NORMAS E PROCEDIMENTOS ACADÊMICOS DO CÂMPUS CURITIBA

Livre

0
0
11
1 year ago
Preview
Full text

  INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DO PARANÁ

  

Profº Irineu Mário Colombo

Reitor

  

Profº Carlos Alberto Ávila

Pró Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional

  

Neide Alves

Pró Reitoria de Gestão de Pessoas

  

Gilmar Ferreira

Pró Reitoria de Administração

  

Prof.ª Ezequiel Westphal

Pró Reitoria de Ensino

  

Profº Paulo Yamamoto

Pró Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação

  

Profº Luiz Gonzaga Alves de Araujo

Diretor Geral do Câmpus Curitiba

  

Prof. Adriano Willian da Silva

Diretor de Ensino, Pesquisa e Extensão

  NORMAS E PROCEDIMENTOS ACADÊMICOS DO CÂMPUS CURITIBA PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO CÂMPUS xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

  Este Manual, elaborado pela Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão do Câmpus tem o objetivo de servir como um instrumento informativo e de orientação aos nossos alunos dos cursos técnicos integrados, subsequentes e superiores. O manual contem orientações acadêmicas e informações atualizadas sobre as questões pedagógicas e administrativas relativas à vida do discente na Instituição. É importante destacar que a Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão do Câmpus estará sempre à disposição dos alunos para atendê-los, orientando-os durante a sua vida acadêmica neste Instituto.

  CALENDÁRIO ACADÊMICO

  As atividades pertinentes ao período letivo ficam dispostas no calendário acadêmico vigente, disponível no site .

  HORÁRIOS DAS AULAS

  AULAS PERÍODO MATUTINO PERÍODO VESPERTINO PERÍODO NOTURNO 1º Aula 07h15min às 08h05min 13h15min às 14h05min 19h00min às 19h50min 2º Aula 08h05min às 08h55min 14h05min às 14h55min 19h50min às 20h40min 3º Aula 08h55min às 09h45min 14h55min às 15h45min 21h00min às 21h50min 4º Aula 10h00min às 10h50min 16h00min às 16h50min 21h50min às 22h40min 5º Aula 10h50min às 11h40min 16h50min às 17h40min 6º Aula 11h40min às 12h30min 17h40min às 18h30min

  ADMISSÃO

  A principal forma de admissão aos cursos técnicos do IFPR- Câmpus Curitiba é o processo seletivo, aberto a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou estudos equivalentes.

   MATRÍCULA

  A matrícula é efetivada na época determinada no Calendário Acadêmico, encontrado publicado no site da Instituiçãou por requerimento do aluno ou de seu representante legal, ao Coordenador do Curso. O requerimento de matrícula pode ser preenchido no site e entregue no Protocolo do Campus Curitiba, no horário de funcionamento.

  No ato da primeira matrícula na Instituição deverão ser apresentadas as fotocópias dos documentos juntamente com o original, como segue: a) RG (Documento de Identidade);

  b) CPF;

  c) Certidão de Nascimento;

  d) Certificado de Conclusão do Ensino Médio;

  e) Título de Eleitor e Quitação Militar (Carteira de Reservista - para os alunos do sexo masculino maiores de 18 anos); e f) 3 (duas) fotos 3 x 4 recentes.

  Observação:

  Se o aluno faltar nos cinco (5) primeiros dias de aula, haverá o cancelamento automático da matrícula.

   MUDANÇA DE TURNO E DE CURSO O aluno poderá solicitar mudança de turno, desde que haja uma vaga no turno desejado.

  Poderá também solicitar mudança de turno o aluno que vier a assumir emprego ou estágio em turno idêntico àquele em que estiver matriculado ou, ainda, por motivo de prestação de serviço militar. Os demais motivos deverão ser analisados pela Coordenação do Curso e Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão.

  A solicitação deverá ser feita pelo aluno ou pelo seu responsável legal mediante preenchimento e entrega do requerimento de Mudança de Turno/Curso no Protocolo do Câmpus. A solicitação de mudança de turno e de curso poderá ser realizada desde que o aluno esteja devidamente matriculado.

  Observação:

  A mudança de curso poderá ocorrer uma única vez, respeitada a existência da vaga e a compatibilidade do processo de classificação. Todas essas solicitações serão analisadas pela Coordenação do Curso e decididas pela Direção de Ensino

  TRANCAMENTO DA MATRÍCULA O trancamento da matrícula só poderá ser feito a partir do segundo semestre do Curso.

  A solicitação do trancamento da matrícula dependerá de requerimento devidamente preenchido e entregue à Secretaria Acadêmica, a ser analisado pela Coordenação do Curso e anuência da Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão e estar quites com a biblioteca.

  O trancamento da matrícula só poderá ser realizado duas vezes ao longo de todo o curso e quando do retorno do aluno a matrícula trancada deverá ocorrer na mesma etapa do curso em que houve o trancamento.

  Observações:

  O trancamento da matrícula no módulo inicial só poderá ocorrer por motivo de doença devidamente comprovada.

  Excepcionalmente, poderá ser trancada a matrícula, em qualquer época do semestre letivo, do aluno que tenha que se ausentar em períodos que ultrapassem 25% dos dias letivos previstos no Calendário Acadêmico, e que se encontre em uma das situações relacionadas a seguir, comprovada por documento hábil: ●Funcionário público, civil ou militar que, por razão de serviço, precise ausentar-se da sua sede; ●Incapacitado por doença, mediante atestado firmado por médico; ●Acompanhamento do cônjuge, pais ou filhos, para tratamento de saúde; ●Empregado de empresa privada que, por motivo de serviço, necessite ausentar-se de sua sede; ● Convocação para prestar serviço militar.

   CANCELAMENTO DA MATRÍCULA

  O cancelamento da matrícula poderá ocorrer quando: ● O aluno ou seu representante legal, preencher e entregar o formulário de cancelamento da matrícula no Protocolo do Câmpus; ou ● Através de decisão da Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão mediante as seguintes circunstâncias:

  • Quando o aluno faltar às aulas por período igual ou superior a 15 dias letivos consecutivos, sem justificar sua ausência perante a Unidade;
  • Por transgressão disciplinar do aluno, em qualquer época, com base no Regime Disciplinar da Unidade;

  Observações:

  O aluno com a matrícula cancelada poderá pedir recurso ao Diretor Geral do Câmpus, solicitando a revisão da decisão, num prazo máximo de quarenta e oito horas (48) horas, a partir da publicação do cancelamento nos murais oficiais da unidade (site do campus). O Câmpus terá prazo de quinze (15) dias para apresentar a resposta ao recurso mencionado acima.

   TRANSFERÊNCIA E ADAPTAđấO

  As transferências obrigatórias, previstas em lei, de alunos de cursos regulares iguais ou correlatos aos mantidos pelo Câmpus, dependerão da existência de vaga no curso pretendido, cabendo estudo curricular para sanar quaisquer divergências. O aluno com divergências curriculares, cuja transferência foi aceita pelo Câmpus, deverá realizar adaptação. ● A adaptação será efetivada mediante o cumprimento das disciplinas da matriz curricular do curso pretendido e/ou desenvolvimento de atividades pedagógicas sob a orientação de professores responsáveis pelo desenvolvimento da unidade curricular. ● O aluno será considerado adaptado quando, mediante avaliação, for aprovado na unidade curricular.

  O aluno deverá iniciar o processo de adaptação curricular no semestre inicial ao seu ingresso no Câmpus.

  

Observação: Consideram-se as informações contidas neste Manual como

Regulamento (Edital) para a realização da análise de transferências externas. As

transferências externas poderão ser solicitadas em qualquer época.

  AVALIAđỏES

  O resultado do rendimento acadêmico dos alunos, tanto parcial quanto final, é obtido no link que se encontra no sitesendo que o é

  Aluno on line login

  o número de matrícula do aluno e a senha é a sua data de aniversário com todos os dígitos do dia, mês e ano, separados por barra.

  SEGUNDA CHAMADA DE AVALIAđỏES

  Os alunos que por motivo justificável faltarem em dias de avaliação, deverão protocolar em até 48 horas a solicitação de segunda chamada, que será analisada pela coordenação do curso e/ou Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão do Campus.

   APROVEITAMENTO DE ESTUDOS CONCLUÍDOS COM ÊXITO

  Ao matricular-se no semestre ou ano letivo, o aluno poderá requerer aproveitamento de estudos concluídos com êxito em outros cursos de mesmo nível ou nível superior. O aproveitamento de estudos concluídos com êxito poderá ser realizado mediante a adoção de um ou mais dos seguintes procedimentos: ● Aproveitamento de estudos com base nos documentos acadêmicos apresentados pelo aluno, quando o mesmo for originário de cursos de educação profissional técnica de nível médio; ● Validação de conhecimentos mediante realização de atividade passível de avaliação, quando o aluno adquiriu as competências e/ou habilidades em cursos de educação profissional em nível básico, na formação metódica no trabalho ou por outros meios, sendo necessária a apresentação de devidamente comprovado,

  Histórico Escolar

  descrição das atividades relacionadas à(s) competência(s) cujo aproveitamento está sendo solicitado e cópia de carteira profissional e/ou contrato de trabalho na ocorrência de vínculo formal de emprego ou declaração de serviços quando não existir a relação formal de emprego. O aluno deverá requerer aproveitamento de estudos em até 10(dez) dias letivos, a partir do início do semestre ou ano letivo ao qual está matriculado. ● A avaliação de disciplina deverá ser realizada no dia e hora marcada pelo professor. Ao contrário somente com atestado médico. ● O aluno aguardará o resultado do processo de aproveitamento de estudos assistindo regularmente às aulas da unidade curricular em que solicitou o aproveitamento de estudos.

REGULAMENTO DO ALUNO

  ➔ Apresentar os trabalhos nas datas previstas; ➔ Ser responsável pelos seus pertences e mantê-los em condições adequadas ao uso.

   DOS DIREITOS E DEVERES

  São direitos do aluno: ➔ Ter acesso a todos os ensinamentos atualizados e referentes a seu curso, bem como ao cumprimento, pelo Câmpus, da carga horária constante do projeto pedagógico do curso aprovado; ➔ Ser tratado com respeito e igualdade de condições, em qualquer situação, no recinto do Câmpus; ➔

  Receber assistência de todos os serviços de apoio pedagógico e/ou técnico administrativo, quando necessário; ➔ Requerer, em formulário apropriado, todos os direitos e dispositivos previstos na Organização Administrativa do Campus; ➔

  Obter as informações necessárias para a sua integração no Câmpus; ➔ Apresentar defesa oral e/ou escrita nas situações em que isso se fizer necessário; ➔

  Apresentar sugestões com o objetivo de melhorar a gestão educacional do Câmpus; ➔ Apresentar sugestões com vistas a melhorar o processo ensino-aprendizagem; ➔

  Participar de colegiados, quando previstos no Regimento do Câmpus; ➔ Tratar com respeito, cortesia e civilidade todos os integrantes da comunidade acadêmica; ➔

  Colaborar com a manutenção da limpeza e higiene das instalações físicas do Câmpus; ➔ Participar das atividades programadas pelo Campus com assiduidade e pontualidade; ➔

  Comparecer ao atendimento paralelo sempre que o professor indicar; ➔

  Comparecer ao Câmpus com trajes apropriados ao ambiente acadêmico; ➔

  Observar as normas de prevenção de acidentes; ➔

  Zelar pelo patrimônio da Instituição; ➔ Zelar pelo bom nome da Instituição junto à comunidade; ➔

  Cumprir as normas da Instituição; ➔ Participar dos eventos especiais, didáticos, sociais, culturais promovidos pela Instituição;

DAS FALTAS DISCIPLINARES

  Constituem faltas disciplinares passíveis de punição: ➔ Agredir física ou moralmente com palavras, atos ou gestos, colegas, professores, técnico-administrativos ou quaisquer outras pessoas em exercício funcional no Câmpus; ➔ Deixar de atender determinações da Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão dos professores e dos técnicos administrativos relativas à ordem interna; ➔

  Praticar atos que prejudiquem os serviços e que sejam contrários aos bons costumes ou excedam os limites da boa educação; ➔ Usar meios ilícitos em provas, trabalhos ou outras atividades acadêmicas; ➔

  Portar, guardar ou usar objetos pontiagudos, cortantes ou perfurantes, excluindo-se os destinados ao uso didático, como também qualquer substância de natureza tóxica, provocadora de dependência, entorpecente ou alucinógena, bebida alcoólica, bem como qualquer tipo de explosivo, ou armas de qualquer natureza, além de equipamentos/instrumentos sonoros que venham perturbar a tranqüilidade do ambiente; ➔ Causar intencionalmente danos ao patrimônio do Campus; ➔

  Envolver o nome da Instituição em qualquer atividade sem a competente autorização; ➔ Ocupar-se, durante as aulas, de coisas estranhas a elas; ➔

  Praticar jogos de azar nas dependências da Instituição ou aceitar transações pecuniárias de qualquer natureza; ➔ Manipular, divulgar, exibir sob qualquer forma, inclusive eletrônica, material de conteúdo pornográfico, pedófilo, racista, preconceituoso ou contrário às leis de respeito às diferenças de qualquer natureza, aos bons costumes e ofensivos à moral. ➔ Atender ou fazer uso do celular enquanto estiver em atividades didáticas (sala de aula, biblioteca e outros). ➔ Ausentar-se da sala de aula sem anuência do professor. ➔ Promover coletas, distribuir boletins ou outros tipos de campanhas, ou cartazes sem autorização da Coordenação de Ensino; ➔ Tomar decisões que venham a prejudicar o processo pedagógico. ➔

  Fumar nas dependências do Instituto Federal do Paraná

  DAS SANđỏES

  O aluno que incorrer em faltas disciplinares será passível das seguintes penalidades: ➔ advertência verbal; ➔ advertência escrita; ➔ suspensão; ➔ cancelamento de matrícula. O aluno que sofrer penalidade terá amplo direito de defesa oral e/ou escrita, a qual deverá ser encaminhada ao Diretor Geral do Câmpus no prazo máximo de cinco (5) dias úteis após a comunicação da penalidade ao aluno. Quando o aluno for menor, a defesa deverá ser encaminhada por seu responsável legal.

  Observações:

  As penalidades serão aplicadas não necessariamente seguindo a ordem exposta, mas levando-se em conta a gravidade da falta cometida e a reincidência. O aluno que causar comprovadamente prejuízo ao patrimônio da Instituição ou a objetos pertencentes a colegas, professores e técnico-administrativos será penalizado com a indenização financeira ao prejudicado. Caso o aluno não tenha condições financeiras para indenizar os danos, poderá prestar serviços à comunidade acadêmica como forma de compensação ao prejuízo causado.

FALTAS NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

  A freqüência mínina exigida para fins de aprovação é de 75% da carga horária total da disciplina. O , de fato , inexiste na medida em que o Regimento o veda,

  abono de faltas ,

  ressalvadas as determinações legais, que são as seguintes: ➔

  Alunos reservistas Lei do Serviço Militar (Lei nº 4.375 de 10.08.1964) dispõem

  que todo convocado matriculado em Órgão de Formação da Reserva, que esteja obrigado a faltar a suas atividades civis, por força de exercício ou manobra, tem suas faltas abonadas para todos os efeitos. Este dispositivo não se aplica aos militares de carreira.

  ➔

  Tratamento de saúde O Decreto-lei nº 1.044/69 dispõe sobre o tratamento

  excepcional para os alunos portadores das afecções que indica e determina que se deva atribuir-lhes, como compensação da ausência às aulas, exercícios domiciliares com acompanhamento da Instituição, sempre que compatíveis com seu estado de saúde e as possibilidades do estabelecimento. Nestes casos, o atestado médico

  apresentado pelo aluno deverá conter o tempo necessário para o afastamento.

  ➔

  Maternidade

  A Lei nº 6.202/75 atribui à estudante em estado de gestação o regime de exercícios domiciliares, e determina que a partir do 8º mês de gravidez e durante os próximos três meses, a estudante ficará assistida pelo regime de exercícios domiciliares, o que igualmente será comprovado por atestado médico apresentado à Universidade.

  ➔

  Casos não contemplados: Os seguintes casos não são amparados pela legislação e,

  portanto, deverão ter suas faltas registradas e computadas:

  a) Militar profissional de carreira, a serviço da corporação; b) Serviço de júri; c) Testemunha convocada para depor em processo judicial; d) motivos religiosos (Parecer CEB15/99); e) Todo e qualquer evento pessoal: gala, casamento, luto, paternidade, alistamento eleitoral, doação voluntária de sangue, entre outros.

DOS PROCEDIMENTOS DE ROTINA

  Os alunos poderão acessar livremente a sala de aula até o início da primeira aula de seu turno. O aluno que chegar com atraso superior a 10 minutos deverá apresentar na

  Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão a sua justificativa e retirar a autorização para seu ingresso na sala de aula que deverá ser apresentada ao professor. No caso de não ser autorizado, deverá aguardar a próxima aula. Mesmo sendo autorizado para assistir a aula em que chegou atrasado o aluno não receberá presença pela mesma, sendo contado como presente somente a partir da próxima aula. O aluno só poderá ausentar-se da escola antes do término normal do período em que está matriculado, com a autorização junto à Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão do Campus. Nos horários de intervalos entre aulas os alunos não são autorizados a saírem de sala, pois o intervalo é para o professor se locomover, caso contrário o aluno será punido com advertência. Nos horários de intervalo das aulas o aluno não será admitido em sala de aula após a entrada do professor. O aluno deverá se apresentar na Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão para se justificar, assinar advertência e receber atividade para o período da aula. Os alunos que estiverem fora de sala em horário de aula, utilizando laboratórios vagando pelos corredores ou pátio da escola serão levados pelo inspetor de alunos para a Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão do Campus.

DISPENSAS DE AULA

  

Em casos de saídas em horário de aula os alunos menores de idade deverão apresentar

autorização por escrita e assinada pelos pais em formulário padrão disponível no site do

campus Curitiba o aluno não receberá presença e direito a

reposição de avaliações efetuadas no período.

REPRESENTANTES DE TURMA

  Com o objetivo de fortalecer o processo pedagógico e a interação do aluno com a Instituição, será escolhido no início do período letivo, para cada turma, um aluno representante.

  Ao representante da turma caberá: ➔ Representar sua turma junto à comunidade acadêmica; ➔

  Participar da preparação dos Encontros de Avaliação de sua turma, quando for o caso; ➔ Participar, dentro de suas possibilidades, das demais atividades relacionadas ao processo ensino-aprendizagem que envolva a sua turma como um todo; ➔ Atuar junto a Coordenação de Ensino, auxiliando no acompanhamento do desenvolvimento acadêmico de sua turma.

  Curitiba, agosto de 2011.

  

O Poder da Determinação

Burt Dubin

“A pequena escola rural era aquecida por um antiquado fogão a carvão. Um

menino tinha a incumbência de chegar mais cedo, todos os dias, acender o

carvão e aquecer a sala antes da chegada da professora e de seus colegas.

Uma manhã, eles chegaram e encontraram a escola pegando fogo. Arrastaram o

menino inconsciente para fora do prédio mais morto do que vivo. A parte inferior

do seu corpo estava tomada por queimaduras sérias e ele foi levado para o

hospital mais próximo.

Da cama, o garoto pôde ouvir o médico falando com sua mãe que ele, com toda

a probabilidade, morreria

  • – o que seria uma bênção porque o fogo tinha arrasado a parte inferior do seu corpo.

    Mas o corajoso menino não queria morrer. Ele decidiu que iria sobreviver. E, de

    alguma forma, para espanto do médico, sobreviveu. Quando o risco de vida tinha

    passado, ele, mais uma vez, ouviu sua mãe e o médico conversando baixinho e

    dizendo que ele estava condenado a viver como inválido, sem poder usar os

    membros inferiores.

    Mais uma vez, tomou uma decisão. Ele não ficaria inválido. Andaria. Mas,

    infelizmente, da cintura para baixo, ele não tinha mais controle motor. Suas

    pernas finas apenas estavam lá, penduradas, mas inúteis.

    Por fim, recebeu alta do hospital. Todos os dias, sua mãe massageava suas

    pernas, mas não havia sensação, controle, nada. No entanto, sua determinação

    de andar estava mais forte do que nunca.

    Quando ele não estava na cama, ficava preso a uma cadeira de rodas. Um dia

    de sol, sua mãe o levou para o quintal para respirar ar fresco. Nesse dia, em vez

    de ficar sentado na cadeira, ele se jogou no chão e se arrastou pela grama,

    puxando suas pernas atrás de si. Conseguiu chegar até a cerca branca que

    rodeava o terreno deles. Com um imenso esforço, ele se levantou apoiado na

    cerca. A seguir, estaca após estaca, começou a se arrastar ao longo da cerca,

    decidido a andar. Fez isso todos os dias, até ter aplainado um caminho em volta

    do quintal, junto à cerca. Mais do que qualquer outra coisa, desejava trazer vida

    àquelas pernas.

    Por fim, através das massagens diárias, da sua feroz obstinação e firme

  

determinação, ele conseguiu desenvolver a habilidade de ficar de pé, de dar

passos hesitantes, de caminhar sozinho e, finalmente, correr.

Começou a andar até a escola; a seguir, a correr até a escola, a correr pelo

simples prazer de correr. Muito tempo depois, quando estava na faculdade,

entrou para a equipe de atletismo.

Anos depois, no Madison Square Garden, esse jovem, que ninguém esperava

  

que sobrevivesse, que, com certeza, jamais poderia andar e muito menos sonhar

em poder correr

  • – esse jovem obstinado, o Dr. Glenn Cunningham, bateu o recorde mundial de velocidade em uma corrida de uma milha!

  Aos educandos: Determinação tem a ver com vontade e esta esta acionada a certeza do objetivo alcançado. Neste momento alguns fatores se fazem necessário o desejo de querer e a persistência pois quantas cousas em nossas vidas são impossibilidades mentais? Tornamo-nos hiswtória... escrevemos páginas aos poucos... na rotina codidiana... e é voc^que gera estes momentos... que com certeza terá consequencias de grande projeção no futuro de todos nos.

  SEJA BEM VINDO

Novo documento

Tags

Documento similar

UMA ONTOLOGIA PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO JURÍDICO-PENAL NO CONTEXTO DOS DELITOS INFORMÁTICOS
0
0
119
Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Universitários – Trindade – Caixa Postal 476 CEP: 88040-900 – Florianópolis – Santa Catarina Centro Tecnológico PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO
0
0
224
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO
0
0
121
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO
0
0
177
SISTEMAS BASEADOS EM CONHECIMENTO E FERRAMENTAS COLABORATIVAS PARA A GESTÃO PÚBLICA: UMA PROPOSTA AO PLANEJAMENTO PÚBLICO LOCAL
0
0
166
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO EDSON ROSA GOMES DA SILVA
0
1
202
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO FLÁVIO CECI
0
0
131
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO Dhiogo Cardoso da Silva UMA ARQUITETURA DE BUSINESS INTELLIGENCE PARA
0
0
163
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO
0
0
187
ENGENHARIA DO CONHECIMENTO APLICADA A CRIAÇÃO AUTOMATIZADA DE CONTEÚDO INTERATIVO PARA TV DIGITAL
0
0
152
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO
0
1
228
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO
0
1
68
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO MAURÍCIO JOSÉ RIBEIRO ROTTA MODELAGEM DO CONHECIMENTO LEGAL NECESSÁRIO NA ELABORAÇÃO DE SENTENÇAS EM PROCESSOS NA ÁREA DE DEFESA DO CONSUMIDOR
0
0
177
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL
0
0
15
Participaram da tradução os líderes do Projeto OWASP em Língua Portuguesa: • Carlos Serrão (Portugal) • Marcio Machry (Brasil) E os seguintes voluntários: • Ícaro Evangelista Torres • Carlo Marcelo Revoredo da Silva • Luiz Vieira • Suely Ramalho de Mello
0
0
23
Show more