Acurácia dos achados ultrassonográficos do câncer de mama: correlação da classificação BI-RADS® e achados histológicos.

 1  3  6  2017-01-29 09:29:26 Report infringing document
Artigo Original Original Article Acurácia da ultrassonografia no câncer de mama Acurácia dos achados ultrassonográficos do câncer de mama: correlação da classificação BI-RADS® e achados histológicos* Accuracy of sonographic findings in breast cancer: correlation between BI-RADS® categories and histological findings José Hermes Ribas do Nascimento1, Vinicius Duval da Silva2, Antonio Carlos Maciel3 Resumo OBJETIVO: O objetivo geral do estudo é avaliar a acurácia da ultrassonografia (BI-RADS) no diagnóstico do câncer de mama, e os objetivos específicos, descrever a frequência de apresentação dos diferentes achados ultrassonográficos e a avaliação da concordância entre observadores. MATERIAIS E MÉTODOS: Exames de 110 pacientes encaminhados para biópsia, com diagnóstico prévio de nódulos, foram reanalisados independentemente por dois médicos especialistas utilizando a nomenclatura do BI-RADS. Os achados histológicos foram utilizados como padrão-ouro. A acurácia dos achados foi determinada. As diferenças nos grupos de comparação foram analisadas com teste qui-quadrado para variáveis categóricas e a concordância entre os κ). RESULTADOS: Cento e dez massas mamárias foram médicos foi calculada por meio da estatística kappa (κ avaliadas pelo ultrassom, sendo que 76 (69%) foram benignas e 34 (30,9%), malignas. Foram observados, entre os radiologistas, sensibilidade variando entre 70,5% e 82,3%, valor preditivo negativo entre 81,1% e 87,5%, valor preditivo positivo entre 42,1% e 45,1%, especificidade entre 56,58% e 55,2% e acurácia entre 60,9% e 63,6%. Na avaliação entre observadores foi obtida concordância global considerada modeκ = 0,50). CONCLUSÃO: O BI-RADS 4ª edição é um acurado sistema para auxiliar os médicos na desrada (κ crição das lesões mamárias e na tomada de condutas. Unitermos: Câncer de mama; Ultrassonografia; BI-RADS; Anatomopatológico; Acurácia. Abstract OBJECTIVE: The main purpose of the present study is to evaluate the accuracy of ultrasonography (BI-RADS) in the diagnosis of breast cancer whereas the additional specific objectives are to describe the frequency of different sonographic findings and evaluating interobserver agreement. MATERIALS AND METHODS: Images of 110 patients who had been referred for biopsy with previous diagnosis of breast nodules were independently reviewed by two specialists according to the BI-RADS classification. Histological findings were utilized as a gold-standard. The accuracy of findings was determined. The chi-squared test for categorical variables was utilized in the analysis of the differences resulting from the groups comparison, and the interobserver agreement κ) statistics. RESULTS: Among 110 breast masses evaluated by ultrasonography, was calculated with kappa (κ 76 (69%) were benign and 34 (30.9%) were malignant. According to the radiologists, the sensitivity ranged from 70.5% to 82.3%, negative predictive value, from 81.1% to 87.5%, positive predictive value, from 42.1% to 45.1%, specificity from 56.58% to 55.2%, and accuracy from 60.9% to 63.6%. The global κ = 0.50). CONCLUSION: The fourth edition of BIinterobserver agreement was considered as moderate (κ RADS provides radiologists with an accurate clinical decision support system for the diagnosis and management of breast disease. Keywords: Breast cancer; Ultrasonography; BI-RADS; Anatomopathological; Accuracy. Nascimento JHR, Silva VD, Maciel AC. Acurácia dos achados ultrassonográficos do câncer de mama: correlação da classificação BI-RADS® e achados histológicos. Radiol Bras. 2009;42(4):235–240. * Trabalho realizado na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil. 1. Mestre, Médico Radiologista, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil. INTRODUÇÃO 3. Chefe do Serviço de Radiologia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Médico Radiologista do Serviço de Radiologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil. A ultrassonografia é considerada, adjunto à mamografia e ao exame clínico, o exame mais eficaz para o diagnóstico de doenças mamárias(1). Isto se deve à evolução tecnológica dos aparelhos, como transdutores real time de alta frequência digital Endereço para correspondência: Dr. José Hermes Ribas do Nascimento. Rua Marechal Floriano, 774, Meller Sul. Santo Ângelo, RS, Brasil, 98801-650. E-mail: josehermesribas@ hotmail.com Recebido para publicação em 27/12/2008. Aceito, após revisão, em 22/4/2009. 2. Doutor, Médico Patologista, Professor Adjunto da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil. Radiol Bras. 2009 Jul/Ago;42(4):235–240 0100-3984 © Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem de 7,5 MHz, 10 MHz e 13 MHz, e imagens harmônicas. Esses transdutores com múltiplas frequências oferecem alta resolução, penetração em profundidade e elevado número de linhas de varredura(2,3). Embora a ultrassonografia mamária tenha sido usada historicamente para diferenciar lesões sólidas de líquidas, é crescente o interesse para a diferenciação de massas benignas de malignas. Também se tornou ferramenta valiosa na caracterização de 235 Nascimento JHR et al. nódulos encontrados na mamografia, evitando, dessa forma, a realização de biópsia desnecessária e eliminando a necessidade de mamografia de controle(4–6). A sensibilidade da ultrassonografia mamária tem sido referida como sendo superior à da mamografia(7,8) em mamas pré-menopausal e, recentemente, o rastreamento ultrassonográfico tem sido também recomendado para mamas densas(9). Estudos têm demonstrado a utilidade do ultrassom para a detecção de carcinomas não palpáveis, ocultos clinicamente e mamograficamente(10,11). O léxico para descrever as massas mamárias pela ultrassonografia, avaliando as categorias do Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RADS®), foi desenvolvido pelo Colégio Americano de Radiologia para aumentar a eficácia clínica da ultrassonografia e para padronizar os termos e relatórios. Existe um vocabulário específico para a descrição de cada lesão e, ao final do laudo, é atribuída uma classificação, em categorias que variam de 0 a 6, conforme o grau de suspeição dos achados, baseado no valor preditivo positivo (VPP) do exame para câncer de mama(12–14). O BI-RADS léxico inclui a descrição ultrassonográfica de nódulos ou massas mamárias levando em consideração contornos, orientação, margens, limites das lesões, modelos dos ecos internos, caracterização da sombra acústica posterior, bordas e alteração dos tecidos circunvizinhos. Ao final da descrição é designada uma categoria(13,15). A proposta principal deste estudo foi avaliar a acurácia da classificação BI-RADS ultrassonográfica na diferenciação de lesões benignas de massas malignas. Os objetivos secundários foram a descrição da frequência de apresentação dos diferentes achados ultrassonográficos e a avaliação da concordância entre observadores. cialistas em diagnóstico por imagem da mama. Cada especialista, com mais de dez anos de experiência profissional, curso de residência em radiologia, título de especialista e/ou curso de habilitação em mamografia pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR), cegados, utilizou a nomenclatura, avaliação e recomendação do BI-RADS e o último léxico para ecografia. Posteriormente, os exames reavaliados foram comparados aos exames anatomopatológicos. O exame ultrassonográfico foi realizado com aparelhos de alta resolução Sonoline G50 (Siemens Medical Solutions; Berlin, Alemanha), com transdutores de 7,5 MHz e 10 MHz, lineares array. A acurácia da classificação BI-RADS na ultrassonografia foi avaliada mediante cálculos de sensibilidade, especificidade, VPP e valor preditivo negativo (VPN), para cada uma das características descritas, e na diferenciação entre lesões benignas e massas malignas. Os achados histológicos foram utilizados como critério padrão. A concordância entre os médicos para as categorias finais e separadamente para cada categoria foi calculada pela estatística kappa (κ) e as diferenças nos grupos de comparação foram analisadas com teste qui-quadrado para variáveis categóricas. O BI-RADS léxico ultrassonográfico considera as seguintes descrições ultrassonográficas para a caracterização do nódulo: contornos, margens, orientação do nódulo em relação à pele, bordas da lesão, modelos dos ecos internos, característica acústica posterior e alterações dos tecidos circunvizinhos. Após descrição das lesões de acordo com os critérios do BI-RADS, todas as lesões foram classificadas nas categorias 3, 4 ou 5 (Quadro 1). Na categoria 3 foram incluídas as lesões com contorno (formas) ovalado ou redondo, como orientação paralela ao eixo da pele, margens circunscritas, interface bem definida, ausência de sombra acústica posterior ou com reforço acústico posterior e ausência de alteração em tecidos adjacentes. As lesões que apresentaram associação de, pelo menos, três sinais de malignidade pelo BIRADS foram classificadas na categoria 5, como contorno irregular, orientação não paralela ao eixo da pele, margem não circunscrita, presença de halo hiperecoide, presença de sombra acústica posterior e presença de alteração em estruturas vizinhas. Na categoria 4 do BI-RADS foram incluídas as lesões que não atenderam aos critérios de benignidade e não tiveram a combinação de três sinais de malignidade, sendo então, indeterminadas. A idade do paciente, o tamanho de cada lesão e seu sítio foram também considerados. Os achados histológicos foram comparados com as características sonográficas. Os diagnósticos de acurácia, sensibilidade, especificidade, VPP e VPN do BIRADS léxico ultrassonográfico foram calculados, incluindo a categoria 3 no grupo benigno, unificando a classe 4 (provavelmente benigno) e classe 5 no grupo de malignos. Os VPPs e VPNs para cada classe e descrição foram obtidos. RESULTADOS Cento e dez massas mamárias foram incluídas no presente estudo, sendo 108 de pacientes do sexo feminino e duas de pacientes do sexo masculino. Todas as lesões foram analisadas por ultrassonografia e submetidas, posteriormente, ao estudo histológico. A média de idade dos pacientes foi de 49,67 ± 12,09 anos. Quadro 1 Conduta final conforme a classificação BI-RADS(12). MATERIAIS E MÉTODOS Avaliação incompleta Categoria 0 (zero): necessita avaliação adicional por imagem Os exames de 110 pacientes, encaminhados para uma clínica localizada na região noroeste do Estado do Rio Grande do Sul para core biopsy, com diagnóstico prévio ultrassonográfico de nódulos ou massas mamárias, classificados nas categorias 3, 4 ou 5 do BI-RADS, foram reavaliados independentemente por dois médicos espe- 236 Avaliação completa Categoria 1: negativa Categoria 2: achados negativos Categoria 3: achados provavelmente benignos – sugere seguimento em curto intervalo de tempo Categoria 4: sugestivo de anormalidade – biópsia deve ser considerada (indeterminada) Categoria 5: altamente sugestivo de malignidade – conduta apropriada deve ser tomada Categoria 6: doença comprovadamente maligna por biópsia Radiol Bras. 2009 Jul/Ago;42(4):235–240 Acurácia da ultrassonografia no câncer de mama Com base na categorização do BI-RADS ultrassonográfico, os casos foram classificados da seguinte forma: pelo observador A – 53 (48,18%) classificados na categoria 3, 39 (35,46%) classificados na categoria 4 e 18 (16,4%) classificados na categoria 5; pelo observador B – 48 (43,64%) classificados na categoria 3, 44 (40%) classificados na categoria 4 e 18 (16,4%) classificados na categoria 5. Nenhum caso foi classificado nas categorias 0, 1, 2 e 6. De todos os casos estudados, 76 (69%) foram benignos e 34 (30,9%) foram malignos, ao exame anatomopatológico. Para o observador A, o VPN foi de 81,1%, o VPP, de 42,1%, a sensibilidade, de 70,6%, a especificidade, de 56,5% e a acurácia, de 60,9%. Para o observador B, o VPN foi de 87,5%, o VPP, de 46,6%, a sensibilidade, de 82,3%, a especificidade, de 55,2% e a acurácia, de 63,6% (Tabelas 1 e 2). Tabela 1 Distribuição dos resultados falso- e verdadeiro-positivos e falso- e verdadeiro-negativos baseados no diagnóstico patológico e diagnóstico discriminado indicado – observador A. Doença positiva Doença negativa (%) n (%) 33 (57,89) FP 57 (100) 43 (81,13) VN 53 (100) 76 (69,1) 110 (100) (%) n 24 (42,11) VP 10 (18,87) FN 34 (30,9) Resultado do teste n T+ (classificação 4, 5) T – (classificação 3) Total Total Fórmula % Sensibilidade VP/(VP + FN) 70,59 (com doença e teste positivo) Especificidade VN/(VN + FP) 56,58 (sem doença e teste negativo) Valor preditivo positivo VP/(VP + FP) 42,1 Valor preditivo negativo VN/(VN + FN) 81,1 (VP + VN)/Total 60,9 Parâmetros Acurácia T+, teste positivo (lesão avaliada na classificação 4 ou 5); T–, teste negativo (lesão avaliada na classificação 3); VP, verdadeiro-positivo; FP, falso-positivo; VN, verdadeiro-negativo; FN, falso-negativo. Tabela 2 Distribuição dos resultados falso- e verdadeiro-positivos e falso- e verdadeiro-negativos baseados no diagnóstico patológico e diagnóstico discriminado indicado – observador B. Doença positiva Características dos nódulos ultrassonográficos Os nódulos ultrassonográficos foram analisados e demonstrados de acordo com as seguintes características morfológicas: contornos das lesões, margens das lesões, modelos dos ecos internos, orientação do nódulo em relação ao eixo da pele, característica acústica posterior, bordas das lesões e tecido circunvizinho(14). Doença negativa Total Resultado do teste n (%) n (%) n (%) T+ (classificação 4, 5) 28 (45,16) VP 34 (54,84) FP 62 (100) T – (classificação 3) 6 (12,5) FN 42 (87,5) VN 48 (100) Total 34 (30,9) 76 (69,1) 110 (100) % Fórmula Parâmetros Sensibilidade VP/(VP + FN) 82,3 (com doença e teste positivo) Especificidade VN/(VN + FP) 55,2 (sem doença e teste negativo) Valor preditivo positivo VP/(VP + FP) 45,1 Valor preditivo negativo VN/(VN + FN) 87,5 (VP + VN)/Total 63,6 Acurácia T+, teste positivo (lesão avaliada na classificação 4 ou 5); T–, teste negativo (lesão avaliada na classificação 3); VP, verdadeiro-positivo; FP, falso-positivo; VN, verdadeiro-negativo; FN, falso-negativo. a) Avaliação das formas das lesões As lesões foram redondas, segundo o observador A, em 71 casos, ovais em 13 casos e irregulares em 25 casos. Dos 71 casos de lesões redondas, 83,1% foram benignas e 16,9%, malignas. Dentre as lesões irregulares, 21 foram malignas e 4 foram benignas, para um VPP de 84%. O VPN para as lesões ovais foi de 42,9% e para as lesões redondas foi de 83,1%. Segundo o observador B, a forma arredondada foi descrita em 67 massas, oval em 22 e irregular em 21. Das 67 lesões redon- das, 76,1% foram lesões benignas e 23,9%, lesões malignas. O VPN para as lesões redondas foi de 76,1% e para as lesões ovais foi de 77,3%. Das lesões irregulares, 14 foram malignas, para um VPP de 65%. b) Avaliação das margens das lesões Segundo o observador A, as margens foram circunscritas em 68 casos e não circunscritas em 42 casos. Somente 12 (17,6%) das 68 lesões com margens circunscritas foram malignas. Apenas quatro (6%) dos casos com margens circunscritas foram classificados na categoria 5 (Tabela 3). De 42 massas, 22 com margens não circunscritas foram consideradas malignas. O VPP para margens não circunscritas foi de 52,4% e o VPN para margens circunscritas foi de 82,4%. A sensibilidade foi de 64,7% e a especificidade, de 73,7%. De acordo com o observador B, as margens foram circunscritas em 61 casos e não Tabela 3 Distribuição das margens das lesões e sua relação com a classificação BI-RADS ultrassonográfico – observador A. Categoria 3 Categoria 4 Categoria 5 Maligna Benigna Maligna Total 2 (50,0) 2 (50,0) 56 (82,4) 12 (17,6) 68 2 (14,3) 12 (85,7) 20 (47,6) 22 (52,4) 42 4 14 76 34 110 Benigna Maligna Benigna Maligna Benigna Circunscritas — n (%) 37 (84,1) 7 (15,9) 17 (85,0) 3 (15,0) Não circunscritas — n (%) 6 (66,7) 3 (33,3) 12 (63,2) 7 (36,8) 43 10 29 10 Distribuição Total Radiol Bras. 2009 Jul/Ago;42(4):235–240 Total 237 Nascimento JHR et al. Tabela 4 Distribuição das margens das lesões e sua relação com a classificação BI-RADS ultrassonográfico – observador B. Categoria 3 Categoria 4 Categoria 5 Maligna Benigna Maligna Total 1 (33,3) 2 (66,7) 49 (80,3) 12 (19,7) 61 2 (13,3) 13 (86,7) 27 (55,1) 22 (44,9) 49 3 15 76 34 110 Benigna Maligna Benigna Maligna Benigna Circunscritas — n (%) 34 (87,2) 5 (12,8) 14 (73,7) 5 (26,3) Não circunscritas — n (%) 8 (88,9) 1 (11,1) 17 (68,0) 8 (32,0) 42 6 31 13 Distribuição Total circunscritas em 49 casos. Somente 12 (19,7%) das 61 lesões com margens circunscritas foram malignas. Apenas três (4,9%) casos com margens circunscritas foram classificados na categoria 5 (Tabela 4). Foi observado que 22 de 49 casos com margens não circunscritas foram considerados malignos. O VPP para margens não circunscritas foi de 44,9% e o VPN para margens circunscritas foi de 80,3%. A sensibilidade foi de 64,7% e a especificidade, de 64,5%. c) Avaliação dos modelos dos ecos internos Segundo o observador A, os modelo dos ecos internos foram hipoecoides em 85 casos, isoecoides em 2, hiperecoides em 2 e complexos em 14 casos. Todas as lesões hiperecoides foram benignas e 71,4% dos modelos complexos foram lesões benignas. Dos 85 (77,3%) nódulos hipoecoides, 26 foram malignos, com VPP de 30,6%. Para o observador B, os modelos dos ecos internos foram hipoecoides em 79 casos, isoecoides em 2, hiperecoides em 5 e complexos em 17 casos. Em particular, o modelo complexo representou 15 (92,8%) dos modelos das categorizações 4 e 5. Todas as lesões hiperecoides foram benignas e 58,8% dos modelos complexos foram lesões benignas. Dos 79 (71,8%) nódulos hipoecoides, 22 foram malignos, com VPP de 27,8%. d) Avaliação da orientação resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 21. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 22. Melo RM, Bottno MA, Galvã RKH, Soboyejo WO. Bond strengths, degree of conversion of the cement and molecular structure of the adhesive–dentine joint in fibre post restorations. J Dent 2012;40:286-94. 23. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 24. Anusavice KJ. Phillips RW. Science of dental materials. 11th, 2003. 25. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper dent 1994;19:165-8. 27 4 ARTIGOS CIENTÍFICOS 4.2 ARTIGO 2 28 Title: Influence of light transmission through fiber posts on the microhardness and bond strength Authors: Morgan LFSA, Gomes GM, Poletto LTA, Ferreira FM, Pinotti MB, Albuquerque RC. Abstract Introduction: The aim of this study was to investigate the influence of light transmission through fiber posts in microhardness (KHN) and bond strength (BS) from a dual cured resin cement. Methods: Five fiberglass posts of different types and manufacturers represent a test group for the analysis of KHN (N=5) and BS and their displacement under compressive loads (N = 8). For the analysis of KHN a metallic matrix was developed to simulate the positioning of the cement after the cementation process intra radicular posts. The resistance to displacement, which will provide data of BS was measured using bovine incisors. After cementation, cross sections of the root portion of teeth in space led to post 1mm discs that have been tested for BS. The values were statistically analyzed by ANOVA, followed by Tukey's (P <0.05) between groups for KHN and BS. Results: The results showed no statistical differences for the different posts in KHN. For BS, the sum of thirds, a translucent post showed the highest values. Comparative analysis between the thirds of each post also showed statistically significant differences when comparisons of the same post-thirds showed no differences. Conclusion: For the cement used, the amount of light transmitted through the post did not influence the KNH nor the BS significantly, among the different posts and thirds evaluated. Key Words: light transmission, dental posts, microhardness, bond strength. 29 Introduction The use of pre-fabricated posts in the reconstruction of endodontically treated teeth, whose main objective is to retain the material reconstruction and minimize the occurrence and complexity of fractures, is well established in the literature (1). Clinically, the mechanical and chemical characteristics of fiber posts justify their usage (2). In relation to resin cements, three options regarding the method of polymerization are available: self-polymerizing, light-cured or dual polymerization (dual). Understanding the mechanism of polymerization of these systems (3) the choice of materials that do not depend on light seems to be more reliable for cementing intra radicular fiber posts. To investigate the capability of transmitting light by translucent post is the target of several recent authors (4-9). Most studies point to the decrease in light intensity (LI) by increasing the root depth. Quantitative assessments of LI, hardness, elastic modulus and degree of conversion can be found in these works. Undesirable effects of incomplete polymerization of the resin cements are of biological (10-12) due to toxicity, and mechanical (8,9,13-15), due to low bond strength values are described in the literature. The aim of this study is to investigate the effect of light transmission through fiber posts in Knoop microhardness number (KHN) and bond strength (BS) of a dual resin cement. The null hypothesis is that there is no statistically significant difference in KHN and BS for different depths evaluated for the dual resin cement following cementation of translucent posts. Material e Methods Five different fiber posts of two types and one resin cement were involved (Table 1). 30 Table 1 – Description of the posts and cement used. Post Manufacturer/Lote Type Quimical composition FGM Produtos Odontológicos Glass Fibers (80% ± 5), epoxy resin (20% ± 5), silica, silane and T1 Translucent (Brazil)/140410 polymerising promoters. Bisco, INC T2 Translucent (EUA)/0800007811 Glass Fibers (55%), Epoxy (45%). TetraethyleneglycolDimethacrylate (7.6%), Urethane Ivoclar-Vivadent Dimethacrylate (18.3%), Silicium Dioxide (0.9%), Ytterbium T3 Translucent (Liechtenstein)/M72483 Fluoride (11.4%), catalysers and stabilisers (<0.3%). Glass Fibers. C1 Ângelus (Brazil)/14818 Conventional Glass Fibers (87%), Epoxy resin (13%). C2 Ângelus (Brazil)/14874 Conventional Carbon Fibers (79%), Epoxy Resin (21%). Resin Cement Rely-X Unicem 3M ESPE (USA)/372990 Self-etch/ Dual Cure Powder: glass particles, initiators, sílica, substituted pyrimidine, calcium hidroxide, peroxide composite and pigment; liquid: metacrylate phosphoric acid Ester, dimethacrylate, acetate, stabilizer and initiator. White Post DC (FGM, Joinville, SC-Brazil), DT Light Post (Bisco, Inc, Schaumburg, ILUSA) and FRC Postec Plus (IvoclarVivadent, Liechtenstein) with similar compositions but with different amounts of chemical components, represent translucent (T) type, T1, T2 and T3 respectively. Exacto and Reforpost Carbon Fiber (Both Ângelus, Londrina, Pr-Brazil) with different compositions but opaque, represent conventional (C) type, C1 and C2 respectively. The posts were cut to standard height of 16 mm for both analysis, KHN and RA. KHN measurements The assessments targeted three different depths, namely: cervical third (CT), at a 4.1 to 6.8mm depth; middle third (MT), at an 8.8 to 11.5mm depth; and apical third (AT), at a 13.5 to 16mm depth. 31 A metallic apparatus matrix was designed and manufactured to support the posts, resin cement, and the tip of a curing light unit. Such a metallic apparatus consisted of four parts as showed in figure 1. Figure 1. Metallic matrix: (a) a frame, which contained the posts (e), (b) a support to standardize the position and volume of resin cement, (c) a support to standardize the length of each three third deep post regions and stabilize the set, (d) and an external cylinder, which holds the other part as well as incorporates the tip of curing light unit (f) at the top and also obstructs the influence of external sources of light. Patented CTIT/UFMG (BR 20 2012 015542 2). The frames were manufactured in the exact dimensions of each post by means of an electro erosion machining. Aimed at standardizing the quantitative radial light transmission, each third of the posts contained a 120-degree lateral side opening. The three thirds, were supposed to be assessed simultaneously. The measurement of all thirds, one at a time, was possible because the matrix allowed the removal of the resin cement blocks, separately, after polymerization, without destroying them. The matrix’s internal structure provided an adequate separation of each 32 third, which permitted their accurate evaluation. Each one was 1,6mm wide and 2,70 mm length. The major concern about this matrix was that the cement was inserted directly in projected spaces, in order to minimize the formation of bubbles. The posts were isolate from cement by a polyester strip. The time of light exposure was 40 seconds, and the LI remained above 420mW/cm2. The light curing unit used was Curing Light 2500(3M ESPE, USA). The set consisting of the curing light unit, the matrix, the post and the resin cement remained still throughout the assessments. After ten minutes, including 40s photopolymerization, the specimens were removed from the matrix and were immediately included in pre-molds (Buehler, USA) with crystal resin with black pigment and were poured into the device by using a Cast N’vac (Buehler, USA). After the cure of crystal resin, the specimens were removed from the pre-molds and stored dry, out of reach of light during 7 days. The surface to be analyzed was sequentially polished with # 320 to 1200-grit SiC papers and felt with diamond polish paste (Buehler, USA). A control group, using T1, was made of the same method but without a photopolymerization. KHN measurement was performed by a Micromet 5104(Buehler, Japan) using a static load of 50g for 10s. Sequentially, three indentations were performed for each third of each group. The values were obtained from the reading of the average of three indentations oriented long axis of the resultando  em  um  filme  que  tem  como  motivação  as  vinganças da  mesma.  O  personagem Benjamim perde a relevância que tem no romance e o espectador  não fica imerso em tantas dúvidas, como o leitor da narrativa indicial de Chico.  As  páginas  que  não  afirmavam  a  culpa  de  Benjamim  pela  morte  de  Castana 96  Beatriz, nem a ascendência de Ariela, são transformadas em cenas de certezas  e afirmações que, em parte, excluem a narrativa indicial do primeiro autor.  Todas  as  transformações  que  a  cineasta  efetua  na  obra  de  Chico  para  elaborar  seu  filme  são  refletidas  nos  outros  textos  que  permeiam  e  dialogam  com as duas obras: capas, o site oficial de Chico Buarque e do filme Benjamim,  as  críticas  expostas  na  mídia.  Esses  outros  textos  —  sejam  eles  metatextos,  paratextos  ou  arquitextos  —  dialogam  transtextualmente  com  os  processos  que  fazem  do  romance  um  filme.  Todas  as  transformações  executadas  pela  cineasta  na  obra  do  autor  são  também  difundidas  nos  outros  textos  que  circundam  o  processo.  Tudo  isso  constrói  uma  extensa  e  infinita  rede  transtextual,  que  produz  um  diálogo  não  só  entre  as  obras  de  Chico  e  Gardenberg, mas também entre elas e outros textos.  Observar  a  obra  de  Chico  Buarque  com  esses  parâmetros,  faz­nos  perceber também a ausência de limites entre as artes e linguagens. O romance  Benjamim,  imerso  num  tom  cinematográfico,  ao  mesmo  tempo  em  que  se  transforma  na  criação  de  Gardenberg,  parece  justamente  chegar  à  sua  linguagem  ideal:  o  cinema.  A  rede  de  flashbacks  imaginada  por  Chico,  para  contar  a  história  de  um  ex­modelo  fotográfico  que  se  duplicou  na  juventude  e  assiste  a  sua  existência  como  se  fosse  um  filme  produzido  por  uma  câmera  imaginária,  cresce  nas  lentes  reais  de  Monique  Gardenberg:  o  romance  de  Chico,  por  meio  do  filme  Benjamim,  chega,  de  fato,  à  linguagem  tematizada  em sua criação. Por sua vez, ao perceber os vestígio do cinema no romance e  aventurar­se  na  adaptação  fílmica,  com  o  cuidado  de  recriar  sempre  inspirada  pelo  primeiro  autor,  Monique  Gardenberg  põe  em  cartaz  a  essência  hipertextual de Chico Buarque de Hollanda. R e f e r ê n c i a s :  97  BARROS,  Leila  Cristina;  CASTELLO  BRANCO,  Lúcia.  Desencontro,  amor  e  feminino  em  Benjamim,  de  Chico  Buarque.  2001.  Dissertação  de  mestrado,  Universidade Federal de Minas Gerais.  BARTHES,  Roland.  Introdução  à  análise  estrutural  da  narrativa.  In:  Análise  estrutural  da  narrativa:  seleção  de  ensaios  da  revista  Communications.  Trad.  Maria Zélia Barbosa Pinto. Petrópolis: Vozes, 1971.  BARTHES,  Roland.  Obra  de  massa  e  explicação  de  texto.  In:  PERRONE­  MOISÉS,  Leyla  (org).  Inéditos,  V.1  —  Teoria.  São  Paulo:  Editora  Martins  Fontes, 2004. p. 51­55.  BARTHES,  Roland.  Texto  (teoria  do).  In:  PERRONE­MOISES,  Leyla  (org).  Inéditos, V.1 — Teoria. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2004. p. 261­289.  BARTOLOMEI,  Marcelo.  Paulo  José  “vence”  Parkinson  e  Cléo  Pires  estréia  no  cinema, disponível na Folha Online. Acesso em: 01/04/04.  BENJAMIN,  Walter.  A  tarefa  do  tradutor.  Trad.  Suzana  K.  Lages.  In:  HEIDERMANN,W.  (org.).  Clássicos  da  teoria  da  tradução.  Florianópolis:  UFSC  NUT, 2001. p. 189­215.  BERNARDET,  Jean­Claude.  O  que  é  cinema.  São  Paulo:  Editora  Nova  Cultural  Brasiliense, 1985.  BRITO, João batista de. Chico Buarque no cinema. In: Chico Buarque do Brasil.  São Paulo: Garamond Editora, 2004.  BUARQUE, Chico. Benjamim. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.  BUARQUE, Chico. Budapeste. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.  BUARQUE,  Chico,  GUERRA,  Ruy.  Calabar:  o  elogio  da  traição.  São  Paulo:  Civilização Brasileira, 1973.  BUARQUE, Chico. Estorvo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.  BUARQUE,  Chico,  PONTES,  Paulo.  Gota  d'água.  Rio  de  Janeiro:  Civilização  Brasileira, 1975.  BUARQUE, Chico. Ópera do malandro. São Paulo: Círculo do Livro, 1978.  CATTRYSSE,  Patrick.  Film  (adaptation)  as  translation:  some  methodological  propoals.  In:  TARGET  v.4,  n.1.  Amsteram/Philadelphia:  Jonh  Benjamins  Publhishing Company, 1992. p. 55­90. 98  COMODO,  Roberto.  Câmera  invisível.  Revista  Isto  é,  São  Paulo,  n.  1367,  p.124­125, 13 dez 1995.  COMPAGNON,  Antoine,  Trad.  MOURÃO,  Cleonice  Paes  Barreto.  O  demônio  da  teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.  DINIZ,  Thaïs  Flores  Nogueira.  Literatura  e  Cinema:  tradução,  hipertextualidade,  reciclagem.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras  da  UFMG,  2005.  FERNANDES,  Rinaldo  de.  Chico  Buarque  do  Brasil.  São  Paulo:  Garamond  Editora, 2004.  GARDENBERG,  Monique.  In:  Prees  Book  do  filme  Benjamim.,  2003.  Distribuição:  EUROPA  Filmes.  Disponível  em  http://www.benjamimofilme.com.br/, acesso em: 11/04/06.  GENETTE, Gerard. Palimpsestes: la litterature au second degre. Paris: Editions,  1981.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva Voz. Trad. Luciene Guimarães e Maria Antônia Ramos Coutinho. Extratos:  capítulos  1,  2,  7,  40,  41,  45,  80.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras/UFMG,  2005.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva  Voz.  Trad.  Cibele  Braga,  Mariana  Arruda  e  Miriam  Vieira.  Extratos:  capítulos 8, 13, 38, 47, 48, 49, 53, 54, 55, 57.  Belo Horizonte: Faculdade de  Letras/UFMG, 2007. No prelo.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de.  A  banda:  manuscritos  de  Chico  Buarque  de  Hollanda. Rio de Janeiro: 1966.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de,  KEATING,  Vallandro.  A  bordo  do  Rui  Barbosa.  São Paulo: Palavra e Imagem, 1981.  MARQUÉZ,  Gabriel  García.  Cem  anos  de  solidão.  Trad.  Eliane  Zagury.  Rio  de  Janeiro: O Globo, 1967.  MCFARLANE.  Brian.  Novel  to  film:  an  introduction  to  the  theory  of  adaptation.  Oxford University Press, 1996.  MENESES,  Adélia  Bezerra  de.  Desenho  mágico:  poesia  e  política  em  Chico  Buarque. São Paulo: HUCITEC, 1982. 99  OLIVEIRA,  Solange  Ribeiro  de.  De  mendigos  e  malandros:  Chico  Buarque,  Bertold  Brecht  e  John  Gay ­  uma  leitura  transcultural.  Ouro  Preto:  Ed.  UFOP,  1999.  OLIVERA,  Luciene  Guimarães  de,  QUEIROZ,  Sônia  Maria  de  Melo.  A  Bela  e  a  Fera  ou  a  ferida  grande  demais  de  Clarice  Lispector:  transtextualidade  e  transcrição.  2005.  Dissertação  de  mestrado.  Universidade  Federal  de  Minas  Gerais.  PEREIRA, Helena Bonito Couto. Duas personagens, dois tempos, duas versões:  Benjamim  em  livro  e  em  filme.  In:  Revista  Aletria.  Belo  Horizonte:  Ed.  UFMG,  [s.d]. No prelo.  PESSOA,  Stella.  Quem  é  Chico  Buarque  de  Hollanda.   Acesso em: 30/05/06.  QUEIROZ, Sônia (org). Estilos. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2002.  RUIZ,  Simone.  Benjamim  é  videoclipe  de  Cléo  Pires,  disponível  no  site  Adoro  cinema brasileiro. Acesso em: 30/09/03.  SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.  SILVA,  Fernando  de  Barros  e.  Filme  de  Monique  Gardenberg  gera  encanto  retardado, disponível na Folha Online. Acesso em: 02/04/04.  WERNECK,  Humberto.  Tantas  palavras.  São  Paulo:  Companhia  das  letras,  2006. F i l m o g r a f i a :  100  BENJAMIM.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Rio  de  Janeiro:  Natasha  Produções e Duetos Filmes. 2003. 108 min., color, DVD.  BRASIL  ANO  2000.  Direção  de  Walter  Lima  Jr.  Rio  de  Janeiro:  2000  Film,  Claude­Antoine e Mapa Filmes. 1969. 95 min., color, VHS.  Sinopse disponível em  http://www.geocities.com/filmescopio/filmes/ano2000.htm>  Acesso  em:  16/12/2006.  ESTORVO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Rio  de  Janeiro:  Riofilme.  2000.  95  min.,  color, VHS.  JENIPAPO. Direção de Monique Gardenberg. 1996. 100min., color, VHS.  Ó  PAÍ,  Ó.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Salvador:  Globo  Filmes  e  Duetos  Filmes.  2007.  98  min.,  color,  exibido  nas  salas  de  cinema  de  Belo  Horizonte  em abril de 2007.  OS  SALTIMBANCOS  TRAPALHÕES.  Direção  de  J.B.  Tanko.  Brasil:  Renato  Aragão Produções. 1981. 99min., color, DVD.  ÓPERA  DO  MALANDRO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Brasil:  Austra  Cinema  e  comunicações,  MK2  Productions  e  TF1  Films  Productions.  1985.  100  min.,  color, DVD.  UM  HOMEM,  UMA  MULHER  (Un  Homme  et  Une  Femme).  Direção  de  Claude  Lelouch. França: Warner Bros. 1966. 102 min., color, VHS  Sinopse disponível em    Acessado  em:  16/12/2006.  D o c u m e n to s  o n  l i n e :  www.benjamimofilme.com.br. Acesso em: 30/11/2006  www.chicobuarque.com.br. Acesso em: 30/11/2006
RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar
Tags
Câncer De Mama Ultrassonografia

Bi Rads

Anatomopatológico

Acurácia

Acurácia dos achados ultrassonográficos do câ..

Livre

Feedback