ESTRATÉGIAS DE MINIMIZAÇÃO DO CONJUGADO DE ONDULAÇÃO EM MOTORES DE PASSO HÍBRIDOS: Um estudo comparativo

0
0
99
2 months ago
Preview
Full text

MARIA BERNADETE DA SILVA

JOINVILLE-S.C 2006

  Prof. Dr.

JOINVILLE, SC

IV MARIA BERNADETE DA SILVA

III ESTRATÉGIAS DE MINIMIZAđấO DO CONJUGADO DE ONDULAđấO EM MOTORES DE PASSO HễBRIDOS: Um estudo comparativoÁrea concentração em “Automação Industrial” E aprovada em forma final pelo CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

  A primeira estratégia apresenta um modelo de máquina que representa asondulações de conjugados pela linearização de motores de passo híbridos que, após linearizado permite o emprego de métodos padrões de projeto de controle digital. Os tipos de motores de passo e também alguns tiposde conjugados foram estudados e somente a partir daí pode-se atuar de forma sistemática para eliminar ou reduzir o problema de ondulação que afeta os motores de passo híbridos.

1.3. Histórico dos motores Elétricos

  Motor de passoSegundo ref[8], motor de passo é uma forma de motor síncrono projetado para girar apenas um número especificado de graus para cada pulso elétrico recebido na unidade de sistemas de controle digital em que o motor recebe comando em malha aberta, na forma de um trem de pulsos, para girar um eixo ou mover uma placa de uma distância especificada. Os motores de passos operam com um circuito lógico externo de alimentação; conforme um trem de pulsos é aplicado “à entradado circuito de alimentação” , o circuito fornece correntes apropriadas aos enrolamentos do estator do motor para fazer o eixo do campo de entreferro girar por passo em coincidênciacom os pulsos de entrada.

1.5. Características dos motores de passo

  a) Estator : O estator é uma parte estática do motor de passo, constituído por um núcleo de chapas de aço magnético, tratadas termicamente para reduzir ao mínimo as perdas porcorrentes parasitas e por histerese ou não, no caso de aços siliciosos. Essas chapas têm a forma de um anel com ranhuras internas, e servem para acomodar os conjuntos de bobinas,ou simplesmente enrolamentos, que irão criar o campo girante, como é mostrado na fig.

b) Rotor: Inserido no interior do estator encontra-se o rotor, igualmente constituído por um

  Essas chapas são ranhuradas externamente para acomodar as bobinas do rotor, oumais comumente as barras que fazem o papel das bobinas, no caso de rotor de gaiola. O núcleo de chapas é suportado pelo eixo do motor.

c) Estator-rotor: O conjunto estator-rotor constitui um circuito magnético que possibilita

ao fluxo um caminho fechado de baixa relutância, tal como no transformador. O vão livre entre o estator e o rotor, necessário para o desenvolvimento da rotação, é chamado de airgap (Espaço entre o dente do rotor e o dente do estator.)

1.6. Parâmetros Importantes de Motores de Passo

  a) Graus por Passo : sem dúvida a característica mais importante ao se escolher o motor de passo, é o número de graus por passo que está intimamente vinculado com o número depassos por volta. Os valores mais comuns para esta característica, também referidas como resolução, são 0.72, 1.8, 3.6, 7.5, 15 e até 90 graus.

b) Momento de Frenagem : momento máximo com o rotor bloqueado, sem perda de passos

d) Taxa de Andamento : regime de operação atingi após uma aceleração suave

  A forma convencional de se calcular o momento de inércia ( ) de umcorpo é através de sua massa ( ) e da menor distância até o eixo de rotação, ou raio ( ). Auto-Indutância: determina a magnitude da corrente média em regimes pesados de operação, de acordo com o tipo de enrolamento do estator: relaciona o fluxo magnético com as correntes que o produzem.

i) Resposta de Passo: é tempo que o motor gasta para executar o comando

  k) Tensão de Trabalho: Valor de tensão à qual os contatos estão sujeitos quando algum aparelho elétrico é alimentado na tensão nominal, sob condições de utilização normal ou de falha provável de alguns de seus componentes. l) Tensão Nominal: Tensão atribuída a um aparelho pelo seu fabricante e que serve de referência para o projeto, o funcionamento e a realização dos ensaios de laboratório.

1.7. Conjugados em Motor de Passo

  O conjugado tende a girar ou mudar o estado de rotação dos corpos,representando o efeito girante de uma força, como é mostrado na fig. e) Conjugado de Tração Interna: é o conjugado de carregamento com que o motor pode acelerar desde zero sem perder passos quando é controlado a uma taxa constante de passos.

i) Conjugado Ondulação:

  pelas forças magnetomotrizes e as propriedades eletromagnéticas do rotor. O conjugado de ondulação será tratado com mais detalhes no capitulo 2.

1.8. Algumas aplicações dos Motores de Passo

A utilização de motores de passo começou com o controle numérico de máquinas para produção e deslocou-se mais tarde para periféricos de computador e equipamentos deescritórios, quando os motores DC ou motores DC sem escova substituíram os motores de passo nas máquinas de comando numérico.

a) Scanner óptico

  O projetista do laser utilizado para o scanner tem que rotacionar precisamente uma rede de difração para ajustar afreqüência do laser. A alta resolução do micromotor de passo e a ausência de movimentos não previstos quando estepára o tornam ideais.

b) Telescópio

  As engrenagens são justamente úteis, para romper grandes inércias, pois a inércia Assim, utilizando uma caixa de engrenagens que reduz de 30:1, 30 revoluções dadas pelo motor equivalem a uma rotação de 360º dada pelo telescópio, foi desenvolvido oprojeto. A velocidade de trajetória de 15º por hora corresponda 1.25 revoluções por hora, ou em torno de 9 passos por segundo para uma resolução de 25000 passos por revolução.

c) Periféricos de Computador

  Esta é considerada a mais importante área de aplicação de motores de passo. A proliferação de desktops e denos anos 80 estimulou o desenvolvimento de pequenos motores para o uso em disk leptops drives e em impressoras.

d) Impressoras

  Entretanto, estas usam os motores de passo para a alimentação do papel, para a rotação do cilindro foto-sensível, e para aoperação da unidade de agitação do toner. A Fig.1.7 mostra a construção e o conceito básico de aplicação de motores em um tipo de impressora serial de impacto de caracter.

e) Robôs e brinquedos

  1.10 Cirurgia robótica CAPITULO 2 INTRODUđấONeste capitulo é feita uma explanação sobre os tipos de motores de passo e seu funcionamento. E em seguida mostramos os modelos dinâmicos do motor de passo derelutância variável e também do motor de passo híbrido, onde o motor de nosso híbrido é o foco de nosso estudo.

2.1. Tipos de Motores de Passo

a) Motor de passo Unipolar: Os motores de passo unipolares são facilmente

  Normalmente, a derivação central dos enrolamentos está ligada aoterminal positivo da fonte de alimentação e os extremos de cada enrolamento são ligados alternadamente ao negativo da fonte de alimentação para assim inverter adireção do campo gerado por cada um dos enrolamentos. Tal comoapresentado na Fig.2.1, a corrente que flui da derivação central do enrolamento 1 para o terminal “a” faz com que o pólo superior do estator seja um pólo norte enquanto que o póloinferior seja um pólo sul.

b) Motor de passo Bipolar: Motores de passo bipolares tanto de magneto permanente

  Existem três tipos básicos de movimentos tanto para o motor bipolar como para o unipolar; o de passo inteiro, de meio passo e o micropasso. Este deslocamento ocorresimplesmente pelo fato de que o rotor é magneticamente ativo e a energização das bobinas cria um campo magnético intenso que atua no sentido de se alinhar com os dentes do rotor.

c) Relutância Variável: Tem um rotor e um estator que são constituídos de aço silício, o

  O motor depasso de relutância variável geralmente opera com ângulos de passo de 5 a 15 graus, a taxas de passo relativamente altas e, por não possuir imã, quando energizado apresenta conjugadoestático nulo. Na Fig.2.3, quando fase A é energizada, quatro dentes de rotor se alinham com os quatro dentes do estator da fase A através de atração magnética.

d) Motor de Passo de Relutância Variável com Seção Única: Segundo ref[3], como este

  Cada fase é distribuída sobre diversos dentes do estator e desde que haja muitos dentes do estator que dirijam o fluxo para o rotor ou para longe dele, o número de dentes do estatordeve ser um múltiplo par de números de fases, por exemplo, no motor de três fases pode haver 6, 12, 18, 24,... Sendo um ânguloentre os dentes igual a (360/p) , onde p é o número de dentes do rotor, então a distância movida por uma mudança de excitação é dada por: 360= Comprimento de passo ( ) Np O motor ilustrado na fig.2.6a tem três seções e oito dentes do rotor, assim o comprimento de cada passo é 15 .

f) Imã Permanente: Motores de imã permanente diferem dos de relutância variável pois

  têm rotores de matérial alnico (mais barato que o imã de ligas de terras raras, temperatura de funcionamento tão alta como 550 graus Celsius) ou ferrite (ferrite é um matérialcomposto feito de cerâmica com propriedades eletromagnéticas, normalmente utilizadas como núcleo de transformadores elétricos, com alta resistência à corrosão) sem dentes e Fig 2.7. Motor de Passo Imã Permanente.

g) Híbrido: O motor de passo híbrido tem uma estrutura duplamente saliente (dentes

  Tabela 2.1 Relação entre corrente no enrolamento e direção do campo no pólo Enrolamento direção de corrente radialmente para Radialmente para fora dentroA positiva 3 e 7 1 e 5A negativa 1 e 5 3 e 7B positiva 4 e 8 2 e 6B negativa 2 e 6 4 e 8 Entretanto, na seção Y a situação é inversa, desde que o fluxo do imã deva fluir radialmente para dentro e assim é concentrado nos pólos 1 e 5. Se a excitação de A é removida e B é excitada com corrente positiva então oalinhamento dos dentes do rotor e estator tem que ocorrer sob os pólos 4 e 8 para seção X e Conseqüentemente, quatro passos correspondem a um movimento do rotor de uma divisão 360 de dente de ( ) , mas para o motor híbrido o comprimento é definido: p 90 Comprimento de passo = ( )p Fig 2.8.

2.2. Equação Dinâmica do Motor de Passo

2.2.1. Equações dinâmicas do motor de passo híbrido

Segundo ref [15] para obter o modelo matemático do motor de passo híbrido de duas fases são colocadas as seguintes hpóteses simplificadoras:a) O motor é linear e despreza-se a influência de saturação b) Despreza-se o efeito de histerese e fluxo no vórtice c) Somente considera-se a relutância magnética do air-gap e do magneto permanente. e) Despreza-se vazamento de fluxo no intereletrodo e terminal do estator f) Despreza-se o vazamento de fluxo na malha do magneto permanenteNotações L cos 22 sin22 2 2" L "L Lsin22 L cos 22 2"L (Matriz de indutâncias) L 2 cos 22 L 2 sin 22L2222 L L "L 2 "L2 L 2 sin 22 L22 "L2 2 cos 222 "1 "L L L 2 "L2 L (inversa da matriz de indutância) L cos 22 sin22 2L sin22 cos 22 2 2 2 2" L "L "2LdL d d2 d2sin22 L cos 22 sin22 2 2 2"L "2L cos 22 "2L (derivada da matriz de indutâncias) 2 " sin¡R2 ¢cos 2i A ii B (vetor das correntes) U A U U B (vetor das tensões) R A R R B ( matiz das resistências) K T K T K M KT m sr Wd2 m dtd2 m dt é a posição elétrica) (dinâmica elética: equação vetorial das tensões) L r dt d e R2 W U Ri Ldi dtdL d2i ke é a velocidade angular mecânica) d2 dt (Fr Fd2 m dt 2 ω é a posição mecânica e 2m 2m2 N ( (vetor da aceleração angular mecânica)Equação dinâmica do motor de passo híbrido de duas fases Fr Fr

1 N

T D J T r ( torque de excitação)Explicitando as equações: T ex ( T exK T R2 T i torque de relutância) T r T dL d2i TL é o torque de carregamento ou torque externo 2i T rN é o torque eletromagnético) T e ( Tex T eTr (dinâmica do movimento do rotor: equação escalar da aceleração angular)onde U A U b RA R Bi A iB L " L2 cos 22 "L"L 2 sin222 sin22 L cos 22 "2L iAi 2 cos 2" sin B K T K T iAi sin22 2 2 N¡L cos 22"2L 2 sin22"2L 2 2L B Ai BT e 2sin22Ÿi Te N 2" i B Bcos 2  Ÿ"iAsin2 i Msr Bcos 22¢ NIm Ai 2i 2  " 2L A A 2sin22Ÿi Te N¡L Ÿ"i A sin2 iB cos 2  cos 22¢ KT A 2i 2  " 2L 2" i B 2i Te T r T ex L2 cos 22di A dt di B dt di A dt sin22 " i A Ÿi 2 sin22 2L 2di B dt " L cos 22  cos 22  " k 2 ŸL" L A R A Ÿcos 2 U A U Bi Ÿsin2 k e d2 m dt L2 cos 22 "2L2i B cos 22 2L"2L 2 i A sin222i A cos 22 " 2L2 i B sin22 "k e d2 m dt 2 cos 2d2 m dt d2 m dtU A U Bi A R A iB R B "L2 di B dtsin22 di A dt ŸL" L"L 2 cos 22 2 di A dt sin22di B dt ŸL 2L2 sin22 "2L"2L 2 cos 22 2 cos 22 "2L2 sin22i A iBk e " sin B e cos 2Explicitando a equação do torque eletromagnético sin22 " 2L r F e sin22  k A cos 22 i B Ÿi 2 2di A dt F " L di B dt cos 22  2 ŸL L iB R B sin2 r

i B

  Essas estratégias irão reduziras oscilações que podem causar falhas em aplicações que exijam precisões. Houve uma preocupação em relação à teoria matemática, onde se colocam de forma acessível ao leitortodas as demonstrações das equações que aqui se apresentam.

3.1 Introdução

  A ref[2] usacontrole adaptativo para reduzir o conjugado de obstáculo mecânico em motores de passo híbrido, mas o conjugado de ondulação induzido por formas de ondas discretizadas não é Este trabalho desenvolve um modelo analítico de indução de formas de ondas discretizadas seno e cosseno onde são colocados dois problemas de minimização sem. Enquanto que investigadores precedentes tinham assumido implicitamente que o seno e cosseno discretizados são omelhor método de linearização do motor, com a demonstração de (1) e (2) será visto que, de fato, minimizar o conjugado médio quadrático e o conjugado de ondulação médiaconstituem uma boa escolha..

3.2 Equações Dinâmicas do Motor de Passo Híbrido

  θ = θ θ = θ Supondo-se que um sistema mova-se de de durante a amostragem12 espacial, assumindo-se que um amostrador de ordem zero seja empregado, as componentesde linearização devem ser formadas por alguns valores constantes durante aquela amostragem. Um perfil adequado de correntes discretizadas é dado por I = − A C I K sen α = α I B C I K cos< < em um intervalo conveniente de ângulo θ ( θ α θ ) .12 α Os valores de K e serão determinados de modo a minimizar o conjugado de ondulação gerado pela discretização.

3.3 Minimização do Conjugado de Ondulação

  Para manter o sistema de modo que seja possível satisfazer o sistema linear obtido quando aplicado às formas de ondas seno e cosseno contínua, são obtidas as formas de onda ótimas para minimizar o conjugado de ondulação. Como a função seno é impar, as duas − − π integrais de (3.22) serão zero se o intervalo [ θ α , θ α ] estiver centrado em .12− − Agora, tomando o ponto médio do intervalo de [ θ α , θ α ], centrado em um múltiplo12 de π , podemos definir o valor de α por:1 θ θ − α = π +2 (12 2 ) k k = 0,1,2,...

UD UE UU

¬ ¼ H D HTXDomR GLQkPLFD p W / w T - L L 7 L w TRQGH E DE/ VLQS2 L T FRV S2 L U L7 / G2 L L GFRV S2 " L T VLQS2 L G VLQS2 L T FRV S2 L U/ DD/ DE/ DU/ EE/ VLQS2 FRV S2 L G L T L U L GFRV S2 " L T EU/ DU/ EU/ UU L GFRV S2 " L T VLQS2 L G VLQS2 L T FRV S2 L U )D]HQGR L VLQS2 L G L D L E L UFRV S2 " VLQS2 L L E L U L7 / G2 U 3RUWDQWR L7 / G2 L L D L E L U/ DD / DE / DU / ED/ EE/ EU/ UD / UE/ UU L D L L DŸL 8VDQGR D WUDQVIRUPDomR G T YHP TXH E/ DE L U / DUL D / DD  L E ŸL D / DE LU / EU L E /EE   L U ŸLD / DU L E /EU L U / UU   G / / / "L VLQS2 DD DU T DE7 / VLQS2 FRV S2 L / / / LT T U T FRV S2 L DE EE EU G2 L L "L / / /DU UU L EU U 7 w /L L L L FRV S / L VLQS / L / L FRV S L / L VLQS / L FRV S /T T T T T G T U T EU T DU U T U EU T DE T EE U L VLQS T L / L FRV S T / L VLQS T /T U DU T DE T DD ,JQRUDQGR RV WHUPRV QmR LGHDLV/ DD / EE / DE 7 / " L  L L U ŸL T FRV S2/ EU T VLQS2/ DU U / UU T ŸFRVS2 ŸL U / EU   " L T ŸVLQS2 ŸL U / DUL L   L G2 7 / L L T ŸL U FRV S2/ " L U VLQS2/ DU U / " VLQS2L U / DU U L U / UU

EU EU

L FRVS2L   L G2 ))7 / L L " 7 O 2 ŸL " L " VLQS2L " 7L T U FRV S2/ U VLQS2/ DU U / U / DU L U L U / UU 2 EU FRVS2L EU   O ŸL " L " VLQS2L   " 7 T U FRV S2/ EU U VLQS2/ DU U / EU U / DU L U L U / UU O 2 L FRVS2L I T L L / - U U UU O - 7 J T L FRV S / T L U EU U DU U EU U DU VLQ S / T FRV S L / T VLQ S L / T x x I J L T T T T ([SDQGLQGR I T H J T HP VpULH GH )RXULHU REWHPRV f­ I T O > OVM FM VLQMS T O FRV MS T @ °

6 M

  ° ®f ° J T N > NVM FM VLQMS T N FRV MS T @ 6° M ¯ H SRUWDQWR SRGHPRV HVFUHYHU f fT O > OVM T T VLQMS T FRV MS T @ . VM FM VLQMS T .

9 H H H N H H N H N H H N N N N H H

  3 D D D D D W S G 3 W H N H N H T Z 3 6XEVWLWXLQGR HP 9 H GHVHQYROYHQGR DOJHEULFDPHQWH G S WHPRVa W a 3 3 H N H Z a a 2 WHUPR 3 3 p GHULYDGR XVDQGR R SURGXWR LQWHUQR SRLV 3 H * VmR PDWUL]HV ORJR VXDV GHULYDGDV VH GmR DWUDYpV GD GHULYDGD GH XP SURGXWR LQWHUQR 6HMD W 3 3 3 8VDQGR R SURGXWR LQWHUQR HVFUHYHPRV ! *I 3 3 Q 3 GHQRWD R SURGXWR LQWHUQR XVXDO HP !

3 K

3 K 9DPRV DJRUD XVDU D UHJUD GD FDGHLD SDUD GHWHUPLQDU D GHULYDGD HP UHODomR D W GD IXQomR I c 3 W I c 3 W 3 c W c c

3 W

3 3 W ! 3RUWDQWR a aW ac 3 W 3 3 H D GHULYD GH 9 MXQWR FRP D VROXomR GH p a W a 3 3 H N H ZTXH GHILQH D OHL GH DGDSWDomR a 3 H N H Z D H FRQGX] 9 SDUD 9 N N H N N H G D D SRQGH p QHJDWLYD VHPLGHILQLGD H HQWmR D HTXDomR p VDWLVIHLWD $ OHL GHDWXDOL]DomR HP SRGH VHU XVDGD HP GRLV VLVWHPDV DGDSWDWLYRV GHILQLGRV SHOR VHJXLQWH &KDPDPRV MXQWR FRP R PRGHOR GR VLVWHPD H MXQWR FRPR VLVWHPD VLPSOLILFDGR )LJ (VWUXWXUD GR VLVWHPD GH FRQWUROH GR PRWRU OLQHDUL]DGR DGDSWDWLYR 0DV HVWHV VLVWHPDV GLYLGHP D HVWUXWXUD PRVWUDGD GH IRUPD HVTXHPiWLFD QD ILJ 6H T WHP XP Q~PHUR ILQLWR GH FRPSRQHQWHV GH IUHTrQFLDV WRGDV UHSUHVHQWDGDV QR YHWRUUHJUHVVRU XPD FRQGLomR VXILFLHQWH SDUD LVWR p TXH L VHMD FRQVWDQWH H I H J WHQKDP XP TQ~PHUR ILQLWR GH OLQKDV HVSHFWUDLV HQWmR WRPDQGR 3 FRPR R YHWRU GRV FRHILFLHQWHV GH)RXULHU SDUD T VH WUDQVIRUPD HP Mi TXH R FRQMXJDGR GH RQGXODomR UHVLGXDO [SRGH VHU ]HUR 1HVWH FDVR LGHDO QRVVR UHVXOWDGR SDUD R VLVWHPD p DVVHJXUDGR SDUD R PRGHORGR VLVWHPD $ DQDOLVH GH /\DSXQRY LPHGLDWDPHQWH FRQGX] QRV SDUD R VHJXLQWH/HPD 1R VLVWHPD VLPSOLILFDGR D VROXomR ]HUR p JOREDOPHQWH HVWiYHO QR VHQWLGR GH /\DSXQRY W aZ 3 p LOLPLWDGR H H H o HQTXDQWR W oG G f H H  /GW GW SRU FRQVHTrQFLD H H HVmR XQLIRUPHPHQWH FRQWtQXRV $OHP GLVVR SRU QyV WHPRV77 dN N H GW N N H GW G D D S 9 9 7 9 ³ ³  3RU LVVR H H / (VWD H FRQGX]HP SDUD H D GHPRQVWUDomR p FRPSOHWDGD 1D GHULYDomR IRL XVDGR XP FRQWURODGRU 3' VLPSOHV (QWUHWDQWR WRGRFRQWURODGRU SDVVLYR WUDEDOKDUD H WRGD DQiOLVH VHJXLQWH LQIOXL FRP SRXFD PRGLILFDomR &$3,78/2&21&/86­2 1R SULPHLUR DUWLJR p YLVWR XP PRGHOR GH FRQMXJDGR GH RQGXODomR LQGX]LGR SRU IRUPDV GH RQGDV GLVFUHWL]DGDV VHQR H FRVVHQR SDUD OLQHDUL]DU RV PRWRUHV GH SDVVR KtEULGR 2REMHWLYR GHVWD HVWUDWpJLD p XWLOL]DU XP FRQWUROH GLJLWDO DWUDYpV GH PLFURSURFHVVDGRUHV DRLQYpV GR FRQWUROH DQDOyJLFR $ MXVWLILFDWLYD SDUD R XVR GR FRQWUROH GLJLWDO H QmR R FRQWUROHDQDOyJLFR p MXVWLILFDGR SHOR IDWR GH TXH D LPSOHPHQWDomR VH WRUQD PDLV IiFLO H WDPEpPH[LVWHP DWUDVRV TXH VmR LQHUHQWHV HP FRQWUROH DQDOyJLFRV FRPR GHVYLRV WROHUkQFLD GHFRPSRQHQWHV HWF 1HVWH FDVR QR FRQWUROH GH PRWRUHV GH SDVVR KtEULGR DV YDQWDJHQV GRVPLFURSURFHVVDGRUHV VmR PDLV SURQXQFLDGDV $ JHUDomR GDV IXQo}HV VHQR H FRVVHQRGLVFUHWL]DGDV REWLGDV SHOD OLQHDUL]DomR SRGHP VHU IDFLOPHQWH LPSOHPHQWDGDV FRPPLFURSURFHVVDGRUHV 8PD YH] OLQHDUL]DGR R PRWRU GH SDVVR R PpWRGR SDGUmR GH SURMHWR GHFRQWUROH GLJLWDO OLQHDU SRGH VHU LPSOHPHQWDGR (P YHORFLGDGHV EDL[DV GR HL[R GR URWRU pSRVVtYHO JHUDU H[FHOHQWHV IRUPDV GH RQGD GLVFUHWL]DGDV VHQR H FRVVHQR SRUTXH D IUHTrQFLDHP +] GHVWDV IRUPDV GH RQGD p LJXDO DR Q~PHUR GH SyORV GR HVWDWRU YH]HV D YHORFLGDGHHP UHY VHJ 4XDQGR D YHORFLGDGH FUHVFH LVWR UDSLGDPHQWH WRUQD VH XP SUREOHPD $DQDOLVH GH IUHTrQFLD GR FRQMXJDGR GH RQGXODomR LQGLFD TXH D FRPSRQHQWH GH EDL[D IUHTrQFLD p PXLWR HOHYDGD 'HVGH TXH R VLVWHPD PHFkQLFR WHQGH D DJLU FRP XP ILOWUR GHSDVVD ± EDL[D LVWR VLJQLILFD TXH JUDQGHV FRQMXJDGRV GH RQGXODomR SRGHP VHU WROHUDGRV 3HOD FRPELQDomR GD DQiOLVH GD IUHTrQFLD FRP DV IRUPDV GH RQGDV yWLPDV XP PpWRGR SDUD GHWHUPLQDU D IUHTrQFLD GH DPRVWUDJHP HVSDFLDO GDV IRUPDV GH RQGDV VHQR FRVVHQR SDUD XPD JDPD GH RSHUDo}HV GHVHMDGDV H QtYHO GH SHUIRUPDQFH GHVHMDGR SRGH VHU GHWHUPLQDGR(VWH WUDEDOKR GHVHQYROYH XP PRGHOR DQDOtWLFR GH LQGXomR GH IRUPDV GH RQGDV GLVFUHWL]DGDV VHQR H FRVVHQR RQGH VmR FRORFDGRV GRLV SUREOHPDV GH PLQLPL]DomR VHPUHVWULomR OHYDQGR HP FRQVLGHUDomR GRLV IXQFLRQDLV REMHWLYRV $V HVWUDWpJLDV GHPLQLPL]DomR GR FRQMXJDGR GH RQGXODomR VHUmR GDGDV QDV GXDV IRUPDV D SULPHLUD pGHVHQYROYLGD SDUD PLQLPL]DU R FRQMXJDGR GH RQGXODomR PpGLR TXDGUiWLFR D VHJXQGDPLQLPL]D R FRQMXJDGR GH RQGXODomR PpGLR (VVDV GXDV HVWUDWpJLDV WrP UHVXOWDGRV VLPLODUHVH SRGHPRV YHU TXH VHXV YDORUHV VmR PXLWR SUy[LPRV XP GR RXWUR 1HVWH VHJXQGR DUWLJR p XVDGD XPD IRUPD GH RQGD GH FRPXWDomR VHQRLGDO MXQWR FRPOLQHDUL]DomR DGDSWDWLYD TXH DGDSWDWLYDPHQWH DGLFLRQH VLQDLV SHULyGLFRV SDUD FRUUHQWHV GHHQWUDGD GR PRWRU (VVD p D SULPHLUD DERUGDJHP VLVWHPiWLFD SDUD D UHGXomR GR FRQMXJDGR GHRQGXODomR YLD FRQWUROH DGDSWDWLYR $ FRQGLomR GH VLQDLV H[yJHQRV p IRUQHFLGD SDUD JDUDQWLUD SHUVLVWrQFLD GD H[FLWDomR HP XP VLVWHPD QmR OLQHDU H WDPEpP XPD QRYD DQiOLVH GHUREXVWH] p DSUHVHQWDGD SDUD VLVWHPDV GH FRQWUROH DGDSWDWLYR QmR OLQHDU FRP HUURV QDPRGXODomR QmR OLQHDU QR HVWDGR H QRV SDUkPHWURV e GHGX]LGR XP PRGHOR PDWpPiWLFR SDUDPRWRUHV GH SDVVR KtEULGR FRP GXDV IDVHV TXH LGHQWLILFDP D RULJHP H HVWUXWXUD GR FRQMXJDGRGH RQGXODomR 8P RXWUR HVWXGR IRL D OLQHDUL]DomR DGDSWDWLYD XVDQGR SDUDPHWUL]DomR UHGX]LGD RX VHMD QHVWD p XVDGR DSHQDV XP SDUkPHWUR GRV FRHILFLHQWHV GH )RXULHU H R YHWRU GDV HTXDo}HVGH HVWDGR 1HVWH WDPEpP p XVDGR XP FRQWURODGRU 3' H D SDUWLU GHVVH p GHILQLGD D HTXDomRGR HUUR 3DUD GHILQLU D OHL GH DWXDOL]DomR GH SDUkPHWUR WDPEpP p XVDGD XPD DSUR[LPDomR

SRU /\DSXQRY

2V GRLV DUWLJRV ID]HP D LPSOHPHQWDomR DWUDYpV GH FRQWUROH GLJLWDO FDGD XP XVDQGRPpWRGRV GLIHUHQWHV SDUD D UHGXomR GR FRQMXJDGR GH RQGXODomR PDV FRP R PHVPR REMHWLYRGH PHOKRUDU R GHVHPSHQKR GR PRWRU &RPR R REMHWLYR GHVWH HVWXGR p D PLQLPL]DomR GRFRQMXJDGR GH RQGXODomR HQWmR SRGHPRV YHU TXH QR SULPHLUR DUWLJR D PLQLPL]DomR p IHLWDDWUDYpV GH PLQLPL]DomR GR FRQMXJDGR GH RQGXODomR PpGLR TXDGUiWLFR H GR FRQMXJDGRPpGLR FXMR REMHWLYR HUD JHUDU SXOVRV GH RQGD TXDGUDGD TXH VHUmR GLVFUHWL]DGDV SRU RQGDVGH VHQR H FRVVHQR TXH SRGHP VHU IDFLOPHQWH LPSOHPHQWDGD DWUDYpV GH FRQWURODGRUHVGLJLWDLV 1R VHJXQGR DUWLJR D PLQLPL]DomR p IHLWD DWUDYpV GH RQGDV FRPXWDGDV VHQRLGDLVMXQWDPHQWH FRP OLQHDUL]DomR DGDSWDWLYD 9HULILFD VH TXH DV GXDV HVWUDWpJLDV WrP PpWRGRV GLIHUHQWHV $ SULPHLUD REMHWLYDPLQLPL]DU R FRQMXJDGR GH RQGXODomR DWXDQGR GLUHWDPHQWH QD HTXDomR GR FRQMXJDGR GHRQGXODomR HQTXDQWR D VHJXQGD DWXD GLUHWDPHQWH QD PDWUL] GH LQGXWkQFLD TXH FRPS}H DHTXDomR GLQkPLFD GR PRWRU 2 SUREOHPD GH PLQLPL]DomR p XP SUREOHPD GH PLQLPL]DomR VHP UHVWULomR SDUD XPD IXQomR GH GXDV YDULiYHLV GH IiFLO UHVROXomR -i QR RXWUR FDVR p XVDGR R HQIRTXH GH /\DSXQRY SDUD VH REWHU DV OHLV GH DWXDOL]DomR XVDQGR XP FRQWURODGRU3' 1RWD VH QHVWH FDVR TXH D WHQWDWLYD GH FDQFHODPHQWR GR FRQMXJDGR GH RQGXODomR pLQIUXWtIHUR PDV FRQVHJXH VH WHU XPD UHGXomR VLJQLILFDWLYD QHVWH WLSR GH FRQMXJDGR DWUDYpVGH XP FRQWURODGRU 3' GH EDL[R JDQKR 3RGHPRV REVHUYDU DWUDYpV GDV GXDV HVWUDWpJLDV TXHWDQWR XPD FRPR D RXWUD WrP ERD DSOLFDELOLGDGH GHSHQGHQGR GD iUHD H GR WLSR GH FRQWUROHTXH HVWi VHQGR XVDGR 1R SULPHLUR DUWLJR R PpULWR HVWi HP VH REWHU XPD GLVFUHWL]DomR FRP XP Q~PHURPHQRU GH DPRVWUDV TXH GDUi R PHVPR FRQMXJDGR GH RQGXODomR PpGLD XVDQGR DGLVFUHWL]DomR LJXDO FRP R Q~PHUR PDLRU GH DPRVWUDV $ YDQWDJHP GH XWLOL]DU DV IRUPDV GH

FRP EDL[D YHORFLGDGH DOLDGD DR FRQWUROH GLJLWDO

  DWVXKLNR (QJHQKDULD GH &RQWUROH 0RGHUQR 8QLYHUVLGDGH GH 0LQQHVRWD> @:LNLSpGLD D LQFLFORSpGLD OLYUH 'LVSRQtYHO HP KWWS SW ZLNLSHGLD RUJ ZLNL 0RWRUBHO & $ WULFR > @ ' * 7D\ORU 3 9 . &RQMXJDGR ULSSOH LPSURYHPHQW IRU EUXVKOHVV GF PLQLDWXUH PRWRUV ,((( 7UDQVDFWLRQV RQ ,QGXVWU\ $SOLFDWLRQV ± > @ 1DJDVH + 2NX\DPD 7 7DNDKDVKL - DQG 6DLWRK .

IRU VXSSUHVVLQJ FRQMXJDGR ULSSOH RI DQ DF PRWRU E\ FXUUHQW DPSOLWXGH FRQWURO

  ,((( 7UDQVDFWLRQV RQ ,QGXVWU\ $SOLFDWLRQV ±> @ $ . HOHPHQ 0 &ULOO 9 7HLID ± 0DWpPDWLFDO 0RGHOLQJ DQG 6LPXODWLRQ RI 6WHSSLQJ 0RWRU 6\VWHPV 9RO 3S ±> @ .

PRWLRQ V\VWHPV LQ 5RUUDQLDQ HG 7HKQLFD %XFKDUHVW FKDS

> @ +DQ\LQJ * 6KXNDQJ & /L 6 (UOLDQJ . 0D[LPXP7RUTXH &XUUHQW&RQWURO RI 3KDVH +\EULG 6WHSSLQJ 0RWRU (OHFWULF 0DFKLQHV DQG 'ULYHV&RQIHUHQFH ,(0'& ,((( ,QWHUQDWLRQDO SS YRO -XQH %,%/,2*5$),$ &2168/7$'$> @ 'HJDQ &KHQ %UDGHQ 3DGHQ 1RQOLQHDU $GDSWLYH &RQMXJDGR 5LSSOH&DQFHOODWLRQ IRU 6WHS0RWRUV 'HSDUW 2I 0HFKDQLFDO DQG &RPSXWHU(QJLQHHULQJ _8QLYHUVLW\ RI &DOLIRUQLD 6DQWD %DUEDUD> @ 3 -RKQ &ODUNVRQ 3DXO 3 $FDUQOH\ &ORVHG /RRS &RQWURO RI 6WHSSLQJ 0RWRU 6\VWHPV ,((( 7UDQVDFWLRQV RQ $SOLFDWLRQV 9RO 1R -XO\ $XJXVW> @ - ' :DOH & 3ROORFN +LEULG 6WHSSLQJ 0RWRUV DQG 'ULYHV 3RZHU(QJLQHHULQJ -RXUQDO )HEUXDU\> @ ,TEDO +XVDLQ 6HQLRU 0HPEHU ,((( 0LQLPL]DWLRQ RI &RQMXJDGR 5LSSOH LQ 650 'ULYHV ,((( 7UDQVDFWLRQVRQ ,QGXVWULDO (OHWURQLFV 9RO 1R)HEUXDU\> @ 3 - &ODUNVRQ 3 3 $FDUQOH\ 6LPSOLILHG $SSURDFK WR WKH '\QDPLF 0RGHOOLQJ RI 9DULDEOH 5HOXFWDQFH 6WHSSLQJ 0RWRUV ,((( SURFHHGLQJV 9RO 1 -DQXDU\> @ )LOLSSR )LOKR *XLOKHUPH 0RWRU GH ,QGXomR 6mR 3DXOR (ULFD> @ (OOLVRQ $UWXU -DPHV &RQYHUVmR (OHWU{QLFD GH (QHUJLD 6mR 3DXOR 3ROtJRQR (G 'D 8QLYHUVLGDGH GH 6mR 3DXOR $3Ç1',&( $ 1HVWH DSrQGLFH HVWmR VHQGR UHODWDGDV DOJXPDV SURSULHGDGHV EiVLFDV GDV IXQo}HV GH/\DSXQRY TXH VHUmR XWLOL]DGDV QHVWH WUDEDOKR)XQo}HV GH /\DSXQRY 6HJXQGR 0pWRGR GH /\DSXQRY'D WHRULD FOiVVLFD GH PHFkQLFD VDEH VH TXH XP VLVWHPD YLEUDWyULR p HVWiYHO VH VXD HQHUJLD WRWDO XPD IXQomR GHILQLGD SRVLWLYD IRU FRQWLQXDPHQWH GHFUHVFHQWHR TXH VLJQLILFD TXH D GHULYDGD HP UHODomR DR WHPSR VHMD GHILQLGD QHJDWLYD DWp TXH XPSRQWR GH HTXLOtEULR VHMD DOFDQoDGR 2 VHJXQGR PpWRGR GH /\DSXQRY p EDVHDGR HP XPD JHQHUDOL]DomR GHVWH IDWR VH XP VLVWHPD SRVVXLU XP HVWDGR GH HTXLOtEULR DVVLQWyWLFDPHQWH HVWiYHO HQWmR D HQHUJLDDUPD]HQDGD WUDQVIHULGD QR LQWHULRU GR GRPtQLR GH DWUDomR GHFDL j PHGLGD TXH R WHPSRFUHVFH DWp TXH ILQDOPHQWH DVVXPH VHX YDORU PtQLPR QR HVWDGR GH HTXLOtEULR 3DUD VLVWHPDVSXUDPHQWH PDWpPiWLFRV FRQWXGR QmR Ki IRUPD VLPSOHV GH GHILQLU XPD ³IXQomR HQHUJLD´ 3DUD FRQWRUQDU HVWD GLILFXOGDGH /\DSXQRY LQWURGX]LX D IXQomR GH /\DSXQRY XPD ³IXQomRHQHUJLD´ILFWtFLD (VWD LGpLD FRQWXGR p PDLV JHUDO TXH D GH HQHUJLD H p DSOLFDGD GH IRUPDPDLV DEUDQJHQWH &RP HIHLWR TXDOTXHU IXQomR HVFDODU TXH VDWLVIDoD DV KLSyWHVHV GRVWHRUHPDV GH HVWDELOLGDGH /\DSXQRY SRGH VHUYLU FRPR IXQomR GH /\DSXQRY 3DUD VLVWHPDV VLPSOHV p SRVVtYHO VHU FDSD] GH HVWLPDU IXQo}HV GH /\DSXQRY DGHTXDGDV SDUD VLVWHPDVFRPSOLFDGRV QR HQWDQWR SRGH VHU EDVWDQWH GLItFLO HQFRQWUDU XPD IXQomR GH /\DSXQRY $V IXQo}HV GH /\DSXQRY GHSHQGH GH [ [ [ H W (ODV VmR UHSUHVHQWDGDV SRU Q 9 [ [ [ W RX VLPSOHVPHQWHQ 9 W [ 4XDQGR DV IXQo}HV GH /\DSXQRY QmR LQFOXtUHPW H[SOLFLWDPHQWH VXD QRWDomR VHUi 9 [ [ [ RX Q 9 [ 1R VHJXQGR PpWRGR GH/\DSXQRY R FRPSRUWDPHQWR GR VLQDO GH 9 [ W H GH VXD GHULYDGD HP UHODomR DR WHPSR G9 [ W 9 [ W IRUQHFH LQIRUPDomR D UHVSHLWR GD HVWDELOLGDGH GD HVWDELOLGDGH DVVLQWyWLFRGW RX GD LQVWDELOLGDGH GH XP HVWDGR GH HTXLOtEULR VHP UHTXHUHU GLUHWDPHQWH D REWHQomR GD VROXomR ,VWR LPSOLFD WDQWR D VLVWHPD OLQHDUHV TXDQWR D VLVWHPDV QmR OLQHDUHV 2JDWD SDJ 7HRUHPD GH (VWDELOLGDGH 3ULQFLSDO GH /\DSXQRY 3RGH VH PRVWUDU TXH VH XPD IXQomR HVFDODU 9 [ RQGH [ p XP YHWRU Q GLPHQFLRQDO IRU SRVLWLYD GHILQLGD HQWmR R HVWDGR [ TXH VDWLVID]HU 9 [ &HP TXH & p XPD FRQVWDQWH SRVLWLYD SHUPDQHFH VREUH XPD KLSHUVXUSHUItFLH IHFKDGD GRHVSDoR Q GLPHQVLRQD DR PHQRV QDV YL]LQKDQoDV GD RULJHP 6H 9 [ o f D PHGLGD TXH [ o f HQWmR HVWD VXSHUItFLH VH HVWHQGH VREUH WRGR R HVSDoR GH HVWDGR $ KLSHUVXSHUItFLHSH 9 [ & UPDQHFH LQWHLUDPHQWH QR LQWHULRU GD KLSHUVXUSHUItFLH 9 [ & VH & & 3DUD XP GDGR VLVWHPD VH IRU SRVVtYHO HQFRQWUDU XPD IXQomR HVFDODU SRVLWLYDGHILQLGD 9 [ WDO TXH VXD GHULYDGD HP UHODomR DR WHPSR DR ORQJR GH XPD WUDMHWyULD VHMD XPD FRQGLomR VXILFLHQWH SDUD D HVWDELOLGDGH DVVLQWyWLFR (VWH WHRUHPD SRGH VHU HQXQFLDGR GD VHJXLQWH IRUPD 7HRUHPD 6XSRQKD VH TXH XP VLVWHPD VHMD GHVFULWR SRU[ I W [ RQGH I R W TXDOTXHU TXH VHMD W 6H H[LVWLU XPD IXQomR HVFDODU 9 [ W TXH SRVVXD SULPHLUDV GHULYDGDV SDUFLDLVFRQWtQXDV H VDWLVIDoD DV FRQGLo}HVL 9 [ W p GHILQLGD SRVLWLYDLL 9 W [ p GHILQLGD QHJDWLYDHQWmR R HVWDGR GH HTXLOtEULR QD RULJHP p XQLIRUPH H DVVLQWyWLFDPHQWH HVWiYHO 6H DGLFLRQDOPHQWH 9 W [ o f j PHGLGD TXH [ o f HQWmR R HVWDGRGH HTXLOtEULR QD RULJHP p DVVLQWyWLFDPHQWH HVWiYHO QR VHQWLGR DPSOR LVWR pHP JUDQGH HVFDOD 2JDWD SiJ $3(1',&( %7pFQLFD GH /LQHDUL]DomR ([DWD 8PD JUDQGH FODVVH GH VLVWHPDV GH FRQWUROH QmR OLQHDU SRGH VHU GHILQLGD SDUD SURGX] XP FRPSRUWDPHQWR OLQHDU GH HQWUDGD H VDtGD DWUDYpV GH XPD HVFROKD GH XPD OHL GH FRQWUROHGH DWXDOL]DomR GH HVWDGRV QmR OLQHDUHV &RQVLGHUH R VLVWHPD FRP XPD ~QLFD HQWUDGD H XPD~QLFD VDtGD [ I [ J [ X Q \ K [ &RP [ 5 I J K HVWiYHO 'LIHUHQFLDQGR \ HP UHODomR DR WHPSR REWHPRV\ / K / KXI J $TXL / K / K GHQRWD D GHULYDGD GH /LH FRP UHVSHLWR DI J Q I UHVSHFWLYDPHQWH 6H J z / K [ [ J 5 HQWmR D OHL FRQWUROH QD IRUPD D [ E [ X RX VHMDX / K YI / K J 5HQGH R VLVWHPD OLQHDU\ Y { 1R LQVWDQWH TXH / K [ J XPD GLIHUHQFLDomR GH p IHLWD SDUD REWHU \ / K / / K JI X(P DFLPD / K SHUPDQHFH SDUD / / K H / / K SHUPDQHFH SDUD / / K &RPR QI I JI JI I I DQWHV VH / / K z [ JI 5 D OHLI X / K Y/ / K JI /LQHDUL]D R VLVWHPD SDUD SURGX]LU\ Y QDV JHUDOPHQWH VH J p XP Q~PHUR PXLWR SHTXHQR LQWHLUR DSUR[LPDGDPHQWH / / K { SDUD JI J QI z L J H / / K [ [ J 5 RQGH D OHL GH FRQWUROHI X / K Y JI / / K J 4XH SURGX] J \ Y JI $ WHRULD p FRQVLGHUDGD PDLV FRPSOLFDGD VH / / K { SDUD DOJXP YDORU GH [ J1yV QmR GLVFXWLPRV HVWH FDVR DTXL 3DUD PXOWL HQWUDGD FDVR PXOWL VDLGD FRQVLGHUD VH D SHQWUDGD S VDLGD GR VLVWHPD QmR OLQHDU GD IRUPD [ I [ J [ X J [ S S X\ K [ \ K [ S S 2QGH Q[ 5  S X X[ $ [ $ S S J J J J (QWmR D HTXDomR SRGH VHU HVFULWD FRPR»»»¼º «««¬ª »»»¼º «««¬ª »»»¼º «««¬ª S SI I S K /K / «««¬ª SI JS SI JI JSI J \\ S S J J J J 6H S[S$ 5 [  p LOLPLWDGD HP RXWUR OXJDU SRU VLPSOLFLGDGH D OHL GH FRQWUROH GHUHWRUQR GH HVWDGR »»»¼º «««¬ª [ $K /K / [ $ X SI I S K / / K / /K / / K / / 'HILQH D PDWUL] S[S [ $ FRPR»»»¼º X 5  S\ TXDQGR D HQWUDGD QmR PRVWUDU VH HP 'HILQL VH M 5 H M K J I VmR DVVXPLGRV FRPR XQLIRUPH $JRUDGLIHUHQFLDQGR D VDtGD M \ FRP UHVSHLWR DR WHPSR SDUD REWHU L M S L JL MI M X K / K / \ ¦ (P MI K / GHQRWD D GHULYDGD GH /LH GH DQDORJDPHQWH MK FRP UHVSHLWR D I SDUD M JL K / 1RWH TXH VH FDGD XP GH{ [ K / M JL J J FRPR VHQGR XP Q~PHUR SHTXHQR LQWHLUR PDV TXH VHMD D PtQLPD HQWUDGD D DSDUHFHU HP M M\ J LVWR p ¦S L L M I J M I M X K / / K / \ M L M MJ J J &RP XP PtQLPR GH[ K / / MI J M Lz J J 3URGX] R GHVDFRSODPHQWR D PDOKD IHFKDGD VLVWHPD OLQHDU»»»¼º «««¬ª »»»¼º «««¬ª S S Y Y\ \ S J J 2QGH D OLQHDUL]DomR SRGH VHU DOFDQoDGD TXDOTXHU REMHWLYR PDLV DGLFLRQDO GRFRQWUROH WDO FRPR FRPELQDU PRGHOR DORFDomR GR SyOR D VHJXLU SRGH VHU IDFLOPHQWH VHUHQFRQWUDGR $ OHL GH UHWRUQR p UHIHULGD FRPR XP HVWDGR HVWiWLFR GD OHL GH FRQWUROHOLQHDUL]DQWH GH UHWRUQR 6H [ $ GHILQLGD HP p VLQJXODU D OLQHDUL]DomR WDOYH] DLQGD SRGH VHU DOFDQoDGD XVDQGR R UHWRUQR GD GLQkPLFD GH HVWDGR 2 GHVHQYROYLPHQWR SRGH VHU VHJXLGR XVDQGR XPLQWHJUDGRU DQWHV GH DOJXPD HQWUDGD 6DVWU\

RECENT ACTIVITIES

Tags

Documento similar

ESTRATÉGIAS DE RELACIONAMENTO EM SERVIÇO DE AQUISIÇÃO DE PERIÓDICOS EM BIBLIOTECA: estudo de caso
0
0
29
Um estudo comparativo com agressores de violência doméstica
0
0
64
ESTRATÉGIAS NA INDÚSTRIA DE MOTOCICLETAS: Um estudo exploratório do setor de motocicletas brasileiro MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO
0
0
165
ESTRATÉGIAS DE CONSTRUÇÃO TEXTUAL DO ENIGMA EM NARRATIVAS DE SUSPENSE
0
0
131
CEREAIS DE PEQUENO-ALMOÇO ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DO TEOR EM SAL NESTES PRODUTOS
0
0
65
FURAÇÃO DE FERROS FUNDIDOS DE ALTA RESISTÊNCIA APLICADOS EM CABEÇOTES DE MOTORES
0
0
131
DIMENSIONAMENTO DE TURBOCOMPRESSORES PARA APLICAÇÃO EM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA
0
0
39
ELISANGELA PINAFO PROBLEMAS E ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO SUS EM
0
0
195
EVOLUÇÃO PÓS-IMPLANTE DE CARDIODESFIBRILADOR IMPLANTÁVEL EM PACIENTES CHAGÁSICOS E NÃO-CHAGÁSICOS: estudo comparativo
0
0
87
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ATENUAÇÃO DO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM GERADORES SÍNCRONOS ISOLADOS QUANDO SUBMETIDOS A PARTIDA DIRETA DE MOTORES DE INDUÇÃO
0
0
190
ACIONAMENTO DE MOTORES ELÉTRICOS
0
0
36
ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E REDES SOCIAIS: Um estudo de caso sobre a Drogaria Araujo
0
0
97
IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PARA UM BANCO DE ENSAIOS EM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA
0
0
66
USO DE MOTORES STIRLING PARA RECUPERAÇÃO DE ENERGIA EM PROPULSORES NAVAIS: AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE
0
0
36
FORMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS
0
0
89
Show more