Feedback

Evidências científicas da associação entre fórmula infantil, fluorose e cárie dentária

 0  4  236  2017-02-01 13:52:47 Report infringing document
Documento informativo
! " ! $ % " &' ( - .//0 # ) ' + * + , NASCIMENTO: 17.01.1981 – Araçatuba/SP FILIAÇÃO: Amir Zina Magaly Guimarães Zina 2000/2003 Curso de Graduação – Faculdade de Odontologia de Araçatuba – UNESP 2004/2005 Curso de Pós-graduação em Odontologia Preventiva e Social, nível Mestrado, na Faculdade de Odontologia de Araçatuba – UNESP 2006/2009 Curso de Pós-graduação em Odontologia Preventiva e Social, nível Doutorado, na Faculdade de Odontologia de Araçatuba – UNESP, com período sanduíche na Universidade de Washington – UW (Estados Unidos) ! " ! # $ ) % & ' ( $ & ' * + , 0 1 $ 0 0 3 % & ' ( $ & , & $ $ ! 7 - ./ &0 + 2 0 -4 & % 5 8 $ 4 $ , & & 0 ) ' 4 ) % / $ 6 9: ) ) ' & 2 * . & : 0: ; < .; = .$> , = - 7 5 0 0 -5 & > 0 ? ' ' $ ? ! - % ./ &0 .; ' $ , / ' / $ & % , $ % 0 - % + < ./ &0 ) $ $ & + % < ./ &0 8 = ! , #> ' $ 5 " % * 92 0 ) ( 4 @ % * 5$0 & 0 $ , $ < $ - 6 ! - * @ = 9: 2 9 ' > A % = 5 > = > ' $ , * 8 4 %B * : 1 ' C A $ " % / / $ 2 - ) 2 Zina LG. Evidências científicas da associação entre fórmula infantil, fluorose e cárie dentária [tese]. Araçatuba: UNESP – Universidade Estadual Paulista, 2009. ! O consumo de fórmula infantil durante a primeira infância tem sido considerado um fator de risco em potencial para a fluorose e cárie dentária. O objetivo desta tese de doutorado foi avaliar, por meio de duas revisões sistemáticas e meta-análises, a relação entre o consumo de fórmula infantil e o risco de fluorose e cárie dentária. Para isso, foram consultadas oito bases de dados e listas de referências de artigos. A análise da relevância e abstração de dados foram realizadas em duplicata e independentemente por dois revisores. A qualidade dos estudos foi avaliada e os odds ratios, quando obtidos, foram combinados utilizando-se modelos de efeito aleatório. Na revisão sobre fluorose dentária, 41 de 969 publicações potencialmente elegíveis avaliaram o impacto da fórmula infantil no risco de fluorose dentária. Quatorze publicações não apresentaram os achados nos resultados. As restantes 27 publicações relataram os resultados em 19 estudos observacionais. Dezessete destes 19 estudos apresentaram odds ratio (OR) e entre eles o consumo de fórmula infantil esteve associado com uma maior prevalência de fluorose dentária na dentição permanente (OR global=1,8; intervalo de confiança de 95%=1,4-2,3). Observou-se significativa heterogeneidade entre os estudos (I-quadrado=66%) e evidência de viés de publicação (p=0,002). A metarregressão indicou que o odds ratio associado à fórmula infantil com a fluorose dentária aumentou em 5% para cada aumento de 0,1 ppm nos níveis de flúor da água de abastecimento (OR=1,05; intervalo de confiança de 95%=1,02-1,09). Na revisão sobre cárie dentária, 31 de 1.695 publicações elegíveis avaliaram o impacto da fórmula infantil no risco de cárie dentária. Duas publicações não apresentaram os achados nos resultados. As restantes 29 publicações relataram os resultados em 26 estudos observacionais. O consumo geral (OR global=1,7; intervalo de confiança de 95%=1,2-2,4) e noturno (OR global=2,0; intervalo de confiança de 95%=1,3-3,0) de fórmula infantil esteve associado com uma maior prevalência de cárie na dentição decídua. Observou-se significativa heterogeneidade entre os estudos (I-quadrado=80% e 79%), porém sem viés de publicação (p=0,189 e p=0,538). Nenhum estudo avaliou em que extensão o período de consumo e concentração de açúcar na fórmula poderiam explicar as associações significativas entre fórmula infantil-cárie. A qualidade metodológica variou através dos estudos. Conclui-se que o consumo de fórmula infantil está associado a um aumento no risco de cárie e fluorose dentária, esta última dependente do nível de flúor na água de abastecimento. A evidência de que o flúor na fórmula infantil pode ser a causa de fluorose dentária é fraca, já que outros mecanismos poderiam explicar a associação observada. O consumo de leite materno ao invés da fórmula infantil deve ser encorajado baseado em seus efeitos positivos sobre a saúde e desenvolvimento da criança. Palavras-chave: Metanálise. Fórmulas infantis. Fluorose dentária. Cárie dentária. Epidemiologia. Zina LG. Scientific evidence on infant formula, fluorosis and dental caries association [thesis]. Araçatuba: UNESP – São Paulo State University, 2009. " # $# Infant formula consumption during childhood has been considered a potential risk factor for enamel fluorosis and dental caries. The aim of this doctorate thesis was to evaluate, through two systematic reviews and meta-analysis, the relationship between infant formula consumption and the risk of enamel fluorosis and dental caries. Eight databases and reference list of articles were searched. Assessment of relevance and data abstraction were conducted in duplicate and independently by two reviewers. Study quality was assessed and odds ratios, when obtainable, were combined using a random-effects model. In the fluorosis systematic review, 41 out of 969 potentially eligible publications evaluated the impact of infant formula on enamel fluorosis risk. Fourteen publications did not report the findings in the results. The remaining 27 publications reported on 19 observational studies. Seventeen of these 19 studies reported odds ratio (OR) and among these infant formula consumption was associated with a higher prevalence of enamel fluorosis in the permanent dentition (summary OR=1.8; 95% confidence interval=1.4-2.3). There was significant heterogeneity among studies (I-squared=66%) and evidence of publication bias (p=0.002). A metaregression indicated that the odds ratios associating infant formula with enamel fluorosis increased by 5% for each 0.1 ppm increase in the reported levels of fluoride in the water supply (OR=1.05, 95% confidence interval=1.02-1.09). In the dental caries systematic review, 31 out of 1695 eligible publications evaluated the impact of infant formula on dental caries risk. Two publications did not report the findings in the results. The remaining 29 publications reported on 26 observational studies. General (summary OR=1.7; 95% confidence interval=1.2-2.4) and nocturnal (summary OR=2.0; 95% confidence interval=1.33.0) infant formula consumption was associated with a higher prevalence of caries in the primary dentition. There was significant heterogeneity among studies (I-squared=80% and 79%), but no presence of publication bias (p=0.189 and p=0.538). No studies evaluated to what extent the period of consumption and sugar concentration in the formula explained significant infant formula-caries associations. The methodological quality varied across studies. In conclusion, infant formula consumption is associated with an increased risk of dental caries and enamel fluorosis, which is dependent on the level of fluoride in the water supply. The evidence that the fluoride in the infant formula may be the cause of enamel fluorosis was weak, as other mechanisms could explain the observed association. The consumption of breast milk rather than infant formula should be encourage due to its positive effects on children’ health and development. Keywords: Meta-analysis. Infant formula. Dental fluorosis. Dental caries. Epidemiology. % & Capítulo 1 Figura 1 Escala de evidência científica dos trabalhos. 32 Figura 2 Cenário de busca no PUBMED. 35 Figura 3 Forest Plot. 42 Figura 4 L’Abbé plot. 43 Figura 5 Gráfico de funil. 44 Fluxograma do processo de seleção das publicações sobre fórmula 62 Capítulo 2 Figura 1 infantil, aleitamento materno e fluorose. Figura 2 Forrest plot do odds ratio da associação entre fórmula infantil e 68 fluorose. Figura 3 Gráfico de funil representando o viés de publicação. 69 Figura 4 Gráfico de dispersão e regressão do logaritmo do odds ratio para 70 fluorose associada com fórmula infantil contra o nível médio de flúor da água de abastecimento. Capítulo 3 Figura 1 Fluxograma do processo de seleção das publicações sobre fórmula 91 infantil, aleitamento materno e cárie. Figura 2 Forrest plot do odds ratio da associação entre consumo geral de 100 fórmula infantil e cárie dentária. Figura 3 Forrest plot do odds ratio da associação entre consumo noturno de fórmula infantil e cárie dentária 100 Figura 4 Gráfico de funil apresentando relativa simetria entre os estudos que 101 avaliaram o consumo geral de fórmula infantil. Figura 5 Gráfico de funil apresentando simetria entre os estudos que avaliaram o consumo noturno de fórmula infantil. 101 % ' Capítulo 1 Quadro 1 Etapas da realização de uma revisão sistemática. 33 Quadro 2 Descrição de algumas medidas de efeito presentes em revisões 40 sistemáticas. Quadro 3 Revisão sistemática versus revisão tradicional. 46 % # ( Capítulo 2 Tabela 1 Descrição dos estudos sobre os efeitos do uso da fórmula infantil na 66 fluorose dentária. Capítulo 3 Tabela 1a Descrição dos estudos sobre os efeitos do uso da fórmula infantil na 94 cárie dentária. Consumo geral de fórmula infantil. Tabela 1b Descrição dos estudos sobre os efeitos do uso da fórmula infantil na 96 cárie dentária. Consumo noturno de fórmula infantil. Tabela 1c Descrição dos estudos sobre os efeitos do uso da fórmula infantil na cárie dentária. Consumo de fórmula infantil com adição de açúcar. 97 % ( MBE Medicina Baseada em Evidência OBE Odontologia Baseada em Evidência FI Fórmula Infantil AM Aleitamento Materno OR Odds ratio (Razão de Chances) IC Intervalo de Confiança CI Confidence Interval (Intervalo de Confiança) OMS Organização Mundial da Saúde EUA Estados Unidos da América USA United States of America (Estados Unidos da América) 1 INTRODUÇÃO GERAL 2 CAPÍTULO 1. Odontologia Baseada em Evidência e Revisão Sistemática: 3 4 20 Princípios e procedimentos 25 2.1 Resumo 26 2.2 Abstract 27 2.3 Introdução 27 2.4 Odontologia Baseada em Evidência 28 2.5 Revisão Sistemática 31 2.6 Considerações finais 47 2.7 Referências 47 CAPÍTULO 2. Fórmula Infantil e fluorose dentária: revisão sistemática 52 3.1 Resumo 53 3.2 Abstract 54 3.3 Introdução 54 3.4 Materiais e Métodos 56 3.5 Resultados 61 3.6 Discussão 70 3.7 Conclusões 74 3.8 Referências 75 CAPÍTULO 3. Fórmula Infantil e cárie dentária: revisão sistemática 80 4.1 Resumo 81 4.2 Abstract 82 4.3 Introdução 82 4.4 Materiais e Métodos 84 4.5 Resultados 90 4.6 Discussão 102 4.7 Referências 107 GLOSSÁRIO 113 APÊNDICES 118 21 )* + Nos últimos 25 anos, a prevalência de cárie dentária caiu drasticamente. O número médio de dentes cariados, perdidos ou obturados aos 12 anos de idade em países de baixa renda é de 1,9, enquanto esse número sobe para 2,1 em países de maior rendaa. No Brasil, o CPOD médio aos 12 anos de idade no último levantamento epidemiológico nacionalb, realizado no ano 2000, foi de CPOD=2,78, e tem mostrado uma queda evidente quando comparado a levantamentos anteriores – CPOD=6,65 em 1986 e CPOD=3,06 em 1996. Apesar da dificuldade em atribuir as causas do declínio nessas populações, existe um consenso sobre o importante papel desempenhado pelo flúor, particularmente presente na água de abastecimento público e nos dentifrícios. O flúor é um componente chave para a promoção de saúde e provavelmente o fator mais importante na prevenção da cárie dentária. Sabe-se que populações que consomem água com ótimos níveis de flúor desde o nascimento, comunidades que usam dentifrícios fluoretados, grupos sob regime de flúor tópico, seja por meio de bochechos fluoretados ou aplicações tópicas de flúor-gel, apresentam reduções na prevalência de cárie dentária de até 50, 15-30, 30-40, e 23-33 por cento, respectivamentec. No entanto, o uso disseminado de produtos fluoretados tornou questionável a eficácia da utilização de bochechos e géis com flúor em áreas com baixos níveis de cárie ou até mesmo com altos níveis. A exposição excessiva ao flúor durante o período de formação dos dentes, por meio da água fluoretada, dieta, água mineral, fórmulas infantis, alimentos e bebidas manufaturadas, e até métodos tópicos como os dentifrícios e outros, pela a World Health Organization. Recommendations from preventing dental diseases. Trends. Disponível em: http://www.who.int/nutrition/topics/5_population_nutrient/en/index18.html [Acessado em 31 de maio de 2009]. b Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. c WHO Expert Committee. Fluorides and oral health. Report on oral health status and fluoride use. World Health Organ Tech Rep Ser 1994;846:1-37. Marinho VC, Higgins JP, Logan S, Sheiham A. Topical fluoride (toothpastes, mouthrinses, gels or vanishes) for preventing dental caries in children and adolescents. Cochrane Database Syst Rev. 2003;(4):CD002782. 22 possibilidade de ingestão, pode levar à fluorose dentária , o que implica na necessidade de controle da sua ingestão. Durante os primeiros dois anos de vida da criança, as principais fontes alimentícias são o leite materno e seus substitutos, como fórmulas infantis. Este é um importante período relacionado também ao desenvolvimento de cárie precoce e fluorose. As fórmulas infantis têm sido avaliadas como causadoras em potencial da fluorose dentária. A ingestão de flúor por meio de fórmulas infantis pode exceder os níveis máximos toleráveis e tem sido discutida por associações internacionais, como a Associação Americana Odontológicad. Além disso, o uso de mamadeiras contendo fórmula infantil durante a primeira infância parece estar relacionado com uma maior prevalência de cárie precoce. Há considerável evidência na literatura científica, proveniente de estudos intervencionais, epidemiológicos e estudos em animais sobre a associação entre a quantidade e frequência da ingestão livre de açúcar e cárie dental. Fórmulas infantis normalmente apresentam maior teor de açúcar devido a adição deste componente durante o seu preparo e também devido à alta concentração de sacarose no produto em si. O período de consumo também pode estar relacionado com o desenvolvimento da doença, com uma maior prevalência da cárie entre crianças que receberam mamadeira noturna durante um período de tempo prolongado. No entanto, é controverso afirmar com precisão se dentre os fatores etiológicos da cárie, relacionados à prática alimentar durante a primeira infância, estão a fórmula infantil, o leite materno ou o leite de vaca; os dados são conflitantes e parece não haver uma tendência padronizada na associaçãoe. A adoção de práticas na saúde deve ser pautada na existência de comprovação de sua eficácia, eficiência e efetividade. Os achados clínicos, junto com a história do paciente e os resultados obtidos pelo tratamento realizado consitutem a evidência, em um nível de experiência individual. Já a evidência científica baseia-se na observação sistematizada por meio de estudos controlados disponíveis na literaturaf. O valor de tal evidência vai depender da natureza da pesquisa. d ADA. ADA offers interim guidance on infant formula and fluoride. Disponível em: https://www.ada.org/prof/resources/pubs/adanews/adanewsarticle.asp?articleid=2212 [Acessado em 21 de julho de 2009]. e White V. Breastfeeding and the risk of early childhood caries. Evid Based Dent 2008;9 (3):86-8. f Richards D, Lawrence A. Evidence based dentistry. Evid Based Dent 1998;1(1):7-10. 23 A revisão sistemática consiste na aplicação de estratégias científicas que limitam o viés na seleção sistemática, na avaliação crítica e na síntese de todos os estudos relevantes em um tópico específicog. Trata-se, portanto, de uma revisão de estudos que faz uso de uma abordagem sistemática, com metodologia claramente definida, visando minimizar os erros na conclusão. As revisões sistemáticas e os estudos experimentais randomizados representam os maiores níveis de evidência, enquanto que os relatos de caso e os artigos de opinião estão entre os níveis mais baixos. Esse tipo de revisão é importante porque proporciona uma ampla discussão da evidência científica disponível. Ela pode tornar claro o conhecimento sobre determinado assunto por meio de um posicionamento crítico sobre o que foi feito e o que deve ser feito. É notável o reconhecimento da necessidade atual de capacitar os pesquisadores para a metodologia da revisão sistemática e também da necessidade de todos entenderem o processo. É necessário enfatizar a importância da revisão sistemática nos cuidados de saúde baseados em evidência, sendo que estas revisões deveriam ser a chave para a aplicação de novas pesquisas. São diferentes e muitas vezes até contraditórios os relatos sobre a efetividade dos métodos de prevenção em saúde bucal. O aumento no número de revisões sistemáticas e meta-análises em odontologia publicadas nos últimos anos ainda é pequeno, havendo uma grande demanda que deve ser suprida por meio do incentivo à produção de novas revisões. Nesse sentido, em vista da importância do papel desempenhado pelas fórmulas infantis e leite materno na nutrição e desenvolvimento da criança, e diante dos diversos dados científicos conflitantes sobre o consumo da fórmula versus aleitamento materno e suas consequências na condição de saúde bucal da criança, é necessária a avaliação da evidência científica sobre o papel preventivo ou danoso desse componente. Assim, foram conduzidas duas revisões sistemáticas, objetivando avaliar a associação da fórmula infantil com a fluorose e cárie dentária. A primeira revisão – “Fórmula infantil e fluorose dentária” – foi realizada em conjunto com a Universidade de Washington (EUA), sob co-orientação do Prof. Dr. Philippe P. Hujoel, do Departamento de Epidemiologia e Ciências da Saúde Pública Odontológica, resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 21. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 22. Melo RM, Bottno MA, Galvã RKH, Soboyejo WO. Bond strengths, degree of conversion of the cement and molecular structure of the adhesive–dentine joint in fibre post restorations. J Dent 2012;40:286-94. 23. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 24. Anusavice KJ. Phillips RW. Science of dental materials. 11th, 2003. 25. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper dent 1994;19:165-8. 27 4 ARTIGOS CIENTÍFICOS 4.2 ARTIGO 2 28 Title: Influence of light transmission through fiber posts on the microhardness and bond strength Authors: Morgan LFSA, Gomes GM, Poletto LTA, Ferreira FM, Pinotti MB, Albuquerque RC. Abstract Introduction: The aim of this study was to investigate the influence of light transmission through fiber posts in microhardness (KHN) and bond strength (BS) from a dual cured resin cement. Methods: Five fiberglass posts of different types and manufacturers represent a test group for the analysis of KHN (N=5) and BS and their displacement under compressive loads (N = 8). For the analysis of KHN a metallic matrix was developed to simulate the positioning of the cement after the cementation process intra radicular posts. The resistance to displacement, which will provide data of BS was measured using bovine incisors. After cementation, cross sections of the root portion of teeth in space led to post 1mm discs that have been tested for BS. The values were statistically analyzed by ANOVA, followed by Tukey's (P <0.05) between groups for KHN and BS. Results: The results showed no statistical differences for the different posts in KHN. For BS, the sum of thirds, a translucent post showed the highest values. Comparative analysis between the thirds of each post also showed statistically significant differences when comparisons of the same post-thirds showed no differences. Conclusion: For the cement used, the amount of light transmitted through the post did not influence the KNH nor the BS significantly, among the different posts and thirds evaluated. Key Words: light transmission, dental posts, microhardness, bond strength. 29 Introduction The use of pre-fabricated posts in the reconstruction of endodontically treated teeth, whose main objective is to retain the material reconstruction and minimize the occurrence and complexity of fractures, is well established in the literature (1). Clinically, the mechanical and chemical characteristics of fiber posts justify their usage (2). In relation to resin cements, three options regarding the method of polymerization are available: self-polymerizing, light-cured or dual polymerization (dual). Understanding the mechanism of polymerization of these systems (3) the choice of materials that do not depend on light seems to be more reliable for cementing intra radicular fiber posts. To investigate the capability of transmitting light by translucent post is the target of several recent authors (4-9). Most studies point to the decrease in light intensity (LI) by increasing the root depth. Quantitative assessments of LI, hardness, elastic modulus and degree of conversion can be found in these works. Undesirable effects of incomplete polymerization of the resin cements are of biological (10-12) due to toxicity, and mechanical (8,9,13-15), due to low bond strength values are described in the literature. The aim of this study is to investigate the effect of light transmission through fiber posts in Knoop microhardness number (KHN) and bond strength (BS) of a dual resin cement. The null hypothesis is that there is no statistically significant difference in KHN and BS for different depths evaluated for the dual resin cement following cementation of translucent posts. Material e Methods Five different fiber posts of two types and one resin cement were involved (Table 1). 30 Table 1 – Description of the posts and cement used. Post Manufacturer/Lote Type Quimical composition FGM Produtos Odontológicos Glass Fibers (80% ± 5), epoxy resin (20% ± 5), silica, silane and T1 Translucent (Brazil)/140410 polymerising promoters. Bisco, INC T2 Translucent (EUA)/0800007811 Glass Fibers (55%), Epoxy (45%). TetraethyleneglycolDimethacrylate (7.6%), Urethane Ivoclar-Vivadent Dimethacrylate (18.3%), Silicium Dioxide (0.9%), Ytterbium T3 Translucent (Liechtenstein)/M72483 Fluoride (11.4%), catalysers and stabilisers (<0.3%). Glass Fibers. C1 Ângelus (Brazil)/14818 Conventional Glass Fibers (87%), Epoxy resin (13%). C2 Ângelus (Brazil)/14874 Conventional Carbon Fibers (79%), Epoxy Resin (21%). Resin Cement Rely-X Unicem 3M ESPE (USA)/372990 Self-etch/ Dual Cure Powder: glass particles, initiators, sílica, substituted pyrimidine, calcium hidroxide, peroxide composite and pigment; liquid: metacrylate phosphoric acid Ester, dimethacrylate, acetate, stabilizer and initiator. White Post DC (FGM, Joinville, SC-Brazil), DT Light Post (Bisco, Inc, Schaumburg, ILUSA) and FRC Postec Plus (IvoclarVivadent, Liechtenstein) with similar compositions but with different amounts of chemical components, represent translucent (T) type, T1, T2 and T3 respectively. Exacto and Reforpost Carbon Fiber (Both Ângelus, Londrina, Pr-Brazil) with different compositions but opaque, represent conventional (C) type, C1 and C2 respectively. The posts were cut to standard height of 16 mm for both analysis, KHN and RA. KHN measurements The assessments targeted three different depths, namely: cervical third (CT), at a 4.1 to 6.8mm depth; middle third (MT), at an 8.8 to 11.5mm depth; and apical third (AT), at a 13.5 to 16mm depth. 31 A metallic apparatus matrix was designed and manufactured to support the posts, resin cement, and the tip of a curing light unit. Such a metallic apparatus consisted of four parts as showed in figure 1. Figure 1. Metallic matrix: (a) a frame, which contained the posts (e), (b) a support to standardize the position and volume of resin cement, (c) a support to standardize the length of each three third deep post regions and stabilize the set, (d) and an external cylinder, which holds the other part as well as incorporates the tip of curing light unit (f) at the top and also obstructs the influence of external sources of light. Patented CTIT/UFMG (BR 20 2012 015542 2). The frames were manufactured in the exact dimensions of each post by means of an electro erosion machining. Aimed at standardizing the quantitative radial light transmission, each third of the posts contained a 120-degree lateral side opening. The three thirds, were supposed to be assessed simultaneously. The measurement of all thirds, one at a time, was possible because the matrix allowed the removal of the resin cement blocks, separately, after polymerization, without destroying them. The matrix’s internal structure provided an adequate separation of each 32 third, which permitted their accurate evaluation. Each one was 1,6mm wide and 2,70 mm length. The major concern about this matrix was that the cement was inserted directly in projected spaces, in order to minimize the formation of bubbles. The posts were isolate from cement by a polyester strip. The time of light exposure was 40 seconds, and the LI remained above 420mW/cm2. The light curing unit used was Curing Light 2500(3M ESPE, USA). The set consisting of the curing light unit, the matrix, the post and the resin cement remained still throughout the assessments. After ten minutes, including 40s photopolymerization, the specimens were removed from the matrix and were immediately included in pre-molds (Buehler, USA) with crystal resin with black pigment and were poured into the device by using a Cast N’vac (Buehler, USA). After the cure of crystal resin, the specimens were removed from the pre-molds and stored dry, out of reach of light during 7 days. The surface to be analyzed was sequentially polished with # 320 to 1200-grit SiC papers and felt with diamond polish paste (Buehler, USA). A control group, using T1, was made of the same method but without a photopolymerization. KHN measurement was performed by a Micromet 5104(Buehler, Japan) using a static load of 50g for 10s. Sequentially, three indentations were performed for each third of each group. The values were obtained from the reading of the average of three indentations oriented long axis of the nov./2002. MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. A intervenção do Ministério Público no processo civil brasileiro. Sao Paulo: Saraiva, 1989. Machado filho, Sebastião. Da substituição processual. Revista LTr, São Paulo, 1993, V.57.P. 1306-1311. MACIEL, José Alberto Couto. Substituição genérica pelo sindicato. Jurisprudência Brasileira Trabalhista. Curitiba; Juruá, 1992, v. 35, p. 25-26,. Maciel júnior, Vicente de Paula. Direito e interesse. Texto divulgado pelo autor na Pós-Graduação do Curso de Direito da PUC/MG. 2002. MANCUSO, Rodolfo de Camargo. A ação civil pública como instrumento de controle judicial das chamadas políticas públicas. In: MILARÉ (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985-15 anos. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p.753-798. . A ação civil pública trabalhista; análise de alguns pontos controvertidos. Revista LTr. São Paulo, v. 60, 1996, p. 1180-1196. . Interesses difusos: conceito e legitimação para agir. 4. e. revi. e atual. São Paulo; Revista dos Tribunais, 1997. . Uma análise comparativa entre os objetos e as legitimações ativas das ações vocacionadas à tutela dos interesses metaindividuais: mandado de segurança coletivo, ação civil pública, ações do código de defesa do consumidor e ação popular. Revista Justitia, São Paulo, v. 160, 1992, p. 181-203. 292 MARINONI, Luiz Guilherme et ARENHART, Sérgio Cruz. Manual do processo de conhecimento: a tutela jurisdicional através do processo de conhecimento. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil. Campinas: Millennium, 1999, v. I e v. II. MARTINS FILHO, Ives Gandra. Ação civil pública e ação civil coletiva. Revista LTr. São Paulo, V.59, p. 1449- 1451, nov./I995. MARTINS FILHO, Ives Gandra da silva. O Ministério Público do Trabalho. In: Revista LTr, São Paulo, n. 56, p.1297-1301, nov./1992. MAZZILLI, Hugo Nigro. A ação civil pública. In: Livro de estudos jurídicos. Coord. TUBENCHALK, James e BUSTAMANTE, Ricardo. Rio de Janeiro: Instituto de Estudos Jurídicos, 1992, v.4, p.95-106. . A ação civil pública no estatuto da criança e do adolescente. Revista dos Tribunais, São Paulo; RT, ano 79, v. 659, p. 36-39, set./ 1990. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 18. ed. 2. tir., São Paulo. Malheiros, 1993. MENDES, Aluisio Gonçalves de Castro. Ações coletivas no direito comparado e nacional. São Paulo: Revista dos Tribimais, {Coleção Temas atuais de direito processual civil, v. 4), 2002. MILARÉ, Édis. A ação civil pública por dano ao ambiente. In: MILARÉ, Édis (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985 - 15 anos 2 ed São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 140-261. MIRANDA, Pontes de. Comentários ao código de processo civil. 5. ed. Rio de Janeiro. Forense, 1997, t. L MOREIRA, Carlos Roberto Barbosa. Os direitos difusos nas grandes concentrações demográficas. Revista de Processo, São Paulo: RT, n. 70, p. 143-153, abr./jun. de 1993. MOREIRA, José Carlos Barbosa. A ação civil pública e a língua pormguesa. In. MILARÉ, Édis (coord.). Ação civilpública: Lei 7.347/1985 -15 anos. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p.345-349. . A legitimação para a defesa dos interesses difusos no direito brasileiro. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 276, p.1-8, out./nov./dez. 1981. . Apontamentos para um estudo sistemático da legitimação extraordinári Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 404, p.9-18, jun. 1969. NERY JÚNIOR, Nelson et NERY, Rosa Maria de Andrade. comentado e legislação processual civil extravagante em vigor. Revista dos Tribunais, 2001. 293 NERY JÚNIOR, Nelson. Disposições Finais. In: Código brasileiro de defesa do consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1992. p. 915-962. OLIVEIRA JÚNIOR, Waldemar Mariz de. Curso de direito processual civil- Teoria geral do processo civil. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais Ltda.,1973, p. 11- 277. . Tutela iurisdicional dos interesses coletivos e difusos. Revista de Processo, São Paulo, V. 33, p.7-25, jan./mar. del984. PANDELOT, José Nillon Ferreira. Enunciado n. 310 do TST. In; VIANA, Márcio Túlio et RENAULT, Luiz Otávio Linhares (Coords). O que há de novo em processo do trabalho (homenagem a Wilson Carneiro Vidigal. São Paulo: LTr, 1997, p. 203-223. PASQUALOTTO, Adalberto. Revendo a intervenção do Ministério Público no processo civil. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo: Revista dos Tribunais, n. 12, p.3743, out./nov. 1994. PASSOS José Joaquim Calmon de. Em tomo das condições da ação - A possibilidade jurídica do pedido, Revista de Direito Processual Civil, São Paulo: Saraiva, v.4, p. 5565, jun./dez.l961. Mandado de segurança coletivo, mandado de injunção, habeas data: C^uição eprocesso. Rio de Janeiro; Forense, 1989. Substituição processual e interesses difusos, coletivos e homogêneos: vale a pena "pensar" de novo? Seleções Jurídicas, Rio de Janeiro: Advocacia dinâmica, n. 3, p. 25-31, mar./l 993. PRADE Péricles. Conceito de interesses difiisos. 2. ed. São Paulo; Revista dos Tribunais, 1987. REINALDO FILHO, Demócrito Ramos. Juizados especiais cíveis: comentários à lei n. 9.099. de 26-9-1995.2. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. ROCHA José de Albuquerque. Teoria geral do processo. 3. ed. São Paulo; Malheiros Editores, 1996. RODRIGUES, Marcelo Abelha. Elementos de direito processual civil. 2.ed. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2000, v. 1. R OMITA Arion Sayão. Ação civil pública trabalhista, legitimação do Ministério PúbHco dó Trabalho para agir. Revista LTr. São Paulo, v. 56, p.1165-1169, out./1992. SÁ Djanira Maria Radamés de. Teoria geral do direito processual civil: lide e sua resolução. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1998. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. 16.ed. Sao Paulo: Saraiva, 1993, v.l. 294 SELENE, Ana Carolina. Judiciário resiste em aceitar ações. Estado de Minas, Belo Horizonte, 19 nov. 2002, Justiça, p. 25. SEVERO NETO, Manoel. Substituição processual. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002. SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 8. ed. São Paulo; Malheiros, 1992. SILVA, Ovidio A Baptista da et GOMES, Fábio. Teoria geral do processo civil. 3. ed. rev. e atua. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002. SILVA, Paula Costa e. A transmissão da coisa ou direito em litígio. Coimbra: Coimbra Editora, 1992. SIQUEIRA, Cleanto Guimarães. A defesa no processo civil: exceções substanciais no processo de conhecimento. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 1997, p. 59-118. SOARES, Fernando Luso. Tópicos e sumários de processo civil - parte geral. Lisboa: Almedina, 1991, v. 1. SOUZA, Motauri Ciocchetti de. Ação civilpública e inquérito civil. São Paulo: Saraiva, 2001. SOUZA Norberto Silveira de. Substituição processual, garantia constitucional. Jurisprudência Brasileira Trabalhista. Curitiba: Juruá, v. 35, 1992, p. 53-55. THEODORO JÚNIOR, Humberto. A tutela dos interesses coletivos (difusos) no direito brasileiro. Revista Forense. Rio de Janeiro: Forense, v. 318, p.43-53, abr./mai./jun. de 1992. Curso de direito processual civil: teoria geral do direito processual civil e processo de conhecimento. 26. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1999, v. 1. TORNAGHI, Hélio. Comentários ao código de processo civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1974, v. 1. TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. A proteção internacional dos direitos humanos:jut^àamentosjurídicos e internacionais básicos. São Paulo: Saraiva, 1991. TUCCI José Rogério Cruz e. "Class action" e o mandado de segurança coletivo: diversificações conceptuais. São Paulo: Saraiva, 1990. TUCCI Rogério Lauria et CRUZ E TUCCI, José Rogério. Constituição de 1988 e processo regramentos e garantias constitucionais doprocesso. São Paulo: Saraiva, 1989. VASCONCELOS, Regina Maria de Oliveira. A substituição processual no processo do trabalho à luz das normas processuais do código de defesa do consumidor. Revista LTr. São Paulo, V.57, I993,p. 54-55. 295 VIEIRA, José Marcos Rodrigues. Da ação civil. Belo Horizonte: Del Rey, 2002. VIGLIAR, José Marcelo Menezes. Ação civil pública ou ação coletiva? In: MILARÉ (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985 - 15 anos. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 441-457. VILHENA, Paulo Emílio Ribeiro de. Direito e processo do trabalho. Belo Horizonte: Del Rey, 1994. WAMBIER, Luiz Rodrigues, ALMEIDA, Flávio Renato correia de et TALAMINI, Eduardo. Coord. Luiz Rodrigues Wambier. Curso avançado de processo civil 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999. v. I. WATANABE, Kazuo. Disposições gerais. In: Código brasileiro de defesa do consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, p.722-784. . Tutela jurisdicional dos interesses difusos: a legitimação para agir. Revista de jurisprudência do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. São Paulo: Lex Editora S.A, v. 88, mai./jun. 1984, p.15-21.
Evidências científicas da associação entre fórmula infantil, fluorose e cárie dentária
RECENT ACTIVITIES
Autor
Documento similar

Evidências científicas da associação entre fórmula infantil, fluorose e cárie dentária

Livre