O uso do laser na reabilitação das desordens temporomandibulares.

 1  20  7  2017-01-23 21:48:40 Report infringing document
ISSN - Fisioter. Mov., Curitiba, v. , n. , p. - , abr./jun. Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] O uso do laser na reabilitação das desordens temporomandibulares [I] The use of laser in the rehabilitation of temporomandibular disorders [A] Thiago de Oliveira Assis[a], Matheus dos Santos Soares[b], Márcio Melo Victor[c] [a] Mestre em Patologia, docente da Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB - Brasil, e-mail: thiago.oa@hotmail.com [b] Graduado em Fisioterapia pela Faculdade de Ciências Médicas, Campina Grande, PB - Brasil, e-mail: matheus_ssoares@hotmail.com [c] Graduado em Fisioterapia pela Faculdade de Ciências Médicas, Campina Grande, PB - Brasil, e-mail: marciomelovictor@hotmail.com [R] Resumo Introdução: Entende-se disfunção temporomandibular comoum termo coletivo que envolve um grande número de problemas clínicos que afetam os músculos mastigatórios, a articulação temporomandibular ATM e estruturas associadas. Dentre os principais sinais e sintomas, incluem-se dores nos músculos da mastigação ou na ATM, ruídos articulares, limitação de abertura, retração gengival, oclusão inadequada, distúrbios auditivos, cefaleias, sensibilidade em toda a musculatura do sistema estomatognático e cervical. Objetivos: Estudar a in luência da laserterapia de baixa intensidade diodo no tratamento das desordens temporomandibulares. Materiais e métodos: Trata-se de uma revisão sistemática. Foram consultadas as seguintes bases de dados: BIREME, MEDLINE, PubMed, Science Direct e LILACS. Os termos de busca utilizados foram temporomandibular laser therapy e ATM laser treatment , em inglês e português. Não foram estabelecidos limites de busca. Após a busca independente de dois revisores, foram encontrados . artigos e, após a aplicação dos critérios de exclusão, artigos foram selecionados para a análise. Resultados: Dos artigos selecionados, apenas em um deles não foi veri icada qualquer melhora do quadro doloroso na ATM em virtude dos diversos tipos de DTM. Conclusão: Apesar dos resultados satisfatórios do uso do laser na redução sintomática da dor nos DTM, ainda é controversa a utilização dos seus parâmetros para cada caso. Por isso, sugerimos a realização de outros estudos para que essas lacunas sejam preenchidas com o objetivo Fisioter Mov. 2012 abr/jun;25(2):453-9 Assis TO, Soares MS, Victor MM. 454 maior de promover uma melhor qualidade de vida para as pessoas que sofrem quaisquer transtornos na região da ATM. [P] Palavras-chave: Lasers semicondutores. Transtornos da articulação Temporomandibular. Modalidades de isioterapia. [B] Abstract Introduction: It is understood by temporomandibular dysfunction as a collective term that involves a large number of clinical problems affecting the masticatory muscles, the temporomandibular joint (TMJ) and associated structures. Among the major signs and symptoms there are pain in the masticatory muscles or TMJ, joint sounds, limitation of opening, gingival recession, inadequate occlusion, hearing disorders, headache, tenderness in the whole musculature of the stomatognathic system and cervical cancer. Objectives: To study the inϔluence of low intensity laser therapy (LLI) in the treatment of temporomandibular disorders. Materials and methods: This is a systematic review. We consulted the following databases: BIREME, MEDLINE, PubMed, Science Direct and LILACS. The search terms used were “temporomandibular laser therapy” and “ATM laser treatment”, in English and Portuguese. No search limits were established. During the search conducted by two independent reviewers, 1.344 articles were found, and after application of the exclusion criteria, 12 articles were selected for analysis. Results: Out of the 12 selected articles, only in one of them it was not observed any improvement in the painful TMJ because of the different types of TMJ. Conclusion: Despite the satisfactory results of laser use in reducing symptomatic pain in TMJ, the use of its parameters for each case is controversial, so we suggest that the foundation for other studies that these gaps may be ϔilled with the larger goal of promoting a better quality of life for people who suffer any inconvenience in the TMJ region. [K] Keywords: Semiconductor lasers. Temporomandibular joint disorders. Physical therapy modalities. Introdução A disfunção temporomandibular DTM é de ini- da como um termo coletivo que envolve um grande número de problemas clínicos que afetam os músculos mastigatórios, a articulação temporomandibular ATM e estruturas associadas, ou ambos . Dentre os principais sinais e sintomas das disfunções da ATM se encontram dores nos músculos da mastigação ou na ATM, ruídos articulares, limitação de abertura, retração gengival, oclusão inadequada, distúrbios auditivos, cefaleias, sensibilidade em toda musculatura do sistema estomatognático e cervical , , . O sistema mastigatório é composto por vários componentes, e cada um apresenta uma tolerância estrutural especí ica. Os músculos mastigatórios masseteres, temporais, pterigoideos laterais e mediais , ATM, dentes e estruturas de suporte dos mesmos são considerados estruturas de menor tolerância. Desse modo, a sensibilidade associada à dor nas estruturas supracitadas aumenta, resultando em limitação dos movimentos mandibulares devido à hiperatividade muscular, com inibição do luxo sanguíneo normal aos tecidos, culminando em acúmulo de metabólitos nas células de tecidos musculares, o que proporciona um estado de espasmo, fadiga e dor no indivíduo , . Por ser uma patologia complexa, a DTM tem originado diversos tipos de tratamento, sendo o mais e icaz, aquele desenvolvido em conjunto com uma equipe multidisciplinar . Os agentes ísicos mais comumente associados ao seu tratamento são: termoterapia, eletroterapia, ultrassom, iontoforese, alguns agentes analgésicos e laser . Contudo, a laserterapia de baixa intensidade LBI tem demonstrado uma capacidade em auxiliar no tratamento sintomático da dor, promovendo um grau de conforto considerável ao paciente, momentos após sua aplicação . A laserterapia de baixa potência é uma radiação situada na porção visível do espectro das ondas eletromagnéticas, entre o infravermelho e o ultravioleta, e o comprimento de onda depende do tipo de substância estimulada , . É uma modalidade de tratamento não invasiva e de baixo custo, que vem sendo amplamente utilizada na prática clínica isioterápica para o alívio de dor e regeneração tecidual. Dentre os efeitos terapêuticos, encontram-se: anti-in lamatório, Fisioter Mov. 2012 abr/jun;25(2):453-9 O uso do laser na reabilitação das desordens temporomandibulares analgésico, cicatrizante e modulador da atividade celular, os quais têm sido comprovados em diversos experimentos , . Dentre suas formas mais utilizadas, estão os lasers que utilizam o Arseneto de Gálio AsGa e o Arseneto de Gálio e Alumínio AsGaAl , que têm gerado resultados favoráveis na terapêutica dos distúrbios musculoesqueléticos devido ao fato de seu poder de penetração ser relativamente alto, atingindo estruturas mais profundas . Nesse contexto, objetivou-se estudar, por meio de uma revisão sistemática, a in luência da laserterapia de diodo na reabilitação de portadores de DTM. Materiais e métodos Para a realização deste estudo, foram consulta- das as bases de dados: BIREME, MEDLINE, PubMed, Science Direct e LILACS. Os termos de busca utiliza- dos foram temporomandibular laser therapy e ATM laser treatment , em inglês e português. Não foram estabelecidos limites de busca. Após uma pesquisa independente de dois revisores, os artigos foram contabilizados e o teste estatístico de Kappa foi uti- lizado para a veri icação da concordância entre os dois pesquisadores K = , ; p < , . Quando havia dissenso na seleção dos estudos, um terceiro pesquisador era recrutado para decidir sobre sua inclusão ou não. Após a busca, foram encontrados . resultados e, posteriormente à aplicação dos critérios de exclusão, artigos foram incluídos para o estudo. Foram incluídos os estudos experimentais e ensaios clínicos randomizados envolvendo seres hu- manos que apresentassem alguma das modalidades de intervenção da LBI nos DTM. Aqueles que não se enquadraram nesses critérios foram excluídos. Outra forma de exclusão se deu por meio da avaliação da qualidade metodológica dos estudos selecionados previamente pelos autores, bem como outras formas de uso da LBI que não a do AsGaAl e AsGa. Os artigos que foram apresentados em mais de uma base de dados foram contabilizados apenas uma vez. Resultados Pinheiro et al. analisaram os efeitos da terapia LBI no tratamento de desordens maxilo-faciais em indivíduos, sendo do sexo feminino e do sexo masculino. Foram tratados com o laser diodo seguindo os comprimentos de onda: , nm, nm e nm. As queixas mais relatadas foram: dor nas articulações temporomandibulares, neuralgia do trigêmeo, dor muscular e hipersensibilidade dentá- ria tanto no pós-operatório quanto em hemangiomas pequenos. A maioria dos tratamentos consistiu de uma série de aplicações duas vezes por semana e, em oito casos, uma segunda série foi aplicada. Os pacientes foram tratados com uma dose média de , J/cm². Ao im do tratamento, pacientes eram as- sintomáticos, melhoraram consideravelmente e permaneciam sintomáticos. Esses resultados indi- caram que a LBI é uma ferramenta importante e traz muitos bene ícios para o tratamento de muitas desor- dens da região maxilo-facial. Reduções nos níveis de dor também foram encontradas em outros estudos que distribuíram, aleatoriamente, pacientes do sexo feminino, com idade média de ± anos, com diagnóstico de DTM, em dois grupos: controle e tratado, utilizando a LBI nos seguintes parâmetros: nm, J/cm², , mW/cm², área do feixe de , cm², com modo de emissão contínua para o grupo tratado, enquanto no grupo controle foi realizada a mesma técnica de aplicação com o aparelho desligado. Kulekcioglu et al. izeram um estudo com pacientes para avaliar a efetividade do LBI como terapia nos DTM. Os pacientes foram divididos em grupo experimental n = e grupo controle n = . Além de um programa de exercício diário com padrão de amplitude de movimento, exercícios de alongamento e treinamento postural, todos os pa- cientes foram tratados com sessões de laserterapia comprimento de onda: nm; potência média de saída: mW; frequência: . Hz; duração: segundos; dosagem: J/cm² , sendo aplicadas para os quatro pontos mais dolorosos selecionados du- rante o exame. No grupo controle, o aparelho perma- necia desligado. Como resultado, observou-se uma signi icativa redução da dor, além da melhora nos movimentos de abertura máxima, na lateralidade e no número de pontos hipersensíveis no grupo em que houve o tratamento real. A LBI foi, então, consi- derada pelos autores uma boa alternativa ísica para o tratamento de DTM. Em outro estudo , também foram evidenciadas melhoras na abertura bucal, com diminuição da sintomatologia dolorosa e di iculdades de mastigação de pacientes portadores de DTM. Os efeitos do LBI também foram testados sobre a força da contração do músculo masseter em pacientes com desconforto neuromuscular dor 455 Fisioter Mov. 2012 abr/jun;25(2):453-9 Assis TO, Soares MS, Victor MM. 456 durante o fechamento, contra qualquer resistência, da ATM. A idade da amostra variou entre - anos, e a caneta do laser foi aplicada de forma pontual a uma distância de mm da pele. Todos os pacientes apresentaram melhora na força de contração muscu- lar, de cerca de , kgf para , kgf. Estes resultados sugerem que a aplicação do LBI é uma ferramenta e icaz para o tratamento de pacientes com dor orofa- cial que limitam a força de fechamento da ATM . Outro estudo avaliou a e iciência imediata da LBP em pacientes portadores de dor e disfunção da ATM. O lado mais comprometido pela DTM foi tratado com aplicação do laser, de comprimento de onda de nm, irradiado em quatro pontos na disfunção da ATM, com , J/cm²; um ponto na região do ouvido externo, com , J/cm²; em três pontos no músculo masseter, com J/cm²; e três pontos no músculo tem- poral, com J/cm². Os músculos masseter e temporal, de ambos os lados, foram avaliados eletromiogra i- camente antes da LBI, imediatamente a aplicação do laser, e minutos após. Foram observadas redu- ções das atividades eletromiográ icas medidas para todos os tempos, em ambos os músculos masseter e temporal . León et al. procuraram avaliar a e icácia da LBI nos DTM e, para isso, selecionaram pacientes distribuídos, aleatoriamente, em dois grupos: O grupo A utilizou a terapia farmacológica anti-in lamatórios e relaxante muscular , enquanto o grupo B recebeu a terapia laser em pontos de acupuntura: vesícula biliar vb , estômago E , estômago E , na forma de aplicação pontual por segundos/ponto e uma dose de , J/cm² por ponto. Imediatamente depois foi realizada uma aplicação, na forma de varredura, sobre as ATM afetadas numa área de cm² por cin- co minutos. Constatou-se que a terapia a laser teve um resultado mais signi icativo quanto à resolução da dor em comparação com o grupo que utilizou a terapia farmacológica. Em outro estudo , vinte pacientes com DTM foram divididos aleatoriamente em dois grupos: G com média de idade igual a , ± anos, tratados com técnicas de terapia manual, e G , com média de idade igual a , ± , , trata- dos com a associação de técnicas de terapia manual e LBI: nm, J/cm , , mW/cm². Observou-se a redução signi icativa do nível de dor em ambos os grupos tratados, porém no G , a redução da sinto- matologia dolorosa foi mais relevante. Utilizando a LBI de nm e nm na redução da dor nos músculos mastigatórios por meio de um estudo duplo-cego e controlado com placebo, pa- cientes foram divididos aleatoriamente em dois gru- pos. Para o grupo laser, duas sondas de laser nm, , J/cm², min, onda contínua, e nm, J/cm², min, Hz foram utilizadas nos músculos dolo- rosos. Para o grupo controle, o tratamento foi similar, mas os pacientes não foram irradiados. O tratamento foi administrado duas vezes por semana durante três semanas. Em ambos os grupos experimentais, a re- dução da dor após o tratamento foi estatisticamente signi icativa, sendo o laser com menor comprimento de onda mais efetivo para a redução da dor . Venezian et al. avaliaram o efeito do laser de diodo nm na dor à palpação e eletromio- grá icos EMG dos músculos masseter e temporal anterior. O laser foi aplicado em músculos temporal e masseter duas vezes por semana, por quatro se- manas. Quarenta e oito pacientes com dor miofascial foram distribuídos aleatoriamente entre tratamento experimental e controle e entre doses energéticas de J/cm² e J/cm², foram avaliados utilizando a escala numérica de dor antes e imediatamente após a aplicação inal, e dias após o tratamento com laser. A eletromiogra ia de super ície foi realizada antes e após a terapia a laser. Os resultados mostra- ram que houve diferença estatisticamente signi ica- tiva na atividade EMG entre os grupos, antes e após o tratamento com laser. No que diz respeito à dor à palpação, embora ambos os grupos apresentassem uma diferença signi icativa nos sintomas antes e após o tratamento, somente os indivíduos do grupo experimental demonstraram reduções estatistica- mente signi icativas no nível de dor em todas as re- giões dos músculos palpados. No entanto, não hou- ve diferença estatisticamente signi icativa entre os grupos experimental e placebo . Em conclusão, o LBI não promoveu qualquer alteração na atividade EMG. O tratamento, porém, diminuiu os sintomas da dor no grupo experimental. Conti avaliou a e icácia da LBI em pacien- tes, todos com queixa principal de dor miogênica e artrogênica na ATM. Para isso, foi realizado o tra- tamento a laser com comprimento de onda de nm e potência de J/cm². Concluiu que houve uma melhora na dor relatada apenas para os pacientes com dor miogênica, enquanto para os pacientes com dor artrogênica o tratamento a laser resultou em uma discreta melhora na abertura vertical total da ATM, sem diferenças estatisticamente signi icativas para a redução da dor. Nos estudos de Venâncio et al. Fisioter Mov. 2012 abr/jun;25(2):453-9 O uso do laser na reabilitação das desordens temporomandibulares , a e icácia da LBI foi veri icada em pacientes portadores de DTM, por meio de um estudo duplo-cego. A amostra foi dividida em dois grupos: grupo experimental e grupo placebo. O primeiro foi submetido ao tratamento com laser infravermelho seguindo os parâmetros: nm, mW, s, , J/cm² em três pontos da ATM. Concluiu-se que não houve diferença signiicativa entre ambos os grupos. Discussão A radiação laser de baixa potência tem sido cada vez mais empregada nas condutas de reabilitação dos DTM . Esta tem sido empregada como um agente biomodulador capaz de promover efeitos analgésicos e anti-in lamatórios por meio de induções de respostas celulares e sistêmicas , . O sucesso do tratamento de patologias com o laser na região maxilo-facial tem sido demonstrado, e seu uso ocorre em razão dos efeitos analgésicos explicados pelo aumento dos níveis de beta-endor inas, aumento do limiar de descarga de dor, diminuição de bradicinina e liberação de histamina, aumento do luxo linfático, diminuição do edema e substâncias álgicas, aumento do fornecimento do sangue, redução do tempo de in lamação e promoção do relaxamento muscular -. O sintoma prevalente no portador de DTM é a dor, podendo, ainda, estar isolada ou Acesso em: 17 jul. 2009) 65 O Marechal Castelo Branco assumiu a Presidência da República em 15.04.1964. 116 A denominação do bairro remete à figura de Francisco dos Santos, o Chico dos Santos, dono de um rancho às margens do rio Machado onde ele administrava um entreposto de mercadorias, uma venda e uma pousada para os viajantes que comercializavam produtos através da estação de Fama (1896) da Estrada de Ferro Muzambinho e do barco que ia de Fama até a Cachoeira (ainda existente no rio Machado e próxima ao bairro). Segundo um de seus descendentes, Sr. João Esmeraldo Reis, nascido em 1932, figura de destaque no bairro, quando da construção de Furnas, a expectativa dos moradores é que a energia elétrica chegasse ao bairro. Até então apenas os moradores mais abastados do bairro eram sócios de uma pequena usina elétrica, inaugurada em 12 de abril de 1951.66 Em seu depoimento à pesquisadora, em estudo prévio sobre a comunidade atendida pela Fundamar, em 1994, Sr. João Esmeraldo relembrou as várias pontes construídas sobre o rio Machado, interligando o bairro do Chico dos Santos ao bairro do Coroado no município vizinho de Alfenas. Antes da construção da primeira ponte a travessia era de barco e para o gado era na água. Segundo o depoente, quando a primeira ponte foi construída, em torno de 1920, só aqueles que contribuíram para a obra tinham livre acesso. Os demais tinham que pagar para atravessar ou se valerem dos préstimos do barqueiro, Chiquinho Cordeiro. Depois que o rio Machado foi represado por Furnas, no bairro Chico dos Santos (1965?) a terceira ponte foi construída pela comunidade com ajuda de ambas prefeituras – Paraguaçu e Alfenas. O Sr. João Esmeraldo 66 O jornal “O Paraguassu”, Paraguaçu (MG), n. 496 de 15 abr. 1951 traz a notícia: “Inauguração da Luz Eletrica no Bairro Chicos dos Santos”. Segundo Sr. João Esmeraldo, eram vinte e dois sócios envolvidos na construção da usina de energia elétrica, captando as águas do ribeirão que deságua no rio Machado, no bairro Chico dos Santos. O responsável pela usina era Geraldo de Abreu, de Alfenas. 117 participou da construção da ponte de madeira amarrada com cipó, a base era de pedra e sua extensão era de 22m. Foi construída entre 25 de julho e 25 de agosto de 1967. Edição de “A Voz da Cidade” de 1º de outubro de 1967 confirma a informação de nosso depoente. Furnas só viria construir a ponte sobre o rio Machado, em substituição à antiga, já interditada, em 1981. O jornal “A Voz da Cidade” de 28 de março de 1981 refere-se a um convênio entre a Prefeitura Municipal de Paraguaçu e Furnas – Centrais Elétricas S/A para construção de obras para evitar o ilhamento de alguns produtores rurais, cujas propriedades localizam-se nas margens do lago de Furnas. Refere-se ainda à construção da nova ponte do rio Machado, de interesse direto dos moradores do Bairro dos Santos (bairro Chico dos Santos, em Paraguaçu) e do Coroado, no município de Alfenas, a ser executada diretamente por Furnas. Raro exemplo de publicação de memórias sobre um bairro rural do município de Paraguaçu, o livro “Memórias do Chico dos Santos”, de autoria de Edson Vianei Alves (1949-2002), sobrinho materno do depoente João Esmeraldo, registra suas lembranças sobre o rio Machado, ao tempo de seu pai, Joaquim Felipe: “No rio Machado, ele [o pai] pescava dourado, curimba, tubarana, piapava, mandi, bagre e lambari.” (ALVES, 2000, p. 34) Sr. José Cavaleiro, mais conhecido por Tonico Cavaleiro (1933), também nascido e ainda morador no bairro Chico dos Santos, lembra-se também das boas pescarias no rio Machado. Mas afirma que o represamento do rio facilitou muito a vida, pela facilidade de captação d‟água para a lavoura, 118 principalmente do alho, principal atividade do bairro na década de 50 a 60.67 Sr. Hélio Meirante, nascido em 1935, também nascido e ainda residente nas mesmas terras que foram de seus pais, às margens do rio Machado, lembra-se que seu pai perdeu três alqueires de terra e foi indenizado pelo valor nominal das mesmas. Seu irmão, Ademir de Souza Meirante, nascido em 1953, calcula em dez alqueires as terras perdidas por seu pai para Furnas. A chegada dos técnicos de Furnas no bairro é rememorada pelos irmãos Meirante: Foi uma coisa. Da moda que a gente nem esperava. Que antes a gente via passar, fazer a marcação, e ficava abismado de ver aquelas condução no meio do pasto. Que era para fazer a marcação, onde a água ia atingir. [.] Eles não explicava nada. Eles entrava [sic] no meio do pasto, com aqueles jipes, com aqueles aparelhos, marcando tudinho. Eles nunca veio [sic] aqui. (Depoimento do Sr. Hélio Meirante, 2009) Foi enchendo e foi acabando tudo. Se não vendesse [para Furnas] já perdia tudo. Lá no retiro, pra baixo do Matão, o rapaz não quis vender a casa, o terreno, de jeito nenhum. Não vendeu. Eu vi a casa, o terreno foi subindo, sumiu tudo. Perdeu tudo. [.] Que nem eles falou [sic]: „aqui tando cheio é nossa, tando seco é seu‟. (Depoimento do Sr. Ademir Meirante, 2009) Sr. Tonico Cavaleiro, quando indagado sobre a reação da população do bairro à chegada de Furnas, disse: “o povo achou bão [sic] e é bão [sic] até hoje”.68 67 O almanaque “O Sul-Mineiro Ilustrado” em reportagem intitulada “O Desenvolvimento de Paraguassú e a Administração Cristiano Otoni do Prado”, datado de 1941, informa sobre a cultura de alho no município, cuja produção “figura em primeiro logar no Brasil”. 68 Os depoimentos desses moradores ribeirinhos foram filmados por um grupo de educadores da Fazenda-Escola Fundamar, em 2009. Fragmentos de seus depoimentos foram incorporados a uma apresentação em PowerPoint integrante do instrumento de capacitação dos educadores, objeto dessa dissertação. 119 6.9. CINQUENTENÁRIO DE FURNAS: DUAS VERSÕES DISTINTAS Em 2000, a denúncia sobre as péssimas condições sanitárias do lago de Furnas era objeto do jornal “A Voz da Cidade”, em 1º de setembro. À época a preocupação era com o baixo nível das águas do lago, que prejudicava o turismo, principal fonte de renda da população lindeira. O jornal faz um paralelo entre os prejuízos daquele momento e aqueles sofridos à época da constituição do lago. E especula sobre as causas do rebaixamento do nível das águas, entre elas, a rivalidade entre o então presidente Fernando Henrique Cardoso e o governador Itamar Franco69, sobre a privatização de Furnas. Segundo essa versão, frente às ameaças do governador contra a privatização, o Presidente teria pedido à direção da empresa para esvaziar o lago. O jornal ainda noticia uma reunião de representantes da Associação dos Municípios do Lago de Furnas (ALAGO) com a diretoria da empresa em 28.11.2000, para encontrar soluções para as agressões ambientais que a represa vinha sofrendo, bem como recuperar o passivo que a empresa tinha com os municípios lindeiros: Diariamente são despejados no local, dejetos sanitários, industriais e agrotóxicos. A falta de infra-estrutura e a de uma política de utilização do Lago vem comprometendo o desenvolvimento da região, que aposta no turismo como uma das ferramentas para reverter a estagnação econômica. (A VOZ DA CIDADE, 12 set. 2000, p. 1) Em 2007, ano do cinqüentenário de Furnas, o jornal Estado de Minas, de Belo Horizonte, trouxe dois artigos sobre o evento, que evidenciam opiniões distintas sobre os impactos gerados pelo empreendimento. 69 O governador Itamar Franco e o Presidente Fernando Henrique Cardoso assumiram seus respectivos cargos em 1999. O Presidente iniciava então seu segundo mandato. 120 Luiz Neves de Souza, mestre em turismo e meio ambiente, em artigo intitulado “Os 50 Anos do Lago de Furnas”, denuncia a ausência de políticas públicas que canalizassem esforços voltados à preservação ambiental e também de projetos consistentes e objetivos para o fomento e desenvolvimento do turismo na região. E reclama: Basta percorrer as 34 cidades do Lago de Furnas e observar, em todas elas, toneladas de rejeitos em esgoto e lixo, além de defensivos agrícolas que são despejados em diversas regiões que se dizem próprias para o turismo e para a prática de esportes náuticos, para não falar da situação caótica da rede viária local. (SOUZA, 2007) O senador Eliseu Resende, no artigo intitulado “A Epopéia de Furnas” em “homenagem evocativa ao cinqüentenário”, imagina que sem a energia elétrica e a Petrobrás, o Brasil estaria hoje nos mesmos níveis de muitos países da África. Durante esse tempo [desde 1957] construímos nossos portos e modernizamos outros; instalamos a indústria química de base; desenvolvemos a produção de veículos e de navios; e entramos, firmes, na aeronáutica. Para tudo isso contribuiu a energia de Furnas e a que ela transporta e distribui, pelo principal sistema de interligação das grandes geradoras nacionais (RESENDE, 2007, p. 9). Ambos pontos de vista refletem faces distintas de um mesmo fato histórico. A percepção do ganho pela geração de energia para o desenvolvimento industrial nacional versus os prejuízos study has some limitations. The study sample consisted of a selected cohort of CML patients, as the enrollment was carried out in a single center. It is part of an observational study that was initially designed to evaluate imatinib-induced cardiotoxicity. Therefore, patients with cardiac disease, who have shown to be at increased risk for drug-induced nephrotoxicity [36], were excluded. The data were collected from the medical records, and the number of measurements differed among patients. Furthermore, only CML patients were enrolled. The effectiveness of imatinib has been demonstrated in several other diseases [3, 38, 39, 40] and it is also important to evaluate nephrotoxicity in these patients, as it is not known whether the propensity to develop imatinibinduced nephrotoxicity is related to the underlying malignancy. conclusions In conclusion, physicians should be aware that imatinib treatment may result in acute kidney injury and that the long- term treatment may cause a significant decrease in the estimated GFR and chronic renal failure. Therefore, it is important to monitor renal function of CML patients under imatinib therapy by measuring the creatinine levels and estimating GFR. Attention must be paid to concomitant administration of other potentially nephrotoxic agents, to avoid additive nephrotoxicity in these patients. acknowledgements We gratefully acknowledge the contributions of our patients, their families, and the hematologists (Cla´udia de Souza, Simone Magalha˜es, and Gustavo Magalha˜es). We also thank Heloisa Vianna for the constructive comments and suggestions, and Ka´tia Lage and Vera Chaves for the expert secretarial assistance. funding Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientı´fico e Tecnolo´ gico (478923/2007-4) to ALR; Fundaxca˜o de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais (PPM 328-08) to ALR; Coordenadoria de Aperfeixcoamento do Ensino Superior, Brazil (BEX 1199-09-9), to MSM. disclosure The authors declare no conflict of interest. references 1. Pappas P, Karavasilis V, Briasoulis E et al. Pharmacokinetics of imatinib mesylate in end stage renal disease. A case study. Cancer Chemother Pharmacol 2005; 56: 358–360. 2. Baccarani M, Cortes J, Pane F et al. Chronic myeloid leukemia: an update of concepts and management recommendations of European LeukemiaNet. J Clin Oncol 2009; 27: 6041–6051. 6 | Marcolino et al. Downloaded from annonc.oxfordjournals.org at Universidade Federal de Minas Gerais on February 10, 2011 Annals of Oncology original article 3. Blackstein ME, Blay JY, Corless C et al. Gastrointestinal stromal tumours: consensus statement on diagnosis and treatment. Can J Gastroenterol 2006; 20: 157–163. 4. Vandyke K, Fitter S, Dewar AL et al. Dysregulation of bone remodelling by imatinib mesylate. Blood 2010; 115: 766–774. 5. Kitiyakara C, Atichartakarn V. Renal failure associated with a specific inhibitor of BCR-ABL tyrosine kinase, STI 571. Nephrol Dial Transplant 2002; 17: 685–687. 6. Foringer JR, Verani RR, Tjia VM et al. Acute renal failure secondary to imatinib mesylate treatment in prostate cancer. Ann Pharmacother 2005; 39: 2136–2138. 7. Pinder EM, Atwal GS, Ayantunde AA et al. Tumour lysis syndrome occurring in a patient with metastatic gastrointestinal stromal tumour treated with glivec (imatinib mesylate, Gleevec, STI571). Sarcoma 2007; 2007: 82012. 8. Al-Kali A, Farooq S, Tfayli A. Tumor lysis syndrome after starting treatment with Gleevec in a patient with chronic myelogenous leukemia. J Clin Pharm Ther 2009; 34: 607–610. 9. Pou M, Saval N, Vera M et al. Acute renal failure secondary to imatinib mesylate treatment in chronic myeloid leukemia. Leuk Lymphoma 2003; 44: 1239–1241. 10. Vora A, Bhutani M, Sharma A, Raina V. Severe tumor lysis syndrome during treatment with STI 571 in a patient with chronic myelogenous leukemia accelerated phase. Ann Oncol 2002; 13: 1833–1834. 11. Naughton CA. Drug-induced nephrotoxicity. Am Fam Physician 2008; 78: 743–750. 12. Gafter-Gvili A, Ram R, Gafter U et al. Renal failure associated with tyrosine kinase inhibitors—case report and review of the literature. Leuk Res 2010; 34: 123–127. 13. Kelly RJ, Billemont B, Rixe O. Renal toxicity of targeted therapies. Target Oncol 2009; 4: 121–133. 14. Takikita-Suzuki M, Haneda M, Sasahara M et al. Activation of Src kinase in platelet-derived growth factor-B-dependent tubular regeneration after acute ischemic renal injury. Am J Pathol 2003; 163: 277–286. 15. O’Brien SG, Guilhot F, Larson RA et al. Imatinib compared with interferon and low-dose cytarabine for newly diagnosed chronic-phase chronic myeloid leukemia. N Engl J Med 2003; 348: 994–1004. 16. Hochhaus A, O’Brien SG, Guilhot F et al. Six-year follow-up of patients receiving imatinib for the first-line treatment of chronic myeloid leukemia. Leukemia 2009; 23: 1054–1061. 17. Druker BJ, Sawyers CL, Kantarjian H et al. Activity of a specific inhibitor of the BCR-ABL tyrosine kinase in the blast crisis of chronic myeloid leukemia and acute lymphoblastic leukemia with the Philadelphia chromosome. N Engl J Med 2001; 344: 1038–1042. 18. National Kidney Foundation. K/DOQI clinical practice guidelines for chronic kidney disease: evaluation, classification, and stratification. Am J Kidney Dis 2002; 39: S1–S266. 19. Coresh J, Byrd-Holt D, Astor BC et al. Chronic kidney disease awareness, prevalence, and trends among U.S. adults, 1999 to 2000. J Am Soc Nephrol 2005; 16: 180–188. 20. Ribeiro AL, Marcolino MS, Bittencourt HN et al. An evaluation of the cardiotoxicity of imatinib mesylate. Leuk Res 2008; 32: 1809–1814. 21. Calhoun DA, Jones D, Textor S et al. Resistant hypertension: diagnosis, evaluation, and treatment: a scientific statement from the American Heart Association Professional Education Committee of the Council for High Blood Pressure Research. Circulation 2008; 117: e510–e526. 22. Soares AA, Eyff TF, Campani RB et al. Glomerular filtration rate measurement and prediction equations. Clin Chem Lab Med 2009; 47: 1023–1032. 23. Mehta RL, Kellum JA, Shah SV et al. Acute kidney injury network: report of an initiative to improve outcomes in acute kidney injury. Crit Care 2007; 11: R31. 24. Levey AS, Stevens LA, Schmid CH et al. A new equation to estimate glomerular filtration rate. Ann Intern Med 2009; 150: 604–612. 25. Bash LD, Coresh J, Kottgen A et al. Defining incident chronic kidney disease in the research setting: the ARIC Study. Am J Epidemiol 2009; 170: 414–424. 26. Sokal JE, Cox EB, Baccarani M et al. Prognostic discrimination in ‘‘good-risk’’ chronic granulocytic leukemia. Blood 1984; 63: 789–799. 27. Cairo MS, Bishop M. Tumour lysis syndrome: new therapeutic strategies and classification. Br J Haematol 2004; 127: 3–11. 28. Lindeman RD, Tobin J, Shock NW. Longitudinal studies on the rate of decline in renal function with age. J Am Geriatr Soc 1985; 33: 278–285. 29. O’Brien S, Berman E, Borghaei H et al. National Comprehensive Cancer Networkâ (NCCN) Practice Guidelines in Oncologyä: Chronic Myelogenous Leukemia Version 2.2010. JNCCN 2009; 7: 984–1023. 30. Martin JE, Sheaff MT. Renal ageing. J Pathol 2007; 211: 198–205. 31. Wetzels JF, Kiemeney LA, Swinkels DW et al. Age- and gender-specific reference values of estimated GFR in Caucasians: the Nijmegen Biomedical Study. Kidney Int 2007; 72: 632–637. 32. Lechner J, Malloth N, Seppi T et al. IFN-alpha induces barrier destabilization and apoptosis in renal proximal tubular epithelium. Am J Physiol Cell Physiol 2008; 294: C153–C160. 33. Vuky J, Isacson C, Fotoohi M et al. Phase II trial of imatinib (Gleevec) in patients with metastatic renal cell carcinoma. Invest New Drugs 2006; 24: 85–88. 34. Ozkurt S, Temiz G, Acikalin MF, Soydan M. Acute renal failure under dasatinib therapy. Ren Fail 2010; 32: 147–149. 35. Shemesh O, Golbetz H, Kriss JP, Myers BD. Limitations of creatinine as a filtration marker in glomerulopathic patients. Kidney Int 1985; 28: 830–838. 36. Launay-Vacher V, Oudard S, Janus N et al. Prevalence of renal insufficiency in cancer patients and implications for anticancer drug management: the renal insufficiency and anticancer medications (IRMA) study. Cancer 2007; 110: 1376–1384. 37. Demetri GD. Structural reengineering of imatinib to decrease cardiac risk in cancer therapy. J Clin Invest 2007; 117: 3650–3653. 38. Vega-Ruiz A, Cortes JE, Sever M et al. Phase II study of imatinib mesylate as therapy for patients with systemic mastocytosis. Leuk Res 2009; 33: 1481–1484. 39. David M, Cross NC, Burgstaller S et al. Durable responses to imatinib in patients with PDGFRB fusion gene-positive and BCR-ABL-negative chronic myeloproliferative disorders. Blood 2007; 109: 61–64. 40. Gotlib J, Cools J, Malone JM et al. The FIP1L1-PDGFRalpha fusion tyrosine kinase in hypereosinophilic syndrome and chronic eosinophilic leukemia: implications for diagnosis, classification, and management. Blood 2004; 103: 2879–2891. doi:10.1093/annonc/mdq715 | 7
RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar

O uso do laser na reabilitação das desordens..

Livre

Feedback