Conservação de Lippia sidoides do norte de Minas Gerais e Vale do Jequitinhonha: localização, coleta, ecogeografia, crescimento, modo de reprodução e divergência genética

 0  3  100  2017-02-06 10:32:10 Report infringing document
Documento informativo

2 REVISÃO DE LITERATURA

  Esses autores ainda exemplificam casos de espécies; O manejo sustentado ou a domesticação e desenvolvimento de tecnologias de cultivo são as ações mais urgentes para a conservação dosrecursos genéticos das espécies já ameaçadas, visando livrá-las da constante pressão do extrativismo desordenado (SCHEFFER et al., 1998). Plantas que se implantam em pleno sol em áreas descobertas ou degradadas ou que se desenvolvem em locais em fase de recuperação,como Achyrocline satureioides, Bauhinia forficata, espécies dos gêneros Baccharis, Mikania e Croton, permitem o uso de estratégias de cultivo para a obtenção de fitoprodutos.

2.1.2 Produção de plantas medicinais

  Esse autor relata que a comercialização de plantas medicinais é um mercado com predominância de intermediários, grandes atacadistas, exportadores,importadores, laboratórios, etc., praticamente sem atuação de organizações de produtores, o que implica numa oferta no mercado de produtos com baixaqualidade e sem as características intrínsecas desejadas. Embora a maior parte da produção de plantas medicinais no Brasil seja proveniente do extrativismo, a produção da matéria-prima vegetal comqualidade e sustentabilidade exige o cultivo da espécie em condições controladas.

2.2 Lippia sidoides Cham. (alecrim-pimenta)

2.2.1 Origem e descrição botânica

  sidoides é um arbusto, de porte ereto, com até três metros de altura, que apresenta comportamento caducifólio. Possui caule muito ramificado e quebradiço, com folhas simples e pecioladas, que medem de dois a trêscentímetros de comprimento, com margens crenadas e pelos esbranquiçados, extremamente aromáticas e picantes.

2.2.2. Propriedades farmacológicas e constituição química

  As folhas de alecrim-pimenta apresentam de 1,5 a 7,78% de óleo essencial, que é composto de monoterpenos e sesquiterpenos, destacando- (CARVALHO et al., 2003). (2008b) sugerem o uso do óleo essencial do alecrim- pimenta como alternativa para o controle de contaminantes em Laboratóriosde Cultura de Tecidos de Plantas, uma vez que esse óleo apresentou controle na inibição do crescimento micelial dos fungos: Aspergillus niger, Penicillium sp, Fusarium sp e F.

2.2.3 Fenologia e cultivo

  O substrato no qual são colocadas as estacas e o sistema de irrigação sãomuito importantes para o sucesso do enraizamento, sendo que o substrato deve apresentar capacidade de retenção de umidade para que as raízesencontrem um ambiente propício para se desenvolverem, formando um bom sistema radicular (MING et al.,1998). A utilização de leitos de enraizamentocom umidade controlada é de grande importância para a sobrevivência das estacas (POGGIANI; SUITER, 1974), uma vez que essa condição declimatização controla a perda de água pelas estacas e reduz as temperaturas da folha e do ar (HARTMANN et al., 2002).

2.3 Variabilidade genética

  Na análise da divergência genética, alguns métodos multivariados são empregados (CRUZ, 2008): As medidas de dissimilaridade são de grande importância em estudos de divergência genética, em que se procura identificar genitores a seremutilizados em programas de hibridação. Os métodos de agrupamento permitem o estabelecimento de grupos, de modo que exista homogeneidadedentro do grupo e heterogeneidade entre grupos (CRUZ, 2008).

2.3.2 Utilização de marcadores isoenzimáticos

  Entre as classes de marcadores moleculares existentes, os baseados em Seqüências Simples Repetidas (SSR), ou microssatélites, são bastanteutilizados, entretanto apresentam alto custo, para o desenvolvimento de primers específicos (FALEIRO, 2007) e requerem estudo prévio do genoma(ZUCCHI, 2002). Foi verificado que as isoenzimas são de grande utilidade em estudos da estrutura genética de populações naturais e em estudos de divergênciagenética (CAMPOS TELLES et al., 2003; GONÇALVES et al., 2010; LOPES et al., 2003; MELO JÚNIOR et al., 2004; SILVA et al., 2009a).

2.5 Conservação

  Esse centro de pesquisa possui a “coleção base”, com amanutenção de sementes em câmaras a -18ºC e as “coleções ativas”, que são bancos de germoplasma em diversos locais do país. Essas coleçõesconsistem de plantas no campo que fornecem material genético para pesquisa ou enriquecimento da coleção base e apresentam significativarelevância para a conservação dos recursos genéticos nacionais.

2.6 Coleta

  (2007), a coleta de germoplasma é o conjunto de atividades que visa à obtenção de unidades físicas vivas, quecontenham a composição genética de um organismo ou amostra populacional de determinada espécie, com a habilidade de se reproduzir. Em alguns casos, essas perdas chegam a gerar sérios As expedições de coleta devem ser restritas à época de amadurecimento dos frutos, o que pode variar entre localidades e entregenótipos, influenciando a representatividade da amostra (BROWN; BRIGGS,1991).

2.7 Ecogeografia e erosão genética

  O estudoecogeográfico é um processo de obtenção e síntese de informações ecológicas, geográficas e taxonômicas, sendo os seus resultados preditivos epodem ser usados na formulação de estratégias de conservação e prioridades de coleta (MAXTED et al., 1997). Assim, oobjetivo da presente pesquisa foi caracterizar os locais de ocorrência de populações de alecrim-pimenta, quanto ao solo, ao bioma, ao clima, àprecipitação anual, à latitude, à longitude e à altitude da região, além do rendimento de óleo de cada acesso coletado.

GERAIS AND VALE DO JEQUITINHONHA

  Figura 1 - Distribuição de 18 acessos de Lippia sidoides Cham., localizados no norte de Minas Gerais e no Vale do Jequitinhonha, em mapa de precipitação anual Figura 2 - Distribuição de 18 acessos de Lippia sidoides Cham., localizados no norte de Minas Gerais e no Vale do Jequitinhonha, em mapa de Biomas. O experimento foi realizado em campo, na Fazenda ExperimentalHamilton de Abreu Navarro do Instituto de Ciências Agrárias da UniversidadeFederal de Minas Gerais (ICA/UFMG), em Montes Claros, norte de Minas o o Gerais (16 41’00”S e 43 50’00”W), no período de fevereiro de 2010 a outubro de 2011.

FMS ALT NFO DCA OLE TEO TIM

FMF 0,984** 0,408** 0,752** 0,714** 0,825** -0,018 -0,271

  sidoides e na falta de informações sobre a divergência genética e o modo de reprodução daespécie, é de suma importância conduzir estudos nessa área, pois permite a definição de estratégias de conservação e, consequentemente, poderásubsidiar futuros estudos, visando ao melhoramento genético da espécie. Tabela 2 - Soluções de extração e do eletrodo empregadas no processo de eletroforese de isoenzimas e na extração de enzimas de tecidos foliares de Lippia sidoides Cham.

2.3 Caracterização agronômica

2.4 Divergência genética

  Utilizou-se o Índice de Similaridade de Jaccard, definido pela fórmula(CRUZ, 2008): Onde: a = número de coincidências do tipo 1-1 para cada par de acessos;b = número de discordâncias do tipo 1-0 para cada par de acessos; c = número de discordâncias do tipo 0-1 para cada par de acessos. (2009), os coeficientes que não consideram o índice d (número de coincidências do tipo 0-0 para cada par deacessos), como é o caso do índice de Jaccard, são preferidos, uma vez que não se sabe a natureza da ausência da banda.

2.5 Métodos de agrupamento

  O primeiro consiste na formação de dendrogramas com a distribuição dos acessos e o segundo permite o estabelecimento de grupos, de modo quehaja homogeneidade dentro do grupo e heterogeneidade entre grupos(CRUZ, 2008). Para inclusão de novos acessos ao grupo, compararam-se o acréscimo no valor médio da distânciadentro do grupo e o nível máximo permitido (!), para que a distância média intragrupo fosse inferior a qualquer distância intergrupo.

2.7 Correlação entre as estimativas de divergência genética

  Figura 5 - Dispersão gráfica e agrupamento de 12 acessos de Lippia sidoides Cham., com base nas coordenadas estimadas a partir da matriz de dissimilaridade obtida pelo índice de Jaccard: (2,732) se encontra entre ICA-10 e ICA-12. Vale ressaltar que essa união se torna cada vez mais relevante quando o estudo envolve muitos acessos, uma vez que os subgrupos Figura 7 - Dispersão gráfica e agrupamento de 12 acessos de Lippia sidoides Cham., com base nas coordenadas estimadas a partir da matriz de dissimilaridade obtida pela Distância Euclidiana Média de caracteresagronômicos.

3.4 Correlação entre as estimativas de divergência genética

  Efeito da época de colheita na produção de fitomassa e rendimento de óleo essencial de alecrim-pimenta (Lippia sidoidesCham.). Análise de risco de erosão genética de populações de fava-d’anta (Dimorphandra mollis Benth.) no Norte de Minas VIEIRA, E.

Conservação de Lippia sidoides do norte de Minas Gerais e Vale do Jequitinhonha: localização, coleta, ecogeografia, crescimento, modo de reprodução e divergência genética
RECENT ACTIVITIES
Autor
Documento similar
Tags

Conservação de Lippia sidoides do norte de Mi..

Livre

Feedback