A AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E AS TRANSFORMAÇÕES NO CAMPO NO INÍCIO DO SÉCULO XXI

0
0
194
2 months ago
Preview
Full text

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE SERVIÇO SOCIALPROGRAMA DE PốS-GRADUAđấO EM SERVIđO SOCIAL MESTRADO A AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E AS TRANSFORMAđỏES NO CAMPO NO INễCIO DOSÉCULO XXI

Sóstenes Ericson Vicente da Silva

A AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E AS TRANSFORMAđỏES NO CAMPO NO INễCIO DOSÉCULO XXI SÓSTENES ERICSON VICENTE DA SILVAA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E AS TRANSFORMAđỏES NO CAMPO NO INễCIO DO

SÉCULO XXI

  Dissertação de Mestrado em Serviço Social apresentada ao Programa dePós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Alagoas, nalinha de pesquisa Questão Social e Serviço Social, para obtenção dotítulo de Mestre, sob orientação da Prof.ª Dr.ª Maria Virgínia BorgesAmaral. A agricultura familiar no Brasil e as transformações no campo do início do século XXI / Sóstenes Ericson Vicente da Silva, 2010.192 f.

AGRADECIMENTOS

  Trata-se de uma dissertação de Mestrado em Serviço Social, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da UniversidadeFederal de Alagoas, cujo estudo se deu no período de agosto de 2007 a fevereiro de 2010, tendo como base uma perspectiva crítica. No entanto, desde o final do século XX, o governo brasileiro, sob determinação do grande capital, tem justificado aimplementação de diversas medidas de ajustamento da chamada agricultura familiar pela necessidade de seu desenvolvimento, fortalecimento e expansão.

SUMÁRIO

  Esta constituiu a razãoprimeira do surgimento da agricultura, enquanto um tipo de trabalho, cujo fim era a satisfação de necessidades humanas, o que se modificou com adescoberta da produção do excedente e com todo o processo de complexificação societária que lhe sucedeu. Tais pressupostos, de fato, precisam ser melhor compreendidos na atualidade pelo Serviço Social, pois ocupam um lugar de relevância noprocesso produtivo brasileiro e expõem os mais diversos mecanismos que o capital vem utilizando para aumentar a exploração do trabalho no campo,constituindo um processo de transformação da agricultura.

SEđấO I Ố A CONSTITUIđấO HISTốRICA DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL

  Com o processo de complexificação societária ocorre a separação entre o campo e a cidade, que segundo Marx (2009, p. 76) pode ser também tomada como a divisão de capital e propriedade fundiária, como o começo de uma existência e desenvolvimento do capital independente dapropriedade fundiária, do capital, ou seja, uma propriedade que tem a sua base meramente no trabalho e na troca. Deve-se entender, dessa forma, que a De fato, o grande capital monopolista se mostrou perfeitamente capaz de adaptar-se aos diversos regimes de trabalho existentes no campobrasileiro, e mais, a exploração capitalista vem se beneficiando de todos eles e aplicando os seus interesses de maneira combinada, sempre de modo amaximizar a exploração da força de trabalho e a obtenção de lucros a partir do monopólio da terra.

SEđấO II Ố A POLễTICA AGRÁRIA BRASILEIRA E AS TRANSFORMAđỏES NO CAMPO NO INễCIO DO SÉCULO XXI

  Sem dúvida, a compreensão de agricultura familiar, assumida peloEstado e de acordo com os interesses do capital, compreende o agricultor familiar como mero produtor de uma mercadoria, na qual o valor de uso estásubsumido no valor de troca, existindo apenas numa relação de compra e venda, sob a determinação do capital e não do produtor. No que diz respeito aos investimentos, deve-se considerar que ao estimular a criação de cooperativas e ao diminuir o repasse de verbas para areforma agrária, o governo sinaliza que os agricultores e trabalhadores rurais precisarão buscar outras formas de trabalho para garantir a sua sobrevivência,pois a ocupação de terras e a permanência nos assentamentos não 96 vislumbram mais a garantia da desapropriação .

Novo documento