ESTRATÉGIAS PARA GESTÃO DOS CUSTOS

Livre

0
0
11
8 months ago
Preview
Full text

  

CUSTOS COMO INSTRUMENTO DE CONTROLE

• Custo padrão deve guiar o custo real.

  • No custo-padrão supõe-se que não haja nenhum fator que altere a produção.
  • A fixação do custo padrão precisa envolver separadamente cada custo, fixos e variáveis; diretos e indiretos, valores e quantidades que necessitam ser utilizadas.
  • As informações devem ser extraídas:
    • – da contabilidade de custos;
    • – da área gerencial;
    • – de controladoria;
    • – do setor de engenharia que é responsável pelos aspectos técnicos da produção–levantamento das quantidades físicas (materiais, mão-de-obra, kwh, horas-máquina e etc.).

  

ESTRATÉGIAS PARA GESTÃO DOS CUSTOS

  • A gestão estratégica de custos é “uma análise de custos vista sob um contexto mais amplo, em que os elementos estratégicos tornam- se mais conscientes, explícitos e formais.” Shanke Govindarajan (1997).

CUSTOS DA QUALIDADE

  • “Custos da qualidade” é um conceito muito utilizado atualmente e às vezes mal entendido. (produtos 1ª e 2ª linha)
  • Este custo não é o custo de criar um produto ou serviço com melhor qualidade, e sim o custo de não aumentar os custos dos produtos causados por erros no processo produtivo até a chegada do produto ou serviço ao consumidor final. Custo de aceitação. Ex. Vamos tomar uma coca?
  • Exemplos óbvios de custos a mais criados por erros:
    • – o retrabalho de um item manufaturado;
    • – reteste da linha de produção;
    • – reconstrução de uma ferramenta;
    • – correção de um extrato bancário ao cliente;
    • – e reformulação de serviços, tais como o reprocessamento de uma operação de empréstimo ou a substituição de uma ordem de comida em um restaurante.

  

CUSTOS DE PREVENđấO

  Derivados dos esforços da organização para prevenir desvios, alocados a todas atividades dedicadas, e evitara aparição de não conformidades.

  • – Entende-se por não conformidade: não atendimento de um requisito especificado.
  • – Deficiência de ação, característica ou documento, exigido por projeto ou norma técnica, que torna a qualidade de um serviço ou produto inaceitável, exigindo disposição, ação corretiva e/ou preventiva. Exemplos:
    • planejamento da qualidade;
    • análise dos produtos novos;
    • planejamento de processos;
    • auditoria da qualidade;
    • avaliação da qualidade do fornecedor garantia da qualidade; • treinamento.

  

CUSTOS DE AVALIAđấO

São aqueles que controlam o nível da má qualidade.

  Exemplos:

  • – inspeção e testes no recebimento, durante o processo, e testes finais;
  • – auditoria de qualidade do produto;
  • – manutenção da precisão dos equipamentos de testes; – serviços e materiais para a inspeção e testes.

CUSTOS DE FALHAS

  Erros em que a empresa incorre em consequência de erros, ou seja, é o dinheiro que a empresa gasta por que nem todas as atividades foram desenvolvidas de forma correta (Harrintgton,1991).

  • Internos: gastos com retrabalho e sucata.
  • Externos: gastos com garantia, correção de reclamações e responsabilidade civil.

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES

  ABC: a utilização do sistema ABC possibilita que o sistema de custos da qualidade tenha as informações quanto ao custo da qualidade. (custeio baseado em atividades)

  • – Métodos de prevenção, avaliação e falhas implantados em toda a empresa permitem uma identificação e classificação corretas destas atividades.
  • – O sistema de custos da qualidade sintonizado como sistema ABC integram um sistema maior.
    • As três fases de vida distintas de um produto:

  • – Primeira fase: projeto;
  • – Segunda fase: produção; – Terceira fase: propriedade do consumidor.

  Aquisição; Propriedade; Transporte; Instalação e Montagem; Operação; Manutenção; Término da Utilização.

  • Cabe ressaltar que muitos dos custos do consumidor são estimados desde a fase onde o produto nem existia, eles são definidos na fase de desenvolvimento do projeto de um produto ou serviço.
  • É preciso determinar o impacto de todos os custos para o consumidor, para poder determinar as estratégias para minimizar custos do consumidor e aumentar as vendas.

CUSTO ALVO (META)

  • É o custo que se deseja alcançar na produção de determinado produto ou serviço, para que se possa definir um preço de venda que seja competitivo no mercado, e que garanta, também, lucro para a organização. Objetivo a ser alcançado
  • O aprimoramento contínuo é também conhecido como melhoria contínua (MC), que é uma filosofia e prática presentes nas abordagens de gestão organizacionais que tem como objetivo a difusão do aperfeiçoamento do desempenho organizacional.

  Processos de Auditoria

  • “planejar”: as atividades realizadas são: localização do problema, estabelecimento de meta, análise do fenômeno, análise das causas e elaboração do plano de ação com metas.
  • “executar”, são feitos o treinamento (difusão do plano de ação pela organização) e a execução do plano de ação.
  • “verificar”: são verificados os resultados das ações da etapa anterior.
  • “atuar”: são padronizados os resultados positivos obtidos na verificação, ou é efetuado um novo ciclo para os resultados negativos.
  • A empresa poderá corrigir falhas e não permitir, por meio de ações, que estas falhas voltem ao correr, utilizando técnicas de aprimoramento contínuo e ainda diminuindo desperdícios, seja de pessoas, seja de materiais.
  • Diminuindo seus custos.

  Exercícios

1. Qual dos seguintes itens não representa um item do custo da qualidade?

  a. Custo de falhas externas

  b. Custo de provisão para perdas

  c. Custo de Avaliação

  d. Custo de Prevenção

  e. Custo de falhas internas

2. Não é uma atividade do ciclo do PDCA:

  a. Ação

  b. Verificação

  c. Planejamento

  d. Correção

  e. Execução

3. Qual das seguintes itens não esta relacionado ao custo alvo?

  a. Monopólio de mercado

  b. Preço que o consumidor esta disposto a pagar

  c. Pesquisa de mercado

  d. Melhoria continua

  e. Lucro esperado

  4. Dos itens listados a seguir, qual não é relacionado à não-qualidade?

  a. Correção por reclamação

  b. Ociosidade

  c. Gastos com garantia

  d. Sucata

  e. Retrabalho

  5. Das afirmativas listadas a seguir, qual está incorreta em relação ao custo padrão?

  a. A avaliação das variações é um instrumento que auxilia a organização a avaliar suas ineficiências.

  b. As variações de preço ocorrem principalmente em função do mercado.

  c. A definição dos padrões deve ser feita exclusivamente pelos engenheiros responsáveis pelo produto d. A variação mista só ocorre quando há variação de preço e quantidade

  e. O custo padrão é um exemplo de instrumento de controle na gestão de custos

  

FORMAđấO DE PREđOS DE VENDA

  • Determinação do preço em um ambiente de concorrência internacional é uma tarefa bastante árdua para as empresas;
  • Apuração de custos X preço de venda X mercado;
  • Ambiente econômico: regulamentação do governo, avanço tecnológico, obsolescência, mudança na demanda do consumidor, concorrência, sazonalidade entre outros.
  • Formar preços não é apenas um cálculo matemático;
  • É também uma análise qualitativa dos aspectos internos e externos da empresa; • Sobretudo os externos.

  

MODELOS DE DECISÃO DE PREÇOS

  • Preço de Venda = Custos + Despesas + Lucro;
  • Baseado no mercado (target costs); • Baseado nos custos (mark-up).

BASEADO NO MERCADO

  • Custo Meta: Preço de Venda e Custo • Direcionado ao mercado
  • Opinião do consumidor é um parâmetro para:
    • – o desenvolvimento do processo de produção, – para incorporar decisões de qualidade, custo e tempo na análise do custo de produção.

  • Em mercados competitivos, os clientes esperam que cada geração de produtos tenha um valor maior que as gerações anteriores.
  • Este valor pode ser aumentado por meio da melhoria da qualidade, funcionalidade ou redução do preço de venda, dependendo da política utilizada.

BASEADO NOS CUSTOS

  Custos e Preço de Venda; Mark-Up: Indicador Aplicado aos custos.

  O Cálculo inclui: impostos, taxas, despesas fixas, custos indiretos fixos e ainda o lucro desejado.

  É um divisor simples.

  • O que é importante entender do Mark-up é que se parte do custo empregado no produto, diferentemente do custo meta, que se baseia no preço de venda para se chegar ao custo que se deseja alcançar para manter a concorrência. Em ambos os exemplos dados, focaliza-se o lucro do negócio.

  

TÁTICAS DE PREÇO

  • Preços de líderes (chamariz ou ainda loss leaders)
  • muitas vezes os produtos são vendidos a preço abaixo do custo;
  • É fundamental que sejam apenas chamarizes para que os consumidores comprem outros produtos;
  • É necessária uma criteriosa seleção dos itens, indicada para itens populares, de alta rotatividade e com preços conhecidos pelos consumidores.

  

PROMOđỏES TEMPORÁRIAS

  • – Podem ser adotadas em função de:
    • Excesso de estoque;
    • Desconto obtido na compra de produtos visando a realização de promoções;
    • Desconto concedido para estimular introdução de novos produtos;
    • Reação a ações da concorrência; • Reforço de uma imagem de preços baixos.

  • – Riscos
    • Comprometimento do faturamento e do lucro;
    • Estímulo à maior conscientização de preços por parte dos consumidores

  

PREÇOS FRACIONADOS

  • – Precificação Psicológica;
  • – Busca passar a ideia de que o consumidor está diante de uma barganha, e assim estimulá-lo a comprar;
  • – Utilização de números quebrados: R$1,99 , R$2,95;
  • – Postos de combustíveis chegam a usar 3 casa decimais R$1,689 – Apesar de sua popularidade, não há evidências conclusivas de sua eficácia.

  

UNIDADES MÚLTIPLAS

– Fixação de preços com desconto para venda de três ou mais volumes.

  Exemplo “Leve 3 e pague 2”

  

PACOTE DE PREÇOS

  • – O preço de dois ou mais produtos ou serviços combinados é inferior à soma de seus preços individuais. Exemplo: Mac Oferta – Nº 1 (Big Mac)
    • Ambas visam passar ao consumidor a imagem de que ele está diante de uma boa oferta, e assim pode ser estimulado a efetuar uma compra maior do que normalmente faria.

  

PREÇO GEOGRÁFICO

  • – Atribuir diferentes preços para diferentes localidades, levando a uma tendência de descentralização dos sistemas de precificação ou esquemas mistos.

  

SHOPPING DE PREÇOS

  • – pesquisa em lojas concorrentes dos preços praticados para uma cesta de cerca de N produtos, Y vezes por semana.

  

FINANCIAMENTO A JUROS BAIXOS

  • – Em vez de cortar preços, a empresa pode oferecer aos clientes financiamentos a juros baixos

  

QUAL A FONTE DO RECURSO? PRÓPRIO OU DE TERCEIROS?

  • Prazos de pagamento longos
    • – Empréstimos a prazos mais longos, reduzindo parcelas mensais

  • Qual a taxa de juros? Como a característica do produto pode influenciar o prazo a ser dado? Exemplo: Casas Bahia

  

ALINHAMENTO DE PREÇOS

  • – Número limitado de preços pontuais pré-determinado dentro de uma classificação • Exemplo: lojas de sapatos – categorias de tênis nas faixas de R$29,99 , R$49,99 , R$99,99 ...
  • – Comercialização simplificada.
  • – Flexibilidade aos compradores.

  

PREÇO ÚNICO

  • – A empresa cobra o mesmo preço de uma mercadoria para todos os consumidores, ou seja, não permite que o consumidor peça desconto ou "barganhe" preço.
  • – No Brasil, é adotada nas lojas de autoserviço do varejo de alimentícios (super e hipermercados) e tem uso crescente no varejo de não-alimentos.
  • – É uma política que proporciona maior confiabilidade para o consumidor, pois todos os consumidores são tratados igualmente.

  

PREÇO FLEXÍVEL

  • – É a política em que o varejista permite aos clientes negociar em cada preço. O vendedor poderá conceder um desconto com base no volume da compra e na habilidade de barganha do comprador. Esse procedimento ainda é adotado em muitos setores varejistas no Brasil, não apenas nos menos estruturados, onde os proprietários ainda estão na linha de frente da operação, mas também em grandes empresas, como nas revendas autorizadas de automóveis.

  

PREÇO VARIÁVEL

  • – É utilizado quando os preços não podem ser fixos, pois os custos e a demanda variam. Alguns produtos vendidos pelas empresas têm preço de custo variável, tais como flores, frutas, peixes, entradas para concertos.
  • – No Brasil é encontrado nas feiras, onde o feirante varia seu preço ao longo do dia, de acordo com a demanda e com os estoques.

  

PREÇO COSTUMEIRO

  • – São os preços que os varejistas procuram manter no mesmo patamar por um longo período de tempo, por exemplo, preço de cardápio de restaurantes, preço de jornais e revistas.

  

PREÇO DE REFERÊNCIA

  • – Algumas empresas inescrupulosas deturpam essa estratégia, e procuram enganar o consumidor elevando o preço normal para dar a impressão de um maior desconto;
  • – O preço de referência também pode ser utilizado comparando o preço do varejista com o preço de seu concorrente, ou o preço sugerido pelo fabricante.

  

COBRIR PREÇO DA CONCORRÊNCIA

  • – Essa é a tática em que a empresa se propõe a cobrir o preço da concorrência, ou o menor preço anunciado.
    • Para a disseminação da estratégia da formação do preço de venda, devem existir planos de ação condizentes com estas estratégias, assim são enumeradas as táticas e a empresa desdobra estas táticas e as coloca em prática.
    • A formação do preço de venda envolve aspectos estratégicos: marketing; contábeis; econômicos, entre outros. Não existem modelos/estratégias que se adaptem a todos os tipos de negócios. O gestor deve ser capaz de analisar as variáveis que afetem seu negócio e escolher as prováveis melhores alternativas.

  Exercícios

  1. Uma empresa definiu o preço de seu produto em R$300,00 tendo como base os seguintes fatores: Tributos de 22,5%, comissão de 3,5% e lucro esperado por unidade vendida de 17%. Com base nestas informações podemos dizer que os custos variáveis deste produto totalizam?

  a. R$150,50

  b. R$123,00

  c. R$100,00

  d. R$171,00

  e. R$178,50

  2. Um produto com custo variável determinado em R$25,00 e que tenha os seguintes encargos variáveis de: 17,5% de taxa de retorno do investimento, 23% de tributos e 2,5% de comissão pagos a seus vendedores, deverá ser vendido por quanto utilizando-se a técnica do mark-up?

  a. R$58,14

  b. R$27,25

  c. R$43,86

  d. R$33,56

  e. R$31,25

  3. Algumas redes de lanches como o McDonalds e Bobs costumam a oferecer "combos" de produtos como lanche + batata + bebida, que comprados juntos são mais baratos do que se fossem comprados separadamente. Este tipo de tática é denominada?

  a. Promoções temporárias

  b. Pacote de preços

  c. Alinhamento de preços

  d. Shopping de preços

  e. Unidades múltiplas

Novo documento

Tags