de (re) definições de fronteiras. Ou melhor, antes mesmo da fixação formal e definitiva de luso-brasileiros na região (1797), a partir de um acampamento da comissão lusitana encarregada de assinalar os limites das coroas ibéricas na região conforme o tratado de Santo Ildefonso (1778), tropas 6 coloniais portuguesas e espanholas andavam pela região trabalhando juntos ou

Conforme Tau Golin, no livro A Fronteira: governos e movimentos espontâneos na fixação dos limites do

  , ressalta a importância do uti possidetis no imaginário dos atores que Brasil com o Uruguai e a Argentina

configuravam seus domínios territoriais, citando que “ a ideia de fronteira natural, em um primeiro momento, e

depois, de fronteira nacional, nova forma de quando o Estado-nação se potencializou como geopolítica, era o combatendo-se. Foi assim durante o esforço para a efetivação do tratado de Madri, em 1756, quando exércitos das duas nações conjuntamente passaram pela região e subiram a “ladeira” da estrada se São Martinho. [...] Vinte anos depois, o sargento- mor Rafael Pinto Bandeira deslocou-se pela região antes de conseguir surpreender a guarda espanhola no alto daquela mesma serra (2010, p. 229).

  A ocupação portuguesa sempre teve interesse em expandir seu território até o Rio da Prata, o que fez criar núcleos de povoamento a partir do litoral. O território que atualmente corresponde ao Rio Grande do Sul foi, assim, sendo ocupado. Com a fundação da Vila do Rio Grande (1737), ponto importante de ligação entre a Colônia do Santíssimo Sacramento (no Rio da Prata) e Laguna (atual estado de Santa Catarina), veio Viamão (1747), próximo a entrada do rio Guaíba, paragem das tropas da descida dos Campos da Vacaria. O mapa histórico a seguir, permite visualizar a localização destas áreas, juntamente com a divisão territorial estabelecida pelas Coroas Ibéricas:

  

Mapa 1: Planta do Continente do Rio Grande, divididos em quatro províncias, demarcando o

  espaço territorial português e espanhol de 1780

  Fonte: Arquivo multimídia do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul

  • – IHGRGS, site: acessado em 25 de janeiro de 2012.

  A fundação dos fortins militares e de depósitos bélicos de Rio Pardo e Santo Amaro, a defesa do continente e para promover a expansão da fronteira. Além de serem pontos para a defesa dos limites territoriais que estavam sendo construídos, Ribeiro destaca ainda que “estas povoações serviam de base para o recebimento e distribuição de colonos que iriam disputar e explorar terras até então ocupadas por grupos de índios minuanos que viviam na região” (2010, p. 228).

  Neste contexto, a localidade de São Martinho da Serra foi o ponto de convergência das forças que defendiam os interesses territoriais de Espanha e Portugal. Neste lugar havia uma guarnição formada por ordem do governador das Missões Orientais, e à essa fortificação se deve o nome da localidade, guarda de San Martin, em contraposição a guarda de Santa Maria. Estas guardas vigiavam a fronteira espanhola e portuguesa, respectivamente.

  Por ser um dos principais escoadouros dos produtos da região das Missões para o sul e para o leste, e caminho obrigatório das comunicações com as cidades serranas, São Martinho se tornou importante para as reduções jesuíticas. No entendimento dos conquistadores daquele período, tal região merecia cuidados especiais. Sendo assim, foi incorporada ao Continente do Rio Grande do Sul, mas não sem antes ter que passar por alguns conflitos.

  A primeira investida portuguesa no território após o tratado de Santo Ildefonso foi feita pelas forças do exército rio-pardense, liderados pelo então sargento-mor Rafael Pinto Bandeira. Entretanto, após a desocupação daquelas tropas, os castelhanos alojaram-se novamente naquela guarnição (PAIM, 1980, p.11). Fato era que não havia uma declaração de guerra conhecida e oficial entre os dois reinos, ainda assim ela existia. Foram organizadas pequenas tropas de milicianos, sem uniforme, mas armados pelo governo, que realizaram os primeiros ataques, conforme menciona no trecho a seguir da Revista Trimestral de Historia e

  Geographia ou Jornal do Instituto Historico e Geographico Brasileiro (1843): Entre os voluntários paizanos que se offereceram para ir contra o inimigo, foi um d‟e1les Manoel dos Santos Pedroso, homem fazendeiro e soldado miliciano; e obtida a licença, marchou com 40 homens, de que se fez chefe, atacou e pôz em fugida a guarda de S. Martinho, e na posse d‟esta, passou a saquear algumas fazendas, n‟estas immediações se retirou com mais de 100 animaes vaccum e cavallar, deixando em abandono aquelle posto; e o capitão Francisco Barreto, aproveitando-se da occasião, não se descuidou de por imediatamente guarda nossa, pois é a principal entrada para Missões.

  Então, no ano de ou Maneco Pedroso, estancieiro da região, que recebeu como sesmaria as terras da atual cidade de São Pedro, marchou com uma tropa de aproximadamente 40 homens, para pilhar o fortim espanhol de São Martinho e desalojar a guarnição castelhana. A bem sucedida expedição fez de São Martinho a base para a conquista em definitivo da região missioneira pelos portugueses.

  2.1 JURISDIđấO, CAPELA CURATA E FREGUESIA Como já mencionado, antes de ser incorporado pelos portugueses e fazer parte da província do Rio Grande do Sul; São Martinho pertenceu à jurisdição do Império Espanhol. Foi parte integrante do território da paróquia de São Miguel das Missões, integrando a região missioneira. Seu povoado teve início através de doação de terras, como destaca Paim:

  O povoado de São Martinho teve por origem uma doação de terras pelo Marechal Manoel Carneiro da Fontoura e Silva, mais ou menos no ano de 1820, com a finalidade de ali organizar-se um povoado. A área possuía uma extensão calculada de um quarto de légua, limitando-se ao norte com terrenos dos herdeiros de João Francisco Machado; pelo leste com terrenos de José Ramos da Rosa; ao oeste com o Arroio Taimbé e ao sul a Serra Geral (1980, p. 19).

  No entanto, São Martinho somente veio a desmembrar-se desta efetivamente, em 1829,

  7

  após a Guerra da Cisplatina (1825-1828), ocorrida entre (que abrangia os atuais territórios da Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai). Neste momento, São Martinho estava sendo elevada a Capela Curata, passando a fazer parte da Freguesia de Cachoeira.

  O mapa a seguir representa os limites municipais da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul e os limites de seus municípios em 1822:

Mapa 2: Reconstituição do mapa histórico-cartográfico da Capitania do Rio Grande de S.

  Pedro do Sul de 1822, registrando a separação entre as reduções e a cidades mais próximas a sede da província rio-grandense

7 A guerra da Cisplatina ajudou a construir a identidade uruguaia e a entrada do Brasil nela justifica-se por

  

muitos motivos, tais como “garantir o interesse de Carlota Joaquina, proteger as propriedades dos portugueses,

livrar o sul do Brasil do Protetorado de Artigas e suas ameaças de invadir as Missões Orientais” (GOLIN,

  Fonte: Arquivo multimídia do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul – IHGRGS.

  Sacessado em 25 de janeiro de 2012.

  Como se pode ver a grande extensão territorial do recém formado município de Cachoeira ou Vila Nova de São João de Cachoeira, abrangia boa parte da província rio- grandense. Ele foi o quinto município criado, que englobava as freguesias de Santa Maria da Boca do Monte, Alegrete, Livramento, São Gabriel e Caçapava, que se submetiam administrativamente a Cachoeira, o primeiro município criado na região central do estado.

  Logo após, em 1852, São Martinho foi elevada à categoria de Freguesia, e anexada à Comarca de Cruz Alta, através da Lei Provincial n° 242, deste mesmo ano. Cruz Alta era um local de passagem obrigatório dos viajantes que desejavam ingressar no pampa gaúcho com destino ao sul do continente. O território tinha, aproximadamente, quatrocentos quilômetros quadrados, que abrangiam uma imensa faixa da região serrana e compreendia cidades como Tupanciretã, Passo Fundo e Soledade (ROCHA, 1980, p. 25).

  Neste sentido, pode ser feito uma comparação entre as regiões de Cruz Alta e de Santa Maria. Pelo menos até meados de 1887, pode-se notar uma relativa importância política e econômica da primeira em relação a segunda localidade. Santa Maria ainda não se destacava reflexos. Principalmente com a ausência de atendimento básico para enfermos, na região daquele período. Tal oportunidade de tratamento só viria a ser encontrada em localidades mais desenvolvidas, que, na maioria das vezes, eram distantes, de acessos demorados e precários.

  São Martinho possuía ligação importante com Cruz Alta, pois sua via principal de escoamento produtivo desembocava naquela região. Conforme salienta Paim: “a circunscrição territorial de São Martinho desde simples paróquia até período do vilamento foi: ao norte o ramal da estrada das carretas, partindo de Tupanciretã vai até o rio Ijuizinho, e até a vertente do Nhacapatum e a contra vertente do Jaguari...” (1980, p. 19).

  A seguir, o mapa da Região Missioneira, de 1887, representa graficamente as principais vias, destacando a região norte do Rio Grande do Sul e tendo como ponto convergente a cidade de Cruz Alta:

  

Mapa 3: Mapa da Região Missioneira, de Evaristo Afonso de Castro de 1887

Fonte: Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul

  • – IHGRGS. Sit acessado em 25 de janeiro de 2012.

  Neste mapa, o ponto importante e que deve ser destacado é da abertura da estrada do Pinhal. No livro Cronologia Histórica de Santa Maria e do Extinto Município de São

  Martinho (1787-1933), Romeu Beltrão descreve que

  “é aberta ao público a Picada do Pinhal, por ordem do governo republicano, o que veio encurtar de 5 léguas o caminho entre Santa Maria e Cruz Alta...”. (1979, p. 119). Esta estrada fez com que a ligação da região serrana do Rio Grande do Sul e a metade sul do estado desobrigasse a passagem por São Martinho. Isto causou impactos econômicos decisivos à região. Tão decisivos quanto os que viriam nos anos seguintes, com a chegada da ferrovia que ligou Santa Maria a Vila Rica (atual Júlio de Castilhos).

3 A REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL E A FERROVIA NA REGIÃO

  Com o fim da Guerra do Paraguai (1865 a 1870), o Império Brasileiro passou a sofrer duras contestações pelos seus opositores. Os crescentes conflitos políticos faziam afrontar, de um lado, senhores de engenho e barões do café, que sustentavam a monarquia; e de outro, os cafeicultores do oeste paulista e a pequena burguesia urbana que defendia o federalismo e o regime republicano.

  Os Clubes Republicanos, a partir de 1870, passaram a se disseminar pelo país, mas concentrando-se principalmente no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Rio Grande do Sul. O Partido Republicano Rio-grandense (PRR), fundado em 1882, tinha características próprias. Dividiu-se em dois principais partidos no sul do país. De um lado estavam os conservadores, liderados por Júlio Prates de Castilho e Pinheiro Machado. Tinham o princípio doutrinário do positivismo, que se tornou a ideologia oficial do partido e, posteriormente, do governo. A oposição associava-se a diferentes partidos (Partido Federalista, Partido Republicano Democrático, Aliança Libertadora e Partido Libertador), que descenderam do Partido Liberal e estavam sob liderança de Gaspar Silveira Martins, dominante nas últimas décadas do Império. Apesar das diferenças ideológicas, o ataque à forma de governo monárquico era a principal propaganda dos Republicanos.

  No entanto, após a proclamação da República, em 1889, as discórdias a este regime político não tardaram a iniciar. Os Liberais desejavam a implantação do Parlamentarismo e os Conservadores, do Presidencialismo. O primeiro governante do Rio Grande do Sul, instituído de forma provisória, foi o marechal José Antonio Corrêa da Câmara, o Visconde de Pelotas. Um de seus primeiros atos foi nomear como Secretário do governo estadual, Júlio de Castilhos, que teve total liberdade de montar a máquina política a sua maneira. Neste período, se podia observar uma nítida diferença entre as doutrinas partidárias existentes. A doutrina do PRR, encabeçada pelos castilhistas, pregava que somente a ditadura científica do poder executivo poderia permitir um governo dinâmico e forte administrativamente. Já a doutrina do Partido Republicano Federal (PRF), defendida pelos Liberais, queriam o poder legislativo como soberano, sendo conduzido por vias parlamentaristas.

  Em 1891, foram realizadas as eleições para Presidente e vice da República brasileira. Os resultados deram como vencedores o Marechal Deodoro da Fonseca e o Almirante Eduardo Wardenkolk (presidente e vice, respectivamente) do Partido Republicano. Foi o período chamado de “República Velha”, dos anos de 1889 a 1930. De acordo com Moacyr

  (FLORES, 1990, p. 100). A predominância de, praticamente, um único partido, que não deveria sofrer questionamentos ou ponderações, foi presidida inicialmente por Júlio de Castilhos. Apesar de algumas turbulências provocadas pela oposição, o Partido Republicano era coeso. Os federalistas sofriam com as divisões internas, os confrontos com a participação do exército e o ressentimento com as fraudes eleitoreiras. Tais fatores desembocaram na

8 Revolução Federalista de 1893 . Para se ter uma ideia do tamanho da repressão do governo de

  Castilhos, muitos federalistas, monarquistas e até republicanos tiveram que se refugiar em países vizinhos do Brasil, principalmente na República do Uruguai.

  Estas disputas entre republicanos e federalistas influenciaram significativamente a vida política das cidades gaúchas. Certos favorecimentos a algumas cidades contrapunham ao desprezo a outras, reflexos claros as atenções dadas quando se havia boa ou má relação com o governo castilhista. E a cidade de São Martinho não fugia a esta regra, como observa a seguinte citação:

  A localidade de São Martinho se caracterizou pelo entusiasmo político, demonstrando que seus habitantes eram politicamente ativos. O que consequentemente resultou em atitudes governamentais não favoráveis à essa localidade, pois muitos de seus políticos influentes foram adversários de Júlio de Castilhos (GÜNDEL e FREITAS, 1993, p. 37).

  O castilhismo pode ser mais bem entendido a partir da caracterização de sua filosofia política de inspiração positivista. Por meio dela, passou a promover a substituição da ideia liberal, que equilibrava as diferentes ordens de interesses, para se transformar em elemento fundamental na organização da sociedade, pela moralização dos indivíduos, através da tutela do estado. Castilhos, que nunca foi um teórico da política, mas que tinha uma conceituação muito pessoal sobre o exercício do poder, propunha, no Congresso Constituinte de 1891,

  “a instauração de um regime moralizador, a defesa do federalismo radical e das virtudes republicanas

  ”. (RODRÍGUES, 1980, p. 35) Como suas propostas não foram ouvidas pelos constituintes e a consequente derrota na apresentação de suas emendas à Assembleia Constituinte Estadual, Castilhos resolve encarnar, oficialmente, seu ideal no governo do Rio Grande do Sul através da elaboração e da prática da Constituinte Estadual de 14 de julho de 1891. Constituição que se perpetuaria até o ano de

8 Segu

  ndo Sandra Jatahy Pesavento, “a Revolução Federalista é incômoda para o imaginário construído sobre o

Rio Grande. Comparativamente à Revolução Farroupilha, não há como negar que essa guerra civil tinha muito

mais a oferecer, enquanto imagem e discurso, para a elaboração de um sistema de representação que visa

construir uma identidade regional”. (1993, p. 19).

  1930. A compreensão do castilhismo e o fenômeno do autoritarismo em terras rio-grandenses se fazem necessários para aprofundar as raízes históricas de nossos governantes. Desta forma, entenderemos que a consolidação desta filosofia deu-se com a chegada do presidente Getúlio Vargas ao governo brasileiro, no Estado Novo (1937 a 1945), pois possuía inspirações castilhistas na sua essência.

  Todos estes processos já estavam implicitamente agregados a região de São Martinho, mas, a partir de 1889, sua população recebe um dos seus mais duros golpes. A região perdeu para Santa Maria a preferência do trajeto da ferrovia que faria a ligação São Paulo-Rio Grande do Sul, que recebeu a denominação Itararé-Santa Maria, depois de concluída. São Martinho está diretamente ligada a esta problemática, pois o momento inicial de implantação dos transportes ferroviários no Brasil e no Rio Grande do Sul ocorrem entre os anos de 1850 e 1898, confundindo-se com a evolução econômica da região e a inserindo no contexto histórico daquele período.

  Uns dos motivos para utilização deste meio de transporte relacionavam-se a interligação ferroviária entre litoral e o interior do Brasil. A intenção era de proporcionar o povoamento dos vazios demográficos e estabelecer formas de acesso, como também a defesa às fronteiras terrestres para que assim ocorresse uma melhor difusão do desenvolvimento econômico das diversas regiões atingidas pela malha ferroviária. O sul do Brasil se apresentava como uma das regiões mais sensíveis aos problemas fronteiriços, além de, até então, possuir pouco destaque nacional.

  A proximidade com o Uruguai, Argentina e Paraguai, mudaram a atenção do Império para com a Província do Rio Grande do Sul. Neste sentido, a região merecia um plano ferroviário que a ligasse ao centro do país. A produção das linhas férreas começou por volta de 1870.

  João Rodolpho Amaral Flôres, no livro Fragmentos da História Ferroviária Brasileira, esclarece a importância do transporte ferroviário para o desenvolvimento social do Brasil:

  Nesse contexto da expansão do sistema capitalista, marcado que foi pela diversificação tecnológica dos processos de produção e pelas novas relações de trabalho, a adoção do transporte ferroviário passou a ser considerado um elemento estrutural de modernidade. Inclusive, visto como estimulador do avanço civilizatório em todo mundo, ao ter propiciado o desbravamento de fronteiras, a fixação populacional em vazios demográficos, a difusão de informações e, principalmente, por ter contribuído para a aceleração das relações econômicas no contexto da Revolução Industrial. O mesmo pode ser percebido em relação a sua implantação no Brasil, e de modo particular no Rio Grande do Sul (2007, p.15). a borda da serra martinhense, passando pela Vila Caturrita, o Distrito de Santo Antão e o Vale do Ibicuí, rota mais lógica para a cidade de Cruz Alta. Mas, a escolha feita recaiu pela margem direita do Vale do Vacacaí-Mirim, dando privilégio à região de Vila Rica, atual cidade Júlio de Castilhos, e passando também pelas localidades de Taquarembó e Pinhal, como mostra o mapa ferroviário do Rio Grande do Sul do ano de 1898:

  

Mapa 4: Mapa das Linhas de Viação Férrea Sul-rio-grandense de 1898

Fonte: retirado do acervo multimídia do site vfco.brazilia.jor.br, acessado em 16 de fevereiro de 2012.

  Possui conteúdos de Ferreomodelismo, Trens e Ferrovias do Brasil.

  Ao se observar a linha férrea que une Cruz Alta a Santa Maria, percebe-se que ela não

  • – possuiu desvios acentuados no seu trajeto. Ocasião que não se observa no trecho Cruz Alta Passo Fundo, por exemplo. Logo, São Martinho seria preterido em relação a outras localidades contempladas com a ferrovia. As necessidades de exportar ou importar produtos vitais a sua economia começaram a reduzir o potencial econômico da região com o passar dos anos, inegavelmente devido a ausência da viação férrea.

4 A DESESTRUTURAđấO DO MUNễCIPIO

  O abandono e consequente decadência do município de São Martinho não tardaram a ser evidenciados. No entanto, não devemos atribuir sua crise somente a ausência da ferrovia. As contradições existentes entre os políticos martinhenses, resultantes de questões pessoais e também políticas, vieram a separar as lideranças locais.

  A primeira menção de desvilamento e anexação de São Martinho a outra sede foi escrita no Livro de Atas da Câmara Municipal de São Martinho, em 26 de julho de 1891. Nela dizia que “pelo Conselheiro Gabriel de Oliveira foi dito que no 2º Distrito, onde reside, alguns cidadãos agitam a impatriótica idéia de desligamento daquela parte de nosso território e sua anexação ao município de Cruz Alta...”. Tal proposição não seguiu adiante por possuir um pequeno número de eleitores que a apoiassem (PAIM, p. 71).

  Beltrão (1979, p. 107) destaca que o segundo intendente municipal da cidade, Virgiliano Antônio Pereira e seus conselheiros, empossados em 1901, prestaram homenagens a Júlio de Castilhos e seu vice, Borges de Medeiros. No mês de maio, aconteceu a convocação de uma sessão extraordinária. Estava sendo aberta para deliberar sobre a fusão do município com Vila Rica, com sede neste último. Esta sessão foi presidida por Abílio Pereira dos Santos, presidente do conselho, e nela ocorreram protestos contrários a fusão do então intendente, que de nada serviram. A ata da referida sessão transcrevia uma série de problemas no município de São Martinho, enumerando-os item a item. O afastamento da via férrea, a necessidade de escoar a produção, a falta de dinheiro, os prédios abandonados e suas consequentes demolições, a necessidade da construção de pontes e estradas, os esforços sem resultados da administração local, eram algumas das reclamações.

  No fundo, todo este discurso não passava de um engodo. A verdadeira intenção por trás da união do município martinhense com Vila Rica era o beneficiamento de certos conselheiros. Alguns dos quais, Manoel César do Nascimento, Antônio de Araújo, Ildefonso de Almeida e Jerônimo Pereira de Quadros, possuíam terras longe da sede de São Martinho, mas próximo à Vila Rica. Este município prosperava recebendo ajuda do governo estadual e tal fusão, portanto, beneficiaria as terras pertencentes aqueles conselheiros.

  No dia do ato, nem todos conselheiros participaram do evento, pois eram contrários a anexação proposta que, mesmo sendo impugnada pelo intendente municipal, foi aprovada. Com a intenção de reverter à situação, uma nova sessão foi convocada para anular tal ato. Uma parte importante da ata, na tentativa de mudar o veredicto final, segue abaixo transcrita:

  ... considerando que Vila Rica, por sua localização relativamente ao nosso município em nada facilita nossas relações convencionais, portanto os naturais escoadouros de nossos produtos e aos quais estamos ligados por curtas distâncias e boas vias de comunicação indubitavelmente são Santa Maria, a estação de São Pedro na linha férrea de Porto Alegre a Uruguaiana e a da Colônia, na linha Itararé, considerando que São Martinho não é um município isolado [...] que o nosso vasto e rico território, onde floresce a indústria pastoril, existem abundantes matos regados pelos nossos rios e propícios para a colonização, garante vida ao município, que pode prosperar do desperdício até há pouco feito em pagamento a empregados supérfluos e outros e o nenhum cuidado na arrecadação da receita, houve sempre sobra de dinheiro [...] e que a falta de prosperidade da sede não é somente por sua colocação, mas em grande parte por múltiplos motivos conhecidos também pela administração transata [...] considerando que nós conselheiros municipais no gôzo pleno de nosso mandato e, por isso legítimo representantes deste município, interpretando a vontade geral de nosso povo [...] devemos evitar que insignificante minoria desta casa do governo municipal produza o cerceamento da mais profícua carta constitucional nos tem facultado [...] o eleitorado e povo martinhense não deseja que seja anexado este município a quaisquer dos outros que lhe ficam limítrofes, e pedimos, pois, a manutenção do nosso município, confiantes que o benemérito governo do Estado a quem nesta oportunidade como sempre protestamos nosso apoio faça-o a costumada justiça. (Antonio de Oliveira Soares e João Maria da Rosa, intendente e conselheiro de São Martinho, respectivamente,)

  Esta última parte da ata atribui a culpa pela estagnação martinhense a administração anterior, que estava em poder do intendente Praxedes Pereira dos Santos. Lembrando que tanto conselheiros como o intendente pertenciam ao PRR. A ata ainda menciona a vontade geral da população em permanecer emancipada e a intenção de uma minoria da casa do governo municipal em mudar a sede. Aprovada por unanimidade, não tardou a surtir efeitos. O conselho de Vila Rica, ao tomar conhecimento da proposta de fusão, manifestou agradecimento e prometeu, caso esta ocorresse, esforços com relação à prosperidade do município.

  O governo estadual, no decreto nº 391 de 27 de julho de 1901, declarava sua decisão final, terminando com a disputa. Atendendo a proposta, declarou extinto o município de São Martinho, anexando-o ao de Vila Rica. Sob o poder de Borges de Medeiros e Fernando Abbot, seu vice, o estado continuava trilhando a direção imposta pelo castilhismo. Ainda neste mesmo decreto, constavam justificativas como “o município não tem podido prosperar devido à má localização de sede, sem meios de rápida comunicação, o que obriga a população a encaminhar as suas relações comerciais para outros pontos próximos da linha- férrea...”. No entanto, o ato nº 125, de 28 de julho de 1901, o intendente de Santa Maria,

  Henrique Pedro Scherer, convocou o conselho político santa-mariense para votar a proposta contida em ofício do Intendente de Vila Rica, que era de anexar São Martinho à Santa Maria. Esta proposição, posteriormente atendida pelo governo estadual, dizia que Vila Rica teria dificuldades em administrar São Martinho devido essencialmente à distância geográfica.

  território de São Martinho passou a pertencer ao 6º Distrito de Santa Maria, como citam Gündel e Freitas em sua monografia Razões da decadência da Vila de São Martinho:

  O conselho municipal de Santa Maria foi convocado extraordinariamente para votar a proposta do Conselho de Vila Rica, ou seja, a anexação do primeiro distrito do extinto município de São Martinho ao território santa-mariense, devido ao fato de que Vila Rica teria dificuldade para administrar essa parte do município, em razão da distância geográfica. (1993, p. 49).

  Tal fato logo começaria a ter reflexos. Primeiramente administrativos, devido à descentralização documental; e depois, políticos, por estar subordinada a câmara de Santa Maria. O arquivo com documentação administrativa da Intendência e do Cartório chegou a ser removido para Vila Rica, de acordo com Gündel e Freitas (1993, p. 50), porém, este material

  9

  não foi, posteriormente, transferido para Santa Maria, como era de se esperar . Firmas comerciais e casas de moradia importantes foram demolidas para que o material fosse reaproveitado em outras obras.

  A Vila de São Martinho, criada no ano de 1876, através de lei instituída pelo Governo Provincial, começou a decair política e administrativamente ano após ano depois do seu desvilamento, fato que refletiu-se ao longo do século XX. O declínio populacional também foi um destes reflexos, que puderam ser percebidos com o passar do tempo. O gráfico 1 faz a comparação que apresenta o contingente habitacional na região matinhense no final do século

  XIX até a metade do XX:

  

Gráfico 1: Decréscimo populacional

10.000 1888 1913 1953

  

5.328

4.000

Categoria 1

9 Fonte: Guia Geral de Santa Maria (1953, p. 304) e, GÜNDEL e FREITAS (1993, p. 50)

  

Atualmente, o acervo histórico da cidade de Júlio de Castilho (antiga Vila Rica) ainda guarda os arquivos da

documentação administrativa e do Cartório da primeira municipalidade de São Martinho da Serra. Esta documentação carece de pesquisas mais aprofundadas e, através delas, poder-se-á acrescentar informações

  Esta evasão populacional do município muito se deve ao início da industrialização nas cidades metropolitanas brasileiras, que passaram a se inserir em um contexto de urbanização, logo nas primeiras décadas do século XX. Este fator veio a proporcionar o êxodo rural das regiões menos amparadas estruturalmente pelo Estado, regra na qual São Martinho não viria a fugir. No entanto, uma ocasião propícia na região, relacionada aos índices de natalidade e casamentos, podem ser observadas no gráfico 2:

  

Gráfico 2: Casamentos, Nascimentos e Óbitos

Óbitos (45)

  Casamentos (42) Nascimentos (196) Nascimentos (196) Óbitos (45)

  Casamentos (42) 50 100 150 200 250 Fonte: Guia Geral do Município de Santa Maria (1953, p. 304)

  No gráfico 2, o grande número de nascimentos contrasta com o pequeno número de óbitos, além de representar um número pequeno de casamentos. A necessidade de povoamento, agregado aos afazeres da

  “lida” rural, justificam o quesito elevado da natalidade, que ainda obtinha o incentivo governamental do período de presidência de Getúlio Vargas. Contudo, observa-se ainda que, apesar da grande quantidade de filhos, conforme indica a barra mais acentuada do gráfico, a quantia de casamentos não se equilibrou com a quantidade de nascimentos. Isto representa o êxodo da localidade, a partir do momento que os filhos se tornam jovens.

  Se os desacordos políticos estagnavam o avanço administrativo de São Martinho, a mesma situação não se refletia na produção agropecuária no início do século XX. A estrutura produtiva era desenvolvida pela agricultura familiar, realizada principalmente por grandes proprietários, lavradores e imigrantes europeus (que passaram a chegar à região após a segunda metade do século XIX), fazendo com que a economia agropecuária se destacasse na localidade.

  No entanto, é necessário dizer que antes da ocupação dos imigrantes e do aumento da produção econômica da região, existia uma população de estancieiros e os chamados “lavradores nacionais”, como menciona Luís Augusto Ebling Farinatti em sua dissertação:

  

Sobre as cinzas da mata virgem: lavradores nacionais na província do Rio Grande do Sul

  (1999). Estas classes estavam alocadas de maneira distinta devido as suas posses. Os estancieiros recebiam latifúndios pastoris, áreas cujo campo detinha as melhores condições para produzir gado e que apresentavam pequena densidade demográfica, pois

  “imensas extensões de terra foram apropriadas por poucos proprietários e, além disso, a atividade pecuária exigia um contingente muito menor de mão de obra do que, por exemplo, as grandes lavouras de exportação do sudeste e do nordeste brasileiro”. (FARINATTI, 1999, p. 26).

  As áreas florestais eram destinadas aos lavradores, geralmente para criação (pequena) de gado e cultivo agrário. Estas áreas de mata, por serem mais densas e difíceis de serem exploradas, sofriam com os métodos nocivos de degradação da vegetação que eram utilizados. Na maioria dos casos, estes métodos passavam por queimadas, derrubada de árvores e cortes nas encostas de rios, sempre com intuito de expandir a produtividade ou servir de pasto para o gado.

  Os grandes proprietários recebiam locais e condição diferenciada dos demais, como exemplifica o trecho a seguir:

  Muitos dos estancieiros eram antigos soldados ou aventureiros que haviam prestado serviços bélicos à Coroa Portuguesa. A região de Santa Maria continuava a ser vista como área de relativa instabilidade nos primeiros anos do século XIX, pois a ocupação portuguesa nas Missões era algo muito recente. E mais, eram comuns as agitações do outro lado da fronteira, em um época de independências, guerras internas e invasões ao lado brasileiro. A já histórica necessidade de povoar as regiões sulinas com homens capazes de defender o território e ensejar o abastecimento das tropas luso-coloniais influenciou na ocupação do território em Santa Maria, nas décadas anteriores a Independência. Muitos militares que requeriam terras no local acabavam por efetivamente recebê-las. Estas terras eram localizadas tanto em áreas de campo como em áreas florestais, embora o segundo caso deva ter sido mais frequente, já que as terras de campos estavam sendo doadas em sesmarias. (ibidem, p. 48).

  A citação acima se refere ao período inicial do século XIX e se faz oportuna ao justificar uma configuração de posse de terras que eram realizadas em Santa Maria e região. Logo a seguir, a Lei de Terras (1850) viria para dificultar “atos possessórios sobre uma área devoluta, estabelecer ali morada habitual e cultura efetiva, deixou de ser um procedimento legítimo, o que restringiu as possibilidades de acesso à terra para os mais pobres”

  (FARINATTI, 1999, p. 103). No entanto, o acesso à terra seguiu sendo, por boa parte dos que a ocupavam, através de heranças, invasões ou até mesmo através da venda das áreas florestais, nas quais os lavradores nacionais estavam destinados a ocupar.

  A tabela 1 apresenta os dados extraídos do Guia Geral do Município de Santa Maria (1953), descrevendo as dimensões das áreas ocupadas pela sua população, e nelas, quais eram as principais atividades desenvolvidas pelas famílias produtoras que viviam em São Martinho e em localidades de sua proximidade:

  

Tabela 1: Produção x Família x Hectare

Famílias que Porcentagem de localidades Hectares Produção produziam que produziam ocupados

  Pecuária 30 69% 21.823 Pecuária, trigo e milho 12 30% 2.015 Trigo, milho e alfafa 14 34% 2.008 Trigo e milho 163 88% 4.845 Trigo, milho e arroz 11 26% 788 Mandioca e milho 34 65% 1.085

  TOTAL 258 Fonte: Guia Geral do Município de Santa Maria (1953, p. 305)

Localidades: São Martinho (sede), Açude, Boqueirão, Campinas, Capão Bonito, Costa do Lajeado, Durasnal,

Estrada, Barragem, Estrada São Martinho

  • – Santo Inácio, Estrada São Martinho – Ibicui, Faxinal, Guaiaval,

    Guassupi, Negrinhos, Pedreiras, Ponte 12 de Maio, Quilombo, Rincão dos Albinos, Rincão dos Bragas, Rincão dos

    Coelhos, Rincão dos Pires, Rincão dos Salvianos, Rincão dos Trindades, Santo Inácio e Taimbé (num total de 26).

  A amostragem da tabela 1 representa os principais cultivos realizados nos maiores espaços destinados para tal fim. Apesar de conter uma quantia significativamente alta de famílias produtoras, nota-se que a principal atividade econômica estava voltada para a pecuária. Neste sentido, a ocupação territorial aponta para: poucas famílias = mais hectares = maior ocupação da pecuária. Sendo assim, mesmo com boa parcela de área destinada para arroz, cevada, feijão, apicultura e aveia; estavam presentes em uma quantidade muito superior de hectares a pecuária, o trigo, o milho, a mandioca e a alfafa.

  Outras informações importantes a serem retiradas da tabela 1 são relativas a produção das famílias nestas localidades, pois representam um caráter “misto”. Isso significa que o lavrador possuía seu rebanho, mas, juntamente a ele, desenvolvia a agricultura. Esta estrutura mista de produção era aplicada no século XIX pelos lavradores que habitavam o Rio Grande do Sul, conforme abordada Helen Osório, em sua tese Estancieiros que plantam, lavradores

  

que criam e comerciantes que charqueiam: Rio Grande de São Pedro, 1760-1825 (1999). O

  trecho a seguir, reforça o caráter agropastoril rio-grandense:

  Estamos frente, portanto a um produtor rural que é simultaneamente um agricultor e um pastor, que alimentava seu grupo familiar com sua produção de trigo, milho, feijão ou farinha de mandioca, carne e leite de seu pequeno rebanho e que possivelmente comercializasse algum excedente alimentar, alguma vaca ou alguns couros (OSÓRIO, 1999, p. 81).

  Apesar de Osório limitar seu trabalho em um período anterior aos dados apresentados na tabela 1, as formas de produtividade não se desconectam, mesmo ocorrendo um grande interstício de tempo. Neste sentido, devem-se levar em consideração as dificuldades estruturais e de acessibilidade ao município de São Martinho, anteriormente mencionadas, circunstâncias que ratificam a utilização antiquada da terra em um período que começam a avançar as monoculturas no Rio Grande do Sul.

5 CONSIDERAđỏES FINAIS

  Por meio deste trabalho, foi possível perceber as transformações ocorridas na localidade de São Martinho da Serra, iniciadas por volta do ano de 1876, ano de sua criação, até meados da década de 1940. Neste período, se evidenciam as variações econômicas e sociais mais importantes do município. Para se analisar as circunstâncias destes acontecimentos foram necessárias leituras que possibilitaram uma melhor abrangência do assunto, buscando na contextualização histórica os antecedentes da formação da região central do estado do Rio Grande do Sul, no qual São Martinho da Serra estava inserido. Neste sentido, os mapas históricos auxiliaram na identificação do avanço do Império Português (mapa 1, p. 15) e na visualização da posição geográfica que município martinhense se encontrava no anos iniciais da formação do estado rio-grandense (mapa 2, p. 17).

  Através das leituras realizadas, pode-se especificar os fatores que levaram a decadência do município. Nestas leituras, notou-se que, o primeiro sintoma de enfraquecimento econômico da região, foi sentido com a construção da estrada chamada “Picada do Pinhal”. Ela encurtava o trajeto de Santa Maria e Cruz Alta, desfazendo a obrigatoriedade da passagem dos comerciantes por São Martinho. O mapa 3 (p. 19) faz uma clara representação deste desvio.

  Deve-se ressaltar que, às mudanças de pertencimento territorial aliada a ausência de pesquisas aprofundadas justificam a escassez de documentos pertencentes à região neste período. Pesquisas no Arquivo Histórico Municipal de Santa Maria e na Casa de Memória Raimundo Cardozo, trouxeram colaborações importantes na obtenção de subsídios econômicos e sociais do período estudado. Os dados encontrados nestas pesquisas, apresentadas na forma de gráficos (p. 28 e 29) e tabela (p. 31), refletem o enfraquecimento populacional, mas uma produção agropecuária forte que resistiu ao pouco contingente de mão de obra. A criação pecuária era a que dispunha dos maiores espaços territoriais, destacando-se das demais atividades produtivas. No entanto, à produção do trigo, do milho e da mandioca representam também uma grande parcela dos hectares de cultivo das famílias.

  A monografia de PAIM contribui no entendimento dos processos de declínio do município, transcrevendo as finanças do município, apresentadas no jornal Martinhense de 1898, que contém as diminuições dos gastos públicos municipais e quais eram o seus destinos. Porém nenhuma contextualização destes dados foi feita, além de desconsiderar a presença indígena e de sua cultura na construção histórica da fronteira ali estabelecida. Gündel e Freitas extinção do município. No entanto, responsabilizam como principal motivo desta extinção, as discórdias políticas internas, sem avaliar as condições viáveis que a região dispunha na manutenção administrativa de sua sede ou, então, ainda ao desconsiderar como se apresentava a população no aspecto de desenvolvimento socioeconômico.

  Neste sentido, estudos a serem realizados daqui para frente, podem trazer comparações relevantes a dados estruturais encontrado em São Martinho ao se relacionar com outros locais de sua proximidade. Com intuito de observar qual região apresentou evolução nos quesitos estruturais básicos, a Quarta Colônia apresenta-se como uma região de exemplo comparativo interessante, devido à contemporaneidade ao período de recebimento de imigrantes e a prosperidade que demonstrada ao longo do século XX.

  Dados atuais, como o do Censo Demográfico do IBGE, dão conta de cerca de 2.600 habitantes em 1990 e um aumento para 3.246 habitantes no ano de 2000. Apesar de ocorrer um crescimento populacional nestes dez anos, tal fato ainda é muito tímido se comparado a outras localidades do Rio Grande do Sul. Agregado a extinção do município, fatores como a industrialização metropolitana, a necessidade de infraestrutura, a falta de perspectiva de trabalho ou os aprofundamentos escolares da população, fazem estagnar estes índices e reduzir a permanência dos mais jovens.

  No entanto, passados 102 anos, sua população nunca deixou de pleitear sua independência política e administrativa. Tais reivindicações martinhenses foram atendidas e, pela segunda vez, conseguiu emancipação no ano de 1992. Em lembrança a esta data, pode-se destacar uma comemoração aos 19 anos da remunicipalização de São Martinho, realizada na 12ª Cavalgada de Integração dos Distritos de Santa Maria, no mês de maio deste ano, pela 13ª Região Tradicionalista (13ª RT), descrita no folder da imagem número 3 (p. 35). O evento tradicional divulgado e realizado pela 13ª RT, que tem como sede Santa Maria, é composto pelas cidades de Agudo, Dilermando de Aguiar, Dona Francisca, Faxinal do Soturno, Paraíso do Sul, Restinga Seca, Santa Maria, São João do Polesine, São Martinho da Serra, São Pedro do Sul, São Sepé, Silveira Martins, Vila Nova do Sul, Formigueiro, Itaára, Ivorá e Nova Palma.

  Estas cidades, ao longo de suas formações, compactuaram com ocasiões no mínimo semelhantes. Tais manifestações culturais, que além de serem tradicionais da região central do Rio Grande do Sul, também favorecem a integração de uma região que ao seguir a trilha de seus tropeiros resgata, muitas vezes sem consciência do seu significado, o passado histórico de tudo que representou a Primeira República para o estado rio-grandense.

  

ANEXOS

  IMAGEM Nº1: foto que ilustra as condições de trafego, em dias secos, na ERS-516. Fonte: Jornal A razão online, site: arazao.com.br, acessado em 26 de janeiro de 2012.

  

IMAGEM Nº 2: Moradores e autoridades se reuniram na localidade de Água Negra, limite

  entre os municípios de Santa Maria e São Martinho da Serra, obstruindo o tráfego em um protesto para pedir a pavimentação da estrada.

  

Fonte: Diário de Santa Maria online, site:

acessado em 26 de janeiro de 2012.

  Folder representativo da 12ª Cavalgada de Integração dos Distritos de Santa Maria.

  IMAGEM Nº 3: Fonte: 13ª Região Tradicionalista

  

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  BELTRÃO, Romeu. Cronologia Histórica de Santa Maria e do Extinto Município de São Martinho. Santa Maria, RS: Pallotti, 1979. 2ª ed.

  GÜNDEL, Paulo Roberto do Amaral e FREITAS, Roseli. Razões da decadência da Vila de

  • São Martinho. Santa Maria, RS. Monografia (Especialização em História do Brasil) Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras “Imaculada Conceição”, 1993.

  PAIM, Ineti de Andrade. São Martinho: ascensão e queda de um município. Santa Maria, RS. Monografia (Especialização em História Administrativa e Social do Brasil)

  • – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras “Imaculada Conceição”, 1980. RONSINI, Veneza Mayora. Entre a Capela e a Caixa de Abelhas: identidade cultural de cringos e gaúchos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. RODRIGUEZ, Ricardo Vélez. Castilhismo: uma filosofia da República. Caxias do Sul, RS: Ed. da UCS, 1980. ROCHA, Prudêncio. A História de Cruz Alta.Cruz Alta: [s.n],1980.2ª ed. RIBEIRO, José Iran. Tão Longe, Tão Perto: o povo de Santa Maria e as situações de

  

guerra na primeira metade do século XIX. in: WEBER, Beatriz Teixeira e RIBEIRO, José

Iran (Org). Nova história de Santa Maria: contribuições recentes. Santa Maria, RS: Ed.

  Pallotti, 2010. SANTOS, Júlio Ricardo Quevedo dos. As origens missioneiras de Santa Maria. in: WEBER, Beatriz Teixeira e RIBEIRO, José Iran (Org). Nova história de Santa Maria: contribuições recentes. Santa Maria, RS: Ed. Pallotti, 2010.

  BELÉM, João. História do Município de Santa Maria (1797-1933). Santa Maria, RS: Ed. da UFSM, 1989.

  GRIJÓ, Luiz Alberto; KUHN, Fábio e GUAZZELLI, César Augusto Barcellos (Org).

  Capítulos de História do Rio Grande do Sul.Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2004.

  FLÔRES, João Rodolpho Amaral. Fragmentos da História Ferroviária Brasileira. Santa Maria: Editora Pallotti, 2007.

  SOUSA, Octávio Tarquínio. Colecção documentos brasileiros. Vol. 19, Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1939. KERN, Arno Alvarez. Missões: uma utopia política. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982. PESAVENTO, Sandra Jatahy. Revolução Federalista: a memória revisitada. In: POSSAMAI, Z. (org.). Revolução Federalista de 1893. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Cultura, 1993.

  Revista Trimestral de Historia e Geographia ou Jornal do Instituto Historico e Geographico Brasileiro n. 17. Memoria da Tomadia dos Sete Povos de Missões da América de Hespanha. Rio de Janeiro, 1863. 2ª ed.

  FARINATTI, Luís Augusto Ebling. Sobre as cinzas da mata virtem: lavradores nacionais

  

na Província do Rio Grande do Sul (Santa Maria, 1845-1880). Dissertação (Mestrado em

  História do Brasil). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

  • – PUC-RS. Porto Alegre, 1999. GOLIN, Tau. A Fronteira: governos e movimentos espontâneos na fixação dos limites do Brasil com o Uruguai e a Argentina. Porto Alegre: L&M Editores, 2002.

Novo documento

Tags

Documento similar

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NA BIBLIOTECA SÃO JERÔNIMO DO INSTITUTO SEMINÁRIO MAIOR DIOCESANO SÃO JOSÉ NO MUNICÍPIO DE CRATO: relato de Experiência
0
0
10
A PRODUÇÃO ARTESANAL DE ARTIGOS EM COURO: ASPECTOS SOCIAIS E ECONÔMICOS NA PERSPECTIVA DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL NA REGIÃO DO CARIRI CEARENSE FORTALEZA
1
5
131
GÊNESE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NA REGIÃO DO CONTESTADO (SC)
0
0
16
TENDÊNCIAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO (1972-2004)
0
2
177
DISSERTAÇÃO A PERCEPÇÃO DA COMUNIDADE DO MUNICÍPIO DE MARIANAMG EM RELAÇÃO ÀS AÇÕES SOCIAIS E AMBIENTAIS DAS EMPRESAS MINERADORAS QUE ATUAM NA REGIÃO
0
0
110
A MISSÃO GRACE E A ESTRUTURA DA LITOSFERA NA REGIÃO DO CRÁTON SÃO FRANCISCO
0
0
198
ETIOLOGIA DAS INFECÇÕES FÚNGICAS VAGINAIS NA REGIÃO DE LUBANGO-HUÍLA E A RESISTÊNCIA AOS FÁRMACOS ANTIFÚNGICOS
0
5
149
PTERIDÓFITAS DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL: DENNSTAEDTIACEAE
0
0
9
ANÁLISE DA INSERÇÃO DO ENFERMEIRO NOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOSSP
0
0
94
AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA TECNOLOGIA TRIO DA PRODUTIVIDADE NA CULTURA DA MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE MOJU
0
0
128
DETERMINAÇÃO DA CONDUTIBILIDADE HIDRÁULICA “IN SITU” DOS SOLOS DA REGIÃO DO MUNICÍPIO DE SINOP-MT
0
0
31
A EVOLUÇÃO DO AMBIENTALISMO E SEUS REFLEXOS NA FLORICULTURA
0
0
15
ESTUDO COMPARATIVO DE BALANÇOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E DOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DO GRANDE ABC ENTRE OS ANOS DE 2007 E 2008
0
0
88
VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DO TRIGO DUPLO PROPÓSITO NA REGIÃO DO DISTRITO FEDERAL
0
0
185
TERRORISMO NA REGIÃO DO SAHEL
0
0
35
Show more