Capítulo 8 – Manutenção dos Mancais

Livre

0
0
14
1 year ago
Preview
Full text

  Capítulo 8

  • – Manutenção dos Mancais

  Mancal é um suporte de apoio de eixos e rolamentos que são elementos girantes de máquinas.

  Tipos:  Mancais de Deslizamento  Mancais de Rolamento

  Como verificar o ruído de um rolamento? Pelo tato: Para checar o processo de giro, faz-se girar o rolamento, lentamente, com a mão. Esse procedimento permitirá constatar se o movimento é produzido com esforço ou não, e se ele ocorre de modo uniforme ou desigual. Pelo audição: faz-se funcionar o rolamento com um número de rotações reduzido. Se o operador ouvir um som raspante, como um zumbido, é porque as pistas do rolamento estão sujas; se o som ouvido for estrepitoso, a pista apresenta danos ou descascamento; se o som ouvido for metálico, tipo silvo, é sinal de pequena folga ou falta de lubrificação.

  Como verificar a temperatura de um rolamento?  Termômetro digital.

   Giz sensitivo.  Colocando a mão sobre o mancal.

  

Possíveis causas de aquecimento: lubrificação (deficiente ou em excesso); sujeira; carga em

  excesso; folga interna pequena; rolamento preso axialmente; excesso de pressão nos retentores. Inspeção de rolamentos em máquinas (Deve ser feito com a máquina desligada). Operações:

   Limpar as superfícies externas  Verificar o lubrificante (sujeira, etc.)

   Impedir que sujeira e umidade penetrem na máquina, após a remoção das tampas e vedadores. Não usar estopa (Fiapos)  Lavar o rolamento exposto (usar pincel molhado em querose)  Secar o rolamento (Pano sem fiapos ou ar comprimido) Desmontagem do rolamento com interferência no eixo.  Saca-Rolamento na face do anel interno do rolamento, quando possível.

   Saca-Rolamento na face do anel externo do rolamento, quando não for possível apoiar no anel interno.

  Nota: Executar giros para evitar marcas nos corpos rolantes

   Na falta de Saca-Rolamento pode-se usar punção de ferro ou material mais mole com ponta arredondada.

  Nota: Executar esforços no anel interno. Não concentrar esforços no anel externo e não bater com o martelo no rolamento. Desmontagem do rolamento com interferência na caixa.

   Usar tarugo metálico com faces planas e livres de rebarbas.

  Nota: Os golpes deverão ser dados ao longo de toda a superfície do tarugo.

   Caso haja resalto entre os rolamentos, golpear com ferramenta de ponta arredondada de ferro ou material mais mole. Nota: Os golpes deverão ser dados ao longo do anel externo distribuído ao longo de todo o anel.

   Para rolamentos autocompensadores de rolos e de esferas, usa-se saca polias no anel externo.

  Nesses rolamentos o anel interno pode ser desalinhado. Desmontagem do rolamento sobre buchas. Os rolamentos autocompensadores de rolos e de esferas são geralmente montados sobre bucha de fixação.

  Da esquerda para direita: porca de fixação, arruela, rolamento e bucha de fixação.

   A desmontagem segue os seguintes passos: marcar a posição da bucha no eixo, endireitar a orelha da arruela de fixação, soltar a porca e o rolamento. Montagem do rolamento (cuidados gerais). escolher o método correto de montagem; observar as regras de limpeza do rolamento; limpar o local da montagem que deverá estar seco; selecionar as ferramentas adequadas que deverão estar em perfeitas condições de uso; inspecionar cuidadosamente os componentes que posicionarão os rolamentos; remover as rebarbas e efetuar a limpeza do eixo e encostos; verificar a precisão de forma e dimensões dos assentos do eixo e da caixa; verificar os retentores e trocar aqueles que estão danificados; retirar o rolamento novo - em caso de substituição - da sua embalagem original somente na hora da montagem. A embalagem apresenta um protetor antiferruginoso. Montagem do rolamento com interferência no eixo.

   Lubrificar o assento do rolamento.

   Posicionar o rolamento sobre o eixo com o auxílio de um martelo Nota: Os golpes não devem ser aplicados diretamente no rolamento e sim no tubo metálico adaptado ao anel interno.

   Usar as roscas internas ou externas, porventura existentes no eixo, para a montagem.

   Usar prensas mecânicas ou hidráulicas para montar rolamentos pequenos e médios.

   Aquecer os rolamentos grandes em banho de óleo numa temperatura entre 100°C e 120° C e colocá-los rapidamente no eixo antes de esfriarem.

  Se o rolamento for do tipo que apresenta lubrificação permanente, ele não deverá ser aquecido conforme descrito anteriormente. O aquecimento remove o lubrificante e o rolamento sofrerá danos. Para rolamentos que apresentam lubrificação permanente, recomenda-se esfriar o eixo onde eles serão acoplados. A contração do eixo facilitará a colocação dos rolamentos; contudo, convém salientar que há aços que sofrem modificações estruturais permanentes quando resfriados.

  Montagem do rolamento com interferência na caixa. Usar um pedaço de tubo metálico contra a face do anel externo após a lubrificação das partes a serem montadas; Cuidar para que o rolamento não fique desalinhado em relação à caixa;

  Utilizar uma prensa hidráulica ou mecânica; Aquecer a caixa para a montagem de rolamentos grandes.

  Falhas nos rolamentos.

   Falhas em estágio primário desgaste; endentações; arranhamento; deterioração de superfície; corrosão; dano por corrente elétrica.  Falhas em estágio secundário descascamento; trincas.

  Mancal de Deslizamento A principal função dos mancais de deslizamento, existentes em máquinas e equipamentos, é servir de apoio e guia para os eixos girantes. Os mancais de deslizamento são elementos de máquinas sujeitos às forças de atrito.

  A vida útil dos mancais de deslizamento poderá ser prolongada se alguns parâmetros de construção forem observados: Seleção correta do material do mancal; O projeto do mancal deverá facilitar a manutenção dos mancais.

  • Os mancais de deslizamento deverão apresentar um sistema de lubrificação eficiente.

   O projeto contemple a facilidade de desmontagem e troca de equipamentos.

   O projeto deverá levar em conta o meio ambiente no qual eles trabalharão. Inspeção de manutenção As uniões dos mancais terão de ser examinadas quanto aos ruídos, aquecimento e vazamentos de lubrificante. Os eixos deverão ser inspecionados quanto às folgas e vibrações. Frequências de Inspeções dependem da velocidade, temperatura, carga e frequência de lubrificação. Ex.: mancais de eixos que sustentam polias: uma vez por mês; mancais de cabeçotes ou caixas de engrenagens: a cada vinte dias; mancais de apoios pequenos: uma a cada dois meses. Limpeza Lavar com querosene para dissolver o lubrificante usado e eliminar as impurezas: Lubrificar com o mesmo tipo de lubrificante anteriormente usado; Eliminar no local da limpeza contaminantes do lubrificante, tais como: água, partículas metálicas, pó, abrasivos, ácidos etc. Alinhamento dos mancais Comparar o alinhamento do mancal com um eixo padrão, controlando o paralelismo com calibradores e o alinhamento horizontal com um nível de precisão. Controle de folga  Com uma lâmina calibrada verificadora de folgas.

   Com um relógio comparador (maior precisão).

   O nivelamento correto da máquina contribui para que não ocorram rupturas e desgastes desnecessários de muitos elementos das máquinas e equipamentos.

  Exemplo de máquinas que exigem tal alinhamento: Alinhamento e controle dos eixos  O alinhamento de eixos é feito de diversas maneiras, e os instrumentos e equipamentos utilizados na operação variam de acordo com o grau de exatidão requerido.

  Formas construtivas de mancais  Mancais que não oferecem possibilidades de ajustes ou regulagens e a manutenção é efetuada com a troca da bucha de deslizamento.

  Formas construtivas de mancais Mancal bipartido no qual se pode aplicar buchas inteiriças ou partidas. Nesse tipo de mancal, é comum a presença de uma folga entre a capa e a base para facilitar o ajuste do conjunto.

  Mancais com eixos longos (Associado): evita deformações, vibrações e outras irregularidades prejudiciais ao bom funcionamento do sistema. Procedimentos possíveis:  Aumentar a altura dos calços com chapas ou lâminas.

   Rebaixar o material do assento do suporte do mancal.

   Rebaixar a base de apoio do mancal ao mínimo e ajustá-lo com o rasquete.

  Vantagens e desvantagens do mancal de deslizamento

  Exercícios:

  1. Quais são as formas para verificação do ruído e da temperatura em mancais de rolamento?

  2. Quais são as possíveis causas de aquecimento de um mancal de rolamento?

  3. Quais são as operações de inspeção de rolamentos em máquinas?

  4. Como dever ser feita a desmontagem do rolamento inserido com interferência no eixo?

  5. Como dever ser feita a desmontagem do rolamento inserido com interferência na caixa?

  6. Como dever ser feita a desmontagem do rolamento inserido sobre buchas?

  7. Quais são os cuidados gerais para a montagem do rolamento?

  8. Como deve ser feita a montagem do rolamento com interferência no eixo?

  9. Como deve ser feita a montagem do rolamento com interferência na caixa?

  10. Como deve ser feita a inspeção em um mancal de deslizamento e com que frequência cada um dos tipos de mancais deve ser inspecionado?

  11. Compare as vantagens e desvantagens de um mancal de deslizamento.

Novo documento

Tags

Documento similar

Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde FERNANDA RIBEIRO ROCHA FAGUNDES
0
1
233
Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde LEANDRO ALVES FELICIO
0
0
163
Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde Gustavo Oliveira Ferreira
0
1
149
TARCILA GARCIA A LOUCURA IMPRESSA: UMA REPRESENTAÇÃO SOCIAL DA LOUCURA NA MÍDIA IMPRESSA, NO CONTEXTO DA CRISE DA DINSAM (1978 – 1982)
0
0
122
Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde DENIS GUEDES JOGAS JUNIOR
0
0
131
CASA DE OSWALDO CRUZ – FIOCRUZ PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS DA SAÚDE
0
0
123
THIAGO DA COSTA LOPES SOCIOLOGIA E PUERICULTURA NO PENSAMENTO DE GUERREIRO RAMOS: DIÁLOGOS COM A ESCOLA DE CHICAGO (1943 – 1948)
0
0
157
Luiz Carlos Nunes Martins NO SEIO DO DEBATE – AMAS-DE-LEITE, CIVILIZAÇÃO E SABER MÉDICO NO RIO DE JANEIRO
0
0
163
Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde
0
1
192
Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde ÉRICO SILVA ALVES MUNIZ
0
0
139
Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde ÉRICO SILVA ALVES MUNIZ
0
2
222
Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde FERNANDA REBELO
0
4
325
CASA DE OSWALDO CRUZ – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde
1
1
243
Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde JOÃO LUIZ GARCIA GUIMARÃES
0
1
180
Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde
0
0
169
Show more