As fantásticas viagens de Lúcio: o maravilhoso e o mítico em Apuleio

 0  7  8  2017-02-01 13:14:48 Report infringing document
AS FANTÁSTICAS O MARAVILHOSO VIAGENS D E LÚCIO EO MÍTICO E M APULEIO ELIETE MARLY D'ONÓFRIO* Pensando no tema Viagem.Viagens, lembrei-me da incrível viagem de Lúcio, personagem de Apuleio - autor que viveu entre 126 e 170 da era cristã, madaurense de origem, figura polêmica e controvertida como se depreende de sua obra. Nesta, podemos acompanhar a viagem ao maravilhoso - porque é a esse mundo do fantástico que nos remetem as aventuras do homem transformado em asno, e, como tal, viajante de terras inóspitas e memoráveis como as dos contos de fadas - e viagem ao mítico - porque a esse tempo nos conduzem as peripécias do jovem ansioso por conhecer as artes mágicas, bem como a própria condição de asno a que se vê submetido. Por que um asno? O próprio Lúcio, emprestando verossimilhança à sua metamorfose, afirma que as longas orelhas lhe permitiam ouvir melhor o que de outra forma lhe seria vedado. Mas parece haver também uma razão mítica, como o aponta a Profa. Sílvia de Carvalho em sua análise antropológica do Hino a Demeter e os Mistérios Eleusinos, de autoria atribuída a Homero e traduzido pela Profa. Daisi Malhadas: além disso, há indícios de que o hurro já tinha, em tempos micênicos, uma importância r eligiosa que, suspeitamos, deve estar ligada justamente ao sacerdócio. Lévèque(.) reproduz um afresco de Tirinto, mostrando uma procissão de personagens com cabeças de burro. Podemos lembrar também a obra de Apuleio (O Asno de Ouro ou As Metamorfoses), obra bem posterior (e latina), é verdade (século II D.C.), mas cuja inspiração é grega e * Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Lingüística e Língua Portuguesa. Itinerários, Araraquara, n° 8,1995. - 77 - parece bem arcaica. Nela. o asno aparece como associado ao sacerdócio de ísis. (p. 34). O livro de que tratamos inspirou-se numa versão grega antiga, atribuída a certo Luciano, ou, talvez, mais remotamente, a Lúcio de Patras; Apuleio acrescentou à tal versão o episódio de Amor e Psique, detalhes mais notáveis da recuperação da forma humana e todo o capítulo relativo à iniciação aos cultos de mistério de ísis. Além dessa inspiração grega, uma releitura de O Asno de Ouro, também conhecido como Lúcio, O Asno ou Metamorfoses, permite-nos analisar, de imediato, sua forma, que remonta, possivelmente, às mais populares de poesia que floresceram no período arcaico da literatura latina, simultaneamente aos Carmina Convivalia (poemas - cantos proferidos durante os banquetes e fonte dos poemas épicos presentes nas obras de Lívio Andrônico e Névio), sendo constituídas pelas atellanae, pelos fescennini e pelas saturae dramaticae. As atellanae tinham esse nome por terem nascido na cidade de Atei la; representavam em geral tipos característicos: Pappus - o velho ridículo; Maccus - o bobo; Dossenus - o corcunda sábio, personagens estes que permanecem na comédia latina posterior, conservando-se seus traços nas farsas e, nas páginas de Apuleio, nas figuras retratadas: as alcoviteiras, os donjoões, os moleiros, a polícia, o hortelão, o avarento, o agiota, os vendedores de peixe, e, sobretudo, os cornudos. Os fescennini eram semelhantes às atellanae, provindo seu nome da cidade etrusca de Fescennia. Compunham-se de diálogos de caráter satírico, malicioso e também licencioso, recitados em festas religiosas pelos camponeses. A essas composições, mais tarde, juntaram-se o canto e a dança, constituindo-se as saturae dramaticae. Em seu comentário à tradução de O Asno de Ouro, Ruth Guimarães, analisando a dissolução da literatura latina nessa época, destaca uma renovação, entretanto, que ocorre com o aparecimento do romance: Surgira com o Satylicon, o livro mais estranho de toda a Literatura Romana, atribuído a Petrônio- sátira forte, feroz, cruel, realista, impiedosa, obscena, sem nenhuma ternura humana, sem nenhum pensamento generoso, sem nenhum ideal. Livro que chafurda na imoralidade e na corrupção, parecendo deleitar-se o seu autor com elas. No entanto, espelhava com uma verdade dolorosa a vida da sociedade romana do tempo. Nas pegadas desse livro funesto viria Apuleio com O Asno de Ouro, e viria Gil Blas, de Santilkma, dezessete séculos mais tarde, e viriam depois Tristram Shandy e Tom Jones (p. 7). Também é ela - Ruth Guimarães - quem explica o aparente cochilo de Apuleio-autor ao apresentar o personagem-narrador Lúcio como cidadão grego, cujo berço declara ter sido a Himeto ática, o Istmo ifireu e a Tenaro espartana no livro I , 1, e, inesperadamente, no livro X I , 13, ao identificar-se com ele, quando afirma ser um pobre cidadão africano de Madaura: Imagino que, como se trata de narrativas populares, o Lúcio, o Asno, Apuleio enfim, é este, aquele, e outros, gente de todos os tipos e feitios, é o que escuta e é o que conta, para se resumir no fim, numa síntese, como o homem de Madaura que enfeixou os contos (p. 13). O romance satírico, dividido em onze livros, narra em primeira pessoa as aventuras do jovem Lúcio, que parte de Corinto rumo a Tessália, onde se praticam as artes mágicas, imbuído do desejo de conhecê-las. Temos, aqui, a primeira etapa das viagens de Lúcio, uma viagem espacial que penetrará as outras duas espécies de viagem, ao maravilhoso e ao mítico, em toda a obra. Chegando a Hípata, importante cidade da Tessália, é hospedado por Milão, um rico avarento, cuja esposa, Panfília, é uma temida feiticeira. A empregada Fótis torna-se amante de Lúcio, que a convence a levá-lo ao salão onde Panfília faz suas mágicas e, vendo-a transformar-se em coruja, induz Fótis a passar sobre o corpo dele o mesmo unguento usado pela feiticeira; mas Fótis troca o pote e, em vez de ave, Lúcio vê-se transformado em asno. Iniciamos aqui a viagem ao maravilhoso: o incidente seria banal, pois bastaria que ele comesse pétalas de rosa para desencantar-se, se, naquela noite, bandoleiros das montanhas não assaltassem a casa de Milão, a quem assassinam, roubando-lhe toda a prataria e o ouro, carregando tudo às costas dos três animais ali encontrados: o cavalo de Lúcio, o próprio Lúcio, agora asno, e um asno verdadeiro. Dirigem-se ao esconderijo nas montanhas, onde mantêm prisioneira a jovem Caridade, pela qual pretendem elevado resgate. O noivo da prisioneira, Tlepólemo, disfarçado de bandido, embebeda os ladrões e salva a jovem e o burro Lúcio, o qual, após algum tempo sob a proteção do casal, cai nas mãos de uma mulher malvada e de um rapaz igualmente mau. Pesando sobre ele a calúnia de luxúria, vê-se condenado à castração, mas consegue salvar-se, passando por novas aventuras e pelas mãos de camponeses, depois de um bando de homossexuais - falsos sacerdotes da deusa Atargátis, cuja estátua carrega nas peregrinações. Descoberta a falsidade dos sacerdotes, Lúcio é vendido a um moleiro, que o atrela à mó. Nesse trabalho penoso, tem a oportunidade de ouvir e presenciar três episódios de adultério. É, depois, vendido a um hortelão, que o perde para um soldado presunçoso. Passa a servir a donos de uma pastelaria ou confeitaria e, finalmente, consegue alimentar-se dignamente, como homem que é, sob a aparência de burro, até que seus donos descobrem tão diferentes hábitos gastronômicos num burro e passam a usá-lo, a partir disso, como atração circense, ganhando muito dinheiro às suas custas. Uma mulher criminosa é condenada a ter relações sexuais com o burro Lúcio, em público, no anfiteatro. Para evitar tal contacto com uma celerada, Lúcio foge e, chegando a uma praia, desesperado, suplica à deusa ísis que o auxilie. Embora o maravilhoso e o mítico permeiem todo o livro, marcamos nesta etapa o mergulho na viagem aos domínios do mito. A deusa ísis aparece ao nosso herói, na praia, em sonhos e orienta-o sobre o procedimento que deve ter para voltar à forma humana: deverá comer as rosas que o sacerdote ofereceria a ela, no dia seguinte, durante uma procissão religiosa. Lúcio obedece e, cheio de alegria, retoma a sua identidade real e recupera - dom inigualável - a linguagem! Inicia-se nos rituais secretos de adoração a ísis, é consagrado, adquirindo o esplendor que cabe aos eleitos da deusa. Uma nova iniciação é-lhe exigida; desta vez, ao deus Osíris que, findos os ritos, aconselha-o a transferir-se para Roma, onde exerce dupla função: sacerdote e advogado. Esta é a linha central da narrativa, à qual se incorporam doze microfábulas, ouvidas de outrem ou presenciadas por Lúcio enquanto asno, que mantêm o interesse e a vivacidade da ação. Neste romance satírico-picaresco, Apuleio traz-nos a linguagem do dia-a-dia, simples, clara, direta, às vezes; em outras, pesada de intenções. Nele sentimos bem as palavras de Jaa Torrano: As mentiras são símeis aos fatos enquanto se dissimula a unidade que, por estar na raiz da similitude, une, simultaneamente, em um só lugar, o símil e o ser-mesmo (.). Ao dar-se como símil, o ser-mesmo se dissimula pela simulação dessa similitude que, na força do semelhar e do simular, apresenta-o como simulacro (a mentira símil) (p. 26). Este simulacro presente em toda a macrofábula de Lúcio conduznos à carnavalização do romance latino, representada pela tendência de oposição à norma, de vazão ao instinto, revolta, crítica, em suma, negação de valores maiores ou socialmente aceitos. Temos aqui o herói pícaro, homem por dentro, asno por fora, usando de sua condição física para melhor ouvir e bisbilhotar sem punição, em oposição ao herói mítico, representado na literatura latina por Enéias, filho da deusa Vénus, que vive orientado para a realização ideal. Também sentimos o espírito dionisíaco, enquanto embriaguez, libertando os instintos e expondo o verdadeiro "eu" de cada um, guiando talvez, melhor dizendo, desviando - para caminhos do prazer, da luxúria, do pecado, os incautos viandantes da narrativa de Lúcio. E, então, a força da natureza que embriaga o homem e, de acordo com o deus de que deriva Baco - notabiliza-se pela aceitação da vida tal qual se apresenta, sem otimismo ou pessimismo, mas vida plena, em seu valor absoluto, como pensava Nietzsche. Representando o período do declínio do Império e da literatura latina, a sátira picaresca de O Asno de Ouro traz-nos a palavra símil, criadora e mantenedora do simulacro em que o homem se desumaniza, não apenas no sentido físico, mas também no sentido moral, como os animais, cuja aparência chega a assumir. O livro X I , relatando a metamorfose asno/homem graças à interferência da deusa ísis, mostra-nos o mais longo texto sobre os cultos de mistério que nos chegou da antigüidade. Em Antigos Cultos de Mistério, Walter Burkert diz que os mistérios eram rituais de iniciação de caráter voluntário, pessoal e secreto, que visavam a uma transformação do espírito por meio da experiência do sagrado (p. 24). Em seu relato, Lúcio revela a deusa ísis, identificando-a com a Lua e todas as deusas, o que a faz brilhar tanto no mundo dos vivos como no dos mortos: Venho a ti, Lúcio, comovida por tuas preces, eu, mãe da Natureza inteira, dirigente de todos os elementos, origem e princípio dos séculos, divindade suprema, rainha dos Manes, primeira entre as habitantes do céu, modelo uniforme dos deuses e das deusas. Os cimos luminosos do céu, os sopros salutares do mar, os silêncios desolados dos infernos, sou eu quem governa tudo isso, à minha vontade. Potência única, o mundo inteiro me venera sob formas numerosas, com ritos diversos, sob múltiplos nomes. Os frígios, primogênitos dos homens, me chamam deusamater, e deusa do Pessinúncio; os atenienses autóctones, Minerva Cecropiana; os cipriotas banhados pelas ondas, Vénus Pafiana; os cretenses portadores de flechas, Diana Ditina; os sicilianos trilingües, Prosérpina Estígia; os habitantes da antiga Elêusis. Ceres Acteana; uns Juno, outros Belona; estes Hécate, aqueles Ramnúsia. Mas os que o Sol ilumina com seus raios nascentes, quando se levanta, e com seus últimos raios, quando se inclina para o horizonte, os povos das duas Etiópias e os egípcios poderosos por seu antigo saber, honram-me com o culto que me é próprio, chamando-me pelo meu verdadeiro nome: rainha ísis (Apuleio, s/d,p. 182). Ela vem disposta a ajudá-lo, mas também a cobrar sua devoção ilimitada: Mas, acima de todas estas coisas, lembra-te e guarda sempre gravado no fundo do teu coração, que toda a tua carreira, até o fim da tua vida, e até o teu derradeiro suspiro, me foi penhorada (Apuleio, S.d, p.183). Iniciou-se, então, a preparação ritual de Lúcio: ele agregou-se, como leigo, na qualidade de companheiro e comensal, aos sacerdotes. Entrementes, ísis aparecia-lhe em sonhos, insistindo que não adiasse por mais tempo sua iniciação, à qual, por temor religioso, não se dispusera ainda. Um presságio de uma recompensa em forma de um servidor, havido em sonho e realizado no dia seguinte, quando servos provenientes de Hípata lhe trouxeram seu cavalo branco, fê-lo, finalmente, decidir-se a procurar o sacerdote, que o aconselhou a aguardar com paciência a manifestação -82- divina, já que o próprio ato da iniciação representa uma morte voluntária e uma salvação obtida pela graça (Apuleio, s.d, p. 191). Chegado afinal o dia de sua consagração, o sacerdote o acolheu, leu para ele textos escritos em caracteres desconhecidos que orientaram os preparativos. Após uma cerimônia de purificação pela água, seguiram-se dez dias de jejum e recolhimento, findos os quais foi vestido de linho e levado à parte mais recuada do santuário. Os ritos que se seguiram, Lúcio omite-os por preceito, só narrando o que era permitido: Aproximei-me dos limites da morte. Pisei o portal de Prosérpina, e voltei, trazido através de todos os elementos. Em plena noite, vi brilhar o Sol, com uma luz que cegava. Aproximei-me dos deuses dos infernos, dos deuses do alto: vi-os face a face e adorei-os de perto. Eis aí a minha narração, e o que não ouvistes, estás condenado a ignorar. Limitar-me-ei a relatar o que for permitido, sem sacrilégio, revelar à inteligência dos profanos (Apuleio, S.d, pp. 192/193). Após todos os rituais secretos, Lúcio sobe ao estrado de madeira erguido diante da imagem da deusa, vestido com a estola olímpica - nome que os iniciados davam aos trajes cerimoniais - carregando uma tocha acesa e tendo na cabeça uma coroa de palmas. Completa-se o cerimonial e Lúcio volta a Madaura, depois a Roma. A l i , inicia-se no culto de Osíris, orientado por novo oráculo onírico. Uma terceira iniciação é-lhe exigida e Osíris lhe aparece - em sonho - incitando-o a continuar resolutamente sua carreira de advogado, e fazendo-o, enfim, entrar para o colégio de seus pastóforos, elevando-o à classe de decuriâo qüinqüenal. Comentando tal seqüência, Burkert diz que assim, a iniciação marcaria uma etapa entre a condição de fiel de maneira geral e a indicação para o corpo administrativo. No entanto, não há qualquer indicação de que um tal cursus honorem uniforme e constante constituísse a regra (p. 62). Interessante é notar, ainda, que o nome do sacerdote da primeira iniciação de Lúcio era Mitra, não casualmente o nome de uma antiquíssima divindade indoiraquiana, documentada desde a Idade do Bronze, cujo nome significa, para Burkert: o intermediário, de fidelidade. no sentido de tratado e promessa Algumas etapas dos cultos de mistérios, como o ritual de purificação - a que chamamos batismo -, o jejum e abstinência - igualmente usados nos dias atuais, nas religiões mais difundidas - a passagem da morte para a vida plena - fundamento das religiões cristãs -, a simbologia da própria palavra mitra, além dos mistérios eles-mesmos, fazem-nos pensar que, realmente, os rituais religiosos se preservam em práticas mais ou menos requintadas, porém e sempre, irmanadas por um princípio mítico comum que se situa na crença, na fé que move montanhas, em qualquer tempo ou lugar dentro daquilo que chamamos o humano do homem. Como conclusão, acrescentaríamos que viajar ao maravilhoso e ao mítico é a manifestação do anseio maior do homem de transitar pela vida em busca do divino. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APULEIO, L. O Asno de Ouro. Rio de Janeiro: Ed. Tecnoprint S.A., s.d. BURKERT, W. Antigos Cultos de Mistério. São Paulo: EDUSP, 1991. CARVALHO, S. M. S. Hino a Demetér e os Mistérios Eleusinos Almanaque Cadernos de Literatura e Ensaios, 10. São Paulo: EDUSP, 1978. GUIMARÃES, R. O homem de Madaura. In: Apuleio. O Asno de Ouro. Rio de Janeiro: Ed. Tecnoprint S. A., s.d. HESÍODO. Teogonia. A Origem dos Deuses. Estudo e Tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Roswitha Kempf Editores, 1989. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA D'ONOFRJO, S. Literatura Ocidental. São Paulo: Ed. Ática, 1990. D'ONOFRIO, S. Os Motivos da Sátira Latina. Marília: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Marília, 1968. LEONI, G. D. A Literatura de Roma. São Paulo: Livraria Nobel S.A., 1961. NIETZSCHE, F. O Nascimento da Tragédia ou Helenismo e Pessimismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. 84 cells expressing FLAGSEPT4 with AnnH31 and AnnH75 resulted in a concentration-dependent decrease of intensity of the slower migrating band and a concomitantly increased signal of the lower band (Fig 5A). Consistent with the IC50 values determined in the in vitro-assays (Table 1), AnnH31 reduced SEPT4 phosphorylation more potently than AnnH75. As a third cell-based assay of DYRK1A inhibition, we measured the phosphorylation of the microtubule-associated protein tau by DYRK1A. The phosphorylation of tau (gene symbol MAPT) by DYRK1A has been considered potentially relevant in the early Alzheimer’s disease- PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 8 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Fig 4. Inhibition of SF3B1 phosphorylation by DYRK1A in HeLa cells. HeLa cells expressing GFP-SF3B1-NT were treated with the indicated compounds for 18 h. The phosphorylation state of SF3B1 was determined by immunoblotting with pT434 antibody, and the results were normalized to the total amount of SF3B1 immunoreactivity. A, Representative western blots. AnnH79 is a harmine analogue that does not inhibit DYRK1A and was used as negative control. The vertical line indicates where irrelevant lanes were deleted from the final image. B, The column diagram summarizes the quantitative evaluation of 3–6 experiments for each compound (means + SD). doi:10.1371/journal.pone.0132453.g004 like neurodegeneration in Down syndrome and in spontaneous Alzheimer’s disease [10]. In this assay, AnnH75 inhibited DYRK1A activity with an IC50 of 1 μM (Fig 5B and 5C). The higher value as compared to the inhibition of SEPT4 phosphorylation (0.36 μM) may be due to the overexpression of DYRK1A in this assay. AnnH31, L41 and 5-iodotubercidin were the best inhibitors in this assay, whereas INDY reduced tau phosphorylation less efficiently. Low cellular potency of INDY has previously been observed in assays of tau phosphorylation and reporter gene activity [30]. Similarly, two other DYRK1A inhibitors with excellent potency and selectivity in biochemical assays require ~1000 higher concentrations to inhibit tau phosphorylation in cellular assays [35–36]. Taken together, our results provide evidence that AnnH31 and AnnH75 can be used as chemical probes to confirm the participation of DYRK1A in cellular phosphorylation events. PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 9 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Fig 5. Inhibition of SEPT4 and tau phosphorylation by DYRK1A. A, HeLa cells transiently expressing FLAG-SEPT4 were treated with AnnH31 or AnnH75 for 5 h before cells were lysed and analysed by immunoblotting with a FLAG-tag antibody. 5-iodotubercidin (IoT) served as positive control. Relative SEPT4 phosphorylation was calculated as the ratio of the intensities of the phosphorylated upper band and the lower band. B, HEK293 cells with constitutive expression of GFP-tau and regulatable expression of GFP-DYRK1A were treated with doxycyclin and the indicated inhibitors for 18 h. Phosphorylation of tau on Thr212 was detected with a phosphospecific antibody. Expression levels of GFP-tau and GFP-DYRK1A were assessed with a GFP antibody. For quantitative evaluation of DYRK1A inhibition, the basal pT212 signal in control cells not treated with doxycyclin (Ctrl) was subtracted from all values. C, Quantitative evaluation of three experiments each for SEPT4 and tau. All data were standardized to the level of phosphorylation in cells untreated with inhibitors. Error bars indicate SEM. doi:10.1371/journal.pone.0132453.g005 AnnH75 inhibits tyrosine autophosphorylation of DYRK1A Tyrosine kinase activity of DYRKs has been postulated to exhibit different inhibitor sensitivity than serine/threonine phosphorylation [7]. Therefore we investigated if AnnH75 is a selective inhibitor of the serine/threonine kinase activity of mature DYRK1A or whether AnnH75 also interferes with tyrosine autophosphorylation during translation. To address this question, we used a coupled in vitro-transcription-translation system and monitored at the same time the effect of the inhibitor on the tyrosine autophosphorylation of DYRK1A and the phosphorylation of Thr434 in the substrate protein SF3B1 (Fig 6). Under these conditions, AnnH75 inhibited tyrosine autophosphorylation of DYRK1A at concentrations >1 μM. Slightly higher concentrations of AnnH75 were required for the inhibition of threonine phosphorylation in SF3B1. The higher IC50 value for SF3B1 phosphorylation as compared to the peptide assay is due to the fact that kinase activity in the in vitro-translation mix cannot be assayed under conditions of substrate saturation (as discussed previously [9]). In conclusion, AnnH75 inhibits both the immature and mature form of DYRK1A. Conclusions Chemical probes serve as invaluable small molecule tools to functionally annotate signalling proteins, to understand their role in physiological and pathological processes and to validate them as potential drug targets. Here we report the evaluation of new harmine analogs with regard to their suitability as chemical probes for the protein kinase DYRK1A. To support the conclusion that AnnH31 and AnnH75 meet the key requirements of a useful tool for this purpose, we discuss our results with respect of the “fitness factors” of chemical probes that were proposed by Workman & Collins [6]: selectivity, potency, chemistry and context. PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 10 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Fig 6. AnnH75 inhibits both threonine and tyrosine kinase activity of DYRK1A. A DYRK1A construct with an N-terminal StrepTag 2 (ST2-DYRK1Acat) was expressed in a cell-free E. coli-derived expression system. Coupled in vitro transcription and translation reactions were incubated for 1 h in the presence of recombinant SF3B1-NT-His6 and AnnH75. Phosphorylation of tyrosines in DYRK1A and of Thr434 in SF3B1 was determined by immunoblotting with a phosphotyrosine-specific antibody (pTyr) and a pThr434-specific antibody. A, Representative western blots. The asterisks mark unidentified bands. B, Quantitative evaluation. Results were normalized to the total amount of DYRK1A or SF3B1, respectively, and are plotted relative to the phosphorylation in the untreated control samples (means +/- SEM, n = 3). doi:10.1371/journal.pone.0132453.g006 Selectivity A key criterion for the use of a kinase inhibitor as a chemical probe is that its selectivity profile is well defined [4,6]. The kinase selectivity profile of AnnH75 compares favourably with that of other DYRK1A inhibitors that have been profiled against an informative panel of kinases (Table 2). However, the cross-reactivity for CLK1/4 and haspin clearly requires consideration when this DYRK1A inhibitors is used in experiments addressing splicing regulation or cell cycle control. Regarding off-targets outside the protein kinase family, we reached the goal of eliminating the MAO-A inhibitory activity of harmine. AnnH31 displays already 40 fold selectivity for DYRK1A over MAO-A and complies with the requirements for a high quality chemical probe [6]. AnnH75 has no residual effect on MAO-A and is better suited in all applications potentially susceptible to monoamine effects. The availability of inactive analogs and active probes from a different chemical class can help to prove target-dependency in a biological experiment [4,6]. When AnnH75 is used as a probe to confirm a hypothetical function of DYRK1A or DYRK1B, AnnH79 can serve as a structurally related inactive control compound (Fig 4) and L41 as a potent inhibitor with a different chemotype. PLOS ONE | DOI:10.1371/journal.pone.0132453 July 20, 2015 11 / 18 Novel β-Carboline DYRK1A Inhibitors Biochemical and cellular potency Several mechanisms can account for discrepancies between inhibitor potency in biochemical and in the cellular context [3,48]. Many DYRK1A inhibitors with adequate potencies in biochemical assays (< 100 nM, as proposed by Workman & Collins [6]) have been described [14], but only few have been shown to inhibit the phosphorylation of a cellular target in a concentration-dependent manner with a practicable potency (< 1–10 μM according to Workman & Collins [6]). In particular, the only known inhibitors with significant selectivity for DYRK1A over CLK1 require micromolar concentrations for half-maximal effects in cellular assays, in spite of low nanonmolar potencies in biochemical assays [35–36]. We verified the cellular efficacy of AnnH75 with three different substrates of DYRK1A and provide direct comparisons with established DYRK1A inhibitors. Taken together, the concentration-dependent effects of the chemical probes (AnnH31 or AnnH75) support the hypothesis that a molecular mechanism depends on a certain target (in this case DYRK1A). Chemistry (structure, solubility, stability, permeability) The procedures for the synthesis and the structural characterization of the new β-carboline conduto radicular. O objetivo deste estudo foi investigar e estabelecer uma relação precisa da quantidade de luz transmitida através de pinos de fibra e seu efeito na KHN e na RA de um cimento resinoso de dupla polimerização. Nossos resultados mostram boas evidências de que a quantidade de luz tranamitida é baixa e não tem influência na retenção do pino ao conduto radicular ou na microdureza do cimento resinoso dual auto-adesivo utilizado. Em face aos nossos achados não recomendamos utilizar cimentos fotopolimerizáveis ou de dupla polimerização. Pelas razões discutidas nossa recomendação é de que até o surgimento de novas evidências científicas apenas materiais auto-polimerizáveis sejam utilizados. Importante salientar que não estamos contraindicando os pinos translucentes. Estes pinos tem características mecânicas semelhantes aos outros fibroresinosos. Só não recomendamos seu uso associado a cimentos que dependam da luz no seu processo de polimerização. A utilização de cimentos resinosos auto-adesivos de dupla polimerização deve ser discutida à parte. O uso desses cimentos traz vantagens baseadas na diminuição de passos clínicos, facilidade técnica, diminuição da possibilidade de erros e do tempo clínico gasto nos dos procedimentos de cimentação. Em recente estudo pode-se verificar que em algumas situações clínicas valores de resistência adesiva foram superiores para pinos cimentados com um cimento auto-adesivo comparativamente aos cimentados pela técnica adesiva convencional independente do tipo do cimento quanto à reação química (Mongruel et al., 2012), e a justificativa para tais achados é exatamente pelo fato da simplicidade da técnica. Sendo assim, o uso do cimento auto-adesivo utilizado em nosso trabalho parece ser eficiente na cimentação de pinos intrarradiculares desde que, assim como em qualquer cimentação, os conceitos que regem estes procedimentos sejam fielmente atendidos.     58   Não obstante a toda essa discussão técnico-científica, o fator preponderante na retenção de um pino continua a ser a retenção friccional. Uma boa adaptação do pino continua sendo primordial para o sucesso restaurador. A função do cimento é tão somente preencher os espaços entre o pino e o canal radicular favorecendo a retenção friccional. Lembrando por fim que nenhum cimento tem a capacidade de compensar preparos intrarradiculares em comprimento inadequado ou um pino mal adaptado (Summitt at al., 2001).   59 8 – ANEXOS   Referências   61   1. Akgungor G, Akkayan B. Influence of dentin bonding agents and polymerization modes on the bond strength between translucent fiber posts and three dentin regions within a post space. J Prosthet Dent 2006;95:368-78. 2. Albuquerque RC, Polleto LTA, Fontana RHBTS, Cimini Junior CA. Stress analysis of an upper central incisor restored with different posts. J Oral Rehabil 2003;30:936-43. 3. Anusavice KJ. Phillips, Materiais Dentários. Rio de Janeiro: Elservier, 2005. 4. Asmussen E, Peutzfeldt A, Heitmann T. Stiffness, elastic limit, and strength of newer types of endodontics posts. J Dent 1999;27:275-8. 5. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 6. Carrilho MRO, Tay FR, Pashley DH, Tjaderhane L, Carvalho RM. Mechanical stability of resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 7. Ceballos L, Garrido MA, Fuentes V, Rodrígues Jesús. Mechanical characterization of resin cements used for luting fiber post by nanoindentation. Dent Mater 2007;23:100-5. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 8. D’Arcangelo C, D’Amario M, Vadini M, Zazzeroni S, De Angelis F, Caputi S. an evaluation of luting agent application technique effect on fibre post retention. J Dent 2008;36:235-40. 9. Dewald JP, Ferracane JL. A comparison of four modes of evaluating depth of cure of lightactivated composites. J dent Res 1987;66:727-30. 25. ESPE M. Rely X Unicem self-adhesive universal resin cement. Germany: 3M ESPE; 2006. 10. Faria-e-Silva AL, Casselli DSM, Lima GS, Ogliari FA, Piva E, Martins LRM. Kinetics of conversion of two dual-cured adhesive systems. J Endod 2008;34:1115-8 11. Fennis WMM, Ray NJ, Creugers NHJ, Kreulen CM. Microhardness of resin composite materials light-cured through fiber reinforced composite. Dent Mater 2009; 25:947-51. 12. Ferrari M, Mannocci F, Vichi A, Cagidiaco MC, Mjor IA. Bonding to root canal: structural characteristics of the substrate. Am J Dent 2000;13:255-60. 13. Galhano GA, Melo RM, Barbosa SH, Zamboni SC, Bottino MA, Scotti R. Evaluation of light transmission through translucent and opaque posts. Oper Dent 2008;33:321-4.   62     14. Giachetti L, Grandini S, Calamai P, Fantini G, Russo DS. Translucent fiber post cementation using light- and dual-curing adhesive techniques and a self-adhesive material: push-out test. J Dent 2009:37:638-42. 15. Goracci C, Fabianelli A, Sadek FT, Papacchini F, Tay FR, Ferrari M. The contribution of friccion to the dislocation resistance of bonded fiber posts. J Endod 2005;31:608-12. 16. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 18. Janke V, Von Neuhoff N, Schlegelberger B, Leyhausen G, Geurtsen W. TEGDMA causes apoptosis in primary human gingival fibroblasts. J Dent Res 2003;82:814-8. 19. Kalkan M, Usumez A, Ozturk N, Belli S, Eskitascioglu G. Bond strength between root dentin and three glass-fiber post system. J Prosthet Dent 2006;96:41-6. 20. Koulaouzidou EA, Papazisis KT, Yiannaki E, Palaghias G, Helvatjoglu-Antoniades M. Effects of dentin bonding agents on the cell cycle of fibroblasts. J Endod 2009;35:275–9. 21. Kong N, Jiang T, Zhou Z, Fu J. Cytotoxicity of polymerized resin cements on human dental pulp cells in vitro. Dent Mater 2009;25:1371–5. 22. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper Dent 1994;19:165-8. 23. Mclean A. Criterial for the predictable restorable endodontically treated tooth. J Can Dent Assoc 1998;64:652-6. 24. Mallmann A, Jacques LB, Valandro LF, Muench A. Microtensile Bond strength of photoactivated and autopolymerized adhesive systems to root dentin using translucent and opaque fiber-reinforced composite posts. J Prosthet Dent;97:165-72. 25. Morgan LFSA , Albuquerque RC, Poletto LTA, Peixoto RTRC, Corrêa MFS, Pinotti MB. Light transmission through translucent fiber posts. J Endod 2008;34:299-302. 26. Naumann M, Sterzenbach G, Rosentritt M, Beuer F, Frankenberger R. Is adhesive cementation of endodontic posts necessary? J Endod 2008;34:1006-10. 27. Papa J, Cain C, Messer H. Moisture of vital vs. endodontically treated teeth. End Dent Traumat 1994;10:91-3. 28. Pedreira APRV, et al. Microhardness of resin cements in the intraradicular environment: Effects of water storage and softening treatment. Dent Mater 2009;25: 868-76.   63     29. Pirani C, Chersoni S, Foschi F, Piana G, Loushine RJ, Tay FR, Prati C. Does Hybridization of intraradicular dentin really improve fiber post retention in endodontically treated teeth? J Endod 2005;31:891-4. 30. Radovic I, Corciolani G, Magni E, Krstanovic G, Pavlovic V, Vulicevic ZR, Ferrari M. Light transmission through fiber post: The effect on adhesion, elastic modulus and hardness of dualcure resin cement. Dent Mater 2009;25:837-44. 31. Roberts HW, Leonard DL, Vandewalle KS, Cohen ME, Charlton DG. The effect of a translucent post on a resin composite depth of cure. Dent Mater 2004;20:617-22. 32. Silva ALF, Arias VG, Soares LES, Martin AA, Martins LRM. Influence of fiber-post translucency on the degree of conversion of a dual-cured resin cement. J Endod 2007;33:303-5. 33. Teixeira CS, Silva-Sousa YT, Sousa-Neto MD. Bond strenght of fiber posts to weakened roots after resin restoration with different light-curing times. J Endod 2009;35:1034-39. 34. Vichi A, Grandini S, Ferrari M. Comparison between two clinical procedures for bonding fiber post into a root canal: a microscopic investigation. J Endod 2002;28:355-60. 35. Wang VJJ, Chen YM, Yip KHK, Smales RJ, Meng QF, Chen L. Effect of two fiber post types and two luting cement systems on regional post retention using the push-out test. Dent Mater 2008;24:372-77. 36. Yoldas O, Alacam T. Microhardness of composite in simulate root canals cured with light transmitting posts and glass fiber reinforced composite posts. J Endod 2005;31:104-6. 37. Zicari F, Coutinho E, Munck JD, Poitevin A, Scotti R, Naert I, Meerbeek BV. Dent Mater 2008;24:967-77. 38.Mongruel 39. Summitt JB, Robbins JW, Schwartz RS. Fundamentals of operative dentistry. Quintessence, 2o.Ed., 2001;.546-66.
Documento similar

As fantásticas viagens de Lúcio: o maravilhos..

Livre

Feedback