UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA N° de ordem: MET-UFAL-MS102

0
0
144
2 months ago
Preview
Full text

DEDICATÓRIA

  Dedico este trabalho a toda minha família, Principalmente a minha mãe, irmã e noiva,nessa mesma ordem, Luiza Izabel, Amanda e Leila de Carvalho, por estarem semprepresente me apoiando em todos os momentos. Também o dedico a todo o corpo docente do ICAT por me instruir e aconselhar durante essa longa jornada que foi o curso, emespecial aos professores e orientadores: Natalia Fedorova e Vladimir Levit.

AGRADECIMENTOS

  Um obrigado especial aos professores Natalia e Vladimir por toda paciência e atenção dedicada a mim, a presença de ambos foi essencial para que eu pudesse me tornar umprofissional competente. Ao professor Marcelo Barbio Rosa do Centro de Previsão de Tempo e Clima (CPTEC), por toda dedicação e ajuda com o modelo PAFOG.

RESUMO

  A névoa seca raramente reduz a visibilidade para menos de 5km e os principais motivos são o período de atuação (à tarde) e ventos mais fortes (acima de 3m/s). O perfil de temperatura típico para eventos de nevoeiro pelo WRF mostrou: 1) uma inversão de temperatura desde a superfície até 166m(985hPa); 2) camada úmida (T-Td entre 0,3°C e 1,6°C) até o topo da inversão; 3) existência de instabilidade condicional acima da camada de inversão entre 985-860hPa; 4) uma camadamais seca e estável acima de 860hPa.

ABSTRACT

  A great portion of the visibilities between 1-3km (88%) were associated to rain occurrence. The typical temperature profile for fog events by WRF showed: 1) a temperature inversion from surface up to 166m (985hPa); 2) humid layer (T-Td between 0,3°C and 1,6°C)up to the top of inversion; 3) existence of conditional instability above the inversion layer between 985-860hPa; 4) a drier and stable layer above 860hPa.

LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 – Ilustração dos processos fundamentais para formação de seis tipos de nevoeiros

  Fonte: LC (NCEP/DOE II); T2m (ECMWF); TSM média diária (NESDIS).91 Figura 4.34 – Linhas de corrente em 500hPa e índice LI (Lifted Index) (esquerda) e linhas de corrente e magnitude do vento em 200hPa (direita) para o dia 31 de Maio às 06UTC (a-b), dia 1 de Junho às 12UTC (c-d) e dia 2 de Junho de 2004 às 06UTC (e-f). Fonte: LC (NCEP/DOE II); T2m (ECMWF); TSM média diária (NESDIS).99 Figura 4.41 – Linhas de corrente em 500hPa e índice LI (Lifted Index) (esquerda) e linhas de corrente e magnitude do vento em 200hPa (direita) para o dia 19 de Maio às 06UTC (a-b), dia 20 de Maio às 12UTC (c-d) e dia 21 de Maio de 2005 à 00UTC (e-f).

LISTA DE TABELAS

  O período do ano em que a circulação de brisa marítima é mais forte e a capacidade de penetrar o continente dependem de vários fatores, incluindo a forma da costa e a direçãopredominante do vento, a topografia da região costeira, a temperatura da superfície do mar costeira e os gradientes de TSM, temperatura da superfície terrestre, etc. Figura 4.55 – Linhas de corrente em 500hPa e índice LI (Lifted Index) (esquerda) e linhas de corrente e magnitude do vento em 200hPa (direita) para o dia 24 de Julho às 06UTC (a-b), dia 25 de Julho às 12UTC (c-d) e dia 26 de Julho de 2007 às 06UTC (e-f).

Thoma, C.; Schneider, W.; Masbou, M.; Bott, A. Integration of local observations into the one dimensional fog model PAFOG. Pure and Applied Geophysics. 2011

  Geofisica pura e applicata. A radiation scheme for circulation and climate models.

APÊNDICE A

  Continua Quadro 1 QUADRO 1 – Estado atmosférico entre 1000 e 800hPa dos dados de perfil vertical simulado (WRF) e de radiossonda (Recife), às 12UTC do dia anterior ao evento nevoeiro. 5,86E-4 (-5,59E-3)1000-888hPa 127-1160m 8,29E-3 (1,59E-3)850-801hPa 1547-2045m QUADRO 1 – Estado atmosférico entre 1000 e 800hPa dos dados de perfil vertical simulado (WRF) e de radiossonda (Recife), às 12UTC do dia anterior aoevento nevoeiro.

ANEXO B

Fonte: Portal R7 <http://noticias.r7.com/>

Novo documento

RECENT ACTIVITIES

Tags

Documento similar

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS
0
0
186
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA
0
0
33
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA
0
0
54
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA
0
0
81
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA
0
0
50
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS
0
0
186
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS
0
0
191
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA
0
0
108
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS
0
0
231
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS
0
0
195
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA
0
0
70
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA
0
0
52
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOQUÍMICA TESE DE DOUTORADO N° 100
0
0
152
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE – UFCG CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS – CTRN UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS – UACA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA JEFFERSON ERASMO DE SOUZA VILHENA
0
0
99
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA
0
0
51
Show more