O sujeito lírico em Dispersão: aspectos da modernidade na obra de Mário de Sá-Carneiro

 0  3  93  2017-02-01 13:54:10 Report infringing document
unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JÚLIO DE MESQUITA FILHO” Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP RICARDO MARQUES MARTINS O SU CO O EM D DISP PE ER RSSÃO: UJEITO L LÍÍRIIC ASPECTOS DA MODERNIDADE NA OBRA DE MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO ARARAQUARA – SP. 2008 RICARDO MARQUES MARTINS O ÃO O: EIITO LÍR RIC CO E EM M DIISSPERSÃ O SUJJE ASPECTOS DA MODERNIDADE NA OBRA DE MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, campus de Araraquara, como requisito para obtenção do título de Mestre em Estudos Literários. Linha de pesquisa: Teoria e Crítica da Poesia Orientadora: Profa. Dra. Maria Lúcia Outeiro Fernandes ARARAQUARA – SP 2008 Martins, Ricardo Marques O sujeito lírico em Dispersão: aspectos da modernidade na obra de Mário de Sá-Carneiro / Ricardo Marques Martins – 2008 92 f.; 30 cm Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara Orientador: Maria Lúcia Outeiro Fernandes l. Literatura -- História e crítica -- Teoria. 2. Modernidade. 3. Poesia portuguesa. 4. Sá-Carneiro, Mário de, 1890-1916. I. Título. FOLHA DE APROVAÇÃO RICARDO MARQUES MARTINS O O SSUJEIITO LÍR RIICO EM MD DISSPPEERSÃÃO: A DEE AD RA BR OB AO NA DEE N AD DA NIID RN DEER OD MO AM DA OSS D CTTO ASSPPEEC O R I E N R A C Á S E D O I R Á M MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquista Filho”, campus de Araraquara, como requisito para obtenção do título de Mestre em Estudos Literários. Linha de pesquisa: Teorias e Crítica da Poesia Orientadora: Prof. Dra. Maria Lúcia Outeiro Fernandes Data de aprovação: 10/ 06 / 2008. MEMBROS COMPONENTES DA BANCA EXAMINADORA: Presidente e Orientador: Profª. Drª. Maria Lúcia Outeiro Fernandes Professora Doutora de Literatura Portuguesa da FCLAR/UNESP–Araraquara. Membro Titular: Profª. Drª. Annie Gisele Fernandes Professora Doutora de Literatura Portuguesa da FFLCH / Universidade de São Paulo. Membro Titular: Profª. Drª. Maria de Lourdes Ortiz Gandini Baldan Professora Doutora de Teoria Literária da FCLAR /UNESP – Araraquara. Local: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e Letras UNESP – Campus de Araraquara Aos três grandes mestres responsáveis pela minha formação: meus pais Claudina e Antonio; e Maria dela Fontes Fernandes, que me apresentou o universo literário. AGRADECIMENTOS A Deus – por ter ouvido as minhas preces e tantas lamentações. À família – pelo incentivo, apoio e crença incondicionais. Aos amigos – pela desmedida paciência e compreensão nos momentos difíceis. Aos colegas de trabalho, coordenadores e alunos dos colégios – pela compreensão quanto ao descumprimento de prazos. Aos professores das disciplinas e membros da banca – pela sabedoria compartilhada. A Maria Lúcia Fernandes – por todos os motivos anteriores. Não me destruas, Poema, enquanto ergo a estrutura do teu corpo e as lápides do mundo morto. Não me lapidem, pedras, se entro na tumba do passado ou na palavra-larva. Não caias sobre mim, que te ergo, ferindo cordas duras, pedindo o não-perdido do que se foi. E tento conformar-te à busca do buscado. Não me tentes, Palavra, além do que serás num horizonte de Vésperas. Dora Ferreira da Silva (2004, p.30). RESUMO A presente dissertação apresenta um estudo da obra Dispersão, do poeta modernista português Mário de Sá-Carneiro, publicada em 1914. O método de investigação do corpus, sob a perspectiva da Semiótica (principalmente no campo da Figuratividade), da Filosofia e da Teoria Literária, foi dividido em dois momentos: a microanálise e a macroanálise. Na primeira parte foi analisado de maneira sistemática o poema de abertura da obra, “Partida”, com o objetivo de reunir unidades temáticas e forma de construção do texto, destacando-se a questão do gênio e a construção do delírio poético. O segundo passo foi estender tais instâncias para os outros poemas do livro, com o objetivo de configurá-las como recorrências na obra do poeta. A conclusão coteja as duas partes e propõe uma estrutura mínima da poética carneiriana, fundamentada nas teorias da modernidade, principalmente relacionadas à construção do sujeito lírico e ao diálogo com a tradição. Palavras-chave: Mário de Sá-Carneiro. Dispersão. Poesia Portuguesa. Modernidade. ABSTRACT This dissertation presents a study of the book Dispersão from the modern Portuguese poet Mário de Sá-Carneiro published in 1914. The corpus investigation method, under the Semiotics (specially on Figurativity), Philosophy and Literary Theory perspective, was divided into two phases: the microanalysis and the macroanalysis. The first part, the overture poem from Dispersão, “Partida”, was systematically analyzed aiming at to gather thematic units and form used in the poem construction, highlighting the genius issue and the poetical delirious construction. The second part consisted in extending such elements to other poems of the book in order to represent them as recurrences in the poet’s work. The conclusion compares both parts to propose a minimum structure to Sá-Carneiro’s poetry, based on theories of modernity specially concerning the lyrical subject construction and the dialogue with literary tradition. Keywords: Mário de Sá-Carneiro. Dispersão. Portuguese Poetry. Modernity. SUMÁRIO INTRODUÇÃO . p. 10 PARTE I – A MICROANÁLISE . p. 18 1 APRESENTAÇÃO DO POEMA “PARTIDA” . p. 19 1.1 A composição do texto . p. 19 1.2 Transcrição . p. 21 2 ANÁLISE DO TEXTO . p. 23 2.1 Considerações .p. 23 2.2 O título .p. 23 2.3 A arquitetura do poema .p. 25 2.4 Levantamento dos temas .p. 29 2.4.1 O gênio .p. 29 2.4.2 Fundamentos da criação poética .p. 32 2.4 3 O delírio .p. 36 PARTE II – A MACROANÁLISE .p. 42 3. A QUESTÃO DO GÊNIO.p. 43 3.1 Algumas idéias sobre o gênio .p. 43 3.2 Roteiro para um estudo do gênio .p. 45 3.2.1 O indivíduo marcado pela diferença .p. 46 3.2.2 O (auto) isolamento .p. 50 3.2.3 O gênio criativo.p. 55 4. O DELÍRIO POÉTICO .p. 59 4.1 Algumas considerações e conceitos . p. 59 4.2 A construção semiótica do delírio . p. 64 4.2.1 A referencialidade . p. 64 4.2.2 A figuratividade . p. 66 4.2.2 1 Procedimentos de figurativização . p. 67 4.2.2 2 O processo de Figuração .p. 70 4.2.2 3 O efeito de sentido de “delírio” .p. 71 4.2.2 4 A iconização . p. 73 4.3 A investigação filosófica do delírio . p. 74 4.3.1 A teoria platônica . p. 75 4.3.2 As transgressões na poética de Sá-Carneiro . p. 78 CONSIDERAÇÕES FINAIS . p. 84 REFERÊNCIAS . p. 87 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA .p. 91 10 INTRODUÇÃO A vida é um lugar-comum. Eu soube evitar esse lugar-comum. Mário de Sá-Carneiro (1995, p.477). A poesia de Mário de Sá-Carneiro apresenta inusitado sujeito lírico que fascina de imediato. Desde o primeiro contato com o poema “Dispersão”1, ficou a incômoda sensação de que aquela estranha e perturbadora poesia me perseguiria por um tempo2. A angústia, o delírio, a solidão e a busca do sujeito lírico por si mesmo, representados naquele poema, repercutiram na alma adolescente que encontrou, no texto do poeta suicida, a expressão poética e sublime do sofrimento. Esta pode ser considerada minha primeira experiência com o poder fascinante do texto poético. Represada na memória, a potência própria desta poesia eclodiu com a leitura de outros poemas do autor. Algo precisava ser feito para investigar o encantamento e a força provocados pela obra de Sá-Carneiro, delinear as técnicas e procedimentos utilizados para se conseguir tal efeito. Amadurecida pelo tempo, pela teoria e iluminada pela crítica literária, a presente pesquisa é uma tentativa de minimizar a inquietação provocada pela poesia de Sá-Carneiro ao longo desses anos. Mário de Sá-Carneiro (1890-1916) é considerado um dos mais importantes poetas portugueses do início do século XX. A história literária destaca-o como integrante do grupo fundador da revista Orpheu, responsável pela instauração do Modernismo em Portugal. Apesar de sua breve existência3, o poeta deixou uma vasta produção literária reunida, pela primeira vez em Portugal, em Obra Completa (1945-1946) – que compila os poemas dos livros Dispersão (1914), Indícios de Oiro (1937), Últimos Poemas (1937), Poemas dispersos e Primeiros Poemas (1945); além da sua produção em prosa, marcadamente poética: Princípio (1912), A Confissão de Lúcio (1914), Céu em Fogo (1915) e Contos dispersos (1945-1946). Tal edição também reúne a produção dramática, representada pelas peças Amizade (1912) e A alma (1945-1946), e a correspondência literária, crítica e confessional. 1 O poema integra e intitula o primeiro conjunto de poemas publicado por Sá-Carneiro, em dezembro de 1913, mas datado de 1914. 2 Neste primeiro parágrafo, tomei a liberdade de fazer uso da primeira pessoa do singular em vez da primeira do plural, como é recomendado. Nos parágrafos posteriores, obedeço à recomendação. 3 Sá-Carneiro começa a escrever poesia em 1902 (aos doze anos) e tem sua produção interrompida com o suicídio, aos 25 anos. 11 No Brasil, sua produção literária foi publicada pela editora Nova Aguilar, também com o título de Obra Completa (SÁ-CARNEIRO, 1995). Por meio do estudo da crítica e das teorias poéticas, e mesmo com a possibilidade de trabalharmos com as mais variadas abordagens metodológicas, a dificuldade primeira, que não dissipava, consistia em encontrar o “ponto de partida” para investigarmos tal fenômeno poético. Desde a preparação do Projeto de Pesquisa para o exame de seleção do Mestrado, é impossível levantarmos todas as mudanças pelas quais passaram o tema, o enfoque e o título deste trabalho. Descrever algumas dessas transformações permite-nos vislumbrar a evolução e o amadurecimento da presente pesquisa. Inicialmente, a proposta de trabalho apresentada foi investigarmos a imagem do labirinto e a presença dos mitos a ele relacionados na poesia de Sá-Carneiro. Em tal investigação, pretendíamos esclarecer como o sujeito lírico assumia características dos personagens míticos Ícaro, Dédalos e Minotauro e como, por meio de sua poesia, construía um labirinto poético em que se confinava, trilhando espaços delirantes que o conduziam à autodestruição. A intricada proposta foi substituída pela investigação das relações entre a poesia carneiriana e o orfismo, que resultou na publicação do texto “A recriação de Orfeu na poesia de Mário de Sá-Carneiro” no caderno de resumos da XXI Semana de Estudos Clássicos. Posteriormente, o estudo dos mitos relacionados ao estudo da alma, apresentados na obra platônica Fedro (2001), abriu espaço para a investigação filosófica do delírio, tema importante da obra de Sá-Carneiro4. Era necessário, além da investigação empreendida no campo da tradição clássica, o estudo dos fundamentos da poesia da modernidade. Ensaios de importantes poetas, paralelamente cotejados com a teoria e a crítica literárias, alicerçaram tal empreendimento. Verificamos que uma das principais marcas da modernidade revelava-se por meio da consciência crítica que os poetas apresentavam em relação à criação poética. A partir de tal estudo e, sobretudo, no confronto com a obra carneiriana, constatamos que Sá-Carneiro não escrevera ensaios sobre a arte e, principalmente, sobre a poesia em transformação no início do século XX. A investigação sobre uma possível crítica carneiriana remeteu tal pesquisa aos outros textos do poeta: cartas (em especial aquelas trocadas com Fernando Pessoa), contos, novela e drama. O aspecto metapoético da obra de Sá-Carneiro só foi percebido por meio de uma leitura mais crítica tanto das cartas quanto de outros textos do autor, como o conto 4 “O mito platônico na poesia de Sá-Carneiro”, monografia apresentada para conclusão da disciplina Mito e Poesia, ministrada pelo Prof. Dr. Fernando Brandão dos Santos e Prof. Dr. João Batista Toledo Prado, no primeiro semestre de 2006. 12 "Asas" do conjunto de contos Céu em fogo, por exemplo, que traçaram uma nova perspectiva no estudo do livro Dispersão. O sujeito lírico passou a ser visto não somente como manifestação do estado interior do poeta e uma possível aplicação da teoria dissonante de Hugo Friedrich (1991), mas também como expressão da busca de conceituação do ser, da função do poeta e da poesia. O caráter metapoético emergiu na releitura da poesia. Há que se concordar que o poema, por mais que tente se afastar da metalinguagem ou de uma autoconsciência crítica, expressa ou concretiza uma teoria poética. No caso específico de Mário de Sá-Carneiro, a poesia anuncia, de maneira explícita, uma consciência e uma crítica sobre a própria arte. A investigação da teoria poética do autor deveria, então, partir dos seus próprios poemas. Tal idéia foi utilizada para a elaboração da monografia “Pontos de ‘Partida’: aspectos da poesia de Mário de Sá-Carneiro”5, e contribuiu para que delineássemos a presente pesquisa. O poema, eixo sobre o qual se desenvolveu o trabalho, é justamente o texto de abertura de Dispersão, “Partida”. A monografia propôs-se a analisar o poema quanto à composição e aos temas nele desenvolvidos. Feito o levantamento dos dados, fundamentado principalmente na teoria da dissonância de Friedrich, chegamos à conclusão de que a estrutura fundamental do poema se apoiava em níveis de tensão entre os Planos da Expressão e do Conteúdo e de que os temas, ali delineados (o delírio poético e a questão do gênio), eram desenvolvidos em outros poemas e textos do autor. A leitura do texto O Poema e as Máscaras, de Carlos Felipe Moisés (1999)6, orientou a pesquisa que segue, ao fornecer um método interessante e uma estrutura de análise apropriada para o desenvolvimento do nosso trabalho. Era ainda necessário o aprofundamento da pesquisa quanto à investigação do delírio e das tensões entre os Planos da Expressão e do Conteúdo. O mergulho no campo da Semiótica contribuiu para a investigação de tais aspectos, delineados em monografia para a conclusão da disciplina Semiótica e Literatura7, “A construção do delírio: a figuratividade na obra de Mário de Sá-Carneiro”. Esboçados o percurso e as fundamentações teóricas relevantes, definimos que o núcleo da presente pesquisa seria a investigação da poesia de Sá-Carneiro, a partir da análise do sujeito lírico, seus estados, relações com mundo exterior e construções delirantes. Afinado com a poética da modernidade, Sá-Carneiro alicerça sua obra sobre a criação de efeitos de 5 Monografia apresentada para conclusão da disciplina Poesia: teorias e crítica, ministrada pela Profa. Dra. Guacira Marcondes Machado Leite, no primeiro semestre de 2006. 6 O autor, resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 21. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 22. Melo RM, Bottno MA, Galvã RKH, Soboyejo WO. Bond strengths, degree of conversion of the cement and molecular structure of the adhesive–dentine joint in fibre post restorations. J Dent 2012;40:286-94. 23. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 24. Anusavice KJ. Phillips RW. Science of dental materials. 11th, 2003. 25. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper dent 1994;19:165-8. 27 4 ARTIGOS CIENTÍFICOS 4.2 ARTIGO 2 28 Title: Influence of light transmission through fiber posts on the microhardness and bond strength Authors: Morgan LFSA, Gomes GM, Poletto LTA, Ferreira FM, Pinotti MB, Albuquerque RC. Abstract Introduction: The aim of this study was to investigate the influence of light transmission through fiber posts in microhardness (KHN) and bond strength (BS) from a dual cured resin cement. Methods: Five fiberglass posts of different types and manufacturers represent a test group for the analysis of KHN (N=5) and BS and their displacement under compressive loads (N = 8). For the analysis of KHN a metallic matrix was developed to simulate the positioning of the cement after the cementation process intra radicular posts. The resistance to displacement, which will provide data of BS was measured using bovine incisors. After cementation, cross sections of the root portion of teeth in space led to post 1mm discs that have been tested for BS. The values were statistically analyzed by ANOVA, followed by Tukey's (P <0.05) between groups for KHN and BS. Results: The results showed no statistical differences for the different posts in KHN. For BS, the sum of thirds, a translucent post showed the highest values. Comparative analysis between the thirds of each post also showed statistically significant differences when comparisons of the same post-thirds showed no differences. Conclusion: For the cement used, the amount of light transmitted through the post did not influence the KNH nor the BS significantly, among the different posts and thirds evaluated. Key Words: light transmission, dental posts, microhardness, bond strength. 29 Introduction The use of pre-fabricated posts in the reconstruction of endodontically treated teeth, whose main objective is to retain the material reconstruction and minimize the occurrence and complexity of fractures, is well established in the literature (1). Clinically, the mechanical and chemical characteristics of fiber posts justify their usage (2). In relation to resin cements, three options regarding the method of polymerization are available: self-polymerizing, light-cured or dual polymerization (dual). Understanding the mechanism of polymerization of these systems (3) the choice of materials that do not depend on light seems to be more reliable for cementing intra radicular fiber posts. To investigate the capability of transmitting light by translucent post is the target of several recent authors (4-9). Most studies point to the decrease in light intensity (LI) by increasing the root depth. Quantitative assessments of LI, hardness, elastic modulus and degree of conversion can be found in these works. Undesirable effects of incomplete polymerization of the resin cements are of biological (10-12) due to toxicity, and mechanical (8,9,13-15), due to low bond strength values are described in the literature. The aim of this study is to investigate the effect of light transmission through fiber posts in Knoop microhardness number (KHN) and bond strength (BS) of a dual resin cement. The null hypothesis is that there is no statistically significant difference in KHN and BS for different depths evaluated for the dual resin cement following cementation of translucent posts. Material e Methods Five different fiber posts of two types and one resin cement were involved (Table 1). 30 Table 1 – Description of the posts and cement used. Post Manufacturer/Lote Type Quimical composition FGM Produtos Odontológicos Glass Fibers (80% ± 5), epoxy resin (20% ± 5), silica, silane and T1 Translucent (Brazil)/140410 polymerising promoters. Bisco, INC T2 Translucent (EUA)/0800007811 Glass Fibers (55%), Epoxy (45%). TetraethyleneglycolDimethacrylate (7.6%), Urethane Ivoclar-Vivadent Dimethacrylate (18.3%), Silicium Dioxide (0.9%), Ytterbium T3 Translucent (Liechtenstein)/M72483 Fluoride (11.4%), catalysers and stabilisers (<0.3%). Glass Fibers. C1 Ângelus (Brazil)/14818 Conventional Glass Fibers (87%), Epoxy resin (13%). C2 Ângelus (Brazil)/14874 Conventional Carbon Fibers (79%), Epoxy Resin (21%). Resin Cement Rely-X Unicem 3M ESPE (USA)/372990 Self-etch/ Dual Cure Powder: glass particles, initiators, sílica, substituted pyrimidine, calcium hidroxide, peroxide composite and pigment; liquid: metacrylate phosphoric acid Ester, dimethacrylate, acetate, stabilizer and initiator. White Post DC (FGM, Joinville, SC-Brazil), DT Light Post (Bisco, Inc, Schaumburg, ILUSA) and FRC Postec Plus (IvoclarVivadent, Liechtenstein) with similar compositions but with different amounts of chemical components, represent translucent (T) type, T1, T2 and T3 respectively. Exacto and Reforpost Carbon Fiber (Both Ângelus, Londrina, Pr-Brazil) with different compositions but opaque, represent conventional (C) type, C1 and C2 respectively. The posts were cut to standard height of 16 mm for both analysis, KHN and RA. KHN measurements The assessments targeted three different depths, namely: cervical third (CT), at a 4.1 to 6.8mm depth; middle third (MT), at an 8.8 to 11.5mm depth; and apical third (AT), at a 13.5 to 16mm depth. 31 A metallic apparatus matrix was designed and manufactured to support the posts, resin cement, and the tip of a curing light unit. Such a metallic apparatus consisted of four parts as showed in figure 1. Figure 1. Metallic matrix: (a) a frame, which contained the posts (e), (b) a support to standardize the position and volume of resin cement, (c) a support to standardize the length of each three third deep post regions and stabilize the set, (d) and an external cylinder, which holds the other part as well as incorporates the tip of curing light unit (f) at the top and also obstructs the influence of external sources of light. Patented CTIT/UFMG (BR 20 2012 015542 2). The frames were manufactured in the exact dimensions of each post by means of an electro erosion machining. Aimed at standardizing the quantitative radial light transmission, each third of the posts contained a 120-degree lateral side opening. The three thirds, were supposed to be assessed simultaneously. The measurement of all thirds, one at a time, was possible because the matrix allowed the removal of the resin cement blocks, separately, after polymerization, without destroying them. The matrix’s internal structure provided an adequate separation of each 32 third, which permitted their accurate evaluation. Each one was 1,6mm wide and 2,70 mm length. The major concern about this matrix was that the cement was inserted directly in projected spaces, in order to minimize the formation of bubbles. The posts were isolate from cement by a polyester strip. The time of light exposure was 40 seconds, and the LI remained above 420mW/cm2. The light curing unit used was Curing Light 2500(3M ESPE, USA). The set consisting of the curing light unit, the matrix, the post and the resin cement remained still throughout the assessments. After ten minutes, including 40s photopolymerization, the specimens were removed from the matrix and were immediately included in pre-molds (Buehler, USA) with crystal resin with black pigment and were poured into the device by using a Cast N’vac (Buehler, USA). After the cure of crystal resin, the specimens were removed from the pre-molds and stored dry, out of reach of light during 7 days. The surface to be analyzed was sequentially polished with # 320 to 1200-grit SiC papers and felt with diamond polish paste (Buehler, USA). A control group, using T1, was made of the same method but without a photopolymerization. KHN measurement was performed by a Micromet 5104(Buehler, Japan) using a static load of 50g for 10s. Sequentially, three indentations were performed for each third of each group. The values were obtained from the reading of the average of three indentations oriented long axis of the resultando  em  um  filme  que  tem  como  motivação  as  vinganças da  mesma.  O  personagem Benjamim perde a relevância que tem no romance e o espectador  não fica imerso em tantas dúvidas, como o leitor da narrativa indicial de Chico.  As  páginas  que  não  afirmavam  a  culpa  de  Benjamim  pela  morte  de  Castana 96  Beatriz, nem a ascendência de Ariela, são transformadas em cenas de certezas  e afirmações que, em parte, excluem a narrativa indicial do primeiro autor.  Todas  as  transformações  que  a  cineasta  efetua  na  obra  de  Chico  para  elaborar  seu  filme  são  refletidas  nos  outros  textos  que  permeiam  e  dialogam  com as duas obras: capas, o site oficial de Chico Buarque e do filme Benjamim,  as  críticas  expostas  na  mídia.  Esses  outros  textos  —  sejam  eles  metatextos,  paratextos  ou  arquitextos  —  dialogam  transtextualmente  com  os  processos  que  fazem  do  romance  um  filme.  Todas  as  transformações  executadas  pela  cineasta  na  obra  do  autor  são  também  difundidas  nos  outros  textos  que  circundam  o  processo.  Tudo  isso  constrói  uma  extensa  e  infinita  rede  transtextual,  que  produz  um  diálogo  não  só  entre  as  obras  de  Chico  e  Gardenberg, mas também entre elas e outros textos.  Observar  a  obra  de  Chico  Buarque  com  esses  parâmetros,  faz­nos  perceber também a ausência de limites entre as artes e linguagens. O romance  Benjamim,  imerso  num  tom  cinematográfico,  ao  mesmo  tempo  em  que  se  transforma  na  criação  de  Gardenberg,  parece  justamente  chegar  à  sua  linguagem  ideal:  o  cinema.  A  rede  de  flashbacks  imaginada  por  Chico,  para  contar  a  história  de  um  ex­modelo  fotográfico  que  se  duplicou  na  juventude  e  assiste  a  sua  existência  como  se  fosse  um  filme  produzido  por  uma  câmera  imaginária,  cresce  nas  lentes  reais  de  Monique  Gardenberg:  o  romance  de  Chico,  por  meio  do  filme  Benjamim,  chega,  de  fato,  à  linguagem  tematizada  em sua criação. Por sua vez, ao perceber os vestígio do cinema no romance e  aventurar­se  na  adaptação  fílmica,  com  o  cuidado  de  recriar  sempre  inspirada  pelo  primeiro  autor,  Monique  Gardenberg  põe  em  cartaz  a  essência  hipertextual de Chico Buarque de Hollanda. R e f e r ê n c i a s :  97  BARROS,  Leila  Cristina;  CASTELLO  BRANCO,  Lúcia.  Desencontro,  amor  e  feminino  em  Benjamim,  de  Chico  Buarque.  2001.  Dissertação  de  mestrado,  Universidade Federal de Minas Gerais.  BARTHES,  Roland.  Introdução  à  análise  estrutural  da  narrativa.  In:  Análise  estrutural  da  narrativa:  seleção  de  ensaios  da  revista  Communications.  Trad.  Maria Zélia Barbosa Pinto. Petrópolis: Vozes, 1971.  BARTHES,  Roland.  Obra  de  massa  e  explicação  de  texto.  In:  PERRONE­  MOISÉS,  Leyla  (org).  Inéditos,  V.1  —  Teoria.  São  Paulo:  Editora  Martins  Fontes, 2004. p. 51­55.  BARTHES,  Roland.  Texto  (teoria  do).  In:  PERRONE­MOISES,  Leyla  (org).  Inéditos, V.1 — Teoria. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2004. p. 261­289.  BARTOLOMEI,  Marcelo.  Paulo  José  “vence”  Parkinson  e  Cléo  Pires  estréia  no  cinema, disponível na Folha Online. Acesso em: 01/04/04.  BENJAMIN,  Walter.  A  tarefa  do  tradutor.  Trad.  Suzana  K.  Lages.  In:  HEIDERMANN,W.  (org.).  Clássicos  da  teoria  da  tradução.  Florianópolis:  UFSC  NUT, 2001. p. 189­215.  BERNARDET,  Jean­Claude.  O  que  é  cinema.  São  Paulo:  Editora  Nova  Cultural  Brasiliense, 1985.  BRITO, João batista de. Chico Buarque no cinema. In: Chico Buarque do Brasil.  São Paulo: Garamond Editora, 2004.  BUARQUE, Chico. Benjamim. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.  BUARQUE, Chico. Budapeste. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.  BUARQUE,  Chico,  GUERRA,  Ruy.  Calabar:  o  elogio  da  traição.  São  Paulo:  Civilização Brasileira, 1973.  BUARQUE, Chico. Estorvo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.  BUARQUE,  Chico,  PONTES,  Paulo.  Gota  d'água.  Rio  de  Janeiro:  Civilização  Brasileira, 1975.  BUARQUE, Chico. Ópera do malandro. São Paulo: Círculo do Livro, 1978.  CATTRYSSE,  Patrick.  Film  (adaptation)  as  translation:  some  methodological  propoals.  In:  TARGET  v.4,  n.1.  Amsteram/Philadelphia:  Jonh  Benjamins  Publhishing Company, 1992. p. 55­90. 98  COMODO,  Roberto.  Câmera  invisível.  Revista  Isto  é,  São  Paulo,  n.  1367,  p.124­125, 13 dez 1995.  COMPAGNON,  Antoine,  Trad.  MOURÃO,  Cleonice  Paes  Barreto.  O  demônio  da  teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.  DINIZ,  Thaïs  Flores  Nogueira.  Literatura  e  Cinema:  tradução,  hipertextualidade,  reciclagem.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras  da  UFMG,  2005.  FERNANDES,  Rinaldo  de.  Chico  Buarque  do  Brasil.  São  Paulo:  Garamond  Editora, 2004.  GARDENBERG,  Monique.  In:  Prees  Book  do  filme  Benjamim.,  2003.  Distribuição:  EUROPA  Filmes.  Disponível  em  http://www.benjamimofilme.com.br/, acesso em: 11/04/06.  GENETTE, Gerard. Palimpsestes: la litterature au second degre. Paris: Editions,  1981.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva Voz. Trad. Luciene Guimarães e Maria Antônia Ramos Coutinho. Extratos:  capítulos  1,  2,  7,  40,  41,  45,  80.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras/UFMG,  2005.  GENETTE,  Gérard.  Palimpsestos:  a  literatura  de  segunda  mão.  In:  Cadernos  Viva  Voz.  Trad.  Cibele  Braga,  Mariana  Arruda  e  Miriam  Vieira.  Extratos:  capítulos 8, 13, 38, 47, 48, 49, 53, 54, 55, 57.  Belo Horizonte: Faculdade de  Letras/UFMG, 2007. No prelo.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de.  A  banda:  manuscritos  de  Chico  Buarque  de  Hollanda. Rio de Janeiro: 1966.  HOLLANDA,  Chico  Buarque  de,  KEATING,  Vallandro.  A  bordo  do  Rui  Barbosa.  São Paulo: Palavra e Imagem, 1981.  MARQUÉZ,  Gabriel  García.  Cem  anos  de  solidão.  Trad.  Eliane  Zagury.  Rio  de  Janeiro: O Globo, 1967.  MCFARLANE.  Brian.  Novel  to  film:  an  introduction  to  the  theory  of  adaptation.  Oxford University Press, 1996.  MENESES,  Adélia  Bezerra  de.  Desenho  mágico:  poesia  e  política  em  Chico  Buarque. São Paulo: HUCITEC, 1982. 99  OLIVEIRA,  Solange  Ribeiro  de.  De  mendigos  e  malandros:  Chico  Buarque,  Bertold  Brecht  e  John  Gay ­  uma  leitura  transcultural.  Ouro  Preto:  Ed.  UFOP,  1999.  OLIVERA,  Luciene  Guimarães  de,  QUEIROZ,  Sônia  Maria  de  Melo.  A  Bela  e  a  Fera  ou  a  ferida  grande  demais  de  Clarice  Lispector:  transtextualidade  e  transcrição.  2005.  Dissertação  de  mestrado.  Universidade  Federal  de  Minas  Gerais.  PEREIRA, Helena Bonito Couto. Duas personagens, dois tempos, duas versões:  Benjamim  em  livro  e  em  filme.  In:  Revista  Aletria.  Belo  Horizonte:  Ed.  UFMG,  [s.d]. No prelo.  PESSOA,  Stella.  Quem  é  Chico  Buarque  de  Hollanda.   Acesso em: 30/05/06.  QUEIROZ, Sônia (org). Estilos. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2002.  RUIZ,  Simone.  Benjamim  é  videoclipe  de  Cléo  Pires,  disponível  no  site  Adoro  cinema brasileiro. Acesso em: 30/09/03.  SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.  SILVA,  Fernando  de  Barros  e.  Filme  de  Monique  Gardenberg  gera  encanto  retardado, disponível na Folha Online. Acesso em: 02/04/04.  WERNECK,  Humberto.  Tantas  palavras.  São  Paulo:  Companhia  das  letras,  2006. F i l m o g r a f i a :  100  BENJAMIM.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Rio  de  Janeiro:  Natasha  Produções e Duetos Filmes. 2003. 108 min., color, DVD.  BRASIL  ANO  2000.  Direção  de  Walter  Lima  Jr.  Rio  de  Janeiro:  2000  Film,  Claude­Antoine e Mapa Filmes. 1969. 95 min., color, VHS.  Sinopse disponível em  http://www.geocities.com/filmescopio/filmes/ano2000.htm>  Acesso  em:  16/12/2006.  ESTORVO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Rio  de  Janeiro:  Riofilme.  2000.  95  min.,  color, VHS.  JENIPAPO. Direção de Monique Gardenberg. 1996. 100min., color, VHS.  Ó  PAÍ,  Ó.  Direção  de  Monique  Gardenberg.  Salvador:  Globo  Filmes  e  Duetos  Filmes.  2007.  98  min.,  color,  exibido  nas  salas  de  cinema  de  Belo  Horizonte  em abril de 2007.  OS  SALTIMBANCOS  TRAPALHÕES.  Direção  de  J.B.  Tanko.  Brasil:  Renato  Aragão Produções. 1981. 99min., color, DVD.  ÓPERA  DO  MALANDRO.  Direção  de  Ruy  Guerra.  Brasil:  Austra  Cinema  e  comunicações,  MK2  Productions  e  TF1  Films  Productions.  1985.  100  min.,  color, DVD.  UM  HOMEM,  UMA  MULHER  (Un  Homme  et  Une  Femme).  Direção  de  Claude  Lelouch. França: Warner Bros. 1966. 102 min., color, VHS  Sinopse disponível em    Acessado  em:  16/12/2006.  D o c u m e n to s  o n  l i n e :  www.benjamimofilme.com.br. Acesso em: 30/11/2006  www.chicobuarque.com.br. Acesso em: 30/11/2006
RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar

O sujeito lírico em Dispersão: aspectos da mo..

Livre

Feedback