Feedback

Exercício físico, receptores β-adrenérgicos e resposta vascular

Documento informativo
REVIEW ARTICLE Physical exercise, ß-adrenergic receptors, and vascular response Exercício físico, receptores ß-adrenérgicos e resposta vascular Alexandre Sérgio Silva, Angelina Zanesco* Abstract Aerobic exercise promotes beneicial efects on the prevention and treatment of diseases such as arterial hypertension, atherosclerosis, venous insuiciency, and peripheral arterial disease. β-adrenergic receptors are present in a variety of cells. In the cardiovascular system, β-adrenergic receptors promote positive inotropic and chronotropic response and vasorelaxation. Although the efect of exercise training has been largely studied in the cardiac tissue, studies focused on the vascular tissue are rare and controversial. his review examines the data from studies using animal and human models to determine the efect of physical exercise on the relaxing response mediated by β-adrenergic receptors as well as the cellular mechanisms involved in this response. Studies have shown reduction, increase, or no efect of physical exercise on the relaxing response mediated by β-adrenergic receptors. hus, the efects of exercise on the vascular β-adrenergic sensitivity should be more deeply investigated. Furthermore, the physiopathology of the vascular system is an open ield for the discovery of new compounds and advances in the clinical practice. Keywords: β-adrenergic receptors, blood pressure, vascular smooth muscle, physical exercise. Resumo O exercício aeróbio promove efeitos benéicos na prevenção e tratamento de doenças como hipertensão arterial, aterosclerose, insuiciência venosa e doença arterial periférica. Os receptores β-adrenérgicos estão presentes em várias células. No sistema cardiovascular, promovem inotropismo e cronotropismo positivo cardíaco e relaxamento vascular. Embora os efeitos do exercício tenham sido investigados em receptores cardíacos, estudos focados nos vasos são escassos e controversos. Esta revisão abordará os efeitos do exercício físico sobre os receptores β-adrenérgicos vasculares em modelos animais e humanos e os mecanismos celulares envolvidos na resposta relaxante. Em geral, os estudos mostram resultantes conlitantes, onde observam diminuição, aumento ou nenhum efeito do exercício físico sobre a resposta relaxante. Assim, os efeitos do exercício na sensibilidade β-adrenérgica vascular merecem maior atenção, e os resultados mostram que a área de isiopatologia vascular é um campo aberto para a descoberta de novos compostos e avanços na prática clínica. Palavras-chave: Receptores β-adrenérgicos, pressão arterial, músculo liso vascular, exercício físico. Introduction he last decades were marked by the increased prevalence of cardiovascular risk factors, such as sedentary lifestyle, obesity, and changes in lipid proile, thereby raising the incidence of chronic degenerative diseases, such as hypertension, type 2 diabetes mellitus, and atherosclerosis.1 Some vascular diseases greatly compromise blood low and oxygenation of diferent tissues, causing poor wound healing, infection, and pain, which may result in amputation mainly of the lower limbs, thus representing an important cause of death.2 Venous insuiciency and peripheral arterial occlusive disease have a high prevalence in the population, especially among the elderly, afecting about 10-40%, and the etiopathogenesis of both conditions is closely associated with endothelial dysfunction.2,3 Evidence shows that aerobic physical training promotes beneicial efects on the prevention and treatment of cardiovascular diseases and endocrine/metabolic disorders, such as hypertension, diabetes mellitus, dyslipidemia, and atherosclerosis.4 One of the mechanisms by which physical exercise promotes these efects is associated with increased blood low on the vessel wall, resulting in increased production and/or bioavailability of nitric oxide (NO) in vascular smooth muscle.5,6 *Departamento de Educação Física, Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro, SP, Brazil. No conlicts of interest declared concerning the publication of this article. Manuscript submitted Jan 26 2009, accepted for publication Mar 10 2010. J Vasc Bras. 2010;9(2):47-56. 48 J Vasc Bras 2010, Vol. 9, Nº 2 Physical exercise and vascular response, Silva AS & Zanesco A Physical exercise promotes a direct impact on vascular function, with signiicant beneicial efects on the patient’s quality of life.4 Studies report that patients with peripheral arterial occlusive disease start to feel less pain and increase walking distance without claudication in response to physical exercise, signiicantly reducing mortality among these patients.7-9 Although there are drugs that also improve walking ability without claudication, the results are still modest when compared to supervised exercise programs associated with smoking cessation.10 In post-surgical varicose vein patients, physical exercise appears to be able to restore microvascular endothelial function to levels observed in age-matched healthy controls, even in the irst minutes ater exercise.11 In addition to acting on endothelial cells, physical exercise reduces sympathetic activity and increases parasympathetic activity, leading to an improvement in vascular tone.12 Physical exercise also contributes to morphological changes of the vessels, modulating the growth of vascular smooth muscle cells, the formation of endothelial cells, and apoptosis reduction and promoting angiogenesis.6 here are reports of improvement in muscle oxidative activity in patients with peripheral arterial occlusive disease via decreased concentration of short-chain acylcarnitine, an intermediate of oxidative metabolism,13 which contributes to increase the walking distance without claudication in patients with peripheral arterial occlusive disease performing exercise training. Adrenergic receptors are also implicated in vascular activity. Stimulation of α and β receptors in response to exposure to their agonists promotes constriction or relaxation of arteries and veins.NO production by endothelial cells is partly mediated by activation of β-adrenergic receptors.14 However, little is known about the role that β-adrenergic receptors play in blood vessels and the inluence of physical exercise on these receptors in healthy individuals or patients with diferent pathological conditions, such as atherosclerosis, hypertension and diabetes mellitus. herefore, this review approaches the involvement of β-adrenergic receptors in vasorelaxation, the efects of physical exercise on the relaxant response, and the molecular mechanisms involved. he study of β-adrenergic receptors ofers an interesting ield of study in the area of vascular physiology, which might open new perspectives in the prevention and/or treatment of vascular diseases of diferent etiologies. of endothelial cells; the media, composed of smooth muscle cells; and the adventitia, composed of ibrous connective tissue, which is the outer coat of the artery. Smooth muscle cells are oten spindle-shaped with larger diameters in the core region. he sarcoplasmic reticulum, less developed compared to reticula of other types of muscle cells, is closely associated with the plasma membrane, which explains its involvement in Ca2+ signaling mechanisms and muscle contraction. he activation of this biochemical cascade of vascular smooth muscle contraction occurs through binding of contractile agents, such as norepinephrine, phenylephrine and endothelin, to speciic membrane receptors present in the muscle cell. hese receptors, in turn, activate a protein called G protein that stimulates phospholipase C, present in the cell membrane, which catalyzes the formation of second messengers from membrane phospholipids generating inositol-1,4,5-triphosphate (IP3) and diacylglycerol (DAG). IP3 binds to its receptors located in the sarcoplasmic reticulum, releasing to the cytosol Ca2+ ions present within this organelle. he DAG molecule activates a protein called protein kinase C (PKC), which, in turn, phosphorylates proteins bound to L-type calcium channels, favoring the inlux of extracellular Ca2+ to the intracellular medium. hese two messengers cause an elevation in Ca2+ concentration, enabling actin-myosin interaction and producing contraction of vascular smooth muscle.15 he relaxation of vascular smooth muscle is triggered by diferent agents produced by endothelial cells, including prostacyclin, endothelium-derived hyperpolarizing factor (EDHF), and NO. NO is considered the most potent vasodilator produced by the endothelium, and control of its production is directly related to various diseases, such as hypertension, atherosclerosis, and coronary artery disease.16 Several mediators and neurotransmitters can promote the release of NO by endothelial cells, such as acetylcholine, bradykinin and norepinephrine, through activation of its speciic receptors. More recently, hydrogen peroxide (H2O2) and hydrogen sulide (H2S) have been highlighted in vascular research as important mediators in the relaxant response of diferent vessels.17,18 hus, the discovery of these molecules in vascular function opens a relevant ield on the therapeutic potential of thromboembolic disease. Vascular smooth muscle and endothelium Adrenergic receptors were initially divided into two broad categories, α and β. Subsequently, they were subdivided into subtypes α1, α2, β1, β2, and β3 by using subtype-selective antagonists and sequencing of amino acids that participate in Arterial vessels usually have three layers: the intima, which is in contact with blood elements and consists mainly β-adrenergic receptors Physical exercise and vascular response, Silva AS & Zanesco A their protein structures. α-adrenergic receptors are further subdivided into α1A, α1B, α1D, α2A, α2B, and α2C.19-21 β-adrenergic receptors are present in diferent cells, acting on a variety of functions, including modulation of hormone release, metabolic control, and cardiovascular regulation. Stimulation of β-adrenergic receptors, in the islets of Langerhans, increases glucose in humans, thus β2adrenergic agonists are used in the treatment of hypoglycemia.22,23 In adipocytes, β3 receptors have been shown to act on leptin release.24 Moreover, the balance between lipogenesis and lipolysis is associated with stimulation of α- and β-adrenergic receptors, respectively.25 Particularly in the cardiovascular system, β-adrenergic receptors promote positive cardiac chronotropic and inotropic response (increasing heart rate and contractile force, respectively) and vasodilation. hese actions are triggered by the binding of catecholamines (epinephrine and norepinephrine, released from autonomic ibers) to diferent β-adrenergic receptor subtypes present in cardiac muscle cells and blood vessels. Currently, at least three β-adrenergic receptor subtypes are recognized: β1, β2, and β3. β1 and β2 receptors were the irst to be classiied based on the use of subtype-selective agonists and antagonists.26 β3-adrenergic receptors were irst described in adipocytes,27 and their presence was subsequently demonstrated in cardiac tissue, mediating chronotropism,28 and also in blood vessels, promoting vasodilation.14 he classiication of β-adrenergic receptors was possible through the synthesis of selective agonists, such as BRL 37344 and CL 316243.29,30 he existence of a fourth β-adrenergic receptor, called β4, which would mediate muscle glucose uptake and cardiac chronotropism and inotropism in humans and rats, was proposed by various authors.31-33 However, other studies report that β1 receptors may present an altered conformational state, in which they lose ainity for their speciic ligands and start to have ainity for other agonists that activate β3 and also β4 receptors, such as the agonist CGP 12177.34-38 hus, the existence of β4-adrenergic receptor remains unclear. he ainity and eicacy of β-adrenergic drugs may also vary depending on the conformational state of receptors and their mechanisms for coupling to proteins and second messengers present within the cells that constitute the tissue.39,40 he density of β-adrenergic receptors also varies greatly among diferent cells and tissues and according to the species studied.41-44 Vascular β-adrenergic receptors Early studies investigating vascular beds have shown the existence of two β-adrenergic receptor subtypes, β1 and J Vasc Bras 2010, Vol. 9, Nº 2 49 β2, in diferent arteries and veins. It was observed that the vasodilator response was mediated predominantly by β2adrenergic receptors compared with β1-receptor subtypes, with an order of potency of epinephrine > norepinephrine > phenylephrine,45-47 although this classiication of potency does not apply to all vascular beds.5 Some studies show that β1-adrenergic receptors also promote vasodilation,48,49 whereas other studies show that β3-receptor subtypes participate in the vasodilator response of arteries of various species, such as human coronary arteries,14,50 rat aorta,51 and canine pulmonary arteries.52-54 In rat aorta, it was demonstrated that some relaxant responses appear to be mediated by a population of atypical receptors (presumably β4), through the use of conventional agonists/antagonists that stimulate β1-, β2-, and β3-receptor subtypes.55-57 On the other hand, other studies failed to conirm the participation of β3-adrenergic receptors and of this atypical receptor (β4) in this preparation.58,59In rat mesenteric arteries, β4-adrenergic receptor also seems to be present,60 but these data were not conirmed in a subsequent study in these arteries.48 Studies involving femoral and brachial arteries are scarce compared to more central and larger arteries, such as the aorta and mesenteric artery. In one of these few studies, the presence of β1- and β2-adrenergic receptors was observed through the use of selective agonists/antagonists in porcine femoral artery.61 On the other hand, in rabbit femoral arteries, only β2-receptor subtypes were shown to mediate the vasodilator response.62 Mechanism of action of β-adrenergic receptors The multiple intracellular signaling pathways in response to the activation of β-adrenergic receptors in blood vessels modify according to the β-adrenoceptor subtype that is mediating relaxant responses and to the vascular bed studied.61 Although the activation of cyclic adenosine monophosphate (cAMP) is the classic pathway for the vasodilator response to β-adrenergic stimulation, dependent and independent mechanisms of formation of this second messenger contribute to the relaxant response induced by the activation of these receptors.63,64 For details, see Figure 1. Signaling pathway: cAMP-protein kinase A Adrenoceptors belong to a superfamily of membrane receptors closely related and coupled to G proteins. All these proteins share a common peptide structure, in which the amino-terminal portion (N), extracellularly, is connected to the carboxyl-terminal chain (C) 50 J Vasc Bras 2010, Vol. 9, Nº 2 intracellularly by seven transmembrane domains. The relative size of N- and C-terminal chains and of the third intracellular loop varies considerably from receptor to receptor.65,66 The third intracellular loop of β-adrenoceptors is the site for coupling of these receptors to G protein. G proteins are heterotrimers, consisting of one hydrophilic α-subunit and two hydrophobic subunits, β and γ. In the absence of agonists, when G protein is inactive, a molecule of guanosine diphosphate (GDP) is bound to the α-subunit, forming a complex associated with β- and γ-subunits. In the presence of agonists, the activated receptor interacts with G protein and induces the conversion of GDP into guanosine triphosphate (GTP) in the α-subunit. After binding to GTP, the α-subunit dissociates from βγ-subunits and becomes active. The α-subunit remains free until GTP hydrolysis and formation of GDP occurs, leading to its reassociation with βγ-subunits. The α-subunit of Gs protein, when activated, leads to stimulation of adenylyl cyclase, which leads to the formation of cAMP second messenger from ATP breakdown. cAMP activates protein kinase A that will promote reduction in intracellular Ca2+ concentration in vascular smooth muscle cells, with consequent vasodilation.66,67 For details, see Figure 1. Physical exercise and vascular response, Silva AS & Zanesco A Signaling pathway by activation of calciumdependent potassium channels Maintenance of relaxant activity of the aorta in response to isoprenaline, even in the presence of SQ 22,536 (an adenylyl cyclase inhibitor), supports the existence of cAMP-independent mechanism in certain vessels.51 In addition, relaxation is abolished in the presence of iberiotoxin, a K+ channel blocker, suggesting the involvement of large-conductance Ca2+-activated K+ channels (MaxiK). hese data are consistent with a previous study that demonstrated the importance of K+ channels in the relaxant response of the basilar artery of the guinea pig.68 Additionally, relaxation was shown to be dependent on MaxiK channels only for responses mediated by β1- and β2-adrenergic receptors, whereas, for β3 receptors, Kv channels do not appear to be involved.51 he mechanism by which activation of β-adrenergic receptors promotes relaxation is carried out through the activation and opening of K+ channels, allowing their extracellular release, which, in turn, causes reduction in membrane potential, leading to cell hyperpolarization. his results in the closure of voltage-dependent Ca2+ channels. Ca2+ channel closure by membrane hyperpolarization causes a reduction in the Ca2+-calmodulin complex and in the phosphorylation of the myosin light chain, leading to relaxation.10 For details, see Figure 1. Signaling pathway: nitric oxide-cGMP Classic pathway of G-protein activation of β-adrenergic receptors, activation of adenylyl cyclase, and formation of cAMP, which, in turn, activates protein kinase A (panel B). Two other pathways que, no passado, se tomavam os axiomas de Euclides. Presume-se que tudo ruiria se as premissas não fossem verdadeiras. Na minha visão, se o currículo for definido por resultados, competências ou, de forma mais abrangente, avaliações, ele será incapaz de prover acesso ao conhecimento. Entende-se conhecimento como a capacidade de vislumbrar alternativas, seja em literatura, seja em química; não pode nunca ser definido por resultados, habilidades ou avaliações. O que dizer, então, de uma teoria do currículo que adota um papel crítico sem se sentir obrigada a desenvolver suas implicações concretas? A crítica é vista como autojustificadora – “dizer a verdade ao poder” é uma frase popular – e os críticos objetam quando se lhes pergunta: “e daí?”. Foucault é muito popular entre teóricos críticos do currículo e foi assim que ele justificou a crítica sem consequências: Não vou desempenhar, de maneira alguma, o papel de quem prescreve soluções. Sustento que o papel do intelectual, hoje, não é [.] propor soluções ou profetizar, já que, ao fazer isso, só se contribui para uma determinada situação de poder que deve ser criticada. (FOUCAULT Michel, 1991, p. 157,3 apud MULLER, 2000) CADERNOS DE PESQUISA v.44 n.151 p.190-202 jan./mar. 2014 195 O problema com o argumento de Foucault, na minha opinião, é que ele presume que princípios alternativos equivalem a soluções. Nenhum professor quer soluções da teoria do currículo – no sentido de “ser instruído sobre o que ensinar”. Isso é tecnicismo e enfraquece os professores. Contudo, como em qualquer profissão, sem a orientação e os princípios derivados da teoria do currículo, os professores ficariam isolados e perderiam toda autoridade. Em outras palavras, os professores precisam da teoria do currículo para afirmar sua autoridade profissional. Uma visão mais extrema, adotada por alguns teóricos associados à tradição pedagógica crítica, livra-os de propor alternativas concretas, pois se identificam com um hipotético movimento global dos destituídos, como sugeriram Hardt e Negri em seu livro Império (2001). “A crítica 3 FOUCAULT, M. Remarks on Marx: conversations with Diccio Tombadori. R. J. Goldstein and J. Cascaito’ Translation. New York: Semiotext(e), 1991. TEORIA DO CURRÍCULO: O QUE É E POR QUE É IMPORTANTE pela crítica, sem alternativas”, é como chamo essa pedagogia crítica, a menos que se considere “esperança num futuro improvável” como alternativa. A consequência das “críticas sem alternativas” é o endosso daquilo que Stuart Hall, prestigiado sociólogo e teórico da cultura, chamou certa vez, ironicamente, de “currículo da vida”. Com efeito, a menos que a vida seja ela mesma um currículo, isso significa não ter currículo e, portanto, não ter sequer escolas. Então, por que temos essa divisão do trabalho entre crítica e implementação ou alternativas? Não é uma característica de outros campos especializados do conhecimento, como a saúde ou a engenharia. A culpa é parcialmente nossa: não concordamos sobre qual é o objeto de nossa teoria, nem mesmo sobre quais são os limites dela, e então buscamos conceitos críticos na filosofia, na ciência política e na teoria literária, embora nenhum desses campos tenha jamais tratado de questões educacionais, quanto mais de currículos. Um artigo recente no Journal of Curriculum Studies referiu-se a esse problema como a fuga do currículo na teoria do currículo. Outro dia me mandaram um artigo sobre Derrida e a geografia. Era uma “desconstrução” elegante e sistemática da geografia, descrita como algo sem qualquer tipo de coerência. Como seria possível, então, ensinar geografia? O autor não seguiu até o fim a lógica de seu argumento e, portanto, não sugeriu que parássemos de ensinar geografia. Ele poderia ter feito o mesmo com história ou ciências. Por que Derrida? Sem dúvida, trata-se de um filósofo brilhante. Mas será que isso significa que ele seja também um teórico do currículo? Não creio. Não li muito Derrida e seus textos não são fáceis. O que sei devo às interpretações do filósofo inglês Christopher Norris. O projeto de Derrida, segundo Norris, é uma desconstrução crítica da tradição filosófica do Iluminismo iniciada por Kant – um belo projeto para um filósofo, mas não para um teórico do currículo. Repito: não creio que o seja. Ao buscar tais elementos, acredito que a teoria do currículo corre o risco de desconsiderar duas questões relacionadas e cruciais. A primeira é que a educação é uma atividade prática, como saúde, transporte ou comunicações. Não é como física, filosofia ou história – campos de investigação que buscam a verdade sobre nós e sobre o mundo e o universo que habitamos. A educação trata de fazer coisas com e para os outros; a pedagogia é sempre uma relação de autoridade (lembrem-se da zona de desenvolvimento proximal de Vygotsky: a diferença entre o que o estudante e o professor sabem) e devemos aceitar essa responsabilidade. É justamente aí que entra a teoria do currículo. A educação preocupa-se, antes de mais nada, em capacitar as pessoas a adquirir conhecimento que as leve para além da experiência pessoal, e que elas provavelmente não poderiam adquirir se não fossem à escola ou à universidade. Sugiro que o papel da teoria do currículo deva ser a 196 CADERNOS DE PESQUISA v.44 n.151 p.190-202 jan./mar. 2014 Michael Young análise desse conhecimento – a maior parte dele já existe nas escolas – e a proposta das melhores alternativas que possamos encontrar para as formas existentes. A segunda questão é que a educação é uma atividade especializada. No tempo em que a maioria não frequentava escolas, educação era uma coisa simples, assumida por pais e anciãos como extensão natural do resto de suas vidas. Não requeria nenhum conhecimento para além das experiências e memórias de infância das pessoas. À medida que as sociedades foram se tornando mais complexas e mais diferenciadas, desenvolveram-se instituições especializadas – escolas, faculdades e, claro, universidades. Assim, embora permaneça uma atividade prática, a educação se tornou cada vez mais especializada. Os currículos são a forma desse conhecimento educacional especializado e costumam definir o tipo de educação recebida pelas pessoas. Precisamos entender os currículos como formas de conhecimento especializado para podermos desenvolver currículos melhores e ampliar as oportunidades de aprendizado. É esse tipo de meta que dá sentido à teoria do currículo, assim como tratamentos e remédios melhores dão sentido à ciência médica. Voltemos, então, ao currículo como conceito educacional. O CURRÍCULO COMO CONCEITO EDUCACIONAL Estou cada vez mais convencido de que o currículo é o conceito mais importante que emergiu do campo dos estudos educacionais. Nenhuma outra instituição – hospital, governo, empresa ou fábrica – tem um currículo no sentido em que escolas, faculdades e universidades têm. Todas as instituições educacionais afirmam e presumem dispor de um conhecimento ao qual outros têm direito de acesso e empregam gente que é especialista em tornar esse conhecimento acessível (os professores) – obviamente, com graus variados de sucesso. Quem quer adquirir um conhecimento especializado pode começar por ler um livro ou consultar a internet, mas, se for sério, vai a uma instituição com um currículo que inclua o que quer aprender e tenha professores que sabem ensinar. Isso nos leva à questão crucial: qual conhecimento deveria compor o currículo? Não no sentido absoluto de conhecimento verdadeiro, o que seria melhor definido como crença, mas no sentido de “o melhor conhecimento que temos em qualquer campo”. Se não pudermos responder a essa questão ou se não houver um conhecimento “melhor”, nossa autoridade como teóricos do currículo estará em xeque, como também estarão em xeque as bases sobre as quais esperamos que os pais confiem nos professores quando entregam seus filhos a eles. A verdade é que não sabemos muito sobre currículos, exceto nos termos cotidianos – grade horária, listas de disciplinas, roteiros de exames e, cada vez mais, matrizes de competências ou habilidades. CADERNOS DE PESQUISA v.44 n.151 p.190-202 jan./mar. 2014 197 TEORIA DO CURRÍCULO: O QUE É E POR QUE É IMPORTANTE Para desenvolver um argumento sobre o que significaria o conceito de currículo, empresto uma ideia de um artigo recente de meu colega David Scott (SCOTT; HARGREAVES, 2014). Seu ponto de partida não é propriamente o currículo, mas o aprendizado como a mais básica atividade humana. O que torna humano o aprendizado humano, diz ele, é o fato de que se trata de uma atividade epistêmica – em outras palavras, tem a ver com a produção de conhecimento. Por que outra razão aprenderíamos senão para descobrir algo ou como fazer algo – portanto, produzindo conhecimento? É útil estender a ideia de Scott um pouco mais e ver o aprendizado como um continuum em dois sentidos: histórico, já que, ao longo do tempo, o aprendizado tornou-se cada vez mais complexo e diferenciado; e em segmentos da comunidade e da escola era reduzida, em virtude da falta de informações e/ou das injunções decorrentes das relações de poder que inibem o posicionamento autônomo desses atores. A pesquisa mostrou também que o PAR não tem conseguido envolver as diferentes secretarias administrativas nos âmbitos nacional, estadual e municipal, tampouco tem garantido a participação dos diferentes atores sociais no ato de planejar, visto que esse plano tem se restringido às secretarias de educação e, por vezes, a um único setor ou a uma única pessoa da secretaria, formando-se “comitês de gabinete”, o que tira do plano seu caráter participativo. Além disso, percebeu-se que a possibilidade de financiamento de programas e projetos ganha lugar de destaque no PAR, o que dá a este um caráter, acima de tudo, de captação de recursos financeiros. O impacto dessa visão no interior dos sistemas pode ser observado quando o PAR não se configura de fato como um instrumento de planejamento dos sistemas educativos, mas 620 CADERNOS DE PESQUISA v.44 n.153 p.602-623 jul./set. 2014 Eliza Bartolozzi Ferreirra como um “programa do MEC” executado de forma paralela às diversas ações políticas e pedagógicas das secretarias. Como agravante, a análise dos dados coletados da pesquisa revela um distanciamento do MEC de sua tarefa inicial: assistir os sistemas com apoio técnico e financeiro de forma mais efetiva. Observou-se que a ação do MEC caracteriza-se por um apoio relativo aos municípios, pois a assistência técnica e financeira é limitada, o que deixa entrever que é precária a pretendida ação de colaboração. Geralmente, os sistemas municipais executam isoladamente o PAR, contando com a assistência técnica da Undime e da Secretaria de Estado da Educação. Por outro lado, pode-se observar também avanços em relação ao compartilhamento de ideias e assistência entre os municípios de pequeno porte, que, ao encontrarem dificuldades na compreensão da feitura do PAR, buscam auxílio entre si e praticam, desse modo, uma forma de colaboração técnica. Assim, é possível afirmar que a aplicação do PAR nos municípios trouxe uma nova estratégia de ação de planejamento até então não vivenciada pelo sistema. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este texto traz uma descrição analítica sucinta de parte dos dados encontrados na pesquisa “Gestão das políticas educacionais no Brasil e seus mecanismos de centralização e descentralização: o desafio do Plano de Ações Articuladas (PAR)”. Essa investigação revelou dificuldades de execução do PAR no contexto de secretarias de educação de municípios de pequeno e médio porte localizados nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do país. As dificuldades encontradas no PAR podem ser compreendidas como consequência de seu curto tempo de implantação, já que a avaliação de uma política pública exige um distanciamento histórico maior. Em concordância com essa visão, cabe destacar que esses primeiros diagnósticos sobre o PAR podem servir de correção da trajetória atual e talvez possam promover formas de empoderamento dos municípios, capacitando-os à formação de profissionais com competências de gestão pública de caráter político/emancipatório. Todavia, não somente a formação das competências dos trabalhadores locais é suficiente para a execução do PAR. Os dados mostram que é necessário reformular a organização do trabalho do MEC e do FNDE, mas o Compromisso também deve estar vinculado ao planejamento econômico, social, cultural e político como um todo do país como base para as mudanças das estruturas que fundam os alicerces da nação brasileira. Não obstante as dificuldades apontadas, deve-se reconhecer que o PAR é um instrumento inovador de planejamento e tem possibilidades, em um tempo mais longo e com condições mais bem estruturadas, de ajudar no equilíbrio federativo entre os sistemas educativos. Os CADERNOS DE PESQUISA v.44 n.153 p.602-623 jul./set. 2014 621 FEDERALISMO E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL NO EXERCÍCIO DO PAR dados revelam a existência de indicativos que permitem verificar práticas de articulação entre municípios, estados e União, mesmo que ainda simples. Embora não discutido neste texto, entende-se que os avanços somente poderão ocorrer quando da revisão da política fiscal empregada atualmente no Brasil. Por fim, falta destacar que o conceito de qualidade almejado na educação – de forma ainda que pragmática porque ciente dos marcos históricos em que nos encontramos – pressupõe a constituição de um projeto nacional compartilhado pelas diferentes classes sociais, com o compromisso de reduzir todo tipo de desigualdades. Dessa forma, princípios de justiça social devem ser debatidos entre os segmentos sociais de modo a encontrar consensos que se traduzam em maior igualdade e liberdade humana. Talvez esse seja o primeiro passo para o exercício de um planejamento educacional que articule e integre todos os entes federativos para a construção de uma escola ética e política que impulsione a formação humana para uma conscientização da necessária emancipação das amarras prático-utilitárias da sociedade capitalista global. REFERÊNCIAS ARRETCHE, Marta T. S. Estado federativo e políticas sociais: determinantes da descentralização. São Paulo: Fapesp, 2000. BRASIL. Ministério da Educação. Decreto n. 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União Federal, em regime de colaboração com Municípios, Distrito Federal e Estados, e a participação das famílias. Brasília, DF: MEC, 2007a. ______. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - Fundeb, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei no 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis nos 9.424, de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá outras providências. Brasília, DF: MEC, 2007b. ______. Resolução n. 029, de 20 de junho de 2007. Estabelece os critérios, os parâmetros e os procedimentos para a operacionalização da assistência financeira suplementar a projetos educacionais, no âmbito do Compromisso Todos pela Educação, Brasília, DF: MEC/FNDE, 2007c. ______. Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília, DF: MEC, 2007d. ______. Resolução n. 047. Altera a Resolução CD/FNDE n. 29, de 20 de julho de 2007, que estabelece os critérios, os parâmetros e os procedimentos para a operacionalização da assistência financeira suplementar e voluntária a projetos educacionais, no âmbito do Compromisso Todos pela Educação. Brasília, DF: MEC/FNDE, 2007e. ______. Guia de programas que constam no PAR - documento complementar ao Guia Prático de Ações. Brasília, DF: MEC, 2009. ______. Documento Técnico contendo o histórico acerca da criação e implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação e as perspectivas de continuidade. Brasília, DF: MEC, 2010. Técnica Fabiane Robl. ______. Plano de Ações Articuladas - PAR 2011-2014. Guia Prático de Ações para os Municípios. MEC, 2011a. ______. Questões importantes sobre o preenchimento do PAR municipal 2011 – 2014. 4ª versão. Brasília, DF: MEC, 2011b. 622 CADERNOS DE PESQUISA v.44 n.153 p.602-623 jul./set. 2014 Eliza Bartolozzi Ferreirra DINIZ, Eli. Globalização, reformas econômicas e elites empresariais. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004. FERREIRA, Eliza B.; FONSECA, Marília. O planejamento das políticas educativas no Brasil e seus desafios atuais. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 29, n. 1, p. 69-96, 2011. MARTINS, Paulo S. O financiamento da educação básica por meio de fundos contábeis: estratégia política para a equidade, a autonomia e o regime de colaboração entre os entes federados. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Brasília, Brasília. 2009. ______. Fundeb, federalismo e regime de colaboração. Campinas: Autores Associados/UnB, 2013. RATTNER, Henrique. Indicadores sociais e planificação do desenvolvimento. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 17, n. 1, s/p., 1977. Disponível em: http://www.scielo.br/ scielo.php?pid=S0034-75901977000100002&script=sci_arttext. Acesso em: 15 ago. 2013. SAVIANI, Dermeval. Sistema nacional de educação: conceito, papel histórico e obstáculos para sua construção no Brasil. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 31., out. 2008, Caxambu, MG, 2008. Anais. Caxambu: Anped, 2008. GT-05: Estado e Política Educacional. ELIZA BARTOLOZZI FERREIRA Professora doutora do Centro de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo – Ufes –; coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Políticas Educacionais – Nepe/Ufes eliza.ferreira@ufes.br Recebido em: AGOSTO 2014 | Aprovado para publicação em: SETEMBRO 2014 CADERNOS DE PESQUISA v.44 n.153 p.602-623 jul./set. 2014 623
Exercício físico, receptores β-adrenérgicos e resposta vascular
RECENT ACTIVITIES
Autor
Documento similar

Exercício físico, receptores β-adrenérgicos e resposta vascular

Livre