Evolução do processo de espermiação em machos de Piau, Leporinus macrocephalus, hormonalmente induzidos à reprodução

 0  3  129  2017-02-01 13:13:32 Report infringing document
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CENTRO DE AQUICULTURA DA UNESP CAMPUS DE JABOTICABAL EVOLUÇÃO DO PROCESSO DE ESPERMIAÇÃO EM MACHOS DE PIAU, Leporinus macrocephalus, HORMONALMENTE INDUZIDOS À REPRODUÇÃO MARIO ESTEBAN MUÑOZ GUTIÉRREZ Orientador: Prof. Dr. Carlos Alberto Vicentini Co-orientador: Prof. Dr. Sergio Ricardo Batlouni Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Aquicultura do CAUNESP, da Universidade Estadual Paulista, Campus de Jaboticabal, como parte dos requisitos para obtenção do Titulo de Mestre em Aquicultura JABOTICABAL São Paulo – Brasil 2011 M967e Muñoz Gutiérrez, Mario Esteban Evolução do processo de espermiação em machos de Piau, Leporinus macrocephalus, hormonalmente induzidos à reprodução/ Mario Esteban Muñoz Gutiérrez. – – Jaboticabal, 2011 129 f. : il. ; 28 cm Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Centro de Aqüicultura, 2011 Orientador: Carlos Alberto Vicentini Banca examinadora: Luciene Patrici Papa, João Paulo Mardegan Issa. Bibliografia 1. Estrutura testicular. 2. Indução hormonal. 3. Leporinus macrocephalus. I. Título. II. Jaboticabal-Centro de Aqüicultura. CDU 639.3.03 Ficha catalográfica elaborada pela Seção Técnica de Aquisição e Tratamento da Informação – Serviço Técnico de Biblioteca e Documentação - UNESP, Câmpus de Jaboticabal. DEDICATÓRIA À minha avó, Isabel, que se converteu no meu anjo da guarda. À minha avó, Lucrecia, pelas suas orações e bênçãos. Aos meus pais, Esperanza e Mario, pela ajuda, compreensão e pelo seu apoio constante para concluir com sucesso meus estudos longe de casa. À minha querida irmã Rocio, pelas palavras de apoio quando mais as precisei. À minha namorada Andrea, sempre com as suas palavras de carinho que me faziam sentir perto de casa. Agradecimento especial Ao Prof. Dr. Carlos Alberto Vicentini Não há palavras suficientes para expressar meu agradecimento ao Professor Carlos, grande pessoa e mestre. Obrigado pelo apoio, ajuda, conhecimentos, amizade e confiança depositada em mim durante este tempo. Tem sido uma honra e um privilégio ser orientado por uma pessoa que desde sua sala e laboratório me ensinou a andar pelos caminhos da pesquisa. MUITO OBRIGADO POR TUDO!!! Agradecimentos A DEUS, pela oportunidade de conhecer novas experiências e me permitir vencer mais uma etapa da vida. Ao Centro de Aquicultura da UNESP (CAUNESP) – Campus de Jaboticabal, pela oportunidade de dar continuidade à minha formação profissional. Ao meu co-orientador, Prof. Dr. Sergio Ricardo Batlouni, pelo conhecimento transmitido, e pelo entendimento do que a vida está cheia de inconvenientes, e não de problemas. À Profa. Dra. Irene Bastos Franceschini Vicentini, pela atenção e colaboração. Lembrarei sempre o seu bom olfato para perceber o cheiro de paper que saia da sala do professor. Aos docentes do CAUNESP, pelo conhecimento compartido. Aos professores da banca examinadora pelas sugestões para o enriquecimento deste trabalho. Ao Centro de Microscopia Eletrônica do Instituto de Biociências do Campus de Botucatu – UNESP, pelo processamento do material e disponibilidade dos equipamentos. Ao Laboratório de Reprodução do CAUNESP - Jaboticabal. Ao Laboratório de Morfologia de Organismos Aquáticos da UNESP – Bauru. Aos meus amigos Patrick, Thiago, Julian, Claudemir, Alex, Fernando, Rafael, Jacky e o Andrés pela acolhida, amizade e ajuda. A todos os colombianos que residem e residirão em Jaboticabal e Bauru. A CAPES pela concessão da bolsa de estudos. A todos aqueles que de alguma forma contribuíram na minha formação e na realização deste trabalho. MUITO OBRIGADO! “Quanto mais alto estivermos situados, mais humildes devemos ser”. Marco Túlio Cicerón SUMÁRIO SUMÁRIO Página RESUMO 10 ABSTRACT 13 1. INTRODUÇÃO GERAL 16 2. LITERATURA 21 2.1 Estrutura testicular 22 2.2 Espermatogênese em teleósteos 25 2.3 Sistema de ductos eferentes (SDE) em teleósteos 28 2.4 Biologia reprodutiva em peixes teleósteos 29 2.5 Reprodução de peixes reofílicos em cativeiro 31 2.6 Análise seminal 32 2.7 Morfometria testicular 34 3. MATERIAL E MÉTODOS 36 3.1 Seleção dos reprodutores 37 3.2 Análise morfológica do sistema de ductos eferentes 38 3.3 Indução hormonal 38 3.4 Delineamento experimental 39 3.5 Coletas 39 3.6 Microscopia de luz 42 3.7 Microscopia eletrônica de transmissão 42 3.8 Estudos morfométricos 43 3.9 Análise estatística 44 4. RESULTADOS 45 4.1 Parâmetros biométricos 46 4.2 Índices biológicos 47 4.2.1 Índices gonadossomático 47 4.2.2 Índices hepatossomático e viscerossomático 47 4.3 Estrutura testicular 48 4.3.1 Características anatômicas 48 4.3.2 Características histológicas 49 4.3.3 Células da linhagem espermatogênica 50 SUMÁRIO 4.3.3.1 Espermatogônias primárias 50 4.3.3.2 Espermatogônias secundárias 51 4.3.3.3 Espermatócitos primários 51 4.3.3.4 Espermatócitos secundários 52 4.3.3.5 Espermátides 52 4.3.3.6 Espermatozóides 53 4.3.4 Células de Sertoli 54 4.3.5 Sistema de ductos eferentes 54 4.4 Análise seminal 55 4.5 Análises morfométricas 55 4.5.1 Área do túbulo seminífero 55 4.5.2 Área do lúmen tubular 56 4.5.3 Contagens dos cistos germinativos 57 5. DISCUSSÃO 90 5.1 Parâmetros biométricos 91 5.2 Índices biológicos 92 5.3 Estrutura testicular e espermatogênese 93 5.4 Sistema de ductos eferentes 97 5.5 Parâmetros seminais 98 5.6 Epitélio germinativo 101 6. CONCLUSÕES 109 7. REFERÊNCIAS 111 RESUMO RESUMO As espécies reofílicas apresentam, de modo geral, suas gônadas desenvolvidas até estágios avançados de maturação, porém as etapas finais do processo reprodutivo, tais como, a maturação final dos ovócitos, a ovulação, a desova e a liberação de sêmen, somente são atingidas mediante tratamentos hormonais. No entanto, a reprodução induzida de Leporinus macrocephalus apresenta algumas particularidades. Mesmo com a aplicação de duas doses de hormônio, os machos de L. macrocephalus geralmente liberam uma quantidade muito reduzida de sêmen, que freqüentemente é insuficiente para os procedimentos de reprodução induzida. Assim, o objetivo principal deste trabalho foi avaliar a evolução do processo de espermiação em reprodutores machos de L. macrocephalus, submetidos a tratamento hormonal. Para tanto, foram realizados estudos histológicos da estrutura testicular e da via seminífera, com inclusão de tecidos em historesina e coloração com azul de Toluidina. Estudos ultraestruturais das células germinativas foram realizados com processamento do material para rotina de microscopia eletrônica de transmissão. Análise da via seminífera foi também realizada com a injeção de acetato de vinila nos ductos testiculares e posterior análise em microscopia eletrônica de varredura. Para análise do epitélio germinativo ao longo do processo de indução hormonal, as preparações histológicas foram destinadas para estudos morfométricos, com utilização de sistema de análise de imagens. Após o tratamento hormonal foram realizadas análises seminais para verificação do volume total de sêmen liberado, concentração espermática, tempo de ativação e sobrevivência dos espermatozóides. Os estudos morfológicos evidenciaram que a estrutura testicular de L. macrocephalus é do tipo tubular anastomosado, espermatogonial irrestrito com espermatogênese do tipo cística. A via seminífera da espécie estudada compreende os túbulos seminíferos anastomosados, o ducto testicular principal e ducto espermático. Os estudos histológicos e ultraestruturais 11 RESUMO evidenciaram que a conexão dos túbulos seminíferos ocorre em diferentes segmentos ao longo de todo o ducto testicular principal. Quanto aos índices biológicos analisados e os estudos morfométricos realizados, foi possível evidenciar que a espécie L. macrocephalus responde adequadamente ao tratamento hormonal com extrato de hipófise, considerando que ocorreu aumento do índice gonadossomático (IGS) e dilatação dos túbulos seminíferos durante os tratamentos hormonais. A análise seminal após os tratamentos hormonais de L. macrocephalus demonstrou um baixo volume de sêmen liberado e uma concentração espermática similar à de outros peixes reofílicos. Em conclusão, as características morfológicas testiculares, a estrutura do sistema de ductos eferentes e o tratamento hormonal utilizado para a reprodução em cativeiro, não estão relacionados com o baixo volume de sêmen liberado pela espécie. Palavras chave: estrutura testicular, indução hormonal, L. macrocephalus, peixe neotropical. 12 ABSTRACT ABSTRACT Rheophilic species present, in general, their gonads developed to advanced stages of maturation, but the final stages of the reproductive process, such as the final maturation of oocytes, ovulation, spawning, and release of semen, are only achieved with hormonal treatments. However, the induced breeding of Leporinus macrocephalus has some peculiarities. Even with the application of two doses of hormone, males of L. macrocephalus usually release reduced semen, which is often insufficient for procedures of induced spawning. Thus, the objective of this study was to evaluate the progress of spermiation in males broodstocks of L. macrocephalus, undergoing hormonal treatment. For this, were performed histological studies of testicular structure and the seminal pathway with tissue inclusion into historesin and staining with toluidine blue. Ultrastructural studies of the stems cells were performed with material processing for routine of transmission electron microscopy. Analyses of seminal pathway were performed with the injection of vinyl acetate in the testicular ducts and subsequent analysis of scanning electron microscopy. For analysis of the germinal epithelium throughout the hormonal induction process, the histological preparations were destined for morphometric studies using an image analysis system. After hormone treatment seminal analysis was performed to verify the volume total release of semen, sperm concentration, time activation and survival of spermatozoa. Morphological studies evidence that the testicular structure of L. macrocephalus is anastomosed tubular type, espermatogonial unrestricted with a spermatogenesis of cystic type. The seminal pathway of this species comprises the seminiferous tubules anastomosing, the main testicular duct and spermatic duct. The histologic and ultrastructural studies showed that the connection of the seminiferous tubules occurs in different segments throughout the testicular main duct. Concerning to the biological index analyzed and the studies morphometrics, we found that species 14 ABSTRACT L. macrocephalus respond adequately to the pituitary hormonal treatment, considering there increase in the gonadosomatic index (GSI) and dilation of seminiferous tubules during hormone treatment. The semen analysis after hormonal treatments of L. macrocephalus showed a low volume of semen released and a sperm concentration similar to other rheophilics fishes. In conclusion, the testicular morphology characteristics, the structure of the efferent duct system and the hormonal treatment used to captive breeding are not related with the low volume of semen released by the species. Key words: testicular structure, hormonal induction, L. macrocephalus, Neotropical fish. 15 1. INTRODUÇÃO GERAL INTRODUÇÃO GERAL O domínio biogeográfico Neotropical, que inclui a América do Sul, América Central e o Caribe, possui a ictiofauna dulciaqüícola mais diversa e rica do mundo. De acordo com Reis et al. (2003), das quase 12.000 espécies de peixes de água doce estimadas para o planeta, aproximadamente 6.000 são encontradas nesta faixa Neotropical, das quais 4.475 são consideradas válidas, e cerca de 1.550 são conhecidas, porém ainda não descritas formalmente. Segundo Buckup et al. (2007), o Brasil se apresenta como o país com a maior diversidade de peixes da região, já que aproximadamente 2.500 das 4.475 espécies encontram-se registradas e catalogadas nas bacias hidrográficas de todo o país. Esta característica tem despertado um grande interesse tanto nacional como internacional, não só da comunidade científica, como também de empresas ligadas à piscicultura, estimulando as pesquisas relacionadas à manutenção e desenvolvimento, em cativeiro, de pacotes tecnológicos das espécies com valor comercial. Nos dias atuais e num sentido mais amplo, usa-se o termo aqüicultura, para designar a produção de organismos com habitat predominantemente aquático, em cativeiro, em qualquer um dos seus estágios de desenvolvimento (Valenti, 2002). Segundo Garutti (2003), a piscicultura se apresenta como uma modalidade de aquicultura que se pode transformar em uma excelente atividade econômica rentável. De acordo com VeríssimoSilveira (2003), o Brasil possui um dos maiores potenciais do mundo para o desenvolvimento desta atividade, devido particularmente ao seu clima, diversidade de espécies, quantidade de água, tipo do solo e facilidade de acesso aos locais de produção. 17 INTRODUÇÃO GERAL Junto às espécies exóticas (tilápia, carpas e trutas) introduzidas para serem cultivadas no país, o Brasil apresenta um grande número de espécies amazônicas e do Pantanal, que estão sendo aproveitadas para o cultivo (FAO, 2007). Dentre as principais espécies nativas usadas na aquicultura, estão presentes: o pacu (Piaractus mesopotamicus), o tambaqui (Colossoma macropomum), o pirapitanga (Piaractus brachypomus), o curimbatá (Prochilodus lineatus), o matrinxã (Brycon amazonicus) e o piau (Leporinus macrocephalus), sendo esta última a quinta espécie mais produzida em todo o país (FAO, 2007). O gênero Leporinus, estabelecido por Spix em 1829, é o maior da família Anostomidae, tanto em número de espécies (mais de 92 descritas) quanto em número de indivíduos, nas bacias fluviais onde ocorre (Garavello e Britski, 1988; Buckup et al., 2007). Constitui um grupo natural de ampla distribuição ocorrendo desde o Rio Atrato no Noroeste da Colômbia, até a parte central do Sul da Argentina (Sidlauskas e Vari, 2008). As espécies do gênero Leporinus são onívoras, predominantemente herbívoras e alimentam-se de algas filamentosas, macrófitas aquáticas (raízes e folhas), frutos de plantas ribeirinhas, vermes, larvas de insetos e zooplâncton. Em cativeiro, adaptam-se muito bem às rações artificiais, tornando-se atrativas para a piscicultura intensiva (Ferreira e Godinho, 1990; Castagnolli, 1992). Popularmente conhecido como Piau, Piavuçu e Piaussu, L. macrocephalus provem das bacias dos rios Paraná e Paraguai no Pantanal Matogrossense, e é uma das maiores espécies do gênero, podendo alcançar 600 mm de comprimento total e 6 kg de peso (Reynalte-Tataje et al., 2001; 2002). 18 INTRODUÇÃO GERAL A espécie L. macrocephalus apresenta dimorfismo sexual, sendo possível, em qualquer época do ano, distinguir os machos das fêmeas, através da forma do abdômen: enquanto os machos são afilados, as fêmeas são abauladas. Além disso, as fêmeas são sempre maiores que os machos da mesma idade, pois crescem mais depressa. Em cativeiro, os machos atingem a maturidade aos 12 meses e as fêmeas aos 14 meses de engorda. Quanto ao hábito reprodutivo, os peixes do gênero Leporinus são reofílicos e se reproduzem uma vez por ano, na época da cheia dos rios (outubro a março). Desovam em lagoas e áreas marginais e apresentam fecundação externa (Reynalte-Tataje et al., 2002). Assim, como a maioria das espécies de peixes migradores nativos, o L. macrocephalus desova várias vezes na vida, sendo este um processo que ocorre em intervalos que se repetem. Nestas espécies, os ovócitos normalmente maturam e são liberados em um único lote (desovadores totais). O processo de reprodução natural direciona a produção dos jovens no período do ano mais favorável para a sobrevivência (estação das cheias), quando existe alimento abundante para um crescimento rápido e maior proteção contra predadores (Zaniboni-Filho e Weingartner, 2007). Não obstante, em cativeiro, as espécies reofílicas apresentam, de modo geral, suas gônadas desenvolvidas até estágios avançados de maturação, porém as etapas finais do processo reprodutivo, tais como, a maturação final dos ovócitos, a ovulação, a desova e a liberação de sêmen, somente são atingidas mediante tratamentos hormonais (Sato et al., 2000; Zaniboni-Filho e Weingartner, 2007). No entanto, a reprodução induzida do L. macrocephalus apresenta algumas particularidades. É sabido que a reprodução do piau é muitas vezes desfavorecida pela dificuldade de obtenção de sêmen (Amaral, 1999; Moraes, 2004). Normalmente, em 19 INTRODUÇÃO GERAL procedimentos de reprodução induzida, mesmo recebendo duas doses de hormônio, os machos de piau liberam quantidade muito reduzida de sêmen que, freqüentemente, é insuficiente (Streit et al., 2003). Muitas vezes, os machos precisam ser mortos para que os testículos sejam comprimidos e possam ser obtidas algumas pequenas gotas de sêmen, trazendo prejuízos principalmente quando os mesmos são geneticamente selecionados (Ribeiro e Godinho, 2003). Neste contexto, o objetivo principal deste trabalho foi avaliar a evolução do processo de espermiação em reprodutores machos de L. macrocephalus, submetidos a tratamento hormonal, com o propósito de obter informações básicas que servirão de embasamento e direcionamento, para futuras tentativas de aprimorar o desempenho reprodutivo de machos desta espécie, em procedimentos de reprodução induzida. Assim sendo, os seguintes estudos foram realizados: a) Análise morfológica da estrutura testicular e da via seminífera, b) Avaliação dos índices biológicos (gonadossomático, hepatossomático e viscerossomático) ao longo do processo de indução hormonal, c) Descrição e morfometria do epitélio germinativo ao longo do processo de indução hormonal mediante a avaliação histológica, d) Quantificação do efeito hormonal na freqüência de cistos germinativos nos túbulos seminíferos, e) Análise seminal após o tratamento hormonal. 20 2. LITERATURA resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 21. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 22. Melo RM, Bottno MA, Galvã RKH, Soboyejo WO. Bond strengths, degree of conversion of the cement and molecular structure of the adhesive–dentine joint in fibre post restorations. J Dent 2012;40:286-94. 23. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 24. Anusavice KJ. Phillips RW. Science of dental materials. 11th, 2003. 25. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper dent 1994;19:165-8. 27 4 ARTIGOS CIENTÍFICOS 4.2 ARTIGO 2 28 Title: Influence of light transmission through fiber posts on the microhardness and bond strength Authors: Morgan LFSA, Gomes GM, Poletto LTA, Ferreira FM, Pinotti MB, Albuquerque RC. Abstract Introduction: The aim of this study was to investigate the influence of light transmission through fiber posts in microhardness (KHN) and bond strength (BS) from a dual cured resin cement. Methods: Five fiberglass posts of different types and manufacturers represent a test group for the analysis of KHN (N=5) and BS and their displacement under compressive loads (N = 8). For the analysis of KHN a metallic matrix was developed to simulate the positioning of the cement after the cementation process intra radicular posts. The resistance to displacement, which will provide data of BS was measured using bovine incisors. After cementation, cross sections of the root portion of teeth in space led to post 1mm discs that have been tested for BS. The values were statistically analyzed by ANOVA, followed by Tukey's (P <0.05) between groups for KHN and BS. Results: The results showed no statistical differences for the different posts in KHN. For BS, the sum of thirds, a translucent post showed the highest values. Comparative analysis between the thirds of each post also showed statistically significant differences when comparisons of the same post-thirds showed no differences. Conclusion: For the cement used, the amount of light transmitted through the post did not influence the KNH nor the BS significantly, among the different posts and thirds evaluated. Key Words: light transmission, dental posts, microhardness, bond strength. 29 Introduction The use of pre-fabricated posts in the reconstruction of endodontically treated teeth, whose main objective is to retain the material reconstruction and minimize the occurrence and complexity of fractures, is well established in the literature (1). Clinically, the mechanical and chemical characteristics of fiber posts justify their usage (2). In relation to resin cements, three options regarding the method of polymerization are available: self-polymerizing, light-cured or dual polymerization (dual). Understanding the mechanism of polymerization of these systems (3) the choice of materials that do not depend on light seems to be more reliable for cementing intra radicular fiber posts. To investigate the capability of transmitting light by translucent post is the target of several recent authors (4-9). Most studies point to the decrease in light intensity (LI) by increasing the root depth. Quantitative assessments of LI, hardness, elastic modulus and degree of conversion can be found in these works. Undesirable effects of incomplete polymerization of the resin cements are of biological (10-12) due to toxicity, and mechanical (8,9,13-15), due to low bond strength values are described in the literature. The aim of this study is to investigate the effect of light transmission through fiber posts in Knoop microhardness number (KHN) and bond strength (BS) of a dual resin cement. The null hypothesis is that there is no statistically significant difference in KHN and BS for different depths evaluated for the dual resin cement following cementation of translucent posts. Material e Methods Five different fiber posts of two types and one resin cement were involved (Table 1). 30 Table 1 – Description of the posts and cement used. Post Manufacturer/Lote Type Quimical composition FGM Produtos Odontológicos Glass Fibers (80% ± 5), epoxy resin (20% ± 5), silica, silane and T1 Translucent (Brazil)/140410 polymerising promoters. Bisco, INC T2 Translucent (EUA)/0800007811 Glass Fibers (55%), Epoxy (45%). TetraethyleneglycolDimethacrylate (7.6%), Urethane Ivoclar-Vivadent Dimethacrylate (18.3%), Silicium Dioxide (0.9%), Ytterbium T3 Translucent (Liechtenstein)/M72483 Fluoride (11.4%), catalysers and stabilisers (<0.3%). Glass Fibers. C1 Ângelus (Brazil)/14818 Conventional Glass Fibers (87%), Epoxy resin (13%). C2 Ângelus (Brazil)/14874 Conventional Carbon Fibers (79%), Epoxy Resin (21%). Resin Cement Rely-X Unicem 3M ESPE (USA)/372990 Self-etch/ Dual Cure Powder: glass particles, initiators, sílica, substituted pyrimidine, calcium hidroxide, peroxide composite and pigment; liquid: metacrylate phosphoric acid Ester, dimethacrylate, acetate, stabilizer and initiator. White Post DC (FGM, Joinville, SC-Brazil), DT Light Post (Bisco, Inc, Schaumburg, ILUSA) and FRC Postec Plus (IvoclarVivadent, Liechtenstein) with similar compositions but with different amounts of chemical components, represent translucent (T) type, T1, T2 and T3 respectively. Exacto and Reforpost Carbon Fiber (Both Ângelus, Londrina, Pr-Brazil) with different compositions but opaque, represent conventional (C) type, C1 and C2 respectively. The posts were cut to standard height of 16 mm for both analysis, KHN and RA. KHN measurements The assessments targeted three different depths, namely: cervical third (CT), at a 4.1 to 6.8mm depth; middle third (MT), at an 8.8 to 11.5mm depth; and apical third (AT), at a 13.5 to 16mm depth. 31 A metallic apparatus matrix was designed and manufactured to support the posts, resin cement, and the tip of a curing light unit. Such a metallic apparatus consisted of four parts as showed in figure 1. Figure 1. Metallic matrix: (a) a frame, which contained the posts (e), (b) a support to standardize the position and volume of resin cement, (c) a support to standardize the length of each three third deep post regions and stabilize the set, (d) and an external cylinder, which holds the other part as well as incorporates the tip of curing light unit (f) at the top and also obstructs the influence of external sources of light. Patented CTIT/UFMG (BR 20 2012 015542 2). The frames were manufactured in the exact dimensions of each post by means of an electro erosion machining. Aimed at standardizing the quantitative radial light transmission, each third of the posts contained a 120-degree lateral side opening. The three thirds, were supposed to be assessed simultaneously. The measurement of all thirds, one at a time, was possible because the matrix allowed the removal of the resin cement blocks, separately, after polymerization, without destroying them. The matrix’s internal structure provided an adequate separation of each 32 third, which permitted their accurate evaluation. Each one was 1,6mm wide and 2,70 mm length. The major concern about this matrix was that the cement was inserted directly in projected spaces, in order to minimize the formation of bubbles. The posts were isolate from cement by a polyester strip. The time of light exposure was 40 seconds, and the LI remained above 420mW/cm2. The light curing unit used was Curing Light 2500(3M ESPE, USA). The set consisting of the curing light unit, the matrix, the post and the resin cement remained still throughout the assessments. After ten minutes, including 40s photopolymerization, the specimens were removed from the matrix and were immediately included in pre-molds (Buehler, USA) with crystal resin with black pigment and were poured into the device by using a Cast N’vac (Buehler, USA). After the cure of crystal resin, the specimens were removed from the pre-molds and stored dry, out of reach of light during 7 days. The surface to be analyzed was sequentially polished with # 320 to 1200-grit SiC papers and felt with diamond polish paste (Buehler, USA). A control group, using T1, was made of the same method but without a photopolymerization. KHN measurement was performed by a Micromet 5104(Buehler, Japan) using a static load of 50g for 10s. Sequentially, three indentations were performed for each third of each group. The values were obtained from the reading of the average of three indentations oriented long axis of the resultando  em  um  filme  que  tem  como  motivação  as  vinganças da  mesma.  O  personagem Benjamim perde a relevância que tem no romance e o espectador  não fica imerso em tantas dúvidas, como o leitor da narrativa indicial de Chico.  As  páginas  que  não  afirmavam  a  culpa  de  Benjamim  pela  morte  de  Castana 96  Beatriz, nem a ascendência de Ariela, são transformadas em cenas de certezas  e afirmações que, em parte, excluem a narrativa indicial do primeiro autor.  Todas  as  transformações  que  a  cineasta  efetua  na  obra  de  Chico  para  elaborar  seu  filme  são  refletidas  nos  outros  textos  que  permeiam  e  dialogam  com as duas obras: capas, o site oficial de Chico Buarque e do filme Benjamim,  as  críticas  expostas  na  mídia.  Esses  outros  textos  —  sejam  eles  metatextos,  paratextos  ou  arquitextos  —  dialogam  transtextualmente  com  os  processos  que  fazem  do  romance  um  filme.  Todas  as  transformações  executadas  pela  cineasta  na  obra  do  autor  são  também  difundidas  nos  outros  textos  que  circundam  o  processo.  Tudo  isso  constrói  uma  extensa  e  infinita  rede  transtextual,  que  produz  um  diálogo  não  só  entre  as  obras  de  Chico  e  Gardenberg, mas também entre elas e outros textos.  Observar  a  obra  de  Chico  Buarque  com  esses  parâmetros,  faz­nos  perceber também a ausência de limites entre as artes e linguagens. O romance  Benjamim,  imerso  num  tom  cinematográfico,  ao  mesmo  tempo  em  que  se  transforma  na  criação  de  Gardenberg,  parece  justamente  chegar  à  sua  linguagem  ideal:  o  cinema.  A  rede  de  flashbacks  imaginada  por  Chico,  para  contar  a  história  de  um  ex­modelo  fotográfico  que  se  duplicou  na  juventude  e  assiste  a  sua  existência  como  se  fosse  um  filme  produzido  por  uma  câmera  imaginária,  cresce  nas  lentes  reais  de  Monique  Gardenberg:  o  romance  de  Chico,  por  meio  do  filme  Benjamim,  chega,  de  fato,  à  linguagem  tematizada  em sua criação. Por sua vez, ao perceber os vestígio do cinema no romance e  aventurar­se  na  adaptação  fílmica,  com  o  cuidado  de  recriar  sempre  inspirada  pelo  primeiro  autor,  Monique  Gardenberg  põe  em  cartaz  a  essência  hipertextual de Chico Buarque de Hollanda. R e f e r ê n c i a s :  97  BARROS,  Leila  Cristina;  CASTELLO  BRANCO,  Lúcia.  Desencontro,  amor  e  feminino  em  Benjamim,  de  Chico  Buarque.  2001.  Dissertação  de  mestrado,  Universidade Federal de Minas Gerais.  BARTHES,  Roland.  Introdução  à  análise  estrutural  da  narrativa.  In:  Análise  estrutural  da  narrativa:  seleção  de  ensaios  da  revista  Communications.  Trad.  Maria Zélia Barbosa Pinto. Petrópolis: Vozes, 1971.  BARTHES,  Roland.  Obra  de  massa  e  explicação  de  texto.  In:  PERRONE­  MOISÉS,  Leyla  (org).  Inéditos,  V.1  —  Teoria.  São  Paulo:  Editora  Martins  Fontes, 2004. p. 51­55.  BARTHES,  Roland.  Texto  (teoria  do).  In:  PERRONE­MOISES,  Leyla  (org).  Inéditos, V.1 — Teoria. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2004. p. 261­289.  BARTOLOMEI,  Marcelo.  Paulo  José  “vence”  Parkinson  e  Cléo  Pires  estréia  no  cinema, disponível na Folha Online. Acesso em: 01/04/04.  BENJAMIN,  Walter.  A  tarefa  do  tradutor.  Trad.  Suzana  K.  Lages.  In:  HEIDERMANN,W.  (org.).  Clássicos  da  teoria  da  tradução.  Florianópolis:  UFSC  NUT, 2001. p. 189­215.  BERNARDET,  Jean­Claude.  O  que  é  cinema.  São  Paulo:  Editora  Nova  Cultural  Brasiliense, 1985.  BRITO, João batista de. Chico Buarque no cinema. In: Chico Buarque do Brasil.  São Paulo: Garamond Editora, 2004.  BUARQUE, Chico. Benjamim. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.  BUARQUE, Chico. Budapeste. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.  BUARQUE,  Chico,  GUERRA,  Ruy.  Calabar:  o  elogio  da  traição.  São  Paulo:  Civilização Brasileira, 1973.  BUARQUE, Chico. Estorvo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.  BUARQUE,  Chico,  PONTES,  Paulo.  Gota  d'água.  Rio  de  Janeiro:  Civilização  Brasileira, 1975.  BUARQUE, Chico. Ópera do malandro. São Paulo: Círculo do Livro, 1978.  CATTRYSSE,  Patrick.  Film  (adaptation)  as  translation:  some  methodological  propoals.  In:  TARGET  v.4,  n.1.  Amsteram/Philadelphia:  Jonh  Benjamins  Publhishing Company, 1992. p. 55­90. 98  COMODO,  Roberto.  Câmera  invisível.  Revista  Isto  é,  São  Paulo,  n.  1367,  p.124­125, 13 dez 1995.  COMPAGNON,  Antoine,  Trad.  MOURÃO,  Cleonice  Paes  Barreto.  O  demônio  da  teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.  DINIZ,  Thaïs  Flores  Nogueira.  Literatura  e  Cinema:  tradução,  hipertextualidade,  reciclagem.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras  da  UFMG,  2005.  FERNANDES,  Rinaldo  de.  Chico  Buarque  do  Brasil.  São  Paulo:  Garamond  Editora, 2004.  GARDENBERG,  Monique.  In:  Prees  Book  do  filme  Benjamim.,  2003.  Distribuição:  EUROPA  Filmes.  Disponível  em  http://www.benjamimofilme.com.br/, acesso em: 11/04/06.  GENETTE, Gerard. Palimpsestes: la litterature au second degre. Paris: Editions,  1981.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva Voz. Trad. Luciene Guimarães e Maria Antônia Ramos Coutinho. Extratos:  capítulos  1,  2,  7,  40,  41,  45,  80.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras/UFMG,  2005.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva  Voz.  Trad.  Cibele  Braga,  Mariana  Arruda  e  Miriam  Vieira.  Extratos:  capítulos 8, 13, 38, 47, 48, 49, 53, 54, 55, 57.  Belo Horizonte: Faculdade de  Letras/UFMG, 2007. No prelo.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de.  A  banda:  manuscritos  de  Chico  Buarque  de  Hollanda. Rio de Janeiro: 1966.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de,  KEATING,  Vallandro.  A  bordo  do  Rui  Barbosa.  São Paulo: Palavra e Imagem, 1981.  MARQUÉZ,  Gabriel  García.  Cem  anos  de  solidão.  Trad.  Eliane  Zagury.  Rio  de  Janeiro: O Globo, 1967.  MCFARLANE.  Brian.  Novel  to  film:  an  introduction  to  the  theory  of  adaptation.  Oxford University Press, 1996.  MENESES,  Adélia  Bezerra  de.  Desenho  mágico:  poesia  e  política  em  Chico  Buarque. São Paulo: HUCITEC, 1982. 99  OLIVEIRA,  Solange  Ribeiro  de.  De  mendigos  e  malandros:  Chico  Buarque,  Bertold  Brecht  e  John  Gay ­  uma  leitura  transcultural.  Ouro  Preto:  Ed.  UFOP,  1999.  OLIVERA,  Luciene  Guimarães  de,  QUEIROZ,  Sônia  Maria  de  Melo.  A  Bela  e  a  Fera  ou  a  ferida  grande  demais  de  Clarice  Lispector:  transtextualidade  e  transcrição.  2005.  Dissertação  de  mestrado.  Universidade  Federal  de  Minas  Gerais.  PEREIRA, Helena Bonito Couto. Duas personagens, dois tempos, duas versões:  Benjamim  em  livro  e  em  filme.  In:  Revista  Aletria.  Belo  Horizonte:  Ed.  UFMG,  [s.d]. No prelo.  PESSOA,  Stella.  Quem  é  Chico  Buarque  de  Hollanda.   Acesso em: 30/05/06.  QUEIROZ, Sônia (org). Estilos. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2002.  RUIZ,  Simone.  Benjamim  é  videoclipe  de  Cléo  Pires,  disponível  no  site  Adoro  cinema brasileiro. Acesso em: 30/09/03.  SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.  SILVA,  Fernando  de  Barros  e.  Filme  de  Monique  Gardenberg  gera  encanto  retardado, disponível na Folha Online. Acesso em: 02/04/04.  WERNECK,  Humberto.  Tantas  palavras.  São  Paulo:  Companhia  das  letras,  2006. F i l m o g r a f i a :  100  BENJAMIM.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Rio  de  Janeiro:  Natasha  Produções e Duetos Filmes. 2003. 108 min., color, DVD.  BRASIL  ANO  2000.  Direção  de  Walter  Lima  Jr.  Rio  de  Janeiro:  2000  Film,  Claude­Antoine e Mapa Filmes. 1969. 95 min., color, VHS.  Sinopse disponível em  http://www.geocities.com/filmescopio/filmes/ano2000.htm>  Acesso  em:  16/12/2006.  ESTORVO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Rio  de  Janeiro:  Riofilme.  2000.  95  min.,  color, VHS.  JENIPAPO. Direção de Monique Gardenberg. 1996. 100min., color, VHS.  Ó  PAÍ,  Ó.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Salvador:  Globo  Filmes  e  Duetos  Filmes.  2007.  98  min.,  color,  exibido  nas  salas  de  cinema  de  Belo  Horizonte  em abril de 2007.  OS  SALTIMBANCOS  TRAPALHÕES.  Direção  de  J.B.  Tanko.  Brasil:  Renato  Aragão Produções. 1981. 99min., color, DVD.  ÓPERA  DO  MALANDRO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Brasil:  Austra  Cinema  e  comunicações,  MK2  Productions  e  TF1  Films  Productions.  1985.  100  min.,  color, DVD.  UM  HOMEM,  UMA  MULHER  (Un  Homme  et  Une  Femme).  Direção  de  Claude  Lelouch. França: Warner Bros. 1966. 102 min., color, VHS  Sinopse disponível em    Acessado  em:  16/12/2006.  D o c u m e n to s  o n  l i n e :  www.benjamimofilme.com.br. Acesso em: 30/11/2006  www.chicobuarque.com.br. Acesso em: 30/11/2006
Documento similar

Evolução do processo de espermiação em machos..

Livre

Feedback