Feedback

Técnicas de análise multivariada na avaliação de injúrias pelo frio em mangas cv. Tommy Atkins

 0  3  6  2017-02-01 13:56:12 Report infringing document
Documento informativo
371 TÉCNICAS DE ANÁLISE MULTIVARIADA NA AVALIAÇÃO DE INJÚRIAS PELO FRIO EM MANGAS CV. TOMMY ATKINS1 ANA CAROLINA ALMEIDA MIGUEL2, JOSÉ FERNANDO DURIGAN3, ANTONIO SERGIO FERRAUDO4 RESUMO – Este trabalho objetivou identiicar as variáveis que se associam às injúrias pelo frio e determinar as diferenças nos parâmetros de qualidade que melhor caracterizam mangas ‘Tommy Atkins’ submetidas à condição de injúria pelo frio, utilizando-se da análise de fatores em componentes principais e a análise de agrupamentos. Frutos colhidos no estádio “de vez” foram cuidadosamente transportados, selecionados, padronizados quanto a coloração, tamanho e ausência de injúrias, e tratados com fungicida antes de serem armazenados a 2 ºC (74,8% UR), 5 °C (75,4% UR) e 12 °C (76,4% UR), por até 28 dias. Os frutos foram avaliados semanalmente quanto à ocorrência de danos pelo frio, coloração da casca e da polpa, irmeza da polpa, teores de sólidos solúveis, acidez titulável, açúcares solúveis e redutores, ácido ascórbico e atividade das enzimas peroxidase, polifenoloxidase e fenilalanina amônia-liase. A análise estatística multivariada dos fatores em componentes principais e agrupamentos permitiram melhor compreensão do efeito do armazenamento, sob condição de chilling, no metabolismo de mangas ‘Tommy Atkins’ e indicaram que o dano está intimamente relacionado com a casca e que a resposta da polpa ao estresse ocorre de forma tardia. Termos para indexação: Mangifera indica; pós-colheita; análise multivariada; armazenamento refrigerado; injúria pelo frio. MULTIVARIATE ANALYSIS THAT CAN BE USED TO EVALUATE THE CHILLING INJURY IN MANGOES CV. TOMMY ATKINS This study aimed to identify the variables associated with chilling injury and to determine the differences in quality parameters that better characterize mangoes ‘Tommy Atkins’ under condition of chilling injury, through the use of factor and cluster analysis. Semi-ripe fruits were harvested and carefully transported, selected and standardized for color, size and absence of injuries, and treated with fungicide, before storage at 2 °C (74,8% RH), 5 °C (75,4% RH) and 12 °C (76,4% RH) for 28 days. Fruits were evaluated weekly for the occurrence of chilling injury, peel and pulp color irmness, soluble solids, titratable acidity, soluble and reducing sugars, and ascorbic acid content. Activities of peroxidase, polyphenoloxidase and phenylalanine ammonia-lyase were determined, as well. The multivariate statistic analysis helped to better understand the storage effect in the metabolism of mangoes ‘Tommy Atkins’ under chilling condition, and indicated that the damage is closely related to the peel, and that the pulp response to the stress occurs later. Index terms: Mangifera indica; postharvest; multivariated analysis; refrigerated storage; chilling injury. INTRODUÇÃO A manga (Mangifera indica L.) é uma das frutas tropicais de maior expressão econômica nos mercados brasileiro e internacional (BRANDÃO et al., 2003). Das cultivares de importância comercial, a ‘Tommy Atkins’ é a mais cultivada e exportada pelo Brasil, dada sua boa produtividade, boa capacidade de adaptação a diferentes ambientes de cultivo, tolerância a doenças e boa conservação pós-colheita (CARVALHO et al., 2004). Apesar de o Brasil ter uma participação razoável na exportação desta fruta, sua presença no mercado internacional ainda é muito pequena (FAO, 2011). Dentre os vários fatores que prejudicam o aumento de sua exportação, estão a baixa qualidade dos frutos, os problemas com podridões pós-colheita, o transporte e o manuseio inadequados e sua suscetibilidade a injúrias pelo frio, sob temperaturas abaixo de 7-13 ºC (COCOZZA, 2003; KADER, 2002). Sob temperaturas promotoras de injúrias, há o desenvolvimento de desordens isiológicas que Trabalho Sinfruit 107 - Simpósio Internacional de Fruticultura - Avanços na Fruticultura (17 a 21 Outubro) Doutoranda emAgronomia Faculdade de CiênciasAgrárias e Veterinárias - FCAV/UNESP; Jaboticabal. E-mail: anaamiguel@yahoo.com.br. 3 Prof°. do Departamento de Tecnologia da FCAV/UNESP, Jaboticabal. E-mail: jfduri@fcav.unesp.br. 4 Prof. do Departamento de Ciências Exatas da FCAV/UNESP, Jaboticabal. E-mail: fsajago@gmail.com. 1 2 Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal - SP, Volume Especial, E. 371-376, Outubro 2011 372 A. C. A. MIGUEL et al. podem comprometer, completamente, a qualidade dos frutos. Essas desordens compreendem depressões na epiderme, descoloração, degenerescência interna e perda de sabor, aroma e capacidade de amadurecer. A severidade dos sintomas depende da temperatura e do tempo de exposição (CANTWELL; KASMIRE, 2002). Métodos de análise univariada são normalmente empregados visando à identiicação das diferenças entre tratamentos, considerando individualmente cada atributo avaliado. Tais métodos não consideram o efeito simultâneo dos parâmetros. As análises estatísticas multivariadas, como a fatorial em componentes principais são ferramentas que permitem condensar todas as informações contidas em um determinado número de variáveis originais em conjuntos menores, denominados fatores, cujas combinações lineares explicam o máximo da variância contida nas variáveis originais. Outra técnica multivariada de grande aplicabilidade é a análise de agrupamento (cluster), cujo objetivo é repartir os indivíduos em grupos homogêneos, de modo que cada grupo seja bem identiicado. Normalmente, o resultado é uma hierarquia, representada por um dendrograma. O exame do dendrograma induz ao privilégio de partições supostamente consistentes e à rejeição de outras (VOLLE, 1993), permitindo a deinição dos grupos distintos. Conhecendo-se a classiicação dos grupos, podem-se estabelecer partições em maior ou menor número de classes (BOUROCHE; SAPORTA, 1981; ALEIXO et al., 2007). O estabelecimento dos grupos de indivíduos permite veriicar os parâmetros que evidenciam as características homogêneas dentro de um grupo e também as principais diferenças entre esses grupos (HAIR et al., 2006). Este trabalho objetivou identiicar as variáveis que se associam às injúrias pelo frio e determinar as diferenças nos parâmetros de qualidade que melhor caracterizam mangas ‘Tommy Atkins’ submetidas à condição de injúria pelo frio através do uso de análise de fatores em componentes principais (ACP) e da análise de agrupamento (cluster). MATERIAL E MÉTODOS Mangas ‘Tommy Atkins’ colhidas no estádio “de vez”, em pomar comercial localizado no município de Monte Alto-SP, foram imediatamente transportadas ao Laboratório de Tecnologia dos Produtos Agrícolas, do Departamento de Tecnologia da FCAV/ UNESP, onde tiveram seus pedúnculos padronizados em 10-20 mm, foram lavadas com detergente neutro, enxaguadas em água corrente e novamente seleciona- das, eliminando-se as daniicadas ou desuniformes. Em seguida, os frutos foram tratados por imersão em fungicida Magnate 500 EC® (Imazalil a 50%) a 200 mL 100 L-1, a 10 °C por 2 min., e armazenados a 2±1 °C (74,8±15,9% UR), 5±1,2 °C (75,4±13,2% UR) e 12±1,1 °C (76,4±14,2% UR), com avaliações aos 0;7; 14; 21 e 28 dias. Os frutos foram avaliados quanto à ocorrência de injúrias pelo frio, através de observação visual e atribuição de notas: 5= severo (>50% da superfície dos frutos injuriada); 4= moderado (25-50% da superfície injuriada pelo frio); 3= brando/suave (até 25% da superfície contendo depressões e escaldadura); 2= leve (2-5% da superfície daniicada); 1= sem sintomas visíveis de injúria (WHANGCHAI et al., 2000). A coloração da casca e da polpa foi determinada utilizando-se de colorímetro Minolta CR 400b, com os resultados expressos em luminosidade (L), ângulo hue (Hue) e cromaticidade (Croma). A irmeza da polpa foi determinada utilizando-se de penetrômetro, aplicado em dois pontos opostos na região equatorial do fruto, com os resultados expressos em Newton (N). Na polpa dos frutos, foram determinados os teores de sólidos solúveis (SS) em refratômetro digital e os de acidez titulável (AT), de acordo com a metodologia descrita pela AOAC (2005), além dos teores de ácido ascórbico (AA) e de açúcares solúveis (AS) e redutores (AR), segundo Strohecker e Henning (1967), Dubois et al. (1956) e Villela et al. (1973), respectivamente. Também se quantiicou a atividade das enzimas polifenoloxidase (PPO) e peroxidase (PER), conforme o indicado por Allain et al. (1974), bem como a da fenilanalina amônia-liase (PAL) (CAHILL; McCOMB, 1992). Para a aplicação das análises multivariadas, o conjunto de dados foi padronizado de modo que cada variável foi mantida com média nula e variância unitária. Os dados originais foram inicialmente submetidos a uma análise fatorial, o que permitiu identiicar os fatores que podiam ser usados para representar as relações entre um conjunto de variáveis interrelacionadas. A análise de agrupamento hierárquica foi processada utilizando-se como coeiciente de semelhança a medida de dissimilaridade euclidiana. O método de agrupamento aplicado para identiicar a similaridade entre grupos foi o de Ward. A análise de agrupamentos não hierárquica foi processada utilizando-se do método de k-means, sendo que k corresponde ao número de grupos indicados na análise de agrupamento hierárquica (SNEATH; SOKAL, 1973). As variáveis foram processadas no software Statistica, versão 7.0 (STATSOFT, 2010), Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal - SP, Volume Especial, E. 371-376, Outubro 2011 TÉCNICAS DE ANÁLISE MULTIVARIADA NA AVALIAÇÃO DE INJÚRIAS PELO FRIO. permitindo a identiicação dos componentes principais e a realização das análises de agrupamentos. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na análise de agrupamentos, o parâmetro dano pelo frio não foi considerado, por se tratar de uma variável categórica, ou seja, de característica não numérica. Aplicando-se o método da análise fatorial em componentes principais, foram analisados os três primeiros fatores, com 70,92% da variância total (Tabela 1), demonstrando a importância dos fatores, e que o Fator 1 reúne dez variáveis com grau adequado de correlação. Este Fator 1 explica 38,53% da variância total da análise e está fortemente vinculado às consequências do binômio tempo x temperatura no metabolismo dos frutos. Este Fator mostrou que a variável sólidos solúveis (SS) se correlacionou diretamente com os atributos Croma_casca, L_casca, açúcares redutores (AR) e açúcares solúveis (AS) e, inversamente com a irmeza, L_polpa, Hue_polpa e atividade da peroxidase (PER) e da fenilalanina amônia-liase (PAL). Tais resultados indicam que o aumento no teor de sólidos solúveis é acompanhado pelo incremento nos teores de açúcares redutores e solúveis, bem como pela síntese de pigmentos na casca, que se torna mais amarelada. Concomitantemente a estes eventos, ocorre redução na irmeza, escurecimento e desenvolvimento da coloração característica da polpa, expressa pela cor amarelo-alaranjada. Tal comportamento remete às alterações associadas com os eventos de amadurecimento e senescência dos frutos, evidenciadas pela menor atividade das enzimas PER e PAL. O segundo Fator em ordem de importância explicou 17,67% da inércia total e esteve relacionado às variáveis Hue_casca, Hue_polpa, Croma_polpa e acidez titulável (AT). A análise deste Fator mostrou que o parâmetro Hue_casca correlacionou-se positivamente com o Croma_polpa e, inversamente, com Hue_polpa e AT. Estes resultados sugerem que frutos em estádio menos avançado de amadurecimento são caracterizados pelos maiores teores de acidez, por polpa com coloração creme pouco intensa (maior ângulo hue e menor de cromaticidade), além de casca com coloração arroxeada (menor ângulo hue). O Fator 3 relacionou-se com o dano pelo frio, que caracteriza os frutos mantidos sob condição de injúria e reteve 14,72% da variância total. Observou-se que as enzimas PPO e PAL apresentaram comportamento inverso à manifestação dos sintomas de chilling, indicando que a atividade destas enzimas 373 foi limitada durante o armazenamento refrigerado ou que o impacto dos danos sofridos é atenuado na polpa. Complementando os resultados obtidos na análise fatorial em componentes principais, foram realizadas as classiicações, hierárquica e não hierárquica. A análise de agrupamentos hierárquica, representada por um dendograma, distinguiu a formação de quatro grupos (Figura 1). Observa-se que o Grupo 1 (G1) é formado pelos frutos oriundos do armazenamento inicial (dia 0) e que as variáveis que melhor os caracterizaram foram as altas atividades da PAL, PER e PPO, o Hue e L da casca, o Croma da polpa e o teor de SS (Figura 2). Essas mangas apresentavam reduzidos teores de sólidos solúveis, casca verde-clara (maior luminosidade e maior ângulo hue) e polpa com cor creme-clara (baixa cromaticidade). Apresentavam, também, elevada atividade das enzimas peroxidase (PER) e da polifenoloxidase (PPO), sinalizando que estes frutos se encontravam em processo de amadurecimento, pois estas enzimas estão intimamente relacionadas com este evento (CHITARRA; CHITARRA, 2005). A elevada ação da PAL indica a produção de ligninas nestes frutos. O Grupo 2 (G2) foi formado pelos frutos armazenados a 2 ºC e 5 ºC por 7 e 28 dias, os quais se caracterizaram por altas atividades da PAL e PER, baixos valores de luminosidade da casca e reduzidos teores de sólidos solúveis (SS) e de ácido ascórbico (AA). Tais resultados sinalizam que a casca se tornou escurecida, como resultado da ocorrência de chilling e da ação da PAL, que é ativada em condições de estresse. Como consequência destes eventos, ocorreu perda de ácido ascórbico, que é oxidado em caso de injúria e comprometimento da síntese de açúcares. Veriicou-se que o Grupo 3 (G3) foi formado pelos frutos armazenados a 2 ºC e a 5 ºC por 14 e 21 dias, os quais se assemelharam ao mantidos a 12 ºC por 7 dias. Estes se caracterizaram por polpa descolorida (maior luminosidade e ângulo hue, e baixa cromaticidade), casca pobre em pigmentos (cromaticidade baixa), baixos teores de sólidos solúveis (SS) e de açúcares redutores (AR) e solúveis (AS), além de retenção da irmeza e elevados teores de acidez (AT) e de ácido ascórbico (AA), paralelo à baixa atividade da PER e da PAL. Esses resultados indicam que o armazenamento prolongado das mangas sob condição de injúria alterou o amadurecimento dos frutos. O Grupo 4 (G4) foi composto pelos frutos mantidos a 12 ºC por 14 a 28 dias e caracterizou-se pela baixa atividade das enzimas PAL e PPO, pelos elevados teores de SS e de açúcares (AR e AS) e pela acidez reduzida. Exibiram também casca com coloração in- Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal - SP, Volume Especial, E. 371-376, Outubro 2011 374 A. C. A. MIGUEL et al. tensa (L e Croma elevados) e polpa de cor alaranjado-escurecida (L e Hue reduzidos e Croma elevado) e apresentaram polpa amolecida. Essas alterações indicam que os frutos conservados a 12 ºC, por 14; 21 ou 28 dias, amadureceram normalmente. TABELA 1 - Coeicientes de correlação das variáveis para mangas ‘Tommy Atkins’ armazenadas a 2 ºC (74,8 %UR), 5 ºC (75,4 %UR) e 12 ºC (76,4 %UR), por até 28 dias. Variável Fator 1 Fator 2 Fator 3 0,758181 Dano 0,280586 0,054296 0,575592 -0,503633 PAL 0,335727 -0,842849 PPO 0,227650 0,206822 0,515007 PER 0,394394 -0,021099 -0,873761 AS 0,185187 0,153705 -0,884689 AR -0,026530 0,018221 -0,688220 L_casca 0,487589 -0,061840 0,652398 Hue_casca 0,076767 -0,193985 -0,855401 Croma_casca 0,152434 -0,279795 0,861764 L_polpa -0,321448 0,066766 0,574824 -0,671383 Hue_polpa 0,051827 0,722730 Croma_polpa -0,287304 -0,056492 0,743002 Firmeza -0,306121 0,038759 0,766259 AA 0,173965 -0,142734 -0,774970 AT 0,234907 0,270885 -0,941874 SS 0,033594 0,024218 Variância exploratória 6,164703 2,827795 2,355978 Proporção da variância total (%) 38,53 17,67 14,72 Obs.: Variáveis indicadas em negrito têm importância signiicativa para o respectivo fator. Sinais iguais indicam relação direta, e contrários, indireta. FIGURA 1 - Análise de agrupamentos hierárquica contendo a ordenação dos períodos de armazenamento de mangas ‘Tommy Atkins’ mantidas a 2 ºC (74,8 %UR), 5 ºC (75,4 %UR) e 12 ºC (76,4 %UR), por até 28 dias. (Os números 0; 7;14; 21 e 28 representam o período de armazenamento em dias). Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal - SP, Volume Especial, E. 371-376, Outubro 2011 TÉCNICAS DE ANÁLISE MULTIVARIADA NA AVALIAÇÃO DE INJÚRIAS PELO FRIO. 375 Figura 2 - Análise de agrupamentos não hierárquica contendo a ordenação FIGURA 2 - Análise de agrupamentos não hierárquica contendo a ordenação dos períodos de armazenamento de mangas ‘Tommy Atkins’ mantidas a 2 ºC (74,8 %UR), 5 ºC (75,4 %UR) e 12 ºC (76,4 %UR), por até 28 dias. (Os números 0; 7; 14; 21 e 28 representam o período de armazenamento em dias). CONCLUSÕES 1 - As análises multivariadas, fatorial em componentes principais e de agrupamento, permitiram a melhor compreensão do impacto do armazenamento no metabolismo de mangas ‘Tommy Atkins’ mantidas sob condição de chilling. 2 - Esta análise sugere que, nas mangas cv. Tommy Atkins, o dano está intimamente relacionado com a casca e que a resposta ao estresse, na polpa, ocorre de forma tardia e é pouco prejudicada no desenvolvimento de sua coloração característica. As enzimas fenilalanina amônia-liase e polifenoloxidase não se correlacionaram com a manifestação dos sintomas de dano pelo frio. AGRADECIMENTOS À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), pelo auxílio inanceiro (Proc. nº 09/51977-9). REFERÊNCIAS ALEIXO, S.S.; SOUZA, J.G.; FERRAUDO, A.S. Técnicas de análise multivariada na determinação de grupos homogêneos de produtores de leite. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, MG, v. 36, n. 6, p. 2168-2175, 2007. ALLAIN, C.C.; POON, L.; CHAN, C.S.G.; RICHMOND, W.; FU, P.C. Enzymatic determination of total serum cholesterol. Clinical Chemistry, Baltimore, v. 120, p. 470-475, 1974. AOAC. Oficial methods of analysis. 18th ed. Gaithersburg, 2005. p. 10-11. BOUROCHE, J.M.; SAPORTA, L. L´analise des données. Paris: Presses Universitaries de France, 1981. 127p. BRANDÃO, M.C.C.; MAIA, G.A.; LIMA, D.P.; PARENTE, resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 21. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 22. Melo RM, Bottno MA, Galvã RKH, Soboyejo WO. Bond strengths, degree of conversion of the cement and molecular structure of the adhesive–dentine joint in fibre post restorations. J Dent 2012;40:286-94. 23. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 24. Anusavice KJ. Phillips RW. Science of dental materials. 11th, 2003. 25. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper dent 1994;19:165-8. 27 4 ARTIGOS CIENTÍFICOS 4.2 ARTIGO 2 28 Title: Influence of light transmission through fiber posts on the microhardness and bond strength Authors: Morgan LFSA, Gomes GM, Poletto LTA, Ferreira FM, Pinotti MB, Albuquerque RC. Abstract Introduction: The aim of this study was to investigate the influence of light transmission through fiber posts in microhardness (KHN) and bond strength (BS) from a dual cured resin cement. Methods: Five fiberglass posts of different types and manufacturers represent a test group for the analysis of KHN (N=5) and BS and their displacement under compressive loads (N = 8). For the analysis of KHN a metallic matrix was developed to simulate the positioning of the cement after the cementation process intra radicular posts. The resistance to displacement, which will provide data of BS was measured using bovine incisors. After cementation, cross sections of the root portion of teeth in space led to post 1mm discs that have been tested for BS. The values were statistically analyzed by ANOVA, followed by Tukey's (P <0.05) between groups for KHN and BS. Results: The results showed no statistical differences for the different posts in KHN. For BS, the sum of thirds, a translucent post showed the highest values. Comparative analysis between the thirds of each post also showed statistically significant differences when comparisons of the same post-thirds showed no differences. Conclusion: For the cement used, the amount of light transmitted through the post did not influence the KNH nor the BS significantly, among the different posts and thirds evaluated. Key Words: light transmission, dental posts, microhardness, bond strength. 29 Introduction The use of pre-fabricated posts in the reconstruction of endodontically treated teeth, whose main objective is to retain the material reconstruction and minimize the occurrence and complexity of fractures, is well established in the literature (1). Clinically, the mechanical and chemical characteristics of fiber posts justify their usage (2). In relation to resin cements, three options regarding the method of polymerization are available: self-polymerizing, light-cured or dual polymerization (dual). Understanding the mechanism of polymerization of these systems (3) the choice of materials that do not depend on light seems to be more reliable for cementing intra radicular fiber posts. To investigate the capability of transmitting light by translucent post is the target of several recent authors (4-9). Most studies point to the decrease in light intensity (LI) by increasing the root depth. Quantitative assessments of LI, hardness, elastic modulus and degree of conversion can be found in these works. Undesirable effects of incomplete polymerization of the resin cements are of biological (10-12) due to toxicity, and mechanical (8,9,13-15), due to low bond strength values are described in the literature. The aim of this study is to investigate the effect of light transmission through fiber posts in Knoop microhardness number (KHN) and bond strength (BS) of a dual resin cement. The null hypothesis is that there is no statistically significant difference in KHN and BS for different depths evaluated for the dual resin cement following cementation of translucent posts. Material e Methods Five different fiber posts of two types and one resin cement were involved (Table 1). 30 Table 1 – Description of the posts and cement used. Post Manufacturer/Lote Type Quimical composition FGM Produtos Odontológicos Glass Fibers (80% ± 5), epoxy resin (20% ± 5), silica, silane and T1 Translucent (Brazil)/140410 polymerising promoters. Bisco, INC T2 Translucent (EUA)/0800007811 Glass Fibers (55%), Epoxy (45%). TetraethyleneglycolDimethacrylate (7.6%), Urethane Ivoclar-Vivadent Dimethacrylate (18.3%), Silicium Dioxide (0.9%), Ytterbium T3 Translucent (Liechtenstein)/M72483 Fluoride (11.4%), catalysers and stabilisers (<0.3%). Glass Fibers. C1 Ângelus (Brazil)/14818 Conventional Glass Fibers (87%), Epoxy resin (13%). C2 Ângelus (Brazil)/14874 Conventional Carbon Fibers (79%), Epoxy Resin (21%). Resin Cement Rely-X Unicem 3M ESPE (USA)/372990 Self-etch/ Dual Cure Powder: glass particles, initiators, sílica, substituted pyrimidine, calcium hidroxide, peroxide composite and pigment; liquid: metacrylate phosphoric acid Ester, dimethacrylate, acetate, stabilizer and initiator. White Post DC (FGM, Joinville, SC-Brazil), DT Light Post (Bisco, Inc, Schaumburg, ILUSA) and FRC Postec Plus (IvoclarVivadent, Liechtenstein) with similar compositions but with different amounts of chemical components, represent translucent (T) type, T1, T2 and T3 respectively. Exacto and Reforpost Carbon Fiber (Both Ângelus, Londrina, Pr-Brazil) with different compositions but opaque, represent conventional (C) type, C1 and C2 respectively. The posts were cut to standard height of 16 mm for both analysis, KHN and RA. KHN measurements The assessments targeted three different depths, namely: cervical third (CT), at a 4.1 to 6.8mm depth; middle third (MT), at an 8.8 to 11.5mm depth; and apical third (AT), at a 13.5 to 16mm depth. 31 A metallic apparatus matrix was designed and manufactured to support the posts, resin cement, and the tip of a curing light unit. Such a metallic apparatus consisted of four parts as showed in figure 1. Figure 1. Metallic matrix: (a) a frame, which contained the posts (e), (b) a support to standardize the position and volume of resin cement, (c) a support to standardize the length of each three third deep post regions and stabilize the set, (d) and an external cylinder, which holds the other part as well as incorporates the tip of curing light unit (f) at the top and also obstructs the influence of external sources of light. Patented CTIT/UFMG (BR 20 2012 015542 2). The frames were manufactured in the exact dimensions of each post by means of an electro erosion machining. Aimed at standardizing the quantitative radial light transmission, each third of the posts contained a 120-degree lateral side opening. The three thirds, were supposed to be assessed simultaneously. The measurement of all thirds, one at a time, was possible because the matrix allowed the removal of the resin cement blocks, separately, after polymerization, without destroying them. The matrix’s internal structure provided an adequate separation of each 32 third, which permitted their accurate evaluation. Each one was 1,6mm wide and 2,70 mm length. The major concern about this matrix was that the cement was inserted directly in projected spaces, in order to minimize the formation of bubbles. The posts were isolate from cement by a polyester strip. The time of light exposure was 40 seconds, and the LI remained above 420mW/cm2. The light curing unit used was Curing Light 2500(3M ESPE, USA). The set consisting of the curing light unit, the matrix, the post and the resin cement remained still throughout the assessments. After ten minutes, including 40s photopolymerization, the specimens were removed from the matrix and were immediately included in pre-molds (Buehler, USA) with crystal resin with black pigment and were poured into the device by using a Cast N’vac (Buehler, USA). After the cure of crystal resin, the specimens were removed from the pre-molds and stored dry, out of reach of light during 7 days. The surface to be analyzed was sequentially polished with # 320 to 1200-grit SiC papers and felt with diamond polish paste (Buehler, USA). A control group, using T1, was made of the same method but without a photopolymerization. KHN measurement was performed by a Micromet 5104(Buehler, Japan) using a static load of 50g for 10s. Sequentially, three indentations were performed for each third of each group. The values were obtained from the reading of the average of three indentations oriented long axis of the resultando  em  um  filme  que  tem  como  motivação  as  vinganças da  mesma.  O  personagem Benjamim perde a relevância que tem no romance e o espectador  não fica imerso em tantas dúvidas, como o leitor da narrativa indicial de Chico.  As  páginas  que  não  afirmavam  a  culpa  de  Benjamim  pela  morte  de  Castana 96  Beatriz, nem a ascendência de Ariela, são transformadas em cenas de certezas  e afirmações que, em parte, excluem a narrativa indicial do primeiro autor.  Todas  as  transformações  que  a  cineasta  efetua  na  obra  de  Chico  para  elaborar  seu  filme  são  refletidas  nos  outros  textos  que  permeiam  e  dialogam  com as duas obras: capas, o site oficial de Chico Buarque e do filme Benjamim,  as  críticas  expostas  na  mídia.  Esses  outros  textos  —  sejam  eles  metatextos,  paratextos  ou  arquitextos  —  dialogam  transtextualmente  com  os  processos  que  fazem  do  romance  um  filme.  Todas  as  transformações  executadas  pela  cineasta  na  obra  do  autor  são  também  difundidas  nos  outros  textos  que  circundam  o  processo.  Tudo  isso  constrói  uma  extensa  e  infinita  rede  transtextual,  que  produz  um  diálogo  não  só  entre  as  obras  de  Chico  e  Gardenberg, mas também entre elas e outros textos.  Observar  a  obra  de  Chico  Buarque  com  esses  parâmetros,  faz­nos  perceber também a ausência de limites entre as artes e linguagens. O romance  Benjamim,  imerso  num  tom  cinematográfico,  ao  mesmo  tempo  em  que  se  transforma  na  criação  de  Gardenberg,  parece  justamente  chegar  à  sua  linguagem  ideal:  o  cinema.  A  rede  de  flashbacks  imaginada  por  Chico,  para  contar  a  história  de  um  ex­modelo  fotográfico  que  se  duplicou  na  juventude  e  assiste  a  sua  existência  como  se  fosse  um  filme  produzido  por  uma  câmera  imaginária,  cresce  nas  lentes  reais  de  Monique  Gardenberg:  o  romance  de  Chico,  por  meio  do  filme  Benjamim,  chega,  de  fato,  à  linguagem  tematizada  em sua criação. Por sua vez, ao perceber os vestígio do cinema no romance e  aventurar­se  na  adaptação  fílmica,  com  o  cuidado  de  recriar  sempre  inspirada  pelo  primeiro  autor,  Monique  Gardenberg  põe  em  cartaz  a  essência  hipertextual de Chico Buarque de Hollanda. R e f e r ê n c i a s :  97  BARROS,  Leila  Cristina;  CASTELLO  BRANCO,  Lúcia.  Desencontro,  amor  e  feminino  em  Benjamim,  de  Chico  Buarque.  2001.  Dissertação  de  mestrado,  Universidade Federal de Minas Gerais.  BARTHES,  Roland.  Introdução  à  análise  estrutural  da  narrativa.  In:  Análise  estrutural  da  narrativa:  seleção  de  ensaios  da  revista  Communications.  Trad.  Maria Zélia Barbosa Pinto. Petrópolis: Vozes, 1971.  BARTHES,  Roland.  Obra  de  massa  e  explicação  de  texto.  In:  PERRONE­  MOISÉS,  Leyla  (org).  Inéditos,  V.1  —  Teoria.  São  Paulo:  Editora  Martins  Fontes, 2004. p. 51­55.  BARTHES,  Roland.  Texto  (teoria  do).  In:  PERRONE­MOISES,  Leyla  (org).  Inéditos, V.1 — Teoria. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2004. p. 261­289.  BARTOLOMEI,  Marcelo.  Paulo  José  “vence”  Parkinson  e  Cléo  Pires  estréia  no  cinema, disponível na Folha Online. Acesso em: 01/04/04.  BENJAMIN,  Walter.  A  tarefa  do  tradutor.  Trad.  Suzana  K.  Lages.  In:  HEIDERMANN,W.  (org.).  Clássicos  da  teoria  da  tradução.  Florianópolis:  UFSC  NUT, 2001. p. 189­215.  BERNARDET,  Jean­Claude.  O  que  é  cinema.  São  Paulo:  Editora  Nova  Cultural  Brasiliense, 1985.  BRITO, João batista de. Chico Buarque no cinema. In: Chico Buarque do Brasil.  São Paulo: Garamond Editora, 2004.  BUARQUE, Chico. Benjamim. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.  BUARQUE, Chico. Budapeste. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.  BUARQUE,  Chico,  GUERRA,  Ruy.  Calabar:  o  elogio  da  traição.  São  Paulo:  Civilização Brasileira, 1973.  BUARQUE, Chico. Estorvo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.  BUARQUE,  Chico,  PONTES,  Paulo.  Gota  d'água.  Rio  de  Janeiro:  Civilização  Brasileira, 1975.  BUARQUE, Chico. Ópera do malandro. São Paulo: Círculo do Livro, 1978.  CATTRYSSE,  Patrick.  Film  (adaptation)  as  translation:  some  methodological  propoals.  In:  TARGET  v.4,  n.1.  Amsteram/Philadelphia:  Jonh  Benjamins  Publhishing Company, 1992. p. 55­90. 98  COMODO,  Roberto.  Câmera  invisível.  Revista  Isto  é,  São  Paulo,  n.  1367,  p.124­125, 13 dez 1995.  COMPAGNON,  Antoine,  Trad.  MOURÃO,  Cleonice  Paes  Barreto.  O  demônio  da  teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.  DINIZ,  Thaïs  Flores  Nogueira.  Literatura  e  Cinema:  tradução,  hipertextualidade,  reciclagem.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras  da  UFMG,  2005.  FERNANDES,  Rinaldo  de.  Chico  Buarque  do  Brasil.  São  Paulo:  Garamond  Editora, 2004.  GARDENBERG,  Monique.  In:  Prees  Book  do  filme  Benjamim.,  2003.  Distribuição:  EUROPA  Filmes.  Disponível  em  http://www.benjamimofilme.com.br/, acesso em: 11/04/06.  GENETTE, Gerard. Palimpsestes: la litterature au second degre. Paris: Editions,  1981.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva Voz. Trad. Luciene Guimarães e Maria Antônia Ramos Coutinho. Extratos:  capítulos  1,  2,  7,  40,  41,  45,  80.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras/UFMG,  2005.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva  Voz.  Trad.  Cibele  Braga,  Mariana  Arruda  e  Miriam  Vieira.  Extratos:  capítulos 8, 13, 38, 47, 48, 49, 53, 54, 55, 57.  Belo Horizonte: Faculdade de  Letras/UFMG, 2007. No prelo.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de.  A  banda:  manuscritos  de  Chico  Buarque  de  Hollanda. Rio de Janeiro: 1966.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de,  KEATING,  Vallandro.  A  bordo  do  Rui  Barbosa.  São Paulo: Palavra e Imagem, 1981.  MARQUÉZ,  Gabriel  García.  Cem  anos  de  solidão.  Trad.  Eliane  Zagury.  Rio  de  Janeiro: O Globo, 1967.  MCFARLANE.  Brian.  Novel  to  film:  an  introduction  to  the  theory  of  adaptation.  Oxford University Press, 1996.  MENESES,  Adélia  Bezerra  de.  Desenho  mágico:  poesia  e  política  em  Chico  Buarque. São Paulo: HUCITEC, 1982. 99  OLIVEIRA,  Solange  Ribeiro  de.  De  mendigos  e  malandros:  Chico  Buarque,  Bertold  Brecht  e  John  Gay ­  uma  leitura  transcultural.  Ouro  Preto:  Ed.  UFOP,  1999.  OLIVERA,  Luciene  Guimarães  de,  QUEIROZ,  Sônia  Maria  de  Melo.  A  Bela  e  a  Fera  ou  a  ferida  grande  demais  de  Clarice  Lispector:  transtextualidade  e  transcrição.  2005.  Dissertação  de  mestrado.  Universidade  Federal  de  Minas  Gerais.  PEREIRA, Helena Bonito Couto. Duas personagens, dois tempos, duas versões:  Benjamim  em  livro  e  em  filme.  In:  Revista  Aletria.  Belo  Horizonte:  Ed.  UFMG,  [s.d]. No prelo.  PESSOA,  Stella.  Quem  é  Chico  Buarque  de  Hollanda.   Acesso em: 30/05/06.  QUEIROZ, Sônia (org). Estilos. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2002.  RUIZ,  Simone.  Benjamim  é  videoclipe  de  Cléo  Pires,  disponível  no  site  Adoro  cinema brasileiro. Acesso em: 30/09/03.  SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.  SILVA,  Fernando  de  Barros  e.  Filme  de  Monique  Gardenberg  gera  encanto  retardado, disponível na Folha Online. Acesso em: 02/04/04.  WERNECK,  Humberto.  Tantas  palavras.  São  Paulo:  Companhia  das  letras,  2006. F i l m o g r a f i a :  100  BENJAMIM.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Rio  de  Janeiro:  Natasha  Produções e Duetos Filmes. 2003. 108 min., color, DVD.  BRASIL  ANO  2000.  Direção  de  Walter  Lima  Jr.  Rio  de  Janeiro:  2000  Film,  Claude­Antoine e Mapa Filmes. 1969. 95 min., color, VHS.  Sinopse disponível em  http://www.geocities.com/filmescopio/filmes/ano2000.htm>  Acesso  em:  16/12/2006.  ESTORVO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Rio  de  Janeiro:  Riofilme.  2000.  95  min.,  color, VHS.  JENIPAPO. Direção de Monique Gardenberg. 1996. 100min., color, VHS.  Ó  PAÍ,  Ó.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Salvador:  Globo  Filmes  e  Duetos  Filmes.  2007.  98  min.,  color,  exibido  nas  salas  de  cinema  de  Belo  Horizonte  em abril de 2007.  OS  SALTIMBANCOS  TRAPALHÕES.  Direção  de  J.B.  Tanko.  Brasil:  Renato  Aragão Produções. 1981. 99min., color, DVD.  ÓPERA  DO  MALANDRO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Brasil:  Austra  Cinema  e  comunicações,  MK2  Productions  e  TF1  Films  Productions.  1985.  100  min.,  color, DVD.  UM  HOMEM,  UMA  MULHER  (Un  Homme  et  Une  Femme).  Direção  de  Claude  Lelouch. França: Warner Bros. 1966. 102 min., color, VHS  Sinopse disponível em    Acessado  em:  16/12/2006.  D o c u m e n to s  o n  l i n e :  www.benjamimofilme.com.br. Acesso em: 30/11/2006  www.chicobuarque.com.br. Acesso em: 30/11/2006
Técnicas de análise multivariada na avaliação de injúrias pelo frio em mangas cv. Tommy Atkins
RECENT ACTIVITIES
Autor
Documento similar

Técnicas de análise multivariada na avaliação de injúrias pelo frio em mangas cv. Tommy Atkins

Livre