Feedback

Leitura em trânsito:: uma aproximação com as práticas de produção, difusão e leitura do jornal Super Notícia

Documento informativo

Renata Kelly de Arruda Leitura em trânsito: uma aproximação com as práticas de produção, difusão e leitura do jornal Super Notícia Belo Horizonte Agosto / 2009 Renata Kelly de Arruda Leitura em trânsito: uma aproximação com as práticas de produção, difusão e leitura do jornal Super Notícia Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Educação e Inclusão Social da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Educação. Orientadora: Isabel Cristina Alves da Silva Frade Linha de pesquisa: Educação e Linguagem Belo Horizonte Agosto / 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE MESTRADO Dissertação intitulada Leitura em trânsito: uma aproximação com as práticas de produção, difusão e leitura do jornal Super Notícia, de autoria da mestranda Renata Kelly de Arruda, analisada pela banca examinadora constituída pelos seguintes professores: ____________________________________________________________________________ Profa. Dra. Isabel Cristina Alves da Silva Frade – FaE/UFMG – Orientadora Profª Dra. Maria da Conceição Carvalho – ECI/UFMG – Titular Profª Dra. Marildes Marinho – FaE/UFMG – Titular Profª Dra. Célia Abicalil Belmiro – FaE/UFMG - Suplente Profª Dra. Maria Zélia Versiani Machado – FaE/UFMG – Suplente Belo Horizonte, ____ de ___________________________ de 2009 À minha mãe pelo exemplo e incentivo. Ao Tiago pela presença constante desde o início. Imprescindíveis. Agradecimentos Agradecer às pessoas que de algum modo fizeram parte dessa conquista é algo tão prazeroso quanto saber que posso contar com tanta força e energia positiva vindas de todos os lados. Não há e é impossível que haja uma ordem de importância. Todos os que aqui se encontram sintam se abraçados e recebam meus sinceros agradecimentos. À Profª Isabel Frade, mestra que me inseriu no “mundo das pesquisas”, que me deu a mão e puxou minha orelha quando necessário. Muito obrigada! À minha mãe Ana Arruda, primeira e principal mestra. Modelo de força que procuro seguir. Ao meu padrasto Otalino Silva, sempre me abastecendo com um exemplar novinho do Super Notícia na mesa do café da manhã. Ao Tiago, fonte de sorrisos e força. Fonte de amor e carinho. Inspiração. Aos meus sogros Ana Rita e Gineir pelo carinho de sempre. Aos meus cunhados Rodrigo e Dudu e cunhada Carol, todos sempre me colocando pra frente e perguntando se esse “trem” num acaba nunca! À vovó e ao vovô (in memorian), tias, tios e primos. Distantes, mas sempre comigo. Aos meus amigos, cada um me ajudando de uma forma diferente e sempre muito valorosa! À Adriana pela constante companhia, força e risadas. À Juscélia, amiga especial sempre me colocando pra cima! Ao Diêgo pela amizade e companhia em atividades de campo. Aos amigos do GAME/FaE, especialmente amigos do Projovem Urbano, Adriane, Artur, Bette, Juliana, Nina e Pauliane, por entenderem minhas ausências e eventuais (constantes) “cabeça nas nuvens”. Às minhas amigas, juntas comigo desde a graduação Juliana Muniz pela força, incentivo e claro, pela normalização bibliográfica! E Carol Azevedo pelas conversas e ajuda com os livros. Ao Luciano e ao Breno, que mesmo somente on line nunca se esqueceram de mim. À Profª Aparecida Paiva, que ajudou a amadurecer uma idéia pequena e inicial. Às Profas. Marisa Duarte e Rosimary Santos, chefes incentivadoras que não pouparam ajuda quando precisei. Aos colegas da turma de mestrado 2007 cuja companhia durante as disciplinas certamente foram esclarecedoras e instigantes. Agradeço principalmente aos amigos Agnaldo e Macilene, companheiros sempre próximos e unidos na mesma batalha. À Ana Paula Pedersoli pelas palavras de incentivo e textos. À Gláucia Barbosa, pela ajuda desde a entrevista de seleção para o mestrado. Aos amigos da biblioteca da FaE, sempre comigo desde minha época de estagiária. Ricardo, Sérgio, Carlos, Marli, Mary, Regiane, Rose, meu muito obrigada! À Rose e a toda equipe da Pós-Graduação da FaE pelo carinho e atenção com que sempre fui tratada. À Gaminha, sempre deitadinha ao meu lado. À Petrusca, companheira fiel cujos miadinhos entendo como pílulas de força. Aos leitores do Super Notícia. A Deus, por me dar saúde e tantos motivos para sorrir. Então é outra coisa: é o amor que nasce de uma leitura. Roland Barthes Resumo O presente trabalho aborda o jornal Super Notícia, publicação diária belorizontina da Sempre Editora LTDA, voltada para o segmento popular, e que a partir do ano de 2006 alcançou um crescimento de vendas sem precedentes no cenário jornalístico nacional. A pesquisa analisa fatores ligados ao suporte e ao seu conteúdo, formas de produção, divulgação e venda, e aproxima-se dos leitores e de suas práticas de leitura. Utiliza-se uma metodologia qualitativa, com estratégias de análise documental, entrevistas e enquetes e observação direta de algumas práticas de leitura.O estudo de caráter multidisciplinar encontra-se entre as áreas da Educação, Biblioteconomia, Comunicação Social e Linguagem. Diferentes perspectivas teóricas subsidiaram o trabalho como os campos da sociologia e da história da leitura com a apropriação de trabalhos de Chartier, Bourdieu, Mollier, Darnton e de pesquisa sobre edição de periódicos, como a de Isabel Frade. O jornal Super Notícia, com todas suas particularidades como facilidade de acesso, formato acessível, linguagem e conteúdo eclético, promove algumas aproximações com seus leitores e parece nos apresentar um novo momento na dinâmica das práticas de leitura de periódicos vivenciadas nos espaços urbanos. A pesquisa explicita algumas estratégias apresentadas pelos editores que revelam seu conhecimento sobre as condições de formação de novos leitores. As entrevistas revelam também a retomada de estratégias de venda que já estavam desaparecendo no campo jornalístico. Através da observação e registro dessas práticas de leitura explícitas pelas ruas de Belo Horizonte, identificamos leituras livres, a relação entre corpo e suporte, as práticas de leitura consideradas não canônicas, inseridas no contexto diário de vida da cidade, repleto de sons e movimentos. A relação entre o jornal e seus leitores é corroborada pelo editor. O leitor é representado em suas páginas pela proximidade geográfica das notícias, pela produção de algumas colunas abertas a sua participação, pelos serviços oferecidos e resolução de algumas de suas demandas. A objetividade das matérias do jornal, o estilo de curto em que os textos são apresentados, aliados a uma narrativa próxima à oralidade também favorece essa proximidade e cumplicidade entre texto e leitor. Palavras-chave: Práticas de leitura, Cultura escrita, Jornalismo popular, Super Notícia Abstract This study focus on the analysis of Super Notícia newspaper, a daily publishing in Belo Horizonte, from Sempre Editora LTDA. The newspaper is targeted at popular audience and since 2006 has reached a growing in sales without any preeceding in the national journalistic scenario. The research analyzes issues related to the media and its content, ways of production, announcing, sale and gets closer to the readers and their reading practices. It uses a qualitative methodology, with documental analysis, interviews, questionnaires and direct observation of reading practices. Its multidisciplinary characteristic is found in the fields of Education, Science Information, Social Communication and Language. The History and Sociology field also contributes to the development of the study thorough Chartier, Bordieau. Mollier, Darnton and researchs about journal editions, such as the ones of Isabel Frade. The results shows that Super Notícia newspaper with its special features such as easy access, easy format, language and a varied content, has made its readers closer and it seems to present a new moment in the reading practices undertaken in the urban spaces. The research points out some strategies used by editors that unfold their knowledge about the process of creating new readers. The interviews also points out that some sales strategies that were disappearing are coming back in the journalistic field. The field observation and its writing of reading practices in the streets of Belo Horizonte present free readings, the relation between body and stand, the non canonic reading practices in a city‟s daily life full of sounds and movements. The reader is represented in the newspaper through the geographic proximity of the news, the production of some sections in which the reader can give opinion, the services offered and the solving of some demands. The subject‟s objectivity, the short written style and a narrative close to the oral language also contributes to the proximity and complicity between the text and the reader. Key words: Reading practices, Written culture, Popular journalism, Super Notícia. LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 - O que os brasileiros estão lendo .70 GRÁFICO 2 - Frequência da leitura por tipo de suporte .71 GRÁFICO 3 - Evolução de vendas do Super Notícia . 73 GRÁFICO 4 - Evolução de vendas do Super Notícia . 74 GRÁFICO 5 - Evolução do número de leitores habituais em Belo Horizonte.75 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Leitores do Super Notícia por classe social.78 TABELA 2 - Rendimento Familiar por Classe .79 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 - Manchetes do jornal Super Notícias de 1 a 7 de Fevereiro de 2009 .41 QUADRO 2 - Editoria Cidades – Seções.43 QUADRO 3 - Super Notícia: etapas de produção.66 QUADRO 4 - Identificação dos leitores entrevistados .85 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Informação e comunicação tratada por Eco .23 FIGURA 2 – Editoria Cidades .43 FIGURA 3 – Editoria Geral.45 FIGURA 4 – Capas do Super Notícia: 22 abr. 2009 e 25 maio 2008 .58 FIGURA 5 – Monstro em Sete lagoas.59 FIGURA 6 – Susto no show do Calypso.59 FIGURA 7 - Notícia de capa do jornal Notícias Populares, 11 maio de 1975 .60 FIGURA 8 - Capas na seguinte ordem: Super Notícia, 01, 02, 03, out. 2007 .62 LISTA DE FOTOS FOTO 1 - Após o expediente.80 FOTO 2 - Assim não quebra .81 FOTO 3 - Pelas esquinas da cidade .97 FOTO 4 - “Vai um jornal aí doutor?”.99 FOTO 5 - Pelas esquinas da cidade II .101 FOTO 6 - Leitura em movimento e um momento de leitura roubado pela cena de rua.103 FOTO 7 - Enquanto espera o trabalho.105 FOTO 8 - Você caminha, eu leio. 107 FOTO 9 - Bolsa, sacola e o Super .108 FOTO 10 - Leitura e espera.110 FOTO 11 - Leitura na banca.111 FOTO 12 - Cruzar de pernas, espera e leitura .112 FOTO 13 - Cidade em movimento, beijos e leitura . 113 FOTO 14 - Conversa e leitura . 115 FOTO 15 - Pai e filho .116 FOTO 16 - Cheiro de pipoca .117 FOTO 17 - No restaurante .119 FOTO 18 - Leitura nas paradas e engarrafamentos . 120 FOTO 19 - “Formiguinha” .122 FOTO 20 - Leitura no intervalo de trabalho.123 FOTO 21 - Manhã de leitura .125 FOTO 22 - Leitura em estacionamento .126 Sumário CAPÍTULO 1 Pesquisa e métodos .12 Introdução. 12 Caminhos metodológicos trilhados .17 CAPÍTULO 2 Pressupostos teóricos metodológicos que guiaram a pesquisa .21 O leitor modelo.21 Cultura e classes .24 Leitura, esse “velho” fenômeno.27 O leitor e o surgimento de novas práticas .29 CAPITULO 3 O jornal Super Noticia e dados sobre sua produção, distribuição e venda .37 Apresentando o jornal Super Notícia .37 Características do impresso .40 O Super Notícia do ponto de vista do editor .50 Histórico do jornal .51 Sobre o projeto gráfico .52 Diferenciais de venda .54 Influências .55 Sensacionalista? . 57 Publicidade e lucro .67 CAPÍTULO 4 Leitura: que Super Notícia!.68 Sucesso de vendas: o cupido acertou novos leitores?.71 O que dizem alguns leitores .81 Gestualidade e leitura .90 SITUAÇÕES DE VENDA.97 SITUAÇÕES DE LEITURA. 103 SITUAÇÕES DE LEITURA EM TRABALHO . 117 Leitura em trânsito.127 Considerações Finais .129 Referências Bibliográficas.131 Leitura em trânsito: uma aproximação com as práticas de produção, difusão e leitura do jornal Super Notícia CAPÍTULO 1 Pesquisa e métodos Introdução Observa-se, há cerca de um ano, na cidade de Belo Horizonte, uma explosão na circulação e venda de jornais ditos populares. Trata-se de publicações com preços acessíveis à grande população com manchetes de capa chamativas e com a utilização diária de fait divers1, jornaleiros espalhados pelos principais cruzamentos e semáforos da cidade e promoções2 que incitam a compra fiel e diária de um exemplar. A cells expressing FLAGSEPT4 with AnnH31 and AnnH75 resulted in a concentration-dependent decrease of intensity of the slower migrating band and a concomitantly increased signal of the lower band (Fig 5A). Consistent with the IC50 values determined in the in vitro-assays (Table 1), AnnH31 reduced SEPT4 phosphorylation more potently than AnnH75. As a third cell-based assay of DYRK1A inhibition, we measured the phosphorylation of the microtubule-associated protein tau by DYRK1A. The phosphorylation of tau (gene symbol MAPT) by DYRK1A has been considered potentially relevant in the early Alzheimer’s disease- PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 8 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Fig 4. Inhibition of SF3B1 phosphorylation by DYRK1A in HeLa cells. HeLa cells expressing GFP-SF3B1-NT were treated with the indicated compounds for 18 h. The phosphorylation state of SF3B1 was determined by immunoblotting with pT434 antibody, and the results were normalized to the total amount of SF3B1 immunoreactivity. A, Representative western blots. AnnH79 is a harmine analogue that does not inhibit DYRK1A and was used as negative control. The vertical line indicates where irrelevant lanes were deleted from the final image. B, The column diagram summarizes the quantitative evaluation of 3–6 experiments for each compound (means + SD). doi:10.1371/journal.pone.0132453.g004 like neurodegeneration in Down syndrome and in spontaneous Alzheimer’s disease [10]. In this assay, AnnH75 inhibited DYRK1A activity with an IC50 of 1 μM (Fig 5B and 5C). The higher value as compared to the inhibition of SEPT4 phosphorylation (0.36 μM) may be due to the overexpression of DYRK1A in this assay. AnnH31, L41 and 5-iodotubercidin were the best inhibitors in this assay, whereas INDY reduced tau phosphorylation less efficiently. Low cellular potency of INDY has previously been observed in assays of tau phosphorylation and reporter gene activity [30]. Similarly, two other DYRK1A inhibitors with excellent potency and selectivity in biochemical assays require ~1000 higher concentrations to inhibit tau phosphorylation in cellular assays [35–36]. Taken together, our results provide evidence that AnnH31 and AnnH75 can be used as chemical probes to confirm the participation of DYRK1A in cellular phosphorylation events. PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 9 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Fig 5. Inhibition of SEPT4 and tau phosphorylation by DYRK1A. A, HeLa cells transiently expressing FLAG-SEPT4 were treated with AnnH31 or AnnH75 for 5 h before cells were lysed and analysed by immunoblotting with a FLAG-tag antibody. 5-iodotubercidin (IoT) served as positive control. Relative SEPT4 phosphorylation was calculated as the ratio of the intensities of the phosphorylated upper band and the lower band. B, HEK293 cells with constitutive expression of GFP-tau and regulatable expression of GFP-DYRK1A were treated with doxycyclin and the indicated inhibitors for 18 h. Phosphorylation of tau on Thr212 was detected with a phosphospecific antibody. Expression levels of GFP-tau and GFP-DYRK1A were assessed with a GFP antibody. For quantitative evaluation of DYRK1A inhibition, the basal pT212 signal in control cells not treated with doxycyclin (Ctrl) was subtracted from all values. C, Quantitative evaluation of three experiments each for SEPT4 and tau. All data were standardized to the level of phosphorylation in cells untreated with inhibitors. Error bars indicate SEM. doi:10.1371/journal.pone.0132453.g005 AnnH75 inhibits tyrosine autophosphorylation of DYRK1A Tyrosine kinase activity of DYRKs has been postulated to exhibit different inhibitor sensitivity than serine/threonine phosphorylation [7]. Therefore we investigated if AnnH75 is a selective inhibitor of the serine/threonine kinase activity of mature DYRK1A or whether AnnH75 also interferes with tyrosine autophosphorylation during translation. To address this question, we used a coupled in vitro-transcription-translation system and monitored at the same time the effect of the inhibitor on the tyrosine autophosphorylation of DYRK1A and the phosphorylation of Thr434 in the substrate protein SF3B1 (Fig 6). Under these conditions, AnnH75 inhibited tyrosine autophosphorylation of DYRK1A at concentrations >1 μM. Slightly higher concentrations of AnnH75 were required for the inhibition of threonine phosphorylation in SF3B1. The higher IC50 value for SF3B1 phosphorylation as compared to the peptide assay is due to the fact that kinase activity in the in vitro-translation mix cannot be assayed under conditions of substrate saturation (as discussed previously [9]). In conclusion, AnnH75 inhibits both the immature and mature form of DYRK1A. Conclusions Chemical probes serve as invaluable small molecule tools to functionally annotate signalling proteins, to understand their role in physiological and pathological processes and to validate them as potential drug targets. Here we report the evaluation of new harmine analogs with regard to their suitability as chemical probes for the protein kinase DYRK1A. To support the conclusion that AnnH31 and AnnH75 meet the key requirements of a useful tool for this purpose, we discuss our results with respect of the “fitness factors” of chemical probes that were proposed by Workman & Collins [6]: selectivity, potency, chemistry and context. PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 10 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Fig 6. AnnH75 inhibits both threonine and tyrosine kinase activity of DYRK1A. A DYRK1A construct with an N-terminal StrepTag 2 (ST2-DYRK1Acat) was expressed in a cell-free E. coli-derived expression system. Coupled in vitro transcription and translation reactions were incubated for 1 h in the presence of recombinant SF3B1-NT-His6 and AnnH75. Phosphorylation of tyrosines in DYRK1A and of Thr434 in SF3B1 was determined by immunoblotting with a phosphotyrosine-specific antibody (pTyr) and a pThr434-specific antibody. A, Representative western blots. The asterisks mark unidentified bands. B, Quantitative evaluation. Results were normalized to the total amount of DYRK1A or SF3B1, respectively, and are plotted relative to the phosphorylation in the untreated control samples (means +/- SEM, n = 3). doi:10.1371/journal.pone.0132453.g006 Selectivity A key criterion for the use of a kinase inhibitor as a chemical probe is that its selectivity profile is well defined [4,6]. The kinase selectivity profile of AnnH75 compares favourably with that of other DYRK1A inhibitors that have been profiled against an informative panel of kinases (Table 2). However, the cross-reactivity for CLK1/4 and haspin clearly requires consideration when this DYRK1A inhibitors is used in experiments addressing splicing regulation or cell cycle control. Regarding off-targets outside the protein kinase family, we reached the goal of eliminating the MAO-A inhibitory activity of harmine. AnnH31 displays already 40 fold selectivity for DYRK1A over MAO-A and complies with the requirements for a high quality chemical probe [6]. AnnH75 has no residual effect on MAO-A and is better suited in all applications potentially susceptible to monoamine effects. The availability of inactive analogs and active probes from a different chemical class can help to prove target-dependency in a biological experiment [4,6]. When AnnH75 is used as a probe to confirm a hypothetical function of DYRK1A or DYRK1B, AnnH79 can serve as a structurally related inactive control compound (Fig 4) and L41 as a potent inhibitor with a different chemotype. PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 11 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Biochemical and cellular potency Several mechanisms can account for discrepancies between inhibitor potency in biochemical and in the cellular context [3,48]. Many DYRK1A inhibitors with adequate potencies in biochemical assays (< 100 nM, as proposed by Workman & Collins [6]) have been described [14], but only few have been shown to inhibit the phosphorylation of a cellular target in a concentration-dependent manner with a practicable potency (< 1–10 μM according to Workman & Collins [6]). In particular, the only known inhibitors with significant selectivity for DYRK1A over CLK1 require micromolar concentrations for half-maximal effects in cellular assays, in spite of low nanonmolar potencies in biochemical assays [35–36]. We verified the cellular efficacy of AnnH75 with three different substrates of DYRK1A and provide direct comparisons with established DYRK1A inhibitors. Taken together, the concentration-dependent effects of the chemical probes (AnnH31 or AnnH75) support the hypothesis that a molecular mechanism depends on a certain target (in this case DYRK1A). Chemistry (structure, solubility, stability, permeability) The procedures for the synthesis and the structural characterization of the new β-carboline Plano Diretor do Município de Paraguaçu. Projeto de Lei n. 22/2005. Prefeitura Municipal de Paraguaçu, 82 f., [14], Il. Edição fac-similar. ______. Prefeitura Municipal de Paraguaçu; Conselho Municipal do Patrimônio Histórico de Paraguaçu/MG; Memória Arquitetura Ltda. O Patrimônio Cultural de Paraguaçu/MG. Belo Horizonte. 2008. 30 p. Il. ______. Prefeitura Municipal de Paraguaçu; Conselho Municipal do Patrimônio Histórico de Paraguaçu/MG. 2ª Etapa do Inventário de Proteção do Acervo Cultural de Paraguaçu. Belo Horizonte. Julho/2006. 1 CD-ROM. PESEZ, Jean-Marie. A história da cultura material. In: LE GOFF, Jacques; CHARTIER, Roger; REVEL, Jacques (Org.). A Nova História. Coimbra (Portugal): Almedina, 1978. PINHEIRO, Mario Vitor. Avaliação técnica e história das enchentes em Itajubá. Dissertação (Engenharia de Energia) Universidade Federal de Itajubá. Itajubá (MG), 2005. Disponível em: < http://adm-neta.unifei.edu.br/phl/pdf/0029394.pdf> Acesso em 10 abr. 2009. PLANO de Assistência Sanitária à região de Furnas. O Paraguassu. Paraguaçu (MG), 10 abr. 1960. n 767 POLIGNANO, Marcus Vinicius et al. Uma viagem ao projeto Manuelzão e à bacia do rio das Velhas. 3. ed. Belo Horizonte. Maio de 2004. PRADO, Crezo Leite. Descendo o Sapucaí. A Voz da Cidade. Paraguaçu. 17 abr. 1993. 234 PRADO, Cristiano Otoni do. Crônicas dos 90 anos bem vividos. Belo Horizonte: Edições Cuatiara Ltda. 1993. PRADO, Guilherme. Paraguaçu: sua história, sua gente. Enciclopédia Paraguaçuense para Win 98/2000 / XP. Ver. 1.0. 08/2004. 120 MB. I CDROM; PRADO, Oscar. O Sertão dos Mandibóias – Fundação de Paraguaçu-MG. Paraguaçu. [1981?]. 276 p. ______. Os Mandibóias. O Paraguassu. Paraguaçu (MG). 18 set. 1949. PREFEITOS da região reúnem-se em Brasília. A Voz da Cidade. Paraguaçu (MG). 05 jun 1969. p. 1. PRÊMIO OURO AZUL. Informações. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2010. PROJETO MANUELZÃO. META 2010: Revitalização da Bacia do Rio das Velhas. [Belo Horizonte] [2008?]. 1 folheto PROJETO MARIA DE BARRO. Informações. Disponível em: . Acesso em: 30 mai. 2009. ______. Proteger nossos solos. [Nazareno (MG)?], 2008. il. 1 folheto. QUEIROZ, Renato da Silva. Caminhos que andam: os rios e a cultura brasileira. In: REBOUÇAS, Aldo da Cunha; BRAGA Jr., Benedito P. F.; TUNDISI, J. G. (Org.) Águas doces no Brasil. São Paulo: Escrituras, 1999. QUINTAS, José Silva. Educação ambiental no processo de gestão ambiental. In: BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. LAYRANGES, Philippe Pomier (Org.) Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília, 2004. Disponível em . Acesso em: 28 abr. 2008. RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Tradução de Lilian do Valle. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. 192 p. (Educação: Experiência e Sentido) REBELLO, Ricardo Moreira. O município de Machado até a virada do Milênio. Tomo I e II. Machado (MG), [s.n.] 2006. RENGER, Friedrich Ewald. Recursos minerais, mineração e siderurgia. In: GOULART, Eugênio Marcos Andrade (Org.). Navegando o rio das Velhas das minas aos gerais. Belo Horizonte: Instituto Guaicuy-SOS Rio das Velhas. Projeto Manuelzão UFMG, 2005. v. 2: Estudos sobre a Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas. 755 p. Il. p. 265-288. 235 REPRESA de Furnas: baixo nível das águas. A Voz da Cidade. Paraguaçu (MG). 12 set 2000, p. 1. RESENDE, Eliseu. A epopéia de Furnas. O Estado de Minas. Belo Horizonte. 21 mai. 2007. Caderno Economia. p. 9. REZENDE, Roberto Leonel. Rudimentos históricos do município de São Gonçalo do Sapucaí/Minas Gerais. São Gonçalo do Sapucaí: Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Sapucaí, 1992. RIBEIRO, Núbia Braga; GOULART, Eugênio Marcos: RADICCHI, Rômulo. A história da ocupação humana na versão do próprio rio. In: GOULART, Eugênio Marcos Andrade (Org.). Navegando o rio das Velhas das minas aos gerais. Belo Horizonte: Instituto Guaicuy - SOS Rio das Velhas. Projeto Manuelzão. UFMG, 2005. v. 2. p. 183-206. ROCHA, José Joaquim da. Mappa da Comarca do rio das Mortes pertencente a Capitania de Minas Gerais. 1777. Disponível em: < http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_cartografia/cart530294.jpg> Acesso em 10. abr. 2010. RODOVIA de Furnas será asfaltada. A Voz da Cidade. Paraguaçu (MG). 25 jun. 1967. p. 1. ROLNIK, Raquel. O que é cidade. São Paulo: Brasiliense, 1995. (Coleção Primeiros Passos) ROMANO FILHO, Demóstenes; SARTINI, Patrícia; FERREIRA, Margarida Maria. Gente cuidando das águas: meia dúzia de toques e uma dúzia de idéias para um jeito diferente de ver, sentir e cuidar da água. Belo Horizonte: Instituto de Resultados em Gestão Social, 2004. ROMEIRO, Adriana; BOTELHO, Ângela Vianna. Dicionário Histórico das Minas Gerais. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. SALGADO, João Amilcar. As histórias submersas do rio que não quer morrer. In: GOULART, Eugênio Marcos Andrade (Org.). Navegando o rio das Velhas das minas aos gerais. Belo Horizonte: Instituto Guaicuy-SOS Rio das Velhas. Projeto Manuelzão. UFMG, 2005. v. 2. p. 209-238 SANTILLI, Juliana. Aspectos jurídicos da política nacional de recursos hídricos. [200_]. [Brasília?]. Disponível em: http://www.estig.ipbeja.pt/~ac_direito/Santilli.pdf > Acesso em: 12 out. 2009. SANTOS, Boaventura de Sousa. Um Discurso sobre as ciências. Edições Afrontamento; Porto; 1988. Disponível em: Acesso em: 02 jun. 2010. 236 SANTOS, Milton. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1977 ______. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Editora Hucitec, 1982. SATO, Michele. Relações multifacetadas entre as disciplinas. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Congresso Brasileiro de Qualidade na Educação. Formação de Professores. Educação Ambiental. Brasília, 2002, v. 3, p. 16-22. SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. Tradução de Hildegarde Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. SENNA, Nelson de. Annuario histórico chorographico de Minas Geraes, Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1918. SILVA, José Joaquim. Tratado de geografia descritiva especial da província de Minas Gerais. Belo Horizonte: Centro de Estudos Históricos e Culturais. Fundação João Pinheiro, 1997. 196 p. SILVA, Silvestre. Frutas no Brasil. Texto de Helena Tassara. São Paulo: Nobel, 2001. SILVEIRA, Victor (Org.). Minas Geraes em 1925. Bello Horizonte: Imprensa Official, 1926. 155p. il. SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DE MINAS GERAIS. Os caminhos das águas. [Belo Horizonte]; [200-?]. 1 folheto. SOUZA, Luiz Neves de. Os 50 Anos do lago de Furnas. O Estado de Minas. Belo Horizonte. 28 fev. 2007. SOUZA, Washington Peluso Albino de. As lições das vilas e cidades de Minas Gerais In: SEMINÁRIO DE ESTUDOS MINEIROS. Universidade Federal de Minas Gerais. 4. Anais . Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 1977. P. 97-241. SUL DE MINAS totalmente asfaltado. A Voz da Cidade. Paraguaçu (MG). 08 out. 1968. p. 1. TEIXEIRA, Eurico. Frutas do Brasil In: SILVA, Silvestre. Frutas no Brasil. Texto de Helena Tassara. São Paulo: Nobel, 2001. TEIXEIRA, Fausto. O Monjolo. Folha de Minas. 22 ago. 1948. Suplemento Literário, p. 2. Belo Horizonte. (fundo da Hemeroteca Pública do Estado de Minas Gerais. Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais). 237 TEIXEIRA, Sávia Diniz Dumont; VARGAS FILHO, Demóstenes Dumont. ABC do rio São Francisco. Apoio do Instituto de Promoção Cultural (IPC); Ministério da Cultura (MinC). [S.l.]: Marques Saraiva Gráficos e Editores S.A, [1990?]. TELLES, Dirceu D‟Alkmin; COSTA, Regina Helena Pacca Guimarães. Reuso da água: conceitos, teorias e práticas. 1. ed. São Paulo: Editora Blucher, 2007. THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. TUAN, Yi-fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Tradução de Livia de Oliveira. São Paulo/Rio de Janeiro: Difel, 1974. VALLADÃO, Alfredo. Campanha da Princeza: estudo histórico. Rio de Janeiro: Typ. da “Revista dos Tribunais”, 1912, 79 p. VEIGA, Bernardo Saturnino da (Org.). Almanack Sul-Mineiro para 1874. Campanha: Typ. do Monitor Sul Mineiro,1874. 460 p. Edição fac-similar. ____. Almanack Sul-Mineiro para 1884. Campanha: Typ. do Monitor Sul Mineiro, 1884. Edição fac-similar. VENANCIO. Renato Pinto. Antes de Minas: fronteiras coloniais e populações indígenas. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Org.). As Minas Setecentistas, 1. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007. p. 87-126. VIDA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM ENGENHARIA, MEIO AMBIENTE E REFLORESTAMENTO LTDA; COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS; COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SAPUCAÍ; GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Plano Diretor de recursos hídricos da bacia do rio Sapucaí. GT. Resumo Executivo. Disponível em: < http://rapidshare.com/files/388829317/Resumo_Executivo.doc.html> Acesso em: 29 jun. 2010.
Leitura em trânsito:: uma aproximação com as práticas de produção, difusão e leitura do jornal Super Notícia
RECENT ACTIVITIES

Autor

Documento similar

Tags

Leitura em trânsito:: uma aproximação com as práticas de produção, difusão e leitura do jornal Super Notícia

Livre