Feedback

Estereótipos do profissional da Contabilidade na percepção de estudantes de cursos preparatórios para ingresso no ensino superior

Documento informativo

1 Luiz Ernani de Carvalho Júnior Estereótipos do profissional da Contabilidade na percepção de estudantes de cursos preparatórios para ingresso no ensino superior. Belo Horizonte 2015 Luiz Ernani de Carvalho Júnior 2 Estereótipos do profissional da Contabilidade na percepção de estudantes de cursos preparatórios para ingresso no ensino superior. Dissertação apresentada ao Centro de Pósgraduação e Pesquisas em Contabilidade e Controladoria, do Departamento de Ciências Contábeis, da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências Contábeis. Área de Concentração: Contabilidade Financeira. Orientadora: Profª Drª Jacqueline Veneroso Alves da Cunha. Belo Horizonte 2015 3 4 5 AGRADECIMENTOS Agradeço à Deus pelos pequenos grandes milagres que tem feito em minha vida a cada dia. Pelo Seu eterno e presente cuidado comigo e com minha família. É sabido há tempos ser o amor o sentimento mais sublime inserido dentro da mente, alma e coração do ser humano (Coríntios 13). Assim, agradeço a Deus por ter inserido nas mentes e nos corações das pessoas que me cercam dois sentimentos: o amor e a fidelidade. Sem estes dois sentimentos não concluiria esta etapa. Agradeço à minha esposa, Suzana, a mulher virtuosa que Deus colocou em meu caminho. Conselheira, parceira, confidente, fiel e eterna amada. Agradeço o companheirismo nos momentos de desespero, cansaço, nervosismo em que quase sucumbi, tornando-se a razão de ter conseguido chegar ao final do mestrado. Eu não passaria por pressões de provas, artigos, trabalhos e seminários sem sua presença nas madrugadas de desespero. Agradeço aos meus filhos Yuri e Luísa, que suportaram brava e mansamente todas minhas ausências neste período do mestrado. Enfatizo que sempre li em agradecimentos em trabalhos acadêmicos e ouvi em discursos de formatura as pessoas salientando o problema da ausência, mas eu nunca tinha provado tão intensamente este sentimento até agora. É realmente dramático, é um estar perto fisicamente (à poucos metros, centímetros) mas distante (à kilometros) na mente e na alma. Peço desculpas às estas bênçãos que Deus colocou em minha vida pela falta de acompanhamento nos deveres, nas conquistas, nos finais de semana, férias,feriados, e. nas aulas de natação da Luísa, que nos seus dizeres (com ternura, sorrindo com um rosto angelical): “. pai. já está acabando seu trabalho?!? (traduza-se: dissertação). quase filha. sabe o que é. eu estou precisando voltar para a natação por já estar velha para nadar de boinha.”. Filhos, amo vocês do fundo da alma e do coração. Seus beijos e abraços funcionam como um bálsamo que me levam nos momentos de desespero ao verdadeiro paraíso aqui na terra. A educação, caráter, fidelidade e fé ensinadas pelos meus pais Vimilce e Luiz, que certamente serviram de alicerce para me basilar nas batalhas diárias, suportar obstáculos. 6 À minha maravilhosa, companheira, guerreira, amiga e fiel orientadora Prof. Jacqueline, que mesmo com obstáculos, dificuldades, lutas e prolixidades (minhas) não desistiu. Fez um papel de mãe. ops. irmã mais velha, orientando, tratando-me com o cuidado que se tem com um filho. epa!!!. irmão mais novo. Direcionou meus pensamentos de forma precisa, eficiente, paciente, com pitadas coerentes de rigor metodológico. Seguramente sem o amor e fidelidade que ela tem pelas pessoas e pelo trabalho não seria possível suportar até o final. À minha querida banca. Ao Prof. Douglas por me lembrar dos “pontos da vida”. Ao Prof. José Roberto pela atenção e disponibilidade. Agradeço a eles e a Prof. Jacqueline pela dedicação, empenho, preocupação em ensinar, contribuir, auxiliar e direcionar. Por me mostrarem como podemos manter o rigor científico sem perder a amabilidade, a diplomacia, o respeito e o cuidado. Me senti realmente acolhido. Professor Consentino, não esqueci de seu apoio desde meu ingresso no UFMG. Muito obrigado por me oferecer seu apoio, amizade e companheirismo. Me ensinou a ver melhor as outras pessoas e ampará-las quando necessário. À Márcia pela amizade, conselhos pessoais e acadêmicos. Aos demais professores do programa Valéria, Wagner, Poueri, Laura, pela paciência e conhecimentos transmitidos. Aos profissionais das secretarias Valéria, Joyce, Patricia, Luis e Alex pela disposição para auxiliar, orientar e solucionar dúvidas e contratempos. Agradeço à Vanusa e ao Eduardo pelo respaldo em todo este tempo nas intemperanças profissionais e por sempre darem apoio e abrigo emocional aos meus filhos, o que certamente compensou e apaziguou minhas ausências (exceto pelas aulas de natação. a Luísa ainda continua nadando de boinha.). À Viviane pelo apoio em um dos finais de ano mais estressantes que já passei. Aos meus irmãos, cunhados, cunhadas, sogro e sogra que apesar de não falarem estavam ali apoiando. Saliento seus olhares curiosos que externavam sempre a pergunta que não se calava: Já acabou? A resposta: Não terminou. estou iniciando um novo ciclo no estilo “reboot” de computador. 7 Agradeço ao Samuca pela disponibilidade durante todo o mestrado de apagar os desesperos do grupo. Sua figura de mestre jedi, estilo mestre Yoda (não na aparência é claro) com uma temperança, bondade, positivismo exarcebado e uma presteza em ajudar e ensinar foi emblemática no curso. Ao Wanderson que não foi o Yoda, mas o ninja protetor das análises multivariadas. À força tarefa de estudos Patricia, Jaqueline, Joana. Formamos um grupo seletamente desesperado de estudo em domingos, feriados e madrugadas antecedentes às provas. Me ensinando o quão perigoso é estar em meio a mulheres em momentos de tanto desespero. Meus filhos Negão, Neguim, Branca de Neve, Teus, Lol, Tatá, Pedrim, Brancão, Iago, Lucas, Felipe, Danilo, Genrim1, Genrim2, Norinha1 e Norinha2. Prezados, vocês não fazem idéia do que vocês representam na minha vida. Como é confortante e agradável ter encontrado com vocês, mesmo que em poucos momentos, em meio à lutas. A presença de vocês me deu calma, alegria, desestresse. Aos “Minions do Billy” meus eternos e amados filhos que com força, vontade, alegria e também amor e fidelidade se disponibilizaram para realizar as entrevistas. Amo muito vocês. Por fim à minha família, meus amigos e colegas, desejo que sejam retribuídos em escala “exponencialmente exponencial” o que me desejaram e dedicaram durante todo este período. Beijos e Abraços. eternos. Deus abençoe a todos satisfazendo os desejos de seus corações. 8 Melhor serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se caírem; um levanta o companheiro; ai porém do que estiver só, pois, caindo, não haverá quem o levante. Eclesiastes 4:9-10. Senti este conforto na pele no mestrado e na dissertação. Agradecimento especial neste momento a Deus, minha esposa e minha orientadora. 9 RESUMO CARVALHO JUNIOR, Luiz Ernani de. Estereótipos do profissional da Contabilidade na percepção de estudantes de cursos preparatórios para ingresso no ensino superior. Belo Horizonte, 2015. ____ f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis). Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015. O presente estudo teve como objetivo geral buscar evidências que permitissem identificar e categorizar os estereótipos do profissional da Contabilidade na percepção dos estudantes de cursos preparatórios para ingresso em Instituições de Ensino Superior (IES). A plataforma teórica foi orientada, principalmente, pela teoria dos estereótipos. De acordo com Lippmann (1922); Sá (1998); Deschamps e Moliner (2009) e Moscovici (2012) considera-se estereótipo um processo psicossocial que impacta os indivíduos em suas decisões, ações e capacidades cognitivas nos ambientes onde atuam, no caso da Contabilidade e de seus profissionais, nos sistemas de ensino e do mundo dos negócios. A estereotipagem influencia as escolhas de carreira dos alunos como também é utilizada por eles para darem suporte a suas escolhas. (DECOSTER, 1971; STEELE; ARONSON, 1995; SCHMADER; JOHNS, 2003; e BYRNE; WILLIS, 2005). A metodologia de coleta de dados adotada foi a entrevista estruturada. A base de dados analisada foi formada por 241 respondentes entre alunos de cursos preparatórios para ingresso nas IES. Dos respondentes analisados 151 (62,66%) são respondentes do gênero feminino e 90 (37,34%) do gênero masculino. Somente 29 (11,98%) dos respondentes declararam conhecer bem a Contabilidade e seus profissionais. Dos 241 respondentes 70% indicaram erroneamente ser a Ciência Contábil uma Ciência Exata. Em relação ao curso, quanto às escolhas de carreira dos respondentes detectou-se uma baixa atratividade do curso de Ciências Contábeis. Somente 4 (1,66%) dos respondentes indicaram o curso como opção para ingresso nas IES. Sendo que 201 (83,40%) respondentes apontaram como nenhuma ou baixa a chance de optarem por Ciências Contábeis. Verificou-se que os profissionais da Contabilidade são estereotipados positivamente para todas as características: criatividade, dedicação aos estudos, trabalho em equipe, comunicação, liderança, propensão ao risco e ética pelo público respondente, o que sugere percepções mais positivas dos respondentes da pesquisa atual em relação às pesquisas anteriores. Para o estereótipo de gênero da profissão constatou-se na pesquisa a predominância do masculino. Da análise de como os respondentes percebem a forma como os profissionais são vistos e percebidos pelo mundo dos negócios destaca-se terem sido indicados como sendo profissionais importantes para as entidades e que vem buscando atingir as necessidades do mercado por profissionais atualizados, modernos e dinâmicos. Não foram considerados como profissionais bem remunerados quando comparados a outras profissões, nem valorizados pelo mercado. Neste último caso os homens tem uma percepção mais negativa do que as mulheres. Foi detectado que a entrevista impactou de forma sutil, mas positiva as percepções dos entrevistados. Concluiu-se que o público respondente estereotipou os profissionais positivamente para todas as características anteriormente citadas, apesar dos resultados sugerirem não serem muito criativos ou dispostos a correr riscos. A atratividade pelo curso foi baixa. No âmbito profissional detectou-se uma percepção de profissionais importantes para as entidades, que buscam estarem atualizados, modernos e dinâmicos, a despeito de não serem valorizados, nem bem remunerados. Estes resultados sugerem um cenário no qual a Contabilidade, seus profissionais e o Curso têm um grande desafio pela frente de melhorar seus estereótipos diante do público pesquisado, salientando as percepções positivas sobre seus profissionais. Palavras Chave: Estereótipo. Contabilidade. Escolhas Profissionais. Alunos. 10 ABSTRACT CARVALHO JUNIOR, Luiz Ernani de. Estereótipos do profissional da Contabilidade na percepção de estudantes de cursos preparatórios para ingresso no ensino superior. Belo Horizonte, 2015. ____ f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis). Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015. The present study aimed to find evidence that permits identification and categorization of the stereotype of the accounting professional from the students’ perspective in preparatory programs for entry into institutions of higher education (IHE). The theoretical platform was mainly guided by the theory of stereotypes. According to Lippmann (1922); Sá (1998); Deschamps and Moliner (2009); and Moscovici (2012), stereotyping is considered a psychosocial process that impacts individuals in their decisions, actions and cognitive capacities in environments where they act, in the case of Accounting and its professional, in educational systems and in the business world. Stereotyping influences students’ career choices and is also used by them to support their choices (DECOSTER, 1971; STEELE; ARONSON, 1995; SCHMADER; JOHNS, 2003; and BYRNE; WILLIS, 2005). The data collection methodology adopted was the structured interview. The database analyzed comprised 241 respondents, including students from preparatory programs for entry into IHE. Of the respondents analyzed, 151 (62.66%) are female and 90 (37.34%) are male. Only 11.98% of the respondents claimed to know accounting and its professionals well. Seventy per cent (70%) of the 241 respondents erroneously indicated Accounting Science to be an Exact Science. Concerning both the program and the career choices of the respondents, a low level of attractiveness of the Accounting Science program was detected. Only 4 respondents indicated the program as an option for entry into IHE. 201 (83.40%) of them claimed no or little chance of choosing Accounting Science. It was found that accounting professionals are stereotyped positively for all characteristics: creativity, dedication to studies, teamwork, communication, leadership, risk propensity and ethics by the respondent public, suggesting more positive perceptions of the current survey respondents compared to previous surveys. The gender stereotype of the profession found in the present study was masculine. From the analysis of the manner in which the respondents perceive the way the professionals are seen by the business world, they are considered to be important for the enterprises and the accountants try to meet the market needs as updated, modern and dynamic professionals. They were not considered well paid professionals when compared to other professions, nor were they well considered by the market. In the latter case, men have a more negative perception than women. The interview impacted the perceptions of the interviewees in a subtle but positive way. It was concluded that the respondents positively stereotyped the professionals for the characteristics mentioned above, although the results suggest that they are not very creative or willing to take risks. The level of attractiveness for the program was low. In the professional sphere, it was observed that the professionals are perceived as important for the institutions and try to be updated, modern and dynamic even though they are not well valued, nor well compensated. These results suggest a scenery in which Accounting, its professionals and the program face a great challenge to revert the stereotypes with the researched public, highlighting the positive perceptions about its professionals. Key Words: Stereotype. Accounting.Choices Professionals. Students. 11 Sumário 1 INTRODUÇÃO .20 1.1 Contextualização. 20 1.2 Questão de pesquisa. 27 1.3 Objetivos . 28 1.3.1 Objetivo Geral . 28 1.3.2 Objetivos Específicos . 28 1.4 Justificativa . 28 1.5 Estrutura do projeto de pesquisa . 30 2 PLATAFORMA TEÓRICA .32 2.1 Os processos identitários como formação das Representações Sociais e os Estereótipos. 33 2.1.1 A Teoria das Representações Sociais .37 2.1.2 Aspectos Gerais da Teoria dos Estereótipos . 42 2.1.3 As influências dos estereótipos nos indivíduos e ambientes onde atuam . 44 2.1.4 Delineamento do conceito e definição de estereótipos. 48 2.2 O ambiente do Sistema de Ensino . 50 2.3 O ambiente dos Negócios:a visão do AICPA, IFAC, CFC e CNE sobre as características/habilidades desejadas do profissional da Contabilidade .56 2.4 O delineamento do ensino contábil com as demandas sociais. 60 2.5 Estudos Anteriores Sobre os Estereótipos da Contabilidade e de seus Profissionais 65 3 METODOLOGIA .75 3.1 Metodologia nas Pesquisas de Representações Sociais. 75 3.2 Classificação da Pesquisa . 75 3.3 Metodologias de Coleta e Análise de Dados . 77 3.3.1 O fotoquestionário . 78 3.3.2 Pergunta Crivo – Nível de Conhecimento sobre a profissão. 80 12 3.3.3 Análise das escolhas dos alunos - Atratividade dos Cursos . 80 3.3.4 Que tipo de Ciência é a Ciência Contábil? . 82 3.3.5 Proximidade dos Respondentes com a Profissão . 82 3.3.6 Evocação Livre . 82 3.3.7 Influência da pesquisa na percepção dos respondentes 4 - muita importância e 5 - extrema importância), medir o grau de importância dos conteúdos das disciplinas ligadas à Contabilidade Gerencial, ministrados nos cursos de Ciências Contábeis de Minas Gerais, na percepção do mercado de trabalho. Para esta pesquisa, foi considerado como mercado de trabalho, os profissionais Contábeis de nível superior, registrados no Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, que se expressaram com base em sua vivência de mercado; e iii) seção C, destinada às considerações finais. 5 – Após a construção do questionário, este foi submetido a um pré-teste, encaminhado para vinte contadores, aos quais foi solicitado que após responderem às questões, fizessem seus comentários e críticas acerca deste instrumento de coleta de dados. 6 – Feitos os ajustes recomendados no pré-teste, foi elaborada uma carta de acompanhamento do questionário com o link para acesso ao mesmo (Google-doc). 7- Para envio do questionário aos respondentes, foi solicitado ao CRC/MG, que através de sua assessoria de comunicação, encaminhasse a carta de acompanhamento com o referido link, para todos os 29.283 contadores registrados no Estado de Minas Gerais. 3.3 PROTOCOLO DA PESQUISA O protocolo da pesquisa cumpre o objetivo de documentar a trajetória percorrida para a elaboração deste trabalho, apresentando as etapas do 61 levantamento de dados, tabulação e análise dos resultados. Martins (2008) destaca a importância do protocolo para aumentar a confiabilidade da pesquisa. ETAPA I: Levantamento das IES de Minas Gerais que oferecem o curso de Ciências Contábeis Início: 06/05/2011 Término: 06/05/2011 Inicialmente, se fez necessário conhecer quais eram as Instituições de Ensino Superior de Minas Gerais que ofereciam o curso de graduação em Ciências Contábeis. Para alcançar esta etapa foi realizado um levantamento no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP (http://portal.inep.gov.br). Foram identificadas 100 instituições ofertantes do curso de graduação, as quais tiveram nome, cidade, telefone e site relacionados (Apêndice I), para os futuros contatos. ETAPA II: Levantamento da Estrutura Curricular do curso de Ciências Contábeis das IES mineiras que o oferecem Início: 09/05/2011 Término: 06/06/2011 Uma vez conhecidas as IES ofertantes do curso de Ciências Contábeis em Minas Gerais, a próxima etapa foi acessar o site institucional destas, para obter a Estrutura Curricular do curso e os Planos de Ensino das disciplinas ligadas à Contabilidade Gerencial. Acessando o site das 100 IES, foco desta pesquisa, observou-se que em cinco destas instituições, não mais se ofereciam o curso de graduação em Ciências Contábeis. De todos os 95 sites acessados, foi possível encontrar o Currículo dos cursos em 39 Instituições. Estas Estruturas curriculares foram utilizadas para o levantamento da distribuição da carga horária do curso. As estruturas curriculares foram de fundamental importância para que se identificasse e quantificasse as horas que o curso de Ciências Contábeis dedica a 62 cada área de conhecimento, servindo de material base para se chegar ao conhecimento da distribuição da carga horária do curso. ETAPA III: Levantamento do conteúdo das disciplinas ligadas à Contabilidade Gerencial Início: 10/06/2011 Término: 01/08/2011 Para o levantamento dos conteúdos das disciplinas ligadas à Contabilidade Gerencial, fez-se necessário o acesso ao Plano de Ensino destas disciplinas. Poucos foram os planos de ensino disponíveis nos sites das IES. Diante da ausência deste documento nas páginas virtuais das Instituições pesquisadas, iniciaram-se os contatos via correio eletrônico e telefone com os coordenadores dos cursos de Ciências Contábeis identificados na Etapa I. Após todas as tentativas, foram obtidos os planos de ensino das disciplinas foco deste estudo, de 20 instituições. Os conteúdos apontados nestes planos foram tabulados e quantitativamente identificados, servindo como base para a elaboração do questionário destinado ao mercado de trabalho. Ressalta-se, mais uma vez, que nesta pesquisa, foi considerado como mercado de trabalho o conjunto de profissionais contábeis, mineiros, de nível superior, devidamente registrados no Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais. ETAPA IV: Levantamento web-survey Início: 06/09/2011 Término: 13/09/2011 Para a elaboração do questionário, foram considerados os 20 (vinte) conteúdos mais presentes nos Planos de Ensino das disciplinas ligadas à Contabilidade Gerencial, levantados na Etapa III. O questionário foi elaborado utilizando-se uma ferramenta do Google, denominada documents. Esta ferramenta permite que o questionário seja montado 63 de acordo com a necessidade da pesquisa, sendo enviado para os potenciais respondentes um link, conforme Carta de Acompanhamento do Questionário (apêndice II). Antes do envio definitivo do link para os potenciais respondentes, o questionário foi submetido a um pré-teste, encaminhado a 20 (vinte) contadores do relacionamento do autor deste trabalho. Neste pré-teste, além de testar a ferramenta do Google, foi também possível receber sugestões e críticas. O questionário foi enviado pelo Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, a todos os 29.283 contadores registrados no estado, no dia 06 de Setembro de 2011. Entendeu-se que se os contadores não respondessem num prazo de 7 dias, não responderiam mais. Como o questionário não permitia identificação do respondente, optou-se pelo não reenvio, para não acarretar em cobrança indevida aos contadores que já haviam respondido. Assim, no dia 13 de Setembro de 2011, foi fechada a pesquisa web-survey e iniciada a fase de análise dos dados. Esta pesquisa pôde contar para análise, um total de 629 (seiscentos e vinte nove) questionários respondidos. 64 4 DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS 4.1 DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA DOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS A seleção das Instituições de Ensino Superior de Minas Gerais que oferecem o curso de Ciências Contábeis foi feita através do site do MEC (www.emec.mec.gov.br), onde foram coletados, dentre outros dados, o nome da Instituição, cidade, telefone e site institucional. Nesta etapa foram identificadas 100 IES (APÊNDICE 1), que foram visitadas virtualmente através de seu site institucional, buscando localizar a estrutura curricular do curso objeto desta pesquisa, para posterior identificação da carga horária dedicada a cada área de conhecimento (administração, comunicação/português, contabilidade financeira, contabilidade geral, contabilidade gerencial, contabilidade pública, direito, economia, estatística, filosofia/sociologia/ética, matemática, metodologia científica, prática profissional, sistema de informação, tecnologia da informação, teoria da contabilidade e outros). Do total de 100 IES identificadas junto ao MEC, foi percebido através do site, contato por correio eletrônico e/ou telefônico, que 05 não mais ofereciam o curso de Ciências Contábeis. Das 95 IES restantes, conseguiu-se acesso a 39 estruturas curriculares, representando 41% do total das instituições mineiras com o curso objeto desta pesquisa, identificadas numericamente e relacionadas no Quadro 9. Para Dutra (2003), o currículo do curso ou estrutura curricular, é o instrumento responsável para se alcançar o perfil desejado aos Contadores do futuro. Este perfil deve refletir o consenso da comunidade acadêmica, juntamente com a sociedade, tendo como finalidade maior, a construção do conhecimento e a qualidade da formação dos Contadores. 65 Novo Nome Abreviações 1 Escola de Estudos Superiores de Viçosa ESUV 2 Faculdade de Ciências Contábeis de Itabirito FACCI 3 Faculdade do Centro Educacional Mineiro FACEM 4 Faculdade de Ciências Gerenciais FACIG 5 Faculdade Pitágoras de Uberlândia FACIMINAS 6 Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte FACISABH 7 Faculdade da Cidade de Santa Luzia FACSAL 8 Faculdade Presidente Antônio Carlos de Ubá FUNEES – Ubá 9 Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Extrema FAEX 10 Faculdade Ubaense Ozanam Coelho FAGOC 11 Faculdade Aldete Maria Alves FAMA 12 Faculdade de Minas FAMINAS 13 Faculdade de São Lourenço FASAMA 14 Faculdade de Ciências Econômicas do Triângulo Mineiro FCETM 15 Faculdade Del Rey FDR 16 Faculdades Integradas de Caratinga FIC 17 Faculdade do Noroeste de Minas FINOM 18 Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo FIPEL 19 Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte FPAS 20 Faculdade Pitágoras de Ipatinga FPI 21 Faculdade Politécnica de Uberlândia FPU 22 Faculdade Triângulo Mineiro FTM 23 Faculdade Asa de Brumadinho IECEMB – FAB 24 Instituto de Ensino Superior de João Monlevade IES/FUNCEC 25 Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix 1992. BLOOM, R.; SOLOTKO, J. Using an historical account book as a teaching tool. Accounting Education, Oxfordshire, v. 14, n. 3, p. 239-268, Sept. 2005. BRASIL. Lei nº 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, no. 248, p. 27.833-27.841, dez. 1996. CATELLI, A. (Coord.). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica. GECON. São Paulo: Atlas, 1999. CHAVES, A. O ciclo de formação geral e a reforma do ensino superior. [2007]. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2007. 528 Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 16, n. 3, p. 499-532, nov. 2011 INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DE CONTROLADORIA EM CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS NA CIDADE DE SÃO PAULO FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 2. ed. São Paulo: Papirus, 1995. ______. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2002. ______ .(Org.). Práticas interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez, 1996. FAZENDA, I. C. A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Loyola, 1979. FRANCO, M. L. P. B. Análise do conteúdo. Brasília: Liber Livro, 2005. FRIGOTTO, G. A interdisciplinaridade como necessidade e como problema nas ciências sociais. In: JANTSCH, Ari Paulo; BIANCHETTI, Lucídio (Orgs.). Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. Petrópolis: Vozes, 1995. GADOTTI, M. A organização do trabalho na escola: alguns pressupostos. São Paulo: Ática, 1993. ________. Interdisciplinaridade: atitude e método. São Paulo: Instituto Paulo Freire. Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2006. ________. A organização do trabalho na escola: alguns pressupostos. São Paulo: Ática, 1993. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002. GUSDORF, G. Professores para que? Lisboa: Morais, 1967. JANTSCH, A. P.; BIANCHETTI, L. Interdisciplinaridade e práxis pedagógica: tópicos para discussão sobre possibilidades, limites, tendências e alguns elementos histórico e conceituais. Ensino em Revista, Uberlândia, v. 10, n. 1, p. 7-25, 2002. JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976. KANITZ, S. C. Controladoria: teoria e estudo de casos. São Paulo: Pioneira, 1976. KLEIN, J. T. Interdisciplinarity: history, theory & practice. Detroit: Wayne State University Press, 1990. LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia de pesquisa em Ciências Humanas. Porto Alegre: Artmed, 1999. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 16, n. 3, p. 499-532, nov. 2011 529 Ivam Ricardo Peleias; Janete de Fátima Mendonça; Vilma Geni Slomski; Ivani Catarina Arantes Fazenda LEIS, H. R. Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Florianópolis, ago. 2005 (Caderno de Pesquisa interdisciplinar em Ciências Humanas; 73). LUCK, H. Pedagogia da interdisciplinaridade. Fundamentos teórico - metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2001. LÜDKE, M., ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. MANN, S. Interdisciplinarity for the University of Ottawa. Disponível em . Acesso em: 12 jan. 2007. MARION, J. C. O ensino da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1996. MIRANDA, C.; MIRANDA, R. A. M. Interdisciplinaridade e métodos de ensino no curso de contabilidade: um estudo no nordeste paulista. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 6. 2006, São Paulo. Anais eletrônicos. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2007. MICHELAT, G. Sobre a utilização da entrevista não diretiva em sociologia, criticas metodológica, investigação social e enquete operária. 3. ed. [s.l.]: Polis, 1982. MOLINARI, S. K. R., Contabilidade, psicologia e sociologia: uma análise interdisciplinar para profissionais diferenciados. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 3., 2003, São Paulo, Anais eletrônicos. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2007. MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. São Paulo: Papirus, 2002. MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo. Cortez, 2000. ________. Educação e complexidade, os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2005. NASCIMENTO, A. M.; REGINATO, L. A aplicação dos conceitos de Controladoria conjugados aos de tecnologia da informação como apoio ao processo decisório. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS, 13, 2006, Belo Horizonte, MG. Anais. Belo Horizonte: Associação Brasileira de Custos, 2006. 1 CD ROM. 530 Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 16, n. 3, p. 499-532, nov. 2011 INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DE CONTROLADORIA EM CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS NA CIDADE DE SÃO PAULO NISSANI, M. Interdisciplinarity: what, where, why? Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2006. PADOAN, F. A. C., CLEMENTE, A. A interdisciplinaridade no ensino da Contabilidade – um estudo empírico da percepção dos docentes. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 6., 2006, São Paulo. Anais eletrônicos. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2007. PAIVA, S. B. O ensino da Contabilidade: em busca da interdisciplinaridade. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, v. 28, n. 120, p. 89-93, 1999. PASSOS, I. C. A interdisciplinaridade no ensino e na pesquisa contábil: um estudo no município de São Paulo, 2004. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. PELEIAS, I. R. Controladoria: Gestão eficaz utilizando padrões. São Paulo: Saraiva, 2002. PELEIAS, I. R.; SINATORA, J., R., P.; SILVA, D.; FARIA, A.C. Análise das condições de oferta da disciplina sistemas de informação: pesquisa com cursos de Ciências Contábeis na cidade de São Paulo. In: LOPES,J.; RIBEIRO FILHO, J. F.; PEDERNEIRAS, M. Educação contábil: tópicos de ensino e pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008. PINHEIRO, E. J. Sistema didático interdisciplinar para o curso de ciências contábeis. In: FÓRUM NACIONAL DE PROFESSORES DE CONTABILIDADE, 4., 2003, Gramado, RS. PIAGET, J. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro: José Olympio, 1973. POMBO, O. Epistemologia da interdisciplinaridade. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE, HUMANISMO, 2003, Porto. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2003. POMBO, O. (Org.). Contribuição para um vocabulário sobre interdisciplinaridade. Liinc em revista, Rio de Janeiro, v. 1, n. 0, mar. 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2006. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 16, n. 3, p. 499-532, nov. 2011 531 Ivam Ricardo Peleias; Janete de Fátima Mendonça; Vilma Geni Slomski; Ivani Catarina Arantes Fazenda ROSA. M. V. F. P. C; ARNOLDI. M. A. G. C.; A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismos para avaliação dos resultados. São Paulo: Autêntica, 2006. SCHWARTZMAN, S. O Sentido da Interdisciplinaridade. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, n. 32, p. 191-198, mar. 1992. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2005. SILVA, A. C. R. Interdisciplinaridade nos cursos de ciências contábeis: isso é possível? Um relato de experiência. In: FÓRUM NACIONAL DE PROFESSORES DE CONTABILIDADE, 4., 2003, Gramado, RS. SIQUEIRA , H. S. G. Formação interdisciplinar: exigência sócio-política para um mundo em rede. In: SIMPÓSIO ESTADUAL DE ECONOMIA DOMÉSTICA, 7., 2003, Francisco Beltrão, PR. Anais eletrônico. Francisco Beltrão, PR: UNIOESTE, 2003. Disponível em: . Acesso em 25 nov. 2006. TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987. VATTER, W. J. Accounting education for controllership. The Accounting Review, Sarasota, v. 25, n. 3, p. 236-250, July 1950. VEIGA, I. P. A. Projeto Político-Pedagógico: continuidade ou transformação para acertar? In: CASTANHO, S.; CASTANHO, M. E. (Orgs.). O que há de novo na educação superior: do projeto pedagógico à prática transformadora. Campinas: Papirus, 2000. VEIGA, I. P. A. (Org.). Projeto Político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas, SP, Papirus, 1995. VEIGA, I. P. A. Lições de Didática. São Paulo: Papirus, 2006. VYGOTSKY, Lev. Pensamiento y lenguaje. Buenos Aires: La Pléyade, 1986. WALKER, S.P. Accounting in history. Accounting Historians Journal, Tuscaloosa, v. 32, n. 2, p. 233-259, Dec. 2005. 532 Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 16, n. 3, p. 499-532, nov. 2011
Estereótipos do profissional da Contabilidade na percepção de estudantes de cursos preparatórios para ingresso no ensino superior
RECENT ACTIVITIES

Autor

Documento similar

Tags

Estereótipos do profissional da Contabilidade na percepção de estudantes de cursos preparatórios para ingresso no ensino superior

Livre