Estudo químico e atividade mutagênica e antirradicalar de caesalpinia ferrea

 1  5  144  2017-01-28 11:46:49 Report infringing document
UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “Júlio de Mesquita Filho” Instituto de Química de Araraquara Programa de Pós-graduação em Química Estudo Químico e Atividades Mutagênica e Antirradicalar de Caesalpinia ferrea CARLOS CÉSAR WYREPKOWSKI Araraquara 2014 UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “Júlio de Mesquita Filho” Instituto de Química de Araraquara Programa de Pós-graduação em Química Estudo Químico e Atividades Mutagênica e Antirradicalar de Caesalpinia ferrea CARLOS CÉSAR WYREPKOWSKI Tese apresentada ao Instituto de Química, Universidade Estadual Paulista, no âmbito do Programa DINTER - CAPES com o Instituto Federal de Mato Grosso, como parte dos requisitos para obtenção do título de Doutor em Química. Orientadora: Profa. Dra. Lourdes Campaner dos Santos Coorientador: Prof. Dr. Adilson Paulo Sinhorin Araraquara 2014 1. Dados pessoais Súmula curricular Nome: Carlos César Wyrepkowski Filiação: Sergio Wyrepkowski e Tereza Lukasevicz Wyrepkowski Naturalidade: Santo Cristo RS E-mail: carlos.wyrepkowski@iffarroupilha.edu.br 2. Formação acadêmica Graduação Instituição: UNIJUÍ – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Local: Santa Rosa RS. Curso: Licenciatura em Ciências. Período: 03/1999 – 02/2004. Pós-graduação Mestrado Instituição: UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso. Mestre em Física e Meio Ambiente – Área de concentração: Mudanças Climáticas Globais. Titulo da dissertação: Avaliação das Propriedades Ópticas dos Aerossóis na Atmosfera de Cuiabá com base na Rede AERONET. Orientador: Prof. Dr. Alfredo Jorge. Bolsista: CAPES (período 03/2006 – 02/2008). Local: Cuiabá MT. Periodo: 03/2006 – 02/2008. Doutorado Instituição: UNESP - Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Instituto de Química. Titulo da tese: Estudo Químico e Atividades Mutagênica e Antirradicalar de Caesalpinia ferrea. Orientadora: Profa. Dra. Lourdes Campaner dos Santos. Coorientador: Prof. Dr. Adilson Paulo Sinhorin. Bolsista: CAPES (período 03/2013 – 01/2014). Local: Araraquara SP. Período: 08/2010 – 08/2014. 3. Atuação profissional - Vínculo: SERVIDOR PUBLICO, Enquadramento Funcional: PROFESSOR, Carga horária: 40, Regime: Dedicação Exclusiva. Instituto Federal Farroupilha. Início: Dezembro de 2013 à Atual. - Vínculo: SERVIDOR PUBLICO, Enquadramento Funcional: PROFESSOR, Carga horária: 40, Regime: Dedicação Exclusiva. Instituto Federal de Mato Grosso. Início: Janeiro de 2010 à Dezembro de 2013. - Vínculo: SERVIDOR PUBLICO, Enquadramento Funcional: PROFESSOR SUBSTITUTO, Carga horária: 40, Regime: Contratado. Universidade do Federal de Mato Grosso. Início: Janeiro de 2008 à Dezembro de 2009. - Vínculo: SERVIDOR PUBLICO, Enquadramento Funcional: PROFESSOR, Carga horária: 20, Regime: Contratado. Universidade do Estado de Mato Grosso. Início: Janeiro de 2009 à Dezembro de 2009. - Vínculo: PROFESSOR VISITANTE, Enquadramento Funcional: PROFESSOR, Carga horária: 10, Regime: Contratado. Fasipe Centro Educacional. Início: Março de 2008 à Dezembro de 2009. - Vínculo: SERVIDO PÚBLICO, Enquadramento Funcional: PROFESSOR, Carga horária: 30, Regime: 30 horas. Escola Estadual Osvaldo Paula Início: Agosto de 2007 à Dezembro de 2009. - Bolsista Capes. Universidade Federal de Mato Grosso. Início: Março de 2006 à Fevereiro de 2008. - Vínculo: CONTRATO, Enquadramento Funcional: PROFESSOR, Carga horária: 11, Regime: Contratado. Colégio Jesus Maria José. Início: Fevereiro de 2005 à Dezembro de 2005. - Vínculo: SERVIDOR PÚBLICO, Enquadramento Funcional: PROFESSOR, Carga horária: 24, Regime: Contratado. Secretaria do Estado de Mato Grosso. Início: Fevereiro de 2005 à Dezembro de 2005. - Vínculo: CONTRATO, Enquadramento Funcional: PROFESSOR, Carga horária: 10, Regime: Contratado. Escola de Educação Básica Rui Barbosa. Início: Fevereiro de 2004 à Dezembro de 2005. -Vínculo: SERVIDOR PUBLICO, Enquadramento Funcional: PROFESSOR, Carga horária: 30, Regime: Contratado. Secretaria do Estado de Mato Grosso. Início: Fevereiro de 2004 à Dezembro de 2004. 4. Publicações 1. Wyrepkowski, C. C.; Almeida Filho, E. O. de; Jorge, A.; De Musis, C. R.; Nogueira, J. S. Composição multielementar e fontes de emissão de aerossóis atmosféricos em Cuiabá de 1992 à 1995. Ciência e Natura, v. 29, p. 27-42, 2007. 2. Silvino, A. N. O.; Silveira, A.; De Musis, C. R.; Wyrepkowski, C. C.; Conceição, F. T. Determinação de Vazões Extremas para Diversos Períodos de Retorno para o Rio Paraguai utilizando Métodos Estatísticos. Geociências, v. 26, p. 369-378, 2007. 3. Santana, A. O.; Gaio, D. C.; Wyrepkowski, C. C.; Campello Júnior, J. H.; Lobo, F. A.; Nogueira, J. S.; Sanches, L.; Palu, A. E. R.; Rodrigues, V. Eficiência de Utilização da Radiação Fotossinteticamente Ativa na Produção de Matéria Seca de uma Pastagem mista no Cerrado de Mato Grosso. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 15, p. 299-303, 2007. 5. Trabalhos submetidos à publicação 1. Carlos C. Wyrepkowski, Daryne L. M. G. da Costa, Adilson P. Sinhorin, Wagner Vilegas, Rone A. De Grandis, Flavia A. Resende, Eliana A. Varanda e Lourdes Campaner dos Santos. Characterization and Quantification of the Compounds of the Ethanolic Extract from Caesalpinia ferrea Stem Bark, and Evaluation of Their Mutagenic Activity Autores. Molecules, 2014, submetido. 6. Trabalhos apresentados em Congressos 1. Wyrepkowski, C. C.; Sinhorin, A. P.; Santos, L. C. Quantificação do ácido elágico por HPLC-DAD no extrato etanólico das cascas do caule de Caesalpinia ferrea. In: 37 RASBQ, 2014, Natal/RN. O papel da química no cenário econômico atual: competitividade com responsabilidade, 2014. 2. Kafer, G. A.; Wyrepkowski, C. C.; Quartieri, M. T.; Oliveira, E. C.; Marchi, M. I. Ambientes Virtuais de Aprendizagem: Uma Ferramenta para o Ensino de Química. In: 37 RASBQ, 2014, Natal/RN. O papel da química no cenário econômico atual: competitividade com responsabilidade, 2014. 3. De Grandis, R. A.; Muller, M. M.; Wyrepkowski, C. C.; Resende, F. A.; Sinhorin, A. P.; Rocha, C. Q.; Santos, L. C.; Varanda, E. A. Evaluation of the mutagenic activity of ethanolic extract of Caesalphinia ferrea Mart. (Caesalpinioideae) by Salmonella/Microsome assay (Ames test). In: 59º Congresso Brasileiro de Genética, Águas de Lindóia. Sessão de Painéis do 59º CBG, 2013. 4. Wyrepkowski, C. C.; Liberal, L. N.; Reis, F. S. Estudo das condições meteorológicas e concentração do material particulado das regiões Sul e Noroeste de Mato Grosso. In: II Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica, 2012, Florianópolis. 5. Wyrepkowski, C. C.; Kafer, G. A.; Freitas, T.; Bespalhuk, K. J. Aprendizagem sobre Propriedades Coligativas a partir de uma Metodologia Diferenciada. In: 9º Simpósio Brasileiro de Educação Química, Natal, 2011. 6. Kafer, G. A.; Wyrepkowski, C. C. Combustíveis Alternativos: um Tema para o Ensino de Química Utilizando Mapas Conceituais. In: 9º Simpósio Brasileiro de Educação Química, Natal, 2011. 7. Santos, P. F.; Fonseca, O. J. T.; Avelar, S.; Silveira, M. D.; Wyrepkowski, C. C. Ecossistemas nos Livros Didáticos: A Imagem como um Instrumento Mediador da Compreensão. In: 62ª Reunião Anual da SBPC, 2010. 8. Kafer, G. A.; Wyrepkowski, C. C.; Castro, E. B. Derivados do Petróleo: Um tema para o ensino significativo. In: 16º Semiedu, Cuiabá, 2008. 7. Orientações Orientações de monografia de conclusão de curso de especialização 1) Maria Cleuza Sebastião da Costa. O PROEJA como um meio viável para a ressocialização no Sistema Penitenciário do município de Juína-MT. 2012. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Educação Profissional Integrada a Educação Básica na Modalidade EJA) - Instituto Federal de Mato Grosso. 2) Neusimar Gonçalves da Rocha. Evasão escolar: uma realidade no PROEJA do IFMTCampus Juína. 2012. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Educação Profissional Integrada a Educação Básica na Modalidade EJA) - Instituto Federal de Mato Grosso. 3) Gabriel Silveira Capobianco. Biodigestor como alternativa de ensino de ciências da natureza e da matemática para educação de jovens e adultos - PROEJA. 2012. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Educação Profissional Integrada a Educação Básica na Modalidade EJA) - Instituto Federal de Mato Grosso. Orientações de alunos de Iniciação Científica no IFMT-Campus Juína 5 Orientações concluídas. Orientações de Estágio do Curso Técnico em Meio Ambiente IFMT-Campus Juína 10 Orientações concluídas. As tarefas que nos propomos, devem conter exigências que pareçam ir além de nossas forças. Caso contrário, não descobrimos nosso poder, nem conhecemos nossas energias escondidas e assim deixamos de crescer. Leonardo Boff Ao meu pai, Sergio Wyrepkowski, que não pode estar comigo até o fim do doutorado, mas, onde quer que esteja, espero tê-lo feito orgulhoso. Penso as vezes que a vida é injusta, pois faz muita falta. Saudades. Aos meus pais, Sergio (in memorian) e Tereza, que sempre me apoiaram, me fizeram acreditar na realização dos meus sonhos e trabalharam muito para que eu pudesse realizálos. Muito obrigado, pelo amor e confiança que sempre depositaram em mim. A você Giovana, companheira no amor, na vida e nos sonhos, que sempre me apoiou nas horas difíceis e compartilhou comigo as alegrias. Aos meus filhos, Arthur, Augusto e Ana Laura, que tiveram que suportar minha ausência em diversos momentos, para que esse trabalho pudesse ser realizado. Amo muito vocês. Dedico este trabalho Agradecimentos AGRADECIMENTOS À Deus por estar sempre ao meu lado, me dando força e guiando meus caminhos. À Professora Dra. Lourdes Campaner dos Santos por me aceitar como seu aluno de Doutorado, mesmo depois de transcorridos dezesseis meses do ingresso na pós-graduação. Agradeço pela excelente orientação, ensinamentos, dedicação, generosidade, compreensão, paciência (e não foi pouca) e pelos exemplos de postura na ciência, na ética e na vida. Ao professor Dr. Adilson Paulo Sinhorin pela amizade, apoio, oportunidades, confiança e ensinamentos. Aos professores, membros da banca, que gentilmente aceitaram o convite de ler este manuscrito. À minha esposa Giovana, pelo amor, companheirismo, dedicação, apoio, ajuda e compreensão pelos momentos ausentes. Aos meus filhos Arthur, Augusto e Ana Laura. O amor por vocês me deu forças e coragem para encarar toda e qualquer atribulação. Pela compreensão da ausência em momentos importantes na vida de vocês (Primeira comunhão, apresentação do dia dos pais no CTG e outros). À toda minha família, em especial meu pai (in memorian) e minha mãe, por estarem sempre me apoiando e me ajudando. Aos colegas do grupo de Fitoquímica, pelo apoio, amizade, discussões, ensinamentos e por toda ajuda prestada, em especial: Felipe Hilário, Ana Zanatta, Daryne Lu Maldonado, Cláudia Rocha, Marcelo Amorin, Francisco Mininel, Carlos Sergio e Cássia Cardoso. A Edith Petrica pela amizade, apoio, companheirismo e por toda ajuda prestada. Aos colegas dos Laboratórios de Fitoquímica da UFMT-Campus Sinop e do IQ da Unesp: Hocelayne, Luiz Rialto, Silvia, Lima Neto, Marcelo Farma, Weslei, Pedrinho, Samara, Maria do Socorro e Guilherme. Agradeço pela convivência e amizade. Aos alunos de IC que orientei no IFMT-Campus Juína, pela ajuda prestada: Ketholyn, Lígia, Thaís, Fabiana, Rafael e José. Aos professores: Assis, Sadao, Pilar, Alberto, Isabele, Dulce, Daniel e Angela, que de alguma forma influenciaram meu trabalho e vivência no Doutorado. Ao Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), especialmente aos Diretores Geral e de Ensino do Campus Juína e colegas professores pelo apoio e trocas de horários de aulas para viabilizar minha participação no curso de Doutorado. Ao Instituto Federal Farroupilha, especialmente aos Professores Rodrigo Machado, Joseane, Rúbia, Giovana, Jussara, Graciela e aos demais colegas pelo apoio integral para viabilizar o término dos experimentos no Laboratório de Fitoquímica do IQ da Unesp e escrita da tese. Aos amigos Célio, Fernanda, Francisco, Neiva, Leonir, Márcio Fonseca, Leandro, Ademária, que sempre me ouviram, me auxiliaram e me cederam a mão amiga. A todos os colegas do DINTER e amigos da Pós-graduação em Química pela amizade e companheirismo, especialmente: Daryne, Marestoni, Demétrio, Oalas, Deiver, Christiann, Dayane e Eucarlos. À Coordenação de Aperfeiçoamento Pessoal de Nível Superior (CAPES) pela aprovação e suporte financeiro ao DINTER e pela bolsa de estudos concedida. Pela parceria do DINTER entre o Instituto Federal de Mato Grosso e Unesp, Instituto de Química de Araraquara (Instituição com excelente corpo docente e infra-estrutura). À Profa. Dra. Eliana Ap. Varanda, Rone De Grandis e Flávia Resende, da FCFAr-Unesp, pela realização dos ensaios de mutagenicidade. Ao Professor Dr. Wagner Vilegas, pela realização dos experimentos de MS. Ao Dr. Nivaldo Boralle, pela realização dos espectros de RMN. À Ana Lívia, Marília e Alberto, pela realização dos experimentos de MS. À Juliana Rodrigues, por contribuições e orientações prestadas com o HPLC. À Bióloga Márcia Cleia Vilela dos Santos da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário de Sinop, pela identificação da espécie Caesalpinia ferrea. Aos funcionários da Seção de pós-graduação, especialmente: Célia, Sandra, Wennia e Cíntia, pela dedicação aos assuntos relacionados à coordenação do curso de pós-graduação. Às funcionárias da biblioteca pela ajuda e orientações prestadas. À todas as pessoas que de forma direta ou indireta contribuíram para a realização deste trabalho, deixo o meu sincero reconhecimento. RESUMO Caesalpinia ferrea Mart. pertence à familia Fabaceae (Caesalpinioideae), cresce em todo o território brasileiro, sendo largamente distribuída nas regiões norte e nordeste, conhecida vulgarmente como pau-ferro ou jucá. Neste trabalho, foi realizado o estudo fitoquímico, a determinação quantitativa de metabólitos secundários, a avaliação das atividades mutagênica e antirradicalar e a determinação dos teores de fenóis totais do extrato etanólico das cascas do caule de C. ferrea. Análises por HPLC-ESI-IT-MS (High Performance Liquid Chromatography - Electrospray Ionization - Ion Trap – Mass Spectrometry) e FIA-ESI-ITMSn (Flow Injection Analysis - Electrospray Ionization - Ion Trap – Mass Spectrometry), modo negativo, permitiram identificar vinte substâncias pela análise dos padrões de fragmentações e comparação com dados da literatura (ácido gálico e derivados, ácido elágico e derivados, galotaninos, elagitaninos, catequina e uma procianidina). No estudo fitoquímico, foram utilizadas técnicas cromatográficas usuais, como Cromatografia em Coluna Clássica (sílica gel e sephadex LH-20), MPLC (Medium Pressure Liquid Chromatrography) e HPLC, que forneceram um éster de ftalato, um açúcar, ácido gálico, dois derivados do ácido quínico e um derivado glicosilado do ácido elágico, que foram identificados por métodos espectroscópicos (Ultravioleta e Ressonância Magnética Nuclear) e espectrométricos (Espectrometria de Massas). Um método analítico foi desenvolvido utilizando a técnica de HPLC-PDA (High Performance Liquid Chromatography - Photodiode Array Detector) que permitiu a quantificação de seis substâncias (ácido gálico, ácido galoil quínico, galato de etila, dilactona do ácido valoneico, ácido elágico e ácido 3-O-metilelágico-4'-O-β-D- arabinopiranosídeo) no extrato. Nesta quantificação, o ácido elágico (57,64 ± 1,22 µg.mL-1) e a dilactona do ácido valoneico (63,00 ± 0,93 µg.mL-1) foram as substâncias majoritárias pelo perfil HPLC-PDA. A atividade antirradicalar do extrato foi avaliada utilizando-se o ensaio DPPH (1,1-difenil-1-picril-hidrazila) e, como padrões, o ácido gálico e a quercetina. Este estudo revelou que a atividade antirradicalar do extrato (CE50 = 55,43 ± 0,34 μg.mL-1) foi muito próxima do padrão quercetina (CE50 = 48,80 ± 0,82 μg.mL-1) e inferior ao padrão ácido gálico (CE50 = 21,80 ± 1,23 μg.mL-1). O teor de fenóis totais (Equivalente ao Ácido Gálico) foi de 480,00 mg por g de extrato. Nos ensaios de mutagenicidade (teste de Ames), se observou que o extrato não apresentou mutagenicidade para nenhuma linhagem de Salmonella thypimurium testadas. Palavras chaves: Caesalpinia ferrea, ácidos fenólicos, quantificação, mutagenicidade, antirradicalar. ABSTRACT Caesalpinia ferrea Mart. belongs to the family Fabaceae (Caesalpinioideae) grows throughout the Brazilian territory, being widely distributed in the northern and northeastern regions, known commonly as pau-ferro or jucá. In this research describes the phytochemical study, and the determination of the quantitative secondary metabolites, the mutagenic evaluation and antiradical activities and the total phenol levels determination of the ethanolic extract from the C. ferrea Martius stem bark. The analyses by the HPLC-ESI-IT-MS (High Performance Liquid Chromatography – Electrospray Ionization – Ion trap – Mass Spectometry) and FIA – ESI-IT-MSn (Flow Injection Analysis – Electrospray Ionization – Ion Trap – Mass Spectometry), negative mode, it allowed to identify twenty substances by the standard analyses of the fragmentation and comparison with the data that are in the literature (gallic acid and derived, ellagic acid and derivatives, gallotannins, ellagitannis, cathechin and proantocyanidin). In the phytochemical study, it was used common chromatographic technical, like the Classical Column Chromatography (silica gel and sephadex LH-20), MPLC (Medium Pressure Liquid Chromatrography) and HPLC, that provided a phthalate ester, a sugar, a gallic acid, two quinic acid derived and a glycosylated ellagic acid derivative, that were identified by spectroscopic (Ultraviolet and Nuclear Magnetic Ressonance) and spectrometric (Mass spectrometry). An analytical method was developed using the HPLCPDA (High Performance Liquid Chromatography - Photodiode Array Detector), which permitted quantification of six substances (gallic acid, galloyl quinic acid, ethyl gallate, valoneic acid dilactone, ellagic acid and 3-O-metilellagic resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 21. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 22. Melo RM, Bottno MA, Galvã RKH, Soboyejo WO. Bond strengths, degree of conversion of the cement and molecular structure of the adhesive–dentine joint in fibre post restorations. J Dent 2012;40:286-94. 23. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 24. Anusavice KJ. Phillips RW. Science of dental materials. 11th, 2003. 25. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper dent 1994;19:165-8. 27 4 ARTIGOS CIENTÍFICOS 4.2 ARTIGO 2 28 Title: Influence of light transmission through fiber posts on the microhardness and bond strength Authors: Morgan LFSA, Gomes GM, Poletto LTA, Ferreira FM, Pinotti MB, Albuquerque RC. Abstract Introduction: The aim of this study was to investigate the influence of light transmission through fiber posts in microhardness (KHN) and bond strength (BS) from a dual cured resin cement. Methods: Five fiberglass posts of different types and manufacturers represent a test group for the analysis of KHN (N=5) and BS and their displacement under compressive loads (N = 8). For the analysis of KHN a metallic matrix was developed to simulate the positioning of the cement after the cementation process intra radicular posts. The resistance to displacement, which will provide data of BS was measured using bovine incisors. After cementation, cross sections of the root portion of teeth in space led to post 1mm discs that have been tested for BS. The values were statistically analyzed by ANOVA, followed by Tukey's (P <0.05) between groups for KHN and BS. Results: The results showed no statistical differences for the different posts in KHN. For BS, the sum of thirds, a translucent post showed the highest values. Comparative analysis between the thirds of each post also showed statistically significant differences when comparisons of the same post-thirds showed no differences. Conclusion: For the cement used, the amount of light transmitted through the post did not influence the KNH nor the BS significantly, among the different posts and thirds evaluated. Key Words: light transmission, dental posts, microhardness, bond strength. 29 Introduction The use of pre-fabricated posts in the reconstruction of endodontically treated teeth, whose main objective is to retain the material reconstruction and minimize the occurrence and complexity of fractures, is well established in the literature (1). Clinically, the mechanical and chemical characteristics of fiber posts justify their usage (2). In relation to resin cements, three options regarding the method of polymerization are available: self-polymerizing, light-cured or dual polymerization (dual). Understanding the mechanism of polymerization of these systems (3) the choice of materials that do not depend on light seems to be more reliable for cementing intra radicular fiber posts. To investigate the capability of transmitting light by translucent post is the target of several recent authors (4-9). Most studies point to the decrease in light intensity (LI) by increasing the root depth. Quantitative assessments of LI, hardness, elastic modulus and degree of conversion can be found in these works. Undesirable effects of incomplete polymerization of the resin cements are of biological (10-12) due to toxicity, and mechanical (8,9,13-15), due to low bond strength values are described in the literature. The aim of this study is to investigate the effect of light transmission through fiber posts in Knoop microhardness number (KHN) and bond strength (BS) of a dual resin cement. The null hypothesis is that there is no statistically significant difference in KHN and BS for different depths evaluated for the dual resin cement following cementation of translucent posts. Material e Methods Five different fiber posts of two types and one resin cement were involved (Table 1). 30 Table 1 – Description of the posts and cement used. Post Manufacturer/Lote Type Quimical composition FGM Produtos Odontológicos Glass Fibers (80% ± 5), epoxy resin (20% ± 5), silica, silane and T1 Translucent (Brazil)/140410 polymerising promoters. Bisco, INC T2 Translucent (EUA)/0800007811 Glass Fibers (55%), Epoxy (45%). TetraethyleneglycolDimethacrylate (7.6%), Urethane Ivoclar-Vivadent Dimethacrylate (18.3%), Silicium Dioxide (0.9%), Ytterbium T3 Translucent (Liechtenstein)/M72483 Fluoride (11.4%), catalysers and stabilisers (<0.3%). Glass Fibers. C1 Ângelus (Brazil)/14818 Conventional Glass Fibers (87%), Epoxy resin (13%). C2 Ângelus (Brazil)/14874 Conventional Carbon Fibers (79%), Epoxy Resin (21%). Resin Cement Rely-X Unicem 3M ESPE (USA)/372990 Self-etch/ Dual Cure Powder: glass particles, initiators, sílica, substituted pyrimidine, calcium hidroxide, peroxide composite and pigment; liquid: metacrylate phosphoric acid Ester, dimethacrylate, acetate, stabilizer and initiator. White Post DC (FGM, Joinville, SC-Brazil), DT Light Post (Bisco, Inc, Schaumburg, ILUSA) and FRC Postec Plus (IvoclarVivadent, Liechtenstein) with similar compositions but with different amounts of chemical components, represent translucent (T) type, T1, T2 and T3 respectively. Exacto and Reforpost Carbon Fiber (Both Ângelus, Londrina, Pr-Brazil) with different compositions but opaque, represent conventional (C) type, C1 and C2 respectively. The posts were cut to standard height of 16 mm for both analysis, KHN and RA. KHN measurements The assessments targeted three different depths, namely: cervical third (CT), at a 4.1 to 6.8mm depth; middle third (MT), at an 8.8 to 11.5mm depth; and apical third (AT), at a 13.5 to 16mm depth. 31 A metallic apparatus matrix was designed and manufactured to support the posts, resin cement, and the tip of a curing light unit. Such a metallic apparatus consisted of four parts as showed in figure 1. Figure 1. Metallic matrix: (a) a frame, which contained the posts (e), (b) a support to standardize the position and volume of resin cement, (c) a support to standardize the length of each three third deep post regions and stabilize the set, (d) and an external cylinder, which holds the other part as well as incorporates the tip of curing light unit (f) at the top and also obstructs the influence of external sources of light. Patented CTIT/UFMG (BR 20 2012 015542 2). The frames were manufactured in the exact dimensions of each post by means of an electro erosion machining. Aimed at standardizing the quantitative radial light transmission, each third of the posts contained a 120-degree lateral side opening. The three thirds, were supposed to be assessed simultaneously. The measurement of all thirds, one at a time, was possible because the matrix allowed the removal of the resin cement blocks, separately, after polymerization, without destroying them. The matrix’s internal structure provided an adequate separation of each 32 third, which permitted their accurate evaluation. Each one was 1,6mm wide and 2,70 mm length. The major concern about this matrix was that the cement was inserted directly in projected spaces, in order to minimize the formation of bubbles. The posts were isolate from cement by a polyester strip. The time of light exposure was 40 seconds, and the LI remained above 420mW/cm2. The light curing unit used was Curing Light 2500(3M ESPE, USA). The set consisting of the curing light unit, the matrix, the post and the resin cement remained still throughout the assessments. After ten minutes, including 40s photopolymerization, the specimens were removed from the matrix and were immediately included in pre-molds (Buehler, USA) with crystal resin with black pigment and were poured into the device by using a Cast N’vac (Buehler, USA). After the cure of crystal resin, the specimens were removed from the pre-molds and stored dry, out of reach of light during 7 days. The surface to be analyzed was sequentially polished with # 320 to 1200-grit SiC papers and felt with diamond polish paste (Buehler, USA). A control group, using T1, was made of the same method but without a photopolymerization. KHN measurement was performed by a Micromet 5104(Buehler, Japan) using a static load of 50g for 10s. Sequentially, three indentations were performed for each third of each group. The values were obtained from the reading of the average of three indentations oriented long axis of the nov./2002. MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. A intervenção do Ministério Público no processo civil brasileiro. Sao Paulo: Saraiva, 1989. Machado filho, Sebastião. Da substituição processual. Revista LTr, São Paulo, 1993, V.57.P. 1306-1311. MACIEL, José Alberto Couto. Substituição genérica pelo sindicato. Jurisprudência Brasileira Trabalhista. Curitiba; Juruá, 1992, v. 35, p. 25-26,. Maciel júnior, Vicente de Paula. Direito e interesse. Texto divulgado pelo autor na Pós-Graduação do Curso de Direito da PUC/MG. 2002. MANCUSO, Rodolfo de Camargo. A ação civil pública como instrumento de controle judicial das chamadas políticas públicas. In: MILARÉ (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985-15 anos. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p.753-798. . A ação civil pública trabalhista; análise de alguns pontos controvertidos. Revista LTr. São Paulo, v. 60, 1996, p. 1180-1196. . Interesses difusos: conceito e legitimação para agir. 4. e. revi. e atual. São Paulo; Revista dos Tribunais, 1997. . Uma análise comparativa entre os objetos e as legitimações ativas das ações vocacionadas à tutela dos interesses metaindividuais: mandado de segurança coletivo, ação civil pública, ações do código de defesa do consumidor e ação popular. Revista Justitia, São Paulo, v. 160, 1992, p. 181-203. 292 MARINONI, Luiz Guilherme et ARENHART, Sérgio Cruz. Manual do processo de conhecimento: a tutela jurisdicional através do processo de conhecimento. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil. Campinas: Millennium, 1999, v. I e v. II. MARTINS FILHO, Ives Gandra. Ação civil pública e ação civil coletiva. Revista LTr. São Paulo, V.59, p. 1449- 1451, nov./I995. MARTINS FILHO, Ives Gandra da silva. O Ministério Público do Trabalho. In: Revista LTr, São Paulo, n. 56, p.1297-1301, nov./1992. MAZZILLI, Hugo Nigro. A ação civil pública. In: Livro de estudos jurídicos. Coord. TUBENCHALK, James e BUSTAMANTE, Ricardo. Rio de Janeiro: Instituto de Estudos Jurídicos, 1992, v.4, p.95-106. . A ação civil pública no estatuto da criança e do adolescente. Revista dos Tribunais, São Paulo; RT, ano 79, v. 659, p. 36-39, set./ 1990. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 18. ed. 2. tir., São Paulo. Malheiros, 1993. MENDES, Aluisio Gonçalves de Castro. Ações coletivas no direito comparado e nacional. São Paulo: Revista dos Tribimais, {Coleção Temas atuais de direito processual civil, v. 4), 2002. MILARÉ, Édis. A ação civil pública por dano ao ambiente. In: MILARÉ, Édis (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985 - 15 anos 2 ed São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 140-261. MIRANDA, Pontes de. Comentários ao código de processo civil. 5. ed. Rio de Janeiro. Forense, 1997, t. L MOREIRA, Carlos Roberto Barbosa. Os direitos difusos nas grandes concentrações demográficas. Revista de Processo, São Paulo: RT, n. 70, p. 143-153, abr./jun. de 1993. MOREIRA, José Carlos Barbosa. A ação civil pública e a língua pormguesa. In. MILARÉ, Édis (coord.). Ação civilpública: Lei 7.347/1985 -15 anos. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p.345-349. . A legitimação para a defesa dos interesses difusos no direito brasileiro. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 276, p.1-8, out./nov./dez. 1981. . Apontamentos para um estudo sistemático da legitimação extraordinári Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 404, p.9-18, jun. 1969. NERY JÚNIOR, Nelson et NERY, Rosa Maria de Andrade. comentado e legislação processual civil extravagante em vigor. Revista dos Tribunais, 2001. 293 NERY JÚNIOR, Nelson. Disposições Finais. In: Código brasileiro de defesa do consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1992. p. 915-962. OLIVEIRA JÚNIOR, Waldemar Mariz de. Curso de direito processual civil- Teoria geral do processo civil. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais Ltda.,1973, p. 11- 277. . Tutela iurisdicional dos interesses coletivos e difusos. Revista de Processo, São Paulo, V. 33, p.7-25, jan./mar. del984. PANDELOT, José Nillon Ferreira. Enunciado n. 310 do TST. In; VIANA, Márcio Túlio et RENAULT, Luiz Otávio Linhares (Coords). O que há de novo em processo do trabalho (homenagem a Wilson Carneiro Vidigal. São Paulo: LTr, 1997, p. 203-223. PASQUALOTTO, Adalberto. Revendo a intervenção do Ministério Público no processo civil. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo: Revista dos Tribunais, n. 12, p.3743, out./nov. 1994. PASSOS José Joaquim Calmon de. Em tomo das condições da ação - A possibilidade jurídica do pedido, Revista de Direito Processual Civil, São Paulo: Saraiva, v.4, p. 5565, jun./dez.l961. Mandado de segurança coletivo, mandado de injunção, habeas data: C^uição eprocesso. Rio de Janeiro; Forense, 1989. Substituição processual e interesses difusos, coletivos e homogêneos: vale a pena "pensar" de novo? Seleções Jurídicas, Rio de Janeiro: Advocacia dinâmica, n. 3, p. 25-31, mar./l 993. PRADE Péricles. Conceito de interesses difiisos. 2. ed. São Paulo; Revista dos Tribunais, 1987. REINALDO FILHO, Demócrito Ramos. Juizados especiais cíveis: comentários à lei n. 9.099. de 26-9-1995.2. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. ROCHA José de Albuquerque. Teoria geral do processo. 3. ed. São Paulo; Malheiros Editores, 1996. RODRIGUES, Marcelo Abelha. Elementos de direito processual civil. 2.ed. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2000, v. 1. R OMITA Arion Sayão. Ação civil pública trabalhista, legitimação do Ministério PúbHco dó Trabalho para agir. Revista LTr. São Paulo, v. 56, p.1165-1169, out./1992. SÁ Djanira Maria Radamés de. Teoria geral do direito processual civil: lide e sua resolução. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1998. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. 16.ed. Sao Paulo: Saraiva, 1993, v.l. 294 SELENE, Ana Carolina. Judiciário resiste em aceitar ações. Estado de Minas, Belo Horizonte, 19 nov. 2002, Justiça, p. 25. SEVERO NETO, Manoel. Substituição processual. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002. SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 8. ed. São Paulo; Malheiros, 1992. SILVA, Ovidio A Baptista da et GOMES, Fábio. Teoria geral do processo civil. 3. ed. rev. e atua. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002. SILVA, Paula Costa e. A transmissão da coisa ou direito em litígio. Coimbra: Coimbra Editora, 1992. SIQUEIRA, Cleanto Guimarães. A defesa no processo civil: exceções substanciais no processo de conhecimento. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 1997, p. 59-118. SOARES, Fernando Luso. Tópicos e sumários de processo civil - parte geral. Lisboa: Almedina, 1991, v. 1. SOUZA, Motauri Ciocchetti de. Ação civilpública e inquérito civil. São Paulo: Saraiva, 2001. SOUZA Norberto Silveira de. Substituição processual, garantia constitucional. Jurisprudência Brasileira Trabalhista. Curitiba: Juruá, v. 35, 1992, p. 53-55. THEODORO JÚNIOR, Humberto. A tutela dos interesses coletivos (difusos) no direito brasileiro. Revista Forense. Rio de Janeiro: Forense, v. 318, p.43-53, abr./mai./jun. de 1992. Curso de direito processual civil: teoria geral do direito processual civil e processo de conhecimento. 26. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1999, v. 1. TORNAGHI, Hélio. Comentários ao código de processo civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1974, v. 1. TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. A proteção internacional dos direitos humanos:jut^àamentosjurídicos e internacionais básicos. São Paulo: Saraiva, 1991. TUCCI José Rogério Cruz e. "Class action" e o mandado de segurança coletivo: diversificações conceptuais. São Paulo: Saraiva, 1990. TUCCI Rogério Lauria et CRUZ E TUCCI, José Rogério. Constituição de 1988 e processo regramentos e garantias constitucionais doprocesso. São Paulo: Saraiva, 1989. VASCONCELOS, Regina Maria de Oliveira. A substituição processual no processo do trabalho à luz das normas processuais do código de defesa do consumidor. Revista LTr. São Paulo, V.57, I993,p. 54-55. 295 VIEIRA, José Marcos Rodrigues. Da ação civil. Belo Horizonte: Del Rey, 2002. VIGLIAR, José Marcelo Menezes. Ação civil pública ou ação coletiva? In: MILARÉ (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985 - 15 anos. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 441-457. VILHENA, Paulo Emílio Ribeiro de. Direito e processo do trabalho. Belo Horizonte: Del Rey, 1994. WAMBIER, Luiz Rodrigues, ALMEIDA, Flávio Renato correia de et TALAMINI, Eduardo. Coord. Luiz Rodrigues Wambier. Curso avançado de processo civil 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999. v. I. WATANABE, Kazuo. Disposições gerais. In: Código brasileiro de defesa do consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, p.722-784. . Tutela jurisdicional dos interesses difusos: a legitimação para agir. Revista de jurisprudência do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. São Paulo: Lex Editora S.A, v. 88, mai./jun. 1984, p.15-21.
RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar

Estudo químico e atividade mutagênica e antir..

Livre

Feedback