7 SUGESTÕES PARA FUTUROS TRABALHOS

Full text

(1)

6

CONCLUSÕES

- O tratamento de solubilização resultou em alterações microestruturais, especialmente

na morfologia e distribuição do Si e na forma dos contornos dendríticos.

- Com o aumento do tempo de solubilização os contornos dendríticos ficam menos

evidentes e as partículas de Si mais grossas, esferoidizadas e melhor distribuídas na

microestrutura, obtendo-se uma homogeneização da estrutura. O aumento da temperatura

acelera esses fenômenos.

- As melhores propriedades mecânicas foram obtidas para a liga A356 solubilizada a

540

°

C por 10 h, em função da maior homogeneidade da microestrutura nessa condição de

tratamento.

- Os fatores que influenciaram na redução das propriedades de resistência do lote 1 em

comparação ao lote 2, estão relacionados com o menor percentual de Mg na liga e com

heterogeneidades na microestrutura (presença de porosidades e microrechupes).

- O principal efeito do tratamento térmico de solubilização na liga A356 foi torná-la

mais dúctil, devido à esferoidização, coalescimento e ao maior espaçamento entre as

partículas de Si.

- O tratamento de solubilização na liga A356 com 0,3% em peso de Mg proporcionou

uma maior ductilidade juntamente com um aumento na dureza e na resistência, indicando que

um maior incremento de Mg na liga tende a aumentar o efeito de endurecimento por

solubilização.

- A liga solubilizada apresentou um comportamento de fratura dúctil enquanto que a

bruta de fundição um comportamento frágil. A fratura está relacionada com a morfologia e a

distribuição dos cristais de Si. Esferoidização e perda de alinhamento entre as partículas de Si

resultam em alvéolos menores e fratura mais dúctil.

(2)

7

SUGESTÕES PARA FUTUROS TRABALHOS

1 Controlar o percentual de Mg na liga para garantir que fundidos sejam solubilizados com o

percentual desejado.

2 Verificar o tamanho dos braços dendríticos secundários da liga para conhecer a taxa de

resfriamento utilizada, e sua conseqüente influência com as propriedades mecânicas.

3 Analisar mais detalhadamente com quantas horas de solubilização a 540

°

C, o Mg e o Si

atingem seus percentuais máximos de solubilidade, e se um tempo além desse é necessário

para atingir uma melhor distribuição desses elementos na matriz da liga A356 (0,3%Mg).

4 Fazer uma análise mais aprofundada da microestrutura para detecção dos microconstituintes

(intermetálicos) presentes na liga bruta de fundição e solubilizada, bem como uma análise

quantitativa.

5 Realizar ensaio de impacto para medir a tenacidade e a resistência ao impacto da liga A356

solubilizada.

(3)

ANEXOS

Anexo 1

Valores das propriedades após tratamento térmico de solubilização - lote 1

Condição N˚ Ensaios

Limite de resistência

MPA

Limite de escoamento

MPA

Alongamento %

Dureza HRB

Tratamento térmico de solubilização a 540 ˚C por

10 h

1 182,5 92,4 18 77,33

2 170,7 105 7,37 80,33

3 172,9 108,15 7,71 80,5

4 195,7 107,1 14,5 87,3

5 171,8 115,5 7,12 77,4

6 178,3 94,5 10,8 77

7 168,1 102,9 8,15 79,67

8 205,3 117,6 12,1 81,72

9 183,3 101,85 12,6 82,37

10 184,4 111,3 13,3 70,5

Média 181,30 105,63 11,17 79,41

Desvio padrão 11,87 8,18 3,61 4,37

Tratamento térmico de solubilização a 540 ˚C por

12 h

1 173 100 19,25 63,73

2 172,1 100 18,17 66,9

3 156,9 93,33 10,76 62,31

4 171,1 100 19,83 62,4

5 161,6 117,33 11,68 58,5

6 148,2 89,33 7,02 62,5

7 172 104 19 60,87

8 159,1 92,53 10,54 61,7

9 170,3 102,4 21,62 60,6

10 167,4 111,73 18,64 58,97

Média 165,17 101,07 15,65 61,85

Desvio padrão 8,36 8,58 5,09 2,40

Tratamento térmico de solubilização a 540 ˚C por

24 h

1 166,4 90 13,9 61,33

2 163,3 92 10,3 61,73

3 167,2 84 16,9 62,70

Média 165,63 88,67 13,70 61,92

(4)

Anexo 2

Valores das propriedades nas condições bruta de fundição e após tratamento térmico de solubilização - lote 1

Condição N˚ Ensaios

Limite de resistência

MPA

Limite de escoamento

MPA

Alongamento %

Dureza HRB

Brutos de fundição

1 165,2 124,84 4,9 83,37

2 149,1 116,33 4,8 69,87

3 135,7 120,23 3,55 81

4 161,9 121,27 6 80,47

5 189,3 121,85 8,6 83,4

6 166,2 114,6 6,48 74,67

7 155,4 104,46 5,53 73,83

8 140,2 119,36 2,66 87,33

9 160,3 121,27 4,6 82,83

10 175,3 119,27 9,1 80,1

Média 159,86 118,35 5,62 79,69

Desvio padrão 15,93 5,66 2,03 5,31

Tratamento térmico de solubilização

a 540 ˚C por 2 h

1 174,9 110 7,65 67,83

2 161,5 104 6,12 70,16

3 164,4 110 7,9 63,37

4 162,3 112 6,6 64

5 178,6 100 10,2 67,4

6 166,8 108 6,76 66,33

7 154,2 106 6,53 66,1

8 153,1 115 5,7 65,7

9 161,7 102,1 7,7 64

10 168,8 100 8,42 65,23

Média 164,63 106,71 7,36 66,01

Desvio padrão 8,08 5,16 1,32 2,06

Tratamento térmico de solubilização a 540 ˚C por

6 h

1 184 100 11 75,87

2 186,3 104 11,4 77,57

3 176,6 97 9 66,77

4 169,2 86 11,2 57,6

5 164 92,9 8,56 65

6 178,4 92 11,5 64,93

7 177 106 10,9 65,67

8 163,9 99,3 9,43 64,3

9 163,2 100 8,87 66,87

10 165,1 95 9,3 68

Média 172,77 97,22 10,12 67,26

(5)

Anexo 3

Valores das propriedades nas condições bruta de fundição e após tratamento térmico de solubilização - lote 2

Condição N˚ Ensaios

Limite de resistência

MPA

Limite de escoamento

MPA

Alongamento %

Dureza HRB

BRUTOS DE FUNDIÇÂO

1 145,9 97,5 4,72 70,6

2 138,7 111 3,31 69,83

3 146,5 109,2 4,24 65,6

4 153,2 109 4,84 65,73

5 162,3 119,9 5,22 79,03

6 188,1 128,45 6,63 85,83

7 163,6 110,2 6,39 76,63

8 162,1 110,4 3,87 76,6

9 160,7 123,98 5,13 73,97

10 162,3 114 4,69 82,8

Média 158,34 113,36 4,90 74,66

Desvio padrão 13,63 8,79 4,80 6,83

Tratamento térmico de solubilização a 540 ˚C por

6 h

1 178,3 119 4,25 98,3

2 198,2 105 5,06 75,07

3 193,7 117 6,96 93

4 212,8 116 12,09 90,43

5 202,9 121 9,01 88,33

6 210,3 118,8 11,69 90

7 213,4 116,6 13,64 93

8 217,7 127,05 13,74 93,67

9 202,3 109,45 19,27 73,33

10 187,6 125,4 5,56 89,3

Média 201,72 117,53 10,13 88,44

Desvio padrão 12,54 6,62 2,69 8,03

Tratamento térmico de solubilização a 540 ˚C por

12 h

1 193,9 115 9,08 80,2

2 219,3 116 21,83 92

3 198,4 113,25 10,1 78,9

4 207,5 106,75 14,56 83,03

5 179,2 115,25 5,65 88,43

6 178,2 111 6,5 80,77

7 150,4 112 2,76 83,2

8 165,1 114 3,51 80,73

9 205 126,75 9 79,73

10 221,5 126 11,2 94,17

Média 191,85 115,60 9,42 84,12

(6)

Anexo 4

Valores das propriedades após tratamento térmico de solubilização - lote 2

Condição N˚ Ensaios

Limite de resistência

MPA

Limite de escoamento

MPA

Alongamento %

Dureza HRB

Tratamento térmico de solubilização a 510 ˚C por

10 h

1 166,9 95 5,75 85,27

2 199,4 110 12,99 82,4

3 202,4 107,5 15,16 83,6

4 205,4 124,38 16,19 92,1

5 167,7 115 5,51 83,8

6 167,3 106,25 5,76 83,83

7 171,7 102,5 6,07 83,5

8 199,7 110 13,04 80,8

9 169 108,75 5,3 74,7

10 197,6 107,5 11,28 89,57

Média 184,71 108,69 9,71 83,96

Desvio padrão 17,23 7,63 4,44 4,69

Tratamento térmico de solubilização a 540 ˚C por

10 h

1 212 129 8,56 123,3

2 226,4 123,13 16,2 106,7

3 205,7 116,25 9,54 95,57

4 209,3 116,25 9,55 93,13

5 198,5 121,88 7,04 95,73

6 206,6 125 8,51 95,77

7 209,1 125 13,21 93,47

8 200,8 102,5 11,51 92,8

9 219,2 125 11,45 95,63

10 206,5 118,75 9,17 92,1

Média 209,41 120,28 10,47 98,42

Desvio padrão 8,26 7,49 2,69 9,67

Tratamento térmico de solubilização a 570 ˚C por

10 h

1 215,3 112,2 14,8 86,42

2 210,8 112,2 16,5 90,8

3 203,1 118,8 7,58 102,3

4 172,2 118,8 5,24 97,73

5 188,6 114,95 9,61 91,03

6 134,8 110 2,94 89

7 144,4 113,85 4,78 101,63

8 174,6 119,9 6,18 95,13

9 175,8 116,05 5,82 99,7

10 180,5 113,3 9,45 97,63

Média 180,01 115,01 8,29 95,14

(7)

REFERÊNCIAS

ABAL: Associação Brasileira do Alumínio. Manual Fundamentos e Aplicações do Alumínio,

2007.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING MATERIALS. E 8M – 01: Standard Test Methods

for Tension Testing of Metallic Materials, 2002.

ASM. Heat Treating. Metals HandBook, vol 4, 2004.

CACERES, C.H.; DAVIDSON, C.J.; GRIFFITHS, J.R. The Effect of Mg on the Microstructure and Mechanical Behavior of Al-Si-Mg Casting Alloys, Metallurgical and Materials Transactions A, vol. 30A, 1999.

CACERES, C.H.; DAVIDSON, C.J.; GRIFFITHS, J.R. The deformation and Fracture Behaviour of an Al-Si-Mg Casting Alloy, Material Science and Engineering A197, p. 171-179, 1995.

CALLISTER, William D. Jr. Ciência e Engenharia de Materiais: uma introdução. Rio de

Janeiro, 5a. edição, LTC, 2002.

CHAUDHURY, S.K.; APELIN, D. Effects of Solution Heat Treatment on Microstructure and

Mechanical Properties of Al-Si-Cu-Mg (354) Alloy Using a Fluidized Bed Reactor,

AFS

Transactions, 1-14 (2005).

COUTINHO, Telmo de Azevedo.

Metalografia de Não-Ferrosos: análise e prática. São

Paulo, Edgard Blucher, 1980.

HATCH, JOHN E. Aluminium Proprieties and Physical Metallurgy. American Society for

Metal, 1984.

HED HILL, ROBERT E. Princípios de Metalurgia Física, 1982.

HERNÁNDEZ-PAZ, J.F.; PARAY, F.; GRUZLESKI, J.E. Natural Aging and Heat Treatment

of A356 Aluminium Alloy, AFS Transaction, 2004.

JUNG, H.K; SEO, P.K; KANG, C.G. Microstructural Characteristics and Mechanical Properties of Hypo-Eutectic and Hyper-Eutectic Al-Si Alloys in the Semi-Solid Forming Process, Journal of Materials Processing Technology, vol. 113, p. 568-573, 2001.

MA, Z.; SAMUEL, A.M.; SAMUEL, F.H. Effect of Iron and Cooling Rate on Tensile

Properties of B319.2 Alloys in Non-Modified and Sr-Modified Conditions.

AFS

Transactions,2004

(8)

MERLIN, M.; TIMELLI. G.; FRANCO, B.; GARAGNANI, G. L. Impact Behaviour of A356

for Low-Pressure Die Casting Automotive Wheels,

Journal of Materials Processing

Technology, p. 1061-1073, 2009.

MISHRA, R.K.; SACHDEV, A.K.; BAXTER, W. J. Precipitados Endurecedores na Liga de

Alumínio 339, AFS Transactions, 2004.

MÖLLER, H.; GOVENDER, G.; STUMPF, W.E. Natural and Artificial Aging Response of Semisolid Metal Processed Al-Si-Mg Alloy A356, International Journal of Cast Metals Research, vol. 20, n. 6, 2007.

MORAES, ANA C.

Estudo da Corrosão Intergranular em Ligas de Alumínio de

Fundição – Influências do Teor Cobre e do Tratamento de Solubilização. Dissertação de

Mestrado - PGCEM/UDESC, Joinville, 2006.

OGRIS, E.; WAHLEN, A.; LUCHINGER, H.; UGGOWITZER, P.J. On The Silicon Spheroidization in Al-Si Alloys, Journal of Light Metals, vol. 2, p. 263-269, 2002.

PEDERSEN, L.; ARNBERG, L. The Effect of Solution Heat Treatment and Quenching Rates on Mechanical Properties and Microstructures in AlSiMg Foundry Alloys, Metallurgical and Materials Transactions A, vol. 32A, 2001.

SHIVKUMAR, S.; RICCI, S.; KELLER, C.; APELIAN, D. Effect of Solution Treatment Parameters on Tensile Properties of Cast Aluminum Alloys, Journal of Heat Treating, vol. 8, n.1, p. 63-70, 1990.

TASH, M.; SAMUEL, F.H.; MUCCIARDI, F; DOTY, HW. Effect of Metallurgical

Parameters on the Hardness and Microstructural Characterization of As-cast and Heat-treated

356 and 319 Aluminum Alloys.

Materials Science and Engineering

A 443, p. 185-201,

2007.

TIRYAKIOGLU, M.; SHUEY, R.T. Quench Sensitivity of an Al-7 Pct Si-0,6 Pct Mg Alloy: Characterization and Modeling, The Minerals, Metals e Materials Society and ASM International, publicado online, DOI 10.1007/s11663-007-9027-4, 2007.

VAN VLACK, L.H. Princípios de Ciência e Tecnologia dos Materiais. 4

a

edição, Rio de

Janeiro, 1920.

VERRI, A et al. Influência da Composição Química na Resistência à Corrosão em Ligas

de Alumínio de Fundição. Relatório Interno. Projeto de Pesquisa – CCT/UDESC, Joinville,

2005

.

www.infomet.com.br/imagens/al_tratamentos_termicos.jpg

. Acessado em: 05/2009.

Figure

Updating...

References

Updating...

Download now (8 pages)