Testes de vigor para avaliação da qualidade fisiológica de sementesde Sebastiania commersoniana (Baill.) Smith & Downs.

 0  3  10  2017-02-01 13:17:17 Report infringing document
S cientia ForeStaliS Testes de vigor para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de Sebastiania commersoniana (Baill.) Smith & Downs. Vigor tests to evaluate the physiological quality of Sebastiania commersoniana (Baill.) Smith & Downs seeds Sérgio Roberto Garcia dos Santos¹ e Rinaldo Cesar de Paula² Resumo Este estudo teve por objetivo avaliar a eiciência de diferentes testes de vigor no monitoramento da qualidade isiológica de sementes de branquilho durante o armazenamento. Para tanto, sementes acondicionadas em embalagens de pano, de plástico e de vidro foram armazenadas por 531 dias, em bancada de laboratório e câmara fria. Para o monitoramento da qualidade isiológica das sementes, periodicamente foram retiradas amostras destas condições e realizados os seguintes testes: germinação, índice de velocidade de germinação, primeira contagem, massa fresca e seca de plântulas, condutividade elétrica (embebição por duas e 24 horas) e envelhecimento acelerado. Os dados foram submetidos à análise de regressão polinomial, para cada combinação de embalagem/condição de armazenamento. Os resultados obtidos permitem as seguintes conclusões: a) o índice de velocidade de germinação e o teste de envelhecimento acelerado proporcionaram boas estimativas da qualidade isiológica dos lotes de sementes de branquilho; b) o teste de primeira contagem da germinação não proporcionou informações adicionais ao teste de germinação sobre o vigor dos lotes de sementes; c) a massa fresca e seca de plântulas não discriminaram adequadamente os lotes de sementes avaliados; d) o teste de condutividade elétrica com embebição das sementes por 2h não foi adequado para avaliar o vigor dos lotes estudados e e) quando conduzido com 24h de embebição, o teste de condutividade elétrica conseguiu separar os lotes mais contrastantes, mas sem eiciência para discriminar lotes de vigor intermediário ou com pequenas diferenças de qualidade. Palavras-chave: Armazenamento de sementes, Sementes lorestais, Envelhecimento acelerado, Condutividade elétrica, Desempenho de plântulas Abstract The objective of this work was to evaluate the eficiency of different vigor tests to assess S. commersoniana seeds physiological quality during storage. Therefore, seeds were stored in cloth bags, plastic bags and glass containers for 531 days, both at room temperature and in a cold chamber. Periodically samples were taken and the following tests were conducted: standard germination, germination speed index, irst count after germination, seedlings fresh and dry matter, electrical conductivity (imbibitions for 2 and 24 hours) and accelerated aging, in order to monitoring the seeds physiologic quality. Data were submitted to polynomial regression analysis, for each of the combination of packaging/storage condition. The results obtained led to the following considerations: a) the speed germination index and the accelerated aging test permitted a good evaluation of the seed-lots quality; b) the irst count of germination did not allow any prediction about seed lots vigor; c) seedling fresh and dry matter did not discriminate among seed lots; d) electrical conductivity test after 2 h imbibitions was not adequate to evaluate the seed lots vigor and e) the electric conductivity test with 24 h imbibitions was more adequate to differentiate among seed lots, but with little eficiency to discriminate among seed lots with intermediate vigor or with low quality differences. Keywords: Seed storage, Accelerated aging, Electrical conductivity; Seedlings performance. INTRODUÇÃO Sebastiania commersoniana (Baill.) Smith & Downs tem como sinonímia botânica S. klotzchiana (M. Arg.) M. Arg., e como nomes comuns branquilho, branquio e branquinho, dentre outros. É uma espécie arbórea e heliófila, pertencente à família Euphorbiaceae, ocorrendo desde o Rio de Janeiro e Minas Gerais até o Rio Grande do Sul, nas matas ciliares de várias formações florestais (LORENZI, 1992). A espécie possui indicação para reflorestamentos mistos ¹Pesquisador Científico Doutor da Seção de Silvicultura do Instituto Florestal - Caixa Postal 1322 - São Paulo, SP - 01059970 - E-mail: escunagarcia@iflorestal.sp.gov.br ²Professor Adjunto do Departamento de Produção Vegetal da Universidade Estadual Paulista - Campus de Jaboticabal - Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane, s/n - Jaboticabal, SP - 14884-900 - E-mail: rcpaula@fcav.unesp.br Sci. For., Piracicaba, v. 37, n. 81, p. 007-016, mar. 2009  Santos e Paula - Testes de vigor para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de Sebastiana commersoniana destinados à recuperação de áreas degradadas nas margens dos rios e reservatórios de usinas hidrelétricas (CARVALHO, 1994). A crescente demanda por sementes e mudas de espécies arbóreas nativas, deve-se em grande parte à atuação mais rigorosa dos órgãos de fiscalização, da legislação ambiental cada vez mais exigente e da própria conscientização dos agentes de transformação da sociedade, sejam eles, educadores, políticos, e empreendedores, dentre outros (PAULA, 2007). A necessidade de se revegetar áreas de preservação permanente e outras degradadas pela própria intervenção humana é premente. A Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo instituiu a Resolução SMA No. 08, de 31 de janeiro de 2008, que altera e amplia a Resolução SMA No. 21, de 21 de novembro de 2001, e a Resolução SMA No. 47, de 26 de novembro de 2003 (SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2008), dando as diretrizes básicas para o processo de revegetação de áreas. Esta e outras iniciativas governamentais e de legislação ambiental, fizeram com que a procura por sementes e mudas de espécies arbóreas nativas aumentasse muito nos últimos anos. Contudo, uma preocupação crescente entre os pesquisadores é sobre a qualidade das sementes e mudas destas espécies que estão sendo utilizadas e disponibilizadas para os produtores de mudas e proprietários rurais. O uso de muitas espécies arbóreas nativas do Brasil tem sido feito de forma extrativista, e muitas vezes predatória, tornando-se salutar o cultivo destas espécies. Não obstante esta necessidade, a propagação de um grande número destas espécies encontra sérias limitações em razão do pouco conhecimento que se dispõe sobre as características fisiológicas, morfológicas, ecológicas e genéticas das mesmas, o que pode comprometer o sucesso desses cultivos (TELLES et al., 2001). Este cenário representa um entrave em qualquer programa de maior extensão que necessite periodicamente de sementes de alta qualidade para a propagação dessas espécies, visando à preservação e utilização para os mais variados interesses. Em decorrência, torna-se necessária a intensificação de pesquisas visando o estabelecimento de métodos para a avaliação da qualidade de sementes, com ênfase naqueles que envolvem procedimentos padrões (FIGLIOLIA e PIÑA-RODRIGUES, 1995), possibilitando a obtenção de resultados comparáveis e que visam fomentar trabalhos de conservação genética, melhoramento e de recuperação de áreas degradadas.  O vigor da semente pode ser entendido como o nível de energia que uma semente dispõe para realizar as tarefas do processo germinativo (CARVALHO, 1986). Sua avaliação permite a detecção de possíveis diferenças na qualidade fisiológica de lotes que apresentem poder germinativo semelhante e que podem exibir comportamentos distintos, em condição de campo ou mesmo durante o armazenamento. As diferenças no comportamento de lotes com germinação semelhante podem ser explicadas pelo fato de que as primeiras alterações nos processos bioquímicos associados à deterioração, normalmente, ocorrem antes que se observe o declínio na capacidade germinativa (RIBEIRO, 1999). Os tecnologistas de sementes pesquisam intensamente, há vários anos, métodos que permitam uma avaliação mais consistente da qualidade fisiológica das sementes. O desenvolvimento destes métodos tem por base o conhecimento de que o processo de deterioração tem início imediatamente após a maturidade fisiológica e prossegue enquanto as sementes permanecem em campo, durante a colheita, processamento e armazenamento. Tanto a intensidade como a velocidade desse processo dependem de fatores genéticos e ambientais e estão relacionados aos cuidados durante o manejo dos lotes de sementes (MARCOS FILHO et al., 1987; KRZYZANOWSKI et al., 1991; PIÑA-RODRIGUES et al., 2004). A aplicação dos testes de vigor em sementes de espécies florestais é uma prática que permite estimar e comparar lotes para diferentes objetivos. A simplicidade, inerente a vários destes testes, aliada aos bons resultados, tornam-nos de utilização promissora em vários campos de pesquisa. Comparações de vigor de sementes entre matrizes, progênies e procedências, oferecem ao pesquisador dados adicionais em uma fase inicial de um programa de melhoramento ou conservação genética. A divulgação de sua metodologia tornará, com certeza, mais difundida a sua aplicação no campo das ciências florestais, sendo que têm sido desenvolvidos testes aplicáveis a espécies ou grupo de espécies semelhantes (VALENTINI e PIÑA-RODRIGUES, 1995). De acordo com Marcos Filho (1999) o uso de apenas um teste de vigor pode gerar informações incompletas, assim a tendência predominante é a combinação de testes para se obter informações mais consistentes. Com base no exposto, este estudo objetivou comparar a eficiência de diferentes testes de vi- Sci. For., Piracicaba, v. 37, n. 81, p. 007-016, mar. 2009 gor quanto à sua capacidade de identificar níveis de qualidade fisiológica de lotes de sementes de Sebastiania commersoniana, armazenados em diferentes condições. MATERIAL E MÉTODOS Obtenção das sementes e locais de realização dos experimentos O presente trabalho foi desenvolvido com sementes de branquilho (Sebastiania commersoniana (Baill.) Smith & Downs) provenientes do Centro Nacional de Pesquisas Florestais – CNPF/Embrapa, localizado no município de Colombo, PR. As sementes foram obtidas de frutos colhidos manualmente de sete indivíduos existentes na localidade de Fervida em Colombo, PR, em 07 de janeiro de 2002. O beneficiamento destas sementes foi realizado no próprio CNPF/Embrapa sendo depois enviadas para o Instituto Florestal de São Paulo, na cidade de São Paulo, via sedex. No Laboratório de Sementes deste Instituto foram determinados o teor inicial de água das sementes (8,8%) e a porcentagem de germinação (94%), obtidos através de um ensaio realizado em 24/01/2002. Em seguida, nesta mesma data, as sementes foram acondicionadas em embalagens de pano, de plástico e de vidro, e armazenadas em duas condições: bancada de laboratório, com temperatura e umidade relativa (UR) variáveis, e câmara fria (4±2°C e 80% de UR). O armazenamento foi realizado nas instalações do Instituto Florestal de São Paulo, entre janeiro de 2002 e julho de 2003, por 531 dias. Para avaliação da qualidade fisiológica das sementes dos diferentes lotes, resultantes da combinação de cada uma das embalagens nas duas condições de armazenamento, foram retiradas periodicamente amostras em quantidade suficiente de sementes para as determinações da qualidade, utilizando-se dos seguintes parâmetros: Teor de água das sementes - determinou-se o teor de água das sementes pertencentes a cada tratamento, pelo método da estufa a 105±3ºC, por 24 horas (BRASIL, 1992), utilizando-se duas repetições de 15 ou de 25 sementes, conforme a disponibilidade das mesmas no decorrer do experimento; Teste de germinação – realizado antes (tempo 0) e aos 158, 271, 389 e 531 dias após o armazenamento (d.a.a.), seguindo as recomendações e especificações contidas nas Regras para Análise de Sementes – RAS (BRASIL, 1992), adotandose a temperatura alternada de 20-30ºC e o fotoperíodo de 12 horas (SANTOS,1999; SANTOS e AGUIAR, 2000). Foram utilizadas quatro repetições de 25 sementes por tratamento, dispostas em caixas de plástico transparentes com tampa, com 11 x 11 x 3 cm, sobre vermiculita de granulometria média. Cada recipiente recebeu 40 g de vermiculita umedecida com 60 mL de água destilada. Após 21 dias computou-se o número de plântulas normais; Índice de velocidade de germinação (IVG) – o IVG foi obtido segundo a fórmula proposta por MAGUIRE (1962), a partir do próprio teste de germinação, computando-se diariamente o número de sementes com protrusão radicular; Primeira contagem da germinação – também obtida no teste de germinação, computando-se o número de sementes com protrusão de radícula, no sétimo dia após a instalação do teste; Condutividade elétrica – realizado nos mesmos períodos do teste de germinação, cujos procedimentos adotados corresponderam aos indicados por Santos e Paula (2005), ou seja, quatro repetições de 75 sementes embebidas por 2 e 24 horas, em 75 mL de água deionizada, a 25ºC; Envelhecimento acelerado - o procedimento adotado correspondeu àquele indicado por Santos e Paula (2007), ou seja, envelhecimento por 96 horas a 45ºC, pelo método do gerbox, seguido de teste de germinação. Para esse teste não houve a avaliação antes do armazenamento, e sim após 193, 215, 271, 389 e 531 d.a.a. Análise estatística O delineamento experimental adotado foi o inteiramente ao acaso. Os dados expressos em porcentagem (germinação, primeira contagem e envelhecimento acelerado), foram submetidos ao teste de Lilliefors (1967) e, posteriormente, transformados em arcoseno (√%/100 ) para atendimento à normalidade. Os dados de teor de água não foram submetidos à análise estatística. A qualidade fisiológica das sementes foi avaliada aos 0, 158, 271, 389 e 531 dias após o armazenamento (d.a.a.), pelos testes de germinação, IVG, primeira contagem, massa fresca e seca de plântulas e condutividade elétrica com 2 e 24 horas de embebição. Para o teste de envelhecimento acelerado as avaliações ocorreram aos 193, 215, 271, 389 e 531 d.a.a. Com os dados em nível de repetição, procedeu-se ao ajuste de regressões polinomiais de 1º, Sci. For., Piracicaba, v. 37, n. 81, p. 007-016, mar. 2009  Santos e Paula - Testes de vigor para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de Sebastiana commersoniana 2º e 3º grau, para avaliar o comportamento das variáveis estudadas ao longo do armazenamento, para cada combinação de embalagem/condição de armazenamento. A equação escolhida correspondeu àquela que, em ordem, contemplou o maior número dos critérios: a) significância da equação ajustada; b) significância de seus coeficientes (b´s), c) maior coeficiente de determinação (R²); d) não significância para a falta de ajustamento e e) não estimativa de valores negativos. Os dados foram processados pelo programa ESTAT, da UNESP, Campus de Jaboticabal. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os teores de água associados ao armazenamento em câmara fria, em geral, superaram aqueles observados em bancada de laboratório. Das embalagens, naquela condição, o pano propiciou os maiores teores de água. Estes resultados já eram esperados, visto a umidade relativa na câmara fria superar à da bancada de laboratório, e em razão da embalagem de pano, por ser porosa, não restringir a troca de umidade com o meio (Tabela 1). Na Tabela 2 e Figura 1, são apresentadas as equações de regressão que melhor representam o comportamento das sementes de branquilho durante o armazenamento, para cada combinação de embalagem/condição de armazenamento, em relação aos diferentes atributos de qualidade fisiológica. A germinação (Figura 1a) decresceu gradualmente ao longo do período de armazenamento, sendo esta mais rápida quando as sementes foram armazenadas sobre bancada de laboratório, independentemente da embalagem de acondicionamento. Nesse ambiente, não houve diferença marcante entre as três embalagens. Em câmara fria, a embalagem de plástico proporcionou, inicialmente, uma diminuição mais lenta na germinação das sementes, comparativamente às outras duas embalagens. Esta diferença diminuiu gradativamente em relação à embalagem de vidro, igualando-se aos 389 dias após o armazenamento (d.a.a.). Ao final da fase experimental, as sementes armazenadas na embalagem de vidro apresentam os maiores valores de germinação (88%), seguida pela embalagem de plástico (77%). A embalagem de pano foi a que proporcionou resultados inferiores aos das demais embalagens para as sementes armazenadas nesta condição, embora superiores aos verificados para as três embalagens sobre bancada de laboratório. Nas duas condições de armazenamento, a embalagem de pano proporcionou os menores resultados de germinação (48% em câmara fria e 13% sobre bancada de laboratório). O índice de velocidade de germinação (IVG; Figura 1b) apresentou diminuição gradativa ao longo dos períodos de armazenamento nas três embalagens armazenadas sobre bancada de laboratório, sem diferença marcante entre as mesmas. Quando armazenadas em câmara fria, as sementes de branquilho apresentaram comportamento variável nas três embalagens estudadas. Inicialmente, as sementes acondicionadas em embalagem de plástico, apresentaram aumento nos valores de IVG, superando os das embalagens de vidro e de pano. Posteriormente, os valores de IVG obtidos com as sementes acondicionadas na embalagem de vidro superam os da embalagem de pano aos 271 d.a.a. e aos proporcionados pela embalagem de plástico aos 389 d.a.a. Neste ambiente a embalagem de pano apresentou uma diminuição constante nos valores de IVG, mantendo-se sempre inferior às duas outras embalagens. A diferença entre os dois ambientes de armazenamento aumenta em favor da câmara fria, à medida que avança o tempo de armazenamento. Assim, pode-se considerar que o IVG apresentou boa sensibilidade na diferenciação dos lotes de sementes de branquilho. Este teste é de uso corrente e prático, já que pode ser executado em conjunto com o teste de germinação. Tabela 1. Teor de água (%) de sementes de Sebastiania commersoniana (branquilho) acondicionadas em embalagens de pano, de plástico e de vidro e armazenadas em condições de câmara fria (CF) e bancada de laboratório (BL), em diferentes resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 21. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 22. Melo RM, Bottno MA, Galvã RKH, Soboyejo WO. Bond strengths, degree of conversion of the cement and molecular structure of the adhesive–dentine joint in fibre post restorations. J Dent 2012;40:286-94. 23. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 24. Anusavice KJ. Phillips RW. Science of dental materials. 11th, 2003. 25. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper dent 1994;19:165-8. 27 4 ARTIGOS CIENTÍFICOS 4.2 ARTIGO 2 28 Title: Influence of light transmission through fiber posts on the microhardness and bond strength Authors: Morgan LFSA, Gomes GM, Poletto LTA, Ferreira FM, Pinotti MB, Albuquerque RC. Abstract Introduction: The aim of this study was to investigate the influence of light transmission through fiber posts in microhardness (KHN) and bond strength (BS) from a dual cured resin cement. Methods: Five fiberglass posts of different types and manufacturers represent a test group for the analysis of KHN (N=5) and BS and their displacement under compressive loads (N = 8). For the analysis of KHN a metallic matrix was developed to simulate the positioning of the cement after the cementation process intra radicular posts. The resistance to displacement, which will provide data of BS was measured using bovine incisors. After cementation, cross sections of the root portion of teeth in space led to post 1mm discs that have been tested for BS. The values were statistically analyzed by ANOVA, followed by Tukey's (P <0.05) between groups for KHN and BS. Results: The results showed no statistical differences for the different posts in KHN. For BS, the sum of thirds, a translucent post showed the highest values. Comparative analysis between the thirds of each post also showed statistically significant differences when comparisons of the same post-thirds showed no differences. Conclusion: For the cement used, the amount of light transmitted through the post did not influence the KNH nor the BS significantly, among the different posts and thirds evaluated. Key Words: light transmission, dental posts, microhardness, bond strength. 29 Introduction The use of pre-fabricated posts in the reconstruction of endodontically treated teeth, whose main objective is to retain the material reconstruction and minimize the occurrence and complexity of fractures, is well established in the literature (1). Clinically, the mechanical and chemical characteristics of fiber posts justify their usage (2). In relation to resin cements, three options regarding the method of polymerization are available: self-polymerizing, light-cured or dual polymerization (dual). Understanding the mechanism of polymerization of these systems (3) the choice of materials that do not depend on light seems to be more reliable for cementing intra radicular fiber posts. To investigate the capability of transmitting light by translucent post is the target of several recent authors (4-9). Most studies point to the decrease in light intensity (LI) by increasing the root depth. Quantitative assessments of LI, hardness, elastic modulus and degree of conversion can be found in these works. Undesirable effects of incomplete polymerization of the resin cements are of biological (10-12) due to toxicity, and mechanical (8,9,13-15), due to low bond strength values are described in the literature. The aim of this study is to investigate the effect of light transmission through fiber posts in Knoop microhardness number (KHN) and bond strength (BS) of a dual resin cement. The null hypothesis is that there is no statistically significant difference in KHN and BS for different depths evaluated for the dual resin cement following cementation of translucent posts. Material e Methods Five different fiber posts of two types and one resin cement were involved (Table 1). 30 Table 1 – Description of the posts and cement used. Post Manufacturer/Lote Type Quimical composition FGM Produtos Odontológicos Glass Fibers (80% ± 5), epoxy resin (20% ± 5), silica, silane and T1 Translucent (Brazil)/140410 polymerising promoters. Bisco, INC T2 Translucent (EUA)/0800007811 Glass Fibers (55%), Epoxy (45%). TetraethyleneglycolDimethacrylate (7.6%), Urethane Ivoclar-Vivadent Dimethacrylate (18.3%), Silicium Dioxide (0.9%), Ytterbium T3 Translucent (Liechtenstein)/M72483 Fluoride (11.4%), catalysers and stabilisers (<0.3%). Glass Fibers. C1 Ângelus (Brazil)/14818 Conventional Glass Fibers (87%), Epoxy resin (13%). C2 Ângelus (Brazil)/14874 Conventional Carbon Fibers (79%), Epoxy Resin (21%). Resin Cement Rely-X Unicem 3M ESPE (USA)/372990 Self-etch/ Dual Cure Powder: glass particles, initiators, sílica, substituted pyrimidine, calcium hidroxide, peroxide composite and pigment; liquid: metacrylate phosphoric acid Ester, dimethacrylate, acetate, stabilizer and initiator. White Post DC (FGM, Joinville, SC-Brazil), DT Light Post (Bisco, Inc, Schaumburg, ILUSA) and FRC Postec Plus (IvoclarVivadent, Liechtenstein) with similar compositions but with different amounts of chemical components, represent translucent (T) type, T1, T2 and T3 respectively. Exacto and Reforpost Carbon Fiber (Both Ângelus, Londrina, Pr-Brazil) with different compositions but opaque, represent conventional (C) type, C1 and C2 respectively. The posts were cut to standard height of 16 mm for both analysis, KHN and RA. KHN measurements The assessments targeted three different depths, namely: cervical third (CT), at a 4.1 to 6.8mm depth; middle third (MT), at an 8.8 to 11.5mm depth; and apical third (AT), at a 13.5 to 16mm depth. 31 A metallic apparatus matrix was designed and manufactured to support the posts, resin cement, and the tip of a curing light unit. Such a metallic apparatus consisted of four parts as showed in figure 1. Figure 1. Metallic matrix: (a) a frame, which contained the posts (e), (b) a support to standardize the position and volume of resin cement, (c) a support to standardize the length of each three third deep post regions and stabilize the set, (d) and an external cylinder, which holds the other part as well as incorporates the tip of curing light unit (f) at the top and also obstructs the influence of external sources of light. Patented CTIT/UFMG (BR 20 2012 015542 2). The frames were manufactured in the exact dimensions of each post by means of an electro erosion machining. Aimed at standardizing the quantitative radial light transmission, each third of the posts contained a 120-degree lateral side opening. The three thirds, were supposed to be assessed simultaneously. The measurement of all thirds, one at a time, was possible because the matrix allowed the removal of the resin cement blocks, separately, after polymerization, without destroying them. The matrix’s internal structure provided an adequate separation of each 32 third, which permitted their accurate evaluation. Each one was 1,6mm wide and 2,70 mm length. The major concern about this matrix was that the cement was inserted directly in projected spaces, in order to minimize the formation of bubbles. The posts were isolate from cement by a polyester strip. The time of light exposure was 40 seconds, and the LI remained above 420mW/cm2. The light curing unit used was Curing Light 2500(3M ESPE, USA). The set consisting of the curing light unit, the matrix, the post and the resin cement remained still throughout the assessments. After ten minutes, including 40s photopolymerization, the specimens were removed from the matrix and were immediately included in pre-molds (Buehler, USA) with crystal resin with black pigment and were poured into the device by using a Cast N’vac (Buehler, USA). After the cure of crystal resin, the specimens were removed from the pre-molds and stored dry, out of reach of light during 7 days. The surface to be analyzed was sequentially polished with # 320 to 1200-grit SiC papers and felt with diamond polish paste (Buehler, USA). A control group, using T1, was made of the same method but without a photopolymerization. KHN measurement was performed by a Micromet 5104(Buehler, Japan) using a static load of 50g for 10s. Sequentially, three indentations were performed for each third of each group. The values were obtained from the reading of the average of three indentations oriented long axis of the resultando  em  um  filme  que  tem  como  motivação  as  vinganças da  mesma.  O  personagem Benjamim perde a relevância que tem no romance e o espectador  não fica imerso em tantas dúvidas, como o leitor da narrativa indicial de Chico.  As  páginas  que  não  afirmavam  a  culpa  de  Benjamim  pela  morte  de  Castana 96  Beatriz, nem a ascendência de Ariela, são transformadas em cenas de certezas  e afirmações que, em parte, excluem a narrativa indicial do primeiro autor.  Todas  as  transformações  que  a  cineasta  efetua  na  obra  de  Chico  para  elaborar  seu  filme  são  refletidas  nos  outros  textos  que  permeiam  e  dialogam  com as duas obras: capas, o site oficial de Chico Buarque e do filme Benjamim,  as  críticas  expostas  na  mídia.  Esses  outros  textos  —  sejam  eles  metatextos,  paratextos  ou  arquitextos  —  dialogam  transtextualmente  com  os  processos  que  fazem  do  romance  um  filme.  Todas  as  transformações  executadas  pela  cineasta  na  obra  do  autor  são  também  difundidas  nos  outros  textos  que  circundam  o  processo.  Tudo  isso  constrói  uma  extensa  e  infinita  rede  transtextual,  que  produz  um  diálogo  não  só  entre  as  obras  de  Chico  e  Gardenberg, mas também entre elas e outros textos.  Observar  a  obra  de  Chico  Buarque  com  esses  parâmetros,  faz­nos  perceber também a ausência de limites entre as artes e linguagens. O romance  Benjamim,  imerso  num  tom  cinematográfico,  ao  mesmo  tempo  em  que  se  transforma  na  criação  de  Gardenberg,  parece  justamente  chegar  à  sua  linguagem  ideal:  o  cinema.  A  rede  de  flashbacks  imaginada  por  Chico,  para  contar  a  história  de  um  ex­modelo  fotográfico  que  se  duplicou  na  juventude  e  assiste  a  sua  existência  como  se  fosse  um  filme  produzido  por  uma  câmera  imaginária,  cresce  nas  lentes  reais  de  Monique  Gardenberg:  o  romance  de  Chico,  por  meio  do  filme  Benjamim,  chega,  de  fato,  à  linguagem  tematizada  em sua criação. Por sua vez, ao perceber os vestígio do cinema no romance e  aventurar­se  na  adaptação  fílmica,  com  o  cuidado  de  recriar  sempre  inspirada  pelo  primeiro  autor,  Monique  Gardenberg  põe  em  cartaz  a  essência  hipertextual de Chico Buarque de Hollanda. R e f e r ê n c i a s :  97  BARROS,  Leila  Cristina;  CASTELLO  BRANCO,  Lúcia.  Desencontro,  amor  e  feminino  em  Benjamim,  de  Chico  Buarque.  2001.  Dissertação  de  mestrado,  Universidade Federal de Minas Gerais.  BARTHES,  Roland.  Introdução  à  análise  estrutural  da  narrativa.  In:  Análise  estrutural  da  narrativa:  seleção  de  ensaios  da  revista  Communications.  Trad.  Maria Zélia Barbosa Pinto. Petrópolis: Vozes, 1971.  BARTHES,  Roland.  Obra  de  massa  e  explicação  de  texto.  In:  PERRONE­  MOISÉS,  Leyla  (org).  Inéditos,  V.1  —  Teoria.  São  Paulo:  Editora  Martins  Fontes, 2004. p. 51­55.  BARTHES,  Roland.  Texto  (teoria  do).  In:  PERRONE­MOISES,  Leyla  (org).  Inéditos, V.1 — Teoria. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2004. p. 261­289.  BARTOLOMEI,  Marcelo.  Paulo  José  “vence”  Parkinson  e  Cléo  Pires  estréia  no  cinema, disponível na Folha Online. Acesso em: 01/04/04.  BENJAMIN,  Walter.  A  tarefa  do  tradutor.  Trad.  Suzana  K.  Lages.  In:  HEIDERMANN,W.  (org.).  Clássicos  da  teoria  da  tradução.  Florianópolis:  UFSC  NUT, 2001. p. 189­215.  BERNARDET,  Jean­Claude.  O  que  é  cinema.  São  Paulo:  Editora  Nova  Cultural  Brasiliense, 1985.  BRITO, João batista de. Chico Buarque no cinema. In: Chico Buarque do Brasil.  São Paulo: Garamond Editora, 2004.  BUARQUE, Chico. Benjamim. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.  BUARQUE, Chico. Budapeste. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.  BUARQUE,  Chico,  GUERRA,  Ruy.  Calabar:  o  elogio  da  traição.  São  Paulo:  Civilização Brasileira, 1973.  BUARQUE, Chico. Estorvo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.  BUARQUE,  Chico,  PONTES,  Paulo.  Gota  d'água.  Rio  de  Janeiro:  Civilização  Brasileira, 1975.  BUARQUE, Chico. Ópera do malandro. São Paulo: Círculo do Livro, 1978.  CATTRYSSE,  Patrick.  Film  (adaptation)  as  translation:  some  methodological  propoals.  In:  TARGET  v.4,  n.1.  Amsteram/Philadelphia:  Jonh  Benjamins  Publhishing Company, 1992. p. 55­90. 98  COMODO,  Roberto.  Câmera  invisível.  Revista  Isto  é,  São  Paulo,  n.  1367,  p.124­125, 13 dez 1995.  COMPAGNON,  Antoine,  Trad.  MOURÃO,  Cleonice  Paes  Barreto.  O  demônio  da  teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.  DINIZ,  Thaïs  Flores  Nogueira.  Literatura  e  Cinema:  tradução,  hipertextualidade,  reciclagem.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras  da  UFMG,  2005.  FERNANDES,  Rinaldo  de.  Chico  Buarque  do  Brasil.  São  Paulo:  Garamond  Editora, 2004.  GARDENBERG,  Monique.  In:  Prees  Book  do  filme  Benjamim.,  2003.  Distribuição:  EUROPA  Filmes.  Disponível  em  http://www.benjamimofilme.com.br/, acesso em: 11/04/06.  GENETTE, Gerard. Palimpsestes: la litterature au second degre. Paris: Editions,  1981.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva Voz. Trad. Luciene Guimarães e Maria Antônia Ramos Coutinho. Extratos:  capítulos  1,  2,  7,  40,  41,  45,  80.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras/UFMG,  2005.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva  Voz.  Trad.  Cibele  Braga,  Mariana  Arruda  e  Miriam  Vieira.  Extratos:  capítulos 8, 13, 38, 47, 48, 49, 53, 54, 55, 57.  Belo Horizonte: Faculdade de  Letras/UFMG, 2007. No prelo.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de.  A  banda:  manuscritos  de  Chico  Buarque  de  Hollanda. Rio de Janeiro: 1966.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de,  KEATING,  Vallandro.  A  bordo  do  Rui  Barbosa.  São Paulo: Palavra e Imagem, 1981.  MARQUÉZ,  Gabriel  García.  Cem  anos  de  solidão.  Trad.  Eliane  Zagury.  Rio  de  Janeiro: O Globo, 1967.  MCFARLANE.  Brian.  Novel  to  film:  an  introduction  to  the  theory  of  adaptation.  Oxford University Press, 1996.  MENESES,  Adélia  Bezerra  de.  Desenho  mágico:  poesia  e  política  em  Chico  Buarque. São Paulo: HUCITEC, 1982. 99  OLIVEIRA,  Solange  Ribeiro  de.  De  mendigos  e  malandros:  Chico  Buarque,  Bertold  Brecht  e  John  Gay ­  uma  leitura  transcultural.  Ouro  Preto:  Ed.  UFOP,  1999.  OLIVERA,  Luciene  Guimarães  de,  QUEIROZ,  Sônia  Maria  de  Melo.  A  Bela  e  a  Fera  ou  a  ferida  grande  demais  de  Clarice  Lispector:  transtextualidade  e  transcrição.  2005.  Dissertação  de  mestrado.  Universidade  Federal  de  Minas  Gerais.  PEREIRA, Helena Bonito Couto. Duas personagens, dois tempos, duas versões:  Benjamim  em  livro  e  em  filme.  In:  Revista  Aletria.  Belo  Horizonte:  Ed.  UFMG,  [s.d]. No prelo.  PESSOA,  Stella.  Quem  é  Chico  Buarque  de  Hollanda.   Acesso em: 30/05/06.  QUEIROZ, Sônia (org). Estilos. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2002.  RUIZ,  Simone.  Benjamim  é  videoclipe  de  Cléo  Pires,  disponível  no  site  Adoro  cinema brasileiro. Acesso em: 30/09/03.  SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.  SILVA,  Fernando  de  Barros  e.  Filme  de  Monique  Gardenberg  gera  encanto  retardado, disponível na Folha Online. Acesso em: 02/04/04.  WERNECK,  Humberto.  Tantas  palavras.  São  Paulo:  Companhia  das  letras,  2006. F i l m o g r a f i a :  100  BENJAMIM.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Rio  de  Janeiro:  Natasha  Produções e Duetos Filmes. 2003. 108 min., color, DVD.  BRASIL  ANO  2000.  Direção  de  Walter  Lima  Jr.  Rio  de  Janeiro:  2000  Film,  Claude­Antoine e Mapa Filmes. 1969. 95 min., color, VHS.  Sinopse disponível em  http://www.geocities.com/filmescopio/filmes/ano2000.htm>  Acesso  em:  16/12/2006.  ESTORVO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Rio  de  Janeiro:  Riofilme.  2000.  95  min.,  color, VHS.  JENIPAPO. Direção de Monique Gardenberg. 1996. 100min., color, VHS.  Ó  PAÍ,  Ó.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Salvador:  Globo  Filmes  e  Duetos  Filmes.  2007.  98  min.,  color,  exibido  nas  salas  de  cinema  de  Belo  Horizonte  em abril de 2007.  OS  SALTIMBANCOS  TRAPALHÕES.  Direção  de  J.B.  Tanko.  Brasil:  Renato  Aragão Produções. 1981. 99min., color, DVD.  ÓPERA  DO  MALANDRO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Brasil:  Austra  Cinema  e  comunicações,  MK2  Productions  e  TF1  Films  Productions.  1985.  100  min.,  color, DVD.  UM  HOMEM,  UMA  MULHER  (Un  Homme  et  Une  Femme).  Direção  de  Claude  Lelouch. França: Warner Bros. 1966. 102 min., color, VHS  Sinopse disponível em    Acessado  em:  16/12/2006.  D o c u m e n to s  o n  l i n e :  www.benjamimofilme.com.br. Acesso em: 30/11/2006  www.chicobuarque.com.br. Acesso em: 30/11/2006
RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar
Tags
Accelerated Aging

Electrical Conductivity

Seed Storage Seedlings Performance Accelerated Aging Test

Cloth Bags

Dry Matters

Germination Index

Glass Containers

Low Qualities

Plastic Bags

Polynomial Regression

Room Temperature

Electric Conductivity

Plastic Containers

Regression Analysis Seed Testing Quality Control

Testes de vigor para avaliação da qualidade f..

Livre

Feedback