UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DOUTORADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGINALDO FIDELIS

0
0
144
2 months ago
Preview
Full text

REGINALDO FIDELIS MÉTODO PARA DETERMINAđấO DO DESEMPENHO DE COOPERATIVAS DE RECICLAGEM

  Antônio Carlos de Francisco (UTFPR) Coordenador do PPGEP A Folha de Aprovação assinada encontra-se no Departamento de Registros Acadêmicos da Dedico este trabalho à toda minha família, que soube compreender meus longosmomentos de ausência. Deixo um agradecimento especial aos meus amigos Marco Antonio Ferreira e Eliene Moraes pelo auxílio na condução deste trabalho.À minha mãe Salete Camargo, ao meu sogro Ademir Ouvidio de Souza, à minha sogra Sonia Aico de Souza e minha cunhada Sheila Karen de Souza que sãoexemplo de força, dedicação à família e ao trabalho.

Produção) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa, 2017

  Indicam também a necessidade de manutenção e o aumento de ações públicas integradas às cooperativas de catadores, visando o maior controle nas operações decoleta, produção e comercialização dos RSUPR, pois o aumento no desempenho das cooperativas em suas AOCR é fundamental para a sua sobrevivência e para amelhoria da qualidade de vida dos seus cooperados. O Brasil é o quinto maior país do mundo em extensão territorial e populacional, a nona economia Dessa forma, este estudo proporcionará uma visão geral do desempenho das cooperativas de reciclagem em suas AOCR e como um instrumento de inclusãosocial, geração de renda e redução de RSUPR, apresentando os aspectos que tornam o desempenho das cooperativas (in)eficientes.

Nos relatórios “Panorama dos resíduos sólidos no Brasil de 2008 a 2014”, apresentados pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e

  (2011), abrange a função da logística reversa a retirada de produtos do mercado, inventários, programas de reciclagem deresíduos perigosos e disposição de equipamentos obsoletos e de recuperação dos recursos, de programas de reciclagem de resíduos domiciliares, dentre outros. Os catadores passaram a participar do sistema de gerenciamento de RSUPR A organização dos catadores em torno do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), que surgiu em meados de 1999, permitiu que aatividade dos catadores deixasse de ser vista apenas como resultante de um problema social, ganhando status de solução socioambiental (SANTOS et al., 2011).

De acordo com o IPEA (2013), há no Brasil 387.910 pessoas que possuem como ocupação principal a profissão de “catador ou catadora”, sendo que a Região

  A análise de regressão de Tobit, tabela 11, (teste de White, F-estatistic =1.912 e p-valor = 0.063) aponta que a quantidade de resíduos coletados (COLETA) e o total de cooperados (CATADOR) possuem impacto negativo nos índices de Já o faturamento total (FAT_T), a renda média mensal (RENDA) e a quantidade de resíduos comercializados (COMERC) têm impacto positivo nos índicesde desempenho. Já as cooperativas como instrumento de inclusão social, geração de renda e Exemplificando, a Coop7 obteve índices de desempenho na gestão da coleta, na gestão da produção, na gestão da comercialização e como instrumento de inclusãosocial, geração de renda e redução de RSUPR de 0,389, 0,983, 0,611 e 0,954, respectivamente.

Novo documento

RECENT ACTIVITIES

Tags

Documento similar

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
98
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
146
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
176
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
207
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
194
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LUIZ FABIANO DE OLIVEIRA MUNIZ
0
0
155
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANDRÉIA DE ABREU
0
0
267
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
138
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
151
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
151
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PROGRAMA DE PÓS-GRAD EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NAIJELA JANAINA DA COSTA
0
0
179
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
138
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL UFSCARUEPA
0
0
179
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
0
0
184
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PONTA GROSSA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PPGEP
0
0
111
Show more