Diabetes mellitus: avaliação do grau de conhecimento de acadêmicos de odontologia e de cirurgiões-dentistas

 2  9  101  2017-01-30 20:11:36 Report infringing document
SÉRGIO DONHA YARID DIABETES MELLITUS: AVALIAÇÃO DO GRAU DE CONHECIMENTO DE ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA E DE CIRURGIÕES-DENTISTAS ARAÇATUBA 2010 SÉRGIO DONHA YARID DIABETES MELLITUS: AVALIAÇÃO DO GRAU DE CONHECIMENTO DE ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA E DE CIRURGIÕES-DENTISTAS Tese de Doutorado apresentada à Faculdade de Odontologia de Araçatuba da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Doutor em Odontologia Preventiva e Social. Orientador: Profª. Adj. Doris Hissako Sumida ARAÇATUBA 2010 DEDICATÓRIA A Deus que me guia com a mão firme da sabedoria. Aos meus pais Sérgio Chibeni Yarid e Mercedes Donha Yarid, que com seu apoio, amor e sabedoria ainda continuam sendo a minha sustentação. AGRADECIMENTOS ESPECIAIS À minha mãe e meu pai, por todo amor e carinho com que me educaram, abrindo mão dos seus sonhos para que eu pudesse realizar os meus. À Cristina, meu amor, pela paciência e incentivo. Aos meus irmãos, Andréa e Fábio, pela presença constante e pelo incentivo. Ao meu irmão André, de quem sinto uma imensa falta. A toda minha família. À minha orientadora, Profª. Drª. Doris Hissako Sumida, pelo empenho, pela paciência, pela orientação segura, firmeza e competência com que realiza seu trabalho. À Profª. Drª. Nemre Adas Saliba, pela coragem e pioneirismo ao constituir o Programa de Pós-Graduação em Odontologia Preventiva e Social da Faculdade de Odontologia de Araçatuba – UNESP. À coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Odontologia Preventiva e Social da Faculdade de Odontologia de Araçatuba – UNESP, Prof. Cléa Adas Saliba Garbin, minha gratidão pelo valioso aconselhamento. À Profª. Suzely Adas Saliba Moimaz, vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Odontologia Preventiva e Social da Faculdade de Odontologia de Araçatuba - UNESP, exemplo de empenho e dedicação à docência. Ao Prof. Orlando Saliba, pela dedicação e disposição em ensinar. Ao Prof. Renato Moreira Arcieri pela calma com que nos passa conhecimentos. Aos demais professores do programa de Pós-Graduação, Prof. Renato Herman Sundfeld, Profª. Maria Lúcia Mazza Sundefeld, Prof. Artênio José Ísper Garbin e Profª. Ana Cláudia Okamoto. Aos meus colegas de turma, Adriana Cristina Oliva Costa, Ana Paula Dossi, Daniela Coelho Lima, Karina Tonini dos Santos e Marcos Tadeu Adas Saliba, pelos momentos que passamos juntos. Aos meus colegas de pós-graduação, Cristina Berger Fadel, Lívia Guimarães Zina, Nelly Foster Ferreira, Patrícia Elaine Gonçalves, Daniela Pereira Lima, Diego Diniz, Kléryson Soares Martins Francisco, Márcio Penha do Carmo, Najara Barbosa Rocha, Thaís Jaqueline Vieira de Lima, Tatiana de Freitas Barbosa, Fernando Chiba Yamamoto e Luiz Fernando Lolli. Aos meus amigos do laboratório de Fisiologia, sempre dispostos a me ajudar, Daisy Jaqueline Shirakashi, João Paulo Silva Servato, Larissa Ferreira da Silva Bergamini, Marjorie de Oliveira Gallinari, Natália Helena Colombo, Viviane Clície da Silva e Wendrew Douglas de Souza Gomes. Aos funcionários do Programa de Pós-Graduação em Odontologia Preventiva e Social, Neusa Martins Rovina Antunes, Nilton César Souza e Valderez Freitas Rosa, que estão sempre presentes para nos auxiliar. AGRADECIMENTOS À UNESP – Universidade Estadual Paulista, pela oportunidade de realizar este curso. Ao Diretor da Faculdade de Odontologia de Araçatuba – UNESP, Prof. Titular Pedro Felício Estrada Bernabé e à Vice-Diretora Profª. Adj. Ana Maria Pires Soubhia, pelo apoio. Aos funcionários da Biblioteca, Izamar da Silva Freitas, Cláudio Hideo Matsumoto, Ana Cláudia Grieger Manzatti, Ivone Rosa de Lima Munhoz, Maria Cláudia de Castro Benez, sempre prestativos em me atender. Aos funcionários da Seção de Pós-Graduação da Faculdade de Odontologia de Araçatuba - UNESP, Diogo Reatto, Marina Midori Sakamoto Hawagoe e Valéria Queiroz Marcondes excelente trabalho, atenção dispensada, Zagatto, pelo grande disposição em atender e ótimo relacionamento. À CAPES, pela concessão da bolsa, importante apoio financeiro. Yarid SD. Diabetes Mellitus: avaliação do grau de conhecimento de acadêmicos de odontologia e de cirurgiões-dentistas (tese). Araçatuba:Faculdade de Odontologia, Universidade Estadual Paulista; 2010. RESUMO GERAL O Diabetes Mellitus (DM) é considerado um problema de saúde pública, e o Cirurgião-Dentista deve estar alerta para os sinais e sintomas do DM em seus pacientes, pelo impacto que pode causar à saúde destes. Este estudo tem por objetivos: a) verificar o conhecimento científico dos acadêmicos do último ano de odontologia sobre a doença DM e os aspectos relacionados portador dessa ao atendimento enfermidade; b) odontológico averiguar o do paciente conhecimento dos Cirurgiões-Dentistas que atuam na atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS) sobre o DM; c) revisar a literatura na busca de atualizar o conhecimento a respeito do diagnóstico, atendimento preventivo e terapêutico em odontologia do paciente portador de Diabetes. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da FOA-UNESP (20082433). Para verificar o conhecimento dos acadêmicos, realizou-se um estudo tipo inquérito com 59 alunos matriculados no último ano do curso de odontologia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba em 2008. O segundo estudo desenvolveu-se nos municípios de Birigui-SP, Maringá-PR e Três Lagoas-MS e contou com a participação de 76 Cirurgiões-Dentistas que atuam na atenção básica do SUS. Utilizou-se de instrumento desenvolvido para o estudo e as questões receberam tratamento quantitativo. A revisão de literatura foi realizada com uma busca de artigos publicados nos últimos 10 anos (2000 – 2010) nas bases de dados PubMed, Biblioteca Virtual de Saúde e Web of Science. Usamos as seguintes palavras-chaves nesta busca: Diabetes Mellitus; odontologia; saúde bucal; e doença periodontal. De acordo com os resultados obtidos junto aos estudantes de Odontologia: 30,5% dos acadêmicos sabem a correta definição de Diabetes Mellitus tipo 1 (DM 1); quanto à definição do Diabetes Mellitus tipo 2 (DM 2), 10,2% assinalaram a resposta correta; 76,3% conhecem outros tipos de DM; 23,7% relataram ser o DM 2 o mais prevalente; a obesidade, a hereditariedade e a falta de atividade física regular foram as condições mais apontadas como fatores de risco para o DM; sobre os principais sintomas do DM, 94,9% dos alunos assinalaram corretamente; quanto à faixa normal de glicose na corrente sanguínea em jejum, 6,8% assinalaram a resposta correta; a respeito das manifestações bucais do paciente portador de DM, a doença periodontal, o hálito cetônico e a xerostomia, foram os mais assinalados; sobre a relação entre doença periodontal e DM, 79,7% assinalaram a alternativa correta; quanto as alterações agudas que podem estar presentes em pacientes portadores de diabetes durante atendimento odontológico, 47,4% assinalaram corretamente; quanto ao procedimento correto no atendimento ao paciente diabéticos corretamente; 94,9% com dos hipoglicemia, pesquisados 47,4% assinalaram responderam erroneamente modalidades de tratamento que resultariam em cura do DM. Quanto aos Cirurgiões-Dentistas, predominou o sexo feminino e faixa etária entre 31 a 40 anos. O tempo de exercício profissional concentrou-se entre 06 a 10 anos e 16 a 20 anos. Os resultados junto a estes profissionais mostram que: a maioria (94,7%) prestou consultas odontológicas a pacientes portadores de diabetes; muitos (97,4%) sabem o que é DM; sobre outros tipos de DM, 77,6% afirmaram que conhecem, sendo o mais citado (por 55,9%), o DM Gestacional; o DM2 foi apontado como o mais prevalente por 59,2%; a faixa normal de glicose em jejum foi citada corretamente por 2,6% dos participantes; a obesidade foi apontada por 98,7% dos participantes como fator de risco para o DM; grande parte (96,0%) assinalaram corretamente quais os principais sinais e sintomas que levam à suspeita de DM; a doença periodontal foi apontada por 92,1% como manifestação bucal do paciente portador de DM. Conclui-se que: a) os acadêmicos de odontologia, futuros Cirurgiões-Dentistas, necessitam de melhor orientação; b) que o Cirurgião-Dentista deve desenvolver um conhecimento específico sobre o DM, estando atento aos níveis normais de glicemia e pronto para identificar e atender o portador de DM; c) por meio do aumento do conhecimento do Cirurgião-Dentista sobre as alterações bucais do portador de DM é possível o diagnóstico precoce da patologia, além da realização de procedimentos odontológicos adequados a pacientes com esta enfermidade. Palavras-chave: Diabetes Mellitus. Manifestações orais. Assistência odontológica. Medicina bucal. Estudantes de odontologia. Educação em odontologia. Yarid SD. Diabetes Mellitus: assessment of knowledge level of dental students and dentists (thesis). Araçatuba: UNESP - São Paulo State University; 2010. ABSTRACT Diabetes Mellitus (DM) is considered a public health problem. The dentist should be alert for signs and symptoms of diabetes in their patients. This study aims to: a) verify the technical and scientific knowledge of the students enrolled in the final year of dentistry course about the DM and the aspects related to dental care of patients with this disease; b) assess the knowledge of dentists working in the primary care at the National Health System (SUS) on the DM c) review the literature in order to update the knowledge about the diagnosis, preventive care and dental care in the diabetic patients. The project was approved by the Ethics Committee of the FOA-UNESP (2008-2433). To check the students' knowledge, it was performed a survey type study with 59 students enrolled in the final year of dentistry at the Dental School of Araçatuba in 2008. The second study was developed in the municipalities of Birigui-SP, Maringá-PR and Três Lagoas-MS, with the participation of 76 dentists working in the SUS primary care system. We used an instrument developed for the study and the questions results were submitted to a quantitative analysis. The literature review was conducted with a search for articles published in the last 10 years (2000-2010) in the databases PubMed, Virtual Health Library and Web of Science. We use the following keywords: diabetes mellitus, dentistry, oral health and periodontal disease. According to the results obtained among the dentistry students: 30.5% of them know the correct definition of Type 1 diabetes mellitus (DM1); about the definition of type 2 diabetes mellitus (DM2), 10.2% indicated the correct answer; 76.3% know other types of DM; 23.7% reported DM2 as being the second most prevalent DM; obesity, heredity and lack of regular physical activity were the most frequently reported risk factors for DM; about the main symptoms of DM, 94.5% of students correctly pointed out; about the normal range of blood glucose level, 6.8% indicated the correct answer; about the oral manifestations in patients with DM, periodontal disease, the breath ketone and xerostomia were the most marked; on the relationship between periodontal disease and DM, 79.7% indicated the correct alternative; as the acute changes that can be present in patients with diabetes during dental care, 47.4% indicated correctly; about the correct procedure providing care to diabetic patients with hypoglycemia, 47.4% answered correctly; 94,9% of respondents erroneously reported treatment modalities that could result in the “cure” of DM. Regarding the dentists, they were predominantly female and aged between 31-40 years. Professional experience mostly concentrated in the ranges of 0610 years and 16-20 years. The results with them showed that 94.7% were in contact with diabetic patients; 97.3% know what is DM; about other types of DM, 77.6% said they know, the most mentioned (by 55.9%) was the gestational DM. The DM2 was indicated as the most prevalent by 59.2%; the normal range of blood glucose level was quoted correctly by 2.6% of the participants; obesity was reported by 98.7% of participants as a risk factor for DM; 96.0% stated correctly what are the main signs and symptoms related to diabetes; periodontal disease was reported by 92.1% as an oral manifestation in diabetic patients. We conclude that: a) that the dental students, future professionals, need better guidance; b) that the dentist needs to develop specific knowledge about DM, being able to identify normal levels of blood glucose and ready to identify and meet the bearer of DM; c) by increasing the knowledge of the dentists about typical oral diseases of diabetic patients, it will be possible to early diagnose this disease, together with the application of adequate dental procedures. Keywords: Diabetes Mellitus. Oral manifestations. Dental care. Oral medicine. Dentistry students. Dentistry education. LISTA DE TABELAS Capítulo 2 Tabela 1- Distribuição percentual das respostas obtidas junto aos alunos do último ano de odontologia em relação ao conhecimento sobre Diabetes Mellitus e suas implicações para a odontologia. Araçatuba-SP, 2008. 52 Tabela 1- Percentual de profissionais por sexo, idade e tempo de exercício profissional. 71 Tabela 2- Percentual de respostas ao questionário aplicado em Cirurgiões Dentistas sobre o Diabetes Mellitus. 72 Capítulo 3 LISTA DE QUADROS Capítulo 1 Quadro 1- Critério para o diagnóstico do diabetes Quadro 2- Antibioticoterapia dentários procedimentos 32 Quadro 3- Tratamento das principais complicações bucais do Diabetes Mellitus 35 Quadro 4- “Guidelines” no atendimento dentário do paciente diabético 37 Quadro 5- Grau de risco para realização de procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos em pacientes portadores de DM 39 profilática para 27 LISTA DE ABREVIATURAS DM Diabetes Mellitus CD Cirurgião Dentista UNESP Universidade Estadual Paulista FOA Faculdade de Odontologia de Araçatuba SUS Sistema Único de Saúde OMS Organização Mundial de Saúde mg/dl Miligramas por decilitro TOTG Teste Oral de Tolerância à Glicose DM 1 Diabetes Mellitus tipo 1 DM 2 Diabetes Mellitus tipo 2 DMDI Diabetes Mellitus dependente de insulina DMNDI Diabetes Mellitus não dependente de insulina DP Doença periodontal AINEs Antiinflamatórios não-esteroidais PR Estado do Paraná SP Estado de São Paulo MS Estado do Mato Grosso do Sul VO Via Oral SUMÁRIO 1. Introdução Geral 18 2. Proposição Geral 21 3. Capítulo 1.Conduta odontológica no atendimento a portadores de diabetes 22 3.1. Resumo 22 3.2. Abstract 23 3.3. Introdução 24 3.4. Método 25 3.5. Classificação e diagnóstico do DM 25 3.6. Manifestações bucais 28 3.7. Conduta 29 3.8. Considerações finais 40 3.9 Referências bibliográficas 41 4. Capítulo 2.Diabetes Mellitus:conhecimento de acadêmicos de odontologia 46 4.1. Resumo 46 4.2. Introdução 48 4.3. Objetivo 49 4.4. Metodologia 50 4.5. Resultados 51 4.6. Discussão 55 4.7. Conclusão 60 4.8. 5. Referências Capítulo 3.Diabetes Mellitus: avaliação do conhecimento de CirurgiõesDentistas em municípios de três estados brasileiros 61 65 5.1. Resumo 65 5.2. Abstract 67 5.3. Introdução 68 5.4. Materiais e Métodos 69 5.5. Resultados 70 5.6. Discussão 74 5.7. Referências 79 ANEXOS 83 18 1. INTRODUÇÃO GERAL* Atualmente, o Diabetes Mellitus (DM) atinge 194 milhões de pessoas no mundo, podendo chegar a 366 milhões entre os anos de 2000 a 20301,2. No ano 2000, o número de pessoas com Diabetes nas Américas foi estimado em 35 milhões. No Brasil, cerca de 7,6% da população brasileira na faixa etária de 30 a 69 anos é acometida pelo DM3. Os principais sintomas do DM – polidipsia, polifagia e poliúria – são resultados da deficiência da insulina, sendo a atuação deste hormônio de fundamental importância na regulação de muitos processos metabólicos do organismo, influenciando em praticamente todos os sistemas orgânicos4. Além dos aspectos sistêmicos, as alterações patológicas na cavidade bucal associadas ao DM podem incluir gengivite, doença periodontal, disfunção da glândula salivar (xerostomia), suscetibilidade para infecções bucais, síndrome de ardência bucal e alteração do paladar5,6. O Cirurgião-Dentista (CD) deve atentar para o fato de que até um terço das pessoas acometidas pelo DM ainda não foram diagnosticadas, e estima-se que 3 a 4% dos pacientes adultos que se submetem a tratamento odontológico são portadores de Diabetes; sendo que destes, uma parte significativa desconhece ter a doença6. *Lista de referências – Anexo A 19 O CD tem papel fundamental na identificação de pacientes que apresentam sinais de Diabetes. O diagnóstico, tratamento e controle dos pacientes portadores de DM requer um conhecimento detalhado do processo da patologia. Contudo, ainda há falta de informação junto aos profissionais quanto à forma mais adequada de lidar com estes pacientes7. Nessa conjuntura, optou-se pela realização do presente trabalho, que descreve, por meio da pesquisa, o conhecimento de estudantes de odontologia e de Cirurgiões-Dentistas sobre o diagnóstico e tratamento odontológico de portadores de DM, como também proporciona a atualização dos conhecimentos dos mesmos em relação ao Diabetes. Para tanto, o presente estudo é composto de três capítulos, descritos a seguir. O Capítulo 1 através de uma revisão de literatura, permite atualizar o conhecimento a respeito do diagnóstico e procedimentos terapêuticos em odontologia do paciente portador de Diabetes. O Capítulo 2, apresenta estudo sobre o conhecimento de acadêmicos do último ano do curso de odontologia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba-FOA/UNESP sobre o DM. Finalmente, o Capítulo 3, a partir de uma análise quantitativa, tem como intenção avaliar o conhecimento técnico-científico de Cirurgiões-Dentistas (que atuam na atenção básica do SUS) sobre a 20 doença Diabetes Mellitus e os aspectos relacionados ao atendimento odontológico do paciente portador resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 21. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 22. Melo RM, Bottno MA, Galvã RKH, Soboyejo WO. Bond strengths, degree of conversion of the cement and molecular structure of the adhesive–dentine joint in fibre post restorations. J Dent 2012;40:286-94. 23. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 24. Anusavice KJ. Phillips RW. Science of dental materials. 11th, 2003. 25. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper dent 1994;19:165-8. 27 4 ARTIGOS CIENTÍFICOS 4.2 ARTIGO 2 28 Title: Influence of light transmission through fiber posts on the microhardness and bond strength Authors: Morgan LFSA, Gomes GM, Poletto LTA, Ferreira FM, Pinotti MB, Albuquerque RC. Abstract Introduction: The aim of this study was to investigate the influence of light transmission through fiber posts in microhardness (KHN) and bond strength (BS) from a dual cured resin cement. Methods: Five fiberglass posts of different types and manufacturers represent a test group for the analysis of KHN (N=5) and BS and their displacement under compressive loads (N = 8). For the analysis of KHN a metallic matrix was developed to simulate the positioning of the cement after the cementation process intra radicular posts. The resistance to displacement, which will provide data of BS was measured using bovine incisors. After cementation, cross sections of the root portion of teeth in space led to post 1mm discs that have been tested for BS. The values were statistically analyzed by ANOVA, followed by Tukey's (P <0.05) between groups for KHN and BS. Results: The results showed no statistical differences for the different posts in KHN. For BS, the sum of thirds, a translucent post showed the highest values. Comparative analysis between the thirds of each post also showed statistically significant differences when comparisons of the same post-thirds showed no differences. Conclusion: For the cement used, the amount of light transmitted through the post did not influence the KNH nor the BS significantly, among the different posts and thirds evaluated. Key Words: light transmission, dental posts, microhardness, bond strength. 29 Introduction The use of pre-fabricated posts in the reconstruction of endodontically treated teeth, whose main objective is to retain the material reconstruction and minimize the occurrence and complexity of fractures, is well established in the literature (1). Clinically, the mechanical and chemical characteristics of fiber posts justify their usage (2). In relation to resin cements, three options regarding the method of polymerization are available: self-polymerizing, light-cured or dual polymerization (dual). Understanding the mechanism of polymerization of these systems (3) the choice of materials that do not depend on light seems to be more reliable for cementing intra radicular fiber posts. To investigate the capability of transmitting light by translucent post is the target of several recent authors (4-9). Most studies point to the decrease in light intensity (LI) by increasing the root depth. Quantitative assessments of LI, hardness, elastic modulus and degree of conversion can be found in these works. Undesirable effects of incomplete polymerization of the resin cements are of biological (10-12) due to toxicity, and mechanical (8,9,13-15), due to low bond strength values are described in the literature. The aim of this study is to investigate the effect of light transmission through fiber posts in Knoop microhardness number (KHN) and bond strength (BS) of a dual resin cement. The null hypothesis is that there is no statistically significant difference in KHN and BS for different depths evaluated for the dual resin cement following cementation of translucent posts. Material e Methods Five different fiber posts of two types and one resin cement were involved (Table 1). 30 Table 1 – Description of the posts and cement used. Post Manufacturer/Lote Type Quimical composition FGM Produtos Odontológicos Glass Fibers (80% ± 5), epoxy resin (20% ± 5), silica, silane and T1 Translucent (Brazil)/140410 polymerising promoters. Bisco, INC T2 Translucent (EUA)/0800007811 Glass Fibers (55%), Epoxy (45%). TetraethyleneglycolDimethacrylate (7.6%), Urethane Ivoclar-Vivadent Dimethacrylate (18.3%), Silicium Dioxide (0.9%), Ytterbium T3 Translucent (Liechtenstein)/M72483 Fluoride (11.4%), catalysers and stabilisers (<0.3%). Glass Fibers. C1 Ângelus (Brazil)/14818 Conventional Glass Fibers (87%), Epoxy resin (13%). C2 Ângelus (Brazil)/14874 Conventional Carbon Fibers (79%), Epoxy Resin (21%). Resin Cement Rely-X Unicem 3M ESPE (USA)/372990 Self-etch/ Dual Cure Powder: glass particles, initiators, sílica, substituted pyrimidine, calcium hidroxide, peroxide composite and pigment; liquid: metacrylate phosphoric acid Ester, dimethacrylate, acetate, stabilizer and initiator. White Post DC (FGM, Joinville, SC-Brazil), DT Light Post (Bisco, Inc, Schaumburg, ILUSA) and FRC Postec Plus (IvoclarVivadent, Liechtenstein) with similar compositions but with different amounts of chemical components, represent translucent (T) type, T1, T2 and T3 respectively. Exacto and Reforpost Carbon Fiber (Both Ângelus, Londrina, Pr-Brazil) with different compositions but opaque, represent conventional (C) type, C1 and C2 respectively. The posts were cut to standard height of 16 mm for both analysis, KHN and RA. KHN measurements The assessments targeted three different depths, namely: cervical third (CT), at a 4.1 to 6.8mm depth; middle third (MT), at an 8.8 to 11.5mm depth; and apical third (AT), at a 13.5 to 16mm depth. 31 A metallic apparatus matrix was designed and manufactured to support the posts, resin cement, and the tip of a curing light unit. Such a metallic apparatus consisted of four parts as showed in figure 1. Figure 1. Metallic matrix: (a) a frame, which contained the posts (e), (b) a support to standardize the position and volume of resin cement, (c) a support to standardize the length of each three third deep post regions and stabilize the set, (d) and an external cylinder, which holds the other part as well as incorporates the tip of curing light unit (f) at the top and also obstructs the influence of external sources of light. Patented CTIT/UFMG (BR 20 2012 015542 2). The frames were manufactured in the exact dimensions of each post by means of an electro erosion machining. Aimed at standardizing the quantitative radial light transmission, each third of the posts contained a 120-degree lateral side opening. The three thirds, were supposed to be assessed simultaneously. The measurement of all thirds, one at a time, was possible because the matrix allowed the removal of the resin cement blocks, separately, after polymerization, without destroying them. The matrix’s internal structure provided an adequate separation of each 32 third, which permitted their accurate evaluation. Each one was 1,6mm wide and 2,70 mm length. The major concern about this matrix was that the cement was inserted directly in projected spaces, in order to minimize the formation of bubbles. The posts were isolate from cement by a polyester strip. The time of light exposure was 40 seconds, and the LI remained above 420mW/cm2. The light curing unit used was Curing Light 2500(3M ESPE, USA). The set consisting of the curing light unit, the matrix, the post and the resin cement remained still throughout the assessments. After ten minutes, including 40s photopolymerization, the specimens were removed from the matrix and were immediately included in pre-molds (Buehler, USA) with crystal resin with black pigment and were poured into the device by using a Cast N’vac (Buehler, USA). After the cure of crystal resin, the specimens were removed from the pre-molds and stored dry, out of reach of light during 7 days. The surface to be analyzed was sequentially polished with # 320 to 1200-grit SiC papers and felt with diamond polish paste (Buehler, USA). A control group, using T1, was made of the same method but without a photopolymerization. KHN measurement was performed by a Micromet 5104(Buehler, Japan) using a static load of 50g for 10s. Sequentially, three indentations were performed for each third of each group. The values were obtained from the reading of the average of three indentations oriented long axis of the resultando  em  um  filme  que  tem  como  motivação  as  vinganças da  mesma.  O  personagem Benjamim perde a relevância que tem no romance e o espectador  não fica imerso em tantas dúvidas, como o leitor da narrativa indicial de Chico.  As  páginas  que  não  afirmavam  a  culpa  de  Benjamim  pela  morte  de  Castana 96  Beatriz, nem a ascendência de Ariela, são transformadas em cenas de certezas  e afirmações que, em parte, excluem a narrativa indicial do primeiro autor.  Todas  as  transformações  que  a  cineasta  efetua  na  obra  de  Chico  para  elaborar  seu  filme  são  refletidas  nos  outros  textos  que  permeiam  e  dialogam  com as duas obras: capas, o site oficial de Chico Buarque e do filme Benjamim,  as  críticas  expostas  na  mídia.  Esses  outros  textos  —  sejam  eles  metatextos,  paratextos  ou  arquitextos  —  dialogam  transtextualmente  com  os  processos  que  fazem  do  romance  um  filme.  Todas  as  transformações  executadas  pela  cineasta  na  obra  do  autor  são  também  difundidas  nos  outros  textos  que  circundam  o  processo.  Tudo  isso  constrói  uma  extensa  e  infinita  rede  transtextual,  que  produz  um  diálogo  não  só  entre  as  obras  de  Chico  e  Gardenberg, mas também entre elas e outros textos.  Observar  a  obra  de  Chico  Buarque  com  esses  parâmetros,  faz­nos  perceber também a ausência de limites entre as artes e linguagens. O romance  Benjamim,  imerso  num  tom  cinematográfico,  ao  mesmo  tempo  em  que  se  transforma  na  criação  de  Gardenberg,  parece  justamente  chegar  à  sua  linguagem  ideal:  o  cinema.  A  rede  de  flashbacks  imaginada  por  Chico,  para  contar  a  história  de  um  ex­modelo  fotográfico  que  se  duplicou  na  juventude  e  assiste  a  sua  existência  como  se  fosse  um  filme  produzido  por  uma  câmera  imaginária,  cresce  nas  lentes  reais  de  Monique  Gardenberg:  o  romance  de  Chico,  por  meio  do  filme  Benjamim,  chega,  de  fato,  à  linguagem  tematizada  em sua criação. Por sua vez, ao perceber os vestígio do cinema no romance e  aventurar­se  na  adaptação  fílmica,  com  o  cuidado  de  recriar  sempre  inspirada  pelo  primeiro  autor,  Monique  Gardenberg  põe  em  cartaz  a  essência  hipertextual de Chico Buarque de Hollanda. R e f e r ê n c i a s :  97  BARROS,  Leila  Cristina;  CASTELLO  BRANCO,  Lúcia.  Desencontro,  amor  e  feminino  em  Benjamim,  de  Chico  Buarque.  2001.  Dissertação  de  mestrado,  Universidade Federal de Minas Gerais.  BARTHES,  Roland.  Introdução  à  análise  estrutural  da  narrativa.  In:  Análise  estrutural  da  narrativa:  seleção  de  ensaios  da  revista  Communications.  Trad.  Maria Zélia Barbosa Pinto. Petrópolis: Vozes, 1971.  BARTHES,  Roland.  Obra  de  massa  e  explicação  de  texto.  In:  PERRONE­  MOISÉS,  Leyla  (org).  Inéditos,  V.1  —  Teoria.  São  Paulo:  Editora  Martins  Fontes, 2004. p. 51­55.  BARTHES,  Roland.  Texto  (teoria  do).  In:  PERRONE­MOISES,  Leyla  (org).  Inéditos, V.1 — Teoria. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2004. p. 261­289.  BARTOLOMEI,  Marcelo.  Paulo  José  “vence”  Parkinson  e  Cléo  Pires  estréia  no  cinema, disponível na Folha Online. Acesso em: 01/04/04.  BENJAMIN,  Walter.  A  tarefa  do  tradutor.  Trad.  Suzana  K.  Lages.  In:  HEIDERMANN,W.  (org.).  Clássicos  da  teoria  da  tradução.  Florianópolis:  UFSC  NUT, 2001. p. 189­215.  BERNARDET,  Jean­Claude.  O  que  é  cinema.  São  Paulo:  Editora  Nova  Cultural  Brasiliense, 1985.  BRITO, João batista de. Chico Buarque no cinema. In: Chico Buarque do Brasil.  São Paulo: Garamond Editora, 2004.  BUARQUE, Chico. Benjamim. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.  BUARQUE, Chico. Budapeste. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.  BUARQUE,  Chico,  GUERRA,  Ruy.  Calabar:  o  elogio  da  traição.  São  Paulo:  Civilização Brasileira, 1973.  BUARQUE, Chico. Estorvo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.  BUARQUE,  Chico,  PONTES,  Paulo.  Gota  d'água.  Rio  de  Janeiro:  Civilização  Brasileira, 1975.  BUARQUE, Chico. Ópera do malandro. São Paulo: Círculo do Livro, 1978.  CATTRYSSE,  Patrick.  Film  (adaptation)  as  translation:  some  methodological  propoals.  In:  TARGET  v.4,  n.1.  Amsteram/Philadelphia:  Jonh  Benjamins  Publhishing Company, 1992. p. 55­90. 98  COMODO,  Roberto.  Câmera  invisível.  Revista  Isto  é,  São  Paulo,  n.  1367,  p.124­125, 13 dez 1995.  COMPAGNON,  Antoine,  Trad.  MOURÃO,  Cleonice  Paes  Barreto.  O  demônio  da  teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.  DINIZ,  Thaïs  Flores  Nogueira.  Literatura  e  Cinema:  tradução,  hipertextualidade,  reciclagem.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras  da  UFMG,  2005.  FERNANDES,  Rinaldo  de.  Chico  Buarque  do  Brasil.  São  Paulo:  Garamond  Editora, 2004.  GARDENBERG,  Monique.  In:  Prees  Book  do  filme  Benjamim.,  2003.  Distribuição:  EUROPA  Filmes.  Disponível  em  http://www.benjamimofilme.com.br/, acesso em: 11/04/06.  GENETTE, Gerard. Palimpsestes: la litterature au second degre. Paris: Editions,  1981.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva Voz. Trad. Luciene Guimarães e Maria Antônia Ramos Coutinho. Extratos:  capítulos  1,  2,  7,  40,  41,  45,  80.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras/UFMG,  2005.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva  Voz.  Trad.  Cibele  Braga,  Mariana  Arruda  e  Miriam  Vieira.  Extratos:  capítulos 8, 13, 38, 47, 48, 49, 53, 54, 55, 57.  Belo Horizonte: Faculdade de  Letras/UFMG, 2007. No prelo.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de.  A  banda:  manuscritos  de  Chico  Buarque  de  Hollanda. Rio de Janeiro: 1966.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de,  KEATING,  Vallandro.  A  bordo  do  Rui  Barbosa.  São Paulo: Palavra e Imagem, 1981.  MARQUÉZ,  Gabriel  García.  Cem  anos  de  solidão.  Trad.  Eliane  Zagury.  Rio  de  Janeiro: O Globo, 1967.  MCFARLANE.  Brian.  Novel  to  film:  an  introduction  to  the  theory  of  adaptation.  Oxford University Press, 1996.  MENESES,  Adélia  Bezerra  de.  Desenho  mágico:  poesia  e  política  em  Chico  Buarque. São Paulo: HUCITEC, 1982. 99  OLIVEIRA,  Solange  Ribeiro  de.  De  mendigos  e  malandros:  Chico  Buarque,  Bertold  Brecht  e  John  Gay ­  uma  leitura  transcultural.  Ouro  Preto:  Ed.  UFOP,  1999.  OLIVERA,  Luciene  Guimarães  de,  QUEIROZ,  Sônia  Maria  de  Melo.  A  Bela  e  a  Fera  ou  a  ferida  grande  demais  de  Clarice  Lispector:  transtextualidade  e  transcrição.  2005.  Dissertação  de  mestrado.  Universidade  Federal  de  Minas  Gerais.  PEREIRA, Helena Bonito Couto. Duas personagens, dois tempos, duas versões:  Benjamim  em  livro  e  em  filme.  In:  Revista  Aletria.  Belo  Horizonte:  Ed.  UFMG,  [s.d]. No prelo.  PESSOA,  Stella.  Quem  é  Chico  Buarque  de  Hollanda.   Acesso em: 30/05/06.  QUEIROZ, Sônia (org). Estilos. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2002.  RUIZ,  Simone.  Benjamim  é  videoclipe  de  Cléo  Pires,  disponível  no  site  Adoro  cinema brasileiro. Acesso em: 30/09/03.  SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.  SILVA,  Fernando  de  Barros  e.  Filme  de  Monique  Gardenberg  gera  encanto  retardado, disponível na Folha Online. Acesso em: 02/04/04.  WERNECK,  Humberto.  Tantas  palavras.  São  Paulo:  Companhia  das  letras,  2006. F i l m o g r a f i a :  100  BENJAMIM.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Rio  de  Janeiro:  Natasha  Produções e Duetos Filmes. 2003. 108 min., color, DVD.  BRASIL  ANO  2000.  Direção  de  Walter  Lima  Jr.  Rio  de  Janeiro:  2000  Film,  Claude­Antoine e Mapa Filmes. 1969. 95 min., color, VHS.  Sinopse disponível em  http://www.geocities.com/filmescopio/filmes/ano2000.htm>  Acesso  em:  16/12/2006.  ESTORVO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Rio  de  Janeiro:  Riofilme.  2000.  95  min.,  color, VHS.  JENIPAPO. Direção de Monique Gardenberg. 1996. 100min., color, VHS.  Ó  PAÍ,  Ó.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Salvador:  Globo  Filmes  e  Duetos  Filmes.  2007.  98  min.,  color,  exibido  nas  salas  de  cinema  de  Belo  Horizonte  em abril de 2007.  OS  SALTIMBANCOS  TRAPALHÕES.  Direção  de  J.B.  Tanko.  Brasil:  Renato  Aragão Produções. 1981. 99min., color, DVD.  ÓPERA  DO  MALANDRO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Brasil:  Austra  Cinema  e  comunicações,  MK2  Productions  e  TF1  Films  Productions.  1985.  100  min.,  color, DVD.  UM  HOMEM,  UMA  MULHER  (Un  Homme  et  Une  Femme).  Direção  de  Claude  Lelouch. França: Warner Bros. 1966. 102 min., color, VHS  Sinopse disponível em    Acessado  em:  16/12/2006.  D o c u m e n to s  o n  l i n e :  www.benjamimofilme.com.br. Acesso em: 30/11/2006  www.chicobuarque.com.br. Acesso em: 30/11/2006
RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar

Diabetes mellitus: avaliação do grau de conhe..

Livre

Feedback