Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Escola Nacional de Botânica Tropical Programa de Pós-graduação Stricto Sensu

Livre

0
2
254
1 year ago
Preview
Full text

  

Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Escola Nacional de Botânica Tropical

Programa de Pós-graduação Stricto Sensu

  

Tese de Doutorado

Composição, estrutura e efeitos de bordas lineares na

comunidade arbustiva-arbórea de um remanescente

urbano de Mata Atlântica no sudeste do Brasil

  

André Scarambone Zaú Rio de Janeiro Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Escola Nacional de Botânica Tropical Programa de Pós-graduação Stricto Sensu

Composição, estrutura e efeitos de bordas lineares na comunidade arbustiva-arbórea de um remanescente urbano de Mata Atlântica no sudeste do Brasil

  André Scarambone Zaú Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Botânica, Escola Nacional de Botânica Tropical, do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Doutor em Botânica.

  Orientador: Leandro Freitas

Rio de Janeiro

  

Composição, estrutura e efeitos de bordas lineares na

comunidade arbustiva-arbórea de um remanescente urbano de

Mata Atlântica no sudeste do Brasil

  

André Scarambone Zaú

Tese submetida ao corpo docente da Escola Nacional de Botânica

Tropical, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro - JBRJ,

como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Doutor.

  Aprovada por:

Prof. Dr. Leandro Freitas (Orientador) _______________________________

Prof. Dr. Luis Mauro Sampaio Magalhães ____________________________

Prof. Dr. Pablo José Francisco Pena Rodrigues ________________________

Prof. Dr. Rogério Ribeiro de Oliveira _______________________________

Prof. Dr. Flávio Nunes Ramos _____________________________________

em 29/10/2010

  

Rio de Janeiro

  Zaú, André Scarambone. Z39c Composição, estrutura e efeitos de bordas lineares na comunidade arbustiva-arbórea de um remanescente urbano de Mata

  Atlântica no sudeste do Brasil – Rio de Janeiro, 2010. xxiii, 229 f. : il.

  

Tese (doutorado) – Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio

de Janeiro/Escola Nacional de Botânica Tropical, 2010. Orientador: Leandro Freitas Bibliografia.

  Psychotria nuda.

  I. Título. II. Escola Nacional de Botânica Tropical. CDD 577.55

REFLEXÕES

  ! " # $ ! " # % & ' ( ' ) ( ! ! (

  • ( ! " ( ( +' ,( - #
  • . / ( # 0 1 ( ( ,(
  • !

  2 # - *

  • 3 1

  ( ( ( ( ( ( ( ! ) # 5 , # &

  • 4 1 ) 6 7 , # (

  8 #

  • #
  • 9 1 :; # < 1
  • 6 ( ( 1 = #
    • >

  )( ( & ? @ A:A B +

  &

  6 C

  • ( D C (

    D "E

    F ( F (
  • + (

    F ! ( D * ! D ! F ( @! BG D ' ( !

  = ! ' ! H ( ( , F ( ( ( , F ! ( - ' ( )

  • ( ( I ( , ( , ! * ( ! ( , ! * J ( , ( ( ! ( , * ( ( )( ( H

    + ( *

  • &

  # & # & -

  ' ' * #

  • " ( (
  • "
  • ( ! "
  • " K

  !

  • ( , "
  • ( * - ( * & ( * -

  " # C ' * ( ( * ! ( (

  • " +

  $ % ( ( ( - ( (

  • D ! ( & (

  2 ( ! " K & ( ( ( ! 6 ! " G ( ( " ! ( !

  • / ! ( = !

  & '

  • L (
  • (

  () ! ! ! ( )

  1 ( ( " & ! 2 (

  • *

  6 * - * , (

  • C L M - ! ' ( ) (
    • + * # ( K ! * +

  DEDICATÓRIA Dedico aos meus filhos, meus frutos, Pedro, Maria, Monique e quem mais vier.

  

Dedico a meus pais, minhas raízes. À minha mãe

Ignez Ivone Scarambone Zaú que foi, mais uma vez,

como sempre, fundamental durante todo esse período

de tese e também ao longo de toda minha vida; e a meu

pai José Clementino Zaú (in memorian) retirante

nordestino, técnico agrícola com pouco estudo formal,

mas que hoje sei foi um dos principais responsáveis por

essa minha paixão pela Natureza.

AGRADECIMENTOS

  Acho que uma das partes mais difíceis de serem realizadas sem lacunas

significativas são os agradecimentos. Num mundo cada vez mais corrido, competitivo e,

em alguma medida, com importantes aspectos de relacionamento pessoal e social por vezes

pouco considerados, deixamos de cultivar as formas de agradecimento com a frequência e

a dedicação que poderíamos.

  Sabendo que certamente não conseguirei agradecer nominalmente a todos aqueles e

aquelas que, de alguma forma, contribuíram para que esse trabalho fosse realizado – a lista

seria tão grande quanto os créditos que passam na tela ao final de um filme –

antecipadamente peço desculpas àqueles que não estão nominalmente citados. Mas, posso

afirmar – Você também foi importante para mim e para este trabalho! Diferentemente do habitual, vou começar agradecendo aqueles que foram meus

parceiros no dia a dia. Meus estagiários, estagiárias e ex-estagiários(as) do Laboratório de

Ecologia Florestal da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO. Meus

amigos e amigas. Obrigado a vocês que estiveram ou ainda estão comigo, depois de mais

de cinco anos, ou seja, mesmo antes do início de meu doutoramento. Agradeço por alguns

de vocês terem continuado com seus trabalhos no estágio, mesmo quando me transferi da

UFRRJ para a UNIRIO, a mais de 80 Km de distância. Agradeço aos estudantes da

UNIRIO, da UFRRJ e da UFF que ajudaram em muitas das atividades realizadas,

especialmente aquelas relacionadas aos pesados, mas divertidos trabalhos de campo.

  

Nossos trabalhos frequentemente acabavam no final da noite... Mas, também,

frequentemente acabavam em pizza, por vezes cortadas com as tesouras de poda ou com as

tesouras que usávamos para cortar o alumínio das latinhas de cervejas e refrigerantes que

serviam para fazer as placas numeradas a serem colocadas nas árvores... Hoje muitos de

  

vocês estão formados, alguns cursando pós-graduações e outros, certamente, entrarão em

cursos de pós brevemente. Sem dúvida isso é uma das coisas que mais me deixa feliz e

orgulhoso! Vocês se formaram bem! Assim, se quiserem, façam uma pós-graduação.

Senão, sejam felizes com seus trabalhos e em suas vidas, porque sendo corretos, como

vocês são, farão sempre aquilo que acreditam mais acertado, da melhor forma possível.

  Agradeço especialmente aos amigos e amigas, colegas de profissão, ex-estudantes

ou estudantes da UNIRIO Aline Silva Machado (mestranda na ENBT), Wallace Beiroz

Imbrósio da Silva (mestrando na UFLA), Vinicius Gomes da Costa, Gabriela Akemi

Macedo Oda, Daniele Andrade de Carvalho (mestranda na ENBT), Vitor Ottoni Pastore e

Maria Isabel Sigiliano Gomes, Ligia Collado Iwamoto, Guilherme Malvar da Costa

(mestrando no INPA), Diogo Fonseca Mantovanelli (mestrando na UNESP), Mateus

Vieira da Cunha Salim (mestrando no INPA), Priscila Vilela Borges, Isadora Cristina

Motta Lessa (mestranda na UERJ), Vanessa Doynsilê Leal, Emilie Marques Jordão,

Wanessa de Souza Baptista, Rosane Toledo de Moraes, Mariana Gomes Lima, Jorge

Gabriel França Abrahão, Ana Paula Lugon, dentre tantos outros estudantes da UNIRIO que

me acolheram como mais um companheiro na construção permanente de uma

Universidade cada dia melhor e mais comprometida com as causas ambientais e com a

igualdade social.

  Agradeço também a Christian Aparecido da Silva e Ricardo Carelli Araújo, ex-

estudantes da UFF, bem como aos ex-estudantes de Engenharia Florestal da Rural Jansen

Jorge Benício Simões Mattos, Michelle de Oliveira Ribeiro (Mestre pela UFF), Tatiana

Passos, Tatiana Scheider, Carlos, além de Gustavo Pena Freitas, da Biologia (mestrando na

UFRRJ), que participaram das atividades relacionadas aos projetos desenvolvidos no

PARNA Tijuca.

  Da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro agradeço ainda a vários outros

discentes que não participaram diretamente das atividades desenvolvidas, mas ajudaram

muito no início do projeto com seus questionamentos e, principalmente com suas

esperanças num futuro melhor: ecologicamente mais saudável e socialmente mais justo.

  

Agradeço especialmente aos ex-estagiários e pesquisadores, em algum momento

associados, Sandro Leonardo Alves, analista ambiental do ICMBio, especialista em

primatas (mestrando na UFPA); Ciro José Ribeiro de Moura (mestrando na UERJ), Samuel

Pigozzo Silva (doutorando na UFRRJ), Maurício Jorge Bueno Faria (Mestre pela UFRRJ),

Gilson Roberto de Souza (Mestre pela UFRRJ), Bruno Bof Campos, Joyce Michellucho,

Anne Sueli Diniz Gonçalves e tantos outros.

  Apesar do grande número de estudantes que ajudaram em algum momento no

projeto, apenas três monografias foram realizadas com temas parcialmente relacionados

aos desenvolvidos nesse trabalho. Assim, durante esse período do doutorado tive a

oportunidade (e a insanidade) de trabalhar com temas que foram desde besouros até

espécies vegetais exóticas invasoras, passando por projetos de educação ambiental.

Entretanto, todo esforço realizado, especialmente em campo, teria sido absolutamente

insuficiente sem o verdadeiro companheirismo e a dedicação de vocês.

  Agradeço ainda a Dejan Souza de Carvalho, um ex-estudante que estava no início

do segundo grau, em uma escola pública de Seropédica, que veio pelo projeto Jovens

Talentos da FAPERJ e hoje está na Universidade cursando carreira na temática ambiental.

  Muito obrigado “meus” estudantes! Certamente vocês são o meu principal legado acadêmico! Agradeço ao meu filho, meu verdadeiro parceiro, Pedro Nogueira Scarambone Zaú

que teve a “oportunidade” de ir a campo algumas vezes, por exemplo, ajudando a medir

parâmetros micro-climatológicos. Mesmo só fazendo vestibular para alguma carreira

  

ambiental com início previsto para 2011, você já é mais um “guerreiro da causa

ambiental”! Agradeço também a Maria Nogueira Scarambone Zaú, minha filha querida e a flor

mais bonita que penso cuidar quase diariamente, e que também participou de vários dias de

campo, além de perceber, desde muito pequena, que mesmo nos fins de semana, nossos

passeios sempre foram muito associados ao meu “escritório” de trabalho (a floresta).

  Agradeço a minha filha “pequenininha” Monique dos Santos Brasil Scarambone

Zaú, que mesmo sem entender muito bem a situação, me cobrou muito menos do que eu

poderia ter sido cobrado pelas constantes e prolongadas ausências.

  Agradeço a Deise Amaral, minha companheira em tudo nesses últimos cinco anos.

Nos momentos mais felizes e nas horas mais difíceis você esteve ao meu lado. Você é o

meu exemplo, pelos valores raros, determinação pessoal, capacidade de doação e afeto

comigo e com os meus. À você digo simplesmente – “Te adoro”! Agradeço a minha mãe Ignez Ivone Scarambone Zaú, que sempre me apoiou em

todas as minhas escolhas e compreendeu as minhas ausências em diversos momentos ao

longo desse período.

  Agradeço à Thiago Zaú de Oliveira, meu sobrinho, pela eventual ajuda em campo

  

e, principalmente por ajudar em importantes questões familiares, proporcionando

tranquilidade para que eu conseguisse trabalhar com mais dedicação.

  Será? Essa foi uma das perguntas mais importantes e recorrentes feitas pelo meu

orientador, Dr. Leandro Freitas. Mesmo com meu frequente distanciamento do dia a dia do

Jardim, pela vida paralela em função das atividades docentes na UNIRIO, simultaneamente

com o doutorado, nas vezes em que dialogávamos transbordava conhecimento, sabedoria,

críticas de altíssima qualidade e muito bom senso em seu trabalho na Ciência. Obrigado,

especialmente pelas críticas mais duras e difíceis! Por vezes precisei de dias, semanas ou

  

até mesmo meses para perceber que todas as críticas eram procedentes. Muito obrigado,

por compreender minhas limitações decorrentes das atividades profissionais em paralelo na

Universidade e por aceitar uma forma “orientação à distância”, através dos intermináveis

e-mails. Obrigado por tudo!

  Agradeço ao Dr. Rogério Ribeiro de Oliveira, pelas críticas na fase de elaboração

do projeto, na disciplina de Seminários II e no exame de qualificação, e por sua

participação como membro da banca de avaliação da tese. Obrigado pelo apoio, incentivo,

criatividade, doação ao próximo, preocupação com os menos favorecidos e com o

“resgate” de pessoas pela educação, especialmente através do acolhimento. Obrigado por

tudo, mesmo desde muito antes desta fase de doutoramento e provavelmente, também,

muito depois! Agradeço à Dra. Ariane Luna Peixoto por seu incentivo para que eu fizesse minha

inscrição no processo seletivo, há mais de cinco anos atrás, pelas críticas no projeto inicial,

na disciplina de Seminários I, por sua amizade e parceria à época dos trabalhos

desenvolvidos na Floresta da Cicuta em Volta Redonda, antes do doutorado, e por ser um

exemplo de dedicação, seriedade e trabalho.

  Agradeço ao Dr. Luís Mauro Sampaio Magalhães por seu trabalho de avaliação da

tese na pré-banca, por participar da banca de defesa com pertinentes colocações e, por ter

mudado minha vida quando pude aprender um pouco sobre as relações sociais na carreira

docente e na Universidade. Muito obrigado, principalmente pelo apoio irrestrito em

momentos difíceis de um passado distante! Agradeço ao Dr. Pablo José Francisco Pena Rodrigues por ter participado da

avaliação de meu projeto na disciplina de Seminários I, no exame de qualificação, por ter

mostrado questões que, de fato, eu não estava observando de uma forma nítida no início da

minha relação com a pós-graduação e por aceitar participar como avaliador deste trabalho,

  

mais uma vez, como membro na banca de defesa. Agradeço ainda pela inspiração passada

por seus trabalhos na temática que trabalhamos em comum e pelas críticas cuidadosas e

muito pertinentes.

  Agradeço ao Dr. Flávio Nunes Ramos pelas críticas, pela proposta muito adequada

para possíveis publicações e pela disponibilidade de participar da banca de defesa.

  

Agradeço também pela inspiração principalmente a partir de seus trabalhos com efeitos de

borda e com a Psychotria e também pela inspiração e bom humor passados por algumas

das caricaturas e charges disponibilizadas no site de seu laboratório.

  Agradeço ao Dr. Marcelo Trindade Nascimento, Dra. Ariane Luna Peixoto, Dra.

Rejan Guedes Bruni, Dra. Alessandra Nasser Caiafa, Dr. Fábio Rúbio Scarano e Dra.

Dorothy Sue Dunn de Araújo por participarem como membros suplentes na banca de

defesa da tese.

  Agradeço aos taxonomistas especialistas nas famílias das plantas coletadas os quais

foram fundamentais para a mais precisa identificação e, consequentemente, essenciais para

a geração de informações ecológicas com mais qualidade. Agradeço especialmente ao Dr.

Haroldo Lima (Fabaceae e indeterminadas), Dr. Alexandre Quinet (Lauraceae e

indeterminadas), Dr. Marcelo Souza (Myrtaceae), MSc. Robson Ribeiro (in memorian)

(Fabaceae), Dr. Cyl Farney de Sá (Nyctaginaceae), Dra. Elsie Guimarães (Piperaceae e

indeterminadas), Dra. Ariane Peixoto (Monimiaceae e indeterminadas), Dra. Adriana

Lobão (Annonaceae), Dr. Ronaldo Marquete (Salicaceae e indeterminadas), Dra. Ângela

Vaz (Fabaceae e indeterminadas) e Dra. Arline Souza de Oliveira (Euphorbiaceae), a Dra.

  

Berenice Chiavegatto (Melastomataceae) e várias outras pessoas que também se

dispuseram a “olhar o material” 99% estéril.

  Agradeço ao Dr. Evaristo de Castro Júnior, pela cessão do mapa de relevo e por

seus diálogos sempre otimistas e que efetivamente contribuem para soluções inovadoras e

  

diferenciais. À Hélio Beiroz pela elaboração do mapa de vegetação, à Márcio D’Arrochella

pela cessão de dados de solos e à Betina Suzuki pela revisão da versão em inglês no último

capítulo.

  Agradeço aos meus colegas de pós-graduação na Rural, especialmente ao Dr.

Lenício Golçalves, Dr. Luís Mauro Magalhães, Dra. Ana Maria Dantas e Dra. Nedda

Mizuguchi, por terem compreendido minhas limitações de participação no curso nos

últimos anos.

  Agradeço aos Professores da pós graduação em Botânica, do Jardim Botânico do

Rio de Janeiro, especialmente ao Dr. Haroldo Lima, Dra. Helena Bergallo, Dra. Rejan

Guedes, Dr. Elsie Guimarães, Dra. Ariane Peixoto, Dr. Alexandre Quinet, Dra. Ângela

Vaz, Dr. Gabriel Bernardello e demais docentes. Seus ensinamentos foram fundamentais

para minha formação.

  Agradeço ao meu amigo Carlos Alberto (Carlinhos), ex-funcionário do Herbário do INEA pelo auxílio na determinação preliminar de algumas coletas botânicas.

  Agradeço a Norma Crud Maciel, chefe do INEA na Vista Chinesa, a Heron

Zanellatto, curador do Herbário Alberto Castelhanos, atualmente do INEA e aos outros

funcionários, pela possibilidade de utilização das dependências instituicionais.

  Agradeço à todos do ICMBio que trabalham no PARNA Tijuca, especialmente à

Loreto Figueira e Ivandy Astor (analistas ambientais), Bernardo Issa (chefe do PARNA

Tijuca), Ricardo Calmon (ex-chefe) e Jean Marx (terceirizado que atua como guia e nos

projetos de Educação Ambiental do Parque), pela verdadeira parceria nos projetos do

Laboratório de Ecologia Florestal da UNIRIO. Agradeço especialmente pela constante

pronta resposta das solicitações referentes às autorizações para as coletas e atividades de

pesquisa no parque.

  Agradeço aos meus amigos Renato Sardinha, Marcos Pompeu, Marcello Xavier,

Miguel Carlos Gomes, Carlos Henrique, Paulo Maurício Meneguite e outros tantos, que

mesmo sem nos encontrarmos nos últimos anos não deixaram de ser verdadeiros amigos.

  Agradeço aos meus colegas de trabalho na UNIRIO, especialmente ao Dr. Ricardo

Cardoso, responsável pelas disciplinas de Ecologia Básica que deixei participar durante um

semestre, ao Dr. Alcides Wagner Serpa Guarino (Diretor e coordenador dos cursos do

  

IBio) que sempre me apoiou e incentivou em todas as etapas do meu doutoramento e ao

meu amigo Izidro Souza Filho pela presença constante, pelas críticas e pelo auxílio em

algumas etapas deste trabalho.

  Agradeço aos colegas do Departamento de Botânica da UNIRIO que

compreenderam minhas ausências, mesmo quando eu estava temporariamente no cargo de

chefe do Departamento de Botânica, especialmente na fase final de redação da tese e de

preparação da defesa.

  Agradeço especialmente a Dra. Rosani Arruda, nossa querida ex-chefe que,

infelizmente para a gente, mas para sua felicidade e de sua família, deixou a UNIRIO para

trabalhar na co-irmã UFMS, em sua terra natal. Muito obridado pelos anos de convívio,

com paz, espírito de grupo, generosidade e consideração pessoal.

  Agradeço a mais nova amiga da UNIRIO, Dra. Denise Klein, que ajudou muito e

continua ajudando nas tarefas relacionadas à chefia do Departamento de Botânica,

especialmente nos períodos que eu estava mais atarefado com as questões relativas à tese.

  Agradeço aos colegas de turma de doutorado e aos contemporâneos, especialmente

aos meus verdadeiros amigos, Dr. Ronaldo Marquete, Dra. Jacira Rabelo, Dr. Maurício

Salazar, Dra. Jakeline Prata, Dra. Adriana Lobão e Dra. Gracialda Ferreira e aos outros(as).

  Agradeço aos mestres, futuros doutores e colegas Beatriz Cartelar, Daniella

Tourinho, Jerônimo Boelsums, Leonardo Silva, Marina Wolowski, Rafael Borges,

  

Alexandre Christo, João Iganci, Gustavo Heiden, Nivea Dias, Pablo Prieto, Rodolfo Abreu,

Monique Gabriel, Gilberto Terra e todos aqueles que sempre participaram de discussões

acadêmicas, trabalhos e atividades no sentido de buscar o aprendizado mais aprofundado e

no desenvolvimento de ações para contribuir para a melhoraria do curso.

  Agradeço à Escola Nacional de Botânica Tropical e aos idealizados da proposta de

curso, pela excelente infra-estrutura disponível, conquistada com muito trabalho e

fundamental para o desenvolvimento de todas as etapas do curso.

  Agradeço a todos os funcionários da Escola Nacional de Botânica, em especial à

coordenadora Dra. Dorothy Sue Dunn de Araújo e aos secretários Januzzia Fernandes

Ferreira, Nilson Freitas e Hevelise Fregonesse Peregrino, Marcus Vinícius Calheiros Silva,

Diego da Silva Braga e também aos anteriores e à bibliotecária do Instituto de Pesquisas

Jardim Botanico do Rio de Janeiro, Penha Ferreira.

  Agradeço aos pesquisadores, funcionários e prestadores de serviço do Instituto de

Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, especialmente à Dra. Rafaela Forzza,

curadora do Herbário do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

  Agradeço aos trabalhadores diversos e amigos, dentre eles Vantuir Chagas, os

prestadores de serviços e o pessoal administrativo da UNIRIO, especialmente Leandra, Seu

Evangelista, Mário, Doriedson, Marcos, Júlio César e outros importantes servidores

terceirizados, além da Dona Marli, Claúdio e aos recém contradados da secretaria do IBio

que, de alguma forma, contribuíram para ampliar nossa capacidade executiva, segurança,

conforto e bem estar no ambiente de trabalho.

  Agradeço aos docentes da UNIRIO, que em seus cargos temporários de chefia,

direção, decania, pró-reitoria e reitoria se doam para o bem coletivo e para a Instituição,

muitos com o verdadeiro, mas infelizmente hoje raro espírito público.

  Agradeço às diversas pessoas não citadas nominalmente mas, que de alguma forma também ajudaram neste trabalho.

  A todos, os meus mais sinceros agradecimentos.

  

SUMÁRIO

REFLEXÕES ........................................................................................................................ v

DEDICATÓRIA.................................................................................................................viii

AGRADECIMENTOS .......................................................................................................... x

RESUMO ..........................................................................................................................xxii

ABSTRACT .....................................................................................................................xxiii

  

INTRODUđấO GERAL .................................................................................................... 1

ÁREA DE ESTUDO............................................................................................................ 9

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................ 19

CAPÍTULO I MICROCLIMA EM UMA FLORESTA URBANA NO SUDESTE DO BRASIL SUJEITA A EFEITOS DE BORDA DE ESTRADA

  

RESUMO ............................................................................................................................ 30

  

INTRODUđấO................................................................................................................... 30

MATERIAL E MÉTODOS................................................................................................. 32

Registros microclimáticos ............................................................................................... 32 Análise dos dados ............................................................................................................ 35

  

RESULTADOS ................................................................................................................... 37

DISCUSSÃO....................................................................................................................... 51

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................ 57

CAPÍTULO II COMPOSIđấO FLORễSTICA DO ESTRATO ARBUSTIVO-ARBốREO EM UM

REMANESCENTE URBANO DE MATA ATLÂNTICA NO SUDESTE DO BRASIL

RESUMO ............................................................................................................................ 64

  

INTRODUđấO................................................................................................................... 64

MATERIAL E MÉTODOS................................................................................................. 67

Caracterização florística ................................................................................................. 67

  ............................................................................................................ 69 Análise dos dados

  

RESULTADOS ................................................................................................................... 71

Caracterização florística ................................................................................................. 71 Grupos sucessionais ........................................................................................................ 76 Síndromes de dispersão ................................................................................................... 80 Similaridade regional ...................................................................................................... 82

  

DISCUSSÃO....................................................................................................................... 89

Caracterização florística ................................................................................................. 89 Grupos sucessionais ........................................................................................................ 95 Síndromes de dispersão ................................................................................................... 99 Similaridade regional .................................................................................................... 100

  

CONCLUSÕES ................................................................................................................. 101

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................. 102

CAPÍTULO III FITOSSOCIOLOGIA E ESTRUTURA FÍSICA DO ESTRATO ARBUSTIVO- ARBÓREO EM UMA FLORESTA URBANA SUJEITA A EFEITOS DE BORDA

  

RESUMO .......................................................................................................................... 117

  

INTRODUđấO................................................................................................................. 117

MATERIAL E MÉTODOS............................................................................................... 120

Caracterização fitossociológica .................................................................................... 120

  .......................................................................................................... 120 Análise dos dados

  

RESULTADOS ................................................................................................................. 121

Caracterização fitossociológica .................................................................................... 121 Estrutura física .............................................................................................................. 123

  

DISCUSSÃO..................................................................................................................... 131

.................................................................................... 131 Caracterização fitossociológica Estrutura física .............................................................................................................. 135

  

CONCLUSÕES ................................................................................................................. 137

REFERÊNCIAS BILIOGRÁFICAS................................................................................. 138

CAPÍTULO IV EDGE EFFECTS ON SPATIAL DISTRIBUTION AND REPRODUCTIVE PHENOLOGY OF Psychotria nuda (RUBIACEAE) IN A REMNANT OF ATLANTIC FOREST

  

ABSTRACT ...................................................................................................................... 147

  

INTRODUCTION............................................................................................................. 147

MATERIAL AND METHODS......................................................................................... 150

Studied species ............................................................................................................... 150 Site description .............................................................................................................. 151

  ......................................................................................................................... 152 Methods Techniques ..................................................................................................................... 153

  

RESULTS.......................................................................................................................... 153

DISCUSSION.................................................................................................................... 156

Abundance and edge distance ....................................................................................... 156

  ................................................................................................. 156 Similarity between sites Spatial distribution pattern ............................................................................................ 157 Phenological condition .................................................................................................. 158

  

CONCLUSION ................................................................................................................. 158

ACKNOWLEDGEMENTS .............................................................................................. 159

REFERENCES .................................................................................................................. 159

CONCLUSÕES GERAIS ............................................................................................... 168

  

ANEXOS – Capítulo I....................................................................................................... 172

ANEXOS – Capítulo II ..................................................................................................... 176

ANEXOS – Capítulo III .................................................................................................... 221

RESUMO

  

(Composição, estrutura e efeitos de bordas lineares na comunidade arbustiva-arbórea de

um remanescente urbano de Mata Atlântica no sudeste do Brasil). A fragmentação é uma

das principais ameaças à biodiversidade, por ampliar efeitos de borda e afetar padrões e

processos ecológicos. Porém, bordas lineares podem apresentar características

diferenciadas daquelas de fragmentos. O PARNA Tijuca, cercado pela cidade do Rio de

Janeiro e recortado por estradas pavimentadas, é uma das maiores florestas urbanas do

mundo. Foram avaliados indicadores microclimáticos, florísticos, fitossociológicos, de

diversidade, grupos sucessionais, síndromes de dispersão, similaridade regional e de

estrutura física do componente arbustivo-arbóreo associados a estradas que recortam o

setor “A” do parque. A temperatura do ar, umidade relativa do ar e luminosidade foram

registradas em dois ciclos anuais. Em diferentes locais foram estabelecidos perfis

  2

  

perpendiculares às estradas, das margens para o interior da floresta, com parcelas de 10 m

nas distâncias: 0-10 m, 30-40 m, 60-70 m e 90-100 m, totalizando 0,28 ha. Foram

coletados os indivíduos com DAP ≥ 2,5 cm sendo definidos a ocorrência, grau de raridade,

grupo sucessional e síndrome de dispersão das espécies. A distribuição espacial, densidade

e aspectos reprodutivos de Pychotria nuda Cham. & Schltdl. (Rubiaceae), foram obtidas

em nove perfis de 100 m, perpendiculares às estradas, no formato supracitado. As estradas

apresentaram microclima distinto da floresta, entretanto, não foram detectadas diferenças

para temperatura e umidade relativa do ar das estradas para o interior da floresta. Foram

amostrados 986 indivíduos distribuídos em 40 famílias, 90 gêneros e 200 espécies. As dez

espécies mais abundantes corresponderam a 5% do total e 51% dos indivíduos. Os índices

de diversidade e equabilidade foram: H' = 4,129 e J = 0,779. A densidade total foi 3.523

  2

  

indivíduos/ha e a área basal total 49,1 m /ha. A mediana das alturas totais foi 7,5 m

(interquartis entre 5,0 e 11,0 m) e a média 10,5 m (± 5,4). A mediana dos DAP foi 5,3 cm

(interquartis entre 3,5 e 10,7 cm) e a média 12,2 cm (± 11,2). O percentil das 10% maiores

árvores foi 16,0 m de altura e 20,6 cm de DAP. Foi registrado um alto percentual de

espécies com um indivíduo na amostragem (54,7%). P. nuda apresentou distribuição

agregada pelo índice de Morisita (n = 847; IM > 1). A densidade populacional sob

  2

  

influência de clareiras atingiu 5,4 ind/m e nos trechos mais distantes das estradas foi 0,55

ind/m². Indivíduos estéreis foram mais abundantes que os férteis a 90-100 m. A ausência

de gradiente sugere que as bordas lineares analisadas possam apresentar características

diferenciadas daquelas de fragmentos florestais situados em matrizes distintas. A pequena

largura das estradas e o relevo acidentado acarretam na minimização das diferenças

microclimáticas e na ausência de gradientes perceptíveis. Os indicadores biológicos

apontam que a área estudada encontra-se em estágio sucessional avançado, e

comparativamente, em bom estado de conservação, o que contraria a noção disseminada de

uma floresta mais antropizada que outros trechos similares de Mata Atlântica no estado do

Rio de Janeiro. Aparentemente, os aspectos estruturais e reprodutivos de P. nuda não estão

sendo afetados significativamente pelos efeitos de borda das estradas. Apesar de não terem

sido observados padrões claros de efeitos de borda na estrutura física da vegetação, alguns

indicadores sugerem a existência dos mesmos, incidindo mais acentuadamente nos

primeiros metros após as margens das estradas.

Palavras-chave: ecologia de estradas, floresta urbana, Parque Nacional da Tijuca,

microclima, Psychotria.

ABSTRACT

  

(Composition, structure and linear edge effects in the community of trees and shrubs from

an urban remnant of Atlantic Forest in southeastern Brazil). Fragmentation is a major

threat to biodiversity, increasing edge effects and affecting ecological patterns and

processes. However, linear edges can contain different features from those typical

fragment edges. The study was conducted in a remnant of Atlantic Forest in southeastern

Brazil, inside a Tijuca National Park, one of the largest urban forests in the world. We

evaluated ecological indicators (i.e. climatic, floristic, phytosociological, diversity,

successional groups, dispersal syndromes, regional similarity and physical structure of the

community of trees and shrubs, related with narrow roads that cross the park. The air

temperature, relative humidity and light intensity were recorded in two annual cycles. At

different sampling sites were established 100 m long transects, divided into plots of 10 x

10 m bounded over distances of 0-10, 30-40, 60-70 and 90-100 m from the paved road

edges, amounting 0.28 ha. We collected all individuals with DBH ≥ 2.5 cm and was

characterized the occurrence of each species, the degree of rarity, the successional group

and dispersal syndrome. To obtain the spatial distribution pattern, density and reproductive

aspects of Pychotria nuda Cham. & Schltdl. (Rubiaceae) were recorded all individuals

existing in nine transects of 100 m long, perpendicular to the road, in the format above.

The microclimate on the roads was different from that recorded in the forest. However, no

differences were detected for air temperature and relative humidity from the roadside into

the forest. We sampled 986 individuals in 40 families, 90 genera and 200 species. The ten

most abundant species accounted for 5% of the total and 51% of individuals. The diversity

and evenness indices were: H' = 4.129 and J = 0.779. The total density was 3523

  • 1 2. -1

  

individuals.ha and total basal area was 49.1 m ha . The median total height was 7.5 m

(interquartile 5.0 to 11.0 m) and average 10.5 m (± 5.4). The median DBH was 5.3 cm

(interquartile 3.5 to 10.7 cm) and average 12.2 cm (± 11.2). The 10% percentile of the

largest trees was 16.0 m high and 20.6 cm DBH. It was recorded a high percentage of

species with only one individual in the sample (54.7%). The spatial distribution, estimated

by the Morisita index, was aggregated in all distances (n = 847; IM > 1). The population

density in patches under the influence of clearings reached 5.4 ind/m² and in more remote

stretches of the border was as low as 0.55 ind/m², which characterizes this species as

secondary. Non-reproductive were more abundant than reproductive individuals at 90-100

m of distance from the edge, but no clear pattern was detected for the other distances. The

lack of a gradient suggests that the linear edges analyzed can contain different features

from those of typical fragment edges. The narrow, winding roads and steep relief

minimizes microclimatic differences, and possibly generates a lack of identifiable

gradients. The indicators suggest that the remnant is a mature and, comparatively, a

conserved forest, which contradicts the widespread notion of a forest more disturbed than

other similar remnants of Atlantic Forest in Rio de Janeiro. Our results indicated that road

edges are not critically affecting structural and reproductive parameters of P. nuda.

Although they not have been observed clear patterns of edge effects in the physical

structure of vegetation, some biological indicators suggest their existence nearest the

roadsides.

Keywords: road ecology, urban forest, Tijuca National Park, microclimate, Psychotria

INTRODUđấO GERAL

  A Mata Atlântica, em função de suas características geográficas (Morellato &

Haddad 2000) e de historicidade (Dean 1997), apresenta importantes condicionantes em

termos de conservação. Dentre eles, se destacam: 1) o alto grau de degradação do Bioma,

  1

  

tanto em relação à superfície remanescente no Brasil, da qual restam 11,7% da cobertura

original, quanto em relação aos altos percentuais de fragmentação da vegetação

remanescente, na qual 83,4% dos fragmentos têm menos de 50 ha e 97% menos de 250 ha

(Ribeiro et al. 2009); 2) a alta riqueza e o alto endemismo (Stehmann et al. 2009) que,

associados ao alto grau de degradação, caracterizam a Mata Atlântica como um dos

ecossistemas prioritários em termos de conservação (Myers et al. 2000; Brooks et al.

  

2006); e 3) o fato de que no domínio da Mata Atlântica, coexiste 67% da população

brasileira, cerca de 120 milhões de habitantes, distribuídos em 61% (3400) dos municípios

do país (Pinto et al. 2006).

  A fragmentação florestal é considerada uma das principais ameaças à

biodiversidade (Saunders et al. 1991). Na conjuntura de superfícies cada vez mais

  2

  

transformadas e urbanizadas, tanto mundialmente, como no Brasil , aumenta a importância

  

e, principalmente, a necessidade de estratégias para a conservação, tanto em termos de

paisagem (e.g., Santos et al. 2008), como de áreas naturais próximas ou mesmo localizadas

nas cidades (Jim & Chen 2009). Nestes casos, os benefícios indiretos (Ulrich 1986;

Brandão 1992; Tyrväinen 1997; Tyrväinen & Väänänen 1998) e diretos (Bolund &

Hunhammar 1999; Alvey 2006 e Yang et al. 2009) da manutenção da biodiversidade e das

1

funções ecossistêmicas (Gardner et al. 2010) assumem significativo impacto quando

  

No Estado do Rio de Janeiro a cobertura atual corresponde a 19,6% da Mata Atlântica original

2 (FUNDAđấO SOS MATA ATLÂNTICA E INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS, 2010).

  

consideradas as florestas inseridas em grandes cidades (Konijnendijk 2003). Tais

benefícios são resultado da preservação da biodiversidade local como elemento de conexão

entre áreas naturais, pela facilidade de observação frente a mudanças ambientais,

relevância nas ações de educação ambiental, serviços ambientais à população local,

questões associadas à responsabilidade ética e ambiental, ou mesmo pelo bem estar

humano (Dearborn & Kark 2009). Esta é a situação do Parque Nacional da Tijuca, que

abriga uma das maiores florestas urbanas do mundo (ICMBio 2010a), com os benefícios e

conflitos decorrentes da circunvizinhança de uma megacidade (q.v. área de estudo).

  No contexto de heterogeneidade ambiental insuficientemente detalhada para a Mata

Atlântica (Galindo-Leal & Câmara 2005), conhecimentos específicos e regionalizados

sobre a complexidade de seus ecossistemas são fundamentais para avaliar e construir ações

conservacionistas efetivas. No Estado do Rio de Janeiro, as áreas de Mata Atlântica melhor

preservadas estão localizadas basicamente em escarpas muito íngremes ou em altitudes

elevadas, onde a prática agrícola ou madeireira foi restrita historicamente pela

inviabilidade econômica (Moreno et al. 2003). A expansão urbana reduziu as florestas, que

primeiramente foram removidas nas baixadas para a abertura de áreas para a agricultura e

habitação, e, posteriormente, em encostas utilizadas para fins agrícolas, principalmente

café, nos séculos XVIII e XIX (Dean 1997). Mais recentemente, em muitos trechos, a

agricultura foi substituída por pastagem extensiva (Galindo-Leal & Câmara 2005).

Considerando a situação regional, estudos têm sido realizados nas suas diferentes

formações florestais (e.g., Kurtz & Araújo 2000; Borém & Oliveira-Filho 2002; Moreno et

al. 2003; Peixoto et al. 2004; Pereira et al. 2006; Guedes-Bruni et al. 2006a; b; Souza et al.

  

2007; Carvalho et al. 2008; Guedes-Bruni et al. 2009). Neles, frequentemente é destacada

a alta diversidade, decorrente das próprias formações (Oliveira-Filho & Fontes 2000); dos

  

diferentes estágios sucessionais e históricos de uso (Oliveira 2002); e das condições de

conservação (Carvalho et al. 2008).

  Dentre as questões mais relevantes associadas à fragmentação estão os efeitos de

borda (Laurance 1991; Malcolm 1994; Murcia 1995), os quais podem ser caracterizados

como aqueles decorrentes de alterações físicas e biológicas nos contatos da floresta com

trechos alterados (Kapos 1989; Laurance & Yensen 1991; Zaú 1998; Cadenasso et al.

  

2003; Harper et al. 2005; Rodrigues & Nascimento 2006). Estudos conduzidos em bordas

de florestas tropicais frequentemente caracterizam diferenciações e gradientes borda-

interior em relação a condições microambientais, estrutura vegetal, composição biótica e

interações (Laurance 1991; Laurance & Yensen 1991; Camargo & Kapos 1995; Murcia

1995; Turton & Freiburger 1997; Laurance & Bierregaard 1997; Gehlhausen et al. 2000;

Bierregaard et al. 2001).

  Em condição de borda linear decorrente da existência de estradas em trechos

cobertos por floresta é esperada a existência de gradientes das margens da estrada para o

interior da floresta, havendo a diminuição gradual da luminosidade e da temperatura do ar

e o aumento da umidade relativa do ar conforme o distanciamente da estrada. Tais fatores

devem acarretar no incremento dos eventos de floração e frutificação de espécies que têm

sua dinâmica parcialmente associada à maior luminosidade típica de áreas mais abertas e

clareiras.

  Paralelamente, devem existir alterações na distribuição dos indivíduos de diferentes

grupos sucessionais, bem como alterações associadas às síndromes de dispersão das

plantas. Nos trechos de floresta mais próximos às estradas são esperados percentuais mais

altos de indivíduos de grupos sucessionais iniciais (pioneiras e secundárias iniciais), bem

como daqueles com síndromes de dispersão abióticas (anemocoria e autocoria), havendo

uma diminuição gradual das margens das estradas para o interior da floresta. Em

  

contraposição, o número de indivíduos de espécies secundárias tardias e com síndromes de

dispersão zoocórica devem aumentar gradativamente em direção ao interior da floresta.

  De forma semelhante, em razão de aspectos geográficos e ecológicos associados à

sucessão florestal, é esperado que as alturas e diâmetros dos indivíduos arbóreo-arbustivos

sejam menores nos trechos mais próximos às estradas aumentando em direção ao interior

da floresta.

  Entretanto, a ausência de diferenças para alguns dos parâmetros microclimáticos

mensurados em estudos semelhantes (e.g. Turton & Freiburger 1997; Asbjornsen et al.

  

2004; Ramos & Santos 2006) ou mesmo padrões inesperadamente opostos (Marchand &

Houle 2006) já foram registrados, o que pode acarretar em padrões ecológicos distintos

daqueles esperados.

  Outro aspecto em debate é a temporalidade dos efeitos de borda. Por um lado

existem autores que argumentam que efeitos de borda, após expressarem alterações na

vegetação e na comunidade como um todo, podem ficar tamponados ou estabilizados

passados alguns anos ou décadas (Turton & Freiburger 1997; Kupfer & Runkle 2003).

  

Outros defendem que os efeitos de borda podem se processar “indefinidamente” ou por um

período bastante longo, afetando significativamente a estrutura, a composição da vegetação

e consequentemente a biodiversidade (Tabanez et al. 1997; Bierregaard et al. 2001). É

provável que tais divergências, em parte, existam porque muitos estudos apenas

identificam consequências ecológicas decorrentes de situações complexas e específicas a

cada localidade. Entretanto, é provável que em função das causas não serem

suficientemente esclarecidas, existe a dificuldade de detecção de padrões consistentes

(Rodrigues & Nascimento 2006).

  Dentre os fatores que podem conduzir a situações de maior influência ou efeito de

borda estão o contato abrupto com a área transformada; a manutenção da borda, com ações

  

que perpetuam os seus efeitos; a existência de florestas com copas altas e densas; de

florestas em estágios sucessionais intermediários ou maduros; e a presença de espécies

exóticas e invasoras da fauna e da flora (Harper et al. 2005). Todas essas características

são encontradas na área deste estudo. Entretanto, um conjunto complexo de fatores pode

controlar a magnitude e a distância dos efeitos de borda e, desta forma, as respostas

vegetais à criação das bordas tendem a ser específicas localmente (Harper et al. 2005).

  Na Mata Atlântica, bordas são resultado de processos naturais como o surgimento

de clareiras ou limitações geográficas, tais como afloramentos rochosos e proximidades de

margens de rios e outros corpos d'água (Ramos & Santos 2006). Entretanto, são as bordas

criadas pelo homem moderno que têm motivado maior preocupação devido à sua grande

escala e dinâmica (Laurance & Bierregaard 1997; Bierregaard et al. 2001; Laurance et al.

2002; Rodrigues & Nascimento 2006, Tabarelli et al. 2010). As estradas, componentes

críticos da civilização (Lugo & Gucinski 2000), atuam como elemento de fragmentação da

paisagem e de ampliação de bordas (Zaú 1997; Freitas et al. 2010) e criação de bordas

lineares semelhantemente a ferrovias, gasodutos e linhas de transmissão de energia elétrica

(Oliveira & Zaú 1998; Rodrigues 2004). Podem reduzir a biodiversidade (Forman &

Alexander 1998), alterar processos sucessionais (Spellerberg 1998; Trombulak & Frissell

2000) e facilitar a invasão de espécies exóticas (Lugo & Gucinski 2000), afetando os

ecossistemas de várias formas (Coffin 2007), mesmo quando apresentam pequenas

larguras (< 20-30 m) (Laurance et al. 2009). Além disso, causam perdas e alterações de

hábitats (Freitas et al. 2010; Laurance et al. 2009), modificam a cobertura vegetal (Lugo &

Gucinski 2000; Spooner & Smallbone 2009) e causam alterações nos processos hidro-

erosivos e de deposição de compostos químicos (Forman & Alexander 1998). Tais fatores,

muitas vezes atuando em conjunto, acarretam em modificações na movimentação e nos

padrões espaciais das populações (Forman 1998; Oliveira et al. 2007) e da comunidade

  

(e.g. Trombulak & Frissell 2000). Desse modo, mortes por atropelamento, afastamento da

fauna mais sensível, exclusão local de espécies vegetais e animais, dificuldade de

transposição e, inversamente, facilitação de movimentação linear pelas bordas e ocupação

por espécies da flora e fauna generalistas resultam em diferenças na ocupação espacial e na

estrutura física da vegetação. Entretanto, existe pouco conhecimento de como as estradas

podem afetar áreas legalmente protegidas (Ament et al. 2008).

  Medidas conservacionistas iniciadas há cerca de 200 anos, buscando normatizar o

uso do solo com o objetivo de preservar e recuperar nascentes, foram reforçadas com os

processos de reflorestamento iniciados a partir de 1861 na área que hoje é o Parque

Nacional da Tijuca (Abreu 1992). Esse processo foi fundamental para a existência de

trechos de floresta remanescentes, mesmo que hoje estes apresentem diferentes estágios

sucessionais e distintas condições de conservação. As ações que dificultaram o

desmatamento e, posteriormente promoveram a revegetação e a reintrodução de parte da

fauna, bem como aquelas associadas ao processo sucessional (Oliveira et al. 1995),

parecem ter conduzido a floresta atual a uma situação semelhante em termos florísticos e

fitossociológicos, comparativamente a outros trechos regionalmente considerados

conservados.

  É esperado que a temporalidade das medidas de proteção associadas ao

desenvolvimento dos processos ecológicos, especialmente a sucessão ecológica tenham

acarretado em uma floresta com composição florística e fitossociológica semelhante à de

trechos considerados bem conservados.

  Entretanto, as estradas pavimentadas que recortam a área, em alguma medida,

podem resultar em diferenciações ecológicas que supostamente devem afetar mais

acentuadamente os primeiros metros da floresta. Considerando o histórico da área (Atala et

al. 1966; Abreu 1992), as bordas associadas às estradas, com cerca de 150 anos, podem ser

  

consideradas estabilizadas (senso Harper et al. 2005). Assim, acredita-se que esses

possíveis efeitos não sejam tão pronunciados quanto aqueles observados em bordas de

fragmentos cercados por matrizes muito distintas, nem semelhantes àqueles existentes em

bordas recém criadas (Kapos et al. 1997; Turton & Freiburger 1997; Laurance &

Bierregaard 1997) e que estejam mais associados à linearidade das bordas decorrentes da

secção da floresta pela estrada.

  Assim, os efeitos do microclima na estruturação física e sociológica da vegetação

na Floresta da Tijuca, bem como possíveis consequências destes em outros processos

relacionados a grupos sucessionais, síndromes de dispersão e aspectos fenológicos, por

exemplo, devem se dar de forma menos intensa quando comparados aos padrões descritos

mais comumente (Laurance & Bierregaard 1997; Bierregaard et al. 2001). Entretanto,

apesar de serem “bordas antigas” – as estradas foram pavimentadas há cerca de 60 anos

(Castro Maya 1967) – contrasta o fato de que elas estão sob permanente manutenção e

limpeza das margens, o que remete à contínua ação de elementos de transformação da

paisagem florestal (i.e., bordas antigas, porém mantidas, senso Harper et al. 2005).

  Considerando a falta de consenso sobre aspectos relacionados à magnitude,

extensão, duração e variabilidade espacial dos efeitos de borda (Murcia 1995; Sizer &

Tanner 1999; Newmark 2001; Ramos & Santos 2006) é relevante a produção de dados

empíricos e a avaliação de aspectos ecológicos em distintos ambientes e sob diferentes

condições, especialmente em razão do contexto atual de pressão antrópica da Mata

Atlântica.

  O objetivo geral deste trabalho foi a avaliação de efeitos de borda decorrentes de

estradas pavimentadas, que recortam um trecho de Mata Atlântica sob influência urbana,

no Parque Nacional da Tijuca.

  Como objetivos específicos buscou-se responder às questões:

1) As estradas geram gradientes de temperatura e luminosidade, que diminuem das

margens para o interior da floresta? Inversamente, existe um gradiente de umidade

relativa do ar que aumenta em direção ao interior da floresta? (Capítulo 1).

  

2) A composição florística é distinta daquela que ocorre em trechos regionalmente

considerados em bom estado de conservação? Em termos de grupos sucessionais e de síndromes de dispersão, existem diferenças das margens das estradas para o interior da floresta? (Capitulo 2).

  

3) A composição fitossociológica é distinta daquela registrada em remanescentes

regionalmente considerados em bom estado de conservação? As estradas afetam aspectos físicos da vegetação como a altura e o diâmetro dos troncos no componente arbustivo-arbóreo? (Capítulo 3).

  ÁREA DE ESTUDO O Parque Nacional da Tijuca está localizado em um remanescente de “Floresta

Atlântica litorânea” (senso Morelato & Haddad 2000), ou Mata Atlântica senso amplo, em

relevo escarpado da cadeia de maciços da Serra do Mar na região sudeste do Brasil, entre

22°55’ e 23°00’S e 43°11’ e 43°19’W (Figura 1). Possui aproximadamente quatro mil ha,

subdivididos em quatro setores. É cercado pela matriz urbana da cidade do Rio de Janeiro,

uma megalópole com aproximadamente seis milhões e duzentos mil de habitantes (IBGE

2010) (Figura 2).

  Uma vez que a vegetação original foi quase totalmente excluída pelo

desmatamento, para o plantio de café e outros usos do solo (Abreu 1992), a vegetação

secundária que hoje recobre o PARNA Tijuca resulta, em grande parte, de medidas

conservacionistas. Tais medidas, quando iniciadas há cerca de 200 anos atrás, apenas

conseguiam dificultar o desmatamento. Mas, a partir de meados do século 19, quando

foram realizadas as primeiras desapropriações e as principais ações de revegetação (Atala

et al. 1966; Castro Maya 1967; Oliveira 1987; Abreu 1992), elas ajudaram a consolidar a

concepção de uma “floresta plantada”, a partir daquele que pode ser considerado o

primeiro projeto de restauração florestal nos trópicos (Rodrigues et al. 2009).

  Outras ações contribuíram para a consolidação deste paradigma, como as

reintroduções de elementos da fauna (Coimbra-Filho & Aldrighi 1971 e 1972, Coimbra-

Filho et al. 1973 e Coimbra-Filho 2000) (Figura 3) e, talvez a regeneração a partir dos

próprios reflorestamentos (Oliveira et al. 1995). Entretanto, o processo sucessional

originado a partir de “pequenos trechos... cobertos por mata primária...” (Atala et al.

1966), remanescentes em algumas das encostas mais íngremes (Oliveira et al. 1995) tem

sido negligenciado.

  Além do que, admitindo-se um espaçamento de cinco metros entre as mudas e um

índice de 10% de replantio em função das perdas, provavelmente foi efetivamente plantada

uma superfície da ordem de 170 ha. Considerando que o PARNA Tijuca apresenta hoje

uma extensão de cerca de 4 mil ha, o montante plantado corresponderia a menos de 5% do

total, confrontando radicalmente a noção de que a “Floresta da Tijuca” seria em sua maior

parte plantada (Oliveira 2007).

  

Figura 1. a) Mapa esquemático da América do Sul, modificado de http://www.bibliosoft.pt/

(2010). b) Estado do Rio de Janeiro, com remanescentes florestais da Mata Atlântica,

modificado de Fundação SOS Mata Atlântica (2008); c) Imagem de satélite do Maciço da

Tijuca, circunscrito por parte da área urbana da Cidade do Rio de Janeiro, modificada de

Google Earth (2010), RJ. d) Mapa esquemático modificado de ICMBio (2008). A numeração

  

Figura 2. Base cartográfica digital, a partir de imagem de satélite, com os limites do

parque. Em vermelho o setor “A”, Floresta da Tijuca. Parque Nacional da Tijuca, Rio de

Janeiro, RJ. Ao redor do parque o adensamento urbano da cidade. Fonte: Cedida pelo

  

ICMBio. Elaborada sobre base cartográfica do Instituto Pereira Passos, SMU, Prefeitura

da Cidade do Rio de Janeiro.

  

Figura 3. Tucano-de-bico-preto (Ramphastos vitelllinus ariel Vigor, 1826) alimentando-se

de frutos de palmito jussara (Euterpe edulis Mart.). Fotografia de R. R. de Oliveira. 1992

ap.

  A floresta atual apresenta elementos arbóreos que atingem a 25-30 metros, além de

epífitas, cipós, arbustos e ervas (Figura 4). Dentre as árvores, destacam-se pelo porte,

frequência ou características cênicas as famílias Myrtaceae, Rubiaceae, Lauraceae,

Arecaceae, Fabaceae, Meliaceae, Euphorbiaceae e Melastomataceae (Oliveira et. al. 1995).

  A cobertura vegetal – Floresta Ombrofila Densa Submontana e Montana (senso

Veloso et al. 1991), forma um dossel contínuo (Figura 5), em estágio secundário tardio ou

  2

  

clímax local, em aproximadamente 35% da área total do Maciço da Tijuca (112 km )

(Coelho-Netto et al. 2007). Entretanto, é comum serem encontradas espécies exóticas,

resultado de ações culturais que antecedem à recomposição da vegetação, como frutíferas,

remanescentes de tratos culturais, como o café, ou ainda em consequência de ações

paisagísticas, particularmente de estilo francês, implementadas em alguns locais de uso

mais intenso no parque (Atala et al. 1966; Castro Maya 1967). Dentre as espécies exóticas

mais marcantes podem ser destacadas a jaqueira Artocarpus heterophyllus Lam.

(Moraceae) (Figura 6), subespontânea localmente e mono-dominante em alguns trechos do

parque (Abreu 2008), a dracena (Dracaena fragrans (L.) Ker Gawl., Asparagaceae),

(Figura 7) e eucaliptos (Eucalyptus, Myrtaceae).

  

Figura 4. Em primeiro plano, aspectos gerais da mata. Em segundo plano, a pressão urbana

  2

  2

  3

  3

  1

  1

  4

  4

  5

  5

  6

  6

  7

  7

  8

  

vegetal em um trecho do Setor “A” do Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Em

destaque e numerados os locais da implantação dos perfis de estudo. 1 – Centro de

Visitantes; 2 – Largo do Bom Retiro; 3 – Morro do Archer; 4 – Morro do Alto Mesquita; 5

  • – Morro do Almeida 1; 6 – Morro do Almeida 2; 7 – Açude da Solidão e 8 – Vale

    Encantado. Modificado de: http://earth.google.com/intl/pt/.

  Figura 7. Aspecto da dominância da exótica invasora Dracaena fragrans (L.) Ker Gawl. (Asparagaceae), às margens das estradas Figura 6. Aspecto da alta produção de frutos pavimentadas que recortam o setor “A” do por indivíduo da jaqueira Artocarpus Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, Lam. (Moraceae), heterophyllus RJ. 2008. subespontânea localmente e mono-dominante em alguns trechos do parque. Fonte: Abreu (2008). A geologia, o relevo e os solos são associados à falhas tectônicas do Terciário. O

Maciço é formado por “gnaisse facoidal e gnaisse de biotita”, sendo freqüentes

  o

declividades superiores a 45 e afloramentos rochosos (Costa 1986, Eirado Silva et al.

  

1991). O relevo apresenta afloramentos e encostas com declividades acentuadas, sendo o

ponto mais alto o Pico da Tijuca, com 1021 m (Figura 8). Os solos são lixiviados, rasos nos

trechos mais altos das encostas, apresentando vários metros nos fundos de vale.

Predominam os Latossolos, sendo frequentes ainda Neossolos e Cambissolos (Rosas et al.

1992). Em sete dos oito perfis aqui estudados os solos foram classificados, em termos de

textura, como “franco-arenosos”, com exceção de um teve seu solo classificado como

“areia franca” (D’Arrochella 2008).

  

Figura 8: Hipsometria do trecho de estudo, com a localização dos perfis listados em

amarelo. Parque Nacional da Tijuca. Setor “A” (Floresta da Tijuca) do Parque Nacional da

Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Fonte: D’Arrochella (2008).

  Em termos climáticos, a análise realizada por Mattos (2006), a partir de médias

anuais de 1966 a 1990, registrados no Posto termo-pluviométrico do Alto da Boa Vista, a

  

347 m de altitude – Bairro no qual está situado o setor “A” Floresta da Tijuca, do PARNA

Tijuca – obteve média de 21,5 ºC, média das máximas de 26,2 ºC, média das mínimas de

17,9 ºC. A precipitação média foi 2277 mm, sempre com valores superiores a 100 mm

mensais. A maior média das máximas ocorreu em fevereiro (30,0 ºC) e das mínimas em

julho (15,1 ºC). O clima do Alto da Boa Vista, até 500 metros de altitude, faixa sobre na

qual situam-se cinco dos oito perfis de estudo (Quadro 1), é do tipo “Af – Clima úmido de

floresta tropical”. Para altitudes acima dos 500 metros, faixa na qual situam-se os outros

três perfis estudados o clima é do tipo “Cfa – Clima temperado, mesotérmico, super-

úmido”, considerando a classificação de Köppen (1948), e de acordo com Mattos (2006).

Considerando a classificação de Nimer, até a altitude de 950 metros – faixa na qual situam-

se todos os perfis estudados (de 385 a 700 m) (Quadro 1) – o clima é “Tropical sub-quente,

super-úmido” (Mattos 2006).

  Os perfis de estudo, estabelecidos encosta acima das estradas, buscaram padronizar

possíveis diferenças decorrentes do recorte da estrada no perfil da encosta (Ribeiro & Zaú

2007). Em relação à declividade das encostas, em média, os perfis apresentaram valores

  o

  

estimados entre 16 e 23 . A orientação geográfica geral das encostas no trecho analisado é

SE, entretanto, os perfis apresentam orientação geográfica variada representando parte da

geodiversidade local (Quadro 1).

Quadro 1. Posição geográfica (graus, minutos, minutos decimais), orientação e altitude da

porção mais baixas dos perfis de estudo (A1 a A8) no Parque Nacional da Tijuca, Rio de

Janeiro, RJ. N – Norte; NE – Nordeste; SE – Sudeste; O – Oeste; SO – Sudoeste.

  

Perfis de estudo Latitude Sul Longitude Oeste Altitude (m) Orientação

A1 - Centro de Visitantes 22° 57' 321' 43° 16' 816' 470 SO A2 - Bom Retiro 22° 56' 827' 43° 17' 456' 660

  N A3 - Morro do Archer 22° 56' 972' 43° 17' 254' 620 NE A4 - Morro do Alto Mesquita 22° 57' 395' 43° 17' 060' 505

  SO A5 - Morro do Almeida (1) 22° 57' 555' 44° 17' 193' 405 O A6 - Morro do Almeida (2) 22° 55' 577' 43° 17' 222' 395 O A7 - Açude da Solidão 22° 57' 707' 43° 17' 319' 410

  SE A8 - Vale Encantado 22° 57' 803' 43° 17' 262' 385 SO Características locais tornam o parque fundamental para cerca de 31 mil pessoas

que têm suas residências atendidas diretamente pelas águas que drenam de suas vertentes

(ICMBio 2008) (Figura 9). Além disso, o Parque Nacional da Tijuca, por ser uma floresta

urbana (senso Magalhães 2006), cercada por uma megacidade, sofre com problemas como

poluição atmosférica (e.g. Oliveira & Lacerda 1988; Mello 2001), incêndios (e.g. Silva

Matos et al. 2002; Rodrigues & Silva Matos 2006), pressão imobiliária, tráfego, lixo e

processos de perda de vegetação associados (e.g. Oliveira et al. 1992; Zaú 1994; Oliveira

et al. 1995; Coelho Netto 2005, Coelho Netto et al. 2007).

  

Figura 9. Cascata Taunay (“cascatinha”), Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

Um dos principais pontos turísticos do parque e fonte de abastecimento de água para

milhares de pessoas da cidade do Rio de Janeiro. 2008.

  O Parque Nacional da Tijuca, além de ser uma Unidade de Conservação de

Proteção Integral (ICMBio 2008), encontra-se dentro de áreas prioritárias em termos de

conservação, tanto em escala mundial (Brooks et al. 2006) quanto nacionalmente, uma vez

que compõe parte da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (UNESCO 2010) e está

incluído no Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar (Conservação Internacional –

Brasil 2010). As ações de conservação assumem maior relevância considerando ainda que

o parque recebe cerca de dois milhões de visitantes ao ano, sendo a Unidade de

Conservação Federal mais visitada do país (ICMBio 2010a), especialmente por seu atrativo

paisagístico e histórico-religioso, o Cristo Redentor, juntamente com outros pontos

turísticos, recreativos, de lazer e aspectos ambientais.

  O setor “A” – Floresta da Tijuca – é visitado por cerca de 316 mil pessoas por ano.

Em média são 26.326 (±4.885) visitantes por mês (Parna Tijuca/ICMBio, dados de

visitação não publicados referentes ao ano de 2009). Considerando que “a visitação é

igualmente distribuída, tanto nos dias úteis quanto nos finais de semana e feriados

(Freitas et al. 2002), se pode estimar que cerca de 880 pessoas por dia visitaram o parque

em 2009. Já pelas estradas que recortam o setor “A” circulam anualmente quase 100 mil

veículos. Em média são 8.250 (±1.155) veículos por mês, o que totaliza cerca de 275

veículos por dia (Parna Tijuca/ICMBio op. cit.). Os impactos da circulação destes veículos

pelas estradas do parque são desconhecidos.

  A ocorrência de eventos de precipitação intensa em vertentes íngremes, por vezes

indevidamente ocupadas ou utilizadas, tendo como consequência a degradação da floresta,

aliadas ao escoamento subsuperficial na base dos paredões rochosos leva a um aumento do

processo erosivo e a movimentos de massa, especialmente nas vertentes norte e oeste do

Maciço da Tijuca (Figueró & Coelho-Netto 2007).

  Internamente, algumas áreas do PARNA Tijuca são recortadas por estradas

supostamente estruturadas por volta de 1862 (Castro Maya 1967) (Figura 10). Uma grande

reforma ocorreu entre 1943-46 (Castro Maya 1967) e outra em 1992, à época da Rio/92

(obs. pessoal). Entretanto, após eventos de precipitação muito prolongados e/ou extremos

(Coelho-Netto et al. 2007) [e.g., ocorridos durante os anos de 1966 (ICMBio 2010a), 1988,

1996] também foram realizadas ações de restauração e reconstrução em vários trechos das

estradas (obs. pessoal). Situação semelhante está sendo implementada em função das fortes

chuvas de abril de 2010 (Figura 11).

  

Figura 10. Aspecto geral de um trecho de floresta no setor “A” do Parque Nacional da

Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, recortado por uma estrada pavimentada. 2006.

  Atualmente as estradas são pavimentadas com asfalto, apresentando, em geral,

cerca de 10 m de largura. E, apesar de ser conhecida a influência das mesmas nos

movimentos de massa (Coelho-Netto et al. 2007), corroborada novamente em 2010 (Figura

12), não se conhece em que medida as estradas podem afetar outros aspectos da

conservação do parque como, por exemplo, aqueles relacionados aos efeitos de borda.

  

Figura 12. Base cartográfica digital, com os limites do parque em vermelho. Os pontos

representam os movimentos de massa associados às vias do parque em abril de 2010. Em

azul deslizamentos de pequeno porte, em amarelo os médios e em vermelho os de grande

porte. Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Ao redor dos limites do parque o

adensamento urbano da cidade do Rio de Janeiro. Fonte: ICMBio 2010b.

  Neste contexto de constante e intensa pressão antrópica e, em função da relevância

da área para a cidade do Rio de Janeiro, os processos de degeneração do habitat assumem

grande importância. O gerenciamento contínuo e adequado do parque é fundamental para a

preservação da biota e para a perpetuação dos benefícios ambientais diretos e indiretos do

parque, como a manutenção do potencial hídrico, o controle do processo erosivo, a

  

amenização de enchentes, a atenuação de variações térmicas, a redução da poluição

atmosférica e sonora, a manutenção estética da paisagem natural e do próprio espaço como

área de turismo, lazer, esporte, contemplação etc (ICMBio 2008).

  Por essas especificidades, o PARNA Tijuca pode ser considerado uma área de destaque no cenário da conservação regional, nacional e mundial.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Abreu, M.A. 1992. Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. SMCTE, Rio de Janeiro

  336p.

Abreu, R.C.R. de. 2008. Dinâmica de populações da espécie invasora Artocarpus

heterophyllus L. (Moraceae) no Parque Nacional da Tijuca – Rio de Janeiro.

  Dissertação de Mestrado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro / Escola Nacional de Botânica Tropical, Rio de Janeiro. 77p.

Alvey, A.A. 2006. Promoting and preserving biodiversity in the urban forest. Urban

Forestry & Urban Greening 5(4):195–201.

  

Ament, R.; Clevenger, A.P.; Yu O. & Hardy, A. 2008. An Assessment of Road Impacts on

Wildlife Populations in U.S. National Parks. Environmental Management 42: 480-496.

  

Asbjornsen, H.; Ashton, M.S.; Vogt, D.J. & Palacios, S. 2004. Effects of habitat

fragmentation on the buffering capacity of edge environments in a seasonally dry tropical oak forest ecosystem in Oaxaca, Mexico. Agriculture, Ecosystems and Environment 103: 481-495.

  

Atala, F.; Bandeira, C.M.; Martins, H.F. & Coimbra-Filho, A.F. 1966. A Floresta da

Tijuca. Centro de Conservação da Natureza, Rio de Janeiro. 152p.

  

Bierregaard Jr. R.O.; Gascon, C.; Lovejoy, T.E. & Mesquita, R.C.G. 2001. Lessons from

Amazonia: the ecology and conservation of a fragmented forest. Sheridan Books, Michigan. 478p.

  

Bolund, P. & Hunhammar, S. 1999. Ecosystem services in urban areas. Ecological

Economics 29: 293–301.

  

Borém, R.A.T. & Oliveira-Filho, A.T. 2002. Fitossociologia do estrato arbóreo em uma

topossequência alterada de Mata Atlântica, no município de Silva Jardim-RJ, Brasil.

  Revista Árvore 26(6): 727-742.

Brandão, A.M.P.M. 1992. As alterações climáticas na área metropolitana do Rio de Janeiro

  • uma provável influência do crescimento urbano. In: Abreu, M.A. Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro . SMCTE, Rio de Janeiro. Vol. 21. Pp. 143-200.

  

Brooks, T.M.; Mittermeier, R.A.; Fonseca, G.A.B.; Gerlach, J.; Hoffmann, M.; Lamoreux,

J.F.; Mittermeier, C.G.; Pilgrim, J.D. & Rodrigues, A.S.L. 2006. Global biodiversity conservation priorities. Science 313(5783): 58–61.

Cadenasso, M.L.; Pickett, S.T.A.; Weathers, K.C.; Bell, S.S.; Benning, T.L.; Carreiro,

M.M. & Dawson, T.E. 2003. An Interdisciplinary and Synthetic Approach to

  Ecological Boundaries. BioScience 53(8): 717-722.

Camargo, J.L.C. & Kapos, V. 1995. Complex edge effects on soil moisture and

microclimate in central Amazonian forest. Journal of Tropical Ecology 11: 205-221.

  

Carvalho, F.A.; Nascimento, M.T. & Oliveira-Filho, A.T. 2008. Composição, riqueza e

heterogeneidade da flora arbórea da bacia do rio São João, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica 22(4): 929-940. Castro Maya, R.O. 1967. A Floresta da Tijuca. Ed. Bloch, Rio de Janeiro. 102 p.

Coelho Netto, A.L. 2005. A interface florestal-urbana e os desastres naturais relacionados à

água no Maciço da Tijuca: desafios ao planejamento urbano numa perspectiva sócio- ambiental. Revista do Departamento de Geografia 16: 46-60.

Coelho-Netto, A.L.; Avelar, A.S.; Fernandes, M.C. & Lacerda, W.A. 2007. Landslide

susceptibility in a mountainous geoecosystem, Tijuca Massif, Rio de Janeiro: The role of morphometric subdivision of the terrain. Geomorphology 87: 120–131.

Coffin, A.W. 2007. From roadkill to road ecology: A review of the ecological effects of

roads. Journal of Transport Geography 15: 396-406.

  

Coimbra-Filho, A.F. & Aldrighi, A.D. 1971. A restauração da fauna no Parque Nacional da

  

____________ & Aldrighi, A.D. 1972. Restabelecimento da fauna no Parque Nacional da

Tijuca – segunda contribuição. Brasil Florestal 3(11): 19-33.

  

____________; Aldrighi, A.D. & Martins, H.F. 1973. Nova contribuição ao

restabelecimento da fauna no Parque Nacional da Tijuca, GB, Brasil. Brasil Florestal 4(16): 7-25.

____________. 2000. Reintrodução do tucano-de-bico-preto (Ramphastos vitellinus ariel

Vigor, 1826), no Parque Nacional da Tijuca (Rio de Janeiro-RJ), e notas sobre sua distribuição geográfica. Boletim do Museu Biológico Mello Leitão (N. sér.) 11/12: 189-200.

  

Conservação Internacional – Brasil. 2010. Áreas Protegidas no Corredor de Biodiversidade

da Serra do Mar. Disponível em <http://www.conservation.org.br/arquivos/UCs%20CorSerraMar.pdf.>. Acesso em 22 de julho 2010.

  

Costa, N.M. 1986. Geomorfologia estrutural dos maciços litorâneos do Rio de Janeiro, RJ.

  Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 108p.

  

D’Arrochella, M.L.G. 2008. Análise do sub-sistema solo/serapilheira em um trecho de

Mata Atlântica sujeito aos efeitos de borda no Parque Nacional da Tijuca, RJ utilizando os Indicadores Funcionais Globais –Rio de Janeiro. Monografia de Graduação. Programa de Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 52p.

Dean, W. 1997. With broadax and firebrand: the destruction of the Brazilian Atlantic

forest. University California Press, California. 460p.

  

Dearborn D.C. & Kark S. 2009. Motivations for Conserving Urban Biodiversity.

  Conservation Biology 24(2): 432–440.

Eirado Silva, L.G.; Nava, D.B.; Heilbron, M.E. & Valeriano, C.M. 1991. Geologia de

detalhe da Serra da Carioca, Cidade do Rio de Janeiro, RJ. In: II Simpósio de Geologia do Sudeste: 161-169.

  

Figueró, A.S. & Coelho-Netto, A.L. 2007. Análise da variabilidade térmica em zonas de

bordas florestais com interface urbana no Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ.

  Ciência e Natura 29(2): 173-186.

Forman, R.T.T. 1998. Road ecology: A solution for the giant embracing us. Landscape

Ecology 13: iii–v.

  

Forman, R.T.T. & Alexander, L.E. 1998. Roads and their major ecological effects. Annual

Review of Ecology and Systematics 29: 207–231.

Freitas, W.K.; Magalhães, L.M.S. & Guapyassu, M. 2002. Potencial de Uso Público do

Parque Nacional da Tijuca. Acta Scientiarum 24(6): 1833-1842.

  

Freitas, S.R.; Hawbaker, T.J. & Metzger, J.P. 2010. Effects of roads, topography, and land

use on forest cover dynamics in the Brazilian Atlantic Forest. Forest Ecology and Management 259: 410-417.

Galindo-Leal, C. & Câmara, I.G. 2005. Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e

perspectivas. Fundação SOS Mata Atlântica, São Paulo. Conservação Internacional,

  Belo Horizonte. 472 p.

Gardner, T.A.; Barlow, J.; Sodhi, N.S. & Peres, C.A. 2010. A multi-region assessment of

tropical forest biodiversity in a human-modified world. Biological Conservation. In press. doi:10.1016/j.biocon.2010.05.017.

  

Gehlhausen, S.M.; Schwartz, M.W. & Augspurger, C.K. 2000. Vegetation and

microclimatic edge effects in two mixed-mesophytic forest fragments. Plant Ecology 147(1): 21–35.

Guedes-Bruni, R.R.; Silva Neto, S.J.; Morim, M.P. & Mantovani, W. 2006a. Composição

florística e estrutura de trecho de Floresta Ombrófila Densa Atlântica aluvial na

  Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 57(3): 413-428.

  

____________; Silva Neto, S.J.; Morim, M.P. & Mantovani, W. 2006b. Composição

florística e estrutura de dossel em trecho de Floresta Ombrófila Densa Atlântica sobre morrote mamelonar na Reserva Biológica de Poço das Antas, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 57(3): 429-442.

  

____________; Silva, A.G. & Mantovani, W. 2009. Rare canopy species in communities

within the Atlantic Coastal Forest in Rio de Janeiro State, Brazil. Biodiversity and Conservation 18(2): 387-403.

Harper, K.A.; Macdonald, S.E.; Burton, P.J.; Chen, J.; Brosofske, K.D.; Saunders, S.C.;

Euskirchen, E.S.; Roberts, D. & Esseen, P.A. 2005. Edge influence on forest structure

and composition in fragmented landscapes. Conservation Biology 19(3): 768-782.

  

IBGE. 2010. Cidades. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm>

Acesso em 27 de janeiro 2010.

  

ICMBio. 2008. Plano de manejo. Parque Nacional da Tijuca. Disponível em

<http://www.planodemanejo.kit.net/vol1/autoria.pdf>. Acesso em 22 de julho 2010.

  

ICMBio. 2010a. Rio de Janeiro. Parque Nacional da Tijuca. Disponível em

<https://gestao.icmbio.gov.br/brasil/RJ/municipios/rio-de-janeiro/parque-nacional-da- tijuca>. Acesso em 10 de julho 2010.

  

ICMBio. 2010b. Parque Nacional da Tijuca. Plano de ações para recuperação chuvas de 5

e 6 de abril de 2010. Mídia digital.

  

Jim, C.Y. & Chen, W.Y. 2009. Ecosystem services and valuation of urban forests in China.

  Cities 26:187–194.

Kapos, V. 1989. Effects of isolation on the water status of forest patches in the Brazilian

Amazon. Journal of Tropical Ecology 5(2): 173-185.

  

Kapos, V.; Wandelli, E.; Camargo; J.L. & Ganade, G. 1997. Edge-related changes in

environment and plant response due to forest fragmentation in central Amazonia. In: Laurance, W.F. & Bierregaard, R.O. Tropical forest remnants: Ecology, Management, . The University of Chicago Press, and Conservation of fragmented communities Chicago. Pp. 33-44.

  

Konijnendijk, C.C.A. 2003. Decade of urban forestry in Europe. Forest Policy and

Economics 5: 173–186.

  

Kupfer, J.A. & Runkle, J.R. 2003. Edge-mediated effects on stand dynamic processes in

forest interiors: a coupled field and simulation approach. Oikos 101: 135-146.

  

Kurtz, B.C. & Araujo, D.S.D. 2000. Composição florística e estrutura do componente

arbóreo de um trecho de Mata Atlântica na Estação Ecológica Estadual do Paraíso, Cachoeira de Macacú, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 51: 69-112.

Laurance, W.F. 1991. Edge effects in tropical forest fragments: applications of a model for

the design of nature reserves. Biological Conservation 57: 205-219.

  

____________ & Yensen, E. 1991. Predicting the impacts of edge effects in fragmented

habitats. Biological Conservation 55(1): 77-92.

  

____________ & Bierregaard, R.O. (Eds.) Tropical forest remnants: Ecology,

Management, and Conservation of fragmented communities . The University of Chicago Press. Chicago, 1997. 616 p.

  

____________; Lovejoy, T.E.; Vasconcelos, H.L.; Bruna, E.M.; Didham, R.K.; Stouffer,

P.C.; Gascon, C.; Bierregaard, R.O.; Laurance, S.G. & Sampaio, E. 2002. Ecosystem decay of Amazonian Forest fragments: a 22-year investigation. Conservation Biology 16: 605–618.

  

____________; Goosem, M. & Laurance, S.G.W. 2009. Impacts of roads and linear

clearings on tropical forests. Trends in Ecology and Evolution 24(12): 659-699.

  

Lugo, A. & Gucinski, H. 2000. Function, effects and management of forest roads. Forest

Ecology and Management 133: 249-262.

  

Magalhães, L.M.S. 2006. Arborização e florestas urbanas – Terminologia adotada para a

cobertura arbórea das cidades brasileiras. Série Técnica Floresta e Ambiente 1: 23-26.

  

Malcolm, J.R. 1994. Edge Effects in Central Amazonian Forest Fragments. Ecology 75(8):

2438-2445.

  

Marchand, P. & Houle, G. 2006. Spatial patterns of plant species richness along a forest

edge: What are their determinants? Forest Ecology and Management 223: 113–124.

  

Mattos, C.C.L.V. de. 2006. Mesoclima da cidade do Rio de Janeiro. Floresta e Ambiente

(Série Técnica): 1-22.

  

Mello, W.Z. de. 2001. Precipitation chemistry in the cost of Metropolitan Region of Rio de

  

Morellato, L.P.C. & Haddad, C.F.B. 2000. Introduction: The Brazilian Atlantic Forest.

  Biotropica 32(4b): 786-792.

Moreno, M.R.; Nascimento, M.T. & Kurtz, B.C. 2003. Estrutura e composição florística do

estrato arbóreo em duas zonas altitudinais na Mata Atlântica de encosta da região do

  Imbé, RJ. Acta Botanica Brasilica 17: 371-386.

Murcia, C. 1995. Edge effects in fragmented forests: implications for conservation. Trends

in Ecology & Evolution 10(2): 58-62.

  

Myers, N.; Mittermeier, R.A.; Mittermeier, C.G.; Fonseca, G.A.B. & Kent. J. 2000.

  Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature 403: 853-858.

Newmark, W.D. 2001. Tanzanian forest edge microclimatic gradients: Dynamic patterns.

  Biotropica 33(1): 2-11.

Oliveira, F.F.R.; Nessim, R.; Costa, L.P. & Leite, Y.L.R. 2007. Small mammal ecology in

an urban Atlantic forest fragment in southeastern Brazil. Lundiana 8: 27-34.

  

Oliveira, R.R. 1987. Produção e decomposição de serrapilheira no Parque Nacional da

Tijuca – RJ. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, rio de Janeiro. 107p.

____________ 2002. Ação antrópica e resultantes sobre a estrutura e composição da Mata

Atlântica na Ilha Grande, RJ. Rodriguésia 53(82): 33-58.

  

____________ 2007. “Terras cançadas e mattas estragadas”: uma pequena história

ambiental das chuvas e florestas do Rio de Janeiro. In: Gari, V.R.; Schlee, M.B.; Andrade, R.; Dias, M.A. Águas urbanas: a regeneração ambiental como campo disciplinar integrado. Rio de Janeiro: FAPERJ/PROARQ-FAUUFRJ/Minister Editora.

  

____________ & Lacerda, L.D. 1988. Contaminação por chumbo na serapilheira do

Parque Nacional da Tijuca. Acta Botanica Brasílica 1(2): 165-169.

  

____________; Zaú, A.S.; Lima, D.F.; Silva, M.B.R. & Vianna, M.C. 1992. Floresta da

Tijuca: as duas florestas. In: Cezar, M. & Oliveira, R.R. A Floresta da Tijuca e a Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Pp. 151-171.

  

____________; Zaú, A.S.; Lima, D.F; Silva, M.B.R. & Vianna, M.C. 1995. Dinâmica

ecológica de encostas no Maciço da Tijuca - RJ. Oecologia Brasiliensis 1: 523-541.

  

Oliveira-Filho, A.T. & Fontes, M.A.L. 2000. Patterns of Floristic Differentiation among

Atlantic Forests in Southeastern Brazil and the Influence of Climate. Biotropica 32(4b): 793-810.

Peixoto G.L.; Martins S.V.; Silva, A.F. & Silva, E. 2004. Composição florística do

componente arbóreo de um trecho de Floresta Atlântica na Área de Proteção

  Ambiental da Serra da Capoeira Grande, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta Botânica Brasílica 18(1): 151-160.

  

Pereira, I.M.; Oliveira-Filho, A.T.; Botelho, S.A.; Carvalho, W.A.C.; Fontes, M.A.L.;

Schiavini, I. & Silva, A.F. 2006. Composição florística do compartimento arbóreo de cinco remanescentes florestais do maciço do Itatiaia, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Rodriguésia 57: 103-126.

Pinto, L.P.; Bedê, L.; Paese, A.; Fonseca, M.; Paglia, A. & Lamas, I. 2006. Mata Atlântica

Brasileira: Os desafios para conservação da Biodiversidade de um Hotspot Mundial.

  In: Rocha, C.F.D., Bergallo, H.G., Sluys, M.V. & Alves, M.A.S. Biologia da Conservação: Essências. RiMa, São Carlos. Pp. 91-118.

  

Ramos, F.N. & Santos, F.A.M. 2006. Microclimate of Atlantic forest fragments: regional

and local scale heterogeneity. Brazilian Archives of Biology and Technology 49(6): 935-944.

Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P.; Martensen, A.C.; Ponzoni, F.J. & Hirota, M.M. 2009. The

Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed?

  Implications for conservation. Biological Conservation 142(6): 1141-1153.

Ribeiro, M.O. & Zaú, A.S. 2007. Levantamento populacional e manejo da exótica invasora

  Dracaena fragrans (L.) Ker-Gawl (Angiospermae – Liliaceae), em um trecho de Floresta Atlântica sob efeitos de borda no Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Revista Brasileira de Biociências 5(1): 21-23.

  

Rodrigues, P.J.F.P. 2004. A vegetação da Reserva Biológica União e os efeitos de borda na

Mata Atlântica fragmentada. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Norte

  

____________ & Nascimento, M.T. 2006. Fragmentação florestal: breves considerações

teóricas sobre efeitos de borda. Rodriguésia 57(1): 63-74.

  

Rodrigues, R.R.; Lima, R.A.F.; Gandolfi, S. & Nave, A.G. 2009. On the restoration of high

diversity forests: 30 years of experience in the Brazilian Atlantic Forest. Biological Conservation 142: 1242–1251.

Rodrigues, U.S. & Silva Matos, D.M. 2006. The invasion of Pteridium aquilinum and the

impoverishment of the seed bank in fire prone areas of Brazilian Atlantic Forest.

  Biodiversity and Conservation 15: 3035-3043.

Rosas, R.O.; Pereira, J.L.G. & Coelho Netto, A.L. 1992. Estudo dos solos de uma pequena bacia

florestada, Parque Nacional da Tijuca - RJ. In: IIIº Simpósio de Geografia Física Aplicada:

  34-42.

Santos, B.A.; Peres, C.A.; Oliveira, M.A.; Grillo, A.S.; Alves-Costa, C.P. & Tabarelli, M.

  2008. Drastic erosion in functional attributes of tree assemblages in Atlantic forest fragments of northeastern Brazil. Biological Conservation 141: 249-260.

  

Saunders, D.A.; Hobbs, R.J. & Margules, C.R. 1991. Biological consequences of

ecosystem fragmentation: a review. Conservation Biology 5: 18-32.

  

Silva Matos D.M.; Santos C.J. & Chevalier D.R. 2002. Fire and restoration of the largest

urban forest of the world in Rio de Janeiro City, Brazil. Urban Ecosystem 6: 151–161.

  

Sizer, N. & Tanner, E.V.J. 1999. Responses of woody plant seedlings to edge formation in

a lowland tropical rainforest, Amazonia. Biological Conservation 91: 135-142.

  

Souza, G.R.; Faria, M.J.B.; Peixoto, A.L. & Zaú, A.S. 2007. Composição florística do

estrato arbustivo-arbóreo de um trecho de Floresta Atlântica no médio Vale do Paraíba

do Sul, Rio de Janeiro, Brasil. Sitientibus Série Ciências Biológicas 7(4): 398-409.

Spellerberg, I.F. 1998. Ecological Effects of Roads and Traffic: A Literature Review.

  Global Ecology and Biogeography Letters 7(5): 317-333.

Spooner, P.G. & Smallbone, L. 2009. Effects of road age on the structure of roadside vegetation

in south-eastern Australia. Agriculture, Ecosystems & Environment 129(1-3): 57-64.

  

Stehmann, J.R.; Forzza, R.; Salino, A.; Sobral, M.; Costa, D.P.; Kamino, L.H.Y. 2009.

  Plantas da Floresta Atlântica. Vol. 1. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 500 p.

  

Tabanez, A.A.J.; Viana, V.M. & Dias, A.S. 1997. Consequências da fragmentação e do

efeito de borda sobre a estrutura, diversidade e sustentabiblidade de um fragmento de

Floresta de Planalto de Piracicaba, SP. Revista Brasileira de Biologia 57 (1): 47-60.

Tabarelli, M.; Aguiar, A.V.; Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P. & Peres, C.A. 2010. Prospects

for biodiversity conservation in the Atlantic Forest: lessons from aging human- modified landscapes. Biological Conservation. Article in press. doi:10.1016/j.biocon.2010.02.005

Trombulak, S.C. & Frissell, C.A. 2000. Review of ecological effects of roads on terrestrial

and aquatic communities. Conservation Biology 14 (1): 18-30.

Turton, S. & Freiburger, H.J. 1997. Edge and aspect effects on the microclimate of a small

tropical forest remnant on the Atherton Tableland, Northeastern Autralia. In:

  Laurance, W.F. & Bierregaard, R.O. Tropical forest remnants: Ecology, Management, and Conservation of fragmented communities . The University of Chicago Press, Chicago. Pp. 44-54.

  

Tyrväinen, L. 1997. The amenity value of the urban forest: an application of the hedonic

pricing method. Landscape and Urban Planning 37(3-4): 211-222.

  

____________ & Väänänen, H. 1998. The economic value of urban forest amenities: an

application of the contingent valuation method. Landscape and Urban Planning 43(1- 3): 105-118.

Ulrich, R.S. 1986. Human responses to vegetation and landscapes. Landscape and Urban

Planning 13: 29-44.

  

UNESCO. 2010. Reservas da Biosfera. Disponível em <http://www.unesco.org/pt/brasilia/natural-

sciences/biodiversity/>. Acesso em 19 de fevereiro 2010.

  

Veloso, H.P.; Rangel-Filho, A.L.R. & Lima, J.C.A. 1991. Classificação da vegetação

brasileira adaptada a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro. 124p.

  

Yang, J.; Zhao, L.; Mcbride, J. & Gong, P. 2009. Can you see green? Assessing the

visibility of urban forests in cities. Landscape and Urban Planning 91: 97–104.

  

Zaú, A.S. 1994. Cobertura vegetal: transformações e resultantes microclimáticas e

hidrológicas superficiais na vertente norte do Morro do Sumaré, Parque Nacional da Tijuca-RJ. Dissertação de mestrado. Programa de Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 197p.

  

___________. 1997. Ecologia da paisagem no planejamento territorial. Floresta e

Ambiente 4: 98-103.

  

___________. 1998. Fragmentação da Mata Atlântica. Floresta e Ambiente 6(1): 160-170.

  CAPÍTULO I

MICROCLIMA EM UMA FLORESTA URBANA NO SUDESTE DO BRASIL SUJEITA A EFEITOS DE BORDA DE ESTRADA RESUMO

  

A fragmentação é uma das principais ameaças à biodiversidade e efeitos de bordas são

frequentemente caracterizados em forma de gradiente. Este trabalho avaliou efeitos

microclimáticos associados a estradas que recortam trechos vegetados no Parque Nacional

da Tijuca. Foram registradas a temperatura do ar, a umidade relativa do ar e a

luminosidade em eventos ao longo de dois ciclos anuais. As estradas apresentaram

ambientes microclimaticamente distintos da floresta, podendo favorecer a invasão por

espécies exóticas. Não foram detectadas diferenças para temperatura do ar e umidade

relativa do ar em perfis que consideraram distâncias de 0 a 100 m para o interior da

floresta. Houve maior semelhança entre diferentes distâncias do mesmo sítio amostral do

que entre as distâncias semelhantes de diferentes sítios amostrais. A ausência de gradientes

borda-interior sugere que bordas lineares possam apresentar características diferenciadas

daquelas de fragmentos florestais situados em matrizes distintas. A pequena largura das

estradas e o relevo acidentado acarretam na minimização das diferenças microclimáticas e

na ausência de gradientes perceptíveis. Diferenças na luminosidade não foram associadas

ao efeito da estrada, mas sim a clareiras.

Palavras-chave: floresta tropical, Mata Atlântica, ecologia de estradas, Parque Nacional da

Tijuca.

INTRODUđấO

  A fragmentação florestal é considerada uma das principais ameaças à

biodiversidade (Saunders et al. 1991). Neste contexto, a Mata Atlântica é um dos mais

importantes e talvez um dos biomas de mais difícil conservação (Dean 1997; Morellato &

Haddad 2000; Pinto et al. 2006; Ribeiro et al. 2009) (q.v. Introdução geral).

  Dentre as questões mais relevantes associadas à fragmentação estão os efeitos de

borda: alterações físicas e biológicas nos contatos da floresta (e.g. Kapos 1989; Laurance

  

2003; Harper et al. 2005; Rodrigues & Nascimento 2006). Apesar de não existir consenso

sobre as consequências dos efeitos de borda, especialmente no que se refere à sua

magnitude, extensão, duração e variabilidade espacial (Murcia 1995; Sizer & Tanner 1999;

Newmark 2001; Ramos & Santos 2006), o microclima têm sido considerado importante

indicador, tanto em relação à fragmentação de habitats e aos efeitos de borda (e.g., Kapos

1989; Saunders et al. 1991; Camargo & Kapos 1995; Kapos et al. 1997; Chen et al. 1999;

Gehlhausen et al. 2000), quanto em relação às modificações climáticas associadas à

urbanização (Brandão 1992; Huang et al. 2008).

  Alterações na cobertura vegetal associadas ao processo de fragmentação e,

consequentemente, de formação de bordas acarretam em modificações nos padrões

microclimáticos, com o aumento da luminosidade e consequentemente a da temperatura do

ar, e redução da umidade relativa do ar (Kapos 1989)

  Em relação às bordas florestais, o microclima tem sido descrito como distinto

daquele do interior da floresta em relação à luminosidade, temperatura e umidade (Kapos

1989; Matlack 1993; 1994; Chen et al. 1995; Sizer & Tanner 1999; Didham & Lawton

1999; Pohlman et al. 2009) e, frequentemente, as alterações podem atingir distâncias que

variam entre 15 e 60 m (Laurance & Bierregaard 1997). Entretanto, padrões opostos

(Marchand & Houle 2006), ou a ausência de diferenças para alguns dos parâmetros

mensurados (Turton & Freiburger 1997; Asbjornsen et al. 2004; Ramos & Santos 2006) já

foram registrados. Por exemplo, diferenças microclimáticas foram registradas em curtas

distâncias, entre 2,5 e 15 m (Williams-Linera 1990), até 8 m da borda (Piessens et al.

2006), entre 60 e 94 m (Newmark 2001), ou mesmo atingindo 240 m (Chen et al. 1995).

  Este estudo visa contribuir em uma temática na qual são escassos os trabalhos,

i.e. , aspectos microclimáticos relacionados a efeitos de borda, e, mais especificamente,

sobre efeitos microclimáticos de bordas associadas a estradas que recortam trechos

  

densamente vegetados, considerando a alta densidade de estradas no bioma Mata Atlântica

e os poucos estudos disponíveis sobre seus efeitos (Freitas et al. 2010).

  Uma vez que as estradas atuam como elemento de fragmentação da paisagem e de

ampliação de bordas (q.v. Introdução geral), afetando padrões de direção e velocidade do

vento, temperatura, umidade relativa e insolação (Spellerberg 1998; Lugo & Gucinski

2000; Coffin 2007), é esperado que as bordas florestais associadas às estradas apresentem

valores mais altos de temperatura do ar e luminosidade, e valores mais baixos de umidade

relativa do ar, com a diminuição dos efeitos de borda em direção ao interior da floresta. O

objetivo deste trabalho foi avaliar parâmetros microclimáticos (temperatura do ar, umidade

relativa do ar e luminosidade) associados a efeitos de borda em um trecho de Mata

Atlântica de encosta no Parque Nacional da Tijuca. Especificamente buscou-se responder

as seguintes questões: 1) Em que proporção o microclima na estrada é diferente do interior

da floresta? 2) O microclima na floresta é afetado pelas estradas que recortam o parque?

3) As estradas afetam mais o microclima do que as variações ambientais locais?

MATERIAL E MÉTODOS

  Registros microclimáticos Para o registro e a avaliação de parâmetros microclimáticos em trechos de floresta

associados à bordas decorrentes de estreitas estradas pavimentadas (8-10 m) que recortam

o Parque Nacional da Tijuca, foram definidos oito perfis, perpendiculares às estradas, no

setor “A”, Floresta da Tijuca (Figura 1). O posicionamento dos perfis foi determinado com

a utilização de GPS (Garmin III Plus®), com precisão de 10 m, a partir da média de 100

registros.

  Em condições fitofisionômicas semelhantes os perfis foram estabelecidos ao acaso,

em encostas acima e perpendiculares às margens de estradas pavimentadas que recortam o

Parque (q.v. Descrição da área), excluídos os fundos de vales e os topos de encostas,

semelhantemente a Saunders et al. (1999); Laurance (1997), Williams-Linera et al. (1998),

Rodrigues (2004) e Pohlman et al. (2007).

  Os perfis foram separados por uma distância mínima superior a 100 m, suficiente

para garantir a independência entre os mesmos numa comunidade diversa, em ambiente

heterogêneo (senso Pohlman et al. 2009). Em cada um dos oito perfis foram delimitadas

quatro parcelas de 10 x 10 m, localizadas nas distâncias de 0-10 m, 30-40 m, 60-70 m e 90-

100 m das margens das estradas (Figura 1), totalizando 32 parcelas amostrais. Nas

situações em que ao longo do perfil existia alguma clareira, ou proximidade com uma

clareira, a parcela para o registro dos dados era deslocada cerca de 30 m lateralmente e

então delimitada. O mesmo procedimento foi realizado nos casos em que ocorreu a queda

de árvores durante o período de registro dos dados.

  o

  Foram realizados registros dos parâmetros: temperatura do ar (

  C), umidade

relativa do ar (%) e luminosidade (LUX) em cinco pontos dentro de cada parcela (um em

cada vértice e um central). As medidas foram tomadas com termo-higrômetros digitais

(Minipa MT-242) e luxímetros digitais (Minipa MLM-1010). Simultaneamente foi

realizado um número semelhante de registros na margem da estrada. Todos os registros

foram realizados à aproximadamente 1,0 m do solo.

  90-100 m A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 30-40 m 60-70 m Estrada 0-10 m Figura 1. Distribuição espacial dos perfis de amostragem (Perfis A1 a A8), Setor “A” – Floresta da Tijuca, Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Os trechos hachurados correspondem às parcelas de 10 x 10 m, nas quais foram registrados os dados de temperatura do ar, umidade relativa do ar e luminosidade. A1 – Centro de Visitantes; A2 – Bom Retiro; A3 – Morro do Archer; A4 – Morro do Alto do Mesquita; A5 – Morro do Almeida 1; A6 – Morro do Almeida 2; A7 – Açude da Solidão; A8 – Vale Encantado.

  No interior de cada parcela, as medições foram realizadas a cada dois minutos. O

conjunto de dados registrados (n = 5 para cada fator: temperatura, umidade relativa e

luminosidade) foi utilizado para o cálculo de médias por distância, objetivando evitar

falsas réplicas espaço-temporais (Hurlbert 1984). Em cada perfil, o registro dos dados na

distância subsequente era realizado após cinco minutos de reinicialização dos aparelhos, de

modo a eliminar efeitos microclimáticos da distância anterior.

  O registro total em cada um dos perfis, nas quatro distâncias, durava cerca de uma

hora. Considerando esse intervalo de tempo, mais aquele gasto na locomoção entre os

sítios, era possível mensurar a cada dia de campo cinco dos oito perfis, o que se dava em

sequência alternada de forma previamente estipulada.

  As medições ocorreram entre 10 e 16 h, semelhantemente a Gehlhausen et al. (2000), sob incidência solar indireta. Os oito dias de registro por estação climática (n = 5, em cada perfil) foram distribuídos de forma aproximadamente equitativa ao longo de cada

  

a setembro de 2008 e os registros dos dois ciclos foram considerados em conjunto,

constituindo uma amostra de dez dias de registros por estação climática, a cada situação

analisada. Em dias chuvosos ou completamente nublados não foram realizados registros.

  Análise dos dados Foram verificados os pressupostos de normalidade e de comparabilidade entre as

variâncias (Zuur et al. 2010) para as séries de médias de cada fator. Para a avaliação da

normalidade foram utilizados testes de Shapiro-Wilk (2 < n < 51) ou D’Agostino-Pearson

(n ≥ 20), conforme o conjunto de dados (estrada x floresta; entre sítios; e entre distâncias

no interior da floresta). Para a comparabilidade entre as variâncias foi utilizado o teste de

Bartlett (GraphPad 2007).

  Para as comparações entre a estrada e a floresta, por estação climática e no ano, foi

utilizado o teste “t” de Student. Nos casos que os pressupostos de normalidade e

homocedasticidade das variâncias não foram atingidos, foi utilizado o teste “U” de Mann-

Whitney (Arango 2001).

  Para as comparações entre os sítios e entre as diferentes distâncias do interior da

floresta em cada perfil foi utilizada a ANOVA unifatorial. Para diferenças significativas (p

0,05) foi aplicado o teste a posteriori de Tukey (Arango 2001). Nos casos em que os

pressupostos de normalidade e homocedasticidade das variâncias não foram atingidos, foi

utilizada a análise de variância não-paramétrica de Kruskal-Wallis e para diferenças

significativas (p ≤ 0,05) foi aplicado o teste a posteriori de Dunn (Arango 2001).

  Para cada fator microclimático, a cada comparação, foram excluídos os valores

extremos utilizando-se os desvios como critério (Ayres et al. 2007). No caso das séries de

dados médios (n = 10), nas avaliações entre as distâncias do interior da floresta, antes que

fosse realizada a exclusão de uma média, essa era analisada a partir da série dos cinco

  

registros originais de campo. No caso da existência de um registro fora do padrão

estatístico (extremo), optava-se pela exclusão do mesmo, com o posterior recálculo da

média, buscando preservar a mesma. Após o processo de exclusão do registro de campo,

uma nova análise de extremos era realizada. Na ausência de valor(es) extremo(s) dentre os

registros de campo que originaram a média ou se, mesmo após a exclusão de algum

registro extremo, a média ainda fosse caracterizada como extrema, então essa era excluída.

  Para avaliação de semelhanças/dessemelhanças entre a totalidade das 32 parcelas

amostrais foi realizada uma análise de agrupamento de acordo com o Método da Variância

Mínima ou Ward (Valentin 2000). Utilizou-se para efeito de agrupamento as distâncias

Euclidianas entre as parcelas. Tais distâncias foram calculadas a partir do conjunto de

médias das variáveis mensuradas em cada parcela. Como as variáveis microclimáticas são

mensuradas sob diferentes escalas, foi feita a relativização das mesmas por seus valores

máximos (McCune & Grace 2002).

  Para as análises foram utilizados os pacotes estatísticos Biostat v. 5.0 (Ayres et al.

2007), GraphPad Prism v. 5.01 (GraphPad 2007) e Statistica v. 9 (Statsoft 2010) e para

edição e organização dos dados, o aplicativo BrOffice v. 3.2.1 (BrOffice, 2010).

RESULTADOS

  A temperatura do ar na estrada foi mais alta que a do interior da floresta, em todas

as estações e em termos anuais. A umidade relativa do ar foi mais alta na floresta na

primavera e indistinta no verão. No outono, no inverno e em termos anuais, a umidade

relativa do ar foi mais alta na estrada, contrariando o esperado. A luminosidade na estrada

foi mais alta que a da floresta, em todas as estações e no ano, em ordens de,

aproximadamente, dez vezes na primavera, nove no verão, sete no outono, cinco no

inverno e sete vezes, considerando o período dos dois ciclos anuais (Tabela 1).

  Foram registradas diferenças significativas na luminosidade na estrada entre diversos sítios (Figura 2), com destaque para os perfis A2 e A7.

  

Tabela 1. Parâmetros microclimáticos em um trecho de Mata Atlântica de encosta no Rio

de Janeiro, RJ. Média seguida do desvio padrão e número amostral entre parênteses.

Resultados das comparações, teste “t” ou “U” na coluna da direita. Período: de outubro de

2006 a setembro de 2008. Registros por estação climática às margens das estradas e no

interior da floresta. Na floresta os dados de diferentes distâncias das margens da estrada

foram considerados em conjunto para efeito de caracterização geral.

  Período Estrada Floresta Temperatura do ar (ºC) Primavera 26.7 ± 3.8 (302) 24.7 ± 3.3 (320)*** Verão 28.0 ± 2.8 (319) 26.2 ± 2.0 (320)***

  Outono 23.6 ± 3.6 (320) 22.9 ± 3.3 (320)* Inverno 21.8 ± 3.3 (302) 21.2 ± 2.7 (320)*

Anual 25.3 ± 4.5 (1273) 23.8 ± 3.4 (1280)***

Umidade relativa do ar (%)

  Primavera 70.8 ± 14.4 (320) 74.4 ± 12.5 (320)** Verão 72.0 ± 13.7 (320) 71.4 ± 12.2 (320) Outono 81.4 ± 13.3 (320) 75.9 ± 13.9 (320)*** Inverno 70.8 ± 13.5 (320) 66.4 ± 9.9 (320)***

  

Anual 73.8 ± 14.4 (1280) 72.0 ± 12.7 1280)***

Luminosidade (LUX)

Primavera 7083.1 ± 7975.3 (298) 736.5 ± 448.7 (299)***

Verão 4338.9 ± 3848.2 (298) 493.9 ± 257.9 (302)***

  

Outono 1961.8 ± 2118.8 (299) 278.0 ± 160.2 (302)***

Inverno 1859.5 ± 1669.3 (282) 364.7 ± 213.2 (300)***

Anual 3465.0 ± 3612.1 (1177) 486.0 ± 350.8 (1235)*** f 70000 ) 60000

  X U L 50000 ( e d 40000 a id 30000 s e cd

a d bc ab ab

o in 20000 m u 10000 L

  1

  2

  3

  4

  5

  6

  7

  8 A A A A A A A A Perfis

Figura 2. Distribuição comparativa das séries de médias de luminosidade (LUX)

obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), às margens das estradas no PARNA

Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Cada ponto representa uma média de ± 10 registros,

médias por perfil ≈ 150). Período de outubro de 2006 a setembro de 2008. Kruskal-

Wallis = 498.1, P < 0.0001. Letras diferentes indicam diferenças significativas.

  Não foram detectadas diferenças significativas para temperatura do ar e umidade

relativa do ar entre as distâncias no interior da floresta, para nenhum dos oito perfis, em

qualquer estação climática (Figuras 3 a 10). Também não foram encontradas diferenças

significativas nos parâmetros de luminosidade (LUX) entre as distâncias, em três dos oito

perfis (A5, A6 e A7), durante qualquer estação climática. Para os outros cinco perfis (A1,

A2, A3, A4 e A8) ocorreram diferenças significativas entre distâncias, em alguma época

do ano (Figuras 11 a 14).

  Em relação à questão se a estrada afeta mais o microclima do que as áreas dos

perfis houve maior agrupamento entre as parcelas do mesmo sítio amostral, sob diferentes

distâncias, que entre parcelas de mesma distância de diferentes perfis (Figura 15).

   r ) C a d o 35 30 A1 A2 A3 A4 35 30 35 30 30 35 p m T e e ra tu ra 20

  25 15 20 25 15 15 25 20 25 20 15 0- -1

  10 30

-4 -7 -4 -7 -4 -7 -4 -7

60 90 00 0- -1 0- -1 0- -1 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 F = 0.0873 0.3402 0.2663 0.0498 0.0107 0.0578 0.1388 0.1407 P = 0.9665 0.7964 0.8492 0.9850 0.9984 0.9815 0.9361 0.9349 r C ) a o d 35 30 A5 A6 A7 A8 35 30 30 35 30 35 e e m ra T tu ra p

  25 20 15 20 25 15 15 20 25 20 15 25 0- -1

  10 30

-4 -7 -4 -7 -4 -7 -4 -7

60 90 00 0- -1 0- -1 0- -1 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Distância da estrada (m) Figura 3. Distribuição comparativa das séries de médias de temperatura do ar (°C) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados da primavera (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA a cada perfil, os valores de F e P entre as distâncias. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

   r ) C a d o 35 30 A1 A2 A3 A4 35 30 30 35 35 30 p m T e e ra tu ra 20

  25 15 20 25 15 15 25 20 25 20 15

0- -1 0- -1 0- -1 0- -1

  10 30

-4 -7 -4 -7 -4 -7 -4 -7

60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 F = 0.3974 0.6600 0.7376 0.0625 0.9711 0.0722 0.2632 0.1086 P = 0,7556 0,5820 0,5365 0,9793 0,4170 0,9745 0,8514 0,9545 r C ) a o d 35 30 A5 A6 A7 A8 35 30 30 35 30 35 e e m ra T tu ra p

  25 20 15 20 25 15 15 20 25 20 15 25

0- -1 0- -1 0- -1 0- -1

  10 30

-4 -7 -4 -7 -4 -7 -4 -7

60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Distância da estrada (m) Figura 4. Distribuição comparativa das séries de médias de temperatura do ar (°C) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados do verão (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA a cada perfil, os valores de F e P entre as distâncias. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

   a C ) o d r 30 35 A1 35 30 25 25 35 30 35 25 30 ra tu ra T p m e e 20

  25 15 15 20 20 15 15 20 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1

  10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 F = 0.1340 0.4190 0.2914 0.0539 0.0384 0.0798 0.1079 0.0167

  P = 0,9392 0,7405 0,8313 0,9832 0,9898 0,9706 0,9549 0,9970

   ) C a o r d 30 35 A5 35 30 25 30 25 35 25 35 30 ra tu T e e m ra p 20

  25 15 20 15 20 15 15 20 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 0- -1 0- -1 0- -1

  10 30 -4 -7 -4 -7 -4 -7 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Distância da estrada (m) Figura 5. Distribuição comparativa das séries de médias de temperatura do ar (°C) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados do outono (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA a cada perfil, os valores de F e P entre as distâncias. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

   a C ) o d r 30 35 A1 35 30 25 25 35 30 35 25 30 ra tu ra e p T m e 15

  25 20 15 20 15 20 15 20 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1

  10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 F = 0.2017 0.5922 0.9077 0.0779 0.1266 0.0386 0.2656 0.2806 P = 0,8945 0,6242 0,4469 0,9716 0,9437 0,9897 0,8497 0,8390

   a ) C o d r 35 30 A5 35 30 25 25 35 30 25 35 30 ra tu ra e T m e p

  25 20 15 15 20 20 15 20 15 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1

  10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Distância da estrada (m) Figura 6. Distribuição comparativa das séries de médias de temperatura do ar (°C) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados do inverno (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA a cada perfil, os valores de F e P entre as distâncias. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

  A4 ) 100 a r v d a C o 80 90 A1 100 100 100 80 70 90 70 90 80 90 80 70 e la d U id e r m a ti 70 60 40 50 60 40 50 10 00 40 60 50 10 00 50 60 40 10 00 0- -1

  10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1 30 60 90 30 60 90 30 60 90 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 F = 0.2039 0.3256 0.5059 0.0522 0.0249 0.0733 0.3595 0.0017 P = 0.8929 0.8068 0.6806 0.9840 0.9946 0.9739 0.7826 0.9999

   a r v a C ) o d 100 90 80 A5 100 100 100 70 80 90 70 90 80 90 70 80 a id m e la U r d e ti 60 70 40 50 40 60 50 10 00 40 60 50 10 00 40 60 50 10 00 0- -1

  10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1 30 60 90 30 60 90 30 60 90 Distância da estrada (m) Figura 7. Distribuição comparativa das séries de médias de umidade relativa do ar (%) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados da primavera (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA a cada perfil, os valores de F e P entre as distâncias. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

  ) 100 d a r v C o a 80 90 A1 100 100 100 70 90 80 80 70 90 70 90 80 id m e la ti a d U r e 60 70 40 50 40 60 50 10 00 40 60 50 10 00 40 60 50 10 00 0- -1

  10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1 30 60 90 30 60 90 30 60 90 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 F = 0.0541 0.3507 0.4560 0.0218 0.3974 0.0183 0.5433 0.0385 P = 0.9831 0.7889 0.7147 0.9956 0.7557 0.9966 0.5433 0.9897

   a v r a C ) o d 100 90 80 A5 100 100 100 90 70 80 70 90 80 80 70 90 id m e la U a d ti r e 60 70 40 50 40 60 50 10 00 40 60 50 10 00 40 60 50 10 00 0- -1

  10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1 30 60 90 30 60 90 30 60 90 Distância da estrada (m) Figura 8. Distribuição comparativa das séries de médias de umidade relativa do ar (%) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados do verão (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA a cada perfil, os valores de F e P entre as distâncias. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

  ) 100 d a r v C o a 80 90 A1 100 100 100 70 90 80 80 70 90 70 90 80 a id m e la ti r d e U 60 70 40 50 40 60 50 10 00 40 60 50 10 00 40 60 50 10 00 0- -1

  10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1 30 60 90 30 60 90 30 60 90 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 F = 0.2574 0.1754 1.3240 0.2076 0.0266 0.2004 0.0914 0.1663 P = 0.8555 0.9123 0.2817 0.8905 0.9940 0.8954 0.9643 0.9184

  C ) 100 r d a o v a 80 90 A5 100 100 100 70 80 90 90 80 70 90 70 80 la ti e a m e U d r id 70 60 40 50 50 60 40 10 00 50 40 60 10 00 60 40 50 10 00 0- -1

  10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1 30 60 90 30 60 90 30 60 90 Distância da estrada (m) Figura 9. Distribuição comparativa das séries de médias de umidade relativa do ar (%) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados do outono (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA a cada perfil, os valores de F e P entre as distâncias. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

  ) 100 v a r d a C o 90 80 A1 100 100 100 70 80 90 70 90 80 70 90 80 U d la id e r m e a ti 60 40 70 50 50 40 60 10 00 60 50 40 10 00 60 50 40 10 00 0- -1

  10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1 30 60 90 30 60 90 30 60 90 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 F = 0.0258 0.1436 0.6612 0.6636 0.3774 0.9850 0.2313 0.1831 P = 0.9943 0.9331 0.5813 0.5799 0.7698 0.4107 0.8739 0.9072

   o a v r d a C ) 100 90 80 A5 100 100 100 90 70 80 70 90 80 80 70 90 e la a U d ti e id r m 70 60 50 40 60 40 50 10 00 60 40 50 10 00 60 50 40 10 00 0- -1

  10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1 30 60 90 30 60 90 30 60 90 Distância da estrada (m) Figura 10. Distribuição comparativa das séries de médias de umidade relativa do ar (%) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados do inverno (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA a cada perfil, os valores de F e P entre as distâncias. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

  A1 2000 A2 A3 A4 2400 2000 s ) 1600 U 1400 ( L d a X e id 1400 1200 1600 1800 1000 2000 1800 1200 1000 1200 1000 800 ab ab a b 1600 1400 1000 2200 2000 1800 1200 1800 1600 1400 800 in m u o L 200 800 600 400 200 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 600 400 0- -1 0- -1 0- -1 10 30 60 90 00 800 600 400 200 10 30 60 90 00 600 400 200 10 30 60 90 00 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8

  • F = 1.0330 1.9270 0.0834 -- -- 1.9850 1.8030 5.7690 -- -- -- -- K-W = 9.8850 5.0630 -- P = 0.3898 0.0196 0.1673 0.1354 0.1432 0.9686 0.1234 0.1641 ) 1800 1600 U 1400 1400 L ( 1200 1200 e
  • X 2000 1800 1800 1400 1600 1200 A5 2000 2000 2400 A6 A7 A8 1600 1800 1400 2200 1600 2000 d L 200 200 a id m s u o in 1000 600 400 800 200 1000 1000 1200 800 800 400 400 600 600 1000 200 400 600 800 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1

      10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Distância da estrada (m) Figura 11. Distribuição comparativa das séries de médias de luminosidade (LUX) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados da primavera (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA ou Kruskal-Wallis a cada perfil, respectivamente os valores de F ou K-W, e de P entre as distâncias. Letras diferentes indicam diferenças significativas. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

      A1 2000 ab a b ab 2000 2000 A2 A3 A4 X ) 1800 1600 1600 1600 ( id s a d e L U 1400 1400 1400 1200 1000 2000 1800 1800 1800 1400 1600 800 1000 1000 1000 1200 1200 1200 800 800 800 a b b b o L 200 200 200 in u m 200 400 600 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 400 400 400 600 600 600 0- -1 0- -1 0- -1 10 30 -4 -7 -4 -7 -4 -7 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8

    • F = 8.5660 1.2410 0.3152 0.7071
    • K-W = 4.6510 10.6100 5.9840 7.3920 P = 0.1992 0.0141 0.0002 0.3091 0.1124 0.8143 0.0604 0.5541 U 1400 1400 1400 e ( L
    • X ) 1800 1600 1600 1600 1400 1600 2000 1800 1800 1800 A5 1200 1200 1200 2000 2000 2000 A6 A7 A8 d L 200 200 200 u m in o s a id 1000 1200 600 200 800 400 1000 1000 1000 600 600 600 800 800 800 400 400 400 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1

        10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Distância da estrada (m) Figura 12. Distribuição comparativa das séries de médias de luminosidade (LUX) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados do verão (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA ou Kruskal-Wallis a cada perfil, respectivamente os valores de F ou K-W, e de P entre as distâncias. Letras diferentes indicam diferenças significativas. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

        2000 A1 1800 ac bc a b 2000 A2 1800 1800 2000 2000 s e in 600 ) 1800 X d o L ( a 1000 id U 1400 1600 1200 1000 800 ab a b a 1600 1400 1200 800 600 1600 1400 1400 1000 1000 1200 1200 800 600 600 1600 800 L u m 400 200 400 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 200 0- -1 10 30 -4 -7 0- -1 0- -1 60 90 00 -4 -7 -4 -7 200 200 400 400 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 F =

      • 4.4060 8.3050 0.4149 0.2019 0.4577 K-W = 6.2280 4.6850 1.1460 --
      • P = 0.0099 0.0003 0.1010 0.7435 0.1964 0.7659 0.8944 0.7135 ) 1800 U 1400 1400 1400 ( L
      • X e 1400 1600 1200 2000 1800 1800 1800 A5 1200 1200 1200 2000 2000 2000 1600 1600 1600 A6 A7 A8 d L 200 200 200 a m u s o id in 1000 600 800 200 400 1000 1000 1000 600 600 600 800 800 800 400 400 400 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1

          10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Distância da estrada (m) Figura 13. Distribuição comparativa das séries de médias de luminosidade (LUX) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados do outono (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA ou Kruskal-Wallis a cada perfil, respectivamente os valores de F ou K-W, e de P entre as distâncias. Letras diferentes indicam diferenças significativas. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

          A1 2000 2000 2000 A2 A3 A4 ab a b e ( id o a d s L U 1400 1400 1400 X ) 1600 1600 1600 1000 2000 1800 1800 a b ab b 1800 1200 1400 1600 1800 800 1200 1200 1200 1000 1000 1000 600 600 600 800 800 800 a a ab ab b L 200 200 200 u m 400 400 400 in 600 200 400 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 0- -1 0- -1 0- -1 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Perfil A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8

        • F =
        • 2.3770 K-W = 5.8120 17.9000 11.5800 10.0600 1.5300 1.4970 -- 8.4290 P = 0.1211 0.0005 0.0090 0.0181 0.0871 0.6754 0.6830 0.0379 A5 2000 2000 2000

           ( a d id s o L X U 1400 1400 1400 ) 1600 1600 1600 e 2000 1800 1800 1800 1400 1600 1800 1000 1200 800 1200 1200 1200 1000 1000 1000 600 600 600 800 800 800 a ab b ab in 600 L 200 200 200 m u 200 400 0- -1 10 30 -4 -7 60 90 00 -4 -7 -4 -7 -4 -7 400 400 400 0- -1 0- -1 0- -1 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 10 30 60 90 00 Distância da estrada (m)

          Figura 14. Distribuição comparativa das séries de médias de luminosidade (LUX) (cada ponto n ±10 registros) obtidas em cada perfil amostral (A1 a A8), em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Dados do inverno (dois ciclos). Linhas horizontais (média ± desvio padrão). No centro, por ANOVA ou Kruskal-Wallis a cada perfil, respectivamente os valores de F ou K-W, e de P entre as distâncias. Letras diferentes indicam diferenças significativas. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

          )* 1 100 90 80 á x im a m ia is n c 70 60 ç ã o / d a e d ia l ig 30 50 40 (D is n c 10 20 A44 A43 A24 A31 A21 A53 A51 A73 A34 A32 A63 A61 A83 A81 A14 A13 A42 A41 A22 A23 A54 A52 A74 A72 A33 A64 A62 A84 A82 A71 A12 A11

        Figura 15: Análise de agrupamento das distâncias euclidianas proporcionais (eixo X) das

        médias de temperatura do ar, umidade relativa do ar e luminosidade, por estação climática,

        relativizadas pelos valores máximos. Agrupamento pela variância mínima (método de

        Ward), com ramos não retangulares agrupando as parcelas amostrais, a partir de distâncias

        regulares no eixo Y. Coeficiente de correlação cofenética (r = 0,6008). As letras seguidas

        do primeiro número indicam o sítio amostral (A1 a A8). O segundo número de cada

        conjunto representa a distância das margens da estrada para o interior da floresta: 1 (0-10),

        2 (30-40), 3 (60-70) e 4 (90-100 m). PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

        DISCUSSÃO

          Conforme esperado, em razão da cobertura vegetal (Whitmore 1998, Spooner &

        Smallbone 2009), a temperatura do ar e a luminosidade foram mais altas na estrada que na

        floresta. Em geral, as médias de temperatura obtidas tanto na estrada quanto no interior da

        floresta foram superiores à normal obtida na estação climatológica mais próxima [347 m

        de altitude; média 21,5ºC; média das máximas de 26,2ºC; média das mínimas de 17,9ºC;

        registros obtidos entre 1966 e 1990 (Mattos 2006)]. É provável que esses resultados

          

        estejam associados à forma de obtenção dos registros, já que enquanto os aparelhos da

        estação climatológica apresentam condições de proteção padronizadas, os deste estudo são

        expostos, além da inclusão dos períodos noturnos nas medidas pela estação climatológica.

          A luminosidade na estrada foi bastante superior à registrada no interior da floresta,

        em todas as estações e no ano. A diferença de luz foi considerada alta em comparação às

        diferenças de temperatura e umidade. A luminosidade nos trechos da estrada,

        acentuadamente mais alta nos perfis A2 e A7, ressalta características de orientação

        associada à maior insolação e maior extensão do trecho sem cobertura floresta (áreas de

        estacionamento e lazer). O perfil A2 apresenta orientação norte, recebendo maiores índices

        de luz ao longo de todo o ano (Bernardes 1959) e os dois perfis estão situados próximos a

        áreas de lazer e estacionamentos e, por isso, apresentam superfícies que atingem dezenas

        de metros sem vegetação. Esses resultados e valores mais baixos de temperatura no interior

        da floresta corroboram o paradigma de estabilização microclimática em condições de

        cobertura vegetal mais acentuada (Whitmore 1998; Pezzopane 2001).

          Foram obtidos resultados que contrastam o padrão frequentemente descrito de

        maior umidade relativa do ar no interior da floresta (Kapos 1989; Gehlhausen et al. 2000;

        Coffin 2007; Laurance et al. 2009). A umidade mais alta na estrada, no outono e no

        inverno, pode ter sido parcialmente decorrente de eventos de precipitação anteriores às

        datas de registro, além de taxas mais baixas de dissecação nessas épocas do ano. Durante e

        após as chuvas, o escoamento superficial e subsuperficial (Dunne et al. 1975) tende a

        percolar pela encosta extravasando nas rupturas de relevo decorrentes das estradas

        (Forman & Alexander 1998; Trombulak & Frissell 2000). Desta forma, parte do

        escoamento da porção superior da encosta se acumularia nas margens da estrada e, somada

        à precipitação direta sobre uma superfície impermeável, tornaria o ambiente marginal às

        estradas saturado. Em períodos de evaporação mais acentuada é de se esperar maior

          

        dissecação próximo às margens da estrada. Desta forma, diferenças entre trechos de

        margens saturadas e a floresta poderiam deixar de existir, como observado para o verão;

        ou, em condições de ainda maior dissecação, poderia ocorrer a inversão das situações

        observadas no outono e no inverno, como o registrado para a primavera.

          Os resultados corroboram a hipótese de que as estradas que recortam o parque, por

        apresentarem ambientes microclimaticamente distintos da floresta, podem acarretar em

        padrões de colonização e deslocamento diferenciados por parte das espécies vegetais,

        inclusive favorecendo a invasão do local por exóticas (Forman 1998; Trombulak & Frissell

        2000; Christen & Matlack, 2009; Laurance et al. 2009). Provavelmente este é o caso de

        uma espécie arbustiva invasora local, a Dracaena fragrans (L.) (Ker-Gawl Asparagaceae),

        que ocorre quase exclusivamente às margens das estradas e apresenta maior abundância e

        frequência nos trechos encosta abaixo (Ribeiro & Zaú 2007), o que corrobora com a

        generalização de diferenciação espacial descrita por Forman & Alexander (1998).

          Como a temperatura do ar e a umidade relativa do ar não variaram

        significativamente entre as distâncias ao longo dos perfis, durante qualquer estação do ano,

        a não observação de gradientes, como aqueles observados por Kapos (1989), Sizer &

        Tanner (1999), Didham & Lawton (1999), Gehlhausen et al. (2000), Malcolm (2001) e

        localmente por Figueró & Coelho-Netto (2007), sugere que as bordas lineares analisadas

        possam apresentar características diferenciadas daquelas de remanescentes florestais

        situados em matrizes distintas. A pequena largura das estradas e o relevo acidentado fazem

        com que as copas das árvores mais desenvolvidas cubram parcialmente a estrada,

        acarretando na minimização de diferenças microclimáticas e, consequentemente, na

        ausência de gradientes perceptíveis no interior da floresta.

          Entretanto, considerando que as diferenças microclimáticas entre a estrada e a

        floresta não ocorreram de forma constante, sendo mais acentuadas na primavera e no

          

        verão. É possível que em condições específicas de orientação e relevo, situações de maior

        incidência solar e de temperaturas mais altas acarretem na formação de gradientes

        microclimáticos. Em termos de luminosidade, as diferenças encontradas na floresta não

        foram necessariamente mais baixas em direção ao interior da mata. Elas parecem ter sido

        decorrentes de: 1) aspectos dinâmicos da cobertura florestal, estando relacionadas à

        proximidade (≈30 m) de trechos com clareiras, como em A2 (60-70 m), A3 (0-10 m) e A8

        (0-10 m); 2) incidência diferenciada de luz em razão de características de relevo, como por

        exemplo, final de encosta em proximidade com topo de morro, como em A4 (90-100 m);

        ou 3) eventos fenológicos específicos, como levantado por Ramos & Santos (2006), e

        possivelmente ocorrido em A1 (60-70 m).

          Assim, a heterogeneidade espacial aliada à dinâmica de clareiras (Gómez-Pompa

        1971; Denslow 1980; Brokaw 1982; Lima & Moura 2006) pode estar contribuindo mais

        acentuadamente nas diferenças detectadas em termos de luminosidade, do que

        propriamente efeitos de borda decorrentes do recorte da floresta pelas estradas. Condições

        relativas a “efeitos de borda internos”, já haviam sido descritas por Figueró & Coelho-

        Netto (2007) para o local. Ao analisarem perfis da borda para o interior da floresta

        observaram, especialmente no período da tarde, que as células de calor da borda

        propagam-se, em alguns casos, até próximo de 20 m para o interior da mata. Entretanto,

        observam que “a fragmentação interna às áreas de borda, decorrente das grandes

        clareiras, caminhos e trilhas, contribui para distorcer um padrão borda-centro mais

        uniforme, produzindo, ao contrário do que seria esperado, células isoladas de temperatura

        mais elevada no interior dos transectos ”, resultando num caráter não-monotônico de

        propagação do efeito de borda, conforme citado em Rodrigues & Nascimento (2006). Essa

        observação encontra consonância na idéia que “mesmo fatores considerados simples e

          

        diretos quanto à medição (e.g. luz e vento), quando associadas às respostas exibidas pelo

        componente biótico, podem assumir complexas nuances ” (Rodrigues 2004).

          A luminosidade registrada apresentou significativa variabilidade espaço-temporal,

        conforme observado a partir dos altos desvios-padrão e dos valores médios a cada estação

        climática. Entretanto, essa variação não foi suficiente para imprimir diferenças detectáveis

        nos parâmetros de temperatura do ar e umidade relativa do ar, em contraposição ao

        observado por Matlack (1994). Outra avaliação que reforça a hipótese de que a

        heterogeneidade local e a dinâmica de clareiras possam estar contribuindo mais

        acentuadamente nas diferenças microclimáticas do que os efeitos de borda decorrentes das

        estradas provém da análise de agrupamento. Esta indicou maior similaridade entre

        “parcelas do mesmo perfil”, em comparação com “distâncias semelhantes” de perfis

        distintos, semelhantemente ao observado por Asbjornsen et al. (2004). Em se tratando de

        inequívocos efeitos de borda, seria esperado que distâncias semelhantes expressassem, pelo

        menos parcialmente, maior similaridade em termos comparativos.

          Os resultados encontrados podem ser derivados de condições complexas

        (Asbjornsen et al. 2004; Marchand & Houle 2006) e, mesmo considerando que a

        caracterização de padrões contribui para o desenvolvimento teórico e consequentemente

        para soluções concretas em termos de conservação, deve ser ressaltada a dificuldade de

        generalizações (Laurance & Bierregaard 1997; Saunders et al. 1999; Malcolm 2001;

        Harper et al. 2005; Rodrigues & Nascimento 2006).

        CONCLUSÕES

          As estradas que recortam o parque apresentam ambientes microclimaticamente

        distintos da floresta, o que pode acarretar em padrões de colonização e deslocamento

        diferenciados das espécies vegetais, inclusive favorecendo a invasão por exóticas. Mas,

        como a temperatura do ar e a umidade relativa do ar não variaram significativamente entre

        as distâncias ao longo dos perfis, a ausência de gradiente sugere que as bordas lineares

        analisadas possam apresentar características diferenciadas daquelas de remanescentes

        florestais situados em matrizes muito distintas. As diferenças em termos de luminosidade

        podem ter sido decorrentes de aspectos dinâmicos da cobertura florestal, de características

        de relevo ou de eventos fenológicos específicos. Desta forma, a heterogeneidade local e a

        dinâmica ecológica podem estar contribuindo mais acentuadamente nas diferenças

        microclimáticas que os efeitos de borda decorrentes das estradas.

          Por fim, um conjunto de fatores físicos operando em uma escala imperceptível

        (Saunders et al. 1999), em função de limitações amostrais ou de procedimentos analíticos

        (Gehlhausen et al. 2000), pode influenciar aspectos ecológicos não caracterizados neste.

        Uma avaliação ampla, transdisciplinar (Trombulak & Frissell 2000) e multivariada,

        considerando parâmetros microclimáticos e outros, como relevo, hidrologia, solos,

        aspectos biológicos, e históricos, pode contribuir para elucidação de características não

        evidentes numa análise específica (Malcolm 2001; Rodrigues 2004; Ewers et al. 2007).

        REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

          

        Arango, H.G. 2001. Bioestatística teórica e computacional. Editora Guanabara Koogan

        S.A., Rio de Janeiro. 235p.

          

        Asbjornsen, H.; Ashton, M.S.; Vogt, D.J. & Palacios, S. 2004. Effects of habitat

        fragmentation on the buffering capacity of edge environments in a seasonally dry tropical oak forest ecosystem in Oaxaca, Mexico. Agriculture, Ecosystems and Environment 103: 481-495.

          

        Ayres, M.; Ayres Júnior, M.; Ayres, D.L. & Santos, A.A. Bioestat. Versão 5.0. Belém, PA.

          2007. Disponível em <http://www.mamiraua.org.br/>. Acesso em 19 de fevereiro 2008.

        Bernardes, N. 1959. Notas sobre ocupação humana na montanha do Distrito Federal.

          Revista Brasileira de Geografia 3: 363-388.

        Brandão, A.M.P.M. 1992. As alterações climáticas na área metropolitana do Rio de Janeiro

        • uma provável influência do crescimento urbano. In: Abreu, M.A. Natureza e . SMCTE, Rio de Janeiro. Vol. 21. Pp. 143-200.

          Sociedade no Rio de Janeiro

        BrOffice.org. 3.2.1. 2010. BrOffice.org. Disponível em <http://www.broffice.org/>.

          Acesso em 27 de janeiro 2010.

        Brokaw, N.V.L. 1982. The definition of treefall gap and its effect on measures of forest

        dynamics. Biotropica 14(2): 158-160.

          

        Cadenasso, M.L.; Pickett, S.T.A.; Weathers, K.C.; Bell, S.S.; Benning, T.L.; Carreiro,

        M.M. & Dawson, T.E. 2003. An Interdisciplinary and Synthetic Approach to Ecological Boundaries. BioScience 53(8): 717-722.

        Camargo, J.L.C. & Kapos, V. 1995. Complex edge effects on soil moisture and

        microclimate in central Amazonian forest. Journal of Tropical Ecology 11: 205-221.

          

        Chen, J.; Franklin, J.F. & Spies, T.A. 1995. Growing-season microclimatic gradients from

        clearcut edges into old-growth Douglas-fir Forests. Ecological Applications 5(1): 74-

          86.

          

        ________; Saunders, S.C.; Crow, T.R.; Naiman, R.J.; Brosofske, K.D.; Mroz, G.D.;

        Brookshire, B.L. & Franklin, J.F. 1999. Microclimate in Forest Ecosystem and Landscape Ecology. BioScience 49 (4): 288-297.

        Christen, D.C. & Matlack, G.R. 2009. The habitat and conduit functions of roads in the

        spread of three invasive plant species. Biological Invasions 11: 453–465.

          

        Coffin, A.W. 2007. From roadkill to road ecology: A review of the ecological effects of

        roads. Journal of Transport Geography 15: 396-406.

          

        Dean, W. 1997. With broadax and firebrand: the destruction of the Brazilian Atlantic

        forest. University California Press, California. 460p.

          

        Denslow, J.S. 1980. Gap partioning among tropical rain forest trees. Biotropica 12: 47-55.

        Didham, R.K. & Lawton, J.H. 1999. Edge structure determines the magnitude of changes

        in microclimate and vegetation structure in tropical forest fragments. Biotropica 31(1):

          17-30.

        Dunne, T.; Moore, T.R. & Taylor, C.H. 1975. Recognition and prediction of runoff –

        producing zones in humid regions. Hidrological Sciences 20(3): 305-327.

          

        Ewers, R.M.; Thorpe S. & Didham R.K. 2007. Synergistic interactions between edge and

        area effects in a heavily fragmented landscape. Ecology 88(1): 96–106.

          

        Figueró, A.S. & Coelho-Netto, A.L. 2007. Análise da variabilidade térmica em zonas de

        bordas florestais com interface urbana no Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ.

          Ciência e Natura 29(2): 173-186.

        Forman, R.T.T. & Alexander, L.E. 1998. Roads and their major ecological effects. Annual

        Review of Ecology and Systematics 29: 207–231.

          

        ____________. Road ecology: A solution for the giant embracing us. Landscape Ecology

        13: iii–v.

          

        Freitas, S.R.; Hawbaker, T.J. & Metzger, J.P. 2010. Effects of roads, topography, and land

        use on forest cover dynamics in the Brazilian Atlantic Forest. Forest Ecology and Management 259: 410-417.

          

        Gehlhausen, S.M.; Schwartz, M.W. & Augspurger, C.K. 2000. Vegetation and

        microclimatic edge effects in two mixed-mesophytic forest fragments. Plant Ecology 147(1): 21–35.

        Gómez-Pompa, A. 1971. Posible papel de la vegetación secundaria en la evolución de la

        flora tropical. Biotropica 3(2): 125-135.

          

        GraphPad Prism version 5.00 for Windows. 2007. GraphPad Software, San Diego,

        California USA. Disponível em <http://www.graphpad.com/prism/Prism.htm>.

          Acesso em 22 de fevereiro 2008.

        Harper, K.A.; Macdonald, S.E.; Burton, P.J.; Chen, J.; Brosofske, K.D.; Saunders, S.C.;

        Euskirchen, E.S.; Roberts, D. & Esseen, P.A. 2005. Edge influence on forest structure

        and composition in fragmented landscapes. Conservation Biology 19(3): 768-782.

        Huang, L.; Lia, J.; Zhao, D. & Zhu J. 2008. A fieldwork study on the diurnal changes of

        urban microclimate in four types of ground cover and urban heat island of Nanjing,

          China. Building and Environment 43: 7-17.

        Hurlbert, S. 1984. Pseudoreplication and the design of ecological field experiments.

          Ecological Monographs 54(2): 187-211.

        Kapos, V. 1989. Effects of isolation on the water status of forest patches in the Brazilian

        Amazon. Journal of Tropical Ecology 5(2): 173-185.

          

        Kapos, V.; Wandelli, E.; Camargo; J.L. & Ganade, G. 1997. Edge-related changes in

        environment and plant response due to forest fragmentation in central Amazonia. In: Laurance, W.F. & Bierregaard, R.O. Tropical forest remnants: Ecology, Management, and Conservation of fragmented communities . The University of Chicago Press, Chicago. Pp. 33-44.

          

        Laurance, W.F. 1991. Edge effects in tropical forest fragments: applications of a model for

        the design of nature reserves. Biological Conservation 57: 205-219.

          

        Laurance, W.F. 1997. Hyper-disturbed parks: edge-effects and ecology of isolated

        rainforest reserves in tropical Australia. In: Laurance, W.F. & Bierregaard, R.O.

          Tropical forest remnants: Ecology, Management, and Conservation of fragmented

          

        ______________ & Yensen, E. 1991. Predicting the impacts of edge effects in fragmented

        habitats. Biological Conservation 55(1): 77-92.

          

        ______________ & Bierregaard, R.O. (Eds.) Tropical forest remnants: Ecology,

        Management, and Conservation of fragmented communities . The University of Chicago Press. Chicago, 1997. 616 p.

          

        ______________; Goosem, M. & Laurance, S.G.W. 2009. Impacts of roads and linear

        clearings on tropical forests. Trends in Ecology and Evolution 24(12): 659-699.

          

        Lima, R.A.F. & Moura, L.C. 2006. Canopy gap colonization in the Atlantic montane rain

        forest. Brazilian Archives of Biology and Technology 49(6): 953-965.

          

        Lugo, A. & Gucinski, H. 2000. Function, effects and management of forest roads. Forest

        Ecology and Management 133: 249-262.

          

        Malcolm, J.R. 1994. Edge Effects in Central Amazonian Forest Fragments. Ecology 75(8):

        2438-2445.

          

        ___________ 2001. Extending models of edge effects to diverse landscape configurations,

        with a test case from the Neotropics. In: Bierregaard Jr., R.O.; Gascon, C.; Lovejoy, T.E. & Mesquita, R.C.G. Lessons from Amazonia: the ecology and conservation of a . Sheridan Books, Michigan. Pp. 346-357. fragmented forest

          

        Marchand, P. & Houle, G. 2006. Spatial patterns of plant species richness along a forest

        edge: What are their determinants? Forest Ecology and Management 223: 113–124.

          

        Matlack, G.R. 1993. Microenvironment variation within and among forest edge sites in the

        eastern United States. Biological Conservation 66(3): 185-194.

          

        ___________ 1994. Vegetation dynamics of the forest edge - Trends in space and

        successional time. Journal of Ecology 82(1): 113-123.

          

        Mattos, C.C.L.V. de. 2006. Mesoclima da cidade do Rio de Janeiro. Floresta e Ambiente

        (Série Técnica): 1-22.

          

        McCune, B. & Grace, J.B. 2002. Analysis of Ecological Communities. MjM Software

        Design, Gleneden Beach, Oregon. 300p.

          

        Morellato, L.P.C. & Haddad, C.F.B. 2000. Introduction: The Brazilian Atlantic Forest.

          Biotropica 32(4b): 786-792.

        Murcia, C. 1995. Edge effects in fragmented forests: implications for conservation. Trends

        in Ecology & Evolution 10(2): 58-62.

          

        Newmark, W.D. 2001. Tanzanian forest edge microclimatic gradients: Dynamic patterns.

          Biotropica 33(1): 2-11.

        Pezzopane, J.E.M. 2001. Caracterização microclimática, ecofisiológica e fitossociológica

        em uma floresta estacional semidecidual secundária, Viçosa, MG. Tese de doutorado.

          Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 255p.

        Piessens, K.; Honnay, O.; Devlaeminck, R. & Hermy, M. 2006. Biotic and abiotic edge

        effects in highly fragmented heathlands adjacent to cropland and forest. Agriculture,

          Ecosystems and Environment 114: 335–342.

        Pinto, L.P.; Bedê, L.; Paese, A.; Fonseca, M.; Paglia, A. & Lamas, I. 2006. Mata Atlântica

        Brasileira: Os desafios para conservação da Biodiversidade de um Hotspot Mundial.

          In: Rocha, C.F.D., Bergallo, H.G., Sluys, M.V. & Alves, M.A.S. Biologia da Conservação: Essências. RiMa, São Carlos. Pp. 91-118.

          

        Pohlman, C.L.; Turton, S.M. & Goosem, M. 2007. Edge Effects of Linear Canopy

        Openings on Tropical Rain Forest Understory Microclimate. Biotropica 39(1): 62–71.

          

        ____________; Turton, S.M. & Goosem, M. 2009. Temporal variation in microclimatic

        edge effects near powerlines, highways and streams in Australian tropical rainforest.

          Agricultural and Forest Meteorology 149(1): 84-95.

        Ramos, F.N. & Santos, F.A.M. 2006. Microclimate of Atlantic forest fragments: regional

        and local scale heterogeneity. Brazilian Archives of Biology and Technology 49(6):

          935-944.

        Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P.; Martensen, A.C.; Ponzoni, F.J. & Hirota, M.M. 2009. The

        Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation 142(6): 1141- 1153.

          

        Ribeiro, M.O. & Zaú, A.S. 2007. Levantamento populacional e manejo da exótica invasora

        Dracaena fragrans (L.) Ker-Gawl (Angiospermae – Liliaceae), em um trecho de Floresta Atlântica sob efeitos de borda no Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Revista Brasileira de Biociências 5(1): 21-23.

          

        Rodrigues, P.J.F.P. & Nascimento, M.T. 2006. Fragmentação florestal: breves

        considerações teóricas sobre efeitos de borda. Rodriguésia 57(1): 63-74.

        _________________. 2004. A vegetação da Reserva Biológica União e os efeitos de borda

        na Mata Atlântica fragmentada. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Norte

          Fluminense, Campos dos Goytacazes. 153p.

        Saunders, D.A.; Hobbs, R.J. & Margules, C.R. 1991. Biological consequences of

        ecosystem fragmentation: a review. Conservation Biology 5: 18-32.

          

        Saunders, S.C.; Chen, J.; Drummer, T.D. & Crow, T.R. 1999. Modeling temperature

        gradients across edges over time in a managed landscape. Forest Ecology and Management 117(1): 17-31.

        Sizer, N. & Tanner, E.V.J. 1999. Responses of woody plant seedlings to edge formation in

        a lowland tropical rainforest, Amazonia. Biological Conservation 91: 135-142.

          

        Spellerberg, I.F. 1998. Ecological Effects of Roads and Traffic: A Literature Review.

          Global Ecology and Biogeography Letters 7(5): 317-333.

        Spooner, P.G. & Smallbone, L. 2009. Effects of road age on the structure of roadside

        vegetation in south-eastern Australia. Agriculture, Ecosystems & Environment 129(1-

          3): 57-64.

        Statsoft, Inc. 2010. Statistica (Data analysis software system), version 9. Trial. Disponível

        em <http://www.statsoft.com/support/free-statistica-9-trial/>. Acesso em 29 de maio

          2010.

        Trombulak, S.C. & Frissell, C.A. 2000. Review of ecological effects of roads on terrestrial

        and aquatic communities. Conservation Biology 14 (1): 18-30.

          

        Turton, S. & Freiburger, H.J. 1997. Edge and aspect effects on the microclimate of a small

        tropical forest remnant on the Atherton Tableland, Northeastern Autralia. In:

          and Conservation of fragmented communities . The University of Chicago Press, Chicago. Pp. 44-54.

          

        Valentin, J.L. 2000. Ecologia numérica: uma introdução à análise multivariada de dados

        ecológicos. Ed. Interciência, Rio de Janeiro, 117p.

          

        Whitmore, T.C. 1998. An introduction to Tropical Rain Forests. Oxford University Press, New

        York. 224p.

          

        Williams-Linera, G. 1990. Vegetation structure and environmental conditions of forest

        edges in Panama. Journal of Ecology 78: 356–373.

          

        Williams-Linera, G; Domínguez-Gastelú, V.E. & García-Zurita, M.E. 1998.

          Microenvironment and floristics of different edges in a fragmented tropical rainforest. Conservation Biology 12(5): 1091–1102.

          Zaú, A.S. 1998. Fragmentação da Mata Atlântica. Floresta e Ambiente 6(1): 160-170.

        Zuur, A.F.; Ieno, E.N. & Elphick, C.S. 2010. A protocol for data exploration to avoid

        common statistical problems. Methods in Ecology & Evolution 1: 3–14.

          CAPÍTULO II

        COMPOSIđấO FLORễSTICA DO ESTRATO ARBUSTIVO-ARBốREO EM UM

        REMANESCENTE URBANO DE MATA ATLÂNTICA NO SUDESTE DO BRASIL

        RESUMO

        A fragmentação e os efeitos de borda estão dentre as principais ameaças à biodiversidade.

          

        Este trabalho avaliou a riqueza e a composição de espécies arbóreo-arbustivas de um

        trecho de Mata Atlântica no Parque Nacional da Tijuca, uma floresta urbana na cidade do

        Rio de Janeiro. Foram realizadas coletas em sete sítios amostrais e em cada sítio foram

          2

          

        estabelecidos perfis com parcelas de 100 m nas distâncias: 0-10 m, 30-40 m, 60-70 m e

        90-100 m das margens das estradas para o interior da floresta, totalizando 0,28 ha. Todos

        os indivíduos com DAP ≥ 2,5 cm foram coletados e as espécies tiveram definidos:

        ocorrência, grau de raridade, grupo sucessional e síndrome de dispersão. Foram

        amostrados 986 indivíduos distribuídos em 40 famílias, 90 gêneros e 200 espécies. As dez

        espécies mais abundantes corresponderam a 5% do total e 51% dos indivíduos. Os

        indicadores florísticos, de diversidade, grupos sucessionais, síndromes de dispersão e

        similaridade florística apontam que a área estudada encontra-se em estágio sucessional

        avançado e em bom estado de conservação, ao contrário da noção disseminada de uma

        floresta plantada. Entretanto, os resultados sugerem a existência de efeitos de borda,

        incidindo de maneira mais acentuada nos primeiros metros após as margens das estradas.

        Palavras-chave: Mata Atlântica, sucessão, dispersão, fitogeografia, Parque Nacional da

        Tijuca.

        INTRODUđấO

          Estudos ecológicos e de conservação de hábitats demandam conhecimento sobre a

        diversidade florística e a caracterização da vegetação (Rejmánek & Brewer 2001). Por

        interagir diretamente com outros compartimentos do ecossistema (e.g., solo, atmosfera e

        água) (Shulze et al. 2005), a vegetação não só compõe significativa parte da biodiversidade

        (Giulietti et al. 2005), como influencia as relações da comunidade, por exemplo, como

        recurso alimentar, suporte físico e abrigo (Whitmore 1998). Além disso, as respostas das

        espécies às transformações florestais e aos distúrbios causados pelo ser humano (e.g.,

          

        geral, fortemente negativas (Gardner et al. 2010). Tais alterações influenciam a

        diversidade, a composição e a dinâmica das espécies, afetando o funcionamento dos

        ecossistemas (Laurance et al. 2007) e, consequentemente, a manutenção de sua integridade

        ecológica em longo prazo (Gardner et al. 2010). Porém, muitas das consequências

        ecológicas destas alterações são insuficientemente conhecidas (Laurance & Bierregaard

        1997; Bierregard et al. 2001; Laurance et al. 2002; Harper et al. 2005).

          Considerada uma das principais ameaças à biodiversidade, a fragmentação florestal

        faz com que a Mata Atlântica seja um dos biomas de mais difícil conservação (Dean 1997;

        Morellato & Haddad 2000) (q.v., Introdução geral). A fragmentação de hábitats associada à

        crescente urbanização aumenta a importância da conservação de áreas naturais próximas

        ou localizadas nas cidades. Este é o caso do Parque Nacional da Tijuca, uma das maiores

        florestas urbanas do mundo (q.v., Introdução geral). O PARNA Tijuca é frequentemente

        associado à concepção de uma floresta de origem antrópica e com significativa pressão

        urbana (q.v., Descrição da área). Porém, os cerca de 200 anos de medidas

        conservacionistas podem ter permitido o desenvolvimento de uma floresta semelhante em

        termos florísticos à de outros trechos regionalmente caracterizados em “bom estado de

        conservação”, considerando a provável inexistência de florestas tropicais sem interferência

        antrópica (Clark 1996), especialmente no caso da Mata Atlântica. Além do que, florestas

        urbanas podem conter significativo percentual de espécies que naturalmente ocorrem na

        localidade (Alvey 2006).

          Por outro lado, bordas de florestas urbanas podem ser caracterizadas por espécies

        mais bem adaptadas ao sol, ao calor e às condições de baixa umidade (Hamberg et al.

          

        2008). As estradas atuam como elemento de fragmentação da paisagem e de ampliação de

        bordas, podendo resultar na ocupação de espécies com síndromes de dispersão

        diferenciadas e de grupos sucessionais distintos (Oliveira et al. 2004). Desta forma, a

          

        interpretação de fenômenos relacionados aos efeitos de borda demanda a utilização de

        conceitos associados à sucessão ecológica (Rodrigues & Nascimento 2006). Entretanto,

        ainda existe pouco conhecimento de como as estradas podem afetar áreas legalmente

        protegidas (Ament et al. 2008), especialmente em relação às consequências internas do

        recorte dessas áreas.

          O histórico de conservação, as condições atuais da área e estudos anteriores nas

        proximidades (e.g. Oliveira et al. 1995; Matos 2007) sugerem a alta riqueza de espécies no

        compartimento arbustivo-arbóreo e, possivelmente, a maior semelhança florística desta

        área com trechos mais bem conservados. Entretanto, as estradas que recortam o parque

        devem acarretar em diferenciações na distribuição dos indivíduos de distintos grupos

        sucessionais e diferentes síndromes de dispersão, com maior abundância de indivíduos de

        grupos sucessionais de estágios iniciais e de indivíduos com síndromes de dispersão

        abióticas nas proximidades das estradas.

          Este trabalho objetivou a avaliação da riqueza e da composição de um trecho de

        Mata Atlântica, no Parque Nacional da Tijuca, uma floresta urbana na cidade do Rio de

        Janeiro. Especificamente buscou-se responder as seguintes questões: 1) A comunidade

        vegetal apresenta características florísticas de trechos mais urbanizados e alterados

        antropicamente, ou características de trechos considerados bem conservados? 2) A

        distribuição dos indivíduos nos grupos sucessionais e de síndromes de dispersão é afetada

        negativamente por efeitos de borda decorrentes das estradas que recortam o parque?

        MATERIAL E MÉTODOS

          Caracterização florística Para a caracterização florística foram realizadas coletas sistemáticas pelo método de

        parcelas (Mueller-Dombois & Ellenberg 1974) em sete sítios amostrais, no setor “A” do

          

        Parque Nacional da Tijuca (q.v., Capítulo I). Em cada um dos sítios foram estabelecidos

        perfis compostos por quatro parcelas de 10 x 10 m, localizadas nas distâncias de 0-10 m,

          3

          

        30-40 m, 60-70 m e 90-100 m das margens das estradas (Figura 1, Capítulo I ), totalizando

        0,28 ha. Nas situações em que ao longo do perfil existia alguma clareira, ou proximidade

        com uma clareira, a parcela para o registro dos dados e coletas era deslocada no mínimo 30

        m lateralmente e então delimitada.

          Todos os indivíduos com diâmetro a altura do peito (1,3 m) ≥ 2,5 cm foram

        marcados e coletados. Destes também foram registradas características dendrológicas que

        pudessem auxiliar a identificação taxonômica, como a presença e o tipo de exsudato, cor

        das cascas externa e interna, odor e formas do tronco e de sua base, a partir de planilhas

        pré-estruturadas com base em Ribeiro et al. (1999). Foram realizadas visitas periódicas nas

        parcelas amostrais para aferição de fenofases férteis de indivíduos previamente amostrados

        em fase estéril. As características vegetativas, aliadas ao processo de observação

        continuada, buscaram atribuir maior acurácia na determinação do material, condição

        fundamental para ações de conservação eficazes (Durigan 2003; Bortolus 2008). Para as

        coletas foram utilizadas tesouras de poda e de poda alta. Para as árvores de grande porte foi

        realizada a escalada seguida da utilização da tesoura de alta poda, conforme Oliveira &

        Zaú (1995). O material botânico coletado foi tratado e conservado para a identificação

        segundo técnicas usuais (IBGE 1992; Sylvestre & Rosa 2002).

          4 Cada amostra foi discriminada em morfo-espécie e catalogada. As famílias foram

          

        identificadas com a utilização de referências e o auxílio de chaves de caracteres

        vegetativos (Barroso et al. 1978; Barroso et al. 1984; Joly 1985; Barroso et al. 1986;

        Gentry 1993; Lima et al. 1994; Ribeiro et al. 1999; Vidal & Vidal 2003; Braz et al. 2004;

        Souza & Lorenzi 2005; Gonçalves & Lorenzi 2007). Posteriormente, o material foi

        encaminhado a especialistas para confirmação das identificações. Por fim, foi realizada a

        verificação comparativa do material identificado nos herbários do Jardim Botânico do Rio

        de Janeiro (RB) e Instituto Estadual do Ambiente (GUA). Após a identificação, o material

        fértil foi depositado no Herbário do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (RB). As espécies

        foram agrupadas de acordo com o “APG III” (Angiosperm Phylogeny Group 2009) e a

        padronização dos binômios e autores foi realizada pelos indexadores do Missouri Botanical

        Garden (MBG Tropicos 2009) e do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ 2010).

          A partir da lista com as plantas identificadas em nível específico foram

        caracterizadas as espécies ameaçadas de extinção (senso, Brasil 2008); estimados os

        percentuais de espécies endêmicas da Mata Atlântica, da região sudeste e do estado do Rio

        de Janeiro, com base na lista da flora brasileira (JBRJ 2010); os percentuais de espécies

        comuns na Mata Atlântica, de florestas ombrófilas de baixa altitude do sudeste, e de

        florestas ombrófilas de grandes altitudes e semi-decíduas, senso Oliveira-Filho & Fontes

        (2000); os percentuais de espécies comuns e raras da Mata Atlântica, senso Caiafa &

        Martins (2010); e o percentual de espécies raras no dossel da Mata Atlântica, senso

        Guedes-Bruni et al. (2009). Foi também estimado o percentual de raridade em termos

        amostrais, ou seja, o percentual de espécies que ocorreram em menos de 5% da amostra

        4 (ACIESP 1997).

          

        Constitui uma morfo-espécie a amostra que apresenta características morfológicas com uma amplitude de

          As espécies e, quando possível, os gêneros foram classificados nos grupos

        sucessionais, senso Budowski (1965), através de revisão bibliográfica e observações de

        campo, como pioneiras, secundárias iniciais e secundárias tardias/climácicas. Para cada

        grupo sucessional foram obtidos os percentuais de espécies comuns ou raras na Mata

        Atlântica, senso Caiafa & Martins (2010). As espécies e, quando possível, os gêneros

        também tiveram suas síndromes de dispersão caracterizadas por revisão bibliográfica e

        características dos frutos ou sementes, senso van der Pijl (1982), em zoocóricas,

        anemocóricas e autocóricas.

          Para avaliar se a composição florística amostrada apresentava maior semelhança

        com trechos próximos a áreas urbanas ou recentemente alterados antropicamente, ou se a

        mesma apresentava maior semelhança com trechos caracterizados em bom estado de

        conservação, foi realizada a análise de similaridade considerando a lista de espécies obtida

        a partir de estudos fitossociológicos realizados em 34 localidades no estado do Rio de

        Janeiro (Oliveira et al. 1995; Rodrigues 1996; Kurtz & Araujo 2000; Borém & Ramos

        2001; Silva & Nascimento 2001; Spolidoro 2001; Oliveira 2002; Borém & Oliveira-Filho

          5

          

        2002; Moreno et al. 2003; Peixoto et al. 2004 ; Santana et al. 2004; Faria 2005; Guedes-

        Bruni et al. 2006 a e b; Carvalho et al. 2006, 2007; Pereira et al. 2006; Pessoa e Oliveira

        2006; Matos 2007; Pardo et al. 2007; Souza et al. 2007; Barros 2008; Neves e Peixoto

          6 2008; Pietro 2008; Gabriel 2009 ; Jesus 2009).

          Análise dos dados A representatividade da amostragem foi avaliada pela curva do coletor,

        considerando o número de espécies em relação à área amostral. Foi estabelecida a

        tendência a partir das curvas de 100 ordenações aleatórias das 28 amostras, buscando

          

        minimizar possíveis desvios causados por possíveis variações da amostragem,

        representando-a de maneira mais realística (Shepherd 2006; Schilling & Batista 2008).

          Para as análises de percentuais de endemismo e raridade foi considerado o conjunto

        de espécies identificadas. Entretanto, a partir da determinação do grupo sucessional e da

        síndrome de dispersão de cada espécie, as avaliações destes parâmetros foram realizadas

        considerando o conjunto de indivíduos. Para cada grupo sucessional e de síndrome de

        dispersão, considerando as diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta, foram

        verificados os pressupostos de normalidade e de comparabilidade entre as variâncias (Zuur

        et al. 2010). Os testes utilizados foram, respectivamente, Shapiro-Wilk & Bartlett (Ayres et

        2007; GraphPad 2007). al.

          Para as comparações dos grupos sucessionais e das síndromes de dispersão, tanto

        entre as distâncias, quanto entre os sítios amostrais, foi utilizada a ANOVA bi-fatorial.

          

        Para diferenças significativas (p ≤ 0,05), a priori, foi aplicado o teste de Bonferroni

        (Arango 2001). Nos casos em que os pressupostos de normalidade e homocedasticidade

        das variâncias não foram atingidos, foi aplicada a análise de variância uni-fatorial não-

        paramétrica de Kruskal-Wallis para comparação entre as distâncias e, para diferenças

        significativas (p ≤ 0,05), a posteriori, foi aplicado o teste de Dunn (Arango 2001).

          A avaliação das semelhanças da composição florística foi realizada com base na

        matriz de presença e ausência das espécies, considerando coeficientes usuais (Stiling 1999;

        Shepherd 2006), através da análise de agrupamento pela média de grupo (UPGMA).

        Objetivando a minimização de incorreções decorrentes das limitações amostrais, a análise

        de similaridade foi realizada após a exclusão das espécies listadas em apenas uma das

        localidades (Shepherd 2006), reduzindo para 614 espécies a lista inicial de 1188 (Anexo 1).

          Para espacialização da análise de similaridade foi elaborado um mapa em escala

        1:2.000.000, a partir das bases cartográficas dos limites municipais e estaduais (IBGE

        2010) e da cobertura vegetal na Mata Atlântica (MMA 2010). Foram realizados

        agrupamentos de categorias de uso do solo destacando as mais relevantes para este estudo.

          

        Para cada localidade representada por um ponto, as coordenadas expressas em graus,

        minutos e segundos foram conferidas e ajustadas pelo GoogleEarth (2010), e convertidas

        para graus centesimais (CRIA 2010) para a plotagem cartográfica.

          Para as análises foram utilizados os aplicativos Fitopac, v.1.6 (Shepherd 2006),

        Biostat v. 5.0 (Ayres et al. 2007), GraphPad Prism v. 5.01 (GraphPad 2007) e gvSIG v.

          1.10 (gvSIG 2010).

        RESULTADOS

          Caracterização florística Foram amostrados 986 indivíduos vivos distribuídos em 40 famílias, 90 gêneros e

        200 espécies (123 identificadas e 77 morfo-espécies). Dos indivíduos amostrados, 827

          

        (83,9%) foram identificados a nível de espécie, 48 (4,9%) foram identificados em gênero e

        81 (8,2%) em família. O restante (28 indivíduos, 3,0% do total), pertencentes a 19 morfo-

        espécies, não tiveram suas famílias determinadas (Anexo 2).

          A representatividade da amostragem indica tendência ascendente para o número de espécies, no caso de aumento da área amostral (Figura 1).

          

        Figura 1: Curva do coletor em função do aumento da área amostral. Resultado do traçado

        de 100 diferentes curvas com ordenações aleatórias das unidades amostrais. Setor “A” do

        PARNA da Tijuca, RJ. 2010.

          As dez famílias que apresentaram maiores riquezas em termos de espécies

        totalizaram 60,2% e as restantes 38,8% (Figura 2). As famílias com maior número de

        gêneros foram Fabaceae e Lauraceae (11), Rubiaceae (8), Euphorbiaceae (7), Myrtaceae e

        Annonaceae (5). Dentre os gêneros, apresentaram maior riqueza de espécies Eugenia e

        Ocotea (9), Myrcia (6), Mollinedia (5) e Guarea e Trichilia (4).

          3,5% 3,5% 4,0% 4,0% 5,0% 6,0% 6,0% 9,0%

        10,0%

        10,4% 38,8% Lauraceae (21) Myrtaceae (20) Fabaceae (18) Rubiaceae (12) Meliaceae (12) Euphorbiaceae (10) Sapotaceae (8) Moraceae (8) Annonaceae (7) Monimiaceae (7) outras (78)

          

        Figura 2: Distribuição da riqueza nas dez famílias com maior representatividade. Total de

          A distribuição de indivíduos entre as dez famílias com maiores abundâncias totalizou 77,7% e as restantes 22,3% (Figura 3).

          Myrtaceae (225)

          22,8% 22,3% Arecaceae (205)

          Rubiaceae (71) Lauraceae (57) Meliaceae (41)

          3,1%

          Nyctaginaceae (37)

          3,1%

          Fabaceae (34)

          3,4%

          Euphorbiaceae (33)

          3,5% 20,8% 3,8%

          Malpighiaceae (31)

          4,2%

          Sapotaceae (31)

          5,8% 7,2%

          outras (220)

        Figura 3: Distribuição dos indivíduos nas dez famílias mais abundantes. Total de indivíduos

        em parênteses, ao lado do nome das famílias. Critério de inclusão: DAP ≥ 2,5 cm. PARNA

        da Tijuca, RJ. 2010.

          As dez espécies mais abundantes corresponderam a 5,0% do total de espécies, mas

        representaram 51,0% dos indivíduos (Figura 4). As duas espécies mais abundantes de

        Arecaceae totalizaram 20,5% dos indivíduos e as três mais abundantes de Myrtaceae

        17,0% do total.

          500 483

          400

          os ídu iv

          300

          nd i de

          200

          ro

          141

          e

          93

          úm N

          100

          61

          43

          37

          31

          31

          22

          22

          21

          ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) %

          

        % % % % % %

        % % 3%

          ,1 0%

        ,4 ,2 ,4 ,8 ,1 ,2

        ,1 ,2 4,

          9, (9 (6 (2 (2 (4 (3 (3 (2

          

        (3

        (4 s (1 a la

           1 a ia ra ita lis s yl lis de p. or an lo bi ed os ra oi ifl tif s ph du tti ta ut ci rm ul pp m ro e ho ae O ec yr te m o ra ac sc ce pe in m ra sp a a m

        ia

        er a a ci pi a ia us a ut m ci yr gh ou in en ua

          E re no M yr pi ai

          G cl ug al M E m ua eo

          M A G ce G yr

          M

        Figura 4: Distribuição dos indivíduos das dez espécies mais abundantes. Valores absolutos

        acima das barras e percentuais em parênteses, ao lado das famílias. Critério de inclusão:

        DAP ≥ 2,5 cm. PARNA da Tijuca, RJ. 2010.

          Apresentaram apenas um indivíduo na amostragem 110 espécies (54,7% do total).

        Somadas àquelas que apresentaram dois indivíduos, o valor atingiu 69,7%, e para aquelas

        que apresentaram até dez indivíduos, o percentual atingiu 93,5% das espécies (Figura 5). 120 110

          100 s ie 80 c

          é p s e e 60 d ro e 40 m

          ú 30 N 20 12 5 9 9 7 2 1 3 2 1 10

          1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11-15 16-20 >20 Categorias de abundância de indivíduos

          

        Figura 5: Número de espécies por categorias de abundância de indivíduos. Na classe das

        espécies representadas por mais de 20 indivíduos estão as dez espécies mais abundantes

          Das espécies com epítetos específicos definidos, 46,3% são endêmicas da Mata

          7 Atlântica , 51,2% ocorrem também em outro bioma e, para 2,5% das espécies não havia

          

        dados disponíveis, senso JBRJ (2010). A partir da mesma base de dados, 17,4% são

        endêmicas da região sudeste, 78,5% ocorrem em pelo menos mais uma região e, para 4,1%

        das espécies não havia dados disponíveis. São endêmicas do estado do Rio de Janeiro 2,5%

        das espécies, 93,4% ocorrem também em outros estados e para 4,1% das espécies não

        havia dados disponíveis. O significativo percentual de indivíduos identificados em espécie,

        cerca de 84% do total, não se repetiu em termos de número de espécies. Pouco mais de

        60% das espécies foram identificadas neste nível taxonômico, restando um número

        expressivo de morfo-espécies discriminado em gênero, família ou nível superior. Com o

        aprimoramento do processo de identificação provavelmente haverá a ampliação dos

        percentuais de espécies endêmicas regionalmente, aumentando a representatividade local

        em relação à biodiversidade regional.

          Foram classificadas como espécies comuns da Mata Atlântica, senso Oliveira-Filho

        & Fontes (2000), 11,6% das espécies identificadas. Para as florestas ombrófilas de baixa

        altitude do sudeste foram consideradas comuns 12,4% das espécies e 3,3% para as florestas

        ombrófilas de grandes altitudes e semidecíduas. Somados os percentuais, 27,3% das

        espécies identificadas são comuns em alguma das tipologias da Mata Atlântica que

        ocorrem no estado do Rio de Janeiro. Foram classificadas como espécies comuns da Mata

        Atlântica, senso Caiafa & Martins (2010), 25,6% do total das espécies identificadas,

        percentual bastante similar à da classificação senso Oliveira-Filho & Fontes (2000). Por

        outro lado, apresentaram algum nível de raridade, pela classificação de Rabinowitz et al.

        (1986) apud Caiafa & Martins (2010), 7,4% das espécies. Foram consideradas espécies

          

        raras do dossel da Mata Atlântica 21,5% das espécies identificadas (senso Guedes-Bruni et

        al. 2009). Além do percentual de espécies raras que ocupam o dossel, parte do restante

        deve ser composta por um conjunto de espécies de ocorrência mais comum e, considerando

        que mais da metade das espécies apresentou apenas um indivíduo na amostragem, é

        suposto que parte destas espécies também apresente algum grau de raridade não

        discriminado na análise. Como o critério de inclusão utilizado no presente estudo incluiu

        algumas espécies de sub-bosque, os percentuais de espécies que podem apresentar algum

        grau de raridade, não exposto na comparação direta com espécies exclusivamente do

        dossel (senso Guedes-Bruni et al. 2009), devem ser maiores. De todas as espécies e morfo-

        espécies, 59,5% ocorreram em menos de 5% das unidades, sendo consideradas raras na

        amostragem (senso ACIESP 1997).

          Grupos sucessionais A distribuição dos indivíduos nos grupos sucessionais, independentemente da

        distância das margens das estradas para o interior da floresta, apresentou percentuais totais

        mais baixos para espécies pioneiras, valores intermediários para as secundárias iniciais, e

        os percentuais mais elevados para as secundárias tardias/climácicas. Houve a inversão

        entre os percentuais dos grupos sucessionais predominantes em função da distância da

        estrada, com a tendência de decréscimo das secundárias iniciais e de aumento das

        secundárias tardias/climácicas (Tabela 1, Figura 6).

          

        Tabela 1. Percentuais de indivíduos em relação aos grupos sucessionais, considerando as

        diferentes distâncias (n = 4) da margem da estrada para o interior da floresta. PI =

        pioneiras; SI = secundárias iniciais; ST/CL = secundárias tardias/climácicas; NC = não

        classificadas. Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010.

          

        Distância (m) PI (%) SI (%) ST/CL (%) NC (%)

        0-10 3,6 58,7 23,1 14,7

        30-40 1,3 34,9 50,2 13,5

        60-70 0,4 31,7 56,9 11,0

          

        90-100 1,4 25,2 64,7 8,7

        Média (± DP) 1,7 (± 1,3) 37,6 (± 14,6) 48,7 (± 18,1) 12,0 (± 2,7)

          10

          25

          

        (61), Amaioua intermedia Mart. ex Schult. & Schult.f. e Ecclinusa ramiflora Mart. (22

        cada) e Maytenus communis Reissek (16) (Anexo 2).

          Entre as oito espécies pioneiras destacou-se Tibouchina sp.1 (06 indivíduos). As

        outras apresentaram um ou dois indivíduos. Entre as secundárias iniciais, destacaram-se

        Myrceugenia myrcioides (Cambess.) O.Berg (93 indivíduos), Myrcia multiflora (Lam.)

        DC. (43), Guapira opposita (Vell.) Reitz (37), Myrcia spectabilis DC. (31), e Guarea

        macrophylla subsp. tuberculata (Vell.) T.D.Penn. (21). Entre as secundárias

        tardias/climácicas, destacaram-se Euterpe edulis Mart. (141), Geonoma schottiana Mart.

          PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010.

          Distância da estrada (m) N úm er o d e in d iv íd u os

        Figura 6. Distribuição comparativa das médias (± erro padrão) do número de indivíduos de

        cada grupo sucessional, em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta.

          indiscriminados na escala Secundárias iniciais Secundárias tardias/climácicas

          30

          20

          30 -4

          15

          0-

          5

          

        00

          90 -1

          60 -7

          10

          A ocorrência dos indivíduos das espécies pioneiras não foi influenciada

        significativamente nem pela distância das margens da estrada, que contribuiu com cerca de

        18% da variação encontrada, nem pelos diferentes sítios de estudo, que contribuiram com

        cerca de 23% (Figura 7a, Tabela 2). As secundárias iniciais também não tiveram a

        ocorrência de seus indivíduos afetada significativamente pela distância da estrada, a qual

        foi responsável por cerca de 18% da variação total registrada. Porém, os diferentes sítios de

        estudo acarretaram em diferenças significativas, sendo responsáveis por cerca de 40% da

        variação total (Figura 7b, Tabela 2). As secundárias tardias/climácicas tiveram seus

        quantitativos influenciados tanto pela distância, com cerca de 30% da variação total,

        quanto pelos sítios, com mais de 56% da variação registrada. Para este grupo sucessional,

        as diferenças significativas em termos de distâncias ocorreram entre os trechos de floresta

        mais próximos às margens da estrada (0-10 m) e aqueles mais para o interior da floresta

        (90-100 m), com maior quantitativo de secundárias tardias/climácicas nos últimos (Figura

        7c, Tabela 2).

          

        Tabela 2. ANOVA Bi-fatorial por grupo sucessional, considerando as distâncias das

        margens da estrada para o interior da floresta (0-10; 30-40; 60-70 e 90-100 m), nos sete

        sítios de estudo. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010. GL = graus de liberdade; SQ =

        soma dos quadrados; QM = quadrado médio; % = percentual da variância total; F = valor

        da variância; P = probabilidade calculada; S = significância.

          Fontes de variação GL SQ QM % F P S

        Pioneiras

          Distâncias 3 3,71 1,24 17,81 1,81 0,1807 ns Sítios 6 4,86 0,81 23,29 1,19 0,3572 ns Resíduo

          18 12,29 0,68 Total 27 20,86

        Secundárias iniciais

          Distâncias 3 333,00 111,00 18,46 2,66 0,0791 ns Sítios 6 720,40 120,10 39,93 2,88 0,0380 * Resíduo

          18 750,50 41,69 Total 27 1804,00

        Secundárias Tardias/Climácicas

          00 m 2 ) a 0- 10 30

        -4

        60 -7 90 -1 00 10 20 30 40 Distância da estrada (m)

          00 m 2 ) b 0- 10 30 -4 60 -7 90 -1 00 10 20 30 40 50

          a ab ab b

          Distância da estrada (m) D en si da de ( in di du os /1

          00 m 2 ) c Figura 7. Distribuição comparativa dos quantitativos de indivíduos de cada grupo sucessional, em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Barras horizontais representam médias e desvios padrões. a) Pioneiras; b) Secundárias iniciais;

          PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010.

          0- 10 30 -4 60 -7 90 -1 00 1 2 3 Distância da estrada (m) D en si d ad e (i n d iv íd u os /1

          

        Distâncias 3 1320,00 439,90 29,20 12,01 0,0001 ***

        Sítios 6 2540,00 423,30 56,21 11,56 <0,0001 ***

        Resíduo 18 659,30 36,63 Total 27 4519,00 ns (não significativo); * (P < 0,05); *** (P < 0,001)

          D en si d ad e (i nd iv íd u os /1 Os percentuais de espécies comuns na Mata Atlântica (senso Caiafa & Martins 2010) foram considerados altos nos três grupos sucessionais. Entretanto, também foram significativos os percentuais de espécies não relacionadas pelos autores supra-citados, especialmente entre aquelas classificadas como secundárias iniciais e secundárias tardias/climácicas; e os percentuais de espécies com algum grau de raridade (Tabela 3). Tabela 3. Percentuais de espécies em relação aos grupos sucessionais, considerando as categorias de ocorrência de acordo com Caiafa & Martins (2010). GS = grupo sucessional; PI = pioneiras; SI = secundárias iniciais; ST/CL = secundárias tardias/climácicas.

          Categorias / Grupo sucessional PI SI ST/CL Comuns 50,0 36,4 47,8 Não citadas 16,7 45,5 33,3 Algum grau de raridade 16,7 18,2 18,8 Exótica 16,7 -- -- Totais 100,0 100,0 100,0

          Síndromes de dispersão A distribuição dos indivíduos a partir das síndromes de dispersão das espécies, considerando as quatro distâncias das margens das estradas para o interior da floresta, apresentou os percentuais mais elevados para zoocoria; valores intermediários para anemocoria e os mais baixos para autocoria (Tabela 4).

          Tabela 4. Percentuais de indivíduos em relação às síndromes de dispersão, considerando as

        diferentes distâncias (n = 4), da margem da estrada para o interior da floresta.

        Zoo = zoocóricos; Ane = anemocóricos; Aut = autocóricos; NC = não classificados. Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010.

          Distância (m) Zoo (%) Ane (%) Aut (%) NC (%) 0-10 68,9 14,2 5,8 11,1 30-40 80,3 6,6 0,4 12,7 60-70 74,0 13,0 1,6 11,4

          90-100 83,6 5,2 1,4 9,8 Média (± DP) 76,7 (± 6,6) 9,8 (± 4,5) 2,3 (± 2,4) 11,2 (± 1,2) Entre as espécies zoocóricas, as mais abundantes foram E. edulis (141 indivíduos), M. myrcioides , (93), G. schottiana (61), M. multiflora (43) e G. opposita (37). Entre as Mez ex Taub. (11), Lamanonia ternata Vell. (09) e Eriotheca pentaphylla (Vell. & K.Schum.) A.Robyns e Pseudopiptadenia leptostachya (Benth.) Rauschert (07 cada). Foram classificadas como autocóricas Bathysa gymnocarpa K. Schum. (14 indivíduos), Bathysa stipulata (Vell.) C.Presl (05), Croton sp. 1 (02) e Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat (01) (Anexo 2).

          A ocorrência dos indivíduos zoocóricos não foi influenciada significativamente nem pela distância da estrada, que contribuiu com cerca de 16% da variação total, nem pelos diferentes sítios de estudo, que influenciaram em cerca de 34% da variação total (Tabela 5; Figura 8a). A ocorrência de indivíduos anemocóricos e autocóricos também não foi influenciada significativamente pela distância da estrada (respectivamente, KW = 4,345; p = 0,227; e KW = 2,246; p = 0,5229) (Figuras 8b, 8c e 9).

          Tabela 5. ANOVA Bi-fatorial da zoocoria, considerando as distâncias das margens da estrada para o interior da floresta (0-10; 30-40; 60-70 e 90-100 m), nos sete sítios de estudo. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010. GL = graus de liberdade; SQ = soma dos quadrados; QM = quadrado médio; % = percentual da variância total; F = valor da variância; P = probabilidade calculada; S = significância.

          Fontes de variação GL SQ QM % F P S

        Zoocóricos

          Distâncias

        3 532,30 177,40 15,91 1,92 0,1629 ns

        Sítios

        6 1148,00 191,30 34,31 2,07 0,1086 ns

        Resíduo

          18 1665,00 92,50 Total 27 20,90

          0- 10 30 -4 60 -7 90 -1 00 10 20 30 40 50 Z 60 Distância da estrada (m) oo co ri a (i n d iv íd u os /1 00 m 2 ) a 0- 10 30 -4

        60

        -7

        90 -1 00 5 10 A 15 Distância da estrada (m) n em oc or ia ( in di d u os /1 00 m 2 ) b 0- 10 30 -4 60 -7 90 -1 00 2 4 6 8 A 10 Distância da estrada (m) u to co ri a (i nd iv íd u os /1 00 m 2 ) c Figura 8. Distribuição comparativa dos quantitativos de indivíduos por síndrome de dispersão, em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Barras horizontais representam médias e desvios padrão. a) zoocoria; b) anemocoria;

          50 os

          40 du Zoocoria di

          Anemocoria

          30 in Autocoria de

          20 o er

          10 úm N

          10

          00 -4 -7 0- -1

          30

          60

          90 Distância da estrada (m) Figura 9. Distribuição comparativa das médias (± desvio padrão) do número de indivíduos por categoria de síndrome de dispersão, em diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010.

          Das espécies identificadas, quatro se encontram na categoria de “ameaçadas de

        extinção” (Brasil 2008): Euterpe edulis Mart., Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth.,

        Ocotea odorifera (Vell.) Rohwer e Phyllostemonodaphne geminiflora (Mez) Kosterm.

          

        Outras duas estão na categoria de espécies com deficiência de dados: Astronium

        Schott. e Urbanodendron bahiense (Meisn.) Rohwer. A espécie exótica fraxinifolium

        incluída na amostragem foi Dracaena fragrans (L.) Ker Gawl., com dois indíviduos.

          

        Entretanto, outras exóticas arbóreas foram observadas nas proximidades dos sítios

        amostrais, como Eucalyptus sp. e Artocarpus heterophyllus Lam.

          Similaridade regional O coeficiente de correlação cofenética de Jaccard foi o mais alto dentre os

        avaliados e satisfatório para a análise (r = 0,8622) (Valentin 2000, Shepherd 2006). A

        análise de agrupamento sugere a concepção de gradiente em continuum (Mueller-Dombois

        & Ellenberg 1974; Austin 1985) mais que a de comunidades discretas (Figura 10). Em

          

        alguns casos, e em determinada medida, a similaridade florística pode ter sido influenciada

        pela a proximidade geográfica (e.g., 2 e 3, 9 e 10, 19 e 20, 26 e 28, 6, 33 e 34) (Figura 11,

        discriminação das localidades na Tabela 6).

          O gradiente foi formado por áreas mais alteradas e, em geral, de mais baixa riqueza

        de espécies: trechos urbanizados, fragmentos florestais de tamanho reduzido ou que

        sofreram alterações antrópicas diretas há menos de cinco décadas, ou ainda que se

        encontram em estágio sucessional inicial ou intermediário (e.g., 11, 12, 13, 16, 30, 31 e

        32); passando por trechos de Floresta Ombrófila Densa Aluvial (4 e 6); de Floresta

        Estacional Semidecidual de Terras Baixas e Montana, em zona de tabuleiro, com

        esclerofilia típica (Rizzini 1997) (24), e de Floresta Estacional Semidecidual Submontana

        (e.g., 19 e 20). Posteriormente seguem trechos de Floresta Ombrófila Densa Montana (15,

        29), até trechos relativamente mais bem conservados, predominantemente de Floresta

        Ombrófila Densa Submontana e das Terras Baixas (e.g., 1, 3, 7, 8, 9, 10, 14, 17, 18, 21, 23,

        25, 26, 27 e 28).

          A maior similaridade da área de estudo ocorreu com a área 21, também no Maciço

        da Tijuca, e com a 27, na Reserva Biológica de Tinguá, Essas áreas apresentam trechos

        conservados de Floresta Ombrófila Densa, fisionomicamente similares, distando cerca de

          

        40 Km. Os dois maciços apresentam características geoecológicas semelhantes (e.g., relevo

        acidentado, precipitação anual em geral acima de 2000 mm, densa rede hidrográfica) e

        também aspectos históricos semelhantes associados à colonização (Abreu 1992). Com

        menor similaridade, essas três áreas ficaram agrupadas com a área 14, outro trecho de

        Floresta Ombrófila Densa, em clímax local, distante cerca de 100 Km em linha reta, no

        Parque Estadual da Ilha Grande. Esta área também apresenta histórico de colonização,

        desmatamento e recuperação da mata semelhante às anteriores (Oliveira 2002). Tabela 6. Tabulação de dados a partir de estudos desenvolvidos no estado do Rio de Janeiro.

          Num. Fonte Localidade Latitude Longitude Altitude (m) Tipologia vegetal

          27 Jesus 2009 REBIO Tinguá, Nova Iguaçú 22° 34' 10" 43° 23' 30" 500 a 1000 FOD Montana

          20 Faria 2005 ARIE Floresta da Cicuta / Volta Redonda, RJ 22° 33' 29" 44° 05' 19" 400–450 FES Submontana

          21 Oliveira et al. 1995 M. Boa Vista, PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ 22° 57' 55" 43° 15' 57" 716 FOD Montana

          22 Spolidoro 2001 Fazenda Santa Mônica, Valença, RJ 22° 20' 16" 43° 42' 43" 500 a 900 FOD Montana

          23 Rodrigues 1996 REBIO Tinguá, Nova Iguaçú 22° 34' 10" 43° 23' 30" 125 FOD Submontana

          24 Silva & Nascimento 2001 Mata do Carvão / São Francisco do Itabapoana 21° 23' 27" 41° 05' 33" <200 FESTBS/Tabuleiro

          25 Matos 2007 Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ 22° 57' 17" 43° 13' 42" até 450 FOD Submontana

          26 Gabriel 2009** REBIO União / Rio das Ostras 22° 24' 40" 42° 01' 19" até 376 FOD Submontana

          28 Pietro 2008 REBIO União / Rio das Ostras 22° 24' 40" 42° 01' 19" até 376 FOD Submontana

          18 Pessoa e Oliveira 2006 REBIO Poço das Antas / Silva Jardim 22° 31' 30" 42° 16' 59" até 200 FOD Submontana

          29 Pereira et al. 2006 PARNA Itatiaia, Visconde de Mauá, RJ 22° 25' 59" 44° 35' 36" 1250 FOD Montana

          30 Santana et al. 2004 S. do Inhoaíba, Rio de Janeiro, 25 anos de abandono 22° 55' 43" 43° 35' 38" 122 FOD Submontana

          31 Santana et al. 2004 S. do Mendanha, Rio de Janeiro. 35 anos de abandono 22° 50' 58" 43° 35' 14" 112 FOD Submontana

          32 Santana et al. 2004 S. do Barata, Rio de Janeiro. 20 anos de abandono 22° 55' 18" 43° 34' 43" 200 FOD Submontana

          33 Neves e Peixoto 2008 REBIO Poço das Antas / Silva Jardim (20 anos) 22° 31' 30" 42° 16' 59"

          60 FOD Submontana

          34 Neves e Peixoto 2008 REBIO Poço das Antas / Silva Jardim (40 anos) 22° 31' 30" 42° 16' 59"

          19 Souza et al. 2007 ARIE Floresta da Cicuta / Volta Redonda, RJ 22° 33' 29" 44° 05' 19" 400–450 FES Submontana

          17 Barros 2008 Parque Estadual da Serra da Tiririca, Niterói, RJ 22° 56' 52" 43° 00' 16" até 334 FOD Submontana

          1 Este estudo Floresta da Tijuca, PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ 22° 57' 40" 43° 17' 18" 385-700 FOD Submont./montana

          9 Moreno et al. 2003 50 m, Imbé, P.E. Desengano / Campos dos Goytacazes, RJ 21° 48' 00" 41° 40' 00"

          2 Borém & Ramos 2001 Silva Jardim, RJ. Ação antrópica há 30 anos. 22° 30' 30" 42° 30' 30" 200-400 FOD Submontana

          3 Borém & Oliveira-Filho 2002 Silva Jardim, RJ. Trecho conservado. 22° 30' 30" 42° 30' 30" 200-400 FOD Submontana

          4 Carvalho et al. 2006 REBIO Poço das Antas / Silva Jardim, RJ 22° 31' 59" 42° 16' 59" 0-0,5 FOD Aluvial

          5 Carvalho et al. 2007 Rio Bonito, RJ 22° 43' 09" 42° 33' 12" até 150 FOD Submontana

          6 Guedes-Bruni et al. 2006 a REBIO Poço das Antas / Silva Jardim, RJ 22° 31' 30" 42° 16' 59" 0-0,5 FOD Aluvial

          7 Guedes-Bruni et al. 2006 b REBIO Poço das Antas / Silva Jardim, RJ 22° 31' 30" 42° 16' 59" 250 FOD Submontana

          8 Kurtz & Araujo 2000 EEE Paraíso. Teresópolis, Guapimirim / Cach. Macacu 22° 29' 07" 42° 54' 33" 200 FOD Submontana

          50 FOD Terras Baixas

          16 Peixoto et al. 2004* Parque Mun. S. Capoeira Grande / Rio de Janeiro, RJ 22° 58' 59" 43° 38' 04" 60-140 FOD Submontana

          10 Moreno et al. 2003 250 m, Imbé, P.E. Desengano / Campos dos Goytacazes, RJ 21° 48' 00" 41° 40' 00" 250 FOD Submontana

          11 Oliveira 2002 Área 5 anos, PE Ilha Grande / Angra dos Reis, RJ 23° 11' 46" 44° 19' 26"

          80 FOD Submontana

          12 Oliveira 2002 Área 25 anos. PE Ilha Grande / Angra dos Reis, RJ 23° 11' 24" 44° 19' 40" 140 FOD Submontana

          13 Oliveira 2002 Área 50 anos. PE Ilha Grande / Angra dos Reis, RJ 23° 09' 25" 44° 11' 07" 260 FOD Submontana

          14 Oliveira 2002 Área clímax. PE Ilha Grande / Angra dos Reis, RJ 23° 09' 30" 44° 11' 06" 280 FOD Submontana

          15 Pardo et al. 2007 PARNASO / Teresópolis, RJ 22° 28' 42" 43° 01' 59" 1000 FOD Montana

          30 FOD Terras baixas (*) Complementam as informações relativas a esta fonte dados extraídos de Peixoto et al. (2005), em estudo no mesmo local. (**) Complementam as informações relativas a esta fonte dados extraídos de Rodrigues (2004), em estudo no mesmo local. FOD – Floresta Ombrófila Densa; FES – Fl. Estacional Semidecidual. FESTBS/Tabuleiro – Fl. Est. Semidecidual Terras Baixas e Submontana em zona de tabuleiro.

          Continuação da Tabela 6.

          28 Am 1900 22,0 Parcela 1,20 5 e 10 e 1 e 5 356

          22 Aw 1258 20,9 Parcela 0,30 5,0 395

          85

          23 Cwb 2099 23,0 Quadrante 200 pts 2,5 189

          24 Estacional 1023 23,5 Parcela 1,00 10,0 564 83 564

          25 Af 1694 23,9 Parcela 0,20 2,5 79 1950

          26 Am 1900 22,0 Parcela 1,20 10,0 881 244 i: 580-610; b: 737,5-852,5

          27 Cwb 1500 a 2600 23,0 Parcela 1,17 5,0 2378 441

          29 Af 2459 16,6 Aleatório Altura ≥ 3,0 m 190

          20 Cwa 1370 17,0 e 24,1 Parcela 0,30 2,5 975 141 3367

          30 Af 1171 23,7 Parcela 0,10 4,8 e H ≥ 3,0 m

          46 20 460

          31 Af 1171 23,7 Parcela 0,10 4,8 e H ≥ 3,0 m 109 35 1090

          32 Af 1171 23,7 Parcela 0,05 4,8 e H ≥ 3,0 m

          35 7 700

          33 As 1995 25,5 Parcela 0,25 2,5 505

          60

          21 Cf 2300 21,5 Parcela 0,25 2,5 e H ≥ 2,0 m 1207 294

          19 Cwa 1370 17,0 e 24,0 Parcela 0,30 2,5 968 184 3227

          Num. Clima Pluviosidade Temperatura Método Área amostral (ha) Critério (cm) N. indivíduos n. espécies Densidade ind/ha

          8 As 2558 23,0 Quadrante 150 pts em 2,5 ha 5,0 592 138 1370

          1 Af e Cfa 2277 21,5 Parcela 0,28 2,5 1021 200 3523

          2 Af 2188 24,2 Parcela 0,60 3,2 579 129 1608

          3 Af 2188 24,2 Parcela 0,36 3,2 579 129 1608

          4 As 1995 25,5 Parcela 0,36 10,0 628 31 742-1003

          5 As 1500-2000 25,5 Parcela 0,40 5,0 776 106 1745

          6 As 1995 25,5 Parcela 1,00 5,0 1.668 (486 >10DAP) 97 1668 (486 >10 DAP)

          7 As 1995 25,5 Parcela 1,00 10,0 580 174 580

          9 Estacional 1300 19,0 Parcela 0,60 em 1,2 ha 10,0 460 125 767

          18 As 1995 25,5 Parcela de 0,23 a 1,45 ha 5,0 de 239 a 1771 207 de 813 a 1636

          10 Estacional 1300 17,0 e 25,0 Parcela 0,60 em 1,2 ha 10,0 480 145 792

          11 Af 2240 23,2 Parcela 0,26 2,5 498 26 1915

          12 Af 2240 23,2 Parcela 0,26 2,5 724 70 2784

          13 Af 2240 23,2 Parcela 0,26 2,5 591 63 2273

          14 Af 2240 23,2 Parcela 0,26 2,5 519 134 1996

          15 Cwa 1880 19,2 e 28,1 Parcela 1,00 5,0 118

          16 Aw 1027 23,6 Quadr./Aleat. 200 pts em 21 ha 4,8 800 69 1558

          

        17 Aw 1000-1500 23,0 Parcela 0,30 2,5 1449 216 (%) 50,6 43,7 50,6

          34 As 1995 25,5 Parcela 0,25 2,5 679 104 Obs. Alguns valores de precipitação e temperatura foram estimados com base em registros das proximidades.

          Continuação da Tabela 6.

          17 4,59; 4,17 e 3,24 0,88; 0,78 e 0,99 49,9; 38,8 e 63,0 18 3,02; 3,90; 3,65 0,73 e 0,83 5,4 a 20,1 6,7-28,9 2,0-11,3

          33 3,24 0,79 30,0 34 3,78 0,81 45,0

          32 0,85 0,47 5,8 71,4 82,8

          29 30 2,63 0,88 11,8 60,0 13,0 31 3,10 0,86 18,3 51,4 4,6

          28

          27 4,90 0,81 42,5

          25 3,80 0,87 58,7 31,6 4,8 26 4,90 0,80 e 0,98 i: 38,6-40,7; b: 23,6-34,8 51,0 i. 3,5; b: 8,3 i: 1,6; b: 12,6***

          24 3,21 0,77 15,0 44,0 11,0

          23 4,36 47,3

          21 41,8 22 3,01; 2,78; 3,74

          20 3,38 0,68 6,2-7,7 3,5

          19 3,66 41,3

          16 2,42 0,64 12,1 36,4 5,8

          Num. H' Equabilidade Área basal (m 2 . ha

        -1

        ) Spp. c/ 1 ind. (%) Mortas (%) Perfilhada %s

          15

          13 3,10 0,75 32,4 41,3 6,3 7,6 14 4,28 0,87 57,9 44,4 1,5 0,9

          12 3,33 0,78 26,3 32,8 7,8 8,8

          11 2,51 0,77 5,6 3,8 15,1 18,3

          9 4,21 0,87 41,9 48,0 10 4,30 0,86 34,8 50,0

          8 4,20 0,85 57,3 44,9 1,3

          7 4,57 0,88 26,9

          5 3,91 0,84 29,0 38,7 4,5 8,3 6 3,98 (sub-mata 4,27) 0,87 23,8

          4 1,75-1,99 36,5-37,0

          3 4,14 0,85 23,1 8,8

          1 4,13 0,78 49,1 54,7 3,5 ± 1,0 4,0 ± 3,0 2 4,14 0,85 23,1

          Média ± desvio padrão = 40,3 ± 15,8; n = 24 *** Valores estimados a partir de dados tabelados.

          

        Figura 10: Análise de agrupamento pela média de grupo (UPGMA), considerando 34

        localidades no Estado do Rio de Janeiro, a partir dos coeficientes de Jaccard originados da

        composição florística, após a exclusão das espécies registradas apenas em uma das

        localidades. O número 1 corresponde a área de estudo. Linhas horizontais limitam

        categorias em termos de similaridade. Coeficiente de correlação cofenética (r = 0,8622).

          Localidades

          C oe fi ci en te d e Ja cc ar d (U PG M A ) ba ix a si m il ar id ad e si m il ar al ta s im il ar id ad e

          26 28 18 7 17 9 10 8 1 27 21 14

        2 3 19 20 23 25 33 34 5

        6 22 15 29 12 13 11 16 24 4 30 31 32

          Localidades

          C oe fi ci en te d e Ja cc ar d (U PG M A ) ba ix a si m il ar id ad e si m il ar al ta s im il ar id ad e

          Localidades

          C oe fi ci en te d e Ja cc ar d (U PG M A ) ba ix a si m il ar id ad e si m il ar al ta s im il ar id ad e

          Localidades

          C oe fi ci en te d e Ja cc ar d (U PG M A ) ba ix a si m il ar id ad e si m il ar al ta s im il ar id ad e

          26 28 18 7 17 9 10 8 1 27 21 14

        2 3 19 20 23 25 33 34 5 6 22 15 29 12 13 11 16 24 4 30 31 32 Figura 11: Mapa com a distribuição das 34 localidades utilizadas na análise de similaridade florística para o Estado do Rio de Janeiro. A numeração refere-se aos levantamentos discriminados na tabela 6.

        DISCUSSÃO

          Caracterização florística A ausência de estabilização da curva do coletor indica que a ampliação da área

        amostral possivelmente acarretará na caracterização de uma maior proporção de espécies

        da comunidade arbóreo-arbustiva local. Desta forma, a alta diversidade registrada ainda

        não representa todo o potencial do componente avaliado na comunidade. Mesmo com

        grandes tamanhos de amostra essa tendência é frequentemente encontrada em estudos

        realizados em superfícies geográficas amplas e com significativa diversidade, como

        florestas tropicais (Schilling & Batista 2008). É provável que a ampla espacialização e a

        orientação variada das encostas nas quais os perfis se encontram, em comparação a outros

        estudos, tenha sido parcialmente responsável pelo alto número de espécies e morfo-

        espécies registrado, contribuindo para os indicadores de alta diversidade local. O critério

        de inclusão (≥ 2,5 cm) também influenciou no aumento da riqueza uma vez que incluiu na

        amostragem todo o estrato arbóreo e, parcialmente, o estrato arbustivo. A amostragem em

        possível zona de transição ou ecótone, considerando altitudes entre 400 e 500 m (Floresta

        Ombrófila Densa Submontana, senso Veloso et al. 1991), (perfis 1, 5, 6 e 7; q.v. Descrição

        da área) e entre 500 e 700, trechos de Floresta Ombrófila Montana (perfis 2, 3 e 4) também

        pode ter contribuído parcialmente para a alta diversidade registrada.

          A análise de similaridade florística aliada a parâmetros fitossociológicos (q.v.,

        Capítulo III) indica que a floresta existente no setor “A” do Parque Nacional da Tijuca,

        encontra-se, comparativamente, em bom estado de conservação, apesar de histórico de

        transformação e uso pretérito intensivo (Oliveira et al. 1995). Parece que os cerca de 200

        anos de medidas conservacionistas conduziram a área a um dos trechos mais bem

        conservados e biodiversos em termos regionais, contrapondo a noção disseminada que a

          

        outros trechos com histórico similar no estado do Rio de Janeiro. Além disso, apesar de ser

        uma floresta urbana cercada por uma metrópole, a composição do estrato arbóreo-

        arbustivo, nos trechos analisados, não parece estar sendo afetada expressivamente por

        impacto urbano e industrial, conforme observado em outros casos (Domingos et al. 2000;

        Klumpp et al. 2002; Domingos et al. 2003; Tagawa et al. 2009). Possivelmente, o histórico

        similar de transformação (Dean 1997) e, em alguns casos, a retração das atividades

        antrópicas diretas (Galindo-Leal & Câmara 2005), aliados à condições ecológicas similares

        (i.e. relevo, hidrologia, tipologia original da cobertura vegetal, regimes de precipitação e

        temperatura, disponibilidade de propágulos e agentes dispersores, tamanho das áreas)

        resultou em composições florestais relativamente semelhantes, especialmente em relação

        aos taxa mais comuns e de distribuição mais ampla e às famílias e gêneros mais

        representativos da Mata Atlântica, na tipologia Floresta Ombrófila Densa (senso Veloso et

        al . 1991). Tal condição levanta a hipótese que a relativa resiliência ou capacidade de

        autorregeneração da Mata Atlântica (Rodrigues et al. 2009) esteja associada às espécies

        mais comuns. Entretanto, não deve ser desconsiderada a significativa relevância que as

        espécies raras apresentam na comunidade (Kageyama et al. 1998; Guedes-Bruni et al.

        2009) e que, tanto regionalmente, quanto em relação ao domínio, as formações mais

        avançadas sucessionalmente e, consequentemente, caracterizadas como mais bem

        conservadas, são consideradas exceções (Ribeiro et al. 2009).

          Por outro lado, no contexto da hiper fragmentada Mata Atlântica nordestina, têm

        sido registradas significativas regressões sucessionais (senso Margalef 1975), por exemplo,

        com eliminação de elementos arbóreos mais raros e de maior porte, decorrentes das

        alterações associadas aos tamanhos reduzidos dos fragmentos e a condições diferenciadas

        de borda (e.g. Tabarelli & Peres 2002; Oliveira et al. 2004, 2008; Melo et al. 2006, 2007;

        Girão et al. 2007; Santos et al. 2008; Tabarelli et al. 2008, 2010 a, b).

          A divergência da capacidade de regeneração entre áreas de Mata Atlântica do

        nordeste e alguns trechos do sudeste permite, em sentido genérico, a analogia entre a

        dinâmica das florestas tropicais, normalmente imersas em paisagens continentais

        fragmentadas, e os princípios da Teoria da Biogeografia de Ilhas (McArthur & Wilson

        2001), i.e., menor riqueza de espécies relacionada a menores superfícies e grandes

        remanescentes funcionando como áreas continentais (e.g., Diamond 1975), levando em

        consideração, por exemplo, as ponderações de permeabilidade heterogênea para distintas

        formas de vida em matrizes não florestadas (e.g., Laurance et al. 2002), de proximidade

        entre fragmentos (e.g., Simberloff & Abele 1976, 1982) e corredores ecológicos (Zaú

        1997, 1998). Por fim, apesar da relativa capacidade de autorregeneração no bioma, em

        razão do quadro generalizado de fragmentação e degradação da Mata Atlântica (Ribeiro et

        al . 2009), é provável que o processo de regressão esteja ocorrendo também em outras

        regiões, alterando a biota e características ecológicas em escala evolutiva.

          As dez famílias que apresentaram maiores riquezas de espécies e somaram

        significativos percentuais, tanto em relação às espécies quanto em relação aos indivíduos,

        são características do domínio da Floresta Ombrófila Densa de baixas altitudes do sudeste

        brasileiro (Oliveira-Filho & Fontes 2000). Estudos semelhantes também indicaram

        Fabaceae, Myrtaceae, Lauraceae e Rubiaceae dentre as mais ricas em espécies (e.g., Kurtz

        & Araujo 2000; Moreno et al. 2003; Guilherme et al. 2004; Peixoto et al. 2004; Rodrigues

        2004; Pereira et al. 2006; Guedes-Bruni et al. 2006a; Souza et al. 2007) e, no caso das três

        últimas, indicadores de bom estado de conservação (Tabarelli et al. 1999). A família

        Lauraceae, que contribuiu com o maior número de espécies no estudo e foi uma das mais

        importantes em termos de indivíduos, apresenta alta expressividade tanto de gêneros

        quanto de espécies em comunidades arbóreas da Floresta Pluvial Atlântica do Estado do

        Rio de Janeiro (Quinet 2005). Já Myrtaceae é caracterizada como uma das mais

          

        importantes, não só regionalmente como em toda costa brasileira (e.g., Guedes-Bruni et al.

        1997; Kurtz & Araújo 2000; Oliveira-Filho & Fontes 2000). Esta família, distintamente de

        outras lenhosas ricas em espécies nas florestas neotropicais, apresenta seu principal centro

        de riqueza na costa brasileira (Tabarelli & Mantovani 1999), de tal modo que pode ser

        indicadora de padrões de alta diversidade no bioma Mata Atlântica, auxiliando na

        definição de áreas prioritárias para a conservação (Murray-Smith et al. 2009).

          A dominância de algumas famílias em termos de abundância de indivíduos na

        Tijuca é uma característica destacada em estudos florísticos no Rio de Janeiro (e.g.,

        Moreno et al. 2003; Pereira et al. 2006, Guedes-Bruni et al. 2006b; Souza et al. 2007).

        Juntamente com outros elementos, esse atributo contribui para a caracterização

        fitofisionômica da formação. Neste sentido, o conjunto dessas principais famílias, em

        especial Myrtaceae, Fabaceae, Melastomataceae e Arecaceae, tem influência marcada na

        fisionomia da Mata Atlântica em termos regionais. Os gêneros com maiores números de

        espécies na Tijuca: Eugenia, Myrcia e Ocotea, também foram caracterizados como os mais

        ricos por Oliveira-Filho & Fontes (2000). Além desses, Mollinedia e Trichilia igualmente

        encontram-se relacionados dentre aqueles com os maiores números de espécies nesta

        formação (Oliveira-Filho & Fontes 2000).

          A grande abundância de Arecaceae se deveu, principalmente, à ocorrência de

        Euterpe edulis , espécie relevante ecologicamente e considerada comum, mas ameaçada

        pela superexploração (Galetti & Aleixo 1998). Esta espécie é frequentemente categorizada

        como climácica e indicadora de áreas em bom estado de conservação (Guedes-Bruni et al.

          

        1997; Borém & Oliveira-Filho 2002; Rodrigues 2004; Pardo et al. 2007). Entretanto, ela

        pode ser também encontrada em locais perturbados pela ação antrópica (Pessoa et al.

          

        1997). Típica do dossel de florestas do estado do Rio de Janeiro apresenta regionalmente

          

        parâmetro pode ser influenciado por atividades de perturbação florestal, incluindo a

        extração seletiva, ele não deve ser interpretado diretamente como típico da biologia da

        espécie (Guedes-Bruni et al. 2006a).

          O fato das dez espécies mais abundantes terem correspondido com um pequeno

        percentual no conjunto das espécies, mas representarem mais da metade dos indivíduos da

        comunidade, ressalta a importância das mesmas na fitofisionomia da formação local.

        Também aponta que uma floresta em bom estado de conservação, apesar da alta riqueza,

        pode apresentar espécies abundantes localmente. Neste sentido, destacam-se as duas

        espécies mais abundantes de Arecaceae (Euterpe edulis e Geonoma schottiana) que juntas

        totalizaram cerca de 1/5 dos indivíduos, além das três mais abundantes de Myrtaceae

        (Myrceugenia myrcioides, Myrcia multiflora e Myrcia spectabilis).

          É clara a importância das espécies comuns e de ampla distribuição na composição

        da área estudada, considerando que mais de um quarto das espécies é composto por plantas

        comuns na Mata Atlântica, mais da metade não é endêmica deste bioma e quase 80%

        apresenta distribuição geográfica mais ampla que a região sudeste. Por outro lado, os

        percentuais de raridade e endemismo, especialmente no dossel, e o alto percentual de

        espécies com apenas um indivíduo (54%), os quais estão dentre os mais altos registrados

        em estudos regionais semelhantes (40,3 ± 15,8%, n = 24) e próximos aos encontrados em

        trechos conservados [e.g. Rodrigues (1996), Rodrigues (2004) e Moreno et al. (2003)]

        reforçam o caráter de alta riqueza do compartimento arbóreo-arbustivo na composição e

        diversidade da comunidade. O alto percentual das espécies com poucos indivíduos

        contribui para a concepção que as “espécies raras” são um dos principais componentes de

        riqueza e diversidade de espécies vegetais em florestas tropicais ombrófilas densas,

        influenciando nos padrões de diversidade α e β (Kageyama et al. 1998; Guedes-Bruni et al.

          

        em estudos fitossociológicos, ser considerada rara a espécie que apresenta uma densidade

        menor ou igual a um indivíduo por hectare (Guedes-Bruni et al. 2009), a área amostral da

        maioria dos estudos é inferior a isso, por exemplo, cerca de 76% dos casos aqui analisados

        (Tabela 6) foram feitos com áreas menores que 0,3 ha. Desta forma, esses percentuais de

        “raras” devem ser analisados com cautela, devendo ser considerados como percentuais que

        caracterizam as espécies que apresentaram um indivíduo na amostragem, e não, de fato,

        como “percentual de espécies raras”. Por outro lado, considerando que a análise da

        raridade associada ao percentual de unidades amostrais indicou que cerca de 60% das

        espécies e morfo-espécies ocorreram em menos de 5% das unidades amostrais, é reforçada

        a concepção que, apesar das florestas serem compostas por um conjunto de espécies

        comuns e de ampla distribuição geográfica, é também significativo o número de espécies

        que ocorrem em baixas densidades (Guedes-Bruni et al. 2009). Certamente, este é um dos

        fatores que geram as altas dissimilaridades florísticas entre localidades, levando à noção

        que cada trecho de floresta é distinto dos outros. Tais proporções também podem ser

        indicadoras que a pressão urbana exercida pela metrópole do Rio de Janeiro sobre a

        floresta, do ponto de vista florístico, não tem afetado significativamente os trechos

        analisados. Entretanto, como os trechos aqui estudados supostamente representam as

        melhores condições fitofisionômicas do interior do setor “A” do parque, é bastante

        possível que os impactos da pressão urbana sejam maiores nos trechos do Parque limítrofes

        à cidade (Figueró & Coelho-Netto 2007).

          Outros indicadores de conservação do componente arbóreo-arbustivo podem estar

        associados à amostragem baixa ou inexistente de espécies associadas a intensas e recentes

        atividades antrópicas, como exóticas e ruderais em grande abundância. Na mesma direção,

        o registro de espécies ameaçadas de extinção reforça os indicativos que a pressão antrópica

        direta tem sido relativamente controlada e que a floresta é bastante distinta daquelas mais

          

        recentemente alteradas antropicamente, com as localizadas em fragmentos de tamanho

        reduzido (e.g., Peixoto et al. 2004; Santana et al. 2004), ou em estágio inicial de sucessão

        (e.g., Oliveira 2002).

          Grupos sucessionais Comparativamente a estudos que determinaram percentuais para grupos ecológicos

        com base no número de indivíduos, o trecho aqui estudado apresentou percentuais mais

        baixos de pioneiras e de secundárias iniciais, e percentuais mais elevados de secundárias

        tardias/climácicas, corroborando os indicadores de estágio sucessional avançado (senso

        Budowski 1965) e a boa condição de conservação local. O percentual médio de pioneiras

        foi mais baixo que aquele encontrado em um trecho de Floresta Ombrófila Densa

        Submontana próximo à área estudada (3,5%; Peixoto et al. 2004, Parque Municipal da

        Serra da Capoeira Grande, no Rio de Janeiro, RJ – ponto 16, figura 11) e bastante mais

        baixo que os 12,1% encontrados em um trecho sob região fragmentada na mesma

        formação fitogeográfica (Carvalho et al. 2007, em Rio Bonito, RJ – ponto 5, figura 11).

          

        Neste caso, é provável que as diferenças sejam em parte decorrentes dos efeitos que a

        matriz circundante exerce no fragmento, diferentemente da área estudada, onde se analisa

        possíveis efeitos de bordas lineares decorrentes das estradas. Outro fator que pode ter

        influenciado nos percentuais mais altos de pioneiras naquele estudo pode estar associado

        ao tamanho reduzido do fragmento, em comparação ao trecho aqui analisado, uma vez que

        fragmentos com menores tamanhos tendem a ser mais afetados por efeitos de borda

        (Laurance 1991; Malcolm 1994; Murcia 1995). Outra hipótese não excludente e sinergética

        pode estar associada ao possível menor intervalo de tempo de ações antrópicas diretas no

        trecho mais fragmentado.

          As secundárias iniciais no PARNA Tijuca apresentaram percentuais mais baixos

        que os encontrados nos estudos anteriormente citados, à exceção dos trechos mais

        próximos às margens das estradas (0-10 m). Em contraposição, as secundárias

        tardias/climácicas, também à exceção das margens das estradas, apresentaram percentuais

        bastante mais altos no presente estudo, corroborando os indicadores de estágio sucessional

        avançado. Tais indicadores apontam que os agrupamentos sucessionais às margens das

        estradas não apresentam características semelhantes às de trechos mais conservados.

        Entretanto, a partir desta distância os grupos sucessionais passam a refletir uma condição

        mais avançada em termos de sucessão.

          A comparação com percentuais obtidos em um gradiente sucessional, em trecho de

        Floresta Ombrófila Densa Submontana distante cerca de 100 km (Alves et al. 2005 – ponto

        14, figura 11) apresentou percentuais de pioneiras semelhantes aos valores encontrados

        para a área clímax local e, na distância próxima à estrada, percentuais de secundárias

        iniciais e secundárias tardias/climácicas semelhantes aos encontrados no trecho com 50

        anos de idade. Desta forma, apesar dos trechos mais próximos às estradas apresentarem

        percentuais que não correspondem aos de trechos mais conservados, eles também não

        correspondem aos valores encontrados em trechos muito degradados ou em estágio inicial

        de sucessão, reforçando a assertiva que as bordas associadas às estradas são antigas e, de

        certa forma, estabilizadas ou tamponadas, mesmo apresentando condições inerentes à

        dinâmica florestal.

          Uma vez que os percentuais de pioneiras foram baixos e similares em todas as

        distâncias, e que para as secundárias iniciais não foram registradas diferenças entre as

        distâncias da estrada para o interior da floresta no PARNA Tijuca, é possível que a

        ocorrência desses indivíduos esteja mais associada à proximidade de clareiras naturais

        (Gómez-Pompa 1971, Denslow 1980, Brokaw 1982, Lima & Moura 2006) e, de forma não

          

        excludente, às áreas artificialmente mais abertas como estacionamentos e áreas de lazer,

        que associadas aos efeitos de borda decorrentes das estradas. A ocorrência de clareiras em

        equilíbrio dinâmico e, consequentemente de certo percentual de espécies associadas a

        estas, também é indicativo de maturidade da comunidade (Whitmore 1998).

          Mesmo levando em consideração as divergências em termos de classificação das

        espécies em seus respectivos grupos ecológicos, comparativamente, conclui-se que o

        trecho estudado encontra-se em estágio sucessional avançado, compatível com aspectos

        históricos e temporais do uso e conservação local. Soma-se a isso, o fato de uma parcela

        dos indivíduos não classificados no presente estudo pertencer a espécies menos

        frequentemente registradas em outros levantamentos florísticos e fitossociológicos

        similares regionalmente. Estas, normalmente, apresentam distribuições mais restritas e/ou

        ocorrem em formações mais avançadas em termos sucessionais (Guedes-Bruni et al. 2009;

        Caiafa & Martins 2010), devendo os percentuais de indivíduos de espécies secundárias

        tardias e climácicas serem ainda maiores que os registrados.

          A inversão entre os percentuais de indivíduos dos grupos sucessionais

        predominantes com o distanciamento da estrada indica, em alguma medida, a possível

        existência de efeitos de borda, especialmente nos dez primeiros metros da floresta. Como a

        ocorrência dos indivíduos das espécies pioneiras e das secundárias iniciais não foi

        influenciada significativamente pela distância da estrada, contrariamente ao observado para

        as secundárias tardias/climácicas, é suposto que possíveis efeitos de borda decorrentes das

        estradas estejam afetando mais significativamente o grupo das espécies consideradas mais

        avançadas em termos sucessionais. Uma vez que as pioneiras Tibouchina, Aegiphila

        sellowiana Cham., Casearia sylvestris Sw. e Zanthoxylum rhoifolium Lam. são

        consideradas comuns na Mata Atlântica (Oliveira-Filho & Fontes 2000; Oliveira 2005;

        Caiafa & Martins 2010), fatores associados à distribuição geográfica ampla e à ocorrência

          

        em hábitats variados (espécies habitat generalistas ou euriécias, senso Begon et al. 2006)

        podem estar minimizando diferenças em relação aos perfis das margens da estrada para o

        interior da floresta. O mesmo padrão de ampla ocorrência na Mata Atlântica e, em alguns

        casos, a ocorrência em outros biomas brasileiros, é registrado para quatro das cinco

        espécies secundárias iniciais mais abundantes localmente: Myrceugenia myrcioides,

        Myrcia multiflora, Guapira opposita e Guarea macrophylla. Entretanto, para as

        secundárias tardias/climácicas, à exceção de E. edulis, considerada não só uma espécie

        comum (Oliveira-Filho & Fontes 2000; Caiafa & Martins 2010), mas característica da

        Mata Atlântica (Guedes-Bruni et al. 1997), e de A. intermedia também descrita como

        comum (Caiafa & Martins 2010), as outras mais abundantes localmente, ou não são citadas

        ou o são em alguma forma de raridade ou ocorrência menos frequente. Desta forma, é

        possível supor que as diferenças encontradas no grupo de secundárias tardias/climácicas

        estejam associadas à maior especificidade destas em relação aos hábitats, semelhantemente

        ao descrito por Guedes-Bruni et al. (2009). Consequentemente, espécies hábitat

        especialistas ou estenoécias (senso Begon et al. 2006) devem apresentar mais sensibilidade

        também aos efeitos de borda, especialmente aqueles incidentes nos trechos mais afetados.

          Entretanto, como foram encontradas diferenças entre os perfis analisados, tanto nas

        secundárias iniciais quanto nas secundárias tardias/climácias, condições distintas

        decorrentes da orientação e declividade das encostas, relevo, hidrologia, proximidade com

        áreas de lazer e estacionamentos, histórico de cada localidade ou decorrentes do acaso

        (Brokaw & Busing 2000), podem ter influenciado a distribuição dos indivíduos de espécies

        de estágios sucessionais distintos.

          Síndromes de dispersão Os altos percentuais de indivíduos com síndromes de dispersão zoocórica

        corroboram o padrão observado para florestas tropicais (e.g., Howe & Smallwood 1982;

          Talora & Morellato 2000; Budke et al. 2005; Zipparro et al. 2005).

          As espécies zoocóricas mais abundantes localmente (E. edulis, M. myrcioides, G.

        schottiana , M. multiflora, G. opposita) totalizaram mais de 40% dos indivíduos

        amostrados. É provável que as mesmas representem uma parcela relevante dos recursos

        alimentares na comunidade (e.g., Tabarelli & Peres 2002), o que reforça que o estudo dos

        aspectos reprodutivos das espécies deve ser uma das prioridades para a conservação das

        comunidades (e.g., Reis et al. 2000; Melo et al. 2003, 2006; Girão et al. 2007; Rodrigues

        et al . 2009; Aguiar et al. 2010; Tabarelli et al. 2010b).

          Apesar da ocorrência dos indivíduos zoocóricos não ter sido influenciada pela

        distância da estrada, nem pelos sítios de estudo, e da ocorrência de anemocóricos e

        autocóricos também não ter sido influenciada pela distância da estrada, é possível que

        fatores associados à estratificação vertical, ao posicionamento geoecológico e à dinâmica

        de clareiras influenciem na ocorrência dos mesmos (Gómez-Pompa 1971; Whitmore

        1998). A semelhança entre borda e interior para zoocoria foi observada em um fragmento

        de Floresta Semidecidual em Minas Gerais (Nunes et al. 2003). Entretanto, a maior

        anemocoria nas bordas foi associada à exposição mais acentuada ao vento. E, uma vez que

        vários estudos observaram diferenças nos padrões de dispersão em bordas e fragmentos

        pequenos, em comparação aos registrados no interior de grandes remanescentes (Tabarelli

        & Peres 2002; Melo et al. 2003, 2006, 2007; Pimentel et al. 2004; Aguiar et al. 2010;

        Tabarelli et al. 2010b), é pertinente avaliar os resultados aqui encontrados com

          

        ponderação, visto que, classificações a partir de dados secundários, por vezes, têm que

        realizar definições a partir de posições contraditórias.

          Similaridade regional A exclusão de espécies que foram registradas em apenas uma das localidades, não

        deve conduzir à concepção que esta seja a forma mais adequada para todas as análises de

        similaridade florística. Mesmo porque, a heterogeneidade florística em escalas local e

        regional é reconhecidamente um padrão característico da Mata Atlântica brasileira

        (Tabarelli & Mantovani 1999; Oliveira Filho & Fontes 2000). Entretanto, neste estudo,

        esta forma de análise simplificadora foi adotada objetivando minimizar distorções

        decorrentes de possíveis deficiências amostrais e/ou de critérios de inclusões distintos.

        Provavelmente, análises associadas a partir de dados obtidos em levantamentos

        fitossociológicos expeditos e registros de ocorrência de espécies a partir de bases de dados

        de herbários conduzirão a diagnósticos mais precisos em termos de similaridades e

        dissimilaridades regionais, uma vez que poderão, de forma complementar, representar

        melhor a diversidade de cada localidade.

          A análise de agrupamento sugere a concepção de gradiente em continuum (Mueller-

        Dombois & Ellenberg 1974; Austin 1985) mais que a de grupos similares e dissimilares

        que poderiam caracterizar comunidades discretas. Predominou a baixa similaridade

        regional, corroborando o padrão observado por Silva & Shepherd (1986). Entretanto,

        algumas similaridades puderam ser observadas, notadamente associadas à proximidade

        geográfica, fato semelhante ao registrado por Rodrigues (2004) e parcialmente por Peixoto

        et al . (2004). Fatores ligados ao grau de alteração antrópica, como caracterizado para

        alguns agrupamentos por Peixoto et al. (2004), à temporalidade das mesmas e,

          

        consequentemente ao estágio sucessional dos trechos de mata, além da altitude e da

        tipologia vegetal parecem ter influenciado nos agrupamentos florísticos.

        CONCLUSÕES

          Os indicadores florísticos, de diversidade, dos grupos sucessionais e das síndromes

        de dispersão, além da análise de similaridade apontam que a área estudada encontra-se em

        estágio de desenvolvimento avançado e em bom estado de conservação, ao contrário da

        noção disseminada de uma floresta com características antrópicas mais acentuadas que as

        de outros remanescentes similares no estado do Rio de Janeiro. Como tanto em termos

        regionais, quanto em relação ao bioma Mata Atlântica as formações mais avançadas

        sucessionalmente e, consequentemente, mais bem conservadas são consideradas exceções,

        é reforçada a relevância ecológica do trecho estudado.

          Em relação aos perfis margens da estrada – interior da floresta, os resultados

        sugerem a existência de efeitos de borda em determinados componentes biológicos,

        incidindo de forma mais acentuada nos primeiros metros após as margens das estradas.

        Entretanto, tais efeitos parecem ser derivados de condições complexas (Asbjornsen et al.

        2004; Marchand & Houle 2006) de difícil generalização (Laurance & Bierregaard 1997;

        Saunders et al. 1999; Malcolm 2001; Harper et al. 2005; Rodrigues & Nascimento 2006).

        REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Abreu, M.A. 1992. Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. SMCTE, Rio de Janeiro

          336p.

        ACIESP - Academia de Ciências do Estado de São Paulo. 1997. Glossário de Ecologia.

          2ed. ACIESP, CNPq, FAPESP, Secretaria de Ciência e Tecnologia, São Paulo. 352p.

        Aguiar, A.V. & Tabarelli, M. 2010. Edge effects and seedling bank depletion: the role

        played by the early successional palm Attalea oleifera (Arecaceae) in the Atlantic

          Forest. Biotropica 42(2): 158-166.

        Alves, S.L.; Zaú, A.S.; Oliveira, R.R.; Lima, D.F. & Moura, C.J.R. 2005. Sucessão

        florestal e grupos ecológicos em Floresta Atlântica de Encosta, Ilha Grande, Angra dos

          Reis / RJ. Revista Universidade Rural: Série Ciências da Vida 25(1): 26-32.

        Alvey, A.A. 2006. Promoting and preserving biodiversity in the urban forest. Urban

        Forestry & Urban Greening 5(4):195–201.

          

        Ament, R.; Clevenger, A.P.; Yu O. & Hardy, A. 2008. An Assessment of Road Impacts on

        Wildlife Populations in U.S. National Parks. Environmental Management 42: 480-496.

          

        Angiosperm Phylogeny Group. 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group

        classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161(2): 105-121.

        Arango, H.G. 2001. Bioestatística teórica e computacional. Editora Guanabara Koogan

        S.A., Rio de Janeiro. 235p.

          

        Asbjornsen, H.; Ashton, M.S.; Vogt, D.J. & Palacios, S. 2004. Effects of habitat

        fragmentation on the buffering capacity of edge environments in a seasonally dry tropical oak forest ecosystem in Oaxaca, Mexico. Agriculture, Ecosystems and Environment 103: 481-495.

          

        Austin, M.P. 1985. Continuum concept, ordination methods, and niche theory. Annual

        Review of Ecology and Systematics 16(1): 39-61.

          

        Ayres, M.; Ayres Júnior, M.; Ayres, D.L. & Santos, A.A. Bioestat. Versão 5.0. Belém, PA.

          2007. Disponível em <http://www.mamiraua.org.br/>. Acesso em 19 de fevereiro 2008.

          

        Barros, A.A.M. de. 2008. Análise florística e estrutural do Parque Estadual da Serra da

        Tiririca, Niterói e Maricá, Rio de Janeiro, Brasil. Tese de Doutorado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro / Escola Nacional de Botânica Tropical, Rio de Janeiro. 213p.

          

        Barroso, G.M.; Guimarães, E.F.; Ichaso, C.L.F.; Costa, C.G. & Peixoto, A.L. 1978.

          Sistemática de Angiospermas do Brasil. Vol. 1. Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo. 255p.

          

        ____________; Peixoto, A.L.; Costa, C.G.; Ichaso, C.L.F.; Guimarães, E.F. & Lima, H.C.

          1984. Sistemática das Angiospermas do Brasil. Vol. 2. UFV, Impr. Univ., Viçosa. 377p.

          

        ____________; Peixoto, A.L.; Costa, C.G.; Falcão, C.L.I.; Guimarães, E.F. & Lima, H.C.

          1986. Sistemática das Angiospermas do Brasil. Vol. 3. UFV, Impr. Univ., Viçosa. 326p.

          

        Begon, M.; Townsend, C.R.; Harper, J.L. 2006. Ecology: from individuals to ecosystems.

          4ed. Blackwell Publishing, Oxford. 738 p.

        Bierregaard Jr. R.O.; Gascon, C.; Lovejoy, T.E. & Mesquita, R.C.G. 2001. Lessons from

        Amazonia: the ecology and conservation of a fragmented forest. Sheridan Books,

          Michigan. 478p.

        Borém, R.A.T. & Ramos, D.P. 2001. Estrutura fitossociológica da comunidade arbórea de

        uma toposseqüência pouco alterada de uma área de floresta atlântica, no município de

          Silva Jardim-RJ. Revista Árvore, 25(1): 131-140.

        ____________ & Oliveira-Filho, A.T. 2002. Fitossociologia do estrato arbóreo em uma

        topossequência alterada de Mata Atlântica, no município de Silva Jardim-RJ, Brasil.

          Revista Árvore 26(6): 727-742.

        Bortolus, A. 2008. Error Cascades in the Biological Sciences: The Unwanted

          

        Brasil. 2008. Instrução normativa nº 6, de 23 de setembro de 2008. Lista oficial das

        espécies da flora brasileira ameaçada de extinção. Brasília, Ministério do Meio Ambiente 55p.

        Braz, D.M.; Moura, M.V.L.P. & Rosa, M.M.T. 2004. Chave de identificação para as

        espécies de dicotiledôneas arbóreas da Reserva Biológica de Tinguá, RJ, com base em caracteres vegetativos. Acta Botanica Brasílica 18(2): 225-240.

        Brokaw, N.V.L. 1982. The definition of treefall gap and its effect on measures of forest

        dynamics. Biotropica 14(2): 158-160.

          

        ____________ & Busing, R.T. 2000. Niche versus chance and tree diversity in forest gaps.

          Trends in Ecology and Evolution 15(5): 183-188.

        Budke, J.C.; Athayde, E.A.; Giehl, E.L.H.; Eisinger, S.M. & Záchia, R.A. 2005.

          Composição florística e estratégias de dispersão das espécies lenhosas em uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Iheringia, Série Botânica 60(1): 17-24.

        Budowski, G. 1965. Distribution of tropical American rain forest species in the light of

        successional processes. Turrialba 15(1): 40-42.

          

        Caiafa, A.N. & Martins, F.R. 2010. Forms of rarity of tree species in the southern Brazilian

        Atlantic rainforest. Biodiversity and Conservation 19(9): 2597-2618.

          

        Carvalho, F.A.; Nascimento, M.T. & Braga, J.M. A. 2006. Composição e riqueza florística

        do componente arbóreo da Floresta Atlântica submontana na região de Imbaú, Município de Silva Jardim, RJ. Acta Botanica Brasilica 20(3): 727-740.

        ___________; Nascimento, M.T. & Braga, J.M.A. 2007. Estrutura e composição florística

        do estrato arbóreo de um remanescente de Mata Atlântica submontana no município de Rio Bonito, RJ, Brasil (Mata Rio Vermelho). Revista Árvore 31: 717-730. Clark, D.B. 1996. Abolishing virginity. Journal of Tropical Ecology 12: 735-739.

        CRIA. 2010. Species link. Dados e ferramentas. Conversor. Disponível em

        <http://splink.cria.org.br/conversor?criaLANG=pt>. Acesso em 20 de julho 2010.

          

        Dean, W. 1997. With broadax and firebrand: the destruction of the Brazilian Atlantic

        forest. University California Press, California. 460p.

          

        Denslow, J.S. 1980. Gap partioning among tropical rain forest trees. Biotropica 12: 47-55.

        Diamond, J.M. 1975. “The Island Dilemma: Lessons of Modern Biogeographic Studies for

        the Design of Natural Reserves”. Biological Conservation 7(2): 129-146.

          

        Domingos, M.; Lopes, M.I.M. & Vuono, Y.S. 2000. Nutrient cycling disturbance in

        Atlantic Forest sites affected by air pollution coming from the industrial complex of Cubatão, Southeast Brazil. Revista Brasileira de Botânica 23(1): 77-85.

        ____________; Klumpp, A.; Rinaldi, M.C.S.; Modesto, I.F.; Klumpp G. & Delitti, W.B.C.

          2003. Combined effects of air and soil pollution by fluoride emissions on Tibouchina pulchra Cogn., at Cubatão, SE Brazil, and their relations with aluminium. Plant and Soil 249(2): 297–308.

          

        Durigan, G. 2003. Métodos para análise da vegetação arbórea. In: Cullen Jr., L.;

        Valladares-Pádua, C. & Rudran, R. Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre . Ed. da Universidade Federal do Paraná, Curitiba. Pp. 455- 480.

          

        Faria, M.J.B. 2005. Florística e estrutura de um trecho da borda de um Fragmento de Mata

        Atlântica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul, nos municípios de Volta Redonda e Barra Mansa. Dissertação de Mestrado. Instituto de Florestas – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 52 p.

          

        Figueró, A.S. & Coelho-Netto, A.L. 2007. Análise da variabilidade térmica em zonas de

        bordas florestais com interface urbana no Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ.

          Ciência e Natura 29(2): 173-186.

        Gabriel, M.M. 2009. Efeitos de borda sobre a comunidade arbórea da Reserva Biológica

        União, RJ. Dissertação de Mestrado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de

          Janeiro/Escola Nacional de Botânica Tropical, Rio de Janeiro. 85p.

        Galetti, M. & Aleixo, A. 1998. Effects of palm heart harvesting on avian frugivores in the

        Atlantic rain forest of Brazil. Journal of Applied Ecology 35(2): 286–293.

          

        Galindo-Leal, C. & Câmara, I.G. 2005. Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e

        perspectivas. Fundação SOS Mata Atlântica, São Paulo. Conservação Internacional, Belo Horizonte. 472 p.

        Gardner, T.A.; Barlow, J.; Sodhi, N.S. & Peres, C.A. 2010. A multi-region assessment of

        tropical forest biodiversity in a human-modified world. Biological Conservation In

          Press. doi:10.1016/j.biocon.2010.05.017.

          

        Gentry, A.H. 1993. A Field guide to the families and genera of Woody plants of Northwest

        South America. Conservation International, Washington. 895p.

          

        Girão, L.C.; Lopes, A.V.; Tabarelli, M. & Bruna, E.M. 2007. Changes in tree reproductive

        traits reduce functional diversity in a fragmented Atlantic forest landscape. PLoS One 2: e908.

        Giulietti, A.M.; Harley, R.M.; Queiroz, L.P.; Wanderley, M.G.L. & Van Den Berg, C.

          2005. Biodiversity and Conservation of Plants in Brazil. Conservation Biology 19(3):632-639.

          

        Gómez-Pompa, A. 1971. Posible papel de la vegetación secundaria en la evolución de la

        flora tropical. Biotropica 3(2): 125-135.

          

        Gonçalves, E.G. & Lorenzi, H. 2007. Morfologia vegetal: organografia e dicionário

        ilustrado de morfologia das plantas vasculares. Instituto Plantarum de Estudos da Flora, Nova Odessa. 448p.

        Google Earth 2010. Google Earth v. 5.2.1.1329 (beta). Disponível em

        <http://earth.google.it/intl/pt-PT/download-earth.html>. Acesso em 01 de junho 2010.

          

        GraphPad Prism version 5.00 for Windows. 2007. GraphPad Software, San Diego,

        California USA. Disponível em <http://www.graphpad.com/prism/Prism.htm>.

          Acesso em 22 de fevereiro 2008.

        Guedes-Bruni, R.R., Pessoa, S.V.A. & Kurtz, B.C. 1997. Florística e estrutura do

        componente arbustivo-arbóreo de um trecho preservado de floresta montana na

          Reserva Ecológica de Macaé de Cima. In: Lima, H.C. & Guedes-Bruni, R.R. Serra de Macaé de Cima: diversidade florística e conservação em Mata Atlântica . Instituto

          

        ____________; Silva Neto, S.J.; Morim, M.P. & Mantovani, W. 2006a. Composição

        florística e estrutura de trecho de Floresta Ombrófila Densa Atlântica aluvial na Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 57(3): 413-428.

        ____________; Silva Neto, S.J.; Morim, M.P. & Mantovani, W. 2006b. Composição

        florística e estrutura de dossel em trecho de Floresta Ombrófila Densa Atlântica sobre morrote mamelonar na Reserva Biológica de Poço das Antas, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 57(3): 429-442.

        ____________; Silva, A.G. & Mantovani, W. 2009. Rare canopy species in communities

        within the Atlantic Coastal Forest in Rio de Janeiro State, Brazil. Biodiversity and

          Conservation 18(2): 387-403.

        Guilherme, F.A.G; Morellato, L.P.C. & Assis, M.A. 2004. Horizontal and vertical tree

        community structure in a section of lowland Atlantic Rain Forest in the Intervales

          State Park, southeastern Brazil. Revista Brasileira de Botânica 27(4): 725-737.

        gvSIG 2010. gvSIG v. 1.10. Disponível em <http://www.gvsig.org.> Acesso em 02 de

        junho de 2010.

          

        Hamberg, L.; Lehvävirta, S.; Malmivaara-Lämsä, M.; Rita, H. & Kotze, D. J. 2008. The

        effects of habitat edges and trampling on understorey vegetation in urban forests in Helsinki, Finland. Applied Vegetation Science 11(1): 83-98. Harper, J.L., 1997. Population biology of plants. Academic Press, London. 812p.

        Howe, H.F. & Smallwood, J. 1982. Ecology of seed dispersal. Annual Review of Ecology

        and Systematics 13: 201-228.

          

        IBGE. 1992. Manual técnico da vegetação brasileira. Série Manuais Técnicos em

        Geociências n.1. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

          Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, Rio de Janeiro. 92p.

        ____________. 2010. Bases e referenciais. Disponível em

        <http://www.ibge.gov.br/mapas_ibge/bases_malhas.php>. Acesso em 27 de maio

          2010.

          

        JBRJ. 2010. Lista de espécies da Flora do Brasil. Disponível em

        <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/>. Acesso em 27 de maio 2010.

          

        Jesus, M.F.S. de. 2009. Análise dos efeitos de borda sobre a composição, dinâmica e

        estrutura da comunidade arbórea na Mata Atlântica da Reserva Biológica do Tinguá – RJ. Dissertação de Mestrado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro/Escola Nacional de Botânica Tropical, Rio de Janeiro. 149p.

          

        Joly, A.B. 1985. Botânica: Introdução à Taxonomia Vegetal. 7ed. Editora Nacional, São

        Paulo. 778p.

          

        Kageyama, P.Y.; Gandara, F. & Souza, L.M.I. 1998. Consequências Genéticas da

        Fragmentação sobre Populações e Espécies Arbóreas. Série Técnica Ipef 12(32): 65-

          70. Klumpp, A.; Domingos, M. & Klumpp, G. 2002. Foliar nutrient contents in tree species of the Atlantic rain forest as influenced by air pollution from the industrial complex of Cubatão, SE-Brazil. Water, Air and Soil Pollution 133: 315-333.

        Kurtz, B.C. & Araujo, D.S.D. 2000. Composição florística e estrutura do componente

        arbóreo de um trecho de Mata Atlântica na Estação Ecológica Estadual do Paraíso,

          Cachoeira de Macacú, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 51: 69-112.

        Laurance, W.F. 1991. Edge effects in tropical forest fragments: applications of a model for

        the design of nature reserves. Biological Conservation 57: 205-219.

          

        ____________ & Bierregaard, R.O. (Eds.) Tropical forest remnants: Ecology,

        Management, and Conservation of fragmented communities . The University of Chicago Press. Chicago, 1997. 616 p.

          

        ____________; Lovejoy, T.E.; Vasconcelos, H.L.; Bruna, E.M.; Didham, R.K.; Stouffer,

        P.C.; Gascon, C.; Bierregaard, R.O.; Laurance, S.G. & Sampaio, E. 2002. Ecosystem decay of Amazonian Forest fragments: a 22-year investigation. Conservation Biology 16: 605–618.

          

        ____________; Nascimento, H.E.M.; Laurance, S.G.W.; Andrade, A.C.S.; Ewers, R.M.;

        Harms, K.E.; Luizão, R.C.C. & Ribeiro, J.E.L.S. 2007. Habitat fragmentation, variable

          

        Lima, M.P.; Guedes-Bruni, R.R.; Vieira, C.M.; Correia, C.M.B.; Araújo, I.A. 1994.

          Identificação das famílias com espécies arbóreas. In: Lima, M.P. & Guedes-Bruni, R.R. Reserva Ecológica de Macaé de Cima, Nova Friburgo – RJ, aspetos florísticos das espécies vasculares. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Vol. 1.

          Pp. 61-74.

        Lima, R.A.F. & Moura, L.C. 2006. Canopy gap colonization in the Atlantic montane rain

        forest. Brazilian Archives of Biology and Technology 49(6): 953-965.

          

        MacArthur, R.H. & Wilson, E.O. 2001. The Theory of Island Biogeography. Princeton,

        NJ: Princeton University Press. 224p.

          

        Malcolm, J.R. 1994. Edge Effects in Central Amazonian Forest Fragments. Ecology 75(8):

        2438-2445.

          

        ____________. 2001. Extending models of edge effects to diverse landscape

        configurations, with a test case from the Neotropics. In: Bierregaard Jr., R.O.; Gascon, C.; Lovejoy, T.E. & Mesquita, R.C.G. Lessons from Amazonia: the ecology and conservation of a fragmented forest . Sheridan Books, Michigan. Pp. 346-357.

          

        Marchand, P. & Houle, G. 2006. Spatial patterns of plant species richness along a forest

        edge: What are their determinants? Forest Ecology and Management 223: 113–124.

          Margalef, R. 1975. Ecologia. Ediciones Omega, Barcelona. 951p.

        Marsh, D.M. & Beckman, N.G. 2004. Effects of forest roads on the abundance and activity

        of terrestrial salamanders. Ecological Applications 14(6) 1882-1891.

          

        Matos, W.R. 2007. Composição Florística e Estrutura de um Trecho de Floresta Urbana,

        nos Contrafortes do Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado.

          Museu Nacional do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 67p.

          

        MBG Tropicos. 2009. Missouri Botanical Garden. Disponível em

        <http://www.tropicos.org.> Acessado em 14 de setembro de 2009.

          

        McCune, B. & Grace, J.B. 2002. Analysis of Ecological Communities. MjM Software

        Design, Gleneden Beach, Oregon. 300p.

          

        Melo, F.P.L. & Tabarelli, M. 2003. Seed dispersal and demography of pioneer trees: The

        case of Hortia arborea. Plant Biology 5: 359-365.

          

        ____________; Dirzo, R. & Tabarelli, M. 2006. Biased seed rain in forest edges: Evidence

        from the Brazilian Atlantic forest. Biological Conservation 132: 50-60.

          

        ____________; Lemire, L.D. & Tabarelli, M. 2007. Extirpation of large-seeded seedlings

        from the edge of a large Brazilian Atlantic forest fragment. Ecoscience 14: 124-129.

          

        MMA. 2010. Mapas de Cobertura Vegetal dos Biomas Brasileiros. Disponível em

        <http://mapas.mma.gov.br/mapas/aplic/probio/datadownload.htm?/>. Acesso em 22 de julho 2010.

        Morellato, L.P.C. & Haddad, C.F.B. 2000. Introduction: The Brazilian Atlantic Forest.

          Biotropica 32(4b): 786-792.

        Moreno, M.R.; Nascimento, M.T. & Kurtz, B.C. 2003. Estrutura e composição florística do

        estrato arbóreo em duas zonas altitudinais na Mata Atlântica de encosta da região do

          Imbé, RJ. Acta Botanica Brasilica 17: 371-386.

        Mueller-Dombois, D. & Ellenberg, H. 1974. Aims and Method of Vegetation Ecology.

          John Wiley and Sons, New York. 574 p.

        Murcia, C. 1995. Edge effects in fragmented forests: implications for conservation. Trends

        in Ecology & Evolution 10(2): 58-62.

          

        Murray-Smith, C.; Brummitt, N.A.; Oliveira-Filho, A.T.; Bachman, S.; Moat, J.;

        Lughadha, E.M.N. & Lucas, E.J. 2009. Plant Diversity Hotspots in the Atlantic Coastal Forests of Brazil. Conservation Biology 23(1):151–163.

        Neves, G.M.da S. & Peixoto, A.L. 2008. Florística e estrutura da comunidade arbustivo-

        arbórea de dois remanescentes em regeneração de Floresta Atlântica secundária na

          Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro. Pesquisas, Botânica 59: 71-112.

          

        Nunes, Y.R.F.; Mendonça, A.V.R.; Machado, E.L.M. & Oliveira-Filho, A.T. 2003.

          Variações da fisionomia, diversidade e composição de guildas da comunidade arbórea em um fragmento de Floresta Semidecidual em Lavras - MG. Acta Botanica Brasilica

          

        Oliveira, R.R. 2002. Ação antrópica e resultantes sobre a estrutura e composição da Mata

        Atlântica na Ilha Grande, RJ. Rodriguésia 53(82): 33-58.

          

        ____________. 2005. As marcas do homem na floresta: História Ambiental de um trecho

        urbano de Mata Atlântica. Vol. 1. Editora PUC-Rio, Rio de Janeiro. 230 p.

        ____________. & Zaú, A.S. 1995. Método alternativo de subida em árvore. Bromélia

        2(11): 6-11.

          

        ____________; Zaú, A.S.; Lima, D.F; Silva, M.B.R. & Vianna, M.C. 1995. Dinâmica

        ecológica de encostas no Maciço da Tijuca - RJ. Oecologia Brasiliensis 1: 523-541.

          

        Oliveira, M.A.; Grillo, A.S. & Tabarelli, M. 2004. Forest edge in the Brazilian Atlantic

        forest: Drastic changes in tree species assemblages. Oryx 38: 389-394.

          

        ____________; Santos, A.M.M. & Tabarelli, M. 2008. Profound impoverishment of the

        large-tree stand in a hyper-fragmented landscape of the Atlantic forest. Forest Ecology and Management 256: 1910-1917.

        Oliveira-Filho, A.T. & Fontes, M.A.L. 2000. Patterns of floristic differentiation among

        Atlantic Forests in southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica 32(4b):

          793-810.

        Pardo, C.S.; Terra, G.; Neri, A.C.A.; Matos, D.M.S. 2007. Florística do componente

        arbóreo de um trecho de floresta do Parque Nacional da Serra dos Órgãos,

          Teresópolis, RJ. Revista Brasileira de Biociências 5(2): 792-794.

        Peixoto G.L.; Martins S.V.; Silva, A.F. & Silva, E. 2004. Composição florística do

        componente arbóreo de um trecho de Floresta Atlântica na Área de Proteção

          Ambiental da Serra da Capoeira Grande, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta Botânica Brasílica 18(1): 151-160.

          

        Pereira, I.M.; Oliveira-Filho, A.T.; Botelho, S.A.; Carvalho, W.A.C.; Fontes, M.A.L.;

        Schiavini, I. & Silva, A.F. 2006. Composição florística do compartimento arbóreo de cinco remanescentes florestais do maciço do Itatiaia, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Rodriguésia 57: 103-126.

          

        Pessoa, S.V.A. & Oliveira, R.R. 2006. Análise estrutural da vegetação arbórea em três

        fragmentos florestais na Reserva Biológica de Poço das Antas, Rio de Janeiro, Brasil.

          Rodriguésia 57: 391-412.

        ____________; Guedes-Bruni, R.R & Kurtz, B.C. 1997. Composição florística e estrutura

        do componente arbustivo arbóreo de um trecho secundário de floresta Montana na

          Reserva Ecológica de Macaé de Cima. In. Lima, H.C.; Guedes-Bruni, R.R. Serra de Macaé de Cima: diversidade florística e conservação em Mata Atlântica. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Pp. 147-167.

          

        Pietro, P.V. 2008. Efeitos de borda sobre o sub-bosque da Mata Atlântica de terras baixas

        na Reserva Biológica União, RJ. Dissertação de Mestrado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro / Escola Nacional de Botânica Tropical, Rio de Janeiro. 123p.

          

        Pimentel, D.S. & Tabarelli, M. 2004. Seed dispersal of the palm Attalea oleifera in a

        remnant of the Brazilian Atlantic Forest. Biotropica 36: 74-84.

          

        Quinet, A. 2005. Sinopse taxonômica da família Lauraceae no estado do Rio de Janeiro,

        Brasil. Acta Botanica Brasilica 19: 563-572.

          

        Reis, M.S.; Fantini, A.C.; Nodari, R.O.; Reis, A.; Guerra, M.P. & Mantovani, A. 2000.

          Management and Conservation of Natural Populations in Atlantic Rain Forest: The

        Case Study of Palm Heart (Euterpe edulis Martius). Biotropica 32(4b): 894–902.

          

        Rejmanek, M. & Brewer, S.W. 2001. Vegetative identification of tropical woody plants.

          Biotropica 33: 214-228.

        Ribeiro, J.E.L.S.; Hopkins, M.J.G.; Vicentini, A.; Sothers, C.A.; Costa, M.A.S.; Brito,

        J.M.; Souza, M.A.D.; Martins, L.H.P.; Lohmann, L.G.; Assunção, P.A.C.L.; Pereira,

          E.C.; Silva, C.F.; Mesquita, M.R. & Procópio, L.C. 1999. Flora da Reserva Ducke. Vol. 1. 1ed. INPA/DFID, Manaus. 800p.

          

        Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P.; Martensen, A.C.; Ponzoni, F.J. & Hirota, M.M. 2009. The

        Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation 142(6): 1141- 1153.

          

        Rizzini, C.T. 1997. Tratado de Fitogeografia do Brasil: aspectos ecológicos, sociológicos e

        florísticos. 2ed. Âmbito Cultural Edições Ltda, Rio de Janeiro. 747p.

          

        Rodrigues, H.C. 1996. Composição florística e fitossociológica de um trecho de Mata

        Atlântica na Reserva Biológica do Tinguá, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Museu Nacional do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 77p.

          

        Rodrigues, P.J.F.P. 2004. A vegetação da Reserva Biológica União e os efeitos de borda na

        Mata Atlântica fragmentada. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes. 153p.

        ____________ & Nascimento, M.T. 2006. Fragmentação florestal: breves considerações

        teóricas sobre efeitos de borda. Rodriguésia 57(1): 63-74.

          

        Rodrigues, R.R.; Lima, R.A.F.; Gandolfi, S. & Nave, A.G. 2009. On the restoration of high

        diversity forests: 30 years of experience in the Brazilian Atlantic Forest. Biological Conservation 142: 1242–1251.

        Santana, C.A.A.; Lima, C.C. & Magalhães, L.M.S. 2004. Estrutura horizontal e

        composição florística de três fragmentos secundários na cidade do Rio de Janeiro.

          Acta Scientiarum 26(4): 443-451.

        Santos, B.A.; Peres, C.A.; Oliveira, M.A.; Grillo, A.S.; Alves-Costa, C.P. & Tabarelli, M.

          2008. Drastic erosion in functional attributes of tree assemblages in Atlantic forest fragments of northeastern Brazil. Biological Conservation 141: 249-260.

          

        Saunders, S.C.; Chen, J.; Drummer, T.D. & Crow, T.R. 1999. Modeling temperature

        gradients across edges over time in a managed landscape. Forest Ecology and Management 117(1): 17-31.

        Schilling, A.C. & Batista, J.L.F. 2008. Curva de acumulação de espécies e suficiência

        amostral em florestas tropicais. Revista Brasileira de Botânica 31(1): 179-187.

          

        Shepherd, G.J. 2006. Fitopac 1.6: Campinas: Universidade Estadual de Campinas,

        Disponível em <http://www.taxondata.org/files/index.php?dir=fitopac/>. Acesso em 14 de setembro 2009.

          

        Shulze, E.-D; Beck, E. & Müller-Hohenstain, K. 2005. Plant Ecology. Springer. Berlin.

          702p

        Silva, A.F. & Shepherd, G.J. 1986. Comparações florísticas entre algumas matas

        brasileiras utilizando análise de agrupamento. Revista Brasileira de Botânica 9: 81-86.

        Silva, G.C. & Nascimento, M.T. 2001. Fitossociologia de um remanescente de mata sobre

        tabuleiros no norte fluminense do estado do Rio de Janeiro (Mata do Carvão). Revista

          Brasileira de Botânica 24: 51-62.

        Simberloff, D.S. & Abele, L.G. 1976. Island biogeography theory and conservation

        practice. Science 191: 285-286.

          

        ____________________________. 1982. Refuge design and island biogeograpic theory -

        effects of fragmentation. American Naturalist 120: 41-56

        Souza, G.R.; Faria, M.J.B.; Peixoto, A.L. & Zaú, A.S. 2007. Composição florística do

        estrato arbustivo-arbóreo de um trecho de Floresta Atlântica no médio Vale do Paraíba

        do Sul, Rio de Janeiro, Brasil. Sitientibus Série Ciências Biológicas 7(4): 398-409.

        Souza, V.C. & Lorenzi, H. 2005. Botânica Sistemática: Guia ilustrado para identificação

        das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Instituto

          Plantarum, Nova Odessa. 640p.

        Spolidoro, M.L.C.V. 2001. Composição e estrutura em um trecho de floresta no médio

        Paraíba do Sul, RJ. Dissertação de Mestrado. Instituto de Florestas – Universidade

          Federal Rural do Rio de Janeiro. 100p.

        Stiling, P. 1999. Ecology: Theory and applications. 3ed. Prentice Hall. New Jersey. 638p.

        Sylvestre, L.S. & Rosa, M.M.T. 2002. Manual metodológico para estudos botânicos na

        Mata Atlântica. Editora Universidade Rural, Seropédica. 121p.

          

        Tabarelli, M. & Mantovani, V. 1999. A riqueza de espécies arbóreas na floresta atlântica

        de encosta no estado de São Paulo (Brasil). Revista brasileira de Botânica 22(2): 1-12.

          

        ____________ & Peres. C.A. 2002. Abiotic and vertebrate seed dispersal in the Brazilian

        Atlantic forest: Implications for forest regeneration. Biological Conservation 106: 165-

          

        ____________; Mantovani, W. & Peres, C. 1999. Effects of habitat fragmentation on plant

        guild strucuture in the Atlantic montane forest of southeastern Brazil. Biological Conservation 91(1): 119-127.

        ____________; Lopes, A.V. & Peres, C.A. 2008. Edge-effects drive tropical forest

        fragments towards an early-successional system. Biotropica 40: 657-661.

          

        ____________; Aguiar, A.V.; Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P. & Peres, C.A. 2010a. Prospects

        for biodiversity conservation in the Atlantic Forest: lessons from aging human- modified landscapes. Biological Conservation. Article in press. doi:10.1016/j.biocon.2010.02.005

        ____________; Aguiar, A.V.; Girão, L.C.; Peres, C.A. & Lopes, A.V. 2010b. Effects of

        Pioneer Tree Species Hyperabundance on Forest Fragments in Northeastern Brazil. Conservation Biology, Society for Conservation Biology.

        Tagawa, P.T.; Moruzzi, D.L. & Cury, J.A. 2009. Concentração de fluoreto na vegetação

        próxima do pólo de fertilizantes de Cubatão, São Paulo, Brasil. Ciência e saúde coletiva 14 (6): 2205-2208.

        Talora, D.C. & Morellato, L.P.C. 2000. Fenologia de espécies arbóreas em floresta de

        planície litorânea do sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica 23: 13-26.

          

        Valentin, J.L. 2000. Ecologia numérica: uma introdução à análise multivariada de dados

        ecológicos. Ed. Interciência, Rio de Janeiro, 117p.

          

        Van-der-Pijl, L. 1982. Principles of dispersal in higher plants. 3ed. Springer-Verlag,

        Berlin. 214p.

          

        Veloso, H.P.; Rangel-Filho, A.L.R. & Lima, J.C.A. 1991. Classificação da vegetação

        brasileira adaptada a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro. 124p.

          

        Vidal, W.N. & Vidal, M.R.R. 2003. Botânica: Organografia – Quadros sinóticos ilustrados

        de Fanerógamas. 4ed. Ed. UFV, Viçosa. 126p.

          

        Villard, M.A. 1998. On forest-interior species, edge avoidance, area sensitivity, and

        dogmas in avian conservation. AUK 115(3): 801-805.

          York. 224p.

        Zaú, A.S. 1997. Ecologia da paisagem no planejamento territorial. Floresta e Ambiente 4:

        98-103.

          

        ___________. 1998. Fragmentação da Mata Atlântica. Floresta e Ambiente 6(1): 160-170.

        Zipparro, V.B.; Guilherme, F.A.G.; Almeida-Scabbia, R.J. & Morellato, L.P.C. 2005.

          Levantamento Florístico de Floresta Atlântica no Sul do Estado de São Paulo, Parque Estadual Intervales, Base Saibadela. Biota Neotropica 5(1): 27-144.

          

        Zuur, A.F.; Ieno, E.N. & Elphick, C.S. 2010. A protocol for data exploration to avoid

        common statistical problems. Methods in Ecology & Evolution 1: 3–14.

          CAPÍTULO III

        FITOSSOCIOLOGIA E ESTRUTURA FÍSICA DO ESTRATO ARBUSTIVO-

        ARBÓREO EM UMA FLORESTA URBANA SUJEITA A EFEITOS DE BORDA

        RESUMO

          

        O PARNA Tijuca é uma das maiores florestas urbanas do mundo. Foram avaliados

        aspectos fitossociológicos buscando responder se a floresta difere de outros remanescentes

        de Mata Atlântica, e se a estrutura física da vegetação é afetada pelas estradas que recortam

        o parque. Os indivíduos foram coletados em parcelas, dispostas perpendicularmente às

        estradas. Os índices de diversidade e equabilidade foram: H' = 4,129 e J = 0,779. A

          2

          

        densidade total foi de 3.523 indivíduos/ha e a área basal total 49,1 m /ha. A mediana das

        alturas totais foi 7,5 m (interquartis entre 5,0 e 11,0 m) e a média 10,5 m (± 5,4). A

        mediana dos DAP foi 5,3 cm (interquartis entre 3,5 e 10,7 cm) e a média 12,2 cm (± 11,2).

        O percentil de 10% das maiores árvores foi 16,0 m de altura e 20,6 cm de DAP. Foi

        registrado um alto percentual de espécies com um indivíduo na amostragem (54,7%). Os

        indicadores fitossociológicos apontam, comparativamente, o bom estado de conservação

        da área, ao contrário da noção disseminada de uma floresta com características antrópicas

        mais acentuadas que outras no estado do Rio de Janeiro. Não foram observados padrões

        claros de efeitos de borda na estrutura física da vegetação em relação às estradas. É

        possível que a dinâmica de clareiras e a heterogeneidade local influenciem mais a estrutura

        física da vegetação que os efeitos de borda das estradas. Palavras-chave: Mata Atlântica, ecologia de estradas, Parque Nacional da Tijuca.

        INTRODUđấO

          O Parque Nacional da Tijuca é considerado uma das maiores florestas urbanas do

        mundo e um exemplo de recuperação ambiental (ICMBio 2010). Mesmo sendo

        reconhecida sua relevância em termos de conservação (q.v. Descrição da área), é

        fortemente associado à origem antrópica, por ser resultado parcial do primeiro projeto de

        restauração florestal nos trópicos (Rodrigues et al. 2009), ter passado por intervenções

        paisagísticas com introdução de espécies exóticas (Castro Maya, 1967) e, estar inserido na

          

        transformação e das pressões urbanas atuais, as ações que dificultaram o desmatamento,

        promoveram a revegetação e a reintrodução de parte da fauna, associadas ao processo

        sucessional, devem ter conduzido a floresta a uma situação semelhante em termos

        fitossociológicos, comparativamente a de outros trechos regionalmente considerados bem

        conservados. Em parte, tal suposição é decorrente do fato que, na prática e dentro da

        perspectiva histórica, não é simples determinar em que medida as florestas sofreram

        influências antrópicas (Brown & Lugo 1990; Clark 1996). O histórico conhecido e a

        temporalidade determinada para a cobertura atual [200 anos das medidas que proibiram os

        desmatamento e 150 dos primeiros reflorestamentos (Abreu 1992)] suportam a hipótese de

        se tratar de uma floresta em estágio sucessional avançado, uma vez que florestas tropicais

        apresentam ciclos entre 75 e 150 anos (Hartshorn 1980), tendendo aquelas com mais de 80

        anos a se tornarem indistintas das formações “primárias” (Brown & Lugo 1990),

        particularmente em relação a estrutura do compartimento arbóreo.

          Vários fatores afetam uma floresta urbana (q.v. Introdução geral) e dentre eles pode

        ser destacada a entrada no ecossistema de particulados provenientes da atmosfera. A partir

        de estimativas de deposição atmosférica (Bolund & Hunhammar 1999), a superfície do

        PARNA Tijuca, em condições semelhantes, poderia receber até cerca de 60 mil toneladas

        de particulados por ano. Uma vez registrada a existência de chuva ácida (Silva-Filho 1985

        apud . Mello 2001) e chumbo no interior do parque (Oliveira & Lacerda 1988), e deduzido

        que 85% do nitrogênio inorgânico e percentual semelhante de SO aportados pela

          2

          

        precipitação são de origem antrópica (Mello 2001), a comunidade e o ecossistema devem,

        em alguma medida, apresentar consequências negativas desse processo, pelo menos nos

        trechos mais afetados. Tais alterações poderiam ser semelhantes às encontrados no

        complexo industrial de Cubatão, no estado de São Paulo, onde a ciclagem de nutrientes, a

        riqueza vegetal, a composição florística e aspectos da estrutura física nas áreas mais

          

        afetadas pela poluição apresentaram valores mais baixos que as áreas menos poluídas e

        semelhantes àqueles encontrados em trechos em estágio sucessional menos avançado (e.g.,

        Domingos et al. 2000, 2003; Klumpp et al. 2003; Domingos et al. 2003; Tagawa et al.

        2009).

          Além disso, características locais resultantes das estradas pavimentadas podem

        resultar em diferenciações na ocupação espacial (q.v. Capítulo 2) e na estrutura física da

        vegetação, uma vez que as mesmas atuam como elemento de fragmentação da paisagem e

        de ampliação de bordas (q.v. Introdução geral). Numa associação das estradas que

        recortam o parque com incêndios florestais ocorridos entre 1991 e 2000, foram registrados,

        em média, 75 casos incêndios por ano. Destes, 24% foram provenientes de balões, 24%

        intencionais, 21% por queima de pneus e semelhantes, e 17% decorrentes de práticas

        religiosas (Silva Mattos et al. 2002). O material combustível primário inclui gramíneas e

        samambaias invasoras. E, apesar dos balões destruírem extensas áreas de floresta a cada

        evento, o maior número de incêndios foi iniciado na vegetação invasora que ocorre às

        margens de algumas das estradas que recortam a floresta (Silva Mattos et al. op. cit.).

          Atributos fitossociológicos e características físicas da vegetação podem ser

        utilizados na tentativa de compreender padrões ecológicos (Pereira et al. 2007),

        fitogeográficos (Pereira et al. 2006), históricos (Brown & Lugo 1990), associados à

        transformação em curso (Nascimento & Laurance 2006), ou ainda derivados de processos

        históricos e do presente (e.g. Oliveira 2002, 2005; Santana et al. 2004; Rodrigues 2004;

        Santos et al. 2008). Neste sentido, este trabalho objetivou a avaliação de aspectos

        fitossociológicos e da estrutura física em um trecho de Mata Atlântica no sudeste do Brasil

        sujeito a estresse urbano e a efeitos de borda. Especificamente buscou-se responder às

        seguintes questões: 1) Considerando a perspectiva histórica, em termos fitossociológicos, a

        floresta urbana que compõe o Parque Nacional da Tijuca difere regionalmente de outros

          

        remanescentes de Mata Atlântica? 2) A estrutura física da vegetação (i.e. altura das árvores

        e diâmetro dos troncos) é afetada negativamente pelas estradas que recortam o parque?

        MATERIAL E MÉTODOS

          Caracterização fitossociológica Para a caracterização fitossociológica foram realizadas coletas sistemáticas pelo

        método de parcelas (Mueller-Dombois & Ellenberg 1974) em sete sítios amostrais, no

        setor “A” do Parque Nacional da Tijuca (q.v. Capítulo II).

          Análise dos dados Para as análises fitossociológicas (Martins 1991) foram considerados os indivíduos

        vivos. Foi calculado o índice de diversidade de Shannon (H’), a equabilidade de Pielou (J),

        a dominância de Simpson (D), os valores de importância (VI) e de cobertura (VC), estes

        últimos por espécie e por família (Mueller-Dombois & Ellenberg 1974). Os percentuais de

        árvores mortas em pé e de plantas com troncos múltiplos foram estimados e comparados

        com aqueles obtidos em estudos fitossociológicos realizados no estado (q.v., Capítulo 2,

        Tabela 6).

        • 1

          Para as análises da estrutura física foram calculadas a densidade total (ind.ha ), a

          2

          

        área basal (m /ha) (Mueller-Dombois & Ellenberg 1974) e medidas de tendência central e

        dispersão para os dados de altura total (m), altura do início da copa (m) e diâmetro à altura

        do peito – DAP (cm). Para as comparações das alturas totais, alturas iniciais das copas e

        DAP, considerando as distâncias da estrada para o interior da floresta, para cada perfil,

        foram excluídos os valores extremos utilizando-se os desvios como critério (Ayres et al.

          

        de Shapiro-Wilk (para n entre 2 e 51) ou D’Agostino-Pearson (n ≥ 20) (Ayres et al. 2007),

        e comparadas as variâncias (Zuur et al. 2010), com a utilização do teste de Bartlett

        (GraphPad 2007). Uma vez que os pressupostos de normalidade e/ou homocedasticidade

        das variâncias não foram atingidos foi utilizada a análise de variância unifatorial não-

        paramétrica de Kruskal-Wallis (Arango 2001). Para diferenças significativas (p ≤ 0,05) foi

        aplicado o teste a posteriori de Dunn (Arango 2001). Para as comparações considerando

        apenas os indivíduos de maior porte, foi adotado o critério que caracteriza como árvores do

        dossel aquelas com alturas ≤ 10,0 m e DAP ≤ 10,0 cm (Guedes-Bruni et al. 2009). Para

        estas, sem a exclusão de valores extremos, foram utilizadas análises de variância

        unifatoriais não-paramétricas (Kruskal-Wallis), sendo as diferenças significativas (p ≤

        0,05) verificadas a posteriori pelo teste de Dunn (Arango 2001).

          Para as análises foram utilizados os aplicativos Fitopac, v. 1.6 (Shepherd, 2006),

        Biostat v. 5.0 (Ayres et al. 2007), GraphPad Prism v. 5.01 para Windows (GraphPad

        2007).

        RESULTADOS

          Caracterização fitossociológica Foram amostrados 1.021 indivíduos, dos quais 36 (3,5%) encontravam-se mortos

        em pé. Os 986 indivíduos vivos foram classificados em 40 famílias, 90 gêneros e 200

        espécies (123 identificadas e 77 morfo-espécies) (q.v. Capítulo II).

          Os índices de diversidade de Shannon, de equabilidade de Pielou e de dominância

        de Simpson foram, respectivamente (H' = 4,129), (J = 0,779) e (D = 0,042). A densidade

          2 total foi de 3.523 indivíduos/ha e a área basal total estimada foi de 49,1 m /ha. As dez primeiras espécies ordenadas pelos valores de importância (VI) foram:

        Euterpe edulis Mart.; Myrceugenia myrcioides (Cambess.) O. Berg.; Malpighiaceae sp. 1;

        Guapira opposita (Vell.) Reitz; Myrcia multiflora (Lam.) DC.; Geonoma schottiana Mart.;

        Roupala longepetiolata Pohl; Hieronyma alchorneoides Allemão; Guarea macrophylla

        subsp. macrophylla (Vell.) T.D. Penn. e Myrcia spectabilis DC. Juntas elas

        corresponderam a 37,5% do VI proporcional e 112,5% do total. As outras 191 espécies

        contribuíram com 62,5% do VI proporcional e 187,5% do total (Anexo 1).

          Em termos de valores de cobertura (VC), as nove primeiras espécies foram

        semelhantes àquelas ordenadas por VI e a décima foi substituída por Vochysia laurifolia

        Warm. O percentual proporcional das dez primeiras com maiores VC foi 44,1% e o total

        foi 88,1%. As outras 191 espécies corresponderam a 55,9% do VC proporcional e 111,9%

        do total.

          Das espécies identificadas, quatro estão ameaçadas de extinção (Brasil 2008):

        Euterpe edulis Mart., com os maiores VI e VC dentre todas as espécies; Ocotea odorifera

        (Vell.) Rohwer, com sete indivíduos e baixos valores de VI e VC; e Phyllostemonodaphne

        geminiflora (Mez) Kosterm e Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth., cada uma com

        apenas um indivíduo. Outras duas apresentam deficiência de dados em termos de ameaça:

        Astronium fraxinifolium Schott., com um indivíduo na amostragem; e Urbanodendron

        bahiense (Meisn.) Rohwer., com dois indivíduos e baixos VI e VC. A exótica incluída na

        amostragem foi Dracaena fragrans (L.) Ker Gawl. (Asparagaceae), com dois indíviduos.

        Outras exóticas foram observadas nas proximidades dos sítios amostrais, tais como

        Eucalyptus sp. (Myrtaceae) e Artocarpus heterophyllus Lam. (Moraceae)

          As dez primeiras famílias ordenadas pelos valores de importância (VI) e de

        cobertura (VC) foram: Myrtaceae, Arecaceae, Fabaceae, Lauraceae, Rubiaceae,

          

        valores das mesmas corresponderam, respectivamente, a 66,1% e 71,7% dos totais

        proporcionais (Anexo 2). Juntas essas famílias foram responsáveis por 76,9% dos

        indivíduos e por 52,0% das espécies amostradas.

          Estrutura física Não foram detectadas diferenças significativas nas alturas iniciais das copas, em

        relação à distância das estradas, em três dos sete perfis. Apesar das alturas iniciais das

        copas terem sido menores em quatro perfis na distância até 10 m, em dois destes, apesar

        das alturas terem aumentado na distância posterior, elas voltaram a decrescer com a

        interiorização (Figura 1).

          Em relação às alturas totais, não foram observadas diferenças significativas em

        quatro perfis. Nos outros três, as alturas foram menores na distância até 10 m das margens

        da estrada. Entretanto, em A1 após os 30-40 m as alturas não apresentaram mais diferenças

        ao longo do perfil, e decresceram, após os 30-40 m em A3, e após os 60-70 m em A5

        (Figura 2).

          A mediana das alturas totais, considerando todos os indivíduos vivos, foi 7,5 m,

        com os valores interquartis de 5,0 e 11,0 m. O limite mínimo do quartil superior foi

        próximo ao critério adotado para a discriminação das árvores do dossel (≥ 10 m). A média

        e o desvio padrão das alturas foi 10,5 m (± 5,4) (Anexo 1). A comparação das alturas das

        árvores do dossel não registrou diferenças significativas em nenhum dos perfis (Figura 3).

        O percentil das 10% maiores árvores foi caracterizado por indivíduos com alturas ≥ 16,0 m

        e DAP ≥ 20,6 cm.

          A mediana dos DAP foi 5,3 cm, com valores interquartis de 3,5 e 10,7 cm. A média

        e o desvio padrão dos DAP foi 12,2 cm (±11,2). Não foram encontradas diferenças

        significativas entre os DAP em seis dos sete perfis. Naquele em que foram observadas

          

        diferenças (A6), estas não apresentaram um gradiente com aumento constante da borda

        para o interior da floresta (Figura 4).

          Não foram observadas diferenças significativas nos DAP das árvores do dossel (≥

        10 cm), à exceção do perfil A2. Este apresentou valores relativamente mais baixos aos 30-

        40 m, em comparação com a distância mais afastada da estrada (90-100 m) (Figura 5).

          Os percentuais de árvores mortas em pé e de indivíduos com troncos

          2

          

        múltiplos e a densidade de vivos (indivíduos/100 m ) foram estimados por distância, a cada

        perfil (Tabela 1, 2 e 3). Os percentuais de árvores mortas em pé e de indivíduos com

        troncos múltiplos apresentaram valores pouco superiores aos registrados para duas áreas

        consideradas em clímaces locais (Oliveira 2002; Kurtz & Araujo 2000). Os percentuais

        encontrados aqui foram semelhantes aos de outros trechos também considerados em bom

        estado de conservação (e.g., Carvalho et al. 2007; Matos 2007; Gabriel 2009), este último

        no interior da floresta; e bastante inferiores aos percentuais de trechos considerados

        degradados (e.g., Santana et al. 2004), obtidos em fragmentos de tamanhos variados

        (Pessoa & Oliveira 2006), bordas artificiais mantidas (Gabriel 2009), ou ainda em estágio

        inicial de sucessão (Oliveira 2002).

          

        Tabela 1. Percentuais de indivíduos mortos em pé, considerando as diferentes distâncias da

        margem da estrada para o interior da floresta, por perfil (A1 a A7). Parque Nacional da

        Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010.

          

        Perfil ̸ distância 0-10 m 30-40 m 60-70 m 90-100 m Média ± d.p.

          

        A1 0,0 2,9 2,9 6,0 3,6

        A2 6,1 6,5 2,4 0,0 3,4

        A3 7,1 3,3 2,4 1,7 3,5

        A4 8,3 2,6 5,1 6,5 5,8

        A5 0,0 14,3 4,3 0,0 3,2

        A6 3,6 0,0 0,0 9,1 3,2

        A7 0,0 0,0 2,4 5,3 2,4

        Média ± d.p.

          3,6 ± 3,6 4,2 ± 5,0 2,8 ± 1,6 4,1 ± 3,5 3,5 ± 1,0

        Tabela 2. Percentuais de indivíduos com troncos múltiplos, considerando as diferentes

        distâncias da margem da estrada para o interior da floresta, por perfil (A1 a A7). Parque

        Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010.

          

        Perfil ̸ distância 0-10 m 30-40 m 60-70 m 90-100 m Média ± d.p.

          

        A1 4,8 5,9 8,8 8,0 7,2

        A2 0,0 0,0 0,0 3,4 1,1

        A3 7,1 0,0 2,4 0,0 2,3

        A4 4,2 2,6 5,1 6,5 4,5

        A5 10,8 0,0 4,3 15,8 8,6

        A6 7,1 2,6 4,0 0,0 3,2

        A7 0,0 0,0 0,0 2,6 0,8

        Média ± d.p. 4,9 ± 3,9 1,6 ± 2,3 3,5 ± 3,1 5,2 ± 5,6 4,0 ± 3,0

          2 Tabela 3. Densidade (indivíduos/100m ), considerando as diferentes distâncias da margem

          

        da estrada para o interior da floresta, por perfil (A1 a A7). Parque Nacional da Tijuca, Rio

        de Janeiro, RJ. 2010.

          

        Perfil ̸ distância 0-10 m 30-40 m 60-70 m 90-100 m Média ± d.p.

          A1

          21

          

        34

        33 50 34,5 ± 11,9 A2

          33

          

        46

        41 58 44,5 ± 10,5 A3

          42

          

        30

        42 58 43,0 ± 11,5 A4

          48

          

        38

          39 31 39,0 ± 7,0 A5

          37

          

        14

          23 19 23,3 ± 9,9 A6

          28

          

        38

          25 33 31,0 ± 5,7 A7

          16

          

        29

        42 38 31,3 ± 11,5 Média ± d.p.

          32,1 ±11,4 32,7 ±10,0 35,0 ±8,1 41,0 ±14,8 35,2 ± 7,5

          126 A1 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 2 4 6 8 10 12 14 16 18

          a b b b

          A íc lt u ra d o i n io d a c o p a ( m ) A2 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 2 4 6 8 10 12 14 16 18

          a a a a

          A3 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 2 4 6 8 10 12 14 16 18

          a b ab a

          A4 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 2 4 6 8 10 12 14 16 18

          a a a a

          A5 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 2 4 6 8 10 12 14 16 18

          a ab b ab

          A íc lt u ra d o i n io d a c o p a ( m ) A6 0- 10 m 30 -4 m

        60

        -7 m 90 -1 00 m 2 4 6 8 10 12 14 16 18 a ab ab b

          A7 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 2 4 6 8 10 12 14 16 18

          a a a a A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7

          K-W = 26,730 4,547 19,600 7,093 10,460 15,120 2,779 P = P<0,0001 0,2081 0,0002 0,0690 0,0151 0,0017 0,4270

          

        Figura 1. Distribuição comparativa das alturas do início das copas, por perfil amostral (A1 a A7), em diferentes distâncias da estrada para o

        interior da floresta. Linhas horizontais representam medianas e interquartis. Abaixo, por análise de variância não paramétrica (Kruskal-Wallis), a

        cada perfil, os valores de K-W e P entre as distâncias. Letras diferentes indicam diferenças significativas. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

          127 A1 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a b b b

          A (m lt u ra t o ta l ) A2 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a a a a

          A3 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          ab b ab a

          A4 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a a a a

          A5 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a ab b ab

          A (m lt u ra t o ta l ) A6 0- 10 m 30 -4

        m

        60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a a a a

          A7 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a a a a

          A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 K-W = 17,960 3,545 10,520 6,601 10,010 7,823 1,391 P = 0,0004 0,3150 0,0146 0,0858 0,0185 0,0498 0,7077

          Figura 2. Distribuição comparativa das alturas totais dos indivíduos, por perfil amostral (A1 a A7), em diferentes distâncias da estrada para o

        interior da floresta. Linhas horizontais representam medianas e interquartis. Abaixo, por análise de variância não paramétrica (Kruskal-Wallis), a

        cada perfil, os valores de K-W e P entre as distâncias. Letras diferentes indicam diferenças significativas. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

          128 A1 > 10 m 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 A 30 a a a a lt u ra t o ta l (m )

          A2 > 10 m 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a a a a

          A3 > 10 m 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a a a a

          A4 > 10 m 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a a a a

          A5 > 10 m 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 A 30 a a a a lt u ra t o ta l (m )

        A6 > 10 m

          0- 10 m 30 -4 m

        60

        -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a a a a

          A7 > 10 m 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30

          a a a a A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7

          K-W = 0,283 0,427 0,630 0,960 6,459 3,489 3,040 P = 0,9632 0,9346 0,8895 0,8109 0,0913 0,3221 0,3855

          

        Figura 3. Distribuição comparativa das alturas totais dos indivíduos maiores que 10 metros, por perfil amostral (A1 a A7), em diferentes

        distâncias da estrada para o interior da floresta. Linhas horizontais representam medianas e interquartis. Abaixo, por análise de variância não

        paramétrica (Kruskal-Wallis), a cada perfil, os valores de K-W e P entre as distâncias. Letras iguais indicam ausência de diferenças

        significativas. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

          129 A1 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30 D 35 a a a a A P ( c m ) A2 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30 35 a a a a A3 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30 35 a a a b A4 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30 A5 35 a a a a

          0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30 D 35 a a a a A P ( c m ) A6 0- 10 m 30 -4 m

        60

        -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30 35 a ab b ab A7 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 5 10 15 20 25 30 35 a a a a Distância da estrada (m)

          A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 K-W = 0,878 4,107 21,520 5,518 4,271 8,197 7,318

          P = 0,8308 0,2502 P<0,0001 0,1376 0,2336 0,0421 0,0624

          

        Figura 4. Distribuição comparativa dos diâmetros a altura do peito (DAP a 1,3 metros de altura) ≥ 2,5 cm, por perfil amostral (A1 a A7), em

        diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Linhas horizontais representam medianas e interquartis. Abaixo, por análise de

        variância não paramétrica (Kruskal-Wallis), a cada perfil, os valores de K-W e P entre as distâncias. Letras diferentes indicam diferenças

        significativas. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

          130 A1 > 10 cm 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 10 20 30 40 50 60 D 70 a a a a Distância da estrada (m) A P ( c m ) A2 > 10 cm 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 10 20 30 40 50 60 70 ab a ab b A3 > 10 cm 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 10 20 30 40 50 60 70 a a a a A4 > 10 cm 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 10 20 30 40 50 60 A5 > 10 cm 70 a a a a

          0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 10 20 30 40 50 60 D 70 a a a a A P ( c m ) A6 > 10 cm 0- 10 m 30 -4

        m

        60 -7 m 90 -1 00 m 10 20 30 40 50 60 70 a a a a A7 > 10 cm 0- 10 m 30 -4 m 60 -7 m 90 -1 00 m 10 20 30 40 50 60 70 a a a a

          A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 K-W = 1,559 10,760 2,004 5,052 5,217 7,068 1,436

          P = 0,6687 0,0131 0,5716 0,168 0,1566 0,0698 0,697

          

        Figura 5. Distribuição comparativa dos diâmetros a altura do peito (DAP a 1,3 metros de altura) ≥ 10 cm, por perfil amostral (A1 a A7), em

        diferentes distâncias da estrada para o interior da floresta. Linhas horizontais representam medianas e interquartis. Abaixo, por análise de

        variância não paramétrica (Kruskal-Wallis), a cada perfil, os valores de K-W e P entre as distâncias. Letras diferentes indicam diferenças

        significativas. PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

        DISCUSSÃO

          Caracterização fitossociológica O número de espécies registrado, associado aos índices de diversidade de Shannon,

        de equabilidade de Pielou e de dominância de Simpson caracterizam a alta diversidade e a

        baixa dominância de espécies no trecho estudado. Apesar das ponderações relativas à

        amostragem (i.e. ampla espacialização e orientação variada, critério de inclusão que

        também incorpora parte do estrato arbustivo e, talvez, trechos com tipologias vegetais

        distintas, senso Veloso et al. 1991), os indicadores se encontram dentre os mais altos em

        comparação a outros registros no estado do Rio de Janeiro e semelhantes àqueles descritos

        para trechos considerados em bom estado de conservação [e.g., Oliveira et al. (1995);

        Kurtz & Araujo (2000); Oliveira (2002); Barros (2008); Jesus (2009) (q.v., Capítulo II,

        Tabela 6)]. Tal fato corrobora a concepção que a floresta existente no setor “A” do Parque

        Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro – RJ, apesar de seu histórico de transformação e uso

        pretérito intensivo (Abreu 1992; Oliveira et al. 1995) se encontra em condições

        fitossociológicas semelhantes às das áreas consideradas bem conservadas. É provável que

        os cerca de 200 anos de medidas conservacionistas tenham conduzido o trecho estudado a

        um dos mais bem conservados em termos regionais, contrapondo à noção disseminada de

        se tratar de uma “floresta plantada” e, consequentemente, menos diversa e complexa que

        “florestas naturais”.

          Além de não ser corroborada a concepção de maior antropização da área estudada em

        comparação com outros trechos regionais, a estrutura fitossociológica não evidenciou

        impactos que pudessem ser tipicamente associados à sua inserção na metrópole do Rio de

        Janeiro. Na conjuntura atual de fragmentação e degradação da Mata Atlântica, formações

        mais avançadas sucessionalmente e, comparativamente bem conservadas, como o trecho

          

        relação ao bioma (Ribeiro et al. 2009). Entretanto, apesar de não ser tema específico deste

        estudo, o controle das espécies exóticas (e.g. dracena, jaqueira e eucaliptos) é relevante

        para a conservação da flora local, especialmente nos trechos mais afetados pelas invasoras

        (Ribeiro & Zaú 2007; Abreu 2008; ICMBio 2008).

          Um vez que a estrutura da vegetação analisada considerou apenas elementos

        arbustivos-arbóreos, respostas distintas, tanto em relação ao histórico das alterações

        antrópicas, quanto associadas à proximidade com a metrópole [i.e. chuva ácida e deposição

        de poluentes particulados, e.g., Mello (2001)], podem existir e se expressar em

        componentes da vegetação como lianas, epífitas ou sub-bosque.

          O fato das dez primeiras espécies, ordenadas por VI ou VC, somarem significativos

        percentuais proporcionais (respectivamente 37,5% e 44,1%) destaca a relevância das

        mesmas em termos fitossociológicos. Porém, simultânea e contraditoriamente, os

        percentuais de VI e VC atribuídos às outras 190 espécies reforçam os indicadores de alta

        diversidade α. De modo semelhante, o alto percentual de espécies que apresentaram apenas

        um indivíduo na amostragem (54,7%), considerando os valores médios e de desvio padrão

        (40,3 ± 15,8; n = 24) obtidos a partir de outros estudos regionais, em parte, reflete a alta

        diversidade. Neste estudo, o percentual de espécies com um indivíduo na amostragem foi

        superior aqueles registrados para trechos caracterizados como bem conservados [Oliveira

        et al. (1995); Rodrigues (1996); Oliveira (2002) em trecho clímax; Kurtz & Araujo (2000);

        Moreno et al. (2003); Jesus (2009) e Gabriel (2009); q.v., Capítulo II, Tabela 6],

        Entretanto, o mesmo foi inferior a trechos submetidos a impactos antrópicos há menos de

        25 anos (Santana et al. 2004). A razão para valores mais altos de espécies com apenas um

        indivíduo em algumas áreas mais alteradas deve estar associada à baixa riqueza destes

        locais, o que aumenta a proporção das espécies que apresentaram apenas um indivíduo na

        amostragem, não devendo este parâmetro ser avaliado isoladamente.

          No presente estudo, o percentual de espécies que apresentaram apenas um

        indivíduo na amostragem foi praticamente idêntico aos 54,8% registrados por Guedes-

        Bruni et al. (2009). Esses autores, a partir da consideração de diferentes comunidades

        amostradas na Mata Atlântica do estado do Rio de Janeiro, apontaram que os valores

        percentuais de “espécies raras” variaram entre 34 e 50%. O grande percentual de espécies

        que, apesar de apresentarem mais de um indivíduo na amostragem ainda são pouco

        abundantes, e a pequena proporção daquelas que apresentaram populações com mais de

        dez indivíduos (6,5%), reforçam os indicadores de alta riqueza e baixa equitatividade no

        local. Entretanto, por se tratar de um estudo com amostragem relativamente limitada, é

        provável que os percentuais de espécies arbóreo-arbustivas que apresentem, de fato, baixas

        densidades, ou que ocorram com menos de um indivíduo por hectare, seja menor que o

        registrado.

          Em relação à espécie com maior valor de importância (VI), E. edulis, o grande

        número de indivíduos (141) acarretou em uma alta densidade relativa, a qual somada aos

        valores de dominância e frequência relativa colocaram a espécie, em termos

        fitossociológicos, em destaque na comunidade. Situações semelhantes explicam os valores

        de VI de M. myrcioides (93 indivíduos), de M. multiflora (47) e de G. schottiana (61). Já

        para Malpighiaceae sp.1 com 31 indivíduos, G. opposita (37), R. longepetiolata (14) e H.

        alchorneoides (8), o maior diâmetro dos indivíduos acarretou em valores

        proporcionalmente mais altos de dominância relativa, colocando-as entre as de maior

        importância. Situação semelhante foi destacada para H. alchorneoides por Moreno et al.

          (2003).

          Apesar de E. edulis ser considerada uma espécie de grande importância ecológica

        (Galetti & Aleixo, 1998) e comum nas florestas do estado do Rio de Janeiro (Guedes-Bruni

          

        sua superexploração comercial (Reis et al. 2000). Localmente a espécie apresentou os

        maiores valores de VI e VC e, sendo frequentemente categorizada como climácica e

        indicadora de áreas em bom estado de conservação [Guedes-Bruni et al. (1997); Borém &

        Oliveira-Filho (2002); e Pardo et al. (2007)], e tais resultados corroboram os indicadores

        de conservação anteriormente citados e a efetividade das medidas de fiscalização local.

        Para as outras cinco espécies ameaçadas de extinção ou que apresentam deficiência de

        dados em termos conservacionistas foram registrados poucos indivíduos na amostragem, o

        que reforça a concepção de risco em termos locais.

          Dentre as famílias que apresentaram maiores valores de importância (VI) e de

        cobertura (VC), Myrtaceae, Fabaceae, Lauraceae, Rubiaceae, Euphorbiaceae e Meliaceae

        estão entre as mais ricas para a formação de Floresta Ombrófila Densa de baixas altitudes

        do sudeste brasileiro (senso Oliveira-Filho & Fontes 2000). Outros estudos também

        indicaram Fabaceae, Myrtaceae e Lauraceae como as mais ricas em espécies arbóreas [e.g.

        Kurtz & Araujo (2000); Moreno et al. (2003); Peixoto et al. (2004); Guilherme et al.

        (2004); Pereira et al. (2006); Guedes-Bruni et al. (2006a); Souza et al. (2007); Gabriel

        (2009)], reforçando os indicadores que o remanescente estudado apresenta características

        fitossociológicas, em termos gerais, similares aos de outros trechos considerados bem

        conservados na Mata Atlântica do sudeste. Os altos somatórios proporcionais dos VI e VC

        das dez famílias mais importantes em termos fitossociológicos corroboram os estudos

        citados e ressaltam a significativa importância relativa que as mesmas apresentaram na

        composição da comunidade. A relativa dominância de algumas famílias em termos de

        abundância de indivíduos, mesmo em trechos com alta diversidade, é frequente em estudos

        fitossociológicos [e.g. Moreno et al. (2003); Pereira et al. (2006), Guedes-Bruni et al.

        (2006b); Souza et al. (2007)]. Certamente este caráter contribui, em determinada medida,

        para a fitofisionomia da formação (Guedes-Bruni et al. 2009).

          Estrutura física A densidade total de indivíduos apresentou valores pouco superiores àqueles

        registrados em estudos que adotaram o mesmo padrão de inclusão (DAP ≤ 2,5 cm)

          

        [Oliveira (2002); Faria (2005); Souza et al. (2007); e Matos (2007) (q.v., Capítulo II,

        Tabela 6)]. Entretanto, é improvável que o estabelecimento de um quarto das parcelas

        amostrais em trechos limítrofes às estradas tenha influenciado significativa e positivamente

        no aumento da densidade, conforme observado em outros estudos (e.g. Laurance et al.

          

        2002), visto que, mesmo com a intensidade luminosa sendo em média sete vezes maior na

        estrada que no interior da floresta (q.v., Capítulo I, Tabela 1), não houve um claro padrão

        de decréscimo da densidade de indivíduos com o distanciamento da estrada. A densidade

        média de árvores (DAP ≤ 10,0 cm) também não apresentou diferenças significativas entre

        trechos de interior da floresta e bordas mantidas sob uma rede de alta tensão instalada na

        década 60, e sobre um gasoduto instalado na década de 80 em outra trecho de Mata

        Atlântica no estado do Rio de Janeiro (Rodrigues 2004).

          A área basal (AB) total apresentou valores inferiores aos encontrados em alguns

        trechos considerados em bom estado de conservação [e.g. Kurtz & Araujo (2000); Oliveira

        (2002); Matos (2007) e Barros (2008)]. Porém, neste estudo, foi encontrado um valor de

        AB bastante superior à maioria dos valores encontrados em estudos fitossociológicos

        realizados no estado do Rio de Janeiro (q.v., Capítulo II, Tabela 6). Na área estudada, a alta

        área basal não sustenta a hipótese de efeitos negativos da fragmentação e formação de

        bordas (e.g. Laurance et al. 2000; Oliveira et al. 2008). Uma vez que a AB está

        diretamente associada ao tamanho dos indivíduos e, de certa forma ao estágio sucessional

        da vegetação (Budowski 1965) os altos valores registrados reforçam os indicadores de bom

        estado de conservação do local, relativo aos demais remanescentes comparados. Mas, uma

          

        vez que o critério de inclusão utilizado nas amostragens afeta a densidade de indivíduos e,

        em alguma medida a área basal, os valores encontrados devem ser analisados com cautela,

        não devendo ser considerados como absolutos e comparáveis indiscriminadamente. De

        maneira criteriosa, esses parâmetros podem indicar características estruturais, sucessionais,

        alterações na vegetação (Zaú 1994), efeitos de borda (Rodrigues 2004), ou ainda servir

        como comparativos entre locais sob impactos antrópicos mais recentes ou intensos e

        trechos mais bem conservados (q.v., Capítulo II, Tabela 6).

          Os aspectos da estrutura física da vegetação utilizados na avaliação de efeitos de

        borda (i.e. DAP, alturas iniciais das copas, alturas totais e alturas das árvores do dossel)

        não indicaram padrões inequívocos que apontassem claros efeitos de borda decorrentes das

        estradas, pelo menos numa escala perceptível em função das limitações amostrais ou dos

        procedimentos analíticos (Gehlhausen et al. 2000). Entretanto, não se descarta a

        possibilidade que, em alguns locais marginais às estradas, especialmente nos trechos mais

        sujeitos à exposição solar direta, como estacionamentos e áreas de lazer, ocorram bordas

        com características semelhantes àquelas descritas para clareiras naturais (Lima & Moura

        2006), especialmente às de maior porte, ou similares à bordas artificiais (Rodrigues 2004),

        conforme verificado localmente em estudo sobre distribuição espacial da exótica dracena

        (Dracaena fragrans (L.) Ker Gawl., Asparagaceae), por Ribeiro & Zaú (2007). Essa razão

        decorre do fato que a temperatura e a luminosidade, fatores desencadeadores de alterações

        na composição e estrutura fitossociológica (Gómez-Pompa 1971, Denslow 1980, Brokaw

        1982), são significativamente mais altas na estrada que na floresta, no setor “A” do

        PARNA Tijuca, podendo atingir, no caso da luminosidade, diferenças de ordens de

        grandeza (q.v., Capítulo 1, Tabela 1 e Figura 2, especialmente perfis A2 e A7). É possível

        que a dinâmica de clareiras, considerada indicativo de condição de maturidade da

        comunidade, quando em equilíbrio dinâmico (Whitmore 1998), juntamente com outros

          

        fatores relacionados à heterogeneidade local, possa exercer papel mais relevante na

        estruturação física da vegetação dos trechos analisados que os efeitos de borda

        provenientes das estradas.

          Parâmetros complementares como o percentual de árvores mortas em pé e de

        indivíduos com troncos múltiplos, utilizados como indicadores de alterações estruturais em

        desenvolvimento (e.g. Laurance et al. 2009), e que localmente apresentaram valores pouco

        superiores aos registrados para áreas em climaces locais (Oliveira 2002; Kurtz & Araújo

        2000) corroboram os indicadores de bom estado de conservação.

        CONCLUSÕES

          Os indicadores fitossociológicos, de diversidade, e de estrutura física do

        componente arbóreo-arbustivo apontam que a área estudada encontra-se,

        comparativamente, em bom estado de conservação, o que contraria a noção disseminada de

        uma floresta mais antropizada que outros trechos similares de Mata Atlântica no estado do

        Rio de Janeiro. Além de não ser corroborada a concepção de maior antropização da área

        estudada em comparação com outros trechos regionais, a estrutura fitossociológica não

        evidenciou impactos que pudessem ser tipicamente associados à sua inserção na metrópole

        do Rio de Janeiro. E, uma vez que trechos de florestas com tamanhos significativos e com

        formações mais avançadas sucessionalmente – consequentemente mais bem conservados –

        são consideradas exceções no bioma Mata Atlântica, é ressaltada a relevância ecológica do

        trecho estudado, não só em termos locais como também regionalmente.

          Em relação aos efeitos de bordas lineares decorrentes das estradas, não foram

        observados padrões inequívocos na estrutura física da vegetação. Entretanto, não se

          

        descarta a possibilidade que, em alguns locais associados às estradas ocorram bordas com

        características semelhantes àquelas descritas para clareiras naturais de grande porte ou

        mesmo bordas antrópicas.

          Por fim, não pode ser desconsiderado que os efeitos das estradas não se limitam a

        possíveis alterações estutura física ou fitossociológica do compartimento vegetal analisado.

          

        Localmente as estradas tem sido frequentemente associadas à movimentos de massa que

        ocorrem especialmente sob condições de precipitações extremas, além de outros aspectos,

        menos evidentes, associados à mais intensa e frequente presença humana.

          REFERÊNCIAS BILIOGRÁFICAS

        Abreu, M.A. 1992. Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. SMCTE, Rio de Janeiro.

          336p.

        Abreu, R.C.R. de. 2008. Dinâmica de populações da espécie invasora Artocarpus

        L. (Moraceae) no Parque Nacional da Tijuca – Rio de Janeiro. heterophyllus Dissertação de Mestrado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro / Escola Nacional de Botânica Tropical, Rio de Janeiro. 77p.

          

        Arango, H.G. 2001. Bioestatística teórica e computacional. Editora Guanabara Koogan

        S.A., Rio de Janeiro. 235p.

          

        Ayres, M.; Ayres Júnior, M.; Ayres, D.L. & Santos, A.A. Bioestat. Versão 5.0. Belém, PA.

          2007. Disponível em <http://www.mamiraua.org.br/>. Acesso em 19 de fevereiro 2008.

          

        Barros, A.A.M. de. 2008. Análise florística e estrutural do Parque Estadual da Serra da

        Tiririca, Niterói e Maricá, Rio de Janeiro, Brasil. Tese de Doutorado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro / Escola Nacional de Botânica Tropical, Rio de Janeiro. 213p.

          

        Bolund, P. & Hunhammar, S. 1999. Ecosystem services in urban areas. Ecological

        Economics 29: 293–301.

          

        Borém, R.A.T. & Oliveira-Filho, A.T. 2002. Fitossociologia do estrato arbóreo em uma

        topossequência alterada de Mata Atlântica, no município de Silva Jardim-RJ, Brasil.

          Revista Árvore 26(6): 727-742.

        Brasil. 2008. Instrução normativa nº 6, de 23 de setembro de 2008. Lista oficial das

        espécies da flora brasileira ameaçada de extinção. Brasília, Ministério do Meio

          Ambiente 55p.

        Brokaw, N.V.L. 1982. The definition of treefall gap and its effect on measures of forest

        dynamics. Biotropica 14(2): 158-160.

          

        Brown, S. & Lugo, A.E. 1990. Tropical secondary forests. Journal of Tropical Ecology 6:

        1-32.

          

        Budowski, G. 1965. Distribution of tropical American rain forest species in the light of

        successional processes. Turrialba 15(1): 40-42.

          

        Carvalho, F.A.; Nascimento, M.T. & Braga, J.M.A. 2007. Estrutura e composição florística

        do estrato arbóreo de um remanescente de Mata Atlântica submontana no município de Rio Bonito, RJ, Brasil (Mata Rio Vermelho). Revista Árvore 31: 717-730. Castro Maya, R.O. 1967. A Floresta da Tijuca. Ed. Bloch, Rio de Janeiro. 102 p. Clark, D.B. 1996. Abolishing virginity. Journal of Tropical Ecology 12: 735-739.

        Denslow, J.S. 1980. Gap partioning among tropical rain forest trees. Biotropica 12: 47-55.

        Domingos, M.; Lopes, M.I.M. & Vuono, Y.S. 2000. Nutrient cycling disturbance in

        Atlantic Forest sites affected by air pollution coming from the industrial complex of

          Cubatão, Southeast Brazil. Revista Brasileira de Botânica 23(1): 77-85.

        ____________; Klumpp, A.; Rinaldi, M.C.S.; Modesto, I.F.; Klumpp G. & Delitti, W.B.C.

          2003. Combined effects of air and soil pollution by fluoride emissions on Tibouchina Cogn., at Cubatão, SE Brazil, and their relations with aluminium. Plant and pulchra Soil 249(2): 297–308.

          

        Faria, M.J.B. 2005. Florística e estrutura de um trecho da borda de um Fragmento de Mata

        Atlântica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul, nos municípios de Volta Redonda e Barra Mansa. Dissertação de Mestrado. Instituto de Florestas – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 52 p.

          

        Gabriel, M.M. 2009. Efeitos de borda sobre a comunidade arbórea da Reserva Biológica

        União, RJ. Dissertação de Mestrado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro/Escola Nacional de Botânica Tropical, Rio de Janeiro. 85p.

        Galetti, M. & Aleixo, A. 1998. Effects of palm heart harvesting on avian frugivores in the

        Atlantic rain forest of Brazil. Journal of Applied Ecology 35(2): 286–293.

          

        Gehlhausen, S.M.; Schwartz, M.W. & Augspurger, C.K. 2000. Vegetation and

        microclimatic edge effects in two mixed-mesophytic forest fragments. Plant Ecology 147(1): 21–35.

        Gómez-Pompa, A. 1971. Posible papel de la vegetación secundaria en la evolución de la

        flora tropical. Biotropica 3(2): 125-135.

          

        GraphPad Prism version 5.00 for Windows. 2007. GraphPad Software, San Diego,

        California USA. Disponível em <http://www.graphpad.com/prism/Prism.htm>. Acesso em 22 de fevereiro 2008.

        Guedes-Bruni, R.R.; Pessoa, S.V.A. & Kurtz, B.C. 1997. Florística e estrutura do

        componente arbustivo-arbóreo de um trecho preservado de floresta montana na

          Reserva Ecológica de Macaé de Cima. In: Lima, H.C. & Guedes-Bruni, R.R. Serra de Macaé de Cima: diversidade florística e conservação em Mata Atlântica . Instituto Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Pp. 127-145.

          

        ________________; Silva Neto, S.J.; Morim, M.P. & Mantovani, W. 2006a. Composição

        florística e estrutura de trecho de Floresta Ombrófila Densa Atlântica aluvial na Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 57(3): 413-428.

        ________________; Silva Neto, S.J.; Morim, M.P. & Mantovani, W. 2006b. Composição

        florística e estrutura de dossel em trecho de Floresta Ombrófila Densa Atlântica sobre morrote mamelonar na Reserva Biológica de Poço das Antas, Rio de Janeiro, Brasil.

          

        ________________; Silva, A.G. & Mantovani, W. 2009. Rare canopy species in

        communities within the Atlantic Coastal Forest in Rio de Janeiro State, Brazil.

          Biodiversity and Conservation 18(2): 387-403.

        Guilherme, F.A.G; Morellato, L.P.C. & Assis, M.A. 2004. Horizontal and vertical tree

        community structure in a section of lowland Atlantic Rain Forest in the Intervales

          State Park, southeastern Brazil. Revista Brasileira de Botânica 27(4): 725-737. Hartshorn, G.S. 1980. Neotropical forest dynamics. Biotropica 12(suppl.): 23-30.

          

        ICMBio. 2008. Plano de manejo. Parque Nacional da Tijuca. Disponível em

        <http://www.planodemanejo.kit.net/vol1/autoria.pdf>. Acesso em 22 de julho 2010.

          

        ____________. 2010. Rio de Janeiro. Parque Nacional da Tijuca. Disponível em

        <https://gestao.icmbio.gov.br/brasil/RJ/municipios/rio-de-janeiro/parque-nacional-da- tijuca>. Acesso em 10 de julho 2010.

        Jesus, M.F.S. de. 2009. Análise dos efeitos de borda sobre a composição, dinâmica e

        estrutura da comunidade arbórea na Mata Atlântica da Reserva Biológica do Tinguá –

          RJ. Dissertação de Mestrado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro / Escola Nacional de Botânica Tropical, Rio de Janeiro. 149p.

          

        Klumpp, A.; Domingos, M. & Klumpp, G. 2002. Foliar nutrient contents in tree species of

        the Atlantic rain forest as influenced by air pollution from the industrial complex of Cubatão, SE-Brazil. Water, Air and Soil Pollution 133: 315-333.

        Kurtz, B.C. & Araujo, D.S.D. 2000. Composição florística e estrutura do componente

        arbóreo de um trecho de Mata Atlântica na Estação Ecológica Estadual do Paraíso,

          Cachoeira de Macacú, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 51: 69-112.

        Laurance, W.F.; Delamônica, P.; Laurance, S.G.; Vasconcelos H.L. & Lovejoy, T.E. 2000.

          Conservation: Rainforest fragmentation kills big trees. Nature 404: 836. Brief Communications.

        _____________; Lovejoy, T.E.; Vasconcelos, H.L.; Bruna, E.M.; Didham, R.K.; Stouffer,

        P.C.; Gascon, C.; Bierregaard, R.O.; Laurance, S.G. & Sampaio, E. 2002. Ecosystem decay of Amazonian Forest fragments: a 22-year investigation. Conservation Biology 16: 605–618.

          

        _____________; Goosem, M. & Laurance, S.G.W. 2009. Impacts of roads and linear

        clearings on tropical forests. Trends in Ecology and Evolution 24(12): 659-699.

          

        Lima, R.A.F. & Moura, L.C. 2006. Canopy gap colonization in the Atlantic montane rain

        forest. Brazilian Archives of Biology and Technology 49(6): 953-965.

          

        Martins, F.R. 1991. Estrutura de uma floresta mesófila. Série Teses, Editora da

        Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 246p.

          

        Matos, W.R. 2007. Composição Florística e Estrutura de um Trecho de Floresta Urbana,

        nos Contrafortes do Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado.

          Museu Nacional do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 67p.

          

        Mello, W.Z. de. 2001. Precipitation chemistry in the cost of Metropolitan Region of Rio de

        Janeiro, Brasil. Environmental Pollution 114: 235-242.

          

        Moreno, M.R.; Nascimento, M.T. & Kurtz, B.C. 2003. Estrutura e composição florística do

        estrato arbóreo em duas zonas altitudinais na Mata Atlântica de encosta da região do Imbé, RJ. Acta Botanica Brasilica 17: 371-386.

        Mueller-Dombois, D. & Ellenberg, H. 1974. Aims and Method of Vegetation Ecology.

          John Wiley and Sons, New York. 574 p.

        Nascimento, H.E.M.; Laurance, W.F. 2006. Area and edge effects on forest structure in

        Amazonian forest fragments after 13-17 years of isolation. Acta Amazonica 36(2):

          183-192.

        Oliveira, M.A.; Santos, A.M.M. & Tabarelli, M. 2008. Profound impoverishment of the

        large-tree stand in a hyper-fragmented landscape of the Atlantic forest. Forest Ecology and Management 256: 1910-1917.

        Oliveira, R.R. & Lacerda, L.D. 1988. Contaminação por chumbo na serapilheira do Parque

        Nacional da Tijuca. Acta Botanica Brasílica 1(2): 165-169.

          

        ____________. 2002. Ação antrópica e resultantes sobre a estrutura e composição da Mata

        Atlântica na Ilha Grande, RJ. Rodriguésia 53(82): 33-58.

          

        ____________. 2005. As marcas do homem na floresta: História ambiental de um trecho

        urbano de Mata Atlântica. Vol. 1. Editora PUC-Rio, Rio de Janeiro. 230 p.

          

        ____________; Zaú, A.S.; Lima, D.F; Silva, M.B.R. & Vianna, M.C. 1995. Dinâmica

        ecológica de encostas no Maciço da Tijuca - RJ. Oecologia Brasiliensis 1: 523-541.

          

        Oliveira-Filho, A.T. & Fontes, M.A.L. 2000. Patterns of Floristic Differentiation among

        Atlantic Forests in Southeastern Brazil and the Influence of Climate. Biotropica 32(4b): 793-810.

        Pardo, C.S.; Terra, G.; Neri, A.C.A.; Matos, D.M.S. 2007. Florística do componente

        arbóreo de um trecho de floresta do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Teresópolis,

          RJ. Revista Brasileira de Biociências 5(2): 792-794.

        Peixoto G.L.; Martins S.V.; Silva, A.F. & Silva, E. 2004. Composição florística do

        componente arbóreo de um trecho de Floresta Atlântica na Área de Proteção

          Ambiental da Serra da Capoeira Grande, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta Botânica Brasílica 18(1): 151-160.

          

        Pereira, I.M.; Oliveira-Filho, A.T.; Botelho, S.A.; Carvalho, W.A.C.; Fontes, M.A.L.;

        Schiavini, I. & Silva, A.F. 2006. Composição florística do compartimento arbóreo de cinco remanescentes florestais do maciço do Itatiaia, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Rodriguésia 57: 103-126.

        Pereira, J.A.A.; Oliveira-Filho, A.T. & Lemos Filho, J.P. 2007. Environmental

        heterogeneity and disturbance by humans control much of the tree species diversity of fragments of tropical montane seasonal forests in SE Brazil. Biodiversity and Conservation 16: 1761-1784.

          

        Pessoa, S.V.A. & Oliveira, R.R. 2006. Análise estrutural da vegetação arbórea em três

        fragmentos florestais na Reserva Biológica de Poço das Antas, Rio de Janeiro, Brasil.

          Rodriguésia 57: 391-412.

        Reis, M.S.; Fantini, A.C.; Nodari, R.O.; Reis, A.; Guerra, M.P. & Mantovani, A. 2000.

          Management and Conservation of Natural Populations in Atlantic Rain Forest: The

        Case Study of Palm Heart (Euterpe edulis Martius). Biotropica 32(4b): 894–902.

          

        Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P.; Martensen, A.C.; Ponzoni, F.J. & Hirota, M.M. 2009. The

        Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation 142(6): 1141- 1153.

          

        Ribeiro, M.O. & Zaú, A.S. 2007. Levantamento populacional e manejo da exótica invasora

        Dracaena fragrans (L.) Ker-Gawl (Angiospermae – Liliaceae), em um trecho de Floresta Atlântica sob efeitos de borda no Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Revista Brasileira de Biociências 5(1): 21-23.

          

        Rodrigues, H.C. 1996. Composição florística e fitossociológica de um trecho de Mata

        Atlântica na Reserva Biológica do Tinguá, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Museu Nacional do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 77p.

          

        Rodrigues, P.J.F.P. 2004. A vegetação da Reserva Biológica União e os efeitos de borda na

        Mata Atlântica fragmentada. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes. 153p.

        Rodrigues, R.R.; Lima, R.A.F.; Gandolfi, S. & Nave, A.G. 2009. On the restoration of high

        diversity forests: 30 years of experience in the Brazilian Atlantic Forest. Biological

          Conservation 142: 1242–1251.

        Santana, C.A.A.; Lima, C.C. & Magalhães, L.M.S. 2004. Estrutura horizontal e

        composição florística de três fragmentos secundários na cidade do Rio de Janeiro. Acta

          Scientiarum 26(4): 443-451.

        Santos, B.A.; Peres, C.A.; Oliveira, M.A.; Grillo, A.S.; Alves-Costa, C.P. & Tabarelli, M.

          2008. Drastic erosion in functional attributes of tree assemblages in Atlantic forest fragments of northeastern Brazil. Biological Conservation 141: 249-260.

          

        Shepherd, G.J. 2006. Fitopac 1.6: Campinas: Universidade Estadual de Campinas,

        Disponível em <http://www.taxondata.org/files/index.php?dir=fitopac/>. Acesso em 14 de setembro 2009.

        Silva Matos D.M.; Santos C.J. & Chevalier D.R. 2002. Fire and restoration of the largest

        urban forest of the world in Rio de Janeiro City, Brazil. Urban Ecosystem 6: 151–161.

          

        Souza, G.R.; Faria, M.J.B.; Peixoto, A.L. & Zaú, A.S. 2007. Composição florística do

        estrato arbustivo-arbóreo de um trecho de Floresta Atlântica no médio Vale do Paraíba

        do Sul, Rio de Janeiro, Brasil. Sitientibus Série Ciências Biológicas 7(4): 398-409.

        Tagawa, P.T.; Moruzzi, D.L. & Cury, J.A. 2009. Concentração de fluoreto na vegetação

        próxima do pólo de fertilizantes de Cubatão, São Paulo, Brasil. Ciência e saúde coletiva 14 (6): 2205-2208.

        Veloso, H.P.; Rangel-Filho, A.L.R. & Lima, J.C.A. 1991. Classificação da vegetação

        brasileira adaptada a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro. 124p.

          

        Whitmore, T.C. 1998. An introduction to Tropical Rain Forests. Oxford University Press, New

        York. 224p.

          

        Zaú, A.S. 1994. Cobertura vegetal: transformações e resultantes microclimáticas e

        hidrológicas superficiais na vertente norte do Morro do Sumaré, Parque Nacional da Tijuca-RJ. Dissertação de mestrado. Programa de Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 197p.

          

        Zuur, A.F.; Ieno, E.N. & Elphick, C.S. 2010. A protocol for data exploration to avoid

        common statistical problems. Methods in Ecology & Evolution 1: 3–14.

          CAPÍTULO IV

        EDGE EFFECTS ON SPATIAL DISTRIBUTION AND REPRODUCTIVE

        PHENOLOGY OF Psychotria nuda (RUBIACEAE) IN A REMNANT OF

          2

          2

          3 André Scarambone Zaú , Priscila Vilela Borges , Leandro Freitas , Daniele Andrade de

          2

          2 Carvalho & Wallace Beiroz .

          

        1. This paper is part of the first author Ph.D. project carried out at the Programa de Pós-

        Graduação em Botânica, Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

          

        2. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Departamento de Botânica,

        Laboratório de Ecologia Florestal.

          3. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Diretoria de Pesquisas. Author for correspondence: André Scarambone Zaú Tel: +55 21 2244-5570 Fax: +55 21 2275-6059 E-mail: andrezau@unirio.br

        Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Av. Pasteur, 458. Prédio de Ciências

        Biológicas, Departamento de Botânica, Laboratório de Ecologia Florestal, Lab. 401 –

        Urca, Rio de Janeiro, RJ. Brazil. CEP. 22290-240

        ABSTRACT

          

        Fragmentation is one of the threats to biodiversity. Its increase forest edges and affect

        physical and biological conditions, such as plant phenology and spatial distribution.

          

        Psychotria is a common plant on understory forest and we evaluate edge effects on the

        spatial distribution, density and reproductive phenology of Pychotria nuda Cham. &

        Schltdl. The study was conducted in a patch of Atlantic Forest inside a Tijuca National

        Park in southeastern Brazil. We marked all P. nuda individuals found in nine 100 m long

        transects, divided into plots of 10 x 10 m bounded over distances of 0-10, 30-40, 60-70 and

        90-100 m from the paved road edges. The spatial distribution, estimated by the Morisita

        index, was aggregated in all distances (n = 847; IM > 1). The population density in patches

        under the influence of clearings reached 5.4 ind/m² and in more remote stretches of the

        border was as low as 0.55 ind/m², which characterizes this species as gap dependent. Non-

        reproductive were more abundant than reproductive individuals at 90-100 m of distance

        from the edge, but no clear pattern was detected for the other distances. Our results

        indicated that road edges may partially affect structural and reproductive process of P.

          . nuda Key words: spatial distribution, tropical forest, road ecology, urban forest.

        INTRODUCTION

          Forest fragmentation is considered one of the largest threats to the biodiversity

        (Saunders et al. 1991, Marsh & Beckman 2004). The Brazilian Atlantic forest is one of the

        most important and maybe difficult ecosystems to conserve, as result of the fragmentation

        processes (98.7% of remnants have less than 100 ha – Pinto et al. 2006), the high degree of

        destruction (11.7% of its original extension – Ribeiro et al. 2009), the high level of

        endemisms and biodiversity (Myers et al. 2000; Stehmann et al. 2009) and by the fact of

        this region has 67% of the Brazilian population, about 120 million inhabitants, distributed

        in 61% (3400) of the municipalities of the country (Pinto et al. 2006). The importance and

        the adoption of strategies for the conservation of natural areas located near or inside towns

        has increased due to the global and regional urbanization (Konijndjk 2003, Dearborn &

          The Tijuca National Park is one of the largest green areas of the world in a

        metropolis (ICMBio 2010), and often is associated with the idea of a “planted forest”. The

        reason is based on conservation actions from the beginning of 19th century (Oliveira et al.

        1995). As a result of those actions we believe that these 200 years of conservationist

        actions contributed to the maturity of this forest remnant. However, paved roads that cross

        the park impose differences in the spatial distribution of species. The roads, even they

        narrow ones (<20-30 m wide) (Laurance et al. 2009), may reduce biodiversity (Forman &

        Alexander 1998), alter successional processes (Spellerberg 1998, Trombulak & Frissell

        2000) and facilitate the invasion of exotic species (Lugo & Gucinski 2000), which can

        affect the ecosystem as a whole (Coffin 2007). In addition to providing access, roads cause

        losses and changes in habitats (Laurance et al. 2009, Freitas et al. 2010), vegetation

        (Spooner & Smallbone 2009), hydro-erosion processes and deposition of chemical

        compounds (Forman & Alexander 1998). Such factors, often acting together, lead to

        changes in movement and spatial patterns of species populations (Forman 1998).

          The construction of highways and roads transforms the landscapes and creates

        different microclimatic conditions (Delgado et al. 2007), which can impose changes at the

        community level (Augspurger 1983; Harris 1988; Burkey 1993; Angold 1997; Fagan et al.

        1999; Trombulak & Frissell 2000). Although edge effects resulting from clear-cuts and

        other open habitats have been studied (e.g. Guariguata & Dupuy 1997; Mesquita et al.

          

        1999; Winter et al. 2000; Dijak & Thompson 2000; Ries & Debinski 2001; Hansen &

        Clevenger 2005), the knowledge about forest roads caused by edge effects is scarce (Marsh

        & Beckman 2004), in particular about how the roads can affect legally protected areas

        (Ament et al. 2008).

          Among the fragmentation effects to the plant community, edge effects are

        outstanding (Murcia 1995). They have been associated with a decrease in the habitat

          

        quality and habitat loss (Yahner 1988; Kapos 1989; Mills 1995; Turner 1996; Goosen

        2000; Marchand & Houle 2006) and with exotic species invasion (Morgan 1998; Honnay

        et al. 2002; Pauchard & Alaback 2004; Ribeiro & Zaú 2007), reinforcing the hypothesis

        that the anthropogenic edges are harmful for the biodiversity conservation (Harris 1988;

        Saunders et al. 1991; Laurance & Bierregaard 1997).

          However, several authors (e.g. Murcia 1995; Camargo & Kapos 1995; Ehrlich

        1997; Villard 1998; Mesquita et al. 1999; Sisk & Battin 2002; Rodrigues & Nascimento

        2005; Harper et al. 2005) stressed the idea that magnitude and distance of the edge effects

        are complex, generating specific local responses. This makes difficult the wide

        applicability of the available information in conservation programs (Sisk & Haddad 2002;

        Sisk et al. 2002).

          Plant populations are determined by the past and current ecological factors that

        determine their spatial distribution and age structure (e.g. Harper 1997; Hutchings 1986).

          

        Among the main factors of influence are type soil, humidity, temperature, sunlight,

        topography and altitude, and also interactions with pollinators, dispersers, herbivores and

        competitors. Thus, the general premise is that edges change physical and biological

        conditions and can affect the distribution and density of plant species. Reproductive

        phenology also may be affected, as insolation is one of main factors related to flowering, in

        particular for understory species (Van Schaik et al. 1993).

          Some species of Psychotria have been studied considering the forest fragmentation

        and edge effects (e.g. Valladares et al. 2000; Meyer et al. 2003; Ramos & Santos 2005,

        2006; Kinupp & Magnusson 2005; Lopes & Buzato 2007; Ramos et al. 2007, 2008).

        However, specifically about road edges effects, there is no information for species of this

        genus, and in this work we evaluated the abundance and reproductive phenology of

          

        Psychotria nuda at different distances from road borders at Tijuca National Park, a

        remnant of Brazilian Atlantic forest.

          As some species are associated to gaps (Alberti 2007), we expect to find a gradient

        of abundance for P. nuda from the road to the inner forest. We also expect to find more

        individuals at reproductive phase near the roadside than at the interior forest.

        MATERIAL AND METHODS

          Studied species Psychotria (Rubiaceae) has 1500 pantropical and subtropical species that are very

        common in the understory of neotropical forests (Kinupp & Magnusson 2005). Thus, it is

        believed that species of this genus can be used as biodiversity indicators. Psychotria nuda

        is a shrub found in the south, center and southeastern of Brazil (Almeida & Alves 2000). In

        terms of successional stage, it is a ‘secondary initial’ (Carvalho et al. 2006). Castro &

        Araújo (2004) indicated that P. nuda presents heterostyly and sets fruits predominantly by

        inter-morph crossings. Thus, the presence of efficient pollinators is fundamental for its

        reproductive success, although some vegetative sprouting occurs. Leaf flush is in the most

        humid and hot period; blooming happens from March to June and fruiting occurs

        continuously, but the highest production of ripe fruits is from December to February

        (Almeida & Alves 2000).

          Site description The study area is a remnant of Brazilian Atlantic forest, specifically a coastal forest

        (Morelato & Haddad 2000), on a scarped relief at 400 m a.s.l. in the Tijuca National Park

          

        (22° 57' S and 43° 17' W), southeastern Brazil. The Park has approximately 4000 ha and is

        surrounded by the city of Rio de Janeiro, with six million two hundred thousand

        inhabitants (IBGE 2010). The Tijuca National Park has an enormous relevance as

        preserves a significant remnant of Atlantic Forest and protects sources and watersheds that

        supply part of Rio de Janeiro city. It is also one of the main visitation resorts of the city,

        • 1 with about 2 million visitors year (ICMBio 2010).

          The geology, relief and soils are related to tectonic Tertiary fails. The massif is

          o

          

        formed by ‘gnaisse facoidal and biotita gnaisse’, being frequent steepness up to 45 and

        rock outcrops (Eirado Silva et al. 1991). The summit has 1021 m. Soils are weathered,

        shallows in the upper slopes and with several meters in the valley bottoms. Latossoils

        prevail, with Neossoils and Cambissoils (Rosas et al. 1992). In terms of texture sandy loam

        soils predominate locally (D’Arrochella 2008).

          The climate is ‘tropical rainforest (Af)’, following Köppen’s (1948) (Mattos 2006).

        Mean annual precipitation is 2277 mm, with rains occurring all year round. Mean annual

        temperature is 21.5 ºC, and average maximum and minimum temperatures are 26.2ºC and

        17.9ºC (Mattos op cit.).

          The original vegetation was reduced due to deforestation and coffee

        plantations. The current forest has 20 to 25 m tall trees, epiphytes, lianas, shrubs and herbs.

          

        The present Tropical rainforest is well preserved forming a continuous canopy in late

          2

          

        secondary or climax local stage in about 35% of the total area of Tijuca Massif (112 km )

        (Coelho-Netto et al. 2007). It is the result of forest fragment remnants, conservationist

        actions that started in the middle of 19th century (reforestation and faunal reintroduction)

          

        and successional processes (Oliveira et al. 1995). Ruins of ancient farms can be found in

        forested parts. Myrtaceae, Rubiaceae, Lauraceae, Arecaceae, Leguminosae, Meliaceae,

        Euphorbiaceae and Melastomataceae are outstanding in its flora (Oliveira et. al. 1995).

        However, spontaneous and planted exotic species exist and are particularly frequent in

        many areas and have been detected air pollutants (Oliveira & Lacerda 1988). Paved asphalt

        roads (< 10 m wide) crosses parts of the park (q.v. General area description, Figure 10).

          Methods Plots (5x5 m) were delimited in three sites (S1, S2 and S3), ever on the upper slope.

          

        In each site, 10 m halfway conglomerate plots were allocated at the distances: 0-10; 30-40;

        60-70 and 90-100 m, starting from the edge road towards the forest interior (Figure 2).

          

        Figure 2. Satellite image schematizing the locations and plot samplings in the study sites

        (S1, S2 and S3) at Tijuca National Park, southeastern Brazil. Source:

        http://earth.google.com/intl/pt, obtained in January, 2008.

          All plants higher than 0.5 m tall were mapped and the phenological condition

        (reproductive or no reproductive) was registered from August 2007 to May 2008. The

        identification of the 'no reproductive' individuals was accomplished by vegetative

          Techniques To evaluate abundance among distances and sites, the Kruskal-Wallis’ tests

        followed by Dunn’s tests were used (Brower et al. 1997). The spatial distribution by

          Morisita's index (M) (X

          2

        • ) (Brower et al. 1997) was evaluated. To verify differences

          between phenological conditions, Mann-Whitney's Tests were used (Brower et al. 1997).

          Statistical tests were done using ‘Instat 3.00’ (Instat 1998) and ‘Prism 5.00’ (Prism 2007)

          softwares.

        RESULTS

          A total of 847 individuals of P. nuda were sampled. Abundance were significant

        different between '30-40' and '90-100' m plots in S1 (KW = 9.593; P = 0.0224) and

        between '0-10' and 30-40' and '0-10' and '90-100' plots in S3 (KW = 16.980; P = 0.0007).

        Significant differences were not founded in S2 (KW = 6.746; P = 0.0805) (Figure 3).

          

        Figure 3. Abundance of Psychotria nuda (number of individuals per 5x5 m plots) at

        different distances from road edges in three study sites (S1, S2 and S3) at Tijuca National

        Park, southeastern Brazil. N = 36. Different letters indicate significant differences. S2 0- 10 30-

        40

        60- 70 90- 10 10 20 A 30 Edge distance (m) b u n d a n c e ( n u m . in d . p e r p lo t) a a a a S1 0- 10 30 -4 60 -7 90 -1 00 5 10 15 A 20 a b ab ab Edge distance (m) b u n d a n c e ( n u m . in d . p e r p lo t) S3 0- 10 30 -4 60 -7 90 -1 00 10 20 A 30 Edge distance (m) b u n d a n c e ( n u m . in d . p e r p lo t) a a ab b

          The spatial distribution was aggregated in all distances according to the Morisita’s

          2

          2 index, confirmed by X test (X n-1; 0.01) (Table 1).

          

        Table 1. Spatial distribution pattern of Psychotria nuda at Tijuca National Park,

          2

          southeastern Brazil, after Morisita's index (M) and X ( ) 11; 0.0001 .

          2

          2

          2

          2

          2 M

          X M

          X M

          X M

          X M

          X

        0-10 m 1.95 39.14 3.96 174.80 2.43 54.23 3.39 241.05 3.20 308.62

        30-40 m 1.62 45.35 1.71 53.47 1.27 54.00 1.66 98.96 1.70 243.10

        60-70 m 1.93 33.38 3.26 61.14 1.47 42.32 2.43 91.92 2.13 175.38

          

        90-100 m 2.61 19.31 2.73 38.04 1.49 80.80 2.87 65.33 3.16 433.52

        In relation to the phenological condition, we counted 574 non-reproductive and 273

        reproductive individuals (i.e., with flowers and/or fruits). Non-reproductive individuals

        were more abundant than reproductive individuals at 90-100m of distance from the edge

        (Table 2). The differences were not significant for the other distances or no clear edge

        pattern was detected. Although not significant, there is a tendency to a high abundance of

        individuals in reproductive phase near the edge, comparatively to those in non-

        reproductive phase. In ‘0-10’ m ‘S1’ plot, more reproductive plants were found than non-

        reproductive ones. On the contrary, individuals in the non-reproductive stage were

        significantly higher in '90-100' m. In the intermediate distances, there was a tendency of

        non differentiation between both conditions.

          

        Table 2. Abundance of non-reproductive (NR) and reproductive (R) individuals of

        Psychotria nuda in three study sites (S1, S2 and S3) at different distances from road edges

        at Tijuca National Park, southeastern Brazil, compared by Mann Whitney's 'U' test.

          Distance from Sites P Significance Result edge (m) S1

          0-10 ** 0.0056 NR < R 30-40 0.6297 Ns 60-70 0.0173 NR > R *

        • 90-100 0.0068 NR > R S2 0-10 0.2189 Ns 30-40 0.3474 Ns 60-70 0.7125 Ns ** 90-100 0.0045 NR > R S3 0-10 0.0121 * NR > R 30-40 0.2657 Ns 60-70 0.2913 Ns 90-100 * 0.0205 NR > R ‘S1+S2’ 0-10 0.3684 Ns 30-40 0.7379 Ns 60-70 0.1864 Ns *** 90-100 0.0027 NR > R ‘S1+S2+S3’ 0-10 0.6344 Ns 30-40 0.3318 Ns 60-70 0.0887 Ns *** 90-100 0.0002 NR > R

        DISCUSSION

          Abundance and edge distance We observed a trend to increase abundance of P. nuda from 0-10 to 30-40 m and to

        decrease from '30-40' m towards the forest interior. Such results may be associated to

        microclimatic variations and/or related to the community’s edge. They can may still

        indicate stronger competitiveness of P. nuda in intermediate light conditions, reinforcing

        its secondary initial successional state, as described by Carvalho et al. (2006).

          Besides, it was observed that gaps (data not shown), which according to Brokaw

        (1982) are the main factors for tropical forests regeneration, generate the increase of P.

        nuda abundance, as similarly described by Alberti (2007).

          Similarity between sites Less than one year before our experiments started, two small gaps were done by

        tree falls, near or partially inside the '30-40' and '90-100' m ‘S3’ plots. These gaps seems to

        generate the highest similarity abundances between 'S1' and 'S2'. The gaps influenced P.

        nuda spatial distribution and could be masking the edge road effects.

          Similar situations associated to the great spatial variability were reported by Alberti

        (2007), studying Psychotria nuda and by Lopes & Buzato (2007) studying P. suterella.

          

        These last authors pointed out that variation on the small scale was more important than

        the variation explained by fragmentation category. In addition Ramos & Santos (2006)

        working on the edge effects on pollination of Psychotira tenuinervis in Brazilian Atlantic

        forest fragments, did not find significant differences in the production of fruits and seeds

        among natural edges (associated to streams), anthropogenic edges and forest interior. They

          

        considered that other factors than the distance from the edges (i.e., gaps, matrix

        composition, and edge age) are probably more influent on the reproductive phenology.

          Absence of significant differences among the individuals’ density in edge areas and

        forest interior was also found by Kindel & Júnior apud. Bertani (2006) who examined a

        population of Psychotria leiocarpa under edge effects in fragments of Atlantic Forest. In

        this case the edges were in an expansion process, becoming favorable to the establishment

        of the species in the proximities of them. Such results suggest that the edge creation may

        not represent a negative event for the population structure of Psychotria species, as

        observed by other studies (Ramos et al. 2007; Lopes & Buzato 2007).

          Anthropogenic edges can influence plant communities in several ways causing

        different effects to populations. For instance, Herrera (1995) indicated that pollinators are

        affected by microclimatic variations – frequently found on edge forests (Kapos 1989;

        Camargo & Kapos 1995; Kapos et al. 1997, Delgado et al. 2007) – and modifying the

        plant reproductive success (e.g. Ghazoul & Mcleish 2001; Seoane et al. 2001).

          Bertani (2006) suggested that P. suterella populations in a fragmented landscape of

        the Brazilian Atlantic forest depend on the combination of extreme fragmentation effects.

          

        These effects, such as isolation, reduced fragment size, largest canopy openness, and high

        anthropogenic disturbance degree, induced the population’s decrease and the structure

        alterations, resulting in differences on spatial distribution.

          Spatial distribution pattern Psychotria nuda presented a clumped distribution in all distances and sites, as

        reported by Bertani (2006) for P. suterella. This pattern, as is also probably the case of P.

        nuda , may result from its vegetative propagation, frequently observed at the studied sites.

          

        Other factors, such as limited dispersion, environmental heterogeneity, and specialization

        in microhabitats can also be associated to the clumped distribution (Bertani 2006).

          Phenological condition Due to the greater abundance of individuals in non-reproductive phase at longer

        distances from the road edges, we may consider an influence of edge effects on

        phenological conditions, probably due to the dependence of forest gap of this species.

        These results support the hypothesis that edge effects affect the abundance and phenology

        in P. nuda (see Alberti 2007). That author recorded that the number of flowers and fruits

        was significantly higher in the border and in natural gaps than in the forest interior, which

        reinforces the relevance of forest gaps as important habitat for reproduction.

          However, the greater abundance of individuals in non-reproductive phase at longer

        distances from the road edges at Tijuca does not implicate, necessarily, that the

        effectiveness of fruiting and even the dispersal are also locally affected by the edge effects.

        In 'S3', the gaps near to the '30-40' and '90-100' m plots should influenced the results

        masking edge roads effects as well.

        CONCLUSION

          The landscape of Tijuca National Park presents an important spatial variability. The

        scarped relief, slope orientation, variations in the steepness of the hillside, past use of the

        land, sucessional stage, soil types, hydrological flows, presence or absence of pollinators,

        dispersers and competitors, as well as of other correlated factors may be mentioned. Thus,

        the concept that magnitude and distance of the edge effect is complex is reinforced,

          

        generating local specific responses (e.g. Murcia 1995; Camargo & Kapos 1995; Ehrlich

        1997; Villard 1998; Sisk & Battin 2002; Harper et al. 2005).

          In this way the results did not show that P. nuda is suffering ecological changes

        specifically as a result of road edge effects, but associated with the forest dynamic, as

        clearings, altering the spatial patterns of the species. The fact that the edges are old and

        seemingly stabilized can contribute to the non-observation of clear road edge effects on the

        spatial distribution and phenological aspects of P. nuda.

          Although, considering the ecological, economical and social importance of the area,

        these results can be used to develop or to keep management strategies to control alterations

        of road edge effects on the community, as already detected in the case of invasion and the

        establishment of exotic species (Ribeiro & Zaú 2007).

        ACKNOWLEDGEMENTS

          We thank Gabriel Bernardello, Luís Mauro Magalhães, Pablo Rodrigues, Rogério

        Oliveira and Flávio Ramos for the critical suggestions, Betina Suzuki for reviewing of

        English version and the critical suggestions, ICMBio for the research authorization

        (SISBIO 15160-1), CAPES/PROAP for partial financial support and lab students that help

        during data field collection.

        REFERENCES

          

        Alberti, L. F. 2007. Comparação entre borda antrópica, clareiras naturais e o interior da

        floresta quanto à fenologia de árvores na floresta semidecídua e quanto à fenologia do arbusto Psychotria nuda na Floresta Atlântica. Tese de Doutorado. Universidade

          

        Almeida, E.M. & Alves, M.A.S. 2000. Fenologia de Psychotria nuda e P. brasiliensis

        (Rubiaceae) em uma área de Floresta Atlântica no Sudeste do Brasil. Acta Botanica Brasilica 14(3): 335-346.

        Ament, R.; Clevenger, A.P.; Yu O. & Hardy, A. 2008. An Assessment of Road Impacts on

        Wildlife Populations in U.S. National Parks. Environmental Management 42: 480-496.

          

        Angold, P.G. 1997. The impact of a road upon adjacent heathland vegetation: Effects on

        plant species composition. Journal of Applied Ecology 34(2): 409-417.

          

        Augspurger, C.K. 1983. Phenology, flowering synchrony, and fruit set of six neotropical

        shrubs. Biotropica 15(4): 257-267.

          

        Bertani, D.F. 2006. Ecologia de populações de Psychotria suterella Müll. Arg.

          (Rubiaceae) em uma paisagem fragmentada de Mata Atlântica. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 126p.

          

        Brokaw, N.V.L. 1982. The definition of treefall gap and its effect on measures of forest

        dynamics. Biotropica 14(2): 158-160.

          

        Brower, J.E., Zar, J.H., von Ende, C.N., 1997. Field and laboratory methods for general

        ecology. 4ed. McGraw-Hill, Boston. 273p.

          

        Burkey, T.V. 1993. Edge effects in seed and egg predation at two Neotropical rainforest

        sites. Biological Conservation 66(2): 139-143.

          

        Camargo, J.L.C. & Kapos, V. 1995. Complex edge effects on soil moisture and

        microclimate in central Amazonian forest. Journal of Tropical Ecology 11: 205-221.

          

        Carvalho, F.A.; Nascimento, M.T. & Braga, J.M. A. 2006. Composição e riqueza florística

        do componente arbóreo da Floresta Atlântica submontana na região de Imbaú, Município de Silva Jardim, RJ. Acta Botanica Brasilica 20(3): 727-740.

        Castro, C.C. & Araújo, A.C. 2004. Distyly and sequential pollinators of Psychotria nuda

        (Rubiaceae) in the Atlantic rain forest, Brazil. Plant Systematcs and Evolution 244(3-

          4): 131-139.

          

        Coelho-Netto, A.L.; Avelar, A.S.; Fernandes, M.C. & Lacerda, W.A. 2007. Landslide

        susceptibility in a mountainous geoecosystem, Tijuca Massif, Rio de Janeiro: The role of morphometric subdivision of the terrain. Geomorphology 87: 120–131.

        Coffin, A.W. 2007. From roadkill to road ecology: A review of the ecological effects of

        roads. Journal of Transport Geography 15: 396-406.

          

        D’Arrochella, M.L.G. 2008. Análise do sub-sistema solo/serapilheira em um trecho de

        Mata Atlântica sujeito aos efeitos de borda no Parque Nacional da Tijuca, RJ utilizando os Indicadores Funcionais Globais –Rio de Janeiro. Monografia de Graduação. Programa de Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 52p.

        Dearborn D.C. & Kark S. 2009. Motivations for Conserving Urban Biodiversity.

          Conservation Biology 24(2): 432–440.

        Delgado, J.D.; Arroyo, N.L.; Arevalo, J.R. & Fernandez-Palacios, J.M. 2007. Edge effects

        of roads on temperature, light, canopy cover, and canopy height in laurel and pine

        forests (Tenerife, Canary Islands). Landscape and Urban Planning 81(4): 328-340.

        Dijak, W.D. & Thompson III, F.R. 2000. Landscape and edge effects on the distribution of

        mammalian predators in Missouri. Journal of Wildlife Management 64(1): 209-216.

          

        Ehrlich, P.R. 1997. The loss of diversity: causes and consequences. In: Wilson, E.O.

          Biodiversity . National Academy Press, Washington. Pp. 21-27.

          

        Eirado Silva, L.G.; Nava, D.B.; Heilbron, M.E. & Valeriano, C.M. 1991. Geologia de

        detalhe da Serra da Carioca, Cidade do Rio de Janeiro, RJ. In: II Simpósio de Geologia do Sudeste: 161-169.

        Fagan, W.F.; Cantrell, R.S. & Cosner, C. 1999. How habitat edges change species

        interactions. The American Naturalist 153(2): 165-177.

          

        Forman, R.T.T. 1998. Road ecology: A solution for the giant embracing us. Landscape

        Ecology 13: iii–v.

          

        _____________ & Alexander, L.E. 1998. Roads and their major ecological effects. Annual

        Review of Ecology and Systematics 29: 207–231.

          

        Freitas, S.R.; Hawbaker, T.J. & Metzger, J.P. 2010. Effects of roads, topography, and land

        use on forest cover dynamics in the Brazilian Atlantic Forest. Forest Ecology and Management 259: 410-417.

        Gentry, A.H. 1993. A Field guide to the families and genera of Woody plants of Northwest

        South America. Conservation International, Washington. 895p.

          

        Ghazoul, J. & Mcleish, M. 2001. Reproductive ecology of tropical forest trees in logged

        and fragmented habitats in Thailand and Costa Rica. Plant Ecology 153(1-2): 335-345.

          

        Goosem, M. 2000. Effects of tropical rainforest roads on small mammals: Edge changes in

        community composition. Wildlife Research 27(2): 151-163.

          

        Guariguata, M.R. & Dupuy, J.M. 1997. Forest regeneration in abandoned logging roads in

        Lowland Costa Rica. Biotropica 29(1): 15-28.

          

        Hansen, M.J. & Clevenger, A.P. 2005. The influence of disturbance and habitat on the

        presence of non-native plant species along transport corridors. Biological Conservation 125(2): 249-259. Harper, J.L., 1997. Population biology of plants. Academic Press, London. 812p.

        Harper, K.A.; Macdonald, S.E.; Burton, P.J.; Chen, J.; Brosofske, K.D.; Saunders, S.C.;

        Euskirchen, E.S.; Roberts, D. & Esseen, P.A. 2005. Edge influence on forest structure

        and composition in fragmented landscapes. Conservation Biology 19(3): 768-782.

        Harris, L.D. 1988. Edge effects and conservation of biotic diversity. Conservation Biology

        2(4): 330-332.

          

        Herrera, C.M. 1995. Floral biology, microclimate, and pollination by ectothermic bees in

        an early-blooming herb. Ecology 76(1): 218-228.

          

        Honnay, O.; Verheyen, K. & Hermy, M. 2002. Permeability of ancient forest edges for

        weedy plant species invasion. Forest Ecology and Management 161(1-3): 109-122.

          

        Hutchings, M.J., 1997. The structure of plant population. In: M. J. Crawley (Eds.), Plant

        Ecology. Blackwell Scientific Publ., Oxford, pp. 325-358.

          

        IBGE. 2010. Cidades. Disponível em

          

        ICMBio. 2010. Rio de Janeiro. Parque Nacional da Tijuca. Disponível em

        <https://gestao.icmbio.gov.br/brasil/RJ/municipios/rio-de-janeiro/parque-nacional-da-

        tijuca>. Acesso em 10 de julho 2010.

        Jim, C.Y. & Chen, W.Y. 2009. Ecosystem services and valuation of urban forests in China.

          Cities 26:187–194.

        Kapos, V. 1989. Effects of isolation on the water status of forest patches in the Brazilian

        Amazon. Journal of Tropical Ecology 5(2): 173-185.

          

        ______________; Wandelli, E.; Camargo; J.L. & Ganade, G. 1997. Edge-related changes

        in environment and plant response due to forest fragmentation in central Amazonia. In: Laurance, W.F. & Bierregaard, R.O. Tropical forest remnants: Ecology, Management, and Conservation of fragmented communities . The University of Chicago Press, Chicago. Pp. 33-44.

          

        Kinupp, V.F. & Magnusson, W.E. 2005. Spatial patterns in the understorey shrub genus

        Psychotria in central Amazonia: effects of distance and topography. Journal of Tropical Ecology 21: 363-374.

          

        Konijnendijk, C.C.A. 2003. Decade of urban forestry in Europe. Forest Policy and

        Economics 5: 173–186.

          

        Laurance, W.F. & Bierregaard, R.O. (Eds.) Tropical forest remnants: Ecology,

        Management, and Conservation of fragmented communities . The University of Chicago Press. Chicago, 1997. 616 p.

          

        ______________; Goosem, M. & Laurance, S.G.W. 2009. Impacts of roads and linear

        clearings on tropical forests. Trends in Ecology and Evolution 24(12): 659-699.

          

        Lopes, L.E. & Buzato, S. 2007. Variation in pollinator assemblages in a fragmented

        landscape and its effects on reproductive stages of a self-incompatible treelet, Psychotria suterella (Rubiaceae). Oecologia 154 (2): 305-314.

          

        Lugo, A. & Gucinski, H. 2000. Function, effects and management of forest roads. Forest

        Ecology and Management 133: 249-262.

          

        Marchand, P. & Houle, G. 2006. Spatial patterns of plant species richness along a forest

          

        Marsh, D.M. & Beckman, N.G. 2004. Effects of forest roads on the abundance and activity

        of terrestrial salamanders. Ecological Applications 14(6) 1882-1891.

          

        Mattos, C.C.L.V. de. 2006. Mesoclima da cidade do Rio de Janeiro. Floresta e Ambiente

        (Série Técnica): 1-22.

          

        Mesquita, R.C.G.; Delamonica, P. & Laurance, W.F. 1999. Effect of surrounding

        vegetation on edge-related tree mortality in Amazonian Forest fragments. Biological Conservation 91: 129-134.

        Meyer, J.Y.; Florence J. & Tchung, V. 2003. The endemic Psychotria (Rubiaceae) of

        Tahiti (French Polynesia) threatened by the invasive Miconia calvescens

          (Melastomataceae): Status, distribution, ecology, phenology and conservation. Revue d'Ecologie (La Terre et la Vie) 58(2): 161-185.

          

        Mills, L.S. 1995. Edge effects and isolation: Red-backed voles on forest remnants.

          Conservation Biology 9(2): 395– 403.

        Morellato, L.P.C. & Haddad, C.F.B. 2000. Introduction: The Brazilian Atlantic Forest.

          Biotropica 32(4b): 786-792.

        Morgan, J.W. 1998. Patterns of invasion of an urban remnant of a species-rich grassland in

        southeastern Australia by non-native plant species. Journal of Vegetation Science 9:

          181-190.

        Murcia, C. 1995. Edge effects in fragmented forests: implications for conservation. Trends

        in Ecology & Evolution 10(2): 58-62.

          

        Myers, N.; Mittermeier, R.A.; Mittermeier, C.G.; Fonseca, G.A.B. & Kent. J. 2000.

          Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature 403: 853-858.

        Oliveira, R.R. & Lacerda, L.D. 1988. Contaminação por chumbo na serapilheira do Parque

        Nacional da Tijuca. Acta Botanica Brasílica 1(2): 165-169.

          

        ______________; Zaú, A.S.; Lima, D.F; Silva, M.B.R. & Vianna, M.C. 1995. Dinâmica

        ecológica de encostas no Maciço da Tijuca - RJ. Oecologia Brasiliensis 1: 523-541.

          

        Pauchard, A. & Alaback, P.B. 2004. Influence of elevation, land use, and landscape

        context on patterns of alien plant invasions along roadsides in protected areas of South-Central Chile. Conservation Biology 18(1): 238-248.

        Pinto, L.P.; Bedê, L.; Paese, A.; Fonseca, M.; Paglia, A. & Lamas, I. 2006. Mata Atlântica

        Brasileira: Os desafios para conservação da Biodiversidade de um Hotspot Mundial.

          In: Rocha, C.F.D., Bergallo, H.G., Sluys, M.V. & Alves, M.A.S. Biologia da Conservação: Essências. RiMa, São Carlos. Pp. 91-118.

          

        Prism 5.00 (Trial) for Windows. 2007. GraphPad Software, Inc. Disponível em

        <http://www.graphpad.com/instat/>. Acesso em 21 de agosto de 2008.

          

        Ramos, F.N. & Santos, F.A.M. 2005. Phenology of Psychotria tenuinervis (Rubiaceae) in

        Atlantic forest fragments: Fragment and habitat scales. Canadian Journal of Botany 83(10): 1305-1316.

        ______________ & Santos, F.A.M. 2006. Floral visitors and pollination of Psychotria

        tenuinervis (Rubiaceae): Distance from the anthropogenic and natural edges of an Atlantic forest fragment. Biotropica 38(3): 383-389.

          

        ______________; Jose, J.; Solferini, V.N. & Santos F.A.M. 2007. Quality of seeds

        produced by Psychotria tenuinervis (Rubiaceae): Distance from anthropogenic and natural edges of Atlantic Forest fragment. Biochemical Genetics 45(6): 441-458.

        ______________; Zucchi, M.I.; Solferini, V.N. & Santos, F.A.M. 2008. Mating Systems

        of Psychotria tenuinervis (Rubiaceae): Distance from Anthropogenic and Natural

          Edges of Atlantic Forest Fragment. Biochemical Genetics 46(1-2): 88-100.

        Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P.; Martensen, A.C.; Ponzoni, F.J. & Hirota, M.M. 2009. The

        Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation 142(6): 1141- 1153.

          

        Ribeiro, M.O. & Zaú, A.S. 2007. Levantamento populacional e manejo da exótica invasora

        Dracaena fragrans (L.) Ker-Gawl (Angiospermae – Liliaceae), em um trecho de Floresta Atlântica sob efeitos de borda no Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Revista Brasileira de Biociências 5(1): 21-23.

          

        Ries, L. & Debinski, D.M. 2001. Butterfly responses to habitat edges in the highly

        fragmented prairies of Central Iowa. Journal of Animal Ecology 70(5): 840-852.

          

        Rodrigues, P.J.F.P. & Nascimento, M.T. 2006. Fragmentação florestal: breves

        considerações teóricas sobre efeitos de borda. Rodriguésia 57(1): 63-74.

          

        Rosas, R.O.; Pereira, J.L.G. & Coelho Netto, A.L. 1992. Estudo dos solos de uma pequena bacia

        florestada, Parque Nacional da Tijuca - RJ. In: IIIº Simpósio de Geografia Física Aplicada: 34-42.

        Saunders, D.A.; Hobbs, R.J. & Margules, C.R. 1991. Biological consequences of

        ecosystem fragmentation: a review. Conservation Biology 5: 18-32.

          

        Seoane, C.E.C.; Sebbenn, A.M. & Kageyama, P.Y. 2001. Sistema reprodutivo em

        populações de Esenbeckia leiocarpa. Revista do Instituto Florestal 13: 21-28.

          

        Sisk, T.D. & Battin, J. 2002. Habitat edges and avian ecology: geographic patterns and

        insights for western landscapes. Studies in Avian Biology 25: 30-48.

          

        ______________ & Haddad, N.M., 2002. Incorporating the effects of habitat edges into

        landscape models: Effective area models for cross-boundary management. In: Liu, J. & Taylor, W. Integrating landscape ecology into natural resource management. Cambridge University Press, Cambridge. Pp. 208-240.

        ______________; Noon, B.R. & Hampton, H.M., 2002. Estimating the effective area of

        habitat patches in heterogeneous landscapes. In: Scott, J.M.; Heglund, P.J. &

          Morrison, M.L. Predicting Species Occurrences: Issues of Accuracy and Scale. Island Press, Washington. Pp. 713–725.

          

        Spellerberg, I.F. 1998. Ecological Effects of Roads and Traffic: A Literature Review.

          Global Ecology and Biogeography Letters 7(5): 317-333.

        Spooner, P.G. & Smallbone, L. 2009. Effects of road age on the structure of roadside

        vegetation in south-eastern Australia. Agriculture, Ecosystems & Environment 129(1-

          3): 57-64.

        Stehmann, J.R.; Forzza, R.; Salino, A.; Sobral, M.; Costa, D.P.; Kamino, L.H.Y. 2009.

          Plantas da Floresta Atlântica. Vol. 1. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de

          

        Trombulak, S.C. & Frissell, C.A. 2000. Review of ecological effects of roads on terrestrial

        and aquatic communities. Conservation Biology 14 (1): 18-30.

          

        Turner, I.M. 1996. Species loss in fragments of tropical rain forest: a review of the

        evidence. Journal Applied Ecology 33: 200-209.

          

        Valladares, F.; Wright, S.J.; Lasso, E.; Kitajima, K. & Pearcy, R.W. 2000. Plastic

        phenotypic response to light of 16 congeneric shrubs from a Panamanian rainforest.

          Ecology 81(7): 1925-1936.

        Van Schaik, C.P.; Terborgh, J.W. & Wright, S.J. 1993. The phenology of tropical forests:

        adaptive significance and consequences for primary consumers. Annual Review of

          Ecology and Systematics 24: 353-377.

        Villard, M.A. 1998. On forest-interior species, edge avoidance, area sensitivity, and

        dogmas in avian conservation. AUK 115(3): 801-805.

          

        Winter, M.; Johnson, D.H. & Faaborg, J. 2000. Evidence for edge effects on multiple

        levels in tallgrass prairie. Condor 102(2): 256-266.

          

        Yahner, R.H. 1988. Changes in wildlife communities near edges. Conservation Biology 2:

        333-339.

        CONCLUSÕES GERAIS

          Os indicadores florísticos, fitossociológicos, de diversidade, grupos sucessionais,

        síndromes de dispersão, similaridade regional e de estrutura física do componente arbóreo-

        arbustivo apontam que a área estudada se encontra em estágio sucessional avançado e em

        bom estado de conservação. Isso contraria a noção disseminada de uma floresta com

        características antrópicas mais acentuadas que as de outros remanescentes regionalmente

        significativos, mesmo se tratando de um trecho de Mata Atlântica com forte histórico de

        intervenção antrópica e sob influência urbana da metrópole do Rio de Janeiro.

          A avaliação de efeitos de borda decorrentes de estradas pavimentadas que recortam

        o Parque Nacional da Tijuca aponta para a existência de características microclimáticas

        distintas do interior da floresta. Tais condições podem acarretar em padrões de

        deslocamento e colonização diferenciados, por exemplo, facilitando a invasão por espécies

        exóticas. Entretanto, provavelmente em função das condições locais e de historicidade as

        diferenças observadas parecem ter sido mais decorrentes de aspectos dinâmicos da

        cobertura florestal e da heterogeneidade local do que decorrentes de efeitos de borda das

        estradas. Tais fatores também parecem ter sido determinantes na distribuição espacial e

        fenológica de P. nuda. Porém, uma vez que não foram observados gradientes claros em

        direção ao interior da floresta, é provável que as bordas lineares associadas às estradas

        estreitas pavimentadas que recortam o setor “A” do PARNA Tijuca apresentem

        características diferenciadas daquelas de remanescentes florestais cercados por matrizes

        bastante distintas.

          Em relação aos perfis margens da estrada – interior da floresta parecem existir

        efeitos de borda em termos de abundância de espécies caracterizadas como secundárias

        tardias/climácias, especialmente nos primeiros metros marginais às estradas. Assim, não se

          

        próximos a estacionamentos e áreas de lazer, possa resultar em características ecológicas

        semelhantes àquelas descritas para grandes clareiras naturais e, principalmente àquelas

        observadas em bordas antrópicas em remanescentes cercados por matrizes distintas.

        Entretanto, não foram observados padrões inequívocos de efeitos de borda na estrutura

        física da vegetação, pelo menos num grau perceptível em função das limitações amostrais

        ou dos procedimentos analíticos. Desta forma, parece que as bordas associadas às estradas

        que recortam a floresta no setor “A” do parque são, de certa forma, resilientes e a

        diferenciação entre a floresta e a estrada não é, em termos relativos, tão impactante na

        cobertura vegetal. Além de que nessas estradas pode ocorrer a existência de impactos

        heterogeneamente distribuídos, semelhantemente aos descritos para outros processos

        lineares de alterações antrópicas (e.g., decorrentes do recorte da floresta para instalação de

        linhas de transmissão de energia elétrica, ferrovias, gasodutos), especialmente num

        contexto de paisagem heterogênea.

          A fitossociologia, como procedimento de análise, pode auxiliar na indicação de

        prioridades em termos de conservação e manejo, contribuindo em estudos auto-ecológicos,

        de dinâmica populacional e ações de recuperação de áreas degradadas, devendo ser os

        procedimentos contextualizados, criteriosamente estabelecidos e os resultados

        adequadamente comparados. Na mesma direção, na atualidade, as análises florísticas

        contam com informações e bases on line, as quais são fundamentais para a consolidação

        das determinações taxonômicas obtidas por comparações em herbários ou avaliações de

        especialistas, muitas vezes limitadas pela frequente ausência de material botânico em

        fenofase fértil. Maior acuracia na determinação do material obtido em estudos

        fitossociológicos é condição fundamental para ações de conservação eficazes.

          Outra perspectiva interessante emerge do fato das quatro espécies zoocóricas mais

        abundantes localmente terem somado mais de 40% dos indivíduos amostrados. Nestas

          

        condições, é provável que tais espécies representem uma parcela relevante dos recursos

        alimentares na comunidade, reforçando a relevância de parâmetros e aspectos reprodutivos

        das espécies como uma das prioridades para a conservação das comunidades.

          O PARNA Tijuca contém importante variabilidade espacial. Devem ser

        considerados o relevo escarpado, a orientação e declividade variadas nas encostas, o uso

        pretérito do solo, diferentes estágios sucessionais, tipos de solos, sistemas hidrológicos

        predominantes, presença ou ausência de polinizadores, dispersores e competidores,

        sistemas diferenciados de decomposição, bem como outros fatores correlacionados. Neste

        sentido, é reforçada a concepção que a magnitude e distância dos efeitos de borda não são

        fatores de simples caracterização.

          Apesar da relativa capacidade de autorregeneração no bioma, em razão do quadro

        generalizado de fragmentação e degradação da Mata Atlântica, é bastante provável que o

        processo de regressão sucessional observado na Mata Atlântica do nordeste do Brasil esteja

        ocorrendo também em outros trechos da Mata Atlântica, alterando a biota e causando

        consequências ecológicas em escala evolutiva. Assim, aumenta a relevância ecológica de

        trechos como o estudado uma vez que, tanto em termos regionais, quanto em relação ao

        bioma, as formações mais avançadas sucessionalmente e mais bem conservadas são

        consideradas exceções.

          Os resultados encontrados podem ser derivados de condições complexas e, mesmo

        considerando que a caracterização de padrões contribui para o desenvolvimento teórico e

        consequentemente para soluções concretas em termos de conservação, deve ser ressaltada a

        dificuldade de generalizações.

          Por fim, um conjunto de fatores físicos operando em uma escala imperceptível, em

        função de limitações amostrais ou de procedimentos analíticos, pode influenciar aspectos

        biológicos no sentido restrito. Desta forma, avaliações multivariadas e com enfoque

          

        transdisciplinar, considerando parâmetros microclimáticos, biológicos, aspectos associados

        à variabilidade espacial da área estudada, bem como seu uso e relação com o entorno

        podem contribuir para elucidação de características não evidentes em análises específicas.

          ANEXOS – Capítulo I

          

        Anexo 1. Temperatura do ar (°C) em um trecho de Mata Atlântica de encosta no Rio de

        Janeiro, RJ. A letra procedida de 1 a 8 representa o perfil. Os números de 1 a 4

        representam as distâncias das margens da estrada para o interior da floresta,

        respectivamente, 0-10, 30-40, 60-70 e 90-100 metros. Registros por estação climática.

        Período: outubro de 2006 a setembro de 2008. Média ± desvio padrão (número amostral).

          Primavera Verão Outono Inverno

        A1 1 25.0 ± 3.0 (10) 27.1 ± 1.3 (10) 22.8 ± 2.7 (10) 21.4 ± 2.7 (10)

        2 24.3 ± 3.2 (10) 26.4 ± 1.6 (10) 22.2 ± 2.5 (10) 20.6 ± 2.7 (10) 3 24.5 ± 3.5 (10) 26.4 ± 1.9 (10) 22.3 ± 2.5 (10) 20.6 ± 2.6 (10) 4 24.5 ± 3.7 (10) 26.5 ± 1.7 (10) 22.3 ± 2.5 (10) 20.7 ± 2.5 (10)

        A2 1 25.3 ± 2.7 (10) 27.1 ± 3.0 (10) 26.1 ± 1.8 (9) 23.6 ± 4.5 (10)

        2 24.2 ± 2.9 (10) 25.7 ± 2.7 (10) 24.6 ± 1.9 (9) 21.6 ± 3.6 (10) 3 24.6 ± 4.1 (10) 25.8 ± 2.8 (10) 24.9 ± 1.7 (9) 22.2 ± 3.3 (10) 4 24.0 ± 3.4 (10) 25.4 ± 2.7 (10) 24.5 ± 1.6 (9) 21.8 ± 3.0 (10)

        A3 1 24.8 ± 3.6 (10) 26.3 ± 2.3 (10) 23.4 ± 2.9 (10) 20.6 ± 2.6 (10)

        2 24.2 ± 3.7 (10) 25.8 ± 2.2 (10) 22.8 ± 3.3 (10) 19.6 ± 2.3 (10) 3 23.8 ± 3.5 (10) 25.3 ± 2.3 (10) 22.3 ± 3.2 (10) 19.2 ± 2.2 (10) 4 23.4 ± 3.3 (10) 24.9 ± 2.2 (10) 22.2 ± 3.1 (10) 19.1 ± 2.2 (10)

        A4 1 24.7 ± 3.4 (10) 26.5 ± 2.5 (10) 24.9 ± 1.2 (9) 21.4 ± 3.4 (10)

        2 24.1 ± 3.5 (10) 26.1 ± 2.5 (10) 24.0 ± 1.7 (9) 21.0 ± 3.2 (10) 3 24.2 ± 3.6 (10) 26.1 ± 2.4 (10) 24.3 ± 1.8 (9) 21.2 ± 2.9 (10) 4 24.1 ± 3.6 (10) 26.1 ± 2.3 (10) 24.7 ± 2.0 (9) 21.7 ± 2.7 (10)

        A5 1 24.3 ± 3.0 (10) 25.7 ± 1.0 (10) 23.4 ± 2.9 (10) 21.2 ± 2.4 (10)

        2 24.0 ± 3.4 (10) 25.5 ± 1.4 (10) 23.6 ± 3.0 (10) 20.9 ± 2.3 (10) 3 24.2 ± 3.6 (10) 25.9 ± 1.5 (10) 23.8 ± 3.1 (10) 21.3 ± 2.5 (10) 4 24.3 ± 3.6 (10) 26.5 ± 1.6 (10) 23.8 ± 3.1 (10) 21.6 ± 2.4 (10)

        A6 1 25.6 ± 2.3 (10) 26.6 ± 1.8 (10) 22.7 ± 3.9 (10) 22.5 ± 2.6 (10)

        2 25.3 ± 2.6 (10) 26.2 ± 2.0 (10) 23.2 ± 4.0 (10) 22.2 ± 2.6 (10) 3 25.2 ± 2.8 (10) 26.3 ± 2.0 (10) 23.5 ± 3.9 (10) 22.2 ± 2.4 (10) 4 25.1 ± 2.7 (10) 26.2 ± 1.7 (10) 23.5 ± 3.8 (10) 22.1 ± 2.3 (10)

        A7 1 25.9 ± 4.0 (10) 26.8 ± 1.3 (10) 22.0 ± 3.3 (10) 20.3 ± 1.7 (10)

        2 25.3 ± 4.0 (10) 26.3 ± 1.7 (10) 21.3 ± 3.4 (10) 19.7 ± 1.6 (10) 3 24.8 ± 4.0 (10) 26.2 ± 1.8 (10) 21.2 ± 3.4 (10) 19.7 ± 1.7 (10) 4 24.9 ± 4.1 (10) 26.5 ± 1.9 (10) 21.4 ± 3.3 (10) 19.7 ± 1.8 (10)

        A8 1 26.1 ± 3.0 (10) 26.9 ± 1.2 (10) 22.3 ± 4.1 (10) 22.5 ± 2.0 (10)

        2 26.0 ± 2.9 (10) 26.7 ± 1.2 (10) 22.2 ± 4.0 (10) 21.7 ± 2.0 (10) 3 25.4 ± 2.8 (10) 26.7 ± 1.3 (10) 22.4 ± 4.0 (10) 21.9 ± 2.0 (10) 4 25.5 ± 2.8 (10) 26.6 ± 1.3 (10) 22.6 ± 4.1 (10) 22.2 ± 2.1 (10)

          

        Anexo 2. Umidade relativa do ar (%) em um trecho de Mata Atlântica de encosta no Rio de

        Janeiro, RJ. A letra procedida de 1 a 8 representa o perfil. Os números de 1 a 4

        representam as distâncias das margens da estrada para o interior da floresta,

        respectivamente, 0-10, 30-40, 60-70 e 90-100 metros. Registros por estação climática.

        Período: outubro de 2006 a setembro de 2008. Média ± desvio padrão (número amostral).

          Primavera Verão Outono Inverno

        A1 1 71.8 ± 3.3 (9) 66.9 ± 9.3 (10) 73.0 ± 5.6 (9) 66.9 ± 5.8 (10)

        2 73.0 ± 4.1 (9) 68.7 ± 10.3 (10) 76.9 ± 11.6 (10) 67.8 ± 7.2 (10) 3 72.0 ± 5.7 (9) 68.0 ± 10.2 (10) 76.5 ± 12.7 (10) 67.3 ± 7.3 (10) 4 73.3 ± 6.6 (9) 67.8 ± 11.5 (10) 77.3 ± 14.7 (10) 67.3 ± 7.6 (10)

        A2 1 67.6 ± 9.2 (10) 65.2 ± 11.9 (10) 65.2 ± 10.6 (10) 55.3 ± 8.9 (10)

        2 71.8 ± 12.5 (10) 70.7 ± 15.9 (10) 69.4 ± 16.1 (10) 57.6 ± 7.3 (10) 3 71.2 ± 14.5 (10) 70.1 ± 16.5 (10) 68.4 ± 16.9 (10) 56.2 ± 8.2 (10) 4 72.3 ± 12.2 (10) 71.5 ± 16.3 (10) 70.0 ± 19.5 (10) 56.5 ± 7.7 (10)

        A3 1 71.0 ± 13.0 (10) 66.6 ± 10.4 (10) 70.1 ± 8.9 (10) 61.4 ± 9.1 (10)

        2 73.8 ± 13.5 (10) 68.8 ± 10.9 (10) 74.6 ± 10.3 (10) 65.8 ± 8.9 (10) 3 76.3 ± 13.8 (10) 71.5 ± 12.0 (10) 78.0 ± 12.4 (10) 66.7 ± 10.0 (10) 4 78.4 ± 14.8 (10) 71.7 ± 11.8 (10) 79.1 ± 12.7 (10) 66.7 ± 11.5 (10)

        A4 1 67.6 ± 9.9 (10) 69.0 ± 15.8 (10) 72.0 ± 14.0 (10) 61.8 ± 7.5 (10)

        2 68.6 ± 10.3 (10) 70.2 ± 15.0 (10) 74.5 ± 15.9 (10) 63.5 ± 6.8 (10) 3 69.2 ± 10.5 (10) 69.9 ± 15.4 (10) 71.1 ± 15.8 (10) 62.7 ± 7.7 (10) 4 69.1 ± 9.7 (10) 68.7 ± 16.0 (10) 69.1 ± 16.0 (10) 59.0 ± 8.3 (10)

        A5 1 74.9 ± 11.0 (10) 80.4 ± 10.7 (10) 80.8 ± 11.1 (10) 70.2 ± 7.9 (10)

        2 75.5 ± 12.6 (10) 80.8 ± 10.1 (10) 80.6 ± 12.3 (10) 71.7 ± 11.2 (10) 3 74.2 ± 13.9 (10) 78.6 ± 9.5 (10) 79.5 ± 15.2 (10) 68.6 ± 10.7 (10) 4 75.3 ± 14.7 (10) 76.3 ± 10.2 (10) 79.4 ± 16.3 (10) 67.2 ± 9.9 (10)

        A6 1 75.9 ± 15.4 (10) 72.0 ± 12.2 (10) 74.0 ± 6.0 (9) 68.9 ± 7.6 (10)

        2 76.1 ± 14.5 (10) 72.4 ± 12.8 (10) 76.0 ± 12.6 (10) 68.2 ± 6.3 (10) 3 78.0 ± 15.4 (10) 71.6 ± 13.5 (10) 73.3 ± 13.2 (10) 66.5 ± 7.4 (10) 4 78.4 ± 14.5 (10) 71.1 ± 12.9 (10) 71.5 ± 17.3 (10) 63.9 ± 7.1 (10)

        A7 1 75.7 ± 11.5 (10) 71.1 ± 3.9 (10) 84.6 ± 10.7 (10) 73.4 ± 3.4 (10)

        2 80.0 ± 14.1 (10) 71.4 ± 8.3 (10) 86.0 ± 10.2 (10) 71.9 ± 5.0 (9) 3 81.1 ± 12.3 (10) 70.9 ± 9.2 (10) 85.5 ± 11.4 (10) 72.2 ± 4.9 (9) 4 77.8 ± 12.9 (10) 67.2 ± 10.7 (10) 83.5 ± 13.1 (10) 73.5 ± 7.4 (10)

        A8 1 74.8 ± 14.4 (10) 74.3 ± 10.1 (10) 77.3 ± 13.4 (10) 68.6 ± 7.1 (10)

        2 75.2 ± 15.1 (10) 73.6 ± 11.7 (10) 77.9 ± 13.4 (10) 72.4 ± 11.9 (10) 3 75.4 ± 13.0 (10) 73.9 ± 13.5 (10) 74.8 ± 15.0 (10) 70.0 ± 13.9 (10) 4 75.3 ± 13.0 (10) 72.6 ± 11.6 (10) 74.1 ± 15.6 (10) 69.6 ± 13.5 (10)

          

        Anexo 3. Luminosidade (LUX) em um trecho de Mata Atlântica de encosta no Rio de Janeiro,

        RJ. A letra procedida de 1 a 8 representa o perfil. Os números de 1 a 4 representam as

        distâncias das margens da estrada para o interior da floresta, respectivamente, 0-10, 30-40, 60-

        70 e 90-100 metros. Registros por estação climática. Período: outubro de 2006 a setembro de

        2008. Média ± desvio padrão (número amostral).

          Pri. Ver. Out. Inv. A1 1 1036.7 ± 554.1 (10)

          

        716.5 ± 363.0 (10) 223.9 ± 94.3

        (10) 424.6 ± 270.6 (10) 2 745.0 ± 308.1 (10) 569.1 ± 210.3 (10) 202.6 ± 101.2 (10) 355.9 ± 185.0 (10) 3 1018.2 ± 558.4 (10) 757.4 ± 288.6 (10) 329.2 ± 130.3 (10) 630.8 ± 376.5 (10) 4 750.9 ± 545.4

          (10) 501.2 ± 135.2 (10) 175.8 ± 55.5 (9) 301.3 ± 146.9 (10) A2 1 930.7 ± 633.2 (9) 588.4 ± 188.4 (9) 595.2 ± 210.5 (10) 594.0 ± 255.7 (10) 2 494.0 ± 212.9 (9) 401.7 ± 150.0 (10) 357.4 ± 184.3 (10) 398.5 ± 147.1 (10)

          3 1063.5 ± 545.8 (9) 1023.7 ± 560.0 (9) 655.3 ± 277.7 (9)

          729.8 ± 382.9 (10) 4 376.9 ± 237.6 (9) 540.7 ± 352.6 (10) 257.0 ± 126.7 (10) 259.8 ± 95.3 (10)

        A3 1 2338.7 ± 3132.3 (10) 761.2 ± 262.3 (10) 1088.6 ± 1563.1 (10) 537.6 ± 353.9 (9)

          2 516.4 ± 276.8 (10) 392.3 ± 148.4 (10) 227.5 ± 159.5 (10) 165.3 ± 41.3 (10) 3 850.1 ± 785.2 (10) 404.9 ± 217.8 (10) 226.3 ± 161.4 (10) 229.8 ± 155.4 (10) 4 494.6 ± 267.3 (10) 338.9 ± 190.8 (10) 158.3 ± 97.0 (10) 194.4 ± 142.2 (10) A4 1 909.4 ± 342.7

          (9) 615.1 ± 408.9 (10) 292.8 ± 142.1 (9) 263.6 ± 98.9 (9) 2 630.6 ± 158.2 (9) 474.7 ± 279.8 (10) 234.0 ± 102.7 (9) 247.3 ± 57.2 (9) 3 855.6 ± 255.3 (9) 792.8 ± 484.5 (10) 264.3 ± 93.1 (9) 261.1 ± 66.5 (9)

          4 845.8 ± 260.9 (10) 550.4 ± 337.1 (10) 264.7 ± 102.9 (9) 476.1 ± 250.2 (10) A5 1 720.6 ± 381.2 (9) 360.1 ± 217.1 (10) 560.6 ± 482.0 (10) 235.7 ± 154.1 (9)

          2 789.6 ± 472.0 (10) 561.3 ± 324.5 (10) 461.6 ± 132.3 (10) 437.9 ± 260.1 (10) 3 597.1 ± 327.6 (10) 982.4 ± 753.7 (10) 416.1 ± 231.4 (9) 417.4 ± 225.0 (9) 4 421.2 ± 249.7 (10) 503.1 ± 320.5 (10) 313.8 ± 39.5 (9) 285.6 ± 112.8 (10)

        A6 1 486.9 ± 272.6 (10) 352.3 ± 205.0 (10) 367.6 ± 250.1 (10) 530.6 ± 319.7 (10)

          2 483.8 ± 343.5 (9) 278.9 ± 166.8 (10) 333.8 ± 251.8 (10) 350.7 ± 206.9 (9) 3 449.3 ± 266.3 (10) 346.0 ± 206.1 (10) 306.6 ± 158.9 (10) 442.6 ± 233.7 (10) 4 432.0 ± 278.3

          (10)

        305.7 ± 201.1 (10) 269.4 ± 181.5

        (10) 678.8 ± 735.2 (10) A7 1 1639.0 ± 1366.0 (10) 486.1 ± 149.5 (10) 220.3 ± 163.9 (10) 223.0 ± 85.8 (9) 2 623.2 ± 328.1 (9) 427.5 ± 53.2 (10) 222.7 ± 145.5 (10) 378.1 ± 271.3 (10)

          3 756.7 ± 398.3 (10) 319.4 ± 102.6 (9) 194.8 ± 121.4 (10) 391.8 ± 411.7 (10) 4 641.3 ± 304.0 (10) 413.2 ± 129.0 (10) 182.3 ± 119.6 (10) 350.1 ± 268.0 (10)

          

        A8 1 1202.7 ± 561.9 (10) 542.8 ± 261.5 (10) 306.2 ± 221.5 (10) 592.3 ± 266.4 (10)

        2 1443.6 ± 893.1 (10) 679.7 ± 312.8 (10) 267.2 ± 176.6 (10) 390.4 ± 135.0 (10) 3 778.1 ± 333.6 (10) 548.9 ± 229.9 (10) 247.6 ± 135.7 (10) 314.5 ± 98.6 (10) 4 1107.1 ± 679.2 (10) 659.6 ± 272.2 (10) 219.7 ± 129.6 (10) 415.0 ± 151.9 (10)

          ANEXOS – Capítulo II

          

        Anexo 1. Espécies listadas em estudos fitossociológicos em 34 localidades, no estado do Rio de Janeiro. (1) Floresta da Tijuca, PARNA Tijuca, Rio de

        Janeiro, RJ, este estudo; (2) Silva Jardim, RJ. Ação antrópica há 30 anos, Borém & Ramos (2001); (3) Silva Jardim, RJ, trecho conservado, Borém &

        Oliveira-Filho (2002); (4) REBIO Poço das Antas/Silva Jardim, RJ, Carvalho et al. (2006); (5) Rio Bonito, RJ, Carvalho et al. (2007); (6) REBIO Poço

        das Antas/Silva Jardim, RJ, Guedes-Bruni et al. 2006a; (7) REBIO Poço das Antas/Silva Jardim, RJ, Guedes-Bruni et al. (2006b); (8) EEE Paraíso,

        Teresópolis, Guapimirim/Cachoeira de Macacu, RJ, Kurtz & Araujo (2000); (9) 50 metros de altitude, Imbé, P.E. Desengano/Campos dos Goytacazes,

        RJ, Moreno et al. (2003); (10) 250 metros, Imbé, P.E. Desengano/Campos dos Goytacazes, RJ, Moreno et al. (2003); (11) área de 5 anos, PE Ilha

        Grande/Angra dos Reis, RJ, Oliveira (2002); (12) área de 25 anos. PEIG/A.Reis, RJ, Oliveira (2002); (13) área de 50 anos. PEIG/A.Reis, RJ, Oliveira

        (2002); (14) área clímax. PEIG/A.Reis, RJ, Oliveira (2002); (15) PARNASO/Teresópolis, RJ, Pardo et al. (2007); (16) Parque Municipal da Serra da

        Capoeira Grande/Rio de Janeiro, RJ, Peixoto et al. (2004)*; (17) Parque Estadual da Serra da Tiririca, Niterói, RJ, Barros (2008); (18) REBIO Poço das

        Antas/Silva Jardim, RJ, Pessoa & Oliveira (2006); (19) ARIE Floresta da Cicuta/Volta Redonda, RJ, Souza et al. (2007); (20) ARIE Floresta da

        Cicuta/Volta Redonda, RJ, Faria (2005); (21) M. Boa Vista, PARNA Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, Oliveira et al. (1995); (22) Fazenda Santa Mônica,

        Valença, RJ, Spolidoro (2001); (23) REBIO Tinguá, Nova Iguaçú, RJ, Rodrigues (1996); (24) Mata do Carvão/São Francisco do Itabapoana, RJ, Silva &

        Nascimento (2001); (25) Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, Matos (2007); (26) REBIO União/Rio das Ostras, RJ, Gabriel (2009)**; (27) REBIO

        Tinguá, Nova Iguaçu, RJ, Jesus (2009); (28) REBIO União/Rio das Ostras, RJ, Pietro (2008); (29) PARNA Itatiaia, Visconde de Mauá, RJ, Pereira et al.

        (2006); (30) Serra do Inhoaíba, Rio de Janeiro, RJ, 25 anos de abandono, Santana et al. (2004); (31) Serra do Mendanha, Rio de Janeiro, RJ, 35 anos de

        abandono, Santana et al. (2004); (32) Serra do Barata, Rio de Janeiro, RJ, 20 anos de abandono, Santana et al. (2004); (33) REBIO Poço das Antas/Silva

        Jardim, RJ, 20 anos, Neves & Peixoto (2008); (34) REBIO Poço das Antas/Silva Jardim, RJ, 40 anos, Neves & Peixoto (2008). (*) Complementam as

        informações relativas a esta fonte dados extraídos de Peixoto et al. (2005), em estudo no mesmo local. (**) Complementam as informações relativas a

        esta fonte dados extraídos de Rodrigues (2004), em estudo no mesmo local. Para a análise de similaridade foram excluídas aquelas espécies listadas em

        apenas uma das localidades.

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Abarema cochliacarpos

          1 Abarema longsdorffii

          1 Abuta convexa

          1

          1

          1 Acacia polyphylla

          1 Acacia pteridifolia

          1 Acnistus arborescens

          1

          1 Acosmium lentiscifolium

          1

          1

          1

          1

          1 Actinostemon communis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Actinostemon concolor

          1

          1 Actinostemon klotzschii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Actinostemon verticillatus

          1

          1

          1

          1 Adenocalyma subsessilifolium

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1 Adenocalymma bracteatum

          1 Adenocalymma trifoliatum

          1 Adenocalymna commosum

          1 Aegiphila integrifolia

          1 Aegiphila mediterranea

          1 Aegiphila obducta

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Aegiphila sellowiana

          1 Agarista eucalyptoides

          1 Agarista glaberrima

          1 Agonandra fluminensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Aiouea saligna

          1 Albizia edwallii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Albizia polycephala

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Alchornea glandulosa

          1

          1

          1

          1 Alchornea iricurana

          1 Alchornea sidifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Alchornea triplinervia

          1 Algernonia brasiliensis

          1 Alibertia concolor

          1 Alibertia elliptica

          1 Alibertia longiflora

          1 Alibertia myrciifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Allophylus edulis

          1

          1 Allophylus heterophyllus

          1 Allophylus melanophloeus

          1

          1

          1

          1 Allophylus petiolulatus

          1 Almeidea rubra

          1 Aloysia virgata

          1

          1

          1

          1

          1 Alseis floribunda

          1 Alseis involuta

          1 Alseis pickelli

          1 Alsophila sternbergii

          1 Amaioua guianensis

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Amaioua intermedia

          1

          1 Ampelocera glabra

          1

          1

          1 Amphirrhox longifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Anadenanthera colubrina

          1

          1 Anaxagorea dolichocarpa

          1

          1 Andira anthelmia

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Andira fraxinifolia

          1

          1

          1 Andira ormosioides

          1

          1 Andradea floribunda

          1 Anemopaegma chamberlaynii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Aniba firmula

          1 Aniba intermedia

          1 Aniba viridis

          1 Annona acutifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Annona cacans

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Annona dolabripetala

          1 Annona glabra

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Aparisthmium cordatum

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Apuleia leiocarpa

          1 Apuleia molaris

          1 Araucaria angustifolia

          1 Ardisia depauperata

          1 Ardisia gracilis

          1

          1

          1

          1 Ardisia martiana

          1 Arrabidaea conjugata

          1 Arrabidaea rego

          1 Arrabidaea selloi

          1

          1

          1

          1 Artocarpus heterophylus

          1 Artocarpus integrifolia

          1 Aspidosperma discolor

          1 Aspidosperma illustre

          1 Aspidosperma multiflorum

          1 Aspidosperma olivaceum

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1 Aspidosperma parviflorum

          1

          1

          1 Aspidosperma ramiflorum

          1 Aspidosperma spruceanum

          1 Aspidosperma subincanum

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Astrocaryum aculeatissimum

          1

          1

          1

          1

          1 Astronium fraxinifolium

          1 Astronium gracile

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Astronium graveolens

          1

          1 Attalea dubia

          1

          1

          1 Attalea humilis

          1

          1 Aureliana fasciculata

          1 Baccharis dracunculifolia

          1 Bactris caryotifolia

          1 Bactris setosa

          1

          1

          1

          1

          1 Balizia pedicelaris

          1

          1

          1 Banara serrata

          1 Banisteriopsis sellowiana

          1

          1 Barnebya dispar

          1

          1

          1 Bathysa australis

          1

          1

          1

          1 Bathysa cuspidata

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Bathysa gymnocarpa

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Bathysa mendoncaei

          1

          1 Bathysa meridionalis

          1

          1 Bathysa nicholsonii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Bathysa stipulata

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Bauhinia forficata

          1 Bauhinia fusconervis

          1 Bauhinia microstachya

          1

          1 Beilschmiedia angustifolia

          1

          1

          1 Beilschmiedia emarginata

          1

          1

          1

          1

          1 Beilschmiedia fluminensis

          1 Beilschmiedia rigida

          1

          1

          1 Beilschmiedia stricta

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Beilschmiedia taubertiana

          1 Bernardia axillaris

          1 Bernardinia fluminensis

          1 Blepharocalyx salicifolius

          1 Bombacopsis glabra

          1 Bougaivillea spectabilis

          1

          1

          1 Brosimum discolor

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Brosimum glaziovii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Brosimum guianense

          1 Brosimum lactescens

          1 Bunchosia maritima

          1

          1

          1

          1 Byrsonima laxiflora

          1 Byrsonima sericea

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cabralea canjerana

          1 Caesalpinia echinata

          1

          1 Caesalpinia ferrea

          1

          1

          1

          1 Calophyllum brasiliense

          1 Calycorectes australis

          1

          1 Calycorectes pohlianus

          1 Calycorectes riedelianus

          1

          1 Calycorectes sellowianus

          1

          1

          1 Calyptranthes brasiliensis

          1 Calyptranthes clusiifolia

          1

          1

          1

          1 Calyptranthes concinna

          1

          1

          1 Calyptranthes grandifolia

          1

          1 Calyptranthes lanceolata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Calyptranthes lucida

          1

          1 Calyptranthes strigipes

          1

          1

          1 Campomanesia eugenioides

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Campomanesia guaviroba

          1 Campomanesia guazumifolia

          1 Campomanesia laurifolia

          1 Campomanesia phaea

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Capparis flexuosa

          1 Capsicum schottianum

          1

          1

          1 Carapa guianensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cariniana estrellensis

          1 Cariniana ianeirensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cariniana legalis

          1

          1 Carpotroche brasiliensis

          1 Caryodendron janeirense

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Casearia arborea

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Casearia commersoniana

          1

          1

          1 Casearia decandra

          1 Casearia grandiflora

          1 Casearia lasiophylla

          1

          1

          1

          1

          1 Casearia obliqua

          1 Casearia oblongifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Casearia pauciflora

          1 Casearia rufescens

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Casearia sylvestris

          1 Cassia ferruginea

          1

          1

          1 Cathedra rubricaulis

          1 Cecropia catarinensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cecropia glaziovi

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cecropia hololeuca

          1

          1

          1 Cecropia lyratiloba

          1

          1

          1

          1 Cecropia pachystachya

          1 Cedrela angustifolia

          1

          1

          1

          1

          1 Cedrela fissilis

          1

          1

          1

          1 Cedrela odorata

          1

          1 Ceiba erianthos

          1

          1 Ceiba speciosa

          1

          1

          1

          1 Celtis iguanea

          1

          1

          1 Centrolobium robustum

          1 Centrolobium sclerophyllum

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Cestrum amictum

          1 Cestrum schlechtendalii

          1 Cestrum sessiliflorum

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Chamaecrista ensiformis

          1 Cheiloclinium cognatum

          1 Chionanthus arborea

          1 Chionanthus filiformis

          1 Chionanthus mandioccanus

          1 Chionanthus trichotomus

          1

          1 Chomelia brasiliana

          1 Chondrodendron platiphyllum

          1

          1 Chorisia crispiflora

          1

          1

          1

          1 Chorisia speciosa

          1 Chrysochlamys saldanhae

          1

          1

          1 Chrysophyllum gonocarpum

          1 Chrysophyllum imperiale

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Chrysophyllum lucentifolium

          1 Chrysophyllum marginatum

          1

          1

          1

          1

          1 Chrysophyllum splendens

          1 Chrysophyllum viride

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Chrysophylum flexuosum

          1 Cinnamodendron axillare

          1 Cinnamodendron dinisii

          1

          1

          1

          1 Cinnamomum glaziovii

          1 Cinnamomum riedelianum

          1 Cinnamomum triplinerve

          1

          1 Citharexylum myrianthum

          1

          1 Citronella megaphylla

          1

          1 Citronella paniculata

          1 Citrus sinensis

          1 Clarisia ilicifolia

          1

          1

          1

          1 Clarisia racemosa

          1 Clavija macrophylla

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1 Clavija spinosa

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Clethra scabra

          1 Clidemia capilliflora

          1

          1

          1

          1

          1 Clusia lanceolata

          1 Clusia parviflora

          1 Clytostoma binatum

          1

          1 Coccoloba alnifolia

          1 Coccoloba confusa

          1

          1

          1

          1 Coffea arabica

          1 Conchocarpus cauliflorus

          1 Conchocarpus fontanesianus

          1 Conchocarpus ovatus

          1 Condylocarpon isthmicum

          1 Connarus detersus

          1 Connarus nodosus

          1

          1

          1

          1 Copaifera langsdorffii

          1

          1

          1

          1 Copaifera lucens

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Copaifera trapezifolia

          1 Cordia ecalyculata

          1 Cordia magnoliaefolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cordia sellowiana

          1

          1

          1 Cordia taguahyensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cordia trichoclada

          1

          1 Cordia trichotoma

          1 Cordiera sessilis

          1 Couepia schotii

          1

          1

          1 Couepia venosa

          1 Couratari macrosperma

          1

          1

          1

          1

          1 Couratari pyramidata

          1 Coussapoa curranii

          1 Coussapoa floccosa

          1

          1

          1 Coussapoa microcarpa

          1 Coussarea accedens

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Coussarea congestiflora

          1 Coussarea contracta

          1

          1

          1

          1 Coussarea meridionalis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Coussarea nodosa

          1

          1

          1 Coussarea porophylla

          1

          1

          1

          1

          1 Coutarea hexandra

          1 Critoniopsis stellata

          1

          1 Croton celtidifolius

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Croton floribundus

          1 Croton hecatomandrum

          1 Cryptocarya aschersoniana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cryptocarya micrantha

          1 Cryptocarya minima

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cryptocarya moschata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cryptocarya saligna

          1 Cupania concolor

          1 Cupania emarginata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cupania furfuraceae

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cupania oblongifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cupania racemosa

          1 Cupania revoluta

          1

          1

          1

          1 Cupania schizoneura

          1

          1 Cupania vernalis

          1 Cupania zanthoxyloides

          1 Cusparia macrophylla

          1 Cusparia ovata

          1 Cyathea corcovadensis

          1

          1 Cyathea delgadii

          1 Cyathea glaziovii

          1 Cyathea phalerata

          1 Cybianthus cuneifolius

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Cybistax antisyphilitica

          1 Cymbopetalum brasiliense

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1 Dahlstedtia pinnata

          1

          1 Dalbergia foliolosa

          1

          1

          1 Dalbergia frutescens

          1

          1

          1 Dalbergia nigra

          1 Daphnopsis fasciculata

          1 Daphnopsis gemmiflora

          1

          1

          1

          1 Daphnopsis martii

          1 Davilla rugosa

          1

          1 Dendropanax arboreus

          1 Dendropanax cuneatus

          1

          1 Dendropanax monogynus

          1 Dendropanax trilobum

          1 Dicksonia sellowiana

          1

          1 Dictyoloma incanescens

          1

          1

          1 Dictyoloma vandellianum

          1

          1 Didymopanax angustissimus

          1

          1

          1

          1 Didymopanax longipetiolatum

          1

          1

          1

          1 Didymopanax morototonii

          1 Dimorphandra exaltata

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Diploon cuspidatum

          1 Diplotropis incexis

          1 Discocarpus pedicellatus

          1 Dracaena fragrans

          1 Drimys brasiliensis

          1

          1 Drypetes sessiliflora

          1 Duguetia lanceolata

          1

          1 Duguetia microphylla

          1 Duguetia pohliana

          1

          1 Duguetia riedeliana

          1 Duguetia salicifolia

          1

          1

          1 Duguetia sessilis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Eclinusa ramiflora

          1 Endlicheria glomerata

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1

          1 Endlicheria paniculata

          1 Enterolobium contortisiliquum

          1 Enterolobium schomburgkii

          1

          1 Eremanthus erythropappus

          1 Eremanthus incanus

          1

          1 Eriotheca candolleana

          1 Eriotheca macrophylla

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Eriotheca pentaphylla

          1 Erythroxylum cincinnatum

          1

          1

          1

          1

          1 Erythroxylum citrifolium

          1 Erythroxylum coelophlebium

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Erythroxylum cuspidifolium

          1

          1 Erythroxylum gaudichaudii

          1 Erythroxylum magnoliifolium

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Erythroxylum pulcrum

          1 Eschweilera compressa

          1 Eugenia aggregata

          1

          1 Eugenia bahiensis

          1 Eugenia botequimensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Eugenia brasiliensis

          1 Eugenia bunchosiifolia

          1 Eugenia cachoeirensis

          1

          1 Eugenia cerasiflora

          1 Eugenia chlorophylla

          1 Eugenia compactiflora

          1 Eugenia complanata

          1 Eugenia copacabanensis

          1

          1 Eugenia cuprea

          1

          1

          1 Eugenia dichroma

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Eugenia excelsa

          1

          1

          1 Eugenia expansa

          1 Eugenia flamingensis

          1

          1

          1

          1 Eugenia florida

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Eugenia friburgensis

          1 Eugenia fusca

          1 Eugenia glazioviana

          1

          1 Eugenia glomerata

          1 Eugenia gracilis

          1 Eugenia grandiflora

          1 Eugenia involucrata

          1 Eugenia jurujubensis

          1 Eugenia kleinii

          1

          1

          1

          1 Eugenia macahensis

          1

          1 Eugenia macrosperma

          1

          1 Eugenia magnifica

          1

          1

          1 Eugenia mandioccensis

          1 Eugenia marambaiensis

          1 Eugenia maroviana

          1

          1

          1

          1

          1 Eugenia microcarpa

          1 Eugenia monosperma

          1 Eugenia moraviana

          1

          1 Eugenia mosenii

          1 Eugenia neoglomerata

          1

          1

          1

          1

          1 Eugenia oblongata

          1 Eugenia obovata

          1 Eugenia olivacea

          1

          1 Eugenia phaea

          1 Eugenia pluriflora

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Eugenia prasiana

          1 Eugenia pubescens

          1 Eugenia pulcherrima

          1

          1 Eugenia punicifolia

          1 Eugenia racemulosa

          1

          1

          1

          1

          1 Eugenia rostrata

          1 Eugenia rotundifolia

          1

          1 Eugenia santensis

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1 Eugenia schuchiana

          1 Eugenia silvestris

          1 Eugenia sonderiana

          1 Eugenia speciosa

          1 Eugenia splendens

          1

          1 Eugenia stictosepala

          1

          1 Eugenia stigmatosa

          1

          1

          1

          1 Eugenia subavenia

          1 Eugenia sulcata

          1

          1 Eugenia supraaxilaris

          1

          1

          1 Eugenia tenuifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Eugenia tinguyensis

          1

          1 Eugenia umbelliflora

          1

          1

          1

          1

          1 Eugenia umbrosa

          1 Eugenia velutiflora

          1

          1

          1 Eugenia villae-novae

          1

          1

          1 Eugenia xanthoxyloides

          1 Euplassa incana

          1 Euplassa itatiae

          1 Euplassa organensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Euterpe edulis

          1

          1

          1

          1 Exostyles venusta

          1

          1 Faramea coerulea

          1

          1 Faramea latifolia

          1

          1

          1

          1

          1 Faramea multiflora

          1

          1 Faramea pachyantha

          1 Faramea stipulacea

          1 Faramea truncata

          1

          1 Ficus adhatodifolia

          1

          1 Ficus ciclophylla

          1 Ficus citrifolia

          1

          1

          1 Ficus clusiifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ficus gomelleira

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1

          1 Ficus insipida

          1

          1 Ficus luschnathiana

          1

          1 Ficus maxima

          1

          1 Ficus obtusiuscula

          1 Ficus organensis

          1 Ficus pertusa

          1

          1

          1

          1

          1 Ficus pulchella

          1 Fleurya aestuans

          1 Funifera utilis

          1 Galipea jasminiflora

          1 Galipea laxiflora

          1

          1 Gallesia integrifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Garcinia brasiliensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Garcinia gardneriana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Geissospermum leave

          1

          1 Geissospermum vellosii

          1

          1

          1

          1 Genipa americana

          1 Geonoma fiscellaria

          1

          1 Geonoma schottiana

          1 Glycycdendron espiritosantense

          1

          1

          1

          1

          1 Gochnatia polymorpha

          1 Gomidesia anacardiifolia

          1 Gomidesia fenzliana

          1

          1 Gomidesia nitida

          1

          1 Gomidesia schaueriana

          1 Gomidesia sellowiana

          1

          1

          1

          1 Gordonia fruticosa

          1 Grazielanthus arkeocarpus

          1 Griselinia ruscifolia

          1

          1 Guapira areolata

          1 Guapira hirsuta

          1

          1

          1

          1 Guapira hoehnei

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Guapira nitida

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Guapira noxia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Guapira opposita

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Guarea guidonia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Guarea kunthiana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Guarea macrophylla

          1 Guateria psilopus

          1

          1

          1

          1

          1 Guatteria australis

          1 Guatteria burchellii

          1 Guatteria campestris

          1

          1

          1

          1 Guatteria candolleana

          1

          1 Guatteria ferruginea

          1

          1

          1

          1 Guatteria latifolia

          1 Guatteria mexiae

          1

          1

          1

          1 Guatteria nigrescens

          1 Guatteria pogonopus

          1 Guatteria reflexa

          1 Guatteria vilosissima

          1

          1

          1 Guatteria xylopioides

          1 Guazuma ulmifolia

          1 Guettarda viburnoides

          1 Hedyosmum brasiliense

          1 Heisteria ovata

          1

          1

          1

          1 Heisteria perianthomega

          1

          1

          1

          1

          1 Heisteria silvianii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Helicostylis tomentosa

          1 Hennecartia omphalandra

          1

          1 Henriettea saldanhaei

          1 Henriettea succosa

          1 Heteropterys leschenaultiana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Hieronyma alchorneoides

          1

          1

          1

          1

          1 Himatanthus lancifolius

          1 Hippocratea volubilis

          1

          1 Hirtella angustifolia

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Hirtella gracilipes

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Hirtella hebeclada

          1 Hirtella hispidula

          1 Hirtella triandra

          1 Hortia arborea

          1 Huberia nettoana

          1 Hydrogaster trinervis

          1

          1

          1 Hyeronima oblonga

          1 Hymenaea courbaril

          1 Hymenolobium janeirense

          1 Hyperbaena oblongifolia

          1

          1 Ilex amara

          1 Ilex congonhinha

          1 Ilex dumosa

          1

          1

          1 Ilex integerrima

          1

          1

          1

          1 Ilex paraguariensis

          1 Ilex theizans

          1

          1 Inga affinis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Inga capitata

          1 Inga cilindrica

          1 Inga dulcis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Inga edulis

          1

          1

          1

          1 Inga lanceifolia

          1 Inga laurina

          1 Inga lenticellata

          1

          1 Inga lentiscifolia

          1 Inga leptantha

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Inga marginata

          1 Inga mendoncaei

          1 Inga organensis

          1 Inga sessilis

          1

          1

          1

          1

          1 Inga striata

          1

          1 Inga subnuda

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1 Inga tenuis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Inga thibaudiana

          1 Inga vulpina

          1 Ipomoea philomega

          1

          1

          1

          1 Ixora gardneriana

          1

          1 Ixora membranacea

          1 Ixora schottiana

          1 Jacaranda bracteata

          1

          1

          1

          1

          1 Jacaranda macrantha

          1

          1 Jacaranda micrantha

          1 Jacaranda obovata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Jacaranda puberula

          1

          1

          1

          1

          1 Jacaratia heptaphylla

          1

          1

          1

          1

          1 Jacaratia spinosa

          1

          1 Joannesia princeps

          1

          1 Kielmeyera membranacea

          1 Kielmeyera rizziniana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Lacistema pubescens

          1 Lacistema serrulatum

          1 Lafoensia densiflora

          1

          1

          1

          1 Lafoensia glyptocarpa

          1

          1 Lafoensia vandelliana

          1 Lamanonia grandistipularis

          1 Lamanonia speciosa

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Lamanonia ternata

          1 Leandra barbinervis

          1 Leandra sublanata

          1

          1

          1

          1 Lecythis lanceolata

          1

          1

          1

          1 Lecythis lurida

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Lecythis pisonis

          1 Leretia cordata

          1 Leucochloron incuriale

          1 Licania arianeae

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Licania kunthiana

          1

          1

          1

          1 Licania octandra

          1 Licania riedelii

          1 Licania spicata

          1

          1 Licania tomentosa

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Licaria armeniaca

          1 Licaria bahiana

          1 Licaria tomentosa

          1

          1 Lonchocarpus cultratus

          1 Lonchocarpus filipes

          1 Lonchocarpus guillemineanus

          1 Luehea candicans

          1 Luehea conventzii

          1

          1

          1 Luehea divaricata

          1

          1

          1

          1

          1 Luehea grandiflora

          1 Luehea paniculata

          1

          1 Luetzelburgia trialata

          1 Mabea brasiliensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Mabea fistulifera

          1

          1 Mabea piriri

          1

          1

          1 Machaerium aculeatum

          1 Machaerium brasiliense

          1 Machaerium floridum

          1

          1 Machaerium hirtum

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Machaerium incorruptible

          1

          1

          1

          1

          1 Machaerium nyctitans

          1 Machaerium oblongifolium

          1 Machaerium pedicellatum

          1 Machaerium triste

          1 Machaerium uncinarum

          1 Macrotorus utriculatus

          1 Magnolia ovata

          1

          1

          1 Malouetia arborea

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1 Mangifera indica

          1 Manilkara longifolia

          1 Mansoa lanceolata

          1

          1 Maprounea guianensis

          1

          1

          1

          1 Margaritaria nobilis

          1

          1 Marlierea dimorpha

          1

          1

          1

          1

          1 Marlierea excoriata

          1 Marlierea involucrata

          1

          1 Marlierea obscura

          1

          1 Marlierea parviflora

          1

          1

          1 Marlierea racemosa

          1

          1

          1 Marlierea silvatica

          1 Marlierea strigipes

          1 Marlierea subacuminata

          1

          1 Marlierea sylvatica

          1

          1 Marlierea tomentosa

          1

          1

          1 Marlieria glazioviana

          1 Marlieria parviflora

          1

          1 Martiodendron mediterraneum

          1

          1 Matayba grandis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Matayba guianensis

          1

          1

          1 Matayba juglandifolia

          1

          1 Maytenus aquifolium

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Maytenus ardisiifolia

          1

          1 Maytenus brasiliensis

          1 Maytenus cestrifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Maytenus communis

          1 Maytenus commuta

          1 Maytenus glazioviana

          1 Maytenus gonoclada

          1 Maytenus ilicifolia

          1 Maytenus lancifolia

          1 Maytenus ligustrina

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1 Maytenus longifolia

          1

          1 Maytenus macrodonta

          1

          1 Maytenus obtusifolia

          1 Maytenus robusta

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Melanoxylon brauna

          1 Meliosma itatiaiae

          1

          1

          1 Meliosma sellowii

          1 Meriania cf robusta

          1 Meriania claussenii

          1

          1

          1

          1 Meriania glabra

          1 Meriania paniculata

          1

          1 Metrodorea nigra

          1

          1

          1

          1

          1 Metternichia princeps

          1 Mezilaurus navalium

          1

          1

          1

          1 Miconia brasiliensis

          1

          1

          1 Miconia budlejoides

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Miconia calvescens

          1 Miconia candolleana

          1 Miconia castaneifolia

          1 Miconia chartacea

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Miconia cinnamomifolia

          1 Miconia conferta

          1 Miconia corallina

          1 Miconia cubatanensis

          1 Miconia discolor

          1 Miconia doriana

          1 Miconia eichleri

          1 Miconia elegans

          1 Miconia fasciculata

          1 Miconia formosa

          1

          1

          1

          1 Miconia holoserica

          1

          1

          1 Miconia hypoleuca

          1 Miconia ibaguensis

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Miconia inconspicua

          1 Miconia jucunda

          1 Miconia latecrenata

          1

          1 Miconia lepidota

          1 Miconia minutiflora

          1

          1 Miconia mirabilis

          1 Miconia paulensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Miconia prasina

          1

          1 Miconia pusilliflora

          1 Miconia rigidiuscula

          1 Miconia sellowiana

          1

          1 Miconia staminea

          1 Miconia theaezans

          1 Miconia trianae

          1

          1

          1 Miconia tristis

          1 Micropholis compta

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Micropholis crassipedicellata

          1

          1

          1 Micropholis cuneata

          1

          1

          1

          1 Micropholis gardneriana

          1

          1

          1 Micropholis guyanensis

          1

          1 Mimosa bimucronata

          1 Mimosa scabrela

          1

          1 Moldenhawera floribunda

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Moldenhawera polysperma

          1 Mollinedia acutissima

          1 Mollinedia argyrogyna

          1 Mollinedia cf uleana

          1 Mollinedia chrysoleana

          1 Mollinedia corcovadensis

          1 Mollinedia cyathantha

          1 Mollinedia elegans

          1 Mollinedia engleriana

          1 Mollinedia eugeniifolia

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Mollinedia fruticulosa

          1

          1 Mollinedia glabra

          1

          1 Mollinedia heteranthera

          1

          1

          1 Mollinedia lamprophylla

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Mollinedia longifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Mollinedia oligantha

          1

          1

          1

          1 Mollinedia pachysandra

          1

          1

          1

          1 Mollinedia puberula

          1

          1 Mollinedia salicifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Mollinedia schottiana

          1 Mollinedia stenophylla

          1

          1

          1 Mollinedia triflora

          1 Mollinedia utriculata

          1 Mollinedia widgrenii

          1 Mouriri arborea

          1 Myrceugenia bracteosa

          1 Myrceugenia kleinii

          1

          1 Myrceugenia miersiana

          1

          1

          1

          1 Myrceugenia myrcioides

          1

          1 Myrceugenia ovata

          1 Myrceugenia pilotantha var. pilotantha

          1 Myrcia acuminatissima

          1

          1

          1 Myrcia anceps

          1 Myrcia corymbosa

          1 Myrcia crocea

          1 Myrcia dilucida

          1 Myrcia eriopus

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Myrcia fallax

          1 Myrcia guianensis

          1 Myrcia hexasticha

          1 Myrcia hirtiflora

          1 Myrcia hispida

          1 Myrcia insularis

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Myrcia laruotteana

          1

          1

          1 Myrcia laxiflora

          1 Myrcia lineata

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Myrcia multiflora

          1 Myrcia plusiantha

          1

          1

          1

          1

          1 Myrcia pubipetala

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Myrcia racemosa

          1 Myrcia ramulosa

          1

          1

          1 Myrcia richardiana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Myrcia rostrata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Myrcia spectabilis

          1

          1

          1

          1 Myrcia splendens

          1

          1 Myrcia tenuivenosa

          1

          1 Myrcia tijucensis

          1 Myrcia tingens

          1

          1

          1 Myrciaria disticha

          1

          1

          1

          1 Myrciaria floribunda

          1

          1 Myrciaria pseudodichasiantha

          1 Myrciaria tenella

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Myrocarpus frondosus

          1 Myrsine acuminata

          1

          1

          1

          1 Myrsine coriacea

          1

          1

          1 Myrsine ferruginea

          1 Myrsine gardneriana

          1 Myrsine hermogenesii

          1 Myrsine lancifolia

          1

          1 Myrsine parvula

          1

          1

          1

          1 Myrsine schwackeana

          1 Myrsine squarrosa

          1

          1

          1

          1 Myrsine umbellata

          1

          1

          1 Myrsine venosa

          1

          1

          1

          1 Naucleopsis mello-barretoi

          1

          1

          1

          1 Naucleopsis oblongifolia

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1 Nectandra grandiflora

          1 Nectandra leucantha

          1

          1 Nectandra leucotirsus

          1

          1 Nectandra megapotamica

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Nectandra membranacea

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Nectandra oppositifolia

          1

          1

          1

          1 Nectandra puberula

          1 Nectandra reticulata

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Nectandra rigida

          1 Neomitranthes amblimitra

          1 Neomitranthes glomerata

          1 Neoraputia alba

          1 Neoraputia magnifica

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea aciphylla

          1

          1

          1

          1 Ocotea aniboides

          1 Ocotea argentea

          1 Ocotea bicolor

          1 Ocotea brachybotra

          1

          1 Ocotea catharinensis

          1 Ocotea corymbosa

          1

          1

          1

          1 Ocotea daphnifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea diospyrifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea dispersa

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea divaricata

          1 Ocotea domatiata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea elegans

          1 Ocotea fasciculata

          1 Ocotea glauca

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea glaziovii

          1

          1

          1

          1 Ocotea indecora

          1

          1 Ocotea insignis

          1

          1

          1 Ocotea lancifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea laxa

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Ocotea lindbergii

          1 Ocotea lucida

          1

          1

          1 Ocotea martiana

          1 Ocotea nectandrifolia

          1

          1

          1 Ocotea notata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea odorifera

          1 Ocotea pluridomatiata

          1 Ocotea pretiosa

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea puberula

          1 Ocotea pulchella

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea schotii

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea silvestris

          1

          1 Ocotea spectabilis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ocotea teleiandra

          1

          1

          1 Ocotea tenuiflora

          1

          1 Ocotea vaccinioides

          1 Ocotea velutina

          1 Ocotea verruculosa

          1

          1 Ocotea villosa

          1

          1 Opuntia brasiliensis

          1 Oreopanax capitatus

          1 Oreopanax fulvum

          1

          1

          1 Ormosia arborea

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Ormosia fastigiata

          1 Ormosia friburgensis

          1 Ouratea cuspidata

          1

          1

          1

          1

          1 Ouratea olivaeformis

          1 Ouratea parviflora

          1

          1

          1

          1 Ouratea stipulata

          1 Oxandra asbecki

          1

          1

          1 Oxandra martiana

          1

          1

          1

          1

          1 Oxandra nitida

          1 Oxandra riedeliana

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pachystroma longifolium

          1 Paramyrciaria guaquiea

          1 Parapiptadenia pterosperma

          1 Paratecoma peroba

          1 Parinari brasiliensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Parinari excelsa

          1 Paullinia fusiformis

          1 Paullinia micrantha

          1 Paullinia racemosa

          1

          1

          1 Pausandra megalophylla

          1

          1

          1 Pausandra morisiana

          1

          1 Peltogyne angustiflora

          1 Peltogyne discolor

          1

          1 Peltogyne mattosiana

          1 Peltophorum dubium

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pera glabrata

          1 Pera heteranthera

          1

          1

          1

          1 Pera leandri

          1 Pera obovata

          1 Pereskia aculeata

          1 Persea americana

          1

          1 Persea pyrifolia

          1 Persea willdenovii

          1 Peschiera affinis

          1 Peschiera australis

          1

          1 Peschiera fuchsiaefolia

          1 Peschiera laeta

          1 Pfaffia aurata

          1

          1 Phylira brasiliensis

          1 Phyllanthus umbratus

          1 Phyllocarpus riedelii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Phyllostemonodaphne geminiflora

          1 Picramnia bahiensis

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Picramnia camboita

          1

          1

          1 Picramnia ciliata

          1 Picramnia gardneri

          1 Picramnia parvifolia

          1 Picramnia ramiflora

          1 Pilocarpus spicatus

          1 Piper aduncum

          1 Piper amalago

          1 Piper amplum

          1

          1

          1

          1

          1 Piper arboreum

          1 Piper cernuum

          1

          1 Piper gaudichaudianm

          1 Piper hispidum

          1 Piper lepturum

          1 Piper mollicomum

          1

          1

          1 Piper rivinoides

          1 Piper truncatum

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Piptadenia gonoacantha

          1

          1

          1

          1

          1 Piptadenia paniculata

          1

          1 Piptadenia schumanniana

          1 Piptocarpha macropoda

          1 Piptocarpha organensis

          1 Piptocarpha regnellii

          1

          1

          1 Pithecellobium pedicellare

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Plathymenia foliolosa

          1 Plathymenia reticulada

          1

          1

          1

          1 Platycyamus regnelli

          1

          1

          1 Platymiscium floribundum

          1

          1 Platypodium elegans

          1 Pleurothyrium bahiense

          1

          1 Plinia cauliflora

          1

          1

          1 Plinia edulis

          1 Plinia ilhensis

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Plinia rivularis

          1

          1 Plinia trunciflora

          1 Podocarpus lambertii

          1 Podocarpus sellowii

          1 Poecilanthe falcata

          1

          1

          1

          1 Pogomophora schomburgkiana

          1

          1

          1 Polyandrococos caudescens

          1 Polygala pulcherrima

          1

          1

          1 Posoqueria acutifolia

          1

          1

          1 Posoqueria latifolia

          1

          1

          1

          1

          1 Pourouma guianensis

          1

          1

          1

          1

          1 Pouteria bangii

          1 Pouteria bapeba

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pouteria caimito

          1 Pouteria durlandii

          1

          1

          1

          1

          1 Pouteria filipes

          1 Pouteria gardneri

          1 Pouteria gardneriana

          1 Pouteria glomerata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pouteria guianensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pouteria reticulata

          1

          1

          1

          1 Pouteria torta

          1 Pouteria venosa

          1

          1

          1

          1 Pradosia kuhlmannii

          1

          1

          1

          1 Pradosia lactescens

          1

          1

          1 Pricamnia glazioviana

          1

          1 Prockia crusis

          1

          1 Protium blanchetii

          1

          1 Protium brasiliense

          1

          1

          1 Protium heptaphyllum

          1

          1

          1 Protium spruceanum

          1 Protium warmingiana

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Protium widgrenii

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1

          1 Prunus brasiliensis

          1 Prunus myrtifolia

          1

          1 Prunus sellowii

          1 Pseudobombax endocaphyllum

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pseudobombax grandiflorum

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pseudolmedia hirtula

          1 Pseudolmedia laevis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pseudopiptadenia contorta

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pseudopiptadenia inaequalis

          1

          1 Pseudopiptadenia leptostachya

          1 Pseudopiptadenia warmingii

          1

          1 Psidium cattleianum

          1

          1

          1 Psidium guajava

          1

          1 Psidium guineensis

          1 Psidium rufum

          1 Psychotria appendiculata

          1 Psychotria brasiliensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Psychotria carthaginensis

          1 Psychotria cymuligera

          1

          1 Psychotria glaziovii

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Psychotria leiocarpa

          1 Psychotria mapourioides

          1 Psychotria nitidula

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Psychotria nuda

          1

          1

          1 Psychotria pubigera

          1 Psychotria racemosa

          1

          1 Psychotria sessilis

          1 Psychotria stenocalyx

          1

          1

          1

          1 Psychotria subspathacea

          1

          1 Psychotria suterella

          1

          1 Psychotria tenuinervis

          1

          1 Psychotria umbelluligera

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Psychotria vellosiana

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Pterocarpus rohrii

          1 Pterogyne nitens

          1 Pterygota brasiliensis

          1

          1 Qualea cryptantha

          1

          1

          1 Qualea gestasiana

          1

          1

          1 Qualea glaziovii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Quararibea turbinata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Quiina glaziovii

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Randia armata

          1 Rapanea hermogenesii

          1

          1 Raputia alba

          1

          1 Rauvolfia grandiflora

          1

          1

          1

          1 Rhodostemonodaphne macrocalyx

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Rinorea guianensis

          1 Rinorea laevigata

          1 Rinorea physiphora

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Rollinia laurifolia

          1 Rollinia mucosa

          1 Rollinia sylvatica

          1 Rollinia xilopiifolia

          1

          1

          1 Roupala brasiliensis

          1 Roupala consimilis

          1

          1

          1 Roupala longepetiolata

          1

          1

          1

          1 Roupala montana

          1 Roupala rhombifolia

          1 Roupala sculpta

          1 Rudgea acuminata

          1 Rudgea coriacea

          1 Rudgea coronata

          1

          1

          1 Rudgea erythrocarpa

          1 Rudgea interrupta

          1 Rudgea jasminoides

          1

          1 Rudgea langsdorfii

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Rudgea lundiana

          1 Rudgea microcephalla

          1

          1 Rudgea paniculata

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Rudgea recurva

          1 Rudgea vellerea

          1

          1 Ruprechtia lundii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Rustia formosa

          1

          1 Rustia gracilis

          1

          1 Sagotia racemosa

          1

          1

          1 Salacia amygdalina

          1

          1

          1 Salacia elliptica

          1

          1

          1

          1 Salacia grandifolia

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Sapium glandulatum

          1 Sapium glandulosum

          1 Sapium petiolare

          1

          1

          1 Sarcaulus brasiliensis

          1 Savia dictyocarpa

          1

          1 Schefflera angustissima

          1 Schefflera anomala

          1 Schefflera longipetiolata

          1

          1

          1

          1

          1 Schinus terebinthifolium

          1

          1

          1 Schizolobium denudatum

          1 Schizolobium parahyba

          1 Schoepfia brasiliensis

          1 Sclerolobium beaurepairei

          1

          1

          1 Sclerolobium glaziovii

          1 Sclerolobium pilgerianum

          1

          1 Sclerolobium rugosum

          1

          1 Sclerolobium striatum

          1 Sebastiania brasiliensis

          1

          1 Sebastiania commersoniana

          1 Sebastiania gaudichaudii

          1 Sebastiania multiramea

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Sebastiania nervosa

          1 Sebastiania serrata

          1 Seguieria floribunda

          1

          1 Seguieria langsdorffii

          1

          1

          1

          1

          1 Senefeldera multiflora

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Senefeldera verticillata

          1

          1 Senna macranthera

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Senna multijuga

          1 Serjania clematidifolia

          1 Simaba cedron

          1

          1 Simaba floribunda

          1

          1

          1 Simaba subcymosa

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Simarouba amara

          1 Simira glaziovii

          1 Simira oliveri

          1 Simira pikia

          1

          1 Simira sampaioana

          1

          1

          1

          1

          1 Simira viridiflora

          1

          1 Siparuna apiosyce

          1

          1 Siparuna arianae

          1 Siparuna brasiliensis

          1 Siparuna erythrocarpa

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Siparuna guianensis

          1

          1

          1

          1

          1 Siparuna reginae

          1 Siphoneugena widgreniana

          1 Sloanea eichleri

          1

          1

          1 Sloanea garckeana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Sloanea guianensis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Sloanea monosperma

          1 Sloanea obtusifolia

          1

          1 Solanum argenteum

          1

          1 Solanum carautae

          1

          1

          1 Solanum cinnamomeum

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Solanum flexuosum

          1 Solanum granulosoleprosum

          1 Solanum itatiaiae

          1

          1

          1 Solanum leucodendron

          1 Solanum pseudoquina

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Solanum swartzianum

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Sorocea bonplandii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Sorocea guilleminiana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Sorocea hilarii

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Sparattosperma leucanthum

          1 Spondias lutea

          1

          1 Stephanopodium organense

          1 Stephanopodium sessile

          1

          1

          1 Sterculia chicha

          1 Stizophyllum perforatum

          1

          1 Strychnos acuta

          1 Strychnos atlantica

          1

          1 Stryphnodendron polyphyllum

          1 Stylogyne lhotzkyana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Swartizia simplex

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Swartzia apetala

          1

          1

          1

          1 Swartzia flaemingii

          1 Swartzia langsdorfii

          1

          1

          1

          1

          1 Swartzia myrtifolia

          1 Swartzia oblata

          1

          1 Sweetia fruticosa

          1 Syagrus romanzoffiana

          1

          1 Symphonia globulifera

          1 Symplocos celastrinea

          1 Symplocos uniflora

          1

          1

          1

          1

          1 Symplocos variabilis

          1 Syzygium cumini

          1

          1

          1

          1 Syzygium jambos

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1

          1 Tabebuia cassinoides

          1

          1

          1

          1

          1 Tabebuia chrysotricha

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Tabebuia heptaphylla

          1 Tabebuia impetiginosa

          1 Tabebuia obtusifolia

          1 Tabebuia roseoalba

          1

          1

          1

          1

          1 Tabebuia serratifolia

          1

          1 Tabebuia stenocalyx

          1

          1 Tabebuia umbellata

          1 Tabernaemontana australis

          1

          1 Tabernaemontana catharinensis

          1

          1 Tabernaemontana hystrix

          1

          1

          1

          1

          1 Tabernaemontana laeta

          1 Tachigali denudata

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Tachigali paratyensis

          1

          1 Tachigali pilgeriana

          1 Tachigali urbaniana

          1

          1 Talauma ovata

          1 Talisia cerasina

          1

          1 Talisia coriacea

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Tapirira guianensis

          1 Tapirira obtusa

          1 Terminalia acuminata

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Terminalia januarensis

          1 Tetragastris breviacuminata

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Tetraplandra leandrii

          1

          1

          1 Tetraplandra riedelii

          1

          1 Tetrastylidium grandifolium

          1

          1

          1

          1

          1 Tetrorchidium rubrivenium

          1 Tibouchina adenostemon

          1

          1

          1 Tibouchina arborea

          1 Tibouchina corymbosa

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Tibouchina estrellensis

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Tibouchina granulosa

          1 Tibouchina moricandiana

          1

          1

          1

          1

          1 Tibouchina mutabilis

          1 Tibouchina scrobiculata

          1 Tibouchina sellowiana

          1 Tibouchina semidecandra

          1 Tibouchina stenocarpa

          1

          1 Tocoyena sellowiana

          1 Toulicia laevigata

          1 Tovomita brasiliensis

          1

          1

          1

          1 Tovomita glazioviana

          1

          1 Tovomita leucantha

          1

          1

          1 Tovomita paniculata

          1

          1

          1

          1 Tovomitopsis paniculata

          1

          1 Tovomitopsis saldanhae

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Trema micrantha

          1 Trembleya parviflora

          1

          1

          1

          1

          1 Trichilia casaretti

          1 Trichilia catigua

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Trichilia elegans

          1

          1

          1

          1 Trichilia hirta

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Trichilia lepidota

          1 Trichilia luciae

          1

          1

          1

          1

          1 Trichilia martiana

          1 Trichilia micrantha

          1 Trichilia pallida

          1 Trichilia pseudostipularis

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Trichilia silvatica

          1

          1 Trichilia tetrapetala

          1 Trigonia nivea

          1 Trigonia villosa

          1 Trigoniodendron spiritusanctense

          1

          1 Trigynaea oblongifolia

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1 Triplaris pachau

          1

          1 Triplaris gardneriana

          1

          1

          1 Tripterodendron filicifolium

          1 Tynanthus micranthus

          1 Unonopsis guatterioides

          1

          1 Unonopsis stipitata

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Urbanodendrum bahiense

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Urbanodendrum verrucosum

          1 Urera baccifera

          1 Urvillea glabra

          1 Vantanea compacta

          1 Vataireopsis araroba

          1 Verbesina claussenii

          1

          1

          1 Vernonanthura diffusa

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Vernonanthura discolor

          1 Vernonia crotonoides

          1

          1 Vernonia discolor

          1 Vernonia oppositifolia

          1 Vernonia pedunculata

          1 Vernonia petiolaris

          1 Vernonia polyanthes

          1 Vernonia stellata

          1

          1

          1

          1 Virola bicuhyba

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Virola gardneri

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Virola oleifera

          1

          1

          1

          1

          1 Vismia guianensis

          1

          1 Vismia martiana

          1 Vitex cymosa

          1

          1

          1 Vitex poligama

          1 Vochysia angelica

          1

          1 Vochysia bifalcata

          1 Vochysia dichotoma

          1 Vochysia glazioviana

          Continua

          Continuação do Anexo 1

          1

          2

          3

          4

          5

          6

          7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Espécie / localidade

          1

          1

          1

          1 Vochysia laurifolia

          1

          1

          1

          1 Vochysia oppugnata

          1

          1 Vochysia rectiflora

          1 Vochysia saldanhana

          1 Vochysia schwackeana

          1 Weinmannia hirta

          1 Weinmannia humilis

          1 Weinmannia paulliniifolia

          1 Xylopia achcrantha

          1

          1

          1

          1

          1 Xylopia brasiliensis

          1

          1 Xylopia laevigata

          1 Xylopia langsdorffiana

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Xylopia sericea

          1

          1 Xylosma glaberrimum

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Zanthoxylum rhoifolium

          1 Zanthoxylum riedelianum

          1

          1

          1

          1

          1

          1

          1 Zollernia glabra

          1 Zollernia glaziovii

          1 Zollernia ilicifolia

          1 Zollernia mocitayba

          1 Zollernia splendens

          

        Anexo 2. Lista de espécies do estrato arbóreo-arbustivo (DAP ≤ 2,5 cm), coletadas por amostragem em parcelas no Setor “A” (Floresta da

        Tijuca), Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010. Senso JBRJ (2010): Bioma Mata Atlântica (Ma), Amazônia (A), Cerrado (Ce),

        Caatinga (Ca), Pantanal (Pt), Pampas (Pp), não classificada (Nc) e ocorrência: endêmica da Mata Atlântica (EMA), não endêmica da Mata

        Atlântica (NE), endêmica da região sudeste (ES), não endêmica da região sudeste (NES), endêmica do estado do Rio de Janeiro (ERJ), não

        endêmica do estado do Rio de Janeiro (NERJ); raridade para espécies arbóreas da Mata Atlântica do sudeste, senso Caiafa & Martins (2010):

        raras (R), comuns (C), R1 a R7, formas de raridade; raridade no dossel da Mata Atlântica (Rd), senso Guedes-Bruni et al. (2009); síndrome de

        dispersão (SD), senso van der Pijl (1982): zoocórica (Zoo), anemocórica (Ane), autocórica (Aut); grupo sucessional (GS), senso Budowski

        (1965): pioneira (Pi), secundária inicial (Si), secundária tardia/climática (St); número de indivíduos amostrados (Ni).

          4 Arecaceae Arecaceae sp. 1 Zoo Nc

          1

          A, Ce, Ma

          Astronium fraxinifolium Schott

          1 Anacardiaceae

          1 R4 Rd Zoo Si

          1

          1

          1 Arecaceae Astrocaryum aculeatissimum (Schott) Burret Ma

          1 Arecaceae Arecaceae sp. 2 Zoo Nc

          1 Nc Rd Ane Si

          1 Nc Nc Ane Si

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          1 Fabaceae Apuleia leiocarpa (Vogel) J.F.Macbr.

          1 Apocynaceae Apocynaceae sp. 1 Nc Nc

          1 Nc Nc Zoo Nc

          1

          1

          1 Annonaceae Annona dolabripetala Raddi Ma

          1

          1 Rubiaceae Bathysa gymnocarpa K.Schum. Ma

          1

          1 Nc Nc Zoo Si

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          3 Myrtaceae Calyptranthes strigipes O.Berg Ma

          1 C Rd Zoo St

          1

          1

          A, Ma

          1 Myrtaceae Calyptranthes lucida Mart. ex DC.

          1

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          Cabralea canjerana (Vell.) Mart.

          5 Meliaceae

          1 Nc Nc Aut Si

          1

          1

          14 Rubiaceae Bathysa stipulata (Vell.) C.Presl Ma

          1 Nc Nc Aut Si

          1

          1 C Nc Zoo St

          1

          Família Espécie Bioma

          1 Fabaceae

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          1 Lauraceae Aiouea saligna Meisn.

          1 C Nc Zoo Pi

          1 Lamiaceae Aegiphila sellowiana Cham. Nc

          Zoo Si

          Abarema sp. 1

          1 Nc Nc Zoo Si

          A, Ca, Ce, Ma

          1

          1

          2 Fabaceae Abarema langsdorffii (Benth.) Barneby & J.W.Grimes Ma

          1 Nc Nc Zoo Si

          1

          1

          Ce, Ma

          Fabaceae Abarema cochliacarpos (Gomes) Barneby & J.W.Grimes

          EMA NE ES NES ERJ NERJ Nc R Rd SD GS Ni

          2 Euphorbiaceae Alchornea triplinervia (Spreng.) Müll.Arg.

          1

          6 Annonaceae Annona cacans Warm. Ma

          22 Anacardiaceae Anacardiaceae sp. 1 Nc Nc

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          A, Ce, Ma

          1 Lauraceae Aniba firmula (Nees & Mart.) Mez

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          1 Fabaceae Andira fraxinifolia Benth. Ca, Ce, Ma

          1 C Rd Zoo St

          1

          1

          1

          5 Rubiaceae Amaioua intermedia Mart. ex Schult. & Schult.f. Ca, Ce, Ma

          1 C Nc Ane Si

          1

          1

          A, Ca, Ma

          6 Rubiaceae Alseis floribunda Schott

          2 Sapindaceae Allophylus sp. Zoo St

          1 C Rd Zoo Si

          1 Continua

          Cont. Anexo 2 Família Espécie Bioma

          1

          1

          Ma

          Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth.

          6 Fabaceae

          3 Cyatheaceae Cyatheaceae sp. 1 Ane St

          1 Nc Rd Zoo Si

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          3 Sapindaceae Cupania racemosa (Vell.) Radlk.

          1 C Nc Zoo Si

          1

          A, Ce, Ma

          1 Nc Nc Ane Si

          Cupania oblongifolia Mart.

          10 Sapindaceae

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1

          1 Sapindaceae Cupania furfuracea Radlk. Ce, Ma

          1 R4 Nc Zoo St

          1

          1

          1 Lauraceae Cryptocarya saligna Mez Ma

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          1

          1 Asparagaceae Dracaena fragrans (L.) Ker Gawl. Exótica

          5 Euphorbiaceae Croton sp. 1 Aut Pi

          7 Erythroxylaceae Erythroxylum pulchrum A.St.-Hil. Ca, Ma

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          A, Ma

          2 Myrtaceae Eugenia brasiliensis Lam.

          1 R6 Nc Zoo St

          1

          1

          6 Myrtaceae Eugenia bahiensis DC. Ma

          1 Nc Nc Zoo Si

          1

          1

          1 C Nc Ane St

          1 Ex Ex Zoo Pi

          1

          1

          1 Malvaceae Eriotheca pentaphylla (Vell. & K.Schum.) A.Robyns Ma

          1 C Rd Zoo St

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma, Pt

          22 Lauraceae Endlicheria paniculata (Spreng.) J.F.Macbr.

          1 Nc Rd Zoo St

          1

          1

          A, Ma

          2 Sapotaceae Ecclinusa ramiflora Mart.

          2 Lauraceae Cryptocarya moschata Nees & Mart. Ce, Ma

          1 C Nc Ane Si

          EMA NE ES NES ERJ NERJ Nc R Rd SD GS NI

          1 R1 Rd Zoo Si

          1 Sapotaceae Chrysophyllum flexuosum Mart. Ma

          1 Chrysobalanaceae Chrysobalanaceae sp. 2 Nc Nc

          1 Chrysobalanaceae Chrysobalanaceae sp. 1 Nc Nc

          1 Celastraceae Celastraceae sp. 4 Nc Nc

          1 Celastraceae Celastraceae sp. 3 Nc Nc

          1 Celastraceae Celastraceae sp. 2 Nc Nc

          1 Celastraceae Celastraceae sp. 1 Nc Nc

          1 C Nc Zoo Pi

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma, Pp, Pt

          3 Salicaceae Casearia sylvestris Sw.

          1

          1

          1

          A, Ce, Ma

          Casearia arborea (Rich.) Urb.

          1 Salicaceae

          1 Nc Nc Zoo Si

          1

          1

          2 Euphorbiaceae Caryodendron janeirense Müll.Arg. Ma

          1 C Rd Ane St

          1

          1

          A, Ce, Ma

          Lecythidaceae Cariniana estrellensis (Raddi) Kuntze

          1

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1 C Rd Zoo Si

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          1 Rubiaceae Coutarea hexandra (Jacq.) K.Schum.

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1

          Ce, Ma

          Coussarea nodosa (Benth.) Müll.Arg.

          1 Rubiaceae

          1 Nc Rd Zoo Si

          1

          1

          2 Boraginaceae Cordia trichoclada DC. Ma

          1

          1 Lauraceae Cinnamomum glaziovii (Mez) Kosterm. Ma

          1

          1 Fabaceae Copaifera trapezifolia Hayne Ma

          1 R5 Nc Zoo Si

          1

          1

          1 Fabaceae Copaifera lucens Dwyer Ma

          1 Nc Nc Zoo Pi

          1

          1

          2 Clusiaceae Clusia lanceolata Cambess. Ma

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          8 Continua

          Cont. Anexo 2 Família Espécie Bioma

          A, Ca, Ce, Ma

          1 Meliaceae Guarea macrophylla subsp. tuberculata (Vell.) T.D.Penn.

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1

          A, Ce, Ma

          2 Meliaceae Guarea kunthiana A.Juss.

          1 C Rd Zoo St

          1

          1

          37 Meliaceae Guarea guidonia (L.) Sleumer

          1

          1 C Nc Zoo Si

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          Guapira opposita (Vell.) Reitz

          61 Nyctaginaceae

          1 R1 Nc Zoo St

          1

          1

          A, Ce, Ma

          1

          1 C Nc Zoo St

          8 Indeterminada sp. 1 Indeterminada sp. 1 Nc Nc

          2 Indeterminada sp. 10 Indeterminada sp. 10 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 9 Indeterminada sp. 9 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 8 Indeterminada sp. 8 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 7 Indeterminada sp. 7 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 6 Indeterminada sp. 6 Nc Nc

          5 Indeterminada sp. 5 Indeterminada sp. 5 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 4 Indeterminada sp. 4 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 3 Indeterminada sp. 3 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 2 Indeterminada sp. 2 Nc Nc

          1 C Nc Zoo Si

          1 C Nc Zoo Si

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma, Pp

          Hieronyma alchorneoides Allemão

          4 Phyllanthaceae

          1 C Nc Zoo Si

          1

          1

          1 Annonaceae Guatteria australis A.St.-Hil. Ma

          21 Meliaceae Guarea sp. 1 Zoo Nc

          1 Arecaceae Geonoma schottiana Mart. Ma

          1

          EMA NE ES NES ERJ NERJ Nc R Rd SD GS NI

          7 Myrtaceae

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          1 Myrtaceae Eugenia oblongata O.Berg Ma

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          Eugenia florida DC.

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          1

          A, Ma

          2 Myrtaceae Eugenia excelsa O.Berg

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          Ca, Ce, Ma

          Myrtaceae Eugenia cf. cerasiflora Miq

          1 Myrtaceae Eugenia rostrata O.Berg Ma

          1

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          1 Clusiaceae Garcinia gardneriana (Planch. & Triana) Zappi

          1 Moraceae Ficus sp. 2 Zoo Nc

          2 Moraceae Ficus sp. 1 Zoo Nc

          1 R1 Nc Zoo Si

          1

          1

          1 C Nc Zoo St 141 Moraceae Ficus cf. luschnathiana (Miq.) Miq. Ce, Ma

          1

          2 Arecaceae Euterpe edulis Mart. Ce, Ma

          1 R6 Nc Zoo Si

          4 Euphorbiaceae Euphorbiaceae sp. 3 Nc Nc

          1 Euphorbiaceae Euphorbiaceae sp. 2 Nc Nc

          1 Euphorbiaceae Euphorbiaceae sp. 1 Nc Nc

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          3 Myrtaceae Eugenia umbelliflora O.Berg Ca, Ma

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          2 Myrtaceae Eugenia pisiformis Cambess. Ma

          2 Continua

          Cont. Anexo 2 Família Espécie Bioma

          1 Celastraceae Maytenus communis Reissek Ce, Ma

          1

          Ma

          Maytenus cf. ardisiaefolia Reissek

          16 Celastraceae

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1

          31 Sapotaceae Manilkara sp. 1 Zoo St

          1 Nc Nc Zoo St

          1 Malpighiaceae Malpighiaceae sp. 1 Nc Nc

          1 Nc Nc Ane Si

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma, Pt

          1 Fabaceae Machaerium hirtum (Vell.) Stellfeld

          1 Nc Nc Ane Si

          1

          1

          3 Melastomataceae Melastomataceae sp. 1 Nc Nc

          1 Fabaceae Luetzelburgia trialata (Ducke) Ducke Ma

          1 Nc Nc Zoo St

          1 Monimiaceae Monimiaceae sp. 1 Nc Nc

          2 Monimiaceae Mollinedia sp. 2 Zoo Nc

          2 Monimiaceae Mollinedia sp. 1 Zoo Nc

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          2 Monimiaceae Mollinedia schottiana (Spreng.) Perkins Ma

          1

          1 Meliaceae Meliaceae sp. 1 Nc Nc

          1

          3 Monimiaceae Mollinedia pachysandra Perkins Ma

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1

          1 Monimiaceae Mollinedia longifolia Perkins Ma

          1 Meliaceae Meliaceae sp. 3 Nc Nc

          1 Meliaceae Meliaceae sp. 2 Nc Nc

          1

          Ane Nc

          EMA NE ES NES ERJ NERJ Nc R Rd SD GS NI

          1 Indeterminada sp. 19 Indeterminada sp. 19 Nc Nc

          1

          1 Fabaceae Inga lanceifolia Benth. Ma

          1 C Rd Zoo St

          1

          1

          A, Ma

          1 Fabaceae Inga capitata Desv.

          1 Indeterminada sp. 18 Indeterminada sp. 18 Nc Nc

          1 R7 Nc Zoo St

          1 Indeterminada sp. 17 Indeterminada sp. 17 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 16 Indeterminada sp. 16 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 15 Indeterminada sp. 15 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 14 Indeterminada sp. 14 Nc Nc

          5 Indeterminada sp. 13 Indeterminada sp. 13 Nc Nc

          1 Indeterminada sp. 12 Indeterminada sp. 12 Nc Nc

          Nc Nc

          Indeterminada sp. 11 Indeterminada sp. 11

          1

          1 Fabaceae Inga marginata Willd.

          Luehea sp. 1

          1

          1 Malvaceae

          1 R1 Nc Zoo St

          1

          1

          A, Ce, Ma

          1 Lauraceae Licaria armeniaca (Nees) Kosterm.

          9 Lauraceae Lauraceae sp. 1 Nc Nc

          1 C Rd Ane Si

          1

          A, Ce, Ma

          3 Cunoniaceae Lamanonia ternata Vell. Ce, Ma

          1 R6 Nc Zoo St

          1

          1

          1 Rubiaceae Ixora gardneriana Benth. Ce, Ma

          1 C Nc Zoo Si

          1

          1

          1 Continua

          Cont. Anexo 2 Família Espécie Bioma

          7 Lauraceae

          1 C Rd Zoo St

          1

          1

          6 Lauraceae Ocotea teleiandra (Meisn.) Mez Ma

          1 Lauraceae Ocotea sp. 1 Nc Nc Zoo St

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1

          A, Ca, Ma

          Ocotea puberula (Rich.) Nees

          1 Nc Nc Zoo St

          Ocotea vaccinioides (Meisn.) Mez

          1

          1

          A, Ce, Ma

          10 Lauraceae Ocotea odorifera (Vell.) Rohwer

          1 C Nc Zoo St

          1

          1 Lauraceae Ocotea glaziovii Mez Ca, Ce, Ma

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          3 Lauraceae Ocotea dispersa (Nees & Mart.) Mez Ma

          6 Lauraceae

          Ma

          1

          1

          1 R7 Nc Zoo St

          1

          1

          1 Myrtaceae Plinia edulis (Vell.) Sobral Ma

          1 R1 Nc Zoo Si

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          1 Piperaceae Piper arboreum Aubl.

          1 Nc Nc Zoo Nc

          1

          1

          6 Lauraceae Phyllostemonodaphne geminiflora (Mez) Kosterm. Ma

          1 C Rd Zoo Si

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          1 Euphorbiaceae Pera glabrata (Schott) Poepp. ex Baill.

          5 Euphorbiaceae Pausandra sp. 2 Nc St

          1 Euphorbiaceae Pausandra sp. 1 Nc St

          1 Annonaceae Oxandra sp. Zoo Nc

          1 R4 Nc Zoo St

          1

          1 R4 Rd Zoo St

          1

          EMA NE ES NES ERJ NERJ Nc R Rd SD GS NI

          1 Nc Nc Zoo St

          5 Myrtaceae

          1 C Rd Zoo St

          1

          1

          43 Myrtaceae Myrcia racemosa (O.Berg) Kiaersk. Ce, Ma

          1 C Rd Zoo Si

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          4 Myrtaceae Myrcia multiflora (Lam.) DC.

          1

          Ma

          1

          93 Myrtaceae Myrcia laxiflora Cambess. Ma

          1 C Nc Zoo Si

          1

          1

          2 Myrtaceae Myrceugenia myrcioides (Cambess.) O.Berg Ma

          1 Moraceae Moraceae sp. 3 Nc Nc

          1 Moraceae Moraceae sp. 2 Nc Nc

          1 Moraceae Moraceae sp. 1 Nc Nc

          Nc Nc

          Monimiaceae Monimiaceae sp. 2

          Myrcia richardiana (O.Berg) Kiaersk.

          1

          2 Lauraceae Ocotea diospyrifolia (Meisn.) Mez Ma

          1 Nc Nc Zoo Si

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1

          1 Lauraceae Ocotea aniboides (Meisn.) Mez Ma

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          Nectandra membranacea (Sw.) Griseb.

          1 Lauraceae

          1 Primulaceae Myrsine sp. 1 Zoo Si

          1

          1

          1

          2 Primulaceae Myrsine coriacea (Sw.) R.Br. ex Roem. & Schult. Ce, Ma

          1 Primulaceae Myrsinaceae sp. 3 Nc Nc

          1 Primulaceae Myrsinaceae sp. 2 Nc Nc

          31 Primulaceae Myrsinaceae sp. 1 Nc Nc

          1 Nc Nc Zoo Si

          1

          1

          10 Myrtaceae Myrcia spectabilis DC. Ma

          2 Myrtaceae Myrcia sp. 1 Zoo St

          1 C Nc Zoo Si

          1 Continua

          Cont. Anexo 2 Família Espécie Bioma

          5 Sapotaceae Sapotaceae sp. 1 Nc Nc

          1 Moraceae Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et al. Ce, Ma, Pt

          1 Elaeocarpaceae Sloanea sp. 1 Zoo St

          1 Nc Nc Aut Si

          1

          1

          Ma

          Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat

          1 Euphorbiaceae

          2 Sapotaceae Sapotaceae sp. 3 Nc Nc

          1 Sapotaceae Sapotaceae sp. 2 Nc Nc

          1 Sapindaceae Sapindaceae sp. 1 Nc Nc

          1

          1 Rubiaceae Rudgea sp. 1 Zoo Nc

          14 Rubiaceae Rubiaceae sp. 1 Nc Nc

          1 R5 Nc Ane St

          1

          1

          11 Proteaceae Roupala longepetiolata Pohl Ma

          1 Nc Nc Ane St

          1

          1

          7 Proteaceae Roupala consimilis Mez ex Taub. Ma

          1 Nc Nc Nc St

          1

          1 C Rd Zoo St

          1

          1

          1 C Nc Zoo St

          1

          1

          6 Meliaceae Trichilia cf. silvatica C.DC. Ma

          1 Melastomataceae Tibouchina sp. 1 Ane Pi

          1 R5 Nc Ane Pi

          1

          1

          1 Melastomataceae Tibouchina mutabilis (Vell.) Cogn. Ma

          1 Nc Nc Ane St

          1

          1 Fabaceae Tachigali denudata (Vogel) Oliveira-Filho Ma

          1 Fabaceae

          2 Bignoniaceae Tabebuia sp. 2 Ane Nc

          1 Bignoniaceae Tabebuia sp. 1 Ane Nc

          1 Nc Nc Zoo Si

          1

          1

          4 Fabaceae Swartzia langsdorffii Raddi Ma

          1 R1 Rd Zoo Si

          1

          1

          Ma

          Swartzia simplex var. grandiflora (Raddi) R.S.Cowan

          1

          A, Ma

          EMA NE ES NES ERJ NERJ Nc R Rd SD GS NI

          1 Moraceae Pseudolmedia sp. 1 Zoo Nc

          1 R4 Nc Ane Si

          1

          1

          2 Fabaceae Pseudopiptadenia leptostachya (Benth.) Rauschert Ma

          1 Nc Rd Ane Si

          1

          1

          Ca, Ce, Ma

          Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P.Lewis & M.P.Lima

          1 Fabaceae

          1 Nc Rd Zoo Si

          A, Ca, Ce, Ma

          1

          1

          A, Ca, Ce, Ma

          2 Rosaceae Prunus cf. myrtifolia (L.) Urb.

          Zoo St

          Pouteria sp. 2

          1 Sapotaceae

          5 Sapotaceae Pouteria sp. 1 Zoo St

          1 R5 Nc Zoo St

          Sinônimo. Nc

          Myrtaceae Plinia trunciflora (O.Berg) Kausel

          7 Rubiaceae Psychotria leiocarpa Cham. & Schltdl.

          1

          1 Violaceae Rinorea guianensis Aubl.

          1

          1 R7 Nc Zoo St

          1

          1

          Rhodostemonodaphne macrocalyx (Meisn.) Rohwer ex Madriñán Ma

          1 Lauraceae

          1 C Rd Zoo St

          1

          1

          3 Ochnaceae Quiina glazovii Engl. Ma

          1 Nc Nc Ane St

          1

          7 Vochysiaceae Qualea gestasiana A.St.-Hil. Ma

          1

          1 Nc Nc Zoo Si

          1

          1

          6 Rubiaceae Psychotria nemorosa Gardner Ce, Ma

          1 C Nc Zoo Si

          1

          1

          Ma

          Psychotria nuda (Cham. & Schltdl.) Wawra

          1 Rubiaceae

          1 Nc Nc Zoo Si

          3 Continua

          Cont. Anexo 2 Família Espécie Bioma

          Ca, Ce, Ma

          3 Salicaceae Xilosma sp. 1 Zoo Nc

          2 Annonaceae Xylopia brasiliensis Spreng. Ma

          1

          1

          1 C Nc Zoo St

          2 Annonaceae

          Xylopia laevigata (Mart.) R.E.Fr.

          1

          1

          1

          1 R6 Nc Zoo St

          1 Rutaceae Zanthoxylum rhoifolium Lam.

          A, Ca, Ce, Ma, Pp, Pt

          1

          1

          1 C Nc Zoo Pi

          1 Nc Nc Ane St

          1

          EMA NE ES NES ERJ NERJ Nc R Rd SD GS NI Meliaceae Trichilia lepidota Mart. Ma

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          1

          1 C Rd Zoo St

          7 Meliaceae Trichilia martiana C.DC.

          A, Ma

          1

          1

          1 Meliaceae

          2 Vochysiaceae Vochysia laurifolia Warm. Ce, Ma

          Trichilia sp.

          Zoo St

          1 Annonaceae Trigynaea sp. Nc Nc

          1 Lauraceae Urbanodendron bahiense (Meisn.) Rohwer Ma

          1

          1

          1 Nc Nc Zoo St

          1

          ANEXOS – Capítulo III

          222

        Anexo 1. Parâmetros fitossociológios do estrato arbóreo-arbustivo (DAP ≤ 2,5 cm), tabulados por espécie, no Setor “A” (Floresta da

        Tijuca), Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010. (NI) Número de indivíduos, (NP) Número de parcelas em que a espécie foi

        registrada, Densidade relativa (DeR), Dominância relativa (DoR), Frequência relativa (FR), Valor de importância (VI), Valor de cobertura

        (VC), Frequência absoluta (FA), Densidade absoluta por ha (DA), Altura total mínima (Hmi), Altura total máxima (Hma), Altura total

        média (Hme), Diâmetro mínimo (DiMi), Diâmetro máximo (DiMa), Diâmetro médio (DiMe), Área basal total (ABT), Volume (Vol.).

          15.0

          10.4

          2.5 17.0 5.8 0.040 0.567

          23 Abarema langsdorffii (Benth.) Barneby & J.W.Grimes 1 1 0.10 2.41 0.21 2.72

          2.51

          3.6

          3.6

          15.0

          15.0

          5.5

          64.9 64.9 64.9 0.331 4.968 24 Rinorea guianensis Aubl. 7 5 0.71 0.85 1.06 2.62 1.56 17.9 25.0

          8.5

          17.0

          12.0

          4.9 21.1 13.2 0.117 1.581

          25 Ocotea glaziovii Mez 10 5 1.02 0.52 1.06 2.59 1.54 17.9 35.7

          6.5

          17.0

          4.8 27.1 18.7 0.189 3.482 22 Cupania furfuracea Radlk. 10 7 1.02 0.29 1.48 2.79 1.30 25.0 35.7

          11.4

          7.9

          11.0

          25.0

          17.2

          3.7 27.4 18.4 0.192 3.791

          19 Maytenus communis Reissek 16 6 1.62 0.29 1.27 3.18 1.91 21.4 57.1

          4.0

          13.0

          2.6 12.1 5.0 0.039 0.393 20 Allophylus sp. 6 6 0.61 1.01 1.27 2.89 1.62 21.4 21.4

          17.3

          4.5

          19.0

          11.6

          2.9 29.4 14.0 0.139 2.353

          21 Ocotea sp. 1 6 4 0.61 1.37 0.85 2.83 1.98 14.3 21.4

          9.5

          22.0

          15.5

          2.5 20.9 8.0 0.072 0.976 26 Qualea gestasiana A.St.-Hil. 3 3 0.30 1.63 0.64 2.57 1.94 10.7 10.7

          10.6

          5.7

          7.1

          7.1

          18.0

          22.0

          20.0

          35.7 36.4 36.0 0.204 4.092

          32 Indeterminada sp. 7 5 5 0.51 0.48 1.06 2.05 0.99 17.9 17.9

          20.0

          2.5 7.8 4.7 0.022 0.211 31 Cinnamomum glaziovii (Mez) Kosterm. 2 2 0.20 1.49 0.42 2.11

          12.2

          2.5 21.8 10.6 0.067 1.218

          33 Psychotria nemorosa Gardner 7 5 0.71 0.17 1.06 1.94 0.88 17.9 25.0

          2.5

          12.0

          5.6

          2.5 11.1 5.9 0.023 0.191

          1.69

          8.5

          13.0

          2.6

          27.0

          19.0

          9.2 51.3 24.2 0.224 5.850 27 Bathysa gymnocarpa K.Schum. 14 4 1.42 0.21 0.85 2.48 1.63 14.3 50.0

          2.0

          10.5

          5.5

          2.5 10.4 4.7 0.029 0.200 28 Eugenia brasiliensis Lam. 8 5 0.81 0.53 1.06 2.40 1.34 17.9 28.6

          13.0

          12.0

          7.3

          2.9 26.9 7.6 0.073 0.869

          29 Eriotheca pentaphylla (Vell. & K.Schum.) A.Robyns 7 2 0.71 1.07 0.42 2.20 1.78 7.1 25.0

          2.5

          18.0

          7.2

          2.5 42.5 8.9 0.147 2.584 30 Roupala consimilis Mez ex Taub. 11 4 1.12 0.16 0.85 2.12 1.28 14.3 39.3

          5.8

          2.9 48.4 12.4 0.207 5.347 18 Pera glabrata (Schott) Poepp. ex Baill. 6 6 0.61 1.40 1.27 3.28 2.01 21.4 21.4

          28.0

          Espécies NI NP DeR DoR FR

          3.4

          5 Myrcia multiflora (Lam.) DC. 43 17 4.37 2.75 3.60 10.71 7.11 60.7 153.6

          1.8

          18.0

          8.1

          2.5 44.3 7.2 0.378 5.565 6 Geonoma schottiana Mart. 61 7 6.19 0.39 1.48 8.07 6.59 25.0 217.9

          2.0

          5.0

          2.5 4.8 3.3 0.054 0.188

          10.2

          7 Roupala longepetiolata Pohl 14 6 1.42 4.65 1.27 7.35 6.07 21.4 50.0

          3.3

          25.0

          13.3

          2.5 55.1 19.5 0.640 11.787

          8 Hieronyma alchorneoides Allemão 8 6 0.81 5.09 1.27 7.17 5.90 21.4 28.6

          8.5

          2.5 61.0 13.0 0.919 14.160

          28.0

          16.7

          2.2

          VI VC FA DA Hmi Hma Hme DiMi DiMa DiMe ABT Vol.

          1 Euterpe edulis Mart. 141 21 14.31 4.93 4.45 23.70 19.25 75.0 503.6

          2.0

          18.0

          7.3

          2.5 15.9 7.0 0.678 7.053

          2 Myrceugenia myrcioides (Cambess.) O.Berg 93 16 9.44 2.27 3.39 15.11 11.72 57.1 332.1

          16.0

          3.8

          7.3

          2.5 21.8 5.7 0.313 2.927

          3 Malpighiaceae sp. 1 31 10 3.15 8.80 2.12 14.07 11.95 35.7 110.7

          5.0

          22.0

          12.0

          3.2 65.8 15.1 1.210 24.057

          4 Guapira opposita (Vell.) Reitz 37 16 3.76 6.68 3.39 13.83 10.44 57.1 132.1

          30.0

          10.2 50.3 31.4 0.700 13.242 9 Guarea macrophylla subsp. tuberculata (Vell.) T.D.Penn. 21 9 2.13 2.58 1.91 6.62 4.71 32.1 75.0

          4.8

          7.0

          32.0

          12.5

          3.3 29.3 15.0 0.239 4.569

          15 Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P.Lewis & M.P.Lima 2 2 0.20 3.34 0.42 3.97

          3.55

          7.1

          7.1

          28.0

          3.0 30.9 10.2 0.147 2.235 14 Lamanonia ternata Vell. 10 6 1.02 1.74 1.27 4.03 2.76 21.4 35.7

          17.5

          4.1 76.4 40.3 0.460 12.842 16 Ecclinusa ramiflora Mart. 22 2 2.23 1.02 0.42 3.68 3.25 7.1 78.6

          4.0

          21.0

          9.5

          2.9 33.1 6.4 0.140 2.430

          17 Pseudopiptadenia leptostachya (Benth.) Rauschert 7 6 0.71 1.50 1.27 3.48 2.21 21.4 25.0

          4.5

          9.4

          3.0

          16.0

          10.0

          6.3

          2.7 55.7 9.4 0.354 3.181 10 Myrcia spectabilis DC. 31 7 3.15 1.24 1.48 5.87 4.38 25.0 110.7

          2.0

          14.0

          7.6

          2.5 22.8 7.0 0.170 1.742 11 Vochysia laurifolia Warm. 3 3 0.30 4.41 0.64 5.35 4.71 10.7 10.7

          30.0

          18.0

          24.0

          23.4 61.4 47.7 0.606 16.508 12 Amaioua intermedia Mart. ex Schult. & Schult.f. 22 7 2.23 1.56 1.48 5.28 3.79 25.0 78.6

          3.3

          16.0

          8.5

          2.7 45.5 6.8 0.215 3.113

          13 Myrcia sp. 1 10 10 1.02 1.07 2.12 4.20 2.09 35.7 35.7

          4.0

          Continua

          223 Continuação do Anexo 1 Espécies NI NP DeR DoR FR

          8.5

          59 Indeterminada sp. 16 1 1 0.10 0.99 0.21 1.30

          1.09

          3.6

          3.6

          25.0

          25.0

          25.0

          41.5 41.5 41.5 0.136 3.388

          60 Plinia trunciflora (O.Berg) Kausel 5 2 0.51 0.35 0.42 1.29 0.86 7.1 17.9

          4.2

          11.5

          4.8 15.0 10.6 0.049 0.475

          11.1

          61 Indeterminada sp. 18 1 1 0.10 0.95 0.21 1.26

          1.05

          3.6

          3.6

          18.0

          18.0

          18.0

          40.7 40.7 40.7 0.130 2.346

          62 Swartzia simplex var. grandiflora (Raddi) R.S.Cowan 4 3 0.41 0.20 0.64 1.25 0.61 10.7 14.3

          5.0

          11.0

          2.7 19.4 9.0 0.040 0.788

          22.0

          3.2 13.7 8.6 0.028 0.280

          7.5

          7.1

          2.5 7.0 4.3 0.008 0.059 54 Erythroxylum pulchrum A.St.-Hil. 5 4 0.51 0.03 0.85 1.39 0.54 14.3 17.9

          2.3

          7.0

          4.8

          2.5 4.5 3.4 0.005 0.025

          55 Ocotea odorifera (Vell.) Rohwer 7 2 0.71 0.24 0.42 1.37 0.95 7.1 25.0

          3.2

          18.0

          8.7

          2.5 16.5 6.2 0.033 0.473 56 Myrcia racemosa (O.Berg) Kiaersk. 5 3 0.51 0.21 0.64 1.36 0.72 10.7 17.9

          11.0

          2.2

          9.2

          3.8 14.3 7.7 0.030 0.274

          57 Sapotaceae sp. 2 2 2 0.20 0.72 0.42 1.34

          0.92

          7.1

          7.1

          11.0

          23.0

          17.0

          11.6 33.4 22.5 0.098 2.134

          58 Cariniana estrellensis (Raddi) Kuntze 4 3 0.41 0.29 0.64 1.33 0.70 10.7 14.3

          8.8

          63 Bathysa stipulata (Vell.) C.Presl 5 3 0.51 0.07 0.64 1.21 0.57 10.7 17.9

          5.0

          3.6

          18.0

          18.0

          37.4 37.4 37.4 0.110 1.978

          69 Ocotea diospyrifolia (Meisn.) Mez 3 3 0.30 0.16 0.64 1.10 0.46 10.7 10.7

          2.2

          13.0

          8.1

          3.8 13.7 8.7 0.022 0.213

          70 Monimiaceae sp. 1 1 1 0.10 0.77 0.21 1.08

          0.87

          3.6

          12.0

          3.6

          12.0

          12.0

          36.6 36.6 36.6 0.105 1.263

          71 Abarema cochliacarpos (Gomes) Barneby & J.W.Grimes 2 2 0.20 0.43 0.42 1.06

          0.63

          7.1

          7.1

          4.2

          19.0

          11.6

          3.5 27.2 15.4 0.059 1.110

          18.0

          3.6

          3.2

          66 Ocotea teleiandra (Meisn.) Mez 6 2 0.61 0.12 0.42 1.16 0.73 7.1 21.4

          11.0

          5.7

          3.2 7.3 4.6 0.009 0.068 64 Casearia arborea (Rich.) Urb. 3 3 0.30 0.26 0.64 1.20 0.57 10.7 10.7

          12.0

          17.0

          13.7

          7.1 15.4 11.9 0.036 0.529 65 Guatteria australis A.St.-Hil. 4 3 0.41 0.12 0.64 1.16 0.52 10.7 14.3

          9.0

          12.0

          10.3

          5.2 9.1 7.0 0.016 0.172

          5.0

          0.90

          13.8

          8.4

          2.5 9.9 5.4 0.017 0.152 67 Cryptocarya moschata Nees & Mart. 1 1 0.10 0.83 0.21 1.15

          0.94

          3.6

          3.6

          16.0

          16.0

          16.0

          38.2 38.2 38.2 0.115 1.834

          68 Indeterminada sp. 19 1 1 0.10 0.80 0.21 1.11

          10.0

          53 Pausandra sp. 1 5 4 0.51 0.06 0.85 1.41 0.57 14.3 17.9

          VI VC FA DA Hmi Hma Hme DiMi DiMa DiMe ABT Vol.

          15.0

          39 Indeterminada sp. 13 5 4 0.51 0.34 0.85 1.69 0.84 14.3 17.9

          5.8

          13.0

          9.5

          4.5 20.7 9.1 0.046 0.558

          40 Urbanodendron bahiense (Meisn.) Rohwer 2 1 0.20 1.24 0.21 1.65

          1.44

          3.6

          7.1

          13.0

          17.0

          6.4 46.1 26.2 0.170 2.877 41 Trichilia lepidota Mart. 7 4 0.71 0.08 0.85 1.64 0.79 14.3 25.0

          2.6

          4.0

          10.5

          7.1

          2.5 7.9 4.2 0.011 0.097 42 Eugenia pisiformis Cambess. 3 3 0.30 0.69 0.64 1.63 0.99 10.7 10.7

          9.0

          25.0

          15.3

          3.5 33.6 15.0 0.095 2.282 43 Clusia lanceolata Cambess. 1 1 0.10 1.30 0.21 1.62

          1.40

          3.6

          3.6

          2.5 3.5 2.9 0.004 0.011

          3.5

          22.0

          6.3

          34 Anacardiaceae sp. 1 1 1 0.10 1.52 0.21 1.83

          1.62

          3.6

          3.6

          30.0

          30.0

          30.0

          51.6 51.6 51.6 0.209 6.266

          35 Cyatheaceae sp. 1 6 4 0.61 0.37 0.85 1.82 0.98 14.3 21.4

          3.0

          10.0

          7.0 14.5 9.9 0.051 0.376

          2.0

          36 Eugenia excelsa O.Berg 7 3 0.71 0.39 0.64 1.73 1.10 10.7 25.0

          5.0

          15.0

          9.1

          3.2 16.9 8.1 0.053 0.682

          37 Tibouchina sp. 1 6 5 0.61 0.04 1.06 1.71 0.65 17.9 21.4

          2.2

          8.0

          4.7

          2.5 4.3 3.3 0.006 0.029

          38 Psychotria nuda (Cham. & Schltdl.) Wawra 6 5 0.61 0.03 1.06 1.70 0.64 17.9 21.4

          22.0

          22.0

          2.7 8.4 5.2 0.012 0.072

          7.1

          28.0

          20.8

          17.7 35.5 26.6 0.123 3.101

          49 Aniba firmula (Nees & Mart.) Mez 6 4 0.61 0.06 0.85 1.51 0.66 14.3 21.4

          6.0

          9.0

          7.4

          2.5 4.9 3.9 0.008 0.060

          50 Celastraceae sp. 3 2 2 0.20 0.89 0.42 1.51

          1.09

          7.1

          3.0

          7.1

          20.0

          11.5

          3.3 39.3 21.3 0.122 2.423 51 Coutarea hexandra (Jacq.) K.Schum. 5 3 0.51 0.34 0.64 1.48 0.85 10.7 17.9

          3.5

          16.0

          8.8

          2.9 16.7 9.8 0.047 0.553

          52 Alseis floribunda Schott 5 4 0.51 0.09 0.85 1.44 0.59 14.3 17.9

          2.8

          7.5

          4.9

          13.5

          7.1

          47.8 47.8 47.8 0.179 3.940 44 Cupania oblongifolia Mart. 3 3 0.30 0.67 0.64 1.61 0.97 10.7 10.7

          3.6

          9.0

          17.5

          12.2

          6.4 32.5 15.8 0.092 1.536 45 Apuleia leiocarpa (Vogel) J.F.Macbr. 4 4 0.41 0.34 0.85 1.59 0.74 14.3 14.3

          6.5

          20.0

          13.9

          5.4 15.3 11.4 0.046 0.748

          46 Indeterminada sp. 10 1 1 0.10 1.24 0.21 1.56

          1.34

          3.6

          18.0

          1.10

          18.0

          18.0

          46.6 46.6 46.6 0.171 3.074

          47 Chrysobalanaceae sp. 2 1 1 0.10 1.22 0.21 1.53

          1.32

          3.6

          3.6

          25.0

          25.0

          25.0

          46.1 46.1 46.1 0.167 4.182 48 Xylopia brasiliensis Spreng. 2 2 0.20 0.90 0.42 1.52

          Continua

          224 Continuação do Anexo 1 Espécies NI NP DeR DoR FR

          7.1

          13

          13

          12.1 12.1 12.1 0.006 0.048

          97 Guarea guidonia (L.) Sleumer 2 2 0.20 0.04 0.42 0.66

          0.24

          7.1

          7.1

          5.8

          13.0

          9.4

          3.8 6.8 5.3 0.005 0.054

          98 Mollinedia pachysandra Perkins 2 2 0.20 0.04 0.42 0.66

          0.24

          7.1

          7.2

          7.0

          8.0

          7.5

          5.6 5.6 5.6 0.005 0.037 99 Dracaena fragrans (L.) Ker Gawl. 2 2 0.20 0.02 0.42 0.65

          0.22

          7.1

          7.1

          3.3

          5.5

          4.4

          2.9 5.2 4.1 0.003 0.014 100 Euphorbiaceae sp. 2 4 1 0.41 0.03 0.21 0.65 0.44 3.6 14.3

          3.0

          8.0

          13

          7.1

          2.7 4.8 3.6 0.004 0.025 101 Myrcia richardiana (O.Berg) Kiaersk. 2 2 0.20 0.02 0.42 0.65

          0.50

          3.0

          4.0

          3.5

          2.9 3.7 3.2 0.002 0.008

          93 Copaifera trapezifolia Hayne 2 2 0.20 0.09 0.42 0.72

          0.29

          7.1

          7.1

          8.5

          12.0

          10.3

          6.4 10.8 8.6 0.012 0.137

          94 Luehea sp. 1 1 1 0.10 0.39 0.21 0.71

          3.6

          0.24

          3.6

          21.0

          21.0

          21.0

          26.3 26.3 26.3 0.054 1.137

          95 Myrsine sp. 1 1 1 0.10 0.37 0.21 0.68

          0.47

          3.6

          3.6

          14.0

          14.0

          14.0

          25.5 25.5 25.5 0.051 0.713

          96 Eugenia rostrata O.Berg 2 2 0.20 0.04 0.42 0.67

          5.0

          0.23

          2.7 5.7 4.1 0.007 0.057

          11.9 14.9 13.4 0.029 0.384 108 Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth. 1 1 0.10 0.30 0.21 0.61

          0.41

          3.6

          3.6

          20.0

          20.0

          20.0

          23.4 23.4 23.4 0.043 0.860 107 Moraceae sp. 3 2 1 0.20 0.21 0.21 0.62

          0.41

          3.6

          7.1

          11.0

          15.0

          13.0

          0.40

          18.0

          3.6

          3.6

          15.0

          15.0

          15.0

          22.9 22.9 22.9 0.041 0.619 109 Indeterminada sp. 9 1 1 0.10 0.24 0.21 0.56

          0.35

          3.6

          3.6

          14.5

          14.5

          14.5

          20.7 20.7 20.7 0.034 0.488

          23.5 23.5 23.5 0.044 0.783 106 Meliaceae sp. 3 1 1 0.10 0.31 0.21 0.63

          18.0

          7.1

          7.1

          7.1

          4.6

          5.2

          4.9

          3.3 5.4 4.4 0.003 0.016 102 Pouteria sp. 2 2 2 0.20 0.02 0.42 0.65

          0.22

          7.1

          7.1

          5.0

          8.0

          6.5

          3.0 5.3 4.1 0.003 0.021 103 Xilosma sp. 1 2 2 0.20 0.02 0.42 0.65

          0.23

          7.1

          18.0

          5.5

          6.0

          5.8

          3.0 5.6 4.3 0.003 0.019 104 Mollinedia schottiana (Spreng.) Perkins 2 2 0.20 0.01 0.42 0.64

          0.21

          7.1

          7.1

          1.8

          4.2

          3.0

          2.5 3.3 2.9 0.001 0.004 105 Luetzelburgia trialata (Ducke) Ducke 1 1 0.10 0.32 0.21 0.63

          0.42

          3.6

          3.6

          92 Mollinedia longifolia Perkins 3 2 0.30 0.02 0.42 0.75 0.32 7.1 10.7

          7.6

          VI VC FA DA Hmi Hma Hme DiMi DiMa DiMe ABT Vol.

          10.5

          0.44

          7.1

          7.1

          7.0

          14.0

          10.5

          10.4 17.5 13.9 0.033 0.396 78 Myrcia laxiflora Cambess. 4 2 0.41 0.03 0.42 0.86 0.43 7.1 14.3

          5.8

          10.0

          7.0

          2.7 4.8 3.5 0.004 0.031 79 Trichilia cf. silvatica C.DC. 3 2 0.30 0.13 0.42 0.86 0.44 7.1 10.7

          7.0

          13.0

          2.5 13.2 7.6 0.018 0.226 80 Ixora gardneriana Benth. 3 2 0.30 0.13 0.42 0.85 0.43 7.1 10.7

          18.0

          3.3

          9.0

          5.8

          3.5 13.9 7.2 0.017 0.146

          81 Eugenia cf. cerasiflora Miq 2 2 0.20 0.20 0.42 0.83

          0.40

          7.1

          7.1

          7.5

          18.0

          12.8

          5.4 17.8 11.6 0.027 0.467

          82 Indeterminada sp. 11 1 1 0.10 0.51 0.21 0.82

          13.2 18.0 15.6 0.039 0.728 77 Alchornea triplinervia (Spreng.) Müll.Arg. 2 2 0.20 0.24 0.42 0.86

          20.0

          3.6

          0.78

          72 Manilkara sp. 1 1 1 0.10 0.75 0.21 1.06

          0.85

          3.6

          3.6

          18.0

          18.0

          18.0

          36.1 36.1 36.1 0.103 1.845 73 Cupania racemosa (Vell.) Radlk. 3 3 0.30 0.11 0.64 1.05 0.42 10.7 10.7

          7.0

          17.0

          11.0

          2.9 13.2 6.7 0.016 0.248

          74 Ficus sp. 2 1 1 0.10 0.68 0.21 0.99

          3.6

          16.0

          3.6

          17.0

          17.0

          17.0

          34.5 34.5 34.5 0.094 1.593

          75 Maytenus cf. ardisiaefolia Reissek 3 3 0.30 0.02 0.64 0.96 0.32 10.7 10.7

          5.5

          6.5

          6.2

          2.7 3.8 3.1 0.002 0.015

          76 Euphorbiaceae sp. 3 2 2 0.20 0.28 0.42 0.91

          0.49

          7.1

          7.1

          0.61

          3.6

          9.0

          0.57

          3.6

          3.6

          22.0

          22.0

          22.0

          29.0 29.0 29.0 0.066 1.450 88 Eugenia bahiensis DC. 2 2 0.20 0.15 0.42 0.78

          0.36

          7.1

          7.1

          10.5

          12.0

          11.3

          6.5 15.0 10.7 0.021 0.246 89 Quiina glazovii Engl. 1 1 0.10 0.47 0.21 0.78

          3.6

          87 Meliaceae sp. 2 1 1 0.10 0.48 0.21 0.79

          3.6

          19.0

          19.0

          19.0

          28.7 28.7 28.7 0.065 1.225 90 Aiouea saligna Meisn. 2 2 0.20 0.14 0.42 0.77

          0.34

          7.1

          7.1

          12.5

          17.0

          14.8

          6.2 14.3 10.3 0.019 0.312

          91 Sapindaceae sp. 1 5 1 0.51 0.05 0.21 0.77 0.56 3.6 17.9

          5.5

          0.58

          29.0 29.0 29.0 0.066 1.121

          27.0

          22.0

          27.0

          27.0

          29.9 29.9 29.9 0.070 1.898 83 Calyptranthes lucida Mart. ex DC. 3 2 0.30 0.08 0.42 0.81 0.39 7.1 10.7

          8.0

          12.0

          10.3

          4.1 9.9 6.5 0.011 0.128

          84 Celastraceae sp. 2 1 1 0.10 0.50 0.21 0.81

          0.60

          3.6

          3.6

          22.0

          22.0

          29.6 29.6 29.6 0.069 1.514

          17.0

          85 Tabebuia sp. 1 2 2 0.20 0.18 0.42 0.81

          0.38

          7.1

          7.1

          10.0

          11.0

          10.5

          10.8 14.0 12.4 0.025 0.262

          86 Indeterminada sp. 17 1 1 0.10 0.48 0.21 0.79

          0.58

          3.6

          3.6

          17.0

          17.0

          Continua

          225 Continuação do Anexo 1 Espécies NI NP DeR DoR FR

          0.18

          3.6

          3.6

          12.0

          12.0

          12.0

          12.1 12.1 12.1 0.012 0.138 135 Indeterminada sp. 6 1 1 0.10 0.08 0.21 0.39

          0.18

          3.6

          3.6

          16.0

          16.0

          16.0

          11.5 11.5 11.5 0.010 0.165 136 Meliaceae sp. 1 1 1 0.10 0.08 0.21 0.39

          3.6

          12.3 12.3 12.3 0.012 0.088 134 Sapotaceae sp. 3 1 1 0.10 0.08 0.21 0.40

          3.6

          17.0

          17.0

          17.0

          11.9 11.9 11.9 0.011 0.190 137 Calyptranthes strigipes O.Berg 1 1 0.10 0.06 0.21 0.38

          0.16

          3.6

          3.6

          12.0

          12.0

          12.0

          10.5 10.5 10.5 0.009 0.104 138 Cordia trichoclada DC. 1 1 0.10 0.06 0.21 0.38

          0.16

          3.6

          0.19

          7.5

          16.5

          3.6

          3.6

          9.0

          9.0

          9.0

          13.4 13.4 13.4 0.014 0.126 130 Astrocaryum aculeatissimum (Schott) Burret 1 1 0.10 0.10 0.21 0.41

          0.20

          3.6

          3.6

          9.5

          9.5

          9.5

          13.1 13.1 13.1 0.013 0.127 131 Myrsine coriacea (Sw.) R.Br. ex Roem. & Schult. 1 1 0.10 0.10 0.21 0.41

          0.20

          3.6

          9.0

          7.5

          9.0

          9.0

          13.2 13.2 13.2 0.014 0.123 132 Pouteria sp. 1 1 1 0.10 0.10 0.21 0.41

          0.20

          3.6

          3.6

          13.5

          13.5

          13.5

          13.1 13.1 13.1 0.013 0.181 133 Machaerium hirtum (Vell.) Stellfeld 1 1 0.10 0.09 0.21 0.40

          0.19

          3.6

          3.6

          7.5

          3.6

          16.5

          0.20

          16.0

          7.0

          11.1 11.1 11.1 0.010 0.068 144 Apocynaceae sp. 1 1 1 0.10 0.06 0.21 0.37

          0.16

          3.6

          3.6

          8.0

          8.0

          8.0

          9.9 9.9 9.9 0.008 0.061 145 Indeterminada sp. 8 1 1 0.10 0.06 0.21 0.37

          0.16

          3.6

          3.6

          16.0

          16.0

          9.9 9.9 9.9 0.008 0.122 146 Primulaceae sp. 2 1 1 0.10 0.05 0.21 0.37

          7.0

          0.15

          3.6

          3.6

          9.0

          9.0

          9.0

          9.6 9.6 9.6 0.007 0.065 147 Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et al. 1 1 0.10 0.06 0.21 0.37

          0.16

          3.6

          3.6

          9.0

          9.0

          9.0

          9.9 9.9 9.9 0.008 0.069

          7.0

          3.6

          16.5

          11.1 11.1 11.1 0.010 0.107 141 Inga marginata Willd. 1 1 0.10 0.07 0.21 0.38

          10.5 10.5 10.5 0.009 0.143 139 Indeterminada sp. 2 1 1 0.10 0.06 0.21 0.38

          0.16

          3.6

          3.6

          12.0

          12.0

          12.0

          10.5 10.5 10.5 0.009 0.104 140 Indeterminada sp. 4 1 1 0.10 0.07 0.21 0.38

          0.17

          3.6

          3.6

          11.0

          11.0

          11.0

          0.17

          3.6

          3.6

          3.6

          8.0

          8.0

          8.0

          11.1 11.1 11.1 0.010 0.078 142 Plinia edulis (Vell.) Sobral 1 1 0.10 0.06 0.21 0.38

          0.16

          3.6

          3.6

          14.0

          14.0

          14.0

          10.5 10.5 10.5 0.009 0.121 143 Prunus cf. myrtifolia (L.) Urb. 1 1 0.10 0.07 0.21 0.38

          0.17

          3.6

          2.9 3.2 3.0 0.001 0.006 129 Endlicheria paniculata (Spreng.) J.F.Macbr. 1 1 0.10 0.10 0.21 0.42

          VI VC FA DA Hmi Hma Hme DiMi DiMa DiMe ABT Vol.

          7.6

          13.0

          18.8 18.8 18.8 0.028 0.360 115 Sloanea sp. 1 1 1 0.10 0.20 0.21 0.51

          0.30

          3.6

          3.6

          11.0

          11.0

          11.0

          18.5 18.5 18.5 0.027 0.297 116 Croton sp. 1 2 1 0.20 0.08 0.21 0.50

          0.29

          3.6

          7.1

          4.2

          11.0

          4.0 11.3 7.6 0.011 0.116 117 Lauraceae sp. 1 1 1 0.10 0.19 0.21 0.50

          13.0

          0.29

          3.6

          3.6

          17.0

          17.0

          17.0

          18.3 18.3 18.3 0.026 0.447 118 Primulaceae sp. 3 2 1 0.20 0.08 0.21 0.50

          0.28

          3.6

          7.1

          7.0

          8.0

          7.5

          5.7 10.5 8.1 0.011 0.087 119 Ocotea vaccinioides (Meisn.) Mez 1 1 0.10 0.16 0.21 0.48

          13.0

          3.6

          3.6

          20.0 20.0 20.0 0.032 0.442 112 Arecaceae sp. 1 1 1 0.10 0.22 0.21 0.53

          110 Garcinia gardneriana (Planch. & Triana) Zappi 1 1 0.10 0.24 0.21 0.55

          0.34

          3.6

          3.6

          22.0

          22.0

          22.0

          20.5 20.5 20.5 0.033 0.728 111 Pseudolmedia sp. 1 1 1 0.10 0.23 0.21 0.54

          0.33

          3.6

          3.6

          14.0

          14.0

          14.0

          0.32

          3.6

          3.6

          3.6

          18.0

          18.0

          18.0

          19.4 19.4 19.4 0.030 0.533 113 Arecaceae sp. 2 1 1 0.10 0.20 0.21 0.52

          0.31

          3.6

          3.6

          11.0

          11.0

          11.0

          18.9 18.9 18.9 0.028 0.310 114 Rhodostemonodaphne macrocalyx (Meisn.) Rohwer ex Madriñán 1 1 0.10 0.20 0.21 0.51

          0.30

          0.26

          3.6

          4.4

          18.0

          2.5

          4.0

          3.3

          4.8 4.9 4.9 0.004 0.012 125 Ocotea aniboides (Meisn.) Mez 2 1 0.20 0.02 0.21 0.44

          0.23

          3.6

          7.1

          8.0

          10.5

          9.3

          4.0 5.0 4.5 0.003 0.031 126 Xylopia laevigata (Mart.) R.E.Fr. 1 1 0.10 0.13 0.21 0.44

          0.23

          3.6

          3.6

          18.0

          3.6

          18.0

          15.0 15.0 15.0 0.018 0.316 127 Ficus cf. luschnathiana (Miq.) Miq. 2 1 0.20 0.01 0.21 0.43

          0.22

          3.6

          7.1

          5.0

          6.0

          5.5

          3.2 3.3 3.3 0.002 0.009 128 Indeterminada sp. 11 2 1 0.20 0.01 0.21 0.43

          0.21

          3.6

          7.1

          4.2

          4.6

          7.1

          0.23

          12.0

          14.0

          12.0

          12.0

          16.9 16.9 16.9 0.022 0.268 120 Copaifera lucens Dwyer 1 1 0.10 0.13 0.21 0.45

          0.23

          3.6

          3.6

          16.0

          16.0

          16.0

          15.3 15.3 15.3 0.018 0.293 121 Moraceae sp. 1 1 1 0.10 0.14 0.21 0.45

          0.24

          3.6

          3.6

          14.0

          14.0

          15.1 15.1 15.1 0.018 0.323 124 Mollinedia sp. 1 2 1 0.20 0.03 0.21 0.44

          15.6 15.6 15.6 0.019 0.268 122 Rubiaceae sp. 1 1 1 0.10 0.13 0.21 0.45

          0.23

          3.6

          3.6

          13.5

          13.5

          13.5

          15.3 15.3 15.3 0.018 0.248 123 Eugenia oblongata O.Berg 1 1 0.10 0.13 0.21 0.44

          0.23

          3.6

          3.6

          18.0

          18.0

          18.0

          Continua

          226 Continuação do Anexo 1 Espécies NI NP DeR DoR FR

          0.11

          3.6

          3.6

          6.0

          6.0

          6.0

          4.0 4.0 4.0 0.001 0.008 173 Coussarea nodosa (Benth.) Müll.Arg. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          6.0

          6.0

          6.0

          4.0 4.0 4.0 0.001 0.008 174 Cryptocarya saligna Mez 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          3.6

          2.5 2.5 2.5 0.001 0.003 172 Chrysophyllum flexuosum Mart. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          3.6

          6.5

          6.5

          6.5

          3.8 3.8 3.8 0.001 0.007 175 Eugenia florida DC. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          5.0

          5.0

          5.0

          3.5 3.5 3.5 0.001 0.005 176 Eugenia umbelliflora O.Berg 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          0.11

          5.0

          4.0

          3.6

          3.6

          7.5

          7.5

          7.5

          3.4 3.4 3.4 0.001 0.007 168 Cabralea canjerana (Vell.) Mart. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          5.8

          5.8

          5.8

          3.2 3.2 3.2 0.001 0.005 169 Caryodendron janeirense Müll.Arg. 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          4.8

          5.0

          4.8

          4.8

          2.6 2.6 2.6 0.001 0.003 170 Casearia sylvestris Sw. 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          4.3

          4.3

          4.3

          2.9 2.9 2.9 0.001 0.003 171 Celastraceae sp. 1 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          5.0

          3.6

          4.0

          0.11

          9.0

          6.8

          3.2 3.2 3.2 0.001 0.005 182 Indeterminada sp. 5 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          4.3

          4.3

          4.3

          2.9 2.9 2.9 0.001 0.003 183 Inga capitata Desv. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          9.0

          9.0

          3.7 3.7 3.7 0.001 0.010 184 Licaria armeniaca (Nees) Kosterm. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          6.8

          0.11

          3.6

          3.6

          8.0

          8.0

          8.0

          4.1 4.1 4.1 0.001 0.011 185 Melastomataceae sp. 1 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          4.5

          4.5

          4.5

          4.0 4.0 4.0 0.001 0.006

          6.8

          3.6

          4.0

          3.8 3.8 3.8 0.001 0.006 179 Indeterminada sp. 14 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          3.2 3.2 3.2 0.001 0.003 177 Ficus sp. 1 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          2.4

          2.4

          2.4

          2.5 2.5 2.5 0.001 0.001 178 Guarea sp. 1 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          5.0

          5.0

          5.0

          0.11

          3.6

          3.6

          3.6

          3.2

          3.2

          3.2

          4.5 4.5 4.5 0.002 0.005 180 Indeterminada sp. 15 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          3.6

          3.5

          3.5

          3.5

          2.7 2.7 2.7 0.001 0.002 181 Indeterminada sp. 3 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          5.9 5.9 5.9 0.003 0.023 167 Aegiphila sellowiana Cham. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          VI VC FA DA Hmi Hma Hme DiMi DiMa DiMe ABT Vol.

          7.3

          9.0

          8.4 8.4 8.4 0.006 0.050 153 Pausandra sp. 2 1 1 0.10 0.03 0.21 0.35

          0.14

          3.6

          3.6

          12.0

          12.0

          12.0

          7.8 7.8 7.8 0.005 0.057 154 Trichilia martiana C.DC. 1 1 0.10 0.04 0.21 0.35

          0.14

          3.6

          3.6

          7.3

          7.3

          8.0 8.0 8.0 0.005 0.036 155 Abarema sp. 1 1 1 0.10 0.02 0.21 0.34

          9.0

          0.12

          3.6

          3.6

          7.5

          7.5

          7.5

          6.4 6.4 6.4 0.003 0.024 156 Annona cacans Warm. 1 1 0.10 0.02 0.21 0.34

          0.12

          3.6

          3.6

          8.0

          8.0

          8.0

          6.4 6.4 6.4 0.003 0.026 157 Indeterminada sp. 1 1 1 0.10 0.03 0.21 0.34

          9.0

          3.6

          3.6

          9.2 9.2 9.2 0.007 0.054 150 Andira fraxinifolia Benth. 1 1 0.10 0.03 0.21 0.35

          148 Trigynaea sp 1 1 0.10 0.06 0.21 0.37

          0.16

          3.6

          3.6

          7.0

          7.0

          7.0

          10.0 10.0 10.0 0.008 0.055 149 Guarea kunthiana A.Juss. 1 1 0.10 0.05 0.21 0.36

          0.15

          3.6

          3.6

          8.0

          8.0

          8.0

          0.13

          3.6

          3.6

          3.6

          10.5

          10.5

          10.5

          7.5 7.5 7.5 0.004 0.046 151 Annona dolabripetala Raddi 1 1 0.10 0.04 0.21 0.35

          0.14

          3.6

          3.6

          3.8

          3.8

          3.8

          8.1 8.1 8.1 0.005 0.020 152 Chrysobalanaceae sp. 1 1 1 0.10 0.04 0.21 0.35

          0.14

          0.13

          3.6

          8.5

          10.0

          14.0

          14.0

          14.0

          5.1 5.1 5.1 0.002 0.029 163 Sapotaceae sp. 1 1 1 0.10 0.01 0.21 0.33

          0.11

          3.6

          3.6

          10.0

          10.0

          10.0

          4.8 4.8 4.8 0.002 0.018 164 Tachigali denudata (Vogel) Oliveira-Filho 1 1 0.10 0.01 0.21 0.33

          0.12

          3.6

          3.6

          10.0

          3.6

          10.0

          5.1 5.1 5.1 0.002 0.020 165 Tibouchina mutabilis (Vell.) Cogn. 1 1 0.10 0.02 0.21 0.33

          0.12

          3.6

          3.6

          7.0

          7.0

          7.0

          5.4 5.4 5.4 0.002 0.016 166 Zanthoxylum rhoifolium Lam. 1 1 0.10 0.02 0.21 0.33

          0.12

          3.6

          3.6

          8.5

          8.5

          3.6

          0.12

          11.5

          9.5

          11.5

          11.5

          7.2 7.2 7.2 0.004 0.047 158 Astronium fraxinifolium Schott 1 1 0.10 0.01 0.21 0.33

          0.11

          3.6

          3.6

          11.5

          11.5

          11.5

          4.8 4.8 4.8 0.002 0.021 159 Euphorbiaceae sp. 1 1 1 0.10 0.01 0.21 0.33

          0.12

          3.6

          3.6

          9.5

          9.5

          6.1 6.1 6.1 0.003 0.027 162 Ocotea puberula (Rich.) Nees 1 1 0.10 0.01 0.21 0.33

          4.9 4.9 4.9 0.002 0.018 160 Inga lanceifolia Benth. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.33

          0.11

          3.6

          3.6

          7.0

          7.0

          7.0

          4.6 4.6 4.6 0.002 0.012 161 Moraceae sp. 2 1 1 0.10 0.02 0.21 0.33

          0.12

          3.6

          3.6

          9.5

          9.5

          9.5

          Continua

          227 Continuação do Anexo 1 Espécies NI NP DeR DoR FR

          8.0

          3.6

          0.11

          2.5 2.5 2.5 0.001 0.002 198 Tabebuia sp. 2 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          3.5

          3.5

          3.5

          3.6

          3.6

          0.11

          3.8 3.8 3.8 0.001 0.009 197 Swartzia langsdorffii Raddi 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          8.0

          8.0

          3.6

          5.5

          3.6

          0.11

          2.5 2.5 2.5 0.001 0.003 196 Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          5.0

          5.0

          5.0

          3.6

          3.6

          0.11

          3.2 3.2 3.2 0.001 0.003 195 Rudgea sp. 1 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          3.2

          3.2

          3.6

          5.5

          3.6

          2.9 2.9 2.9 0.001 0.004 Totais 986 28 100.0 100.0 100.0 300.0 200.0 100.0 3523 13.7 242.0 Média

          12.2

          (±15.2)

          16.8

          (±11.1)

          9.7

          (±5.4)

          10.5

          (±6.7)

          12.8

          (±5.7)

           8.8

          (± desvio padrão)

          2.0

          5.5

          2.0

          2.0

          3.6

          3.6

          0.11

          2.9 2.9 2.9 0.001 0.004 200 Celastraceae sp. 4 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          6.5

          6.5

          6.5

          3.6

          3.6

          0.11

          2.9 2.9 2.9 0.001 0.004 199 Trichilia sp. 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          3.2

          3.6

          VI VC FA DA Hmi Hma Hme DiMi DiMa DiMe ABT Vol.

          5.8

          5.5

          3.6

          3.6

          0.11

          3.7 3.7 3.7 0.001 0.006 189 Ocotea dispersa (Nees & Mart.) Mez 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          6.0

          6.0

          6.0

          3.6

          3.6

          0.11

          2.9 2.9 2.9 0.001 0.004 188 Nectandra membranacea (Sw.) Griseb. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          5.8

          5.5

          5.8

          3.6

          3.6

          0.11

          3.3 3.3 3.3 0.001 0.005 187 Monimiaceae sp. 2 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          5.5

          5.5

          5.5

          3.6

          3.6

          0.11

          186 Mollinedia sp. 2 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          5.5

          3.2 3.2 3.2 0.001 0.004 190 Oxandra sp 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          0.11

          3.6

          2.7 2.7 2.7 0.001 0.002 194 Psychotria leiocarpa Cham. & Schltdl. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          3.0

          3.0

          3.0

          3.6

          3.6

          0.11

          3.3 3.3 3.3 0.001 0.004 193 Primulaceae sp. 1 1 1 0.10 0.00 0.21 0.32

          4.0

          4.0

          4.0

          3.6

          0.11

          0.11

          4.0 4.0 4.0 0.001 0.006 192 Piper arboreum Aubl. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          5.0

          5.0

          5.0

          3.6

          3.6

          0.11

          4.1 4.1 4.1 0.001 0.006 191 Phyllostemonodaphne geminiflora (Mez) Kosterm. 1 1 0.10 0.01 0.21 0.32

          4.5

          4.5

          4.5

          3.6

          3.6

          (±11.2)

          

        Anexo 2. Parâmetros fitossociológios do estrato arbóreo-arbustivo (DAP ≤ 2,5 cm), tabulados por família, no Setor “A” (Floresta da

        Tijuca), Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. 2010. Número de indivíduos (No.Ind.), Número de espécies (No.Spp.),

        Percentual da espécie em relação ao total (%Spp.), Densidade absoluta por ha (D.Ab.), Dominância Média (Do.M.), Frequência absoluta

        (F.Ab.), Densidade relativa (D.Rel.), Dominância relativa (Do.Rel.), Frequência relativa (Freq.Rel.), Valor de importância (VI),

        Percentual do VI em relação ao total (%VI), Valor de cobertura (VC), Percentual do VC em relação ao total (%VC), Área basal total

        (ABT), Volume total (Vol.), Volume relativo (Vol.Rel.), Dominância absoluta por ha (Dom.Abs.).

          0.5 17.9 0.0133

          8

          3

          1.5 28.6 0.0011

          21.4

          0.8

          0.1

          1.8

          2.67

          0.89

          0.88 0.44 0.0090 0.0510 0.02 0.0323 Indeterminada sp. 7

          5

          1

          17.9

          0.90

          0.5

          0.5

          1.5

          2.48

          0.83

          0.99 0.50 0.0666 1.2182 0.50 0.2378 Salicaceae

          6

          3

          1.5 21.4 0.0067

          17.9

          0.6

          0.3

          1.5

          1.22 0.61 0.0837 0.9904 0.41 0.2989 Melastomataceae

          2.71

          0.80

          1

          1.52

          2.76 1.38 0.2394 4.5691 1.89 0.8549 Malvaceae

          8

          2

          1.0 28.6 0.0252

          10.7

          0.8

          1.5

          0.9

          3.17

          1.06

          2.28 1.14 0.2013 3.7216 1.54 0.7189 Violaceae

          7

          0.5 25.0 0.0167

          1.5

          17.9

          0.7

          0.9

          1.5

          3.05

          1.02

          1.56 0.78 0.1167 1.5813 0.65 0.4169 Primulaceae

          6

          5

          2.5 21.4 0.0139

          17.9

          0.6

          0.6

          2.39

          0.90 0.45 0.0401 0.5501 0.23 0.1431 Clusiaceae

          1.8

          1.5

          14.3

          0.5

          0.3

          1.2

          2.04

          0.68

          0.84 0.42 0.0463 0.5584 0.23 0.1655 Anacardiaceae

          2

          2

          1.0 7.1 0.1053

          3.6

          0.2

          0.3

          1

          2.03

          0.68

          1.74 0.87 0.2107 6.2868 2.60 0.7524 Erythroxylaceae

          5

          1

          0.5 17.9 0.0010

          14.3

          0.5

          0.0

          1.2

          1.74

          0.58

          0.54 0.27 0.0048 0.0247 0.01 0.0172

          0.5 17.9 0.0093

          5

          2

          0.6

          2

          1.0 7.1 0.1061

          7.1

          0.2

          1.5

          0.6

          2.34

          0.78

          1.75 0.87 0.2122 4.6679 1.93 0.7578 Cyatheaceae

          6

          1

          0.5 21.4 0.0084

          14.3

          0.4

          1.46 0.73 0.1729 4.2322 1.75 0.6174 Indeterminada sp. 13

          1.2

          2.17

          0.72

          0.98 0.49 0.0505 0.3759 0.16 0.1804 Chrysobalanaceae

          2

          2

          1.0 7.1 0.0864

          7.1

          0.2

          1.3

          0.6

          2.06

          0.69

          4.55

          1.7

          Família No.Ind No.Spp %Spp Dens.Ab Dom.Med Freq.Ab Dens.Re Dom.Rel Freq.Re

          4.8

          3.2 8.8 3.0 14.93 4.98 11.95 5.97 1.2100 24.0566 9.94 4.3214 Meliaceae

          41

          12 6.0 146.4 0.0128

          67.9

          4.2 3.8 5.7 13.64

          4.55

          7.97 3.98 0.5228 6.1629 2.55 1.8671 Proteaceae

          25

          2

          1.0 89.3 0.0265

          28.6

          2.5

          2.4

          1 0.5 110.7 0.0390

          9.74

          3.25

          7.35 3.68 0.6617 11.9983 4.96 2.3631 Sapindaceae

          27

          5

          2.5 96.4 0.0109

          50.0

          2.7

          2.1

          4.2

          9.05

          3.02

          4.87 2.44 0.2930 4.7596 1.97 1.0463 Sapotaceae

          35.7

          31

          8 4.0 110.7 0.0120

          64.3

          VI %VI VC %VC Ar.Bas. Volume Vol.Rel Dom.Abs.

          Myrtaceae 225

          21 10.5 803.6 0.0063 100.0

          22.8 10.3 8.4 41.50 13.83 33.14 16.57 1.4160 18.5424 7.66 5.0572 Arecaceae 205

          5 2.5 732.1 0.0039

          78.6

          20.8 5.8 6.6 33.22 11.07 26.66 13.33 0.8033 8.2113 3.39 2.8690 Fabaceae

          33

          18 9.0 117.9 0.0388

          71.4

          3.4 9.3 6.0 18.64 6.21 12.67 6.33 1.2808 27.4071 11.33 4.5744 Lauraceae

          57

          21 10.5 203.6 0.0166

          5.8 6.9 5.4 18.06 6.02 12.69 6.34 0.9484 15.7660 6.51 3.3872 Rubiaceae

          3.8 6.7 4.8 15.22 5.07 10.44 5.22 0.9190 14.1596 5.85 3.2821 Malpighiaceae

          71

          12 6.0 253.6 0.0053

          85.7

          7.2 2.7 7.2 17.11

          5.70

          9.95 4.97 0.3765 4.6132 1.91 1.3447 Euphorbiaceae

          33

          11 5.5 117.9 0.0302

          67.9

          3.4 7.2 5.7 16.27 5.42 10.59 5.30 0.9958 18.4437 7.62 3.5564 Nyctaginaceae

          37

          1 0.5 132.1 0.0248

          57.1

          31

          32.1

          1.0

          2.08 1.04 0.1192 1.3322 0.55 0.4255 Moraceae

          4.77

          1.59

          2.39 1.19 0.1746 3.6951 1.53 0.6235 Monimiaceae

          12

          7

          3.5 42.9 0.0099

          32.1

          1.2

          0.9

          2.7

          4.77

          1.59

          10

          1.3

          8

          4.0 35.7 0.0186

          28.6

          1.0

          1.4

          2.4

          4.75

          1.58

          2.37 1.18 0.1856 2.7925 1.15 0.6629 Cunoniaceae

          10

          1

          0.5 35.7 0.0239

          21.4

          2.4

          1.1

          3.2

          2.81

          2.7

          2.7

          8.54

          2.85

          5.85 2.93 0.3718 6.7745 2.80 1.3277 Vochysiaceae

          6

          2

          1.0 21.4 0.1384

          21.4

          0.6

          6.0

          1.8

          8.44

          6.65 3.32 0.8302 22.3583 9.24 2.9651 Celastraceae

          28.6

          23

          5

          2.5 82.1 0.0101

          42.9

          2.3

          1.7

          3.6

          7.61

          2.54

          4.03 2.01 0.2327 4.3469 1.80 0.8312 Annonaceae

          11

          7

          3.5 39.3 0.0159

          Continua

          Continuação do Anexo 2 Família No.Ind No.Spp %Spp Dens.Ab Dom.Med Freq.Ab Dens.Re Dom.Rel Freq.Re

          0.5 3.6 0.0077

          0.15

          0.16 0.08 0.0087 0.1039 0.04 0.0309 Apocynaceae

          1

          1

          0.5 3.6 0.0077

          3.6

          0.1

          0.1

          0.3

          0.46

          0.15

          0.16 0.08 0.0077 0.0612 0.03 0.0273 Indeterminada sp. 8

          1

          1

          3.6

          0.3

          0.5 3.6 0.0041

          0.14

          0.43

          0.3

          0.0

          0.1

          3.6

          1

          0.1

          1

          0.16 0.08 0.0077 0.1224 0.05 0.0273 Indeterminada sp. 1

          0.15

          0.46

          0.3

          0.1

          0.46

          0.1

          1

          0.17 0.09 0.0097 0.0682 0.03 0.0348 Indeterminada sp. 4

          0.1

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0097

          1

          1

          0.16

          0.47

          0.47

          0.3

          0.1

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0097

          0.3

          0.16

          0.1

          0.46

          3.6

          0.5 3.6 0.0087

          1

          1

          0.16 0.08 0.0087 0.1429 0.06 0.0309 Indeterminada sp. 2

          0.15

          0.3

          0.17 0.09 0.0097 0.1072 0.04 0.0348 Boraginaceae

          0.1

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0087

          1

          1

          0.13 0.07 0.0041 0.0467 0.02 0.0145 Rutaceae

          1

          1

          0.3

          0.5 3.6 0.0006

          1

          1

          0.11 0.05 0.0008 0.0054 0.00 0.0028 Indeterminada sp. 5

          0.14

          0.41

          0.0

          0.1

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0008

          1

          1

          0.11 0.05 0.0009 0.0035 0.00 0.0031 Indeterminada sp. 3

          3.6

          0.0

          0.41

          0.1

          Totais 986 200 100.0 3523 100.0 100.0 100.0 300.0 100.0 200.0 100.0 13.7 242.0 100.0

          0.11 0.05 0.0006 0.0020 0.00 0.0021

          0.13

          0.40

          0.3

          0.0

          3.6

          0.3

          0.5 3.6 0.0006

          1

          1

          0.11 0.05 0.0006 0.0028 0.00 0.0023 Indeterminada sp. 15

          0.13

          0.40

          0.14

          0.3

          0.5 3.6 0.0027

          1

          0.3

          0.0

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0016

          1

          0.12 0.06 0.0027 0.0232 0.01 0.0097 Indeterminada sp. 14

          0.14

          0.14

          0.42

          0.3

          0.0

          0.1

          3.6

          0.41

          0.11 0.06 0.0016 0.0050 0.00 0.0056 Verbenaceae

          0.0

          0.14

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0009

          1

          1

          0.11 0.05 0.0009 0.0070 0.00 0.0033 Piperaceae

          0.41

          1

          0.3

          0.0

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0009

          1

          1

          0.18 0.09 0.0103 0.1650 0.07 0.0368 Rosaceae

          VI %VI VC %VC Ar.Bas. Volume Vol.Rel Dom.Abs.

          1.05 0.52 0.1304 2.3464 0.97 0.4656 Indeterminada sp. 19

          0.2

          0.9

          1.38

          0.46

          0.49 0.24 0.0253 0.2651 0.11 0.0902 Indeterminada sp. 18

          1

          1

          0.5 3.6 0.1304

          3.6

          0.1

          1.0

          0.3

          1.35

          0.45

          1

          10.7

          0.90 0.45 0.1099 1.9775 0.82 0.3924 Indeterminada sp. 12

          0.5

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0703

          1

          1

          0.40

          1

          1.20

          0.3

          0.8

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.1099

          0.3

          1.0 10.7 0.0084

          0.91

          0.3

          0.5 14.3 0.0101

          1

          4

          1.34 0.67 0.1708 3.0739 1.27 0.6099 Lecythidaceae

          0.55

          1.64

          1.2

          0.4

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.1708

          1

          1

          Indeterminada sp. 10

          10.7

          0.3

          2

          0.1

          3

          1.09 0.54 0.1355 3.3882 1.40 0.4840 Bignoniaceae

          0.46

          1.39

          0.3

          1.0

          3.6

          0.9

          0.5 3.6 0.1355

          1

          1

          0.70 0.35 0.0403 0.7882 0.33 0.1438 Indeterminada sp. 16

          0.53

          1.59

          0.3

          0.30

          0.16

          3.6

          0.30 0.15 0.0270 0.2966 0.12 0.0963 Indeterminada sp. 11

          0.20

          0.60

          0.3

          0.2

          0.1

          0.5 3.6 0.0270

          1

          1

          1

          0.35 0.17 0.0336 0.4875 0.20 0.1201 Elaeocarpaceae

          0.21

          0.64

          0.3

          2

          0.5 7.1 0.0007

          0.1

          1

          0.48

          0.3

          0.1

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0103

          1

          3.6

          0.21 0.11 0.0014 0.0064 0.00 0.0051 Indeterminada sp. 6

          0.17

          0.51

          0.3

          0.0

          0.2

          0.2

          3.6

          0.61 0.31 0.0703 1.8984 0.78 0.2511 Indeterminada sp. 17

          0.88

          3.6

          0.5 3.6 0.0645

          1

          1

          0.58 0.29 0.0659 1.1206 0.46 0.2354 Ochnaceae

          0.29

          0.3

          0.5

          0.5

          0.1

          3.6

          0.5 3.6 0.0659

          1

          1

          0.1

          0.3

          0.5 3.6 0.0336

          0.0

          1

          1

          0.22 0.11 0.0028 0.0140 0.01 0.0100 Indeterminada sp. 9

          0.27

          0.82

          0.6

          0.2

          0.87

          7.1

          0.5 7.1 0.0014

          1

          2

          0.57 0.29 0.0645 1.2249 0.51 0.2302 Liliaceae

          0.29

          49.1

Novo documento

Tags

Documento similar

O controle democrático no financiamento e gestão do orçamento da Seguridade Social no Brasil
0
0
13
Universidade de Brasília Faculdade de Direito Programa de Pós-Graduação Mestrado em Direito, Estado e Constituição Ricardo Antonio Rezende de Jesus
0
0
140
O consentimento livre e esclarecido e a realidade do analfabetismo funcional no Brasil: uma abordagem para a norma e para além da norma
0
0
15
Universidade de Brasília - UnB Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História
0
0
138
Tese de Doutorado | PPG FAU UnB
0
1
193
Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Programa de Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura
0
0
103
Universidade de Brasília Instituto de Relações Internacionais Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais
0
0
139
Universidade de Brasília Instituto de Letras Departamento de Teoria Literária e Literatura Pós-Graduação em Literatura Doutorado em Literatura Brasileira OMAR DA SILVA LIMA
0
0
172
O comércio de medicamentos de gênero na mídia impressa brasileira: misoprostol e mulheres The illegal market for gender-related drugs as portrayed in the Brazilian news media: the case of misoprostol and women
0
0
10
Universidade de Brasília Departamento de Teoria Literária e Literaturas Programa de Pós-Graduação em Literatura
1
16
441
Universidade de Brasília Instituto de Ciências Sociais Departamento de Antropologia
 Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
0
0
110
NOVOS SISTEMAS FOTOLUMINESCENTES DERIVADOS DO NÚCLEO 2,1,3-BENZOTIADIAZOLA PARA APLICAÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR E CELULAR Aluno: Felipe Feitosa de Oliveira
0
0
79
ALMIR PICANÇO DE FIGUEIREDO Novos métodos em Ecologia de Estradas: Correção da heterogeneidade espacial na análise de agregação de atropelamentos de fauna e definição da suficiência
0
2
118
Novas tecnologias, a busca e o uso de informação por jovens do ensino médio privado para a formação escolar
0
0
275
TESE DE DOUTORADO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS ELETRÔNICOS E DE AUTOMAÇÃO Novas Metodologias AQM e TCP Visando a E ciência de Fluxos de Controle UDP e Dados TCPIP Compartilhados
0
0
193
Show more