O PODER DO CARIMBO: UMA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO, DO PERFIL E DAS RELAÇÕES QUE ENVOLVEM A INSPEÇAO ESCOLAR NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

119 

Full text

(1)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

CRISTIANA CECÍLIA PINTO DA SILVA

O PODER DO CARIMBO: UMA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO, DO PERFIL E DAS RELAÇÕES QUE ENVOLVEM A INSPEÇAO ESCOLAR NO ESTADO DO RIO DE

JANEIRO

(2)

CRISTIANA CECÍLIA PINTO DA SILVA

O PODER DO CARIMBO: UMA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO, DO PERFIL E DAS RELAÇÕES QUE ENVOLVEM A INSPEÇAO ESCOLAR NO ESTADO DO RIO DE

JANEIRO

Dissertação apresentada como requisito parcial para a conclusão do Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública, da Faculdade de Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, para obtenção do título de Mestre em Gestão e Avaliação da Educação Pública.

Orientador: Prof. Dr. André Bocchetti

(3)

CRISTIANA CECÍLIA PINTO DA SILVA

O PODER DO CARIMBO: UMA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO, DO PERFIL E DAS RELAÇÕES QUE ENVOLVEM A INSPEÇAO ESCOLAR NO ESTADO DO RIO DE

JANEIRO

Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública da Universidade Federal de Juiz de Fora como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Gestão e Avaliação da Educação Pública.

_____________________________________ André Bochetti (Orientador) (PPGP/UFJF)

_____________________________________ Alexsandra Zanetti (PPGP/UFJF)

(4)
(5)

AGRADECIMENTOS

À minha mãe, mulher forte e sensível, maior exemplo de dedicação e amor, minha melhor amiga e grande responsável por essa e todas as outras conquistas que passaram e que virão...

Ao meu irmão, grande amigo, por toda a paciência e incentivo em todos os momentos da minha vida...

Ao Gabriel, companheiro presente e paciente, por todos os momentos em que passou ao meu lado, me ajudando e acima de tudo me apoiando e incentivando, dizendo que ainda não era hora de parar...

À minha tia Maria Cecília, minha segunda mãe, meu maior exemplo profissional e a responsável por ter me tornado educadora...

À minha tia Maria Aldina, a “mãezona” de todos, por toda a preocupação e principalmente por toda a dedicação a mim e a toda família...

À minha madrinha Maria Alcina, que com as histórias que me contava na infância, me ensinou como cativar e encantar as crianças...

Ao meu avô, tio Guilherme e meu primo Guilherme, que estão comigo sempre...

Ao meu avô José, meu avô Amenécio e minha avó Alzira...por terem sido quem foram em minha vida...

Ao Professor Dr. André Bocchetti, grande orientador e companheiro das loucuras desta dissertação e ao Vítor, suporte incansável e que, muitas vezes, não me deixou desistir.

(6)

RESUMO

A presente dissertação é desenvolvida no âmbito do Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação (PPGP) do Centro de Políticas Públicas e

Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF) tem como objetivo analisar as relações de poder estabelecidas na inspeção escolar no estado do Rio de Janeiro, bem como estas se estabelecem por meio da ação dos professores inspetores escolares nos estabelecimentos de ensino, no intuito de responder quais os meios, discursos ou dispositivos levam ao perfil da inspeção escolar, hoje instalado no estado do Rio de Janeiro. Nesta perspectiva, analisaremos os dispositivos legais que norteiam a ação da inspeção escolar, os discursos construídos sobre a ação dos profissionais inspetores e ainda a análise de diversos sujeitos envolvidos na ação da inspeção escolar, por meio de entrevistas e questionários, sempre à luz do referencial teórico de Foucault (1987; 1995; 2003; 2004; 2008; 2010a; 2010b), acerca das relações de poder, discurso e dispositivo. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, que contará com entrevistas e questionários, levando ao entendimento que se busca com os objetivos traçados. A construção de um perfil de inspetor escolar, feita a partir de dispositivos legais e discursos historicamente construídos faz com que o estado do Rio de Janeiro permaneça com um modelo de inspeção mais voltado para o controle, fiscalização, ações burocráticas e sanções. No entanto, a Deliberação CEE/RJ nº 357/2016 (RIO DE JANEIRO, 2016b) trouxe uma grande reviravolta para esta atuação, retirando das atribuições do professor inspetor escolar do quadro da SEEDUC/RJ as ações de verificação e validação da certificação dos concluintes do ensino médio e educação profissional de nível médio regular. Este dispositivo legal aponta para um redesenho das atribuições do inspetor e das consequentes mudanças nas relações de poder.

(7)

ABSTRACT

This dissertation is developed within the scope of the Professional Master in Management and Evaluation of Education (PPGP) of the Center for Public Policies and Education Evaluation of the Federal University of Juiz de Fora (CAEd / UFJF). Its objective is to analyze the power relations established in the School inspections in the state of Rio de Janeiro, and this is established through the action of teachers school inspectors in educational institutions, in order to respond to what means, speeches or devices lead to the profile of school inspection, now installed in the state of Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. In this perspective, we will analyze the legal dispositions that guide the action of the school inspection, the speeches built on the action of the professional inspectors and also the analysis of several subjects involved in the action of the school inspection, through interviews and questionnaires, always in the light of the referential Theorist of Foucault Foucault (1987; 1995; 2003; 2004; 2008; 2010a; 2010b), about the relations of power, discourse and device. This is a qualitative research, which will have interviews and questionnaires, leading to the understanding that is sought with the objectives outlined. The construction of a school inspector profile, made from legal devices and historically constructed speeches, means that the state of Rio de Janeiro remains with an inspection model that is more focused on control, enforcement, bureaucratic actions and sanctions. However, Deliberação CEE / RJ nº 357/2016 (RIO DE JANEIRO, 2016b)brought a great revolution for this action, removing from the attributions of the school inspector teacher of the SEEDUC / RJ framework the actions of verification and validation of the certification of the high school graduates and professional education of Average level. This legal device points to a redesign of the inspector's assignments and consequent changes in power relations.

(8)

LISTA DE ABREVIATURAS

ALERJ Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro CAEd Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação CEE/RJ Conselho Estadual de Educação do Rio de Janeiro

CDIN Coordenação de Inspeção Escolar

CRIES Coordenações Regionais de Inspeção Escolar DICA Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação

PAE Plano de Ação Educacional

PPGP Programa de Pós-Graduação Profissional em Gestão e Avaliação da Educação

PRODERJ Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Rio de Janeiro

SEEDUC/RJ Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro SUPAD Diretoria de Gestão Operacional da Rede

UEs Unidades Educacionais

(9)

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Organograma DICA ... 34

Figura 2 - Anexo I Resolução SEEDUC nº5846/2016 ... 87

Figura 3 - Relações atuais da Inspeção Escolar ... 94

(10)

LISTA DE GRÁFICOS

Gráfico 1 - Documentos de unidades escolares extintas expedidos ... 41 Gráfico 2 - Acervo de unidades escolares extintas recolhidos ... 42 Gráfico 3 - Dez maiores demandas da Central de Relacionamento da SEEDUC/RJ

(11)

LISTA DE QUADROS

Quadro 1 - Comparativo da situação de Inspeção Escolar RJ antes e após o concurso ... 38 Quadro 2 - Funções da Inspeção Escolar ... 57 Quadro 3 - Revisão da Legislação que dispõe sobre as atribuições do professor

inspetor escolar na SEEDUC/RJ ... 96 Quadro 4 - Alteração no acompanhamento e avaliação das escolas do sistema

(12)

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ... 13

1 A INSPEÇÃO ESCOLAR ... 21

1.1 A inspeção escolar na educação brasileira ...22

1.2 A inspeção escolar no estado do Rio de Janeiro...27

1.3 A função do professor inspetor escolar no estado do Rio de Janeiro...31

1.4 A legislação como legitimação do poder do professor inspetor escolar no estado do Rio de Janeiro ... 46

2 A FUNÇÃO INSPEÇÃO E A PRODUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DO PROFESSOR INSPETOR ESCOLAR ... 51

2.1 Uma deliberação e sua crítica: alterando os jogos de poder envolvidos na função de inspeção ... 56

2.2 O Conselho Estadual de Educação, inspeção escolar e a iniciativa de alterar os rumos da inspeção escolar por meio de uma deliberação ... 61

2.3 A visão do inspetor escolar sobre sua atuação e atribuições...76

2.4 A inspeção escolar pelo olhar dos gestores escolares...82

2.5 Os movimentos de resistência e a tentativa da manutenção das relações de poder ... 85

2.6 a inspeção escolar no estado: as diferentes visões e a fonte da sua identidade ... 88

3 A ATUAÇÃO ORIENTADORA E PARTICIPATIVA DO PROFESSOR INSPETOR ESCOLAR NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA PROPOSTA DE AÇÃO ... 91

3.1 A revisão das atribuições da inspeção escolar no estado do Rio de Janeiro ... ..93

3.2 As ações da inspeção escolar no cotidiano da escola...98

3.3 A função capacitadora da inspeção escolar...102

3.4 Formação continuada dos professores inspetores escolares...104

CONSIDERAÇÕES FINAIS ... 109

REFERÊNCIAS ... 113

APÊNDICE A - ROTEIRO DE ENTREVISTA ... 117

APÊNDICE B - QUESTIONÁRIO DIRETOR DE INSPEÇÃO ESCOLAR, CERTIFICAÇÃO E ACERVO E ... 118

(13)

INTRODUÇÃO

“Aqui você não será autoritária, ok?” Com esta frase fui recebida no meu atual local de trabalho: a Comissão Permanente de Educação da Assembleia Legislativa do estado do Rio de Janeiro. Sou Professora Inspetora escolar da SEEDUC/RJ, ingressante do concurso realizado no ano de 2007, e atuei na Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo (DICA) desde o meu ingresso. Este é o setor responsável pela inspeção escolar em todo o estado do Rio de Janeiro, e abrange três coordenações centrais e 16 regionais, onde estão quatrocentos e sessenta e oito professores inspetores escolares. Minha atuação me permitiu identificar as melhorias advindas do referido concurso, que trouxe para o quadro do estado 500 novos profissionais, bem como os impactos e ações necessárias diante da expansão da inspeção, além das demandas da sociedade pelos serviços prestados pela DICA. Somam-se ainda ao contexto relatado as demandas de outros órgãos oficiais do estado, que atuam com a inspeção na garantia da qualidade e regularidade da oferta educacional, e que necessitam, constantemente, das ações e das informações provenientes do serviço de inspeção para o desempenho de suas funções e para tomadas de decisão.

(14)

apontando para uma ação colaborativa no que se refere ao ato de supervisionar e avaliar. Não estava colocado, no âmbito da lei, o controle a ser exercido pela inspeção, como de fato é feito hoje no estado do Rio de Janeiro.

A avaliação de ações e processos pode se dar em contexto de parceria, no qual os resultados, tomados em seu caráter diagnóstico, apontam para uma tomada de ação do poder público, direcionada à orientação e melhoria dos processos, e não apenas a sanções. A LDB, no inciso IX do artigo 8º, traz consigo uma nova forma de inspeção, colocando-a, inclusive, em termos de “supervisão”, o que amplia os horizontes desta ação e a coloca a serviço da parceria e da busca por uma gestão democrática e autônoma dos estabelecimentos de ensino (BRASIL, 1996).

Entretanto, a ação da inspeção escolar do estado do Rio de Janeiro, voltada para o controle do sistema escolar, é visível, e pode ser observada exemplarmente na diferença entre as ações realizadas em escolas públicas da rede estadual e nas escolas da rede privada do sistema de ensino. O rigor nas ações, verificações e controle de prazo nos estabelecimentos privados é maior do que nos públicos, fato este que pode ser comprovado pelo número de encerramentos de jure1 das escolas particulares, e pela ausência deste procedimento nas escolas públicas. Ora, se todo gestor pode cometer erros, por que mecanismos de controle e sanção extremos são aplicados em um dos segmentos que compõem o sistema estadual de ensino? Não existem irregularidades na rede pública? Todos os prazos são observados e garantidos por esta rede? E a rede privada, é incapaz de seguir as orientações da inspeção escolar?

É fato que no estado do Rio de Janeiro, com o advento da educação na modalidade a distância, uma série de irregularidades foram registradas, como aquelas associadas à comercialização de certificados e diplomas. Nesse contexto, a figura do professor inspetor escolar em muito se converteu numa espécie de policial dentro das escolas da rede privada, presumindo que há sempre culpa em todos os atos. A sua função precípua é de acompanhar, avaliar e orientar as escolas, independentemente de fatos ou circunstâncias que porventura ocorram em determinado contexto histórico e social. É importante ressaltar que de forma alguma desmerecemos a ação que identifica as irregularidades e as pune, dentro do que

1 De jure é uma expressão latina que significa “pela lei”, “pelo direito”. No encerramento de jure, o

(15)

prevê a legislação; apenas apontamos a necessidade de criação de uma visão de supervisão que considere a singularidade de cada escola. Ou seja: não se pode presumir que todas as instituições privadas que oferecem a modalidade a distância, por exemplo, são de fato estabelecimentos que trabalham de forma irregular. O trabalho do professor Inspetor escolar tem que levar em consideração as particularidades de cada escola, e orientá-la, independentemente de pré-julgamentos ou de papéis atribuídos ao inspetor nos diferentes espaços.

Após oito anos (2007-2015) de atuação direta na inspeção escolar, agindo nos mais diversos setores da Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo, fui convidada a integrar a equipe da Comissão Permanente de Educação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), e deste novo local a visão que tive da inspeção tornou-se diferente daquela que tinha no exercício da função de inspetora. Pude vislumbrar novas possibilidades de relação e de atuação das escolas com o Inspetor Escolar. Na Comissão Permanente de Educação, atendemos diariamente a demandas da população, de escolas e demais órgãos que buscam o legislativo para solicitar informações que deveriam estar disponíveis ao público, ou ainda, para solicitar a intervenção na solução de problemas não resolvidos no âmbito da inspeção. Nos dois casos, identifiquei problemas de comunicação que se estabelecem por meio de relações de poder não definidas formalmente, e de uma luta constante em que, de um lado, estão alguns componentes da inspeção – tais como coordenadores e alguns inspetores –, com um perfil mais controlador e, de outro, os usuários diretos dos serviços por ela prestados.

(16)

A inspeção escolar surgiu como uma forma de controle e de tentativa de garantia da qualidade da educação. A história desta função no Brasil pode ser observada desde a educação dos Jesuítas e, principalmente, desde 1799, quando se iniciou a fiscalização das aulas régias, por meio de um serviço de inspeção realizado por um professor de confiança do vice-rei. Em 1906, com a Reforma João Pinheiro, a inspeção escolar era exercida pelos inspetores ambulantes, tendo sido criada, em 1927, a Inspetoria Geral de Instrução Pública, que atuava junto ao Conselho Superior de Instrução. De 1930 a 1961, todos os estabelecimentos de ensino médio e superior estavam sujeitos à inspeção federal. A Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961 (BRASIL, 1961), e a Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971 (BRASIL, 1971), que fixavam as diretrizes e bases da educação nacional, também contemplavam a figura do inspetor escolar, com atuação primordial na fiscalização da regularidade dos processos, registros e cumprimento da legislação e normas vigentes à época.

Observa-se que a história da inspeção escolar é baseada na fiscalização e no controle dos estabelecimentos de ensino, tendo as alterações destas atribuições acompanhado as reformas educacionais. O papel do inspetor escolar tem apresentado mudanças no decorrer dos anos, embora mantenha suas características primárias. Atualmente, a inspeção escolar é uma das funções previstas no artigo 64 da LDB, Lei nº 9.394/96 (BRASIL, 1996), que define as carreiras para a atuação em administração, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional na Educação Básica Brasileira. As suas atribuições estão relacionadas ao funcionamento e à organização das unidades escolares, por meio de uma função de verificação da conformidade legal das escolas e de correção dos desvios dos atos e procedimentos, caracterizando-se como uma função de regulação e controle do sistema de ensino. Neste contexto, os Inspetores exercem as atividades relativas à vigilância, à avaliação externa e à verificação da regularidade dos procedimentos legais. Segundo Medina (2005), o Inspetor deve ser capaz de encontrar na legislação os caminhos apropriados para que se alcance os objetivos educacionais. O Inspetor deve atuar para a melhoria das condições de trabalho nas escolas, tornando mais eficaz e eficiente a atuação de todos os profissionais que compõem a comunidade escolar.

(17)

fusão dos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, em 1975. Este setor da Secretaria de Estado de Educação sempre foi o responsável pelas atividades de acompanhamento e avaliação das unidades escolares públicas e privadas pertencentes ao sistema estadual de ensino, com a intenção de garantir um padrão de qualidade e a regularidade dos processos e registros educacionais, com atividades previstas de caráter mais fiscalizador e de garantia da regularidade de processos e estudos, sem um viés pedagógico.

A partir de 1977, teve início a realização de movimentação interna de servidores para o preenchimento das vagas e atendimento das carências no âmbito da inspeção escolar no estado do Rio de Janeiro. Até o ano de 2007, os professores inspetores escolares da Secretaria de Estado de Educação eram indicados entre os professores efetivos da rede estadual que possuíam a graduação em Pedagogia, ou Pós-Graduação na área de administração ou supervisão/inspeção escolar. Naquele mesmo ano, o procedimento para ocupação do cargo foi alterado, e a SEEDUC/RJ realizou o primeiro concurso público para o cargo de Professor Inspetor Escolar, para o preenchimento de 500 vagas. Com o ingresso dos aprovados no referido concurso, a atuação da Inspeção escolar no estado se expandiu – após um longo tempo com um número reduzido de inspetores no quadro funcional. Esta expansão, aliada a um contexto social voltado para a garantia do direito à educação, previsto no artigo 6º da Constituição (BRASIL, 1988), trouxe de volta ao sistema estadual uma ação mais visível da inspeção escolar, aumentando sua importância no sistema educacional, e, ainda, a sua visibilidade. Este fato pode ser observado com a mudança de estrutura da Secretaria de Estado de Educação: em 2007, ano da realização do concurso, a inspeção escolar era uma coordenação, com equipes de acompanhamento e avaliação regionais. Sete anos depois, na nova estrutura da secretaria, esta passou a ser uma Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo, com três coordenações internas e 16 coordenações regionais. Este fato legitima a importância e o poder conquistados pela inspeção, com o ingresso de novos inspetores, com idades, formações e perfis diferentes dos poucos inspetores que ainda restavam do período anterior ao concurso.

(18)

em que se busca a melhoria constante dos resultados e qualidade, o gestor escolar é o responsável pela efetivação das ações propostas pela comunidade e pelos órgãos superiores, e o inspetor, como mediador entre o legislativo e o executivo, responsabiliza-se, junto aos demais profissionais, com o progresso do processo ensino-aprendizagem. Neste contexto, cabe ao presente trabalho analisar se tais ações são de fato realizadas desta maneira, entendendo primeiramente como é produzida a função de inspetor no sistema estadual de ensino do Rio de Janeiro, por meio de um estudo sobre a construção da função de inspetor, por esse profissional e pelos demais envolvidos no processo, e identificando as relações de poder que permeiam a ação do inspetor nas escolas. Pretende-se analisar, especificamente, a homologação e publicação da Deliberação CEE/RJ nº 357, de 27 de julho de 2016, (RIO DE JANEIRO, 2016b) que retira do professor inspetor escolar do estado do Rio de Janeiro a sua atuação no processo de certificação dos concluintes da educação básica e profissional presencial. Entende-se que esta Deliberação retrata um movimento de diminuição do controle da inspeção que, de alguma forma, vinha ultrapassando os limites previstos na legislação federal.

Tais pontos, até aqui destacados, apontam para a hipótese de que a inspeção escolar do estado do Rio de Janeiro tem sua atuação ainda pautada em pressupostos, discursos e legislações que fundamentam o início da inspeção escolar no país, contrariando em parte o que se entende desta função, desde a redemocratização do país e da nova LDB (BRASIL, 1996).

(19)

Como ponto central da pesquisa, vamos analisar a Deliberação CEE/RJ nº 357/2016 (RIO DE JANEIRO, 2016b) e os motivos que levaram à sua homologação, buscando resposta à pergunta: Por que o órgão legislativo educacional do estado do Rio de Janeiro foi levado a alterar drasticamente a atuação do professor inspetor escolar? Analisaremos ainda as reações dela advindas, analisando seus possíveis impactos e propondo uma nova forma de ser da inspeção no estado do Rio de Janeiro.

Como referencial teórico, utilizaremos a legislação educacional que criou e mantém a função inspeção escolar no país e no estado do Rio de Janeiro e os estudos das relações de poder, por meio dos textos de Michel Foucault e outros autores que tratam da temática. Como metodologia de pesquisa, optamos pela análise dos dispositivos legais que construíram a inspeção escolar no Brasil e que fundamentam a atuação da Inspeção Escolar, no âmbito da Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo, principalmente a Resolução SEEDUC nº 5.160, de 28 de novembro de 2014 (RIO DE JANEIRO, 2014b), que Aprova o Regimento Interno da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, e que em seu corpo dispõe acerca das atribuições desta Diretoria, buscando compreender, ainda, por meio de entrevistas, alguns aspectos da visão que o inspetor tem de si e da sua atuação no sistema educacional, realizando também uma pesquisa relacionada às mudanças na legislação do sistema, que interferiram e impactaram nas relações de poder do inspetor nas escolas. É importante salientar que a retirada da ação verificadora do inspetor na publicação e certificação de concluintes do Ensino Médio e da Educação Profissional de nível médio significa uma grande mudança na atuação da inspeção escolar, e deve ser entendida na sua essência, permitindo identificar o contexto e os caminhos que levaram à significante mudança de ação e consequente perda de poder do inspetor. A análise dessa mudança e seus desdobramentos dar-se-á pela realização de entrevistas com o representante do órgão deliberativo educacional do estado do Rio de Janeiro – CEE/RJ e com o Diretor de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo da SEEDUC/RJ, além da entrevista com cinco inspetores que atuam na inspeção do estado.

(20)
(21)

1 A INSPEÇÃO ESCOLAR

A educação, como conceito, remete ao conjunto de diferentes interações sociais, de processos familiares, ações institucionais assistemáticas e sistemáticas, ou seja, constitui um amplo universo de relações que, por sua natureza, busca ou contribui para a formação pessoal, como define a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em seu artigo 1º:

[...] A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. § 1º Esta Lei disciplina a educação escolar, que se desenvolve, predominantemente, por meio do ensino, em instituições próprias. § 2º A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social (BRASIL, 1996, p.1).

Desta forma, percebemos que as políticas públicas para educação nacional, em sua organização, assumem como referencial a diferença básica entre: educação como conjunto de processos formativos e educação escolar. Essa última, em razão de suas especificidades, será desenvolvida institucionalmente, ou seja, a educação escolar se faz, essencialmente, em instituições escolares.

Verificamos, assim, que a unidade escolar tem sua prática direcionada pela correlação direta de forças definidas que, em uma ação integrada e interdependente, constrói os parâmetros de trabalho, seja na forma de Projeto Político Pedagógico (escola pública) ou Projeto Pedagógico (escola privada). A perspectiva de forças distintas e complementares presentes no dia a dia da escola é uma realidade definida, expressamente, no corpo das políticas educacionais brasileiras, em especial na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

(22)

Desta forma, o presente capítulo pretende analisar se as práticas e os efeitos das relações de poder que permeiam a função impactam na atuação do professor inspetor escolar a partir da história da inspeção escolar no Brasil, buscando entender os pressupostos legais e históricos que desenharam um perfil específico para os inspetores escolares. Em seguida, analisaremos a inspeção escolar no estado do Rio de Janeiro: seu percurso histórico, as mudanças na estrutura na Secretaria de Estado de Educação bem como a ampliação das ações e poder nos estabelecimentos de ensino. Analisaremos ainda o perfil do professor inspetor escolar, construído com base nos dispositivos legais que tratam do tema e ainda nas relações de poder estabelecidas no exercício da função. Por fim, analisaremos a legislação como legitimação do poder do professor inspetor escolar no estado do Rio de Janeiro, fazendo um breve estudo da legislação estadual que atribuiu determinado poder ao inspetor escolar e que agora inicia um processo contrário, de retirar tal poder e devolver uma maior autonomia aos estabelecimentos de ensino.

1.1 A inspeção escolar na educação brasileira

A Inspeção Escolar é uma função que merece especial atenção no cenário da educação brasileira. O trabalho deste profissional vem sendo construído com base em dispositivos legais que evidenciam a produção de uma função fiscalizadora e de controle sobre as escolas. Ao tratar do assunto “inspeção escolar no Brasil”, é possível identificar uma escassez de referências sobre o histórico de formação e a atuação do inspetor escolar no país. Segundo Jesus e Nunes (2011), devido ao caráter burocrático da ação do inspetor, que atua diretamente com a legislação, poucas são as publicações que embasam, teoricamente, o trabalho desse profissional. Segundo as mesmas autoras, ao se trazer o termo inspeção para o campo educacional, percebe-se que, desde o início da presença da inspeção escolar, a sua função tinha um cunho fiscalizador, já visível na Ratio Studiorium2, que reunia as regras de funcionamento das escolas jesuítas e definia as formas de fiscalização. Desta forma, essa função sempre esteve carregada de um viés burocrático, atribuindo ao inspetor uma imagem “assustadora” e indesejável às

2 Ratio Studiorum é uma coletânea privada, cuja finalidade era instruir rapidamente todo jesuíta

(23)

escolas. Porém, além das funções de caráter burocrático, o Inspetor escolar carrega em sua função o caráter pedagógico, uma vez que, para atuar, precisa ser um conhecedor da realidade que o permeia. É necessário ser conhecedor e ter disponibilidade para conhecer o cotidiano de uma escola.

Sob outro ponto de vista, Meneses (1977) dispõe que o inspetor escolar, que tem suas bases profissionais na Administração de Empresas, busca explicação, normalmente, em teorias que analisaram a inspeção com um sentido mais empresarial, com características que apontam para a vigilância sobre pessoas que trabalham como agentes do processo. O autor vê a inspeção escolar como uma atividade tipicamente administrativa, que tem como base as principais correntes da administração. Já Ferreira e Fortunato (2011) defendem que inspeção escolar não é parte do que denominamos administração escolar, mas pertence ao apoio educacional. Enfim, observa-se que não há atualmente um consenso no papel do inspetor: ainda há os que defendam uma inspeção mais voltada para o controle burocrático e administrativo, enquanto outros defendem uma ação com um viés mais pedagógico.

No Brasil, a Inspeção Escolar se consolidou efetivamente durante a Primeira República (1889-1930). Nesta época, a inspeção tinha a atribuição de controlar e fiscalizar as ações dos professores sob o ponto de vista administrativo, interessando-se mais pelo cumprimento das leis de ensino, pelas condições físicas e estruturais dos prédios escolares, pela situação legal dos professores e pela realização de festejos de datas cívicas comemorativas do que pela melhoria do processo ensino-aprendizagem e da prática pedagógica dos docentes. Como se pode observar, a Inspeção Escolar aparece no contexto histórico brasileiro se configurando como a atividade educacional que envolve a avaliação do desenvolvimento do processo educativo na escola em determinadas instâncias.

Desde o seu surgimento na educação brasileira, a Inspeção Escolar remete a aspectos de controle da qualidade da educação, como garantia de efetivação do disposto na legislação e da regularidade dos processos e registros educacionais. Em 1906, com a Reforma João Pinheiro3, a inspeção escolar era exercida pelos

(24)

inspetores ambulantes, tendo sido criada, em 1927, a Inspetoria Geral de Instrução Pública, que atuava junto ao Conselho Superior de Instrução.

O Inspetor Escolar surgiu oficialmente na legislação brasileira a partir do Decreto nº 19.890, de 18 de abril de 1931 (BRASIL, 1931) que dispõe sobre a organização do ensino secundário, e do Decreto nº 21.241, de 04 de abril de 1932 (BRASIL, 1932), que consolida as disposições sobre o ensino secundário e dá outras providências. De acordo com o Decreto nº 19.890/31, em seu artigo 51: “Subordinado ao Departamento Nacional do Ensino, é criado o serviço da inspeção aos estabelecimentos de ensino secundário, sendo seus órgãos, junto àqueles, os inspetores e os inspetores-gerais” (BRASIL, 1931, p.2), embora já figurasse no cenário educacional desde muito antes. Já o Decreto nº 21.241/32 (BRASIL, 1932) apresenta mais detalhes acerca do serviço de Inspeção, não só sobre questões técnicas, mas, principalmente, dispõe sobre questões moralistas atribuídas à figura do inspetor, características da época.

No Decreto 19.890/1931, Lei Francisco Campos, já estavam previstas um conjunto das atividades a serem desempenhadas pelo Inspetor Escolar. Em seus artigos 51, 53 e 54, o referido decreto explicita tais funções:

Art. 51 Subordinado ao Departamento Nacional do Ensino é criado o serviço da inspeção aos estabelecimentos de ensino secundário, sendo seus órgãos, junto àqueles, os inspetores e os inspetores-gerais.

[...]

Art. 53. A inspeção permanente em cada distrito será exercida pelos inspetores e caberá aos inspetores-gerais a incumbência de percorrer os distritos não só fiscalizar a marcha dos serviços, como para solucionar divergências suscitadas entre os inspetores e os dirigentes dos estabelecimentos de ensino.

Art. 54. Incumbe à inspeção velar pela fiel observância das disposições deste Decreto, que forem aplicáveis aos estabelecimentos de ensino sob o regime de inspeção preliminar ou permanente bem como das disposições dos respectivos regulamentos (BRASIL, 1931, p. 5.).

Os artigos subsequentes do referido decreto tratavam ainda das incumbências do profissional nas escolas regulares:

(25)

modificar as questões a serem propostas; d) assistir às provas finais, sendo-lhe facultado arguir e atribuir nota ao examinando.

Parágrafo único. Dos trabalhos a que se refere este artigo, bem como do julgamento das provas parciais, mencionado no art. 37, deverá ser feito registro em livros adequados, de acordo com o estabelecido no regimento interno do Departamento Nacional do Ensino.

Art. 57. Aos inspetores da secção C compete ainda fiscalizar os exercícios de educação física e as aulas de música, bem como verificar as condições das instalações materiais e didáticos do estabelecimento (BRASIL, 1931, p.5).

Nesta perspectiva, podemos compreender que o inspetor deveria, por meio de visitas frequentes, conhecer todo o trabalho da escola, o que lhe conferia claros poderes sobre a prática docente, incluindo-se a aplicação de avaliações e a atribuição de notas aos estudantes. Fica claro o poder determinante deste profissional no espaço escolar, uma vez que, suas ações sobressaiam-se às ações dos próprios docentes regentes, que desenvolviam os trabalhos em sala de aula. Estas atribuições deram a ele um poder fiscalizador e controlador dentro dos espaços educacionais, refletido, de certa forma, até os dias de hoje.

Durante o período denominado “Era Vargas” (1930-1945), a atuação da Inspeção Escolar seguiu rigorosa, atuando para contribuir para o desenvolvimento do projeto de nacionalização, por meio do controle das práticas pedagógicas nas escolas, com o intuito de evitar as ideias contrárias ao projeto. Assim como todo o país, a escola estava sob constante vigilância.

A Lei 4.024, de 20 de dezembro de 1961, reafirmou a necessidade do apoio administrativo para os estabelecimentos de ensino, por meio da figura do inspetor escolar, conforme dispõem seus artigos 16 e 65:

Art.16. É da competência dos Estados e do Distrito Federal autorizar o funcionamento dos estabelecimentos de ensino primário e médio, não pertencentes à União, bem como reconhecê-los e inspecioná-los:

[...]

Art. 65. O inspetor de ensino, escolhido por concurso público de títulos e provas [...] deve possuir conhecimentos técnicos e pedagógicos demonstrados de preferência no exercício de funções de magistério de auxiliar de administração escolar ou na direção de estabelecimento de ensino (BRASIL, 1961, p. 6).

Já a Lei 5.692/1971 trata deste profissional apenas no que tange à sua formação, em seu artigo 33:

(26)

curso superior de graduação, com duração plena ou curta, ou de pós-graduação (BRASIL, 1971, p.4).

E trata ainda da função fiscalizadora do Estado, precípua do inspetor escolar, no seu artigo 45:

As instituições de ensino mantidas pela iniciativa particular merecerão amparo técnico e financeiro do Poder Público, quando suas condições de funcionamento forem julgadas satisfatórias pelos órgãos de fiscalização, e a suplementação de seus recursos se revelar mais econômica para o atendimento do objetivo (BRASIL, 1971, p.6).

A Constituição Federal, promulgada em 1988 prevê, no inciso VII do seu artigo 205, que trata dos princípios que regem a educação brasileira, a garantia de padrão de qualidade (BRASIL, 1988). Desta forma, a busca contínua pela qualidade da educação ofertada em nosso país, como garantia da efetivação do direito constitucional, tem sido presente nas políticas públicas atuais. A legislação vigente prevê uma série de profissionais e funções, que devem atuar em conjunto, de maneira a promover atividades de planejamento, apoio, suporte e controle das ações educacionais implantadas e desenvolvidas nas escolas. O inciso IV do artigo 10 da LDB dispõe que, cabe aos estados: “[...] autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar, respectivamente, os cursos das instituições de educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino” (BRASIL, 1996, p.4).

O Estado, nesta perspectiva, tem responsabilidade na efetivação do trabalho das instituições de ensino e comunidade escolar pertencentes ao seu sistema, atuando nas diversas áreas da gestão escolar e da prática pedagógica, e, neste contexto, está inserida a inspeção escolar, com atribuição principal de verificar a regularidade da oferta educacional, de acordo com o que dispõe a legislação afeta à área. Dentro destas atribuições, cabe ao inspetor escolar verificar o cumprimento das leis e dos regulamentos educacionais, razão que atribui à função do Inspetor, dentro do espaço institucional, um aspecto mais burocrático e fiscalizador.

(27)

de 1980, o papel deste profissional da educação foi revisto. Passou a contemplar uma ação mais voltada para a cooperação e para a garantia da qualidade da educação, com a prestação de um serviço de utilidade pública que tem como objetivo o atendimento regular das demandas educacionais da sociedade, embora o inspetor escolar ainda seja voltado para as funções técnico-administrativas da escola, uma vez que é sua atribuição verificar normas, documentos e registros escolares. Segundo Meneses (1977), essa seria uma atuação de aspecto positivo, pois tem um caráter de orientação e aperfeiçoamento dos profissionais que trabalham nos ambientes educacionais.

1.2 A inspeção escolar no estado do Rio de Janeiro

A trajetória da Inspeção Escolar, seus aspectos e elementos abrem uma série de questões pertinentes ao processo de acompanhamento do ensino, tanto público quanto privado, e ao assessoramento à gestão educacional na orientação do cumprimento das políticas públicas educacionais. Tendo em vista a história da inspeção escolar no Brasil e a atribuição dos sistemas de ensino no acompanhamento e avaliação das instituições que o compõem, Costa (2009) afirma que:

A presença do Inspetor Escolar aparece em grande número de sistemas escolares. No Brasil, os antigos inspetores seccionais do sistema federal de ensino passaram a atuar nas Delegacias e Representações do Ministério da Educação e Cultura com a denominação de especialistas em educação ou técnicos de educação. Em alguns Estados, os inspetores efetivos passaram a atuar no caráter de Supervisor Pedagógico. Com o desenvolvimento dos estudos pedagógicos e administrativos, os protótipos dos antigos Inspetores Escolares preocupados com a aplicabilidade de sanções pelos desrespeitos às normas foram, paulatinamente, repelidos (COSTA, 2009, p.18).

(28)

com características singulares, diferentes de outros estados, e semelhantes às funções atribuídas ao profissional no início da inspeção na história da educação brasileira.Nesta perspectiva, o estado do Rio de Janeiro prevê a figura do Professor Inspetor Escolar em sua legislação e em seu regimento interno, sendo esta função prevista em lei estadual desde 1977, ano no qual foi realizado o primeiro concurso interno de movimentação de pessoas para as funções de inspeção. Anteriormente ao referido concurso, todos os profissionais que atuavam na função eram indicados por autoridades políticas e chefias regionais, exigindo-se apenas que compusessem o quadro do magistério público, e que possuíssem formação específica.

Nesse sentido, na década de 1990 o estado contava com 2.500 inspetores escolares. Após um movimento de esvaziamento do quadro, reflexo de aposentadorias, movimentações internas e exonerações a pedido, houve uma drástica redução nesse quantitativo. Em 2000, o estado do Rio de Janeiro contava com apenas 25 inspetores. Foi neste cenário que, no ano de 2007, foi realizado o primeiro concurso público para provimento do cargo de Professor Inspetor Escolar, com o objetivo de resolver problemas que afetavam a qualidade do sistema educacional do estado, como: escolas públicas e privadas funcionando sem o devido ato autorizativo, emissão indevida e irregular de certificados e diplomas e o acúmulo e solicitações de documentos de escolas extintas, sem a devida resposta do poder público. Atravessava-se um momento de fragilidade na inspeção escolar, tendo-se em vista o reduzido número de Professores Inspetores, e a consequente descaracterização da atuação dos referidos profissionais.

(29)

estado do Rio de Janeiro tem sua atuação fundamentada no artigo 206, inciso VII da Constituição Federal e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, artigo 17, inciso III, uma vez que a atuam no sentido de assegurar os padrões de qualidade por meio das ações de acompanhamento e avaliação das unidades pertencentes ao sistema estadual de ensino e ainda, à Lei Estadual nº 4.528, de 28 de março de 2005, que, em seu artigo 14, define a inspeção escolar como

[...] órgão próprio da Secretaria de Estado de Educação, ao qual compete credenciar, autorizar o funcionamento, supervisionar e avaliar as instituições escolares de educação básica e educação profissional (RIO DE JANEIRO, 2005, p.3).

Segundo a Lei nº 4.528/2005, que estabelece as diretrizes para a organização do sistema de ensino do estado do Rio de Janeiro, este é:

[...] constituído pelo conjunto de estabelecimentos PÚBLICOS E PRIVADOS que oferecem os diferentes níveis e modalidades de ensino e demais órgãos encarregados da normatização, supervisão e avaliação das instituições educacionais de competência do Estado.

§ 1º - O sistema é formado pela rede pública de educação integrada pelos Órgãos e Instituições das Secretarias de Estado que oferecem qualquer nível ou modalidade de educação e pela rede privada de escolas que ofereçam os níveis de ensino de competência do sistema estadual (RIO DE JANEIRO, 2005, p.1).

O Sistema Estadual do Rio de Janeiro atualmente é composto por 5.540 unidades escolares ativas, sendo 1.340 públicas estaduais e 4.200 privadas, que ministram Educação Básica; e ainda, 2.973 unidades escolares extintas.

Em 2014, o Decreto nº 44.611, de 18 de fevereiro de 2014 (RIO DE JANEIRO, 2014a) ao reestruturar a Secretaria de Estado de Educação, cria a Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo, as Coordenações de Inspeção Escolar, de Escolas Extintas e de Certificação, todas no órgão central, e transforma as Equipes de Acompanhamento e Avaliação em Coordenações Regionais de Inspeção Escolar;

O estado do Rio de Janeiro, nos termos da legislação vigente, prevê em sua estrutura a Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo que, de acordo com o artigo nº 43 do Regimento Interno da SEEDUC/RJ, é:

(30)

de escrituração e certificação, bem como custódia e gestão do acervo de escolas extintas (RIO DE JANEIRO, 2014a, s.p.).

A DICA é a responsável pelo acompanhamento das ações das Coordenações Centrais e Regionais de Inspeção Escolar e por prestar contas à Superintendência das Regionais Administrativas da SEEDUC/RJ. Esta Diretoria atua junto às escolas da rede pública estadual e privada e ainda com a gestão e emissão dos documentos das unidades escolares extintas. Por meio dos seus professores inspetores escolares distribuídos nas três Coordenações Centrais e nas 16 Coordenações Regionais4, são realizados o acompanhamento e a avaliação de 5.540 unidades escolares do sistema estadual de ensino do Rio de Janeiro, bem como do acervo das unidades escolares já extintas. O trabalho realizado por esta Diretoria produz dados referentes à autorização, funcionamento e encerramento das instituições de ensino, informações estas de interesse público, sendo necessária a melhoria do fluxo das informações geradas pela atuação da inspeção e a divulgação sistemática destas, tendo em vista o atendimento ao que dispõe a Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011 (BRASIL, 2011).

Nesta perspectiva, a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro possui em sua estrutura um órgão responsável pelo atendimento ao disposto no inciso IV do artigo 10º da LDB, que prevê: “[...] autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar, respectivamente, os cursos das instituições de educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino” (BRASIL, 1996, p.3). Este órgão faz a gestão das Coordenações Regionais de Inspeção que, por sua vez, realizam, in loco, o acompanhamento e avaliação das unidades escolares do sistema, atendendo às solicitações de autorização e de encerramento das unidades escolares, bem como de toda a regularidade dos estudos realizados nestas.

(31)

1.3 A função do professor inspetor escolar no estado do Rio de Janeiro

No site da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, a inspeção escolar é definida da seguinte forma:

Inspeção é o “ATO DE OLHAR. Exame minucioso para se conhecer qualidade ou estado; encargo de superintender, vistoriar, dar parecer sobre certos assuntos”

A inspeção escolar nasce assim, com a responsabilidade de ser o olhar que acompanha e orienta o cotidiano da escola. É na escola que a inspeção acontece, acompanhando a história de cada instituição de ensino desde seu nascimento através do processo de autorização, por toda sua história durante as ações de acompanhamento e avaliação e, ao seu final, através da guarda segura do acervo, perpetua a história de cada unidade escolar (RIO DE JANEIRO, 2016a, s.p.).

Ao analisar a forma como a inspeção escolar se apresenta à sociedade, fica clara a forma como ela mesma se vê no contexto educacional do sistema estadual de educação do Rio de Janeiro. A construção da função do inspetor no estado se materializa, neste texto, quando ao inspetor são atribuídas diversas ações, entre elas, a de “examinar” a escola, de forma minuciosa: uma espécie de guardiã das escolas que compõem o sistema, sendo a “responsável” pelo seu funcionamento desde o início, até e após o seu encerramento, com a guarda e emissão dos documentos. Detêm-se da afirmação que as escolas não existiriam sem a atuação da inspeção escolar. Nesta perspectiva, Michel Foucault, que trata da questão do exame e da verificação, analisando seus componentes, dispõe:

O exame combina as técnicas da hierarquia que vigia e as da sanção que normaliza. É um controle normalizante, uma vigilância que permite qualificar, classificar e punir. Estabelece sobre os indivíduos uma visibilidade através da qual eles são diferenciados e sancionados. É por isso que, em todos os dispositivos de disciplina, o exame é altamente ritualizado. Nele vêm-se reunir a cerimônia do poder e a forma da experiência, a demonstração da força e o estabelecimento da verdade. No coração dos processos de disciplina, ele manifesta a sujeição dos que são percebidos como objetos e a objetivação dos que se sujeitam. A superposição das relações de poder e das de saber assume no exame todo o seu brilho visível (FOUCAULT, 1987, p. 209).

(32)

legitimação dos ritos, ações especificamente definidas em leis e programas de trabalho, e pelas relações de poder estabelecidas por meio de tais ações.

O comportamento de Foucault quanto aos discursos é também particularmente valioso nessa análise. Diz ele: “Estudei alternadamente conjunto de discursos; caracterizei-os; defini os jogos de regras, de transformações, de limiares, de remanências; eu os compus entre eles, descrevi os feixes de relações” (FOUCAULT, 2010a, p. 5). O próprio discurso da inspeção, legitimado pela SEEDUC/RJ em seu sítio eletrônico, tem também, então, suas regras: define o que é a inspeção no contexto educacional do estado do Rio de Janeiro, atribuindo-lhe, funções, atribuições e poderes que até mesmo ultrapassam dispositivos legais, legitimando por meio do discurso seus poderes, ações, estratégias e atuações nas escolas. Ou seja: é o próprio testemunho oficial que produz, em larga medida, sujeitos e subjetividades dotadas de significações políticas, no quadro das interações. Sendo assim, a produção de sujeitos políticos se insere em uma tensão irredutível entre subjetividade e assujeitamento.

Os inspetores escolares lotados nas Coordenações Regionais e Centrais de Inspeção Escolar têm como função precípua zelar pelo bom funcionamento das instituições do sistema estadual de ensino do Rio de Janeiro, à luz da legislação vigente e das diretrizes da Secretaria de Estado de Educação. A Portaria Normativa E/COIE.nº 03/2001 foi o primeiro documento que, de fato, fixava e detalhava as funções deste profissional, e vigeu até o ano de 2014, determinando as responsabilidades destes profissionais dentro do sistema de ensino do estado, a saber:

A ação do Inspetor Escolar dar-se-á, prioritariamente, de modo preventivo e sob a forma de orientação, visando evitar desvios que possam comprometer a regularidade dos estudos dos alunos e a eficácia do processo educacional (RIO DE JANEIRO, 2001, s.p.).

Dispunha ainda, em seu artigo 2º:

É função precípua do Inspetor Escolar zelar pelo bom funcionamento das instituições vinculadas ao sistema estadual de ensino – público e particular – avaliando-as, permanentemente, sob o ponto de vista educacional e institucional e verificando:

(33)

b) a organização da escrituração e do arquivo escolar, de forma que fiquem asseguradas a autenticidade e a regularidade dos estudos e da vida escolar dos alunos.

c) o fiel cumprimento das normas regimentais fixadas pelo estabelecimento de ensino, desde que estejam em consonância com a legislação em vigor. d) a observância dos princípios estabelecidos na proposta pedagógica da instituição, os quais devem atender à legislação vigente.

e) o cumprimento das normas legais da educação nacional e das emanadas do Conselho Estadual de Educação – RJ (RIO DE JANEIRO, 2001, s.p.).

E em seu artigo 3º:

Art. 3.º – São ainda atribuições específicas do Inspetor Escolar, além do acompanhamento contínuo às unidades de ensino:

a) integrar comissões de autorização de funcionamento de instituições de ensino e/ou de cursos; de verificação de eventuais irregularidades, ocorridas em unidades escolares; de recolhimento de arquivo de escola com atividades encerradas, ou comissões especiais determinadas pela Coordenadoria de Inspeção Escolar.

b) manter fluxo horizontal e vertical de informações, possibilitando a realimentação do Sistema Estadual de Educação, bem como sua avaliação pela Secretaria de Estado de Educação.

c) declarar a autenticidade, ou não, de documentos escolares de alunos, sempre que solicitado por órgãos e/ou instituições diversas. d) divulgar matéria de interesse relativo à área educacional (RIO DE JANEIRO, 2001, s.p.)

Nesta Portaria, emitida pelo órgão gestor da Inspeção Escolar no estado do Rio de Janeiro, observa-se que, apesar de o inspetor possuir um papel fiscalizador, lhe era atribuído um perfil de orientador dos estabelecimentos de ensino que compunham o sistema educacional do estado. Perfil então voltado para orientação, e preventivo de ações irregulares, cabendo aos profissionais ações voltadas para fiscalização, autorização e até mesmo definição de punições, quando coubessem.

(34)

Figura 1 - Organograma DICA

Fonte: Rio de Janeiro, 2016a.

(35)

Art. 44-Constituem competências regimentais comuns às unidades integrantes da estrutura administrativa da Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo e suas respectivas subdivisões:

I-assessorar os órgãos e/ou setores da estrutura básica da Secretaria de Estado de Educação nos assuntos de sua área de atuação e ainda, sempre que demandada oficialmente, de outros órgãos e/ou setores da Administração Pública.

II-planejar, coordenar, gerir, orientar, controlar e avaliar as ações das unidades que lhe são subordinadas.

III-gerenciar a equipe multifuncional que integra a dinâmica de trabalho da Coordenação, organizando os processos de trabalho, ações integradas e controles funcionais.

IV-articular-se, preferencialmente sob a forma de reuniões regulares, com outros órgãos/setores centrais e regionais da estrutura básica da Secretaria de Estado de Educação para o desenvolvimento de ações de sua área de atuação.

V-preparar e examinar documentos e pareceres técnicos a serem assinados ou despachados por superior hierárquico imediato, relativos a assuntos de sua competência.

VI-elaborar e propor o planejamento anual e plurianual das atividades a serem desenvolvidas em sua área de atuação.

VII-elaborar relatórios gerenciais de execução e avaliação das atividades desenvolvidas nos termos definidos pela Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo.

VIII-propor, sempre que necessário e de maneira justificada, alterações estruturais e racionalização de rotinas, métodos e processos para a melhoria da execução das atividades institucionais.

IX-elaborar propostas ou minutas de manuais de serviço e normas de funcionamento das unidades que lhes são subordinadas, conforme o caso, e propor à autoridade superior a aprovação das mesmas após prévia apreciação pelo órgão de assessoramento jurídico da administração.

X-manter em arquivo publicações oficiais, documentos institucionais e correspondências expedidas e recebidas.

XI-dimensionar, periodicamente, a necessidade de recursos humanos e materiais necessários ao desenvolvimento de suas atribuições.

XII-propor e desenvolver capacitação continuada e o aperfeiçoamento dos servidores em exercício nas unidades que lhe são subordinadas, segundo as especificidades regionais.

XIII-expedir ordens de serviço pertinentes a sua área de atuação, em especial nos procedimentos operacionais referentes ao acompanhamento e avaliação das instituições de ensino, relacionados a processos de autorização/encerramento de curso e/ou regularização de oferta de educação formal, de procedimentos de certificação e autenticação documental e apuração de denúncias.

XIV-atender interessados ou representantes legalmente constituídos em processos, prestando informações a eles relativas.

XV-submeter ao superior hierárquico propostas de instrumentos de orientação técnica, em sua esfera de ação, para o atendimento a demandas gerais ou regionais.

XVI-organizar e coordenar, sob a forma de plantão e reuniões, conforme o caso específico, períodos regulares reservados a estudos, planejamento e avaliação, incluídos na carga de trabalho.

XVII-exercer outras atividades compatíveis com as suas áreas de competência ou que lhe sejam atribuídas ou delegadas por ato do Secretário de Estado de Educação ou da Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo (RIO DE JANEIRO, 2014b, p. 26).

(36)

Art. 48-Constituem competências regimentais das Coordenações Regionais de Inspeção Escolar, integrantes da estrutura administrativa da Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo:

I- Do Acompanhamento e Avaliação:

a) Determinar, gerir e coordenar a execução dos processos de acompanhamento e avaliação e inspeção regulares ou especiais, nos termos definidos pela legislação em vigor, nas instituições educacionais do Sistema de Ensino do Estado do Rio de Janeiro.

b) Prestar assessoria técnica legislativa, preferencialmente na forma de oitiva, às Diretorias Regionais Pedagógicas e Administrativas, bem como às direções das instituições de ensino, no que tange a interpretação e aplicabilidade da legislação em vigor.

c) Divulgar, orientar, coordenar, acompanhar, controlar e avaliar a aplicação da legislação educacional específica no Sistema de Ensino do Estado do Rio de Janeiro junto às instituições de ensino integrantes do Sistema de Ensino do Estado do Rio de Janeiro.

d) Elaborar, mensalmente, relatórios gerenciais nos termos definidos pela legislação em vigor e submetê-los à Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo.

II- Dos processos de Autorização de Funcionamento:

a) Coordenar, gerir e orientar os procedimentos relativos à instrução e diligência dos processos de autorização de cursos, de cadastramento, regularização de oferta, suspensão temporária de atividades e encerramento de curso ou de atividades.

b) Cientificar os representantes legais dos pareceres referentes ao funcionamento da instituição de ensino ou de seus cursos.

c) Manter atualizadas, no Cadastro das Instituições Educacionais Autorizadas e Regulares hospedado no sítio eletrônico da Secretaria de Estado de Educação, as informações pertinentes à situação de regularidade, funcionamento e oferta de ensino das instituições de ensino situadas no espaço de sua respectiva região administrativa.

III- Da apuração de denúncias:

a) Receber denúncias e reclamações referentes à oferta de Educação Básica em instituições educacionais integrantes do Sistema de Ensino do Estado do Rio de Janeiro.

b) Coordenar, gerir e orientar os procedimentos relativos à instrução e diligência dos procedimentos de apuração e denúncias, por equipe distinta da que realiza o acompanhamento da instituição.

c) Cientificar o interessado do resultado da apuração.

d) Encaminhar relatório referente à apuração de denúncias para a Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo quando se tratar de instituição privada de ensino e, para as Diretorias Regionais Administrativa e Pedagógica, com cópia para a Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo, quando se tratar de instituição pública estadual.

e) Propor, dentro da legislação em vigor, medidas de responsabilização e saneamento da problemática encontrada nos casos em que a denúncia proceder.

IV- Da Escrituração, Certificação e Autenticação de Documentos Escolares: a) Coordenar, gerir e orientar os procedimentos relativos à escrituração escolar, zelando pela legalidade, conformidade e organização da escrituração e do arquivo escolar, de forma que fiquem asseguradas a autenticidade e a regularidade dos estudos e da vida escolar dos alunos. b) Responsabilizar-se pela gestão dos procedimentos e prazos referentes à publicação, em Diário Oficial, das relações de concluintes das instituições públicas estaduais privadas de ensino.

c) Enviar, após expressa autorização da equipe de inspeção designada para esse fim, matéria à Imprensa Oficial.

(37)

ainda, com resposta ao interessado, seja no corpo do próprio processo ou de ofício, conforme a solicitação específica.

V- Da habilitação docente e funcional:

a) Coordenar e orientar, em conjunto com a Coordenação Regional de Gestão de Pessoas, os procedimentos relativos à análise documental no caso de posse de servidores da educação.

b) Coordenar e orientar, em conjunto com a Coordenação Regional de Gestão de Pessoas, os procedimentos relativos à análise documental de docentes destinados a provimento de cargo público, aproveitamento, contratação e, ainda, outras formas de organização legítimas adotadas pelos órgãos competentes.

c) Propor à Coordenação Regional de Gestão de Pessoas dinâmicas e formas de organização dos procedimentos de análise documental, segundo as características específicas da região.

VI- Das Escolas Extintas:

a) Coordenar e orientar os procedimentos relativos à instrução e diligência dos processos de recolhimento de acervo de escolas formalmente extintas ou, ainda, em casos excepcionais onde o acervo encontra-se em risco. b) Manter sob sua guarda, organizado e seguro, o acervo escolar das instituições educacionais extintas.

c) Submeter à Coordenação de Escolas Extintas, minutas de pronunciamentos referentes às escolas em processo de extinção, nos termos da legislação em vigor.

d) Coordenar e orientar os procedimentos relativos à instrução, análise, regularização, publicação, expedição e registro da documentação escolar dos alunos das instituições educacionais extintas.

e) A gestão dos processos e procedimentos referentes a escolas extintas será, preferencialmente, exercida pelo assistente da Coordenação Regional de Inspeção Escolar (RIO DE JANEIRO, 2014b, p.28-29)

Neste contexto, a atribuição fundamental do Professor Inspetor Escolar é agir de forma preventiva, orientando e verificando a regularidade dos processos educacionais, no intuito de evitar desvios que possam comprometer os estudos realizados e a eficácia dos referidos processos educacionais. Este profissional atua junto às unidades escolares do Ensino Fundamental e Médio, a fim de acompanhar seus processos de autorização e de funcionamento, atendendo todo corpo dirigente, administrativo, docente e discente. O Inspetor deve exercer o papel de elo entre as normas emanadas da Legislação em vigor e as atividades desenvolvidas pelas instituições de ensino do sistema estadual de educação.

(38)

dúvidas em relação à atuação do inspetor, tendo em vista a dicotomia inspetor versus supervisor, o primeiro com um caráter mais legalista e regulatório e o segundo com um caráter mais pedagógico e educacional. Embora as diferenças de função não estivessem tão claras para os profissionais e para as escolas, o estado do Rio de Janeiro, por meio da Resolução SEEDUC nº 5.160/2014 atribui ao inspetor escolar, no âmbito de sua SEEDUC, funções regulatórias, voltadas para verificação do cumprimento da legislação educacional, retirando deste profissional qualquer viés pedagógico:

É nesta perspectiva de atuação que o professor inspetor escolar do estado do Rio de Janeiro atua e produz as informações necessárias para o controle legal das instituições de ensino que compõem o sistema estadual. Desta forma, os problemas no fluxo e a ausência de uma sistematização das informações geradas prejudicam o trabalho da inspeção e o controle do funcionamento dos sistemas de ensino, controle este esperado e atribuído à inspeção escolar (RIO DE JANEIRO, 2014b, p. 26).

Nesta perspectiva, observamos que, após o ingresso dos novos professores inspetores escolares na rede da Secretaria de Estado de Educação, houve um movimento de ampliação de ações e poder do inspetor, voltando suas ações para ações mais fiscalizatórias, e impondo relações de poder entre os profissionais da inspeção escolar e as escolas que compõem o sistema estadual de ensino do Rio de Janeiro. Tal movimento, realizado pela legislação, pode ser identificado a partir da ampliação das ações da inspeção escolar no Rio de Janeiro, conforme demonstra o Quadro 1, a seguir.

Quadro 1 - Comparativo da situação de Inspeção Escolar RJ antes e após o concurso

Processo Antes do Concurso de 2007 Após o concurso de 2007

Procedimentos de acompanhamento e avaliação

Ausência de procedimentos específicos de acompanhamento e de avaliação, sendo a inspeção realizada conforme a prática de cada profissional.

Adoção de procedimentos operacionais padrão para acompanhamento e avaliação de todas as unidades escolares do sistema estadual

Autorização de Funcionamento das instituições de ensino

Grande quantidade de instituições de Ensino públicas e privadas funcionando sem autorização.

Desenvolvimento de ações estratégicas para regularização das unidades escolares sem autorização de funcionamento, dentro dos prazos previstos em lei.

Processos para Certificação de estudantes

Emissão de documentos escolares, sem a devida realização e conclusão dos estudos, configurando irregularidades na oferta da educação no estado do

(39)

Rio de Janeiro. do Estado do Rio de Janeiro, diminuindo, assim, o número de ações judiciais contra a SEEDUC/RJ.

Habilitação dos Professores lotados nos estabelecimentos de ensino do sistema

Grande quantidade de professores sem habilitação atuando nas escolas.

Definição de programas de trabalho voltados para a conferência da habilitação dos docentes alocados nas unidades de ensino do sistema estadual, tanto no momento da autorização quanto durante as atividades de acompanhamento e avaliação da instituição de ensino. Acervo de escolas

extintas

Ausência de procedimentos arquivísticos, o que impossibilitava a pesquisa aos registros educacionais e causava prejuízos aos requerentes que, muitas vezes, não tinham acesso aos seus documentos escolares.

Contratação de empresa terceirizada, responsável pela organização e digitalização do acervo das escolas extintas.

Prazo para emissão de documentos de conclusão - Certificação

Atraso na emissão de documentos. Criação de Programa de Trabalho e desenvolvimento de ações especiais voltadas para a regularização da certificação dos estudantes, bem como verificação contínua acerca do cumprimento dos prazos previstos na legislação vigente.

Legislação

Educacional Legislações desatualizadas e que dificultavam o estaduais cumprimento das atribuições do Professor Inspetor Escolar.

Proposição de criação de novas Deliberações CEE e Resoluções SEEDUC, voltadas para a atualização e melhoria da atuação da Inspeção Escolar.

Normatização nas ações dos inspetores

escolares.

Ausência de normatização nas ações dos inspetores escolares, restando a cada profissional a definição da forma de trabalho junto às escolas do sistema.

Adoção de Programas de Trabalho, normatizando e unificando a ação da Inspeção Escolar em todo o estado.

Registro e procedimentos para atendimento à população

Ausência de procedimentos de registro no atendimento à população.

Adoção de um modelo de atendimento e registro de atendimento à população único para todas as regionais.

Infraestrutura de trabalho das Coordenações Regionais

Coordenações Regionais funcionando sem infraestrutura de trabalho adequada.

Criação de Infraestrutura local padronizada para todas as regionais.

Fonte: Rio de Janeiro, 2014a.

Figure

Updating...

References

Updating...

Download now (119 pages)