Tecnologia assistiva e perfil funcional dos alunos com deficiência física nas salas de recursos multifuncionais

 0  4  118  2017-02-01 13:55:52 Report infringing document
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JULIO DE MESQUITA FILHO” Faculdade de Filosofia e Ciências – Campus Marília Fernanda Matrigani Mercado Gutierres de Queiroz TECNOLOGIA ASSISTIVA E PERFIL FUNCIONAL DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Marília 2015 Fernanda Matrigani Mercado Gutierres de Queiroz TECNOLOGIA ASSISTIVA E PERFIL FUNCIONAL DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências, da Universidade Estadual Paulista UNESP - Campus de Marília, como parte dos requisitos necessários para obtenção do título de Mestre em Educação. Área de Concentração: Ensino na Educação Brasileira. Linha de Pesquisa: Educação Especial no Brasil. Orientadora: Profª Drª Lígia Maria Presumido Braccialli. Co-orientador: Profº Dr. Eduardo José Manzini Marília 2015 Q3t Queiroz, Fernanda Matrigani Mercado Gutierres de. Tecnologia Assistiva e perfil funcional dos alunos com deficiência física nas salas de recursos multifuncionais / Fernanda Matrigani Mercado Gutierres de Queiroz. – Marília, 2015. 117 f. ; 30 cm. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, 2015. Bibliografia: f. 103-112 Orientador: Ligia Maria Presumido Braccialli. Co-orientador: Eduardo José Manzini 1. Educação especial. 2. Equipamentos de autoajuda para deficientes. 3. Deficiência física. 4. Inclusão em educação. I. Título. CDD 371.9 FERNANDA MATRIGANI MERCADO GUTIERRES DE QUEIROZ TECNOLOGIA ASSISTIVA E PERFIL FUNCIONAL DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Dissertação para obtenção do título de Mestre em Educação, apresentada ao Programa de PósGraduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, Campus de Marília. Área de concentração: Ensino na Educação Brasileira Linha de pesquisa: Educação Especial no Brasil BANCA EXAMINADORA Orientadora: ____________________________________________________________ Profª. Drª. Lígia Maria Presumido Braccialli UNESP-Marília 2º Examinador: __________________________________________________________ Profª Drª Adriana Garcia Gonçalves UFSCar-São Carlos 3º Examinador: __________________________________________________________ Profª Drª Rita de Cássia Tibério Araújo UNESP-Marília Marília, ___ de _______________ de 2015. Dedico este trabalho as minhas queridas filhas Bárbara e Ísis. Desde que vocês chegaram a minha vida, procuro meios de tentar contribuir para que este mundo se torne um lugar melhor para se viver. Amo vocês! AGRADECIMENTOS É com alegria que agradeço a Deus pela possibilidade de executar este trabalho. Expresso minha gratidão aos meus pais Dionísio e Maria das Graças por sempre me incentivarem e acreditarem em mim, ao longo de minha vida, pois onde há amor há desenvolvimento. Agradeço de coração a minha orientadora, querida Prof ª Dra. Lígia Maria Presumido Braccialli pela oportunidade, pela compreensão em todos os momentos, por acreditar em minha competência e no desenvolvimento deste trabalho. Uma pessoa verdadeiramente inclusiva, para além das teorias, que desvela as potencialidades escondidas nas pessoas e, a partir de então, as incentiva a caminhar, seja os pacientes (equoterapia/estágios) ou alunos/orientandos, grupo ao qual tenho a graça de pertencer. Agradeço também ao Profº Dr. Eduardo José Manzini, meu co-orientador, pela oportunidade concedida, desde a participação inicialmente no grupo de pesquisa até as profícuas contribuições para a execução desta pesquisa. Sou grata ao meu marido, meu amor, Leonardo pelo companheirismo, por me ensinar o significado da palavra ousadia, fugir da monotonia e viver a felicidade contida em cada momento. Agradeço a Profª Dra. Rita de Cássia Tibério Araújo pelas importantes contribuições tanto nas bancas de qualificação e defesa como nas aulas e grupo de pesquisa. Igualmente sou grata a Profª Dra. Adriana Garcia Gonçalves pelas frutíferas contribuições tanto nas bancas de qualificação e defesa como no grupo de pesquisa. E também as Professoras Dra. Jáima Oliveira e Dra. Maria Cristina Marquezine pela disponibilidade em atuarem como suplentes tanto na qualificação como na defesa. Agradeço aos Professores Dr. Sadao Omote e Dra. Anna Augusta S. de Oliveira pelo aprendizado nas disciplinas cursadas e a Profª Débora Deliberato pelas contribuições na disciplina cursada e grupo de pesquisa. Não poderia deixar de agradecer aos Professores Dra. Iolete Ribeiro da Silva e Dr. Aristonildo Chagas do Nascimento (in memorian) pelo exemplo de trabalho inclusivo na região amazônica. Sou grata a Secretaria Municipal de Educação e Direção das escolas por permitirem a realização deste estudo. Gostaria de expressar minha gratidão às professoras participantes desta pesquisa, tão prestativas, sem as quais não seria possível a realização deste trabalho e aos seus alunos, que possibilitam que nos tornemos profissionais melhores ao buscarmos meios de contribuir com o vosso desenvolvimento. Agradeço a todos os participantes do Grupo de Pesquisa Deficiências físicas e sensoriais pela amizade, reflexões e compartilha de conhecimentos. Especialmente à querida Fernanda Toledo, companheira de viagens nacionais e internacionais. Gabriely e Walkíria, companheiras de jornada. Lembrando também da Madalena, Gilson, Mauro, Andréia, Vanessa, Munique, Maria Luiza, Priscila, Michele, Aila e Grace entre outros, sempre dispostos a ajudar. Gostaria de agradecer os meus amigos e amigas educadores (as) de Manaus que me despertaram o desejo de empreender esta caminhada. E também às novas amizades que fiz em Marília, entre elas a Ketilin, Bárbara, Maewa, Cássia, Mirela, Laianne e Michelle. Aos meus amigos, irmãos, cunhados, sogra, sogro e demais familiares pela torcida. Agradeço a CAPES pelo apoio financeiro e aos funcionários da pós-graduação, biblioteca e outros setores da UNESP de Marília, sempre tão atenciosos no exercício de suas funções. E por fim, a todos que contribuíram para a realização deste trabalho. Minha sincera gratidão! “Gosto de imaginar que o mundo é uma grande máquina. Você sabe, máquinas nunca tem partes extras. Elas têm o número e tipo exato das partes que precisam. Então imagino que se o mundo é uma grande máquina, eu também estou nele por algum motivo. E isso significa que você também está aqui por alguma razão”. Brian Selznick RESUMO A inclusão educacional se preocupa com a aprendizagem de todos os alunos que enfrentam barreiras para participar efetivamente da vida escolar. Na perspectiva da educação inclusiva o aluno que apresenta alguma deficiência deve ser atendido preferencialmente no ensino comum e a educação especial oferece o atendimento educacional especializado para complementar suas necessidades educacionais. Neste contexto revela-se o objetivo da pesquisa: Analisar se os recursos de Tecnologia Assistiva disponíveis nas salas de recursos multifuncionais atendem a demanda funcional dos alunos com deficiência física, segundo a visão dos professores do Atendimento Educacional Especializado. Participaram do estudo os professores responsáveis pelas salas de recursos multifuncionais que atendem alunos com deficiência física. Para coleta dos dados da pesquisa foram utilizados os instrumentos School Function Assessment, questionário de Tecnologia Assistiva para Educação II e entrevista semiestruturada com os professores do atendimento educacional especializado para identificar as adequações necessárias para atender as especificidades de acordo com o perfil funcional dos alunos. As falas das entrevistas foram organizadas em forma de síntese descritiva e as informações dos três instrumentos de coleta foram organizadas em um documento único, triangulação dos dados, que foi analisado segundo a análise de conteúdo sendo apresentadas as nove categorias geradas que foram: 1) Mobilidade e acessibilidade; 2) Mobiliários disponíveis e utilizados pelos alunos; 3) Participação e auxílio no desempenho de tarefas; 4) Preparar e limpar 5) Material didático-pedagógico disponível e utilizado pelos alunos; 6) Uso de materiais; 7) Uso do computador e equipamentos; 8) Trabalho escrito; 9) Comunicação funcional. Concluiu-se que somente os recursos de Tecnologia Assistiva que constam no “kit do Ministério da Educação para a sala de recursos” atendem parcialmente os alunos com deficiência física acompanhados pelo Atendimento Educacional Especializado, pois o tipo de mobiliário, estrutura de alguns materiais didático-pedagógicos e equipamentos, não favorecem seu uso e manipulação pelos alunos com sérios comprometimentos motores. Palavras-chave: Educação Especial. Tecnologia Assistiva. Deficiência física. Perfil funcional. ABSTRACT The educational inclusion is worried about the learning of all the student who confronts barriers to participate effectively of the school life. In the perspective of the inclusive education the student who presents some deficiency must preferential be taken care of in common education and the special education offers the educational attendance specialized to complement its educational necessities. In this context the objective of the research shows: To analyze if the available resources of Assistive Technology in the rooms of multi-functional resources take care of the functional demand of the students with physical deficiency, according to vision of the teacher of the Specialized Educational Attendance. The study included teachers responsible for multi-purpose facilities that serve students with disabilities. For data collection the research were used instruments School Function Assessment, questionnaire of Assistive Technology for Education II and interview semi structuralized with the professors of the educational attendance specialized to identify the adequacies necessary in accordance with the specifics functional profile of the students. The collected data had been dealt with and analyzed according to analysis content and, in the sequence, carried through the triangulation of the data with the information of the three instruments already mentioned. The speech of the interviews had been organized as a descriptive summary and the information of the three collection instruments had been organized into a single document, with triangulation of data, which was analyzed according to content analysis being presented the nine categories that were generated: 1) Mobility and accessibility; 2) Movable available and used by the pupils; 3) Participation and aid in the performance of tasks; 4) Prepare and to clean 5) Pedagogical didactic material available and used by the students; 6) Use of materials; 7) Use of the computer and equipment; 8) Written work and 9) Functional communication. The conclusion is that only the resources of Assistive Technology that consist in the “kit of MEC for the room of resources” serves partially the students with physical disability with care of Specialized Educational Attendance, because, structure of some pedagogical materials didactic and equipment, makes it do not favor its use and manipulation for the students with serious motor impairment. Keywords: Special education. Assistive Technology. Physical disabilities. Functional profile. LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Gráfico 2 Gráfico 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráfico 6 Gráfico 7 Gráfico 8 Gráfico 9 Gráfico 10 Gráfico 11 Gráfico 12 Gráfico 13 Gráfico 14 Gráfico 15 Gráfico 16 Gráfico 17 Gráfico 18 Gráfico 19 Gráfico 20 Gráfico 21 Gráfico 22 Gráfico 23 Dados referentes à mobilidade e acessibilidade. Dados referentes à participação e auxílio no desempenho de tarefas. Dados referentes ao Desempenho em atividades de tarefas físicas de preparar e limpar. Disponibilidade e uso dos materiais didático-pedagógicos quanto ao número total de alunos com DF atendidos cujo recurso está disponível e número de alunos que usavam o recurso. Dados referentes ao Desempenho em atividades - Uso de materiais. Dados referentes ao uso de materiais de Artes. Dados referentes a organização do material Escolar. Dados referentes a Atividades com Recorte. Dados referentes ao manuseio de livros e cadernos. Dados referentes ao manuseio de jogos e brinquedos. Dados referentes ao manuseio de objetos relacionados à escrita. Dados referentes ao desempenho em atividades – Uso do computador. Dados referentes a execução das funções do computador e equipamentos. Dados referentes a desenvolver atividades usando o computador. Disponibilidade e uso dos equipamentos quanto ao número total de alunos com DF atendidos e número de alunos que usavam o recurso. Dados referentes ao desempenho em Atividades Trabalho escrito. Dados referentes ao Desempenho em Atividades básicas de escrita. Dados referentes ao Desempenho em Atividades complexas de escrita. Dados referentes ao Desempenho em Atividades de cópia. Dados referentes ao Desempenho em Tarefas Cognitivo Comportamentais – Comunicação Funcional. Dados referentes à Comunicação funcional de necessidades básicas. Dados referentes a Comunicação expressiva relativa a área escolar. Dados referentes à descrição na área escolar. 56 61 63 65 72 73 76 77 78 79 81 82 83 84 87 90 91 92 93 95 95 97 98 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Composição das Salas de recursos Multifuncionais.26 Quadro 2 - Caracterização dos participantes do estudo.39 Quadro 3 - Exemplo de síntese descritiva da fala das entrevistas.46 Quadro 4 - Caracterização dos alunos.51 Quadro 5 – Materiais didático-pedagógicos disponíveis nas SRM pesquisadas.64 Quadro 6 – Equipamentos disponíveis nas Salas de recursos multifuncionais pesquisadas.86 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS MEC Ministério da Educação TA Tecnologia Assistiva CAT Comitê de Ajudas Técnicas CORDE Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa portadora de Deficiência. SEDH Secretaria Especial dos Direitos Humanos CIF Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde OMS Organização Mundial da Saúde ISO Associação Internacional de Normalização HEART Classificação Horizontal Europeia de Atividades em Tecnologia de Reabilitação PC Paralisia Cerebral SRM Salas de Recursos Multifuncionais AEE Atendimento Educacional Especializado SECADI Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão PDE Plano de Desenvolvimento da Educação PAR Plano de Ações Articuladas SIGETEC Sistema de Gestão Tecnológica SFA School Function Assessment TAE Questionário Tecnologia Assistiva para Educação TAE II Questionário Tecnologia Assistiva para Educação II PCS Picture Communication Symbols PCN Parâmetros Curriculares Nacionais SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO. 15 2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS. 17 3 OBJETIVOS. 3.1 Objetivo geral. 37 3.2 Objetivos específicos. 37 4 MÉTODO. 38 4.1 Procedimentos éticos. 38 4.2 Participantes. 38 4.3 Caracterização dos participantes. 4.4 Local e período. 40 4.5 Equipamentos e instrumentos de coleta de dados. 40 4.6 Procedimentos para coleta de dados. 43 4.7 Procedimentos para análise de dados. 44 4.7.1 Triangulação de dados. 47 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO. 50 5.1 Perfil funcional do grupo de alunos com deficiência física acompanhados pelo Atendimento Educacional Especializado. 50 5.2 Avaliação de acordo com a visão dos professores se os recursos de TA disponíveis nas salas e recursos multifuncionais atendem a necessidade de acordo com o perfil funcional dos alunos com deficiência física. 55 5.2.1 Mobilidade e acessibilidade. 56 5.2.1.1 Transição. 56 5.2.1.2 Manter e trocar de posições. 58 5.2.1.3 Manipulação com movimento. 59 5.2.2 Mobiliários disponíveis e utilizados pelos alunos. 59 5.2.3 resin-dentin bond components. Dent Mater 2005;21:232-41. 20. Chersoni S, Acquaviva GL, Prati C, Ferrari M, Gardini, S; Pashley DH, Tay FR. In vivo fluid movement though dentin adhesives in endodontically treated teeth. J Dent Res 2005;84:223-7. 21. Braga RR, César PF, Gonzaga CC. Mechanical properties of resin cements with different activation modes. J Oral Rehabil 2002;29:257– 66. 22. Melo RM, Bottno MA, Galvã RKH, Soboyejo WO. Bond strengths, degree of conversion of the cement and molecular structure of the adhesive–dentine joint in fibre post restorations. J Dent 2012;40:286-94. 23. Ho Y, Lai Y, Chou I, Yang S, Lee S. Effects of light attenuation by fibre posts on polymerization of a dual-cured resin cement and microleakage of post-restored teeth. J Dent 2011;39:309-15. 24. Anusavice KJ. Phillips RW. Science of dental materials. 11th, 2003. 25. Lui JL. Depth of composite polymerization within simulated root canals using lighttransmitting posts. Oper dent 1994;19:165-8. 27 4 ARTIGOS CIENTÍFICOS 4.2 ARTIGO 2 28 Title: Influence of light transmission through fiber posts on the microhardness and bond strength Authors: Morgan LFSA, Gomes GM, Poletto LTA, Ferreira FM, Pinotti MB, Albuquerque RC. Abstract Introduction: The aim of this study was to investigate the influence of light transmission through fiber posts in microhardness (KHN) and bond strength (BS) from a dual cured resin cement. Methods: Five fiberglass posts of different types and manufacturers represent a test group for the analysis of KHN (N=5) and BS and their displacement under compressive loads (N = 8). For the analysis of KHN a metallic matrix was developed to simulate the positioning of the cement after the cementation process intra radicular posts. The resistance to displacement, which will provide data of BS was measured using bovine incisors. After cementation, cross sections of the root portion of teeth in space led to post 1mm discs that have been tested for BS. The values were statistically analyzed by ANOVA, followed by Tukey's (P <0.05) between groups for KHN and BS. Results: The results showed no statistical differences for the different posts in KHN. For BS, the sum of thirds, a translucent post showed the highest values. Comparative analysis between the thirds of each post also showed statistically significant differences when comparisons of the same post-thirds showed no differences. Conclusion: For the cement used, the amount of light transmitted through the post did not influence the KNH nor the BS significantly, among the different posts and thirds evaluated. Key Words: light transmission, dental posts, microhardness, bond strength. 29 Introduction The use of pre-fabricated posts in the reconstruction of endodontically treated teeth, whose main objective is to retain the material reconstruction and minimize the occurrence and complexity of fractures, is well established in the literature (1). Clinically, the mechanical and chemical characteristics of fiber posts justify their usage (2). In relation to resin cements, three options regarding the method of polymerization are available: self-polymerizing, light-cured or dual polymerization (dual). Understanding the mechanism of polymerization of these systems (3) the choice of materials that do not depend on light seems to be more reliable for cementing intra radicular fiber posts. To investigate the capability of transmitting light by translucent post is the target of several recent authors (4-9). Most studies point to the decrease in light intensity (LI) by increasing the root depth. Quantitative assessments of LI, hardness, elastic modulus and degree of conversion can be found in these works. Undesirable effects of incomplete polymerization of the resin cements are of biological (10-12) due to toxicity, and mechanical (8,9,13-15), due to low bond strength values are described in the literature. The aim of this study is to investigate the effect of light transmission through fiber posts in Knoop microhardness number (KHN) and bond strength (BS) of a dual resin cement. The null hypothesis is that there is no statistically significant difference in KHN and BS for different depths evaluated for the dual resin cement following cementation of translucent posts. Material e Methods Five different fiber posts of two types and one resin cement were involved (Table 1). 30 Table 1 – Description of the posts and cement used. Post Manufacturer/Lote Type Quimical composition FGM Produtos Odontológicos Glass Fibers (80% ± 5), epoxy resin (20% ± 5), silica, silane and T1 Translucent (Brazil)/140410 polymerising promoters. Bisco, INC T2 Translucent (EUA)/0800007811 Glass Fibers (55%), Epoxy (45%). TetraethyleneglycolDimethacrylate (7.6%), Urethane Ivoclar-Vivadent Dimethacrylate (18.3%), Silicium Dioxide (0.9%), Ytterbium T3 Translucent (Liechtenstein)/M72483 Fluoride (11.4%), catalysers and stabilisers (<0.3%). Glass Fibers. C1 Ângelus (Brazil)/14818 Conventional Glass Fibers (87%), Epoxy resin (13%). C2 Ângelus (Brazil)/14874 Conventional Carbon Fibers (79%), Epoxy Resin (21%). Resin Cement Rely-X Unicem 3M ESPE (USA)/372990 Self-etch/ Dual Cure Powder: glass particles, initiators, sílica, substituted pyrimidine, calcium hidroxide, peroxide composite and pigment; liquid: metacrylate phosphoric acid Ester, dimethacrylate, acetate, stabilizer and initiator. White Post DC (FGM, Joinville, SC-Brazil), DT Light Post (Bisco, Inc, Schaumburg, ILUSA) and FRC Postec Plus (IvoclarVivadent, Liechtenstein) with similar compositions but with different amounts of chemical components, represent translucent (T) type, T1, T2 and T3 respectively. Exacto and Reforpost Carbon Fiber (Both Ângelus, Londrina, Pr-Brazil) with different compositions but opaque, represent conventional (C) type, C1 and C2 respectively. The posts were cut to standard height of 16 mm for both analysis, KHN and RA. KHN measurements The assessments targeted three different depths, namely: cervical third (CT), at a 4.1 to 6.8mm depth; middle third (MT), at an 8.8 to 11.5mm depth; and apical third (AT), at a 13.5 to 16mm depth. 31 A metallic apparatus matrix was designed and manufactured to support the posts, resin cement, and the tip of a curing light unit. Such a metallic apparatus consisted of four parts as showed in figure 1. Figure 1. Metallic matrix: (a) a frame, which contained the posts (e), (b) a support to standardize the position and volume of resin cement, (c) a support to standardize the length of each three third deep post regions and stabilize the set, (d) and an external cylinder, which holds the other part as well as incorporates the tip of curing light unit (f) at the top and also obstructs the influence of external sources of light. Patented CTIT/UFMG (BR 20 2012 015542 2). The frames were manufactured in the exact dimensions of each post by means of an electro erosion machining. Aimed at standardizing the quantitative radial light transmission, each third of the posts contained a 120-degree lateral side opening. The three thirds, were supposed to be assessed simultaneously. The measurement of all thirds, one at a time, was possible because the matrix allowed the removal of the resin cement blocks, separately, after polymerization, without destroying them. The matrix’s internal structure provided an adequate separation of each 32 third, which permitted their accurate evaluation. Each one was 1,6mm wide and 2,70 mm length. The major concern about this matrix was that the cement was inserted directly in projected spaces, in order to minimize the formation of bubbles. The posts were isolate from cement by a polyester strip. The time of light exposure was 40 seconds, and the LI remained above 420mW/cm2. The light curing unit used was Curing Light 2500(3M ESPE, USA). The set consisting of the curing light unit, the matrix, the post and the resin cement remained still throughout the assessments. After ten minutes, including 40s photopolymerization, the specimens were removed from the matrix and were immediately included in pre-molds (Buehler, USA) with crystal resin with black pigment and were poured into the device by using a Cast N’vac (Buehler, USA). After the cure of crystal resin, the specimens were removed from the pre-molds and stored dry, out of reach of light during 7 days. The surface to be analyzed was sequentially polished with # 320 to 1200-grit SiC papers and felt with diamond polish paste (Buehler, USA). A control group, using T1, was made of the same method but without a photopolymerization. KHN measurement was performed by a Micromet 5104(Buehler, Japan) using a static load of 50g for 10s. Sequentially, three indentations were performed for each third of each group. The values were obtained from the reading of the average of three indentations oriented long axis of the nov./2002. MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. A intervenção do Ministério Público no processo civil brasileiro. Sao Paulo: Saraiva, 1989. Machado filho, Sebastião. Da substituição processual. Revista LTr, São Paulo, 1993, V.57.P. 1306-1311. MACIEL, José Alberto Couto. Substituição genérica pelo sindicato. Jurisprudência Brasileira Trabalhista. Curitiba; Juruá, 1992, v. 35, p. 25-26,. Maciel júnior, Vicente de Paula. Direito e interesse. Texto divulgado pelo autor na Pós-Graduação do Curso de Direito da PUC/MG. 2002. MANCUSO, Rodolfo de Camargo. A ação civil pública como instrumento de controle judicial das chamadas políticas públicas. In: MILARÉ (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985-15 anos. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p.753-798. . A ação civil pública trabalhista; análise de alguns pontos controvertidos. Revista LTr. São Paulo, v. 60, 1996, p. 1180-1196. . Interesses difusos: conceito e legitimação para agir. 4. e. revi. e atual. São Paulo; Revista dos Tribunais, 1997. . Uma análise comparativa entre os objetos e as legitimações ativas das ações vocacionadas à tutela dos interesses metaindividuais: mandado de segurança coletivo, ação civil pública, ações do código de defesa do consumidor e ação popular. Revista Justitia, São Paulo, v. 160, 1992, p. 181-203. 292 MARINONI, Luiz Guilherme et ARENHART, Sérgio Cruz. Manual do processo de conhecimento: a tutela jurisdicional através do processo de conhecimento. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil. Campinas: Millennium, 1999, v. I e v. II. MARTINS FILHO, Ives Gandra. Ação civil pública e ação civil coletiva. Revista LTr. São Paulo, V.59, p. 1449- 1451, nov./I995. MARTINS FILHO, Ives Gandra da silva. O Ministério Público do Trabalho. In: Revista LTr, São Paulo, n. 56, p.1297-1301, nov./1992. MAZZILLI, Hugo Nigro. A ação civil pública. In: Livro de estudos jurídicos. Coord. TUBENCHALK, James e BUSTAMANTE, Ricardo. Rio de Janeiro: Instituto de Estudos Jurídicos, 1992, v.4, p.95-106. . A ação civil pública no estatuto da criança e do adolescente. Revista dos Tribunais, São Paulo; RT, ano 79, v. 659, p. 36-39, set./ 1990. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 18. ed. 2. tir., São Paulo. Malheiros, 1993. MENDES, Aluisio Gonçalves de Castro. Ações coletivas no direito comparado e nacional. São Paulo: Revista dos Tribimais, {Coleção Temas atuais de direito processual civil, v. 4), 2002. MILARÉ, Édis. A ação civil pública por dano ao ambiente. In: MILARÉ, Édis (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985 - 15 anos 2 ed São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 140-261. MIRANDA, Pontes de. Comentários ao código de processo civil. 5. ed. Rio de Janeiro. Forense, 1997, t. L MOREIRA, Carlos Roberto Barbosa. Os direitos difusos nas grandes concentrações demográficas. Revista de Processo, São Paulo: RT, n. 70, p. 143-153, abr./jun. de 1993. MOREIRA, José Carlos Barbosa. A ação civil pública e a língua pormguesa. In. MILARÉ, Édis (coord.). Ação civilpública: Lei 7.347/1985 -15 anos. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p.345-349. . A legitimação para a defesa dos interesses difusos no direito brasileiro. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 276, p.1-8, out./nov./dez. 1981. . Apontamentos para um estudo sistemático da legitimação extraordinári Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 404, p.9-18, jun. 1969. NERY JÚNIOR, Nelson et NERY, Rosa Maria de Andrade. comentado e legislação processual civil extravagante em vigor. Revista dos Tribunais, 2001. 293 NERY JÚNIOR, Nelson. Disposições Finais. In: Código brasileiro de defesa do consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1992. p. 915-962. OLIVEIRA JÚNIOR, Waldemar Mariz de. Curso de direito processual civil- Teoria geral do processo civil. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais Ltda.,1973, p. 11- 277. . Tutela iurisdicional dos interesses coletivos e difusos. Revista de Processo, São Paulo, V. 33, p.7-25, jan./mar. del984. PANDELOT, José Nillon Ferreira. Enunciado n. 310 do TST. In; VIANA, Márcio Túlio et RENAULT, Luiz Otávio Linhares (Coords). O que há de novo em processo do trabalho (homenagem a Wilson Carneiro Vidigal. São Paulo: LTr, 1997, p. 203-223. PASQUALOTTO, Adalberto. Revendo a intervenção do Ministério Público no processo civil. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo: Revista dos Tribunais, n. 12, p.3743, out./nov. 1994. PASSOS José Joaquim Calmon de. Em tomo das condições da ação - A possibilidade jurídica do pedido, Revista de Direito Processual Civil, São Paulo: Saraiva, v.4, p. 5565, jun./dez.l961. Mandado de segurança coletivo, mandado de injunção, habeas data: C^uição eprocesso. Rio de Janeiro; Forense, 1989. Substituição processual e interesses difusos, coletivos e homogêneos: vale a pena "pensar" de novo? Seleções Jurídicas, Rio de Janeiro: Advocacia dinâmica, n. 3, p. 25-31, mar./l 993. PRADE Péricles. Conceito de interesses difiisos. 2. ed. São Paulo; Revista dos Tribunais, 1987. REINALDO FILHO, Demócrito Ramos. Juizados especiais cíveis: comentários à lei n. 9.099. de 26-9-1995.2. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. ROCHA José de Albuquerque. Teoria geral do processo. 3. ed. São Paulo; Malheiros Editores, 1996. RODRIGUES, Marcelo Abelha. Elementos de direito processual civil. 2.ed. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2000, v. 1. R OMITA Arion Sayão. Ação civil pública trabalhista, legitimação do Ministério PúbHco dó Trabalho para agir. Revista LTr. São Paulo, v. 56, p.1165-1169, out./1992. SÁ Djanira Maria Radamés de. Teoria geral do direito processual civil: lide e sua resolução. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1998. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. 16.ed. Sao Paulo: Saraiva, 1993, v.l. 294 SELENE, Ana Carolina. Judiciário resiste em aceitar ações. Estado de Minas, Belo Horizonte, 19 nov. 2002, Justiça, p. 25. SEVERO NETO, Manoel. Substituição processual. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002. SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 8. ed. São Paulo; Malheiros, 1992. SILVA, Ovidio A Baptista da et GOMES, Fábio. Teoria geral do processo civil. 3. ed. rev. e atua. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002. SILVA, Paula Costa e. A transmissão da coisa ou direito em litígio. Coimbra: Coimbra Editora, 1992. SIQUEIRA, Cleanto Guimarães. A defesa no processo civil: exceções substanciais no processo de conhecimento. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 1997, p. 59-118. SOARES, Fernando Luso. Tópicos e sumários de processo civil - parte geral. Lisboa: Almedina, 1991, v. 1. SOUZA, Motauri Ciocchetti de. Ação civilpública e inquérito civil. São Paulo: Saraiva, 2001. SOUZA Norberto Silveira de. Substituição processual, garantia constitucional. Jurisprudência Brasileira Trabalhista. Curitiba: Juruá, v. 35, 1992, p. 53-55. THEODORO JÚNIOR, Humberto. A tutela dos interesses coletivos (difusos) no direito brasileiro. Revista Forense. Rio de Janeiro: Forense, v. 318, p.43-53, abr./mai./jun. de 1992. Curso de direito processual civil: teoria geral do direito processual civil e processo de conhecimento. 26. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1999, v. 1. TORNAGHI, Hélio. Comentários ao código de processo civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1974, v. 1. TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. A proteção internacional dos direitos humanos:jut^àamentosjurídicos e internacionais básicos. São Paulo: Saraiva, 1991. TUCCI José Rogério Cruz e. "Class action" e o mandado de segurança coletivo: diversificações conceptuais. São Paulo: Saraiva, 1990. TUCCI Rogério Lauria et CRUZ E TUCCI, José Rogério. Constituição de 1988 e processo regramentos e garantias constitucionais doprocesso. São Paulo: Saraiva, 1989. VASCONCELOS, Regina Maria de Oliveira. A substituição processual no processo do trabalho à luz das normas processuais do código de defesa do consumidor. Revista LTr. São Paulo, V.57, I993,p. 54-55. 295 VIEIRA, José Marcos Rodrigues. Da ação civil. Belo Horizonte: Del Rey, 2002. VIGLIAR, José Marcelo Menezes. Ação civil pública ou ação coletiva? In: MILARÉ (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985 - 15 anos. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 441-457. VILHENA, Paulo Emílio Ribeiro de. Direito e processo do trabalho. Belo Horizonte: Del Rey, 1994. WAMBIER, Luiz Rodrigues, ALMEIDA, Flávio Renato correia de et TALAMINI, Eduardo. Coord. Luiz Rodrigues Wambier. Curso avançado de processo civil 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999. v. I. WATANABE, Kazuo. Disposições gerais. In: Código brasileiro de defesa do consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, p.722-784. . Tutela jurisdicional dos interesses difusos: a legitimação para agir. Revista de jurisprudência do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. São Paulo: Lex Editora S.A, v. 88, mai./jun. 1984, p.15-21.
RECENT ACTIVITIES
Autor
123dok avatar

Ingressou : 2016-12-29

Documento similar

Tecnologia assistiva e perfil funcional dos a..

Livre

Feedback