As concepções de alfabetização e letramento nos discursos e nas práticas de professoras alfabetizadoras: um estudo de caso em uma escola municipal de Belo Horizonte

 4  122  258  2017-01-13 12:34:11 Report infringing document
      KELY CRISTINA NOGUEIRA SOUTO   AS CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NOS DISCURSOS E NAS PRÁTICAS DE PROFESSORAS ALFABETIZADORAS: um estudo de caso em uma escola municipal de Belo Horizonte Belo Horizonte Faculdade de Educação da UFMG 2009       KELY CRISTINA NOGUEIRA SOUTO AS CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NOS DISCURSOS E NAS PRÁTICAS DE PROFESSORAS ALFABETIZADORAS: um estudo de caso em uma escola municipal de Belo Horizonte Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em Educação. Linha de Pesquisa: Espaços Educativos, Produção e Apropriação de Conhecimentos Orientadora: Profa. Dra. Marildes Marinho Co-Orientadora: Profa. Dra. Magda Becker Soares Belo Horizonte Faculdade de Educação da UFMG 2009         S726p Souto, Kely Cristina Nogueira. As concepções de alfabetização e letramento nos discursos e nas práticas de professoras alfabetizadoras: um estudo de caso em uma escola municipal de Belo Horizonte / Kely Cristina Nogueira Souto. - Belo Horizonte: UFMG/FaE, 2009. 256 f. Tese – Doutorado em Educação Orientadora: Profª. Drª. Marildes Marinho Co-orientadora: Profª. Drª. Magda Becker Soares 1. Alfabetização. 2. Letramento. 3. Professores – Formação. I. Título. II. Marildes Marinho. III. Magda Becker Soares. IV. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Educação. CDD –372.414 Catalogação da Fonte: Biblioteca da FaE/UFMG       Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Educação Curso Doutorado Tese intitulada As Concepções de Alfabetização e Letramento nos Discursos e nas Práticas de Professoras Alfabetizadoras: um estudo de caso em uma escola municipal de Belo Horizonte de autoria de Kely Cristina Nogueira Souto, analisada pela banca examinadora constituída pelas seguintes professoras: ___________________________________________________________________ Profa. Dra. Marildes Marinho Faculdade de Educação/UFMG – Orientadora ___________________________________________________________________ Profa. Dra. Magda Becker Soares Professora Emérita da Faculdade de Educação/UFMG – Co-Orientadora ___________________________________________________________________ Profa. Dra. Sônia Kramer Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica/PUC-RIO ___________________________________________________________________ Profa. Dra. Eliana Borges Correia de Albuquerque Faculdade de Educação/UFPE ___________________________________________________________________ Profa. Dra. Isabel Cristina da Silva Frade Faculdade de Educação/UFMG ___________________________________________________________________ Profa. Dra. Mônica Corrêa Baptista Faculdade de Educação/UFMG ___________________________________________________________________ Profa. Dra. Delaine Cafieiro (Suplente) Faculdade de Letras/UFMG ___________________________________________________________________ Profa. Dra. Ceris Salete Ribas da Silva (Suplente) Faculdade de Educação/UFMG Belo Horizonte, 19 de fevereiro de 2009                           AGRADECIMENTO ESPECIAL À Profa. Dra. Magda Becker Soares, As primeiras orientações iniciaram-se em 2004, ainda com as minhas primeiras perguntas e indagações sobre a formação dos professores, a alfabetização e o letramento. A dedicação e o compromisso com que leu todos os meus textos e me acompanhou representaram para mim muito mais que um processo de orientação – foram momentos ricos em que pude me formar como profissional, pesquisadora, professora, educadora e pessoa. O seu acompanhamento ao longo de todo o trabalho, mais sistematicamente, no período da qualificação, possibilitou que, aos poucos e com muita clareza, eu pudesse consolidar o trabalho que tanto desejei realizar. Assim chego ao final ainda com muitas dúvidas sobre tantas questões instigantes que esse trabalho possibilitou, mas com uma certeza apenas: foi um percurso bem vivido de um sentido profundo para mim.       AGRADECIMENTOS A Deus, que me deu a vida, me deu o existir. À minha família. Aos avós queridos, levados por Deus no período da realização deste trabalho. Mas o que vale é a certeza de que são eternos, estão juntos e permanecerão entre nós para sempre. Aos meus pais, meus verdadeiros companheiros. Tudo o que conquistei foi graças a eles. Exemplos de luta e dedicação diária. Amo vocês! Aos meus irmãos Ana Miriam, Marco Aurélio, pela amizade, pelo carinho e apoio incondicional nesse período. Aos cunhados Delci e Silmara, pelo respeito e amizade demonstrados. Aos sobrinhos Gabriel e Isabella, pelo carinho, afeto e amor manifestados em cada gesto. Ao Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. À Orientadora Profa. Dra. Marildes Marinho, pela leitura atenta dos meus textos, pela amizade e paciência diante das minhas inquietações. À Profa. Maria das Graças Bregunci, pela amizade, pelo ser lúdico, pela leitura e orientações, em que pude conhecer mais sobre a intuição. Aos Profs. Antonio Augusto Batista, Aracy Martins, Ceris Ribas, Francisca Maciel, Gladys Rocha, Maria Lúcia Castanheira, Maria Zélia Versiani, Maria Aparecida Paiva, pelas oportunidades, pela amizade, pelo apoio e pela confiança nos momentos em que desenvolvemos os projetos do CEALE.       Às Profas. Dra. Sônia Kramer e Dra. Izabel Cristina Frade, pela leitura atenta e pelas grandes contribuições que proporcionaram o enriquecimento do trabalho no momento do exame de qualificação e pela disponibilidade com que aceitaram compartilhar a leitura final e participar da defesa. Às Profas. Dra. Eliane Borges Correia de Albuquerque, Dra. Mônica Corrêa Baptista, Dra. Ceris Salete Ribas da Silva e Dra. Delaine Cafieiro, pela receptividade ao convite em participar da defesa como membros da banca. À Profa. Dra. Aracy Martins, pela seriedade, pelo carinho e pela atenção ao conduzir os trabalhos no período do exame de qualificação. Às Profas. Dra. Samira Zaidan e Dra. Maria de Fátima Cardoso Gomes, pela confiança e amizade demonstradas ao compartilharmos as mesmas concepções no curso de formação de professores do Laseb. À Escola Municipal onde a pesquisa foi realizada, pela colhida e respeito ao meu trabalho. Às Profas. Júlia e Stela, pela disponibilidade em me receber, permitir a minha entrada no espaço de trabalho e colaborar incondicionalmente. Às Profas. de Yoga, Isa e Olímpia, por me transmitirem e me possibilitarem vivenciar outra dimensão da condição humana. À Maria José Francisco, pela amizade construída, pelos momentos de lazer e estudos, por compartilharmos ideais comuns. Amiga e companheira em todo o percurso de doutorado, agradeço-lhe pelas valiosas contribuições ao ler os meus textos. À Elisa e Rômulo, pela amizade e carinho. Um percurso de leituras, discussões teóricas, formatação e revisões. Aos amigos queridos, João Valdir, Rita, Beto, Dade, Gil, Lalu, Lana, Mafá, Raquel, Neiva, Maria Alice, Ceris Prado, Socorro, Claudia, Dora, Necy, Romélia, Maria José, Wanda Gomes,       Wanda Mineiro e Ana Tereza, que compartilham o meio acadêmico, as leituras e os momentos de lazer e de descontração,. Aos amigos e funcionários do CEALE e do Programa de Pós-Graduação, pelo carinho e pela atenção. À direção, à supervisão, as professoras e aos amigos da Escola Municipal Francisco Bressane, pela disponibilidade em adaptar os meus horários para que este trabalho pudesse ser finalizado.       RESUMO Esta pesquisa caracteriza-se como um estudo de caso desenvolvido com duas professoras alfabetizadoras que atuam em salas de aulas com crianças de seis anos na rede municipal de Belo Horizonte. O objetivo geral é compreender os pressupostos teóricos e metodológicos que fundamentam as práticas de alfabetização com letramento, estabelecendo relações com as ações e os processos de formação inicial, continuada e a serviço dos professores. Destacamse, também, como objetivos específicos: analisar o discurso das professoras sobre o processo de alfabetização com letramento – identificar o que elas falam sobre esse processo e o que elas fazem; explicitar a concepção de alfabetização, de letramento e de alfabetização com letramento na prática de professoras alfabetizadores; analisar as relações entre a concepção teórica e a prática no trabalho desenvolvido pelas professoras alfabetizadoras; analisar os saberes nos discursos e nas práticas das professoras, identificando quais definem a orientação da proposta de trabalho nas turmas de alfabetização; descrever as estratégias organizadas pelas professoras e a natureza do material pedagógico utilizado nas práticas de alfabetização com letramento. A fundamentação teórica se sustentou nos estudos voltados para a aquisição do sistema de escrita, psicogênese, letramento e formação dos professores, especialmente os estudos de Ferreiro, Teberosky, Soares, Bakhtin, Vygotsky, Tardif, Gauthier, dentre outros. A metodologia compreende entrevistas com as professoras, observações e filmagens em sala de aula, bem como a análise desse material coletado em sala de aula de alfabetização. A observação do conjunto das aulas permitiu organizar categorias de análise que representam os eventos de alfabetização e letramento propostos pelas professoras. Essas categorias dizem respeito à apropriação do sistema de escrita, leitura, produção de textos e oralidade. Os resultados deste estudo evidenciaram que a prática de alfabetização e de letramento pode ocorrer de modo integrado ou não e que atividades específicas voltadas para a apropriação do sistema de escrita, ou seja, aquelas que possibilitam a análise da microestrutura da língua, nem sempre podem se sustentar nos textos disponibilizados em sala de aula. Fontes distintas de saberes convergem para a construção dos conceitos de alfabetização e de letramento das professoras, mas, nesta investigação, a ênfase recaiu sobre a experiência profissional junto com os colegas de trabalho, professores mais experientes, no interior da escola. O discurso das professoras realça, também, que muitas das suas práticas pedagógicas são orientadas pela intuição, a qual se torna constitutiva do exercício da profissão. O modo como fazem referência à intuição permite reconhecer que esta representa as subjetividades delas ou um modo de legitimar o próprio fazer pedagógico. Palavras-chave: Alfabetização – Letramento – Saberes docentes.       ABSTRACT This research consists of a case study developed by two teachers working with 6 years old students in municipal school classrooms in the city of Belo Horizonte. The general aim is to comprehend the theoretical and methodological assumptions that support the literacy practices, establishing relationships with the actions and the process of initial and continuous formation, and regarding the teacher’s roles. The following specific objectives are also highlighted: to analyse the teacher’s discourse about the process of learning to read and to write; to identify what they think about this process and what they do; to express the concept of learning to read and to write and the concept of literacy based on the teachers’ practices; to analyse the relationships between the theoretical conception and the practice present in the work developed by the teachers; to analyse the knowledge on the speeches and practices of the teachers that define the orientation of the work proposal; to describe the strategies arranged by the teachers and the nature of the pedagogical material used on the practices of reading and writing. The theoretical support sustained itself on the studies concerning the acquisition of the system of writing, psychogenesis of reading and writing, literacy, and the teachers academic background, especially the studies by Ferreiro, Teberosky, Soares, Bakhtin, Vygotsky, Tardif, Gauthier among others. The methodology consists of interviews with the teachers, observations and filming in classrooms, as well as the analysis of material collected in classrooms setting. The observation of the set of classes allowed the organization of analysis categories that represent the events of literacy proposed by the teachers. These categories concern the adaptation of the system of writing, reading, composition, and orality. The results of this study proved that the practice of writing language acquisition and the practice of literacy can occur in an integrated way or not and that the specific activities concerning the appropriation of the writing process, i.e., those that allow the analysis of the microstructure of the language, cannot always sustain itself on the texts available in classrooms. Distinct sources of knowledge converge into the construction of the concepts of writing and literacy by the teachers, but, on this research, the emphasis was placed on the professional experience, along with the workmates, more experienced teachers inside the school. The teacher’s speech also highlights that many of their pedagogical practices are directed by the intuition, which becomes constitutive from the practice of the profession work. The way in which they refer to the intuition makes it possible to recognize that this one represents their subjectivities or a way to legitimate the pedagogical doing itself. Keywords: learning to read and to write, Literacy, Teaching knowledge       LISTA DE SIGLAS ALFALETRA CAPE CEALE CFEI CEI EJA FAE FAFI-BH GCPF GCPP IEMG LASEB LDBEN PCN PNLD PROALFA RME-BH SEE/MG SIMAVE SMED UNB UFMG Projeto de Alfabetização e Letramento Centro de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita Curso de Formação de Educadores infantis Centro de educação Infantil Educação de Jovens e Adultos Faculdade de Educação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Gerência de Coordenação de Política Pedagógica e de Formação Gerência de Coordenação de Política Pedagógica Instituto de Educação de Minas Gerais Curso Lato Sensu de Educação Básica Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Parâmetros Curriculares Nacionais Programa Nacional do Livro Didático Programa de Avaliação da Alfabetização Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Pública Secretaria Municipal de Educação Universidade de Brasília Universidade Federal de Minas Gerais       LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 – FIGURA 2 – QUADRO 1 – QUADRO 2 – FIGURA 3 – FIGURA 4 – FIGURA 5 – FIGURA 6 – FIGURA 7 – FIGURA 8 – FIGURA 9 – FIGURA 10 – FIGURA 11 – FIGURA 12 – QUADRO 3 –   Sacola de livros afixada na parede da sala 9. 58 Painel dos combinados afixado na sala 10. 60 A organização do trabalho nas salas 9 e 10. 63 Quadro dos nomes e símbolos utilizados nas transcrições. 71 Marcação de pontinhos. 81 Imagem de rotação/inversão e uso do papel de letras . 84 Atividade da “Pinguelinha”. 89 Gato da China, poema de José Paulo Paes. 104 Capa da revista em quadrinhos. 124 Fragmento da história sobre a Páscoa – Trecho sobre Czar. 130 Cartazes da Páscoa. 134 Capa do livro Ararinha Azul. 167 Texto individual da Lud, “De noite na caatinga”. 175 A carta da aluna Lud. 180 Aulas observadas na Sala 9 – Professora Júlia. 250         SUMÁRIO APRESENTAÇÃO . 13 CAPÍTULO 1 – ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: A CONSTRUÇÃO DE NOVOS CONCEITOS . 1.1 A política de formação de professores da Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte . 1.2 A abordagem da leitura e da escrita nas publicações da Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte . 1.3 As pesquisas sobre a psicogênese: a entrada do novo e do desconhecido. 1.4 O letramento: a construção de um novo conceito . 21 21 23 32 39 CAPÍTULO 2 – O CONTEXTO E A ABORDAGEM TEÓRICOMETODOLÓGICA DA PESQUISA . 2.1 A escolha dos sujeitos: identificação das professoras da pesquisa . 2.2 A escola, sua estrutura e funcionamento . 2.3 As salas de aula – A organização do espaço físico . 2.3.1 A rotina e a organização na sala 9 . 2.3.2 A rotina e a organização na sala 10 . 2.3.3 A organização do trabalho com reagrupamentos nas salas 9 e 10 . 2.4 A abordagem teórico-metodológica cells expressing FLAGSEPT4 with AnnH31 and AnnH75 resulted in a concentration-dependent decrease of intensity of the slower migrating band and a concomitantly increased signal of the lower band (Fig 5A). Consistent with the IC50 values determined in the in vitro-assays (Table 1), AnnH31 reduced SEPT4 phosphorylation more potently than AnnH75. As a third cell-based assay of DYRK1A inhibition, we measured the phosphorylation of the microtubule-associated protein tau by DYRK1A. The phosphorylation of tau (gene symbol MAPT) by DYRK1A has been considered potentially relevant in the early Alzheimer’s disease- PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 8 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Fig 4. Inhibition of SF3B1 phosphorylation by DYRK1A in HeLa cells. HeLa cells expressing GFP-SF3B1-NT were treated with the indicated compounds for 18 h. The phosphorylation state of SF3B1 was determined by immunoblotting with pT434 antibody, and the results were normalized to the total amount of SF3B1 immunoreactivity. A, Representative western blots. AnnH79 is a harmine analogue that does not inhibit DYRK1A and was used as negative control. The vertical line indicates where irrelevant lanes were deleted from the final image. B, The column diagram summarizes the quantitative evaluation of 3–6 experiments for each compound (means + SD). doi:10.1371/journal.pone.0132453.g004 like neurodegeneration in Down syndrome and in spontaneous Alzheimer’s disease [10]. In this assay, AnnH75 inhibited DYRK1A activity with an IC50 of 1 μM (Fig 5B and 5C). The higher value as compared to the inhibition of SEPT4 phosphorylation (0.36 μM) may be due to the overexpression of DYRK1A in this assay. AnnH31, L41 and 5-iodotubercidin were the best inhibitors in this assay, whereas INDY reduced tau phosphorylation less efficiently. Low cellular potency of INDY has previously been observed in assays of tau phosphorylation and reporter gene activity [30]. Similarly, two other DYRK1A inhibitors with excellent potency and selectivity in biochemical assays require ~1000 higher concentrations to inhibit tau phosphorylation in cellular assays [35–36]. Taken together, our results provide evidence that AnnH31 and AnnH75 can be used as chemical probes to confirm the participation of DYRK1A in cellular phosphorylation events. PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 9 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Fig 5. Inhibition of SEPT4 and tau phosphorylation by DYRK1A. A, HeLa cells transiently expressing FLAG-SEPT4 were treated with AnnH31 or AnnH75 for 5 h before cells were lysed and analysed by immunoblotting with a FLAG-tag antibody. 5-iodotubercidin (IoT) served as positive control. Relative SEPT4 phosphorylation was calculated as the ratio of the intensities of the phosphorylated upper band and the lower band. B, HEK293 cells with constitutive expression of GFP-tau and regulatable expression of GFP-DYRK1A were treated with doxycyclin and the indicated inhibitors for 18 h. Phosphorylation of tau on Thr212 was detected with a phosphospecific antibody. Expression levels of GFP-tau and GFP-DYRK1A were assessed with a GFP antibody. For quantitative evaluation of DYRK1A inhibition, the basal pT212 signal in control cells not treated with doxycyclin (Ctrl) was subtracted from all values. C, Quantitative evaluation of three experiments each for SEPT4 and tau. All data were standardized to the level of phosphorylation in cells untreated with inhibitors. Error bars indicate SEM. doi:10.1371/journal.pone.0132453.g005 AnnH75 inhibits tyrosine autophosphorylation of DYRK1A Tyrosine kinase activity of DYRKs has been postulated to exhibit different inhibitor sensitivity than serine/threonine phosphorylation [7]. Therefore we investigated if AnnH75 is a selective inhibitor of the serine/threonine kinase activity of mature DYRK1A or whether AnnH75 also interferes with tyrosine autophosphorylation during translation. To address this question, we used a coupled in vitro-transcription-translation system and monitored at the same time the effect of the inhibitor on the tyrosine autophosphorylation of DYRK1A and the phosphorylation of Thr434 in the substrate protein SF3B1 (Fig 6). Under these conditions, AnnH75 inhibited tyrosine autophosphorylation of DYRK1A at concentrations >1 μM. Slightly higher concentrations of AnnH75 were required for the inhibition of threonine phosphorylation in SF3B1. The higher IC50 value for SF3B1 phosphorylation as compared to the peptide assay is due to the fact that kinase activity in the in vitro-translation mix cannot be assayed under conditions of substrate saturation (as discussed previously [9]). In conclusion, AnnH75 inhibits both the immature and mature form of DYRK1A. Conclusions Chemical probes serve as invaluable small molecule tools to functionally annotate signalling proteins, to understand their role in physiological and pathological processes and to validate them as potential drug targets. Here we report the evaluation of new harmine analogs with regard to their suitability as chemical probes for the protein kinase DYRK1A. To support the conclusion that AnnH31 and AnnH75 meet the key requirements of a useful tool for this purpose, we discuss our results with respect of the “fitness factors” of chemical probes that were proposed by Workman & Collins [6]: selectivity, potency, chemistry and context. PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 10 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Fig 6. AnnH75 inhibits both threonine and tyrosine kinase activity of DYRK1A. A DYRK1A construct with an N-terminal StrepTag 2 (ST2-DYRK1Acat) was expressed in a cell-free E. coli-derived expression system. Coupled in vitro transcription and translation reactions were incubated for 1 h in the presence of recombinant SF3B1-NT-His6 and AnnH75. Phosphorylation of tyrosines in DYRK1A and of Thr434 in SF3B1 was determined by immunoblotting with a phosphotyrosine-specific antibody (pTyr) and a pThr434-specific antibody. A, Representative western blots. The asterisks mark unidentified bands. B, Quantitative evaluation. Results were normalized to the total amount of DYRK1A or SF3B1, respectively, and are plotted relative to the phosphorylation in the untreated control samples (means +/- SEM, n = 3). doi:10.1371/journal.pone.0132453.g006 Selectivity A key criterion for the use of a kinase inhibitor as a chemical probe is that its selectivity profile is well defined [4,6]. The kinase selectivity profile of AnnH75 compares favourably with that of other DYRK1A inhibitors that have been profiled against an informative panel of kinases (Table 2). However, the cross-reactivity for CLK1/4 and haspin clearly requires consideration when this DYRK1A inhibitors is used in experiments addressing splicing regulation or cell cycle control. Regarding off-targets outside the protein kinase family, we reached the goal of eliminating the MAO-A inhibitory activity of harmine. AnnH31 displays already 40 fold selectivity for DYRK1A over MAO-A and complies with the requirements for a high quality chemical probe [6]. AnnH75 has no residual effect on MAO-A and is better suited in all applications potentially susceptible to monoamine effects. The availability of inactive analogs and active probes from a different chemical class can help to prove target-dependency in a biological experiment [4,6]. When AnnH75 is used as a probe to confirm a hypothetical function of DYRK1A or DYRK1B, AnnH79 can serve as a structurally related inactive control compound (Fig 4) and L41 as a potent inhibitor with a different chemotype. PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 11 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Biochemical and cellular potency Several mechanisms can account for discrepancies between inhibitor potency in biochemical and in the cellular context [3,48]. Many DYRK1A inhibitors with adequate potencies in biochemical assays (< 100 nM, as proposed by Workman & Collins [6]) have been described [14], but only few have been shown to inhibit the phosphorylation of a cellular target in a concentration-dependent manner with a practicable potency (< 1–10 μM according to Workman & Collins [6]). In particular, the only known inhibitors with significant selectivity for DYRK1A over CLK1 require micromolar concentrations for half-maximal effects in cellular assays, in spite of low nanonmolar potencies in biochemical assays [35–36]. We verified the cellular efficacy of AnnH75 with three different substrates of DYRK1A and provide direct comparisons with established DYRK1A inhibitors. Taken together, the concentration-dependent effects of the chemical probes (AnnH31 or AnnH75) support the hypothesis that a molecular mechanism depends on a certain target (in this case DYRK1A). Chemistry (structure, solubility, stability, permeability) The procedures for the synthesis and the structural characterization of the new β-carboline Plano Diretor do Município de Paraguaçu. Projeto de Lei n. 22/2005. Prefeitura Municipal de Paraguaçu, 82 f., [14], Il. Edição fac-similar. ______. Prefeitura Municipal de Paraguaçu; Conselho Municipal do Patrimônio Histórico de Paraguaçu/MG; Memória Arquitetura Ltda. O Patrimônio Cultural de Paraguaçu/MG. Belo Horizonte. 2008. 30 p. Il. ______. Prefeitura Municipal de Paraguaçu; Conselho Municipal do Patrimônio Histórico de Paraguaçu/MG. 2ª Etapa do Inventário de Proteção do Acervo Cultural de Paraguaçu. Belo Horizonte. Julho/2006. 1 CD-ROM. PESEZ, Jean-Marie. A história da cultura material. In: LE GOFF, Jacques; CHARTIER, Roger; REVEL, Jacques (Org.). A Nova História. Coimbra (Portugal): Almedina, 1978. PINHEIRO, Mario Vitor. Avaliação técnica e história das enchentes em Itajubá. Dissertação (Engenharia de Energia) Universidade Federal de Itajubá. Itajubá (MG), 2005. Disponível em: < http://adm-neta.unifei.edu.br/phl/pdf/0029394.pdf> Acesso em 10 abr. 2009. PLANO de Assistência Sanitária à região de Furnas. O Paraguassu. Paraguaçu (MG), 10 abr. 1960. n 767 POLIGNANO, Marcus Vinicius et al. Uma viagem ao projeto Manuelzão e à bacia do rio das Velhas. 3. ed. Belo Horizonte. Maio de 2004. PRADO, Crezo Leite. Descendo o Sapucaí. A Voz da Cidade. Paraguaçu. 17 abr. 1993. 234 PRADO, Cristiano Otoni do. Crônicas dos 90 anos bem vividos. Belo Horizonte: Edições Cuatiara Ltda. 1993. PRADO, Guilherme. Paraguaçu: sua história, sua gente. Enciclopédia Paraguaçuense para Win 98/2000 / XP. Ver. 1.0. 08/2004. 120 MB. I CDROM; PRADO, Oscar. O Sertão dos Mandibóias – Fundação de Paraguaçu-MG. Paraguaçu. [1981?]. 276 p. ______. Os Mandibóias. O Paraguassu. Paraguaçu (MG). 18 set. 1949. PREFEITOS da região reúnem-se em Brasília. A Voz da Cidade. Paraguaçu (MG). 05 jun 1969. p. 1. PRÊMIO OURO AZUL. Informações. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2010. PROJETO MANUELZÃO. META 2010: Revitalização da Bacia do Rio das Velhas. [Belo Horizonte] [2008?]. 1 folheto PROJETO MARIA DE BARRO. Informações. Disponível em: . Acesso em: 30 mai. 2009. ______. Proteger nossos solos. [Nazareno (MG)?], 2008. il. 1 folheto. QUEIROZ, Renato da Silva. Caminhos que andam: os rios e a cultura brasileira. In: REBOUÇAS, Aldo da Cunha; BRAGA Jr., Benedito P. F.; TUNDISI, J. G. (Org.) Águas doces no Brasil. São Paulo: Escrituras, 1999. QUINTAS, José Silva. Educação ambiental no processo de gestão ambiental. In: BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. LAYRANGES, Philippe Pomier (Org.) Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília, 2004. Disponível em . Acesso em: 28 abr. 2008. RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Tradução de Lilian do Valle. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. 192 p. (Educação: Experiência e Sentido) REBELLO, Ricardo Moreira. O município de Machado até a virada do Milênio. Tomo I e II. Machado (MG), [s.n.] 2006. RENGER, Friedrich Ewald. Recursos minerais, mineração e siderurgia. In: GOULART, Eugênio Marcos Andrade (Org.). Navegando o rio das Velhas das minas aos gerais. Belo Horizonte: Instituto Guaicuy-SOS Rio das Velhas. Projeto Manuelzão UFMG, 2005. v. 2: Estudos sobre a Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas. 755 p. Il. p. 265-288. 235 REPRESA de Furnas: baixo nível das águas. A Voz da Cidade. Paraguaçu (MG). 12 set 2000, p. 1. RESENDE, Eliseu. A epopéia de Furnas. O Estado de Minas. Belo Horizonte. 21 mai. 2007. Caderno Economia. p. 9. REZENDE, Roberto Leonel. Rudimentos históricos do município de São Gonçalo do Sapucaí/Minas Gerais. São Gonçalo do Sapucaí: Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Sapucaí, 1992. RIBEIRO, Núbia Braga; GOULART, Eugênio Marcos: RADICCHI, Rômulo. A história da ocupação humana na versão do próprio rio. In: GOULART, Eugênio Marcos Andrade (Org.). Navegando o rio das Velhas das minas aos gerais. Belo Horizonte: Instituto Guaicuy - SOS Rio das Velhas. Projeto Manuelzão. UFMG, 2005. v. 2. p. 183-206. ROCHA, José Joaquim da. Mappa da Comarca do rio das Mortes pertencente a Capitania de Minas Gerais. 1777. Disponível em: < http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_cartografia/cart530294.jpg> Acesso em 10. abr. 2010. RODOVIA de Furnas será asfaltada. A Voz da Cidade. Paraguaçu (MG). 25 jun. 1967. p. 1. ROLNIK, Raquel. O que é cidade. São Paulo: Brasiliense, 1995. (Coleção Primeiros Passos) ROMANO FILHO, Demóstenes; SARTINI, Patrícia; FERREIRA, Margarida Maria. Gente cuidando das águas: meia dúzia de toques e uma dúzia de idéias para um jeito diferente de ver, sentir e cuidar da água. Belo Horizonte: Instituto de Resultados em Gestão Social, 2004. ROMEIRO, Adriana; BOTELHO, Ângela Vianna. Dicionário Histórico das Minas Gerais. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. SALGADO, João Amilcar. As histórias submersas do rio que não quer morrer. In: GOULART, Eugênio Marcos Andrade (Org.). Navegando o rio das Velhas das minas aos gerais. Belo Horizonte: Instituto Guaicuy-SOS Rio das Velhas. Projeto Manuelzão. UFMG, 2005. v. 2. p. 209-238 SANTILLI, Juliana. Aspectos jurídicos da política nacional de recursos hídricos. [200_]. [Brasília?]. Disponível em: http://www.estig.ipbeja.pt/~ac_direito/Santilli.pdf > Acesso em: 12 out. 2009. SANTOS, Boaventura de Sousa. Um Discurso sobre as ciências. Edições Afrontamento; Porto; 1988. Disponível em: Acesso em: 02 jun. 2010. 236 SANTOS, Milton. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1977 ______. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Editora Hucitec, 1982. SATO, Michele. Relações multifacetadas entre as disciplinas. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Congresso Brasileiro de Qualidade na Educação. Formação de Professores. Educação Ambiental. Brasília, 2002, v. 3, p. 16-22. SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. Tradução de Hildegarde Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. SENNA, Nelson de. Annuario histórico chorographico de Minas Geraes, Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1918. SILVA, José Joaquim. Tratado de geografia descritiva especial da província de Minas Gerais. Belo Horizonte: Centro de Estudos Históricos e Culturais. Fundação João Pinheiro, 1997. 196 p. SILVA, Silvestre. Frutas no Brasil. Texto de Helena Tassara. São Paulo: Nobel, 2001. SILVEIRA, Victor (Org.). Minas Geraes em 1925. Bello Horizonte: Imprensa Official, 1926. 155p. il. SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DE MINAS GERAIS. Os caminhos das águas. [Belo Horizonte]; [200-?]. 1 folheto. SOUZA, Luiz Neves de. Os 50 Anos do lago de Furnas. O Estado de Minas. Belo Horizonte. 28 fev. 2007. SOUZA, Washington Peluso Albino de. As lições das vilas e cidades de Minas Gerais In: SEMINÁRIO DE ESTUDOS MINEIROS. Universidade Federal de Minas Gerais. 4. Anais . Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 1977. P. 97-241. SUL DE MINAS totalmente asfaltado. A Voz da Cidade. Paraguaçu (MG). 08 out. 1968. p. 1. TEIXEIRA, Eurico. Frutas do Brasil In: SILVA, Silvestre. Frutas no Brasil. Texto de Helena Tassara. São Paulo: Nobel, 2001. TEIXEIRA, Fausto. O Monjolo. Folha de Minas. 22 ago. 1948. Suplemento Literário, p. 2. Belo Horizonte. (fundo da Hemeroteca Pública do Estado de Minas Gerais. Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais). 237 TEIXEIRA, Sávia Diniz Dumont; VARGAS FILHO, Demóstenes Dumont. ABC do rio São Francisco. Apoio do Instituto de Promoção Cultural (IPC); Ministério da Cultura (MinC). [S.l.]: Marques Saraiva Gráficos e Editores S.A, [1990?]. TELLES, Dirceu D‟Alkmin; COSTA, Regina Helena Pacca Guimarães. Reuso da água: conceitos, teorias e práticas. 1. ed. São Paulo: Editora Blucher, 2007. THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. TUAN, Yi-fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Tradução de Livia de Oliveira. São Paulo/Rio de Janeiro: Difel, 1974. VALLADÃO, Alfredo. Campanha da Princeza: estudo histórico. Rio de Janeiro: Typ. da “Revista dos Tribunais”, 1912, 79 p. VEIGA, Bernardo Saturnino da (Org.). Almanack Sul-Mineiro para 1874. Campanha: Typ. do Monitor Sul Mineiro,1874. 460 p. Edição fac-similar. ____. Almanack Sul-Mineiro para 1884. Campanha: Typ. do Monitor Sul Mineiro, 1884. Edição fac-similar. VENANCIO. Renato Pinto. Antes de Minas: fronteiras coloniais e populações indígenas. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Org.). As Minas Setecentistas, 1. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007. p. 87-126. VIDA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM ENGENHARIA, MEIO AMBIENTE E REFLORESTAMENTO LTDA; COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS; COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SAPUCAÍ; GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Plano Diretor de recursos hídricos da bacia do rio Sapucaí. GT. Resumo Executivo. Disponível em: < http://rapidshare.com/files/388829317/Resumo_Executivo.doc.html> Acesso em: 29 jun. 2010.
RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar
Tags

As concepções de alfabetização e letramento n..

Livre

Feedback