UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E ESPORTES – CEFID PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO LILIAN CARDOSO VIEIRA

Livre

0
0
77
1 year ago
Preview
Full text

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E ESPORTES – CEFID

  

PROGRAMA DE PốS-GRADUAđấO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO

HUMANO

  EFEITOS DA SUPLEMENTAđấO DE TAURINA SOBRE OS

PARÂMETROS DE ESTRESSE OXIDATIVO MUSCULAR INDUZIDOS

POR EXERCÍCIO EXCÊNTRICO

  FLORIANÓPOLIS – SC

EFEITOS DA SUPLEMENTAđấO DE TAURINA SOBRE OS PARÂMETROS DE ESTRESSE OXIDATIVO MUSCULAR INDUZIDOS POR EXERCÍCIO EXCÊNTRICO

  Dissertação de Mestrado apresentada à banca examinadora como requisito para obtenção do título de Mestre no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Movimento Humano, da Universidade do Estado de Santa Catarina. Orientador: Profº Dr. Magnus Benetti

  FLORIANÓPOLIS – SC

  

LILIAN CARDOSO VIEIRA

EFEITOS DA SUPLEMENTAđấO DE TAURINA SOBRE OS

PARÂMETROS DE ESTRESSE OXIDATIVO MUSCULAR INDUZIDOS

POR EXERCÍCIO EXCÊNTRICO

  Dissertação de Mestrado aprovada como requisito para obtenção do título de Mestre no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Movimento Humano, da Universidade do Estado de Santa Catarina.

  Banca examinadora: Orientador: _________________________________________ Profº. Dr. Magnus Benetti UDESC - SC Membro: _________________________________________ Profº. Dr. Ricardo Aurino de Pinho UNESC - SC Membro: _________________________________________ Profº. Dr. Fabrizio Caputo UDESC - SC Membro: _________________________________________ Profª. Drª. Patrícia Faria Di Pietro UFSC – SC

  

Dedico à minha mãe Gerci, que sempre me

incentivou a buscar os meus sonhos, e ao

meu pai Fermiano, exemplo de um vencedor.

AGRADECIMENTOS

  Chegou a hora... Dizer obrigada é um gesto complexo, muitas vezes temos dificuldade de reconhecer que simples atos nos levaram a conquista tão grande. E nesses simples atos estão envolvidas pessoas que passaram tão sutilmente por nossas vidas que cometemos injustiças de não as agradecê-las. Mas, na realidade, elas estarão sempre presentes no decorrer das nossas histórias.

  Um dos aprendizados que adquiri, neste processo, foi de que nada nós conseguimos por acaso. Nossas conquistas são feitas de esforços! Agradeço por todos os momentos difíceis que passei, que chorei, que me desesperei. Sei que esses momentos foram decisivos para eu atingir esta meta e contribuíram para me tornar cada vez mais forte para agüentar até aqui. Muitas vezes pedi auxílio a forças divinas, rezei e tenho certeza de que fui atendida, que existe Deus por trás de todos nós, olhando todos os nossos passos, inclusive colocando pessoas maravilhosas, outras nem tanto, em nossos caminhos. Mas tudo é aprendizado!

  Não conseguiria atingir os meus objetivos sem o alicerce da minha família que sempre acreditou no meu potencial. O apoio psicológico da minha mãe e a racionalidade de meu pai foram essenciais nesse caminho. Os exemplos dos meus irmãos me incentivaram a lutar e a buscar integralmente o que realmente quero.

  Em certo momento esta minha entrega integral gerou conflitos entre o meu trabalho e a minha vida acadêmica. Agradeço ao meu orientador e a Profª. Thais pelos conselhos e por terem me orientado para a escolha que fiz!

  Meus agradecimentos ao meu orientador, Profº. Dr. Magnus Benetti, pela oportunidade de realizar este sonho, pelas suas idéias (que ele tem muitas), pela paciência e pelo incentivo em dar continuidade à minha vida acadêmica. Suas aulas eram verdadeiras viagens fisiológicas as quais me marcaram e me fizeram reconhecer um dos melhores professores que eu tive na vida!

  Ao Profº. Dr. Ricardo Aurino de Pinho não tenho palavras para agradecer o

  (Laboratório de Fisiologia e Bioquímica do Exercício) da UNESC, Criciúma; um maravilhoso mundo de pesquisas! Também as pessoas do LAFIBE, as bolsistas (Meri, Débora, Karol) que me ensinaram muito sobre as análises e aos momentos passados no laboratório. Um obrigada do fundo do coração ao Luciano, Doutorando que foi de extrema importância neste processo.

  Ao Profº. Dr. Fabrizio Caputo pelo aprendizado adquirido em suas aulas, a ajuda no projeto e a oportunidade de fazer docência orientada. À Professora Patricia Faria Di Pietro, muito especial em minha vida por ter me orientado no meu primeiro estágio e pelas oportunidades. Não poderia de deixar de citar aqui a administração, funcionários, jogadores e grandes amigos do Figueirense Futebol Clube que estiveram comigo em um ano e meio de mestrado, sempre me dando forças. Um agradecimento especial ao Dr. Sérgio Eduardo Parucker, Anderson Barros e Alexandre Gallo pela oportunidade de ingressar nesta profissão pela qual eu me apaixonei.

  Aos colegas do Mestrado, como a Raffa e a Adri, que indiretamente fizeram parte dessa caminhada. Gilmar, pelas aulas e momentos de estudo na disciplina de Estatística. Cléber, pelas dúvidas sanadas e companheirismo.

  Ao Claudio, pessoa muito especial em minha vida. Trazia a minha paz, me acalmava. Muitas vezes, longe, mas tenho certeza de que seu coração estava sempre comigo!

  Minhas amigas Camilinha, Cris, Patty e Aline que estavam sempre ao meu lado nos momentos difíceis. Um agradecimento especial à Monique pela paciência, pelas longas conversas no telefone e o coleguismo até mesmo na hora de escrever o projeto.

  Encerro agradecendo a Deus sobre todas as coisas, por ter me dado forças e por ter colocado pessoas tão especiais na minha vida. Sem as quais, não conseguiria alcançar os meus objetivos!

  MENSAGEM Tua caminhada ainda não terminou....

  A realidade te acolhe dizendo que pela frente o horizonte da vida necessita de tuas palavras e do teu silêncio. Se amanhã sentires saudades, lembra-te da fantasia e sonha com tua próxima vitória. Vitória que todas as armas do mundo jamais conseguirão obter, porque é uma vitória que surge da paz e não do ressentimento.

  É certo que irás encontrar situações tempestuosas novamente, mas haverá de ver sempre o lado bom da chuva que cai e não a faceta do raio que destrói.

  Tu és jovem. Atender a quem te chama é belo, lutar por quem te rejeita

  é quase chegar a perfeição. A juventude precisa de sonhos e se nutrir de lembranças, assim como o leito dos rios precisa da água que rola e o coração necessita de afeto.

  Não faças do amanhã o sinônimo de nunca, nem o ontem te seja o mesmo que nunca mais.

  Teus passos ficaram.

  Olhes para trás... mas vá em frente pois há muitos que precisam que chegues para poderem seguir-te.

  (Charles Chaplin)

  

RESUMO

  VIEIRA, Lilian C. Efeitos da suplementação de Taurina sobre os parâmetros de

Estresse Oxidativo Muscular induzidos por Exercício Excêntrico. 2009.

Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano)

  • – Universidade do Estado de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano, Florianópolis, 2009. O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos da suplementação de taurina sobre biomarcadores do estresse oxidativo após o exercício excêntrico. Vinte e quatro ratos da raça Wistar machos foram divididos nos seguintes grupos (n = 6): controle (C); exercício excêntrico (EE); exercício excêntrico com a suplementação de taurina (EET); exercício excêntrico com a suplementação de salina (EES). A quantidade de taurina administrada foi de 300mg/Kg de peso corporal / dia em solução de 1 ml de água deionizada por gavagem oral, por duas semanas antes e 2, 12, 24 e 48 horas após a sessão de exercício. Os animais foram submetidos a uma sessão única de corrida em
    • 1

  declive com duração de 90 minutos e velocidade constante de 16,6 m.min . Quarenta e oito horas após a sessão de exercício, os animais foram sacrificados e os músculos do quadríceps removidos cirurgicamente. Produção do ânion superóxido, lipoperoxidação, carbonilação das proteínas, conteúdo total de tióis e atividade de enzimas superóxido dismutase (SOD) e catalase (CAT) foram analisados. Os resultados mostram que o grupo EET apresentou uma redução significativa (p<0,05) na produção do ânion Superóxido (0,9 0,2 nmol/min/mg proteína) quando comparado com o grupo EE (1,62

  0,2 nmol/min/mg proteína) e o grupo EES (1,55 0,3 nmol/min/mg proteína). A lipoperoxidação foi diminuída já que EET apresentou quantidade de espécies reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARS) de 0,13 0,001nmol/mg proteína, significativamente menor (p<0,05) aos outros grupos (EES - 0,18 0,03 nmol/mg proteína e EE - 0,18 0,05 nmol/mg proteína). O conteúdo total de tióis apresentou-se aumentado (p<0,05) no grupo EET (18,8 0,3 nmol TNB/mg proteína) em comparação com EES (13,8 1 nmol TNB/mg proteína) e EE (12,2 1 nmol TNB/mg proteína). O grupo EET demonstrou um valor menor (p<0,05) na carbonilação de proteínas (0,20 0,2 nmol/mg proteína) em relação aos demais grupos (EES - 0,30 0,03 nmol/mg proteína; e EE - 0,30 0,025 nmol/mg proteína). Entretanto, a atividade das enzimas antioxidantes SOD e CAT não teve diferença significativa (p<0,05) com a suplementação da taurina. Os valores da atividade da SOD nos grupos foi de: EE

  • – 1,22 0,25 U de SOD/mg proteína; EET – 1,18 0,15 U de SOD /mg proteína; EES
  • – 1,22 0,12 U de SOD /mg proteína; e da CAT foi: EE - 6,12 0,19 U de CAT/mg proteína; EET- 5,85 0,62 U de CAT/mg proteína;
  • – 5,61 0,45 U de CAT/mg proteína. Em conclusão, o estudo demonstra que a suplementação de taurina diminuiu o dano oxidativo, mas não afetou a atividade das enzimas antioxidantes após exercício excêntrico.

  

Palavras-chave: Taurina. Suplementação. Estresse oxidativo. Exercício excêntrico.

  Ratos.

  

ABSTRACT

  VIEIRA, Lilian C. Taurine Supplementation Effects on Muscle Oxidative Stress

  

Induced by Eccentric Exercise. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências do

  Movimento Humano)

  • – Universidade do Estado de Santa Catarina. Programa de Pós- Graduação em Ciências do Movimento Humano, Florianópolis, 2009. This study was to investigate the effects of taurine supplementation on biomarkers of oxidative stress after eccentric exercise. Twenty four male rats Wistar were divided into the following groups (n=6): control (C); eccentric exercise (EE); eccentric exercise plus taurine (EET); eccentric exercise plus saline (EES). Taurine was administered with solution of 1ml water 300mg/Kg body weight (BW)/day by oral lavage, for two weeks before and 2, 12, 24 and 48 hours after the exercise session. The animals were submitted to one downhill run session with duration of 90 minutes and velocity constant
    • 1

  of 16,6 m.min . Forty-eight hours after the exercise session, the animals were killed and the quadriceps muscle were surgically removed. Production of superoxide anion, lipoperoxidation, carbonylation, total thiol content and antioxidant enzyme were analyze. The results show the EET group had a significant reduction (p <0.05) in the production of superoxide anion (0,09 + 0.2 nmol / min / mg protein) when compared with the EE group (1.62 0.3 nmol / min / mg protein) and the EES group (1,55 0,3 nmol/ min/ mg protein). Lipid peroxidation was diminished as EET showed 0,13 0,001nmol/ mg protein of tiobarbituric acid reactive species (TBARS) significantly lower (p < 0,05) than other groups (EES - 0,18 0,03 nmol/mg protein and EE - 0,18 0,05 nmol/mg protein). The total thiol content were higher (p < 0,05) in EET (18,8 0,3 nmol TNB/ mg protein) when compared with EES (13,8 1 nmol TNB/ mg protein) and EE (12,2 1 nmol TNB/ mg protein). The EET group showed a lower value (p < 0.05) of proteins carbonyl (0,20 0,2 nmol/ mg protein) compared to other groups (EES - 0,30 0,03 nmol/ mg protein and EE - 0,30 0,025 nmol/ mg protein). The activity of antioxidant enzymes superoxide dismutase (SOD) and catalase (CAT) had no significant difference (p <0.05) with supplementation of taurine. The values of SOD activity in the groups were: EE

  • – 1,22 0,25 U of SOD/ mg protein; EET – 1,18 0,15 U of SOD / mg protein; EES
  • – 1,22 0,12 U of SOD / mg protein; and the values of CAT were: EE - 6,12 0,19 U of CAT/ mg protein; EET- 5,85 0,62 U of CAT/ mg protein;
  • – 5,61 0,45 U of CAT/ mg protein. In conclusion, the present study demonstrates that taurine supplementation decreased damage oxidative but did not affect antioxidant enzyme activity after eccentric exercise.

  Key-words: Taurine. Supplementation. Oxidative Stress. Eccentric Exercise. Rats.

  Figura 1: Desenho do estudo..........................................................................................43 Figura 2: Produção de ânion superóxido (O

  LISTA DE ILUSTRAđỏES

  • -

    ) no músculo do quadríceps de ratos, após uma sessão de exercício excêntrico......................................................48

  2

  Figura 3: Níveis de TBARS no músculo do quadríceps de ratos, após uma sessão de exercício excêntrico........................................................................................49 Figura 4: Conteúdo total de tióis no músculo do quadríceps de ratos, após uma sessão de exercício excêntrico...................................................................................50 Figura 5: Níveis de carbonilação de proteínas no músculo do quadríceps de ratos, após uma sessão de exercício excêntrico..............................................................51 Figura 6: Atividade da enzima Superóxido Dismutase (SOD) no músculo do quadríceps de ratos, após uma sessão de exercício excêntrico.......................................52 Figura 7: Atividade da CAT no músculo do quadríceps de ratos após uma sessão de exercício excêntrico........................................................................................53

  

LISTA DE TABELAS

  Tabela 1: Principais antioxidantes enzimáticos...............................................................27 Tabela 2: Principais antioxidantes não-enzimáticos........................................................29 Tabela 3: Composição básica da ração (Nuvilab® CR-1) / kg do produto......................41

  

LISTA DE ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS

  µL

  • – Microlitro µmol
  • – Micromol
  • – Adenosina Difosfato ATP
  • – Adenosina Trifosfato C – Grupo Controle

  2+

  Ca

  • –Íon Cálcio CAT
  • – Catalase
  • – Ubiquinona CoQH
  • – Semiquinona CoQH

  2

  • – Ubiquinol

  2+

  Cu - Íon Cuproso

  3+

  Cu - Íon Cúprico DMT

  • – Dor Muscular Tardia
    • e - Elétron EE

    >– Grupo Exercício Excêntrico EES
  • – Grupo Exercício Excêntrico + Salina>–Grupo Exercício Excêntrico + Taurina EPM
  • – Erro Padrão Médi>– Espécies Reativas ERO
  • – Espécies Reativas de Oxigênio
  • – Flavina Adenina Dinucleotídeo Reduzido

  2+

  Fe - Íon Ferroso

  3+

  Fe - Íon Férrico GPX

  • – Glutationa Peroxidase GSH
  • – Glutationa
    • H - Íon Hidrogênio H

  2 O

  • – Água H

  2 O

  2

  • – Peróxido de Hidrogênio HClO
  • – Ácido Hipocloroso
K Ca2+

  • – Potássio dependente de Cálcio Kg – Quilo m - Metro M – Molar MDA
  • – Malondialdeíd>– Miligrama min
  • – Minut>– Mililitro mM
  • – Milimolar>– N-acetil cisteína NADH
  • – Nicotinamida Adenina Dinucleotídeo Reduzido N
  • – Nicotinamida Adenina Dinucleotídeo Fosfato nm
  • – Nanômetro O

  2

  • – Oxigênio
    • O

  2

  • – Ânion Superóxido O
  • >– Radical Hidroperoxil OH
  • – Radical Hidroxil>– Prostaglandinas PMN
  • – Células polimorfonucleada>– Radicais Livres RLO
  • – Radicais Livres de Oxigênio>– mt – Superóxido Dismutase mitocondrial SOD
  • – Superóxido Dismutase
  • – Ácido Tiobarbitúrico TNFα – Fator de Necrose Tumoral α

  VO máx

  2

  • – Consumo Máximo de Oxigênio

  XO

  • – Xantina oxidase

  

SUMÁRIO

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

   ANEXOS..................................................................................................................73

  1.1 PROBLEMA Segundo Albert (2002), nos últimos anos nenhum outro aspecto de carga muscular (tensão específica aplicada à unidade músculo tendínea) tem sido mais descrito, estudado, discutido e investigado na literatura científica e prática clínica do que o movimento excêntrico. Garret Jr. (1996) afirma que muitos são os danos e/ou alterações musculares provocados pelas contrações excêntricas. Entretanto, este tipo de contração não é utilizado apenas em laboratório para testes, está presente nos movimentos diários, bem como nos frequentadores de academias e praticantes de esportes como basquete, futebol e rúgbi (CLEBIS e NATALI, 2001).

  O exercício excêntrico é uma ação muscular dupla de alongamento e contração (força) simultânea, ocasionando efeitos deletérios acentuados em indivíduos treinados e destreinados (APPEL et al., 1992; LEE et al., 2002; LEE e CLARKSON, 2003). Esses efeitos deletérios ocasionam fadiga, dor muscular tardia, redução da força, inflamação e diminuição de performance (AVERY et al., 2003; CROSIER et al., 1996; KONNING et al., 2001; LI et al., 2002; PETERSEN et al., 2001; SHAFAT et al., 2004). Estes fatores possivelmente estão associados à formação de espécies reativas (ER), o que provavelmente dificulta o processo de recuperação e agrava ainda mais a diminuição de performance em atletas (BYER et al., 2006; CLEBIS e NATALI, 2001; PASCHALIS et al., 2006; STUPKA et al., 2000).

  O estresse oxidativo induzido pela produção exacerbada das ER tem contribuído como um dos mecanismos mais importantes na lesão muscular induzida pelo exercício excêntrico (ARMSTRONG et al., 1991; BALNAVE et al., 1993; MCBRIDE et al., 1998; SAXTON et al., 1994). Em resposta aos danos musculares induzidos pelo exercício excêntrico, neutrófilos e macrófagos migram e infiltram-se no tecido muscular lesado, ativando citocinas pró-inflamatórias e produzindo ER adicionais. As ER apresentam alta reatividade para outras biomoléculas, principalmente lipídios e proteínas das membranas celulares e, até mesmo, o DNA (HALLIWEL e GUTTERIDGE, 2007).

  As lesões causadas pelos radicais livres nas células podem ser prevenidas ou reduzidas por meio da atividade de antioxidantes (KÖNIG e BERG, 2002). Os antioxidantes podem agir diretamente na neutralização da ação dos radicais livres ou participar indiretamente de sistemas enzimáticos com essa função (POWERS e LENNON, 1999).

  O antioxidante denominado Taurina é um aminoácido não essencial sulfuroso, metabólico da metionina e com efeito antagonista ao da homocisteína, presente em alguns alimentos (CHANG, 2004; TANG, 2000; WILLIAMS, 2005). Apesar de não participar da estrutura de proteínas e enzimas (WILLIAMS, 2005), essa também tem importante função reguladora nos fluxos de cálcio, sódio e potássio e de proteção ao DNA (LOURENÇO e CAMILO, 2002), na estabilização da estrutura de membranas celulares (TANG, 2000) e na metabolização de gorduras (YOGOSHI et al., 1999). Além disso, a taurina vem demonstrando um poderoso efeito antioxidante em alguns estudos (DAWSON et al., 2002; ROIG-PÉREZ et al., 2004; ZEYBEK et al., 2006).

  Por fim, considerando o pressuposto potencial deletério dos exercícios físicos excêntricos, a sua relação oxidante e inflamatória no músculo esquelético e a ação antioxidante da Taurina, formulou-se a seguinte questão a ser investigada neste estudo: quais são os efeitos da suplementação do antioxidante taurina sobre os parâmetros de estresse oxidativo muscular induzidos por exercício excêntrico?

  1.2 JUSTIFICATIVA A relação entre o estresse oxidativo e o exercício físico tem sido amplamente investigada nos últimos 30 anos (FISCHER-WELLMAN e BLOOMER, 2009). O interesse acerca dos mecanismos de geração e adaptação das ER ao exercício aumentou significativamente a partir da demonstração de sua relação com o consumo de oxigênio (CHILDS et al., 2001) e a inflamação no tecido muscular (GLEESON et al., 1998; KAURANEN et al., 2001; KÖNIG e BERG, 2002; MACINTYRE et al., 2000; MACINTYRE et al., 2001).

  Há evidências na literatura que durante a contração excêntrica ocorre um defesas antioxidantes andrógenas não conseguem neutralizar (ARMSTRONG et al., 1991; BALNAVE et al., 1993; CLEBIS e NATALI, 2001; MCBRIDE et al., 1998; SAXTON et al., 1994).

  Além disso, o aumento das taxas metabólicas como resultado de exercício físico intenso pode aumentar excessivamente o consumo de oxigênio em até 20 vezes em relação aos valores de repouso (CARMELI et al., 2000). Esse aumento é seguido por

  ,

  um concomitante aumento na produção de radicais livres (ALESSIO e GOLDFARB, 1998). Embora os benefícios do aumento no VO

  2 máx sejam bem estabelecidos, um

  paradoxo bioquímico é verificado. O aumento no consumo máximo de oxigênio (O ) é

  2

  essencial para a aptidão cardiovascular e performance, porém o aumento no consumo durante o exercício pode ser prejudicial em nível sérico e bioquímico (KÖNIG e BERG, 2002), gerando o estresse oxidativo.

  No exercício excêntrico, o estresse oxidativo contribui para o desenvolvimento de lesão muscular (ARMSTRONG et al., 1991; BALNAVE et al., 1993; CLEBIS e NATALI, 2001; MCBRIDE et al., 1998; SAXTON et al., 1994). Este desequilíbrio bioquímico torna-se um poderoso comprometimento para o sistema muscular, pois as ER podem alterar os sistemas orgânicos por meio de sua ação tóxica.

  O estresse oxidativo tem sido associado com a diminuição da performance, fadiga, dano muscular e excesso de treinamento - overtraining. Por essa razão, alguns pesquisadores (CARMELI et al., 2000; POLIDORI et al., 2000; POWERS et al., 1999; RÁDAK et al., 1999) sugerem que reduzir o estresse oxidativo pode melhorar a tolerância ao exercício, bem como a performance física. Os danos celulares ocasionados pelo estresse oxidativo podem ser revertidos pela ação de defesas antioxidantes (enzimáticas e não-enzimáticas), restabelecendo o equilíbrio entre a produção de ER e o sistema de defesa antioxidante (SILVA, 2006).

  O aminoácido taurina, encontrado em alimentos de origem animal, vem demonstrando um poderoso efeito antioxidante em alguns estudos (LOURENÇO e CAMILO, 2002; TANG, 2002). Porém, o efeito antioxidante da taurina ainda não está bem esclarecido no exercício físico, pois existem poucos estudos a esse respeito. Dawson et al. (2002) utilizou a suplementação de taurina para amenizar os efeitos deletérios nas miofibrilas, após sessões de exercícios físicos em ratos e obteve resultados positivos.

  Dessa forma, os achados desta pesquisa pretendem contribuir para o entendimento do mecanismo da ação antioxidante da taurina em exercícios físicos, especificamente em treinamento excêntrico. Assim, espera-se que esses resultados sejam de relevância para a área da Atividade Física e Saúde, objetivando a busca de benefícios entre a relação da suplementação e exercício físico.

  1.3 OBJETIVOS

  1.3.1 Objetivo Geral Avaliar os efeitos da suplementação de taurina sobre os parâmetros de estresse oxidativo muscular após exercício excêntrico.

  1.3.2 Objetivos Específicos Verificar as respostas da suplementação de taurina sobre a produção de superóxido no músculo esquelético, após exercício excêntrico.

  Verificar os efeitos da suplementação da taurina sobre os marcadores de danos oxidativos no músculo esquelético, após exercício excêntrico. Verificar os efeitos da suplementação da taurina sobre a atividade das enzimas antioxidantes no músculo esquelético, após exercício excêntrico.

  1.4 HIPÓTESES

  1.4.1 Hipótese geral A suplementação de taurina causará uma diminuição nos parâmetros de estresse oxidativo após uma sessão de exercício excêntrico em ratos.

  1.4.2 Hipóteses Específicas A produção de superóxido no músculo será atenuada com a suplementação de taurina.

  Os marcadores de danos oxidativos no músculo serão atenuados com a suplementação de taurina. A atividade enzimática no músculo será mantida com a suplementação de taurina.

  1.5 DELIMITAđỏES DO ESTUDO A amostra foi composta por ratos Wistar machos, do biotério da Universidade do

  Extremo Sul de Santa Catarina (UNESC). O treinamento e as análises foram realizados nas dependências do Laboratório de Fisiologia e Bioquímica do Exercício (LAFIBE) da UNESC, localizado em Criciúma, SC.

  1.6 LIMITAđỏES DO ESTUDO Como limitação do estudo, reporta-se à falta das dosagens do conteúdo de taurina muscular e sistêmica, da atividade de outros antioxidantes enzimáticos e não enzimáticos, das enzimas creatina quinase e lactato desidrogenase e da produção de poderiam complementar a compreensão dos mecanismos pelos quais a Taurina associada ao exercício exerce atividade antioxidante.

  2.1 RADICAIS LIVRES A definição de radical livre (RL) pode ser expressa como uma molécula altamente reativa ou um fragmento molecular que contém pelo menos um elétron ímpar em seu orbital externo. Tende a extrair elétrons de outras moléculas para alcançar um estado quimicamente mais estável (HALLIWEL e GUTTERIDGE, 2007).

  Os radicais livres de oxigênio (RLO) são produzidos naturalmente no organismo durante a respiração e pelos processos metabólicos oxidativos para produção de energia (THOMAS, 2000). Quando se encontram em baixa a moderada concentração, eles exercem efeitos benéficos na defesa contra agentes infecciosos, em sistemas celulares de sinalização e na função mitogênica (VALKO et al., 2007). No entanto, um aumento desequilibrado na produção dessas moléculas pode lesionar componentes celulares indispensáveis para a vida da célula, tais como DNA, lipídios, proteínas e carboidratos (KÖNIG e BERG, 2002). Durante o exercício físico, a produção elevada dos RLO pode promover disfunção contrátil do músculo esquelético, resultando em fadiga muscular (POWERS e JACKSON, 2008).

  2.2 PRINCIPAIS ESPÉCIES REATIVAS DE OXIGÊNIO As espécies reativas (ER) são definidas como moléculas orgânicas altamente reativas e instáveis, podendo ter ou não um elétron desemparelhado na última camada de sua estrutura (HALLIWEL, 1994). O termo ERO não engloba somente as espécies reativas derivadas do oxigênio, mas também as RLO (POWERS e JACKSON, 2008).

  Apesar de existirem ER derivadas de outras moléculas orgânicas como as Espécies Reativas de Nitrogênio (ERN) e Espécies Reativas de Enxofre (ERX), as ERO estão em maior quantidade no organismo (FINAUD et al., 2006).

  A maioria das ERO são produzidas na cadeia de transporte de elétrons Halliwell e Gutterigde (2007), o oxigênio respirado é metabolizado sendo que aproximadamente 90 a 95% são utilizados pela mitocôndria, por meio da cadeia de transporte de elétrons e reduzidos a água durante a produção de energia. Na parte terminal da cadeia de transporte de elétrons, a enzima citocromo oxidase remove um

  • elétron (e ) de cada uma das quatro moléculas reduzidas de citocromo C, oxidando-as e adiciona os quatro elétrons ao O para formar água (H O) - Reação 1 (MATSUO e

  2

  2 KANEKO, 2000).

  Reação 1:

  • + -

  O + 4e + 4H O + energia

  2

  2 → 2 H

  De 2 a 5% do oxigênio respirado são reduzidos univalentemente em ERO (HALLIWEL e GUTTERIDGE, 2007). Durante o processo de formação de trifosfato de adenosina (ATP), o elétron da nicotinamida adenina dinucleotídeo reduzida (NADH) e da flavina adenina dinucleotídeo reduzida (FADH) é doado (via complexo I e II) para ubiquinona (CoQ) (complexo III) é reduzida formando a semiquinona (CoQH ) que em

  • contato com o oxigênio forma o superóxido (O

  2 )

  • – Conjunto de Reações 2 (HALLIWEL e GUTTERIDGE, 2007; NELSON e COX, 2007).

  Reações 2:

  • - CoQH

  2 + O 2 CoQH + O

  2

  • - +

  CoQH + O 2 CoQ + H + O

  2 O superóxido recebe mais um elétron e dois íons hidrogênio e é rapidamente

  reduzido pela superóxido dismutase mitocondrial (SOD-mt) a peróxido de hidrogênio (H O )

  2

  2

  • – Reação 3 (HALLIWEL e GUTTERIDGE, 2007). Quando formado, assim como o ânion superóxido, se não for eliminado ou convertido em outro radical menos potente pode causar estragos a sistemas biológicos. No entanto, baixas quantidades desses ERO são necessárias para alguns processos fisiológicos. Na inflamação, os leucócitos produzem mieloperoxidase que utiliza o peróxido de hidrogênio (H O ) para produzir

  2

  2

  ácido hipocloroso (HClO) e ajudar no combate de antígenos invasores das células

  • (THOMAS, 2000). Nos neutrófilos, a produção de O catalizada pela nicotinamida

  2

  adenina dinucleotídeo fosfato (NADPH) oxigenase gera o burst respiratório necessário para para a destruição de bactérias (VALKO et al., 2006).

  Reação 3:

  • + -

  2O + 2H H O + O

  2

  2

  2

  2 O H O ao receber mais um elétron ou um íon de hidrogênio forma então o

  2

  2

  radical hidroxil (OH ), que é a ERO mais reativa dos intermediários, pois pode reagir e alterar qualquer estrutura celular que esteja próximo a ele, influenciando enzimas, lipídeos da membrana ou ácidos nucléicos (BIESALSKI, 2000; VANCINI et al., 2005). O radical hidroxil pode ser formado por mais duas reações conhecidas como reação de Fenton (FENTON, 1894) e Haber- Weiss (HABER, WEISS, 1934). Primeiro, o OH é

  3+ 2+ 3+ 2+ formado quando o H O reage com íons de ferro (Fe e Fe ) ou cobre (Cu e Cu ).

  2

  2

  • Segundo, quando os íons de ferro e cobre catalisam a reação entre o O

  2 e o

  H

  2 O 2 (Reações 4). Como características comuns, estas espécies apresentam grandes

  reatividades e possuem uma meia vida muito curta, o radical hidroxila, por exemplo, tem

  • 9

  10 segundos de vida, já o ânion superóxido decai a peróxido de hidrogênio em 4,5 x

  5 10 milissegundos (SIES e CADENAS, 1989).

  Reações 4:

  • + -

  O 2 + H O

  2 H

  • - +

  O H + O + H H O + O

  2

  

2

  2

  2

  2

  • - 3+ 2+

  Fe + O 2 Fe + O

  2

  • - 2+ 3+

  Fe + H

  2 O 2 Fe + OH + OH (Reação de Fenton)

  2.3 SISTEMA DE DEFESA ANTIOXIDANTE Um antioxidante pode ser definido como qualquer substância que reduz, previne ou atrasa os danos ocasionados pela ação dos ER (HALLIWEL e GUTTERIDGE, 2007).

  Estas moléculas trabalham num complexo processo bioquímico e agem com o objetivo de prevenir a produção demasiada de radicais livres e reduzir um possível efeito deletério (BIESALSKI, 2000).

  Os antioxidantes podem agir diretamente na neutralização da ação dos radicais livres ou participar indiretamente de sistemas enzimáticos com essa função (BARREIROS e DAVID, 2006). Especificamente, os antioxidantes podem atuar na prevenção da propagação de RL, na hidrólise enzimática de ligações estéricas para remoção de ácidos graxos peroxidados, no sequestro de íons metálicos e na redução catalítica-enzimática dos peróxidos (THOMAS, 2000).

  O processo de neutralização dos ER por antioxidantes pode acontecer em três condições. A primeira previne a formação das substâncias agressoras. A segunda é a varredura, em que o antioxidante intercepta diretamente a ação da ER, neutralizando-o. A última condição é o reparo que ocorre quando as duas condições anteriores não foram bem sucedidas, e a ação do ER acaba desenvolvendo dano à estrutura celular. O antioxidante nesta condição tem a função de ajudar na recuperação da estrutura danificada (KONG e LILLEHEI, 1998).

  Segundo Pinho (2005), as defesas antioxidantes podem atuar de forma associada ou independente por duas vias: enzimáticas; sistema composto pelas enzimas superóxido dismutase (SOD), a catalase (CAT) e a glutationa peroxidase (GPX) as quais são ativadas normalmente durante o metabolismo celular, porém suas atividades podem aumentar em função da presença de ER; e não enzimáticas, incluem as vitaminas E, C e betacaroteno, glutationa (GSH), taurina entre outros. Grande parte dos antioxidantes não enzimáticos é encontrada na alimentação e eles podem ser suplementados por uma dieta alimentar.

  2.3.1 Antioxidantes enzimáticos A ação catalítica das enzimas antioxidantes é a primeira ação de defesa contra as ER e desempenham um papel único na preservação da homeostase. Em geral, o organismo tem reservas suficientes para antioxidantes lidar com a produção de ERO em condições fisiológicas e sob exercício físico leve (BANERJEE et al., 2003). As principais enzimas antioxidantes estão apresentadas na tabela 1 abaixo.

  Tabela 1

  • – Principais antioxidantes enzimáticos (Adaptado de: POWERS e JACKSON, 2008)

  Antioxidantes Localização Função enzimáticos

  • Superóxido Matriz mitocondrial, citosol

  Scavenger de O

  2 Dismutase (SOD) e meio extracelular

  Catalase (CAT) Citosol, principalmente dos Scavenger de H

  2 O

  2

  peroxissomos Glutationa Citosol, mitocôndria, Scavenger de H

  2 O

  2 Peroxidase (GPX) membrana e meio

  extracelular

  2.3.1.1 Superóxido Dismutase (SOD) A SOD constitui a primeira linha de defesa enzimática contra a produção

  • intracelular de radicais livres, catalisando a dismutação do O (HOLLANDER et al.,

  2

  • 2000; MOOREN e VÖLKER, 2004). Embora o O não seja altamente danoso, é um

  2

  precursor do OH e pode extrair elétrons de alguns componentes celulares, causando reações em cadeia de radicais livres (HALLIWELL e GUTTERIDE, 2007).

  O produto resultante da reação catalisada pela SOD é o H O (Reação 5) que

  2

  2

  • deve ser retirado do meio o mais rápido possível. É estimado que mais de 80% de O

  2 formado na mitocôndria seja reduzido pela SOD (MOOREN e VÖLKER, 2004).

  Reação 5:

  • - 2 +

  2 O

2 + 2 H H

  2 O 2 + O

  2.3.1.2 Catalase (CAT) A enzima CAT catalisa a degradação do H

  2 O 2 , é uma hemeproteína (PRYOR e

  GODBER, 1991) e está localizada principalmente no peroxissoma celular (FINAUD et al., 2006). Também está presente em outras organelas como as mitocôndrias e retículo endoplasmático (MOOREN e VÖLKER, 2004). Na reação, uma das moléculas de

  • – peróxido de hidrogênio é oxidada a oxigênio molecular e a outra é reduzida à água Reação 6 (CHANGE et al., 1979).

  Reação 6:

  2 O 2 2 H

  2 O + O

  2 A CAT pode também usar o H

  2 O 2 para reagir com alguma substância tóxica, via

  reação catalisada pela peroxidase (Reação 7). Esta reação necessita de um substrato como fenol, álcool (A) ou ácido fórmico para reagir com H

  2 O 2 (FINAUD et al., 2006).

  H

  2 O 2 + H

  2 O + A (Reação 7) 2+ 2+

  A catálise do H O é muito importante, pois na presença de Fe ou Cu leva à

  2

  2

  formação de radical hidroxil (OH ) (reação de Fenton- Conjunto de reações 4) (CHANGE et al., 1979).

  2.3.1.3 Glutationa Peroxidase (GPX) A GPX é uma enzima selênio-dependente presente no citosol celular e na mitocôndria que catalisa a redução do H

  2 O 2 e hidroperóxidos orgânicos (ROOH) para

  H O e álcool, usando a GSH como doador de elétrons

  2

  • – Reação 8 (FINAUD et al., 2006; FLOHÉ e GUNZLER, 1984). GPX e CAT têm ações parecidas, mediante ao ataque a H

  Reação 8: H

  2 O 2 +2 GSH GSSH (glutationa oxidada) + 2 H

  2 O

  2.3.2 Antioxidantes não enzimáticos Incluem as substâncias encontradas nos alimentos como as vitaminas (C e E), minerais (zinco, selênio), provitaminas (alguns carotenóides), aminoácidos (taurina), flavonóides e polifenóis conforme mostra a tabela 2. Substâncias orgânicas como proteínas com grupo tiol (Glutationa - GSH), e várias outras substâncias de baixo peso molecular orgânicas como a ubiquinona e o ácido úrico também têm ação antioxidante e consideradas defesas exógenas (KÖNIG e BERG, 2002; BIESEK et al., 2005).

  Tabela 2

  • – Principais antioxidantes não-enzimáticos (Fonte: KÖNIG e BERG, 2002)

  Antioxidantes Localização Função não-enzimáticos

  Vitamina C Ambiente aquoso da Scavenger de RL célula Recicla Vit. E Vitamina E Membranas Impede a celulares lipoperoxidação

  Reduz vários ERO para a forma menos reativa Carotenóides Membranas Scavenger de RL celulares Protege da liperoxidação

  Glutationa Em todo o ambiente Scavenger de RL

  • celular Remove H e peróxidos orgânicos na reação catalizada por GPX Recicla Vit. C e E.

  Flavonóides/ Membranas Scavenger de RL Polifenóis celulares Quelador de metais

  Ubiquinonas Membranas Scavenger de celulares radicais de O e O singlet

  2

  2 Recicla Vit. E Alguns estudos mostram que a suplementação de alguns antioxidantes não- enzimáticos diminuiu o dano oxidativo em diferentes tecidos e doenças. Pinho et al. (2005) observou que a administração de N-Acetilcisteína (NAC) reduziu a resposta inflamatória e os parâmetros de estresse oxidativo pulmonar em ratos expostos à poeira de carvão. No estudo de Jain et al. (2009), os autores suplementaram vitamina C e E em coelhos diabéticos e verificaram uma diminuição no dano do DNA plasmático. Ramirez-Tortosa et al. (2008) comprovou que a suplementação de coenzima Q 10 reduziu o estresse oxidativo em mitocôndrias do fígado de coelhos com aterosclerose.

  No exercício físico, várias pesquisas demonstram os efeitos positivos de alguns antioxidantes. Silva et al. (2008) demonstrou que o tratamento com NAC pode ter alguns efeitos anti-inflamatórios e age sobre a regulação de citocinas pró-inflamatórias após o exercício excêntrico. Araújo (2008) suplementou licopeno aos pacientes com Doença Arterial Coronariana e confirmou que a diminuição do dano oxidativo ocorreu naqueles pacientes que estavam submetidos a um treinamento de exercício físico intenso e controlado. No estudo em que Sureda et al. (2008) suplementou vitamina C e E em corredores amadores e a suplementação com níveis moderados desses antioxidantes reduziu o dano oxidativo, sem bloquear a adaptação celular ao exercício. Já Zoppi et al. (2006) verificou que a suplementação dessas duas vitaminas em jogadores profissionais de futebol pode reduzir a peroxidação lipídica e o dano muscular durante o período de treinamento mas não tem nenhum efeito sobre a performance.

  2.4 TAURINA A taurina ou ácido 2-aminoetanosulfónico é um aminoácido não essencial sulfuroso e possui um efeito antagonista ao da homocisteína (NONAKA et al., 2001).

  Pode ser obtida diretamente por uma dieta rica em frutos do mar, carne e ovos ou indiretamente a partir da

  no fígado

  (HUXTABLE, 1992, LOURENÇO e CAMILO, 2002). Organicamente, a taurina é produzida a partir da oxidação da cisteína pela cisteína dioxigenase, que a transforma descarboxilase para sintetizar a hipotaurina que é oxidada à taurina (BOUCKENOOGHE et al., 2006).

  É um dos aminoácidos intracelulares mais abundantes do organismo e não faz parte da estrutura de proteínas. Uma pequena quantidade está presente nos peptídoes do cérebro (LOURENÇO e CAMILO, 2002). Nos tecidos, encontra-se uma maior concentração de taurina nos músculos e no cérebro (GOODMAN et al., 2009). Faz parte da estrutura do ácido taurocólico, um ácido biliático, produzido no fígado que ajuda na digestão de lipídeos (NELSON e COX, 2007).

  A taurina faz parte de vários processos metabólicos como contração cardíaca, atividade anti-oxidante, permeabilidade e proteção da membrana e contração muscular (WILLIAMS, 2005). Cuisinier et al. (2000) relatou em um estudo que o miofilamento cálcio-sensível e as características mecânicas são dependentes da taurina. Ela pode

  2+

  controlar a homeostase do íon cálcio (Ca ) intracelular e ajudar no controle de excitação-contração muscular (CONTE-CAMERINO et al., 2004).

  A suplementação de taurina tem mostrado em estudos benefícios à saúde. Nonaka et al. (2001) relatou que um maior consumo de taurina pode prevenir a progressão de aterosclerose e isquemia cardíaca.

  Durante o exercício, Zhang (2004) reportou que sete dias de suplementação de taurina induziram significantemente o aumento do VO

  2 max e o tempo para chegar à

  exaustão na pedalada. O autor sugeriu que os efeitos ergogênicos foram ocasionados pela propriedade antioxidante da taurina e proteção das membranas celulares. No estudo feito por Galloway et al. (2008), o mesmo tempo de suplementação de taurina não alterou a concentração de carboidratos e oxidação de lipídeos no músculo esquelético, mas causou impacto na metabolização, metabolismo ou transporte de indispensáveis aminoácidos no músculo durante exercício prolongado.

  A função antioxidante da taurina ainda não é bem esclarecida fisiológica e bioquimicamente, como comprovaram alguns estudos. Evidências consideráveis mostram que a ação antioxidante da taurina pode estar relacionada a alguns processos: regulação dos canais de eletrólitos, equilíbrio osmótico celular e neutralização de ERO.

  2.4.1 Regulação dos canais de cálcio

  2+

  A taurina pode diminuir o dano oxidativo, regulando os Ca que estão envolvidos na patogênese do dano celular mediados por RL na rota da xantina oxidase (XO) (Chang et al., 2004).

  Em um estudo em que os autores examinaram as propriedades contráteis do músculo esquelético de ratos e a quantidade de taurina presente no músculo, observou- se a redução de força no grupo que apresentou o nível de taurina muscular inferior ao grupo controle. Os autores atribuíram esta situação à relação que a taurina tem com o

  2+

  controle excitação-contração muscular que influencia na liberação de Ca celular e na produção de força (HAMILTON et al., 2006). Os resultados alcançados por Bakker e Berg (2001) mostram que a taurina é um modulador da contração do músculo

  2+

  esquelético pelo aumento do acúmulo do Ca do retículo sarcoplasmático e liberação

  2+ de Ca da célula.

  Pelo ponto de vista farmacológico, a suplementação de Taurina pode ser benéfica, pois esse aminoácido pode diminuir a hipercalemia observada durante a reperfusão pelo bloqueio de canais de potássio dependentes do cálcio (K Ca2+ ). Este processo pode estar relacionado com a produção demasiada de moléculas reativas de óxido nítrico e consequentemente, estresse oxidativo (CONTE-CAMERINO et al., 2004).

  2.4.2 Equilíbrio osmótico celular A taurina é um osmolítico orgânico utilizado pelas células para a regulação do volume celular para adaptação ao desbalanço osmótico que pode ser produzido durante os exercícios intensos (CUISINIER, 2002). Ela aumenta a condutibilidade do canal de clorido e modula a abertura e a cinética do canal de sódio (Na) voltagem- dependente, com absoluto efeito na estabilização do sarcolema do miócito. Também modula a atividade de canais de potássio (K) e a habilidade de associar o estado metabólico das fibras estriadas com a atividade elétrica pelos canais de K ATP- dependente (K ATP ) ou K Ca2+ (CONTE-CAMERINO et al., 2004). É sugerido que a ativação do canal K ATP possa ser a chave do mecanismo para a adaptação para a hipóxia tecidual, apoptose celular e proteção cardíaca contra a isquemia (MURZAEVA et al., 2008).

  Pode existir, ainda, uma relação entre a atividade da Aquaporin-4 (canal de água da célula) e o conteúdo de taurina muscular no momento em que há a necessidade de estabelecer um equilíbrio de água para amenizar os efeitos adversos do lactato formado durante o exercício anaeróbio (CONTE-CAMERINO et al., 2004).

  2.4.3 Neutralização direta de ERO A taurina está presente abundantemente em células fagocitárias (KIM e CHA,

  2008) e age como um scavenger de HClO gerado endogenamente, que constitui uma molécula muito tóxica ao organismo. A taurina cloramina é um aldeído estável e não tóxico formada por meio da reação entre a taurina e HClO e age como uma molécula sinalizadora do decréscimo do processo de alguns mediadores como óxido nítrico

  2 ) e enzima

  (NOS), fator de necrose tumoral α (TNF-α), prostaglandina 2 (PGE ciclooxigenase 2 (COX-2) envolvidos em reações inflamatórias (QUINN, 1998).

  A taurina ainda exerce uma ação anti-inflamatória por meio do seu efeito antioxidante, que inibe a peroxidação lipídica e a ativação de neutrófilos (KIM et al., 1996). No estudo em que Zeybek et al. (2006) induziu danos no tecido do rim com sulfato de protamina em ratos, o tratamento com a taurina estabilizou os estoques de GSH dos tecidos danificados e protegeu-os da peroxidação lipídica. Com relação ao ataque de neutrófilos ao tecido danificado, observou-se no mesmo estudo que a taurina potencializou um efeito protetor, inibindo o processo por meio da preservação da atividade fagocitária dos neutrófilos.

  2.5 EXERCÍCIO FÍSICO E ESTRESSE OXIDATIVO Os efeitos benéficos da atividade física já são bem conhecidos. Em indivíduos saudáveis a prática regular de exercício promove um aumento na aptidão física e previne várias doenças como cardiopatias, obesidade e diabetes. O aumento do

  VO max em atletas, a melhora a resistência à insulina em pacientes diabéticos e a

  2

  diminuição da morbidade ocasionada pelo infarto agudo do miocárdio são alguns efeitos favoráveis do treinamento físico verificado em alguns estudos (FAISAL et al., 2009; PRAET et al., 2007; RISTOW et al., 2009).

  O estresse oxidativo tem sido associado a diminuição da performance, fadiga, dano muscular e overtraining (CARMELI et al., 2000). Por essa razão, alguns pesquisadores sugerem que reduzir o estresse oxidativo pode melhorar a tolerância ao exercício físico bem como a performance (ALESSIO et al., 1999).

  Embora os benefícios do aumento no VO

  2 máx sejam bem estabelecidos, um

  paradoxo bioquímico é verificado. O aumento no consumo de O

  2 é essencial para

  aptidão cardiovascular e performance, porém o aumento no consumo durante ou após o exercício pode ser prejudicial, quando é excedida a capacidade normal do individuo (PINHO, 2005).

  A geração de ERO durante o exercício depende do tipo (aeróbia ou anaeróbia), intensidade, duração, exigência de energia, os níveis de consumo de oxigênio e tensões mecânicas impostas sobre os tecidos (FISCHER-WELLMAN, 2009). O exercício físico intenso provoca um aumento de 10 a 20 vezes no consumo total de oxigênio do organismo e um aumento de 100 a 200 vezes na captação de oxigênio pelo tecido muscular, favorecendo o aumento na produção de ERO (SAXTON et al., 1994). Entretanto, estudos têm demonstrado que o treinamento de endurance aumenta as defesas antioxidantes, assim como a capacidade oxidativa do músculo (PINHO et al., 2006; RÁDAK et al., 1999; TERBLANCHE, 2000).

  A formação de ERO durante o exercício físico decorre de diversos processos fisiológicos como a metabolização do oxigênio celular, isquemia-reperfusão, inflamação do tecido muscular e oxidação de catecolaminas (JI e LEICHTWEIS, 1997; KÖNIG e BERG, 2002). Esses processos geram um acúmulo de ERO em algumas situações que podem ocasionar prejuízos relevantes na performance.

  2.5.1 Formação de ERO durante o metabolismo do oxigênio na cadeia respiratória A fosforilação oxidativa resulta na produção de ATP na mitocôndria em situações normais. A oxidação do substrato ocorre no ciclo de krebs e na cadeia transportadora de elétrons com o oxigênio como receptor de elétrons. Na cadeia respiratória, 95-99% do oxigênio consumido é reduzido em água por redução tetravalente (reação 1) catalizada pela CoQ (FINAUD et al., 2006).

  Entretanto, 1-5% de O

  2 do fluxo da cadeia tranportadora de elétrons são

  desviados para a formação de superóxido (FINAUD et al., 2006). No complexo I, a principal rota de fuga para o oxigênio é reagir com o ferro e o enxofre encontrados no local e no complexo III. O produto formado pelas duas reações é o superóxido, sendo que o complexo III libera-o por ambos os lados do interior da membrana mitocondrial. Não está claro se este superóxido atravessa a membrana externa mitocondrial ou é dismutado por Cu / Zn-SOD localizada na mitocôndria localizada no espaço inter- membrana. Durante o exercício, a geração de ERO que ocorre durante a atividade contrátil está diretamente relacionada com o elevado consumo de oxigênio que ocorre com o aumento da atividade mitocondrial (POWERS e JACKSON, 2007).

  2.5.2 Formação de ERO durante isquemia-reperfusão

  2+

  Interrupções temporárias das bombas de ATP dependentes de Ca levam ao

  2+

  aumento das concentrações intracelulares de Ca , o que durante o exercício pode

  2+

  ativar a via da XO. Concentrações aumentadas de Ca intramusculares durante períodos de exercício de alta intensidade podem ativar as proteases dependentes de

  2+

  Ca , as quais convertem a xantina desidrogenase em XO. A XO usa o oxigênio molecular ao invés do NADH como aceitante de elétrons e assim gera o radical superóxido (HALLIWELL E GUTTERIDGE, 2007).

  2+

  A alta concentração de Ca em situações isquêmicas tem sido associada com

  2+

  outra via de produção de ERO. O acréscimo das concentrações de Ca pode ativar a enzima fosfolipase A 2 a qual libera o ácido araquidônio a partir dos fosfolipídeos. Zuo et al. (2004) concluiu que o metabolismo do ácido araquidônico, em associação com a

  • atividade da lipoxigenase, é a maior fonte de O no músculo esquelético.

  2 Exercícios intensos podem aumentar a produção de ERO devido à hipóxia e

  reoxigenação temporárias que ocorrem no músculo exercitado em função de contrações e relaxamentos estabelecidos ciclicamente. Durante a contração, a compressão vascular estabelece um quadro de isquemia, gerando uma hipóxia. Entretanto no relaxamento, acontece a reperfusão, e, consequentemente, a reoxigenação (HALLIWELL E GUTTERIDGE, 2007).

  Sob condições aeróbias, o oxigênio suficiente assegura que o ATP seja reposto primeiramente via fosforilação oxidativa mitocondrial e que a hipoxantina/xantina sejam convertidas para ácido úrico pela xantina desidrogenase do que pela xantina oxidase. Além disso, o músculo esquelético tem baixa atividade da XO. Todavia a XO pode ser um importante caminho quando o músculo apresentar um déficit de adenina dinucletídeo. Essa situação teoricamente pode acontecer em situação isquêmica, exercício isométrico, sprint, déficit de O

  2 , exercícios com limitação vascular de fluxo sanguíneo (BEJMA e JI, 1999, CHEVION et al., 2003).

  De acordo com Chevion et al. (2003) as reações catalisadas pela XO têm sido consideradas algumas das mais importantes fontes de RL na isquemia/reperfusão do coração. Durante a isquemia o ATP é degradado em adenosina difosfato (AMP) devido à demanda de energia do miocárdio. Se o O

  2 for insuficiente, o AMP é continuamente

  degradado para hipoxantina que pode ser convertido para xantina e ácido úrico pela

  • XO, ligando-se a 1e da redução do O

  2 e formando superóxido. A XO também pode ser

  convertida da forma reduzida (xantina desidrogenase) para forma oxidada por

  2+

  proteases intracelulares que pode ser ativada pelo Ca . O O também pode ser

  2 disponível como aceptor de elétrons.

  2.5.3 Formação de ERO durante processo inflamatório Danos musculares provocados por exercícios levam a migração de várias células do sistema de defesa como leucócitos, neutrófilos, monócitos e macrófagos que são capazes de produzir ERO (MOOREN e VÖLKER, 2004). A ativação de leucócitos após o dano muscular, induzido pelo exercício físico, pode estimular a produção de RL para atacar os antígenos invasores. Em particular os neutrófilos são as maiores fontes de

  • produção de O

  2 pela reação NADPH-oxidase (Reação 9). Na presença de H

  2 O 2 e íon

  clorido, os neutrófilos geram o potente HClO via reação catalizada pela enzima mieloperoxidase. A netrofilia induzida pelo exercício ocorre como resultado da desmarginação de neutrófilos de tecidos endoteliais (mediados por catecolaminas) e medula óssea (mediado pelo cortisol) (TREVOR E SANDY, 2001). A produção demasiada de ERO responsáveis pelo ataque ao agente invasor no processo inflamatório é chamada de burst oxidativo e é responsável pela primeira linha de defesa contra o desenvolvimento de patogenias (DRÖGE, 2002).

  Reação 9:

  • + - +

  2 O 2 + NADPH 2 O 2 + NADP + H

  Uma concentração relevante de ERO pode modular o sinal sensível-redox para aumentar as funções imunológicas dos linfócitos (DRÖGE, 2002). Embora isso seja uma reação de proteção do organismo, pode ser causa de inflamações agudas, devido à produção de mediadores pro-inflamatórios adicional como interleucinas 1,6 e 8, TNF- α e PGE, levando a produção de processo inflamatório adicional e aumentando a produção de ERO (MASTALOUDIS et al., 2001).

  2.6 RELAđấO ENTRE EXERCễCIO EXCÊNTRICO E ESTRESSE OXIDATIVO A inflamação e o dano celular podem acontecer por exercício traumático como esportes com impacto ou exercícios excêntricos. As respostas isquêmicas e inflamatórias induzidas pela contração isquêmica trazem em contingência a formação de ERO (FINAUD et al., 2006). O ferro liberado neste processo da hemoglobina e ferritina pode ser fator preponderante na formação adicional de ERO, pois o ciclo redox do ferro promove a reação de Fenton e Haber-Weiss (Conjunto de Reações 4) as quais resultam na produção de radical hidroxila. Esse radical livre é altamente danoso, é capaz de retirar um átomo de hidrogênio dos ácidos graxos poliinsaturados (PUFA) da membrana celular e iniciar a peroxidação lipídica (WELCH et al., 2002).

  Estudos em animais (DUAN et al., 1990; WARREN et al., 1996) têm mostrado

  • 2

  que após a prática de exercícios excêntricos acontece um acúmulo de Ca mitocondrial, produzindo uma queda no potencial da membrana mitocondrial para a produção de ATP e, consequentemente, diminuição das contrações musculares. Isto pode ocorrer pois o exercício excêntrico pode desequilibrar a homeostase do cálcio devido à excessiva atividade de contração e lesão muscular e isquemia tecidual. Esse conjunto de processos pode aumentar a geração de ERO pela via xantina-oxidase (KÖNIG e BERG, 2002).

  2.7 LESÕES NO EXERCÍCIO EXCÊNTRICO A lesão muscular é causada por exercícios físicos extenuantes em músculos não habituados a receberem certos estímulos, principalmente quando envolvem contrações musculares excêntricas quando os músculos são alongados enquanto exercem força (CLARKSON e SAYERS, 1999). No exercício excêntrico, as lesões ocorrem porque as ações de alongamento provocam uma extensão além do normal de alguns sarcômeros, causando danos a essas estruturas (CLEBIS e NATALI, 2001). Um exemplo de exercício excêntrico é a corrida em declive, em que na descida a contração do músculo do quadríceps sofre o processo de alongamento a fim de controlar o grau de flexão do joelho contra a força da gravidade (PROSKE e MORGAN, 2001).

  Vários fatores podem estar relacionados ao aparecimento de lesões nas fibras musculares que realizaram trabalho excêntrico. Clebis e Natali (2001) e Clarkson e Sayers (1999) ressaltam a possível influência da fadiga muscular, quebra da

  • 2

  homeostase celular do Ca , produção de ERO, falta de substrato energético e al. (2006) afirmam que as lesões ocorridas pela ação excêntrica podem causar diminuição do alongamento do músculo, dor muscular tardia e inflamação do músculo.

  Em um de seus estudos com treinamento excêntrico em humanos, Sorichter et al. (2006) evidenciou que a máxima força muscular associada à ação excêntrica causa a rápida dissociação e/ou degradação e remoção imediata de troponina do tipo I. Dessa forma, são possíveis alterações no complexo do filamento da troponina imediatamente após a lesão muscular, induzida por exercício físico.

  Além disso, mudanças na função muscular a nível celular foram observadas após o exercício excêntrico. Ocorre uma diminuição na quantidade de proteínas

  • transportadora de glicose e lactato/ H e sua ação torna-se prejudicada (CLARKSON e SAYERS, 1999). Estudos mostram a elevação de creatina quinase e lactato desidrogenase por vários dias, após treinamento excêntrico (DONNELY et al., 1992; ESTON et al., 1996; NOSAKA e CLARKSON, 1994), confirmando assim a ação deletéria do exercício excêntrico nas fibras musculares.

  Os exercícios excêntricos induzem a dor muscular tardia (DMT) (GLEESON et al., 1997). Funciona como um mecanismo de proteção que age para diminuir a atividade muscular e prevenir lesões mais graves (ZAINUDDIN et al., 2006). Caracterizada pela sensibilidade local ou generalizada nos músculos estressados, manifesta-se depois de oito horas do término do exercício e progride de intensidade nas primeiras 24 horas, alcançando seu pico entre 48 e 72 horas (TRICOLI, 2001). Gleeson et al. (1997) afirma que a DMT inicia entre seis e dez horas após o exercício excêntrico e o pico acontece entre 24 e 48 horas depois do exercício.

  Smith (1991) sugere que a DMT decorre do processo inflamatório no músculo exercitado. Células polimorfonucleadas (PMN) migram para o tecido lesionado e liberam PGE

  2 , que ativam receptores locais de dor, intensificando a sensação dolorosa

  (CROSIER et al., 1996). As PGE aumentam a sensibilidade dos receptores de dor tipo

  III e IV. Os receptores do tipo III identificam primeiramente estímulos mecânicos, enquanto os do tipo IV são responsáveis pela transmissão da dor causada por agentes químicos. O tempo para que estes eventos ocorram, explicam em parte a demora entre o dano na estrutura do tecido muscular e a percepção de dor (MILES et al., 1994).

  Todos os procedimentos foram aprovados pelo Comitê de Ética no Uso de Animais da Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina (UNESC)

  • – Brasil e realizados conforme a Lei nº 11.794/08 (DOU 196, Seção 1, Outubro/2008).

  3.1 CARACTERIZAđấO DA PESQUISA Esta pesquisa caracteriza-se por ser do tipo experimental com delineamento experimental (THOMAS e NELSON, 2002), pois se trata de comparar a resposta da suplementação do antioxidante em grupo experimental e controle.

  3.2 AMOSTRA Fizeram parte da amostra 24 ratos Wistar machos (60 dias de idade, 200-250g de peso), oriundos do Biotério da Universidade do Extremo Sul Catarinense. Os animais foram agrupados em gaiolas e tiveram acesso livre à água e à comida (ração para camundongos e ratos da Nuvilab® CR-1

  • – Tabela 3) com temperatura ambiente de

  o 23 C graus e ciclo de claro e escuro de por um período de 12 horas. Tabela 3: Composição básica do produto (ração Nuvilab® CR-1) / kg do produto Valor Nutricional da dieta padrão % por kg do produto

  Umidade (máx.) 12,5 Proteína Bruta (min.)

  22 Extrato Étereo (min.) 4,5 Matéria mineral (máx.)

  10 Matéria fibrosa (máx.)

  8 Cálcio (máx.) 1,4 Fósforo

  0,8

  3.3 TRATAMENTO EXPERIMENTAL Os animais foram divididos em quatro grupos (n=6): controle (C); exercício excêntrico (EE); exercício excêntrico + taurina (EET) e exercício excêntrico + salina

  (EES).

  3.4 PROTOCOLO DE ADAPTAđấO AO EXERCễCIO Todos os animais foram ambientados em esteira ergométrica sem estimulação elétrica durante uma semana, antes da sessão de exercício excêntrico (10 minutos de

  • 1 corrida), com velocidade constante (10 m.min ) e sem inclinação.

  3.5 PROTOCOLO DE EXERCễCIO EXCÊNTRICO DE LONGA DURAđấO

  O modelo de exercício excêntrico utilizado foi o de corrida em declive (

  16 graus) baseado em um estudo de Armstrong et al. (1991). Os ratos foram submetidos a uma sessão de exercício com duração de 1,5 hora com velocidade constante de 16,6

  • -
  • 1

  m.min em esteira ergométrica e este protocolo foi realizado 48 horas depois a última sessão de treinamento de adaptação. A intensidade do exercício realizado pode ser considerada moderada (+ 60% do VO

  2 máx.) de acordo com Brooks e White (1978).

  3.6 SUPLEMENTAđấO A taurina sintética (marca Sigma®) foi administrada neste estudo de acordo com o experimento de Myasaki et al. (2004). A taurina foi manipulada por gavagem

  (300mg/kg de peso corporal diluído em 1ml de água deionizada) em dose única diária por um período de 14 dias consecutivos antes da sessão de exercício e 2, 12, 24 e 48 horas depois dela. Foi utilizada 1ml de salina (NaCl 0,9%) como veículo.

  3.7 EUTANASIA Quarenta e oito horas depois da sessão exercício excêntrico os ratos foram sacrificados por decapitação e o quadríceps foi retirado cirurgicamente, processado, aliquotado e armazenado em freezer -70°C para posterior análise.

  3.8 DESENHO DO ESTUDO Figura 1

  • – Desenho do estudo “Efeitos da suplementação de taurina sobre os parâmetros de estresse oxidativo induzidos pelo exercício excêntrico”.

  3.9 ENSAIOS BIOQUÍMICOS

  3.9.1 Produção de Espécies Reativas de Oxigênio 3.9.1.1 Ânion Superóxido

  O superóxido é determinado pela oxidação da adrenalina em tampão contendo SMP, succinato (inibidor da cadeia de transferência de elétrons) e catalase. Um controle negativo é determinado com a presença de SOD (PODEROSO et al., 1996).

  Para esta análise, uma alíquota do quadríceps foi retirada e homogeneizada em tampão isolamento (MSTE). A amostra foi centrifugada e retirada uma parte do sobrenadante. Logo após, ressuspendeu-se o pellet que foi homogeneizado logo depois em MSTE. Centrifugou-se por 10 minutos e o sobrenadante foi novamente retirado. Os dois sobrenadantes foram misturados e centrifugados. O pellet dessa solução foi retirado e centrifugado duas vezes. A amostra foi congelada 3 vezes em

  • – 70°C por cinco minutos. Foi adicionado 5 µl de solução de SMP (partículas sub-mitocondriais) e
tampão lavagem à amostra. Centrifugou-se por mais 10 minutos e o pellet foi ressuspendido. Esta última fase foi realizada 2 vezes antes de dosar.

  3.9.2 Marcadores de Danos Oxidativos

  3.9.2.1 Espécies Reativas ao Ácido Tiobarbitúrico (TBARS) Este método foi utilizado para a avaliação do estado de oxidação dos ácidos graxos em sistemas biológicos. O dano em lipídeos da membrana é determinado pela formação de subprodutos da lipoperoxidação (malondialdeído-MDA), que são substâncias reativas ao aquecimento do ácido tiobarbitúrico (TBA), formadas durante a peroxidação em sistemas de membranas e microssomos. O MDA reage com o TBA gerando um produto róseo lido em espectrofotômetro (DRAPER e HADLEE, 1990).

  Esta análise foi realizada conforme descrito por Draper e Hadlee (1990). As amostras foram homogeinizadas em tampão TBA, lisadas em TCA 5% e centrifugadas por 10 min. O sobrenadante foi fervido por 30 min em TBA 67%. Após o resfriamento em temperatura ambiente, as substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico foram quantificadas a 532 nm.

  3.9.2.2 Carbonilação de proteínas Este método foi utilizado para dosar a oxidação de proteínas. Baseia-se no princípio de que vários RL atacam resíduos de proteínas como aminoácidos

  (principalmente histidina, arginina, lisina e prolina) resultando em produtos com o grupo carbonil, o qual pode ser medido pela reação com dinitrofenihidrazina (LEVINE et al., 1990).

  Nesta análise, após homogenização das amostras de quadríceps em tampão carbonil (120 mM KCL, 30mM KH

  2 PO 4 ), as mesmas foram centrifugadas a 7000g por

  15min a 4°C e lisadas em TCA 20%. As amostras lisadas foram novamente centrifugadas a 14000 g por 5 minutos. O pellet foi ressuspenso em 100 L de 0,2 M de NaOH e as amostras foram incubadas por 1 hora à temperatura ambiente com 2 M de

  HCl (1:3) adicionado de 10 mM de DNPT. Após o período de incubação, adicionou-se 100 L de TCA 20% e as amostras foram centrifugadas a 14000g por três minutos. O

  

pellet foi lavado com 500 L de etanol-etilacetato. As amostras foram incubadas por

  mais 30 minutos a 60°C, centrifugadas novamente a 14000g por 3 minutos. O conteúdo de formação de carbonil foi determinado espectrofotometricamente em 370nm, usando

  • 1 um coeficiente 22.0000 molar .

  3.9.2.3 Sulfidrilas O ácido ditionitrobenzóico (DTNB) é reduzido por tióis gerando um derivado amarelo (TNB) e lido espectrofotometricamente a 412 nm. Este método determina os tióis totais da amostra, sendo um parâmetro de medida de dano oxidativo às proteínas (AKSENOV e MARKESBERY, 2001).

  As amostras do quadríceps foram homogeneizadas em 1 ml de tampão PBS (7.4 pH) com 1 mM de EDTA. Logo após, foi adicionado a amostra DTNB e incubada por 30 minutos à temperatura ambiente no escuro. Por fim, as amostras foram lidas espectrofotometricamente.

  3.9.3 Atividade de enzimas antioxidantes

  3.9.3.1 Superóxido dismutase (SOD) O produto resultante da reação catalisada pela SOD é o H O que deve ser

  2

  2

  retirado do meio o mais rápido possível. Uma unidade de enzima é definida pela quantidade transformada em 1µmol de substrato por minuto. A atividade enzimática foi determinada pela inibição da auto-oxidação da adrenalina medida espectrofotometricamente (480nm), segundo Bannister e Calabrese (1987).

  O tecido do quadríceps foi homogenizado em 1 ml de tampão glicina (10,2 pH). Foram utilizados 10µl, 20µl e 30µl de amostra para fazer a leitura. Foi pipetado 10µl de

  ◦

  catalase e 970 µl de tampão glicina (32 ) e em seguida foi dado o branco. A adrenalina (17µl) foi acrescentada à solução que foi lida durante 180 segundos. Após a primeira leitura, adicionou-se 10 µl de catalase e 970 µl de tampão glicina à quantidade de amostra (10, 20 ou 30 µl) e logo depois zerou-se o espectro. Foi adicionado 17 µl de adrenalina e leu-se novamente em 180 segundos.

  3.9.3.2 Catalase (CAT) Esta análise mediu a atividade da enzima produzida pelas células e organelas da fração retirada do quadríceps em resposta a quantidade de peróxido de hidrogênio determinada pela queda na absorbância (240nm), conforme previamente descrito por Aebi (1984).

  O procedimento iniciou com a homogeinização das amostras em tampão fosfato. Foram centrifugadas em 3000g por 10 minutos. Foram pipetadas 50µl de amostra e 1ml de tampão fosfato em cubeta de quartzo. Logo depois foi zerado o espectro. Foi utilizado o tampão fosfato com peróxido de hidrogênio para fazer a leitura. Foi adicionado 1ml de peróxido de hidrogênio à 50µl de cada amostra e feita a leitura nos tempos de 0 segundos, 30 segundo e 60 segundos.

  3.9.4 Determinação da Proteína A quantidade de proteínas de todos os ensaios foram mensurados usando a técnica de LOWRY et al. (1951). O princípio do método baseia-se em uma mistura contendo molibdato, tungstato e ácido fosfórico, reagente Folin-Ciocalteau, que sofre uma redução quando reage com proteínas, na presença do catalisador cobre (II) e produz um composto com absorção máxima em 750 nm.

  O tecido foi homogeneizado em tampão correspondente de cada experimento. Foi pipetada a curva utilizando a relação de 0,5mg de albumina (BSA) para 1ml de H 2 O. Foi colocado 10 µl da amostra homogeneizada em 190 H O e depois pipetado 1 ml de

  2

  reagente C em todos os pontos e misturado no Vortex. Foram esperados 10 minutos para se acrescentar 100 µl de folin em todos os tubos e esperou-se mais 30 minutos. Para se fazer a leitura em espectofotômetro a 700nm em cubeta de plástico.

  3.10 CÁLCULO E TAMANHO DA AMOSTRA Baseando-se em Silva et al. (2009) em que uma relação média (± Erro padrão médio - EPM) de TBARS de 0,14 ± 0,07nmol/mg proteína antes do protocolo de exercício excêntrico e de 0,24 ± 0,08nmol/mg proteína após a sessão de exercício, no presente estudo o tamanho do grupo amostral necessário para detectar uma diferença significativa, considerando um nível de significância de 5% e poder de 80%, foi de 6 animais por grupo totalizando 24 animais em todo experimento.

  3.11 TRATAMENTO ESTATÍSTICO Os dados foram expressos em média e erro padrão médio (EPM) e analisados estatisticamente pela análise de variância (ANOVA) one-way, seguido pelo teste post

  

hoc Tukey. O nível de significância estabelecido para o teste estatístico foi de p<0,05.

  Foi utilizado o SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão 16.0 como pacote estatístico.

  4.1 PRODUđấO DE ESPÉCIES REATIVAS DE OXIGÊNIO 4.1.1 Ânion Superóxido

  Houve um aumento significativo na produção de superóxido após a sessão de exercício excêntrico em todos os grupos em relação ao grupo controle - C (0,52 0,17 nmol/min/mg proteína). O grupo EET apresentou uma redução na produção do ânion Superóxido (0,9 0,2 nmol/min/mg proteína) quando comparado com o grupo EE (1,62 0,2 nmol/min/mg proteína) e o grupo EES (1,55 0,3 nmol/min/mg proteína) -Figura 2.

  • -

    Figura 2: Produção de ânion superóxido (O

  2 ) no músculo do quadríceps de ratos, após

  uma sessão de exercício excêntrico: grupo controle (C), grupo exercício excêntrico (EE), grupo exercício excêntrico com suplementação de taurina (EET) e grupo exercício excêntrico com placebo (EES). Os valores estão representados em média+EPM e os resultados expressos em nmol/min/mg proteína. Diferenças significativas em relação ao grupo controle (*) e em relação ao EES (#) com nível de significância p<0,05.

  4.2 MARCADORES DE DANOS OXIDATIVOS

  4.2.1 Espécies Reativas ao Ácido Tiobarbitúrico (TBARS) Na figura 3, a quantidade de TBARS aumentou em todos os grupos em comparação ao C (0,06 0,006 nmol/mg proteína). No entano, EET apresentou quantidade de TBARS menor (0,13 0,001nmol/mg proteína) em relação a ambos os grupos (EES - 0,18 0,03 nmol/mg proteína e EE - 0,18 0,05 nmol/mg proteína).

  Figura 3: Níveis de TBARS no músculo do quadríceps de ratos, após uma sessão de exercício excêntrico: grupo controle (C), grupo exercício excêntrico (EE), grupo exercício excêntrico com suplementação de taurina (EET) e grupo exercício excêntrico com placebo (EES). Os valores estão representados em média+EPM e os resultados expressos em nnmol/mg proteína. Diferenças significativas em relação ao grupo controle (*) e em relação ao EES (#) com nível de significância p<0,05.

  4.2.2 Conteúdo total de tióis Ocorreu uma diminuição no conteúdo total de tióis em todos os grupos após a sessão de exercício excêntrico em relação ao grupo C (Figura 4). Entretanto, o grupo

  EET apresentou um maior conteúdo total de tióis (18,8 0,3 nmol TNB/mg proteína) em comparação com os demais grupos (EES -13,8 1 nmol TNB/mg proteína; EE - 12,2 1 nmol TNB/mg proteína).

  Figura 4: Conteúdo total de tióis no músculo do quadríceps de ratos, após uma sessão de exercício excêntrico: grupo controle (C), grupo exercício excêntrico (EE), grupo exercício excêntrico com suplementação de taurina (EET) e grupo exercício excêntrico com placebo (EES). Os valores estão representados em média+EPM e os resultados expressos em nmol TNB/mg proteína. Diferenças significativas em relação ao grupo controle (*) e em relação ao EES (#) com nível de significância p<0,05.

  4.2.3 Carbonilação de proteínas Houve um aumento nos níveis de carbonilação de proteínas em todos os grupos após a sessão de exercício excêntrico em relação ao grupo controle (Figura 5).

  Contudo, o grupo EET apresentou um valor menor na carbonilação de proteínas (0,20

  0,2 nmol/mg proteína) quando comparado com ambos os grupos (EES- 0,30 0,03 nmol/mg proteína; e EE - 0,30 0,025 nmol/mg proteína).

  Figura 5: Níveis de carbonilação de proteínas no músculo do quadríceps de ratos, após uma sessão de exercício excêntrico: grupo controle (C), grupo exercício excêntrico (EE), grupo exercício excêntrico com suplementação de taurina (EET) e grupo exercício excêntrico com placebo (EES). Os valores estão representados em média + EPM e os resultados expressos em nmol /mg proteína. Diferenças significativas em relação ao grupo controle (*) e em relação ao EES (#) com nível de significância p<0,05.

  4.3 ATIVIDADES DE ENZIMAS ANTIOXIDANTES

  4.3.1 Superóxido dismutase (SOD) Em todos os grupos (EE

  • – 1,22 0,25 U de SOD/mg proteína; EET – 1,18 0,15 U de SOD /mg proteína; EES
  • – 1,22 0,12 U de SOD /mg proteína) houve aumento na atividade da SOD após a sessão de exercício excêntrico em relação ao grupo controle (C - 0,49 0,12 U de SOD /mg proteína). A suplementação com Taurina não alterou os resultados conforme ilustra figura 5.
Figura 6: Atividade da enzima Superóxido Dismutase (SOD) no músculo do quadríceps de ratos, após uma sessão de exercício excêntrico: grupo controle (C), grupo exercício excêntrico (EE), grupo exercício excêntrico com suplementação de taurina (EET) e grupo exercício excêntrico com placebo (EES). Os valores estão representados em média + EPM e os resultados expressos em U de SOD /mg proteína. Diferenças significativas em relação ao grupo controle (*) e em relação ao EES (#) com nível de significância p<0,05.

  4.3.2 Catalase (CAT) Foi verificado um aumento na atividade da CAT em todos os grupos (EE - 6,12

  0,19 U de CAT/mg proteína; EET- 5,85 0,62 U de CAT/mg proteína; EES

  • – 5,61 0,45 U de CAT/mg proteína) quando comparados ao grupo controle (C
  • – 3,98 0,19 U de CAT/mg proteína). A suplementação da taurina não alterou os resultados (Figura 7).
Figura 7: Atividade da CAT no músculo do quadríceps de ratos após uma sessão de exercício excêntrico: grupo controle (C), grupo exercício excêntrico (EE), grupo exercício excêntrico com suplementação de taurina (EET) e grupo exercício excêntrico com placebo (EES). Os valores estão representados em média + EPM e os resultados expressos em U de CAT/mg proteína. Diferenças significativas em relação ao grupo controle (*) e em relação ao EES (#) com nível de significância p<0,05.

  Neste estudo foi possível observar que uma sessão de exercício excêntrico ocasionou um aumento na produção de ERO (representado pelo ânion superóxido), no dano oxidativo de lipídeos e proteínas e na atividade das enzimas antioxidantes (SOD e CAT). Corroborando com outros autores (BLOOMER et al., 2004; CHILDS et al., 2001; SILVA et al., 2008), é possível confirmar que este tipo de exercício provoca um desequilíbrio no sistema oxidante/antioxidante, causando o estresse oxidativo.

  Com o objetivo de atenuar os efeitos deletérios ocasionados pelo exercício excêntrico, utilizou-se a suplementação de taurina como recurso antioxidante. A quantidade suplementada de taurina neste trabalho foi adaptada de acordo com Miyazaki et al. (2004) que encontrou efeitos positivos na performance de ratos, com doses entre 100 e 500mg de taurina /kg de peso corporal.

  Diversos estudos mostram que o exercício excêntrico provoca alterações nos marcadores de estresse oxidativo em um período entre 24 e 72 horas pós-exercício (GOLDFARB et al., 2005; LEE et al., 2002, SILVA et al., 2008). Neste estudo optou-se por avaliar os parâmetros de estresse oxidativo 48 horas depois de uma sessão de exercício excêntrico.

  A geração de ânion superóxido, durante o exercício físico, ocorre por diversas vias, sendo que algumas delas são: o aumento no fluxo de elétrons na cadeia transportadora, ativação da xantina-oxidase e NADPH-oxidase durante e depois das contrações excêntricas (HALLIWEL e CROSS, 1994; ZUO et al., 2004; BUTTERFIELD et al., 2006).

  Na inflamação do tecido muscular, miócitos e outras células liberam citocinas como interleucinas 1, 6 e 8 e TNF os quais ativam a migração das células polimorfonucleadas (PMN) no local. As células PMN ativam mieloperoxidase que acabam produzindo substâncias citotóxicas como superóxido, hipoclorido, ácido hipocloroso e peróxido de hidrogênio (BUTTERFIELD et al., 2006; MASTALOUDIS et al., 2001; TREVOR e SANDY, 2001). Uma alta produção destes metabólitos pode desencadear o processo de estresse oxidativo. Os resultados deste trabalho demonstraram que a suplementação de taurina diminuiu a produção de superóxido. Este efeito antioxidante da taurina pode ser atribuído à capacidade que ela tem de se ligar ao HClO e gerar um produto menos tóxico, a taurina cloramina (TauCl) que possui a capacidade de neutralizar o ânion superóxido e o óxido nítrico (KIM e CHA, 2009). A TauCl pode ainda inibir as ações do fator nuclear kappa B (

NFĸB), um fator de transcrição que participa da resposta inflamatória (GURUJEYALASHMI et al., 2000) e

  pode bloquear a produção de quimiocinas nos macrófagos alveolares que estão envolvidos no recrutamento de neutrófilos (LIU e QUINN, 2002; ZEYBEK et al., 2006) diminuindo o processo inflamatório. Outra possibilidade, segundo Hansen et al. (2006) é que a taurina pode atuar como antioxidante em locais com alta produção de ERO, incluindo a mitocôndria, corroborando com a hipótese que a taurina pode estar envolvida no metabolismo oxidativo.

  Os danos em lipídeos das membranas celulares (lipoperoxidação) induzidos por ERO podem ocasionar prejuízos irreversíveis para a célula como a apoptose (FINAUD et al., 2006). A lipoperoxidação pode agravar o dano da membrana por aumento da permeabilidade (PASANTES-MORALES e CRUZ, 1985). Neste estudo, a suplementação de taurina diminuiu os níveis de TBARS (marcador indireto de lipoperoxidação) após o exercício excêntrico em comparação com os demais grupos. Alguns autores mostraram resultados similiares quanto ao efeito protetor da taurina sobre a lipoperoxidação (KIM et al., 1996; ZEYBECK et al., 2006). A taurina demonstrou reduzir o dano induzido pelo exercício no músculo, bloqueando o aumento de TBARS no músculo extensor longo de ratos no estudo de Dawson et al. (2002).

  Bakker e Berg (2002) reportam que ela altera indiretamente o funcionamento de canais

  • de Cl no músculo esquelético pela interação com os fosfolipídeos próximos ao canal. O efeito protetor que a taurina exerce sobre este tipo de lipídeo pode ser atribuído a essa capacidade de interação com os fosfolipídeos da membrana e a melhora nas propriedades de estabilização das paredes celulares, limitando o ataque de ERO (GOODMAN et al., 2009; ZHANG et al., 2004).

  Similarmente à lipoperoxidação, a suplementação de taurina ajudou a proteger as proteínas celulares, diminuindo a carbonilação das proteínas e preservando conteúdo de tióis totais e em relação aos demais grupos. A alta concentração de ERO pode modificar aminoácidos por reações em cadeias pelo o ataque a agregados de proteínas suscetíveis a degradações proteolíticas (REPINE et al., 1997). Os grupos carbonilas são formados principalmente a partir da oxidação de alguns aminoácidos atacados por ERO, como lisina, argenina e cisteína. (DALLE-DONNE et al., 2003). Alguns estudos (PINHO, 2006; SILVA, 2008; ARAUJO, 2008) têm mostrado o efeito protetor de alguns antioxidantes na carbonilação de proteínas após o exercício. Dawson et al. (2002) utilizaram a suplementação de taurina e encontraram redução no dano de proteínas, corroborando com os presentes resultados.

  É possível que um dos mecanismos de proteção da taurina sobre as proteínas, além de reduzir a produção de ERO, possa estar relacionado com o metabolismo protéico, uma vez que a degradação de proteínas, durante o exercício e nos dias seguintes, torna-se necessária para a reconstrução de novas fibras musculares (MEYDANI et al.,1997). A taurina pode estar envolvida, também, no processo de proteção de proteínas musculares acometidas pelo ataque de ERO produzidas durante a atividade oxidativa da xantina (CHANG et al., 2004). Nos momentos de hipóxia tecidual e alta produção de ERO, a taurina modula a disponibilidade do cálcio intracelular (CONTE-CAMERINO et al., 2004; GALLER e HUTZLER, 1990). Por esta razão, ela pode ter afetado a hiperexcitabilidade celular pelo aumento da condução da membrana de potássio e íons clorido (IZUMI et al., 1977), estabilizando a permeabilidade da membrana.

  A quantificação da concentração dos grupamentos sulfidrila totais fornece uma idéia do nível de ataque oxidativo às proteínas. A produção demasiada de ERO pode promover a oxidação e degradação de proteínas celulares (YU e KIM, 2008). As proteínas teciduais possuem resíduos de cisteína (com grupamentos sulfidrila livres) que podem ser oxidados pela ação de radicais livres (ZOPPI et al., 2006). Os resultados deste estudo mostram redução do conteúdo de tióis total em todos os grupos após o exercício.

  A diminuição do conteúdo de tióis totais nos grupos EE também pode ter ocorrido pela redução da disponibilidade de glutationa. A glutationa é predominantemente regenerada no fígado e músculo esquelético, as custas de NADPH+, um dos produtos da via das pentoses. O NADPH+ é utilizado como substrato pela enzima glutationa redutase, gerando como produto glutationa, o principal substrato para a reação da GPX. A maior requisição de energia reduz os estoques endógenos de glicogênio durante o exercício prolongado, o que levaria a uma consequente redução nas concentrações de glicose-6-fosfato. A disponibilidade do substrato para a via das pentoses diminuiria, comprometendo a regeneração de glutationa. Nessas condições, a baixa disponibilidade da glutationa favorece a alteração do estado redox intracelular para um estado mais oxidado, o que poderia levar ao aumento na oxidação dos grupos tióis de proteínas com funções sinalizadoras importantes durante a atividade muscular, incluindo enzimas do metabolismo oxidativo (SILVEIRA et al., 2008).

  A prática de exercícios tende a produzir uma resposta adaptativa no organismo. O estresse oxidativo é minimizado pela regulação do sistema antioxidante em resposta ao exercício (FISHER-WELLMAN e BLOOMER, 2009; JACKSON, 2005). O estudo de Silva et al. (2009) reporta que depois de cinco sessões de exercício excêntrico a atividade de SOD aumentou a e a de CAT diminuiu em fígado de ratos. Neste estudo, a atividade das duas enzimas dosadas no estudo (SOD e CAT) aumentou após o

  • exercício. O aumento de O requer uma maior produção desses antioxidantes,

  2

  descartando-se a possibilidade destes resultados serem uma resposta adaptada ao exercício. No entanto, a suplementação de taurina não alterou os resultados em relação aos outros grupos. Acredita-se, com base em outros estudos (EPPLER et al., 2001; OBROSOVA et al., 1999; ZEYBEK et al., 2006), que a taurina tenha uma estreita relação com o metabolismo da glutationa, aumentando a atividade da GPX. Esta ligação pode ocorrer pelo fato da cisteína ser a maior precursora na biossíntese de glutationa e também precursora da taurina (MOOREN e VÖLKER, 2004). No estudo em que Zeybek et al. (2006) induziu danos no tecido do rim de ratos com protamina sulfato e o tratamento com taurina estabilizou os estoques de GPX dos tecidos danificados e protegeu do dano oxidativo. Porém, na presente pesquisa a atividade da GPX não foi analisada.

  As observações deste estudo mostraram que a taurina pode ter efeitos benéficos no músculo esquelético por reduzir estresse oxidativo por meio de vários mecanismos. Os resultados deste estudo demonstram que a suplementação de taurina reduziu a produção de radical superóxido, os níveis de lipoperoxidação e de carbonilação; e aumentou o conteúdo total de tióis. Entretanto, a atividade antioxidante enzimática não foi alterada.

  De acordo com os resultados e discussão apresentados, pode-se concluir que a taurina melhorou o estresse oxidativo gerado no exercício excêntrico. No entanto, essa relação ainda não está bem estabelecida. Para prescrição deste antioxidante na prevenção e modulação dos danos oxidativos musculares causados pelo exercício excêntrico são necessários mais estudos para explicar melhor o funcionamento da Taurina, principalmente em humanos. Assim cabe destacar que:

  A suplementação de Taurina diminui a produção de EROs no músculo após o exercício excêntrico; A suplementação de Taurina minimiza os danos oxidativos dos lipídeos e proteínas das células musculares após o exercício excêntrico; A suplementação de Taurina não influenciou na produção das enzimas antioxidantes SOD e CAT no músculo após o exercício excêntrico neste estudo.

  Assim, concluiu-se que novos estudos são necessários a fim de elucidar os efeitos da suplementação de taurina sobre os parâmetros de estresse oxidativo no exercício excêntrico.

  REFERÊNCIAS AEBI, H. Catalase in vitro. Methods Enzymol, v. 105, p. 121-126, 1984.

  AKSENOV, M. Y.; MARKESBERY, W. R. Changes in thiol content and expression of glutathione redox system genes in the hippocampus and cerebellum in Alzheimer's disease. Neuroscience Letters, n. 302, p. 141-145, 2001. ALBERT, M. Treinamento excêntrico em esportes e reabilitação. São Paulo, SP: Manole, 2002.

  ALESSIO, H. M. ; GOLDFARB, A. H. Lipid Peroxidation and scanvenger enzymes during exercise: adaptative response to training. Journal of Applied Physiology, n. 64, p.1333-1336, 1998. ALESSIO, H. M.; HAGERMAN, A. E.; FULKERSON, B. K. Generation of reactive oxygen species after exhaustive aerobic and isometric exercise. Medicine Science of

  Sports Exercise, v. 32, p.1576-81, 1999.

  APPEL, H. J.; SOARES, J. M.; DUARTE, J.A. Exercise, muscle damage and fatigue.

  Sports Medicine, n. 13, p.108-15, 1992.

  ARAUJO, M. C. Efeitos do exercício físico regular e suplementação de licopeno sobre marcadores de estresse oxidativo na Doença Arterial Coronariana. Dissertação de Mestrado. Laboratório de Fisiologia e Bioquímica do Exercício (LAFIBE) – UNESC, 2008.

  ARMSTRONG, R. B.; WARREN, G. L.; WARREN, J. A. Mechanisms of exercise- induced muscle fiber injury. Sports Medicine, n. 12, p. 184-207, 1991. AVERY, N. G.; KAISER, J. L.; SHARMAN, M. J.; SCHEET, T. P.; BARNES, D. M.; GÓMEZ, A. L.; KRAEMER, W. J.; VOLEK, J. S. Effects of vitamin E supplementation on recovery from repeated bouts of resistance exercise. The Journal of Strength

  Conditioning Research, n.17, p. 801-809, 2003.

  BALNAVE, C. D. e THOMPSON, M. W. Effect of training on eccentric exercise induced muscle damage. Journal of Applied Physiology, n. 75, p. 1545-1551, 1993. BANERJEE, A. K.; MANDAL, A.; CHANDA, D.; CHAKRABORTI, S. Oxidant, antioxidant and physical exercise. Molecular and Cellular Biochemistry, n. 253, p. 307

  • –312, 2003. BANNISTER, J.V.; CALABRESE, L. Assays for SOD. Methods Biochemestry Anal, v. 32, p. 279-312, 1987.
BAKKER, A. J.; BERG, H. M. The effect of taurine on sarcoplasmic reticulum function and contractile properties in skinned skeletal muscle fibers of the rat. Journal of

  Physiology, n. 538, p. 185 –194, 2001.

  BARREIROS, A. L. S.; DAVID, J. M. Estresse oxidativo: relação entre geração de espécies reativas e defesa do organismo. Química Nova, n.29, v.1, p.113-123. 2006. BEJMA, J.; JI, L.L. Aging and acute exercise enhance free radical generation in rat skeletal muscle. Journal of Applied Physiology, n. 87, p. 465-470, 1999. BIESEK, S.; ALVES, L. A.; GUERRA, I. Estratégias de Nutriçãõ e suplementação no Esporte. Barueri, SP: Manole, 2005. BIESALSKI, H. K. The role of Antioxidants in Nutritional Support. Nutrition, n.16, p. 593 – 596, 2000. BLOOMER, R. J.; GOLDFARB, A. H.; MCKENZIE, M. J.; YOU, T.; NGUYEN, L. Effects of antioxidant therapy in women exposed to eccentric exercise. International Journal

  of Sport Nutrition and Exrecise Metabolism, n. 14, p. 377 – 388, 2004.

  BOUCKENOOGHE, T.; REMACLE, C.; REUSENS, B.. Is Taurine a functional nutrient?

  Current Opinion in Clinical Nutrition and Metabolic Care, n. 6, v. 9, p. 728

  • – 733, 2006. BROOKS, G. A.; WHITE, T. P. Determination of metabolic and heart rate responses of rats to treadmill exercise. The American Physiological Society, 1978. BUTTERFIELD, T. A.; BEST, T. M.; MERRICK ,M. A. The dual roles of neutrophils and macrophages in inflammation: a critical balance between tissue damage and repair.

  Journal of Athletic Trainning, n.41(4), p.457 – 465, 2006.

  BYER, S. C.; GOLDFARB, A. H. Effect of high dose vitamin C supplementation on muscle soreness, damage, function, and oxidative stress to eccentric exercise.

  Internationational Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism, n.16, p.

  270-280, 2006. CARMELI, E.; LAVIAM, G.; REZNICK, A.Z. The role of antioxidant nutrition in exercise and aging. In: Radák Z, editor. Free radicals in exercise and aging. Champaign: Human Kinetics, p. 73-115, 2000. CHANCE, B., SIES, C. H., BOVERIS, A. Hydroperoxide metabolism in mammalian organs. Physiology, n.59, p. 527-605, 1979.

  CHANG, L.; XU, J. X.; ZHAO, J.; PANG, Y. Z.; TANG, C. S.; YONG, Q. I. Taurine antagonized oxidative stress injury induced by homocysteine in rat vascular smooth muscle cells. Acta Pharmacologica Sinica, n.25, p. 341-346, 2004.

  CHEVION, S.; MORAN, D. S.; HELED, Y.; SHANI, Y.; REGEV, G.; ABBOU, B.; BERENSHTEIN, E.; STADTMAN, E. R.; EPSTEIN, Y. Plasma antioxidant status and cell injury after severe physical exercise. Proceedings of the National Academy

  Science, n. 100, p. 5119-5123, 2003.

  CHILDS, A.; JACOBS, C.; KAMINSKI, T.; HALLIWELL, B.; LEEUWENBURGH, C. Supplementation with vitamin C and N-acetyl-cysteine increases oxidative stress in humans after an acute muscle injury induced by eccentric exercise. Free Radical

  Biology Medicine, n.31, p.745-753, 2001.

  CLARKSON, P. M.; SAYERS, S. P. Etiology of exercise-induced muscle damage.

  Journal of Applied Physiology, n. 24, p. 234-248, 1999.

  CLEBIS, K. N. e NATALI, M. R. Lesões musculares provocadas por exercícios excêntricos. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, n. 4, p. 47-53, 2001. CONTE-CAMARINO, D; TRICARICO, D.; PIERNO, S.; DESAPHY, J.; LIANTONIO, A.; PUSCH, M.; BURDI, R.; FRAYSE, B. Taurine and skeletal muscle disorders.

  Neurochemical Research, n.1, p. 135-142, 2004.

  CROISIER, J. L; CAMUS, G; DEBY-DUPONT, G; BERTRAND, F; LHERMEROUT, C; CRIELAARD, J. M; JUCMES-FERIR; LAMY, M. Myocellular enzyme leakage, polymorphonuclear neutrophil activation and delayed onset muscle soreness induced by isokinetic eccentric exercise. Archives of Physiology Biochemistry, n.28, p.332-329, 1996.

  CUISINIER, C.; GAILLY, P.; FRANCAUX, M.; LEBACQ, J. Effects of guanidinoethane sulfonate on contraction of skeletal muscle. In: DELLA CORTE, L.; HUXTABLE, R. J.; TIPTON, K. F. Taurine 4: taurine and excitable tissues. New York: Kluwer Academic Plenum, p. 403 –409, 2000. CUISINIER, C.; MICHOTTE DEL WELLE, J.; POORTMANS, J. R.; WARD, R.; STURBOIS, X. Role of taurine in osmoregulation during endurance exercise. European Journal of Applied Physiology, v. 6, n.87, p. 489-495, 2002.

  DALLE-DONNE, I.; GIUSTARINI, D.; COLOMBO, R.; ROSSI, R.; MILZANI, A. Protein carbonylation in human Diseases. Trends in Molecular Medicine v.4, n.9, p.169

  • – 176, 2003. DAWSON, R.; BIASETTI JR., M.; DOMINY, J. The cytoprotective role of taurine in exercise-induced muscle injury. Amino Acids, n. 22, p. 309-324, 2002. DONNELLY, A. E.; CLARKSON, P. M.; MAUGHAN R. J. Exercise-induced muscle damage: effect of light exercise on damage muscle. European Journal of Applied Physiology, n.64, p.350-353, 1992.
DRAPER, H.H.; HADLEE, M. Malondialdehyde determination as index of lipid peroxidation. Methods Enzymol, v. 186, p. 421-431, 1990. DRÖGE, W. Free radicals in the physiological controlo f cell function. Physiological

  Reviews, v. 82, p. 47 – 95, 2002.

  DUAN, C.; DELP, M. D.; HAYES, D. A.; DELP, P. D.; ARMSTRONG, R. B. Rat skeletal muscle mitochondrial [Ca2+] and injury from downhill walking. Journal of Applied

  Physiology, n.68, p.1241-1251, 1990.

  EPPLER, B.; DAWSON Jr, R. Dietary taurine manipulations in aged male Fischer 344 rat tissue: taurine concentration, taurine biosynthesis, and oxidative markers.

  Biochemical Pharmacology, n. 62, p. 29 – 39, 2001.

  ESTON, R. G.; FINNEY, S.; BAKER, E.; BALTZOULOS. Muscle tenderness and peak torque changes after downhill running following a prior of isokinetic eccentric exercise.

  Journal of Sports Science, n.14, p.291-299, 1996.

  FAISAL, A.; BEAVERS, K. R.; ROBERTSON, A. D.; HUGHSON, R. L. Prior moderate and heavy exercise accelerate oxygen uptake and cardiac output kinetics in endurance athletes. Journal of Applied Physiology, n. 106, p.1553 –1563, 2009. FENTON, H. J. H. Oxidation of tartaric acid in presence of iron. Journal of Chemical

  Society, n. 65, p. 899 – 911, 1894.

  FINAUD, J.; LAC, G.; FILAIRE, E. Oxidative stress: relationship with Exercise end training. Sports Medicine, n.36, p. 327-358, 2006. FISHER-WELLMAN, K.; BLOOMER, R. J. Acute exercise and oxidative stress: a 30 year history. Dynamic Medicine, v. 8, n.1, p. 1

  • – 25, 2009. FLOHÉ, L.; GUNZLER, W. Assay of glutatione peroxidase. Methods Enzymol, n. 21, p.105: 114, 1984. GALLOWAY, S. D. R.; TALANIAN, J. L.; SHOVELLER, A. K.; HEIGENHAUSER, G. J. F.; SPRIET, L. L. Seven days of oral taurine supplementation does not increase muscle taurine content or alter substrate metabolism during prolonged exercise in humans.

  Journal of Applied Physiology, n.105, p.643-651, 2008.

  GARRETT JR, W. E. Muscle strain injuries. The American Journal of Sports Medicine, v.24, n.6, p.2-8, 1996. GALLER, S., HUTZLER, C. Effects of taurine on Ca

  2 -dependent force

  development of skinned muscle fibre preparations. The Journal of Experimental

  Biology, n.152, p. 255 –264,1990.

  GLEESON, M.; BLANNIN, A. K.; WALSH, N. P.; FIEI.D, C. N.; PRITCHARD; J. C.. Effect of exercise-induced muscle damage on the blood lactate response to incremental exercise in humans. European Journal of Applied Physiology, n. 77, p. 292-295, 1998.

  GOLDFARB, A. H.; BLOOMER, R. J.; MCKENZIE, M. J. Combined antioxidant treatment effects on blood oxidative stress after eccentric exercise. Medicine Science

  of Sports Exercise, v. 37, p. 234 – 239, 2005.

  GOODMAN, C. A.; HORVATH, D.; STATHIS, C.; MORI, T.; CROFT, K.; GURUJEYALASHMI, G.; WANG, Y.; GIRI, S. N. Taurine and niacin block lung and fibrosis by down-regulating bleomycin-induced activation of transcription nuclear factor- kB in mice. The Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics, n. 293, p.

  82 – 90, 2009. GURUJEYALASHMI, G.; WANG, Y.; GIRI, S. N. Taurine and naicin block lung and fibrosis by down regulating bleomicin-induced activation of transcription nuclear factor- ĸB in mice. The Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics, n. 293, p. 82-90, 2000. HABER, F.; WEISS, J. On the catalysis of hydroperoxide. Naturwissenshaften, n. 20, p. 948-950, 1932.

  HALLIWELL, B.; CROSS, C. E. Oxygen-derived species: their relation to human disease and environmental stress. Environmental Health Perspectives, n. 102 (Suppl 10), p. 5

  • 12, 1994. HALLIWELL, B; GUTTERIDGE, J. M. C. Free radicals in biology and medicine. 4.ed. Oxford, UK: Clarendon Press, 2007. HAMILTON, E. J.; BERG, H. M.; EASTON, C. J.; BAKKER, A. J. The effect of taurine depletion on the contractile properties and fatigue in fast-twitch skeletal muscle of the mouse. Amino acids, n.31, p. 273 – 278, 2006.

  HANSEN, S. H.; ANDERSEN, M. L.; BIRKEDAL, H.; CORNETT, C.; WIBRAND, F. The important role of taurine in oxidative metabolism. In OJA, S. S.; SARASAARI, P.

  

Advances in Experimental Medicine and Biology: Taurine 6, United States: Springer

vol. 583, chapter 48, 2006.

  HOLLANDER, J.; BEJMA, J.; OOKAWARA; T. OHNO, H.; JI, L.L. Superoxide dismutase gene expression in skeletal muscle: fiber-specific effect of age. Mechanism of Ageing, n.116, p. 33-45, 2000.

  • – HUXTABLE, R. J. Physiological actions of taurine. Physiology Review, v. 72, p. 101 163, 1992.
IZUMI, K.; BUTTERWORTH, R. F.; BARBEAU, A. Effect of taurine on calcium binding to , microsomes isolated from rat cerebral cortex. Life Science, n. 20, p. 943 1977.

  • –50 JACKSON, M. J. Reactive oxygen species and redox-regulation of skeletal muscle adaptations to exercise. Philosophical Transactions of the Royal Society B:

  Biological Sciences, n. 360, p. 2285 –2291, 2005.

  JAIN, N.; NASEEMA, I.; AHMADB, J. Evaluation of DNA damage and metabolic syndrome parameters in diabetic rabbits supplemented with antioxidants. Fundamental

  & Clinical Pharmacology, n. 23, p. 197 –205, 2009.

  JI, L. L.; LEICHTWEIS, S. Exercise and oxidative stress sources of free radicals and their impacto n antioxidant systems. Age, v. 20, p. 91-106, 1997. KAURANEN, K.; SIIRA, P.; VANHARANTA, H. Delayed-onset muscle soreness and motor performance of the upper extremity. . European Journal of Applied Physiology, n. 84, p. 302-309, 2001. KIM, C.; CHA, Y. Production of Reactive Oxygen and Nitrogen Species in phagocytes is regulated by Taurine Chloramine. In AZUMA, J. et al. Advances in Experimental

  

Medicine and Biology: Taurine 7. United States: Springer , vol. 643, chapter 48, 2008.

  KIM, S. M.; KIM, H. K.; YANG, W. B.; KIM, B. K. Protective effect of taurine on indomethacin-induced gastric mucosal injury. In: HUXTABLE, R. J.; AZUMA, J.;

  • – KURIYAMA, K.; KAKAGAWA, M.; BABA, A. Taurine. Plenum Press, New York, p. 147 155; 1996. KONG, Q.; LILLEHEI, K. O. Antioxidant inhibitors for câncer therapy. Medical

Hypotheses, v. 51, p.405 – 409, 1998

  KÖNIG, D.; BERG, A. Exercise and oxidative stress: is there a need for additional antioxidants. Österreichisches Journal Für Sportmedizin, n.3, p. 6-15, 2002. KONING, D.; WAGNER, K. H.; ELMADFA, I.; BERG, A. Exercise and oxidative stress significance of antioxidants with reference to inflammatory muscular, and systemice stress. Exercise Immunololy Review, n.7, p.108-13, 2001. LEE, J.; CLARKSON, P. M. Plasma creatine kinase activity and glutathione after eccentric exercise. Medicine Science of Sports Exercise, n.35, p.930-936, 2003. LEE, J.; GOLDFARB, A. H.; RESCINO, M. H.; HEGDE, S.; PATRICK, I.; APPERSON, K. Eccentric exercise effect on blood oxidative stress markers and delayed onset of muscle soreness. Medicine Science of Sports Exercise, n.34, p.443-448, 2002.

  LEVINE, R.L.; GARLAND, D.; OLIVER, C.N.; AMICI A.; CLIMENT, I., LENZ, A.G.; AHN, B.W; STADTMAN, E.R. Determination of carbonyl content in oxidatively modified proteins. Methods Enzymol, v. 186, p. 464-478; 1990.

  LI, J. L.; WANG, X. N.; FRASER; S. F.; CAREY, M. F.; WRIGLEY, T. V.; MCKENNA, M. J. Effects of fatigue and training on sarcoplasmic reticulum Ca2+ regulation in human skeletal muscle. Journal of Applied Physiology, n.92, p.912-922, 2002.

  LIU, Y.; QUINN, M. R. Chemokine production by rat alveolar macrophages is inhibited by taurine chloramine. Immunology Letters, n.80, p. 27

  • – 32, 2002. LOURENÇO, R.; CAMILO, M. E. Taurine: a conditionally essencial amino acid in humans? An overview in health and disease. Nutricion Hospitalaria, n. 17, p. 262-270, 2002. LOWRY, O. H.; ROSEBOUGH, N. G.; FARR, A. L.; RANDALL, R. J. Protein measurement with the folin phenol reagent. The Journal of Biological Chemistry, v. 193, p. 265-275; 1951. MACINTYRE, D. L.; REID, W. D.; LYSTER, D. M.; McKENZIE, D. C. Different effects of strenuous eccentric exercise on the accumulation of neutrophilis in muscle in women and men. European Journal of Applied Physiology, n. 81, p. 47-53, 2000. MACINTYRE, D. L.; SORICHTER, S.; MAIR, J.; BERG, A.; McKENZIE, D. C. Markers of

  inflammation and myofibrillar proteins following eccentric exercise in humans. European Journal of Applied Physiology, n. 84, p. 180-186, 2001. MASTALOUDIS, A.; LEONARD, S. W.; TRABER, M. G. Oxidative stress in athletes during extreme endurance exercise. Free radical biology & Medicine, n. 31, p. 911- 922, 2001. MATSUO, M.; KANEKO, T. The chemistry os reactive oxygen species and related free radicals. In: Radák Z. Free radicals in exercise and aging. Champaign: Human Kinetics, p. 73-115, 2000. MCBRIDE, J. M.; KRAEMER, W. J.; TRIPLETT, T. M.; SEBASTIANELLI, W. Effect of resistance exercise on free radical production. Medicine Science of Sports Exercise, n.30, p.67-72, 1998. MEYDANI, S. N. M.; MEYDANI, J. B.; BLUMBERG, L. S.; LEKA, G.; SIBER, R.;LOSZEWSKI, C. ;THOMPSON, M. C.; PEDROSA, R. D; STOLLAR B.D. Vitamin E supplementation and in vivo immune response in healthy elderly subjects: s randomized controlled trial. The Journal of American Medical Association, n. 277, p. 1380-1386, 1997. MILES, M. P.; CLARKSON, P. M. Exercise-induced muscle pain, soreness, and

  MIYAZAKI, T.; MATSUZAKI, Y.; IKEGAMI, T.; MIYAKAWA, S.; DOY, M.; TANAKA, N.; BOUSCAREL, B. Optimal and effective oral dose of taurine to prolong exercise in rat.

  Amino Acids, n. 27, p. 291-298, 2004.

  MOOREN, F.; VÖLKER, K. Molecular and Cellular Exercise Physiology. Human Kinetcs, p. 179-197, 2004. MURZAEVA, S. V.; BELOSLUDTSEVA, N. V.; GAVROVSKAYA, L.; MIRONOVA, G. D. The effect of taurine on the ion transport system in mitochondria. Biophycs, n. 6, p. 515-518, 2008. NELSON, D. L.; COX, M. M. Lehninger: Principles of Biochemistry. 5. ed, 2007. NONAKA, H.; TSUJINO, T.; WATARI, Y.; EMOTO, N.; YOKOYAMA, M. Taurine prevents the decrease in expression and secretion of Extracellular Superóxide Dismutase induced by Homocysteine: Ameliioration of Homocysteine-Induced Endoplasmatic Reticulum Stress by Taurine. Circulation, n. 104, p. 1165 – 1170. 2001. NOSAKA, K. P; CLARKSON, M. Effect of eccentric exercise on plasma enzyme activities previously elevated by eccentric exercise. European Journal of Applied

  Physiololy, n.69, p.492-497, 1994.

  OBROSOVA, I. G.; STEVENS, M. J. Effect of dietary taurine supplementation on GSH and NAD(P)-redox status, lipid peroxidation, and energy metabolism in diabetic

  • – precataractous lens. Investigative Ophthalmology & Visual Science, n.40, p. 680 688, 1999. PASANTES-MORALES, H.; CRUZ, C.Brain Research, n. 330, p. 154- 157, 1985 PASCHALIS, V.; GIAKAS, G.; BALTZOPOULOS, V.; JAMURTAS, A. Z.; THEOHARIS, V.; KOTZAMANIDIS, C.; Koutedakis, Y. The effects of muscle damage following

  eccentric exercise on gait biomechanics. Gait & Posture, n.19, p.1-7, 2006. PETERSEN, E.W., K. OSTROWSKI, T. IBFELT, M. RICHELLE, E. OFFORD, J. HALKJAER-KRISTENSEN, AND B.K. PEDERSEN. Effect of vitamin supplementation on cytokine response and on muscle damage after strenuous exercise. American Journal

  of Physiology: Cell Physiology, n. 280, p.1570-1575, 2001.

  PINHO, R.A.; ANDRADES, M. E.; OLIVEIRA, M.R.; PIROLA, A.C. ; ZAGO, M.S. ;. SILVEIRA, P.C.L; DAL- PIZZOL, F.; MOREIRA, J.C.F. Imbalance in SOD/CAT activities in rats skeletal muscles submitted to treadmill training exercise. Cell Biology

  International, n. 30, p. 848-853, 2006.

  PINHO, R. A. Efeito da suplementação de n-acetilcisteína e do exercício físicos

  sobre os marcadores de estresse oxidativo pulmonar induzido pela exposição

aguda ao carvão mineral. Tese de Doutorado. Departamento de Bioquímica-UFRGS,

2005.

  PINHO, R. A.; SILVEIRA, P. C. L.; SILVA, L. A.; STRECK, E. L.; DAL-PIZZOL, F.; MOREIRA, J. C. F. N-Acetylcysteine and deferoxamine reduce pulmonary oxidative stress and inflammation in rats after coal dust exposure. Environmental Research, n.

  99, p.355 –360, 2005. PODEROSO, J. J.; CARRERAS, M. C.; LISDERO, C. Nitric oxide inhibits electron transfer and increases superoxide radical production in rat heart mitochondrial and

  • – submitochondrial particles. Archives of Biochemestry and Biophisics, n. 328, p. 85 92, 1996. POLIDORI, M. C.; MECOCCI, P.; CHERUBINI, A.; SENIN, U. Physical activity and
  • – oxidative stress during aging. International Journal of Sports Medicine, n.21, p. 154 157, 2000. POWERS, S. K.; JACKSON, M. J. Exercise-induced Oxidative Stress: Cellular mechanisms and Impact on Muscle Force Production. Physiology Review, n. 88, p. 1243 – 1276, 2008.

  POWERS, S. K.; JI, L. L.; LEEUWENBURG, C. Exercise training-induced alterations in skeletal muscle antioxidant capacity: a brief review. Medicine Science of Sports

  Exercise, n. 31, p. 987 – 997, 1999.

  POWERS, S. K.; LENNON, S. L. Analysis of cellular responses to free radicals: focus on exercise and skeletal muscle. Proceedings of the Nutrition Society, n. 58, p. 1025- 1033, 1999. PRAET, S. F. E.; VAN LOON, L. J. C. Optimizing the therapeutic benefits of exercise in Type 2 diabetes. Journal of Applied Physiology, n.103, p. 1113 –1120, 2007. PROSKE, U.; MORGAN, D. L. Muscle damage from eccentric exercise: mechanism, mechanical signs, adaptation and clinical applications. Journal of Physiology n. 537, p. 333 – 345, 2001. PRYOR, W. A.; GODBER, S. S. Noinvasive measures of oxidative stress status in human. Free radical Biology and Medicine, v. 10, p.177-184, 1991.

  QUINN, M. R. Taurine chloramine inhibits production of nitric oxide and prostoglandin E2 in activated C6 glioma cells by suppressing inducible nitric oxide synthase and cyclooxygenase- 2 expression. Molecular Brain Research, n.59, p. 189

  • –195, 1998. RÁDAK, Z.; KANEKO, T.; TAHARA, S.; NAKAMOTO, H.; OHNO, H.; SASVÁRI, M.;
proteins, and dna in rat skeletal muscle: evidence for beneficial outcome. Free Radical

  Biology & Medicine, n.27,p.69 – 74, 1999.

  RAMIREZ-TORTOSA, M.; GRANADOSA, S.; RAMIREZ-TORTOSA, C. L.; OCHOAC, J. J.; CAMACHOC, P.; GARC´IA-VALD´ESA, L.; BATTINOD, M.; QUILESC J. L. Oxidative stress status in liver mitochondria and lymphocyte DNA damage of atherosclerotic rabbits supplemented with water soluble coenzyme Q10. BioFactors, n.32, p. 263 –273, 2008.

  REPINE, J. E.; BAST, B.; LANKHORST, I. Oxidative stress in chronic obstructive pulmonary disease. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, n.156, p. 341-357, 1997. RISTOW, M.; ZARSEA, K.; OBERBACH, A.; KLO¨ TING, N.; BIRRINGER, M; KIEHNTOPF, M; STUMVOLLC, M; KAHNE, R. BLU¨ HERC, M. Antioxidants prevent health-promoting effects of physical exercise in humans. Proceeding of the National

  Academy of Science, n.21, v. 106, p. 8665 -8670, 2009.

  ROIG-PÉREZ, S.; GUARDIOLA, F.; MORETÓ, M.; FERRER, R. Lipid peroxidation induced by DHA enrichment modifies paracellular permeability in Caco-2 cells: protective role of taurine. Journal of Lipid Research, v. 45, p. 1418 – 1428, 2004. SAXTON, J. M.; DONNELLY, A. E.; ROPER, H. P. Indices of free-radical-mediated damage followings maximum voluntary eccentric and concentric muscular work.

  European Journal of Applied Physiology, n.68, p.189-193, 1994.

  SHAFAT, A., P.; BUTTER, R. L.; JENSEN, A. E.; DONNELLY, A. Effects of dietary supplementation with vitamins C and E on muscle function during and after eccentric contractions in human. Euroupean Journal of Applied Physiology n. 93, p. 196-202, 2004.

  SIES, H.; CADENAS, E. Antioxidant activity of 5-hydroxytryptophan, 5-hydroxyindole, and DOPA against microsomal lipid peroxidation and its dependence on vitamin E.Free

  Radical Research Community, n. 6, p.11-7, 1989.

  SILVA, L. A. Efeitos da suplementação de antioxidantes sobre marcadores de

  

estresse oxidativo e resposta inflamatória aguda após a lesão muscular induzida

pelo exercício excêntrico. Dissertação de Mestrado. Laboratório de Fisiologia e

  Bioquímica do Exercício (LAFIBE) – UNESC, 2006. SILVA, L. A.; PINHO, C. A.; ROCHA, L. G. C.; TUON, T. SILVEIRA, P. C. L.; PINHO, R.

  A. Effect of different models of physical exercise on oxidative stress markers in mouse liver. Applied Physiology, Nutrition and Metabolism, n.34, p. 60

  • –65, 2009. SILVA, L. A.; SILVEIRA, P. C. L.; PINHO, C. A.; TUON, T.; DAL-PIZZOL, F.; PINHO, R.

  A. N-Acetylcysteine Supplementation and Oxidative Damage and Inflammatory

  Response After Eccentric Exercise. International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism, n. 18, p. 379-388, 2008. SILVEIRA, L. S.; HIRABARA, S. M.; LAMBERTUCCI, R. H.; LEANDRO, C. V.; FIAMONCINI, J.; PINHEIRO, C. H. J.; D’ANGELO, A. C. A.; BASSIT, R. A.; CURI, R. Regulação metabólica e produção de espécies reativas de oxigênio durante a contração muscular: efeito do glicogênio na manutenção do estado redox intracelular. Revista

  Brasileira de Medicina do Esporte, v. 14, n. 1, p. 57 – 63, 2008 .

  SMITH, L. L. Acute inflammation: the underlying mechanism in delayed onset muscle soreness? Medicine & Science in Sports & Exercise, n. 23, p. 542-551, 1991. SORICHTER, S.; MARTIN, M.; JULIUS, P.; SCHWIRTZ, A.; HUONKER, M.; LUTTMANN, W.; WALTERSPACHER, S.; BERG, A. Effects of unaccustomed and accustomed exercise on the imune response in runners. Official Journal of the

  American College of Sports Medicine, n. 10; p. 1739-1745, 2006.

  STUPKA, N.; LOWTHER, S. K.; CHORNEYKO, J. M.; BOURGEOIS, C.; HOGBEN, C.; TARNOPOLSKY, M. A. Gender differences in muscle inflammation after eccentric exercise. Jounal of Applied Physiology, n.89, p. 2325 - 2332, 2000.

  SUREDA, A.; TAULER, P.; AGUILÓ, A.; CASES, N.; LLOMPART, I.; TUR, J.; PONS,

  A. Influence of an Antioxidant Vitamin-Enriched Drink on Pre- and Post-Exercise Lymphocyte Antioxidant System. Annals of Nutrition & Metabolism, n. 52, p. 233

  • –240, 2008. TANG, X. C.; RAO, M. R.; HU, G.; WANG, H.. Alterations of amino acid levels from striatum, hippocampus, and cerebral ischemia in gerbil. Acta Pharmacologica Sinica, n.21, p.819-823. 2000. TERBLANCHE, S. E. The effects of exhaustive exercise on the activity levels of catalase in various tissues of male and female rats. Cellular Biology International, n.23, p. 749- 753, 2000. THOMAS, J. R; NELSON, J. K. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 3. ed., São Paulo: ArtMed, 2002.
  • – THOMAS, M. J. The Role of Free Radicals end Antioxidants. Nutrition, n.16, p. 716 718, 2000. TREVOR, C. C; SANDY, S. H. Effects of a 7-day eccentric training period on muscle damage and inflammation. Medicine Science Sports of Exercise, n. 33, p. 1732-1738, 2001. TRICOLI, V. Mecanismos envolvidos na etiologia da dor muscular tardia. Revista
VALKO, M.; LEIBFRITZ, D.; MONCOL, J.; CRONIN, M. T. D.; MAZUR, M.; TELSER, J. Free radicals and antioxidants in normal physiological functions and disease. The

  International Journal of Biochemistry & Cell Biology, n. 39, p. 44 – 48, 2007.

  VANCINI, R. L.; LIRA, C. A. B.; ABOULAFIA, J.; NOUAILHETAS, V. L. A. Radical livre, estresse oxidativo e exercício. Revista do Centro de Estudos de Fisiologia do

  Exercício, Universidade Federal de São Paulo, p. 1 -10, 2005.

  WARREN, G. L.; WILLIAMS, J. H.; WARD, C. W.; MATOBA, H.; INGALLS, C. P.; HERMANN, K. M.; ARMSTRONG, R. B. Decreased contraction economy in mouse EDL muscle injured by eccentric contractions. Journal of Applied Physiology, n.81, p. 2555

  • 2564, 1996. WELCH, K. D.; DAVIS, T. Z.; VAN EDEN, M. E.; AUST, S. D. Deleterius iron-mediated oxidation of biomolecules. Free Radical Biology and Medicine, v. 32, p. 577-583, 2002. WILLIAMS, M. Dietary supplements and sports performance: Amino acids. Journal of International Society of Sports Nutrition, n. 2, p. 63-67, 2005.

  ;

  YOKOGOSHI, H.; MOCHIZUKI,H.; NANAMI, K.; HIDA Y.; MIYACHI, F. ODA, H. Dietary Taurine Enhances Cholesterol Degradation and Reduces Serum and Liver Cholesterol Concentrations in Rats Fed a High-Cholesterol Diet. The Journal of Nutrition, n. 129, p. 1705 – 1712, 1999.

  YU, J.; KIM, A. K. Effect of Taurine on Antioxidant Enzyme System in B16F10 Melanoma Cells In AZUMA, J. et al. Advances in Experimental Medicine and Biology: Taurine 7. United States: Springer , vol. 643, chapter 48, 2008.

  ZAINUDDIN, Z.; SACCO, P.; NEWTON, M.; NOSAKA, K. Light concentric exercise has a temporally analgesic effect on delayed-onset muscle soreness, but no effect on recovery from eccentric exercise. Applied Physiology, Nutrition and Metabolism, n. 31, p. 126-134, 2006. ZEYBEK, A.; SAGLAM, B.; CIKLER, E.; CETINEL, S.; ERCAN, F.; SENER, G. Protective effects of taurine on protamine sulfate induced bladder damage. World Journal of Urology, n. 24, p. 438-444, 2006.

  ZHANG, M. Role of taurine supplementation to prevent exercise-induced oxidative stress in healthy young men. Amino Acids, n.26, p. 203-207, 2004. ZOPPI, C. C.; HOHL, R.; SILVA, F. C.; LAZARIM, F. L.; ANTUNES NETO, J. M. F.; STANCANNELI, M.; MACEDO, D. V.. Vitamin C and E supplementation effects in Professional soccer players under regular training. Journal of the International of Society of Sports Nutrition, n.3, p.37-44, 2006.

  ZUO, L.; CHRISTOFI, F. L.; WRIGHT, V. P.; BAO, S.; CLANTON, T. L. Lipoxygenase- dependent superoxide release in skeletal muscle. Journal Applied of Physiology, n.97, p.661- 668, 2004.

  ANEXOS

  

ANEXO 1

Documento de aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade do

Extremo Sul de Santa Catarina (UNESC) para a realização da pesquisa.

  

ANEXO 2

Carta do envio do a rtigo “Taurine supplementation decreases superoxide radical

production and consequently oxidative damage, but does not increase antioxidant

enzime activity in sk eletal muscle of exercise rats” ao European Journal of Pharmacology. Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC Laboratório de Fisiologia e Bioquímica do Exercício/Bloco da Saúde Av. Universitária, 1105 – Bairro Universitário 88806-000 – Criciúma – Santa Catarina - Brazil

  Editorial Office European Journal of Pharmacology Dear Editor We would like to submit the manuscript entitled “Taurine supplementation decreases superoxide radical production and, consequently oxidative damage, but does not increase antioxidant enzyme activity, in skeletal muscle of exercised rats” for your appreciation (Original Contribution). I hereby confirm that all authors have seen and approved the manuscript. I also confirm that the manuscript has not previously been published in journal form and it is not being considered for publication elsewhere.

  Yours Sincerely, Luciano Acordi da Silva

  

ANEXO 3

Confirmação do recebimento do a rtigo “Taurine supplementation decreases

superoxide radical production and consequently oxidative damage, but does not

increase antioxidant enzime activity in sk eletal muscle of exercise rats” pelo European Journal of Pharmacology.

  Elsevier Editorial System(tm) for European Journal of Pharmacology Manuscript Draft Manuscript Number: Title: Taurine supplementation decreases superoxide radical production and consequently oxidative damage, but does not increase antioxidant enzyme activity in skeletal muscle of exercised rats.

  Article Type: Research Paper Section/Category: Immunopharmacology and inflammation Keywords: taurine supplementation; oxidative damage; antioxidant enzyme; eccentric exercise Corresponding Author: Professor Luciano Silva, Msc Corresponding Author's Institution: University of Southern Santa Catarina - UNESC First Author: Luciano Silva, Msc Order of Authors: Luciano Silva, Msc; Paulo Silveira ; Merieli M Merieli M Ronsani ; Débora Scheffer ; Lilian Vieira; Magnus Benetti ; Cláudio Souza ; Ricardo Pinho Abstract: This study was to investigate the effects of taurine supplementation on biomarkers of

oxidative stress after eccentric exercise. Twenty four male rats were divided into the following groups (n=6): control; eccentric exercise (EE); eccentric exercise plus taurine (EE + Taurine); eccentric exercise plus saline (EE + Saline). Taurine was administered with solution of 1mL water 300mg/Kg body weight (BW)/day by oral lavage, for two weeks before and 2, 12, 24 and 48 hours after the

exercise session. The animals were submitted to one downhill run session with duration of90min and

velocity constant of 1.0Km.h-1. Forty-eight hours after the exercise session, the animals were killed and the quadriceps muscles were surgically removed. Production of superoxide anion, lipoperoxidation, carbonylation, total thiol content and antioxidant enzyme were analyze. Results show taurine supplementation decrease superoxide radical production, lipoperoxidation, carbonylation, but not increase superoxide dismutase and catalase activity. In conclusion, the present study demonstrates that taurine supplementation decreased damage oxidative but did not affect antioxidant enzyme activity after eccentric exercise.

Novo documento

Tags

Documento similar

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS MESTRADO EM PRODUÇÃO VEGETAL SIMONE SILVA VIEIRA
0
0
111
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS MESTRADO EM PRODUÇÃO VEGETAL JANETE CARDOSO NUNES
0
2
73
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE – CEFID ROBERTA CASTILHOS DETÂNICO
0
0
141
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE – CEFID COORDENADORIA DE PÓS GRADUAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO
0
0
267
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO
0
0
107
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E ESPORTES CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO SCRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO CRISTINA BRUST
0
3
95
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO GEISA MARA LAGUNA SANTANA
0
1
177
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO – FAED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA
0
0
115
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO – FAED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃOMESTRADO
0
0
153
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO – FAED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA – PPGH MICHELE GONÇALVES CARDOSO
0
0
134
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO – FAED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA
0
0
112
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO – FAED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO
0
0
100
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA
0
0
53
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS – PPGCA
0
0
76
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA
0
0
60
Show more