Feedback

Proteínas Digestibilidade

Avaliação longitudinal de parâmetros clínicos, hematológicos, bioquímicos e eletroforese de proteínas de cães com sarna demodécica tratados com Amitraz

... 2008). A produção e a degradação das proteínas ocorrem continuamente de forma equilibrada em um animal sadio. Mas, quando há doença, este equilíbrio pode ser alterado: por ação de lisossomos, pode ocorrer a quebra de proteínas e os aminoácidos são utilizados como fonte de energia ou matéria prima para a produção de outras proteínas, uma vez que o organismo ... 40% da energia produzida é obtida por esta fonte (Eckersall, 2008). 23 2.1.1. Proteínas plasmáticas São descritas 289 diferentes proteínas plasmáticas puras em humanos, ou seja, sem que estejam combinadas a outras substâncias. Não há definição do número de proteínas identificadas no cão, mas sabe-se que, destas, em torno de 10 são utilizadas ... condição pode se resolver espontaneamente, mas a proporção provavelmente é muito menor que nos casos em que não há relato de casos na família (Scott et al., 2001). 2. Proteínas As proteínas são os componentes mais abundantes do plasma e podem ser classificadas de acordo com: (1) estrutura – primária, secundária, terciária ou quaternária –, (2) propriedades
 0  3  46

Consumo, digestibilidade e balanço de nitrogênio em ovinos alimentados com torta de macaúba.

... - Consumo de proteína bruta DN - Digestibilidade dos nutrientes DMS - Digestibilidade da matéria seca DMO - Digestibilidade da matéria orgânica DFDN - Digestibilidade da fibra em detergente neutro DFDA - Digestibilidade da fibra em detergente ácido DEE - Digestibilidade do extrato etéreo DPB - Digestibilidade da proteína bruta EB ... nutricional podem interferir na digestibilidade dos alimentos. Vários fatores interferem na digestibilidade dos alimentos, entre eles a qualidade da dieta, consumo de matéria seca e água, tempo de retenção da digesta, ciclo de ruminação e taxa de fermentação ruminal (COELHO DA SILVA; LEÃO, 1979). Segundo Van Soest (1994) consumo e digestibilidade são interdependentes, ... efeito quadrático no coeficiente de digestibilidade do extrato etéreo (CDEE) em ovinos alimentados níveis crescentes (0, 8, 17, 25%) de farelo de coco (FC) em substituição ao feno de Tifton-85. Valores máximos de digestibilidade foram encontrados próximos ao nível de 17%. Foi observada correlação positiva entre a digestibilidade do EE e os níveis de
 0  4  48

Consumo e digestibilidade aparente do feno de Andropogon gayanus colhido em três diferentes idades

... Andropogon................................................................20 4.2 Consumo e digestibilidade da matéria seca e orgânica do feno de Andropogon .......... 24 4.3 Consumo e digestibilidade da protéina bruta do feno de Andropogon........................ 26 4.4 Balanro do nitrogênio do feno de Andropogon........................................................... 27 4.5 Consumo e digestibilidade das frarões ... definido com base na digestibilidade, no consumo de alimento e na eficiência energética. Na avaliarão do valor nutritivo de uma forragem, o consumo voluntário e a digestibilidade são parâmetros que assumem maior importância e estão diretamente relacionados (Forbes, 2007). A quantidade total de nutrientes absorvidos vai depender da digestibilidade, mas ... mostraram declínio da taxa de digestibilidade de 0,3% e 0,4% por dia, respectivamente até a florarão. Entretanto, após este período verificou – se, um declínio na taxa de 0,85% por dia, demonstrando desta forma que após o período de florarão a digestibilidade da gramínea diminui rapidamente (Barbi et al, 1995). 2.4 Consumo e Digestibilidade O consumo
 0  7  35

Consumo voluntário e digestibilidade aparente da silagem de capim elefante (Pennisetum purpureum Shum)em diferentes idades de corte, em ovinos

... metabólica fecal, obtém-se a digestibilidade verdadeira do alimento, 22 valor esse sempre superior à digestibilidade aparente. No entanto, no caso da porção fibrosa do alimento, os valores de digestibilidade aparente e verdadeira são iguais, uma vez que não há produção endógena desse composto no organismo (Berchielli et al., 2006). A digestibilidade dos ... superior às demais idades de corte (p
 0  40  57

Cristalização, estrutura e atividade de duas proteínas com apelo biotecnológico: Pb27 de Paracoccidioides brasiliensis e salicilaldeído desidrogenase (NahF) de Pseudomonas putida

... utilizados para entender como as moléculas atuam, como enzimas catalisam reações metabólicas, como proteínas transportadoras carregam suas moléculas-cargo, como anticorpos se ligam a antígenos e, também, como proteínas se ligam ao DNA (Rhodes 2000). Nesse trabalho, duas proteínas de interesse biotecnológico foram estudadas do ponto de vista bioquímico e estrutural: ... BARBOSA COITINHO Cristalização, estrutura e atividade de duas proteínas com apelo biotecnológico: Pb27 de Paracoccidioides brasiliensis e salicilaldeído desidrogenase (NahF) de Pseudomonas putida. Belo Horizonte 2013 JULIANA BARBOSA COITINHO Cristalização, estrutura e atividade de duas proteínas com apelo biotecnológico: Pb27 de Paracoccidioides ... apresenta alinhamento apenas com proteínas hipotéticas e mostra um domínio DUF1814 (nucleotidil 4 transferase de função desconhecida). Assim, a determinação da estrutura inédita dessa proteína pode trazer informações úteis para a caracterização desse “novo” domínio, além de agregar conhecimento para a resolução de outras proteínas novas. A enzima NahF
 0  2  171

Desenvolvimento de nanoparticulas poliméricas carreadoras de proteínas como potenciais adjuvantes para uso em vacinas

... encapsulamento comparando os grupos de preparações contendo diferentes proteínas. ........................................................................................................................... 98 Figura 54 – Perfis de distribuição de tamanho da formulação de nanopartículas contendo proteínas extraídas de câncer de ovário. ....................................................................................... ... distribuição de potencial zeta da formulação de nanopartículas contendo proteínas extraídas de câncer de ovário. ....................................................................................... 101 Figura 56 – Eficiência de encapsulamento da formulação de nanopartículas contendo proteínas extraídas de câncer de ovário. ........................................................................................................ ... .............................................. 35 3.3.1.4. Preparação das nanopartículas contendo proteínas extraídas de câncer de ovário..... 35 3.3.1.4.1. Amostras biológicas de câncer de ovário................................................................ 35 3.3.1.4.2. Extração de proteínas ..............................................................................................
 0  2  127

Desenvolvimento reprodutivo e análise das proteínas do plasma seminal com afinidade à heparina, em tourinhos Gir selecionados para a produção de leite

... (Fertility Associated Antigen – FAA). Proteínas Ligadoras ao Espermatozóide (Binder of Sperm Proteins – BSPs) As BSPs são proteínas ácidas e de cadeia polipeptídica simples, também conhecidas como “major proteins”, representando aproximadamente 30% do total de proteínas do plasma seminal (Manjunath e Sairam, 1987) e 86% das proteínas do fluido das glândulas ... presentes no plasma seminal, as proteínas ali presentes exercem variadas funções, alterando as membranas e o metabolismo dos espermatozóides e conferindo proteção contra efeitos oxidativos e imunológicos do trato genital feminino, aumentando, conseqüentemente, o potencial fertilizante dos gametas Proteínas do plasma seminal As proteínas do sêmen nos animais ... Seminal................................................................................................ Proteínas do Plasma Seminal........................................................................... Proteínas Ligadoras ao Espermatozóide (Binder of Sperm Proteins – BSPs) Cromatografia Líquida de Proteínas. ................................................................ Cromatografia
 0  3  71

Digestibilidade da dieta e desempenho físico de éguas mangalarga marchador suplementadas com saccharomyces cerevisiae durante treinamento em esteira ergométrica

... pode melhorar a digestibilidade dos nutrientes da dieta, especialmente a dos componentes fibrosos. Segundo Morgan et al. (2007), estratégias para aumentar a digestibilidade de forrageiras de baixa qualidade pode ser uma boa alternativa para os produtores, trazendo benefícios para a saúde dos equinos. Considerando os coeficientes de digestibilidade ... al. (2011) avaliaram o efeito da suplementação com leveduras na digestibilidade aparente dos ingredientes de uma dieta com alto teor de fibra em cavalos adultos e observaram que a suplementação com Saccharomyces cerevisiae aumentou a digestibilidade aparente da MS, FDN e FDA. Considerando a digestibilidade da PB, Hill et al. (2001) avaliaram equinos consumindo ... detectado aumento (P0,05) na digestibilidade da MS, PB, FDN e FDA. Os autores concluíram que os aditivos probióticos, compostos por leveduras vivas, podem ser adicionados na dieta de equinos em treinamento aeróbico, visando aumentar a digestibilidade da fração
 0  2  94

Estimativa de consumo e digestibilidade em novilhas leiteiras, alimentadas com dietas contendo diferentes níveis de inclusão de glicerina bruta, e avaliaçao de indicadores

... 8 - Digestibilidade aparente da matéria seca (CDAMS) e digestibilidade estimada pelos diferentes indicadores como LIPE®, MSi e FDNi, em % ...................... 31 Tabela 9 - Digestibilidade aparente da proteína bruta (CDAPB) estimado pela coleta total de fezes e a digestibilidade da PB pelos indicadores LIPE®, MSi e FDNi em % .. 32 Tabela 10 - Digestibilidade ... ................................................................................................................... 29 4.3 Digestibilidade Aparente da Matéria Seca .............................................................. 31 4.4 Digestibilidade Aparente da Proteína Bruta............................................................ 31 4.5 Digestibilidade Aparente do Extrato Etéreo ............................................................ 33 4.6 Digestibilidade ... Fibra em Detergente Neutro ...................................... 34 4.7 Digestibilidade Aparente da Fibra em Detergente Ácido ........................................ 36 4.8 Digestibilidade Aparente da Energia Bruta............................................................. 37 4.9 Digestibilidade Aparente dos Carboidratos Não Fibrosos......................................
 0  2  53

Expressão e localização das proteínas c-Fos e receptor de estrogênio beta no testículo humano

... Fabiano Condé Araújo Expressão e localização das proteínas c-Fos e receptor de estrogênio beta no testículo humano Belo Horizonte Universidade Federal de Minas Gerais 2006 Fabiano Condé Araújo Expressão e localização das proteínas c-Fos e receptor de estrogênio beta no testículo humano Dissertação apresentada ... localização das proteínas c-Fos e receptor de estrogênios beta no testículo humano [manuscrito] / Fabiano Condé Araújo. – 2006. XIII, 46 f.: il.; 29,5cm. Orientador: Fernando M. Reis. Co-orientadora: Cleida A. Oliveira. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Fisiologia e Biofísica. 1. Proteínas proto-oncogênicas ... sistema de sinalização endócrina (sistêmica e parácrina). Considerando uma possível interrelação entre as proteínas c-Fos e receptor de estrogênios beta (ER-beta), este trabalho verificou a expressão do proto-oncogene c-fos e a imunolocalização das proteínas c-Fos, c-Fos fosforilada e ER-beta no parênquima testicular humano. A amostra foi constituída
 0  3  62

Geração e caracterização de linhagens de Trypanosoma cruzi expressando proteínas fluorescentes como ferramentas para pesquisa em Doença de Chagas

... de linhagens de Trypanosoma cruzi expressando proteínas fluorescentes como ferramentas para pesquisa em Doença de Chagas Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Outubro de 2007 Simone da Fonseca Pires Geração e caracterização de linhagens de Trypanosoma cruzi expressando proteínas fluorescentes como ferramentas para ... 52 4.8. Expressão das Proteínas Fluorescentes nas outras formas do ciclo de vida do Parasito 4.9.Avaliação da Infectividade dos Parasitos Transfectados em cultura de células. 4.10. Infecção de Camundongos com os Parasitos Expressando GFP e RFP 54 54 56 4.11. Investigação dos mecanismos envolvidos na ausência da expressão das proteínas fluorescentes 4.12. ... vetores transformados na forma episomal. Com o objetivo de gerar parasitos que expressassem proteínas fluorescentes de forma estável, formas epimstigotas do T. cruzi foram transfectadas com o vetor de expressão denominado pROCKGFP/RFPNeo, que leva a integração das proteínas verde (GFP) e vermelha (RFP) fluorescentes no loco de β-tubulin via recombinação
 0  9  112

Indicadores externos de digestibilidade em ovinos

... fecal metabólica, obtém-se a digestibilidade verdadeira dos alimentos, valor esse sempre superior à digestibilidade aparente. No entanto, no caso da porção fibrosa do alimento, os valores de digestibilidade verdadeira e aparente são iguais, uma vez que não há produção endógena desse composto no organismo animal. Em dietas totais, proteínas e lipídios sempre ... sua validação e maior utilização em ensaios de digestibilidade. 2.4 – Digestibilidade Segundo Van Soest (1994), digestão pode ser definida como um processo de conversão de macromoléculas dos nutrientes em compostos mais simples, que podem ser absorvidos a partir do trato gastrointestinal. Medidas de digestibilidade servem para qualificar os alimentos ... produção fecal e digestibilidade aparente dos nutrientes foram utilizados os indicadores externos óxido crômico (Cr2O3), dióxido de titânio (TiO2) e NANOLIPE®. Não houve diferença significativa (P>0,05), entre os indicadores óxido crômico, NANOLIPE® e a coleta total. O dióxido de titânio superestimou a produção fecal e subestimou a digestibilidade dos
 0  2  86

Perfil eletroforético de proteínas e concentrações de leptina, insulina e IGF-I do plasma seminal de tourinhos Gir-Leiteiros na peripuberdade

... Puberdade e a qualidade do plasma seminal sob ação de hormônios e proteínas locais Resumo A expressividade e ação de alguns elementos do plasma seminal, como proteínas e hormônios, podem servir como marcadores para a fertilidade do sêmen. Estudos têm demonstrado uma associação entre proteínas no fluido seminal e a fertilidade, em razão delas exercerem ... VETERINÁRIA Colegiado dos Cursos de Pós-Graduação PERFIL ELETROFORÉTICO DE PROTEÍNAS E CONCENTRAÇÕES DE LEPTINA, INSULINA E IGF-I DO PLASMA SEMINAL DE TOURINHOS GIRLEITEIROS NA PERIPUBERDADE Fernando Andrade Souza Belo Horizonte 2011 Fernando Andrade Souza Perfil eletroforético de proteínas e concentrações de leptina, insulina e IGF-I do plasma seminal ... o transporte através do epidídimo e na ejaculação, os espermatozóides adquirem várias proteínas oriundas do fluido epididimário e das secreções das glândulas acessórias, além de terem contato também com hormônios produzidos nos testículos (Yanagimachi, 1994). As proteínas são os constituintes orgânicos encontrados em maior quantidade no plasma seminal.
 0  5  115

Estresse hídrico com diferentes osmóticos em sementes de feijão e expressão diferencial de proteínas durante a germinação.

... de genes que codificarão proteínas específicas, finalizando com diversas respostas fisiológicas, metabólicas e de desenvolvimento. Entre estas respostas ao estresse, encontramos fatores de transcrição (ZHU, 2001), proteínas de diversas classes, como as BiP (Binding Protein) (KALINSKI et al., 1995), Peroxidases (SIEGEL, 1993), proteínas LEA (Late embryogenesis ... das HSPs ainda existe um grupo especial de proteínas que se destinam à recuperação de Maringá, v. 32, n. 3, p. 491-499, 2010 Estresse hídrico e expressão protéica em sementes de feijão 493 proteínas danificadas, chamadas de moléculas ‘chaperonas’, apresentando atividades voltadas para interagir com proteínas desnaturadas para facilitar a conformação ... de tomate, em estresse salino in vitro, foi de apenas cinco proteínas pelo SDS-PAGE. Todavia, estes padrões, bem como os presentes no atual trabalho, foram revelados com Coomassie Blue R250, uma técnica que demonstra apenas proteínas em microgramas, o que não significa afirmar que apenas estas proteínas estejam presentes na amostra (ALFENAS, 1998). O
 0  10  9

Digestibilidade de nutrientes em rações de frangos de corte suplementadas com promotores de crescimento.

... distintas na coluna diferem entre si pelo teste de SNK ao nível de 5% de probabilidade; 1CDIMS - coeficiente de digestibilidade ileal da matéria seca; 2CDIPB - coeficiente de digestibilidade ileal da proteína bruta; 3CDIEE - coeficiente de digestibilidade ileal do extrato etéreo. 4DCP - dieta controle positivo; 5DCOEF - dieta controle com adição de óleos ... distintas na coluna diferem entre si pelo teste de SNK ao nível de 5% de probabilidade; 1CDTMS - coeficiente de digestibilidade total da matéria seca; 2CDTPB - coeficiente de digestibilidade total da proteína bruta; 3CDTEE - coeficiente de digestibilidade total do extrato etéreo. 4 DCP - dieta controle positivo; 5 DCOEF - dieta controle com adição de ... essencial de tomilho e anis sobre crescimento, desempenho e digestibilidade ileal de nutrientes em frangos de corte, observaram que a digestibilidade da proteína bruta, do extrato etéreo, do cálcio e do fósforo foi significativamente maior nas aves alimentadas com ração contendo esse aditivo do que a digestibilidade das aves do grupo controle. Tabela 4.
 0  3  7

Morfometria corpórea, características do sêmen, proteínas seminais e testosterona em cervos Cervus unicolor, em cativeiro.

... negativa com a fertilidade (Brandon, 1999). Proteínas entre 21 e 22kDa foram identificadas nos cervos A, B, C e D. Proteínas variantes da HPB, com aproximadamente 21,5kDa e 31kDa, são associadas ao incremento da fertilidade (Bellin et al., 1994). Os animais B e D apresentam a banda de 30kDa. Em bovinos, um grupo de proteínas conhecidas como BSP-A1, BSP-A2, ... total (DPC – Coat a Count® – MedLab). A eletroforese em SDS-PAGE foi processada com extrações das proteínas segundo Laemilli (1970) e quantificações conforme Bradford (1976) com espectrofotômetro (PF-901 Chemistry Analyser Labsystems, USA). A extração das proteínas foi realizada utilizando-se tampão composto por: buffer A – TRIS HCl (6,0mL) pH 6,8 (4,0mL), ... 166,00±64,48ng/dL) e proteínas do plasma seminal com bandas entre 7,6 e 142kDa. As características dos ejaculados não diferiram (P>0,05) entre as três primeiras colheitas. Houve diferença (P
 0  6  9

Digestibilidade do cálcio de ingredientes para suínos, avaliada por meio de dois métodos.

... fator de indigestibilidade (FI) FI = % CAI dieta % CAI fezes coeficiente de digestibilidade aparente do cálcio (CDACa) CDACa (%) = % Ca dieta – (% Ca fezes x FI) X 100 % Ca dieta coeficiente de digestibilidade verdadeira do Ca (CDVCa) CDVCa (%) = %Ca dieta – (%Ca fezes x FI - %Cae x FIe) X 100 % Ca dieta em que: FIe = fator de indigestibilidade ... coeficientes de digestibilidade aparente quanto nos coeficientes de digestibilidade verdadeira, em comparação ao método do indicador. Cheng e Coon (1990) relatam que a CAI pode aumentar a digestibilidade dos nutrientes devido à alta ingestão de sílica. Níveis superiores a 2% na dieta podem reduzir a passagem da digesta no intestino e, assim, melhorar a digestibilidade ... a revisão constante dos valores de disponibilidade ou da digestibilidade. Muitas vezes, os termos digestibilidade e disponibilidade são utilizados como sinônimos. No entanto, essa denominação varia conforme o local do animal onde o nutriente é avaliado. Segundo Sakomura e Rostagno (2007), a digestibilidade é determinada pela diferença entre a quantidade
 0  2  8

Associação entre proteínas do plasma seminal, motilidade e viabilidade espermática em coelhos submetidos a doping genético.

... sexuais acessórias, e contém diferentes componentes, tais como açúcares, lipídeos, proteínas e íons. O plasma seminal está envolvido na manutenção das funções espermáticas e na fertilização (Wojtczak et al., 2005; Kareskoski e Katila, 2008). O papel do plasma seminal e suas proteínas na maturidade espermática têm sido amplamente estudados, apresentando ... silico apontam que um grupo proteico de 26kDa, chamado de Sialoproteínas, tem por função a inibição da aglutinação das cabeças dos espermatozoides. Strzezek (2002) apontou que a deficiência desse grupo pode comprometer o potencial espermático de fertilização. Yue et al. (2009) também identificaram proteínas de 72, 37 e 18kDa associadas à alta viabilidade ... proteína absorve o peróxido de lipídio, protegendo as células. Embora vários estudos tenham encontrado associação entre proteínas do plasma seminal e características reprodutivas, ainda pouco se conhece sobre a maneira como essas proteínas agem sobre os espermatozoides. Estudos anteriores têm fornecido evidências de que agem por adsorção à membrana
 0  7  7

Alterações histológicas dos rins e expressão das metalotioneínas e das proteínas de choque térmico em ratos Wistar após exposição ao fungicida tirame.

... função protetora das MTs parece basear-se na sua capacidade de se ligar aos íons de metais pesados e como limpador de radicais livres (Kagi, 1993). As proteínas de choque térmico (Hsp) são um grupo de proteínas classificadas de acordo com o seu peso molecular, as quais podem ser induzidas por choque térmico e outras formas de estresse fisiopatológico ... Portugal 3Instituto de Patologia Experimental  Universidade de Coimbra, Portugal  RESUMO Avaliaram-se as alterações histológicas e a expressão das metalotioneínas (MTs) e das proteínas de choque térmico (Hsp70) nos rins de ratos Wistar após a exposição ao fungicida tirame. Os animais foram distribuídos em três grupos: grupo dieta-padrão; grupo dieta-padrão+óleo ... adaptativa ao estresse oxidativo causado pelo tirame, pode ser utilizada como biomarcador de exposição a este químico. Palavras-chave: rato, rins, tirame, histologia, metalotioneínas, proteínas de choque térmico (Hsp70) ABSTRACT The histological alterations and the expression of metallothionein (MTs) and heat shock protein (Hsp70) in the kidney of Wistar rats
 0  2  8

Consumo, digestibilidade dos nutrientes e comportamento ingestivo de vacas leiteiras alimentadas com castanha de caju.

... quais não notaram efeitos da inclusão de lipídeos sobre a digestibilidade aparente desses nutrientes, sugerindo que quantidades significativas de lipídeos não protegidos podem ser adicionadas à dieta, pois não promovem efeitos na digestibilidade desses nutrientes. Tabela 4. Coeficientes de digestibilidade aparente (%) da matéria seca, matéria orgânica ... Portanto, a fonte ideal de lipídeo para vacas em lactação seria aquela que não interferisse na digestibilidade dos demais nutrientes, apresentando elevada digestibilidade intestinal. Embora apresente 78,7% de ácidos graxos insaturados, a castanha de caju não influenciou a digestibilidade dos nutrientes. Possivelmente, o ácido oleico  57,4% dos ácidos graxos ... fibra em detergente ácido. EPM: erro-padrão da média. 1Valor de P: L = efeito linear; Q = efeito quadrático. A digestibilidade do extrato etéreo não foi diferente entre as rações, com média de 71,5%. De acordo com o Nutrient... (2001), a digestibilidade dos ácidos graxos, componentes do extrato etéreo, pode ser influenciada pelo consumo de matéria
 0  4  9

Digestibilidade aparente da dieta com capim-elefante ensilado com diferentes aditivos.

... coleta total de fezes durante sete dias. Os coeficientes de digestibilidade aparente da matéria seca, proteína bruta, fibra em detergente neutro e fibra em detergente ácido e de digestibilidade verdadeira da proteína bruta foram maiores no capim-elefante ensilado sem aditivo. O coeficiente de digestibilidade do extrato etéreo foi mais alto na silagem ... mandioca. Silva e Leão (1979) definiram a digestibilidade do alimento como a capacidade do animal de aproveitar seus nutrientes em maior ou menor escala, expressa pelo coeficiente de digestibilidade dos nutrientes em apreço, e é uma característica influenciada tanto pelo animal como pelo alimento. Segundo Van Soest (1994), a digestibilidade pode ser definida ... (2004) avaliaram a digestibilidade aparente de dietas que continham 0,0; 6,25; 12,5; 18,75 e 25% de casca de café, na base da matéria seca, em substituição ao milho na ração concentrada, e observaram que os coeficientes de digestibilidade não foram alterados pela adição de casca de café às dietas. Oliveira et al. (2007) avaliaram a digestibilidade de
 0  3  9

Composição química e digestibilidade da matéria seca do bagaço de cana-de-açúcar tratado com óxido de cálcio.

... observaram, ainda, aumento de 15,9 unidades percentuais na digestibilidade in vitro da matéria seca no bagaço tratado com 7,5% de ureia. Pires et al. (2004) testaram a viabilidade do uso de produtos químicos em volumosos de baixa qualidade e verificaram aumento de 32,1 e 59,8%, respectivamente, na digestibilidade in vitro da matéria seca do bagaço de cana-deaçúcar ... Balieiro Neto et al. (2007) observaram redução do teor de FDN e aumento expressivo na digestibilidade in vitro da matéria seca da cana-de-açúcar tratada com óxido de cálcio no momento da ensilagem. Este trabalho foi conduzido com o objetivo de avaliar a composição química e a digestibilidade in vitro da matéria seca do bagaço de cana-deaçúcar tratado com ... celular, provocando redução inclusive da lignina com a inclusão de 0; 2,5; 5 ou 7,5% de NaOH (%MS). A digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS) da cana-de-açúcar aumentou linearmente com a adição de óxido de cálcio (Fig. 4). Esse aumento da digestibilidade in vitro da matéria seca em materiais tratados com produtos alcalinos tem sido relatado
 0  4  7

Valor nutritivo do resíduo da indústria processadora de abacaxi (Ananas comosus L.) em dietas para ovinos. 1. Consumo, digestibilidade aparente e balanços energético e nitrogenado.

... Cappelle et al. (2001). Para a digestibilidade da matéria orgânica, o valor foi comparável ao do feno do capim Tifton (68,58%). Para a digestibilidade da proteína bruta, os valores para as dietas em que se incluiu o subproduto foram similares ao grão de soja (65,00) e, para a digestibilidade do extrato etéreo, foram similares à digestibilidade desse nutriente ... maior digestibilidade. Os dados de digestibilidade da celulose foram semelhantes, permitindo inferir que a fração celulósica pode ter sido a responsável pela queda da digestibilidade da FDA quando se incluiu o resíduo de abacaxi, uma vez que a porção hemicelulolítica não variou entre as dietas. Porém, ressalta-se que houve semelhança de valores de digestibilidade ... de digestibilidade do extrato etéreo. A digestibilidade da matéria seca, da dieta que não incluiu resíduo de abacaxi, foi maior apenas do que a dieta com 11% que, por sua vez, foi semelhante estatisticamente às dietas com 16 e 27% de inclusão, e estas idênticos à dieta com 0% de inclusão. Correlação negativa e significativa foi encontrada entre a digestibilidade
 0  6  9

Efeito da rACLF, uma metalopeptidase recombinante da peçonha de Agkistrodon contortrix laticinctus, na viabilidade celular, expressão de citocinas e degradação de proteínas da matriz extracelular.

... variedade de proteínas, as quais são responsáveis por vários processos patológicos durante o envenenamento. Entretanto, o estudo destas proteínas vem demonstrando, que além de exercerem funções patológicas, muitas delas podem servir de ferramentas para processos terapêuticos. Neste contexto o Laboratório de Bioquímica vem estudando a ação de proteínas ... kDa e pouca atividade hemorrágica. A classe P-II engloba as proteínas de tamanho médio, que além do domínio catalítico, possuem um domínio desintegrina. Estas proteínas na sua forma ativa geralmente são processadas liberando desintegrinas livres (JIA et al.., 1996, 1997 FOX e SERRANO, 2005). As proteínas da classe P-III possuem além dos domínios catalítico ... (YURCHENCO & O’REAR, 1994). 11 A MEC é constituída por proteínas fibrosas estruturais como colágeno e elastina, glicoproteínas adesivas como fibronectina e laminina e por proteoglicanas. Nos tecidos conectivos as moléculas de proteoglicanas formam um gel altamente hidratado, embebendo as proteínas fibrosas. Este gel é resiste às forças compressivas
 0  9  98

Caracterização físico-químico e funcional das proteínas de amêndoas do pinhão manso

... integral GO Globulina IP Isolado proteico IP7,2 Isolado proteico extraído em pH 7,2 IP10,0 Isolado proteico extraído em pH 10,0 IPS Índice de proteínas solúveis IRPE Índice de rendimento de proteínas extraídas PFD Proteínas na farinha desengordurada PPI Proteínas precipitadas isoeletricamente RMF Resíduo mineral fixo Td Temperatura de desnaturação WHO World Health ... acordo com a atividade que desempenha em cada espécie, permitindo separa-lás em proteínas estruturais; funcionais como 19 as enzimas e os hormônios; proteínas de defesa e proteínas de armazenamento, que são utilizadas durante a germinação (DEVAPPA; MAKKAR; BECKER, 2010). As proteínas de armazenamento consistem em quatro frações de acordo com a solubilidade ... sulfurados e a presença de fatores antinutricionais, dificultam a utilização de suas proteínas na composição de alimentos (MOURE et al., 2006). Segundo Pickardt et al. (2009), as proteínas de girassol apresentam compostos fenólicos, responsáveis pela restrição de inserção dessas proteínas nos alimentos, que são capazes de ligar-se a cisteína e lisina durante
 0  7  82

Documento similar