A incubadora em cooperativas do NESTH/UFMG - aproximações para se compreender os processos de incubação: um estudo de caso

 0  7  100  2017-01-25 02:32:25 Report infringing document

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

  Essas experiências citadas acima têm enriquecido o nosso aprendizado acerca do tema incubadora, e tem feito com que exista, de nossa parte, uma adesão cada vezmaior à idéia inicial de que as incubadoras de empresas e, depois, de cooperativas, se caracterizam como um instrumento poderoso para alavancar empreendimentoseconômicos e promover a geração de empregos e renda. Como cita o relatórioparcial do Programa Nacional de Cooperativas (PRONINC), de agosto de 2004 a fevereiro de 2005: No estágio atual de desenvolvimento dos projetos de incubação de cooperativas sociais na UFMG não se constitui ainda uma unidadeorganizacional vinculatória de todas as iniciativas desta natureza que se encontram em andamento em mais de uma unidade acadêmica.

Introdução

  Essas experiências citadas acima têm enriquecido o nosso aprendizado acerca do tema incubadora, e tem feito com que exista, de nossa parte, uma adesão cada vezmaior à idéia inicial de que as incubadoras de empresas e, depois, de cooperativas, se caracterizam como um instrumento poderoso para alavancar empreendimentoseconômicos e promover a geração de empregos e renda. Como cita o relatórioparcial do Programa Nacional de Cooperativas (PRONINC), de agosto de 2004 a fevereiro de 2005: No estágio atual de desenvolvimento dos projetos de incubação de cooperativas sociais na UFMG não se constitui ainda uma unidadeorganizacional vinculatória de todas as iniciativas desta natureza que se encontram em andamento em mais de uma unidade acadêmica.

Capítulo 1 Incubadoras: possibilidade de desenvolvimento e a inclusão

  Em algumas partes do Brasil, desde o início da década de 1980, começam a surgir, de forma espontânea, empresas formadas por equipes de pesquisadores, devidoao domínio de certas áreas de novas tecnologias, como conseqüência, principalmente, da participação em áreas de P&D em universidades e instituições de pesquisa(ALMEIDA, 2004; SANTOS, 1998). Como podemos observar, até então não se tinha a pretensão de usar esse modelo de instituição – incubadoras de empresas – para a geração de empregos emmassa ou para atender a demandas por reinserção de trabalhadores ou mesmo para abrir oportunidades de empregos para pessoas sem experiência empresarial.

Capítulo 2 – A Psicossociologia e a Economia Solidária: colocando um “campo” em análise (referencial teórico-metodológico)

  Tendo sido a primeira Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) a surgir no Brasil, a incubadora da COPPE/UFRJ aparece com essa finalidade de apoio: A Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares é um projeto que surge em meados da década de 90 para organizar e qualificardesempregados históricos – trabalhadores que têm o seu projeto de sobrevivência no mundo informal da economia. (BARROS, 2004:191) Esse novo modelo de incubadora se propõe a atuar na formação de trabalhadores, com vistas à sua inserção no mercado de trabalho, pela via de empresascom práticas de autogestão e cooperativismo, significando que as novas formas de organização de trabalho que (re)surgem começam a encontrar pontos de sustentação.

Conclusão

  A primeira delas se refere ao fato de que o processo de criação de empresas, tanto em países desenvolvidos como em processo de desenvolvimento, depende de umaconjuntura que lhe seja favorável, como ocorre no caso do empreendedorismo norte- americano, abordado de forma mais pormenorizada neste trabalho. Também vale dizer que projetos como asIncubadoras de empresas e de cooperativas trazem a universidade para dentro de uma discussão que talvez seja a mais complexa e abrangente da atualidade: a crise dotrabalho e formas possível, se não de resolve-la totalmente, mas ao menos ameniza-la.

Bibliografia

  Sobre Concepção de Incubadora Universitária de Empreendimentos de Economia Solidária da UNITRABALHO e Sobre a Metodologia de Incubação. A I NCUBADORA DE C OOPERATIVAS DONESTH/UFMG – APROXIMAđỏES PARA SE COMPREENDER OS PROCESSOS DE INCUBAđấO :UM ESTUDO DE CASO Wallasce Almeida Neves Anexo V Pesquisa:“As ITCPs – Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares como alternativas para o Desenvolvimento Social e Econômico de Cooperativas”.

Roteiro de entrevista

RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar
Tags

A incubadora em cooperativas do NESTH/UFMG -..

Livre

Feedback