RETOMANDO A AULA ANTERIOR

Livre

0
1
33
9 months ago
Preview
Full text

  CURSO : ADMINISTRAđấO /UNAES/2016 PROCESSOS LOGÍSTICOS AULAS 2.2 / 2.3.

  TRANSPORTES E ARMAZENAGEM PROF.ADM.MSC.ANTONINO SALVATIERRA SISTEMA INOVADOR DA KROTON Com objetivo de atender aos novos desafios da Educação Superior, a Kroton desenvolveu um sistema de ensino inovador, que está pautado em três grandes alicerces:

  a) promoção da empregabilidade dos alunos;

  b) foco em qualidade e inovação e; c) oferta em escala.

AULAS INVERTIDAS

  São três tempos didático:

  a) Pré-aula;

  b) Aula e; c) Pós-aula. Pensados para promover interação, aprendizado coletivo e uso dos saberes (saber, fazer, ser e conviver) por meio da problematização e da imersão em situações concretas da realidade profissional. 2

  3 RETOMANDO A AULA ANTERIOR Empurra-se a produção até o depósito – VENDER e VENDER Expectativa que o Mercado Compre BAIXA COMPETITIVIDADE

  Puxar a produção com alinhamento a demanda. O MERCADO ESTA PEDINDO O PRODUTO Just in time ALTA COMPETITIVIDADE

  Existem dois tipos de inventario O Inventário Geral ou Periódico (anual), e o

  Inventário Rotativo(qualquer momento) EM QQ SISTEMA UTILLIZA-SE Acurácia dos Controles

  • Determina a relação entre o número de itens ou valores corretos e a quantidade ou valor total de itens apurados no inventário.

  Acurácia = NumItensCorretos / NumTotalItens Acurácia = VlrItensCorretos / VlrTotalItens

  6

  Acurácia dos Controles Classes Itens % Itens Total de Itens Itens com Acurácia Contados Contados Corretos Diverg. A 4.910 29,03% 4.642 268 0,9454 B 9.125 53,95% 8.687 438 0,9520 C 2.880 17,02% 2.825 16.915 55 0,9809 Quando é mais de um tipo de produtos faz-se a Acurácia do Controle = (%Itens Contados X Acurácia) + (%Itens Contados X Acurácia) +(%Itens Contados X Acurácia) Acurácia da seguinte forma: Soma-se os % de cada produto

  Solução: (0,2903 x 0,9454) + (0,5395 x 0,9520) + (0,1702 x 0,9809) 7 Acurácia do Controle: 95,50 %

  Nível de Serviço

  Indica a capacidade de atendimento das solicitações feitas pelos usuário do estoque. Nível de Serviço = NumReqAtendidas / NumReqEfetuadas

  Exemplo: Número de Requisições em três meses de 3.100 requisições (com média de 1,45 itens por requisição), foram Atendidas 4.400 itens. Qual o nível de atendimento do almoxarifado?

  Solução: Nr Requis X Médias de Itens por Requis. 3.100X1,45 = 4.495 Nível de Serviço = 4.400 / 4495 => 97,88%. 8

  Giro de Estoques

  Mede quantas vezes, por unidade de tempo, o estoque se renovou ou girou.

  Giro de Estoques = (VlrConsPeriodo / VlrEstMedioPeriodo) Exemplo: Em seis meses foram registradas R$ 1.667.037,59 de saídas e o estoque médio é de R$ 96.099,53.

  Solução: Giro de Estoque = 1.667.039,29 / 96.099,53 => 17,34 vezes 9 Cobertura de Estoques

  Indica o número de unidades de tempo (dias) que o estoque médio será suficiente para cobrir a demanda média.

  Cobertura = NumDiasPeriodo / Giro Exemplo (Anterior): Número de dias = 6 meses x 30 = 180 dias Giro: 17,34

  Solução: Cobertura = 180 / 17,34 = 10,38 dias 10

  Vamos “mergulhar” SITUAđấO DA REALIDADE PROFISSIONAL (SR):

  11 AULA 2.2: TRANSPORTES E ARMAZENAGEM

  12 ISSO LÁ EM 2.005?

  “...O Brasil não pode mais esperar. A concorrência nos dias de hoje não vem apenas dos países asiáticos, mas também do Leste Europeu, que está entrando com tudo no mercado mundial. Se o Brasil não fizer suas reformas rapidamente, corre o risco de ficar para trás

  ”. Economista indiano: Vinod Thomas

  Autor do livro “O BRASIL VISTO POR DENTRO”

  2005 Para Inicio de Conversa.

  Tipos de Modais Ferroviário;

  • Rodoviário; Marítimo;

  

  • Fluvial; Dutoviário

  

  • Aéreo;

  15 15 O mais utilizado no território nacional, responsável por,

  aproximadamente, 62% da distribuição de insumos e produtos industrializados em todo o território nacional. Em contrapartida, algumas rodovias ainda apresentam péssimo estado de conservação, fato este que aumenta os custos logísticos.

  Outro ponto a ser destacado é o quesito de roubo de carga, pois, de acordo com a Federação Nacional dos Seguros Gerais (Fenseg), o roubo de cargas no estado de São Paulo, por onde circulam 53% das cargas transportadas no país, cresceu 23% no primeiro semestre do ano de 2015. Por ser um modal com maior velocidade e com planejamento de rota flexível é aconselhável para o transporte a curta distância de produtos acabados, com alto valor agregado.

  O transporte rodoviário

  Em 2014 a Confederação Nacional do Transporte (CNT) apontou que 62,1% das principais rodovias do país apresentam problemas. A pesquisa avaliou 98.475 quilômetros (48,4% de todas as vias asfaltadas no Brasil) de estradas federais e estaduais, sob administração pública ou concessão (setor privado).

  O estudo identificou que há uma diferença substancial entre as rodovias que estão sob os cuidados do governo federal e as que estão sob os cuidados do setor privado, pois, nas vias sob concessão, os resultados indicaram que 48% são consideradas ótimas, 38,9% boas, 12% regulares e apenas 1,1% considera as vias sob concessão ruins. Já nas rodovias sob a gestão pública (federal ou estadual), somente 5,6% foram consideradas ótimas, 28,2% boas, 34,25% regulares, 21,5% ruins e os que consideram as vias péssimas chegam a 10,5%.

  O transporte rodoviário

  Vantagens e desvantagens do modal Rodoviário Vantagens Desvantagens Acessibilidade, pois conseguem chegar Maior investimento do governo na em quase todos os lugares do território infraestrutura das rodovias se comparada brasileiro. aos outros modais. Flexibilidade em organizar a rota. Alto custo de frete, por causa do impacto direto que pedágios e alto valor do

combustível geram.

Facilidade para contratar ou organizar o Maiores chances de a carga ser transporte. extraviada, por causa de roubos e acidentes. Maior possibilidade de controle no tempo Muito poluente, com forte impacto de entrega confiável. ambiental. Integra todos os estados brasileiros. Baixa capacidade de carga com limitação

de volume e peso.

17 Vantagens e desvantagens do modal Ferroviário

  Vantagens Desvantagens

  Baixo custo, porque tem baixa Baixa velocidade em que os trens incidência de taxas e utiliza trafegam nas vias férreas. combustíveis mais baratos. Grande capacidade de carga. Rotas fixas e inalteráveis. Menor risco de acidentes e maior Necessita de outros modais para segurança no transporte da carga. finalizar o processo de transporte. Fluvial ou Hidroviário Utilizando as hidrovias e rios navegáveis. Modal aquaviário AQUAVIÁRIO Lacustre Transporte que se dá através de lagos. Cabotagem Navegação entre portos de um mesmo país ou Longa Distância Transporte no mar entre diferentes países e/ou continentes.

  Marítimo a distâncias pequenas, dentro das águas

costeiras.

18

  Modal Dutoviário Oleoduto Transporte de produtos líquidos, exemplo: gasolina, álcool, Dutoviário nafta, GLP, diesel. Gasodutos Transporte de produtos líquidos, exemplo: gás natural. O Minerodutos Transporte de produtos sólidos, exemplo: sal-gema(Cloreto de

Sódio, Potássio, Magnésio); ferro; concentração fosfático.

maiores do mundo. Gasoduto Brasil-Bolívia (3.150 km de extensão) é um dos O transporte aéreo tem tido uma demanda crescente de usuários no segmento de cargas vezes e quatorze vezes o do ferroviário. com serviço regular, mesmo o seu frete ultrapassando o valor do rodoviário mais de três Modal Aéreo entretanto, à medida que aeronaves maiores entram em serviço. O transporte aéreo é porões e pela capacidade de carga dos aviões. Estas restrições vão sendo amenizadas, A capacidade do transporte aéreo foi sempre limitada pelas dimensões físicas dos longas distâncias. A vantagem do modal aéreo está em sua velocidade sem paralelo, principalmente para vantajoso em termos de perdas e danos (BALLOU, 2007).

  19 1. Em relação aos modais de transporte utilizados, associe as duas colunas, relacionando o elemento à sua definição. QUESTIONÁRIO 2.1 5. Dutoviário. 4. Aéreo. 3. Aquaviário. 2. Ferroviário .

  1. Rodoviário. ( 4 ) Menor tempo de rota em grandes distâncias. ( 3) Lentidão (impacta no tempo de entrega). ( 1 ) Capilaridade (entrega porta a porta). ( 2) Deslocamento de grandes tonelagens de produtos homogêneos em distancias ( 5 ) Baixa flexibilidade de mudança de rota. médias e longas. e) A sequência correta é 1, 3, 4, 2 e 5. d) A sequência correta é 3, 1, 4, 5 e 2; c) A sequência correta é 1, 4, 3, 5 e 2; b) A sequência correta é 2, 3, 4, 5 e 1;

  a) A sequência correta é 1, 3, 4, 5 e 2 .

  2.

  2. Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que, em 2004, o Brasil gastou 17% de seu Produto Interno Bruto (PIB) com custos de logística (transporte e armazenagem de produtos). Indique a alternativa que aponta a influência das estruturas de transporte brasileiras nos altos custos de logística do país.

  a) Falta de investimentos nos portos brasileiros, que obriga empresários a escoar seus produtos principalmente por meio de aviões.

  b) Pequena malha ferroviária, que obriga produtores a optar pelo transporte rodoviário, mais caro do que o transporte sobre trilhos.

  c) Falta de mapeamento de rios, que faz com que cargas se percam devido a acidentes com barcos.

  d) Diminuição do número de voos de companhias aéreas brasileiras, levando produtores a recorrer a empresas estrangeiras.

  e) Falta de investimentos nos aeroportos brasileiros, que obriga empresários a escoar seus produtos, principalmente, por meio de ferrovias. 21

  3. Os modais de transporte podem ser classificados por diversas características operacionais, entre as quais a capacidade, velocidade, disponibilidade, confiabilidade e frequência. Em qual destas características o modal aquaviário apresenta uma melhor performance que os outros modais? a) Capacidade.

  b) Velocidade.

  c) Disponibilidade.

  d) Confiabilidade.

  e) Frequência.

  22

  Modais de Transporte

  representa o elemento mais visível e importante do custo logístico na maior parte das empresas.

  • A atividade de transporte

  cerca de 60% do gasto logístico .

  • O frete costuma absorver

  aproximando fornecedores e clientes geograficamente isolados e assim tornando-se um redutor de custos da cadeia de abastecimento.

  • Integra o sistema logístico,

  Quando a unidade de carga é transportada diretamente, utilizando um único veículo, em uma única modalidade de transporte e com apenas um contrato de transporte.

  É a forma mais simples de transporte.

  Unimodal

  Sucessivo: Quando, para alcançar o destino final, a unidade de carga necessita ser transportada da mesma modalidade por um ou mais veículos de transporte, abrangidos por um ou mais contratos de transporte.

  Segmentado: Quando se utilizam veículos diferentes, de duas ou mais modalidades de transporte, em vários estágios, sendo todos os serviços contratados separadamente a diferentes transportadores , que terão a seu cargo a condução da unidade de carga do ponto de expedição até o destino final.

  Qualquer atraso pode significar a perda do transporte nos demais modais , gerando frete morto (pagar por ter reservado espaço, mesmo sem realizar o transporte).

  Multimodalidade

  operação integrada , atribuída ao operados de transporte multimodal (OTM) ou transitário de cargas, envolvendo mais de uma forma de transporte durante uma mesma viagem.

  • É uma

  Incluída em um só conhecimento (bilhete) .

  • Toda a Viagem

  operador é responsável por toda a operação , assumindo todos os riscos desde a origem até seu destino final.

  • O
  • É a integração logística perfeita de todos os modais.

  Art. 2º. Da lei 9.611 de 19/2/1998 Transporte Multimodal de Cargas é aquele que, regido por um único contrato, utiliza duas ou mais modalidades de transporte, desde a origem até o destino, e é executado sob a responsabilidade única de um Operador de Transporte Multimodal.

  Multimodalidade Transporte Multimodal de Cargas compreende, além do transporte em si, os serviços de: coleta, unitização, desunitização, movimentação, armazenagem e entrega de carga ao destinatário

  Para que o transporte seja considerado como multimodal, é necessário: Ser realizado, pelo menos, por dois modos de transporte; Haver um único responsável perante o dono da carga (OTM); Haver um único contrato de transporte entre o Transportador e o dono da mercadoria; Existir um conhecimento único (Multimodal Bill of Ladding), válido para todo o percurso; Uso de cargas unitizadas indivisíveis; Inspeções fiscais apenas na origem e no destino.

CONTRATO DE TRANSPORTE MULTIMODAL

  Acordo de vontades através do qual um Operador de Transporte Multimodal se compromete, contra o pagamento de um frete, a executar ou a fazer executar o transporte multimodal internacional de mercadorias.

CONHECIMENTO DE TRANSPORTE MULTIMODAL

  Documento que comprova a celebração de um contrato de Transporte Multimodal e prova que o OTM recebeu as mercadorias sob sua custódia tal como descrito nesse contrato, comprometendo-se a entrega-las conforme suas cláusulas.

  O OPERADOR DE TRANSPORTE MULTIMODAL é a pessoa jurídica contratada

  OTM- como

para a realização do Transporte

principal Multimodal de Cargas da origem até o destino, por meios próprios ou por intermédio de terceiros .

  O Operador de Transporte Multimodal poderá ser transportador ou não transportador, não sendo, portanto, necessário que tenha frota própria.

VANTAGENS DO MULTIMODAL

  • Contratos de compra e venda mais adequados;
  • Melhor utilização da capacidade disponível da matriz de

  transporte;

  • Utilização de combinações de modais mais eficientes

  energeticamente;

  • Melhor utilização das tecnologias de informação;
  • Ganhos de escala e negociações do transporte;
  • Melhor

  utilização da infra-estrutura para as atividades de apoio , tais como armazenagem e manuseio;

  • Aproveitamento da

  experiência internacional tanto do transporte como dos procedimentos burocráticos e comerciais; Redução dos custos indiretos. RESPONSABILIDADES

  • A responsabilidade pelo Transporte Multimodal cobre o período compreendido entre o momento em que recebe as mercadorias sob custódia até a entrega ao destinatário, obrigando-se a executar todos os atos necessários para que as mercadorias sejam efetivamente entregues:
  •   pelas perdas e danos ocorridos às mercadorias, bem como por atrasos em sua entrega, se o

    • O OTM será responsável

      motivo que originou tal perda, danos ou atrasos se deu enquanto as mercadorias estavam sob sua custódia.

      pelos prejuízos resultantes do atraso na entrega, se o expedidor tiver feito uma de claração de opção pela entrega em prazo determinado, devidamente aceita pelo OTM.

    • O OTM só será responsável

      RESPONSABILIDADE DO EMBARCADOR garanta ao

    • Considera-se que o embarcador , no momento em que ele toma as

      OTM mercadorias sob sua custódia, a exatidão de todos os dados relativos à natureza geral

      , suas marcas, números, peso, das mercadorias volume e quantidade e se procedente, o seu caráter perigoso, dados estes fornecidos por ele próprio ou outra pessoa que atue em seu nome, para inclusão no Documento ou

      . conhecimento de Transporte Multimodal Intermodalidade Utilização seqüencial de duas ou mais formas de transporte para completar um movimento coordenado de mercadorias e pessoas de uma origem a um destino final recorrendo em cada um deles a um conhecimento (bilhete) diferente .

      Intermodalidade

    um serviço e não uma tecnologia

    • Representa

      movimento de bens em um e na mesma

    • É o

      unidade de carga ou veículos que usa sucessivamente vários modais de transporte sem manuseio dos próprios bens na troca de modais . CENÁRIO DESEJADO

    • Infra-estrutura capacitada para atender à demanda interna e ao crescimento do comércio exterior.
    • Corredores multimodais.
    • Utilização otimizada dos modos ferroviário e aquaviário.
    • Portos eficientes e com infra-estrutura adequada Interligação viária com os países limítrofes.

    ENTRAVES DE INFRA-ESTRUTURA

       Falta coordenação entre modais -> eliminação de custos de estadia e demoras no transbordo;  Excessiva regulamentação interrompe os fluxos das mercadorias provocando demoras na logística;  Modal Rodo-Ferroviário -> fluxos de exportação prevalecem sobre os fluxos internos;  Conflitos entre legislações federal, estadual e municipal impedem implantação de novos emprendimentos.

    VIDEO INTERMODALIDADE

      

      Armazenagem e os Elementos;

      

      Localização de Instalações; Automação na armazenagem. Prof.Adm.MSc.Antonino Salvatierra

      ARMAZENAGEM A armazenagem se define como: [...] denominação genérica e ampla, que inclui todas as atividades de um ponto destinado à guarda temporária e a distribuição de materiais (depósitos, centros de distribuição etc.). E estocagem como uma das atividades do fluxo de materiais no armazém e ponto destinado à locação estática dos materiais. Dentro de um armazém, podem existir vários pontos de estocagem (MOURA, 1997). LOGÍSTICA e TÉCNICA ARMAZENAGEM

      É a atividade que compreende o planejamento, coordenação,

      controle e desenvolvimento das operações destinadas a abrigar, manter adequadamente estocado e em condições de uso , bem

      como expedir no momento oportuno os materiais necessários à empresa.

      Objetivos da Armazenagem:

    • Maximizar o uso dos espaços;
    • Facilitar o acesso aos itens do Depósito;
    • Proteger e abrigar os materi>Facilitar a movimentação interna do Depósito;
    • Maximizar a utilização de mão - de - obra e equipamentos.

      ARMAZENAGEM LOGÍSTICA e TÉCINCA

      VANTAGENS

    • Diminui os Custos com Transportes;
    • Aproxima a empresa de seus clientes e fornecedores;
    • Agiliza o processo de entrega; •Compensa defasagens de produção. DESVANTAGENS
    • Imobilização de capital;
    • Envelhecimento das mercadorias;
    • Aumento dos Custos com movimentação;
    • Necessidade de mais controles e gerenciamento;

      ARMAZENAGEM LOGÍSTICA e TÉCINCA

      Tipos : De acordo com a propriedade:

    • Próprios;
    • Alugados; •Terceirizados. Tipo de produto armazenado:
    • Armazém de commodities: Madeira, algodão, tabaco e cereais;
    • Armazém para granel: Produtos líquidos, petróleo, xaropes, etc;
    • Armazéns frigorificados: Produtos perecíveis, frutas, comida congelada, etc;
    • Armazéns para utilidades domésticas e mobiliário: Produtos domésticos e mobiliário; •Armazéns de mercadorias em geral: Produtos diversos.

      ARMAZENAGEM

      Definição do Layout do Armazém:

      Um bom Layout aumenta o grau de acessibilidade ao material, facilita o fluxo de materiais, diminuem os locais de áreas obstruídas, aumenta a eficiência da mão-de-obra, a segurança do pessoal e do armazém.

      a) Definir a localização de todos os obstáculos;

      b) Localizar as áreas de recebimento e expedição;

      c) Localizar as áreas primárias e secundárias de separação de pedidos e estocagem; d) Definir o sistema de localização do estoque;

      Definição do Layout do Armazém:

      Caracterização das Áreas de Instalações:

    • Área da Administração:
    • Área de Movimentação ou Serviço;
    • Área de Estocagem;
    • Área de Circulação Principal;
    • Área de Circulação Secundária;
    • Corredores de Acesso;
    • Área de Segurança;

    MODELO NOVOS DE ARMAZEM

      A armazenagem tem passado por profundas transformações nos últimos anos.

      Essas mudanças se refletem na adoção de novos sistemas de informação aplicados à gestão da armazenagem, em sistemas automáticos de movimentação e separação de produtos e até mesmo na revisão do conceito do armazém como uma instalação com a principal finalidade de estocar produtos (FLEURY et al., 2000).

      MODELO NOVOS DE ARMAZEM As estratégias no processo de armazenagem mais utilizadas, a fim de atingir os objetivos logísticos, segundo Rago (2002), são: Verticalização; Gestão dos estoques; Automatização e Automação na armazenagem;e Endereçamento móvel.

      Como Endereçar seu Armazém

      A forma como as aplica-se, de forma

      cidades identificam as moradias

      análoga, aos endereços dentro de um armaz ém : ruas, números de casas e edifícios, andares e números de apartamentos são perfeitos para identificar corredores (ruas), módulos (edifícios), nível (andar) e vão EVITAR! (apartamento).

      Um princípio importante no conceito de endereçamento de armazéns é evitar o uso de letras . Estas , e não fazem uma referência direta de

      são limitadas confusas localização em nossa mente. Por exemplo , se uma pessoa estiver na rua 4 e precisar direcionar-se até

      a rua 14, imediatamente ela sabe que precisará deslocar-se dez ruas. Mas, se estiver na rua “D” e precisar ir até a rua “O”, quantas ruas terá de deslocar-se? O cálculo fica muito mais demorado.

      Como Endereçar seu Armazém Uso do código de barras permita 1) Área: com o objetivo de ter uma metodologia que o crescimento do armazém , é interessante alocarmos códigos para diferentes áreas de armazenagem, como estruturas portapalete, áreas de blocado interna e externa, assim por diante.

      Preste Atenção! Dessa forma, fica fácil, por exemplo , alugar o galpão seguinte e continuar a numeração dos corredores na seqüência, sem ser necessário renumerar as ruas de outros locais.

      Como Endereçar seu Armazém STOP Uso do código de barras 2) Corredor: refere-se às ruas do centro de distribuição .

      Cada corredor deve ter um único número que o identifique dentro daquela mesma área. Considere utilizar nova sequência para os corredores de locais diferentes de trabalho, como explicado acima.

      Preste Atenção!

      Nas estruturas portapalete, identifique os corredores e não cada lado individualmente . No geral, assinalamos , iniciando por 01,

      números de forma ascendente começando de um lado do galpão e terminando do outro.

      O usual é que os corredores sejam dispostos de forma alinhada às docas.

      Como Endereçar seu Armazém Uso do código de barras

      3) Módulo: conjunto de espaços de chamamos de “módulo” o armazenagem compreendidos entre duas colunas da estrutura porta- palete. Os módulos também , pois de forma

      são chamados de prédios

      análoga ao endereçamento de uma cidade, cada rua (corredor) tem prédios (módulos) dos dois lados.

      Preste Atenção!

      Comece a numerar sempre pelo lado das docas , de forma a dar uma boa idéia espacial às pessoas, uma vez que o primeiro prédio de uma rua estará situado do lado próximo às docas.

      Como Endereçar seu Armazém Uso do código de barras 4) Nível: corresponde aos andares de um prédio (módulo).

      Comece assinalando o para o nível mais baixo e continue de

      número 01 modo ascendente até o nível mais alto.

      5) Vão: o espaço em cada nível de um módulo é dividido em posições de armazenamento, posição porta-palete, posição de palete ou também conhecido por “vão”. Na analogia do endereçamento das cidades, uma posição porta-palete corresponde a um apartamento de um andar em um prédio da rua.

      Preste Atenção!

      Em cada nível, assinale números para cada posição de forma ascendente, a começar por 01 da esquerda para a direita. Normalmente, existem duas posições porta-palete em cada nível, numeradas como 01 e 02.

    COMO FUNCIONA NA PRATICA

       Maquete ilustrativa de estrutura porta-palete ENDEREÇADA

      EXEMPLO

      64 Dividir em grupos: Leitura e resolução de situações relacionadas ao conteúdo.

      65 Se você quiser mais algum esclarecimento ou ajuda, não deixe de fazer contato! FUI...

      Adm.antoninosalvatierra@gmail.com

Novo documento

Tags

Documento similar

A Comparative Analysis of BaTiO
0
0
5
A new computational tool for the follow up of mechanized excavation of tunnels: the case study of the subway line 5-LILAC in São Paulo, Brazil
0
0
9
A fuzzy logic-based expert system for substrate selection for soil construction in land reclamation
0
0
7
A CONJUGAÇÃO DE VERBOS IRREGULARES POR CRIANÇAS FALANTES NATIVAS DE PORTUGUÊS BRASILEIRO: UM ESTUDO SOB O VIÉS DA FONOLOGIA E MORFOLOGIA LEXICAL
0
0
22
CONJUGATION OF IRREGULAR VERBS BY NATIVE BRAZILIAN PORTUGUESE SPEAKING CHILDREN: A STUDY IN THE LIGHT OF LEXICAL PHONOLOGY AND MORPHOLOGY
0
1
22
A AQUISIÇÃO DAS VOGAIS PRETÔNICAS EM PORTUGUÊS BRASILEIRO
0
0
32
Souza-Cardoso e Boccioni: movimentos analógicos em confronto Souza-Cardoso and Boccioni: A Comparison of Similar Movements
0
0
16
Souza-Cardoso and Boccioni: A Comparison of Similar Movements Souza-Cardoso e Boccioni: movimentos analógicos em confronto
0
0
16
A vanguarda florentina de Lacerba e Portugal Futurista: afinidades e divergências The Florentine Vanguard of Lacerba and Portugal Futurista: Affinities and Differences
0
0
19
The Florentine Vanguard of Lacerba and Portugal Futurista: Affinities and Differences A vanguarda florentina de Lacerba e Portugal Futurista: afinidades e divergências
0
0
19
A ironia como zona de confronto entre diferentes vozesdizeres em comentários do Facebook Irony as a Zone of Confrontation between Different VoicesVoicings in Facebook Comments
0
0
23
Irony as a Zone of Confrontation between Different VoicesVoicings in Facebook Comments A ironia como zona de confronto entre diferentes vozesdizeres em comentários do Facebook
0
0
26
Novos percursos da ciência: as modificações da divulgação científica no meio digital a partir de uma análise contrastiva New Paths for Science: A Contrastive Discourse Analysis of Modifications in Popularizing Science through Digital Media
0
0
23
New Paths for Science: A Contrastive Discourse Analysis of Modifications in Popularizing Science through Digital Media Novos percursos da ciência: as modificações da divulgação científica no meio digital a partir de uma análise contrastiva
0
0
28
RETOMANDO A AULA ANTERIOR
0
0
55
Show more