RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DOS SÓCIOS E DIRIGENTES DE PESSOAS JURÍDICAS

Livre

0
2
138
1 year ago
Preview
Full text

  

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

PUC - SP

Luciano Brito Caribé

  

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DOS SÓCIOS

E DIRIGENTES DE PESSOAS JURÍDICAS

MESTRADO EM DIREITO TRIBUTÁRIO

  

SÃO PAULO

2009

  PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC - SP Luciano Brito Caribé RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DOS SÓCIOS E DIRIGENTES DE PESSOAS JURÍDICAS MESTRADO EM DIREITO TRIBUTÁRIO

  Dissertação apresentada à Banca Examinadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, como exigência parcial para obtenção do título de MESTRE em Direito Tributário, sob a orientação da Prof.(a) Doutor(a) Elizabeth Nazar Carrazza.

  SÃO PAULO 2009

   Banca Examinadora

____________________________________

____________________________________

____________________________________

  DEDICATÓRIA

A João Pedro, filho amado, cuja

compreensão permitiu-me as horas de

ausência. A Talita, minha esposa, por sua companhia em todos os momentos. A minha mãe Iranice e irmãos Paulo, Leo e Cris, aos quais incluo Heleno Tôrres, por sempre acreditarem em mim.

  AGRADECIMENTOS

  Agradeço aos Professores Heleno Taveira Tôrres e Paulo de Barros Carvalho pelos incentivos na busca do conhecimento. Agradeço à Professora Elizabeth Nazar Carrazza, pela acolhedora orientação.

  Agradeço aos amigos Luiz de Sá Monteiro, Melissa, Erick Macedo, Napoleão Casado e Samuel Gaudêncio, cujo incentivo foi fundamental na conclusão do presente trabalho.

  RESUMO

  O presente trabalho visa a uma abordagem científica do enquadre e do alcance da prescrição normativa dos arts. 134 e 135 do Código Tributário Nacional, dispositivos estes correlatos aos limites para a atribuição de responsabilidade tributária aos sócios e aos dirigentes de pessoas jurídicas, assunto muito relevante nas relações entre o Fisco e os contribuintes.

  O tema tem grande importância, na medida em que percebemos empresários mal intencionados usarem a separação patrimonial da personalidade jurídica como uma forma de evadirem-se de pagar tributos. Por outro lado, evidenciam-se os abusos cometidos pelo Fisco que se tem insurgido diretamente em face dos sócios e dirigentes das empresas, por intermédio das ações de execução fiscal, sem ao menos obedecer aos princípios e às prescrições impostas pelo nosso sistema tributário nacional. Nossas conclusões apontam para a necessidade de um maior rigor por parte do Fisco na atribuição de responsabilidade tributária aos sócios e aos dirigentes de pessoas jurídicas. E que essa atribuição se dê no curso dos processos administrativos de constituição dos tributos.

  PALAVRAS-CHAVE: responsabilidade, tributária, sócio, administradores.

  ABSTRACT

  This work aims at a scientific approach towards the scope and framing of sections 134 and 135 of the Brazilian Tax Code, as well as the other rules related to the limits of fiscal responsibility to partners and executive officers of legal entities, a very relevant subject in the relations between the tax authority and taxpayers. This topic is very important, as we can observe the usage of the patrimonial separation of the legal entity by malicious entrepreneurs as a way to flee from tax payments. On the other hand, the abuses committed by the tax authority are clearly shown, as it has been directly suing partners and executive officers without any regard to the principles and prescriptions of our National Tax System.

  Our conclusions point towards the need of a stronger rigorousness by the tax authority in attributing tax responsibility to partners and executive officers of corporations. And this attribution must be done in administrative proceedings, where the imposition is formed.

  KEY-WORDS: responsibility, tax, partner, executive officers.

  SUMÁRIO

  2. RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA ..................................................... 30

  3. RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DOS SÓCIOS E

DIRIGENTES DE PESSOAS JURÍDICAS ............................................... 61

  2.5. Solidariedade .................................................................................. 54

  2.4. Classificação dos contribuintes e responsáveis ............................. 46

  2.3. A sujeição passiva tributária e o princípio constitucional da capacidade contributiva ............................................................. 42

  2.2. Sujeição passiva ............................................................................. 37

  2.1. Fundamentos preliminares ............................................................. 30

  1.7. Os princípios constitucionais brasileiros ......................................... 23

  INTRODUđấO ................................................................................................. 1

  1.6. Sistema constitucional brasileiro ..................................................... 20

  1.5. O conjunto das normas válidas como objeto da ciência do direito ............................................................................. 19

  1.4. Sistemas jurídicos - sistema do direito posto e sistema da ciência do direito ........................................................................ 16

  1.3. Sobre o objeto do estudo do direito ................................................ 11

  1.2. Texto e norma ................................................................................... 9

  1.1. A linguagem aplicável ao mundo das normas: a forma de manifestação do direito ................................................................ 5

  

1. SISTEMA JURÍDICO ................................................................................. 5

  3.1. A responsabilidade dos sócios no caso de liquidação de sociedade de pessoas ............................................................... 61

  3.2. A responsabilidade dos sócios e dirigentes de pessoas jurídicas pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos ............................................................ 68

  3.3. A execução fiscal e os instrumentos de defesa dos sócios e administradores ........................................................................... 76

  

4. DESCONSIDERAđấO DA PERSONALIDADE JURễDICA .................... 89

  4.1. O conceito de pessoa e personalidade jurídica .............................. 89

  4.2. A teoria geral da desconsideração da personalidade jurídica ........ 94

  4.3. A desconsideração da personalidade jurídica no direito brasileiro 100

  4.4. A aplicação da desconsideração da personalidade jurídica no direito tributário ........................................................................ 105

  

CONCLUSÕES ............................................................................................ 112

BIBLIOGRAFIA ........................................................................................... 118

  INTRODUđấO

  A Responsabilidade Tributária dos sócios e dos dirigentes de pessoas jurídicas é tema de importância sempre ascendente no estudo do Direito.

  Dentre as preocupações que nos ocupam nesta pesquisa, estão o enquadre e o alcance da prescrição normativa dos arts. 134 e 135 do Código Tributário Nacional (CTN), ou seja, dos dispositivos legais que tratam da responsabilidade tributária de terceiros.

  Na prática jurídica brasileira, percebemos empresários mal itencionados usarema separação patrimonial da pessoa jurídica como uma forma de se evadir do pagamento de tributos.

  Por outro lado, têm sido frequentes os abusos cometidos pela Fazenda Pública que se tem insurgido diretamente em face dos sócios e dirigentes das empresas, por intermédio das ações de execução fiscal, sem ao menos obedecer aos princípios e às prescrições impostas pelo Sistema Tributário Constitucional brasileiro.

  Nesse contexto, afigura-se importante que os agentes públicos disponham, não só de conceitos mais precisos, como também de delineamentos marcados pelo rigor científico que permitam alcançar o instituto da responsabilidade tributária no campo em que agora estamos inseridos.

  Para contextualizarmos o leitor no tema da responsabilidade dos sócios e dirigentes da pessoa jurídica relacionada ao agente, faz-se mister apresentarmos, no capítulo 1, o sistema constitucional brasileiro, discorrendo acerca dos princípios orientadores de todo o ordenamento jurídico-tributário, inserido no modelo filosófico que escolhemos para estimular a nossa investigação, qual seja: o direito como sistema de linguagem.

  No capítulo 2, abordamos o fenômeno da responsabilidade tributária dos sócios e dirigentes das pessoas jurídicas, momento em que detivemos rigoroso esforço no sentido de analisar os aspectos gerais da obrigação tributária, definindo a relação jurídica, a sujeição passiva e a responsabilidade tributária, bem como o processo de positivação do direito com a fenomenologia da incidência tributária.

  No capítulo seguinte, adentramos no estudo propriamente dito da Responsabilidade Tributária de terceiros, mediante a apreciação das disposições dos arts. 134 e 135 do CTN, quando buscamos construir a correta significação da norma que atribui responsabilidade aos sócios de sociedades de pessoas em caso de liquidação da empresa e aos sócios e administradores de pessoas jurídicas pelas obrigações tributárias resultantes da prática de infração à lei, contrato social e estatuto.

  Outro aspecto a ser explanado no presente trabalho, ainda no capítulo 3, guarda pertinência com o entendimento manifestado recentemente pela Primeira Seção do STJ, que resolveu dificultar em definitivo o exercício do direito de defesa dos responsáveis tributários ilegítimos, ao considerar ser incabível a exceção de pré-executividade para arguir a ilegitimidade passiva em sede de execução fiscal, promovida contra sócio que figura como responsável na Certidão de Dívida Ativa – CDA, devido à presunção de legitimidade assegurada à CDA.

  Entretanto, conforme defendido no presente estudo, não vislumbramos legitimidade alguma de CDA que retrate ato administrativo de inscrição em dívida ativa de crédito inexistente, em face de não terem sido os sócios, diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado, no curso do processo de positivação do direito, notificados do lançamento tributário com atribuição motivada de responsabilidade tributária, não lhes sendo, portanto, conferido, o direito de defesa.

  O Ato administrativo de inscrição em dívida ativa, da forma como vem sendo realizado, infringe diretamente os princípios constitucionais da ampla defesa, do contraditório e da motivação dos atos administrativos.

  Desta feita, entendemos não ser pertinente a generalização imposta pelo STJ no sentido de mitigar o direito de defesa dos ilegítimos responsáveis tributários, conferindo-lhes, tão-somente, o manejo dos Embargos à Execução ou a Ação Anulatória para se discutir a questão da legitimidade passiva.

  Existente a possibilidade de se demonstrar de plano, prescindindo da realização de dilação probatória, a ilegitimidade do sujeito passivo eleito pelo fisco, não se pode impor limites e restrições de natureza processual quanto à discussão desta condição da ação, cuja matéria, ressalte-se, é de ordem pública.

  No intuito de robustecer os argumentos expendidos no capítulo 3, ressaltamos o posicionamento recente firmado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) no sentido de que o não pagamento do tributo devido, por si só, não configura, nem em tese, a responsabilidade subsidiária do sócio, prevista no art. 135 do CTN. Para tanto, seria indispensável que os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado tenham agido com excesso de poderes ou infração à lei societária, ao contrato social ou ao estatuto da empresa.

  Para melhor compreensão da teoria da desconsideração da personalidade jurídica e suas relações com o direito tributário, defendemos, no capítulo 4, nossa posição quanto à inaplicabilidade deste instituto nas lides tributárias quando houver norma de responsabilidade específica para o caso concreto.

  Com um olhar lançado ao futuro, nossas conclusões apontam para a necessidade de um maior rigor por parte do Fisco na atribuição de responsabilidade tributária aos sócios e aos dirigentes de pessoas jurídicas, e que essa atribuição se dê nos processos administrativos de constituição dos tributos, garantindo-lhes o direito de se defenderem contra a atribuição de tal responsabilidade. Dessa forma, ter-se-ão expedidas certidões de dívida ativa que realmente gozam de presunção, certeza e liquidez, com a indicação dos prováveis responsáveis tributários.

1. O SISTEMA JURÍDICO

  

1.1. A linguagem aplicável ao mundo das normas: a forma de

manifestação do direito

  Com o objetivo de analisarmos o tema proposto pelo presente trabalho, a responsabilidade tributária dos sócios e dirigentes de pessoas jurídicas, precisamos inseri-lo na noção de sistema jurídico, para o fim de apreciá-lo como um plexo de normas jurídicas, construídas a partir do texto da lei e através das relações de coordenação e subordinação com as demais normas do Sistema Constitucional Brasileiro.

  O Direito se apresenta em linguagem e dela é dependente; por essa razão, inúmeras são as relações existentes entre o Direito e a linguagem.

  Assim, a linguagem que fala sobre o direito ou por intermédio da qual ele se

  1 expressa pode ser denominada linguagem jurídica .

  Linguagem jurídica é expressão ambígua que pode significar tanto a linguagem prescritiva do direito positivo, quanto a linguagem descritiva da Ciência do Direito. Contudo, elas devem ser tomadas como duas realidades heterogêneas, pois se tratam de fenômenos de linguagem que possuem organização lógica e função semântica e pragmática diversas. Nesse sentido: 1 _________________

  

MORESO, José Juan. Lenguaje Jurídico. In: Valdés, Ernesto Garzón; Francisco J. Laporta. El

derecho y la justicia. 2. ed. Madrid: Editora Trotta, 2000, p. 105.

  La expresión << lenguaje jurídico >> es ambigua. Podemos distinguir, al menos, dos sentidos de ella: a) puede referirse al lenguaje en el que se expresan las normas, al lenguaje del Derecho (al lenguaje legal, principalmente); b) también se refiere al lenguaje en el que se expresan los juristas, al lenguaje de los juristas acerca del Derecho (al lenguaje de la ciencia jurídica, principalmente). 2 A linguagem jurídica prescritiva verte-se em normas, o que significa

  dizer que o Direito positivo pode ser estudado como um fenômeno de linguagem prescritiva de condutas intersubjetivas, o qual se apresenta segundo os valores previamente estabelecidos pela sociedade em que se insere.

  A linguagem da Dogmática jurídica ou Ciência do Direito se materializa em uma linguagem que toma por foco a própria linguagem prescritiva. Paulo de Barros Carvalho preceitua que:

  "Tomada com relação ao direito positivo, a Ciência do Direito é uma sobrelinguagem ou linguagem de sobrenível. Está acima da linguagem do direito positivo, pois discorre sobre ela, transmitindo notícias de sua compostura como sistema empírico” 3 .

  A linguagem do Direito positivo é, por correlação, havida como linguagem-objeto, de cunho prescritivo de condutas intersubjetivas. Prescrever condutas intersubjetivas, nada mais é do que regular condutas entre pessoas. Por outro lado, a linguagem da Dogmática Jurídica, nos dizeres de Lorival Vilanova: _________________ 2 MORESO, José Juan. Lenguaje Jurídico. In: Valdés, Ernesto Garzón; Francisco J. Laporta. El derecho y la justicia. 2. ed. Madrid: Editora Trotta, 2000, p. 105. 3 CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004, p. 3.

  não se encontra dentro do sistema, não pertence à linguagem em que se expressam as regras de direito positivo. Relativamente a essa linguagem, pertence à meta-linguagem que é a da Ciência-do-Direito: à linguagem que fala sobre a 4 linguagem das normas.

  Em face da distinção entre os níveis de linguagem, há a necessidade de grande rigor e precisão na transmissão das mensagens descritas cientificamente, para que se tenha melhor compreensão do objeto de estudo. No caso do Direito positivo, que foi tomado como objeto de estudo da Ciência do Direito, para uma melhor visualização e compreensão de sua estrutura, é imprescindível que lancemos mão tanto da abstração lógica, ou formalização, como da generalização.

  Explicitando, o que há é o seguinte: o Direito positivo forma um plano de linguagem de índole prescritiva, ao tempo em que a Ciência do direito, que o relata, compõe-se de uma camada de linguagem fundamentalmente descritiva.

  Estabelecidos estes níveis de linguagem, relacionados por uma função metalinguística, cumpre ainda ao intérprete que tomar a linguagem de sobrenível como estudo, segundo uma concepção empirista contemporânea, distingui-la através da construção de um outro nível de linguagem, a partir do qual se possa fazer uma investigação problematizadora dos componentes e estruturas da linguagem que se está analisando.

  Para se chegar a esta "metalinguagem", é preciso a utilização dos expedientes da generalização e da formalização, adquirindo-se o necessário 4 _________________ VILANOVA, Lourival. Escritos jurídicos e filosóficos. Brasília: Axis Mvndi Ibet, 2003, p. 329. rigor e precisão, eliminando as ambiguidades da linguagem cotidiana, expondo o seu significado, pelo primeiro, e as suas relações sintáticas, pelo segundo.

  A linguagem, então, adquire extrema importância, revelando-se a Teoria Geral dos Signos (Semiótica) como instrumento à disposição do estudioso do Direito, ampliando em muito sua cognicividade, por tornar seu discurso capaz de descrever com maior riqueza e precisão o fenômeno linguístico do seu objeto (Direito Positivo).

  É também com as categorias semióticas que se pode captar, metodologicamente, o ato de compreensão do destinatário do comando normativo, ato o qual norteará a sua conduta. Pratica-se, pois, consciente ou inconscientemente, duas operações lógicas. A primeira, denominada de inclusão de classes, corresponde à percepção de que determinado fato do mundo social se subsume à classe dos fatos previstos na hipótese normativa.

  A segunda, chamada de implicação, corresponde à verificação da relação jurídica prevista no consequente, deonticamente modalizada.

  De fato, em um ato de cognição, é possível se depreender que a linguagem prescritiva legislada é redutível a regras jurídicas, caracterizadas pela uniformidade sintática e a heterogeneidade semântica. Partindo do conceito de norma jurídica como a unidade mínima de significação deôntica, tem-se sua compostura estrutural, sendo uma proposição hipotética- condicional (se ocorrer o fato "x", então deve ser a prestação "y") formada por várias noções, as quais podem estar esparsas por mais de um veículo normativo (lei ordinária, lei complementar, etc.).

  Os chamados enunciados prescritivos recebem um tratamento formal ao serem acolhidos em nossa mente, que os agrupa e dispõe na conformidade lógica da implicação, que é a forma dos enunciados normativos, após a leitura dos enunciados prescritivos. Tais enunciados ingressam na estrutura sintática das normas na condição de proposição-hipótese ou de proposição-consequente. E tudo isso porque a norma jurídica deve ser acolhida

  5

  como a unidade mínima e irredutível de significação do deôntico . Assim, se reconhece força prescritiva às frases isoladas dos textos positivados. Nada obstante, esse teor prescritivo está na dependência de integrações em unidades normativas, como mínimos deônticos completos.

1.2. Texto e norma

  A linguagem comporta uma estrutura triádica: o (i) suporte físico se refere a algum objeto do mundo (ii) significado, do qual extraímos um conceito ou juízo (ii) significação.

  O suporte físico refere-se a algo, que é o seu significado, que insere em nossa mente uma noção, uma ideia ou conceito, a significação.

  O suporte físico da linguagem prescritiva do Direito Positivo é o repertório de enunciados dotados de significados, do qual o sujeito cognoscente extrai os juízos nele estabelecidos (significação), isto é, a palavra falada ou escrita, de natureza física ou material. São, portanto, os símbolos linguísticos marcados no papel ou a mensagem sonora que é dirigida pelo 5 _________________

CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004, p. 113. emissor da ordem, utilizados para comunicarem as prescrições sistemicamente estabelecidas.

  O significado, que está contido no suporte físico supra descrito, se reporta ao comportamento humano no quadro de suas relações intersubjetivas.

  É a representação do comportamento regulado.

  A significação é algo que se reproduz em nossas mentes como resultado de percepção do mundo exterior, captado pelos sentidos. In casu, é a norma jurídica, na forma como recebemos das leituras dos textos de Direito Positivo.

  No plano da significação têm-se as proposições, que são dotadas do conteúdo significativo que o enunciado exprime. É para estas que se volta o interesse da lógica, porque os seus elementos e formas não são palavras nem expressões linguísticas, mas aquilo que significam.

  Como visto, o Direito Positivo é o suporte físico, o repertório de significados de onde o sujeito cognoscente extrai os juízos nele estabelecidos (significação).

  A norma jurídica é a significação percebida nos textos de Direito

  

Positivo (grupo de vocábulos) face à respectiva realidade empírica, aparecendo

como uma proposição que representa um enunciado de juízos.

  A correta significação dos juízos advirá, contudo, através do exame dos princípios que emergem da totalidade do sistema, para uma adequada formulação interpretativa por parte do utente, porque são os princípios gerais que dão a base de sustentação axiológica ao sistema de normas.

1.3. Sobre o objeto do estudo do direito

  O problema fundamental de toda ciência é a demarcação do seu

  objeto-formal. E a cada ciência corresponde um e somente um objeto-formal,

  para efeito de constituição de um sistema de proposições descritivas, com fim cognoscitivo sobre ele.

  Objeto-formal é o produto de um corte abstrato sobre o objeto- material, cuja constituição é complexa. Objeto-material, matéria reconstituída gnosiologicamente sobre a qual se opera essa demarcação, que, por isso mesmo, dá margem à constituição de “n” objetos e respectivos feixes homogêneos de proposições: teorias.

  A ciência do direito é uma das ciências sobre a realidade chamada “direito”, cujo objeto não é dado, mas construído mediante critérios seletivos - redutores de complexidade.

  O direito é instrumento, uma técnica social específica baseada na experiência humana para fins de regular as condutas intersubjetivas no tempo histórico e no espaço social. É por meio do direito que o Estado age para manter e realizar o bem comum e os valores da comunidade.

  O objeto-formal da ciência do direito é o direito positivo, que apresenta uma multiplicidade quantitativamente indeterminada e qualitativamente heterogênea de regras. Assim, o conhecimento científico visa pôr ordem na multiplicidade heterogênea do objeto-material, delineando conceitos e isolando as propriedades das normas jurídicas, seletivamente.

  O conhecimento gnosiológico busca reconstituir o dado-material e constituir o objeto-material, na medida em que busca não reconstituir aquele, mas apenas a experiência (acesso ao objeto) do ser cognoscente, para possibilitar, num segundo momento, que o conhecimento científico, pelo corte epistemológico sobre o objeto-material, possa constituir o objeto-formal.

  Assim, a ciência não faz o direito, fala sobre ele, separando conceitualmente as normas para, na linguagem descritiva, emitir enunciados sobre ele. Então, temos que o objeto-formal da ciência do direito é o direito positivo (conjunto de normas jurídicas válidas).

  6 Segundo Eurico Diniz de Santi , o direito é realidade (fato) e

  idealidade (norma) – o que se denomina de bidimensionalidade. Como idealidade, toma dois níveis: a norma e o valor, tornando-se tridimensional por essa divisão. Entretando, somente as normas, unidades básicas que conformam o direito positivo, interessam à investigação da ciência formal.

  Direito positivo e ciência do direito são fixados, ambos, em sistemas linguísticos, dado que a semiótica ou teoria dos signos potencializa o discurso do cientista dogmático, ampliando a capacidade do discurso científico, que implica, portanto, o estudo do plano sintático, semântico ou pragmático da linguagem prescritiva do direito posto. Consoante assevera Tércio Sampaio

7 Ferraz Júnior:

  6 _________________

  

SANTI, Eurico Marcos Diniz de. “Introdução: norma, evento, fato, relação jurídica, fontes e validade

no direito”. In: Eurico Marcos Diniz de Santi. (Org.). Curso de Especialização em Direito Tributário –

Estudos Analíticos em Homenagem a Paulo de Barros Carvalho. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense,

7 2005, v. 1, pp. 6-15.

  

FERRAZ JUNIOR, T.S. Introdução ao estudo de direito: técnica, decisão, dominação. 2. ed. São

Paulo: Atlas, 1994, p. 124.

  Apenas com objetivos didáticos, oferecemos um critério que pode, se não sistematizar todos, pelo menos fornecer uma visão abrangente e compreensiva dos diferentes critérios tópicos. Servimo-nos, pois, de um ponto de vista semiótico, das noções de relação sintática, semântica e pragmática. A semiótica é a teoria dos signos (por exemplo dos signos lingüísticos, das palavras), em sua tríplice relação: signos entre si (sintaxe), em relação ao objeto (semântica) e aos seus usuários (pragmática). Isto só nos basta para dizer que as normas se classificam conforme critérios sintáticos, semânticos e pragmáticos, ou seja, normas em relação a normas, normas em relação ao objeto normado e normas em relação à sua função.

  O gênero norma, do qual “normas jurídicas” são espécie, apresenta- se necessariamente em linguagem, sem a qual inexiste proposição de dever- ser. A norma jurídica corresponde à significação que se colhe da leitura dos textos do direito positivo. Os textos legais (suportes físicos - os enunciados) são os veículos normativos que se constituem de enunciados prescritivos, aos quais correspondem proposições (significações).

  No presente segmento, interessa o enfoque da estrutura lógica da norma jurídica, tomando como base a semiótica - estudo dos signos - nos seus planos: sintático (relação dos signos entre si), semântico (signos com o que designam) e pragmático (relações do signo com os utentes da linguagem).

  Todas as normas apresentam a mesma estrutura sintática. Daí dizer-se que o direito é um sistema que apresenta em suas unidades - as normas jurídicas válidas - homogeneidade sintática (mesma estrutura lógica) e

  

heterogeneidade semântica (diversidade de conteúdos dirigidos à região

  material). Destaca-se no interior da norma uma hipótese, descritor de possível situação fática, e uma tese, prescritor da relação em que um sujeito fica em face de um outro.

  A norma jurídica prescreve condutas intersubjetivas e juridiciza situações, é proposição jurídica que advém de um enunciado prescritivo. A homogeneidade sintática dos elementos assim se põe: associa, num nexo de causalidade jurídica (imputação), a descrição de um fato de possível ocorrência no mundo objetivo (hipótese) a uma relação deôntica (consequência).

  Os limites para a criação de normas jurídicas: um sintático (cinge-se à estrutura lógica); outro semântico (material), que se cinge aos conteúdos normativos do “factualmente possível” e do “não-necessário”.

  O “ser” norma jurídica pressupõe bimembridade constitutiva: norma

  

primária e norma secundária, ambas com mesma estrutura sintática, mas com

  composição semântica distinta. A primária vincula deonticamente a ocorrência de dado fato a uma prescrição (relação jurídica); a secundária conecta-se sintaticamente à primária, prescrevendo: caso não se cumpra o prescrito na primária, então deve haver uma relação jurídica que assegure o cumprimento daquela primeira (sanção). E a norma é jurídica, justo porque se sujeita à sanção, que confere juridicidade à norma primária.

  O que caracteriza a norma secundária é a figuração no prescritor da sanção da possibilidade do uso da coação organizada, mediante órgão jurisdicional, para fazer valer a efetivação do dever constituído pela eficácia jurídica de outras normas. É norma de direito adjetivo.

  Não é outra a constatação que colhemos do texto de Lourival

8 Vilanova :

  Se urna norma foi posta, para ser norma jurídica, constituir-se-á de duas proposições: a primeira fixa as relações jurídicas ou situações jurídicas decorrentes da verificação ou não-verificação (fato não-ocorrente, omissivo) de fatos que são fatos jurídicos justamente porque provocam tais “efeitos jurídicos”; a segunda, fixa as conseqüências para os sujeitos no caso de não seguirem o que está preceituado na norma antecedente. A conduta dos sujeitos se alojará numa ou noutra norma, não em ambas. Mesclar-se-iam o lícito e o ilícito, o devido e o não-devido se a conduta se inserisse simultanearnente na primeira e na segunda norma-parte da norma total. Se se descumpre a norma primária, ingressa-se na órbita de incidência da norma secundária sancionadora. Se há observância da norma primária, carece de sentido prescritivo subsurnir a conduta na norma secundária. Do âmbito de possibilidades de conduta para os sujeitos, são selecionadas duas, colocadas em sucessividade temporal. Cumprir/descumprir, ou observar/inobservar, ou adimplir/inadimplir, é a dualidade que o ordenarnento jurídico deixa aos sujeitos ante as normas positivas. São possibilidades mutuamente excludentes, contraditórias ou contrárias, conforme logicamente sejam ou não exaustivas (ontologicamente, as possibilidades de fazer ou não-fazer são inesgotáveis).

  Delimitada a nossa posição quanto à forma como se apresentam as normas jurídicas, como produto construído pela análise sintática, semântica e pragmática da linguagem legislada e sendo ela a única que importa para a Ciência do Direito, e visualizando que tanto o direito positivo quanto a Ciência do Direito podem ser sistematizados, passaremos a tratar no tópico seguinte das diferenças substanciais entre o sistema do direito positivo e o sistema da ciência do direito. 8 _________________

  VILANOVA, Lourival. As estruturas lógicas e o sistema do direito positivo. São Paulo: Editora Max Limonad, 1997, pp. 132-133.

  

1.4. Sistemas jurídicos - sistema do direito posto e sistema da

ciência do direito

  As normas jurídicas são unidades que, inter-relacionadas mediante vínculos horizontais (relações de coordenação) e verticais (relações de subordinação-hierarquia), compõem um sistema, o qual tem como suporte físico os textos de Direito Positivo e encontra-se vertido numa linguagem de natureza prescritiva.

  Em face desse sistema prescritivo, o cientista do direito desenvolve intenso trabalho de sua descrição. É o sistema da Ciência do Direito, de enunciados apofânticos que dizem respeito às normas e princípios que compõem o sistema prescritivo (deôntico).

  A distinção entre ambos os sistemas está na impossibilidade de pertinência de contradições no interior do sistema da Ciência do Direito, o que não acontece com o sistema de direito posto, que pode conviver com contradições intrassistêmicas - antinomias -, as quais apenas deixarão de existir com a escolha de aplicação da norma legítima e adequada para reger

  9 um dado caso concreto (por hierarquia formal, temporal etc) .

  10 No Direito Positivo, segundo Lourival Vilanova , é possível haver

  contradições entre as proposições normativas: entre normas de um mesmo nível hierárquico, ou não, somente elimináveis pelos princípios extralógicos:

  Agora, o que a experiência manifesta é a existência de contradições entre as proposições normativas. Contradições entre normas de um mesmo nível, entre leis constitucionais, 9 _________________ 10 Ibidem, pp. 191-195.

  Ibidem, p. 194. entre leis ordinárias, entre regulamentos e entre outros atos normativos. Contradições só elimináveis pelo principio extralógico da norma de nível mais elevado sobre a norma de nível inferior, ou pelo critério, também extralógico, da sucessão temporal (norma de mesmo nível revoga norma anteriormente ditada); da norma geral que admite a contraposição contraditória de uma norma especial, estatuindo para todos os casos compreendidos num conjunto, menos para alguns que se excetuam, mas que pertencem ao conjunto.

  Dessa forma, a inexistência de contradições intra-sistêmicas não é condição sine qua non para a estrutura sistêmica do jurídico.

  Quando a uma dada norma N corresponde uma outra contraditória, não-N, sendo ambas válidas, uma, ao menos, pertence ao sistema, porque é também pertinente ao sistema um mecanismo decisional que possibilita a aplicação de uma ou outra norma a um dado caso concreto (mas nunca ambas), sem alterar em nada a validade da proposição normativa contraditória que não for aplicada.

  Assim, o Sistema de Direito Positivo pode conter proposições normativas contraditórias, simultaneamente válidas, ainda que não simultaneamente aplicáveis e, por isso, o órgão aplicador que deixou de aplicar não-N, por contradizer N, incidível no caso subjudice, posteriormente pode aplicar não-N, que continuou como norma válida em relação de pertinencialidade com o sistema.

  Uma norma é válida ou não-válida, de acordo com os critérios de validade que o sistema jurídico estabelece (lei lógica). O ser-válido e o não-ser- válido são propriedades análogas ao ser-verdadeiro e ao ser-falso das proposições descritivas. O comportamento sintático de ambas as formas valorativas é análogo, na medida em que a diferença que se põe entre os mesmos reside no lado semântico: é o modo de referência ao objeto que difere.

  Uma vez que o Sistema de Direito Positivo não é um sistema científico, não lhe é peculiar seguir a lei lógica da não-contradição. Na Ciência do Direito, contudo, a consistência formal é de suma importância para alcançar (1) o objeto do conhecimento e (2) sua adequação (verdade material ou gnosiológica) à experiência em que se dá o Sistema de Direito Positivo, devendo ser, portanto, um todo isento de contradições. E isso porque o sistema de Ciência do Direito exprime-se em linguagem apofântica, que é necessariamente susceptível do valor verdade, positivo ou negativo, consoante

  11 a confirmação ou falseabilidade pelo objeto da experiência .

  Pela diferenciação de valores acima descrita, a possibilidade de convivência de proposições contraditórias no interior do sistema de Direito Positivo não transita para a linguagem da Ciência do Direito, comprometendo os valores apofânticos próprios desta linguagem.

  Cumpre observar, todavia, que, mesmo assim, ao jurista apresentam-se dificuldades técnicas, como as ambiguidades, a vagueza e multissignificações, que são de difícil resolução semântica. E, para esses casos, que persistirem, ainda no plano da teoria geral do direito, somente as generalizações lógicas são capazes de ofertar um esquema seguro para captar o arcabouço da mensagem normativa; isso porque os termos lógicos têm somente uma significação. 11 _________________

  

Cf. VILANOVA, Lourival. As estruturas lógicas e o sistema do direito positivo. São Paulo: Editora

Max Limonad, 1997, p. 192.

1.5. O conjunto das normas válidas como objeto da ciência do direito

  O conhecimento jurídico pressupõe como imperativo epistemológico que se estabeleça um corte metodológico, para que se torne possível um trabalho coerente e rigoroso.

  Por ser o sistema jurídico dotado de um natural empirismo, pode ser estudado e apreendido cognoscitivamente segundo vários prismas: dogmática jurídica, sociologia jurídica, ética, política, história do direito etc, de acordo com o método que corresponda a cada um deles. Por esse motivo, não há que se falar em privilégios de um em detrimento dos demais, sendo todos eles dotados de dignidade científica similar.

  Em termos de ciência que fala do Direito Positivo, a dogmática jurídica, por preocupar-se com o caráter ontológico do jurídico, firma-se como a parte do conhecimento jurídico que trata do direito posto e se preocupa em

  

“conhecer de que maneira se articulam e de que modo funcionam as

  12

prescrições normativas”. É a dogmática jurídica o que se poderia chamar de

  Ciência do Direito stricto sensu, porque se ocupa em descrever o Direito Positivo posto, tal como ele se apresenta, considerado hic et nunc,. Por esse

  13

  motivo, para a dogmática, no dizer de Paulo de Barros :

  (...) é necessário observá-lo (o Direito Positivo) na sua feição estática e no seu aspecto dinâmico, que se perfaz no seu processo de positivação, em que a norma editada hoje será o fundamento de validade de outras regras, até o ponto terminal da cadeia de elaboração, que se consubstancia no último ato de aplicação, norma individual de máxima concretude. 12 _________________ 13 CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004, p. 12.

  Ibidem, p. 13.

  Foi a partir dessa visão do direito posivito como um sistema de normas jurídicas válidas, e que possui na norma fundamental o seu ápice, que desenvolvemos o presente trabalho no intuito de identificarmos quais as normas que mantêm relação com as normas que dispõem sobre a responsabilidade dos sócios e dirigentes de pessoas jurídicas de direito privado.

  Trataremos no tópico seguinte do Sistema Constitucional Brasileiro, o qual contém princípios norteadores de todas as normas que lhe são subordinadas, e dentre estas as que disciplinam a responsabilidade dos sócios e dirigentes de pessoas jurídicas de direito privado.

1.6. Sistema constitucional brasileiro

  Sistema jurídico, nos ensinamentos do professor Paulo de Barros Carvalho, é uma expressão ambígua que tanto pode designar o sistema da Ciência do Direito, quanto o direito positivo, o que acaba instaurando certa instabilidade semântica. Todavia, os enunciados prescritivos que projetam sobre a região material das condutas interpessoais acabam tendo um mínimo de racionalidade, o que lhes garante a condição de sistema.

  Há que se notar que, onde houver um conjunto de elementos relacionados entre si, em face de uma determinada referência, pode-se encontrar a noção de sistema, lembrando que o uso reiterado da comunidade dos que lidam interativamente com o nosso idioma favorece outras preposições que não podem ser desconsideradas. Assim, há que se atentar a tal fato para procurar no sistema as possibilidades de uso de idioma que nos ofereça a possibilidade de conjugar tais elementos centrados por uma ideia comum.

  O sistema de direito está estruturado de maneira hierarquizada, convergindo sempre para a norma fundamental e é regido pela fundamentação ou derivação operacionalizada, tanto sobre o aspecto material quanto sobre o formal ou processual, o que possibilita sua dinâmica, regulando sua própria criação e transformação.

  Tanto a Ciência do Direito (fenômeno linguístico) quanto o direito positivo (plexo de enunciados prescritivos) apresenta-se como sistema; o primeiro mostra-se num sistema nomoempírico descritivo, teorético ou declarativo, vertido numa linguagem que se propõe ser científica; já o segundo, nomoempírico prescritivo, apresentando a racionalidade do homem que é utilizada como objetivo diretivo e vazado em linguagem técnica.

  A partir da norma fundamental, cuja função é legitimar a Lei Constitucional, as demais normas do sistema distribuem-se em várias escalas hierárquicas, restando, à base da pirâmide, as regras individuais máximas de concretude, onde uma concepção dessa ordem propicia a análise estática do ordenamento (nomoestática), ou seja, as unidades normativas são surpreendidas num instante, e uma análise dinâmica do funcionamento do sistema positivo (nomodinâmica), onde se indagam as possíveis mutações, tanto de ordem à criação de novas regras, como às transformações internas que o complexo de normas tem idoneidade para produzir.

  Temos, então, no complexo de normas acima referido, as regras de comportamento, aquelas diretamente voltadas para a conduta das pessoas em suas relações intersubjetivas, e as regras de estrutura ou de organização, destinadas igualmente às condutas interpessoais, tendo por objeto os comportamentos relacionados à produção de novas unidades deônticas, dispondo sobre órgãos, procedimentos e forma de criação das regras transformadas ou expulsas do sistema.

  As normas em geral e as proposições expressam-se pelo conectivo dever-ser (deôntico do sistema do direito positivo) modalizado em permitido (P), obrigatório (O) e proibido (V). Assim, as regulações de condutas dependem de edição de outra norma, e são determinadas por órgãos do sistema em que irão editar normas jurídicas válidas e o modo como serão alteradas ou desconstituídas. Seu conteúdo é disciplinar as competências, fazendo surgir a norma de conduta derivada da regra de estrutura, para reger diretamente os comportamentos interpessoais.

  Temos de considerar o texto constitucional como lugar que trata das linhas gerais que informam a organização do Estado, traçando as características das instituições que a legislação comum desenvolve, conferindo-lhes compostura final.

  Ressalte-se que nossa Carta Maior é rígida, de modo a permitir somente a sua alteração através de um procedimento muito mais solene e rígido do que aquele exigido ora com as leis ordinárias, nada obstante os valores jurídico-politicos intangíveis consagrados no artigo 60, § 4º, I a IV.

  Esse subsistema – legitimado pela norma fundamental e consubstanciado pelo ponto de confluência do direito positivo à matéria que lhe dá conteúdo – é constituído por um quadro orgânico das normas atinentes à matéria tributária em nível constitucional, cujaa homogeneidade das regras é determinada pela natureza lógica das entidades normativas horizontalmente coordenadas.

  Ainda que as regras de estrutura sejam as de maior aparência, existem aquelas que se dirigem à disciplina das condutas.

  O subsistema constitucional tributário realiza várias funções; enuncia normas que são verdadeiros princípios, os quais irão influenciar várias outras normas que lhes são subordinadas. Note-se que, diferentemente de outros países, no Brasil, por exemplo, foram dispensados fartos preceitos em matéria tributária, mobilizando, de certa forma, o legislador ordinário, fazendo-se entender que nossas imposições tributárias encontram-se sob os cuidados de muitos princípios constitucionais que se irradiam por toda a ordem jurídica.

  As normas tratadas no presente trabalho regulam a responsabilidade dos sócios e administradores das pessoas jurídicas de direito privado, em relação aos tributos cobrados destas. São, portanto, subordinados à hierarquia dos princípios constitucionais.

1.7. Os princípios constitucionais brasileiros

  Deparamos-nos agora com uma questão de vital importância no ato de apreensão da correta significação que se deve dar às normas jurídicas, levando-se em consideração que elas mantém entre si relações de subordinação e coordenação, todas confluindo para a norma fundamental da qual a Constituição obtém o seu fundamento de validade. É justamente na Constituição Federal, norma de hierarquia superior e orientadora de todas as demais normas do sistema que lhe são inferiores, que vamos encontrar os princípios jurídicos.

  Discorrendo acerca dos princípios jurídicos, Roque Carrazza assim define:

  princípio jurídico é um enunciado lógico, implícito ou explícito, que, por sua grande generalidade, ocupa posição de preeminência nos vastos quadrantes do Direito e, por isso mesmo, vincula, de modo inexorável, o entendimento e a 14 aplicação das normas jurídicas que com ele se conectam.

  Com efeito, os princípios são encontráveis em todos os escalões da “pirâmide jurídica”. Assim, podemos identificar princípios constitucionais, legais e até mesmo infralegais; contudo, os constitucionais, sem dúvida alguma, são os de maior relevância, na medida em que sobrepairam aos outros princípios e

  15 regras, inclusive às contidas na Constituição Federal.

  O princípio dentro de nosso ordenamento possui uma função especificadora para a exegese e perfeita aplicação dos atos normativos.

  Também não passa de ser uma norma jurídica qualificadora, posto que possui um âmbito de validade maior e orienta a atuação de outras normas, ainda que

  16 sejam de níveis constitucionais. 14 _________________ a

CARRAZZA, Roque Antônio. Curso de direito constitucional tributário. 19. ed. Rev. amp. e atual,

15 2 . tiragem. São Paulo: Malheiros, 2003, p. 33. 16 Ibidem, p. 34.

  Ibidem, p. 41.

  17 Leciona Paulo de Barros Carvalho que os princípios são linhas

  diretivas que auxiliam na compreensão dos setores normativos, imprimindo caráter de unidade relativa que serve de fator de agregação num dado feixe de normas, e podem ser encontrados de maneira expressa ou implícita sem considerar algum tipo de supremacia entre eles. Para o objeto do nosso trabalho, cabe-nos analisar o princípio da igualdade e da capacidade contributiva, no intuito de avaliarmos se as normas atributivas de responsabilidade tributária dos sócios e dirigentes de pessoas jurídicas estão em consonância cosigo mesmos.

  É essencial para o desenvolvimento do presente trabalho, definirmos alguns princípios constitucionais e outros direcionados à orientação das normas tributárias e, especificamente, das normas relativas à sujeição passiva tributária. São eles:

  Princípio da justiça: É tido como uma diretriz suprema, utilizado para implementar outros princípios, motivo pelo qual é considerado como sobreprincípio na medida em que as unidades normativas o proclamam.

  Princípio da certeza do direito: Também considerado como sobreprincípio, é algo que está na própria raiz do dever-ser, sendo incompatível imaginá-lo sem determinação específica. Elege a certeza como postulado indispensável para uma harmoniosa convivência social.

  Princípio da segurança jurídica: Coordena o fluxo das interações inter-humanas visando a propagar, no seio da comunidade social, a previsibilidade quanto aos efeitos jurídicos da regulação da conduta humana. 17 _________________ CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004, p. 147.

  Princípio da irretroatividade das leis: Princípio que garante a certeza do direito, alcançando o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada, sendo, portanto, considerado como norma superior que estabelece limites, objetivos – artigo 5º, XXXVI da CF/88.

  Princípio da universalização da jurisdição: Estampado no artigo 5º,

  XXXV, tal princípio garante a todos, a tutela jurisdicional do Estado com o propósito de assegurar a aptidão da coisa julgada.

  Princípio que consagra o direito de ampla defesa e o devido processo legal: Instrumento básico para garantir a preservação dos direitos e garantias; esse princípio está previsto no artigo 5º, LV, onde aos litigantes, em geral, está garantido o devido processo legal.

  Princípio que afirma o direito de propriedade: Insculpido no artigo 5º,

  XXII e XXIV da CF/88, o princípio da propriedade aloja situações materiais que sofrem impacto tributário, motivo pelo qual deve ser guarnecido de proteção constitucional.

  Já considerando os princípios constitucionais tributários, temos: Princípio da estrita legalidade: Trata-se de princípio que determina a introdução de regras tributárias sempre por meio de lei no seu sentido lato. No que concerne ao princípio da estrita legalidade, sua abrangência acaba sendo maior, na medida em que estabelece a necessidade de que a lei traga no seu bojo elementos descritores do fato jurídico e os dados prescritivos da relação obrigacional.

  Princípio da anterioridade: Tal princípio determina que a lei que instituir ou majorar um tributo só poderá ser aplicada no ano seguinte, para tanto, o respectivo diploma legislativo deve ser publicado no período que antecede o início do exercício financeiro em que se pretenda efetuar a cobrança.

  Princípio da irretroatividade da lei tributária: Esse princípio existe para proteger situações já ocorridas e, visando a, de toda sorte, proteger o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada. Assim, seu reconhecimento impede que o ente tributante venha tomar iniciativas tributárias no sentido de atingir fatos passados.

  Princípio da tipologia tributária: Através desse princípio, será possível verificar a definição do tipo tributário pela sua integração lógico- semântica, por meio de dois fatores: hipótese de incidência e base de cálculo. Diante desses fatores, na medida em que foram adequadamente isolados, será possível credenciar determinado tributo em imposto, taxa ou contribuição de melhoria, bem como anunciar seu tipo tributário.

  Princípio da proibição de tributo com efeito de confisco: Nada obstante tratar-se de um princípio que carece de linhas demarcatórias no que concerne ao conceito do limite o qual incide o inciso IV, do artigo 150 da CF/88, a nota principal repousa no sentido de que a carga tributária tem limite.

  Princípio da vinculabilidade da tributação: Ainda que exista uma série de atos discricionários da atividade administrativa, a relevância desse princípio se dá àqueles acontecimentos de maior importância, ou seja, os que dizem respeito aos fins últimos da pretensão tributária, sendo pautados por uma estrita vinculabilidade.

  Princípio da uniformidade geográfica: Aqui se trata de um princípio cuja tradução é o sentido de determinar que os tributos instituídos pela União sejam uniformes em todo o território nacional, de modo que tal postulado deve ser aplicado aos demais entes para que não haja prejuízo entre eles.

  Princípio da não-discriminação tributária, em razão da procedência ou do destino dos bens: Tal princípio determina que as pessoas tributantes estão impedidas de graduar seus tributos, levando-se em conta a região de origem dos bens ou do local para onde se destinem.

  Princípio da territorialidade da tributação: A observância desse princípio é condição determinante para o bom funcionamento do Estado de direito, na medida em que o poder vinculante de uma lei ensejará que seus efeitos jurídicos deverão respeitar os limites geográficos da pessoa política que a editou.

  Princípio da indelegabilidade da competência tributária: Lembrando sempre que transferir capacidade ativa não é transferir competência tributária, o legislador, ao definir a incidência do imposto, já terá esgotado sua competência, pelo que somente poderá passar adiante a sua capacidade para ser sujeito ativo. Assim, a transferência de competência para instituir determinado tributo é vedada.

  Princípio da igualdade: Contido no artigo 5º, caput, da Constituição Federal, tem como destinatários os órgãos da atividade legislativa, não sendo de fácil determinação, nada obstante sua grande importância.

  Princípio da capacidade contributiva: Fonte principal de critérios discriminatórios, conforme o qual os impostos serão graduados e personalizados segundo as possibilidades econômicas do contribuinte.

  Passaremos à analise da responsabilidade tributária no âmbito da teoria geral do direito tributário, momento em que retornaremos à análise do princípio da capacidade contributiva e de sua relação com a responsabilidade tributária dos sócios e dirigentes de pessoas jurídicas de direito privado.

2. RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

2.1. Fundamentos preliminares

  O objeto de nossa investigação é a responsabilidade tributária dos sócios e dirigentes das pessoas jurídicas. Entretanto, para adentrarmos ao tema proposto, faz-se necessário, inicialmente, abordarmos alguns conceitos relacionados ao fenômeno da incidência da norma tributária.

  O responsável tributário, assim como o contribuinte, é pessoa física ou jurídica que ocupa na relação jurídico-tributária o lugar de sujeito passivo. A sujeição passiva - tema da mais alta relevância para o presente estudo - será detidamente analisada mais adiante. Por ora, ocupar-nos-emos da relação jurídico-tributária formal.

  Tratamos no capítulo anterior da forma como se apresenta o sistema do direito positivo. Verificamos que o direito se apresenta em uma linguagem de índole prescritiva contida de forma esparsa nos diversos veículos normativos (textos de lei) e que essa linguagem permite a construção pelo intérprete de normas jurídicas.

  Partindo do conceito de norma jurídica como a unidade mínima de significação deôntica, tem-se sua compostura estrutural como sendo uma proposição hipotético-condicional (se ocorrer o fato "x", então deve ser a prestação "y"). Ou seja, se ocorrer o fato “x”, deverá haver uma relação jurídica

  18

  entre sujeitos de direito. Assim como nos diz Lourival Vilanova : “Ao jurista nenhuma idéia é mais familiar: a norma ao incidir num fato (no fato jurídico) vincula a esse fato um relacionamento entre sujeitos-de-direito”.

  Essa é a norma geral e abstrata, considerada como a norma que disciplina condutas. No campo em que se insere o nosso objeto de estudo, qual seja, no direito tributário, temos que a norma geral e abstrata disciplinadora de condutas se apresentará na forma lógica da regra matriz de incidência tributária, conforme critérios que identificamos nesse fenômeno.

  A regra-matriz de incidência tributária apresenta-se com a mesma estrutura lógica de qualquer norma jurídica, vista como unidade mínima de significação deôntica, isto é, hipótese que implica uma consequência. Difere das demais normas apenas em face do seu conteúdo, pois descreve um fato tributário e prescreve a relação jurídica obrigacional a ser estabelecida entre sujeito ativo e passivo, tendo como objeto a prestação pecuniária, em moeda ou em cujo valor nela se possa exprimir, não decorrente de ato ilícito.

  A hipótese da regra-matriz de incidência tributária pode ser definida como: “descrição normativa de um evento, que concretizado no nível das realidades materiais e relatado no antecedente de norma individual e concreta,

  19

  fará irromper o vínculo abstrato que o legislador estipulou na conseqüência.” Como explica Paulo de Barros Carvalho evento jurídico tributário é o acontecimento real e fato jurídico tributário é o “relato lingüístico desse 18 _________________

  

VILANOVA, Lourival. As estruturas lógicas e o sistema do direito positivo. São Paulo: Editora Max

19 Limonad, 1997, p. 75.

  

CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004,

p. 244.

  

acontecimento. Fato jurídico, porque tem o condão de irradiar efeitos de direito;

tributário, pela simples razão de sua eficácia estar diretamente ligada à

  20 instituição do tributo.”

21 Ainda conforme o autor , a subsunção não se verifica simplesmente

  entre iguais, mas entre linguagens de níveis diferentes. Toda vez que ocorre a subsunção do fato à norma, com a consequente efusão de efeitos jurídicos típicos, estar-se-á diante da própria essência da fenomenologia do direito.

  No tocante à fenomenologia da incidência da norma tributária ou regra-matriz de incidência tributária, diremos que houve a subsunção quando o fato (fato jurídico tributário) guardar identidade com o desenho normativo da hipótese (hipótese tributária). Quando o fato ganha concretude , instala-se, automática e infalivelmente, o laço abstrato pelo qual o sujeito ativo torna-se titular do direito subjetivo público de exigir a prestação, ao passo que o sujeito

  22 passivo ficará na contingência de cumpri-la.

  Convém ressaltar que, para que ocorra a subsunção, o enquadramento do fato à hipótese normativa tem de ser completo. É preciso que sejam satisfeitos todos os critérios identificadores tipificados na hipótese da norma geral e abstrata.

  Inexiste cronologia entre a verificação empírica do fato e o surgimento da relação jurídica. Instaura-se o vínculo abstrato, que une as pessoas, exatamente no instante em que aparece a linguagem competente que 20 _________________

  

CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004,

21 p. 244. 22 Ibidem, p. 245.

  Ibidem, p. 246. relata o evento descrito pelo legislador. São entidades simultâneas,

  23 concomitantes.

  A norma em sentido estrito é a que vai definir a incidência fiscal. Para obter a regra-matriz, faz-se necessário isolar as proposições em si, como formas de estrutura sintática, e suspender o vetor semântico da norma para as situações objetivas, ao mesmo tempo em que se desconsideram os atos psicológicos de querer e de pensar a norma.

  Assim, a hipótese trará a previsão de um fato (antecedente normativo), enquanto o consequente prescreverá a relação jurídica – obrigação tributária (consequente). Na hipótese, encontraremos um critério material condicionado no tempo e no espaço. Já na consequência, nos depararemos com o critério pessoal e quantitativo.

  Lourival Vilanova já dizia que “O dado social juridiciza-se, inserindo- se em hipótese ou provocando (mediante o legislador, em sentido abrangente)

  24

  novas hipóteses e novas conseqüências.” Por sua vez, Paulo de Barros Carvalho, no mesmo sentido de

  Lourival Vilanova, concluiu que:

  A hipótese (...) é construída pela vontade do legislador, que recolhe os dados de fato da realidade que deseja disciplinar (realidade social), qualificando-os, normativamente, como fatos jurídicos. (...) 23 _________________

  

CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004,

24 p. 247.

  

VILANOVA, Lourival. Causalidade e relação no direito. 4. ed. Rev., atual. e ampl. São Paulo:

Editora Revista dos Tribunais, 2000, p. 86.

  Ao escolher os fatos que lhe interessam como pretexto para desencadear efeitos jurídicos, o legislador expede conceitos que selecionam propriedades do evento. (...) Ao conceituar o fato que dará ensejo ao nascimento da relação jurídica do tributo, o legislador também seleciona as propriedades que julgou importantes para caracterizá-lo. E, desse conceito, podemos extrair critérios de identificação que nos permitam reconhecê-lo toda vez que, efetivamente, 25 aconteça.

  Logo, afigurar-se-ia impossível cogitar uma descrição que pudesse captar o evento na infinita riqueza de seus predicados. “No enunciado

  

hipotético, vamos encontrar três critérios identificadores do fato: a) critério

  26 material; b) critério espacial e c) critério temporal.”

  O critério material é um dos componentes da hipótese normativa, nada obstante, muitos confundi-lo, tratando-o como a própria hipótese.

  Conceitua-se, erroneamente, o critério material como “descrição objetiva do fato”, olvidando-se que a descrição objetiva do fato é a própria hipótese e não seu critério material.

  Com efeito, será critério material a identificação de um comportamento, seja ele um estado, isto é, “ser proprietário”, ou uma ação, isto é, “vender mercadorias”. O critério material será formado por um verbo acompanhado de seu complemento.

  Por sua vez, o critério espacial é componente da hipótese normativa. No que se refere a tal critério, sua relevância é marcada pela estreita ligação 25 _________________

  

CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004

26 pp. 252-253.

  Ibidem, p. 253. com o campo impositivo do ente político instituidor da exação, pela conduta hipotética a ser realizada fora do território impositivo do ente político instituidor da exação, que só será constitucional se lhe for reconhecida a extraterritorialidade.

  Tais coordenadas de espaço podem ser determinadas, específicas e genéricas. Podem se tratar de hipóteses cujo critério espacial faz menção a determinado local para a ocorrência do fato típico; podem fazer alusão a áreas específicas, de tal sorte que o acontecimento apenas ocorrerá se dentro delas estiver geograficamente contido; bem como podem ser genéricas, de forma que todo e qualquer fato que suceda sob o manto da vigência territorial da lei instituidora, estará apto a desencadear seus efeitos peculiares.

  Por fim, o critério temporal é componente da hipótese normativa, sua relevância é marcada pelo tempo em que se reportam os efeitos da relação

  27

  jurídica instaurada em decorrência do fato jurídico. É pelo tempo no fato que se poderá prever a oneração da propriedade do sujeito passivo e o direito à receita por parte do sujeito ativo.

  O consequente da norma é a parte “que estipula a regulação da conduta, prescrevendo direitos e obrigações para as pessoas físicas ou jurídicas envolvidas, de alguma forma, no acontecimento do fato jurídico

  28 tributário”. 27 _________________

O termo “tempo no fato” foi utilizado pela primeira vez por Paulo de Barros Carvalho para

denominar o tempo da ocorrência do evento tributário. Por outro lado, o termo “tempo do fato”

denomina o tempo em que o fato jurídico é constituído. CARVALHO, Paulo de Barros. Direito

28 Tributário: fundamentos jurídicos da incidência. São Paulo: Saraiva 1999, p. 123.

  

CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004,

p. 281.

  Destarte, o consequente da norma jurídica, exercendo papel de

  

prescritor, é instituto hábil a fornecer os critérios de identificação do vínculo

jurídico que nasce.

  Preceituando uma conduta, o consequente normativo faz irromper direitos subjetivos e deveres jurídicos – desenha a previsão de uma relação jurídica que se instala, automática e infalivelmente, assim que se concretize

  29 o fato.

  Nesse diapasão, são dois os critérios utilizados para identificarmos o aparecimento de uma relação jurídica tributária: a) quantitativo e b) pessoal.

  O critério quantitativo trata do objeto da prestação; no caso da regra- matriz de incidência tributária consubstancia-se na base de cálculo e na alíquota. É nesse critério que encontramos referências às grandezas, mediante as quais o legislador pretendeu dimensionar o fato jurídico tributário, para efeito de definir a quantia a ser paga pelo sujeito passivo, a título de tributo.

  Por sua vez, o critério pessoal é o conjunto de elementos, colhido como prescritor da norma, que nos indica quem são os sujeitos da relação jurídica.

  É justamente esse critério contido no consequente da regra-matriz de incidência tributária que nos interessa no presente estudo. Assim, passamos a tratar da sujeição passiva tributária. 29 _________________

  CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004, p. 281.

2.2. Sujeição passiva

  Delimitados os contornos da relação jurídico-tributária, passamos a tratar, no presente tópico, do sujeito passivo.

  O art. 121 do CTN define o sujeito passivo da obrigação tributária principal como sendo “a pessoa obrigada ao pagamento de tributo ou penalidade pecuniária” e o art. 122 do mesmo diploma legal define o sujeito passivo da obrigação acessória como sendo “a pessoa obrigada às prestações que constituam o seu objeto”.

  Renato Lopes Becho traz a seguinte definição para o sujeito passivo tributário:

  “Extraímos do critério pessoal os sujeitos passivos da obrigação tributária que, nos tributos discriminados na Constituição, serão necessariamente aquelas pessoas que realizarem, inquestionavelmente, a materialidade prevista na norma constitucional tributária. Nos tributos não discriminados, serão aquelas pessoas que realizarem as condutas descritas em dita materialidade. Os sujeitos passivos tributários estão, portanto, umbilicalmente relacionados com a materialidade 30 descrita na norma.”

  Ainda, conforme preceitua o art. 121 do CTN, precisamente nos incisos I e II do seu parágrafo único, há a divisão do sujeito passivo da obrigação tributária em duas espécies, quais sejam: “I – contribuinte, quando tenha relação pessoal e direta com a situação que constitua o respectivo fato gerador;” e “II – responsável, quando, sem revestir a condição de contribuinte, sua obrigação decorra de disposição expressa de lei.” 30 _________________

  

BECHO, Renato Lopes. Sujeição passiva e responsabilidade tributária. São Paulo: Dialética,

2000, p. 190.

  31 Com base nesses dispositivos, grande parte da doutrina nacional ,

  acompanhando o magistério de Rubens Gomes de Sousa, classificou aquelas duas espécies em sujeito passivo direto e em sujeito passivo indireto.

  O autor acima referido lecionava que o direito tributário pertencia à categoria dos direitos obrigacionais, definindo a obrigação tributária como “o poder jurídico por força do qual o Estado (sujeito ativo) pode exigir de um particular (sujeito passivo) uma prestação positiva ou negativa (objeto da

  32

  obrigação) nas condições definidas pela lei tributária (causa da obrigação).” Na doutrina internacional, encontramos definições para a obrigação tributária, as quais ressaltam a existência dos mesmos elementos identificados por Rubens Gomes de Sousa. Assim, obrigação tributária é definida na doutrina alienígena como:

  [...] uma relação jurídica ex lege, em virtude da qual uma pessoa (sujeito passivo principal, contribuinte ou responsável), está obrigada perante o Estado ou outra entidade pública, ao pagamento de uma soma de dinheiro, desde que se verifique o 33 fato gerador determinado pela lei.

  [...] o vínculo jurídico em virtude do qual um sujeito (devedor), deve dar a outro sujeito, que exercita o poder fiscal (credor), somas do dinheiro ou quantidades de coisas determinadas 34 por lei. 31 _________________

  

MACHADO, Hugo de Brito. “Responsabilidade tributária”. In: Responsabilidade tributária. Caderno

de Pesquisas Tributárias n. 5. São Paulo: Resenha Tributária, 1980, pp. 43-73; CAMPOS, Dejalma

de. “A responsabilidade no direito tributário brasileiro”. In: Responsabilidade tributária. Caderno de

Pesquisas Tributárias n. 5. São Paulo: Resenha Tributária, 1980, pp. 93-114; FALCÃO, Amilcar de

Araújo, 1928-1967. Fato gerador da obrigação tributária / Amilcar de Araújo Falcão. 6. ed. Revista e

atualizada pelo Prof. Flávio Bauer Noveili; anteriores anotações de atualização, pelo Prof. Geraldo

Ataliba; prefácio de Aliomar Baleeiro; apresentação de Rubens Gomes de Sousa. Rio de Janeiro:

32 Forense, 1997.

  

SOUSA, Rubens Gomes de. Compêndio de legislação tributária. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed.

33 Financeiras, 1954, pp. 83-84. 34 Dino JARACH. El Hecho Imponible. 2. ed. Buenos Aires: Abeledo Perrot, 1971, p. 73.

  

Carlos M. Giuliani FONROUGE. Derecho Financiero. 3 ed. Buenos Aires: Depalma, vol. 1, 1975,

p. 352.

  [...] o vínculo jurídico ex lege, em virtude do qual uma pessoa está obrigada perante o Estado, ou outra entidade pública, ao pagamento de uma soma de dinheiro, quando se verifique o pressuposto de fato previsto na lei. 35 o vínculo jurídico que a lei cria entre o fisco (sujeito ativo) e o contribuinte (sujeito passivo), em razão do qual este deve entregar àquele uma soma de dinheiro. 36 o direito do Estado de pretender de uma pessoa prestação denominada imposto. 37 Ao constatar a existência dos quatro elementos da obrigação

  tributária, Rubens Gomes de Sousa definiu cada um deles e, para o sujeito passivo, o qual nos interessa no presente trabalho, deu a seguinte definição: “é o sujeito passivo ou devedor, isto é, a pessoa obrigada a cumprir a prestação que constitui o objeto da obrigação que o sujeito ativo tem o direito de exigir.”

  38 Dessa forma, ao discorrer sobre o sujeito passivo da obrigação

  principal, esse autor lançou a distinção entre a sujeição passiva direta e a indireta. Assim concluiu:

  (...) o tributo deve ser cobrado da pessoa que esteja em relação econômica com o ato, fato ou negócio que dá origem à tributação; por outras palavras, o tributo deve ser cobrado da pessoa que tira uma vantagem econômica do ato, fato ou negócio tributado. Quando o tributo seja cobrado nessas condições, dá-se a sujeição passiva direta, que é a hipótese mais comum na prática.

  _________________ 35 Hector B. VILLEGAS. Curso de finanzas, derecho financiero g tributario. 1. ed. Buenos Aires: Ediciones Depalma, 1972, p. 148. 36 Rafael BIELSA. Estudios de derecho publico. 1. ed. Buenos Aires: Editorial Depalma, vol. II, “Derecho Fiscal”, 1951, p. 127. 37 Albert HENSEL. Diritto Tributario. 1 ed. Milano: Giuffrè, 1956, p. 73. 38 SOUSA, Rubens Gomes de. Compêndio de legislação tributária. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed.

  Financeiras, 1954, p. 91.

  Entretanto pode acontecer que em certos casos o Estado tenha interesse ou necessidade de cobrar o tributo de pessoa 39 diferente: dá-se então a sujeição passiva indireta.

  Como se pode perceber, para Rubens Gomes de Sousa, a diferença entre contribuinte e responsável cingi-se ao fato de que o primeiro paga por dívida própria, enquanto o segundo paga por dívida de outrem.

  Por sua vez, Amilcar de Araújo Falcão, ao distinguir o sujeito passivo principal ou direto, do sujeito passivo indireto, faz alusão à idêntica separação:

  Assim é que a definição do sujeito passivo principal da obrigação tributária, que deve resultar de lei, nela pode estar implícita sob a simples menção do fato gerador e, pois, somente através deste ser identificável. Em tal hipótese, a sujeição passiva direta ou principal se determinará pela natural e necessária atribuição do fato gerador, ou da relação econômica subjacente nele, a certo sujeito ou a certos sujeitos. Enquanto os sujeitos passivos indiretos quer por transferência (sucessor e responsável tributário), ou por substituição (substituto legal tributário) só podem resultar de disposição legal expressa, a configuração do sujeito passivo principal ou direto (contribuinte), como dito, pode encontrar-se implícita na lei: o exame do fato gerador será decisivo para sua concreta 40 definição.

41 Alfredo Augusto Becker , em contraposição à divisão do sujeito

  passivo em direto e indireto, ou seja, de que o primeiro paga por dívida própria _________________ 39 SOUSA, Rubens Gomes de. Compêndio de legislação tributária. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. 40 Financeiras, 1954, p. 92.

  

FALCÃO, Amilcar de Araújo, 1928-1967. Fato gerador da obrigação tributária / Amilcar de Araújo

Falcão. 6. ed. Revista e atualizada pelo Prof. Flávio Bauer Noveili; anteriores anotações de

atualização, pelo Prof. Geraldo Ataliba; prefácio de Aliomar Baleeiro; apresentação de Rubens

41 Gomes de Sousa. Rio de Janeiro: Forense, 1997, p. 76.

  

BECKER, Alfredo Augusto. Teoria geral do direito tributário. 3. ed. São Paulo: Lejus, 1998, p. 558. enquanto o segundo paga por dívida de outrem, insurgiu-se, criticando-a da seguinte forma:

  Desde logo, cumpre fixar este ponto: não é juridicamente possível distinguir entre débito e responsabilidade, isto é, considerar que o responsável estaria obrigado a satisfazer débito de outro. O responsável sempre é devedor de débito próprio. O dever que figura como conteúdo da relação jurídica que vincula o Estado (sujeito ativo) ao responsável legal tributário (sujeito passivo) é dever jurídico do próprio responsável legal tributário e não de outra pessoa.

42 Paulo de Barros Carvalho também se insurgiu contra essa divisão,

  esclarecendo o seu posicionamento fundamentado no seguinte:

  a) não haveria, em termos propriamente jurídicos, a divisão dos sujeitos em diretos e indiretos, posto que repousa em consideração de ordem econômica. Interessa, do ponto de vista jurídico-tributário, apenas quem integra o liame obrigacional. O grau de relacionamento econômico da pessoa escolhida na endonorma com o evento que fará nascer o vínculo fiscal é algo que se afasta da cogitação do Direito e pertenceria mais ao campo de indagação da Economia ou da Ciência das Finanças.

  Para nós, a identificação da natureza da sujeição passiva e suas consequências se dará pela vinculação do sujeito passivo com o fato jurídico tributário. Assim, faz-se necessário retomar o estudo do princípio constitucional da capacidade contributiva, conforme será mais bem explanado no próximo subcapítulo. 42 _________________

CARVALHO, Paulo de Barros. Teoria da norma tributária. São Paulo: Max Limonad, 1998, p. 167.

  

2.3. A sujeição passiva tributária e o princípio constitucional da

capacidade contributiva

  Expusemos acima as relações de subordinação e coordenação existentes entre as normas jurídicas, todas confluindo para a norma fundamental, da qual a Constituição obtém o seu fundamento de validade. Também apresentamos a conceituação de alguns princípios constitucionais pertinentes ao objeto do presente trabalho, e discorremos acerca da importância destes no ato de apreensão da significação que se deve dar às normas jurídicas.

  Entretanto, em virtude da importância que o princípio da capacidade contributiva representa para a compreensão do objeto do nosso estudo, entendemos pertinente abordá-lo com maior profundidade.

  Na Constituição Federal, enquanto norma de hierarquia superior e orientadora de todas as demais normas do sistema, encontramos os princípios jurídicos. Dentre os quais, o princípio da capacidade contributiva exerce influência sobre as normas definidoras da sujeição passiva tributária.

  A necessidade do estudo do princípio da capacidade contributiva reside no argumento de grande parte da doutrina de que somente o contribuinte pode ocupar o polo negativo das relações jurídicas tributárias, possuindo a relação do responsável da natureza jurídica diversa da tributária.

  Esse princípio encontra-se previsto no parágrafo 1º do art. 145 da Constituição Federal, armado nos seguintes termos:

  Art. 145. [...] § 1º - Sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte, facultado à administração tributária, especialmente para conferir efetividade a esses objetivos, identificar, respeitados os direitos individuais e nos termos da lei, o patrimônio, os rendimentos e as atividades econômicas do contribuinte.

  Deflui-se que o princípio da capacidade contributiva é a fonte principal de critérios discriminatórios, segundo o qual os impostos serão graduados e personalizados conforme as possibilidades econômicas do contribuinte. No entanto, refere-se aos fatos presuntivos de riqueza, na

  

43

  terminologia de Alfredo Augusto Becker , e não às condições reais de cada

  44

  contribuinte considerados per si. Nesse sentido, ensina-nos Roque Carrazza :

  A capacidade contributiva à qual alude a Constituição e que a pessoa política é obrigada a levar em conta ao criar, legislativamente, os impostos de sua competência é objetiva, e não subjetiva. É objetiva porque se refere não às condições econômicas reais de cada contribuinte, individualmente considerado, mas às suas manifestações objetivas de riqueza (ter um imóvel, possuir um automóvel, ser proprietário de jóias ou obras de arte, operar em Bolsa, praticar operações mercantis etc.).

  Pelo exposto acima, infere-se que o princípio da capacidade contributiva guarda pertinência com as manifestações econômicas do fato gerador relacionado ao contribuinte, o qual possui, com esse fato, relação pessoal e direta. 43 _________________ 44 BECKER, Alfredo Augusto. Teoria geral do direito tributário. 3. ed. São Paulo: Lejus, 1998, p. 497. a

CARRAZZA, Roque Antônio. Curso de direito constitucional tributário. 19. ed., Rev. amp. e atual,

2 . tiragem. São Paulo: Malheiros, 2003, p. 80.

  Como compatibilizar, então, o princípio da capacidade contributiva com a figura do responsável tributário, sujeito passivo indireto na terminologia da doutrina tradicional, e que não está diretamente relacionado com o fato signo presuntivo de riqueza?

  Para tanto, valemo-nos das lições de Alfredo Augusto Becker

  45

  que, ao estudar esse princípio, manifestou as constrições ao conceito do princípio da capacidade contributiva, aduzindo que:

  No plano jurídico, a relação entre a carga tributária e o montante da riqueza do contribuinte é feita sempre e exclusivamente em relação a cada tributo tomado isoladamente dos demais. [...] A riqueza do contribuinte (que está sendo relacionada com o tributo singular) não é a totalidade da riqueza do contribuinte, mas unicamente um fato-signo presuntivo de sua renda ou de capital. [...] A renda ou capital presumido deve ser renda ou capital acima do mínimo indispensável.

  Podemos inferir das constrições acima apresentadas que o autor restringe o princípio da capacidade contributiva, ordenando que o legislador tome em consideração o relacionamento entre a carga tributária e o fato-signo presuntivo de riqueza para cada tributo, isoladamente considerado. A segunda constrição foi no sentido de que o fato-signo presuntivo de riqueza não é a totalidade da renda ou capital do contribuinte, mas a riqueza manifestada no fato. A terceira e última constrição veda a tributação sobre o mínimo indispensável ao contribuinte.

  _________________ 45 BECKER, Alfredo Augusto. Teoria geral do direito tributário. 3. ed. São Paulo: Lejus, 1998, p. 497.

  Delimitadas as constrições ao princípio, Alfredo Augusto Becker apresentou, em quatro conclusões, o alcance de sua eficácia jurídica. A primeira conclusão a que chegou foi a de que o princípio tem aplicação somente perante o legislador ordinário, o qual deve “escolher para a composição da hipótese de incidência da regra jurídica criadora do tributo,

  46 exclusivamente, fatos que sejam signos presuntivos de renda ou de capital” .

  A segunda conclusão, quanto ao alcance da eficácia jurídica do princípio da capacidade contributiva a que chegou Alfredo Becker, foi a de que “o legislador ordinário está juridicamente obrigado a escolher fatos que sejam presuntivos de uma espécie de renda ou de capital acima do mínimo

  47

  indispensável” . Esclareceu o autor que o legislador tem “o dever de criar isenções tributárias que resguardem a imunidade tributária do mínimo

  48

  indispensável de capital e de renda.”

  49 O terceiro alcance da eficácia jurídica proposto pelo autor foi de

  que “o legislador ordinário está juridicamente proibido de graduar a alíquota ou ritmar a sua progressividade no sentido inverso da grandeza presumível da renda ou capital do respectivo contribuinte”.

  O quarto, e último alcance da eficácia jurídica, na constatação de

50 Becker , sendo o fundamento que nos interessa para responder a indagação

  acima efetuada quanto à compatibilização do princípio da capacidade contributiva com a responsabilidade tributária, foi a de que: 46 _________________ 47 BECKER, Alfredo Augusto. Teoria geral do direito tributário. 3. ed. São Paulo: Lejus, 1998, p. 498. 48 Ibidem, p. 499. 49 Ibidem, p. 499. 50 Ibidem, p. 500.

  Ibidem, p. 500.

  Sempre que utilizar o substituto legal tributário, o legislador ordinário está juridicamente obrigado a, simultaneamente, criar a repercussão jurídica do tributo sobre o substituído (aquela pessoa de cuja renda ou capital a hipótese de incidência é fato signo presuntivo), outorgando ao substituto o direito de reembolso ou retenção do valor do tributo perante o substituído.

  Assim, tributos instituídos em desatenção ao princípio da capacidade contributiva nos contornos apresentados acima estará eivado de inconstitucionalidade. Quanto à sujeição passiva indireta, temos que caberá ao legislador criar mecanismos de repercussão jurídica, outorgando ao substituto o direito de reembolso ou retenção do valor do tributo perante o substituído.

  Em relação à responsabilidade tributária dos sócios-gerentes ou administradores de pessoas jurídica, nos termos propostos pelo art. 135 do CTN, temos que por se tratar de uma responsabilidade pessoal atribuída como sanção decorrente de ato ilícito, como veremos no capítulo seguinte, a ela não se aplica o princípio da capacidade contributiva.

2.4. Classificação dos contribuintes e responsáveis

  Conforme explicitado anteriormente, entendemos que a identificação da natureza da sujeição passiva e suas consequências se dará pela vinculação do sujeito passivo com o fato jurídico tributário.

  Assim, contribuinte será sempre aquele que realiza o fato jurídico tributário, previamente definido na Constituição, nos termos do art. 121, I, do CTN, o qual pode ser individual ou solidário (art. 124, I, do CTN).

  Podemos construir a partir das disposições da Constituição Federal e do Código Tributário Nacional uma classificação para os responsáveis tributários.

  Pelo estatuído no art. 121, parágrafo único, II e no art. 128, ambos do CTN, encontramos a figura do responsável tributário como sendo aquele que não tenha realizado o fato jurídico tributário. Dito de outra forma, será o responsável tributário aquele que não for o contribuinte, mas que possua relação com a situação jurídica descrita no fato jurídico tributário, nos termos da legislação das pessoas tributantes.

  Em função do disposto nesses artigos, poderemos destacar as notas que caracterizam o responsável tributário:

  1. O responsável tem de ser fixado por lei;

  2. O responsável tem de ser vinculado ao fato gerador da obrigação;

  3. O responsável exclui a responsabilidade do contribuinte, ou responde supletivamente.

  Como vimos no capítulo anterior, nem sempre o contribuinte é o responsável pela dívida tributária. A lei pode estabelecer que terceira pessoa, que não realizou o fato jurídico tributário, fique compelida a realizar a prestação, ora com a exclusão da responsabilidade do contribuinte, ora apenas supletivamente. Trata-se da sujeição passiva indireta, conforme destacado por Geraldo Ataliba:

  Por razões metajurídicas — que não importa aqui recordar precisamente porque juridicamente irrelevante — o legislador muitas vezes dispõe que seja sujeito passivo pessoa que não corresponde rigorosamente à configuração supradescrita, ou ainda desloca a qualidade de sujeito passivo de uma pessoa para outra, que fica na posição jurídica daquela.

  Assim, ou a obrigação já nasce tendo como sujeito passivo alguém que não corresponde à configuração indicada pela Constituição — quando prevê o destinatário tributário — ou a sujeição passiva desloca-se, por força de lei, para outra pessoa. Isto só é possível quando o desígnio constitucional não seja desacatado. 51 Quando o legislador estabelece no art. 128 do CTN que a lei poderá

  “atribuir de modo expresso a responsabilidade”, quer dizer que a obrigação do responsável surge como consequência da realização do fato descrito na lei.

  Se pusermos em conexão o preceito contido no art. 128 do CTN com outros artigos da legislação tributária, verificaremos que o mecanismo utilizado pelo legislador para estabelecer a figura jurídica do responsável tributário é o igual ao de todas as obrigações ex lege, ou seja, é a lei que deve determinar os fatos cuja realização implica o nascimento da obrigação do responsável.

  A reserva formal da lei estabelecida pelo dispositivo legal acima referido implica que somente a lei pode determinar os fatos que façam surgir a obrigação a cargo de terceiras pessoas de responder pela dívida tributária. Assim, quando o fato previsto na norma se realiza, nasce a obrigação do responsável.

  _________________ 51 ATALIBA, Geraldo. Hipótese de incidência tributária. 6. ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2003, p. 89.

  Deve-se ressaltar, entretanto, que não é qualquer terceiro que pode ser eleito pela lei como responsável tributário, há de ser um terceiro que possua alguma relação com o fato gerador. Contudo, não é qualquer vínculo com o fato gerador que provoca a responsabilidade de terceiro, mas somente aquele que permita fazer com que o tributo a recolher não onere o responsável.

  Nessa forma de atribuição de responsabilidade tributária, encontramos a figura da responsabilidade por substituição, que se subdivide em: para trás e para frente. Essa substituição existe para facilitar a arrecadação do tributo pelo Fisco.

  Rubens Gomes de Sousa

  

52

  , ao lecionar sobre a subsitituição tributária, esclareceu que:

  Ocorre quando, em virtude de uma disposição expressa de lei, a obrigação tributária surge desde logo contra uma pessoa diferente daquela que esteja em relação econômica com o ato, fato ou negócio tributado: nesse caso, é a própria lei que substitui o sujeito passivo direto por outro indireto.

  De modo análogo e com palavras distintas, discorria Alfredo Augusto Becker

  53

  que:

  A fenomenologia do substituto legal tributário consiste, em síntese, no seguinte: Existe substituto legal tributário, toda a vez em que o legislador escolher para sujeito passivo da relação jurídica tributária um outro qualquer indivíduo, em substituição daquele determinado indivíduo de cuja renda ou capital á hipótese de incidência é fato-signo presuntivo.

  _________________ 52 SOUSA, Rubens Gomes de. Compêndio de legislação tributária. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed.

  Financeiras, 1954, p. 93. 53 BECKER, Alfredo Augusto. Teoria geral do direito tributário. 3. ed. São Paulo: Lejus, 1998, p. 529.

  A lei poderá atribuir a sujeito passivo de obrigação tributária a condição de responsável pelo pagamento de imposto ou contribuição, cujo fato gerador deva ocorrer posteriormente (fato gerador futuro), assegurada a imediata e preferencial restituição da quantia paga, caso não se realize o fato gerador presumido. Esse é o caso da denominada substituição tributária para frente.

  Temos ainda os casos de responsabilidade tributária, explicitamente definidos no Código Tributário Nacional.

  Nos artigos 129 a 133, encontraremos a responsabilidade dos sucessores, também denominada pela doutrina de responsabilidade de transferência por sucessão, seja por sucessão imobiliária (art. 130), sucessão por aquisição ou remissão de bens (art. 131, I), sucessão causa mortis (art. 131, II e

  III), sucessão empresarial por reorganização (transformação, fusão ou incorporação) ou extinção (art. 132) e sucessão empresarial por aquisição (art. 133).

  No que se refere à responsabilidade tributária por sucessão imobiliária (art. 130 do CTN), tem-se que os créditos tributários relativos a impostos, cujo fato gerador seja a propriedade, o domínio útil ou a posse de bens imóveis, e os relativos a taxas pela prestação de serviços referentes a tais bens, ou a contribuições de melhoria, sub-rogam-se na pessoa dos respectivos adquirentes.

  Na sucessão por aquisição ou remissão de bens (art. 131, I, do CTN), são pessoalmente responsáveis o adquirente ou remitente, pelos tributos relativos aos bens adquiridos ou remidos.

  Na sucessão causa mortis, são pessoalmente responsáveis: a) o sucessor a qualquer título e o cônjuge meeiro, pelos tributos devidos pelo de

  

cujus até a data da partilha ou adjudicação, limitada essa responsabilidade ao

  montante do quinhão do legado ou da meação (art. 131, II, do CTN); e b) o espólio, pelos tributos devidos pelo de cujus até a data da abertura da sucessão (art. 131, III, do CTN).

  A sub-rogação também se aplica à pessoa jurídica de direito privado que resultar de fusão, transformação ou incorporação de outra ou em outra, sendo ela responsável pelos tributos devidos até a data daquele ato; e nos casos de extinção de pessoas jurídicas de direito privado, quando a exploração da respectiva atividade seja continuada por qualquer sócio remanescente, ou seu espólio, sob a mesma ou outra razão social, ou sob firma individual (art.

  132, do CTN).

  Na sucessão empresarial por aquisição (art. 133, do CTN), responde a pessoa natural ou jurídica de direito privado que adquirir de outra, por qualquer título, fundo de comércio ou estabelecimento comercial, industrial ou profissional. Ela responde: (i) integralmente, se o alienante cessar a exploração do comércio, indústria ou atividade; (ii) subsidiariamente com o alienante, se este prosseguir na exploração ou iniciar dentro de seis meses, a contar da data da alienação, nova atividade no mesmo ou em outro ramo de comércio, indústria ou profissão.

  Responde também pelos tributos, quando o adquirente: (i) for sócio da sociedade falida ou em recuperação judicial, ou sociedade controlada pelo devedor falido ou em recuperação judicial; (ii) for identificado como agente do falido ou do devedor em recuperação judicial com o objetivo de fraudar a sucessão tributária; (iii) for parente, em linha reta ou colateral até o 4º (quarto) grau, consanguíneo ou afim, do devedor falido ou em recuperação judicial ou de qualquer de seus sócios.

  Os créditos não se sub-rogam (i) quando conste do título a prova de sua quitação; (ii) na hipótese de alienação judicial em processo de falência; (iii) na hipótese de alienação judicial de filial ou unidade produtiva isolada, em processo de recuperação judicial.

  Nos artigos 134 e 135 do CTN, encontraremos a figura da responsabilidade de terceiros ou por imputação legal, a qual pode ser subsidiária (art. 134) ou pessoal (art. 135).

  Pelo art. 134, respondem de forma subsidiária, nos atos em que intervierem, ou pelas omissões de que forem responsáveis: (i) os pais, pelos tributos devidos por seus filhos menores; (ii) os tutores e curadores, pelos tributos devidos por seus tutelados ou curatelados; (iii) os administradores de bens de terceiros, pelos tributos devidos por estes; (iv) o inventariante, pelos tributos devidos pelo espólio; (v) O síndico e o comissário, pelos tributos devidos pela massa falida ou pelo concordatário; (vi) os tabeliães, escrivães e demais serventuários de ofício, pelos tributos devidos sobre os atos praticados por eles, ou perante eles, em razão do seu ofício; (vii) os sócios, no caso de liquidação de sociedade de pessoas.

  Se a responsabilidade for relativa a penalidades, somente haverá responsabilidade quanto às de caráter moratório.

  Já pelo art. 135, estatui o CTN que, quanto aos atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos, serão pessoalmente responsáveis: (i) os pais, os tutores e os curadores, os administradores de bens, o inventariante, o síndico e o “comissário”, os tabeliães, escrivães e demais serventuários de ofício, e os sócios; (ii) os mandatários, prepostos e empregados; (iii) os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado.

  Nessa última forma de atribuição de responsabilidade, a conclusão a que chegamos é que se trata de uma responsabilidade pessoal e não solidária ou subsidiária.

  Como vimos acima, a responsabilidade tributária possui duas espécies, pode ser por substituição ou por transferência. Na espécie por substituição, a lei exige que o substituto ocupe o lugar do contribuinte desde o nascimento da obrigação tributária. Por outro lado, na responsabilidade por transferência, ocorre no mundo factual o fato jurídico que enseja o surgimento da obrigação tributária para o contribuinte, e, posteriormente, em função de algumas circunstâncias, a lei determina que a responsabilidade seja transferida para um terceiro.

  Feitas as considerações acima sobre a teoria geral da sujeição passiva e a classificação dos responsáveis tributários, guiando-nos pela sequência dos artigos da forma como apresentados no CTN, concernentes à sujeição passiva, passaremos a tratar no item seguinte da solidariedade tributária. Sua análise é imprescindível para chegarmos a algumas de nossas conclusões quando tratarmos da responsabilidade tributária dos sócios e dirigentes das pessoas jurídicas de direito privado e da aplicação da teoria da desconsideração da pessoa jurídica nas lides tributárias.

2.5. Solidariedade No direito brasileiro, a solidariedade encontra a sua origem no art.

  896 do Código Civil de 1916, revogado pelo art. 264 do Código Civil de 2002, in

  verbis: Art. 264. Há solidariedade, quando na mesma obrigação concorre mais de um credor, ou mais de um devedor, cada um com direito, ou obrigado, à dívida toda.

  O que nos interessa no presente trabalho é a solidariedade passiva, ou seja, quando em uma mesma relação jurídica obrigacional integram mais de um devedor sendo cada um deles obrigado à prestação total.

  A finalidade da norma que atribui a dois ou mais sujeitos de direito ocupantes do polo negativo da mesma relação jurídica obrigacional é garantir ao credor uma facilidade na cobrança do seu crédito.

  Com idêntica finalidade, o art. 124 do CTN disciplina o instituto da solidariedade passiva na seara do Direito Tributário, estabelecendo que, quando houver mais de um sujeito na posição de devedor da mesma relação jurídica tributária, todos serão obrigados pelo valor total do débito tributário. Assim dispõe o artigo em questão:

  Art. 124. São solidariamente obrigadas: I – as pessoas que tenham interesse comum na situação que constitua o fato gerador da obrigação principal; II – as pessoas expressamente designadas por lei.

  Percebe-se na leitura do dispositivo acima transcrito, que o Código Tributário Nacional admite duas modalidades de solidariedade passiva, as

  54

  quais foram bem delineadas por Bernardo Ribeiro de Moraes :

  a) solidariedade de fato (CTN, art. 124, inciso I), quando há uma pluralidade de pessoas com “interesse comum na situação que constitua o fato gerador da obrigação principal”. [...] A solidariedade nasce em razão da própria natureza do fato gerador da respectiva obrigação, pela própria natureza do imposto em causa. Se várias pessoas participam de fato de determinada obrigação tributária, os efeitos jurídicos abrangerão todas elas, que passam a ser solidárias diante do cumprimento da prestação tributária. [...]

  b) solidariedade de direito (CTN, art. 124, inciso II), quando resulta de determinação expressa de lei. A solidariedade passiva tributária resulta da expressão disposição da lei, seja com caráter de sanção ou para facilitar a cobrança da prestação tributária. [...] Diante do caráter necessariamente oneroso que se reveste para o sujeito passivo, a solidariedade de direito se dá apenas para os casos expressos, em que a lei relaciona os responsáveis solidários.

  Hugo de Brito Machado esclarece que há solidariedade de fato

  55 “independente de previsão legal”. 54 _________________

MORAES, Bernardo Ribeiro de, 1924-. Compêndio de direito tributário / Bernardo Ribeiro de

55 Moraes. 2. ed. Rev., aumentada e atualizada. Rio de Janeiro: Forense, 1994, v. 2, pp. 304-305.

  

Hugo de Brito MACHADO. Curso de direito tributário. 13. ed. Ver. atual e ampliada. São Paulo:

Malheiros Editores Ltda., 1998, p. 102.

  Diferentemente do disposto no art. 1.491 do Código Civil de 1916 e atualmente disposto no art. 827 do Código Civil de 2002, o parágrafo único do art. 124 do CTN determina que a solidariedade referida não comporta benefício de ordem. Isso implica dizer que não poderá qualquer devedor solidário exigir que o sujeito ativo cobre antes deste ou daquele devedor, observando certa ordem de preferência, em razão de estar mais diretamente relacionado com a situação geradora do tributo.

  Em seguida, no art. 125 do CTN, o legislador estabeleceu os efeitos gerais da solidariedade, excetuando as disposições de lei em contrário, determinando que:

  I – o pagamento efetuado por um dos obrigados aproveita aos demais;

  II – a isenção ou remissão de crédito exonera todos os obrigados, salvo se outorgada pessoalmente a um deles, subsistindo, nesse caso, a solidariedade quanto aos demais pelo saldo;

  III – a interrupção da prescrição, em favor ou contra um dos obrigados, favorece ou prejudica aos demais.

  Percebemos da leitura do inciso I do art. 125 do CTN que em face de a solidariedade passiva tributária existir entre dois ou mais sujeitos de direito integrantes da mesma relação jurídica obrigacional, por ser um único vínculo que liga mais de um sujeito de direito ocupante do polo passivo, o pagamento efetuado por um dos obrigados aproveita aos demais. Isto quer dizer que, se um dos coobrigados liquidar a dívida integralmente, a obrigação tributária será extinta, liberando os demais de seu pagamento.

  Não podemos deixar de assentar que o codevedor que liquidar a dívida terá o direito de haver dos demais a respectiva cota-parte.

  Pelo disposto no inciso II, temos que a isenção ou remissão do crédito exonera todos os obrigados, pois, sendo um único vínculo, tal isenção ou remissão aproveita aos demais. No entanto, se a isenção ou a remissão for outorgada pessoalmente a um deles, somente este será liberado da dívida, cabendo ao sujeito ativo abater essa parte da dívida e cobrar o restante dos demais.

  O último inciso estabelece que a interrupção da prescrição, em favor ou contra um dos obrigados, favorece aos demais, dada a sua própria natureza.

  Como demonstrado acima, a análise do instituto da solidariedade não comporta grandes digressões, com exceção da definição do que venha a ser “interesse comum” e de sua relação com o art. 128 do CTN.

  Alguns autores, sob o pretexto de tentarem atribuir responsabilidade solidária pelo pagamento do tributo entre o contribuinte pessoa jurídica e os seus sócios, alegam que o “interesse comum” refere-se ao interesse na ocorrência dos “fatos econômicos”, o que seria suficiente para a atribuição da

  56

  solidariedade. Assim defende Gilberto Etchaluz Villela :

  especialmente nos casos de tributações por sobre empresas e seus sócios — quando da ocorrência de fatos econômicos de “interesse comum”, tornados por lei em geradores da exação — uma interpretação da lucratividade buscada pelos 56 _________________

  

Gilberto Etchaluz VILLELA. “A solidariedade tributária – Reflexões sobre a exegese do art. 124 do

CTN”. Revista Tributária e de Finanças Públicas, n. 42. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, jan-fev de 2002, p. 77. interessados é justamente o elo de comunhão legal que estabelece a possibilidade de cobrança tributária in solido. Em tais circunstâncias teríamos a hipótese de uma imediata possibilidade de execução fiscal por sobre ambos os contribuintes — empresa e sócios — sem ocasião para que se instalasse aquela subsidiariedade até aqui aceita, em situações especiais, para os referidos sócios.

  Parece-nos que o autor está equivocado, pois a sua interpretação foi literal, como se o direito positivo não se apresentasse como sistema, contendo normas jurídicas inter-relacionadas mediante vínculos horizontais (relações de coordenação) e verticais (relações de subordinação-hierarquia).

  A construção apresentada pelo autor contraria, pois, o princípio da separação patrimonial das pessoas jurídicas e consubstancia-se na desconsideração da personalidade jurídica em matéria tributária, instituto esse que nos parece não estar de acordo com a finalidade da norma do art. 124, I, do CTN. Dessa forma, concordamos com a posição defendida por Heleno Taveira Tôrres, para quem:

  Quanto aos demais dispositivos do Código Tributário Nacional, queremos evidenciar que os art. 124 e 135, em nenhuma circunstância, têm o condão de permitir formas de desconsideração da personalidade jurídica, como pensam alguns. O art. 124, I, do CTN, segundo o qual “são solidariamente obrigadas: I — as pessoas que tenham interesse comum na situação que constitua o fato gerador da obrigação principal”, versa sobre os efeitos da solidariedade, quando mais de um contribuinte concorre na realização de um mesmo fato jurídico tributário, i.e., pessoa física com pessoa física, pessoa física com pessoa jurídica, pessoa jurídica com pessoa jurídica. Desse modo, a sociedade, quando se apresenta como sujeito passivo de obrigação tributária, é una; e só internamente a essa sociedade será possível vislumbrar alguma espécie de relação solidária que dentre os sócios possa existir, a depender do tipo societário adotado, mas nunca em superação da personalidade jurídica que a qualifique 57 como tal.

  Sobre esse assunto, convém transcrever o entendimento de Paulo de Barros Carvalho para uma correta interpretação da matéria, objeto do presente trabalho:

  O território de eleição do sujeito passivo das obrigações tributárias e, bem assim, das pessoas que devam responder solidariamente pela dívida, está circunscrito ao âmbito da situação factual contida na outorga de competência impositiva, cravada no texto da Constituição. A lembrança desse obstáculo sobranceiro impede que o legislador ordinário, ao expedir a regra matriz de incidência do tributo que cria, traga para o tópico de devedor, ainda que solidário, alguém que não tenha participado da ocorrência do fato típico. Falta a ele, legislador, competência constitucional para fazer recair a carga jurídica do tributo sobre pessoa alheia ao acontecimento gravado pela incidência. Diante de óbice de tal porte, incontornável sob qualquer pretexto, devemos entender que os devedores solidários, instituídos pela lei, e estranhos ao evento jurídico-tributário, não são, na verdade, componentes daquele liame obrigacional, mas de outro, de cunho sancionatório, que irrompe à luz pelo descumprimento de algum dever... (...) solidariedade, mesmo, haverá tão-somente na circunstancia de existir uma relação jurídica obrigacional, em que dois ou mais sujeitos de direito se encontram compelidos a satisfazer a integridade da prestação. Ali, onde encontrarmos duas relações, entretecidas por preceitos de lei, para a segurança do adimplemento prestacional de uma delas, não teremos, a bem do rigor jurídico, o laço de solidariedade que 58 prende os sujeitos passivos. 57 _________________

  

TORRES, Heleno Taveira. Direito tributário e direito privado: autonomia privada: simulação:

58 elusão tributária. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2003, p. 471.

  CARVALHO, 2004, pp. 315-317.

  Misabel Abreu de Machado Derzi, ao atualizar a obra Direito Tributário Brasileiro, de Aliomar Baleeiro, complementa que:

4. A solidariedade não é forma de eleição de responsável tributário.

  A solidariedade não é espécie de sujeição passiva por responsabilidade indireta, como querem alguns. O Código Tributário Nacional, corretamente, disciplina a matéria em seção própria, estranha ao Capítulo V, referente à responsabilidade. É que a solidariedade é simples forma de

garantia, a mais ampla das fidejussórias.

Quando houver mais de um obrigado no pólo passivo da obrigação tributária (mais de um contribuinte, ou contribuinte e responsável, ou apenas uma pluralidade de responsáveis), o legislador terá de definir as relações entre os coobrigados. Se são eles solidariamente obrigados, ou subsidiariamente, com benefício de ordem ou não, etc. A solidariedade não é, assim, forma de inclusão de um terceiro no pólo passivo da obrigação tributária, apenas forma de graduar a responsabilidade 59 daqueles sujeitos que já compõem o pólo passivo.

  Pelos esclarecimentos apontados acima, percebemos que a solidariedade constitui-se em uma forma de relacionamento entre sujeitos passivos que já integram a relação jurídica e não é, portanto, modo de inclusão de terceiros na qualidade de sujeito passivo. Tal inclusão é regulada em capítulo próprio, sobre a responsabilidade tributária, tema que iremos estudar mais detidamente no próximo Capítulo e no Capítulo 4 que versa sobre a Desconsideração da Personalidade Jurídica em matéria tributária. 59 _________________ BALEEIRO, 2003, p. 729.

3. RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DOS SÓCIOS E DIRIGENTES DE PESSOAS JURÍDICAS

  

3.1. A responsabilidade dos sócios no caso de liquidação de

sociedade de pessoas

  Traçados os contornos gerais sobre a sujeição passiva tributária, passaremos a tratar, no presente tópico, da responsabilidade tributária dos sócios e dirigentes das pessoas jurídicas.

  Dispõe o art. 134 do CTN que:

  Art. 134. Nos casos de impossibilidade de exigência do cumprimento da obrigação principal pelo contribuinte, respondem solidariamente com este nos atos em que intervierem ou pelas omissões de que forem responsáveis: (...)

  VII - os sócios, no caso de liquidação de sociedade de pessoas. Parágrafo único. O disposto neste artigo só se aplica, em matéria de penalidades, às de caráter moratório.

  Pelo estatuído no caput desse dispositivo legal, na tentativa de construir o seu exato sentido e alcance, percebemos, desde logo que, não obstante a letra da lei consignar o termo “solidariedade”, a relação do responsável e do contribuinte é de subsidiariedade. Isso porque a norma determina que se deve cobrar em primeiro lugar do contribuinte e, somente diante da impossibilidade de se exigir o efetivo cumprimento da obrigação por este, é que poderá ser atribuída ao sócio a responsabilidade tributária.

  60 Tal constatação já foi verificada por diversos autores , dentre eles,

61 Antonio Carlos Murta , o qual complementa que não há a exclusão do

  contribuinte, permanecendo este no polo negativo da relação jurídica:

  A responsabilidade tributária, in casu, é subisidiária à do contribuinte: porém, quando existente, não o libera, ou o exime: o contribuinte continua respondendo em conjunto com o responsável, de forma solidária. Qualquer um deles poderá, ao alvedrio da Fazenda Pública, ser demandado ou cobrado. A responsabilidade de um não exclui a do outro; é exemplo claro de solidariedade passiva. Não podemos, no entanto, olvidar que a responsabilidade tributária dos chamados terceiros virá de forma secundária sem exclusão da permanência da responsabilidade do contribuinte.

  Dito de outra forma, a cobrança do crédito tributário deve ser direcionada em desfavor do contribuinte, pessoa jurídica, e, somente após a liquidação da sociedade, inexistindo patrimônio suficiente para arcar com as obrigações tributárias, é que surgirá para os sócios a responsabilidade pelo seu cumprimento.

  A análise da letra da lei suscita algumas indagações concernentes aos tipos societários que podem ensejar a atribuição de responsabilidade tributária aos sócios nos casos de liquidação. Assim, há que se perquirir qual o _________________ 60 VILLELA, Gilberto Etchaluz. A responsabilidade tributária. Porto Alegre: Livraria do Advogado,

  

2001, p. 108 e AZEVEDO, Leila Katiane de Araújo. Responsabilidade dos administradores de

empresas em matéria tributária. CONGRESSO BRASILEIRO DIREITO TRIBUTARIO promovido

pelo IDEPE e presidido por José Eduardo Soares de Melo, de 25 a 27 de outubro de 2000. São

61 Paulo: IDEPE, 2000.

  

MURTA, Antônio Carlos Diniz. Responsabilidade tributária dos sócios. Sociedades por quotas de responsabilidade limitada. Belo Horizonte: Del Rey, 2001, p. 106. sentido que o legislador quis atribuir ao termo “sociedade de pessoas”, uma vez que inexiste no sistema jurídico uma definição normativa para este termo.

  Aliomar Baleeiro já definia sociedade de pessoas para fins do art. 134 do CTN, como: “as em nome coletivo e outras, que não se enquadram nas categorias de sociedades anônimas ou por quotas de responsabilidade

  62 limitada” .

  No mesmo sentido proposto pelo autor acima referido, firmou-se jurisprudência dos tribunais pátrios:

  “Sociedade por quotas de responsabilidade limitada. Execução fiscal. Figuras do devedor e do responsável tributário. (...) Não se aplica à sociedade por quotas de responsabilidade limitada o artigo 134 do Código Tributário Nacional; incide sobre elas o artigo 135, itens I e III, do mencionado diploma legal, se o crédito tributário resulta de ato emanado de diretor, ou gerente ou outro sócio, praticado com excesso de poder ou infração da lei, do contrato social ou do estatuto.” (RE 96.607-RJ, 1ª Turma, Rel. Min. Soares Munhoz, in RTJ 103/1.274). “(...) Tranquila se tornou a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal no sentido de que, não sendo as sociedades por quotas sociedades simplesmente de pessoas, porém sociedades mistas, de pessoas e capitais, os bens particulares dos sócios, uma vez integralizado o capital, não podem ser penhorados em razão de dívida fiscal da sociedade, salvo na hipótese de ter praticado o sócio ato com excesso de poderes ou em infração à lei, contrato social ou estatutos. Não se tendo configurado, segundo se colhe do acórdão recorrido, nenhuma dessas ressalvas, não se substancia, na espécie, contrariedade aos arts. 134 e 135 do Código Tributário Nacional.” (RTJ 85:947-8) 62 _________________

BALEEIRO, Aliomar. Direito Tributário brasileiro (Anotado por Misabel de Abreu Machado Derzi).

  11. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003, p. 753.

  Verificamos a partir da leitura do inciso VII do art. 134, que o CTN adotou a classificação das sociedades em: de pessoas, de capital e mistas.

  Fábio Ulhoa Coelho apresenta a sua definição de sociedade de pessoas como sendo: “(...) aquelas em que a realização do objeto social depende mais dos atributos individuais dos sócios que da contribuição material que eles dão.” Em contraposição, define às de capital como: “(...) as sociedades em que essa contribuição material é mais importante que as

  63

  características subjetivas dos sócios.” A nossa legislação, em especial o Código Civil de 2002, prevê os seguintes tipos societários: a) sociedade não personificada (art. 986 a 996), a qual se subdivide em sociedade em comum (art. 986 a 990) e sociedade em

  

conta de participação (art. 991 a 996) e b) sociedade personificada (art. 997

  a 1.141), a qual se subdivide em sociedade simples (art. 966, parágrafo único e art. 997 a 1038) e sociedade empresarial, esta subdividida em sociedade limitada (art. 1.052 a 1.087), sociedade anônima (art. 1.088 e Lei 6.404/1976), sociedade em nome coletivo (art. 1.039 a 1.044), sociedade em comandita simples (art. 1.045 a 1.051), sociedade em comandita por ações (art. 1.090 a 1.092).

  Na presente análise, interessa-nos as sociedades empresariais, pois somente estas podem ser classificadas como de pessoas, de capital ou mistas.

  Com base nesse critério, tem-se: a) Sociedade de pessoas: em comandita simples; em nome coletivo e em conta de participação; b) Sociedade de 63 _________________

COELHO, Fábio Ulhoa, 1959-. Curso de direito comercial, vol. 2 / Fábio Ulhoa Coelho. 5. ed. Rev.

  e atual. De acordo com o novo Código Civil e alterações da LSA. São Paulo: Saraiva, 2002, p. 24.

  

capital: em comandita por ações e sociedade anônima; c) Sociedade mista:

sociedade limitada.

  Conforme constatação de Fábio Ulhoa Coelho:

  (...) embora sejam cinco os tipos disponíveis, somente as limitadas e as anônimas possuem importância econômica. (...) No ano de 2000, por exemplo, as Juntas Comerciais registraram 231.758 sociedades limitadas, 1.466 anônimas e 64 369 sociedades de outros tipos.”

  Retornando para o disposto na jurisprudência pátria sobre a interpretação do inciso VII do art. 134 do CTN, tem-se que esse tipo de responsabilidade somente pode ser atribuída ao sócio de sociedade de pessoas, quais sejam: em comandita simples; em nome coletivo e em conta de participação.

  Um assunto que gera dissenso na doutrina e na jurisprudência, merecendo uma análise mais detida é sobre a classificação da sociedade limitada e de sua relação com o supracitado inciso VII do art. 134 do CTN. Esse dispositivo legal atribui a responsabilidade aos sócios de “sociedade de pessoas”. No entanto, como demonstraremos a seguir, a doutrina classifica a sociedade limitada como sociedade do tipo “mista”.

  Aduzimos em linhas acima que as sociedades de pessoas são aquelas em que a realização do objeto social depende mais das qualidades pessoais dos sócios do que da contribuição material dada pelos mesmos. 64 _________________

COELHO, Fábio Ulhoa, 1959-. Curso de direito comercial, vol. 2 / Fábio Ulhoa Coelho. 5. ed. Rev.

  

e atual. De acordo com o novo Código Civil e alterações da LSA. São Paulo: Saraiva, 2002,

pp. 22-23.

  Nesse sentido, assevera Ricardo Negrão:

  Obviamente, em ambos os grupos há necessidade, em sua formação, de elementos pessoais e de capital; sem eles inexistiria contrato de sociedade. Entretanto, se há predominância em sua formação de qualidades pessoais, de sorte que a mera substituição de um sócio pode acarretar sua dissolução ou a impossibilidade de sua continuação, então se diz que a sociedade é pessoal. Se o caráter pessoal é secundário, e a substituição de sócio se faz livremente, sem necessidade de prévia consulta ou até mesmo conhecimento dos demais sócios, então, à evidência, trata-se de sociedade 65 de capitais.

  Já as sociedades limitadas receberam tratamento especial, tendo em vista que, pelo disposto no art. 1.053 do Código Civil de 2002, foi-lhe facultada a regência pelas normas das sociedades simples. Por sua vez, o art. 1.057 dispõe que os seus sócios poderão ou não dispor livremente de suas cotas e, por fim, estatui o art. 1.061 que o contrato pode permitir que a administração se faça por sócios ou por não-sócios.

  Dessa forma, dependendo da estrutura escolhida em sua constituição, a sociedade limitada será uma sociedade de pessoa ou de capital.

  Em face dessa peculiaridade, a sociedade limitada foi classificada pela doutrina como do tipo “mista”.

  Como o direito positivo brasileiro não define o que vem a ser

  

sociedade de pessoas e por se tratar de uma construção doutrinária, a

  jurisprudência pátria firmou entendimento no sentido de que somente as sociedades em comandita simples, em nome coletivo e em conta de 65 _________________

NEGRÃO, Ricardo. Manual de direito comercial e de empresa, vol. 1 / Ricardo Negrão. 4. ed. Rev.

  e atual. São Paulo: Saraiva, 2005, p. 242. participação, podem ser consideradas sociedades de pessoas para fins de interpretação do inciso VII do art. 134 do Código Tributário Nacional.

  Perfilhamos, pois, desse entendimento.

  Superado o dissenso no que concerne à conceituação de sociedade mista, convém complementarmos o sentido da norma atributiva de responsabilidade tributária aos sócios de sociedades de pessoas quando na ocorrência da liquidação da sociedade.

  Ocorrendo uma das hipóteses de dissolução societária, os sócios das sociedades de pessoas, os quais, em virtude dessa classificação também serão administradores, devem eleger o liquidante para liquidação da sociedade, nos termos do que estabelece o contrato social.

  Segundo Washington dos Santos, liquidação é o:

  Ato ou efeito de liquidar; meio pelo qual a sociedade mercantil dissolvida, sob a mesma firma, com a cláusula “em liquidação”, dispõe de seu patrimônio, fazendo o ajuste final de contas, terminando as operações encetadas, cobrando créditos, pagando suas dívidas, vendendo os remanescentes do seu fundo e distribuindo, por fim, entre os sócios, o ativo líquido ou os prejuízos verificados, segundo o que estabelecer a lei ou o 66 contrato social.

  Uma vez realizada a liquidação da sociedade, se não sobrar patrimônio para arcar com as obrigações tributárias, caberá a análise da responsabilidade dos sócios pelos atos ou omissões que resultarem na falta de pagamento da obrigação principal. Vale lembrar que essa responsabilidade não 66 _________________ SANTOS, Washington dos. Dicionário jurídico brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2001, p. 152. se aplica ao administrador não-sócio, em face da tipicidade apresentada no dispositivo, fazendo alusão explicita aos sócios.

  

3.2. A responsabilidade dos sócios e dirigentes de pessoas

jurídicas pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias

resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei,

contrato social ou estatutos

  O art. 135 do CTN amplia a responsabilidade subsidiária dos sócios de sociedade de pessoas, assunto abordado no item anterior, e das demais pessoas citadas nos incisos do art. 134, para atribuir-lhes responsabilidade de forma pessoal (inciso I). Atribui-se responsabilidade, também, a dois outros grupos de pessoas físicas, elencados nos incisos II e III, quais sejam: os mandatários, os prepostos, os empregados, os diretores, os gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado.

  Dispõe o art. 135 do CTN que, in verbis:

  Art. 135. São pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos:

I - as pessoas referidas no artigo anterior;

  II - os mandatários, prepostos e empregados;

  III - os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado. Quando tratamos da classificação da responsabilidade tributária, verificamos que ela pode ser por substituição ou por transferência. Na espécie por substituição, a lei exige que o substituto ocupe o lugar do contribuinte desde o nascimento da obrigação tributária. Por outro lado, na responsabilidade por transferência, ocorre no mundo factual o fato jurídico que enseja o surgimento da obrigação tributária para o contribuinte, e, posteriormente, em função de algumas circunstâncias, a lei determina que a responsabilidade seja transferida para um terceiro.

  No artigo 135, encontramos a figura da responsabilidade de terceiros por imputação legal, na modalidade de responsabilidade pessoal atribuída unicamente às pessoas elencadas nos incisos desse artigo e não de uma responsabilidade solidária ou subsidiária.

  Isso é o que dispõe o caput do art. 135: “São pessoalmente responsáveis (...)”. Nesse sentido:

  Em suma, o art. 135 retira a “solidariedade” e a “subsidiariedade” do art. 134. Aqui a responsabilidade se transfere inteiramente para os terceiros, liberando os seus dependentes e representados. 67 Devemos verificar, em relação à responsabilidade prevista no artigo 135 do Código Tributário Nacional, o seguinte;

  1) essa responsabilidade do terceiro é de caráter pessoal, “são pessoalmente responsáveis”, dispõe o Código. O terceiro, que representa o sujeito passivo originário ou lhe serve de instrumento jurídico, responde pela dívida tributária, inexistindo, portanto, a solidariedade prevista no artigo 134 do Código Tributário Nacional. Conforme ensina Ives Gandra da Silva Martins, havendo apenas responsabilidade pessoal e inexistindo a solidariedade, a responsabilidade das pessoas

  _________________ 67 COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Manual de direito tributário. Rio de Janeiro: Forense, 2000, p. 403. mencionadas, qando agindo em nome de pessoas jurídicas, exclui a responsabilidade destas. Assim, passa a responder pelo crédito tributário a pessoa que agiu com excesso de poderes ou com infração legal, contratual ou etatutária, excluindo da consequência desses atos o sujeito passivo originário (em nome do qual se praticou os respectivos atos). Em estudos específicos sobre a responsabilidade dos sócios e de dirigentes de empresas, Leon Frejda Szklarowsky salienta, corretamente, haver a responsabilidade “qualquer que seja o tipo de sociedade”, abrangendo tanto a sociedade por cotas limitada como a sociedade anônima. Segundo o autor citado, a sociedade “distingue-se dos membros que a compõem; contudo, segundo a melhor doutrina e a jurisprudência, não se pode deixar de levar em consideração que aquela não deve transformar-se em veículo de lesão ao patrimônio alheio, mormente ao Fisco”. O terceiro, no caso, responde pelo crédito 68 tributário;

  Como dissemos acima, o Código Tributário Nacional disciplina, no art. 124, o instituto da solidariedade passiva, estabelecendo que, quando houver mais de um sujeito ocupando o lugar de devedor na mesma relação jurídica tributária, todos serão obrigados pelo valor total do débito tributário.

  No caso da responsabilidade subsidiária, em primeiro lugar, deve-se cobrar o crédito tributário de um sujeito e na impossibilidade de se efetivar tal cobrança, deve-se dirigir a cobrança para outro sujeito com a finalidade de alcançar a satisfação do crédito.

  Na responsabilidade normatizada no caput do art. 135, vemos que não se trata nem de responsabilidade solidária nem de subsidiária, mas da responsabilidade pessoal do agente que der origem ao nascimento de obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes 68 _________________

  

MORAES, Bernardo Ribeiro de. Compêndio de direito tributário. 2. ed. Rev., aument. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 1994, 2. vol, p. 522. ou infração de lei, contrato social ou estatutos e que delas resultem o crédito tributário.

  Precisamos definir o sentido do caput do art. 135 para o fim de delimitar o seu alcance, ou seja, demonstrar quem pode ser responsável pessoal e por quais condutas.

  Nos termos do art. 135, somente podem ser responsáveis pelos créditos tributários os sujeitos elencados nos incisos I a III quando praticarem atos ilícitos e que desses atos resulte o nascimento da obrigação tributária.

  Os atos ilícitos previstos no caput do art. 135 consistem nos atos

  

praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou

estatutos.

  Muito bem salientada por Sacha Calmon Navarra Coêlho a observação de que tais condutas somente responsabilizam os terceiros, se estes a praticarem de forma dolosa, pois em caso de se admitir a conduta culposa, abrir-se-ia a possibilidade para planejamentos tributários fraudulentos:

  O que não se pode admitir é que grandes empresas, até mesmo multinacionais, por pura matroca obriguem seus diretores contratados, com poucos bens ou sem eles, a ficar responsáveis por atos deliberadarnente praticados em proveito da empresa, com excesso de poder ou infração de lei ou contrato. A exclusão das empresas daria lugar a enormes injustiças e à indução de “planejamentos tributários” marotos. Além disso tornaria as funções gerenciais um tipo de atividade de alto risco. Em razão do que foi exposto retro, verifica-se que os pressupostos para a responsabilização de sócios-gerentes, diretores e administradores das pessoas jurídicas de Direito Privado residem no dolo. A dissolução ou o desfazimento de fato da sociedade, v.g., é infração dolosa. Aproposita a responsabilidade dos sócios. Fraude, conluio, sonegação para elidir o cumprimento de obrigação tributária igualmente aproposita a responsabilidade prevista no art. 135, mas somente na hipótese de a pessoa jurídica provar a sua 69 inocência.

  Ademais, temos que os terceiros elencados nos incisos do art. 135, respondem pessoalmente, pelo tributo, penalidades pecuniárias e obrigações acessórias. Nesse sentido:

  2) a responsabilidade é relativa aos créditos tributários resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração da lei, do contrato social ou dos estatutos. Não fazendo, o artigo, ressalva alguma, a sua eficácia não se limita apenas ao valor do crédito tributário. Contrario sensu, esclarece Aliomar Baleeiro, a responsabilidade abrange “quaisquer penalidades e obrigações acessórias”. A responsabilidade pessoal será pelo crédito tributário resultante dos respectivos atos, abrangendo não apenas a dívida decorrente de tributo, com os acréscimos decorrentes do 70 tempo, e mais os acréscimos punitivos.

  Além do que, essa responsabilidade só poderá ser atribuída ao sócio ou administrador quando constatada a prática de infração à lei, ao contrato social ou ao estatuto.

  Daí dessume-se que a prática de ato ilícito pela pessoa jurídica, em seu próprio benefício, não pode acarretar a responsabilidade tributária tratada no art. 135 do CTN a seus sócios e administradores. Vale ressaltar que a 69 _________________

  

COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Manual de direito tributário. Rio de Janeiro: Forense, 2000,

70 p. 405.

  

MORAES, Bernardo Ribeiro de. Compêndio de direito tributário. 2. ed. Rev., aument. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 1994, 2. vol, pp. 522-523. pessoa jurídica tem existência distinta da dos seus sócios e administradores, conforme será mais detalhadamente explanado no próximo capítulo.

  Por outro lado, se as pessoas físicas atuam fora dos limites de sua competência enquanto órgão da pessoa jurídica restará patente que tais atos serão praticados de forma pessoal pelos sócios ou administradores e não pela pessoa jurídica. Sua competência está disciplinada na lei societária e no disposto no contrato social ou estatuto.

  Percebemos, então, que a “infração à lei”, prescrita no caput do art. 135, significa infração à lei societária disciplinadora da competência dos administradores da pessoa jurídica. Se o administrador pautar-se sempre por critérios de prudência e moderação, deixando clara sua condição de bom administrador, não poderá ser responsabilizado por dívida fiscal a que não deu causa.

  Para fins de atribuição de responsabilidade pessoal do administrador da pessoa jurídica, cabe ao Fisco provar que ele causou prejuízo ao praticar algum ato gerencial fora de sua competência de administrador, ou seja, que o mesmo não agiu com prudência na administração da empresa e que esse ato foi causa do inadimplemento. Nesse sentido, pertinente é a observação de Carlos Lete Achirica, quando afirma que “Se excluye, por tanto, la imposición de sanciones a los administradores de las sociedades mercantiles por el mero resultado de su actividad y sin atender a la conducta diligente que hayan

  71 manifestado” . 71 _________________

ACHIRICA, Carlos Lete. La responsabilidad tributaria de los administradores de las sociedades mercantiles. Madrid: Civitas, 2000, pp. 65-66. Já dissemos que a competência do administrador está disciplinada na lei societária e no disposto no contrato social ou estatuto, e que são as infrações a essas normas que lhe podem ocasionar a atribuição de responsabilidade tributária . Carlos Lete Achirica, discorrendo sobre a impossibilidade de contradição entre as normas societárias e as normas tributárias, firma posição no sentido de que:

  Cualquiera que sea la autonomía que se quiera atribuir a las normas tributarias parece un completo contrasentido defender una posición como la apuntada, dado que, seguiendo Ia argumentación criticada, los administradores tendrían que ser diligentes en su actuación como gestores para evitar la responsabilidad frente a la propia sociedad, frente a los socios o frente a los acreedores sociales. Y, sin embargo, esa diligencia puesta en el desempeño de su cargo no les exoneraría de responsabilidad en el caso del artículo 40.1 de la LGT [prescreve sobre a responsabilidade tributária dos administradores no Direito Espanhol], cuando lo cierto es que precisamente para incentivar la diligencia de ciertos sujetos, para prever actitudes escasamente diligentes, es por lo que la Ley configura ciertos presupuestos de hechos de los que surge la obligación a cargo de los responsables tributarios, los administradores de ias sociedades mercantiles en el caso que 72 nos ocupa.

  Ou seja, se o administrador tiver atuado dentro das competências que lhe foram atribuídas pela lei societária, contrato social ou estatuto, agindo de forma diligente na gerência da empresa, não se lhe pode imputar responsabilidade tributária. 72 _________________

  

ACHIRICA, Carlos Lete. La responsabilidad tributaria de los administradores de las sociedades

mercantiles. Madrid: Civitas, 2000, p. 53.

  Frise-se, mais uma vez, a necessidade de prova por parte do Fisco da existência de dolo do administrador na prática do ato. Nesse sentido, leciona Isabel Sánchez Ayuso

  73

  que:

  La imposibilidad de ingreso de una deuda tributaria, dentro del plazo reglamentariamente señalado, por falta de tesorería, deberá ser probado por quien la alegue. Sin embargo, entendemos que, por aplicación del principio de presunción de inocencia, vigente en Derecho penal, incumbe al acusador la prueba de que esa situación que implica la imposibilidad de cumpliminiento de la obligación tributaria se ha producido mediante la concurrencia de dolo o culpa del sujeto, bien de propósito, bien sometiendo su patrimonio a riesgos injustificados y omitiendo con ello la debida diligencia. Obtener tal prueba está perfectamente al alcance de los medios de investigación y comprobación de la Administración tributaria.

  Feitas as considerações acima, chegamos à conclusão de que a falta de pagamento de tributo, por si só, não pode ser considerada infração de lei para fins de atribuição de responsabilidade tributária aos sócios e dirigentes da pessoa jurídica.

  Sobre essa antiga controvérsia, a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça se posionou, firmando a sua orientação jurisprudencial no sentido de que o não pagamento do tributo devido, por si só, não configura, nem em tese, a responsabilidade subsidiária do sócio, prevista no art. 135 do CTN. Para tanto, seria indispensável que os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado tenham agido com _________________ 73 AYUSO, Isabel Sánchez. Circunstancias eximentes y modificativas de responsabilidad por infracciones tributarias. Madrid: Marcial Pons, 1996, p. 235. excesso de poderes ou infração à lei societária, ao contrato social ou ao

  74 estatuto da empresa .

  

3.3. A execução fiscal e os instrumentos de defesa dos sócios e

administradores

  Vimos no tópico anterior que a responsabilidade tributária disciplinada no art. 135 do CTN não pode ser atribuída a terceiros, tão- somente, pela falta de pagamento do tributo, por se configurar em infração praticada pela pessoa jurídica. Para que tal responsabilização fosse atribuída a terceiros, seria imprescindível a prática de infração à lei societária, ao contrato social ou ao estatuto. Vimos também, que esse entendimento foi consagrado na jurisprudência do STJ, em face do julgamento do Recurso Especial nº 1101728/SP, em sede de recurso repetitivo.

  Não obstante o posicionamento acima delineado, o STJ, também em

  75

  sede de Recurso Especial submetido à sistemática prevista no art. 543-C do 74 _________________

  

TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. EXECUđấO FISCAL. TRIBUTO DECLARADO PELO

CONTRIBUINTE. CONSTITUIđấO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO. PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO. DISPENSA. RESPONSABILIDADE DO SÓCIO. TRIBUTO NÃO PAGO PELA SOCIEDADE. 1. A jurisprudência desta Corte, reafirmada pela Seção inclusive em julgamento pelo regime do art. 543-C do CPC, é no sentido de que "a apresentação de Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais – DCTF, de Guia de Informação e Apuração do ICMS – GIA, ou de outra declaração dessa natureza, prevista em lei, é modo de constituição do crédito tributário, dispensando, para isso, qualquer outra providência por parte do Fisco" (REsp 962.379, 1ª Seção, DJ de 28.10.08). 2. É igualmente pacífica a jurisprudência do STJ no sentido de que a simples falta de pagamento do tributo não configura, por si só, nem em tese, circunstância que acarreta a responsabilidade subsidiária do sócio, prevista no art. 135 do CTN. É indispensável, para tanto, que tenha agido com excesso de poderes ou infração à lei, ao contrato social ou ao estatuto da empresa (EREsp 374.139/RS, 1ª Seção, DJ de 28.02.2005). 3. Recurso especial parcialmente conhecido e, nessa parte, parcialmente provido. Acórdão sujeito ao regime do art. 543-C do CPC e da Resolução STJ 08/08. (REsp 1101728/SP, Rel. Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI, PRIMEIRA SEđấO, 75 julgado em 11/03/2009, DJe 23/03/2009)

PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL SUBMETIDO À SISTEMÁTICA PREVISTA NO ART. 543-C DO CPC. EXECUđấO FISCAL. INCLUSấO DOS REPRESENTANTES DA PESSOA Código de Processo Civil, firmou orientação jurisprudencial no sentido de que, se a execução for ajuizada apenas contra a pessoa jurídica, mas se o nome do sócio constar da CDA, a ele incumbe o ônus da prova de que não ficou caracterizada nenhuma das circunstâncias previstas no art. 135 do CTN.

  Restou consignado, também, que tal prova deverá ser realizada mediante a propositura de embargos à execução, sendo inviável a exceção de pré- executividade para se arguir a ilegitimidade passiva, por se fazer necessária a

  76 dilação probatória.

  O julgamento dos recursos repetitivos acima foi realizado na sistemática introduzida pela Lei nº 11.672, de 8 de maio de 2008, a qual

  

JURễDICA, CUJOS NOMES CONSTAM DA CDA, NO PốLO PASSIVO DA EXECUđấO FISCAL.

POSSIBILIDADE. MATÉRIA DE DEFESA. NECESSIDADE DE DILAđấO PROBATốRIA.

EXCEđấO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE. INVIABILIDADE. RECURSO ESPECIAL DESPROVIDO. 1.

A orientação da Primeira Seção desta Corte firmou-se no sentido de que, se a execução foi ajuizada

apenas contra a pessoa jurídica, mas o nome do sócio consta da CDA, a ele incumbe o ônus da

prova de que não ficou caracterizada nenhuma das circunstâncias previstas no art. 135 do CTN, ou

seja, não houve a prática de atos "com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou

estatutos". 2. Por outro lado, é certo que, malgrado serem os embargos à execução o meio de

defesa próprio da execução fiscal, a orientação desta Corte firmou-se no sentido de admitir a

exceção de pré-executividade nas situações em que não se faz necessária dilação probatória ou em

que as questões possam ser conhecidas de ofício pelo magistrado, como as condições da ação, os

pressupostos processuais, a decadência, a prescrição, entre outras. 3. Contudo, no caso concreto,

como bem observado pelas instâncias ordinárias, o exame da responsabilidade dos representantes

da empresa executada requer dilação probatória, razão pela qual a matéria de defesa deve ser

aduzida na via própria (embargos à execução), e não por meio do incidente em comento. 4. Recurso

especial desprovido. Acórdão sujeito à sistemática prevista no art. 543-C do CPC, c/c a Resolução

8/2008 - Presidência/STJ. (REsp 1104900/ES, Rel. Ministra DENISE ARRUDA, PRIMEIRA SEđấO,

76 julgado em 25/03/2009, DJe 01/04/2009)

TRIBUTÁRIO. EXECUđấO FISCAL SốCIO-GERENTE CUJO NOME CONSTA DA CDA.

  

PRESUNđấO DE RESPONSABILIDADE. ILEGITIMIDADE PASSIVA ARGUIDA EM EXCEđấO DE

PRÉ-EXECUTIVIDADE. INVIABILIDADE. PRECEDENTES. 1. A exceção de pré-executividade é

cabível quando atendidos simultaneamente dois requisitos, um de ordem material e outro de ordem

formal, ou seja: (a) é indispensável que a matéria invocada seja suscetível de conhecimento de

ofício pelo juiz; e (b) é indispensável que a decisão possa ser tomada sem necessidade de dilação

probatória. 2. Conforme assentado em precedentes da Seção, inclusive sob o regime do art. 543-C

do CPC (REsp 1104900, Min. Denise Arruda, sessão de 25.03.09), não cabe exceção de pré-

executividade em execução fiscal promovida contra sócio que figura como responsável na Certidão

de Dívida Ativa - CDA. É que a presunção de legitimidade assegurada à CDA impõe ao executado

que figura no título executivo o ônus de demonstrar a inexistência de sua responsabilidade tributária,

demonstração essa que, por demandar prova, deve ser promovida no âmbito dos embargos à

execução. 3. Recurso Especial provido. Acórdão sujeito ao regime do art. 543-C do CPC. (REsp

1110925/SP, Rel. Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI, PRIMEIRA SEđấO, julgado em 22/04/2009, DJe 04/05/2009) introduziu alterações no Código de Processo Civil (CPC), acrescendo ao CPC o art. 543-C, que estabelece o procedimento para o julgamento em massa de recursos, tornando mais efetiva a prestação jurisdicional. A norma dispõe que, quando houver multiplicidade de recursos com fundamento em idêntica questão de direito, cabe ao presidente do tribunal de origem admitir um ou mais recursos representativos da controvérsia e encaminhá-los ao STJ. Os demais ficarão suspensos até o pronunciamento definitivo do Tribunal.

  O posicionamento adotado pelo STJ nos preocupa por entendermos não ser a interpretação mais adequada, à qual, inclusive, poderá acarretar o cometimento de inúmeras injustiças, uma vez que se propõe a inviabilizar a defesa via exceção de pré-executividade dos supostos cor-responsáveis, os quais podem estar indevidamente indicados na CDA.

  A primeira referência ao instituto da exceção de pré-executividade, ainda que não se haja utilizado dessa denominação, reporta-se a 1890, quando da instituição da Justiça Federal neste país. Com efeito, o Dec. 848, de 11 de outubro de 1890, facultava a defesa do devedor antes de realizada a penhora e desde que assegurado o Juízo. A segurança do Juízo, vale frisar, se tornava desnecessária caso fosse exibido documento comprovando ou o pagamento ou a anulação da dívida.

  Posteriormente, o Dec. n°5.225, de 31 de dezembro de 1932, do Estado do Rio Grande do Sul, disciplinou a exceção de impropriedade do meio

  

executivo. Por este instituto o devedor poderia, antes da uilização de qualquer

  outro procedimento executório, contestar o título executivo alegando sua impropriedade.

  Foi, todavia, com um emblemático parecer de Pontes de Miranda que este instituto ganhou contornos mais semelhantes aos de hoje. Contratado por uma companhia siderúrgica de renome, a qual se encontrava em grave situação ante o vultoso número de execuções a que era submetida, aquele professor emitiu parecer defendendo a possibilidade de o executado se manifestar dentro do próprio processo de execução por outro meio distinto dos embargos. Afirmava ser a cognição necessária à execução, sendo de interesse do Juízo o esclarecimento de todos os âmbitos da contenda, para melhor decidir, e não tão somente prestar a tutela a que foi instado.

77 Outros autores atuais também criticam a necessidade de penhora

  antes da discussão acerca da legitimidade do título, especialmente nos casos dessa imposição ser injusta ao executado. Entende-se, também, que deve ser concedida ao executado a possibilidade liminar à execução de pronunciar-se sobre matérias a respeito das quais o juiz deveria ter tratado, mas não o fez.

  Alguns juristas, no entanto, hesitam em propalar as virtudes da adoção de tal recurso processual por receio de manobras escusas por parte do devedor, com fim apenas de protelar o adimplemento da respectiva obrigação. Lembre-se, porém, que esse tipo de atitude está presente em qualquer processo judicial, desde sempre, sem, contudo, tornar inadequados outros recursos do devedor, por vezes até mais custosos ao credor.

  Não se deve, por isso, cercear os meios legítimos de defesa do devedor em função de atitudes errôneas por parte de algumas minorias. 77 _________________

  

WAMBIER, Teresa Amida Alvim; WAMBIER, Luiz Rodrigues. Processo de execução e assuntos

afins. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1998, p. 410 e ASSIS, Araken de. Manual do processo de

execução, vol. I. Porto Alegre: Letras Jurídicas, 1987, p. 344.

  Ademais, convém rememorar que a terminação “pré-executividade” não designa uma relação jurídica prévia ao processo de execução, mas uma prévia à efetivação da penhora, ou, mais amplamente, dos atos próprios da execução. A defesa, como fica evidente, é realizada dentro do processo.

  Sobre o cabimento da Exceção de Pré-executividade, deve-se esclarecer que essa medida é espécie excepcional de defesa no processo de execução, quando não demande dilação probatória, para discutir pressupostos processuais e condições da ação.

  Não obstante o débito inscrito em dívida ativa possuir presunção de liquidez, certeza e exigibilidade, uma vez verificada a existência de causas capazes de afastar quaisquer desses requisitos necessários à validade e à execução do crédito, inadmissível é que o Executado seja compelido a garantir o juízo para posteriormente, por meio de Embargos à Execução, demonstrar a ausência de conteúdo do título exequendo.

  Corroborando esse entendimento, o Superior Tribunal de Justiça vinha admitindo o cabimento da exceção de pré-executividade para discutir, na ação executiva, a ilegitimidade passiva, bem como outras matérias de ordem pública, tais como condições da ação e pressupostos processuais, desde que

  78 não fosse necessário, para tal mister, realizar dilação probatória. 78 _________________

PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAđấO. RECURSO ESPECIAL.

  

PREQUESTIONAMENTO. EXCEđấO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE EM EXECUđấO FISCAL.

POSSIBILIDADE. RESPONSABILIDADE DO SÓCIO-GERENTE. ARTIGO 135, III, DO CTN.

PRECEDENTES. 1. A apreciação da questão federal impugnada pela via especial depende do seu efetivo exame e julgamento pelo Tribunal a quo. 2. Entendimento desta Corte de que não é absoluta a proibição da exceção de pré-executividade em execução fiscal, especialmente nos casos em que

se discutiu pressupostos processuais e condições da ação. 3. A imputação da responsabilidade

prevista no art. 135, III, do CTN não está vinculada apenas ao inadimplemento da obrigação

tributária, mas à comprovação das demais condutas nele descritas: prática de atos com excesso de

  No entanto, a recente alteração na orientação jurisprudencial do STJ, firmada mediante as decisões nos REsp 1104900/ES e REsp 1110925/SP, pela inadmissão da exceção, implica em violação aos preceitos constitucionais do contraditório e da ampla defesa (art. 5º, LV da Constituição Federal de 1988), posto que, possuindo condições de comprovar de maneira clara e precisa os vícios do título executivo, há de se admitir a defesa pelo Excipiente, independentemente da garantia do juízo. A posição do STJ, portanto, parece-nos equivocada.

  A Certidão de Dívida Ativa para gozar da presunção de certeza e

  79

  liquidez, nos termos do art. 204 do CTN e inviabilizar a propositura da

  poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos. 4. Embargos de declaração rejeitados. (EDcl no REsp 471107/MG, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, SEGUNDA TURMA, julgado em 05/02/2004, DJ 15/03/2004 p. 234)

PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. EXECUđấO FISCAL. SốCIO-GERENTE.

  

REDIRECIONAMENTO DA EXECUđấO. IMPOSSIBILIDADE. ILEGITIMIDADE PASSIVA.

ARGUIđấO. EXCEđấO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE. MATÉRIA COGNOSCễVEL DE OFễCIO. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL CONFIGURADA. 1. O redirecionamento da execução fiscal para o sócio-gerente da empresa somente é cabível quando comprovado que ele agiu com excesso de poderes, infração à lei ou contra o estatuto, ou na hipótese de dissolução irregular da empresa. O simples inadimplemento de obrigações tributárias não caracteriza infração legal. 2. Este Tribunal firmou o entendimento de que podem ser utilizadas a exceção de pré-executividade ou a mera petição, em situações especiais e quando não demande dilação probatória. 3. Recurso especial conhecido e provido. (REsp 533895/RS, Rel. Ministro FRANCISCO PEÇANHA MARTINS, SEGUNDA TURMA, julgado em 28/03/2006, DJ 25/05/2006 p. 208)

PROCESSUAL CIVIL. EXECUđấO FISCAL. EXCEđấO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE.

  ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES. 1. Recurso Especial interposto contra v. Acórdão que manteve decisão singular nos autos de execução fiscal que acolheu exceção de pré-executividade, excluindo do pólo passivo o recorrido, ao argumento de que o inventariante somente é responsável pelos tributos devidos pelo espólio, e não quanto aos devidos pelo de cujos. 2. A doutrina e a jurisprudência, como todos conhecem, aceitam que "os embargos de devedor pressupõem penhora regular, que só se dispensa em sede de exceção de pré- executividade, limitada à questões relativas aos pressupostos processuais e às condições da ação", incluindo-se a alegação de que a dívida foi paga (REsp nº 325893/SP). 3. A jurisprudência do STJ tem acatado a exceção de pré-executividade, impondo, contudo, alguns limites. Coerência da corrente que defende não ser absoluta a proibição da exceção de pré-executividade no âmbito da execução fiscal. 4. No caso em exame, o acórdão bem aceitou a exceção de pré-executividade, haja vista ter ficado demonstrado ser o executado parte ilegítima na relação jurídica buscada pelo INSS.

5. Recurso não provido. (REsp 371460/RS, Rel. Ministro JOSÉ DELGADO, PRIMEIRA TURMA,

  79 julgado em 05/02/2002, DJ 18/03/2002 p. 188) Art. 204. A dívida regularmente inscrita goza da presunção de certeza e liquidez e tem o efeito de prova pré-constituída. exceção de pré-executividade para a alegação de ilegitimidade passiva, precisa

  80

  retratar de forma fiel, nos termos do art. 201 do CTN , o resultado do lançamento tributário, após esgotados os recursos a ele inerentes, indicando,

  81 conforme o inciso I do art. 202 do CTN , o nome dos corresponsáveis.

  A Certidão de Dívida Ativa, na qual conste o erro quanto à indicação dos corresponsáveis, apurados em processo regular de lançamento tributário,

  82

  ensejará, segundo o art. 203 do CTN , causa de nulidade da inscrição e do processo de cobrança dela decorrente.

  Nesse sentido, Humberto Theodoro Júnior afirma que:

  “Enfim, é o procedimento administrativo que precede à inscrição que enseja a oportunidade para definir quem vem a ser o devedor principal, subsidiário ou co-responsável. (...) Sendo a execução fiscal regulada pela Lei 6.830 puro procedimento executivo, continua a meu ver, inadmissível, em feito da espécie, pretender a Fazenda o acertamento da responsabilidade de terceiros ou coobrigados que não figuraram no processo administrativo e contra quem não se 83 formou o título executivo, que é a Certidão de Dívida Ativa.”

  

Parágrafo único. A presunção a que se refere este artigo é relativa e pode ser ilidida por prova

80 inequívoca, a cargo do sujeito passivo ou do terceiro a que aproveite.

  

Art. 201. Constitui dívida ativa tributária a proveniente de crédito dessa natureza, regularmente

inscrita na repartição administrativa competente, depois de esgotado o prazo fixado, para

pagamento, pela lei ou por decisão final proferida em processo regular. 81 Parágrafo único (...) omissis

Art. 202. O termo de inscrição da dívida ativa, autenticado pela autoridade competente, indicará

obrigatoriamente:

I - o nome do devedor e, sendo caso, o dos co-responsáveis, bem como, sempre que possível, o

domicílio ou a residência de um e de outros; 82 (...) omissis

Art. 203. A omissão de quaisquer dos requisitos previstos no artigo anterior, ou o erro a eles

relativo, são causas de nulidade da inscrição e do processo de cobrança dela decorrente, mas a

nulidade poderá ser sanada até a decisão de primeira instância, mediante substituição da certidão

nula, devolvido ao sujeito passivo, acusado ou interessado o prazo para defesa, que somente

83 poderá versar sobre a parte modificada.

  

Humberto Theodoro Júnior, Lei de Execução Fiscal, 4 ed., São Paulo, Saraiva, 1995, pp. 22 e 24.

  Isso implica dizer que, para que haja a indicação dos corresponsáveis na CDA, a eles deve ter sido oportunizado o direito de ampla defesa quanto à atribuição de sua sujeição passiva, o que deve ocorer no momento do lançamento tributário.

  O lançamento tributário tem sua matriz legal, delimitadora das

  84

  atividades dos entes tributantes, no art. 142 do CTN . Tem ele o objetivo de determinar o fato imponível realizado pelo sujeito passivo e apurar o valor do

  

85

tributo devido, segundo Vittorio Cassone.

  Lançamento tributário constitui o ato tributário formal descritor do fato gerador de um tributo, com todos seus aspectos e elementos

  86

  integrativos. Observadas essas condições, tem ele a finalidade de constituir o crédito tributário do sujeito ativo da obrigação tributária, no caso, o Estado.

  Vale dizer que a descrição do fato só se constitui lançamento tributário, quando o fato imponível e o seu relato mantiverem simetria com a respectiva hipótese de incidência. Fora disso, não se tem lançamento tributário. E se o for, será viciado, não se prestando para constituir o crédito tributário que pretende. O crédito tributário respectivo será inexigível, por inexistência. 84 _________________

  

Código Tributário Nacional – CTN, Art. 142. Compete privativamente à autoridade administrativa

constituir o crédito tributário pelo lançamento, assim entendido o procedimento administrativo

tendente a verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente, determinar a matéria

tributável, calcular o montante do tributo devido, identificar o sujeito passivo e, sendo caso, propor a

aplicação da penalidade cabível.

Parágrafo único. A atividade administrativa de lançamento é vinculada e obrigatória, sob pena de

85 responsabilidade funcional.

  

O lançamento é o ato privativo da Administração Pública que verifica a registra a ocorrência do

fato gerador, a fim de apurar a quantia devida pelo sujeito passivo da obrigação tributária.

(CASSONE, Vittorio. Direito tributário. São Paulo: Atlas, 1997, p. 124).

  87 A jurista Mary Elbe, reportando-se a Juan P. Cajarville Peluffo, diz,

  com precisão, que “os atos administrativos devem fundar-se em motivos reais e verdadeiros.” É o rigorismo que o lançamento deve manter com a verdade material.

  Sem esse rigorismo, há vício. E o que pretende ser lançamento tributário verdadeiramente não o é, não se prestando a constituir o crédito tributário respectivo.

  88 O art. 146, inciso III, alínea “b”, da Constituição Federal, diz que

  lançamento é matéria de lei complementar. Só após essa prescrição normativa intermediária, é que a lei ordinária pode dispor sobre lançamento tributário.

  Nessa hipótese, a lei ordinária não recebe competência direta da Constituição Federal, mas da lei complementar.

89 Geraldo Ataliba , posicionando-se pela hierarquia da lei

  complementar frente à lei ordinária, discorreu da seguinte forma:

  É próprio da técnica de elaboração legislativa inserir os mandamentos hierarquizados em ordem tal que os superiores precedem os inferiores e vice-versa. Assim, as enumerações em regra começam pelo mais relevante ou importante, em ordem decrescente.

  _________________ 87 No dizer de Juan P. Cajarville Peluffo, os atos administrativos devem fundar-se em motivos reais e

  verdadeiros, pois, do contrário, serão atos ilegítimos, uma vez que ‘ por esta regra substancial, a

Administração está obrigada a ajustar-se à verdade material dos fatos, sem que a obriguem os

acordos dos interessados acerca de tais fatos nem a eximam de investigá-los, conhecê-los e

ajustar-se a eles, a circunstância de não haverem sido alegados ou provados pelas partes. (MAIA, Mary Elbe Gomes Queiroz. Do lançamento tributário – Execução e controle. São Paulo: Dialética, 88 1999, p.107).

  Art. 146. Cabe à lei complementar: (...)

  III - estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, especialmente sobre: (...) 89 b) obrigação, LANÇAMENTO, crédito, prescrição e decadência tributários; (grifos nossos).

  

ATALIBA, Geraldo. Lei complementar na Constituição. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais,

1971, p. 29.

  Abaixo das leis constitucionais, localizou as complementares, seguidas imediatamente das ordinárias. A hierarquia ideal corresponde a essa gradação. A principal conseqüência jurídica dessa circunstância reside na superioridade da lei complementar sobre a ordinária. E esta gradação tem, em muitos casos, conseqüências também de caráter formal, como se verá.

  Consiste a superioridade formal da lei complementar - como em geral das normas jurídicas eminentes, em relação às que lhe são inferiores - na impossibilidade jurídica de a lei ordinária alterá-la ou revogá-la. Nula é, pois, a parte desta que contravenha disposição daquela.

  A lei ordinária que dispõe sobre lançamento além das fronteiras tracejadas por lei complementar é inconstitucional, não tem competência, não tem eficácia.

  A validade do lançamento tributário depende da contemporaneidade de vários fatores: a) previsão constitucional;

  b) previsão em lei complementar;

  c) previsão em lei ordinária;

  d) o fato imponível ser concreto, podendo ser presumido ou arbitrado nos limites admitidos pelo sistema jurídico; e) a hipótese de incidência descritora, com fidelidade, dos elementos fáticos selecionados no fato imponível.

  O fato imponível objeto do lançamento, em geral, deve ser real, concreto, para que, à vista do princípio da tipicidade, haja subsunção à respectiva hipótese de incidência. Esse é também o entendimento de Paulo de

90 Barros Carvalho .

  A desconsideração da realidade fática do fato gerador gera insegurança, invalidando a tributação respectiva.

  O lançamento, via de regra, deve ter fato imponível, fato real, concreto. A admissibilidade de lançamento fora desse esquema – arbitramento e presunção – constitui exceção, somente admissível nos estreitos limites da legislação pertinente. O que não se encaixar nas exceções, encontra-se sob a égide da regra geral do lançamento: fato real.

  A validade do lançamento tributário depende, pois, de sua adequação ao sistema jurídico tributário, notadamente de sua vinculação à

  91

  lei . Não depende, portanto, apenas de ser o descritor de um fato, mas que esse relato mantenha paridade com os aspectos e elementos contidos na 90 _________________

  

A devida compreensão da fenomenologia da incidência tributária tem o caráter de ato fundamental

para o conhecimento jurídico, posto que assim atuam todas as regras do direito, em qualquer de

seus subdomínios, ao serem aplicados no contexto da comunidade social. Seja qual for a natureza

do preceito jurídico, a sua atuação dinâmica é a mesma: opera-se a concreção do fato previsto na

hipótese, propalando-se os efeitos jurídicos prescritos na consequência. Mas esse enquadramento

do conceito do fato ao conceito da hipótese normativa tem de ser completo, para que se dê,

verdadeiramente, a subsunção. É aquilo que se tem por tipicidade, que no Direito Tributário, assim

como no Direito Penal, adquire transcendental importância. Para que se configure o fato jurídico

tributário, a ocorrência da vida real tem de satisfazer a todos os critérios identificadores tipificados

na hipótese. Que apenas um não se verifique, e a dinâmica que descrevemos ficará inteiramente

comprometida.

É precisamente nesse núcleo fundamental que não pode operar a presunção, quando pensamos na

existência concreta de uma figura tributária, tornando-se desnecessário aduzir que assim é porque a

atividade impositiva do estado mexe com dois valores essenciais à vida em sociedade, quais sejam

o direito de propriedade e o direito de liberdade. (“A prova no Procedimento Administrativo

91 Tributário”. Revista Dialética de Direito Tributário – RDDT nº 34, p. 104 e seguintes).

  Código Tributário Nacional – CTN, Art. 142. (...)

Parágrafo único. A atividade administrativa de lançamento é vinculada e obrigatória, sob pena de responsabilidade funcional. hipótese de incidência. Com esse perfil, vê-se que o lançamento não é ato discricionário do Poder Tributante. Corroboram com essa limitação os juristas

  92

  93

  94 Luciano Amaro, Hugo de Brito Machado, Maria Rita Ferragut e Aliomar

  95 Baleeiro, com atualização de Mizabel Derzi.

  Ausente qualquer um desses fatores ou indicados de forma incorreta, não há lançamento legítimo, estando viciado de ilegalidade ou de inconstitucionalidade.

  O mesmo se diga em relação à indicação da sujeição passiva dos responsáveis tributários, uma vez que se trata de elemento integrante da relação jurídica tributária, consubstanciada no lançamento tributário.

  A responsabilidade dos administradores de pessoas jurídicas de direito privado, nos termos do art. 135, III, do CTN, somente pode ser a eles atribuída no caso de prática de infração à legislação societária, ao contrato social ou estatudo. E essa infração deve ser devidamente apurada e comprovada pelo lançamento tributário, sendo àqueles ofertado o direito de se defenderem dessa acusação.

  _________________ 92 O lançamento deve ser efetuado pelo sujeito ativo nos termos da lei, vale dizer, tem de ser feito

  

sempre que a lei o determine, e sua consecução deve respeitar os critérios da lei, sem margem de

discrição dentro da qual o sujeito ativo pudesse, por razões de conveniência ou oportunidade,

decidir entre lançar ou não, ou lançar valor maior ou menor, segundo sua avaliação discricionária.

93 (AMARO, Luciano. Direito tributário brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2002, p. 335).

  

Quando alguém age em nome do Estado não tem, nem poderia ter, a mesma liberdade de que

desfruta ao agir em seu próprio nome. Quem age em seu próprio nome tem ampla liberdade. Pode

fazer tudo o que a lei não proíbe. Já os que atuam em nome do Estado só podem fazer aquilo que

se compreende nas respectivas competências. (MACHADO, Hugo de Brito. Comentários ao código

94 tributário nacional, vol III. São Paulo: Atlas, 2005, p. 54).

  

O lançamento é procedimento administrativo vinculado. O agente, ao exercê-lo, não interfere com

apreciação subjetiva alguma, pois existe prévia e objetiva tipificação legal do único comportamento

possível da Administração em face de situação igualmente prevista. (FERRAGUT, Maria Rita.

95 Presunções no direito tributário. São Paulo: Dialética, 2001, p. 139).

  

Na doutrina, o lançamento tem sido definido como o ato, ou a série de atos, de competência

vinculada, praticado por agente do Fisco, para verificar a realização do fato gerador da matéria

tributária. (BALEEIRO, Aliomar; DERZI, Misabel Abreu Machado (atualizadora). Direito tributário

brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1999, p. 782).

  A Certidão de Dívida Ativa que indicar responsável tributário que não tenha o seu nome incluído no lançamento tributário, ou que a ele não haja sido ofertado o direito de defesa, é nula de pleno direito, nos termos do art. 203 do CTN.

  Logo, para que se pudesse sanar de imediato a nulidade acima apontada, mister seria a interposição de exceção de pré-executividade para questionar a ilegitimidade passiva tributária.

  No que tange à inadmissibilidade de utilização desse meio de impugnação, tendo em vista a vedação de dilação probatória, entendemos que a juntada da cópia integral do processo administrativo do lançamento tributário que demonstre a ausência de indicação do responsável tributário ou ausência de oportunização de direito de defesa, é prova suficiente e irrefutável para a configuração da ilegitimidade passiva dos responsáveis, ilegitimamente indicados na Certidão de Dívida Ativa. Estaria dispensada, portanto, a dilação probatória, com a ouvida da Fazenda Pública, a oitiva de testemunhas, bem como a realização de prova pericial.

  Nesses casos, entendemos que a exceção de pré-executividade é meio legítimo para a defesa dos supostos responsáveis tributários, não lhes sendo obrigatório o manuseio, tão-somente, de embargos de devedor ou ação anulatória.

4. DESCONSIDERAđấO DA PERSONALIDADE JURễDICA

4.1. O conceito de pessoa e personalidade jurídica

  O instituto da desconsideração da personalidade jurídica e a sua relação com o direito tributário tem sido um tema gerador de muitas controvérsias tanto na doutrina quanto na jurisprudência pátria, principalmente após o advento da Lei Complementar nº 104/2001 e do Código Civil de 2002 (Lei n° 10.406/2002).

  A Lei Complementar n° 104/2001 introduziu um parágrafo único ao art. 116 do CTN e trouxe a possibilidade de:

  A autoridade administrativa poderá desconsiderar atos ou negócios jurídicos praticados com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador do tributo ou a natureza dos elementos constitutivos da obrigação tributária, observados os procedimentos a serem estabelecidos em lei ordinária.

  96 O Código Civil de 2002, por intermédio do seu art. 50 , introduziu no

  sistema jurídico uma norma que possibilita ao Juiz, quando verificado o “abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial” e, “a requerimento da parte, ou do Ministério Público 96 _________________

  

Art. 50. Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou

pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público

quando lhe couber intervir no processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de

obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica. quando lhe couber intervir no processo”, determinar “que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica”.

  Temos ainda o art. 135 do CTN, por intermédio do qual, são pessoalmente responsáveis pelos tributos, resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatuto: I - as pessoas referidas no art. 134 do Código Tributário Nacional; II - os mandatários, prepostos e empregados; e III - os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado.

  Apresentados os dispositivos normativos do CTN e do Código Civil, acima transcritos, temos que não encontra mais espaço na doutrina o pensamento de que o direito tributário se trata de um ramo autônomo do direito positivo, pois este é uma unidade que não pode ser decomposta, somente podendo ser dividido em ramos, para atender a uma questão didática.

  97 Valemos-nos da observação de Paulo de Barros Carvalho , para quem: a ordenação jurídica é una e indecomponível. Seus elementos — as unidades normativas — se acham irremediavelmente entrelaçados pelos vínculos de hierarquia e pelas relações de coordenação, de tal modo que tentar conhecer regras jurídicas isoladas, como se prescindissem da totalidade do conjunto, seria ignorá-lo, enquanto sistema de proposições prescritivas. Uma coisa é certa: qualquer definição que se pretenda há de respeitar o princípio da unidade sistemática e, sobretudo, partir dele, isto é, dar como pressuposto que um número imenso de preceitos jurídicos, dos mais variados níveis e dos múltiplos setores, se aglutinam para formar essa mancha normativa cuja demarcação rigorosa e definitiva é algo impossível. 97 _________________

CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004, p. 14. Isso não quer dizer que os institutos de direito privado serão sempre aplicados às lides tributárias, justamente em face do observado por Paulo de Barros Carvalho, no sentido de se encontrarem as normas jurídicas entrelaçadas pelos vínculos de hierarquia e pelas relações de coordenação, sendo tais vínculos os limites que devem ser observados. No mesmo sentido,

  98

  ensina Heleno Taveira Tôrres :

  As normas jurídicas não existem isoladamente, antes, apresentam-se estritamente relacionadas, por coordenação e subordinação, enquanto elementos que são de um sistema. Por este motivo não seria possível a tentativa de isolamento de regras jurídicas em confins arbitrariamente demarcados, na medida em que verteria a ideia de sistema jurídico.

  Pretendemos construir a correta significação das normas jurídicas para verificarmos se o art. 50 do Código Civil de 2002 pode ser fundamento de validade para a responsabilização dos sócios ou administradores por débitos fiscais da sociedade à qual pertençam; e se a teoria geral da desconsideração da personalidade jurídica pode ser aplicada ao direito tributário.

  Abordaremos ainda nesse capítulo se as normas insculpidas no parágrafo único do art. 116 e no art. 135, ambos do CTN, podem ser consideradas como normas afetas à desconsideração da personalidade jurídica.

  A personalidade das pessoas jurídicas é instituto de máxima relevância, haja vista constituir-se em uma segurança aos sócios e acionistas 98 _________________ TORRES, Heleno Taveira. Direito Tributário e Direito Privado. São Paulo: RT, 2003, p. 52. que se agrupam para a consecução de determinados fins, que não seriam alcançados, caso não houvesse essa associação.

  Para melhor compreensão do tema, convém estabelecermos os conceitos de pessoa e personalidade jurídicas. Vejamos, primeiramente, o conceito de pessoa jurídica fornecido por De Plácido e Silva

  99

  :

  Em oposição à pessoa natural, expressão adotada para indicação da individualidade jurídica constituída pelo homem, é empregada para designar as instituições, corporações, associações e sociedades, que, por força ou determinação da lei, se personalizam, tomam individualidade própria, para constituir uma entidade jurídica, distinta das pessoas que a formam ou que a compõe. Diz-se jurídica porque se mostra uma encarnação da lei. E, quando não seja inteiramente criada por ela, adquire vida ou existência legal somente quando cumpre as determinações fixadas por lei. ... a pessoa jurídica somente tem existência quando o Direito lhe imprime o sopro vital. Criando-se ou as confirmando, é, pois, o Direito que determina ou dá vida a estas entidades, formadas pela agremiação de homens, pela patrimonização de bens, ou para cumprir, segundo as circunstâncias, a realização do próprio Estado.

  No que diz respeito à natureza jurídica da pessoa jurídica, formou- se, ao longo do tempo, teorias baseadas em três sistemas, sendo eles: a) da ficção; b) da negação da personalidade; c) da realidade

  100 .

  _________________ 99 SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico. 15. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1999, p. 606. 100

Pessoa jurídica – Pelo sistema da ficção, as pessoas jurídicas “são aquelas, que não nascendo

  

da natureza, como a pessoa natural, resulta, de uma ficção jurídica, uma criação imaginária da lei,

do direito”: primeira teoria (representação): “É atribuída à pessoa jurídica, não a personalidade

verdadeira, mas uma representação da personalidade consubstanciada no órgão representativo

dessa pessoa fictícia”; segunda teoria (personificação): “A atribuição é dada a personalidade ao

próprio ente fictício, criação deliberativa do legislador, conforme podemos ver o que diz Savigny:

‘Pessoa jurídica é um sujeito de direito de bens criado artificialmente’.” Pelo sistema da negação

da personalidade: “Neste sistema temos três teorias, todas elas concluindo pela inexistência das

pessoas, quer por julgarem unicamente se as pessoas naturais são capazes de ser sujeito dos

direitos e de admitir o caso dos direitos sem sujeito”; teoria individualista, Bolze e Ihering: “Por esta

  Quanto ao conceito de personalidade jurídica, o mesmo autor acima

  101

  referendado, De Plácido e Silva, assim se posicionou :

  Denominação propriamente dada à personalidade que se atribui ou se assegura às pessoas jurídicas, em virtude do que se investem de uma qualidade de pessoa, que as tornam suscetíveis de direitos e obrigações e com direito a uma existência própria, protegida pela lei. É, assim, uma especialização terminológica da personalidade civil para designar as pessoas constituídas por força da lei, em distinção à personalidade física, próprias às pessoas naturais.

  

Teoria, os sujeitos dos direitos são os próprios indivíduos considerados em conjunto. Ela vai de

encontro com a um fenômeno jurídico, a pessoa jurídica é distinta da dos indivíduos que a compõem

  • – universitas distat a singulis”; teoria, também individualista, de Ihering: “A pessoa jurídica não é o

    verdadeiro destinatário dos direitos; quem deles se utiliza são as pessoas naturais que se acham,

    por assim dizer, atrás daquelas pessoas jurídicas. Pouco importa que se trate de um círculo

    determinado de indivíduos (universitas personarum) ou de um número indeterminado (universitas

    bonorum), por exemplo os enfermos de um hospital”; dessa suposição, ele tira a conclusão de que

    as pessoas naturais são as únicas destinatárias dos direitos; segundo Giorgi, citado por Gudesteu

    Pires, há nessa teoria confusão do gozo e vantagens materiais que formam o objeto do direito –

    quaestio facti – com a existência do sujeito do direito – quaestio juris; teoria dos direitos sem sujeito,

    de Brinz, Beker, Windscheid, igualmente individualista: “Segundo esta Teoria, nas corporações e

    nas fundações existe apenas um patrimônio destinado a um certo fim. Nestes casos os direitos não

    têm sujeito. São os direitos sem sujeito”; “teoria da propriedade coletiva, de Planiol e Barthelemy:

    para Planiol, a personalidade jurídica não é a soma à classe das pessoas: é um modo de possuir os

    bens em comum, é uma forma de propriedade, que são duas maneiras de possuir os bens:

    individualmente ou coletivamente. Portanto, o que chamamos de pessoa jurídica, Planiol chama de

    propriedade coletiva”. Pelo sistema da realidade (são as teorias que consideram a pessoa jurídica

    ente de existência real e verdadeira): teoria da vontade, de Zitellman e Meurer: “Esta teoria

    preconiza que o verdadeiro sujeito dos direitos deve ser atribuído tanto às pessoas naturais como às

    jurídicas. Em toda relação de direito, dizem os seus preconizadores, há uma vontade em exercício e

    daí concluírem que essa vontade é o sujeito do direito que difere da vontade particular. Para tanto,

    recorrem a forma matemática para explicar, dizem, 7 + 5 = 12, e explicam sendo o 12 sintético, se

    bem igual ao 7 + 5 analítico, constitui por outra forma uma quantidade inteiramente nova. É assim,

    dizem eles, nas corporações, nas sociedades, etc. Nestas, o sujeito dos direitos é uma parcela da

    vontade do fundador”; (teoria da realidade objetiva, doutrina de Gierke e Endermann,

    preconizadores da doutrina, aceita por Fadda, Bensa e Giorgi, na Itália, Fouillé e René Worms com

    algumas variantes na França, Clóvis Beviláqua e Lacerda de Almeida no Brasil): “Partindo da

    afirmação de que a sociedade é um verdadeiro organismo em que se encontram vida e vontade

    próprias, os partidários desta teoria concluíram que as pessoas jurídicas são também organismos

    tão completos como as pessoas naturais. Nas pessoas jurídicas não poderemos ver uma ficção,

    elas não são entidades abstratas criadas pela lei: são realidades vivas que a lei apenas constata,

    definindo os direitos que decorrem do fenômeno natural de sua personalidade”; teoria da realidade

    técnica ou realidade jurídica: “Nesta teoria, os pessoas jurídicas são uma realidade, constatando

    essa realidade no mundo jurídico e não na vida sensível. As pessoas jurídicas são entidades reais,

    a como o contrato ou o testamento” (LIMA, João Franzen de. Curso de direito civil brasileiro. 7. ed. 1

    tiragem. Rio de Janeiro: Forense, 1984, v. 1, pp. 168-174, § 1.o). Nota: A pessoa jurídica por

    excelência é o Estado. Clóvis Beviláqua diz: “Não podemos admitir o Estado como simples ficção.

    Se o Estado fosse ficção, sendo a lei a expressão da soberania do Estado, seguir-se-ia que a lei

    seria emanação, a consequência de uma ficção.” In: SANTOS, Washington dos. Dicionário jurídico

    101 brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2001, pp. 187-188.

  

SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico. 15. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1999, p. 609.

  A personificação da pessoa jurídica tem como consequência imediata, independentemente do tipo societário escolhido, a separação do patrimônio da sociedade do patrimônio dos seus sócios. Sem a proteção dada pela separação patrimonial, os sócios ou acionistas poderiam se desencorajar de constituí-las, enfraquecendo a economia.

  No entanto, a separação patrimonial não é absoluta, pois admite exceções como demonstramos a seguir, mediante o estudo da teoria da desconsideração da personalidade jurídica, sua aplicação no direito brasileiro e sobre a possibilidade de sua aplicação nas lides tributárias.

4.2. A teoria geral da desconsideração da personalidade jurídica

  No intuito de afastar a autonomia patrimonial da pessoa jurídica quando devidamente verificada a fraude ou abuso de direito praticados pelos sócios ou administradores, é que foi desenvolvida a teoria geral da personalidade jurídica, para o fim de imputar o ato ilícito diretamente à pessoa física responsável pelo ato.

  Essa teoria, conhecida na doutrina como Disregard of Legal Entity, encontra a sua origem na jurisprudência inglesa, no caso Solomon vs. Salomon & Co. Ltd., de 1897 e na jurisprudência norte-americana, no caso Bank of United States vs. Deveaux, de 1809.

  O primeiro estudo denso sobre a Disregard of Legal Entity que se

  102

  tem conhecimento é de autoria do alemão Rolf Serick , a quem coube a sua 102 _________________ Forma e Realità della Persana Giuridica. Milão: Giuffré, 1966. sistematização. No Brasil, a sua primeira aparição deve-se a um estudo de Rubens Requião, o qual defendia a aplicação da teoria originária do direito anglo-saxão às particularidades do direito brasileiro:

  Como ponto de partida para conceituar a doutrina do disregard ou da penetração, é necessário convir que as pessoas jurídicas, sobretudo no que concerne ao direito brasileiro, constituem uma criação da lei. (...) (...) Se a personalidade jurídica constitui uma criação da lei, como concessão do Estado objetivando, como diz Cunha Gonçalves, 'a realização de um fim' nada mais procedente do que se reconhecer ao Estado, através de sua justiça, a faculdade de verificar se o direito está sendo adequadamente 103 usado. (...).

  Sobre esse assunto, Fábio Ulhoa Coelho esclarece que há duas formulações para a teoria da desconsideração da personalidade jurídica, e são elas: “a maior, na qual o juiz é autorizado a ignorar a autonomia patrimonial das pessoas jurídicas, como forma de coibir fraudes e abusos praticados através dela e a menor, em que o simples prejuízo do credor já possibilita afastar a

  104 autonomia patrimonial" .

  Pelo esclarecimento acima, percebemos que a teoria maior é bem mais elaborada do que a teoria menor, ao exigir a caracterização da fraude ou do abuso do direito. Mencionada teoria, ressalte-se, não é contra o princípio da autonomia patrimonial, ao revés, visa à proteção desse instituto. Nesse sentido,

  105

  continua Fábio Ulhoa Coelho a aduzir que: 103 _________________

  

REQUIÃO, Rubens. “Abuso de direito e fraude através da personalidade jurídica”. Revista dos

104 Tribunais 803/751-764, ano 91. São Paulo, set. 2002, p. 754.

COELHO, Fábio Ulhoa, 1959-. Curso de direito comercial, vol. 2 / Fábio Ulhoa Coelho. 5. ed. Rev. e

105 atual. De acordo com o novo Código Civil e alterações da LSA. São Paulo: Saraiva, 2002, p. 35. Ibidem, p. 37.

  A teoria maior da desconsideração da personalidade jurídica não é uma teoria contrária à personalização das sociedades empresárias e à sua autonomia em relação aos sócios. Ao contrário, seu objetivo é preservar o instituto, coibindo práticas fraudulentas e abusivas que dele se utilizam.

  A teoria da desconsideração da personalidade jurídica deve ser aplicada como exceção às regras da separação patrimonial da pessoa jurídica para coibir a fraude viabilizada pela manipulação de tais regras. Ao ser aplicada a teoria, deverão ser preservados os atos constitutivos da pessoa jurídica, ocorrendo tão somente a sua ineficácia episódica para serem alcançados, num caso específico, os sócios ou administradores.

  Ademais, a pessoa jurídica deve ser desconsiderada apenas se o manto da personalidade servir para a manipulação fraudulenta ou abusiva do princípio da autonomia patrimonial, perpetrada pelos sócios ou administradores e não por atos da própria pessoa jurídica. Nesse sentido

  106

  :

  "enquanto o ato é imputável à sociedade, ele é lícito. Toma-se ilícito apenas quando se imputa ao sócio, ou administrador. A desconsideração da personalidade jurídica é a operação prévia a essa mudança de imputação. A sociedade empresária deve ser desconsiderada exatamente se for obstáculo à imputação do ato a outra pessoa. Assim, se o ilícito, desde logo pode ser identificado como ato de sócio ou administrador, não é caso de desconsideração."

  A aplicação da teoria maior da desconsideração encontra sérios problemas no campo das provas, porque se desenvolveu como formulação subjetiva ao prestigiar o afastamento da autonomia patrimonial da pessoa _________________ 106

  

COELHO, Fábio Ulhoa, 1959-. Curso de direito comercial, vol. 2 / Fábio Ulhoa Coelho. 5. ed. Rev. e atual. De acordo com o novo Código Civil e alterações da LSA. São Paulo: Saraiva, 2002, p. 42. jurídica somente quando da prática, pelos seus sócios ou administradores, de atos fraudulentos ou abusivos no intuito de perseguir a frustração dos interesses dos credores.

  Para o fim de facilitar a produção de provas na aplicação da teoria, foi desenvolvida uma formulação objetiva.

  Para a teoria objetiva, o pressuposto da desconsideração está na

  

confusão patrimonial. Assim, percebe-se que a aplicação da teoria resta

  facilitada no campo das provas. Se mediante uma análise da contabilidade da empresa, de suas contas bancárias, verificar-se que o patrimônio da empresa e dos seus sócios estão interligados, uns pagando as contas dos outros, resta provada a confusão patrimonial.

  Coube a Fábio Konder Comparado a revisão final do art. 50 do Novo Código Civil, quando o mesmo prestigiou na redação da norma a formulação objetiva.

  A outra teoria da desconsideração sobre a qual falamos é a teoria menor. Essa teoria tem como pressuposto a inadimplência perpetrada pela pessoa jurídica. Por essa teoria, o inadimplemento das obrigações da pessoa jurídica e a solvência dos seus sócios são fatos suficientes para que se levante o véu da personalidade jurídica.

  Essa teoria vai de encontro ao princípio da separação patrimonial, sendo o seu uso fundamento para a desconsideração de um retrocesso jurídico.

  Na doutrina brasileira, com base na literatura que tivemos acesso,

  107

  consideramos os textos de Heleno Taveira Tôrres a melhor posição sobre a teoria da desconsideração da personalidade jurídica.

  Segundo esse autor, a teoria da desconsideração da personalidade jurídica possui duas funções, quais sejam: uma função substantiva e uma função instrumental. “uma função substantiva, quando ela é utilizada diretamente 108 como meio sancionatório” “uma função instrumental da desconsideração de atos e negócios, quando serve de meio para alcançar diretamente aos sócios, visando a aplicar-lhes sanções de ordem administrativa ou penal, ou mesmo atribuir-lhes o cumprimento de ordem judicial, com responsabilidade patrimonial e pessoal em todos 109 os casos” .

  Para Heleno Taveira Tôrres:

  “em termos substantivos, a desconsideração de ato, negócio ou personalidade jurídica é espécie de sanção que consiste em negar ou afastar o reconhecimento dos efeitos que suas qualificações jurídicas operam no ordenamento, em vista de determinados pressupostos e em face de uma dada situação 110 específica” (...) “Na sua função instrumental, presta-se apenas para imputar aos sócios efeitos jurídicos os quais, não fosse a superação, ao serem imputados diretamente à sociedade, perderiam sua efetividade ou prejudicariam os demais sócios ou terceiros que 107 _________________

  

Heleno TÔRRES. Direito tributário e direito privado: autonomia privada: simulação: elusão

tributária / Heleno Tôrres. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2003. Heleno Taveira Tôrres.

Regime Tributário da Interposição de Pessoas e da Desconsideração da Personalidade Jurídica: os

Limites do art. 135, II e III, do CTN, p. 21 a 68. Tôrres, Heleno Taveira; Queiroz, Mary Elbe

(coordenação) – Desconsideração da Personalidade Jurídica em Matéria Tributária. São Paulo:

108 Quartier Latin, 2005.

  

Heleno Taveira TÔRRES. Regime Tributário da Interposição de Pessoas e da Desconsideração

da Personalidade Jurídica: os Limites do art. 135, II e III, do CTN, p. 21 a 68. Tôrres, Heleno

Taveira; Queiroz, Mary Elbe (coordenação) – Desconsideração da Personalidade Jurídica em

109 Matéria Tributária. São Paulo: Quartier Latin, 2005, p. 45. 110 Ibidem, pp. 45-46.

  Ibidem, p. 46. não estivessem envolvidos diretamente com o caso que serve 111 de motivo para a desconsideração.”

  As duas funções estão muito bem descritas no texto que segue:

  Mas como já se disse, por ser evidente, que a pessoa jurídica, válida na sua constituição, poderá cometer, ao longo de sua existência, distintas modalidades de atos ilícitos, é possível que para o efetivo conhecimento probatório de tais atitudes seja necessária a desconsideração de sua forma jurídica, para identificar sua real constituição patrimonial e as efetivas relações entre os sócios e as atividades desenvolvidas pela sociedade. E assim, uma vez qualificado o ilícito, com o descortinamento do véu, poderá a autoridade, administrativa ou judicial, tanto aplicar o regime jurídico que fora afastado por tal manobra, quando a desconsideração, por si só, já se converte como modalidade de sanção (função substantiva), como muita vez se verifica em matéria tributária; como poderá sancioná-lo mediante punições administrativas ou penais, a depender da tipológica: como espécie de ilícitos típicos, nas hipóteses de descumprimento de normas imperativas que obrigam ou proíbam certas condutas; ou com natureza de ilícitos atípicos, por excessos do direito de gestão, fraude à lei, abuso de direito 112 ou confusão patrimonial.

  ..., a superação da instrumental separação de patrimônios que o direito privado preestabelece entre a personalidade jurídica da sociedade e seus sócios, não deve afetar o princípio de conservação do contrato societário, porquanto seja mecanismo que se usa exatamente para os casos em que não se possa desconstituir a sociedade e que o ilícito não possa ser conhecido sem o recurso a tal método. E sua aplicação poderá tanto consistir em modalidade sancionatória per si, como poderá servir apenas de meio, de instrumento, para que se possa provar o cometimento de eventuais ilícitos e aplicar-lhe as sanções previstas, por que encobertos pelo manto da forma 111 _________________

  

Heleno Taveira TÔRRES. Regime Tributário da Interposição de Pessoas e da Desconsideração

da Personalidade Jurídica: os Limites do art. 135, II e III, do CTN, p. 21 a 68. Tôrres, Heleno

Taveira; Queiroz, Mary Elbe (coordenação) – Desconsideração da Personalidade Jurídica em

112 Matéria Tributária. São Paulo: Quartier Latin, 2005, pp. 48-49.

  Ibidem, p. 46. societária atribuída no exercício de autonomia privada pelos 113 respectivos sócios.

  Esse autor, fazendo referência aos critérios adotados para justificar a medida extrema da desconsideração da personalidade jurídica em outros ordenamentos jurídicos, quais sejam: “fraude à lei” ou “abuso de direito”, “simulação”, “aparência” ou “interposição de pessoas”, ou uma conjugação entre esses critérios, demonstra que somente uma análise criteriosa de cada ordenamento possa dar a efetiva dimensão do seu padrão de controle e aplicação da desconsideração da personalidade jurídica de sociedades. Por esse motivo, não admitimos que essas experiências sejam aplicadas como uma fórmula universal.

  

4.3. A desconsideração da personalidade jurídica no direito

brasileiro

  Na aplicação da desconsideração da personalidade jurídica no direito brasileiro contamos com três possibilidades: 1) “leis especiais, dotadas de hipóteses típicas de desconsideração da personalidade jurídica das sociedades”; 2) uma regra geral de autorização, consubstanciada no art. 50 do Código Civil de 2002; e 3) a aplicação da teoria geral da desconsideração da personalidade jurídica, por integração jurisprudencial, sem qualquer norma específica que a discipline. 113 _________________ Ibidem, p. 49.

  114

  Segundo Heleno Taveira Tôrres :

  No primeiro grupo estão as leis especiais de disregard the veil, sob a forma de normas preventivas para casos específicos. Nestes, o procedimento de desconsideração da personalidade jurídica de sociedades tem finalidade sancionatória, como modo de aplicar o regime jurídico superado, por presunção legal, relativa ou absoluta, sem ficar a depender de um juízo discricionário do Juiz, como meio de chegar ao ilícito cometido.

  No Brasil, há uma extensa produção de leis especiais disciplinadoras da desconsideração da personalidade jurídica. No entanto, foge ao objeto do presente trabalho fazer a análise dessas normas. Para tanto, apresentamos tão

  115 somente como exemplificação, a relação das normas especiais . 114 _________________

Heleno Taveira TÔRRES. Regime Tributário da Interposição de Pessoas e da Desconsideração

da Personalidade Jurídica: os Limites do art. 135, II e III, do CTN, p. 21 a 68. Tôrres, Heleno

  

Taveira; Queiroz, Mary Elbe (coordenação) – Desconsideração da Personalidade Jurídica em

115 Matéria Tributária. São Paulo: Quartier Latin, 2005, p. 52.

  

“O instituto da desconsideração da personalidade jurídica, mediante autorização legislativa, não é

novo no direito brasileiro, a saber: i) na Consolidação das Leis do Trabalho CLT (Dec.-lei 5.452/43),

foi inserida a responsabilidade solidária das sociedades integrantes de um conglomerado econômico

(art. 2.°, § 2°); ii) a Lei das Sociedades Anônimas (Lei 6.404/76), para evitar prejuízos aos sócios

minoritários, ao mercado imobiliário etc., contemplou situações de responsabilidade pessoal,

solidária ou subsidiária de terceiros. (arts. 115 a 117, 233, 242); iii) a Lei do Sistema Financeiro (Lei

4.595/64, art. 34), prescreve limitações a determinadas operações com seus administradores e

pessoas jurídicas de cujo capital estes participem; a Lei 7.492/86, no seu art. 17, segue similar

conduta; iv) a Lei de Repressão ao Abuso cio Poder Econômico (Lei 4.137/62), em seu art. 6°, prevê

responsabilidade civil e criminal para diretores e gerentes de pessoas jurídicas pelos abusos que

estes possam efetuar; v) o art. 6.° da Lei da Sonegação Fiscal (Lei 4.729/65) estipula a

responsabilização penal de “todos os que, direta ou indiretamente ligados à mesma, de modo

permanente ou eventual, tenham praticado ou concorrido para a prática da sonegação fiscal”; vi) a

Lei de usura, Dec. 22.626/33, no seu art. 13, parágrafo único, cuida de idêntica responsabilidade

penal: “Serão responsáveis como co-autores (....) em se tratando de pessoa jurídica, os que tiverem

qualidade para representá-la”. Com o Código de Defesa cio Consumidor (Lei 8.078/90), o instituto

ganha popularidade, por força do art. 28, ao dispor sobre as condições para que a desconsideração

da personalidade jurídica pudesse prosperar, no âmbito das relações de consumo: ‘‘o juiz poderá

desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando, em detrimento do consumidor, houver

abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou

contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de

insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração. (....)

§ 5.° Também poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade foi, de

alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores” (grifos

nossos). Em seguida, vieram ainda: i) O art. 18 da Lei 8.884/94 (Lei Antitruste), determinando que ‘‘a

personalidade jurídica do responsável por infração da ordem econômica poderá ser desconsiderada

quando houver da parte deste abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito

ou violação dos estatutos ou contrato social. A desconsideração também será efetivada quando

  No direito positivo brasileiro, até a entrada em vigor do Código Civil de 2002, mais precisamente em janeiro de 2003, não existia uma regra geral

  

de autorização que disciplinasse as hipóteses em que a referida

  personalidade jurídica pudesse ser desfeita. Por essa razão, doutrina e jurisprudência vinham aplicando, em alguns casos específicos, a teoria da desconsideração, sem haver, todavia, qualquer norma geral de autorização que disciplinasse tal procedimento.

  A referida disciplina só veio a lume, com o Código Civil de 2002, que, no art. 50, prescreve que:

  Art. 50 – Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público quando lhe couber intervir no processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica.

  Pelo disposto no art. 50, percebemos que tal regra contempla tanto a

  

teoria subjetivista quanto a teoria objetivista. A primeira baseada no abuso de

direito e a segunda na exigência de demonstração da confusão patrimonial.

  Por esse dispositivo legal, percebemos que a norma destina-se a responsabilizar os sócios ou administradores por determinados atos praticados com abuso da personalidade jurídica, evidenciados pelo desvio de finalidade ou

  

houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados

por má administração”; ii) o art. 4.° da Lei 9.605/98, que dispõe sobre a responsabilidade por lesões

ao meio ambiente, quando determina que: “poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre

que sua personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados à qualidade do meio

ambiente”. In: Heleno Tôrres. Direito tributário e direito privado: autonomia privada: simulação:

elusão tributária / Heleno Tôrres. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2003. Heleno Taveira

Tôrres. Regime Tributário da Interposição de Pessoas e da Desconsideração da Personalidade Jurídica: os Limites do art. 135, II e III, do CTN, p. 466. pela confusão patrimonial. Só cabendo ao juiz, no exercício de sua equidade, decidir pela desconsideração.

  Como a norma é específica para determinados atos e podendo somente ser aplicada no caso concreto, a requerimento da parte ou do Ministério Público, a decisão do juiz cria norma individual para o caso concreto, não vale para terceiros que não a tenham requerido.

  Faz-se necessário distinguirmos o abuso de direito, disciplinado pelo

  116

  art. 187 do Código Civil de 2002, do abuso de personalidade jurídica. O primeiro se consubstancia quando um titular de um direito extrapola os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes, ensejando o seu ato em uma ilicitude. O segundo nem sempre é ato ilícito, pois a dívida pode ser adimplida, ou pode não haver reclamação por parte do credor.

  O ato somente pode ser considerado como abuso de personalidade jurídica, quando estiver caracterizado pelo desvio de finalidade ou pela confusão patrimonial.

  O desvio de finalidade deve ser considerado como o uso indevido da pessoa jurídica de forma contrária aos seus fins sociais, estabelecidos no contrato social ou estatuto. Dito de outra forma,seria utilizar a pessoa jurídica em desconformidade com os interesses dela própria e no interesse pessoal dos sócios ou administradores ou qualquer outro beneficiário. 116 _________________

  

Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede

manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons

costumes.

  Já a confusão patrimonial se mostra mais facilmente, pois ela existe quando se confundem o patrimônio do sócio e da sociedade, ou seja, quando os recursos financeiros e interesses da pessoa física se misturam com os da sociedade.

  No que toca à aplicação da teoria geral da desconsideração da personalidade jurídica, por integração jurisprudencial, sem qualquer norma específica que a discipline, alegando analogia iuris ou presunção hominis, entendemos que, a partir da entrada em vigor do art. 50 do Código Civil de 2002, ela já não é mais possível no nosso direito brasileiro, em face da existência de norma geral autorizadora no nosso sistema jurídico.

  Quanto à vigência da regra acima, por se tratar de norma de direito material, há de ser observada a regra do art. 6º, da Lei de Introdução ao Código Civil (LICC) que prescreve que a lei em vigor terá efeito imediato e geral, respeitados o ato jurídico perfeito, direito adquirido e a coisa julgada. No parágrafo primeiro do art. 6º, está dito que se reputa ato jurídico perfeito o já consumado segundo a lei vigente ao tempo em que se efetuou.

  117

  Esse entendimento é compartilhado por Heleno Taveira Tôrres , quando leciona:

  Numa infeliz importação que se deve a Rubens Requião para imitar a disregard of legal entity americana, no Brasil, juízes de civil Law passaram a agir como juízes de common Law, para os fins de desconsideração de personalidade jurídica de sociedades, deformando-a em sua construção original e agindo contra todos os princípios que guiam nosso ordenamento, 117 _________________

  

Heleno Tôrres. Direito tributário e direito privado: autonomia privada: simulação: elusão tributária /

Heleno Tôrres. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2003. Heleno Taveira Tôrres. Regime

Tributário da Interposição de Pessoas e da Desconsideração da Personalidade Jurídica: os Limites do art. 135, II e III, do CTN, p. 469. desde a legalidade até os mais elementares princípios da teoria do processo, como ausência de procedimento e provas. Sobre a justificativa de fazer justiça no caso concreto, cumpriam-se desmandos intoleráveis, afirmando a velha teoria da substância sobre a forma, ao aplicarem a teoria da desconsideração como sansão e como meio para atribuir aos sócios toda a responsabilidade pelo destino da sociedade que formavam. Sem qualquer distinção dos bandos de salteadores, do que falava Kelsen, diversas pessoas propunham ações com esse objeto e com especial satisfação viam as suas pretensões acatadas a futuro por juízes “realistas”, algozes da realidade. Por isso, foram antijurídicas, até a entrada em vigor do Código Civil vigente, todas as decisões da desconsideração da personalidade jurídica tomadas por tais juízes vingativos em qualquer instância, nos quatro quantos desse país, quando desprovidas de fundamentação em lei específica, porquanto até o início de 2003 não dispunha de uma regra geral predisposta para esse mesmo fim.

  Uma vez delineados os contornos gerais sobre a teoria da desconsideração da personalidade jurídica e das normas específicas que tratam da matéria na órbita do direito positivo brasileiro, passaremos a considerar a aplicação desse instituto nas lides tributárias e, em especial, a possibilidade de se fazer o seu uso como forma a justificar o atingimento de bens dos sócios e administradores de pessoas jurídicas de direito privado.

  

4.4. A aplicação da desconsideração da personalidade jurídica no

direito tributário

  Tratar da possibilidade da desconsideração da personalidade jurídica no direito tributário nos leva inevitavelmente para o campo de irradiação normativa sobre obrigação tributária, mais precisamente, na órbita da sujeição passiva, pois o objetivo da desconsideração da personalidade jurídica, quando na tentativa de ser aplicada nas lides tributárias, é justamente alcançar o patrimônio dos sócios e administradores para garantir as dívidas fiscais.

  Como dissemos acima, pretendemos verificar se o art. 50 do Código Civil de 2002 pode ser fundamento de validade para a responsabilização dos sócios ou administradores por débitos fiscais da sociedade da qual pertençam e se a teoria geral da desconsideração da personalidade jurídica pode ser aplicada ao direito tributário.

  No direito tributário pátrio, encontramos uma trava normativa que impossibilita a aplicação da teoria da desconsideração da personalidade jurídica nessa seara, em face da exigência constitucional de que lei complementar defina normas gerais de direito tributário sobre obrigação

  tributária.

  De acordo com o princípio da recepção (art. 34, ADCT), o Código Tributário Nacional (Lei nº 5.172/66) foi recepcionado pela Constituição de 1988, em tudo aquilo que não fosse com ela incompatível, em atendimento ao primado da economia legislativa.

  O art. 146 da Constituição Federal de 1988, dispondo sobre normas gerais de direito tributário, estatuiu que a Lei Complementar possui três funções, a saber:

  I - dispor sobre conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios;

  II - regular as limitações constitucionais ao poder de tributar;

  III - estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, especialmente sobre: a) definição de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos impostos discriminados nesta Constituição, a dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes;

  b) obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários; c) adequado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas.

  d) definição de tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e para as empresas de pequeno porte, inclusive regimes especiais ou simplificados no caso do imposto previsto no art. 155, II, das contribuições previstas no art. 195, I e §§ 12 e 13, e da contribuição a que se refere o art. 239. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

  Em uma hermenêutica precisa sobre o mandamento contido no art. 146 da CF, descreveu Paulo de Barros Carvalho a norma lá insculpida:

  O primeiro passo é saber que são as tão faladas normas gerais de direito tributário. E a resposta vem depressa: são aquelas que dispõem sobre conflitos de competência entre as entidades tributantes e também as que regulam as limitações constitucionais ao poder de tributar. Pronto: o conteúdo está firmado. Quanto mais não seja, indica, denotativamente, o campo material, fixando-lhe limites. E como fica a dicção constitucional, que despendeu tanto verbo para dizer algo bem mais amplo? Perde-se no âmago de rotunda formulação pleonástica, que nada acrescenta. Vejamos. Pode o legislador complementar, invocando a disposição do art. 146, III, a, definir um tributo e suas espécies? Sim, desde que seja para dispor sobre conflitos de competência. Ser-lhe-á possível mexer no fato gerador, na base de cálculo e nos contribuintes de determinado imposto? Novamente sim, no pressuposto de que o faça para dispor sobre conflitos. E quanto à obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários? Igualmente, na condição de satisfazer àquela finalidade 118 primordial. (grifos nossos)

  Assim, são as normas gerais em matéria tributária àquelas que dispõem sobre conflitos de competência entre as entidades tributantes e também as que regulam as limitações constitucionais ao poder de tributar. Essa é a indicação denotativa do seu conteúdo, o campo material e seus limites.

  Com tal sentido, dá-se prestígio à noção de federação, à autonomia dos municípios e ao princípio da isonomia das pessoas políticas de direito constitucional interno.

  Valendo-nos dos ensinamentos de Paulo de Barros Carvalho, no sentido de que cabe às normas gerais de direito tributário dispor sobre

  

obrigação tributária quando for para dispor sobre conflitos de competência

  entre as entidades tributantes, verificamos a impossibilidade de aplicação do art. 50 do Código Civil de 2002 nas lides tributárias, uma vez que trata do polo passivo de obrigação tributária, sendo exigido pela Constituição Federal que sua disciplina seja veiculada exclusivamente por Lei Complementar Nacional.

  E a esse respeito tratou o Código Tributário Nacional sobre sujeito passivo, responsabilidade tributária e obrigação tributária. 118 _________________

  

Paulo de Barros CARVALHO. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004,

pp. 210-211.

  119

  Esse entendimento é perfilhado por José Eduardo Soares de Melo ao defender que “a desconsideração da pessoa jurídica não poderia ser aplicada nas lides tributárias, em razão de não provir de lei complementar”.

  É preciso esclarecer, por oportuno, que a referida regra foi instituída por uma Lei Ordinária e, por isso, inaplicável às lides tributárias que, em conformidade com o que dispõe o art. 146, III, b, da Constituição Federal, a obrigação tributária é matéria exclusiva de ser tratada por Lei Complementar.

  Ora, a sujeição passiva é matéria relativa à obrigação, sendo certo que, por isso, as regras que dela tratam devam estar inseridas em Lei Complementar, tal como determinado pela Constituição Federal.

  É entendimento de alguns doutrinadores que a Lei Complementar nº. 104/01 ao inserir um parágrafo único ao art. 116 do CTN, para ali constar que “a autoridade administrativa poderá desconsiderar atos ou negócios jurídicos praticados com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador do tributo ou a natureza dos elementos constitutivos da obrigação tributária, observados os procedimentos a serem estabelecidos em lei ordinária”, estaria fundamentando a aplicação da teoria da desconsideração da personalidade jurídica no direito tributário.

  Não é esse o nosso entendimento, por idênticos fundamentos, verificamos que o parágrafo único do art. 116 do Código Tributário Nacional não poderia ter delegado à lei ordinária a regulamentação da matéria. 119 _________________

  

Melo, José Eduardo Soares. In: GRUPENMACHER, Betina Treier (coord.). Direito Tributário e o

novo Código Civil. São Paulo: Quartier Latin, 2004, p. 166.

  Ademais, a Lei Complementar 104/01 veio desprovida de elementos suficientes a possibilitar a sua aplicação.

  O Supremo Tribunal Federal já se posicionou quanto à obrigatoriedade de a lei complementar disciplinar de forma clara e efetiva os temas afetos ao seu âmbito de atuação, sob pena de inconstitucionalidade, inviabilizando o exercício da competência plena pelos entes federativos, quando se trate de questão suscetível de causar conflitos.

  120

  Por outro lado, o direito tributário já prevê regras de responsabilização, o que impossibilita a aplicação da teoria da desconsideração, já que essa se trata de exceção. Nesse sentido é o entendimento de alguns autores, como o de Luciano Amaro, que ora reproduzimos:

  [...] quando a lei cuida de responsabilidade solidária, ou subsidiária, ou pessoal dos sócios, por obrigação da pessoa jurídica, ou quando ele proíbe que certas operações, vedadas aos sócios, sejam praticadas pela pessoa jurídica, não é preciso desconsiderar a empresa, para imputar as obrigações dos sócios, pois, mesmo considerada a pessoa jurídica, a implicação ou responsabilidade do sócio já decorre do preceito legal. 121 [...] quando o direito atribui responsabilidade a determinada pessoa (p. ex., o controlador, o administrador) por certos atos ilícitos por ela praticados, com abuso de sua condição ou cargo. Também não há aí caso de desconsideração. Em suma, quando o direito já fornece o remédio legal, não é preciso ‘superar’ ou ‘penetrar’ nenhuma forma jurídica. Basta aplicar a solução legal, que já se apresenta axiologicamente correta. 122

  _________________ 120

  

ADI 1600, Relator(a): Min. SYDNEY SANCHES, Relator(a) p/ Acórdão: Min. NELSON JOBIM,

Tribunal Pleno, julgado em 26/11/2001, DJ 20-06-2003 PP-00056 EMENT VOL-02115-09 PP-01751 121

Amaro, Luciano. Desconsideração da Pessoa Jurídica no Código de Defesa do Consumidor.

  

Ajuris, v. 20, n. 58, p. 69-84, julho, 1993. - Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e

Financeiro, nº 88, p.73. 122

Amaro, Luciano. Desconsideração da Pessoa Jurídica no Código de Defesa do Consumidor.

Ajuris, v. 20, n. 58, p. 69-84, julho, 1993. - Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e

Financeiro, nº 88, p. 75.

  Assim, chegamos à conclusão de que a desconsideração da personalidade jurídica não pode ser invocada nas lides tributárias, em face de o nosso sistema de direito positivo já prever regras específicas para se alcançar o patrimônio pessoal dos sócios e administradores de pessoas jurídicas de direito privado.

  CONCLUSÕES

  No intuito de contextualizarmos o leitor no tema da responsabilidade dos sócios e dirigentes da pessoa jurídica, discorremos sobre o sistema jurídico e a forma como ele se apresenta, como feixe de linguagem prescritiva de condutas intersubjetivas. Verificamos que cabe ao cientista do direito descrever esse sistema, em uma função metalinguística, construindo a correta significação das normas jurídicas.

  Esse estudo foi de extrema relevância para identificarmos que o direito pode ser sistematizado em normas que possuem relações de coordenação e subordinação entre si e que a norma fundamental dá validade à Constituição Federal. É na Constituição Federal, que encontramos os princípios constitucionais orientadores de todo o ordenamento jurídico, dentre eles o princípio da capacidade contributiva, norteador da sujeição passiva tributária.

  Verificamos, ainda, que o princípio da capacidade contributiva impõe ao legislador a criação de mecanismos de repercussão jurídica, outorgando ao substituto o direito de reembolso ou retenção do valor do tributo perante o substituído. Constatamos, também,que, em relação à responsabilidade tributária dos sócios-gerentes ou administradores de pessoas jurídica, nos termos propostos pelo art. 135 do CTN, por se tratar de uma responsabilidade pessoal atribuída como sanção decorrente de ato ilícito, a ela não se aplica o princípio da capacidade contributiva.

  Ao abordarmos a fenomenologia da incidência tributária, apresentando a forma lógica da regra-matriz de incidência, nos termos propostos por Paulo de Barros Carvalho, identificamos que, no consequente dessa norma, encontramos o comando norteador da configuração do sujeito passivo da relação jurídica tributária.

  Construindo a correta significação da norma do art. 134 do CTN, concluímos que, não obstante a letra da lei consigne o termo “solidariedade”, a relação do responsável e do contribuinte é de subsidiariedade. Isso porque a norma determina que se deve cobrar em primeiro lugar do contribuinte e, somente diante da impossibilidade de se exigir o efetivo cumprimento da obrigação por este, é que poderá ser atribuída ao sócio a responsabilidade tributária.

  Dito de outra forma, a cobrança do crédito tributário deve ser direcionada em desfavor do contribuinte, pessoa jurídica, e, somente após a liquidação da sociedade, inexistindo patrimônio suficiente para arcar com as obrigações tributárias, é que surgirá para os sócios a responsabilidade pelo seu cumprimento.

  Conforme se observou no desenvolvimento do trabalho, no que se refere à interpretação do inciso VII do art. 134 do CTN, concluímos que esse tipo de responsabilidade somente pode ser atribuída ao sócio de sociedade de pessoas, quais sejam: em comandita simples; em nome coletivo e em conta de participação e que não abarca o tipo societário da sociedade limitada, porquanto se trate de sociedade do tipo “mista”.

  Ressaltamos que a responsabilidade acima tratada não se aplica ao administrador não-sócio, em face da tipicidade apresentada no dispositivo, fazendo alusão explicita aos sócios.

  Verificamos, ademais, que, na responsabilidade normatizada no

  

caput do art. 135, não se trata nem de responsabilidade solidária nem de

  subsidiária, mas da responsabilidade pessoal do agente que der origem ao nascimento de obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos e que delas resultem o crédito tributário.

  Assim, a prática de ato ilícito pela pessoa jurídica, em seu próprio benefício, não pode acarretar a responsabilidade tributária - tratada no art. 135 do CTN - aos seus sócios e administradores, isso porque a pessoa jurídica tem existência distinta da pessoa física.

  Por outro lado, caso os sócios e administradores atuem fora dos limites de sua competência, enquanto órgão da pessoa jurídica, restará patente que tais atos foram praticados de forma pessoal por eles, enquanto pessoa física.

  No presente estudo, também verificamos que a “infração à lei” prescrita no caput do art. 135 significa infração à lei societária disciplinadora da competência dos administradores da pessoa jurídica. Se o administrador pautar-se sempre por critérios de prudência e moderação, deixando clara sua condição de bom administrador, não poderá ser responsabilizado por dívida fiscal a que não deu causa.

  Nesse desiderato, conforme observamos, para fins de atribuição de responsabilidade pessoal do administrador da pessoa jurídica, cabe ao Fisco provar que ele causou prejuízo ao praticar algum ato gerencial fora de sua competência de administrador, ou seja, que não agiu com prudência na administração da empresa e que esse ato foi causa do inadimplemento, tendo em vista que esse fator, por si só não pode ser considerado infração de lei para fins de atribuição de responsabilidade tributária aos sócios e dirigentes da pessoa jurídica.

  Outra questão abordada como um dos principais pontos desse trabalho foi a crítica formulada ao posicionamento do STJ, uma vez que esse Tribunal proferiu entendimento no sentido de que, se a execução for ajuizada apenas contra a pessoa jurídica, mas se o nome do sócio constar da CDA, a ele incumbe o ônus da prova de que não ficou caracterizada nenhuma das circunstâncias previstas no art. 135 do CTN. Restou consignado, também, por aquele Colegiado, que tal prova deverá ser realizada mediante a propositura de embargos à execução, sendo inviável a exceção de pré-executividade para se arguir a ilegitimidade passiva, por se fazer necessária a dilação probatória.

  Entretanto, discordamos do posicionamento firmado pelo STJ, concluindo que, não obstante o débito inscrito em dívida ativa possuir presunção de liquidez, certeza e exigibilidade, tal presunção é relativa, pois, verificada a existência de causas capazes de afastar quaisquer desses requisitos necessários à validade e à execução do crédito, inadmissível seria que o Executado fosse compelido a garantir o juízo para, posteriormente, por meio de Embargos à Execução, demonstrar a ausência de conteúdo do título exequendo.

  Nossa discordância situa-se na possibilidade de os sócios e administradores fazerem o uso da exceção de pré-executividade para questionar a ilegitimidade passiva, quando for possível demonstrá-la de plano, mediante a prova clara e precisa dos vícios do título executivo, sem a necessidade da dilação probatória.

  Deduzimos, então, que a inadmissão da exceção nos termos propostos pelo STJ, implica violação dos preceitos constitucionais do contraditório e da ampla defesa (art. 5º, LV da Constituição Federal de 1988).

  Pelos dispositivos normativos do CTN que tratam da Certidão de Dívida Ativa, inferimos que para ela gozar da presunção de certeza e liquidez e inviabilizar a propositura da exceção de pré-executividade para a alegação de ilegitimidade passiva, precisa retratar de forma fiel o resultado do lançamento tributário.

  Fazendo-se, então, a juntada de cópia integral do processo administrativo tributário, no qual conste não ter sido oportunizado o direito de ampla defesa aos sócios e dirigentes de pessoas jurídicas indicados na CDA como corresponsáveis, restará provada a causa de nulidade da inscrição e do processo de cobrança dela decorrente, sendo, portanto, cabível a propositura da exceção de pré-executividade.

  Outra constatação que pudemos extrair do presente estudo é a de que a Fazenda Pública faz o uso da desconsideração da personalidade jurídica, sob o fundamento da conjugação dos art. 50 do Código Civil e 135 do CTN, no intuito de atingir, por intermédio das execuções fiscais, os bens dos sócios e administradores das pessoas jurídicas.

  Feitas tais observações, vimos que a desconsideração da personalidade jurídica no direito tributário nos leva inevitavelmente para o campo de irradiação normativa sobre obrigação tributária, mais precisamente, na órbita da sujeição passiva.

  Assim, verificamos que no direito tributário pátrio há uma trava normativa – disposta no art. 146, III, b, da Constituição Federal – que impossibilita a aplicação da desconsideração da personalidade jurídica nessa seara, em face da exigência constitucional de que lei complementar define normas gerais de direito tributário sobre obrigação tributária.

  Por fim, chegamos à conclusão de que a desconsideração da personalidade jurídica não pode ser invocada nas lides tributárias, em face de o nosso sistema de direito positivo já prever regras específicas para se alcançar o patrimônio pessoal dos sócios e administradores de pessoas jurídicas de direito privado e em face da inaplicação do art. 50 do Código Civil, enquanto introduzido por lei ordinária, por ser a matéria, relativa à obrigação tributária, objeto de lei complementar.

  BIBLIOGRAFIA

  ACHIRICA, Carlos Lete. La responsabilidad tributaria de los administradores de las sociedades mercantiles. Madrid: Civitas, 2000. AFTALIÓN, Enrique R.; VILANOVA, José. Introduccion al derecho. Buenos Aires: Abeledo-Perrot, 1988. AMARO, Luciano. “Desconsideração da Pessoa Jurídica no Código de Defesa do Consumidor”. Ajuris, v. 20, n. 58, p. 69-84, julho, 1993. Revista de

  Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro, nº 88. AMARO, Luciano. Direito tributário brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2002. ATALIBA, Geraldo. Hipótese de Incidência Tributária. 6. ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2003.

  ______. Lei complementar na Constituição. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1971. AYUSO, Isabel Sánchez. Circunstancias eximentes y modificativas de

  responsabilidad por infracciones tributarias. Madrid: Marcial Pons, 1996.

  AZEVEDO, Leila Katiane de Araújo. Responsabilidade dos administradores de

  empresas em matéria tributária. CONGRESSO BRASILEIRO DIREITO

  TRIBUTARIO promovido pelo IDEPE e presidido por José Eduardo Soares de Melo, de 25 a 27 de outubro de 2000. São Paulo: IDEPE, 2000.

  BALEEIRO, Aliomar. Direito Tributário brasileiro (Anotado por Misabel de Abreu Machado Derzi). 11. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003. ______. Limitações constitucionais ao poder de tributar. 7. ed. Rev. e compl. por Misabel Abreu Machado Derzi. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

  BALEEIRO, Aliomar; DERZI, Misabel Abreu Machado (atualizadora). Direito tributário brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1999. BECHO, Renato Lopes. Sujeição Passiva e Responsabilidade Tributária. São Paulo: Dialética, 2000. BECKER, Alfredo Augusto. Teoria geral do direito tributário. 3. ed. São Paulo: Lejus, 1998. BIELSA, Rafael. Estudios de Derecho Publico. 1. ed. Buenos Aires: Editorial Depalma, vol. II, “Derecho Fiscal”, 1951. BIM, Eduardo Fortunato. “A inconstitucionalidade da responsabilidade objetiva no direito tributário sancionador”. São Paulo: RT, v. 788. BOBBIO, Norberto. Teoria do ordenamento jurídico / trad. Maria Celeste

  Cordeiro Leite dos Santos / apresentação Tercio Sampaio Ferraz Júnior, 10. ed. Brasília: UnB, 1999. ______. Teoria da norma jurídica / trad. Fernando Pavan Baptista e Ariani

  Bueno Sudatti / apresentação Alaôr CAffé Alves. 2. ed. Bauru, SP: EDIPRO, revista, 2003. BORGES, Arnaldo. O sujeito passivo da obrigação tributária. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1981. ______. Obrigação tributária: uma introdução metodológica. 2. ed. São Paulo: Malheiros, 1999. BULGARELLI, Waldirio. Manual das Sociedades Anônimas. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1997. CAMPOS, Dejalma de. “A responsabilidade no direito tributário brasileiro”. In: Responsabilidade tributária. Caderno de Pesquisas Tributárias n. 5.

  São Paulo: Resenha Tributária, 1980, pp. 93-114. CAÑAL, Francisco e PISTONE, Pasquale. “La figura del responsable tributario en los sistemas jurídicos tributarios alemán, español e italiano”. Sujetos pasivos y responsables tributarios. Madrid: IEF/Marcial Pons, 1997. CANARIS, Claus-Wilhelm. Pensamento sistemático e conceito de sistema na ciência do direito. Lisboa: C. Gulbenkian, 1989.

  CARNELUTTI, Francesco. Direito tributário: fundamentos jurídicos da incidência. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

  CARNELUTTI, Francesco. Metodologia del derecho. México: 1950. ______. “Sobre os princípios constitucionais tributários”. Revista de Direito Tributário. São Paulo, n. 55, p. 142-l55, jan-mar. 1991.

  ______. Teoria da norma tributária. 4. ed. São Paulo: Max Limonad, 2002. ______. Teoría general del derecho. Trad. F. X. Osset, Madrid, 1995. CARRAZZA, Roque Antônio. Curso de direito constitucional tributário. 19. ed.,

  a Rev. amp. e atual, 2 . tiragem. São Paulo: Malheiros, 2003.

  CARVALHO, Paulo de Barros. Direito Tributário: fundamentos jurídicos da incidência. São Paulo: Saraiva 1999. ______. Teoria da Norma Tributária. São Paulo: Max Limonad, 1998. ______. Curso de direito tributário. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2004. CARVALHOSA, Modesto. Comentários à Lei de Sociedades Anônimas. 3. ed., revista e atualizada. São Paulo: Saraiva, 2003. CASSONE, Vittorio. Direito tributário. São Paulo: Atlas, 1997. COELHO, Fábio Ulhoa, 1959-. Curso de direito comercial, vol. 2 / Fábio Ulhoa

  Coelho. 5. ed. rev. e atual. De acordo com o novo Código Civil e alterações da LSA. São Paulo: Saraiva, 2002. ______. A Sociedade Limitada no Novo Código Civil. São Paulo: Saraiva, 2003. ______. Desconsideração da personalidade jurídica. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1989. ______. Manual de Direito Comercial. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2002, p. 112. ______. O empresário e os direitos do consumidor. São Paulo: Saraiva, 1994. COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Comentários ao Código Tributário Nacional.

  2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1998. ______. Manual de direito tributário. Rio de Janeiro: Forense, 2000. COMPARATO, Fábio Konder. O poder de controle na sociedade anônima.

  2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1977. CONTI, Jose Mauricio. Princípios tributários da capacidade contributiva e da progressividade. São Paulo: Dialética, 1997.

  COSTA, Regina Helena. Princípio da capacidade contributiva. São Paulo: Malheiros, 1993.

  CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de filosofia do direito. Prólogo de Giorgio Del Veechio. Rio de Janeiro: Forense, 1933. CUNHA, Lêda Maria Guimarães. Responsabilidade tributária dos sócios nas

  sociedades por quotas de responsabilidade limitada. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

  DE PAOLA, Leonardo Sperb. Presunções e ficções no direito tributário. Belo Horizonte: Del Rey, 1997. DELGADO, José Augusto. In: MARTINS, Ives Gandra da Silva (coord.).

  Direitos fundamentais do contribuinte. São Paulo: RT, 2000. DENARI, Zelmo. Sucessão Tributária – Aspectos Críticos. In: IBET. Justiça Tributária. São Paulo: Max Limonad, 1998.

  ______. Solidariedade e sucessão tributária. São Paulo: Saraiva, 1977. DERZI, Misabel de Abreu Machado. Direito tributário, direito penal e tipo. São Paulo: RT, 1988.

  ______. “Legalidade material, modo de pensar ‘tipificante’ e praticidade no direito tributário”. Justiça tributária. São Paulo: Max Limonad, 1998. DINIZ, Gustavo Saad. “A modificação do sujeito passivo com a disciplina da responsabilidade tributária”. Revista de Estudos Tributários, n. 17. DINIZ, Maria Helena. Compêndio de introdução à ciência do direito. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 1997. ______. Curso de direito civil. 11. ed. São Paulo: Saraiva, 1997, 6 v. ______. Código Civil Anotado. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2003. DÓRIA, Antônio Roberto Sampaio. Direito constitucional tributário e due process of law. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1986. ENGISH, Karl. Introdução ao pensamento jurídico. 6. ed. Lisboa: C.

  Gulbenkian, 1988. ENTELMAN, Remo F. “El problema de la classificación en la ciencia del derecho”. In: BULYGIN, Eugenio; FARREL, Martin D.; RABOSSI,

  Eduardo A. (Coord.). El lenguaje del derecho: homenaje a Genaro Carrió. Buenos Aires: Abeledo-Perrot, s.d. ESSER, Josef. Principio y norma en la elaboración jurisprudencial del derecho privado. Barcelona: Bosch, 1961. FALCÃO, Amilcar de Araújo, 1928-1967 - Fato gerador da obrigação tributária / Amilcar de Araújo Falcão. 6. ed. Revista e atualizada pelo Prof. Flávio Bauer Noveili; anteriores anotações de atualização, pelo Prof. Geraldo Ataliba; prefácio de Aliomar Baleeiro; apresentação de Rubens Gomes de Sousa. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

  FALCÓN Y TELLA, Ramón. “La solidariedad tributaria”. Crónica tributaria.

  Madrid: IEF, 1985, nº 50. FANTOZZI, Augusto. La solidarietà nel Diritto Tributario. Torino: UTET, 1968. FANUCCHI, Fábio. Curso de Direito Tributário Brasileiro. São Paulo: Resenha Tributária, 1976, 2 v.

  FERRAGUT, Maria Rita. Presunções no direito tributário. São Paulo: Dialética, 2001. FERRAZ JUNIOR, T.S. Introdução ao estudo de direito: técnica, decisão, dominação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1994. FERRAZ, Sérgio (Coord.). A norma jurídica. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1980. FILHO, Marçal Justen. Sujeição Passiva Tributária. Dissertação de Doutorado.

  São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2004. FONROUGE, Carlos M. Giuliani. Derecho Financiero. 3. ed. Buenos Aires: Depalma, vol 1, 1975.

  FUNKE, Haroldo. A responsabilidade tributária dos administradores de

  empresas no Código Tributário Nacional. São Paulo: Resenha Tributária. 1985.

  GARCIA DE ENTERRÍA, Eduardo. Reflexiones sobre la Ley y los principios generales del Derecho. Madrid: Civitas, 1986. GIL, Antonio Hernández. Metologia del derecho. Madrid: Rev. de derecho privado, s/d. Gilberto Etchaluz VILLELA. “A solidariedade Tributária – Reflexões sobre a exegese do art. 124 do CTN”. Revista Tributária e de Finanças

  

Públicas, nº 42. Editora Revista dos Tribunais, jan-fev. de 2002.

  GIUFFRÈ, 1988; WARAT, Luis Alberto; MARTINO, Antonio Anselmo.

  Lenguage y definicion juridica. Buenos Aires: Cooperadora de derecho, 1973. GONÇALVES, José Artur Lima. Isonomia na norma tributária. São Paulo: Malheiros, 1993. GRAU, Eros Roberto. Direito, conceitos e normas jurídicas. São Paulo: RT, 1988. ______. Ensaio e discurso sobre a interpretação / aplicação do direito. 2. ed.

  São Paulo: Malheiros, 2003. GRUPENMACHER, Betina Treier (coord.). Direito Tributário e o novo Código Civil. São Paulo: Quartier Latin, 2004.

  GUASTINI, Riccardo. Das fontes às normas / trad. Edson Bini – Apresentação: Heleno Taveira Tôrres. São Paulo: Quartier Latin, 2005. GUIBOURG, Ricardo A.; GHIGLIANI, Alejandro M.; GUARINONI, Ricardo V.

  Introdución al conocimiento cientifico. Buenos Aires: EUDEBA, 1994.

  HARADA, Kiyoshi. Direito financeiro e tributário. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2002. HART, Herbert L. A. O conceito de direito. Lisboa: C. Gulbenkian, 1986. HEDLER, Cristina Luisa. “Responsabilidade Tributária e a Aplicação Prática do

  Art. 135 do Código Tributário Nacional”. In: Direito Tributário Atual (Coordenação: James Marins e Gláucia Vieira Marins). Curitiba: Juruá, 2001.

  HENSEL, Albert. Diritto Tributario. 1. ed. Milano: Giuffrè, 1956. HENTZ, Luiz Antonio Soares. Direito comercial atual. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2000.

  JARACH, Dino. El Hecho Imponible. 2. ed. Buenos Aires: Abeledo Perrot, 1971. JARDIM, Eduardo Marcial Ferreira. Dicionário jurídico tributário / Eduardo Marcial Ferreira Jardim. 3. ed. São Paulo: Dialética, 2000.

  JUNQUEIRA, Helena Marques. A responsabilidade tributária dos sócios e administradores da pessoa jurídica. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2002. JUNQUERA, Manuela Fernández. “Reflexiones en torno al responsable solidario y a la solidariedad en Derecho Tributario”. Civitas – Revista española de derecho financiero. Madrid: Civitas, 1996, n. 91, jul.-sept.. JUSTEN FILHO, Marçal. Sujeição passiva tributária. Belém: CEJUP, 1986.

  KELSEN, Hans. Teoria pura do direito – tradução João Baptista Machado. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

  KLUG, Ulrich. Logica juridica. Caracas: Universidad Central, 1961, v. XXV. LACOMBE, Américo Masset. Obrigação tributária. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1977.

  ______. “Princípios informadores do ‘critério pessoal da regra-matriz de incidência tributária’”. Revista de Direito Tributário. São Paulo, n. 23/24, p. 253-263, jan./jun, 1983. LARENZ, Karl. Metodologia da ciência do direito. 3. ed. Lisboa: Caiouste Gulbenkian, 1997.

  LIMA GONÇALVES, José Artur. Imposto sobre a renda: pressupostos constitucionais. São Paulo: Malheiros, 1997. LIMA, Osmar Brina Corrêa. Curso de Direito Comercial. Belo Horizonte: Del Rey, 1995, 2 v. LIMBORÇO, Lauro. “Responsabilidade tributária dos diretores e gerentes”. RF. n. 290. LOBO, Jorge Joaquim. Direito concursal. Rio de Janeiro: Forense, 1996. LUCENA, José Waldecy. Das Sociedades por Quotas de Responsabilidade Limitada. Rio de Janeiro: Renovar, 1997. MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Malheiros Editores Ltda. 13. ed., ver. atual e ampliada, 1998. ______. Comentários ao código tributário nacional, vol III. São Paulo: Atlas, 2005. ______. “Responsabilidade Tributária”. In: Responsabilidade tributária.

  Caderno de Pesquisas Tributárias, n. 5. São Paulo: Resenha Tributária, 1980, pp. 43-73.

  MAIA, Mary Elbe Gomes Queiroz. Do lançamento tributário – Execução e controle. São Paulo: Dialética, 1999. MALERBI, Diva Prestes Marcondes. “Direitos fundamentais do contribuinte”. In:

  MARTINS, Ives Gandra da Silva (Coord.). Direitos fundamentais do contribuinte. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000. MALERBI, Diva Prestes Marcondes. Elisão Tributária. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1984. ______. “Imunidade tributária”. In: MARTINS, Ives Gandra da Silva (Coord.).

  Imunidade tributária. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1998. MARQUES, Márcio Severo. Classificação constitucional dos tributos. São Paulo, Max Limonad, 2000.

  MARTINEZ, Emesto Eseverri. Presunciones legales y derecho tributario.

  Madrid: IEF/ Marcial Pons, 1995. MARTINS, Fran. Curso de direito comercial. 23. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1996.

  MARTINS, Ives Gandra da Silva (coord.). “Responsabilidade tributária”. Cadernos

de Pesquisa Tributária, n. 5. São Paulo: Resenha Tributária, 1980.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 11. ed.

  São Paulo: Malheiros, 1999. MELO, José Eduardo Soares de. Curso de direito tributário. 2. ed. São Paulo: Dialética, 2001.

  MIRANDA, Pontes de. Tratado de Direito Privado, parte geral, tomo 1, 1ª ed.

  Campinas: Bookseller, 2000. MONTEIRO NETO, Nelson. “O problema do responsável pela sociedade comercial em matéria de dívida tributária e um interessante aspecto no plano do direito processual”. Revista Dialética de Direito Tributário. São Paulo, Dialética, n. 73, p. 92-96, out. 2001.

  MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de direito civil. São Paulo: Saraiva, 1997. v. 6. MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1999. MORAES, Bernardo Ribeiro de. Compêndio de Direito Tributário. 2. ed. rev., aument. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 1994, 2º vol. ______. “Responsabilidade tributária”. In: MARTINS, Ives Gandra da Silva

  (coord.). Cadernos de Pesquisa Tributária, n. 5. São Paulo: Resenha Tributária, 1980. ______. “Responsabilidade jurídica tributária”. Caderno de Pesquisas Tributárias. São Paulo: Resenha Tributária, v. 5, 1990. MORESO, José Juan. “Lenguaje Jurídico”. In: Valdés, Ernesto Garzón; Francisco J. Laporta. El derecho y la justicia. 2. ed. Madrid: Editora Trotta. 2000.

  MORSCHBACHER, José. “Responsabilidade tributária objetiva — Criação judicial”. Revista de Estudos Tributários, n. 1. MURTA, Antônio Carlos Diniz. Responsabilidade tributária dos sócios.

  sociedades por quotas de responsabilidade limitada. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

  NAVARRO, Pablo Eugenio. La eficacia del derecho. Madrid: CEC, 1990. NEGRÃO, Ricardo. Manual de direito comercial e de empresa, vol 1 / Ricardo Negrão. 4. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2005.

  NOGUEIRA, Ruy Barbosa. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Saraiva, 1990. NUNES, Luiz Antonio Rizzatto. Manual da monografia jurídica. São Paulo: Saraiva, 1997. OLIVEIRA, Francisco Antonio de. A execução na Justiça do Trabalho. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1991. OSÓRIO, Fábio Medina. Direito administrativo sancionador. São Paulo: RT, 2000. PACHECO, Ângela Maria de Motta. “Sujeição passiva e responsáveis tributários”. Revista Dialética de Direito Tributário, n. 3. PÉREZ, Susana Aníbarro. La interpretación razonable de la norma como

  eximente de la responsabilidad por infracción tributaria. Valladolid: Lex Nova, 1999.

  PINHO, Alessandra Gondim. Fato jurídico tributário. São Paulo: Max Limonad, 2001. PONTES DE MIRANDA, F. Cavalcanti. Tratado de direito privado. 3. ed. São Paulo: RT, 1984, t. XXII. QUEIROZ, Luís Cesar Sousa. Sujeição Passiva Tributária. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1999. RAMALLO MASSANET, Juan. “La eficacia de la voluntad de las partes en las obligaciones tributarias”. Crónica Tributaria. Madrid: IEF, 1995, n.º 76.

  REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 21. ed. São Paulo: Saraiva, 1998, v. 2. ______. “Abuso de direito e fraude através da personalidade jurídica”. Revista dos Tribunais. São Paulo, v. 410, p. 12-24, dez. 1969. ______. Curso de direito comercial. 23. ed. São Paulo: Saraiva, 1998. v. 1. ROCHA, João Luiz Coelho da. “Responsabilidade de diretores, sócios gerentes e controladores por débitos tributários”. Revista Dialética de Direito

  Tributário. São Paulo: Dialética, n. 28, p. 37-48, jan. 1998.

  RODRIGUES, Silvio. Direito civil: parte geral das obrigações. 29. ed. São Paulo: Saraiva, 2001. v. 2. ROSA JR., Luiz Emygdio. Manual de direito financeiro e direito tributário. 11. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 1997. ROSS, Alf. Sobre el derecho y la justicia. 4. ed. Buenos Aires: Editorial Universitaria, 1977. ______. El concepto de validez y otros ensayos. Buenos Aires: Centro Editor da America Latina, 1969. ______. Logica de las normas. Madrid: tecnos, 1971. SABBAG, Maristela Maglioli. “A responsabilidade tributária dos sócios por dívida da empresa”. Cadernos de Direito Tributário e Finanças

  Públicas, n. 28, p. 97, jul./set. 1999.

  SALDANHA, Nelson. Ordem e hermenêutica. Rio de Janeiro: Renovar, 1992. SANTI, Eurico Marcos Diniz de. “Introdução: Norma, Evento, Fato, Relação

  Jurídica, Fontes e Validade no Direito”. In: Eurico Marcos Diniz de Santi. (Org.). Curso de Especialização em Direito Tributário - Estudos Analíticos em Homenagem a Paulo de Barros Carvalho. 1 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005, v. 1, p. 1-33.

  ______. Decadência e prescrição no direito tributário. São Paulo: Max Limonad, 2000. ______. Lançamento tributário. São Paulo: Max Limonad, 1996; SANTOS, Washington dos. Dicionário jurídico brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

  SHOUERI, Luís Eduardo. “Presunção simples e indícios no procedimento administrativo fiscal”. In: ROCHA, Valdir de Oliveira (coord.). Processo administrativo fiscal. São Paulo: Dialética, 1997. v. 2. SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico. 15. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1999. SILVA. Paulo Roberto Coimbra. A substituição tributária progressiva nos

  impostos plurifásicos e não-cumulativos. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

  SOUSA, Gerson Amaro de. Responsabilidade Tributária e legitimidade passiva na execução fiscal. São Paulo: Data Juris, 1999. SOUSA, Rubens Gomes de. Compêndio de legislação tributária. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. Financeiras, 1954. TAVARES, Alexandre Macedo. “Dívida fiscal societária e a natureza jurídica específica da responsabilidade dos sócios-gerentes e diretores: solidariedade inconteste ou substitutividade excepcional?” Revista Dialética de Direito Tributário. São Paulo: Dialética, n. 75, p. 25, dez. 2001. THEODORO JÚNIOR, Humberto. Lei de Execução Fiscal. 4 ed. São Paulo: Saraiva, 1995. ______. “Medida cautelar fiscal — Responsabilidade tributária do sócio- gerente (CTN, art. 135)”. São Paulo, RT. v. 739. ______. Fraude contra credores: a natureza da sentença pauliana. 1. ed. 2ª. tir.

  Belo Horizonte: Del Rey, 1997. TÔRRES, Heleno Taveira. “Regime Tributário da Interposição de Pessoas e da

  Desconsideração da Personalidade Jurídica: os Limites do art. 135, II e

  III, do CTN, p. 21 a 68”. In: Tôrres, Heleno Taveira; Queiroz, Mary Elbe (coordenação) – Desconsideração da Personalidade Jurídica em Matéria Tributária. São Paulo: Quartier Latin, 2005.

  TORRES, Heleno. Direito tributário e direito privado: autonomia privada:

  simulação: elusão tributária. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2003.

  TORRES, Ricardo Lobo. Curso de direito financeiro e tributário. Rio de Janeiro: Renovar, 1993.

  TORRES, Ricardo Lobo. Normas de interpretação e integração do Direito Tributário. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

  VALDÉS, Ernesto Garzón y Francisco J. Laporta. El derecho y la justicia. 2. ed.

  Madrid: Editora Trotta, 2000.

  VILANOVA, Lourival. Escritos Jurídicos e Filosoficos. Brasília: Axis Mvndi Ibet, 2003. ______. As estruturas lógicas e o sistema do direito positivo. São Paulo: Editora Max Limonad, 1997. ______. Causalidade e relação no direito. 4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2000.

  VILLEGAS, Hector B. Curso de finanzas, derecho financiero g tributario. 1. ed.

  Buenos Aires: Ediciones Depalma, 1972.

  VILLELA, Gilberto Etchaluz. A responsabilidade tributária. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001. WARAT, Luis Alberto; MARTINO, Antonio Anselmo. Lenguage y definicion juridica. Buenos Aires: Cooperadora de derecho, 1973.

  XAVIER, Alberto. Do lançamento: teoria geral do ato, do procedimento e do processo tributário. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002. YCHIHARA, Yoshiaki. In: MARTINS, Ives Gandra da Silva (coord.).

  “Responsabilidade tributária”. Cadernos de Pesquisa Tributária, n. 5. São Paulo: Resenha Tributária, 1980.

Novo documento