Feedback

Limitação ventilatória e eficiência cardiorrespiratória de indivíduos após infarto do miocárdio recente e/ou insuficiência cardíaca crônica

Documento informativo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA ___________________________________________________________________________ MARLUS KARSTEN LIMITAÇÃO VENTILATÓRIA E EFICIÊNCIA CARDIORRESPIRATÓRIA DE INDIVÍDUOS APÓS INFARTO DO MIOCÁRDIO RECENTE E/OU INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CRÔNICA SÃO CARLOS 2011 MARLUS KARSTEN LIMITAÇÃO VENTILATÓRIA E EFICIÊNCIA CARDIORRESPIRATÓRIA DE INDIVÍDUOS APÓS INFARTO DO MIOCÁRDIO RECENTE E/OU INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CRÔNICA Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós Graduação em Fisioterapia da Universidade Federal de São Carlos como parte dos requisitos para obtenção do título de Doutor em Fisioterapia, área de concentração: Processos de Avaliação e Intervenção em Fisioterapia. Orientadora: Profª Dra Aparecida Maria Catai SÃO CARLOS 2011 Ficha catalográfica elaborada pelo DePT da Biblioteca Comunitária/UFSCar K18Lv Karsten, Marlus. Limitação ventilatória e eficiência cardiorrespiratória de indivíduos após infarto do miocárdio recente e/ou insuficiência cardíaca crônica / Marlus Karsten. -- São Carlos : UFSCar, 2011. 155 f. Tese (Doutorado) -- Universidade Federal de São Carlos, 2011. 1. Fisioterapia. 2. Teste de esforço. 3. Cinética. 4. Frequência cardíaca. 5. Consumo de oxigênio. 6. Hipóxia. I. Título. CDD: 615.82 (20a) MARLUS KARSTEN PRIMEIRO ESTUDO ETAPA 1 Ineficiência ventilatória e limitação ao fluxo expiratório durante testes de exercício em pacientes após infarto do miocárdio recente Ventilatory inefficiency and expiratory flow limitation during exercise testing in recent myocardial infarction patients ETAPA 2 Cinética do consumo de oxigênio é mais lenta do que a da frequência cardíaca em pacientes após infarto do miocárdio recente Oxygen uptake is slower than heart rate on-kinetics in recent myocardial infarction patients SEGUNDO ESTUDO Efeitos do carvedilol nas cinéticas do consumo de oxigênio e da frequência cardíaca em pacientes com insuficiência cardíaca crônica em altitude simulada Effects of carvedilol on oxygen uptake and heart rate kinetics in patients with chronic heart failure at simulated altitude Orientadora: Profª Dra Aparecida Maria Catai SÃO CARLOS 2011 iv Investigação conduzida no Laboratório de Fisioterapia Cardiovascular/Núcleo de Pesquisa em Exercício Físico do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal de São Carlos, com apoio financeiro do CNPq (Processo 483945/2007-2, Edital Universal, e Processo 140238/2008-5, bolsa de doutorado) e da FAPESP (Processo 05/54838-9), e no Laboratorio di Fisiopatologia Cardiorespiratoria da Università degli Studi di Milano, Itália, com apoio financeiro da CAPES/PDEE (Processo BEX 5147/09-3, bolsa de doutorado no país com estágio no exterior). v DEDICATÓRIA Esta tese é dedicada ... Aos meus pais, Odair e Tania, que abriram e mantiveram abertos os caminhos que venho trilhando, com amor, apoio e compreensão; Aos meus filhos, Leonardo e Henrique, que me estimulam permanentemente a abrir novos caminhos sem esquecer-me do ponto de partida; Àqueles que acreditam em mim e no meu trabalho; Àqueles que poderão colher os frutos destes estudos; e Ao Criador, pela LUZ de todos os dias. Sou-lhes grato! “Feliz daquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.” Cora Coralina vi AGRADECIMENTOS À minha orientadora, Professora Catai, que tem contribuído para o meu desenvolvimento profissional e pessoal, especialmente pelo senso humano e ético que sempre pautaram nossa relação. Aos companheiros de projetos, coletas, discussões, processamentos, análises, conversas e risadas, que se tornaram meus amigos e parceiros acadêmicos: Victor Neves, Laura Neves, Vinícius Minatel, Thomas Beltrame, Isabella Pissinato, Anielle Takahashi e Michel Reis. Aos voluntários que acreditaram e confiaram em mim e na equipe de pesquisa, e doaram seu tempo e dedicação ao projeto desenvolvido. Às Professoras Audrey Borghi-Silva e Ester da Silva, por terem me incentivado durante esse período e me dado o suporte necessário. Aos amigos e colegas do NUPEF, do “corredor” e de “Pira”, com quem dividi muitas alegrias e angústias; com quem muito aprendi e a quem muito respeito: Alessandra Paiva, Ana Cristina Rebelo, Camila Pantoni, Flávia Caruso, Gabriel Delfino, Juliana Milan, “Leo” Passos, Luciana Di Thomazzo, Marina Nascimento, Natália Perseguini, Nayara Yamada, “Paco” Sendín, Poliana Leite, Renata Mendes, Renata Trimer, Roberta Zuttin, Rodrigo Simões, Ruth Melo, Sílvia Moura, Soraia Jürgensen, Vandeni Kunz, Victor Aquino, Victor Fiorelli, Vinícius Beldi, Vivian Arakelian, Viviane Castello.... e àqueles que, provavelmente, esqueci de incluir na lista. Aos docentes, coordenadores, funcionários (valeu, Kelly!) e colegas do Programa de PósGraduação em Fisioterapia por sempre estarem por perto nas diferentes situações que pude viver nesses quatro anos de UFSCar. Ao Professor Piergiuseppe Agostoni e equipe do Laboratorio di Fisiopatologia Cardiorespiratoria/Centro Cardiologico Monzino que carinhosamente me acolheram em Milão, onde tive oportunidade ímpar de desenvolvimento profissional e pessoal, pautados no respeito e admiração mútuos. Ao Professor José Alberto Neder e equipe do SEFICE/UNIFESP que gentilmente me receberam e proporcionaram momentos de aprendizagem. Aos Professores Fábio Pitta, Mário Pachoal, Michel Reis, Pedro Dal Lago e Vitor Carvalho, pelas contribuições durante os processos de qualificação e defesa da tese e pela troca de experiências em vários momentos da minha formação acadêmica. À Adriana, parceira de alegrias, amizade, companheirismo, carinho.... Valeu! Aos meus irmãos, Marcelo, Rodrigo e Eduardo, às cunhadas, Tati, Carina e Dani, e à Oma (vó) Ruth, pelo apoio e carinho que sempre ofertaram pra mim e aos meus filhos. Aos meus amigos Darlan Matte, Emmanuel Panizzi, Ideli e Ivani Nogueira, Lucien de Oliveira, Marcus Rodrigues e Poliana Lima, Patrícia Porto, Pedro Pelissari,... À CAPES e ao CNPq pelo apoio financeiro e oportunidades disponibilizadas ao aprimoramento profissional. vii RESUMO O infarto do miocárdio (IM) e a insuficiência cardíaca (IC) crônica estão entre as doenças cardiovasculares com maior morbidade e mortalidade e caracterizam-se por redução da capacidade de realização de exercício dinâmico. Na IC crônica, os mecanismos responsáveis pela intolerância ao exercício têm sido mais amplamente investigados e apresentam complexa interação entre fatores centrais e periféricos, incluindo alterações da função pulmonar, redução da força dos músculos respiratórios e comprometimento da modulação autonômica. Contudo, pouco se sabe em relação à capacidade de exercício em altitude elevada. No IM, principalmente na fase precoce da recuperação pós-alta hospitalar, os fatores responsáveis pela redução da capacidade funcional são pouco conhecidos. Com o propósito de avaliar a limitação ventilatória e a eficiência cardiorrespiratória de indivíduos com IM recente e IC crônica, foram desenvolvidos dois estudos. O primeiro foi realizado em duas etapas e contou com oito homens (49±8 anos) com IM recente (RMI) não complicado e dez homens (48±9 anos) aparentemente saudáveis (CG). Todos realizaram prova de função pulmonar (FP), teste de exercício cardiopulmonar em rampa (TECP) e em carga constante (TECC). O TECC foi aplicado em três intensidades, identificadas no TECP, correspondentes ao limiar de anaerobiose ventilatório, 25% acima e 25% abaixo. Inicialmente investigou-se a limitação ventilatória, com emprego da alça fluxo-volume corrente durante o exercício, a estratégia ventilatória e a eficiência ventilatória durante o exercício (VE/VCO2 slope e OUES). O grupo RMI apresentou menor volume de reserva expiratório em repouso (0,9±0,3 vs. 1,8±0,5 L; p
Limitação ventilatória e eficiência cardiorrespiratória de indivíduos após infarto do miocárdio recente e/ou insuficiência cardíaca crônica
RECENT ACTIVITIES
Autor
Documento similar
Tags

Limitação ventilatória e eficiência cardiorrespiratória de indivíduos após infarto do miocárdio recente e/ou insuficiência cardíaca crônica

Livre