Colecionismo de arte moderna e contemporânea no Brasil: um estudo

 1  6  224  2017-01-24 19:16:47 Report infringing document

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

  Ao longo dela, verificou-se que o sistema de arte brasileiro nos últimos 25 anos se tornou cada vez mais complexo, e quedefinições de termos como colecionador e colecionismo não comportavam mais ideias fixas ou o significado que lhes foi atribuído. Ainda que nossapesquisa seja sobre colecionismo e colecionadores, e não sobre comerciantes de arte e galeristas, o paralelo é pertinente na medida em que há pouco material sistematizado sobre colecionismo de arte e opapel dos colecionadores privados no sistema de arte brasileiro.

INTRODUđấO

  O que mais nos interessou na crítica foi seu primeiro parágrafo no qual ela nos diz que“[a] maioria dos comerciantes de arte, por definição, vendem quadros, ganham dinheiro e entram nos livros de história [da arte] apenas como notas de rodapé.” (SOLOMON 2010). Ainda que nossapesquisa seja sobre colecionismo e colecionadores, e não sobre comerciantes de arte e galeristas, o paralelo é pertinente na medida em que há pouco material sistematizado sobre colecionismo de arte e opapel dos colecionadores privados no sistema de arte brasileiro.

A lista desses artistas é longa:

  Um primeiro recuo no tempoO público que frequenta obras de arte na região metropolitana de Belo Horizonte teve um grande impacto com a inauguração em 2004 – ainda que 4restrita a convidados , conhecido – do Centro de Arte Contemporânea Inhotimà época como CACI e que foi criado em 2002 pelo empresário do ramo da 5mineração Bernardo Paz. ” Em seguida o autor refere-se a Inhotim como algo “que mais parece um delírio” e “’paraíso da arte’.”O uso de expressões superlativas que se referem a estados ou lugares fora do comum – no “delírio” o sujeito está fora das suas faculdades mentais 3 Esta lista de nomes foi feita no dia 18 de setembro de 2013.

Deus colocou Adão e Eva – dá um pouco a noção do impacto causado pela

  Começando a retornar ao tempo presente Depois de adulto, já como artista, participei e frequentei o meio artístico de BeloHorizonte e, desde bem cedo, vivenciei um dos maiores dramas da formação de 6 qualquer artista: a falta de obras de arte disponíveis para visitação na cidade . O museu foi inspirado no Museum of Modern Art, de Nova Iorque, e sua criação discutida com o político eempresário norte americano Nelson Rockefeller, que comenta o assunto com Castro 10 Maya em carta dirigida a este datada, de 26 de novembro de 1946 , enfatizando que não era fácil organizar pessoas em torno da arte moderna.

APRESENTAđấO

  Esta informação parece um contrassenso dado o vasto número de publicações sobre coleções particulares que encontramos, tanto no Brasil, quanto noexterior, mas estes livros estão mais voltados para as obras de arte do que para a ação do colecionador. Nossa proposta foi a de reunir essas informações e propor o estudo de casos brasileiros do chamado “colecionismo autêntico” que Walter Benjamin (1931/1968) usa para colecionadores de livros e do modelo do “verdadeiro colecionismo de arte” que Joseph W.

COLEđấO

  Quase um século depois da mostra de Pittsburgh, na cidade de Belo Horizonte, foi realizada a exposição A de Arte – A Coleção Duda Miranda, que foi exibida numapartamento que simulava ser residência da colecionadora no período de 14 de maio a 21 de agosto de 2006. Ess a atribuição “parece ser um traço constante e bem documentado de todas as es e filosofias assim como da ciência.” 23 No que diz respeito à alternância entre fenômenos visíveis e invisíveis, à passagem de estágios em que há oaparecimento e o desaparecimento, o nascimento e a morte, a superioridade do invisívelé revestida de um poder de fecundidade.

MUDANÇA DE ATITUDE

  Em maio de 2000,participando de uma conferência no Museu do Louvre em Paris, tive a oportunidade de assistir a um debate acalorado entre um historiador da arte sentado a plateia e a palestrante que discorria sobre arestauração de antiguidades gregas. Em 7 de junho de 1492 foi assinada na cidade de Tordesilhas, Espanha, a minuta do tratado que leva o nome da cidade, posteriormente ratificado pelos Reis Católicos(Fernando e Isabel de Castela), em 2 de julho de 1494, e por D.

DAS COLEđỏES ANTIGAS AO STUDIOLO MEDIEVAL

  A polêmica foi encerrada em abril de 2007 Figura 13 Coroação de Dom Pedro II óleo sobre tela de François Moreaux 1842 Museu Imperial PetrópolisFonte: http://www.brasil.gov.br/governo/2009/11/imperio/obra-de-1824-retrata-o-ato-de-coroacao- de-d.-pedro-ii Outras categorias de objetos presentes nas coleções provinham de presentes ou despojos de guerra. Tal era, emtodo o caso, a opinião de Plínio, o Velho [ibid., 12]: ‘Foi a vitória de Pompeu que crioua voga das pérolas e das gemas; como a de L.

COLEđỏES DA IDADE MODERNA

  Essa figura imaginária que tem no corpo as características de aves, peixes e mamíferos – de um ser humano –, encontrará eco cerca Blom, por sua vez, coloca esse grande afluxo para a Europa no centro de um movimento de aumento do número de coleções. A Coleção de Felippe II de Espanha – ainda que as obras de arte que ele amealhou ao longo da vida no século XVI não possam ser configuradas como uma ação de colecionismo, sua ação contribuiu para a preservação de importantes pinturas deHyeronimus Bosch que foram levadas para a Espanha e hoje se encontram no museu doPrado em Madri.

COLEđỏES DO SÉCULO XIX/MEADOS DO SÉCULO XX

  Elas nos apresentam 40 colecionadores como Edgar Degas , mais conhecido pelas obras de arte que produziu do que pelas que ele colecionou e as autoras o chamam de “colecionador secreto.” Na edição do livro publicado em 2010, as autoras ainda acrescentaram os colecionadoresJohn e Dominique de Menil. Outro fato importante que elas nos trazem é o de que algumas coleções estão intimamente ligadas a alguns movimentos específicos de arte, tais como a de Louisine e 41 Henry Osborne Havemeyer ; a do Conde Panza de – bastante ligada ao Impressionismo Biumo – uma das principais coleções de arte Pop e do Minimalismo norte americanos, para citar apenas duas.

COLEđấO E ACERVO

  Já a definição de “acervo”, pelo menos com o uso que temos no Brasil, passa a impressão de que o conjunto dos objetos que o compõem é tido como um fato 46 dado – algo que sempre esteve ali, que faz parte da paisagem – sem se levar em conta quem foi ou quais foram os sujeitos envolvidos na sua formação. Se os “acervos” referidos acima foram fruto de uma acumulação de bens e objetos de maneira até certo ponto involuntária – penso aqui em todos os itens que se somam, por exemplo, a uma biblioteca de um escritor, tais como sua correspondência pessoal, instrumentos de escrita, títulos honoríficos, prêmios e medalhas recebidos, sópara citar alguns – o termo se aplicaria.

UMA COLEđấO DENTRO DE OUTRA COLEđấO

  Meireles traz objetos existentes e usa as obras de outros artistas como um pintor usa as cores de uma palheta ou usa imagens de fontes diversas para compor sua própriaimagem (um dado curioso é que em qualquer lugar que se procure informação sobre os artistas que estão presentes no Desvio não encontramos nada! Só in loco é que há a lista dos artistas). Naspalavras do curador Jacopo Crivelli Visconti, a Série Vermelha (Militares) representa um momento diferenciado na carreira de Rennó que adota procedimentos maiscomplexos, diferentes dos empregados por ela nas obras dos anos 90, em que podia-se isolar e objetivar a diferença entre a reflexão sobre a técnica usada e o que a obra março de 2012 anotei pessoalmente todos os nomes que constam na ficha supracitada.

A COLEđấO É A

  Retomando a coleção propriamente dita, a associação com uma instalação feita por um artista está amparada no fato de que uma coleção é uma entidade em que o todoé maior que a soma de todas as suas partes. Foto Vicente de Mello Fonte: http://www.artnexus.com/images/content/webimages/2007/u0008227big.jpg Os papéis de obra/coleção e de artista/colecionador estão intimamente misturados, na medida em que cabe tanto ao artista, quanto ao colecionador, a decisãofinal de como será a obra, no caso daquele, ou a coleção, no caso deste.

A COLEđấO COMO FERRAMENTA DE PESQUISA

  A posse das obras de Moraleida ainda está concentrada nas mãos de seus pais, seusherdeiros naturais, que têm se mostrado abertos a que algumas delas sejam vendidas a colecionadores e museus com vistas a que se possa aumentar sua visibilidade e aschances tanto de maior reconhecimento, quanto de preservação, e ainda que elas possam finalmente atingir um público maior através de exposições. O crítico de arte Roberto Pontual, no texto do livro sobre a Coleção GilbertoChateaubriand de 1976, distante, portanto, somente 6 anos daquela manifestação, refere-se a Frederico de Morais [...] como um dos poucos teóricos dispostos a compreender e a ativar a vanguarda, assumindo- a sob a forma de “atualização permanente de conceitos, arte como ação eengajamento.

Département des Arts Graphiques du Musée du Louvre com curadoria de Jean-Richard Pierrette. Em uma das

  As duas gravuras, a da coleção e a outra sobre a qual pairavam dúvidas a respeito de sua real autoria, após meticuloso exame emque foram usados especiais equipamentos óticos e de iluminação, chegou-se à conclusão que elas foram impressas em pedaços de papel que vieram de uma mesmafolha e que foram separadas mediante um corte. Em 17 de outubro de 2009, o Centro Acadêmico do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro em seu Blog do CAIA noticia que “Morre113 Hélio Oiticica incendiado No dia anterior, grande parte do acervo do artista havia .”114 sido destruída em um incêndio , que bem que poderia mesmo significar uma segunda morte para o artista falecido em 1980.

O COLECIONADOR

  O autor nos dá uma ideia da relação do colecionador com os objetos de sua coleção a partir da observação das várias maneiras de se adquirirem livros, o que é,segundo ele, um modo de aproximação completamente arbitrário, mas apropriado para lidar com a avalanche de memórias que atinge todo colecionador ocupado em lidar comseus objetos. Este é um privilégio que não só colecionadores de arte têm, mas de qualquer um de nós que tenha alguma obra de arte em casa, desde uma pintura feita por aquela “tia talentosa, ” ou um conjunto de objetos de Nélson Leirner, ou um objeto de parede de Rosângela Rennó, ou mesmo uma pintura de Lorenzato.

Colecionadores também fazem suas “apostas” e quanto mais artistas que

  entraram em suas coleções antes de serem reconhecidos adquirem reconhecimento, mais e mais pessoas passam e reconhece-los como agentes capazes de se anteciparem, dereconhecerem artistas de valor ainda no início de suas carreiras. A partir desse reconhecimento o colecionador passa a tomar parte também na dimensão simbólica dosistema da arte, com seus julgamentos e suas escolhas passando a influenciar na visibilidade dos artistas de sua coleção.

YBA’s –Young British Artists)

  Outra associação frequente é destescolecionadores com suas fortunas pessoais acima de um bilhão de dólares, o que pode ser conferido com a lista publicada pela revista Forbes que elenca anualmente os bilionários de todo o mundo (pelo menosos que têm entre seus bens patrimônio apurável publicamente, tais como ações de companhias de capital 199 aberto negociadas em bolsa). Ainda que não fosse, ele mesmo, um colecionador, o jornalista Assis Chateaubriand ao decidir “construir e montar no Brasil ‘uma das maiores galerias de arte do mundo’” (F. MORAIS 1994, 476), confiou a empreitada a Pietro Maria Bardi,marchand, jornalista e dono de uma galeria de arte em Roma, o qual veio ao país para vender as 54 telas de pintura italiana situadas entre o século XIII e o XVIII.

APEX (referência o mês de outubro de 2011).”

  Alguns modos de colecionar Continuando as distinções, há os colecionadores de tendências ou ecléticos, o que retomaria um pouco as escolhas baseadas no gosto estético. Mas ainda assimpodemos elencar no campo do gosto eclético o colecionador Gilberto Chateaubriand.

Arte do Rio de Janeiro (ArtRio).” 209 http://www.fazenda.gov.br/confaz/confaz/Convenios/ICMS/2012/CV082_12.htm 08/08/2013 11:36

  ” Mais uma distinção que Alexandre Melo (1994/2001, 76) aponta é o “modo de adquirir, ou seja, o processo de tomada de decisão e o modo de concretização da compra [da obra].” Há o modo solitário, mediante o qual o colecionador decide sozinho; há o modo compartilhado, em que o recurso a algum conselheiro ou curador é empregado. Mas o que ressaltamos é que o colecionador e seu universo de ação, através de seus modos de operar, trazem uma grande diversidade que julgamosimportante conhecer a fim de aprofundarmos nossas análises das entrevistas que realizamos com colecionadores brasileiros de arte moderna e contemporânea.

COLECIONISMO

  Mas incluir como exemplos dois militares que aumentaram suas “coleções” por meio de espólio de guerras ou de expropriação – como é o caso de várias obras de arte saqueadas de judeus europeus pouco antes e durante a II 221Lúcio Licínio Lúculo (118 a. O autor situa o nascimento do mecenato junto com o nascimento da própria arte, posto que encomendas a artistas renomados para produzir obras de culto para os templos – uma das formas que o mecenato assume – são frequentemente encontradas na história da arte e ele cita templos gregos da antiguidade clássica finamente adornados com esculturas de deuses.

O verdadeiro colecionismo de arte

  Gombrich considera o livro como “a primeira história acadêmica do colecionismo de arte.” Ainda sobre a omissão à menção de Alsop e do termo “true art collecting” (colecionismo de arteverdadeiro), até onde pudemos verificar, cunhado por ele, ela se torna mais importante na medida em que em palestra proferida em junho de 2012 Maria Dolores Jimenez-Blanco o emprega de forma veemente. Trata-se de adquirir e manter uma série de peças acima de tudo para desfrute estético, mas também como uma maneira de lançar uma mensagem inequívoca de poder eriqueza para quem tivesse a oportunidade de contemplá-las.

O colecionismo de arte na definição dos colecionadores

  Voltando à história do Man Ray, é como se cada objeto fosse um potencial novo Man [...] colecionismo é uma das maneiras que os seres humanos têm de lidar com carência, e não só o colecionismo de artes plásticas, mas o colecionismo de qualquer coisa, debonecas, de isqueiros, de talheres,... Em seu “[...] caso, a sensação de para cada colecionador a carência vai ser diferente – o seu Momento Madalena – ele define colecionismo como “[...] uma vontade de suprir uma carência e provavelmente Após relatar- nos a experiência do início da sua coleção aos 18 anos ”242 apaixonar por arte e não ter a menor necessidade de possuir o objeto.

Colecionismo de arte no Brasil recentemente

  Em Paris, são compradas em leilão do Hôtel 264 265 266 267Drouot as telas de Courbet , Rousseau e uma tela de Taunay (Vista da Baía do260 Raymundo de Castro Maya nasceu em Viana no ano de 1856 e faleceu no Rio de Janeiro em 18 de agosto de 1935. http://www.avlma.com.br/index.php/academicos-e-patronos/333-raymundo-de-castro-261 maya 02/04/2014 14:42 262 (HERKENHOFF e GODOY 1996, p.12) 263 Ibid. 269 270 Ibid p.11Fazendo o caminho proposto por Malraux que, a partir de museus existentes preconiza a ampliação do acesso às obras através de reproduções impressas de suas imagens, Pontual e Chateaubriand perseguiamseu desejo de ou construir um museu ou abrigar a coleção do último em um museu com paredes não de 271 papel ou imaginarias, mas de alvenaria.

INSTITUCIONALIZAđấO DE UMA COLEđấO PARTICULAR

  Resta evidente que, ainda que nenhum (me arrisco a afirmar isso sem medo de errar e baseado no fato de que todomuseu, minimamente estruturado, tem um acervo e uma reserva técnica onde ficam obras não expostas) museu possua espaço expositivo suficiente para mostrar todo seuacervo, quando um especialista ou pesquisador necessita ter acesso a uma obra, os museus cuidam para que esse acesso ocorra. A colecionadora Dominique de Menil também nos fala desse mesmo acesso ao se referir à obra de Domenico Veneziano que não pertencia à sua coleção citadaanteriormente, mas que ela a considerava como tal, pois sempre que quisesse poderia ir Raymundo Ottoni de Castro Maya, nascido no final do século XIX em Paris, veio para o Brasil na virada do século.

CONSIDERAđỏES FINAIS

  Consultando o catálogo da Rede Pergamun que congrega mais de 8000 bibliotecas brasileiras, verificamos que só havia um exemplar disponível na Universidade Unisinos de São Leopoldo, Outra constatação é a de que os termos colecionador e colecionismo não comportam mais ideias fixas e preconceitos. Ao refutarmos, por exemplo, a afirmaçãofeita por Houaiss (1987, IX) de que Goering – marechal do ar de Hitler – “[...] seria281 hoje o maior colecionista da Hist ória”, procuramos traçar uma linha divisória entre verdadeiro colecionismo de arte e os imemoriais ajuntamentos de tesouros ou butins de guerra.

POST-SCRIPTUM

  Nesse mesmo dia ao cumprimentar e agradecer a colecionadora pela doação tivemos a oportunidade de expor a ela nosso projeto de doutorado e pedir que ela nosdesse uma entrevista, com o que ela concordou na hora. Desde então, a pedido da diretoria daEscola Guignard, Ana Cristina Brandão, e da própria colecionadora, temos feito uma diligência preliminar com o intuito de trabalharmos juntos no processo dainstitucionalização de todo o material doado.

VOLUME II - ANEXO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAISADRIANO CÉLIO GOMIDE COLECIONISMO DE ARTE MODERNA E CONTEMPORÂNEA NOBRASIL: UM ESTUDO VOLUME II BELO HORIZONTE2014

OS COLECIONADORES POR ELES MESMOS

  No prefácio do catálogo que registra parte da coleção que ela e o marido amealharam durante suas vidas, Dominique de Menil nos fala de dois dos maisimportantes aspectos do ato de colecionar: salvar obras e objetos da devastação destruidora do tempo e disponibilizar a coleção para visitação pública. http://etd.lsu.edu/docs/available/etd-04032006- 290 174214/unrestricted/Martinez_thesis.pdf 13/09/2013 14:20 Esta não foi a primeira vez que o colecionador perdeu obras para o fogo: no dia 8 de julho de 1978foram queimadas, no incêndio do MAM do Rio de Janeiro, seis telas de Joaquín Torres-Garcia que eram da sua coleção e estavam emprestadas ao museu para uma retrospectiva do arista.

Delimitação do campo

  (Instituto Brasileiro de Museus 2011, p.20), por entendermos que este termo por um lado é bastante limitado pelo fato de não incluir meios já bastante estabelecidos na história da arte contemporânea como afotografia e o vídeo, só para citar alguns; por outro lado sua definição é bastante elástica ao incluir as chamadas “Artes Aplicadas” o que foge totalmente ao interesse de nossa pesquisa. O contato para a entrevista com Bernardo Paz se deu de maneira institucional através do curador Jochen Volz, mas sua saída de Inhotim e as mudanças pelas quais passaram o instituto, bem como o fato do 292 em São Paulo, capital e um de Ribeirão Preto, interior do Estado de São Paulo.

RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar
Tags

Colecionismo de arte moderna e contemporânea..

Livre

Feedback