VALIDADE DE LIMIARES ANAERÓBIOS DERIVADOS DO TESTE INCREMENTAL DE CORRIDA INTERMITENTE (TCAR) COMO PREDITORES DO MÁXIMO STEADY- STATE DE LACTATO EM JOGADORES DE FUTSAL

105 

Full text

(1)

LORIVAL JOSÉ CARMINATTI

VALIDADE DE LIMIARES ANAERÓBIOS DERIVADOS DO TESTE

INCREMENTAL DE CORRIDA INTERMITENTE (TCAR) COMO PREDITORES DO MÁXIMO STEADY- STATE DE LACTATO EM JOGADORES DE FUTSAL

FLORIANÓPOLIS – SC

(2)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC

CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA E DESPORTOS - CEFID

LORIVAL JOSÉ CARMINATTI

VALIDADE DE LIMIARES ANAERÓBIOS DERIVADOS DO TESTE

INCREMENTAL DE CORRIDA INTERMITENTE (TCAR) COMO PREDITORES DO MÁXIMO STEADY- STATE DE LACTATO EM JOGADORES DE FUTSAL

Dissertação de Mestrado apresentada à Comissão Examinadora, como requisito final para obtenção do título de Mestre em Ciências do Movimento Humano, na linha de pesquisa em Fisiologia do Movimento, no Programa de Pós Graduação da Universidade do Estado de Santa Catarina.

FLORIANÓPOLIS – SC

(3)

LORIVAL JOSÉ CARMINATTI

VALIDADE DE LIMIARES ANAERÓBIOS DERIVADOS DO TESTE

INCREMENTAL DE CORRIDA INTERMITENTE (TCAR) COMO

PREDITORES DO MÁXIMO

STEADY- STATE

DE LACTATO

EM JOGADORES DE FUTSAL

Dissertação de Mestrado apresentada à Comissão Examinadora abaixo assinada, como requisito final para obtenção do título de Mestre em Ciências do Movimento Humano, na linha de pesquisa em Fisiologia do Movimento, no Programa de Pós-Graduação da Universidade do Estado de Santa Catarina.

Comissão Examinadora:

Orientador:

_________________________________________ Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

DEF – UFLA

Membros:

_________________________________________ Prof. Dr. Sebastião Ibere Lopes Melo

CEFID – UDESC

_________________________________________

Prof. Dra. Monique da Silva Gevaerd

CEFID – UDESC

_________________________________________

Prof. Dr. Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo.

LAEF – UFSC

(4)

AGRADECIMENTOS

Aos meus queridos pais, Octavio e Elza Carminatti, pelo grande

exemplo de amor e doação total à formação integral dos filhos, em especial, a minha

mãe, pelas suas orações e palavras de incentivo para que eu concluísse esse

Mestrado, aos quais dedico esta conquista tão importante da minha carreira

acadêmica.

A minha amada esposa Jane, pela enorme paciência e compreensão,

que me deram a tranqüilidade e o apoio indispensáveis à conclusão desse trabalho.

A minha amada filha Júlia, que acompanhou diariamente toda a minha

“transpiração” necessária para atingir esse objetivo, tolerando a minha ausência em

tantos momentos importantes de sua vida nestes dois últimos anos, sempre com

bom humor e, sobretudo, torcendo muito para que o dia de hoje chegasse logo.

Ao Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira, que além de orientar este

trabalho, sempre acreditou em mim, me ensinou todas as qualidades fundamentais à

formação de um “educador-pesquisador”, desde a descoberta de bons problemas de

pesquisa, passando pelo conhecimento dos modelos teóricos, domínio da

metodologia científica e estatística, culminando com o respeito aos princípios éticos

do pesquisador. Fez isso com muito carinho e amizade, similares a de um pai.

Ao amigo conterrâneo e quase um irmão, Prof. Joris Pazin, pelo

incentivo e amizade de todas as horas e que, desde a minha chegada no Cefid,

(5)

Ao grande amigo Prof. Adriano Lima-Silva, pelas orientações e

companheirismo, sempre pronto a colaborar com sua experiência e competência nas

mais diversas áreas da pesquisa.

A todos os membros da grande “família Lapem”, Luis Augusto, Tony

Charles, Vitor, Fernanda Piasecki, Poliana, Lucieli, Thuany, Amábile, Lenise,

Ederson, Leonardo, Guilherme, Bruna e Michele, fiéis e incansáveis colaboradores

de incontáveis avaliações envolvendo o TCAR, a minha profunda gratidão.

Ao grupo de jogadores de Futsal do Cefid, que participaram com muito

empenho e solidariedade como sujeitos do estudo, nas diversas sessões de

avaliação, em especial, ao técnico da equipe e amigo Diogo Cardoso, por todo o

apoio e colaboração que viabilizaram a realização dessa pesquisa.

Por fim, a Universidade do Estado de Santa Catarina, que me

proporcionou a oportunidade e as condições necessárias a esta capacitação

docente.

(6)

Oração da Vida

A vida é uma oportunidade.

Aproveite-a.

A vida é uma beleza.

Admire-a

.

A vida é um sonho.

Faça que se torne realidade

.

A vida é um desafio.

Enfrente-o.

A vida é um dever.

Cumpra-o.

A vida é preciosa.

Cuide dela.

A vida é riqueza.

Conserve-a.

A vida é um mistério.

Explore-o.

A vida é promessa.

Tenha esperança.

A vida é tristeza.

Supere.

A vida é um hino.

Cante-o.

A vida é um combate.

Vença.

A vida é uma aventura.

Conduza-a.

A vida é felicidade.

Mereça-a.

A vida é vida.

Defenda-a.

(7)

SUMÁRIO

LISTA DE ABREVIATURAS... ix

LISTA DE ILUSTRAÇÕES... x

LISTA DE TABELAS... xi

LISTA DE ANEXOS... xii

RESUMO... xiii

ABSTRACT... xiv

1.0 INTRODUÇÃO... 1

1.1 O PROBLEMA... 2

1.2 OBJETIVO GERAL... 6

1.3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 7

1.4 HIPÓTESES... 7

1.5 JUSTIFICATIVA... 7

1.6 DELIMITAÇÕES DA PESQUISA... 8

2.0 REVISÃO DE LITERATURA... 9

2.1 AVALIAÇÃO FÍSICA AERÓBIA DE ATLETAS... 9

2.2 LIMIARES ANAERÓBIOS – PREDIÇÃO DO MSSL... 12

2.3 MÁXIMO STEADY-STATE DE LACTATO (MSSL)... 17

2.4 IDENTIFICAÇÃO DO PDFC – INSPEÇÃO VISUAL (PDv)... 22

2.5 IDENTIFICAÇÃO DO PDFC – MÉTODO MATEMÁTICO (Dmáx)... 25

(8)

3.0 METODOLOGIA... 32

3.1 TIPO DE PESQUISA... 32

3.2 SUJEITOS AVALIADOS... 32

3.3 COLETA DOS DADOS... 33

3.4 PROCEDIMENTOS DE COLETA E PROTOCOLOS DOS TESTES... 33

3.5 INSTRUMENTAL... 40

3.6 ANÁLISE ESTATISTICA... 41

4.0 RESULTADOS... 42

5.0 DISCUSSÃO... 51

5.1 DETERMINAÇÃO DO PDv E Dmáx NO TCAR E QUALIDADES DO TESTE... 52

5.2 VALIDADE DAS VELOCIDADES DOS LAn COMO PREDITORAS DA VMSSL... 54

5.3 VALIDADE DAS FC DOS LAn COMO PREDITORAS DA FCMSSL... 57

5.4 MSSL E MODELOS DE PREDIÇÃO EM TESTES INTERMITENTES... 58

6.0 CONCLUSÕES... 65

7.0 REFERÊNCIAS...... 66

(9)

LISTA DE ABREVIATURAS

[La]: concentração sanguínea de lactato.

CFL: concentração fixa de lactato.

Dmáx: método matemático utilizado para identificação do PDFC.

FCDmáx: freqüência cardíaca no PDFC pelo método Dmáx.

FCDmáxpred : freqüência cardíaca no PDFC pelo método Dmáx predita.

FCmáx: freqüência cardíaca máxima.

FCMSSL: freqüência cardíaca do máximo steady-state de lactato.

FCPDv: freqüência cardíaca no ponto de deflexão pelo técnica de inspeção visual.

FCRMSSL: freqüência cardíaca de referência de máximo steady-state de lactato.

LAn: limiar anaeróbio.

MSSL: máximo steady-state de lactato.

PDFC: ponto de deflexão da freqüência cardíaca.

PDv: PDFC identificado pela técnica de inspeção visual.

PSE: percepção subjetiva de esforço.

PVcor: pico de velocidade corrigido.

TCAR: teste incremental de corrida intermitente de Carminatti.

V3,5: velocidade interpolada na [La] de 3,5 mmol.l-1.

V4: velocidade interpolada na [La] de 4,0 mmol.l-1 .

VDmáx: velocidade no PDFC pelo método Dmáx.

VDmáxpred: velocidade no PDFC pelo método Dmáx predita.

VMSSL: velocidade de máximo steady-state de lactato.

VPDv: velocidade no ponto de deflexão da FC pela técnica de inspeção visual.

(10)

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 Visualização do esquema do teste intermitente TCAR... 34

Figura 2 Exemplo ilustrativo da identificação do PDFC pelo método Dmáx... 36

Figura 3 Exemplo ilustrativo da identificação do PDFC pela técnica de

inspeção visual... 37

Figura 4 Gráfico com as curvas representativas da resposta da[La] nas três

velocidades (abaixo da VMSSL, 100% da VMSSL e acima da VMSSL)... 49

Figura 5 Gráfico com as curvas representativas da resposta da FC nas três

velocidades (abaixo da VMSSL, 100% da VMSSL e acima da VMSSL)... 50

Figura 6 Velocidade de MSSL (VMSSL) plotada contra o limiar anaeróbio

(VDmáx) derivado do TCAR. A linha sólida é estimada pela

(11)

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 Estatística descritiva (média ± dp, valor mínimo e máximo) das varáveis de caracterização dos sujeitos vavaliados... 42

Tabela 2 Estatística descritiva dos valores de pico de velocidade corrigido

(PVcor), FCmáx absoluta (FCmáx) e percentual da FCmáxpred

(%FCmáxpred) obtidos no (TCAR)... 43

Tabela 3 Estatística descritiva e comparação dos valores absolutos de

velocidade (km·h-1) dos diversos LAn e da VMSSL... 44

Tabela 4 Valores das correlações (r) encontradas entre as velocidades

absolutas (km·h-1) dos diversos LAn e a VMSSL... 44

Tabela 5 Estatística descritiva e comparação dos valores percentuais

relativos (%PVcor – TCAR) velocidade dos diversos LAn e VMSSL.. 45

Tabela 6 Estatística descritiva e comparação dos valores absolutos de FC

(bpm) dos diversos LAn e FCMSSL... 46

Tabela 7 Valores das correlações (r) entre as FC absolutas (bpm) dos

diversos LAn e FCMSSL... 46

Tabela 8 Estatística descritiva e comparação dos valores percentuais

(12)

LISTA DE ANEXOS

Anexo 1 Dados individuais (média ± dp) da VMSSL, VDmáx, VPDv,

VDmáxpred e V4pred... 81

Anexo 2 Dados individuais (média ± dp) da [La] na VMSSL, FCMSSL, FCDmáx , FCPDv e FCDmáxpred... 81

Anexo 3 Valores de média ± dp, mínimo e máximo de [La], após 5 min de aquecimento e após cada uma das 4 séries de 8 min obtidos em teste de carga constante na velocidade correspondente ao MSSL.. 82

Anexo 4 Valores de média ± dp, mínimo e máximo de FC, após 5 min de aquecimento e após cada uma das 4 séries de 8 min obtidos em teste de carga constante na velocidade correspondente a VMSSL.. 82

Anexo 5 Parecer do comitê de ética e pesquisa (nº 146/2005)... 83

Anexo 6 Termo de consentimento informado ... 84

Anexo 7 Ficha de avaliação 1 – antropometria e teste retangular... 86

Anexo 8 Ficha de avaliação 2 – continuação do teste retangular... 87

Anexo 9 Ficha de avaliação 3 – controle de voltas e FC durante o TCAR... 88

(13)

RESUMO

O Limiar anaeróbio (Lan) obtido durante um teste incremental em esforço contínuo,

presumivelmente indica a carga de trabalho correspondente ao máximo steady-state

de lactato (MSSL). Com base nesse modelo teórico vigente, diversos LAn não-invasivos derivados do TCAR têm sido utilizados como preditores do MSSL. Entre eles, os limiares de freqüência cardíaca identificados por inspeção visual (PDv) e

pelo método matemático (Dmáx), o Dmáx predito (Dmáxpred) e a velocidade de limiar

de 4 mmol·l-1 predita (V4pred). O objetivo da presente investigação foi verificar a

validade desses Lan como preditores do MSSL na modalidade de Futsal. Oito jogadores de Futsal (21,3 ± 3,1 anos; 177,4 ± 7,7 cm; 79,4 ± 21,2 kg; 13,2 ± 5,7 %gordura) foram submetidos aos seguintes testes de campo: 1) Teste incremental de corrida intermitente (TCAR) realizado em sistema de “ida-e-volta”, constituído de repetições de 12 segundos de corrida intercaladas por 6 segundos de caminhada,

com velocidade inicial de 9 km·h-1 e incrementos de 0,6 km·h-1 a cada 90 segundos

até a exaustão voluntária. Variáveis identificadas no TCAR: velocidade (V) e freqüência cardíaca (FC) dos diversos Lan preditores; 2) Teste de carga constante (TCC) com duração de 32 minutos divididos em 4 séries de 8 minutos de corrida intermitente (mesmo sistema aplicado no TCAR), com intervalo passivo de 1 minuto para coletar amostras de 25 µL de sangue e mensurar a FC. O MSSL foi definido

como sendo a maior velocidade onde ocorreu steady-state de lactato (aumento não

superior a 1,2 mmol·l-1 entre o 8º e 32º minuto). O primeiro TCC foi realizado com

100% da velocidade do Dmáx (VDmáx) e subsequentes TCC foram aplicados e a

velocidade incrementada em 0,6 km·h-1 após cada TCC até que o MSSL foi

verificado. Variáveis identificadas no TCC: V e FC correspondentes ao MSSL (VMSSL e FCMSSL). Os resultados obtidos para V e FC dos Lan preditores foram:

VPDv (13,0 ± 1,5 km·h-1), VDmáx (12,2 ± 1,4 km·h-1), VDmáxpred (12,4 ± 1,2 km·h-1),

V4pred (13,3 ± 0,8 km·h-1) e FCPDv (186 ± 11 bpm), FCDmáx (178 ± 10 bpm),

FCDmáxpred (183 ± 8 bpm), respectivamente. Quando foram comparadas com a

VMSSL (12,5 ± 1,6 km·h-1) e FCMSSL (182 ± 4 bpm), não apresentaram diferenças

(p>0,05). As correlações encontradas foram significantes, com destaque para a

VDmáx (r = 0,98) e FCDmáx (r = 0,88), com exceções para FCDmáxpred (r = 0,53) e

V4pred (r = 0,70), ambas não significantes. Os valores encontrados de concentração

de lactato no MSSL foram 4,2 ± 1,8 mmol·l-1 (1,4 a 6,7). Assim, concluiu-se que os

Lan derivados do TCAR são válidos como preditores do MSSL em jogadores de Futsal e que, as respostas fisiológicas verificadas nesse sistema de corrida intermitente foram similares ao modelo teórico vigente, sugerindo um modelo generalizável.

(14)

ABSTRACT

Anaerobic threshold (LAn) obtained during an incremental test with continuous effort, presumably indicate the workload corresponding to maximal lactate steady state (MSSL). Based on this present theoretical model, several non-invasive LAn derived from TCAR have been used as predictors of MSSL. Among them, the HR thresholds identified by visual inspection (PDv) and by the mathematical method (Dmáx),

predicted Dmáx (Dmáxpred) and threshold velocity of 4 mmol·l-1 predicted (V4pred). The

purpose of the present investigation was to ascertain the validity of these thresholds as predictors of MSSL in Futsal. Eight Futsal players (21.3 ± 3.1 years; 177.4 ± 7.7 cm; 79.4 ± 21.2 kg; 13.2 ± 5,7 % of fat) were submitted to the following field tests: 1) Incremental test of intermittent run (TCAR) performed in the shuttle run system, constituted of repetitions of 12 second runs interpolated by 6 seconds of walk, with

initial speed of 9 Km·h-1 and increased of 0.6 Km·h-1 every 90 seconds until voluntary

exhaustion. Variables identified in the TCAR: velocity (V) and HR of several predictors LAn; 2) Constant workload test, with duration of 32 minutes divided in 4 series of 8 minutes of intermittent run (same system applied in TCAR), with passive interval of 1 minute to collect 25 µL of blood samples and measure the HR. MSSL was defined as being the highest speed where the lactate steady-state occurred

(increase not superior to 1.2 mmol·l-1 between the 8th and 32nd minute). The first

constant workload test of 32 minutes was conducted with 100% of the speed of Dmáx (VDmáx) and following constant load tests were performed and speed

increased 0.6 km·h-1 after each constant load test until the MSSL was attained.

Variables identified in the test: velocity and HR corresponding to MSSL (VMSSL and HRMSSL). The results obtained to velocity and HR of predictor s LAn were: VPDv

(13.0 ± 1.5 km·h-1), VDmáx (12.2 ± 1.4 km·h-1), VDmáxpred (12.4 ± 1.2 km·h-1), V4pred

(13.3 ± 0.8 km·h-1) and HRPDv (186 ± 11 bpm), HRDmáx (178 ± 10 bpm),

HRDmáxpred (183 ± 8 bpm), when compared to VMSSL (12.5 ± 1.6 km·h-1) and

HRMSSL (182 ± 4 bpm) respectively, didn’t show differences (p>0.05). The correlations found were significant, specially VDmáx (r = 0.98) and HRDmáx (r =

0.88), with exceptions for HRDmáxpred (r = 0.53) and V4pred (r = 0.70), both not

significant. The values found in the concentration of lactate in MSSL were 4.2 ± 1.8

mmol·l-1 (1.4 to 6.7). Therefore, the conclusion is that LAn derived from TCAR are

valid as predictors of MSSL in Futsal players and that the physiological responses verified in this intermittent running were similar to the present theoretical model, suggesting a generalizable model.

(15)

1.0 INTRODUÇÃO

O máximo steady-state de lactato (MSSL) corresponde à maior carga de

trabalho que pode ser sustentada ao longo do tempo, sem uma contínua

acumulação de lactato no sangue (BENEKE e VON DUVILLARD, 1996; BENEKE,

1995; GAESSER et al., 1995; FARREL et al., 1979). A determinação da carga de

MSSL requer a aplicação de testes com cargas constantes, crescentes, de 20-30

minutos de duração e sucessivas visitas ao laboratório ou centro de avaliação

(BORCH et al., 1993; HECK et al., 1985; MADER, 1991; URHAUSEN et al., 1993),

bem como, uma metodologia invasiva e de custos altos. Assim, considerando as

dificuldades implícitas na determinação do MSSL acima descritas, surgiram

alternativas de aproximação do MSSL a partir de testes incrementais com estágios

de curta duração, utilizando-se métodos invasivos e não invasivos. A essa

intensidade estimada de MSSL, Wasserman e McIlroy (1964) denominaram limiar

anaeróbio (LAn).

A intensidade a partir da qual a concentração de lactato [La] aumenta

sistematicamente acima dos níveis de repouso ou de base, em média podendo ser

caracterizada por uma [La] próximo a 4 mmol·l-1(HECK et al., 1985), geralmente é

considerada uma aproximação do MSSL em teste incremental. A partir desta

intensidade, o aumento da carga de exercício levaria a um incremento progressivo

nas [La], dificultando a execução de atividades de longa duração acima desta faixa.

Quando expressa em velocidade, segundo Ribeiro et al. (1985), essa intensidade

tem sido utilizada como velocidade de referência de MSSL (VRMSSL), com alta

correlação com o desempenho de resistência aeróbia (SJÖDIN e JACOBS, 1981;

(16)

práticas importantes na prescrição de treinamento (DE-OLIVEIRA, GAGLIARDI,

KISS, 1994), e discriminação dos efeitos do mesmo (HERMANSEN e SALTIN, 1967;

ELKBOM, 1969 apud KARLSSON e JACOBS, 1982).

Em pouco tempo, a utilização do conceito de LAn foi disseminada, sendo que

tanto pesquisadores quanto treinadores verificaram a sua aplicabilidade prática.

Porém, em situações que o LAn é determinado por metodologia invasiva (limiar de

lactato) ou não invasiva (limiar ventilatório), até mesmo o LAn torna-se inacessível,

pelo alto custo, necessidade de mão de obra especializada e material sofisticado,

freqüentemente indisponível.

1.1 O PROBLEMA

Em diversas modalidades esportivas (individuais e coletivas), a corrida é parte

integrante específica e/ou básica da preparação física dos atletas, sendo que a

identificação da VRMSSL é útil para a aplicação otimizada das cargas de treino.

Para os atletas de esportes coletivos, a VRMSSL é importante para a prescrição e

monitoramento das intensidades de trabalho, ainda que, em princípio, esses atletas

não necessitem da mesma precisão imprescindível aos atletas de endurance

praticantes de modalidades individuais.

As atividades de treino com atletas têm como objetivo as adaptações

específicas ao esporte (KIPKE, 1991), sendo que atualmente, recomenda-se a

utilização de testes de campo para o estabelecimento de intensidades norteadoras

de treino e discriminação dos efeitos do mesmo (DAL MONTE, 1989; HECK et al.

1985, KISS et al., 1995); sendo assim, deve - se incluir a utilização de métodos de

(17)

Entre os diversos métodos de determinação do LAn visando uma

aproximação do MSSL, o ponto de deflexão da freqüência cardíaca (PDFC) é o mais

utilizado e dos mais controvertidos métodos alternativos (BUNC et al., 1995; COEN,

URHAUSEN, KINDERMANN, 1988; CONCONI et al., 1996; JEUKENDRUP et al.,

1997; HOFMANN et al., 1996; HOFFMANN et al., 1997; GÖKBEL, KARA, BEDIZ,

1997; SCHMID et al., 1998).

O PDFC obtido, originalmente, pela técnica de inspeção visual - PDv

(CONCONI et al., 1982) é um método bastante prático. No entanto, esse ponto de

deflexão parece não ser uma variável fisiológica generalizável, podendo não ser

encontrado em diversos sujeitos (RIBEIRO et al., 1985), com identificações positivas

entre 0 – 93% dos avaliados (BUNC et al., 1995; HECK et al., 1989 apud BUNC et

al., 1995; CONCONI et al., 1996; LIMA, DE-·OLIVEIRA, KISS, 1996).

A literatura consultada para o presente estudo apresenta poucas

investigações envolvendo a identificação do PDFC em testes incrementais de corrida

num sistema de “ida-e-volta” (LIMA, UGRINOWITSCH, KISS, 1996; BARROS et al.,

1996; JÜRIMÄE, MATLEP, TAMMIK, 1997; CARMINATTI, LIMA-SILVA,

DE-OLIVEIRA, 2005a).

Com objetivo de avaliar a aptidão física aeróbia de atletas praticantes de

esportes com natureza intermitente, que realizam corridas com mudanças de

direção, acelerações e desacelerações constantes durante treinos e jogos, foi

apresentado um teste incremental de corrida intermitente em sistema de

“ida-e-volta”, denominado TCAR (CARMINATTI, LIMA-SILVA, DE-OLIVEIRA, 2004). Uma

das principais variáveis obtidas no TCAR é o PDFC, considerado um indicador

“fisiológico’’ da capacidade aeróbia. Em adição, segundo De-Oliveira et al. (2005), o

(18)

de atletas de esportes coletivos como aproximação da velocidade no VO2máx, em

função da facilidade de mensuração do PV. Tratando-se de um teste incremental

envolvendo corrida, o PV obtido no final do TCAR pode ser utilizado como um

indicador “cinesiológico” da potência máxima aeróbia (≈ velocidade máxima aeróbia).

Investigando 112 atletas de esportes coletivos aplicando o TCAR, foi possível

identificar o PDv em 100% dos avaliados (CARMINATTI, LIMA-SILVA,

DE-OLIVEIRA, 2005a). Por ser uma alternativa de aproximação do mesmo fenômeno, o

estudo apresentou também, a identificação do PDFC pelo método matemático -

Dmáx (KARA, 1996). Apesar das correlações altas e significantes encontradas (r =

0,890 para FC e 0,836 para velocidade - p<0,001), os valores de FC e velocidade

foram significativamente diferentes (FCPDv = 184 ± 8 bpm vs. FCDmáx = 180 ± 8

bpm; VPDv = 13,1 ± 1,0 km·h-1 vs. VDmáx = 12,9 ± 1,1 km·h-1), com valores maiores

para PDv. Estes achados credenciam o TCAR como uma alternativa atraente de

teste de campo, quando o objetivo é determinar os LAn (PDv e Dmáx) em teste

incremental de corrida intermitente de maneira não invasiva.

A utilização do método Dmáx, além de diminuir a subjetividade implícita na

determinação do PDv, possibilita a identificação positiva do fenômeno em 100% dos

casos (KARA et al., 1996), achado corroborado recentemente por Carminatti,

Lima-Silva, De-Oliveira (2005b), empregando o TCAR. Nesse mesmo estudo, os autores

investigaram a possibilidade de predizer o Dmáx (Dmáxpred) por percentuais fixos da

FC máxima (%FCmáx) e do pico de velocidade (%PV) neste tipo de teste. O estudo

foi realizado inicialmente com o grupo de validação (n=58) e validação cruzada

(n=54), gerando percentuais médios que foram aplicados posteriormente no grupo

total (n=112) e de validação cruzada externa (n=23), respectivamente. Os resultados

(19)

apresentaram valores médios de 91,4% da FCmáx (FCDmáxpred) e 80,4% do PV

(VDmáxpred) obtidos no TCAR, como aproximação inicial do fenômeno

(CARMINATTI, LIMA-SILVA, DE-OLIVEIRA, 2005b).

Um estudo realizado por Ribeiro et al. (2004), aplicando o TCAR em um grupo

heterogêneo de esportes coletivos intermitentes (n = 68, futebol, basquete e

handebol masculino), apresentou um modelo de predição a partir da velocidade

interpolada na concentração fixa de 4 mmol•l-1 de lactato (V4pred), como

aproximação da VMSSL. A análise conjunta do coeficiente de correlação múltipla e

do erro padrão de estimativa dos valores medidos e preditos pela equação sugeriu a

validade da V4pred em atletas de esportes coletivos, a partir de variáveis de fácil

obtenção (pico de velocidade no TCAR e idade). No entanto, esse modelo de

predição necessita de obtenção de evidências de validade externa e,

preferencialmente, uma confirmação de MSSL em carga constante com duração

maior que vinte minutos (HECK et al., 1985), ou então, como sugerido por Chicharro

e Arce (1991), com duração de 20, 25 ou 30 minutos, de acordo com a modalidade

estudada.

Em outro estudo com 32 atletas masculinos de futebol (n=21) e handebol

(n=11), Carminatti, Lima-Silva, De-Oliveira (2005c) identificaram a velocidade do

PDv (VPDv) no TCAR e, com base nos resultados obtidos, numa outra sessão os

atletas foram submetidos a um teste com carga constante durante 21 min nas

respectivas VPDv (três séries de 7 min de corrida no mesmo sistema do TCAR com

pausa de 1 min) para verificar a FC, percepção subjetiva de esforço e coletar

amostras de sangue arterial para medir a [La]. Os valores encontrados nessa

segunda sessão de teste, demonstraram diferença não-significante entre FC no PDv

(20)

de equilíbrio preliminar nas [La] em 75% da amostra (3,3 ± 1,6 mmol•l-1),

especulando-se que a PDv pode representar uma aproximação do MSSL.

Com base no modelo teórico de esforço contínuo referente ao MSSL, os LAn

derivados do teste TCAR denominados - limiares de FC identificados por inspeção

visual (PDv) e pelo método matemático (Dmáx), Dmáxpred, bem como, V4pred, têm

sido utilizados como alternativas de aproximação do MSSL. Porém, ainda não existe

comprovação de que esses LAn são válidos como preditores do MSSL, bem como,

se o modelo teórico vigente para esforço contínuo pode ser aplicado para esforço

intermitente com pequenas pausas entre as corridas de “ida-e-volta”.

Sendo assim, a partir das lacunas detectadas, foram estabelecidas as

perguntas para o presente estudo:

¾ Quando identificados através do TCAR, o PDv e o Dmáx são limiares de

FC generalizáveis, associados e localizados em intensidades similares?

¾ O PDv, o Dmáx e o Dmáxpred obtidos no TCAR são preditores confiáveis

do MSSL?

¾ A V4pred pode ser utilizada como aproximação da VMSSL?

1.2 OBJETIVO GERAL

Verificar a validade de limiares anaeróbios derivados do teste incremental de

corrida intermitente (TCAR) realizado em campo como preditores do máximo

(21)

1.3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

¾ Identificar os LAn derivados do TCAR;

¾ Determinar o MSSL em teste retangular de corrida intermitente em carga

constante;

¾ Comparar os LAn derivados do TCAR com o MSSL;

¾ Verificar o grau de associação entre os LAn e o MSSL.

1.4 HIPÓTESES

¾ Quando identificados através do TCAR, o PDv e o Dmáx são limiares de

FC generalizáveis, associados e localizados em intensidades similares.

¾ Os LAn derivados do TCAR não são distintos do MSSL.

1.5 JUSTIFICATIVA

Um dos fatores determinantes da recente evolução no esporte de rendimento

foi o aprimoramento da preparação física dos atletas. Diante desse novo contexto,

cresceu o interesse em aperfeiçoar os meios e métodos de avaliação, prescrição e

acompanhamento do treinamento físico.

Em modalidades esportivas com predomínio das atividades aeróbias, o LAn e

o MSSL são variáveis freqüentemente utilizadas como parâmetros de referência da

capacidade aeróbia. Essas variáveis podem ser obtidas através de avaliações de

laboratório ou de campo (métodos invasivos e não-invasivos), com protocolos

(22)

metodologia invasiva é dispendiosa, seja do ponto de vista financeiro (requer

instrumentação sofisticada), seja quanto ao tempo gasto para avaliar grande número

de atletas, em função da dificuldade de avaliá-los simultaneamente.

De acordo com as premissas acima citadas, pode especular-se também, que

as variáveis fisiológicas e neuro-musculares sofrem influência direta da

especificidade nas respectivas avaliações, pressupondo que os testes devam

reproduzir, sempre que possível, o gesto técnico e/ou as ações de jogo e,

preferencialmente aplicados em ambiente conhecido dos atletas. Diante deste

contexto e da escassez de estudos de confirmação de MSSL a partir de LAn

derivados de teste incremental de corrida intermitente em sistema de “ida-e-volta”,

surgiu o interesse de investigar a validade desses LAn como preditores de MSSL em

modalidades de esportes coletivos de natureza intermitente, empregando o TCAR.

A escolha do referido teste para o presente estudo, foi decorrente dos

diversos estudos já realizados com o mesmo, demonstrarem que o TCAR reúne os

pré-requisitos básicos de adequação à determinação das variáveis desejadas,

atendendo aos apelos de validade ecológica, metodologia simplificada e não

invasiva, respectivamente.

1.6 DELIMITAÇÕES DA PESQUISA

Jogadores de futsal do sexo masculino (nível regional), com idade entre 18 e

30 anos, que estavam praticando a modalidade regularmente a pelo menos um ano

(23)

2.0 REVISÃO DE LITERATURA

2.1 AVALIAÇÃO FÍSICA AERÓBIA DE ATLETAS

Nas modalidades esportivas em que a participação do metabolismo aeróbio é

predominante, existe uma procura permanente de melhores métodos de treinamento

e de meios confiáveis de avaliar a aptidão física aeróbia dos atletas. Durante muito

tempo, o volume máximo de absorção, transporte e utilização de oxigênio em

unidade de tempo (VO2máx), foi considerado o fator biológico discriminador da

aptidão física de esportistas praticantes de atividades com alta demanda energética

aeróbia. Porém, a partir dos anos 70, constatou-se que o VO2máx, isoladamente, não

permite explicar a performance atlética nestas atividades, pois foram encontradas

diversas combinações entre VO2máx e rendimento esportivo (DANIELS,

YARBROUGH, FOSTER, 1978; FARREL et al., 1979; NOAKES, 1988).

O valor preditivo do VO2máx foi posto em causa por ser influenciado por fatores

estranhos ao treino. Entre eles, podemos referir a influência exercida pela carga

genética (KLISSOURAS, 1971) e o fato de que, apesar de variações importantes na

capacidade aeróbia e performance, o VO2máx de atletas com alto nível aeróbio

praticamente não sofre mudanças com o treinamento (ACEVEDO e GOLDFARB,

1989; DANIELS et al., 1978). Tais motivos sugeriram a necessidade da procura de

outros parâmetros que traduzissem, com maior sensibilidade, as variações induzidas

pelo treino na capacidade de utilização do sistema aeróbio durante o esforço. Neste

processo, a medida da [La] em intensidades submáximas contribuiu

substancialmente para a evolução do conhecimento e utilização dos indicadores

(24)

treinamento e discriminação de performance e efeitos do treino (DE-OLIVEIRA,

GAGLIARDI, KISS, 1994; RIBEIRO, 1995; WELTMAN, 1995).

A investigação sobre as razões causais do acúmulo de lactato em esforço

submáximo e de uma zona metabólica a partir da qual a [La] não pode mais ser

mantida constante (intensidade de MSSL), têm sido pontos de grande interesse para

especialistas em exercício físico (RIEU, 1986).

A utilização de testes para avaliar o nível de aptidão, o efeito de programas de

treino, o estado de prontidão de uma equipe ou atleta, ou para planejar e prescrever

programas de treino de curto ou longo prazo é uma necessidade para quem tem a

responsabilidade de conduzir o processo de treinamento (BANGSBO, 1996;

SOARES, 1998; SOARES, NATAL, DUARTE, 1998). Por outro lado, a aplicação

sistemática de um teste e a acumulação de resultados permitem caracterizar uma

população e estabelecer referências sobre uma dada capacidade.

Um teste de avaliação e controle sistemático de treinamento precisa atender

aos critérios de validade, reprodutibilidade e objetividade, deve gastar pouco tempo

na sua aplicação e, sempre que possível, ter baixo custo. Sendo assim, poderá ter

maior aplicabilidade, na medida em que os treinadores não terão que sacrificar muito

tempo do treino em tarefas da avaliação e controle do treinamento.

Quando se discute o problema da avaliação em atletas, em especial da

aptidão física, levanta-se a polêmica das vantagens e desvantagens da sua

realização em condições laboratoriais ou através de testes de campo. Os testes de

campo, consensualmente referidos como mais específicos, apresentam alguns

problemas no que se refere ao controle das condições de realização e administração

dos mesmos. Variáveis como a temperatura, grau de umidade relativa do ar e grau

(25)

administram e controlam os testes são alguns exemplos. Estes problemas devem

então ser suficientemente ponderados por quem pretende utilizar este tipo de

avaliação.

Contudo, a avaliação laboratorial envolvendo aplicação de testes de esforço é

dispendiosa, tanto do ponto de vista financeiro, quanto ao tempo consumido para

avaliar cada atleta, em função da dificuldade de testar vários sujeitos

simultaneamente. Pressupõe a necessidade de equipamentos sofisticados, caros e

requer um espaço físico adequado ao controle de variáveis ambientais. Daí que

testes alternativos de campo, mais baratos, específicos e que otimizam o tempo

gasto na avaliação de grupos (esportes coletivos), sejam uma opção a considerar no

quadro concreto da avaliação física e controle do rendimento.

Além dos aspectos acima citados, um teste será mais útil e eficaz para o fim a

que se destina, se possuir outras características fundamentais:

¾ Relevância das variáveis avaliadas para o rendimento ou desempenho da

modalidade;

¾ Especificidade relativa ao contexto, ou seja, ter a maior validade ecológica

possível;

¾ Padronização dos procedimentos de aplicação dos testes relativos à

administração, instrução e controle da avaliação;

¾ Capacidade de discriminação do teste (sensibilidade) para que seja

(26)

2.2 LIMIARES ANAERÓBIOS – PREDIÇÃO DO MSSL

A partir da década de 70, o conceito de LAn passou a ser um ponto de

exaustivo estudo e controvérsia (BUENO, 1990; DI PRAMPERO, 1986; KARLSSON

e JACOBS, 1982; JONES e EHRSAM, 1982; MADER, 1991; MADER e HECK, 1986;

McLELLAN, 1987; POWERS e BEADLE, 1985; SKINNER e McLELLAN, 1980;

WALSH e BANISTER, 1988). As suas bases de sustentação, o aumento dos níveis

de lactato causado pela insuficiência de O2 e a sua relação com modificações em

parâmetros ventilatórios, foram intensivamente defendidos (DAVIS, 1985) e

criticados (BROOKS, 1985).

Alguns estudos apresentaram que os níveis de lactato encontrados em

intensidades submáximas não eram causados por hipóxia tecidual, mas por um

desequilíbrio entre a potência metabólica glicolítica e oxidativa, com a segunda

sendo incapaz de metabolizar o piruvato na mesma velocidade com que este é

produzido pela glicólise, causado pela incapacidade dos carreadores de transportar

rapidamente H+ (ANTONUTTO e DI PRAMPERO, 1995; KARLSSON e JACOBS,

1982; KOYAL, 1994; STAINSBY e BROOKS, 1990). Além disso, ocorreria uma

desigualdade entre o aparecimento e o desaparecimento do lactato, causado por um

aumento excessivo na sua produção e/ou diminuição na sua utilização por áreas

ativas e inativas (BROOKS, 1985; GLADDEN, 2000). Outros defendem a não

existência do LAn, pois o incremento da [La] seria curvilinear (YEH et al., 1983).

Por razões práticas, para a aproximação do MSSL são utilizados protocolos

com cargas triangulares de curta duração (testes incrementais por estágios),

utilizando-se métodos invasivos e não invasivos (CHICHARRO e ARCE, 1991;

(27)

1988; STEGMANN, KINDERMANN, SCHNABEL, 1981). Wassermann e McIlroy

(1964) denominaram LAn - a intensidade estimada de MSSL, obtida através da

aplicação de testes incrementais com estágios de curta duração.

Em geral, é considerada uma aproximação do MSSL em teste incremental, a

intensidade a partir da qual a [La] aumenta sistematicamente acima dos níveis de

repouso ou de base, em média podendo ser caracterizada por uma [La] próxima a 4

mmol.l-1 (HECK et al., 1985). A partir desta intensidade, o aumento da carga de

exercício leva a um incremento progressivo nas [La], dificultando a execução de

atividades de longa duração acima desta faixa. Esta referência de intensidade

quando expressa em velocidade, tem sido utilizada como VMSSL (RIBEIRO et al.,

1985) e tem mostrado uma alta correlação com o desempenho de resistência

aeróbia (SJÖDIN e JACOBS, 1981; TOKMAKIDIS e LÉGER, 1995).

Fazendo uma análise de metodologias, invasiva (lactato) e não invasivas

(ventilação e freqüência cardíaca) e comparando os resultados obtidos com o

“padrão-ouro” (MSSL), Heck (1990a), mostrou que todas as metodologias estudadas

fornecem resultados de referência que, em alguns pontos, se afastam dos valores de

MSSL, concluindo que, quanto à validade, todos estes métodos se equiparam. Além

disso, os mais diversos métodos de identificação são altamente associados

(TOKMAKIDIS, LÉGER, PILIANIDIS, 1998), podendo, no entanto, divergir

significativamente em intensidade (NICHOLSON e SLEIVERT, 2001).

Várias recomendações e testes apresentados para a identificação de

variáveis de referência de MSSL, ainda não obtiveram evidências de validade, caso

das propostas de Causarano et al. (1992), Chicharro e Arce (1991); Föhrenbach,

(28)

(1978); Martin, Jimmy, Marti (2001); Simões, Campbell, Kokubun (1993); Zalessky

(1985).

De-Oliveira et al. (1993) encontraram r = 0,98 entre os valores de V4

identificado em pista e laboratório (13,2 ± 2,75 e 13,9 ± 2,55 km·h-1,

respectivamente), em um grupo heterogêneo de indivíduos. No primeiro, foram

utilizadas corridas de 1200 m, velocidade inicial de 9,4 / 10,8 km·h-1 e incrementos

de 2,8 km·h-1, com pausa de 1 minuto. No laboratório, foi utilizada a metodologia

recomendada por Heck et al. (1985) para a identificação de V4. A limitação neste

estudo está no pequeno número de sujeitos estudados (n = 9).

Tegtbur, Busse, Braumann (1993) apresentaram uma atraente metodologia

para identificar uma intensidade de exercício em pista que corresponderia ao MSSL.

O método consta da aplicação de um ou dois esforços anaeróbios máximos, com

considerável acúmulo de lactato (2 x 200 ou 300 + 200 m); após uma pausa de 8

min, o indivíduo inicia um teste incremental por estágios com repetições de corridas

de 800 m. Inicialmente, com as primeiras cargas, verifica-se que as [La] começam a

diminuir, alcançando um valor mínimo ([La]mín), a partir do qual temos um aumento

progressivo. O ponto de [La]mín seria a intensidade de equilíbrio entre a produção e

remoção do lactato. Em seus estudos, os autores constataram que nesta intensidade

teremos o MSSL na maioria dos casos. Simões (1997) encontrou resultados

similares em corredores, utilizando uma corrida máxima de 500 m para induzir a

acidose. Neste estudo não foram encontradas diferenças significante entre a carga

de [La]mín e o limiar anaeróbio individual (IAT) de Stegmann, Kindermann, Schnabel

(1981). Esta abordagem tem a vantagem de proporcionar ao mesmo tempo índices

(29)

avaliação, com o inconveniente do grande número de coletas que devem ser feitas e

o grande tempo necessário para uma avaliação individual.

Com objetivo de estudar a influência do princípio da especificidade inerente à

avaliação aeróbia de atletas de esportes coletivos (LIMA, UGRINOWITSCH, KISS,

1996), compararam a velocidade do LAn com concentrações fixas de lactato (CFL) =

3,5 mmol·l-1 (V3,5) em teste incremental contínuo sem mudança de direção (CON) vs.

um teste shuttle run de 20 m – TSR (modificado de LÉGER e LAMBERT, 1982). A

velocidade máxima e a V3,5 no CON foram significantemente maiores (14,7 e 10,9

km·h-1 vs. 12,5 e 9,5 km·h-1 no TSR, respectivamente). Com valores similares de FC

e [La] no esforço máximo, bem como FC na V3,5. De acordo com os autores, a

corrida com acelerações, desacelerações, paradas bruscas e mudanças de direção

(teste TSR), provoca um stress metabólico maior que a corrida contínua, sugerindo

que testes do tipo shuttle run podem melhorar o grau de especificidade das

avaliações aeróbias nos esportes coletivos.

Em relação à aplicação do LAn (CFL = 3,5) e do IAT (STEGMANN,

KINDERMANN, SCHNABEL, 1981) obtidos no teste shuttle run multi-estágios de 20

m (TSR) em campo, Denadai et al. (2002) obtiveram boas evidências de validade e

excelente reprodutibilidade da velocidade correspondente a [La] 3,5 mmol·l-1 no TSR

(V3,5TSR), em jogadores de futebol. Num dos experimentos foi comparado V3,5TSR

com V3,5 em protocolo contínuo na esteira ergométrica e, apesar das correlações

altas (r = 0,82 - velocidade e r = 0,65 - FC; p<0,05), houve uma diferença significante

(14,4 ± 0,8 - esteira vs. 11,8 ± 0,5 km·h-1 - TSR), bem como, na velocidade máxima

dos testes (16,4 ± 0,8 - esteira vs. 12,7 ± 0,4 km·h-1 - TSR). Em outro experimento do

mesmo estudo, houve diferenças significantes entre a CFL = 4 mmol·l-1 (V4)

(30)

interpolada a partir de três velocidades no TSR de 20 m (14,1 ± 0,5 - CON vs. 12,1 ±

0,9 km·h-1 - TSR; r = 0,80; p<0,05). Descarta-se, portanto, o emprego de V3,5TSRe

V4,0TSR para a prescrição da intensidade do treinamento aeróbio de corrida sem

mudança de direção (pista, campo ou esteira ergométrica), pois as velocidades são

subestimadas (DENADAI et al., 2002).

A partir dos achados de Denadai et al. (2002), Faria (2002) investigou a

validade do emprego do LAn individual (VIAT) e LAn (V3,5), para determinação do

MSSL em jogadores de futebol obtido no teste shuttle run multi-estágios de 20 m

(TSR). O estudo mostrou que as médias das velocidades (V3,5 e VIAT) foram 12,1 e

12,2 km·h-1, respectivamente (r = 0,77), sendo estatisticamente maiores que a

velocidade média encontrada no TSR para o MSSL (VMSSL = 11,1 km·h-1). Na

forma relativa (%) também houve diferenças significantes (V3,5 = 91,6%, VIAT =

92,2% e VMSSL = 84,1% do PV obtido no teste TSR). Quanto à resposta de FC,

esse estudo corroborou os achados de Denadai et al. (2002), uma vez que não

apresentou diferenças significantes entre nos LAn e a FC na VMSSL. Segundo Faria

(2002), dentro das condições experimentais do estudo, os LAn (VIAT e V3,5) não são

(31)

2.3 MÁXIMO STEADY-STATE DE LACTATO (MSSL)

Em diversas modalidades desportivas, individuais e coletivas, a corrida é

parte integrante específica e/ou básica da preparação física dos atletas, sendo que a

identificação da VRMSSL é útil para a aplicação otimizada das cargas de treino.

Para atletas de esportes coletivos, a VRMSSL é importante para a prescrição

e monitoramento das intensidades de trabalho, ainda que, em princípio, esses

atletas não necessitem da mesma precisão imprescindível aos atletas de endurance

praticantes de modalidades individuais.

Algumas definições de máximo steady-state de lactato (MSSL):

Durante a execução de um trabalho físico leve ou moderado, verificamos um

aumento inicial das [La] durante os primeiros minutos de exercício. Posteriormente,

temos uma diminuição destes valores, retornando, em alguns casos, quase aos

valores pré-exercício e equilibrando-se por volta de 20 minutos de atividade (HECK

et al., 1985; HOLLMANN, 1985; MADER, 1991; MADER e HECK, 1986).

Com o incremento da carga de exercício em testes retangulares, verificamos

que a partir de uma determinada intensidade, as [La] aumentam progressivamente,

obrigando, em algumas situações, ao término precoce do teste por fadiga. Esta

última intensidade, com lactato constante (em equilíbrio), foi denominada de MSSL

(MADER, 1991; MADER e HECK, 1986; HECK et al., 1985; HOLLMANN, 1985).

O MSSL é presumivelmente a maior [La] em que o equilíbrio pode ser

alcançado entre o aparecimento e o desaparecimento do lactato durante exercício

com carga de trabalho constante (BENEKE, 2003a, 2003b; BENEKE, HÜTLER,

(32)

O MSSL define o limite entre a intensidade de exercício intenso e severo

(BENEKE et al., 2003). Atletas bem sucedidos realizam mais que 80% de seus

treinamentos abaixo deste limite (BILLAT et al., 2003a).

O estudo de Heck et al. (1985), apresentou empiricamente que o MSSL

corresponderia aproximadamente a [La] de 4 mmol·l-1, estando em média, 2 mmol·l-1

acima do LAn proposto em 1964 por Wasserman (HOLLMANN, 1985; HOLLMANN,

1991). A partir da publicação de Heck et al. (1985), a determinação deste valor

“limiar” passou a ser rotina para a avaliação da capacidade de rendimento aeróbio e

o seu uso foi indiscriminado, apesar de variações de metodologias e nível de

capacidade aeróbia dos sujeitos estudados.

Estudando a resposta da [La] em cargas constantes, Heck et al. (1985)

encontraram valores de 4,0 ± 0,7 mmol·l-1 (3,0 – 5,5). No estudo da Billat et al.

(1994), a [La] permaneceu em equilíbrio durante exercício de carga constante com

média de 3,9 ± 1 mmol·l-1 (2,2 – 6,7) e, com média de 4,9 ± 1,4 mmol·l-1 (1,9 – 7,5)

no estudo de Beneke, Hütler, Leithäuser (2000), ambos com amostras de sangue

arterial.

No entanto, deve ser enfatizado que as CFL são médias e que a execução de

exercícios em velocidades correspondentes a elas, não necessariamente

representam equilíbrio entre o aparecimento e desaparecimento de lactato, podendo

ou não se equilibrar em idêntica, maiores ou menores [La] (HECK, 1990a; 1990b).

Borch et al. (1993) acrescentaram mais um ponto de discussão aos já

existentes. Estes autores, estudando somente atletas de esportes aeróbios,

encontraram que o valor de [La] de 3,0 deve ser utilizado como índice de MSSL em

teste incremental em esteira. A justificativa apresentada foi que o grupo estudado

(33)

(1985), além de diferenças no procedimento de teste e método de avaliação,

necessitando portanto, ser confirmado por outros estudos de validação externa.

Esses resultados estão de acordo com a idéia de que a [La] = 4 mmol·l-1 é elevada

para aproximar a intensidade de MSSL entre corredores de provas de longa duração

e pode ser um valor baixo para outros tipos de atletas (HECK et al., 1985;

STEGMANN e KINDERMANN, 1982).

Assim, os valores de CFL não devem ser vistos como dogmas (BUENO,

1990), mas como referência de MSSL (MADER, 1991), necessitando de confirmação

e/ou melhor aproximação através de carga constante em campo (HECK et al., 1985).

Aunola e Rusko (1992), obtiveram evidências de validade da utilização do

LAn como aproximação do MSSL, ao compararem o LAn obtido num teste

incremental em cicloergômetro (n = 17) com o MSSL determinado a partir de testes

de carga constante. O LAn e o MSSL não apresentaram diferenças significantes e os

valores foram correlacionados (r = 0,83). No entanto, a [La] no MSSL não

demonstrou correlação com o LAn quando este foi determinado pela concentração

fixa de 4 mmol·l-1. O estudo mostrou ainda, que de modo geral, 81% da variação na

[La] no MSSL poderia ser explicada pela idade dos sujeitos, a porcentagem de fibras

de contração lenta e níveis de [La] no repouso. Juntos, LAn e idade foram

responsáveis aparentemente por 85% da variação no MSSL (Aunola e Rusko,

1992).

No estudo realizado em cicloergômetro (Beneke et al., 2003), foi investigado o

efeito das interrupções feitas durante os testes de carga constante de 30 minutos

(TCC) sobre o lactato sanguíneo. Os autores comparam as respostas da [La] no

MSSL, potência no MSSL (P-MSSL) e intensidade do MSSL relativa ao VO2pico

(34)

(TCC30) e TCC com 90 segundos de pausa a cada 5 minutos (TCC90). Não houve

diferença significante na [La], mas houve na P-MSSL e na MSSL% entre TCC0 ,

TCC30 e TCC90 (278w / 73,7%; 300w / 79,2%; 310w / 81,5%, respectivamente).

Esses achados demonstraram que, testes realizados em laboratório ou em campo

que requerem interrupções para coletar amostras de sangue, subestimam

significantemente o nível de esforço fisiológico (BENEKE et al., 2003).

Estudando a hipótese de que o MSSL e a intensidade do MSSL seriam

dependentes da performance, Beneke, Hütler, Leithäuser (2000) não encontrou

correlação significante (p>0,05) entre pico de carga em teste incremental em

cicloergômetro e a intensidade do MSSL (71,1 ± 6,7%) ou [La] no MSSL (4,9 ± 1,4

mmol·l-1), mas achou entre pico de carga de trabalho e carga absoluta de MSSL (r =

0,82; p<0,001). No entanto, apesar dessa independência demonstrada, os sujeitos

com as maiores performances máximas tiveram as maiores cargas de trabalho no

MSSL. A combinação de várias aptidões e efeitos relacionados ou ambos, a

produção e o desaparecimento de lactato durante o exercício, permitem explicar

que, diferentes cargas de MSSL coincidem com níveis similares de MSSL e

intensidades de MSSL (BENEKE, HÜTLER, LEITHÄUSER, 2000).

Discutindo os achados de Heck et al. (1989), a respeito do limiar de Conconi

muitas vezes superestimar o MSSL, Hofmann et al. (1994) mencionaram que o

ponto de partida das condições específicas usadas no estudo podem ter influenciado

os resultados. Heck et al. (1989) teriam usado valores médios de nove diferentes

determinações do PDFC pela técnica de inspeção visual (quatro protocolos e cinco

investigadores distintos) e compararam com MSSL em testes de carga constante. É

oportuno destacar ainda, que normalmente a determinação do MSSL necessita de

(35)

diferenças encontradas entre valores de LAn e valores de MSSL podem ser

explicadas em parte, pela variação normal na capacidade de desempenho fisiológico

durante o período de testes (AUNOLA, 1991; BACHL, 1984 apud HOFMANN et al.,

1994) e de [La] (BACHL, 1984; PANSOLD e ZINNER, 1993 apud HOFMANN et al.,

1994), especialmente em sujeitos com menor aptidão física.

A falta de correlação (SUMSION, HANSEN, FRANCIS, 1989; TOKMAKIDIS e

LÉGER, 1992), divergência das linhas de regressão (JACOB et al., 1987) e pobre

reprodutibilidade (JONES e DOUST, 1995; THORLAND, PODOLIN, MAZZEO, 1994)

entre PDFC e diferentes limiares de lactato têm sido relatados em outros estudos.

De acordo com Schmid et al. (1998), a validade desse método tem sido questionada

e dúvidas têm sido levantadas sobre uma relação causal entre PDFC e LAn. No

estudo realizado com cicloergômetro de braço (8 atletas paraplégicos – AP vs. 11

estudantes fisicamente ativos – EA), Schmid et al. (1998), compararam o PDFC e o

limiar de lactato na CFL de 4 mmol·l-1 (LL4) obtidos no teste incremental com o

lactato durante exercício em steady-state. Os valores de carga encontrados no

PDFC foram significativamente maiores que no LL4 (diferença de 32,2 w) apenas

para o grupo EA. Esta diferença entre os grupos mostrou que, levando-se em

consideração a comparação da FC e a curva de lactato, uma relação causal direta

entre LL4 e PDFC não pode ser estabelecida (SCHMID et al., 1998). Um aumento

linear para intensidades de exercício moderado e passando para um ponto de

deflexão em intensidades mais altas até máxima, pôde ser identificado em 100% do

grupo AP vs. 72,7% do grupo EA, respectivamente. Uma relação não causal do

PDFC e o limiar anaeróbio (LL4) foi achada, com a carga no PDFC tendendo para

(36)

Outra questão pertinente ao MSSL é a certeza que o nível de lactato

sangüíneo em steady-state representa realmente o MSSL. Segundo Billat (1996), o

tempo resistido no MSSL ainda não está bem relatado e especula-se estar em média

próximo de uma hora. Essa estimativa de tempo foi confirmada por Billat et al.

(2003b), em corredores amadores de longa distância (41 ± 5 anos) e, quanto à

sensibilidade do MSSL aos efeitos do treinamento, o estudo demonstrou aumento

superior a 50% no tempo para exaustão na intensidade do MSSL, enquanto a carga

aumentou apenas 3,4% (dados não publicados).

2.4 IDENTIFICAÇÃO DO PDFC PELA TÉCNICA DE INSPEÇÃO VISUAL (PDv)

Segundo Conconi et al. (1982), a FC aumenta linearmente com a velocidade

de corrida até um ponto de deflexão, a partir do qual, o aumento da FC é

desproporcionalmente menor ao aumento da velocidade, fazendo com que a

resposta da FC se torne curvilínea, com tendência a um platô próximo ao esforço

máximo.

Apesar de prático e muito utilizado, o PDFC obtido originalmente pela técnica

de inspeção visual (CONCONI et al., 1982), é um dos mais controvertidos métodos

alternativos para a identificação de LAn (BUNC et al., 1996; COEN, URHAUSEN,

KINDERNANN, 1996; CONCONI et al., 1996; JEUKENDRUP et al., 1997;

HOFMANN et al., 1996, 1997; GÖKBEL, KARA, BEDIZ, 1997; SCHMID et al., 1998).

O aspecto intrigante do PDFC é a coincidência relatada com o LAn

(WASSERMANN, WHIPP, KOYAL, 1973). A hipótese que esse PDFC sozinho pode

ser usado para determinar o LAn, pelo menos em corredores, foi sugerido primeiro

(37)

velocidade de corrida no PDFC foi altamente relacionada com a velocidade no Lan

(r = 0,99; n = 10). Conconi et al. (1982) desenvolveu um teste simples de campo

para identificar o PDFC e, essa metodologia tem sido desde então ampliada

incluindo outras atividades esportivas, tanto em campo como em ambientes de

laboratório. Este tipo de teste tornou-se popularmente conhecido como “teste de

Conconi”.

Segundo Bodner e Rhodes (2000), a validade do PDFC para determinar o

LAn é duvidosa, apesar do alto grau de relação existente entre o PDFC e o segundo

turnpoint (ponto de mudança) de lactato. O PDFC aparenta ser confiável quando é

feita a identificação positiva, entretanto, nem todos os estudos relatam 100% de

reprodutibilidade (BODNER e RHODES, 2000).

Algumas das metodologias utilizadas para identificar o PDFC são mais

objetivas que outras. Embora o método convencional (técnica de inspeção visual)

seja o mais viável, possivelmente não é o método mais preciso. Deflexões no

desempenho da curva de FC podem não ser sempre evidentes (RIBEIRO et al.,

1985; FRANCIS et al., 1989) e dificuldades associadas com o discernimento do

ponto de deflexão visualmente podem causar uma avaliação imprecisa do PDFC

(BODNER e RHODES, 2000). Ballarin et al. (1996) relataram correlações

significantes (r > 0,94) entre determinações feitas com auxílio de computador e

método convencional por avaliadores experientes e, recomendaram que a inspeção

visual do PDFC poderia ser realizada por avaliadores com experiência no método.

Em alguns estudos foi verificado que o PDFC pode não existir e, em alguns

casos, pode ocorrer um comportamento inverso da FC em cargas maiores, no caso,

uma inflexão superior (HECK et al., 1989 apud HOFMANN et al. ,1994; POKAN et

(38)

justificativas das divergências encontradas em diversos trabalhos (CONCONI et al.,

1996; JACOB et al., 1987).

Conconi et al. (1996), analisaram a metodologia após doze anos de aplicação

do teste de Conconi e apresentaram algumas diferenças entre o protocolo corrente e

aquele publicado em 1982. Entre as divergências encontradas destacam-se:

incrementos de velocidade bem progressivos e uniformes (similar a um protocolo de

rampa), com estágios de tempo fixo e com pequenos incrementos de carga

(incrementos na FC menores que 8 bpm), aspectos que melhoram a análise do

PDFC.

Quando identificado, o PDFC está localizado entre 85 e 95% da FCmáx,

sendo os valores percentuais crescentes com o aumento do nível de aptidão dos

atletas (LACOUR, PADILLA, DENIS, 1988; LAPORTE, 1997). Esta faixa de

intensidade está mais próxima do segundo limiar de lactato (LL2). Ponto este, que

Aunola e Rusko (1992), consideram ser representativo do MSSL.

Parece que o PDFC superestima o MSSL, com vários estudos mostrando a

impossibilidade de manter as variáveis metabólicas constantes quando da realização

de carga retangular nesta intensidade. Com o aumento da aptidão aeróbia parece

que existe uma maior aproximação entre o PDFC e o LL2, diminuindo a diferença

entre eles (LACOUR, PADILLA, DENIS, 1988).

Existem algumas tentativas de fundamentação teórica para a existência ou

não existência do PDFC. A partir de estudos de ecocardiografia, foi demonstrado

que os atletas que apresentam um PDFC durante um teste incremental são aqueles

que têm maior espessura de parede do miocárdio, especulando-se que a ocorrência

(39)

de alta intensidade, em atletas com maiores espessuras das paredes do coração

(LUCÍA et al., 1996).

Apesar de algumas limitações e dúvidas sobre seu significado fisiológico, o

PDFC identificado em condições de campo é uma das metodologias mais utilizadas

em Medicina e Ciências do Esporte (LUCÍA, HOYOS, CHICHARRO, 2001) e uma

alternativa atraente, pelo baixo custo e potencial de avaliação específica (DENADAI,

1995).

Na literatura consultada para o presente estudo, foram encontrados poucos

estudos realizados com identificação do PDv em testes incrementais de corridas em

sistema de “ida-e-volta” (sem pausas intermediárias) aplicados em campo (LIMA,

UGRINOWITSCH, KISS, 1996; BARROS et al., 1996; JÜRIMÄE, MATLEP, TAMMIK,

1997), sendo que todos os estudos relataram identificação positiva do PDv em 100%

dos avaliados. Achados corroborado por Carminatti, Lima-Silva, De-Oliveira (2005a),

empregando um teste similar – TCAR (com pausas de 6 segundos intermediárias

entre as corridas de “ida-e-volta”).

2.5 IDENTIFICAÇÃO DO PDFC PELO MÉTODO MATEMÁTICO (Dmáx)

Cheng et al. (1992), sugeriram um novo modelo para determinar os limiares

ventilatório e de lactato, a partir de um método com ajuste matemático para este fim

– denominado Dmáx. Uma grande vantagem desse método é que um ponto de limiar

pode ser sempre detectado (CHENG et al., 1992). Em função dessa premissa, Kara

et al. (1996) resolveram aplicar essa mesma metodologia para identificar o limiar de

FC (PDFC), comparando os resultados obtidos pela técnica de inspeção visual

(40)

estudo, realizado em cicloergômetro num teste incremental com incrementos de

carga a cada minuto, o PDFC pelo método Dmáx foi determinado a partir de gráficos

individuais, plotando-se os dados originais de FC monitorados continuamente e

registrados em intervalos de 5 seg (eixo y) ao longo do tempo de teste (eixo x),

respectivamente. Utilizando-se como critério de inclusão apenas os valores de FC ≥

140 bpm, os pontos foram ajustados por uma função polinomial de terceira ordem e,

posteriormente, empregou-se um ajuste linear, utilizando-se os dois extremos da

curva, derivando-se com uma reta. O Dmáx foi definido como o ponto mais distante

entre as duas linhas (KARA et al., 1996). Apesar das correlações altas e

significantes encontradas em ambos os métodos, o PDFC não pode ser identificado

em nove sujeitos (28%) pela técnica de inspeção visual. De acordo com os autores,

a utilização do método Dmáx, além de diminuir a subjetividade implícita na

determinação visual do PDFC, possibilita a identificação do fenômeno em 100% dos

casos (KARA et al., 1996).

Com o objetivo de verificar se a modificação da metodologia original de

identificação do Dmáx, interfere nos valores de velocidade (VDmáx) e FC (FCDmáx)

correspondentes, Piasecki et al. (2005b) compararam essas variáveis em teste

incremental contínuo de pista (n = 42 corredores de meio-fundo e fundo; teste de

LÉGER-BOUCHER, 1980) utilizando: 1) todos os pontos da curva de FC (FC final de

cada estágio, mínimo de sete pontos) e 2) somente os valores acima de 140

(FC>140 bpm). Na primeira situação (todos os pontos da curva), o Dmáx tradicional

foi detectado em 76,2% dos atletas (n = 32), no restante (n = 10), foram encontradas

curvas côncavas (CC), ou seja, pontos de inflexão ao invés de deflexão. Com pontos

de FC>140 bpm, o Dmáx foi encontrado em 92,9% dos corredores (n = 39) e apenas

(41)

Assim, a utilização dos valores de FC em baixas intensidades parece não influenciar

na identificação do Dmáx (PIASECKI et al., 2005b).

Utilizando a mesma metodologia de Piasecki et al. (2005b), porém com

corredoras de meio-fundo e fundo (n = 24), Cambri et al., (2005) identificaram o

Dmáx tradicional em 95,8% das atletas (n = 23) e, em apenas uma atleta a CC

(ponto de inflexão). Não foram encontradas diferenças significantes entre os

métodos (r = 0,92 e r = 0,89 para FCDmáx e VDmáx, respectivamente). Esses

resultados corroboraram o estudo anterior de Piasecki et al. (2005a) e mostraram

evidências de consistência dos respectivos achados.

Diante de vários métodos utilizados para identificação dos limiares de lactato

(LL) e uma lacuna de estudos com análises comparativas destes métodos em teste

incremental intermitente (TI), Piasecki et al. (2005a) compararam o LL identificado

em três metodologias distintas, obtidas em TI em campo (modificado de

CARMINATTI, LIMA-SILVA, DE-OLIVEIRA, 2004). A versão modificada foi

constituída de multi-estágios de 180 seg (10 vezes 12 seg de corrida em

“ida-e-volta”, intercalados por pausas de 6 seg caminhando), iniciando com distância de

15m (9 km·h-1) e aumentando 2 m a cada estágio (1,2 km·h-1), com pausas de 45

seg entre os estágios para coleta de sangue e verificação da FC. Métodos: 1) Dmáx

(KARA et al., 1996 / CHENG et al., 1992); 2) menor equivalente de [La] / velocidade,

acrecido de 1,5 mmol·l-1 (BERG et al., 1990); 3) 4 mmol·l-1 (MADER et al., 1976).

Para velocidade, o LL de 4 mmol·l-1 foi significativamente superior aos demais, não

sendo encontradas diferenças significativas nos valores de FC. Corroborando

resultados anteriormente descritos para outros tipos de testes, a [La] fixa de 4

(42)

No entanto, a FC nos LL perece ser menos influenciada por modificações nas

metodologias de determinação do fenômeno (PIASECKI et al., 2005b).

Recentemente, Finardi et al. (2006) compararam os valores de intensidade

referente ao Dmáx obtidos através das [La] e FC no mesmo teste em pista. Não

foram encontradas diferenças significantes (p>0,05) entre os valores de velocidade

(r = 0,78), FC (r = 0,97), bem como, na concentração de lactato (r = 0,69) no Dmáx

identificado pela FC e [La], com todas as correlações significantes (p<0,05),

respectivamente. Portanto, os autores obtiveram evidências de validade da utilização

da FC em corredores de alto nível, como aproximação de limiares de transição

fisiológica, identificado a partir do método Dmáx em testes de distâncias fixas em

pista (FINARDI et al., 2006).

2.6 MODELOS DE PREDIÇÃO DE LIMIARES ANAERÓBIOS E MSSL

A medida de [La] é uma metodologia custosa e que requer pessoal

especializado para ser feita. Além disso, a coleta de sangue é uma abordagem

invasiva e, em geral, desconfortável. Para atenuar estes problemas, diversos autores

propuseram alternativas para a predição de variáveis relacionadas ao LAn e MSSL.

As atividades de treino com atletas têm como objetivo as adaptações

específicas ao esporte (KIPKE, 1991), sendo que atualmente, recomenda-se a

utilização de testes de campo para o estabelecimento de intensidades norteadoras

do treinamento e discriminação dos efeitos do mesmo (DAL MONTE, 1989; HECK et

al. 1985, KISS et al., 1995). Sendo assim, deve-se incluir a utilização de métodos de

(43)

Olbrecht et al. (1985) propuseram uma equação de predição de V4 em

natação, utilizando 59 nadadores alemães de nível nacional, a partir da velocidade

média em natação máxima de 30 min (V30) (r = 0,97). Confrontando estes

resultados, Weiss, Bows, Weicker (1988), utilizando metodologia distinta,

demonstraram que V4 é encontrada em intensidade maior que V30.

Fernandes e Villas-Boas (2000) estudando nadadores juvenis, de nível

regional e nacional português, encontraram que, apesar de serem associadas (r =

0,86), V4 é significantemente superior a V30 em homens e mulheres. Assim, restam

dúvidas sobre a validade deste método, restando à necessidade de determinar se V4

corresponde a VRMSSL em natação.

Snyder, Foster, Woulfe (1989) estudando 20 atletas, demonstraram a

possibilidade de predição do MSSL através da identificação da intensidade

correspondente ao ponto 5 na escala de 10 pontos (CR10) de Borg (1982) e o valor

de carga de 87% da FCmáx, não apresentando, porém, qual a metodologia

empregada, grau de associação entre as variáveis e grupo de validação cruzada.

De-Oliveira et al. (1994b) não encontraram diferenças significantes entre V170

e V3,5 interpolada e V3,5 predita a partir de V170, no entanto, apresentaram um baixo

valor de correlação (r = 0,57) entre os valores interpolados e preditos de V3,5 a partir

de V170. Uma crítica pertinente a este estudo, está na diferença na inclinação na

esteira com relação à proposta de De-Oliveira et al. (1994b), fato que pode ter

influenciado nos resultados encontrados. O mesmo grupo apresentou modelos

preditivos de V3,5 utilizando V170 em esteira ergométrica em não atletas (r = 0,80)

(CARVALHO, KISS, DE-OLIVEIRA, 1994) e através do pico de velocidade em

esteira ergométrica (r = 0,92, EPE = 1,1 km·h-1 ou 7%) realizado por De-Oliveira et

Figure

Updating...

References

Updating...

Download now (105 pages)